MATEMÁTICA COMERCIAL MÓDULO 1 CONCEITOS INICIAIS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MATEMÁTICA COMERCIAL MÓDULO 1 CONCEITOS INICIAIS"

Transcrição

1 MATEMÁTICA COMERCIAL MÓDULO 1 CONCEITOS INICIAIS

2 Índice 1. Introdução Taxa de Juros Fluxo de caixa Juros Simples Exemplos de Juros Simples Valor Nominal e Valor Atual Desconto Simples Nomenclatura Relação entre Taxa de Desconto e Juros Simples Relação entre Taxa de Desconto e Juros Simples - exemplos

3 1. INTRODUÇÃO Hoje em dia, é muito comum falar-se em juros, taxa de juros, taxa SELIC, aumento dos juros do cheque especial, etc. Vamos começar entendendo o que são juros. Juro é um atributo de uma aplicação financeira, ou seja, uma quantia em dinheiro que deve ser paga por um devedor (o que pede emprestado) pela utilização de dinheiro de um credor (aquele que empresta). Neste curso, aprenderemos os dois tipos de juros: juros simples e juros compostos. Vamos ver do que trata cada um deles. Os juros simples são acréscimos que são somados ao capital inicial no final da aplicação, ou seja, o regime de juros simples é aquele no qual os juros sempre incidem sobre o capital inicial. Juros compostos são acréscimos que são somados ao capital, ao fim de cada período de aplicação, formando, com esta soma, um novo capital. A grande diferença entre esses dois tipos de juros é que, no final das contas, quem financia por juros simples obtém um montante (valor total a pagar) inferior ao valor do montante a ser pago por quem financia por juros compostos. O regime de juros simples não é utilizado na prática nas operações comerciais, mas a análise desse tema, como introdução à matemática comercial, é importante. No Brasil, costuma-se utilizar o regime de juros compostos. Agora, vamos definir alguns termos utilizados no mercado financeiro e que serão muito úteis no aprendizado de matemática comercial: capital: chamamos de qualquer valor monetário que uma pessoa (física ou jurídica) empresta para outra durante certo tempo; juro: o custo do empréstimo; taxa de juros: valor do juro em certa unidade de tempo, expresso como uma porcentagem do capital; montante: soma do capital com juro. 2. TAXA DE JUROS É a taxa de juros que indica qual será a remuneração paga pelo dinheiro emprestado, por um determinado período de tempo. Normalmente, é expressa na forma percentual, e em seguida a especificação do período de tempo a que se refere: 10% a.a. (a.a. significa ao ano); 30% a.t. (a.t. significa ao trimestre). 3

4 Outra forma de apresentação da taxa de juros é a unitária, que é igual à taxa percentual dividida por cem, ou seja, na forma decimal, portanto, sem o símbolo %: 0,15 a.m. (a.m. significa ao mês); 0,10 a.q. (a.q. significa ao quadrimestre). Por exemplo: taxa de 11% ao ano, ou 11% a.a.; taxa de 25% ao ano, ou 25% a.a. Isso significa dizer que para cada R$ 100,00 emprestados, receberemos R$ 11,00 de juros no caso de 11% a.a., e no caso de 25% a.a., para cada R$ 100,00 emprestados, a pessoa/instituição receberá R$ 25,00 de juros. Temos como nomenclatura de cada um desses: 3. FLUXO DE CAIXA O fluxo de caixa é um gráfico contendo informações sobre entradas e saídas de capital, realizadas em determinados períodos de tempo, demonstrando, assim, graficamente, as transações financeiras nesse determinado período. O tempo é representado na horizontal (linha de tempo), dividido pelo número de períodos relevantes para análise, ou seja, com os valores indicados nos respectivos tempos. A entrada de dinheiro para um caixa em um sistema bancário poderá ser indicada por uma seta para baixo, enquanto que o indivíduo que pagou a conta deverá colocar uma seta para cima. A inversão das setas é uma coisa comum e pode ser realizada sem problema. Chamamos de VP o valor presente, que significa o valor que se tem na data 0; VF é o valor futuro, que será igual ao valor que se terá no final do fluxo, após juros, entradas e saídas. Vamos observar o exemplo abaixo. Consideremos uma situação em que foi feito um depósito inicial de R$ 5.000,00 em uma conta que rende juros de 4% ao ano, compostos 4

5 mensalmente, e que se continue a depositar mensalmente valores de R$ 1.000,00 durante os cinco meses seguintes. No sexto mês, quer-se conhecer o valor futuro da reunião desses depósitos. Para obter o valor futuro desse capital depositado em vários meses, usamos o fluxo de caixa e conceitos matemáticos para calcular o valor resultante ou montante acumulado. 4. JUROS SIMPLES Como já dito anteriormente, juros simples são acréscimos que são somados ao capital inicial no final da aplicação, ou seja, o regime de juros simples é aquele no qual os juros sempre incidem sobre o capital inicial. Consideremos um capital C, aplicado a juros simples à taxa i por período, durante n períodos de tempo. Sendo assim: J = C x i x n Onde: J = juros C = capital i = taxa da aplicação n = tempo que durou a aplicação Para o montante, ou seja, a soma do capital a ser resgatada com juro, temos a seguinte fórmula: M = C (1 + i x n) M = C + J i = MC - 1 Onde: 5

6 J = juros C = capital i = taxa da aplicação n = tempo que durou a aplicação M = montante Temos uma dívida de R$ 2.000,00 que deve ser paga com juros de 8% a.m. pelo regime de juros simples e devemos pagá-la em dois meses. Os juros que pagaremos serão: J = C x i x n J = 2000 x 0.08 x 2 = 260. Exemplo Calcule o montante resultante da aplicação de R$ ,00 à taxa de 10,5% a.a. durante 145 dias. Solução Dias Taxa (%) ,5 1 x 360x = 36 x = 0,03% a.d., ou seja, r = 0,03% a.d. Portanto, i = 0,03/100 = 0,0003 M = C. (1 + (i x n)) M = [1 + (0,0003).(145)] = R$ ,00. Observe que expressamos a taxa i e o período n na mesma unidade de tempo, ou seja, dias. Daí ter encontrado a taxa diária dividindo a taxa por 360, para obter o valor equivalente em dias, já que um ano comercial possui 360 dias. 5. EXEMPLOS DE JUROS SIMPLES Calcular os juros simples de R$ 1.200,00 a 13% a.t. por quatro meses e quinze dias. 6

7 r = 13% i = 13/100 = 0,13 4m15d = 4,5 meses. Para transformar em trimestre, usamos a regra de três: Meses Trimestre 3 1 4,5 x 3x = 4,5 x = 1,5 trimestre j = x 0,13 x 1,5 = 234. Exemplo Calcular os juros simples produzidos por R$ ,00 aplicados à taxa de 36% a.a. durante 125 dias. Temos: J = C x i x n Dias Taxa (%) x 360x = 36 x = 0,1% a.d., ou seja, r = 0,1% a.d. Portanto, i = 0,1/100 = 0,001. Agora, como a taxa e o período estão referidos à mesma unidade de tem po, ou seja, dias, poderemos calcular diretamente: J = x 0,001 x 125 = R$ 5.000,00. Exemplo Qual é o capital que aplicado a juros simples de 1,2% a.m. rende R$ 3.500,00 de juros em 75 dias? Dias Taxa(%) 30 1,2 1 x 7

8 30x = 0,04 x = 0,04% a.d., ou seja, r = 0,04% a.d. Portanto, i = 0,04/100 = 0,0004. Temos imediatamente: J = C.i.n, ou seja: = C.(0,0004).(75). Observe que expressamos a taxa i e o período n em relação à mesma unidade de tempo, ou seja, dias. Logo, = C x 0,0004 x 75 = P. 0,030. Daí, vem: C = / 0,030 = R$ ,67. Exemplo Se a taxa de uma aplicação é de 150% ao ano, quantos meses serão necessários para dobrar um capital aplicado através de capitalização simples? Objetivo: M = 2.C Dados: r = 1 50% i = 150/100 = 1,5 Fórmula: M = C (1 + i.n) Desenvolvimento: 2C = C (1 + 1,5 n) 2 = 1 + 1,5 n n = 2/3 ano = 8 meses. 6. VALOR NOMINAL E VALOR ATUAL Consideremos que uma pessoa tenha uma dívida de R$ ,00 a ser paga daqui a cinco meses. Se ela puder aplicar seu dinheiro hoje, a juros simples e à taxa de 2% a.m., quanto precisará aplicar para poder pagar a dívida no seu vencimento? Valor nominal (N): valor do título a ser descontado. Valor atual ou valor presente (V): valor aplicado a juros simples numa data anterior até a data de vencimento e que proporcione um montante igual ao valor nominal. 8

9 N = valor nominal V = valor atual ou presente i = taxa da aplicação n = tempo que durou a aplicação Esquematicamente: 7. DESCONTO SIMPLES Para uma pessoa que faz uma dívida tomando algum dinheiro emprestado, tendo que pagar esse valor emprestado em data futura, é normal que entregue ao credor (aquele de quem tomou emprestado o dinheiro) um título de crédito, que é o comprovante da dívida. Todo título de crédito tem uma data de vencimento; porém, caso o devedor queira resgatá-lo antes da data de vencimento estabelecida no título de crédito, poderá obter, com isso, um abatimento denominado desconto. O desconto é uma das aplicações mais comuns da regra de juro. A ideia de desconto está associada com o abatimento dado a um valor monetário em determinadas condições. Desconto costuma ser expresso por um percentual aplicado sobre o preço. Os títulos de crédito mais utilizados em operações financeiras são: nota promissória: é um comprovante da aplicação de um capital com vencimento predeterminado. É um título muito usado entre pessoas físicas ou entre pessoa física e instituição financeira; duplicata: é um título emitido por uma pessoa jurídica contra seu cliente (pessoa física ou jurídica), para o qual ela vendeu mercadorias a prazo ou prestou serviços a serem pagos no futuro, segundo um contrato; letra de câmbio: assim como a nota promissória, é um comprovante de uma aplicação de capital com vencimento predeterminado; porém, é 9

10 um título ao portador, emitido exclusivamente por uma instituição financeira. Existem algumas situações em que o devedor quer efetuar o pagamento do título antecipadamente. Nesse caso, ele se beneficia com um abatimento correspondente ao juro que seria gerado por esse dinheiro durante o intervalo de tempo que falta para o vencimento. Também pode ocorrer de o credor necessitar de dinheiro antes da data do vencimento estabelecida junto ao devedor. Nesse caso, ele pode vender o título de crédito a um terceiro, como, por exemplo, um banco, e efetuar o desconto da duplicata. É claro e justo que este último obtenha um lucro correspondente ao juro do capital que adianta ao credor, de acordo com o período que ainda falta para o vencimento do título; assim, o banco paga uma quantia menor que a fixada no título de crédito. Resumidamente, ocorre que a empresa cede ao banco o direito do recebimento da duplicata em troca de dinheiro imediato. Como exemplo desse caso, imagine uma empresa que emitiu uma duplicata no valor de R$ ,00 para vencimento em quatro meses. Em determinado momento, antes de completar esse prazo, a empresa necessitou de dinheiro para seu fluxo de caixa. Foi, então, ao banco, que ofereceu um adiantamento de R$ ,00 em troca da duplicata. Dizemos, nesse caso, que o banco propôs um desconto de R$ 1.500,00 (R$ R$ ,00). Quando existe um benefício obtido de comum acordo, como o citado anteriormente, dado pela diferença entre as duas quantidades, esse benefício recebe o nome de desconto. As operações anteriormente citadas são denominadas operações de desconto, e o ato de efetuá-las é chamado descontar um título. As operações de descontos de duplicatas e notas promissórias, sendo bastante comuns no sistema financeiro, possuem uma sistemática de cálculo bem caracterizada chamada desconto comercial ou bancário. 8. NOMENCLATURA 10

11 Valor nominal ( N) (ou valor futuro, ou valor de face, ou valor de resgate) é o valor indicado no título (importância a ser paga no dia do vencimento). Valor atual (Vd) é o líquido pago (ou recebido) antes do vencimento: Vd = N D. Prazo de vencimento do título (n) é o número de dias compreendido entre o dia em que se negocia o título e o de seu vencimento, incluindo o primeiro e não o último, ou, então, incluindo o último e não o primeiro. Desconto (D) é a quantia a ser abatida do valor nominal, isto é, a diferença entre o valor nominal e o valor atual, ou seja: D = N - Vd. D = N x d x n e Vd = N - D Exemplo Uma duplicata de R$ ,00 foi descontada num banco três meses antes do vencimento, a uma taxa de desconto comercial de 4,5% a.m. a) Obtenha o desconto; b) obtenha o valor líquido recebido pela empresa; c) calcule a taxa efetiva de juros e o fluxo de caixa. a) D = N x d x n D = x 0,045 x 3 D = R$ 2.835,00. b) Vd = N D Vd = = R$ ,00. c) i = M/C 1 i = / i = 0, 143 = 14,3% a.m. 11

12 Exemplo Uma duplicata de R$ 150,00 foi quitada dois meses antes do vencimento com taxa de desconto comercial simples de 15% ao mês. Pergunta-se: a) qual o valor do desconto? b) Por quanto ela foi quitada? Dados: valor nominal: N = R$ 150,00 Taxa: i = 0,15 a.m. Período: n = 2 meses. a) Temos: D = N x d x n d = 150,00. 0,15. 2 d = R$ 45,00 (valor do desconto). b) Logo, o valor atual: temos: Vd = N D 45,00 = 150,00 Vd A = R$ 105,00 (valor atual) (valor com desconto). 9. RELAÇÃ O ENTRE TAXA DE DESCONTO E JUROS SIMPLES Suponha a taxa de desconto d e a taxa de juros simples i estando na mesma unidade de tempo e seja n o prazo de vencimento do título (expresso na mesma unidade de tempo de d e i), sendo N o valor nominal do título e D o desconto. é: O fluxo de caixa da operação de desconto, do ponto de vista do banco, 12

13 Por meio dessa relação, podemos achar o valor de i dado o valor de d e vice-versa. Exemplo 1 Se a taxa de desconto comercial for de 6% a.m., e o prazo de vencimento de uma duplicata emitida tiver o prazo de pagamento estabelecido para cinco meses, qual é a taxa mensal de juros simples da operação? d = 6% a.m. n = 5 meses i=? 10. RELAÇÃO ENTRE TAXA DE DESCONTO E JUROS SIMPLES - EXEMPLOS Exemplo Se uma duplicata foi emitida com prazo de vencimento de quatro meses e foi descontada antecipadamente em um banco, proporcionando-lhe uma taxa efetiva de juros simples igual a 4% a.m., qual foi a taxa de desconto utilizada? 13

14 Exemplo Qual é a taxa que produz juros equivalentes ao desconto comercial de 2% ao mês, pelo prazo de cinco meses? Dados: taxa de descontos: i = 0,02 a.m. Período: n = 5 meses. Temos: Logo: Exemplo Qual é a taxa de desconto comercial simples equivalente à taxa de juros simples de 5% a.m. num período de nove meses? Dados: taxa de juros: i= 0,05 a.m. Período: n = 9 meses. Temos: 14

15 Logo: Assim, a taxa de juros simples de 5% a.m. equivale à taxa de desconto comercial simples de 3,448% a.m. com antecipação de nove meses. 15

Matemática Comercial

Matemática Comercial Matemática Comercial Professora conteudista: Maria Ester Domingues de Oliveira Sumário Matemática Comercial Unidade I 1. TAXA DE JUROS...3 2. FLUXO DE CAIXA...4 3. JUROS SIMPLES... 4. VALOR NOMINAL E VALOR

Leia mais

Unidade II MATEMÁTICA COMERCIAL. Profª. Gizele Munim

Unidade II MATEMÁTICA COMERCIAL. Profª. Gizele Munim Unidade II MATEMÁTICA COMERCIAL Profª. Gizele Munim Apresentação do módulo ii Desconto Simples Relação entre Taxa de Desconto e Juros Simples Juros Compostos Desconto simples Desconto simples ou comercial

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA Unidade I MATEMÁTICA FINANCEIRA Prof. Luiz Felix Matemática financeira A Matemática Financeira estuda o comportamento do dinheiro ao longo do tempo. Capital é o valor principal de uma operação, ou seja,

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas de investimentos ou financiamentos de bens de consumo. Consiste em empregar procedimentos matemáticos

Leia mais

M =C J, fórmula do montante

M =C J, fórmula do montante 1 Ciências Contábeis 8ª. Fase Profa. Dra. Cristiane Fernandes Matemática Financeira 1º Sem/2009 Unidade I Fundamentos A Matemática Financeira visa estudar o valor do dinheiro no tempo, nas aplicações e

Leia mais

Matemática Financeira Descontos. Prof.: Joni Fusinato

Matemática Financeira Descontos. Prof.: Joni Fusinato Matemática Financeira Descontos Prof.: Joni Fusinato joni.fusinato@ifsc.edu.br jfusinato@gmail.com 1 Títulos de Crédito Instrumentos legais previstos no direito comercial (contratos) usados para formalizar

Leia mais

Os conteúdos estão apresentados de forma didática e por meio de exemplos. Sugerese, como complemento, a utilização de outras bibliografias.

Os conteúdos estão apresentados de forma didática e por meio de exemplos. Sugerese, como complemento, a utilização de outras bibliografias. MATEMÁTICA COMERCIAL APRESENTAÇÃO Caro aluno, A partir de agora, iremos começar os estudos de matemática comercial. O objetivo deste curso é propiciar uma introdução dinâmica sobre o assunto, de maneira

Leia mais

JUROS SIMPLES & COMPOSTOS

JUROS SIMPLES & COMPOSTOS JUROS SIMPLES & COMPOSTOS MÓDULO 3 MATEMÁTICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES & COMPOSTOS A matemática financeira tem por objetivo estudar as diversas formas de evolução do valor do dinheiro no tempo, bem como

Leia mais

Matemática Financeira. Parte I. Professor: Rafael D Andréa

Matemática Financeira. Parte I. Professor: Rafael D Andréa Matemática Financeira Parte I Professor: Rafael D Andréa O Valor do Dinheiro no Tempo A matemática financeira trata do estudo do valor do dinheiro ao longo do tempo. Conceito de Investimento Sacrificiozinho

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Capítulo Matemática Financeira Juros Simples Adriano Leal Bruni albruni@minhasaulas.com.br Conceito de juros simples Juros sempre incidem sobre o VALOR PRESENTE Preste atenção!!! Empréstimo Valor atual

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF. ÁTILA

MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF. ÁTILA 1 MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF. ÁTILA Aula 01 CONCEITOS BÁSICOS Classificação dos tipos de juros; O valor do dinheiro no tempo; Fluxos de caixa. 2 Introdução Ramo da Matemática que estuda o comportamento

Leia mais

Administração - UniFAI

Administração - UniFAI CENTRO UNIVERSITÁRIO ASSUNÇÃO UniFAI Matemática Financeira Exercícios - Parte I Juros Simples Juros Compostos 1 Juros Simples 1) Determine os juros simples obtidos nas seguintes condições: Capital Taxa

Leia mais

5 Calcular o valor do capital que produz juros de R$ 1.200,00 no final de 8 meses se aplicado a uma taxa de juros de 5% ao mês?

5 Calcular o valor do capital que produz juros de R$ 1.200,00 no final de 8 meses se aplicado a uma taxa de juros de 5% ao mês? - Pagamento único Resolver todas as questões utilizando: a) critério de juros simples b) critério de juros compostos 1 Uma pessoa empresta R$ 2.640,00 pelo prazo de 5 meses a uma taxa de juros de 4% ao

Leia mais

Unidade I MATEMÁTICA FINANCEIRA. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade I MATEMÁTICA FINANCEIRA. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade I MATEMÁTICA FINANCEIRA Prof. Maurício Felippe Manzalli Introdução natureza objetivo Cada valor financeiro está vinculado a uma data determinada. Toda vez que a data de referência de um valor é

Leia mais

Matemática Financeira Juros Simples 1

Matemática Financeira Juros Simples 1 1 Toda a Matemática Financeira é alicerçada em dois princípios básicos: Não se pode comparar ou somar dinheiro, a menos que ele esteja no mesmo instante de tempo; Uma vez que os dinheiros não estejam no

Leia mais

EXERCÍCIOS FINANÇAS CORPORATIVAS E VALOR ASSAF NETO CAPÍTULO 2 CÁLCULO FINANCEIRO E APLICAÇÕES

EXERCÍCIOS FINANÇAS CORPORATIVAS E VALOR ASSAF NETO CAPÍTULO 2 CÁLCULO FINANCEIRO E APLICAÇÕES 1. Explique o que são taxas: 1. Nominais: Taxa de juro contratada numa operação. Normalmente é expressa para um período superior ao da incidência dos juros. 2. Proporcionais: Duas taxas expressas em diferentes

Leia mais

Cálculos Financeiros

Cálculos Financeiros Cálculos Financeiros 1 HP12C - Sua nova companheira inseparável! 2 HP12C Sua calculadora está OK? Todas as teclas funcionam? 3 HP12C Casas decimais 4 HP12C. ou, 5 HP12C Convenção exponencial: Compound

Leia mais

Lista de exercício nº 2* Taxas equivalentes** e séries uniformes

Lista de exercício nº 2* Taxas equivalentes** e séries uniformes Lista de exercício nº 2* Taxas equivalentes** e séries uniformes 1. Calcule as taxas mensal e diária que são proporcionais à taxa de 3,6 % ao trimestre. Resposta: 1,2% a.m. e 0,04% a.d. 2. Calcule as taxas

Leia mais

Introdução ao Método do Balde. Norton Gonzalez

Introdução ao Método do Balde. Norton Gonzalez Introdução ao Método do Balde Norton Gonzalez INTRODUÇÃO AO MÉTODO DO BALDE Regra de três Constituem regra de três os problemas que envolvem pares de grandezas diretamente ou inversamente proporcionais.

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Matemática Financeira

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Matemática Financeira Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Matemática Financeira 2010 0 Nesta Unidade iremos apresentar alguns conceitos importantes de Matemática Financeira tais como porcentagem,

Leia mais

Curso técnico Integrado de Administração

Curso técnico Integrado de Administração Curso técnico Integrado de Administração Juros Compostos Diferente dos juros simples, o juro composto é calculado sobre o montante obtido no período anterior. Somente no primeiro período é que os juros

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Matemática Financeira Professor conteudista: Cláudio José dos Santos Penteado Sumário Matemática Financeira Unidade I 1 INTRODUÇÃO: CONCEITOS BÁSICOS...4 1.1 Proporcionalidade de taxas...6 2 JUROS SIMPLES...9

Leia mais

j = c.i.t M = c + j MATEMÁTICA FINANCEIRA

j = c.i.t M = c + j MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES j = c.i.t j = juros, c = capital, i = taxa, t = tempo 05) João abriu uma caderneta de poupança e, em 1o de janeiro de 2006, depositou R$ 500,00 a uma taxa de juros simples,

Leia mais

Garantia de aprendizado

Garantia de aprendizado 1) Calcular o capital, que aplicado a uma taxa de juros simples de 6,2% a.m, por 174 dias, produziu um montante de $ 543.840,00. 2) Determinar o capital necessário para produzir um montante de $ 798.000,00

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA 1 RAZÃO, PROPORÇÃO, REGRAS DE TRES e PORCENTAGEM

MATEMÁTICA FINANCEIRA 1 RAZÃO, PROPORÇÃO, REGRAS DE TRES e PORCENTAGEM INTRODUÇÃO... 2 JUROS SIMPLES... 2 MONTANTE E VALOR ATUAL... 5 CONVERSÃO DE TAXAS... 7 CONVERSÃO DE PERÍODOS... 7 TAXA PROPORCIONAL... 13 TAXAS EQUIVALENTES... 14 JURO EXATO COMERCIAL... 14 DESCONTO SIMPLES...

Leia mais

INTRODUÇÃO JUROS SIMPLES

INTRODUÇÃO JUROS SIMPLES INTRODUÇÃO... 1 JUROS SIMPLES... 1 MONTANTE E VALOR ATUAL... 3 CONVERSÃO DE TAXAS... 4 CONVERSÃO DE PERÍODOS... 4 TAXA PROPORCIONAL... 7 TAXAS EQUIVALENTES... 7 JURO EXATO COMERCIAL... 7 DESCONTO SIMPLES...

Leia mais

Na Matemática financeira temos também: Fluxo de Caixa, montante, capital, juros e juros simples/juros composto.

Na Matemática financeira temos também: Fluxo de Caixa, montante, capital, juros e juros simples/juros composto. A Matemática financeira estuda o conceito do valor do dinheiro no tempo. Empréstimos ou investimentos realizados no presente terão seu valor aumentado no futuro. Inversamente, valores disponíveis no futuro,

Leia mais

CAPITALIZAÇÃO SIMPLES

CAPITALIZAÇÃO SIMPLES Matemática Aplicada às Operações Financeiras Prof.Cosmo Rogério de Oliveira CAPITALIZAÇÃO SIMPLES CONCEITUAÇÃO: Capitalização simples é a operação que determina o crescimento do capital quando a taxa de

Leia mais

2. Represente com um diagrama de fluxo de caixa as seguintes operações financeiras:

2. Represente com um diagrama de fluxo de caixa as seguintes operações financeiras: Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Matemática Disciplina : Matemática Financeira (GMA046) Assunto: Porcentagem, juros simples e compostos e aplicações Prof: Sato 1 a Lista de exercícios 1

Leia mais

MÓDULO 1 - Exercícios complementares

MÓDULO 1 - Exercícios complementares MÓDULO 1 - Exercícios complementares a. Juros Simples 1. As ações do Banco Porto apresentam uma taxa de rentabilidade de 20% ao ano. Qual será o valor futuro obtido, se você aplicar R$ 2.000,00 a juros

Leia mais

VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO E PORCENTAGEM. Profa. Dra. Lousanne Cavalcanti Barros Resende

VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO E PORCENTAGEM. Profa. Dra. Lousanne Cavalcanti Barros Resende VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO E 1 PORCENTAGEM Profa. Dra. Lousanne Cavalcanti Barros Resende 2 Objetivos da aula Apresentar e contextualizar o valor do dinheiro no tempo; Diferenciar Capital e Montante; Apresentar

Leia mais

Gestão Financeira. Conceitos Gerais Juros Simples Regimes de Capitalização. Matemática Financeira Prof. Fabio Lima - fabionl.wordpress.

Gestão Financeira. Conceitos Gerais Juros Simples Regimes de Capitalização. Matemática Financeira Prof. Fabio Lima - fabionl.wordpress. Gestão Financeira Conceitos Gerais Juros Simples Regimes de Capitalização 1 - Conceito Na sua opinião, pra que serve a Matemática Financeira? A trata do estudo do valor do dinheiro ao longo do tempo. Objetiva

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDOS: conteúdo parcial da disciplina FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA FINANCEIRA

ROTEIRO DE ESTUDOS: conteúdo parcial da disciplina FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA FINANCEIRA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FLORESTAL Disciplina: DEF 06423 Economia da Engenharia Prof. Wendel Andrade ROTEIRO DE ESTUDOS: conteúdo parcial

Leia mais

Matemática Comercial

Matemática Comercial Matemática Comercial Razão Dados dois números a e b, b 0, chamamos de razão de a para b, nesta ordem, ao quociente a/b ou a:b. a é chamado de antecedente e b de consequente. Quando a e b forem medidas

Leia mais

Prof. Luiz Felix. Unidade I

Prof. Luiz Felix. Unidade I Prof. Luiz Felix Unidade I MATEMÁTICA FINANCEIRA Matemática financeira A Matemática Financeira estuda o comportamento do dinheiro ao longo do tempo. Do ponto de vista matemático, um determinado valor a

Leia mais

1. As parcelas são pagas ao final de cada período. Neste caso denomina-se pagamento postecipado.

1. As parcelas são pagas ao final de cada período. Neste caso denomina-se pagamento postecipado. PARTE 5 SÉRIE UNIFORME DE PAGAMENTOS CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Introdução 2. Prestações e Valor presente 3. Prestações e Valor futuro 4. Renda perpétua 5. Exercícios Resolvidos 1. Introdução Quando se contrai

Leia mais

PROVA MATEMÁTICA FINANCEIRA BANRISUL 2010 (FDRH) COMENTADA

PROVA MATEMÁTICA FINANCEIRA BANRISUL 2010 (FDRH) COMENTADA PROVA BANRISUL 2010 (FDRH) COMENTADA Instruções: Para a resolução das questões desta prova, quando necessário, (1) utilize, para as conversões de tempo, a Regra do Banqueiro, uma convenção mundial, enunciada

Leia mais

NDMAT Núcleo de Desenvolvimentos Matemáticos

NDMAT Núcleo de Desenvolvimentos Matemáticos EXERCÍCIOS GERAIS DE FINANCEIRA 01) (BNB 2010) Após acordo com a administradora, a fatura do cartão de crédito de uma consumidora consiste apenas do saldo devedor restante do mês anterior, corrigido a

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto - FEA-RP Matemática Financeira Profa. Dra.Luciana C.Siqueira Ambrozini Conceitos gerais 1 Estudo do valor

Leia mais

PREPARATÓRIO EXAME CFC MATEMÁTICA FINANCEIRA

PREPARATÓRIO EXAME CFC MATEMÁTICA FINANCEIRA PREPARATÓRIO EXAME CFC 2017.1 MATEMÁTICA FINANCEIRA EDITAL CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 7. MATEMÁTICA FINANCEIRA E ESTATÍSTICA a) Juros Simples e Compostos. b) Taxas Nominal, Proporcional, Efetiva e Equivalente.

Leia mais

Prof.: Joni Fusinato. Juros Compostos

Prof.: Joni Fusinato. Juros Compostos Prof.: Joni Fusinato Juros Compostos Juros Compostos Calculado sobre o montante obtido no período anterior. Somente no primeiro período é que os juros são calculados sobre o capital inicial. Também conhecido

Leia mais

Taxa opção 1 = [(0,04 /30) + 1) ^ 40] - 1 Taxa opção 1 = 5,47% Taxa opção 2 = [(1 + 0,036) ^ (40/30)] - 1 Taxa opção 2 = 4,83%

Taxa opção 1 = [(0,04 /30) + 1) ^ 40] - 1 Taxa opção 1 = 5,47% Taxa opção 2 = [(1 + 0,036) ^ (40/30)] - 1 Taxa opção 2 = 4,83% 1 Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade LISTA 2 - Disciplina de Matemática Financeira Professora Ana Carolina Maia Monitora Pg: Paola Londero / Monitor: Álvaro

Leia mais

Primeira aplicação: Capital no valor de R$ ,00, durante 3 meses, sob o regime de capitalização simples a uma taxa de 10% ao ano.

Primeira aplicação: Capital no valor de R$ ,00, durante 3 meses, sob o regime de capitalização simples a uma taxa de 10% ao ano. 95. (Analista Judiciário Contadoria TRF 3ª Região 2016/FCC) Em um contrato é estabelecido que uma pessoa deverá pagar o valor de R$ 5.000,00 daqui a 3 meses e o valor de R$ 10.665,50 daqui a 6 meses. Esta

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas de investimentos ou financiamentos de bens de consumo. Consiste em empregar procedimentos matemáticos para simplificar a

Leia mais

Material Teórico - Módulo de PORCENTAGEM E JUROS. Juros Simples e Compostos e Exercícios. Sétimo Ano do Ensino Fundamental

Material Teórico - Módulo de PORCENTAGEM E JUROS. Juros Simples e Compostos e Exercícios. Sétimo Ano do Ensino Fundamental Material Teórico - Módulo de PORCENTAGEM E JUROS Juros Simples e Compostos e Exercícios Sétimo Ano do Ensino Fundamental Autor: Prof. Francisco Bruno Holanda Revisor: Prof. Antonio Caminha M. Neto Os juros

Leia mais

Material Teórico - Módulo de PORCENTAGEM E JUROS. Juros Simples e Compostos e Exercícios. Sétimo Ano do Ensino Fundamental

Material Teórico - Módulo de PORCENTAGEM E JUROS. Juros Simples e Compostos e Exercícios. Sétimo Ano do Ensino Fundamental Material Teórico - Módulo de PORCENTAGEM E JUROS Juros Simples e Compostos e Exercícios Sétimo Ano do Ensino Fundamental Autor: Prof. Francisco Bruno Holanda Revisor: Prof. Antonio Caminha M. Neto Os juros

Leia mais

Prof. Eugênio Carlos Stieler

Prof. Eugênio Carlos Stieler CAPITALIZAÇÃO COMPOSTA CAPITALIZAÇÁO COMPOSTA: MONTANTE E VALOR ATUAL PARA PAGAMENTO ÚNICO Capitalização composta é aquela em que a taxa de juros incide sobre o capital inicial, acrescido dos juros acumulados

Leia mais

LISTA 02: EXERCÍCIOS SOBRE RENDAS CERTAS, SÉRIES DE PAGAMENTOS, SÉRIES FINANCEIRAS OU ANUIDADES

LISTA 02: EXERCÍCIOS SOBRE RENDAS CERTAS, SÉRIES DE PAGAMENTOS, SÉRIES FINANCEIRAS OU ANUIDADES LISTA 02: EXERCÍCIOS SOBRE RENDAS CERTAS, SÉRIES DE PAGAMENTOS, SÉRIES FINANCEIRAS OU ANUIDADES 01) Um empréstimo de R$ 20.900,00 foi realizado com uma taxa de juros de 36 % ao ano, capitalizados trimestralmente,

Leia mais

Gestão de Finanças

Gestão de Finanças 50010101253020 51110301040020 SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DO SENAC EM MINAS GERAIS PRESIDENTE DO CONSELHO REGIONAL Lázaro Luiz Gonzaga ADAPTAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DO CONTEÚDO

Leia mais

A Situação prática 2.1, a seguir, será utilizada para ilustrar as definições e os conceitos contidos neste tópico.

A Situação prática 2.1, a seguir, será utilizada para ilustrar as definições e os conceitos contidos neste tópico. A Situação prática 2.1, a seguir, será utilizada para ilustrar as definições e os conceitos contidos neste tópico. Você solicitou e um banco lhe concedeu um empréstimo de $ 1.000,00 que deverá ser pago

Leia mais

Sistemas de Amortização

Sistemas de Amortização Matemática Financeira Sistemas de Amortização Prof. Me. Marcelo Stefaniak Aveline Matemática Financeira Séries de Pagamentos Prof. Me. Marcelo Stefaniak Aveline Séries de Pagamentos Este conteúdo pode

Leia mais

Matemática Financeira Departamento de Matemática - UFJF

Matemática Financeira Departamento de Matemática - UFJF Matemática Financeira Departamento de Matemática - UFJF Notas de aulas Wilhelm Passarella Freire André Arbex Hallack Abril/2016 Índice 1 Conceitos básicos e simbologia 1 1.1 Introdução......................................

Leia mais

AULA 3: CONHECIMENTOS NUMÉRICOS: PORCENTAGEM E JUROS

AULA 3: CONHECIMENTOS NUMÉRICOS: PORCENTAGEM E JUROS AULA 3: CONHECIMENTOS NUMÉRICOS: PORCENTAGEM E JUROS Disciplina: Matemática Professores: Lucas Lopes e Fábio Henrique I) PARTE: JUROS E PORCENTAGENS 1) Porcentagem Definição: É uma fração que indica a

Leia mais

PORCENTAGEM, AUMENTOS E DESCONTOS PERCENTUAIS, JUROS SIMPLES E COMPOSTOS

PORCENTAGEM, AUMENTOS E DESCONTOS PERCENTUAIS, JUROS SIMPLES E COMPOSTOS PORCENTAGEM, AUMENTOS E DESCONTOS PERCENTUAIS, JUROS SIMPLES E COMPOSTOS PORCENTAGEM x 100 O quociente é representado por x% e lido x por cento. Dados dois números a e b, com, diz- se que a representa

Leia mais

Capítulo 4 CONCEITOS FINANCEIROS BÁSICOS

Capítulo 4 CONCEITOS FINANCEIROS BÁSICOS Capítulo 4 CONCEITOS FINANCEIROS BÁSICOS 4.1 Juros simples 4.2 Juros compostos 4.3 Valor do dinheiro no tempo 4.4 Equivalência de capitais Administração Financeira: uma abordagem prática (HOJI) 4.1 Juros

Leia mais

i i i i i i n - 1 n

i i i i i i n - 1 n Aula Capítulo 6 SÉRIE UNIFORME PRESTAÇÕES IGUAIS Série uniforme de valores monetários (pagamentos ou recebimentos) juros compostos MODELO PRICE no qual todas as prestações tem o mesmo valor Fluxo de Caixa

Leia mais

04/06/2014. Matemática Financeira. Contrato Pedagógico. Contrato Pedagógico. Tema 1 Fundamentos da Matemática Financeira Prof.Esp.LeonardoT.

04/06/2014. Matemática Financeira. Contrato Pedagógico. Contrato Pedagógico. Tema 1 Fundamentos da Matemática Financeira Prof.Esp.LeonardoT. Matemática Financeira Tema 1 Fundamentos da Matemática Financeira Prof.Esp.LeonardoT.Otsuka Contrato Pedagógico A Matemática Financeira é muito importante para os cursos de Administração, Ciências Contábeis

Leia mais

Aula 5 Juros simples 101

Aula 5 Juros simples 101 Aula 5 Juros simples Meta da aula Apresentar o conceito de juros simples, mostrando suas aplicações cotidianas e a forma de se calcular. Objetivos da aula Ao final desta aula, você deverá ser capaz de:

Leia mais

Introdução à Matemática Financeira

Introdução à Matemática Financeira Introdução à Matemática Financeira Prof. Me. Edgard Lourenço Jr. 13 de março de 2015 Assisente de Contabilidade ETEC Gustavo Teixeira São Pedro Prof. Me. Edgard Lourenço Jr. Introdução à Matemática Financeira

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA DESCONTO SIMPLES MF2 1 DESCONTO SIMPLES INTRODUÇÃO Se uma pessoa (ou empresa) deve uma quantia em dinheiro para pagamento em uma data futura, ela dá um título de crédito para o credor,

Leia mais

FACULDADE DE VIÇOSA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I DAD 210 MATEMÁTICA FINANCEIRA

FACULDADE DE VIÇOSA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I DAD 210 MATEMÁTICA FINANCEIRA CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: FACULDADE DE VIÇOSA MATEMÁTICA FINANCEIRA 1 Juros e Capitalização Simples 2.1 Conceito de juro, capital e taxa de juros 2.2 - Capitalização Simples 2.2.1 Conceito 2.2.2 - Cálculo

Leia mais

Unidade II MATEMÁTICA APLICADA. Prof. Luiz Felix

Unidade II MATEMÁTICA APLICADA. Prof. Luiz Felix Unidade II MATEMÁTICA APLICADA Prof. Luiz Felix Equações do 1º grau Resolver uma equação do 1º grau significa achar valores que estejam em seus domínios e que satisfaçam à sentença do problema, ou seja,

Leia mais

Os juros podem ser capitalizados segundo dois regimes: simples ou compostos.

Os juros podem ser capitalizados segundo dois regimes: simples ou compostos. 1/7 3. Modelos de capitalização simples 4. Modelos de capitalização composta Conceitos básicos A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas de investimentos ou financiamentos

Leia mais

CONTABILIDADE BÁSICA I 1ª LISTA DE EXERCÍCIOS

CONTABILIDADE BÁSICA I 1ª LISTA DE EXERCÍCIOS CONTABILIDADE BÁSICA I 1ª LISTA DE EXERCÍCIOS UNIDADE I PANORAMA GERAL DA CONTABILIDADE 1) O que é contabilidade e qual o seu objetivo? 2) Onde a contabilidade pode ser aplicada? 3) Quais são os usuários

Leia mais

Equivalência de taxas

Equivalência de taxas quivalência de taxas quivalência de taxas a juros simples Dizemos que duas taxas são equivalentes a juros simples, se aplicadas num mesmo capital e durante um mesmo intervalo de tempo (múltiplos dos tempos

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA CURSO: ADMINISTRAÇÃO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA CURSO: ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA CURSO: ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: EAC0111 NOÇÕES DE CONTABILIDADE PARA ADMINISTRADORES

Leia mais

Recuperação 15 x 1 (15 exercícios = 1 ponto, limitado a média 6,0)

Recuperação 15 x 1 (15 exercícios = 1 ponto, limitado a média 6,0) Critérios para a entrega de exercícios: 1. Todos os exercícios deverão ser feitos de forma manuscrita somente A CANETA (Azul ou Preta), SEM RASURAS. 2. Necessário copiar na folha que será entregue o enunciado

Leia mais

DESCONTO SIMPLES. Os títulos de crédito mais utilizados em operações financeiras são a nota promissória, a duplicata e a letra de câmbio.

DESCONTO SIMPLES. Os títulos de crédito mais utilizados em operações financeiras são a nota promissória, a duplicata e a letra de câmbio. DESCONTO SIMPLES Se uma pessoa deve uma quantia em dinheiro numa data futura, é normal que entregue ao credor um título de crédito, que é o comprovante dessa dívida. Todo título de crédito tem uma data

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Matemática Financeira 2016.2 Sumário Capítulo I. Introdução à Apostila... 4 Capítulo II. Fundamentos da Matemática Financeira... 5 2.1. INTRODUÇÃO... 5 2.2. CAPITAL, NÚMERO DE PERÍODOS, JURO, MONTANTE,

Leia mais

Questões MATEMÁTICA / PROFESSOR: RONILTON LOYOLA O1. Os anos bissextos têm, ao contrário dos outros anos, 366 dias. Esse dia a mais é colocado sempre no final do mês de fevereiro, que, nesses casos, passa

Leia mais

O total das vendas foi de 500 mil reais. A vendeu 225 mil reais, B vendeu 175 mil reais. Portanto, C vendeu = 100 mil reais.

O total das vendas foi de 500 mil reais. A vendeu 225 mil reais, B vendeu 175 mil reais. Portanto, C vendeu = 100 mil reais. (TCE-SC 2016/CESPE-UnB) Em cada um dos itens a seguir, é apresentada uma situação hipotética relativa a proporcionalidade, porcentagem e juros, seguida de uma assertiva a ser julgada. 111. A participação

Leia mais

FEA RP USP. Matemática Financeira 2 Capitalização composta

FEA RP USP. Matemática Financeira 2 Capitalização composta FEA RP USP Matemática Financeira 2 Capitalização composta Prof. Dr. Daphnis Theodoro da Silva Jr. Daphnis Theodoro da Silva Jr 1 Regime de capitalização Composta No regime de capitalização simples somente

Leia mais

JUSPODIVM

JUSPODIVM MATERIAL ETRA COMENTÁRIOS DAS QUESTÕES DA PROVA AFRF - 2005 31 - Ana quer vender um apartamento por R$ 400.000,00 à vista ou financiado pelo sistema de juros compostos a taxa de 5% ao semestre. Paulo está

Leia mais

Aumentos e descontos sucessivos

Aumentos e descontos sucessivos A UA UL LA 77 Aumentos e descontos sucessivos Introdução Na Aula 39, estudamos o que é lucro e prejuízo. Na aula de hoje, estudaremos os juros, as taxas, os aumentos e os descontos que fazem parte de nosso

Leia mais

Sistemas de Amortização

Sistemas de Amortização Matemática Financeira Sistemas de Amortização Prof. Me. Marcelo Stefaniak Aveline Séries de Pagamentos Este conteúdo pode ser visto como uma estensão de Juros Compostos. Enquanto em Juros Compostos um

Leia mais

Curso técnico Integrado de Administração

Curso técnico Integrado de Administração Curso técnico Integrado de Administração Desconto Simples Comercial ou Bancário (Por Fora) Desconto é o abatimento no valor de um título de crédito que pode ser: Letra de câmbio Fatura Duplicata Nota promissória

Leia mais

REVISÃO Lista 03 Matemática financeira. Juros compostos: os juros são aplicados sobre a quantia obtida anteriormente

REVISÃO Lista 03 Matemática financeira. Juros compostos: os juros são aplicados sobre a quantia obtida anteriormente NOME: ANO: 3º Nº: PROFESSOR(A): Ana Luiza Ozores DATA: REVISÃO Lista 03 Matemática financeira Definições Porcentagem: razão cujo denominador é 100 Juros simples: os juros são sempre aplicados sobre a quantia

Leia mais

TÉCNICO DO TESOURO DO ESTADO TTE 2001

TÉCNICO DO TESOURO DO ESTADO TTE 2001 TÉCNICO DO TESOURO DO ESTADO TTE 2001 01) Um navio, em velocidade normal de cruzeiro, leva 2 horas para se deslocar em uma distância de 160 km. A distância que o navio alcançará em 5 horas, na mesma velocidade,

Leia mais

Responsável pelo Conteúdo: Profa Ms Rosângela Maura Correa Bonici. Revisão Textual: Profa Vera Lidia de Sa Cicaroni

Responsável pelo Conteúdo: Profa Ms Rosângela Maura Correa Bonici. Revisão Textual: Profa Vera Lidia de Sa Cicaroni Responsável pelo Conteúdo: Profa Ms Rosângela Maura Correa Bonici Revisão Textual: Profa Vera Lidia de Sa Cicaroni Desconto Desconto Simples Desconto racional simples ou por dentro (DRS) Desconto Bancário

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA Conceitos básicos A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas de investimentos ou financiamentos de bens de consumo. Consiste em empregar procedimentos

Leia mais

Responsável pelo Conteúdo: Prof. Ms. Rosangela Maura Correia Bonici. Revisão Textual: Profa Vera Lidia de Sa Cicaroni

Responsável pelo Conteúdo: Prof. Ms. Rosangela Maura Correia Bonici. Revisão Textual: Profa Vera Lidia de Sa Cicaroni Responsável pelo Conteúdo: Prof. Ms. Rosangela Maura Correia Bonici Revisão Textual: Profa Vera Lidia de Sa Cicaroni A Matemática Financeira Conceitos Fundamentais de Matemática Financeira Porcentagem

Leia mais

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL 01. (CEF/98) Seja f a função do 2o grau representada no gráfico abaixo. Essa função é dada por: a.) b.) c.) d.) e.) = x 2 + 4. x 1 2 = x + x 4 = x 2 + 4. x 1 2 = x x 4 1 = x 2 2. x 2 02. (CEF/98) Calculando-se

Leia mais

Tabela I - Fator de Acumulação de Capital: a n = (1 + i) n. Profs. Alexandre Lima e Moraes Junior 1

Tabela I - Fator de Acumulação de Capital: a n = (1 + i) n. Profs. Alexandre Lima e Moraes Junior  1 Aula 15 - Questões Comentadas e Resolvidas Juros Compostos. Montante e juros. Desconto Composto. Taxa real e taxa efetiva. Taxas equivalentes. Capitais equivalentes. Capitalização contínua. Equivalência

Leia mais

Matemática Financeira II

Matemática Financeira II Matemática Financeira II Matemática Financeira II Desconto Responsável pelo Conteúdo: Profa. Ms. Rosângela Maura Correa Bonici Revisão Textual: Profa. Esp. Vera Lidia de Sa Cicaroni Unidade Desconto

Leia mais

Aula demonstrativa Apresentação... 2 Prova Resolvida Matemática Financeira TCE/SC... 3

Aula demonstrativa Apresentação... 2 Prova Resolvida Matemática Financeira TCE/SC... 3 Aula demonstrativa Apresentação... 2 Prova Resolvida Matemática Financeira TCE/SC... 3 1 Apresentação Olá, pessoal! Tudo bem com vocês? Saiu o edital para Analista de Controle do TCE/PR. Esta é a aula

Leia mais

Aula 00 Aula Demonstrativa

Aula 00 Aula Demonstrativa Aula 00 Aula Demonstrativa Juros... 4 Formas de Representação da Taxa de Juros... 5 Elementos da Operação de Juros... 6 Regimes de Capitalização... 7 Capitalização Simples... 8 Capitalização Composta...

Leia mais

UFCD - 18 FORMADORA: Mª FERNANDA RAPOSO 1

UFCD - 18 FORMADORA: Mª FERNANDA RAPOSO 1 UFCD - 18 FORMADORA: Mª FERNANDA RAPOSO 1 6215- Código das Contas e Normas Contabilísticas Objetivos Gerais Identificar e movimentar as contas das classes 1 a 8 do Sistema de Normalização Contabilística

Leia mais

SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS

SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS! Sistema Price! SAC Autores: Francisco Cavalcante(francisco@fcavalcante.com.br) Administrador de Empresas graduado pela EAESP/FGV. É Sócio-Diretor da Cavalcante Associados,

Leia mais

Resolução da Prova de Matemática Financeira e Estatística do TCE/SP, aplicada em 06/12/2015.

Resolução da Prova de Matemática Financeira e Estatística do TCE/SP, aplicada em 06/12/2015. Matemática Financeira e Estatística p/ TCE-SP de Matemática Financeira e Estatística do TCE/SP, aplicada em 06/1/015. Em uma repartição pública, os salários, em reais, de seus funcionários, colocados em

Leia mais

Matemática - CEF. Edital

Matemática - CEF. Edital Edital Matemática - CEF 1 Juros simples e compostos: capitalização e descontos. 2 Taxas de juros: nominal, efetiva, equivalentes, proporcionais, real e aparente. 3 Planos ou sistemas de amortização de

Leia mais

Matemática Financeira Aplicada. Aula 3. Contextualização. Período Fracionário. Prof. Nelson Pereira Castanheira. Período Fracionário.

Matemática Financeira Aplicada. Aula 3. Contextualização. Período Fracionário. Prof. Nelson Pereira Castanheira. Período Fracionário. Matemática Financeira Aplicada Aula 3 Contextualização Prof. Nelson Pereira Castanheira Período Fracionário Taxa Nominal Taxa Efetiva Taxa Real Taxa Aparente Período Fracionário O Período Fracionário corresponde

Leia mais

Oficina Porcentagem e Juros

Oficina Porcentagem e Juros Oficina Porcentagem e Juros 1ª parte: revisão teórica Vamos relembrar o conceito de porcentagem com uma situação-problema. O que tem mais água, uma uva ou uma banana? Para responder, leve em consideração

Leia mais

RACIOCÍNIO LÓGICO QUANTITATIVO PARA AFRFB PROFESSOR: GUILHERME NEVES

RACIOCÍNIO LÓGICO QUANTITATIVO PARA AFRFB PROFESSOR: GUILHERME NEVES Aula 9 Parte 1 Juros... 2 Regimes de Capitalização... 5 Juros Simples... 6 Disposição gráfica do montante no regime simples... 14 Descontos Simples... 15 Desconto Racional Simples (por dentro)... 18 Desconto

Leia mais

4.3.3 Encontrando a Taxa de Juros e o Número de Períodos

4.3.3 Encontrando a Taxa de Juros e o Número de Períodos 4.3.3 Encontrando a Taxa de Juros e o Número de Períodos Por enquanto você deverá reconhecer a relação entre descontar e compor. Começamos o capítulo com uma fórmula para composição de fluxos de caixa

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Matemática Financeira Juros Simples Professor Edgar Abreu www.acasadoconcurseiro.com.br Matemática Financeira CAPITALIZAÇÃO SIMPLES X CAPITALIZAÇÃO COMPOSTA A definição de capitalização é uma operação

Leia mais

C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O. matemática. Juros simples. Elizabete Alves de Freitas

C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O. matemática. Juros simples. Elizabete Alves de Freitas C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O 09 matemática Juros simples Elizabete Alves de Freitas Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação a

Leia mais

JUROS COMPOSTOS. JUROS COMPOSTOS Crescimento Exponencial JUROS COMPOSTOS. Capitalização a Juros a Juros Simples Compostos!

JUROS COMPOSTOS. JUROS COMPOSTOS Crescimento Exponencial JUROS COMPOSTOS. Capitalização a Juros a Juros Simples Compostos! PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS Tecnicamente, a capitalização a Juros difere dos Juros Simples pelo fato de que, a cada período transcorrido, o valor do juro deste período é incorporado ao

Leia mais

AUDITOR-FISCAL DA RECEITA FEDERAL - ESAF TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF. QUILELLI

AUDITOR-FISCAL DA RECEITA FEDERAL - ESAF TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF. QUILELLI AUDITOR-FISCAL DA RECEITA FEDERAL - ESAF TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO RESOLUÇÃO DA ROVA DE MATEMÁTICA FINANCEIRA ROF. QUILELLI 31- Ana quer vender um apartamento por R$ 400.000,00 a vista ou financiado pelo

Leia mais

Curso técnico Integrado de Administração

Curso técnico Integrado de Administração Curso técnico Integrado de Administração Valor do Dinheiro no Tempo A matemática financeira estuda modelos matemáticos empregados na análise de relação conjunta entre valor monetário e tempo. O presente

Leia mais

Avaliação de Investimentos

Avaliação de Investimentos Avaliação de Investimentos Fonte: Prof. Chiesa 1 Economia Empresa : Prof. Volney Conceito de Investimento Aplicação de Capital ou Investimento é o fato de se empregar recursos visando obter benefícios

Leia mais