Sustentabilidade ambiental, económica e energética da envolvente dos edifícios

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sustentabilidade ambiental, económica e energética da envolvente dos edifícios"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Departamento de Engenharia Civil, Arquitetura e Georrecursos Sustentabilidade ambiental, económica e energética da envolvente dos edifícios José Dinis SILVESTRE SEXTAS-FEIRAS SUSTENTÁVEIS na ROCA - Lisboa, 9 de Junho de 2017

2 1. Introdução Índice 2. Avaliação do desempenho ambiental (ACV) - metodologia e resultados 3. Avaliação do desempenho ambiental, económico e energético (3E) 3.1. Metodologia 3E 3.2. Resultados 3E 4. Conclusão José Dinis SILVESTRE 2 of 26

3 1. Introdução PROJETISTAS REGULADORES (Política energética da UE para 2020; en.2bsvs.org) El dietista del edificio. ( ) No se puede mejorar aquello que no se puede cuantificar. (Jordi Salvadó, Sustainable Building Conference, Madrid ) José Dinis SILVESTRE 3 of 26

4 2. Avaliação do desempenho ambiental (ACV) - metodologia e resultados Material ou solução construtiva Edifício PROJETISTA Extração de matérias-primas Transporte para a fábrica Produção Fim-de-vida (e.g. aterro ou reciclagem) Transporte para o estaleiro Construção Uso Manutenção Desmantelamento Transporte para o destino final José Dinis SILVESTRE 4 of 26

5 2. Avaliação do desempenho ambiental (ACV) - metodologia e resultados REGULADORES FABRICANTES Regulamento dos Produtos da Construção (UE, 2013) Política integrada de produto (CE, 2003) Declaração Ambiental de Produto (DAP) - requerida para a avaliação da utilização sustentável de recursos, e do impacte no ambiente, das obras de construção Sistema português de registo de DAP para o habitat construído José Dinis SILVESTRE 5 of 26

6 2. Avaliação do desempenho ambiental (ACV) - metodologia e resultados Avaliação ambiental do ciclo de vida do poliestireno expandido moldado (EPS) FABRICANTE José Dinis SILVESTRE 6 of 26

7 2. Avaliação do desempenho ambiental (ACV) - metodologia e resultados FABRICANTE Depleção da camada de ozono (ODP) Formação fotoquímica de ozono (POCP) 6 das 8 categorias principais de impactes ambientais Depleção de recursos abióticos (ADP) Aquecimento global (GWP) Acidificação do ar e da água (AP) Eutrofização do solo e da água (EP) José Dinis SILVESTRE 7 of 26

8 2. Avaliação do desempenho ambiental (ACV) - metodologia e resultados Impactes ambientais da produção de placas de Aglomerado de cortiça expandida (ICB; Agglomerate of expanded cork) FABRICANTE Produção de matérias-primas Transporte para a fábrica Fabrico das placas Embalagens Resíduos de embalagem José Dinis SILVESTRE 8 of 26

9 2. Avaliação do desempenho ambiental (ACV) - metodologia e resultados Eco-design e potenciais medidas de melhoria Projeto Benchmark A+E da AEP FABRICANTE Prémio BOAS PRÁTICAS AMBIENTAIS E ENERGÉTICAS através de um Caso de Excelência de Boas Práticas Ambientais EDP, Takargo Rail (Grupo Mota-Engil) e Instituto Superior Técnico José Dinis SILVESTRE 9 of 26

10 Financiamento (até 14/7, exceto PORLisboa) FABRICANTE - SISTEMA DE INCENTIVOS QUALIFICAÇÃO DAS PME Eco-inovação - eco-eficiência e economia circular Certificações de sistemas, serviços e produtos na área do ambiente, obtenção do Rótulo Ecológico (Declaração Ambiental de Produto) - SISTEMA DE INCENTIVOS INTERNACIONALIZAÇÃO DAS PME Conhecimento de mercados externos; Prospeção e presença em mercados internacionais Desenvolvimento e promoção internacional de marcas Marketing internacional Certificações específicas para os mercados externos (Declaração Ambiental de Produto registada num programa internacional, ex.: ECOPLATFORM, através do reconhecimento do Programa DAPHABITAT) José Dinis SILVESTRE 10 of 26

11 REGULADORES PROMOTORES PROJETISTAS 3. Avaliação do desempenho ambiental, económico e energético (3E) 3.1. Metodologia 3E 3E-C2C módulo de desempenho Etapa de produto (A1-A3) Transporte para o estaleiro (A4) Instalação no edifício (A5) Etapa de utilização Manutenção, reparação e substituição (B2-B4) Consumo de energia para climatizaçã o (B6) Etapa de fim de vida - transporte, processame nto e destino final (C2-C4) Ambiental Avaliação do Ciclo de Vida Económico Custo inicial Custo - Custo Energético - Custo - Potencial de reutilização, recuperação e/ou reciclagem (D) José Dinis SILVESTRE 11 of 26

12 3. Avaliação do desempenho ambiental, económico e energético (3E) 3.2. Resultados 3E REGULADORES PROMOTORES PROJETISTAS Estrutura da parede Materiais de isolamento Revestimentos da parede (REP e RIP) Blocos de betão leve Painéis prefabricados de GFRC Argamassa estabilizada Argila expandida Placas de XPS Placas de EPS Placas de PUR Placas de ICB Monomassa (REP) Placas de compósito de madeira e plástico (REP e RIP) Argamassa estabilizada (REP e RIP) Cimento-cola de dois componentes (REP e RIP) Placas de gesso laminado (RIP) 22 paredes simples Isolamento pelo exterior 4 paredes simples Blocos de betão leve com 0,38 m de espessura, assentes com argamassa estabilizada 10 paredes simples Isolamento pelo interior 4 paredes duplas Isolante térmico preenchendo completamente a caixa-dear 20 paredes duplas - Isolante térmico preenchendo parcialmente a caixade-ar José Dinis SILVESTRE 12 of 26

13 3. Avaliação do desempenho ambiental, económico e energético (3E) 3.2. Resultados 3E VAL dos custos ambientais, económicos e energéticos no ciclo de vida para paredes simples REGULADORES PROMOTORES PROJETISTAS com isolamento térmico pelo exterior Custo ambiental Custo económico Custo energético José Dinis SILVESTRE 13 of 26

14 3. Avaliação do desempenho ambiental, económico e energético (3E) 3.2. Resultados 3E FABRICANTE REGULADORES PROMOTORES PROJETISTAS Argamassa térmica com cortiça como agregado leve Reabilitação térmica de paredes exteriores José Dinis SILVESTRE 14 of 26

15 FABRICANTE REGULADORES PROMOTORES PROJETISTAS Avaliação do desempenho ambiental, económico e energético (3E) 3.2. Resultados 3E VAL do custo económico (fases A1-A5, B2-B4 e C2-C4 e D) e energético (fase B6) A1-A5 B cm int. B2-B4 C2-C4, D int cm ext cm ext W1 W3 W6 W9 W11 W13 W16 W cm int int cm ext cm ext. 61 José Dinis SILVESTRE 15 of 26

16 3. Avaliação do desempenho ambiental, económico e energético (3E) 3.2. Resultados 3E FABRICANTE REGULADORES PROMOTORES PROJETISTAS Diferença entre o VAL dos custos económico (fases A1-A5, B2-B4 e C2-C4 e D) e energético (fase B6) de cada parede exterior e W1, para 10%, 30% e 50% das necessidades energéticas 10 cm int. 10 int+10 cm ext 10 cm ext. 10 cm int. 10 int+10 cm ext 10 cm ext. José Dinis SILVESTRE 16 of 26

17 3. Avaliação do desempenho ambiental, económico e energético (3E) 3.2. Resultados 3E FABRICANTE REGULADORES PROMOTORES PROJETISTAS ETICS com poliestireno expandido moldado (EPS) ETICS com aglomerado de cortiça expandida (ICB) José Dinis SILVESTRE 17 of 26

18 3. Avaliação do desempenho ambiental, económico e energético (3E) 3.2. Resultados 3E Argamassas térmicas com nanoaerogéis de sílica FABRICANTE José Dinis SILVESTRE 18 of 26

19 3. Avaliação do desempenho ambiental, económico e energético (3E) 3.2. Resultados 3E Coberturas em terraço REGULADORES PROMOTORES PROJETISTAS Cobertura com o isolamento sobre a estrutura resistente Cobertura invertida Isolamento térmico na laje de esteira Isolamento térmico intermédio Coberturas inclinadas Cobertura com o isolamento sob a estrutura resistente em tectos falsos Gesso laminado Isolante térmico na vertente (sotão habitado) José Dinis SILVESTRE 19 of 26

20 Financiamento das intervenções FABRICANTE REGULADORES PROMOTORES PROJETISTAS Necessidade de financiamento externo a intervenções de reabilitação energética Formação Instalador de ETICS - APFAC, ADENE e IST - duração de 12 h, privilegiando a formação prática. - Todas as Informações em: adene.pt/pt/frms/curso -de-instalador-deetics-seep/ José Dinis SILVESTRE 20 of 26

21 Financiamento Parede eficiente Saint-Gobain Weber Cliente: Saint-Gobain Weber FABRICANTE José Dinis SILVESTRE 21 of 26

22 Financiamento Painéis sandwich compósitos para a reabilitação de pisos de edifícios FABRICANTE Empresa co-promotora: Alto José Dinis SILVESTRE 22 of 26

23 3. Avaliação do desempenho ambiental, económico e energético (3E) 3.2. Resultados 3E FABRICANTE REGULADORES PROMOTORES PROJETISTAS LiderA ( Sistema voluntário para a avaliação da construção e reabilitação sustentável Cursos Fundec-IST, Lisboa ( ISOLAMENTO E REABILITAÇÃO TÉRMICA DE FACHADAS E COBERTURAS DE EDIFÍCIOS SUSTENTABILIDADE NA REABILITAÇÃO DE EDIFÍCIOS José Dinis SILVESTRE 23 of 26

24 4. Conclusão A.Perfil ambiental e eco-design de produtos e soluções construtivas Fabricantes - Identificação de potenciais medidas de melhoria em todo o ciclo de vida (incluindo as etapas de produção, aplicação em obra e de fim-de-vida); Fabricantes - Servindo de base à certificação ambiental (DAP): marketing, RPC e exportação; Fabricantes e projetistas - Respondendo aos critérios aplicáveis aos processos de compras ecológicas ; Reguladores, promotores e projetistas - Avaliação e certificação ambiental de edifícios. José Dinis SILVESTRE 24 of 26

25 4. Conclusão B.Avaliação e otimização ambiental, económica e energética (3E) de soluções e estratégias de construção e reabilitação Bases de dados e métodos normalizados; Reguladores e promotores (públicos e privados) - Suporte a políticas e estratégias de reabilitação urbana e/ou energética; Promotores e projetistas - Apoio à decisão em investimentos e projetos de reabilitação urbana ou de construção ou reabilitação de edifícios. José Dinis SILVESTRE 25 of 26

26 UNIVERSIDADE DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Departamento de Engenharia Civil, Arquitetura e Georrecursos Sustentabilidade ambiental, económica e energética da envolvente dos edifícios Obrigado pela atenção. José Dinis SILVESTRE SEXTAS-FEIRAS SUSTENTÁVEIS na ROCA - Lisboa, 9 de Junho de 2017

DAPHABITAT Sistema Nacional de Registo de Declarações Ambientais de Produto para o Habitat

DAPHABITAT Sistema Nacional de Registo de Declarações Ambientais de Produto para o Habitat Seminário APCMC TEKTÓNICA 2013 A sustentabilidade como fator de competitividade DAPHABITAT Sistema Nacional de Registo de Declarações Ambientais de Produto para o Habitat Victor Ferreira 10 Maio 2013 TEKTÓNICA

Leia mais

Painéis X-Lam da KLH nova geração de edifícios

Painéis X-Lam da KLH nova geração de edifícios Painéis X-Lam da KLH nova geração de edifícios Luís Jorge Jornada Técnica Eficiência Energética em Edifícios FABRICANTE DE PAINÉIS X-LAM MAIOR PRODUTOR EUROPEU APROVAÇÃO TÉCNICA EUROPEIA GABINETE DE ENGENHARIA

Leia mais

Anexo I Requisitos das medidas e Despesas Elegíveis em Eficiência Energética e Energias Renováveis, por tipologia de operação

Anexo I Requisitos das medidas e Despesas Elegíveis em Eficiência Energética e Energias Renováveis, por tipologia de operação Anexo I Requisitos das medidas e Despesas Elegíveis em Eficiência Energética e Energias Renováveis, por tipologia de operação Requisitos das medidas Despesas Elegíveis a) Intervenções que visem o aumento

Leia mais

SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS PRÓ-EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E CONFORTO TÉRMICO

SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS PRÓ-EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E CONFORTO TÉRMICO António Curado SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS PRÓ-EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E CONFORTO TÉRMICO Índice 1. ENERGIA E CONFORTO TÉRMICO 2. SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS REGULAMENTARES 2.1. REQUISITOS DE DESEMPENHO 2.2. FACHADAS

Leia mais

ACEPE ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO POLIESTIRENO EXPANDIDO

ACEPE ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO POLIESTIRENO EXPANDIDO ACEPE ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO POLIESTIRENO EXPANDIDO EPS POLIESTIRENO EXPANDIDO NO ETICS A ESCOLHA PARA UM ISOLAMENTO EFICIENTE, ECONÓMICO E SUSTENTÁVEL NICOLAU TIRONE SEMINÁRIO APFAC/ ITeCons FACHADAS

Leia mais

1.- SISTEMA ENVOLVENTE...

1.- SISTEMA ENVOLVENTE... ÍNDICE.- SISTEMA ENVOLVENTE.....- Pavimentos em contacto com o terreno......- Lajes térreas.....- Fachadas......- Parte opaca das fachadas......- Aberturas em fachada.....- Paredes meeiras... 5..- Coberturas...

Leia mais

O CONTRIBUTO DOS MATERIAIS PARA A CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL

O CONTRIBUTO DOS MATERIAIS PARA A CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL O CONTRIBUTO DOS MATERIAIS PARA A CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL Jorge de Brito, Professor Associado IST 1. Introdução Após uma introdução aos conceitos de Desenvolvimento Sustentável e Construção Sustentável,

Leia mais

Reabilitação de edifícios com sistema ETICS: um caso de aplicação prática

Reabilitação de edifícios com sistema ETICS: um caso de aplicação prática Reabilitação de edifícios com sistema ETICS: um caso de aplicação prática Reabilitação da Escola Secundária de Rio Tinto, Gondomar Vasco Pereira, Saint-Gobain Weber Portugal 1. Introdução 2. Reabilitação

Leia mais

A importância da legislação na eficiência energética dos Edifícios

A importância da legislação na eficiência energética dos Edifícios A importância da legislação na eficiência energética dos Edifícios Lisboa, 8 de Maio de 2012 ADENE Agência para a Energia sce@adene.pt ÍNDICE A Directiva Europeia EPBD Sistema de Certificação Energética

Leia mais

www.solucoesparaconstrucao.com Grupo Preceram - grupo familiar de capital nacional Águeda Oliveira do Bairro Figueira da Foz Pombal www.solucoesparaconstrucao.com Fábricas em Pombal e Águeda. Tijolo PRECERAM

Leia mais

CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS DE MADEIRA CLT UMA NOVA GERAÇÃO DE EDIFÍCIOS

CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS DE MADEIRA CLT UMA NOVA GERAÇÃO DE EDIFÍCIOS CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS DE MADEIRA CLT UMA NOVA GERAÇÃO DE EDIFÍCIOS LISBOA, JULHO 2016 SISTEMA CONSTRUTIVO CLT - CONCEITO CARACTERÍSTICAS GERAIS ESTRATOS ORTOGONAIS ESPÉCIES RESINOSAS COLA EM POLIURETANO

Leia mais

O Edifício Solar XXI um exemplo de sustentabilidade na construção. João Mariz Graça, Arq.

O Edifício Solar XXI um exemplo de sustentabilidade na construção. João Mariz Graça, Arq. O Edifício Solar XXI um exemplo de sustentabilidade na construção João Mariz Graça, Arq. joao.mariz@lneg.pt Introdução conceito de sustentabilidade Bom desempenho Ambiental ciclo de vida do edifício; Fase

Leia mais

Promoção da Etiquetagem Energética de Produtos - PEEP. Enquadramento e Objetivos

Promoção da Etiquetagem Energética de Produtos - PEEP. Enquadramento e Objetivos Promoção da Etiquetagem Energética de Produtos - PEEP Enquadramento e Objetivos ITeCons Missão do ITeCons Dinamizar a transf. de tecnologia entre a Universidade, a Indústria e a Sociedade Prestar apoio

Leia mais

Regulamento dos Produtos da Construção. Afirmação das Argamassas Fabris?

Regulamento dos Produtos da Construção. Afirmação das Argamassas Fabris? Regulamento dos Produtos da Construção Afirmação das Argamassas Fabris? Carlos Duarte Presidente da APFAC, Associação Portuguesa dos Fabricantes de Argamassas Vice-Presidente da EMO, European Mortar Industry

Leia mais

Substituição do antigo RSECE (Regulamento dos Sistemas Energéticos de Climatização em Edifícios) (1)

Substituição do antigo RSECE (Regulamento dos Sistemas Energéticos de Climatização em Edifícios) (1) A energia é indispensável para o funcionamento da generalidade das empresas, e em particular para os edifícios de comércio e serviços, responsáveis por mais de 40% do consumo de energia final na Europa.

Leia mais

1.- SISTEMA ENVOLVENTE...

1.- SISTEMA ENVOLVENTE... ÍNDICE.- SISTEMA ENVOLVENTE.....- Envolvente exterior......- Fachadas.....- Muros abaixo da rasante.....- Pavimentos......- Lajes térreas.....- Coberturas......- Coberturas planas....5.- Aberturas verticais....-

Leia mais

06-05- 10:00 - Academia Tektónica - Como assegurar o conforto técnico e acústico em pisos e tetos Argex-Argila Expandida, Grupo Preceram: Gyptec Ibérica-Gessos Técnicos, SA e 2014 16:30 SA 06-05- 10:00

Leia mais

Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS AVALIAÇÕES ACÚSTICAS

Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS AVALIAÇÕES ACÚSTICAS Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS Técnicas de Inspecção e Avaliação do Desempenho de Edifícios Paulo Amado

Leia mais

Tecnologia de construção para uma habitação unifamiliar

Tecnologia de construção para uma habitação unifamiliar Tecnologia de construção para uma habitação unifamiliar Módulo Processos de construção LABORATÓRIO DE CONSTRUÇÃO A68262 Sara Cardoso A68222 Ana Catarina Silva Guimarães, 07 de fevereiro de 2014 Índice

Leia mais

Produção e caracterização de resíduos da construção civil

Produção e caracterização de resíduos da construção civil 1 Produção e caracterização de resíduos da construção civil 2 Geração de resíduos RCC Brasil 230 a 760 kg/hab.ano RCC Europa 600 a 918 kg/hab.ano Resíduos domiciliares Europa 390 kg/hab.ano 3 Geração de

Leia mais

Argamassas Fabris em Português: os dois lados do Atlântico

Argamassas Fabris em Português: os dois lados do Atlântico Argamassas Fabris em Português: os dois lados do Atlântico Lisboa, 20 de Maio de 2008 > Argamassas Fabris em Português: os dois lados do Atlântico 1 1699 São Francisco do Sul, Santa Catarina, Brasil. A

Leia mais

Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS SIMULAÇÃO DINÂMICA

Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS SIMULAÇÃO DINÂMICA Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS Técnicas de Inspecção e Avaliação do Desempenho de Edifícios Rosário Fino

Leia mais

A PEDRA NATURAL EM SISTEMAS DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR DE FACHADAS

A PEDRA NATURAL EM SISTEMAS DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR DE FACHADAS A PEDRA NATURAL EM SISTEMAS DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR DE FACHADAS Vasco Peixoto de Freitas Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Conferência Internacional da PEDRA NATURAL ALFÂNDEGA

Leia mais

Isolamento Sustentável. Soluções Ideais para Reabilitação

Isolamento Sustentável. Soluções Ideais para Reabilitação Isolamento Sustentável A Gyptec Ibérica de capital nacional e inserida no Grupo Preceram, dedica-se à produção de placas de gesso laminado, através de métodos não poluentes e ambientalmente sustentáveis

Leia mais

Etiquetagem Energética de Produtos. 11 de novembro Custóias

Etiquetagem Energética de Produtos. 11 de novembro Custóias Etiquetagem Energética de Produtos 11 de novembro Custóias Produtos abrangidos pela diretiva europeia Foco da Comissão Europeia nos produtos que consomem energia Impacto direto no consumo de energia (Produtos

Leia mais

Isolamento. de Coberturas. Saiba mais sobre

Isolamento. de Coberturas. Saiba mais sobre Isolamento de Coberturas Saiba mais sobre 1 ENQUADRAMENTO TIPOS DE COBERTURAS CONSTRUÍDAS EM PORTUGAL As coberturas são fundamentais para o conforto de uma habitação e responsáveis por ganhos e perdas

Leia mais

CONTRIBUTO DAS ARGAMASSAS NA SUSTENTABILIDADE. Roca Lisboa Gallery LISBOA

CONTRIBUTO DAS ARGAMASSAS NA SUSTENTABILIDADE. Roca Lisboa Gallery LISBOA CONTRIBUTO DAS ARGAMASSAS NA SUSTENTABILIDADE Roca Lisboa Gallery LISBOA 01.04.2016 ÍNDICE Sobre a Secil Argamassas Perspectiva de melhoramento do conforto O contributo das Argamassas Térmicas na Sustentabilidade

Leia mais

SISTEMAS DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR NA REABILITAÇÃO DE EDIFÍCIOS: DESEMPENHO E OPTIMIZAÇÃO

SISTEMAS DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR NA REABILITAÇÃO DE EDIFÍCIOS: DESEMPENHO E OPTIMIZAÇÃO SISTEMAS DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR NA REABILITAÇÃO DE EDIFÍCIOS: DESEMPENHO E OPTIMIZAÇÃO Fotografia Autor 1 30 mm x 40 mm Fotografia Autor 1 30 mm x 40 mm BRUNO FREIRE Aluno de Mestrado (MCR)

Leia mais

ÍNDICE. Sistema de Certificação Energética. Revisão da Legislação. Edifícios Sustentáveis. A importância da legislação

ÍNDICE. Sistema de Certificação Energética. Revisão da Legislação. Edifícios Sustentáveis. A importância da legislação Edifícios Sustentáveis. A importância da legislação Congresso LiderA 2011 IST Lisboa, 25 e 26 de Maio de 2011 ADENE Agência para a Energia Nuno Baptista sce@adene.pt ÍNDICE Sistema de Certificação Evolução

Leia mais

VANTAGENS DOS CONSTRUTIVOS ISOTÉRMICOS NA CONSTRUÇÃO INDUSTRIALIZADA

VANTAGENS DOS CONSTRUTIVOS ISOTÉRMICOS NA CONSTRUÇÃO INDUSTRIALIZADA VANTAGENS DOS CONSTRUTIVOS ISOTÉRMICOS NA CONSTRUÇÃO INDUSTRIALIZADA O isolamento térmico proporcionado pelos Construtivos Isotérmicos reduz significativamente o custo de aquisição do sistema de climatização

Leia mais

Os Resultados da Verificação do RCCTE em Almada

Os Resultados da Verificação do RCCTE em Almada Workshop Os Aspectos Energéticos na Concepção de Edifícios Os Resultados da Verificação do RCCTE em Almada Carlos Sousa Elisabete Serra AGENEAL, Agência Municipal de Energia de Almada Fórum Romeu Correia

Leia mais

PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO ESTUDO DE CASOS

PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO ESTUDO DE CASOS PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO ESTUDO DE CASOS Vasco Peixoto de Freitas Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de 2007-1 www.patorreb.com Estrutura do Site Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de 2007-2

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA ACÚSTICA DE UM EDIFÍCIO MBT

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA ACÚSTICA DE UM EDIFÍCIO MBT AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA ACÚSTICA DE UM EDIFÍCIO MBT PACS REFERENCE: 43.55 Bragança 1, Luís; Almeida 1, Manuela; Silva 1, Sandra; Patricio 2, Jorge 1 Department of Civil Engineering University of Minho,

Leia mais

XPS CATÁLOGO DE PRODUTOS. l Isolamento térmico de edificios. l Poliestireno extrudido (XPS)

XPS CATÁLOGO DE PRODUTOS. l Isolamento térmico de edificios. l Poliestireno extrudido (XPS) XPS l Isolamento térmico de edificios l Poliestireno etrudido (XPS) CATÁLOGO DE PRODUTOS Janeiro 2016 TOPOX A TOPOX centra-se na produção de poliestireno etrudido (XPS) para o seu uso como isolamento térmico

Leia mais

(72) Inventor(es): (74) Mandatário: (54) Epígrafe: SISTEMA DE CONSTRUÇÃO LEVE EM AÇO ENFORMADO A FRIO

(72) Inventor(es): (74) Mandatário: (54) Epígrafe: SISTEMA DE CONSTRUÇÃO LEVE EM AÇO ENFORMADO A FRIO (11) Número de Publicação: PT 10542 T (51) Classificação Internacional: E04C 2/08 (2006.01) E04B 1/80 (2006.01) E04B 1/86 (2006.01) (12) FASCÍCULO DE MODELO DE UTILIDADE (22) Data de pedido: 2010.03.06

Leia mais

Metodologias e Ferramentas ACV Atividade do INEGI e relevância para as empresas

Metodologias e Ferramentas ACV Atividade do INEGI e relevância para as empresas Metodologias e Ferramentas ACV Atividade do INEGI e relevância para as empresas Ricardo Barbosa INEGI 1 Caraterização do INEGI O INEGI é uma RTO Research and Technology Organisation, com um modelo de Associação

Leia mais

GreenEnergy Construção Sustentável

GreenEnergy Construção Sustentável Conceito e Soluções, adequados a vários sectores da Engenharia e Construção. Para uma e Ecológica. Conceito de construção tecnológico para habitação, industrial ou outros e Soluções de revestimentos, isolamentos,

Leia mais

ENVELOPE ESTRUTURAS SISTEMAS PREDIAIS

ENVELOPE ESTRUTURAS SISTEMAS PREDIAIS Disposição final Planejamento Uso e Operação ENVELOPE ESTRUTURAS Projeto SISTEMAS PREDIAIS Construção Implantação PPI Conceituação Planejamento Definição Módulo escopoi Documentação Estudos de Projeto

Leia mais

Serviços e Produtos. Palavras-Chave:

Serviços e Produtos. Palavras-Chave: Serviços e Produtos Recepção, Triagem e Valorização de RCD Reciclagem de RCD em obra Controlo de produção em obra de Agregados Reciclados (utilização em observância das normas técnicas aplicáveis) Acompanhamento

Leia mais

H E R M A L. Uma reflexão sobre 19/11/2015

H E R M A L. Uma reflexão sobre 19/11/2015 Uma reflexão sobre soluções alternativas ao ETICS Argamassas e ETICS. Reflexões actuais Concreta 2015 EXPONOR Feira Internacional do Porto, 19 de Novembro de 2015 Nuno Simões & Márcio Gonçalves E T H E

Leia mais

Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos

Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos SECÇÃO 4 Apoio à eficiência energética, à gestão inteligente da energia e à utilização das energias renováveis nas infraestruturas públicas da Administração Local Objetivos Específicos: Os apoios têm como

Leia mais

Programa EcoCommercial Building Brasil

Programa EcoCommercial Building Brasil Programa EcoCommercial Building Brasil Rede de soluções integradas para edifícios sustentáveis Fernando Resende, Eng. MSc, LEED AP Gerente do Programa EcoCommercial Building no Brasil Bayer: Ciência para

Leia mais

Desenvolvimento sustentável significa que as necessidades da actual geração devem ser satisfeitas sem comprometer a capacidade de as futuras gerações

Desenvolvimento sustentável significa que as necessidades da actual geração devem ser satisfeitas sem comprometer a capacidade de as futuras gerações Desenvolvimento sustentável significa que as necessidades da actual geração devem ser satisfeitas sem comprometer a capacidade de as futuras gerações satisfazerem as suas próprias necessidades. COMISSÃO

Leia mais

FONTE: of the chief innovation officer summit/ IDEIAS EM SOLUÇÕES PARA A EFICIÊNCIA DOS RECURSOS

FONTE:  of the chief innovation officer summit/ IDEIAS EM SOLUÇÕES PARA A EFICIÊNCIA DOS RECURSOS FONTE: http://monicaec.com/motivationcourtesy of the chief innovation officer summit/ IDEIAS EM SOLUÇÕES PARA A EFICIÊNCIA DOS RECURSOS ERAR contexto CONTEXTO POLÍTICO Internacional Iniciativa Emblemática

Leia mais

Argamassas e ETICS. Reflexões actuais.

Argamassas e ETICS. Reflexões actuais. Argamassas e ETICS. Reflexões actuais. Associação Portuguesa dos Fabricantes de Argamassas e ETICS Argamassas e ETICS. Reflexões actuais, Concreta, Porto, 2015.11.19 1 Agradecimentos Aos Participantes

Leia mais

Programa EcoCommercial Building Brasil. Rede de soluções integradas para edifícios sustentáveis

Programa EcoCommercial Building Brasil. Rede de soluções integradas para edifícios sustentáveis Programa EcoCommercial Building Brasil Rede de soluções integradas para edifícios sustentáveis Programa EcoCommercial Building Serviços Engenharia Energias renováveis Arquitetura Plano Energético Iluminação

Leia mais

REABILITAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS Perspetiva da Engenharia Civil

REABILITAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS Perspetiva da Engenharia Civil UNIVERSIDADE DO MINHO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL REABILITAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS Perspetiva da Engenharia Civil Manuela Almeida Universidade do Minho 12.as JORNADAS DE CLIMATIZAÇÃO

Leia mais

Marisa Almeida. Unidade de Ambiente e Sustentabilidade

Marisa Almeida. Unidade de Ambiente e Sustentabilidade Marisa Almeida Unidade de Ambiente e Sustentabilidade 29-02-2012 Declarações Ambientais de Produto Uma aplicação prática APAL, Aveiro 27 Fevereiro de 2012 1 CTCV Centro Tecnológico da Cerâmica e do Vidro

Leia mais

Agradecimentos... I Resumo... III Abstract... IV Índice... V Índice de figuras... X Índice de gráficos... XXII Abreviaturas... XXIII Glossário...

Agradecimentos... I Resumo... III Abstract... IV Índice... V Índice de figuras... X Índice de gráficos... XXII Abreviaturas... XXIII Glossário... ÍNDICE Agradecimentos... I Resumo... III Abstract... IV Índice... V Índice de figuras... X Índice de gráficos... XXII Abreviaturas... XXIII Glossário... XXIV CAPÍTULO 1 1.1. - Introdução... 1 1.2. - Metodologia

Leia mais

ETICS GF ETICS BT FABRIC. poliestireno extrudido. Aplicações recomendadas de placas de isolamento FIBRANxps MAESTRO INCLINE L 300 C I

ETICS GF ETICS BT FABRIC. poliestireno extrudido. Aplicações recomendadas de placas de isolamento FIBRANxps MAESTRO INCLINE L 300 C I poliestireno extrudido Aplicações recomendadas de placas de - L C - I 0 - L 00 - L 00 - L MAESTRO ETICS GF ETICS BT SB FABRIC INCLINE COBERTURAS Coberturas planas invertidas Coberturas planas invertidas

Leia mais

ACEPE ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO POLIESTIRENO EXPANDIDO

ACEPE ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO POLIESTIRENO EXPANDIDO ACEPE ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO POLIESTIRENO EXPANDIDO EPS POLIESTIRENO EXPANDIDO NO ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR ETICS NICOLAU TIRONE SEMINÁRIO APFAC FACHADAS ENERGETICAMENTE EFICIENTES LNEC, LISBOA

Leia mais

Potencial de eficiência energética em edifícios

Potencial de eficiência energética em edifícios Potencial de eficiência energética em edifícios PORTUGAL EM CONFERÊNCIA PARA UMA ECONOMIA ENERGETICAMENTE EFICIENTE Coimbra, 22 de Junho de 2012 Potencial de eficiência energética em edifícios Enquadramento

Leia mais

2. ENVOLVENTES PESADAS - Parte II

2. ENVOLVENTES PESADAS - Parte II 2. ENVOLVENTES PESADAS - Parte II Em La construcción de la arquitectura (ITeC, Barcelona 1985) Ignacio Paricio classifica as envolventes de acordo com as seguintes categorias: - Com capacidade resistente;

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Materiais de Construção III TC 034

Ministério da Educação Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Materiais de Construção III TC 034 Ministério da Educação Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Materiais de Construção III TC 034 Materiais de Construção e o Meio Ambiente Prof. Laila Valduga Artigas 2016 1. INTRODUÇÃO 2.

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada SÍTIO DO FUNCHAL,, Localidade LAGOS

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada SÍTIO DO FUNCHAL,, Localidade LAGOS Válido até 02/03/2026 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada SÍTIO DO FUNCHAL,, Localidade LAGOS Freguesia LAGOS (SÃO SEBASTIÃO E SANTA MARIA) Concelho LAGOS GPS 37.111662, -8.705533 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AVENIDA RIO DE JANEIRO, 38, 3º ESQ. Localidade LISBOA. Freguesia ALVALADE

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AVENIDA RIO DE JANEIRO, 38, 3º ESQ. Localidade LISBOA. Freguesia ALVALADE Válido até 15/10/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada AVENIDA RIO DE JANEIRO, 38, 3º ESQ. Localidade LISBOA Freguesia ALVALADE Concelho LISBOA GPS 38.754048, -9.138450 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL Conservatória

Leia mais

Pré-Certificado Energético Pequeno Edifício de Comércio e Servicos IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA VAZ PONTES Localidade GRÂNDOLA

Pré-Certificado Energético Pequeno Edifício de Comércio e Servicos IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA VAZ PONTES Localidade GRÂNDOLA Válido até 23/09/2026 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA VAZ PONTES Localidade GRÂNDOLA Freguesia GRÂNDOLA E SANTA MARGARIDA DA SERRA Concelho GRANDOLA GPS 38.176353, -8.569561 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

BloCork Desenvolvimento de blocos de betão com cortiça

BloCork Desenvolvimento de blocos de betão com cortiça BloCork Desenvolvimento de blocos de betão com cortiça N. Simões, I. Castro, J. Nascimento, A. Nascimento SEMINÁRIO TECNOLOGIAS E SISTEMAS DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL - INVESTIGAÇÃO EM ACÇÃO - Viabilizar

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE CONSTRUÇÃO

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE CONSTRUÇÃO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE CONSTRUÇÃO 1. Para determinar a porosidade aberta de uma pedra calcária, utilizou-se um provete com as dimensões de 7.1 7.1 7.1 cm 3. Determinou-se a massa no estado

Leia mais

A Reabilitação Urbana de Santarém e a Eficiência Energética

A Reabilitação Urbana de Santarém e a Eficiência Energética A Reabilitação Urbana de Santarém e a Eficiência Energética Reabilitação Energeticamente Eficiente de Edifícios Urbanos Santarém, 23 de Julho de 2014 Área de Intervenção ARU da Ribeira de Santarém e Alfange

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA CARLOS MALHEIRO DIAS, 128, 2º Localidade PORTO.

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA CARLOS MALHEIRO DIAS, 128, 2º Localidade PORTO. Válido até 02/03/2026 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA CARLOS MALHEIRO DIAS, 128, 2º Localidade PORTO Freguesia BONFIM Concelho PORTO GPS 41.160805, -8.594971 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL Conservatória

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO LCA NO PROJETO DE EDIFÍCIOS SUSTENTÁVEIS

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO LCA NO PROJETO DE EDIFÍCIOS SUSTENTÁVEIS Coimbra, Portugal, 2012 UTILIZAÇÃO DO MÉTODO LCA NO PROJETO DE EDIFÍCIOS SUSTENTÁVEIS Sara Neiva 1 *, Ricardo Mateus 2 e Luís Bragança 2 1: Departamento de Engenharia Civil Escola de Engenharia Universidade

Leia mais

Aspectos de sustentabilidade a serem considerados na concepção e desenvolvimento de projetos de arquitetura. Prof a : Ana Cecília Estevão

Aspectos de sustentabilidade a serem considerados na concepção e desenvolvimento de projetos de arquitetura. Prof a : Ana Cecília Estevão Aspectos de sustentabilidade a serem considerados na concepção e desenvolvimento de projetos de arquitetura Prof a : Ana Cecília Estevão Desenvolvimento sustentável Aquele que busca um equilíbrio entre

Leia mais

Novos desafios no desempenho energético de edifícios

Novos desafios no desempenho energético de edifícios Novos desafios no desempenho energético de edifícios Seminário Fachadas energeticamente eficientes: contribuição dos ETICS e Argamassas Térmicas Tektónica 2014 Rui Fragoso ADENE Consumo de energia na Europa

Leia mais

C.R.C.P.Com de GRÂNDOLA BALCÃO ÚNICO

C.R.C.P.Com de GRÂNDOLA BALCÃO ÚNICO C.R.C.P.Com de GRÂNDOLA BALCÃO ÚNICO PROJECTO EXECUÇÃO PLANO PREVENÇÃO E GESTÃO RESÍDUOS CONSTRUÇÃO (PPG) (Out. 2009) INSTITUTO DOS REGISTOS E DO NOTARIADO Av. D. João II, nº 1.8.01D, Edifício H, Campus

Leia mais

Mais valias do ciclo de vida e da economia circular para o desempenho e negócio das empresas. Sofia Santos 24 novembro 2015

Mais valias do ciclo de vida e da economia circular para o desempenho e negócio das empresas. Sofia Santos 24 novembro 2015 Mais valias do ciclo de vida e da economia circular para o desempenho e negócio das empresas Sofia Santos 24 novembro 2015 A origem da economia circular não é nova Fonte: Paulo Ferrão, apresentação realizada

Leia mais

4º Congresso Português de Argamassas e ETICS

4º Congresso Português de Argamassas e ETICS 4º Congresso Português de Argamassas e ETICS ANÁLISE DO COMPORTAMENTO HIGROTÉRMICO DA SOLUÇÃO ETICS NA ÓPTICA DA IDENTIFICAÇÃO E REPARAÇÃO DE ANOMALIAS Fernando Jorne UNL - FCT Portugal fjorne@fct.unl.pt

Leia mais

Estudo de Caso: Precon Engenharia S.A.

Estudo de Caso: Precon Engenharia S.A. Estudo de Caso: Precon Engenharia S.A. Instituto Falcão Bauer da Qualidade Rua Aquinos, 111 Prédio III 3º andar Água Branca São Paulo - SP CEP 05036-070 Tel./Fax: (11) 3611-1729 www.ifbq.org.br Painéis

Leia mais

A Planivis incorpora nas suas construções modulares materiais sustentáveis, nomeadamente*:

A Planivis incorpora nas suas construções modulares materiais sustentáveis, nomeadamente*: Princípio construtivo: O conceito de construção modular, assenta na execução de módulos com uma estrutura metálica mista, 100% reciclável, de aço laminado a quente (aço pesado ) e aço leve galvanizado.

Leia mais

AVALIAÇÃO DE IMPACTO DO CICLO DE VIDA DE PAINÉIS OBTIDOS A PARTIR DA CASCA DE COCO VERDE

AVALIAÇÃO DE IMPACTO DO CICLO DE VIDA DE PAINÉIS OBTIDOS A PARTIR DA CASCA DE COCO VERDE AVALIAÇÃO DE IMPACTO DO CICLO DE VIDA DE PAINÉIS OBTIDOS A PARTIR DA CASCA DE COCO VERDE FREIRE, A. L. F. a,c*, FIGUEIRÊDO, M. C. B b, ROSA, M. F. b. ARAÚJO JÚNIOR, C. P. c 1. INTRODUÇÃO A produção de

Leia mais

COMPRAR A PORTUGAL FILEIRA MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO. Ago 2016

COMPRAR A PORTUGAL FILEIRA MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO. Ago 2016 COMPRAR A PORTUGAL FILEIRA MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO Ago 2016 PERFIL 3 CHAVE 4 VANTAGENS 5 COMPETITIVAS SETORES 6-14 METAIS 7 ROCHAS ORNAMENTAIS 8 CIMENTO E BETÃO 9 MADEIRA E CORTIÇA 10 CERÂMICA 11 PLÁSTICO

Leia mais

NO FRIO E NO CALOR O CASACO TÉRMICO DA SUA CASA

NO FRIO E NO CALOR O CASACO TÉRMICO DA SUA CASA NOVO Sika ThermoCoat NO FRIO E NO CALOR O CASACO TÉRMICO DA SUA CASA SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR ETICS CONFORTÁVEL POUPA ENERGIA IMPERMEÁVEL SEM CONDENSAÇÕES SEM FISSURAS prt.sika.com UM

Leia mais

Incentivos financeiros Portugal 2020

Incentivos financeiros Portugal 2020 Incentivos financeiros Portugal 2020 Lisboa, 08-10-2015 Paulo Carpinteiro Licks & Associados POCI Programa Operacional Competitividade e Internacionalização POSEUR e PORegionais Norte, Centro, LVT, Alentejo,

Leia mais

Contribuição das Argamassas para a Eficiência Energética dos Edifícios

Contribuição das Argamassas para a Eficiência Energética dos Edifícios Contribuição das Argamassas para a Eficiência Energética dos Edifícios SEMINÁRIO Eficiência energética e arquitectura solar passiva: exemplos de aplicação JOÃO SANTA RITA Universidade do Minho, Guimarães

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DR. JOÃO BAPTISTA JACQUET, LOTE 25,, Localidade PAREDE

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DR. JOÃO BAPTISTA JACQUET, LOTE 25,, Localidade PAREDE Válido até 23/02/2026 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DR. JOÃO BAPTISTA JACQUET, LOTE 25,, Localidade PAREDE Freguesia CARCAVELOS E PAREDE Concelho CASCAIS GPS 38.688815, -9.341953 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

Responsabilidade Social e Ambiental na Edificação. Funchal, 4 Junho

Responsabilidade Social e Ambiental na Edificação. Funchal, 4 Junho Responsabilidade Social e Ambiental na Edificação Funchal, 4 Junho 2 instrumentos para a Responsabilidade Social, Económica e Ambiental na Edificação Declaração de conformidade que visa verificar o cumprimento

Leia mais

O Sistema Dreamdomus Painéis

O Sistema Dreamdomus Painéis Construção Modular Conceito A equipa técnica da dreamdomus aprofundou o conceito de pré-fabricação, levando ao limite a noção de economia habitualmente associada a este tipo de construção, conseguindo

Leia mais

WWW.PAINEISTERMOISOLANTES.COM.BR Novas tecnologias para isolamento térmico na construção civil: PIR e PUR Rodnei Massamiti Abe Gerente Técnico em Eficiência Energética Dow Brasil Painéis Termoisolantes

Leia mais

Marvão - Caso Prático Construção Sustentável ReHabitar

Marvão - Caso Prático Construção Sustentável ReHabitar Marvão - Caso Prático Construção Sustentável ReHabitar Marvão, 29 th May A ECOCHOICE é uma empresa de consultoria de referência na área da construção sustentável em Portugal, satisfazendo as necessidades

Leia mais

GET GESTÃO DE ENERGIA TÉRMICA Lda.

GET GESTÃO DE ENERGIA TÉRMICA Lda. 1 Dados climáticos de referência para a região do Porto: Inverno: Região climática I1, número de graus dias = 1610 (º dias), duração da estação de aquecimento = 6,7 meses. Verão: Região climática V1, Temperatura

Leia mais

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR Nº CER CE0000039148429 CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR TIPO DE FRACÇÃO/EDIFÍCIO: EDIFÍCIO DE HABITAÇÃO SEM SISTEMA(S) DE CLIMATIZAÇÃO Morada / Localização Rua Quinta

Leia mais

MANUAL DE REABILITAÇÃO E MANUTENÇÃO GUIA DE INTERVENÇÃO

MANUAL DE REABILITAÇÃO E MANUTENÇÃO GUIA DE INTERVENÇÃO GUIA DE INTERVENÇÃO ALICE TAVARES ANÍBAL COSTA HUMBERTO VARUM Departamento de Engenharia Civil Universidade de Aveiro tavares.c.alice@ua.pt Vila Cecílio, Ílhavo Universidade de Aveiro 13 Julho de 2011

Leia mais

A Planivis incorpora nas suas construções modulares materiais sustentáveis, nomeadamente*:

A Planivis incorpora nas suas construções modulares materiais sustentáveis, nomeadamente*: Princípio construtivo: O conceito de construção modular, assenta na execução de módulos com uma estrutura metálica mista, 100% reciclável, de aço laminado a quente (aço pesado ) e aço leve galvanizado.

Leia mais

O Mito da Degradação como Solução. Eloísa E. C. Garcia CETEA / ITAL

O Mito da Degradação como Solução. Eloísa E. C. Garcia CETEA / ITAL O Mito da Degradação como Solução Eloísa E. C. Garcia CETEA / ITAL VISÃO DE SUSTENTABILIDADE Consumo Sustentável é saber usar os recursos naturais para satisfazer as nossas necessidades, sem comprometer

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Isolamento Térmico de fachadas pelo exterior. nº 17. Nº Pág.s: Fevereiro 2007

FICHA TÉCNICA. Isolamento Térmico de fachadas pelo exterior. nº 17. Nº Pág.s: Fevereiro 2007 nº 17 FICHA TÉCNICA Isolamento Térmico de fachadas pelo exterior Nº Pág.s: 07 17 12 Fevereiro 2007 Isolamento Térmico de fachadas pelo exterior 01 Para responder às crescentes exigências de conforto higrotérmico,

Leia mais

Inovação e sustentabilidade em coberturas cerâmicas

Inovação e sustentabilidade em coberturas cerâmicas Inovação e sustentabilidade em coberturas cerâmicas A telha cerâmica é o mais antigo material de construção com forma adequada para o revestimento de coberturas. As características intrínsecas dos materiais

Leia mais

PRÉ-FABRICAÇÃO E A SUSTENTABILIDADE

PRÉ-FABRICAÇÃO E A SUSTENTABILIDADE Pré-Fabricação:O Contexto Habitacional e Sustentabilidade PRÉ-FABRICAÇÃO E A SUSTENTABILIDADE Roberto José Falcão Bauer 27 de agosto de 2009 CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL UTILIZA ECOMATERIAIS E SOLUÇÕES INTELIGENTES,

Leia mais

Painéis de garrafas PET e argamassa armada FICHA CATALOGRÁFICA NOVEMBRO/2014

Painéis de garrafas PET e argamassa armada FICHA CATALOGRÁFICA NOVEMBRO/2014 Tecnologias, Sistemas Construtivos e Tipologias para Habitações de Interesse Social Painéis de garrafas PET e argamassa armada FICHA CATALOGRÁFICA NOVEMBRO/2014 Tecnologias, Sistemas Construtivos e Tipologias

Leia mais

Eficiência e Sustentabilidade

Eficiência e Sustentabilidade Eficiência e Sustentabilidade P r i n c i p a i s r e s u l t a d o s d a p e s q u i s a J u n h o / 2 0 1 6 w w w. o i 3 e. o r g. b r E f i c i ê n c i a e S u s t e n t a b i l i d a d e Objetivos

Leia mais

Telefones: (48) / Apoio:

Telefones: (48) / Apoio: UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Campus Universitário Trindade Florianópolis SC CEP 88040-900 Caixa Postal 476 Laboratório de Eficiência Energética

Leia mais

Certificações Ambientais LEED e BREEAM. Por uma vida mais sustentável

Certificações Ambientais LEED e BREEAM. Por uma vida mais sustentável Certificações Ambientais LEED e BREEAM Por uma vida mais sustentável 2 1 Introdução Certificações ambientais Um projeto sustentável deve considerar os efeitos a longo prazo das ações realizadas no presente,

Leia mais

Rede de aquecimento e arrefecimento urbano eficiente. Fábio Manuel Guiso da Cunha Universidade de Coimbra Mestrado em Direito Direito da Energia

Rede de aquecimento e arrefecimento urbano eficiente. Fábio Manuel Guiso da Cunha Universidade de Coimbra Mestrado em Direito Direito da Energia Rede de aquecimento e arrefecimento urbano eficiente Fábio Manuel Guiso da Cunha Universidade de Coimbra Mestrado em Direito Direito da Energia Definição Uma rede de aquecimento e arrefecimento urbano

Leia mais

* import amo-nos. Os novos craques da Weber vão alinhar na sua equipa

* import amo-nos. Os novos craques da Weber vão alinhar na sua equipa * import amo-nos Os novos craques da Weber vão alinhar na sua equipa Conheça a de colagem Com os novos craques a alinhar na sua equipa, vamos vencer no campeonato da colagem de cerâmica! O mercado está

Leia mais

Laboratório de Eficiência Energética em Edificações

Laboratório de Eficiência Energética em Edificações UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Campus Universitário Trindade Florianópolis SC CEP 88040-970 Caixa Postal 476 Laboratório de Eficiência Energética

Leia mais

Estudo Comparativo do Atraso Térmico de Isolamento Térmico

Estudo Comparativo do Atraso Térmico de Isolamento Térmico Reabilitação Estudo Comparativo do Atraso Térmico de Isolamento Térmico Autoria do Trabalho: I. Simões, N. Simões, A. Tadeu mivsimoes@itecons.uc.pt CICC, Departamento de Engenharia Civil, Faculdade de

Leia mais

"A iluminação no contexto do sistema de certificação energética dos edifícios

A iluminação no contexto do sistema de certificação energética dos edifícios "A iluminação no contexto do sistema de certificação energética dos edifícios Ordem dos Engenheiros Lisboa ADENE Pedro Mateus A nova regulamentação de eficiência energética em edifícios 1. Sistema de Certificação

Leia mais

Introduz áreas adicionais de conhecimento (reabilitação, segurança, sustentabilidade...)

Introduz áreas adicionais de conhecimento (reabilitação, segurança, sustentabilidade...) Aprofunda conhecimentos específicos já introduzidos nos anos anteriores nas cadeiras de Materiais de Construção, Física das Construções, Tecnologia das Construções e Direcção de Obras; Introduz áreas adicionais

Leia mais

AMORIM ISOLAMENTOS S.A.

AMORIM ISOLAMENTOS S.A. www.amorimisolamentos.com AMORIM ISOLAMENTOS S.A. Construir, descontruir, reabilitar 01 de Abril de 2016 LÍDER MUNDIAL EM CORTIÇA EM MAIS DE 100 PAISES FACTURAÇÃO SUPERIOR A 600 MILHÕES DE EUROS 3350 FUNCIONÁRIOS

Leia mais

Etiquetagem Energética de Elevadores ABRIL 2015

Etiquetagem Energética de Elevadores ABRIL 2015 Etiquetagem Energética de Elevadores ABRIL 2015 Conteúdos Os elevadores em Portugal O Sistema de Etiquetagem Energética de Produtos (SEEP) A etiquetagem energética de elevadores Aderir ao SEEP Próximos

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AVENIDA INFANTE SANTO, 66, 7º B ESQ Localidade LISBOA.

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AVENIDA INFANTE SANTO, 66, 7º B ESQ Localidade LISBOA. Válido até 24/09/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada AVENIDA INFANTE SANTO, 66, 7º B ESQ Localidade LISBOA Freguesia ESTRELA Concelho LISBOA GPS 38.709710, -9.165900 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL Conservatória

Leia mais