UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADO DE GOIÁS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADO DE GOIÁS"

Transcrição

1 UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADO DE GOIÁS Trabalho realizado em setembro de 2000

2 AUTORIA: MARIA LUIZA OSÓRIO MOREIRA GERÊNCIA DE GEOINFORMAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE GEOLOGIA E MINERAÇÃO SECRETARIA DE INDÚSTRIA E COMÉRCIO DO ESTADO DE GOIÁS COLABORAÇÃO: AGÊNCIA AMBIENTAL DE GOIÁS DIRETORIA DE ECOSSISTEMAS / DEPARTAMENTO DE ÁREAS PROTEGIDAS Edmundo Magela Carneiro Juliana Ferreira Leite SEMMA - SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE Leila Coelho Normalice Maria de Queiroz SEMARH SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE, DOS RECURSOS HÍDRICOS E DA HABITAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DO PARQUE ECOLÓGICO ULISSES GUIMARÃES Paulo Henrique Vicente de Paiva IBAMA - INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE José Mendes Maura Jonas METAGO METAIS DE GOIÁS S/A Javan Carlos de Araújo Costa

3 S U M Á R I O APRESENTAÇÃO... i INTRODUÇÃO OBJETIVOS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO UNIDADES DE CONSERVAÇÃO EM GOIÁS BIBLIOGRAFIA

4 UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - TEXTO APRESENTAÇÃO Apesar do Estado possuir uma vasta gama de documentos contemplando suas Unidades de Conservação, essas informações encontram-se dispersas. Através deste documento a Diretoria de Recursos Naturais Não Renováveis da Agência Goiana de Meio Ambiente e Recursos Naturais coloca à disposição da sociedade, de forma sintética e objetiva os aspectos mais relevantes das Unidades de Conservação, existentes em Goiás. Goiânia GO, Setembro de 2000 i

5 UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - TEXTO INTRODUÇÃO A moderna Sociedade Industrial tem provocado profundas transformações ambientais, em escala planetária, na busca contínua por recursos naturais para manter sua atividade produtiva. O desenvolvimento tecnológico ampliou o domínio humano sobre a natureza, gerando em muitos casos, danos irreversíveis aos sistemas naturais. O conhecimento adequado da natureza e o estabelecimento de relações mais harmoniosas com ela são condições essenciais para assegurar às futuras gerações um ambiente propício a vida humana. O interesse pela problemática ambiental, e, em particular, pela conservação dos ecossistemas, constitui atualmente uma preocupação de nações de todo o mundo que anseiam por soluções capazes de conciliar o crescimento econômico e a preservação ambiental. Em Goiás a ocupação espacial desordenada remonta ao início da colonização já no final do Século XVII, quando iniciaram-se as primeiras entradas e bandeiras e estende-se aos dias atuais com crescimento urbano acelerado. Nesta última etapa houve o surgimento de graves problemas de impacto ambiental, levando o cidadão, a sociedade organizada e os poderes públicos a buscarem ações, não só de recuperação e controle, como também planos de uso e ocupação, levando em conta a preservação do patrimônio natural.

6 UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - TEXTO 2. OBJETIVOS Os objetivos da conservação de determinadas áreas com importantes recursos naturais ou culturais, diferem daqueles diretamente ligados ao processo de produção econômica, principalmente pelo fato de serem, geralmente, utilizadas de maneira indireta. Para assegurar sua contribuição ao desenvolvimento, as Unidades de Conservação devem adotar uma política ambiental conservacionista, consubstanciada nos seguintes objetivos de conservação. a. manter a diversidade natural - pela preservação de amostras significativas das diversas formações ecológicas, objetivando manter os processos evolutivos naturais e a qualidade do ambiente; b. conservar os recursos genéticos pela conservação da variabilidade da flora e fauna silvestre a taxas de extinção natural e pela preservação das espécies em risco de extinção com finalidades científicas e ecológicas; c. favorecer a pesquisa científica pela disponibilidade de espaços onde a natureza continue seu processo evolutivo natural e pela facilitação de meios que viabilizem, além da pesquisa, o monitoramento ambiental; d. proporcionar educação ambiental pela viabilização de oportunidades educativas formais e informais, preferencialmente decorrentes de processos de investigação e monitoramento ambiental; e. conservar os recursos hídricos mantendo e assegurando o fluxo e a qualidade da água para 2

7 UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - TEXTO abastecimento, irrigação, hidrelétricas, processos industriais e recreação; f. proteger investimentos evitando e controlando a erosão dos solos e assoreamento de rios e represas, mantendo regular a vazão dos rios, evitando alagamentos e evitando deslizamentos que põem em risco obras civis; g. manter e produzir fauna silvestre mantendo e manejando os recursos pesqueiros e da fauna silvestre para a produção de proteínas e como base de atividades comerciais, industriais, turísticas e esportivas; h. proporcionar recreação proporcionando recreação ao ar livre de forma saudável, para residentes e visitantes, e desenvolvendo o turismo baseado nas características naturais e culturais do país; i. manejar os recursos florestais mantendo e manejando áreas florestais com métodos flexíveis de utilização e assegurando os processos naturais de obtenção de produtos através de manejo sustentado; j. conservar belezas panorâmicas naturais ou alteradas, mantidas a um nível sustentável, visando a recreação e o turismo; l. proteger sítios históricos e/ou culturais preservando sítios e estruturas culturais, históricas, arqueológicas e paleontológicas para conhecimento público, investigação científica de patrimônio cultural e histórico do país e desenvolvimento cívico da nação; m. assegurar a qualidade ambiental protegendo e manejando as paisagens para assegurar a qualidade ambiental próximo a cidades, estradas, zonas recreativas e turísticas; n. proporcionar flexibilidade de tecnologia protegendo recursos naturais contra processos inadequados de 3

8 UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - TEXTO utilização e reservando-os para outros processos a serem desenvolvidos no futuro; o. assegurar o crescimento econômico regional organizando e enfocando todas as ações do desenvolvimento integral rural e urbano, pela geração de oportunidades estáveis de trabalho, bem como de economias locais (turismo, por exemplo). 4

9 UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - TEXTO 3. UNIDADES DE CONSERVAÇÃO O Sistema Nacional de Unidades de Conservação é um dos principais instrumentos de conservação da biodiversidade. O SNUC apresenta diferentes categorias de manejo. Quanto ao uso as Unidades de Conservação podem ser de uso indireto ou direto. De uso indireto são aquelas nas quais estão totalmente restringidas a exploração ou aproveitamento dos recursos naturais, admitindo-se apenas o aproveitamento indireto dos seus benefícios. Nas Unidades de Conservação de uso direto a exploração e aproveitamento econômico direto são permitidos, mas de forma planejada e regulamentada. A utilização de Unidades de Conservação como instrumento de política ambiental no Estado de Goiás, iniciou-se no ano de 1959 com a criação pelo Governo Federal do Parque Nacional do Araguaia, hoje situado no Estado do Tocantins. Unidades de conservação são porções do território nacional, incluindo as águas territoriais, com características naturais de relevante valor, de domínio público ou propriedade privada, legalmente instituídas pelo Poder Público com objetivos e limites definidos, sob regimes especiais de administração e às quais aplicamse garantias de proteção (FUNATURA, 1989). Até 1981 existiam no país basicamente, três categorias de manejo legalmente instituídas e com unidades criadas ou implantadas no território nacional. Parque Nacional, Reserva Biológica e Floresta Nacional. Paralelamente a estas, legalmente já estava instituída a categoria Parque de Caça que, entretanto, até o momento não conta com nenhuma unidade criada. 5

10 UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - TEXTO A partir dessa data, foram instituídas legalmente e passaram a ser criadas Unidades de Conservação das categorias Estação Ecológica, Área de Proteção Ambiental (APA) e Área de Relevante Interesse Ecológico (ARIE). Dessas seis categorias instituídas e com unidades criadas em todo o país, duas delas, se não se eqüivalem, têm profunda semelhança em termos de objetivos de manejo: Reserva Biológica e Estação Ecológica. Ainda, uma terceira, em função de objetivos particulares e características de área, tem profunda semelhança com estas categorias, a ARIE. Além disso, enquanto categorias de manejo fundamentais, como Monumento Natural, Santuário ou Refúgio da Vida Silvestre e Reserva de Fauna, ainda não foram legal nem praticamente instituídas, denominações equivalentes sem conceituações claras e objetivos de manejo bem definidos foram instituídos. Como o são, por exemplo, Área de Relevante Interesse Ecológico (ARIE) e Reserva Ecológica, esta última com total equivalência às áreas de preservação permanente previstas no Código Florestal (Lei 4.771, de ). Também alguns instrumentos legais que instituem restrições ao uso do solo e à ocupação territorial têm sido confundidos e considerados como Unidades de Conservação, por sua semelhança com Áreas de Proteção Ambiental (APA). Entre estes têm-se: Área sob Proteção Especial (ASPE); Área Especial de Interesse Turístico (AEIT), Local de Interesse Turístico (LIT) e Áreas Naturais Tombadas (Tombamento). A síntese destas observações é evidenciada no QUADRO 1 a seguir, onde são apresentados os objetivos de manejo, características básicas e fundamentação legal de cada categoria ou instrumento legal citado. Reserva Legal É a área de domínio público ou privado, representando o mínimo de 20% de cada propriedade, revestida de cobertura vegetal característica da região, sujeito a regime de utilização limitada, sendo, porém susceptível de aproveitamento florestal. É regulamentada pela lei nº 7.803/1989, que institui o Código Florestal e art. 99 da lei 817/

11 UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - TEXTO Áreas de Preservação Permanente Descritas nos arts. 5º e 6º da Lei /95 e no Decreto 4.593/95 referem-se a áreas que por suas características e localização são extremamente necessárias ao equilíbrio ambiental e apresentam severas restrições de uso. São consideradas áreas de preservação permanente: 1. faixa de vegetação nativa ao longo dos rios ou qualquer outro curso d água, indo de 30 a 500m, dependendo a largura do rio. 2. faixa de 30m ao redor de lagoas naturais ou artificiais em áreas urbanas e 100 para as localizadas em área rural. 3. faixa mínima de 50m ao redor de nascentes. 4. topo de morros, montes e montanhas. 5. encostas com declividade superior a 45º. 6. extensão mínima de 100m das bordas de chapadas e tabuleiros. 7. faixa marginal das ilhas. 8. veredas. 9. áreas localizadas em altitudes superiores a 1.200m. 10. locais de pouso de aves de arribação. Estações Ecológicas São áreas representativas de ecossistemas brasileiros destinados à realização de pesquisas básicas e aplicadas de ecologia; à proteção do ambiente natural e ao desenvolvimento de educação conservacionista. Pelo menos 90% da área deverá ser destinada em caráter permanente à preservação integral da biota e na área restante, caso haja um plano de zoneamento aprovado, poderá ser autorizada a realização de pesquisas ecológicas que venham a acarretar modificações no ambiente natural (Legislação Federal sobre o Meio Ambiente. Vanderlei José Ventura, 1ª edição, Editora Vana Ltda. Pg ), lei de 27/04/81. 7

12 UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - TEXTO Áreas de Proteção Ambiental APA Quando houver relevante interesse público determinadas áreas são declaradas como de interesse para a proteção ambiental, a fim de assegurar o bem estar das populações humanas e conservar ou melhorar as condições ecológicas locais. Em cada APA, dentro dos princípios constitucionais que regem o exercício de decreto de propriedade, o poder executivo estabelecerá normas limitando ou proibindo: a. implantação e funcionamento de indústrias potencialmente poluidoras capazes de afetar mananciais de água. b. realização de obras de terraplenagem e abertura de canais quando essas importarem em sensível alteração das condições ecológicas locais; c. exercício de atividades capazes de provocar uma acelerada erosão das terras e/ou acentuado assoreamento de corpos d água. d. exercício de atividades que ameacem extinguir na área protegida as espécies raras de biota regional. (Lei nº , regulamentada pelo decreto /90). Área de Relevante Interesse Ecológico ARIE São áreas de domínio público, que possuem características naturais extraordinárias ou abriguem exemplares raros de fauna e flora regional. Nestas áreas são proibidas atividades que ponham em risco a proteção da biota, sendo permitidas apenas explorações de produtos naturais devidamente autorizados e controlados por órgãos superiores e fiscalizadores oficiais. São regulamentadas pela lei 6.938, de 31/08/81 e pelo Decreto de 31/01/84. Reservas Biológicas Instituídas em terras de domínio público, não é permitido em seu interior a exploração de qualquer dos recursos naturais ou modificação do meio ambiente da reserva. Destinam-se especialmente à produção de um determinado tipo de 8

13 UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - TEXTO vida, onde a única atividade permitida, desde que autorizada é a pesquisa científica. Áreas Especiais de Interesse Temático AEIT São áreas em trechos contínuos que se destinam à preservação e valorização natural e cultural, podendo ser exploradas através da elaboração de planos e projetos de desenvolvimento desde que observadas as diretrizes de uso, ocupação do solo, obras e serviços. Parques Destinam-se a preservar áreas naturais ou pouco alteradas pelas interferência humana, podendo ser utilizadas respeitando-se seu plano de uso para fins educacionais recreativos e científicos. São divididos em federais, estaduais e municipais. O Decreto Federal /79 regulamenta os Parques Nacionais do Brasil, define objetivos de manejo, dispõe sobre o zoneamento e objetivos de cada zona, além das sanções penais para os que provocarem atos ilícitos dentro destas unidades de conservação. Reserva Florestal Também denominada Reserva Ecológica ou Floresta Particular, pode ser de domínio público ou privado. Embora declarada de preservação permanente, essas áreas podem ser exploradas desde que sejam observadas as normas para uso racional de seus recursos. Horto Florestal Áreas de domínio público onde são estudadas as espécies nativas ou exóticas mais aptas ao replantio e a formação de matas. Estação Ecológica São áreas destinadas a pesquisas básicas e aplicadas de ecologia, a proteção de ambiente natural e ao desenvolvimento da educação conservacionista. Reserva Particular do Patrimônio Natural São áreas naturais ou pouco alteradas, de tamanho variável, cuja preservação por iniciativa do proprietário é reconhecida pelo IBAMA. São formalizadas por portaria do IBAMA e demandam o gravame definitivo de perpetuidade nas escrituras do imóvel, portanto os descendentes dos proprietários não poderão dar outro uso para elas e em eventual venda, o comprador terá de arcar com o compromisso. 9

14 UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - TEXTO Floresta Nacional Tem por objetivos de manejo a produção de madeira, água e pastagem sob a vigência do conceito de uso múltiplo e rendimento sustentado, devendo assim proporcionar também oportunidades para recreação, educação ambiental, caça, pesca, investigação e monitoramento. Parque de Caça Área com habitats e populações da fauna silvestre manejáveis, com finalidades esportivas, recreativas e/ou econômica, com tamanho variável em função de habitat e população a serem manejados. 10

15 UNIDADES DE CONSERVAÇÃO TEXTO QUADRO 1: CATEGORIAS DE MANEJO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO E INSTRUMENTOS LEGAIS DE PROTEÇÃO DE ÁREAS NATURAIS CARACTERÍSTICAS GERAIS USOS PROPRIEDADE CATEGORIAS DE MANEJO BENEFÍCIOS POSSE DA TERRA PN Parque Nacional Indiretos Poder Público RB Reserva Biológica Indiretos Poder Público EE Indiretos Poder Público MN Monumento Natural Indiretos Poder Público (ou Nacional) RE Privado e/ou Indiretos Reserva Biológica Poder Público FLORA Diretos e Floresta Nacional Indiretos Poder Público Á R E A Área Natural, pouco ou nada alterada ecologicamente representativa e relativamente extensa (>1.000) Área Natural intocada cuja superfície varia em função do ecossistema ou ente biológico de valor científico a preservar Idem reserva biológica permitindo alteração antrópica em até 10% da área Áreas com valores naturais ou paisagísticos únicos e superfície variável com as características do ambiente a proteger Pode ter as mesmas características das reservas biológicas e estações ecológicas ou simplesmente constituírem áreas de preservação conforme artigo 2º da Lei Área Normalmente vasta e coberta principalmente por florestas manejáveis, produtivas onde se permitem ação humana direta com objetivos de usos múltiplos LEGISLAÇÃO BÁSICA Lei de 15/09/65 Decreto de 21/09/79 Lei de 15/09/65 Lei de 28/02/67 Lei de 27/04/81 Lei de 31/08/81 Resol. CONAMA 004/58 18/09/85 Decreto de 23/03/95 Lei de 31/08/81 Decreto de 31/01/84 Lei de 15/09/65 11

16 UNIDADES DE CONSERVAÇÃO TEXTO PC Parque de Caça Diretos e Indiretos Poder Público ou Privado Área com habitats e populações de fauna silvestre manejáveis, com finalidades esportivas, recreativas e/ou econômicas cujo tamanho é variável em função do habitat e populações a manejar. Lei de 28/02/67 APA Área de Proteção Ambiental Diretos e Indiretos Privado Áreas normalmente vastas, de propriedade privada nas quais, através de zoneamento e regulamentação, se define usos possíveis, objetivando manter a qualidade ambiental. Lei de 27/04/81 Lei de 31/08/81 ARIE Área de Relevante Interesse Ecológico Indiretos --- Áreas de até há com pouca ou nenhuma ocupação humana que abrigue características naturais extraordinárias e/ou exemplares raros de biota regional. Pode integrar uma APA Lei de 31/08/81 Decreto de 31/01/84 AEIT Área Especial de Interesse Turístico Diretos e Indiretos Privado e/ou Poder Público Áreas com bens históricos ou culturais artísticos ou naturais de importância a atividades turísticas recreativas, sobre as quais se estabelece diretrizes de uso e ocupação. Lei de 20/12/77 Decreto de 06/06/81 TOMBAMENTO Diretos e Indiretos Privado e/ou Poder Público Áreas com característica e tamanho variável em função do bem que se quer proteger. O tombamento pode incidir sobre áreas definidas como unidades de conservação Decreto 25 de 30/11/37 RPPN Reserva Particular do Patrimônio Natural Indireto Privado Área Natural ou pouco alterada, de tamanho variável, cuja preservação, por iniciativa do proprietário, é reconhecido pelo IBAMA. Há isenção de ITR após o cadastro da área RPPN Decreto de 30/01/90 12

17 UNIDADES DE CONSERVAÇÃO TEXTO 4. UNIDADES DE CONSERVAÇÃO EM GOIÁS A utilização de unidades de conservação como instrumento de política ambiental no Estado de Goiás, iniciou-se no ano de 1959, com a criação pelo Governo Federal do Parque Nacional do Araguaia, hoje situado no Estado do Tocantins. O Estado de Goiás possui dois parques nacionais administrados pelo IBAMA; seis parques estaduais, quatro Áreas de Proteção Ambiental, uma área de relevante interesse ecológico, administrada pelo estado (SEMARH e Agência Ambiental de Goiás); oito unidades de conservação municipais, além de vinte e seis reservas particulares do patrimônio natural de propriedade privada. UNIDADES DE CONSERVAÇÃO FEDERAIS UC / MUNICÍPIO ÁREA (ha) INSTRUMENTO LEGAL DE CRIAÇÃO Parque Nacional das Emas / Mineiros ,00 Dec. Federal , de Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros / Alto Paraíso de Goiás ,75 Dec. Federal , de

18 UNIDADES DE CONSERVAÇÃO TEXTO UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS UC / MUNICÍPIO Á REA (ha) INSTRUMENTO LEGAL DE CRIAÇÃO Parque Estadual da Serra de Caldas Novas e Rio Quente Parque Estadual dos Pirineus / Pirenópolis, Cocalzinho e Corumbá de Goiás Parque Estadual de Terra Ronca / São Domingos e Guarani de Goiás Parque Estadual Ulisses Guimarães / Goiânia, Goianápolis, Teresópolis e Nerópolis Parque Estadual Telma Ortegal / Abadia de Goiás APA da Serra da Jibóia / Palmeiras de Goiás e Nazário APA Pirineus / Pirenópolis, Cocalzinho e Corumbá de Goiás ,35 Lei nº 7.282, de , ,00 Lei nº , de e Dec , de Lei nº , de e Dec , de ,00 Lei nº , de ,00 Lei nº , de ND Dec de ,00 Não há APA Serra Dourada / Goiás ,00 Dec , de APA Serra Geral / São Domingos ,00 Dec , de Parque Ecológico da Serra de Jaraguá ND Lei nº , de ARIE (Área de Relevante Interesse Ecológico) Águas de São João 2.649,64 Dec , de ND Não delimitada. 14

19 UNIDADES DE CONSERVAÇÃO TEXTO UNIDADES DE CONSERVAÇÃO GERENCIADAS PELOS MUNICÍPIOS UC / MUNICÍPIO Parque do Itiquira / Formosa Bica / Formosa Parque Ecológico Mata da Bica / Formosa ÁREA (ha) INSTRUMENTO LEGAL DE CRIAÇÃO 50,0 Dec. Munc. Nº 26-J, de ,7 Jardim Botânico / Goiânia 100,0 Parque Areião / Goiânia 16,5 Parque Botafogo / Goiânia 17,2 Bosque dos Buritis / Goiânia 14,1 Parque Carmo Bernardes / Goiânia Parque Vaca Brava / Goiânia 7,7 Lei Orgânica Municipal Capítulo VI do Meio Ambiente Art. 209/90 Área remanescente, considerada reserva no Plano Original Dec.-Lei nº 90-a, de Área remanescente, considerada reserva no Plano Original Dec.-Lei nº 90-a, de Área remanescente, considerada reserva no Plano Original Dec.-Lei nº 90-a, de Área remanescente, considerada reserva no Plano Original Dec.-Lei nº 90-a, de ,0 Lei Orgânica Municipal em 1990 Instituído no Plano de Urbanização do Setor Urbano, de O Estado de Goiás é a segunda unidade da Federação em número de Reservas Particulares do Patrimônio Natural RPPNs, seguindo Mina Gerais. Com relação à área, está em terceiro, atrás do Amazonas e Minas Gerais. Estas reservas englobam diferentes fitofisionomias do Cerrado. O aumento destas áreas protegidas pela iniciativa privada se deu principalmente em função dos incentivos fiscais e tributários e tem contribuído para a conservação da biodiversidade do Estado. 15

20 UNIDADES DE CONSERVAÇÃO TEXTO UNIDADES DE CONSERVAÇÃO PARTICULARES ÁREA INSTRUMENTO LEGAL DE UNIDADE DE CONSERVAÇÃO (ha) CRIAÇÃO Boca da Mata /98 de Fazenda Vereda do Gato /97-N de Fazenda Cachoeirinho 80 45/98-N de Sítio Estrela Dalva 5 134/98-N de Vale Enc. da Cachoeira dos Cristais /96-N de Fazenda Pindorama /97-N de Fazenda Cachoeiras da Boa Vista /98-N de Fazenda Jaquanês /97-N de Fazenda Vaga Fogo ou Boa Vista /90-N de Fazenda Flor das Águas /98-N de Pousada das Araras /98-N de Fazenda Linda Serra dos Topázios /94-N de Fazenda Conceição ou Colônia /91-N de Fazenda Palmeiras /92-N de Fazenda Gleba Vargem Grande I /96-N de João de Barro 97 07/2000-N de Fazenda Arruda /95-N de Fazenda Mata Funda /97-N de Fazenda Campo Alegre /94-N de Cara Preta /99-N de Chácara Mangueiras 5 144/92 de Banana Menina 13 Fazenda Santa Luzia 7 720/97-N de Santuário Gabriel /98-N de 16

21 UNIDADES DE CONSERVAÇÃO TEXTO Em Goiás, a soma das unidades de conservação existentes hoje perfazem ,20 ha, correspondendo a apenas 1,149% da área total do estado. ÁREA DAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO UNIDADE DE CONSERVAÇÃO ÁREA (ha) % DA ÁREA DO ESTADO FEDERAIS ,75 0,578 ESTADUAIS ,25 0,521 MUNICIPAIS 292,20 0,000 PARTICULARES ,00 0,050 TOTAL ,20 1,149 17

22 UNIDADES DE CONSERVAÇÃO TEXTO 5. BIBLIOGRAFIA IBAMA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS Roteiro Metodológico para o Planejamento de Unidades de Conservação de Uso Indireto, versão 3.0 Brasília, agosto MILANO, M.S.; LECHNER, L; TAKAHASHI, L.Y.; VASCONCELOS, J.M.0. Manejo de Áreas Naturais Protegidas. Universidade Livre do Meio Ambiente. Curitiba março BRASIL Legislação Federal sobre o Meio Ambiente / Seleção, Compilação, Comentários e Notas Remissíveis de Vanderlei José Ventura, São Paulo, GOIÁS Legislação Ambiental Goiás SEMA-GO Goiás, GOIÁS Constituição do Estado de Goiás Promulgada em 5 de outubro de Goiás, outubro

23 A N E X O S

24 UNIDADES DE CONSERVAÇÃO FEDERAIS Parque Nacional das Emas Parque Nacional Chapada dos Veadeiros

25 CADASTRO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO 1.NOME OFICIAL DA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO Parque Nacional das Emas 2.CATEGORIA NOMINAL Parque Nacional 3.ENDEREÇO Parque Nacional das Emas, município de Mineiros Zona Rural 4.TELEFONE/FAX RESPONSÁVEL PELA UC Gabriel Borges Cardoso 7.ANO DE CRIAÇÃO ATO LEGAL Decreto-Lei Federal DATA DE PUBLICAÇÃO 11/01/ ÁREA ha 10.INSTRUMENTO DE PUBLICAÇÃO Diário Oficial da União 11.MUNICÍPIO SEDE Mineiros 12.ESTADO (UF) GO 13.ENTIDADE RESPONSÁVEL IBAMA - GO 14. [ X ] USO INDIRETO [ ] USO DIRETO 15.ESTADOS ABRANGIDOS (UF) [ ] [ ] [ ] [ ] 16.MUNCÍPIOS ABRANGIDOS PELA UC 17. CATEGORIA DE MANEJO (SNUC) 18.ESFERA RESPONSÁVEL Mineiros Aporé Chapadão do Céu ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL ÁREA DE RELEVANTE INTERESSE ECOLÓGICO ESTAÇÃO ECOLÓGICA FLORESTA NACIONAL MONUMENTO NATURAL PARQUE NACIONAL/ESTADUAL/MUNICIPAL REFÚGIO DE VIDA SILVESTRE RESERVA BIOLÓGICA RESERVA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL RESERVA DE FAUNA RESERVA EXTRATIVISTA RESERVA PARTICULAR DO PATRIMÔNIO NATURAL OUTRA QUAL? GOVERNO FEDERAL GOVERNO ESTADUAL GOVERNO MUNICIPAL PARTICULAR 19.COORDENADAS GEOGRAFICAS DA SEDE - ÁREA LATITUDE Grau 17º18º / Min LONGITUDE Grau 52º53º /Min ÁREA 20.BIOMA PREDOMINANTE 21.DEMARCAÇÃO 22..SITUAÇÃO FUNDIÁRIA AMAZÔNIA CERRADO/PANTANAL CAATINGA MATA ATLÂNTICA/ CAMPOS DO SUL ZONA COSTEIRA E MARINHA DEMARCADA ATÉ 25% DEMARCADA ATÉ 50% DEMARCADA ATÉ 75% DEMARCADA + 75% DEMARCADA TOTALMENTE DEMARCADA REGULARIZADA ATÉ 25% REGULARIZADA ATÉ 50% REGULARIZADA ATÉ 75% REGULARIZADA + 75% REGULARIZADA TOTALMENTE REGULARIZADA

26 23.SITUAÇÃO DE MANEJO 24. FISCALIZAÇÃO 25.INTRA-ESTRUTURA INSTALADA PLANO DE MANEJO IMPLEMENTADO C/ PLANO DE MANEJO ELABORADO MAS IMPLEMENTADO PLANO DE MANEJO EM ELABORAÇÃO SEM PLANO DE MANEJO OUTROS DOCUMENTOS CITAR SEM FISCALIZAÇÃO FISCALIZAÇÃO PARCIAL FISCALIZAÇÃO FREQUENTE CERCA (KM) 80 ESTRADA (KM) 60 ABRIGOS Nº CAMPING Nº TRILHA LABORATÓRIO CENTRO DE VISITANTES ALOJAMENTO P/ PESQUISA- DORES 26.NÚMERO DE FUNCIONÁRIOS 27.RECURSOS HÍDRICOS DO QUADRO TERCERIZADO ASPECTOS GEOLÓGICOS E GEOMOFOLÓGICOS Relevo Suave ondulado Solos Latossolo vermelho escuro distrófico Latossolo vermelho amarelo distrófico. 29.CLIMA CLASSIFICAÇÃO CLIMÁTICA Subsequente úmido com 3 meses seco - tropical TEMPERATURA MÉDIA ANUAL _22ºC 24ºC PLUVIOSIDADE entre 1500 a 1750mm anuais 30.PRESENÇA HUMANA NA ÁREA NÚMERO DE PESSOAS 31. HÁ PRESENÇA DE OUTROS GRUPOS? INDÍGENAS POPULAÇÃO TRADICIONAL Não INVASÕES _

27 32.PRINCIPAIS PROBLEMAS E AMEÇAS 33.ESPÉCIES ENDÊMICAS 34.ESPÉCIES AMEAÇADAS CAÇA MINERAÇÃO INVASÃO POR ESPÉCIES EXÓTICAS INCÊNDIOS /QUEIMADAS EROSÃO ATIVIDADES MILITARES TURISMO DESORDENADO EXTRAÇÃO DE PRODUTOS AGRO-FLORESTAIS ESPANSÃO URBANA OUTROS 35. VISITAÇÃO A UNIDADE É ABERTA À VISITAÇÃO ATÉ 500 VISITANTES/ANO DE 501 A VISITANTES/ANO DE A VISITANTES/ANO DE A VISITANTES/ANO DE A VISITANTES/ANO DE A VISITANTES/ANO MAIS DE VISITANTES/ANO 36.OBSERVAÇÕES FAUNA FLORA A VERACIDADE DAS INFORMAÇÕES SERÁ CHECADA ANEXAR CÓPIA DO ATO LEGAL DE CRIAÇAO DA UNIDADE ANEXAR, CASO EXISTENTE, UM MAPA COM OS LIMITES DA UNIDADE ASSINATURA DO RESPONSÁVEL

28 CADASTRO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO 1.NOME OFICIAL DA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO Parque Nacional Chapada dos Veadeiros 2.CATEGORIA NOMINAL Parque Nacional 3.ENDEREÇO Rodovia Alto Paraíso Colinas do Sul Zona Rural 4.TELEFONE/FAX (xx61) RESPONSÁVEL PELA UC Rosa Lia Gondin de Castro 7.ANO DE CRIAÇÃO ATO LEGAL Decreto-Lei Federal DATA DE PUBLICAÇÃO 11/01/ ÁREA ,759 ha 10.INSTRUMENTO DE PUBLICAÇÃO Diário Oficial da União 11.MUNICÍPIO SEDE Alto Paraíso 12.ESTADO (UF) GO 13.ENTIDADE RESPONSÁVEL IBAMA - GO 14. [ X ] USO INDIRETO [ ] USO DIRETO 15.ESTADOS ABRANGIDOS (UF) [ GO ] [ ] [ ] [ ] 16.MUNCÍPIOS ABRANGIDOS PELA UC 17. CATEGORIA DE MANEJO (SNUC) 18.ESFERA RESPONSÁVEL Alto Paraíso Cavalcante Terezina ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL ÁREA DE RELEVANTE INTERESSE ECOLÓGICO ESTAÇÃO ECOLÓGICA FLORESTA NACIONAL MONUMENTO NATURAL PARQUE NACIONAL/ESTADUAL/MUNICIPAL REFÚGIO DE VIDA SILVESTRE RESERVA BIOLÓGICA RESERVA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL RESERVA DE FAUNA RESERVA EXTRATIVISTA RESERVA PARTICULAR DO PATRIMÔNIO NATURAL OUTRA QUAL? GOVERNO FEDERAL GOVERNO ESTADUAL GOVERNO MUNICIPAL PARTICULAR 19.COORDENADAS GEOGRAFICAS DA SEDE - ÁREA LATITUDE Grau 13º14º / Min LONGITUDE Grau 47º47º /Min ÁREA ,7259 ha 20.BIOMA PREDOMINANTE 21.DEMARCAÇÃO 22..SITUAÇÃO FUNDIÁRIA AMAZÔNIA CERRADO/PANTANAL CAATINGA MATA ATLÂNTICA/ CAMPOS DO SUL ZONA COSTEIRA E MARINHA DEMARCADA ATÉ 25% DEMARCADA ATÉ 50% DEMARCADA ATÉ 75% DEMARCADA + 75% DEMARCADA TOTALMENTE DEMARCADA REGULARIZADA ATÉ 25% REGULARIZADA ATÉ 50% REGULARIZADA ATÉ 75% REGULARIZADA + 75% REGULARIZADA TOTALMENTE REGULARIZADA

29 23.SITUAÇÃO DE MANEJO 24. FISCALIZAÇÃO 25.INTRA-ESTRUTURA INSTALADA PLANO DE MANEJO IMPLEMENTADO C/ PLANO DE MANEJO ELABORADO MAS IMPLEMENTADO PLANO DE MANEJO EM ELABORAÇÃO SEM PLANO DE MANEJO OUTROS DOCUMENTOS CITAR SEM FISCALIZAÇÃO FISCALIZAÇÃO PARCIAL FISCALIZAÇÃO FREQUENTE CERCA (KM) 60 ESTRADA (KM) 10 ABRIGOS Nº CAMPING Nº TRILHA LABORATÓRIO CENTRO DE VISITANTES ALOJAMENTO P/ PESQUISA- DORES 26.NÚMERO DE FUNCIONÁRIOS 27.RECURSOS HÍDRICOS DO QUADRO 04 São encontradas grandes extensões das bacias do Rio Tocantins, Amazônica, Platina e, em áreas menos expressivas do Rio São Francisco. O Rio Preto, afluente do To- cantins, é o principal curso d água dentro do parque. TERCERIZADO 28.ASPECTOS GEOLÓGICOS E GEOMOFOLÓGICOS Relevo ondulado Solos latossolo vermelho-amarelo álico e vermelho escuro distrófico. Predominam rochas do complexo granito-gnáissico e metassedimentos de baixo grau atribuídos ao Grupo Araí. Segundo o RADAMBRASIL (1984) a região é segmentada em 2 grandes compartimentos: o Planalto Central Goiano e a Depressão do Tocantins. O Planalto é um centro dispersor de drenagem, composto pelos rios Maranhão, Tocantizinho e Paranã. A maioria dos rios escava vales em forma de U, abrindo gargantas nas camadas metassedimentares das estruturas dobradas. O relevo é caracterizado pela presença de formas estruturais instaladas sobre dobramentos do Grupo Araí, localmente cobertos por rochas dos Grupos Bambuí e Paranoá, truncadas por superfícies de aplainamento. A rede de drenagem da Depressão do Tocantins é a do Rio Paranã e seus afluentes, alguns apresentando leitos secos geralmente preenchidos por seixos e matacões de quartzitos trabalhados. 29.CLIMA CLASSIFICAÇÃO CLIMÁTICA Quente semi úmido - tropical_ TEMPERATURA MÉDIA ANUAL _24º a 26ºC PLUVIOSIDADE 1500 a 1750 mm 30.PRESENÇA HUMANA NA ÁREA NÚMERO DE PESSOAS 31. HÁ PRESENÇA DE OUTROS GRUPOS? INDÍGENAS POPULAÇÃO TRADICIONAL Não INVASÕES _

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Unidade de Conservação Área geograficamente estabelecida para se alcançar um objetivo específico de conservação por meio do uso controlado dos recursos biológicos

Leia mais

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Unidades de Conservação SNUC Sistema Nacional de Unidades de Conservação Sistema Nacional de Unidades de Conservação Lei

Leia mais

Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente. Disciplina de Legislação Ambiental. Professora Cibele Rosa Gracioli

Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente. Disciplina de Legislação Ambiental. Professora Cibele Rosa Gracioli Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente Disciplina de Legislação Ambiental Professora Cibele Rosa Gracioli SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA - SNUC Lei 9.985 de

Leia mais

ÍNDICE. II.5.2.3 - Áreas Protegidas... 1/6. II.5.2.3.1 - Unidades de Conservação na Região - UCs... 1/6

ÍNDICE. II.5.2.3 - Áreas Protegidas... 1/6. II.5.2.3.1 - Unidades de Conservação na Região - UCs... 1/6 2330-00-EIA-RL-0001-00 Julho de 2010 Rev. nº 00 GASODUTO DO PARÁ ÍNDICE II.5.2.3 - Áreas Protegidas... 1/6 II.5.2.3.1 - Unidades de Conservação na Região - UCs... 1/6 II.5.2.3.2 - Áreas Prioritárias para

Leia mais

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( )

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR NOME / RAZÃO SOCIAL *: End.: rua/av *: n *: Bairro *: CEP *: Município *: Telefone *: ( ) FAX *: ( ) e-mail: CNPJ (CGC/MF n.º) *: CGC/TE n. *: CPF/CIC n. *: End. P/ correspondência:

Leia mais

SNUC - SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

SNUC - SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Prof. Dr. Thiago Leite Engenheiro Florestal (UnB-DF) Mestrado em Ciências Ambientais e Florestais com ênfase em Educação Ambiental (UnB-DF) Doutorado em Ciências Florestais com ênfase em Agroecologia (UnB-DF)

Leia mais

As Questões Ambientais do Brasil

As Questões Ambientais do Brasil As Questões Ambientais do Brasil Unidades de conservação de proteção integral Existem cinco tipos de unidades de conservação de proteção integral. As unidades de proteção integral não podem ser habitadas

Leia mais

Zoneamento. No caso desse exercício, as UTBs de interesse são as Unidades de Conservação (ou UC).

Zoneamento. No caso desse exercício, as UTBs de interesse são as Unidades de Conservação (ou UC). Zoneamento O Zoneamento é o instrumento de ordenação territorial usado para atingir melhores resultados no manejo de qualquer unidade territorial básica (UTB). No caso desse exercício, as UTBs de interesse

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO UNIDADES DE CONSERVAÇÃO espaço territorial e seus recursos ambientais, incluindo as águas jurisdicionais, com características naturais relevantes, legalmente instituído pelo Poder Público com objetivo

Leia mais

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP)

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP) Lei 4771 versão em vigor II área de preservação permanente: área protegida nos termos dos arts. 2 o e 3 o desta Lei, coberta ou não por vegetação nativa, com a função ambiental de preservar os recursos

Leia mais

NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III 05/11/2015

NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III 05/11/2015 CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III LEGISLAÇÃO AMBIENTAL NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, conhecida como Política

Leia mais

A N E X O LEGISLAÇÃO AMBIENTAL

A N E X O LEGISLAÇÃO AMBIENTAL A N E X O V LEGISLAÇÃO AMBIENTAL ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL REFERENTE AO MANEJO FLORESTAL 1. DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA A legislação ambiental traduz um sistema de princípios e normas jurídicas

Leia mais

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011.

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011. 1 - APRESENTAÇÃO A Área de Proteção Ambiental (APA) Serra Dona Francisca, localizada no município de Joinville/SC, com área mapeada de 40.177,71 ha, foi criada através do Decreto n 8.055 de 15 de março

Leia mais

TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06)

TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06) TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06) Título IV DO USO DO SOLO URBANO E RURAL... CAPÍTULO III Do Macrozoneamento... Seção II Do Macrozoneamento Ambiental Art. 26. (Antigo

Leia mais

CEMIG VERDE MINAS Ferramenta Ambiental para Compatibilização com as Redes de Distribuição

CEMIG VERDE MINAS Ferramenta Ambiental para Compatibilização com as Redes de Distribuição 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG CEMIG VERDE MINAS Ferramenta Ambiental para Compatibilização com as Redes de Distribuição Eng. Patrícia Maria Mafra Macedo CEMIG Distribuição S.A pmafra@cemig.com.br

Leia mais

Conselho Gestor APA DA VÁRZEA RIO TIETÊ GTPM

Conselho Gestor APA DA VÁRZEA RIO TIETÊ GTPM Conselho Gestor APA DA VÁRZEA RIO TIETÊ GTPM I.UNIDADE DE CONSERVAÇÃO Espaço territorial e seus recursos ambientais, incluindo as águas jurisdicionais, com características naturais relevantes, legalmente

Leia mais

DECRETO Nº 1.752, DE 06 DE MAIO DE 1996.. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso de suas atribuições legais e

DECRETO Nº 1.752, DE 06 DE MAIO DE 1996.. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso de suas atribuições legais e DECRETO Nº 1.752, DE 06 DE MAIO DE 1996. Súmula: Instituída a Área de Proteção Ambiental na área de manancial da bacia hidrográfica do rio Pequeno, denominada APA Estadual do Pequeno.. O GOVERNADOR DO

Leia mais

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA Restrições x Oportunidades Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável SDS Dr. Gilney Amorim Viana ASPECTOS REGULATÓRIOS RELEVANTES Código Florestal:

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Previsão Legal Objetivos Categorias Finalidades Gestão do Sistema Quantitativos Outros Espaços Protegidos Distribuição Espacial Relevância O Brasil possui alguns

Leia mais

AVALIAÇÃO RÁPIDA ESTRATÉGICA (ARE) PARA CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

AVALIAÇÃO RÁPIDA ESTRATÉGICA (ARE) PARA CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AVALIAÇÃO RÁPIDA ESTRATÉGICA (ARE) PARA CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Informações do Processo: Nome do Interessado: Nº do Processo: Data / de 20 Município: Localidade: Vistoria: Data: / / 20 Técnicos

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

Atlas ambiental do município de Itanhaém 2012. Capítulo 6 - Conservação ambiental

Atlas ambiental do município de Itanhaém 2012. Capítulo 6 - Conservação ambiental Capítulo 6 - Conservação ambiental 71 72 6.1 Unidades de Conservação As Unidades de Conservação da Natureza (UCs) constituem espaços territoriais e mari- 46 55' 46 50' 46 45' nhos detentores de atributos

Leia mais

Biomas, Domínios e Ecossistemas

Biomas, Domínios e Ecossistemas Biomas, Domínios e Ecossistemas Bioma, domínio e ecossistema são termos ligados e utilizados ao mesmo tempo nas áreas da biologia, geografia e ecologia, mas, não significando em absoluto que sejam palavras

Leia mais

As unidades de conservação do bioma Caatinga

As unidades de conservação do bioma Caatinga As unidades de conservação do bioma Caatinga The Nature Conservancy do Brasil Associação Caatinga 295 André Pessoa INTRODUÇÃO Parque Nacional da Serra da Capivara, PI A Caatinga, região semi-árida única

Leia mais

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral BIOMAS DO BRASIL Ecologia Geral Biomas do Brasil segundo classificação do IBGE Segundo a classificação do IBGE, são seis os biomas do Brasil: Mata Atlântica Cerrado Amazônia Caatinga Pantanal Pampa O

Leia mais

Documento para discussão no GT estratégia para conservação

Documento para discussão no GT estratégia para conservação UNIDADES DE CONSERVAÇÃO NA CAATINGA Preparado por The Nature Conservancy do Brasil e Associação Caatinga com base em informações fornecidas pelo IBAMA (DEUC, Programa RPPN e Superintendências do PI e RN),

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL. Zoneamento Ambiental. Espaços Territoriais especialmente protegidos ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.

GESTÃO AMBIENTAL. Zoneamento Ambiental. Espaços Territoriais especialmente protegidos ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail. ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL GESTÃO AMBIENTAL Zoneamento Ambiental Espaços

Leia mais

Resolução SEMAD nº 318, de 15 de fevereiro de 2005. (Publicação - Diário do Executivo - "Minas Gerais" - 18/02/2005)

Resolução SEMAD nº 318, de 15 de fevereiro de 2005. (Publicação - Diário do Executivo - Minas Gerais - 18/02/2005) Page 1 of 10 Resolução SEMAD nº 318, de 15 de fevereiro de 2005 Disciplina o cadastramento das unidades de conservação da natureza e outras áreas protegidas, bem como a divulgação periódica das informações

Leia mais

8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura. Adequação Legal da Propriedade Rural

8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura. Adequação Legal da Propriedade Rural 8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura Adequação Legal da Propriedade Rural Eng o. F tal. Msc. João Carlos Teixeira Mendes jctmende@esalq.usp.br Departamento de Ciências Florestais Estação Experimental

Leia mais

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS OBJETIVO Esta chamada tem por objetivo financiar projetos relacionados a ações de gestão e avaliação

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO.

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. Patrícia Pinheiro da Cunha 1, Magda Beatriz de Almeida Matteucci

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR CURSO INTENSIVO III Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data: 09.12.2009 Aula nº 06 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Lei 4771/65 Art. 2 Consideram-se de preservação permanente, pelo só efeito desta

Leia mais

PLANO DIRETOR DECENAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. LEI COMPLEMENTAR N 16, de 4 de junho de 1992

PLANO DIRETOR DECENAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. LEI COMPLEMENTAR N 16, de 4 de junho de 1992 Um plano e novas definições Em 1992, foi publicado na forma de lei complementar o Plano Decenal da Cidade do Rio de Janeiro. Estabeleciam-se então as normas para a política urbana de nossa cidade que deveriam

Leia mais

SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO

SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO 2 - Marco político, normativo e de contexto nacional 2.1 - Marco político atual para

Leia mais

VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura

VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura Planejamento da Propriedade Agrícola (APP e RL) Eng o. F tal. Msc. João Carlos Teixeira Mendes Dept o. Ciências Florestais ESALQ/USP Estação Experimental

Leia mais

Marco legal, definições e tipos

Marco legal, definições e tipos Unidades de conservação Marco legal, definições e tipos Prof. Me. Mauricio Salgado " Quando vier a Primavera, Se eu já estiver morto, As flores florirão da mesma maneira E as árvores não serão menos verdes

Leia mais

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Aspectos relacionados com a Legislação Florestal / Mineração LEI FEDERAL 12651/12 Engª Amb. Adriana Maira Rocha Goulart Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

AULAS DE RECUPERAÇÃO FINAL 7º ANO: AULAS 6, 7, 20, 27, 34 e 35,36 e 37 E 53.

AULAS DE RECUPERAÇÃO FINAL 7º ANO: AULAS 6, 7, 20, 27, 34 e 35,36 e 37 E 53. AULAS DE RECUPERAÇÃO FINAL 7º ANO: AULAS 6, 7, 20, 27, 34 e 35,36 e 37 E 53. AULAS 6 e 7: O RELEVO BRASILEIRO PLANALTOS BRASILEIROS: Muito desgastados, antigos, conhecidos também como cinturões orogênicos

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA PREENCHIMENTO DE FCEI IGAM Agenda Azul

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA PREENCHIMENTO DE FCEI IGAM Agenda Azul INTRODUÇÃO 1/5 O FCEI, Formulário de Caracterização do Empreendimento Integrado, é o documento que o empreendedor utiliza para apresentar ao órgão ambiental as informações do empreendimento para regularização

Leia mais

GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; - IMPACTO SIGNIFICATIVO.

GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; - IMPACTO SIGNIFICATIVO. FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DISCIPLINA: NAI PROFESSORA: Drª CÁTIA FARIAS GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; -

Leia mais

PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO

PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO Ronald Carvalho Guerra Diretor de Meio Ambiente Prefeitura Municipal de Ouro Preto Gerente da APA da Cachoeira das Andorinhas -

Leia mais

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES CICLO DE PALESTRAS E DEBATES PLC PROGRAMA Nº 30/11 NOVO PRODUTOR CÓDIGO FLORESTAL DE ÁGUA Ã NO GUARIROBA Á COMISSÃO DE AGRICULTURA E REFORMA AGRÁRIA DO SENADO FEDERAL Devanir Garcia dos Santos Gerente

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

Nome da Unidade de Conservação: Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses. UGR (Unidade Gestora Responsável): Representação do IBAMA no Maranhão

Nome da Unidade de Conservação: Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses. UGR (Unidade Gestora Responsável): Representação do IBAMA no Maranhão 1 1.1 INTRODUÇÃO As crescentes ameaças à biodiversidade brasileira e sua variabilidade genética apontam para uma contínua e preocupante redução desse patrimônio. Essas ameaças são observadas em quase todos

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP

LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP LICENCIAMENTO AMBIENTAL Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP Engª Adriana Maira Rocha Goulart Gerente Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO PATO MERGULHÃO

PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO PATO MERGULHÃO OBJETIVO GERAL O objetivo deste plano de ação é assegurar permanentemente a manutenção das populações e da distribuição geográfica de Mergus octosetaceus, no médio e longo prazo; promover o aumento do

Leia mais

Grupo de Trabalho Interinstitucional Preservação e Restauração de APP - GTI APP -

Grupo de Trabalho Interinstitucional Preservação e Restauração de APP - GTI APP - Grupo de Trabalho Interinstitucional Preservação e Restauração de APP - GTI APP - Portaria MMA 354/06 APP: Conceito e Legislação GTI APP: Composição e Escopo Proposta de plano de trabalho APP Conceito

Leia mais

Bioma : CERRADO. Alessandro Mocelin Rodrigo Witaski Gabriel Kroeff Thiago Pereira

Bioma : CERRADO. Alessandro Mocelin Rodrigo Witaski Gabriel Kroeff Thiago Pereira Bioma : CERRADO Alessandro Mocelin Rodrigo Witaski Gabriel Kroeff Thiago Pereira Dados Geográficos - Segunda maior formação vegetal da América do Sul - Abrange os estados do Centro-Oeste(Goiás, Mato Grosso,

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

A BIOSFERA DO BRASIL (I) AULAS 34 E 35

A BIOSFERA DO BRASIL (I) AULAS 34 E 35 A BIOSFERA DO BRASIL (I) AULAS 34 E 35 OS BIOMAS DO BRASIL: (Aziz Ab Saber) O que se leva em consideração nesses domínios morfoclimáticos? Clima. Relevo. Solo. Vegetação. Vida. História da Terra e da ocupação

Leia mais

BACIA DO RIO DAS VELHAS

BACIA DO RIO DAS VELHAS BACIA DO RIO DAS VELHAS A bacia hidrográfica do rio das Velhas está localizada na região central do estado de Minas Gerais, entre as coordenadas 17 o 15 e 20 o 25 S - 43 o 25 e 44 o 50 W, apresentando

Leia mais

GESTÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

GESTÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO GESTÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ÁREAS DE PROTEÇÃO AMBIENTAL APA José Fernando (Zéca) Bianca 1. Objetivo Informar agentes de transformação social: instituições representantes do poder público; da sociedade

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FCEI 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR/REQUERENTE

ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FCEI 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR/REQUERENTE ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FCEI 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR/REQUERENTE Empreendedor/requerente pessoa física ou jurídica responsável pelos empreendimentos ou atividades objeto do requerimento.

Leia mais

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas LEI Nº 13.550, DE 02 DE JUNHO DE 2009 Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago. Consulta Pública

Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago. Consulta Pública Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago Consulta Pública 2015 Base Legal Lei Federal nº 9.985 de 18 de julho de 2000 Regulamenta o artigo 225 da Constituição Federal e Institui o Sistema Nacional

Leia mais

POLÍTICA FLORESTAL E O NOVO CÓDIGO

POLÍTICA FLORESTAL E O NOVO CÓDIGO POLÍTICA FLORESTAL E O NOVO CÓDIGO (Lei Federal n. 12.651/12) PROF. DR. RAFAEL COSTA FREIRIA E-MAIL: RAFAELFREIRIA@COM4.COM.BR DISCIPLINA: DIREITO AMBIENTAL Fundamentos e Temas de Trabalho na Questão Florestal

Leia mais

DECRETO Nº 3.747-N, DE 12 DE SETEMBRO DE 1994

DECRETO Nº 3.747-N, DE 12 DE SETEMBRO DE 1994 DECRETO Nº 3.747-N, DE 12 DE SETEMBRO DE 1994 "Institui a área de Proteção Ambiental do Arquipélago das "Três Ilhas", Ilha de Fora, Ilha da Ponta e as áreas de entorno do Morro do Una, Palmeiras, Parque

Leia mais

II - REQUISITOS LEGAIS

II - REQUISITOS LEGAIS II - REQUISITOS LEGAIS O presente capítulo visa detectar os aspectos legais que foram cumpridos e considerados no Plano de Manejo do Parque Estadual do Rio Guarani, criado pelo Decreto n 2.322 de 19 de

Leia mais

A PRÁTICA DA EXTENSÃO A PARTIR DA PARCERIA FUNDAÇÃO MO Ã E UFSM

A PRÁTICA DA EXTENSÃO A PARTIR DA PARCERIA FUNDAÇÃO MO Ã E UFSM TITULO: A EXTENSÃO NO PROCESSO DE PROTEÇÃO AMBIENTAL: O CASO DA ELABORAÇÃO DO ZONEAMENTO AMBIENTAL DA RPPN DA FUNDAÇÃO MO Ã EM ITAARA, RIO GRANDE DO SUL, BRASIL EJE: Extensão, docência e investigação AUTORES:

Leia mais

O PLANO DE MANEJO NO PARQUE ESTADUAL DO LAJEADO: PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO

O PLANO DE MANEJO NO PARQUE ESTADUAL DO LAJEADO: PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO 1 O PLANO DE MANEJO NO PARQUE ESTADUAL DO LAJEADO: PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO Acadêmicos: Vogado, Leonardo Torres, Ronaldo Sousa, Sâmio Carmo, Soraya Prof. Orientador: José Lopes Soares Neto RESUMO

Leia mais

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Ricardo D. Gomes da Costa 1 Marcelo Araujo 2 A rápida destruição de ambientes naturais, juntamente com a redução

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00. 1. Conceitos Básicos

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00. 1. Conceitos Básicos UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00 1. Conceitos Básicos a) unidade de conservação: espaço territorial e seus recursos ambientais, incluindo as águas jurisdicionais, com características naturais relevantes,

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROJETO PROGRAMA SENTINELAS DA SERRA

MATERIAL DE APOIO PROJETO PROGRAMA SENTINELAS DA SERRA MATERIAL DE APOIO PROJETO PROGRAMA SENTINELAS DA SERRA Patrocínio: Apoio: A SERRA DA BODOQUENA SURGIMENTO Entre 580 e 540 milhões de anos, havia um supercontinente na Terra chamado de Rodínia. Nos oceanos

Leia mais

CADASTRO AMBIENTAL RURAL E AS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE

CADASTRO AMBIENTAL RURAL E AS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE CADASTRO AMBIENTAL RURAL E AS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O que são as APP e quais as suas funções Diferença entre APP e Reserva Legal Os diversos tipos de APP Sobre nascentes e olho d água diferenças

Leia mais

CAP. 20 REGIÃO CENTRO- OESTE. Prof. Clésio

CAP. 20 REGIÃO CENTRO- OESTE. Prof. Clésio CAP. 20 REGIÃO CENTRO- OESTE Prof. Clésio 1 O MEIO NATURAL E OS IMPACTOS AMBIENTAIS A região Centro- Oeste é formada pelos estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás e Distrito Federal. Ocupa cerca

Leia mais

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE BINETE DO SECRETÁRIO PUBLICADA NO DOE DE 12-06-2012 SEÇÃO I PÁG 142-144 RESOLUÇÃO SMA Nº 37, DE 05 DE JUNHO DE 2012 Define as diretrizes para a execução do Projeto de Pagamento por Serviços Ambientais

Leia mais

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3.1. Localização O aproveitamento Hidrelétrico de Itumbiara, com potência instalada de 2080 MW, situa-se no rio Paranaíba, na divisa dos estados de Minas Gerais e Goiás,

Leia mais

SHS-381 Gestão de Áreas Protegidas. Prof. Victor E. L. Ranieri. Aula 2

SHS-381 Gestão de Áreas Protegidas. Prof. Victor E. L. Ranieri. Aula 2 SHS-381 Gestão de Áreas Protegidas Prof. Victor E. L. Ranieri Aula 2 Aula passada... Perda da biodiversidade é um macro problema de âmbito global. Muitos instrumentos podem ser usados para atacar este

Leia mais

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6 Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Justificativa: Art. 225 da Constituição Federal: SNUC: Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente

Leia mais

Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP. marciosuganuma@gmail.com

Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP. marciosuganuma@gmail.com Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP marciosuganuma@gmail.com Área de preservação permanente (artigos 2 o e 3 o ) Reserva Legal (artigos 16 e 44) Área de preservação permanente

Leia mais

IMÓVEIS PRIVADOS EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE DOMÍNIO PÚBLICO

IMÓVEIS PRIVADOS EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE DOMÍNIO PÚBLICO IMÓVEIS PRIVADOS EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE DOMÍNIO PÚBLICO Agosto de 204 Compensação de Reserva Legal Compensação em processos de Licenciamento Essa licença não vale para fotos e ilustrações, que permanecem

Leia mais

Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12. 4º Ecologia 28/09/2015

Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12. 4º Ecologia 28/09/2015 1 Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12 4º Ecologia 28/09/2015 Motivação para criação 2 Conservação de ecossistemas naturais é interessante! Única lei nacional que veta a ocupação urbana ou

Leia mais

AUTORIZAÇÃO PARA INTERVENÇÃO DE QUALQUER NATUREZA NA VEGETAÇÃO NATURAL OU IMPLANTADA de 16/08/2005

AUTORIZAÇÃO PARA INTERVENÇÃO DE QUALQUER NATUREZA NA VEGETAÇÃO NATURAL OU IMPLANTADA de 16/08/2005 08/11/2006 Pág 1 AUTORIZAÇÃO PARA INTERVENÇÃO DE QUALQUER Substitui a IS-19 NATUREZA NA VEGETAÇÃO NATURAL OU IMPLANTADA de 16/08/2005 1. FINALIDADE 1.1 Esta Instrução tem por finalidade estabelecer critérios

Leia mais

DECRETO Nº 3.796-N, DE 27 DE DEZEMBRO DE 1994

DECRETO Nº 3.796-N, DE 27 DE DEZEMBRO DE 1994 DECRETO Nº 3.796-N, DE 27 DE DEZEMBRO DE 1994 Institui Área de Proteção Ambiental do Pico do Goiapaba-Açu, nos Municípios de Fundão e Santa Teresa e dá outras Providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO

Leia mais

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS Secretaria de Estado do Meio SEMA-MT Roteiro Básico de Projeto de Compensação de Área de Reserva Legal (ARL) 1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS I T E M N º. D O C U M E N T O S E X I G I D O S O B S E

Leia mais

I SIMPÓSIO DA REDE PPBio MATA ATLÂNTICA

I SIMPÓSIO DA REDE PPBio MATA ATLÂNTICA I SIMPÓSIO DA REDE PPBio MATA ATLÂNTICA 11 de Agosto de 2015 Sandro Muniz Biólogo Gestor de Unidade de Conservação DEMANDAS DAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO PN Serra da Lontra PEIG Hidrogeologia Conhecer

Leia mais

Formação das Rochas. 2.Rochas sedimentares: formadas pela deposição de detritos de outras rochas,

Formação das Rochas. 2.Rochas sedimentares: formadas pela deposição de detritos de outras rochas, Relevo Brasileiro 1.Rochas magmáticas ou ígneas, formadas pela solidificação do magma.podem ser intrusivas formadas dentro da crosta terrestre ou extrusivas na superfície. Formação das Rochas 2.Rochas

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA. II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA. II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental Regularização fundiária em áreas de preservação permanente APPs em zona urbana: uma proposta de gestão ALEXANDRE

Leia mais

Engenharia de Avaliações Aplicada às Áreas de Preservação Permanente (APP)

Engenharia de Avaliações Aplicada às Áreas de Preservação Permanente (APP) Engenharia de Avaliações Aplicada Às Áreas de Preservação Permanente (APP). Engenharia de Avaliações Aplicada às Áreas de Preservação Permanente (APP) 1. Fundamento Legal das APPs: Constituição Federal

Leia mais

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL Francisca Cardoso da Silva Lima Centro de Ciências Humanas e Letras, Universidade Estadual do Piauí Brasil Franlima55@hotmail.com

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL PROFESSORA ENG. FLORESTAL CIBELE ROSA GRACIOLI OUTUBRO, 2014. OBJETIVOS DA DISCIPLINA DISCUTIR PRINCÍPIOS ÉTICOS QUESTÃO AMBIENTAL CONHECER A POLÍTICA E A LEGISLAÇÃO VOLTADAS

Leia mais

DECRETO Nº 32.488, DE 17 DE OUTUBRO DE 2008

DECRETO Nº 32.488, DE 17 DE OUTUBRO DE 2008 DECRETO Nº 32.488, DE 17 DE OUTUBRO DE 2008 Declara como Área de Proteção Ambiental APA a região que compreende os Municípios de Itamaracá e Itapissuma e parte do Município de Goiana, e dá outras providências.

Leia mais

REPRESENTATIVIDADE DO BIOMA CAATINGA NAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ

REPRESENTATIVIDADE DO BIOMA CAATINGA NAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ Porto Alegre/RS 23 a 26/11/2015 REPRESENTATIVIDADE DO BIOMA CAATINGA NAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ Verônica Maria Pinheiro Pimentel (*), Jéssica Camilla da Silva Vieira de Araújo, Nadya

Leia mais

Consolidação Territorial de Unidades de Conservação Federais no Cerrado

Consolidação Territorial de Unidades de Conservação Federais no Cerrado Consolidação Territorial de Unidades de Conservação Federais no Cerrado Eliani Maciel Lima Coordenadora Geral de Consolidação Territorial Brasília Setembro de 2011 CONSOLIDAÇÃO TERRITORIAL Conjunto de

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 1ª Ano Tema da aula: Dinâmica Climática e Formações Vegetais no Brasil Objetivo da aula: conhecer a diversidade

Leia mais

Principais características geográficas do estado do Goiás

Principais características geográficas do estado do Goiás Principais características geográficas do estado do Goiás Laércio de Mello 1 Para iniciarmos o estudo sobre o estado de Goiás é importante primeiramente localizá-lo dentro do território brasileiro. Para

Leia mais

O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL

O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL Stefani de Souza Patricia de Freitas Co-autor - Prof. MSc. Cristian Coelho Silva cristian_coelho@yahoo.com.br luscheuer@hotmail.com Palavras-chave: sustentabilidade,

Leia mais

RESPOSTA D LISTA DE EXERCÍCIOS. 1) Analise o diagrama e as afirmativas a seguir.

RESPOSTA D LISTA DE EXERCÍCIOS. 1) Analise o diagrama e as afirmativas a seguir. 1) Analise o diagrama e as afirmativas a seguir. LISTA DE EXERCÍCIOS I) A partir de critérios geomorfológicos, os planaltos corrrespondem às regiões do relevo onde predomina o processo erosivo; neste compartimento

Leia mais

Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA

Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA Índice O que o agricultor brasileiro deve saber sobre o Novo Código Florestal?...1 Começando a regularizar o imóvel rural...2

Leia mais

Entendendo o Código Florestal. II Congresso Brasileiro de Reflorestamento Ambiental Novembro 23 de Outubro de 2012

Entendendo o Código Florestal. II Congresso Brasileiro de Reflorestamento Ambiental Novembro 23 de Outubro de 2012 Entendendo o Código Florestal II Congresso Brasileiro de Reflorestamento Ambiental Novembro 23 de Outubro de 2012 Tópicos abordados hoje: * Florestas no Planejamento Federal; * Lei 12.651/12 Estrutura

Leia mais

http://www4.planalto.gov.br/legislacao/resenha-diaria/2012/maio-resenhadiaria#content

http://www4.planalto.gov.br/legislacao/resenha-diaria/2012/maio-resenhadiaria#content http://www4.planalto.gov.br/legislacao/resenha-diaria/2012/maio-resenhadiaria#content Lei nº 12.651, de 25.5.2012 - Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; altera as Leis n os 6.938, de 31 de agosto

Leia mais

7. o ANO FUNDAMENTAL. Prof. a Andreza Xavier Prof. o Walace Vinente

7. o ANO FUNDAMENTAL. Prof. a Andreza Xavier Prof. o Walace Vinente 7. o ANO FUNDAMENTAL Prof. a Andreza Xavier Prof. o Walace Vinente CONTEÚDOS E HABILIDADES A A Unidade III Cidadania e movimento. Aula 16.2 Conteúdo Características dos biomas brasileiros. Habilidade Conhecer

Leia mais

Unidades de Conservação do Estado do Maranhão

Unidades de Conservação do Estado do Maranhão SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS NATURAIS SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL Unidades de Conservação do Estado do Maranhão Lívia Karen Ribeiro de Paula Souza Superintendente

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A FLORESTA AMAZÔNICA 2011 Aula XII O bioma Amazônia representa aproximadamente 30% de todas as florestas tropicais remanescentes do mundo e nele se concentra a maioria das florestas

Leia mais

APA da Serra da Meruoca

APA da Serra da Meruoca SENADOR INÁCIO ARRUDA SENADO FEDERAL O Senador Inácio Arruda iniciou sua vida pública ainda na década de 80. Servidor público e eletrotécnico, foi eleito vereador em 1988, deputado estadual em 1990 e deputado

Leia mais

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado de São Paulo Artigo 1º

Leia mais

EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO

EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO A AGÊNCIA PERNAMBUCANA DE ÁGUAS E CLIMA APAC, de acordo com o Plano Hidroambiental da Bacia do Rio Capibaribe, está recebendo manifestações

Leia mais