Reserva Cognitiva e Esquizofrenia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Reserva Cognitiva e Esquizofrenia"

Transcrição

1 Reserva Cognitiva e Esquizofrenia Cognitive Reserve and Schizophrenia Todos nós já nos deparamos com doentes com a suspeita clínica de défice cognitivo em que, após a avaliação do seu desempenho nas baterias neuropsicológicas, ficamos surpreendidos com a discrepancia entre o seu desempenho e o seu funcionamento no dia-a-dia. Esta constatação foi abordada, classicamente, através da noção de RESERVA contra o atingimento cerebral. Esta noção decorre da observação repetida segundo a qual não parece existir uma relação directa entre o grau de patologia ou lesão cerebral e as manifestações clínicas dessa patologia. A noção de reserva tem sido abordada sob diferentes ângulos: quer de um ponto de vista passivo, segundo o qual o cérebro apresenta um determinado limiar fixo, a partir do qual acontece a alteração funcional para qualquer pessoa, quer do ponto de vista activo, segundo o qual o cérebro tenta compensar, de forma activa, as lesões cerebrais. O modelo passivo baseia-se apenas no volume cerebral, segundo a ideia de que quanto mais melhor. Isto é, os indivíduos com maiores volumes cerebrais lidarão melhor com as alterações patológicas cerebrais, porque podem absorver uma maior quantidade de lesão antes de atingirem o limiar das alterações funcionais. Já o modelo activo da reserva foca-se na associação entre uma maior inteligência ou maior escolaridade e um atraso do início do processo disfuncional cognitivo. Segundo este modelo, os indivíduos com maior inteligência ou que tiveram mais escolaridade apresentarão redes neuronais mais extensas e mais eficientes, provavelmente devido ao facto de se considerar que quer a escolaridade, quer a estimulação intelectual aumentam o número de redes neuronais. Sempre que haja uma lesão ou disfunção cerebral, estas redes neuronais fornecem um meio de compensação dessas alterações no cérebro, por duas vias: quer facilitando vias alternativas para o processamento da informação, quer tornando mais redes disponíveis para o processamento cognitivo normal. Estes dois modelos são também conhecidos por modelo do hardware (modelo passivo) e por modelo do software (modelo activo). De acordo com este racional, foram desenvolvidos os conceitos de reserva cerebral [1] e de reserva cognitiva [2], usados no sentido de serem tampões potenciais entre a patologia cerebral e o curso das doenças, mas também usados para explicar a grande variância dentro deste desajustamento entre os diferentes indivíduos. De uma maneira geral, a noção de reserva cerebral refere-se à capacidade do cérebro para lidar com um crescendo de atingimento lesional, sendo avaliado, habitualmente, através de um índice numérico: o volume cerebral. Já a reserva cognitiva refere-se à capacidade para se usar de forma adaptativa as redes neuronais menos sujeitas a disfunções, para compensar o aumento lesional, sendo avaliada através de índices tais como inteligência cristalizada e anos de escolaridade. A reserva cognitiva é vista como um processo normal em indivíduos saudáveis quando têm que lidar com determinados requisitos de tarefas. Mas foi descrito também um outro processo - a compensação - segundo o qual são utilizadas redes neuronais que habitualmente não são usadas por indivíduos com 6

2 Volume XIII Nº1 Janeiro/Fevereiro 2011 Editorial / Editorial cérebros intactos, com vista a compensar as lesões cerebrais. Enquanto que no modelo do limiar ou da reserva cerebral a capacidade de reserva consiste num conjunto de sinapses adicionais ou num aumento das redes neuronais redundantes, no modelo da reserva cognitiva a focagem é feita no software, consistindo na capacidade de o paradigma cognitivo que subjaz a uma tarefa suster a disrupção e, sob essas condições, operar de forma adequada. Ou, pode também, consistir na capacidade para usar paradigmas alternativos de modo a abordar o problema sempre que a abordagem mais estandardizada já não está operacional. Este modelo activo da reserva não sustenta, como o fazem os modelos passivos, que os cérebros dos indivíduos com maior reserva são anatomicamente diferentes dos com menor reserva (p. ex., têm mais sinapses), mas sim que eles processam as tarefas de modo mais eficiente. Se bem que esta hipótese tenha servido para enquadrar uma série de resultados de estudos empíricos que de outro modo não seriam explicados, também é certo que existem muitos indicadores que sugerem que o conceito de reserva cerebral não é um conceito meramente passivo. Na verdade, o cérebro adapta-se às mudanças não só através da experiência, mas também com a idade e mesmo com as lesões que, por sua vez, induzem mecanismos de regeneração ou compensatórios os quais ajudam a manter ou a recuperar a função neuronal (como, por exemplo, a neurogénese, a sinapsogénese reactiva, etc.). Ou seja, face aos dados empíricos, parece não se poder conceptualizar a reserva sem combinar, de algum modo, os dois tipos de abordagem, como Stern [2] sugeriu: considerando, por um lado, os dois componentes neuronais que se assemelham ao cérebro original e, por outro, os conceitos da reserva cognitiva. Segundo esta perspectiva o foco é colocado tanto no que se perde como no que resta, em termos das lesões cerebrais. Numa situação concreta, um indivíduo pode começar a expressar sintomas clínicos quando é eliminado um determinado número de sinapses, enquanto que outro, com mais reserva cognitiva, poderá ser capaz de operar de forma eficaz com o mesmo número de sinapses. Mesmo com estas diferenças, as capacidades do cérebro estão sempre presentes, tratando-se apenas do foco da análise. A variabilidade fisiológica que subjaz à reserva cognitiva reside quer na variabilidade da organização sináptica, quer na utilização relativa de regiões cerebrais específicas. Ou seja, enquanto que a reserva cognitiva implica variabilidade ao nível das redes neuronais, a reserva cerebral implica diferenças na quantidade de substrato neuronal disponível. Dito por outras palavras, o modelo da reserva cognitiva não assume que um tipo específico de lesão cerebral tenha o mesmo efeito em todas as pessoas, em razão da variabilidade individual relativa à forma como cada um lida com a lesão cerebral. Destes dois constructos, o que mais interessa aqui tratar é o conceito de RESERVA COGNITIVA, pois é o que se ajusta melhor ao específico funcionamento cognitivo dos doentes com esquizofrenia. Este conceito, como vimos, inclui não só um componente passivo, como também um componente activo. Relativamente a este - o componente activo - é referido o papel da experiência, traduzido por níveis elevados de escolaridade, ocupações complexas que requeiram uma aprendizagem contínua e um empenho intelectual sustentado que requeira um esforço mental. Quanto ao componente passivo, são referidas estruturas cerebrais que adicionam capacidade ao processamento eficiente da informação, aumentam a capacidade de evocação mnésica e de resolução de problemas. Este constructo tem tido alguma validação empírica, muito na dependência das condições cognitivas associadas à doença de Alzheimer e a outras demências, muito embora Stern [2] tenha alertado para a necessidade se considerar este conceito como um modelo mais geral explicativo da variação individual na capacidade para cada indivíduo lidar com a patologia cerebral. 7

3 A prova empírica pela qual este conceito tem passado tem sido focada, essencialmente, em 3 componentes - lesão cerebral, expressão clinica desta lesão e a mediação teórica desta reserva. Mas a resposta à questão central em relação a este conceito - o que é que medeia as relações entre a lesão cerebral e a sua expressão comportamental? - ainda foi obtida. Uma das razões para as dificuldades na obtenção dessa resposta tem que ver com a forma de medir o conceito. Foram propostos quatro constructos como candidatos a essa medição: (1) a inteligência geral; (2) fontes de processamento; (3) função executiva; (4) e a razão entre a actividade mental actual e ao longo da vida. Dos quatro constructos, o único que tem validade de constructo é o primeiro, sendo por isso necessário que os outros 3 sejam sujeitos também a essa prova. Mas, para além disso, também é necessário que sejam feitos testes de convergência e de sobreposição de constructos. Ou seja, no domínio da medição da reserva cognitiva ainda falta fazer muito trabalho. Desde logo, a questão da medição da lesão cerebral que, em boa verdade, só pode ser feita por estudos anatomopatológicos post-mortem, o que para o fim que este conceito nos interessa - o domínio clínico - pouco nos serve. Neste domínio, o que nos interessa obter são medidas de proximidade que possam ser usadas durante o tempo de vida de um doente. Para a doença de Alzheimer, foram sugeridas algumas dessas medidas, como a redução da perfusão e do metabolismo parieto-temporal e frontal em repouso [3]. Mas para a esquizofrenia esta medida não só não foi pesquisada como, muito provavelmente, não se mostraria adequada, quer em razão da sua difícil demonstração nesta patologia, quer pelo seu carácter inespecífico, mesmo na doença de Alzheimer. Mas antes de avançarmos para as questões ligadas à medição da reserva cognitiva na esquizofrenia cabe perguntar se este conceito é útil para esta patologia? É certo que a natureza neurodesenvolvimental da esquizofrenia acarreta algumas dificuldades à avaliação da reserva cognitiva nesta perturbação, pois o próprio processo patológico pode, por si só, alterar a quantidade de reserva cognitiva acumulada pela experiência. Mesmo assim, parece-nos que este conceito se poderá mostrar muito útil para a avaliação e as predições que são necessárias serem feitas na esquizofrenia. Uma das razões para tal optimismo prende-se com o facto de as relações entre a inteligência e a esquizofrenia não se restringirem ao extremo mais baixo do espectro da inteligência, pois parece que o risco é linear ao longo da variação do quociente de inteligência [4-5], sendo deste modo que operariam os efeitos protectores da reserva cognitiva. E como? Uma das interpretações que explica esta associação entre a inteligência e o risco de esquizofrenia centra-se na noção segundo a qual a capacidade cognitiva seria o mediador da capacidade para racionalizar as experiências bizarras que, de outro modo, seriam interpretadas de forma delirante. Há já uma vasta literatura que sugere a existência de experiências de tipo psicótico na população geral [6-8]. Destes estudos verificou-se que as pessoas saudáveis que reportam mais experiências de tipo psicótico são as que apresentam menores desempenhos na função executiva [9]. Ou seja, apesar de haver um contínuo de experiências de tipo psicótico na população geral, aqueles que apresentam uma melhor capacidade cognitiva experienciam menor número dessas experiências, provavelmente devido a um processo inibitório mais intenso ou ao uso do seu controlo executivo mais eficaz para re-interpretar ou racionalizar estas experiências. Sendo assim, a determinação da reserva cognitiva na esquizofrenia pode ser uma medida muito importante para predizer as possibilidades de adaptação social e funcional após tratamento.é claro que este argumento não é suficiente para atestar da importância deste conceito para a esquizofrenia, no entanto sabe-se que os doentes com esquizofrenia com quocientes de inteligência (QI) pré-mórbidos e mesmo durante a infância têm maiores resultados a longo termo [10-11]. E o mais curioso reside na demonstração 8

4 Volume XIII Nº1 Janeiro/Fevereiro 2011 Editorial / Editorial de que o QI não prediz a gravidade dos sintomas. Ora, se tomarmos a gravidade dos sintomas como um marcador clínico da patologia, poderemos postular a seguinte hipótese: os indivíduos com uma maior reserva cognitiva terão melhores desempenhos funcionais, apesar de terem níveis de patologia semelhantes. Podemos encontrar várias sustentações teóricas para apoiar esta hipótese, mas não será difícil perceber que quem tiver uma função executiva a funcionar com altos níveis terá mais competências para usar os dispositivos de todas as naturezas que a sociedade põe ao dispôr dos indivíduos para se tratarem. Ou seja, a reserva cognitiva pode assegurar um moderado impacto da psicose nas vidas dos doentes, ao mesmo tempo que os protege, no início, de desenvolverem a doença. Tendo sustentado as razões porque entendemos que o conceito de reserva cognitiva poderá ser um conceito heurístico, cabe agora analisar as possibilidades da sua medição. Antes de mais é necessário perguntar, qual é o racional para se construir uma medida da reserva cognitiva para ser aplicada ao estudo da esquizofrenia? O racional para a construção de uma variável desta natureza sustenta-se em trabalhos anteriores [12-13], nos quais apresentamos um método para avaliar o desempenho cognitivo pré-mórbido em doentes com esquizofrenia que, no essencial, se centrava na utilização de medidas neuropsicológicas com pouca variância ao longo da idade e com a patologia, associada a medidas que reflectiam a estimulação cognitiva, como o número de anos de escolaridade e a profissão. Seguindo a mesma lógica, a construção de uma medida da reserva cognitiva, tendo em conta os dados atrás referidos relativamente à sustentação teórica do modelo do software, deverá entrar em linha de conta com o desempenho em testes de vocabulário e de leitura, bem como os anos de escolaridade. Num plano mais formal, essa medida deverá ser calculada como o componente principal compósito com o maior eigenvalue da pontuação z de uma prova de leitura, semelhante ao National Adult Reading Test for Inteligence Quotient (NARTIQ), da pontuação do subteste de vocabulário da WAIS e dos anos de escolaridade. Entendemos que a combinação dos anos de educação e das medidas do quociente de inteligência num único factor poderá constituir uma forma mais ampla de capturar a reserva cognitiva, pois combina as capacidades inatas e adquiridas que, aparentemente, contribuem para a variância da reserva cognitiva. Estas reflexões servirão como base ao desenvolvimento de investigações que façam a sua prova empírica. Esperamos em breve poder falar dessa prova. Para já vale dizer que o conceito de reserva cognitiva é um conceito heurístico na investigação da esquizofrenia. 9

5 Referências Bibliográficas [1] Satz, P. (1993). Brain reserve capacity on symptom onset after brain injury: A formulation and review of evidence for thresh- old theory. Neuropsychology, 7: [2] Stern, Y. (2002). What is cognitive reserve? Theory and research application of the reserve concept. Journal of the International Neuropsychological Society, 8: [3] Prohovnik, R. Mayeux, H. A. Sackeim, G. Smith, Y. Stern, and P. O. Alderson (1988). Cerebral perfusion as a diagnostic marker of early Alzheimer s disease. Neurology, 38:931. [4] Jones, P., Rodgers, B., Murray, R. & Marmot, M. (1994). Child development risk factors for adult schizophrenia in the British 1946 birth cohort. Lancet, 344: [5] Zammit, S., Allebeck, P., David, A. S., Dalman, C., Hemmingsson, T., Lundberg, I. & Lewis, G. (2004). A longitudinal study of premorbid IQ Score and risk of developing schizophrenia, bipolar disorder, severe depression, and other non-afective psychoses. Archives of General Psychiatry, 61: [6] Peters, E., Day, S., McKenna, J. & Orbach, G. (1999). Delusional ideation in religious and psychotic populations. British Journal of Clinical Psychology, 38: [7] Poulton, R., Caspi, A., Mott, T. E., Cannon, M., Murray, R. & Harrington, H. (2000). Childrens self-reported psychotic symptoms and adult schizophreniform disorder: a 15-year longitudinal study. Archives of General Psychiatry, 57: [8] van Os, J., Hanssen, M., Bijl, R. V. & Vollebergh, W. (2001). Prevalence of psychotic disorder and community level of psychotic symptoms: an urban-rural comparison. Archives of General Psychiatry, 58: [9] Krabbendam, L., Myin-Germeys, I., Hanssen, M. & van Os, J. (2005). Familial covariation of the subclinical psychosis phenotype and verbal uency in the general population. Schizophrenia Research, 74: [10] Aylward, E., Walker, E. & Bettes, B. (1984). Intelligence in schizophrenia : meta-analysis of the research. Schizophrenia Bulletin, 10: [11] Munro, J. C., Russell, A. J., Murray, R. M., Kerwin, R. W. & Jones, P. B. (2002). IQ in childhood psychiatric attendees predicts outcome of later schizophrenia at 21 year follow-up. Acta Psychiatrica Scandinavica, 106: [12] Marques-Teixeira, J. (2003). Défice Cognitivo na Esquizofrenia. Dos consensos às incertezas. Lisboa: Vale e Vale. [13] Marques-Teixeira, J. (2005). Manual de Avaliação da Disfunção Cognitiva na Esquizofrenia. Lisboa: Vale e Vale. João Marques-Teixeira 10

A mutação de diagnósticos em psiquiatria

A mutação de diagnósticos em psiquiatria Editorial / Editorial Saúde Mental Mental Health A mutação de diagnósticos em psiquiatria Diagnosis shifting in psychiatry A questão resultante da ambiguidade fundamental em psiquiatria (quem é doente

Leia mais

Podemos Falar de uma Psicopatologia Científica?

Podemos Falar de uma Psicopatologia Científica? Volume X Nº6 Novembro/Dezembro 2008 Editorial / Editorial Podemos Falar de uma Psicopatologia Científica? Can We Talk about a Scientific Psychopathology? Blankenburg fala de uma psicopatologia empírica

Leia mais

HISTÓRIA HISTÓRIA DIAGNÓSTICO E CLASSIFICAÇÃO DOS TRANSTORNOS MENTAIS. Paradigma da alienação mental. Paradigma das doenças mentais

HISTÓRIA HISTÓRIA DIAGNÓSTICO E CLASSIFICAÇÃO DOS TRANSTORNOS MENTAIS. Paradigma da alienação mental. Paradigma das doenças mentais DIAGNÓSTICO E CLASSIFICAÇÃO DOS TRANSTORNOS MENTAIS Prof. José Reinaldo do Amaral Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Psicologia PSICOPATOLOGIA GERAL 2013 / 2 HISTÓRIA Paradigma da

Leia mais

Mudança de paradigma na psiquiatria ou um roteiro para a psiquiatria do futuro

Mudança de paradigma na psiquiatria ou um roteiro para a psiquiatria do futuro Mudança de paradigma na psiquiatria ou um roteiro para a psiquiatria do futuro Paradigm change in psychiatry or a map for the psychiatry in the future Na viragem do século XIX, Bleuler, Kraeplin e outros

Leia mais

Violência e doença mental: fato ou ficção?

Violência e doença mental: fato ou ficção? EDITORIAL 1 Violência e doença mental: fato ou ficção? Wagner F. Gattaz O episódio recente envolvendo os crimes de Francisco de Assis Pereira, o maníaco do parque, despertou na população e nos profissionais

Leia mais

www.saude-mental.net SIMPÓSIO Avanços Recentes na Terapêutica da Esquizofrenia e Doença Bipolar

www.saude-mental.net SIMPÓSIO Avanços Recentes na Terapêutica da Esquizofrenia e Doença Bipolar SIMPÓSIO Avanços Recentes na Terapêutica da Esquizofrenia e Doença Bipolar Congresso Nacional de Psiquiatria Coimbra 28 de Novembro 2005 Prof. Doutor A. Vaz Serra, Presidente da Sociedade Portuguesa de

Leia mais

Clinicamente o autismo é considerado uma perturbação global do desenvolvimento.

Clinicamente o autismo é considerado uma perturbação global do desenvolvimento. Autismo: Definição Causas Conceitos centrais Diagnóstico O QUE É O AUTISMO? O autismo é uma disfunção no desenvolvimento cerebral que tem origem na infância e persiste ao longo de toda a vida. Pode dar

Leia mais

Maconha de alta potência e risco para psicose: mito ou realidade?

Maconha de alta potência e risco para psicose: mito ou realidade? XI Jornada CELPCYRO sobre Saúde Mental. Maconha de alta potência e risco para psicose: mito ou realidade? Pedro Eugênio Mazzucchi S. Ferreira Vice-Presidente do CENESPI Psiquiatra- Departamento de Psiquiatria

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Rio de Mouro Padre Alberto Neto CÓDIGO 170318. Sub-departamento de Educação Especial

Agrupamento de Escolas de Rio de Mouro Padre Alberto Neto CÓDIGO 170318. Sub-departamento de Educação Especial Sub-departamento de Educação Especial A deficiência mental interfere directamente no funcionamento intelectual do ser humano, sendo este abaixo da média. O aluno apresenta comprometidos, além das funções

Leia mais

Gestão de Recursos Humanos, responsabilidade social e empreendedorismo

Gestão de Recursos Humanos, responsabilidade social e empreendedorismo Gestão de Recursos Humanos, responsabilidade social e empreendedorismo José Keating Escola de Psicologia Universidade do Minho Introdução A gestão de recursos humanos, num sentido lato, abrange todas as

Leia mais

As alterações cognitivas da esquizofrenia

As alterações cognitivas da esquizofrenia 1 As alterações cognitivas da esquizofrenia As primeiras descrições da esquizofrenia foram feitas por Emil Kraepelin, um influente psiquiatra alemão, e Eugen Bleuler, seu colega suíço. Kraepelin, considerado

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA GABINETE DA DEPUTADA LUZIA TOLEDO PROJETO DE LEI Nº 157/2010

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA GABINETE DA DEPUTADA LUZIA TOLEDO PROJETO DE LEI Nº 157/2010 PROJETO DE LEI Nº 157/2010 A semana de conscientização sobre transtornos de aprendizagem, no âmbito do Estado do Espírito Santo. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Fica

Leia mais

29 de Novembro de 2010 Universidade Lusíada - Lisboa

29 de Novembro de 2010 Universidade Lusíada - Lisboa 29 de Novembro de 2010 Universidade Lusíada - Lisboa 29 de Novembro de 2010 Universidade Lusíada - Lisboa Avaliação Psicológica de Condutores Idosos Inês Saraiva Ferreira Faculdade de Psicologia e de Ciências

Leia mais

Português RESUMO ESTENDIDO. Dr. ZANGARI, Wellington 1 Dra. MACHADO, Fatima Regina 2

Português RESUMO ESTENDIDO. Dr. ZANGARI, Wellington 1 Dra. MACHADO, Fatima Regina 2 Português RESUMO ESTENDIDO Diagnóstico Diferencial de Transtornos Mentais e Experiências Anômalas/Religiosas: A importância do quadro de referência e dos transtornos mentais de base Dr. ZANGARI, Wellington

Leia mais

A Normalização e a Gestão do Risco

A Normalização e a Gestão do Risco A Normalização e a Gestão do Risco ISO 26000 e a Gestão do Risco 22 de Maio 2014 João Simião Algumas reflexões para partilhar 2 Curiosidades sobre riscos Sabia que o termo risco (risk) é referido em 141

Leia mais

Satisfação dos cuidadores de doentes de Alzheimer em relação à qualidade dos cuidados de saúde hospitalares (*)

Satisfação dos cuidadores de doentes de Alzheimer em relação à qualidade dos cuidados de saúde hospitalares (*) NOTAS DE INVESTIGAÇÃO Satisfação dos cuidadores de doentes de Alzheimer em relação à qualidade dos cuidados de saúde hospitalares (*) ANA MARGARIDA CAVALEIRO (**) JOSÉ A. CARVALHO TEIXEIRA (***) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Demência associada ao HIV

Demência associada ao HIV Demência associada ao HIV A complicação do SNC mais comum é um comprometimento cognitivo de gravidade suficiente para justificar o diagnóstico de demência (Centers for Disease Control and Prevention; CDCP

Leia mais

RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NA DOENÇA DE ALZHEIMER

RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NA DOENÇA DE ALZHEIMER RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NA DOENÇA DE ALZHEIMER ANDREIA GOMES DA SILVA Discente do Curso de Tecnologia em Radiologia das Faculdades Integradas de MARY HELLEN PEREIRA NUNES Discente do Curso de Tecnologia

Leia mais

Os Efeitos da Violência Comunitária no Desenvolvimento da Criança

Os Efeitos da Violência Comunitária no Desenvolvimento da Criança Os Efeitos da Violência Comunitária no Desenvolvimento da Criança 1 NANCY G. GUERRA, EdD 2 CARLY DIERKHISING, MA 1 University of Delaware, EUA 2 University of California at Riverside, EUA Tema Violência

Leia mais

Poder e Psiquiatria: velhas questões, novos desafios

Poder e Psiquiatria: velhas questões, novos desafios Poder e Psiquiatria: velhas questões, novos desafios Power and Psychiatry: old questions, new challenges Em Dezembro de 2003, a revista British Medical Journal (BMJ) publicou um artigo de Thomas Szasz,

Leia mais

Memória e desenvolvimento inicial do cérebro

Memória e desenvolvimento inicial do cérebro Memória e desenvolvimento inicial do cérebro Tema Desenvolvimento do cérebro PATRICIA J. BAUER, PhD THANUJENI PATHMAN, MA Emory University, EUA (Publicado on-line, em inglês, em dezembro de 2008) (Publicado

Leia mais

Prefácio Prefácio Ao fim de uma década de seminários de investigação dedicados à apresentação de trabalhos empíricos e teóricos e à análise de temas específicos de educação matemática como a resolução

Leia mais

Duplo Diagnóstico na Deficiência Intelectual

Duplo Diagnóstico na Deficiência Intelectual Duplo Diagnóstico na Deficiência Intelectual a experiência de uma consulta de Psiquiatria Sofia Brissos Psiquiatra Encontro de Trabalho sobre Saúde Mental na Deficiência Intelectual, Fundação Calouste

Leia mais

b : nas representações gráficas de funções do tipo

b : nas representações gráficas de funções do tipo do as suas escolhas a partir daí. Nesta situação, tendem a identificar as assímptotas verticais, as assímptotas horizontais e a associar as representações analítica e gráfica que têm estas características

Leia mais

O IMPACTO DOS DISTÚRBIOS DE DESENVOLVIMENTO DE LINGUAGEM NA APRENDIZAGEM NOEMI TAKIUCHI*

O IMPACTO DOS DISTÚRBIOS DE DESENVOLVIMENTO DE LINGUAGEM NA APRENDIZAGEM NOEMI TAKIUCHI* O IMPACTO DOS DISTÚRBIOS DE DESENVOLVIMENTO DE LINGUAGEM NA APRENDIZAGEM NOEMI TAKIUCHI* * Professora Adjunta da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, Doutora em Semiótica e Linguística

Leia mais

O Desenvolvimento das Inteligências, da Auto-Estima e o Rendimento Académico

O Desenvolvimento das Inteligências, da Auto-Estima e o Rendimento Académico O Desenvolvimento das Inteligências, da Auto-Estima e o Rendimento Académico Américo Baptista Rita Baptista Inês Gomes www.mindlabportugal.pt americo.baptista@mindlabportugal.pt A QUESTÃO PARA ALÉM DA

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO Nº 410/X

PROJECTO DE RESOLUÇÃO Nº 410/X PROJECTO DE RESOLUÇÃO Nº 410/X Que recomenda ao governo a revisão da comparticipação estatal na aquisição de medicamentos específicos para o tratamento da Demência na Doença de Alzheimer. I EXPOSIÇÃO DE

Leia mais

MACONHA E PSICOSE MARCELO RIBEIRO UNIDADE DE PESQUISA EM ÁLCOOL E DROGAS UNIAD UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO - UNIFESP

MACONHA E PSICOSE MARCELO RIBEIRO UNIDADE DE PESQUISA EM ÁLCOOL E DROGAS UNIAD UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO - UNIFESP MACONHA E PSICOSE MARCELO RIBEIRO UNIDADE DE PESQUISA EM ÁLCOOL E DROGAS UNIAD UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO - UNIFESP EUROPA SÉCULOS XVIII & XIX CHINA & SUDOESTE ASIÁTICO 4500 a.c. PERSIA & MUNDO

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 01 /2014 - CESAU Objeto: Parecer. Promotoria de Justiça GESAU / Medicamento Rivastigmina para tratamento de Alzheimer REFERÊNCIA: Grupo de Atuação Especial de Defesa da Saúde - GESAU

Leia mais

Considerações Sobre a Discalculia

Considerações Sobre a Discalculia Monica C.A. Weinstein Universidade Federal de São Paulo, Brasil De acordo com o código internacional de doenças (CID 10), os transtornos de aprendizagem (...) são transtornos nos quais os padrões normais

Leia mais

Educação, crescimento e desenvolvimento económico: notas e reflexões 1

Educação, crescimento e desenvolvimento económico: notas e reflexões 1 Educação, crescimento e desenvolvimento económico: notas e reflexões 1 Carlos Nuno Castel-Branco 2 24-03-2011 Introdução A discussão da ligação entre educação, crescimento económico e desenvolvimento precisa

Leia mais

O papel das emoções na nossa vida

O papel das emoções na nossa vida O papel das emoções na nossa vida Ao longo da vida, os indivíduos deparam-se com uma variedade de situações que exigem o recurso a variadas competências de modo a conseguirem uma gestão eficaz das mesmas.

Leia mais

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE Cláudio Martin Jonsson Vera Lúcia Castro Jaguariúna, outubro 2005. O modelo de agricultura utilizado atualmente visa

Leia mais

Envelhecimento da população realidade portuguesa. Unidade de Neurologia Vânia Almeida

Envelhecimento da população realidade portuguesa. Unidade de Neurologia Vânia Almeida Envelhecimento da população realidade portuguesa Unidade de Neurologia Vânia Almeida 21 de Setembro de 2015 Sumário Definição de Demência Incidência Global de Demência Prevalência Global de Demência Realidade

Leia mais

MARIA JOSÉ PONTES MARQUES DE SÁ ESCLEROSE MÚLTIPLA

MARIA JOSÉ PONTES MARQUES DE SÁ ESCLEROSE MÚLTIPLA MARIA JOSÉ PONTES MARQUES DE SÁ ESCLEROSE MÚLTIPLA elaborado nos termos da alínea c) do nº 2 do artigo 4º do Regulamento nº 307/2008, publicado no Diário da República, 2ª série, nº 110, de 9 de Junho de

Leia mais

FUNDAMENTOS DE UMA EDUCAÇÃO CIENTÍFICA

FUNDAMENTOS DE UMA EDUCAÇÃO CIENTÍFICA O sistema educativo deve garantir a coordenação, a consistência e a coerência do ensino para o desenvolvimento da educação científica Critérios de qualidade O conhecimento dos alunos e das suas aptidões

Leia mais

PROPOSTA PARA MESA-REDONDA POTENCIAIS RELACIONADOS A EVENTO DA AVALIAÇÃO DOS PROCESSOS PSICOLÓGICOS BÁSICOS ÀS FUNÇÕES COGNITIVAS E SOCIAIS COMPLEXAS.

PROPOSTA PARA MESA-REDONDA POTENCIAIS RELACIONADOS A EVENTO DA AVALIAÇÃO DOS PROCESSOS PSICOLÓGICOS BÁSICOS ÀS FUNÇÕES COGNITIVAS E SOCIAIS COMPLEXAS. PROPOSTA PARA MESA-REDONDA POTENCIAIS RELACIONADOS A EVENTO DA AVALIAÇÃO DOS PROCESSOS PSICOLÓGICOS BÁSICOS ÀS FUNÇÕES COGNITIVAS E SOCIAIS COMPLEXAS. Coordenador: Prof. Dr. Paulo Sérgio Boggio Email:

Leia mais

Comunicação e cuidados de saúde

Comunicação e cuidados de saúde Comunicação e cuidados de saúde Desafios para a Psicologia da Saúde (*) JOSÉ A. CARVALHO TEIXEIRA (**) i. INTRODUÇÃO Existe actualmente um consenso generalizado sobre a inadequação do sistema de saúde

Leia mais

NÃO HÁ MEMÓRIA DE UMA CAUSA ASSIM

NÃO HÁ MEMÓRIA DE UMA CAUSA ASSIM NÃO HÁ MEMÓRIA DE UMA CAUSA ASSIM CONTACTOS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE FAMILIARES E AMIGOS DE DOENTES DE ALZHEIMER SEDE Av. de Ceuta Norte, Lote 15, Piso 3 - Quinta do Loureiro 1300-125 Lisboa Tel: 213 610

Leia mais

PROTOCOLO DE TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DE GRUPO PARA FOBIA SOCIAL CIRCUNSCRITA

PROTOCOLO DE TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DE GRUPO PARA FOBIA SOCIAL CIRCUNSCRITA PROTOCOLO DE TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DE GRUPO PARA FOBIA SOCIAL CIRCUNSCRITA (2007) Gustavo J. Fonseca D El Rey Coordenador do Programa de Fobia Social do Centro de Pesquisas e Tratamento de Transtornos

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISE DAS FORMAS DE TRATAMENTOS PARA O TRANSTORNO DE ESPECTRO AUTISTA (TEA)

TÍTULO: ANÁLISE DAS FORMAS DE TRATAMENTOS PARA O TRANSTORNO DE ESPECTRO AUTISTA (TEA) TÍTULO: ANÁLISE DAS FORMAS DE TRATAMENTOS PARA O TRANSTORNO DE ESPECTRO AUTISTA (TEA) CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ANHANGUERA DE

Leia mais

Curriculum Vitae Nome Morada Telefone Email Resumo

Curriculum Vitae Nome Morada Telefone Email Resumo Curriculum Vitae Nome Diogo Telles Correia Morada Rua de Campolide, 51 6º Esq. 1070 Lisboa Telefone 213 884 744 Email tellesdiogo@gmail.com Resumo Médico Psiquiatra e Psicoterapeuta; Doutorado em Medicina,

Leia mais

Características cognitivas da síndrome de Down

Características cognitivas da síndrome de Down ARTIGO Características cognitivas da síndrome de Down O fenótipo característico inclui déficits de linguagem, desajustes na memória de trabalho e outros traços em geral pouco reconhecidos Wayne Silverman

Leia mais

Classificação de deficiência mental - Evolução do conceito na história

Classificação de deficiência mental - Evolução do conceito na história Classificação de deficiência mental - Evolução do conceito na história Classificação de deficiência mental (1976) 1- Variação normal da inteligência (VNI) QI entre 71e 84 Geralmente sem atraso do DNPM

Leia mais

ESPECTRO DA NEUROPATIA AUDITIVA Profa. Dra. Doris R. Lewis dorislewis@pucsp.br drlewis@uol.com.br

ESPECTRO DA NEUROPATIA AUDITIVA Profa. Dra. Doris R. Lewis dorislewis@pucsp.br drlewis@uol.com.br 4a. Conferência Latino Americana de Adaptação Pediátrica ESPECTRO DA NEUROPATIA AUDITIVA Profa. Dra. Doris R. Lewis dorislewis@pucsp.br drlewis@uol.com.br São Paulo 21 de Agosto de 2015 Definições Distúrbios

Leia mais

Serviços - pressão de Inverno

Serviços - pressão de Inverno Serviços - pressão de Inverno Data: 11/08/2004 Autor: Cláudia Conceição (claudiac@esoterica.pt) Este documento procura mostrar, a partir de publicações que, pelo menos para alguns serviços, parece haver

Leia mais

O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH

O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH Distúrbio Bipolar, também conhecido como mania e depressão, é uma desordem do cérebro que causa mudanças não previstas no estado mental da pessoa,

Leia mais

REVISÃO DE LITERATURA: ESTRATÉGIAS DE APRENDIZAGEM NO ACOMPANHAMENTO PSCIOPEDAGÓGICO EM SUJEITOS COM DISLEXIA DO DESENVOLVIMENTO RESUMO

REVISÃO DE LITERATURA: ESTRATÉGIAS DE APRENDIZAGEM NO ACOMPANHAMENTO PSCIOPEDAGÓGICO EM SUJEITOS COM DISLEXIA DO DESENVOLVIMENTO RESUMO 1 REVISÃO DE LITERATURA: ESTRATÉGIAS DE APRENDIZAGEM NO ACOMPANHAMENTO PSCIOPEDAGÓGICO EM SUJEITOS COM DISLEXIA DO DESENVOLVIMENTO Andréa Carla Machado Mestranda em Educação Especial bolsista CNPq Universidade

Leia mais

CAPACIDADE FUNCIONAL E QUALIDADE DE VIDA DO PACIENTE COM DEMÊNCIA DE ALZHEIMER

CAPACIDADE FUNCIONAL E QUALIDADE DE VIDA DO PACIENTE COM DEMÊNCIA DE ALZHEIMER CAPACIDADE FUNCIONAL E QUALIDADE DE VIDA DO PACIENTE COM DEMÊNCIA DE ALZHEIMER Clariany Soares Cardoso 1 ; Gustavo Christofoletti 2 ; Eberson da Silva Rodrigues do Nascimento 3 1 Bolsista PBIC/UEG, graduada

Leia mais

Défices Cognitivos em Crianças e Adolescentes com Fenilcetonúria. Cognitive Deficits in Children and Adolescents with Phenylketonuria

Défices Cognitivos em Crianças e Adolescentes com Fenilcetonúria. Cognitive Deficits in Children and Adolescents with Phenylketonuria Défices Cognitivos em Crianças e Adolescentes com Fenilcetonúria Cognitive Deficits in Children and Adolescents with Phenylketonuria Ana F. Laúndes e Enrique Vázquez-Justo Universidade Lusíada do Porto

Leia mais

Suicídio X Doenças Crônicas e Terminais. Profª. Dr.ª Catarina Nívea Menezes

Suicídio X Doenças Crônicas e Terminais. Profª. Dr.ª Catarina Nívea Menezes Suicídio X Doenças Crônicas e Terminais Profª. Dr.ª Catarina Nívea Menezes Suicídio Parassuicídio Comportamento automutilante, Ingestão de drogas não prescritas, ou além da prescrição, Tentativas de suicídio,

Leia mais

Avaliação da Articulação em Português Europeu: As Provas Sons em Palavras e Estimulação do Teste CPUP

Avaliação da Articulação em Português Europeu: As Provas Sons em Palavras e Estimulação do Teste CPUP Originalmente publicado em: MACHADO, C.; ALMEIDA, L.; GONÇALVES, M. e RAMALHO, V. (Org.) (Outubro de 2006). Actas da XI Conferência Internacional de Avaliação Psicológica: Formas e Contextos. Braga: Universidade

Leia mais

a escola e o mundo do trabalho XVII colóquio afirse secção portuguesa

a escola e o mundo do trabalho XVII colóquio afirse secção portuguesa . INÁCIO, Maria Joana SALEMA, Maria Helena Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa RESUMO Aprender a aprender constitui-se como uma das competências essenciais para a aprendizagem ao longo da vida,

Leia mais

PORQUÊ? Défices cognitivos na esquizofrenia SUMÁRIO TERAPIA DE REMEDIAÇÃO COGNITIVA (TRC)

PORQUÊ? Défices cognitivos na esquizofrenia SUMÁRIO TERAPIA DE REMEDIAÇÃO COGNITIVA (TRC) TERAPIA DE REMEDIAÇÃO COGNITIVA NA ESQUIZOFRENIA O PAPEL DA TERAPIA DE REMEDIAÇÃO COGNITIVA NO TRATAMENTO INTEGRADO DA ESQUIZOFRENIA Filipa Palha X CONGRESSO DE PSIQUIATRIA S. JOÃO DE DEUS: Perspectivar

Leia mais

Depressão na gravidez e período pós-natal nos dois progenitores: Dados de um estudo exploratório com casais portugueses

Depressão na gravidez e período pós-natal nos dois progenitores: Dados de um estudo exploratório com casais portugueses Actas do 6 Congresso Nacional de Psicologia da Saúde Organizado por Isabel Leal, José Pais Ribeiro, e Saul Neves de Jesus 2006, Faro: Universidade do Algarve Depressão na gravidez e período pós-natal nos

Leia mais

Perturbações do Neurodesenvolvimento e do Comportamento PERTURBAÇÃO DO ESPETRO DO AUTISMO (PEA)

Perturbações do Neurodesenvolvimento e do Comportamento PERTURBAÇÃO DO ESPETRO DO AUTISMO (PEA) Perturbações do Neurodesenvolvimento e do Comportamento PERTURBAÇÃO DO ESPETRO DO AUTISMO (PEA) Caraterização Conclusões Não olha nos olhos, balança o corpo num movimento repetitivo, comunica pouco ou

Leia mais

Psicologia Aplicada à Enfermagem. Prof. Adriana Campos Psicóloga CRP: 01/11273

Psicologia Aplicada à Enfermagem. Prof. Adriana Campos Psicóloga CRP: 01/11273 Psicologia Aplicada à Enfermagem Prof. Adriana Campos Psicóloga CRP: 01/11273 UNIDADE I Aula 01 Introdução à Psicologia da Saúde Origens da psicologia A Psicologia como ciência A Psicologia aplicada à

Leia mais

ECT: Aplicação na esquizofrenia

ECT: Aplicação na esquizofrenia ECT: Aplicação na esquizofrenia Ricardo Coentre Médico Psiquiatra Serviço de Psiquiatria Hospital Vila Franca de Xira 05 de Junho de 2014 Hospital Beatriz Ângelo, Loures ECT: Aplicação na Esquizofrenia

Leia mais

Quando a ciência médica entra nas empresas! 23 e 24 de Novembro de 2012 Porto

Quando a ciência médica entra nas empresas! 23 e 24 de Novembro de 2012 Porto ! Quando a ciência médica entra nas empresas! 23 e 24 de Novembro de 2012 Porto A PsicoSoma é uma empresa, que apesar de muito trabalho desenvolvido e alguns anos com experiência de mercado, têm um espírito

Leia mais

Pense Autismo. A importância do diagnóstico precoce no TEA Transtorno do espectro Autista. Autor: Dr. Marcone Oliveira Médico Neuropediatra

Pense Autismo. A importância do diagnóstico precoce no TEA Transtorno do espectro Autista. Autor: Dr. Marcone Oliveira Médico Neuropediatra Pense Autismo A importância do diagnóstico precoce no TEA Transtorno do espectro Autista Autor: Dr. Marcone Oliveira Médico Neuropediatra Declaração de Responsabilidade e Conflito de Interesse O autor

Leia mais

AVALIAÇÃO DA COMPETÊNCIA ARITMÉTICA

AVALIAÇÃO DA COMPETÊNCIA ARITMÉTICA AVALIAÇÃO DA COMPETÊNCIA ARITMÉTICA 2013 Marcelo Carlos da Silva Mestre em Distúrbios do Desenvolvimento (UPM). Pós-Graduado em Educação Matemática (PUC/SP). Pós- Graduado em Psicopedagogia pela UNOESTE.

Leia mais

O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO

O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO 10 O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO António Gonçalves REVISOR OFICIAL DE CONTAS 1. Introdução O presente artigo procura reflectir o entendimento

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES

ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES Maria Fernanda Laus; Diana Cândida Lacerda Mota; Rita de Cássia Margarido Moreira;Telma Maria Braga Costa; Sebastião

Leia mais

MONITORIA - 2012 PONTOS PARA A PROVA

MONITORIA - 2012 PONTOS PARA A PROVA MONITORIA - 2012 PONTOS PARA A PROVA OTORRINOLARINGOLOGIA Otites Exames Audiológicos Labirintopatias Rinossinusites Doenças da Faringe Hipertrofia Tonsilar Larinites ÉTICA E RELAÇÕES PSICOSSOCIAIS I, II

Leia mais

FUNCIONAMENTO EXECUTIVO E TRANSTORNO BIPOLAR: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO 1

FUNCIONAMENTO EXECUTIVO E TRANSTORNO BIPOLAR: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO 1 FUNCIONAMENTO EXECUTIVO E TRANSTORNO BIPOLAR: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO 1 PEREIRA, L.L. 2 ; PENTEADO, R. V.³; DIAS, A. C. G. 4 1 Trabalho de Revisão _UFSM 2 Programa de Pós

Leia mais

Luísa Cabral 17 de Junho de 2008

Luísa Cabral 17 de Junho de 2008 SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E REABILITAÇÃO DIRECÇÃO de SERVIÇOS de EDUCAÇÃO e APOIO PSICOPEDAGÓGICO SERVIÇO TÉCNICO de APOIO PSICOPEDAGÓGICO CENTRO

Leia mais

O Quente e o Frio: Integração dos Aspectos Emocionais nas Terapias Cognitivo - Comportamentais

O Quente e o Frio: Integração dos Aspectos Emocionais nas Terapias Cognitivo - Comportamentais O Quente e o Frio: Integração dos Aspectos Emocionais nas Terapias Cognitivo - Clínica Psiquiátrica dos H.U.C. Maio, 2003 Magda Reis Mara Prata Sem qualquer excepção, homens e mulheres de todas as idades,

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA DE INICIAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO- PIBITI

RELATÓRIO DE PESQUISA DE INICIAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO- PIBITI RELATÓRIO DE PESQUISA DE INICIAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO- PIBITI TEMA: AVALIAÇÃO COMPUTADORIZADA DAS HABILIDADES EXECUTIVAS EM CRIANÇAS PRÉ-ESCOLARES Orientador: Prof. J. Landeira-Fernandez

Leia mais

Depressão e Espiritualidade. Roberto Lúcio Vieira de Souza Médico Psiquiatra Diretor Técnico do Hospital Espírita André Luiz (BH)

Depressão e Espiritualidade. Roberto Lúcio Vieira de Souza Médico Psiquiatra Diretor Técnico do Hospital Espírita André Luiz (BH) Depressão e Espiritualidade Roberto Lúcio Vieira de Souza Médico Psiquiatra Diretor Técnico do Hospital Espírita André Luiz (BH) Conceitos Tristeza emoção natural. Resposta à frustração, decepção ou fracasso.

Leia mais

Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins*

Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins* Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins* Os fluxos de Investimento Directo Estrangeiro (IDE) para Portugal tornaram-se uma componente importante da economia portuguesa

Leia mais

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva A criança que chega à escola é um indivíduo que sabe coisas e que opera intelectualmente de acordo com os mecanismos de funcionamento

Leia mais

Definição e Histórico. Avaliação, Diagnóstico e Intervenção no TEA Módulo 1

Definição e Histórico. Avaliação, Diagnóstico e Intervenção no TEA Módulo 1 + Definição e Histórico Avaliação, Diagnóstico e Intervenção no TEA Módulo 1 + Autismo Nome criado por Eugen Bleuler em 1911 Dementia Praecox ou Grupo da Esquizofrenias Termo extraído dos estudos sobre

Leia mais

RACIONAL EXPECTATIONS AND THE THEORY OF PRICE MOVEMENTS, uma análise

RACIONAL EXPECTATIONS AND THE THEORY OF PRICE MOVEMENTS, uma análise RACIONAL EXPECTATIONS AND THE THEORY OF PRICE MOVEMENTS, uma análise Ana Isabel Quinteiro Lopes Gonçalves Loureiro, Faculdade de Economia do Porto Bárbara Andrea Pereira Ribeiro, Faculdade de Economia

Leia mais

Envelhecimento Ativo e Educação ao Longo da Vida

Envelhecimento Ativo e Educação ao Longo da Vida Centro de Competência de Ciências Sociais Departamento de Ciências da Educação Envelhecimento Ativo e Educação ao Longo da Vida Alice Mendonça alice@uma.pt Internet: http://www.uma.pt/alicemendonca Enquadramento

Leia mais

Maus-tratos na infância e seu impacto sobre a epidemiologia do desenvolvimento psicossocial

Maus-tratos na infância e seu impacto sobre a epidemiologia do desenvolvimento psicossocial Maus-tratos na infância e seu impacto sobre a epidemiologia do desenvolvimento psicossocial NICO TROCMÉ, PhD Centre of Excellence for Child Welfare, CANADÁ (Publicado on-line, em inglês, em 2 de fevereiro

Leia mais

Neurociências LICENCIATURA EM PSICOLOGIA DO DESPORTO E EXERCÍCIO(PDE) INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR

Neurociências LICENCIATURA EM PSICOLOGIA DO DESPORTO E EXERCÍCIO(PDE) INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR LICENCIATURA EM PSICOLOGIA DO DESPORTO E EXERCÍCIO(PDE) PROGRAMA DA UNIDADE CURRICULAR Neurociências 2º Ano 4º Semestre REGENTE:

Leia mais

Monografía Curso de Capacitación Docente en Neurociencias

Monografía Curso de Capacitación Docente en Neurociencias Monografía Curso de Capacitación Docente en Neurociencias Alumno: Luciano dos Santos Alves www.asociacioneducar.com Mail: informacion@asociacioneducar.com Facebook: www.facebook.com/neurocienciasasociacioneducar

Leia mais

O DIAGNÓSTICO DOS TRANSTORNOS DO ESPECTRO DO AUTISMO TEA

O DIAGNÓSTICO DOS TRANSTORNOS DO ESPECTRO DO AUTISMO TEA 1 MARIA ELISA GRANCHI FONSECA Psicóloga Mestre em Educação Especial UFSCAR TEACCH Practitioner pela University of North Carolina USA Coordenadora de Curso INFOCO FENAPAES UNIAPAE Coordenadora CEDAP APAE

Leia mais

Introdução. Capítulo 1

Introdução. Capítulo 1 Capítulo 1 Introdução Em computação, muitos problemas são resolvidos por meio da escrita de um algoritmo que especifica, passo a passo, como resolver um problema. No entanto, não é fácil escrever um programa

Leia mais

A MODELAÇÃO DE LEIS E TEORIAS CIENTÍFICAS

A MODELAÇÃO DE LEIS E TEORIAS CIENTÍFICAS A MODELAÇÃO DE LEIS E TEORIAS CIENTÍFICAS O ESPÍRITO HUMANO PROCURA LEIS E TEORIAS CIENTÍFICAS AO MENOS POR DOIS MOTIVOS Porque lhe dão um certo tipo de compreensão do real Porque lhe oferecem esquemas

Leia mais

Cadernos d. Introdução

Cadernos d. Introdução R E C E N S Ã O C R Í T I C A D O L I V R O : A P R E N D E R F O R A D A E S C O L A P E R C U R S O S D E F O R M A Ç Ã O E X P E R I E N C I A L CÁRMEN CAVACO Introdução Foi de facto uma boa descoberta

Leia mais

A INTEGRAÇÃO SENSORIAL COMO ABORDAGEM DE TRATAMENTO DE UM ADOLESCENTE NO ESPECTRO AUTISTA

A INTEGRAÇÃO SENSORIAL COMO ABORDAGEM DE TRATAMENTO DE UM ADOLESCENTE NO ESPECTRO AUTISTA A INTEGRAÇÃO SENSORIAL COMO ABORDAGEM DE TRATAMENTO DE UM ADOLESCENTE NO ESPECTRO AUTISTA MATIAS, Rayane CLASSE, Jéssica P. D. CAVALCANTI, Flavia R. R. SILVA, Angela C. D. RESUMO O presente trabalho se

Leia mais

INTRODUÇÃO. Abstract:

INTRODUÇÃO. Abstract: open-access Alucinações Musicais e Esquizofrenia: a Propósito de um Caso Clínico Musical Hallucinations and Schizophrenia: Case Report Catarina Klut*, Salomé Xavier 1 * João Graça**, Graça Cardoso*** Resumo:

Leia mais

PARECER Nº 02 / 2010

PARECER Nº 02 / 2010 PARECER Nº 02 / 2010 ASSUNTO: Adequação técnico-científica da admissão das pessoas com demência nas unidades de dia e promoção da autonomia da RNCCI (art.º 21 do Dec. Lei. 101/2006 de 6 de Junho) 1. A

Leia mais

ALTERAÇÕES NEUROPSICOLÓGICAS NA DOENÇA DE LHERMITTE-DUCLOS

ALTERAÇÕES NEUROPSICOLÓGICAS NA DOENÇA DE LHERMITTE-DUCLOS NECESIDADES EDUCATIVAS ESPECIALES. CALIDAD DE VIDA Y SOCIEDAD ACTUAL ALTERAÇÕES NEUROPSICOLÓGICAS NA DOENÇA DE LHERMITTE-DUCLOS Cláudia Alves* & Maria Lapa Esteves** * Aluna do Mestrado em Psicologia Clínica

Leia mais

PROGRAMA (Ação cofinanciada pelo Fundo Social Europeu PRO-EMPREGO) Nutrição Pediátrica da Primeira Infância à Adolescência

PROGRAMA (Ação cofinanciada pelo Fundo Social Europeu PRO-EMPREGO) Nutrição Pediátrica da Primeira Infância à Adolescência PROGRAMA (Ação cofinanciada pelo Fundo Social Europeu PRO-EMPREGO) 1. Designação da Ação de Formação: 2. Formador: Nutrição Pediátrica da Primeira Infância à Adolescência Dr.ª Vera Berbereia 3. Razões

Leia mais

Cuidados continuados dirigidos a pessoas idosas em situação de dependência

Cuidados continuados dirigidos a pessoas idosas em situação de dependência Cuidados continuados dirigidos a pessoas idosas em situação de dependência Angela Valença médica Neurologista Este tema é muito actual. A situação de dependência não é exclusiva de pessoas idosas mas o

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PERTURBAÇÕES DO DESENVOLVIMENTO MOTOR Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PERTURBAÇÕES DO DESENVOLVIMENTO MOTOR Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular PERTURBAÇÕES DO DESENVOLVIMENTO MOTOR Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Motricidade Humana 3. Ciclo de Estudos 1º 4.

Leia mais

2008 - Mestrado em Psicologia Clínica pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, com a classificação final de Muito Bom Por Unanimidade.

2008 - Mestrado em Psicologia Clínica pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, com a classificação final de Muito Bom Por Unanimidade. Dados Pessoais Nome: Ana Luísa de Matos Dias Quinta Gomes Nacionalidade: Portuguesa Data de Nascimento: 24 de Abril de 1980 E-mail: bisagomes@gmail.com Formação Académica 2008/Actualmente - Doutoranda

Leia mais

Psicologia da Educação

Psicologia da Educação Psicologia da Educação Aprendizagem na sala de aula DEFINIÇÃO GERAL DE APRENDIZAGEM APRENDIZAGEM E TRANSFERÊNCIA TEORIAS DE APRENDIZAGEM CONDICIONAMENTO OPERANTE A APRENDIZAGEM SOCIAL O ENSINO PROGRAMADO

Leia mais

Rui Manuel Freire Lucas

Rui Manuel Freire Lucas Curriculum Vitae INFORMAÇÃO PESSOAL Rui Manuel Freire Lucas ruifreirelucas@gmail.com PROFISSÃO Interno de Psiquiatra EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL 01 de janeiro 2008 31 de dezembro 2008 Interno do Ano Comum

Leia mais

Definição. Conjunto de habilidades cognitivas do indivíduo e resultante dos diferentes processos intelectivos.

Definição. Conjunto de habilidades cognitivas do indivíduo e resultante dos diferentes processos intelectivos. Inteligência Definição Conjunto de habilidades cognitivas do indivíduo e resultante dos diferentes processos intelectivos. Cognição Inteligência Capacidade de identificar e resolver problemas novos, de

Leia mais

2.º Curso de Verão para Internos de MFR. Apraxia. Alterações no movimento intencional. Neuropsicóloga Ana Gabriel Marques

2.º Curso de Verão para Internos de MFR. Apraxia. Alterações no movimento intencional. Neuropsicóloga Ana Gabriel Marques 2.º Curso de Verão para Internos de MFR Apraxia Alterações no movimento intencional Neuropsicóloga Ana Gabriel Marques O que é a apraxia? Alteração na execução de movimentos aprendidos em resposta a um

Leia mais

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es).

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es). INVESTIGAÇÃO DA MEMÓRIA AUTOBIOGRÁFICA EM IDOSOS COM DIAGNÓSTICO DE DEMÊNCIA DE ALZHEIMER NAS FASES LEVE E MODERADA Caroline Araújo Lemos*, Izabel Augusta Hazin Pires*, Eulália Maria Chaves Maia*, Jacqueline

Leia mais

INGLÊS cont. Código 367 abril 2015

INGLÊS cont. Código 367 abril 2015 Direção Regional de Educação do Norte AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PÓVOA DE LANHOSO - 150915 PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS cont. Código 367 abril 2015 11º Ano de escolaridade (Decreto Lei 139/

Leia mais

Sequência (Níveis) na medida de área

Sequência (Níveis) na medida de área Sequência (Níveis) na medida de área Comparação A: Decalques da mão Rectângulo e triângulo Sobreposição das mãos Unidades não Estandardizadas Unidades Estandardizadas Concreto Representacional Símbólico

Leia mais

128 educação, ciência e tecnologia

128 educação, ciência e tecnologia 128 A RELEVÂNCIA DO APOIO SOCIAL NA VELHICE ROSA MARIA LOPES MARTINS * 1. INTRODUÇÃO O debate gerado em torno do envelhecimento e das respostas sociais de apoio aos cidadãos idosos, têm adquirido nos últimos

Leia mais

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combining the ISO 10006 and PMBOK to ensure successful projects 1 Por Michael Stanleigh Tradução e adaptação para fins didáticos

Leia mais