2 Luz I. Capítulo. Troca de ideias

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2 Luz I. Capítulo. Troca de ideias"

Transcrição

1 Capítulo 2 Luz I Professor(a), leia as orientações pedagógicas. Troca de ideias A obra representada ao lado chama- -se Uma mão com a esfera refletora, do artista holandês Escher. A partir da representação feita pelo artista, responda ao que se pede. A esfera representada está funcionando como um espelho. Ela reflete exatamente o ambiente em volta? Você conhece algum espelho que se assemelhe ao da figura? Os espelhos que usamos nos banheiros, geralmente sobre a pia, têm as mesmas características que o espelho da figura? 2010THE M.C. ESCHER COMPANY-HOLLAND. ALL RIGHTS RESERVED. Uma mão com a esfera refletora, de Escher. 12

2 Luz: características e propriedades Professor(a), neste capítulo apresentaremos as propriedades básicas da luz e o fenômeno da reflexão luminosa. Seria interessante trazer alguns espelhos (planos e esféricos) e uma ponteira laser para demonstrar aos alunos a formação das imagens. Como já vimos no caderno 3, todas as ondas eletromagnéticas propagam-se no vácuo com a mesma velocidade: aproximadamente km/s. Esta é a maior velocidade possível em nosso Universo. Esse valor torna-se menor quando ocorre a propagação por algum meio material, como o ar ou a água. As grandes distâncias astronômicas são medidas em anos-luz, unidade de medida que equivale à distância percorrida pela luz em um ano. É uma distância muito grande que a luz percorre muito rapidamente. Sabendo que a luz se desloca à velocidade de 300 mil quilômetros por segundo, podemos dizer que a luz que sai do Sol demora cerca de apenas oito minutos para chegar à Terra, percorrendo em torno de 150 milhões de quilômetros. O Sol é a estrela que está mais perto de nosso planeta: está a aproximadamente oito minutos-luz de distância. Depois do Sol, a próxima estrela se encontra a mais de quatro anos-luz da Terra. As fontes de luz a b [1] Podemos classificar os corpos visíveis em duas categorias. Fontes de luz primárias: são os corpos que emitem luz própria, como o Sol, uma lâmpada acesa ou um metal aquecido a ponto de ficar vermelho (aquecido ao rubro). Fontes de luz secundárias: são os corpos que refletem [2] a luz que recebem de outro corpo. Podemos citar como exemplo os nossos corpos, a lousa da sala de aula e os planetas. Classificando os meios de propagação da luz (a) A lâmpada acesa é uma fonte de luz primária, já que emite luz própria. (b) A Lua apenas reflete a luz emitida pelo Sol. É, portanto, uma fonte de luz secundária. A luz pode se propagar através de três tipos distintos de meios materiais. Meios transparentes: permitem a passagem dos raios luminosos sem grandes desvios, possibilitando uma visualização nítida do objeto observado. É o caso do vidro comum, do ar e da água limpa, por exemplo. Meios translúcidos: permitem a passagem dos raios de luz, mas sem uma visualização nítida do objeto observado. Os vidros laminados usados em boxes de banheiros são um bom exemplo. Meios opacos: não permitem a passagem dos raios de luz, impedindo a visualização dos objetos. O concreto, a madeira e os metais são exemplos de meios opacos. [3] a b c (a) Exemplo de um vidro transparente. (b) Vidro translúcido, que permite a passagem de apenas uma parte da luz. (c) A madeira usada na construção da casa é opaca, impedindo que enxerguemos o interior da casa. [4] [5] fotos: shutterstock [1] tania ZBRoDKo, [2] CaRolIna K. smith, m.d., [3] warren goldswain, [4] architecte,[5] nikolay okhitin 13

3 rafael gomes A decomposição da luz branca Isaac Newton, cientista inglês, em uma de suas experiências, fez com que um raio de luz atravessasse um prisma (instrumento óptico de plástico ou vidro) e observou que a luz foi decomposta em várias cores. Dessa forma, ele descobriu que a luz branca seria então formada pela mistura de diversas frequências (responsáveis pelas diversas cores), separadas ao atravessar o prisma, graças ao fenômeno da dispersão. O mesmo efeito ocorre quando a luz passa pelas gotículas de água na atmosfera, logo após uma chuva. Cada gota funciona como um minúsculo prisma, desviando os diferentes comprimentos de onda luminosos e criando o efeito que conhecemos como arco-íris. Ao contrário do que normalmente se pensa, o arco-íris é formado por muitas cores, e não por apenas sete. Como enxergamos os objetos? steven newton/shutterstock Ao passar por um prisma, a luz branca é decomposta em várias cores, correspondendo a diferentes frequências. Professor(a), a cor de um objeto está relacionada ao comprimento de onda que ele reflete, e não ao comprimento de onda absorvido. Ao incidir sobre uma superfície, a luz pode ser absorvida, refletida ou até mesmo atravessá-la diretamente (se o meio não for opaco). Uma fonte de luz secundária (como uma cadeira, por exemplo) pode ser observada pela luz refletida, que é recebida pelos nossos olhos e interpretada pelo cérebro. Um vidro que fosse perfeitamente transparente seria invisível para nós, já que não haveria luz refletida. Da mesma forma, um corpo que absorvesse toda a luz tampouco seria visível. E a cor de um objeto? Como sabemos, por exemplo, que a flor da foto é amarela? A cor que vemos é determinada pela luz que a flor reflete. Como já vimos, a flor só pode ser observada porque uma parte da luz que incide sobre ela está sendo refletida e atinge nossos olhos. Vimos também que a luz branca contém as demais cores. Se estamos incidindo uma luz branca sobre a flor e observamos apenas a cor amarela, isso significa que esta é a cor que ela reflete para nós, absorvendo as outras frequências luminosas. Caso a mesma flor fosse iluminada com luz vermelha, por exemplo, ela nos pareceria negra, já que absorveria essa frequência e não nos refletiria nada (lembre-se de que ela só reflete o amarelo). Atividades 1 A sonda japonesa Solar-B, lançada em setembro de 2006, estuda enormes explosões solares conhecidas como chamas solares. A sonda está em órbita ao redor da Terra e seus instrumentos registram as partículas em alta velocidade emitidas pelo Sol. Suponha que numa dessas explosões as partículas sejam ejetadas praticamente à velocidade da luz. Quanto tempo após a explosão a sonda detectará as partículas? Explique. Embora tenha uma velocidade muito alta, a luz do Sol demora cerca de 8 minutos para chegar à Terra. Este seria, portanto, o tempo necessário para que essas partículas atingissem o planeta. 14

4 2 Nem toda a radiação proveniente do Sol pode ser percebida pelos nossos olhos. Observe o esquema do espectro eletromagnético da página 5 e dê dois exemplos de radiações invisíveis para nós. Os raios gama, os raios X, os raios ultravioleta, os raios infravermelhos, as micro-ondas etc. 3 As salas de revelação de fotografias em geral são iluminadas por uma luz vermelha. Imagine que um fotógrafo tenha entrado na sala com uma camiseta vermelha e uma calça azul. Quais serão as cores visualizadas em sua roupa? A camiseta vermelha será vista nessa cor, já que refletirá o vermelho. Já a calça azul parecerá preta, uma vez que absorverá o vermelho. 4 Neste experimento vamos demonstrar que a luz branca é composta pelas demais cores, fato demonstrado por Isaac Newton. Em vez de decompormos a luz usando um prisma, vamos recompô-la girando o disco. Vamos precisar de: um pedaço de cartolina em forma de círculo, com cerca de 15 cm de diâmetro; lápis ou canetas hidrográficas nas cores: vermelha, alaranjada, amarela, verde, azul, anil e violeta. Divida o círculo em sete partes iguais e pinte-as na seguinte ordem: vermelho, alaranjado, amarelo, verde, azul, anil e violeta. Atravesse o centro do círculo com um lápis fino ou palito de churrasco e gire vigorosamente. Observe que as cores se unirão e o círculo ficará esbranquiçado. O objetivo desse experimento é mostrar ao aluno que a luz branca é formada pela combinação das demais cores. Sua base teórica foi demonstrada em 1666, quando Newton conseguiu decompor a luz branca usando um prisma. Ao girarem o disco, os alunos verão as cores se unirem para formar o branco. 5 Luisinho entrou em uma sala iluminada apenas com luz amarela. Na parede dessa sala havia uma bandeira do Brasil. Ao observá-la, ele estranhou as cores, pois não estavam iguais às da bandeira que ele tanto conhecia! Use a figura a seguir e pinte a bandeira da mesma forma que Luisinho a enxergou. Preta Preta Preta Amarela Amarela Todas amarelas 15

5 Atividades complementares 6 Imagine que por algum evento catastrófico o Sol deixasse de brilhar de uma hora para outra. O que observaríamos, aqui da Terra, nesse exato momento? 7 Diferencie fontes de luz primárias e secundárias. 8 Classifique os meios de propagação abaixo em transparentes, translúcidos ou opacos: a) parede de tijolos; b) vidro jateado; c) ar atmosférico. Vidro jateado: vidro que passa pelo processo de jateamento. Jatos de areia ou de pós abrasivos formam desenhos opacos na superfície do vidro, sendo possível obter desenhos e figuras, visíveis graças ao contraste entre a área transparente e a área opaca. 9 Como se formam os arco-íris? Óptica geométrica Os fenômenos luminosos, objeto de estudo da óptica, são estudados pela física com o auxílio da geometria. A trajetória da luz é representada por um traço orientado por uma seta, chamado de raio de luz. É importante dizer que não podemos isolar somente um raio de luz. Esse é apenas um conceito teórico. Representação esquemática de um raio de luz. Podemos reunir dois ou mais raios de luz para formar um feixe de luz. Observe: a b c (a) Feixe de luz cônico divergente. (b) Feixe de luz cônico convergente. (c) Feixe de luz paralelo ou cilíndrico. O estudo da óptica geométrica baseia-se em três princípios fundamentais: Propagação retilínea dos raios luminosos: a luz propaga-se em linha reta nos meios transparentes e homogêneos. basilio barbosa As sombras se formam porque a luz se propaga em linha reta. 16

6 Independência dos raios luminosos: a propagação de um raio de luz não interfere na propagação de outro, mesmo que haja cruzamento entre eles. Mesmo que se cruzem, um raio de luz não interfere na trajetória do outro. Reversibilidade dos raios luminosos: os caminhos de ida e de volta de um raio de luz são idênticos. Sombra e penumbra O sentido de propagação de um raio de luz pode ser invertido. A formação da sombra e da penumbra é um fenômeno que surge da propagação retilínea dos raios luminosos e se relaciona com a ocorrência dos eclipses. Quando uma fonte de luz primária com dimensões desprezíveis (puntiforme) ilumina um corpo opaco, Puntiforme: que tem forma ou aparência de ponto. ocorre a projeção de uma sombra. Observe: Fonte puntiforme de luz Corpo opaco Sombra projetada Um corpo opaco projeta uma sombra ao ser iluminado por uma fonte puntiforme de luz. Se a fonte de luz for extensa (ou seja, tiver um tamanho considerável), teremos uma região de sombra e uma região chamada de penumbra, não totalmente escura. Observe: Corpo opaco Sombra Fonte extensa de luz Penumbra Uma fonte de luz extensa projetará uma região de penumbra e uma região de sombra. 17

7 Eclipses As civilizações do passado observavam os eclipses com assombro e reverência, muitas vezes sem entender que se tratava de fenômenos astronômicos belos, mas nada sobrenaturais. Atualmente os astrônomos podem prever a ocorrência de eclipses com grande antecedência, graças ao conhecimento do movimento dos corpos celestes. Dá-se o nome de eclipse à passagem de um corpo celeste pela sombra de outro. Aqui na Terra podemos observar com facilidade dois tipos de eclipse: o solar e o lunar. Ocorre um eclipse solar quando a Lua projeta sua sombra na Terra, posicionando-se entre nosso planeta e o Sol. Os eclipses despertavam medo e fascínio entre os povos antigos. nmazzzur/shutterstock Sol Sol Eclipse solar. Lua Sombra Lua Penumbra Sombra Penumbra Penumbra C A C C B C A B C total anular parcial Quando a Lua passa no cone de sombra da Terra, temos um eclipse lunar. Os eclipses lunares somente ocorrem na lua cheia. Terra Cone de sombra Lua Sol Cone de penumbra Eclipse lunar. A reflexão luminosa O fenômeno da reflexão luminosa ocorre quando os raios de luz que chegam a uma superfície retornam ao meio de onde vieram. Se os raios de luz retornarem sem grandes desvios, ocorrerá uma reflexão regular. Quando olhamos nosso reflexo refletido por um espelho, estamos observando uma reflexão regular. Entretanto, se o corpo no qual a luz incidiu for rugoso, ocorrerá uma reflexão difusa. Nós só conseguimos enxergar os objetos que nos rodeiam por causa da reflexão difusa da luz. 18

8 a b (a) Numa reflexão regular, os raios refletidos não sofrem espalhamento. (b) Na reflexão difusa, os raios refletidos espalham-se em várias direções. A formação de imagens no espelho plano Quando nos olhamos em um espelho plano, temos a sensação de que a nossa imagem se encontra atrás do espelho. Imagens que apresentam essa característica são chamadas de virtuais e as imagens que se formam na frente do espelho (e podem, portanto, ser projetadas numa tela ou num anteparo) são chamadas de imagens reais. Se nos aproximamos do espelho, nossa imagem se aproxima também, de maneira idêntica. E se levantamos o braço esquerdo? Nossa imagem levanta o braço direito! Isso ocorre porque a imagem e o objeto são enantiomorfos, ou seja, são idênticos, mas não podem ser superpostos. Para entender melhor, olhe para as suas mãos. Embora quase idênticas, elas não podem ser superpostas. O polegar de uma mão coincide com o dedo mínimo de outra. Leis da reflexão Embora as mãos sejam bastante parecidas, elas não se sobrepõem. O fenômeno da reflexão pode ser estudado por meio de duas leis bastante simples. tatiana popova/shutterstock Plano de reflexão não refletido RR r N i P RI Primeira lei da reflexão: o raio de luz incidente (RI), a reta normal (N) e o raio de luz refletido (RR) estão em um mesmo plano (ou seja, são coplanares). A reta normal (representada como N) é uma reta imaginária traçada no ponto de incidência (P) do raio de luz e formando sempre 90º com a superfície. É em relação a essa reta imaginária que medimos os ângulos de incidência ( î ) e de reflexão (ˆr). Elementos da reflexão. Segunda lei da reflexão: as medidas dos ângulos de incidência e de reflexão são iguais, ou seja: iˆ = rˆ 19

9 As duas leis da reflexão podem ser empregadas para identificar as imagens formadas pelos espelhos planos. Basta fazer o prolongamento do raio refletido do outro lado do espelho. Observe a figura ao lado. Formação de imagens no espelho plano. Raio refletido Olho Espelho plano Prolongamento do raio d Espelho plano d Uma característica muito importante dos espelhos planos é que eles fornecem imagens simétricas em relação aos objetos. Assim, se o objeto estiver a 2 metros do espelho, sua imagem se formará a 2 metros do espelho, mas virtualmente. D Atividades A distância entre o objeto e o espelho é igual à distância entre o espelho e a imagem do objeto. 10 Qual tipo de reflexão empregamos ao enxergarmos o ambiente que nos rodeia, difusa ou regular? Explique. Reflexão difusa. Quando a luz incide sobre um corpo rugoso, ocorre uma reflexão difusa. Nós só conseguimos enxergar os objetos que nos rodeiam por causa da reflexão difusa da luz. D 11 O que significa dizer que a imagem de um espelho plano é virtual? Uma imagem virtual é a que se encontra formada atrás do espellho. 12 Observe a foto ao lado. Repare que a palavra ambulância está escrita ao contrário. Qual explicação você apresenta para esse fato? A palavra está invertida para que os motoristas dos carros que estiverem à frente identifiquem o veículo, já que olharão pelo retrovisor (um espelho plano), que inverterá a palavra para a sua posição normal. 20 alekcey/shutterstock

10 13 Um garoto observa o reflexo de um relógio de ponteiros em um espelho plano e nota que a imagem está marcando 1 h 30. Que horas serão no relógio? Como o espelho plano mostrará a imagem do relógio de forma invertida, o horário real será 11 h Um barbeiro está a 0,50 m de seu cliente, que está a 0,80 m de um espelho plano. Calcule a distância entre o barbeiro e a imagem virtual de seu cliente. 0,50 m 0,80 m A imagem do cliente se formará atrás do espelho, também a 0,80 m deste. Como o barbeiro está localizado a 0,50 m do cliente, entre ele e a imagem virtual do cliente, tem-se 0,50 + 0,80 + 0,80 = 2,10 m. 15 Pedro escreveu a palavra AGORA em uma folha de papel e colocou em frente a um espelho plano. O que Pedro lerá no espelho? Atividades complementares 16 Calcule o valor de x na reflexão a seguir: RI x + 30 N 40 RR AGORA 20 Quais as principais características das imagens fornecidas pelos espelhos planos? 21 Cite dois fenômenos que ocorrem devido à propagação retilínea da luz. 17 Diferencie reflexão regular e reflexão difusa. 18 Um raio de luz incidiu em um espelho plano, formando um ângulo de 20º com a normal. Determine o ângulo de reflexão. 19 Como podemos diferenciar eclipse solar e eclipse lunar? Os espelhos esféricos 22 Assinale verdadeiro ou falso: Os corpos somente são visíveis porque emitem luz. Um corpo transparente impede totalmente a passagem da luz. A luz propaga-se em linha reta. Professor(a), nesta seção apresentaremos os espelhos esféricos de forma bem simplificada, sem realizar um estudo analítico e sem construir as imagens. Fica a seu critério demonstrar aos alunos como elaborar as construções a partir dos raios notáveis. No entanto, fornecemos uma tabela que permitirá conhecer as características da imagem de forma simples. Os supermercados e lojas de conveniência costumam instalar espelhos nos corredores, para que os funcionários consigam enxergar a movimentação dos clientes. Da mesma forma, os ônibus urbanos possuem espelhos em sua porta traseira para que o motorista possa verificar se o passageiro já subiu ou desceu do veículo. Nos dois casos, os espelhos usados são os convexos. 21

11 [1] wilmar nunes/bip, [2] yulia popkova/shutterstock a b [1] [2] Aplicar a maquiagem no rosto é uma tarefa que pode ser mais simples se for usado um espelho côncavo. A imagem fornecida permite que pequenos detalhes sejam vistos com nitidez. (a) Espelho convexo, usado em lojas para ampliar o campo de visão. (b) Espelho côncavo, ideal para a aplicação de maquiagem. Imagens nos espelhos esféricos As características da imagem formada por um espelho esférico dependem de ele ser côncavo ou convexo e também da posição do objeto em relação ao espelho. Para entendermos os tipos possíveis de imagens, vamos primeiramente conhecer os elementos principais de um espelho esférico. Côncavo C F V Convexo V F C O ponto V é conhecido como vértice do espelho. Elementos principais dos espelhos esféricos. O ponto C é o centro de curvatura da esfera que o originou. O ponto F, chamado de foco principal, está localizado na metade da distância entre o centro de curvatura e o vértice do espelho. O segmento que une C, F e V é chamado de eixo principal. Para determinar o tipo de imagem fornecida pelo espelho esférico, basta empregar a tabela: Tipo de espelho Posição do objeto Exemplo Convexo Qualquer posição Antes do centro de curvatura Direita, menor e virtual Invertida, menor e real V F C C F V Sobre o centro de curvatura Invertida, mesmo tamanho, real C F V Côncavo Entre o centro de curvatura e o foco principal Invertida, maior, real C F V Sobre o foco principal imprópria C F V Entre o foco principal e o vértice Direita, maior, virtual C F V 22

12 Observe que os espelhos convexos sempre fornecem o mesmo tipo de imagem, independentemente da posição do objeto. No caso dos espelhos côncavos, a imagem pode ser direita ou invertida (de ponta-cabeça ), maior ou menor que o objeto, real ou virtual, ou até mesmo imprópria, o que significa que os raios refletidos saem paralelamente, não ocorrendo formação de imagem. Atividades 23 Qual a utilidade dos espelhos convexos colocados nas portas traseiras de ônibus e em garagens de prédios? Os espelhos convexos fornecem imagens reduzidas, aumentando o campo visual e facilitando a visualização dos ambientes. 24 Leia o texto a seguir: A parte interna das colheres de metal funciona como um espelho côncavo e, segundo a óptica, a imagem refletida é sempre real (pode ser projetada em um anteparo), menor e invertida em relação ao objeto. Essa afirmativa está incorreta. Reescreva-a corretamente. A imagem fornecida pelos espelhos côncavos pode ser real ou virtual, reduzida ou ampliada, direita ou invertida, dependendo da posição do objeto em relação ao espelho. 25 Os dentistas usam um espelhinho esférico para verificar a ocorrência de cáries nos dentes de seus pacientes. É um espelho côncavo ou convexo? Justifique. É um espelho côncavo, pois é capaz de produzir uma imagem ampliada e virtual para objetos próximos. 26 Um lápis foi colocado a 5 cm de um espelho esférico côncavo, no qual a distância entre o centro de curvatura e o vértice vale 12 cm. Consulte a tabela do texto e dê as características da imagem. Como a distância entre o centro de curvatura e o vértice vale 12 cm, o foco principal está a 6 cm (metade da distância). Se o lápis foi colocado a 5 cm do espelho, então ele está entre o foco principal e o vértice. Portanto, a imagem será direita, maior e virtual. Atividades complementares 27 Certo espelho esférico forneceu uma imagem reduzida e virtual de um objeto colocado próximo a ele. O que se pode dizer sobre esse espelho? 28 Determine a que distância mínima deve-se posicionar uma bolinha de gude frontalmente a um espelho côncavo para se obter uma imagem invertida, menor e real. A distância entre o foco principal e o vértice desse espelho vale 8 cm. 29 Escreva sobre o tipo(s) de imagem(ns) conjugada(s) pelos espelhos esféricos convexos. Cite pelo menos uma aplicação prática para esses espelhos. 23

ÓPTICA. Conceito. Divisões da Óptica. Óptica Física: estuda os fenômenos ópticos que exigem uma teoria sobre a natureza das ondas eletromagnéticas.

ÓPTICA. Conceito. Divisões da Óptica. Óptica Física: estuda os fenômenos ópticos que exigem uma teoria sobre a natureza das ondas eletromagnéticas. ÓPTICA Conceito A óptica é um ramo da Física que estuda os fenomenos relacionados a luz ou, mais amplamente, a radiação eletromagnética, visível ou não. A óptica explica os fenômenos de reflexão, refração

Leia mais

ÓPTICA GEOMÉTRICA PREGOLINI

ÓPTICA GEOMÉTRICA PREGOLINI ÓPTICA GEOMÉTRICA PREGOLINI ÓPTICA GEOMÉTRICA É a parte da Física que estuda os fenômenos relacionados com a luz e sua interação com meios materiais quando as dimensões destes meios é muito maior que o

Leia mais

1- Fonte Primária 2- Fonte Secundária. 3- Fonte Puntiforme 4- Fonte Extensa

1- Fonte Primária 2- Fonte Secundária. 3- Fonte Puntiforme 4- Fonte Extensa Setor 3210 ÓPTICA GEOMÉTRICA Prof. Calil A Óptica estuda a energia denominada luz. 1- Quando nos preocupamos em estudar os defeitos da visão e como curá-los, estamos estudando a Óptica Fisiológica. Estudar

Leia mais

15/09/2015 1 PRINCÍPIOS DA ÓPTICA O QUE É A LUZ? A luz é uma forma de energia que não necessita de um meio material para se propagar.

15/09/2015 1 PRINCÍPIOS DA ÓPTICA O QUE É A LUZ? A luz é uma forma de energia que não necessita de um meio material para se propagar. O QUE É A LUZ? A luz é uma forma de energia que não necessita de um meio material para se propagar. PRINCÍPIOS DA ÓPTICA A luz do Sol percorre a distância de 150 milhões de quilômetros com uma velocidade

Leia mais

Óptica é a parte da física que estuda a luz: energia radiante (ondas eletromagnéticas) capaz de causar, em nós, a sensação da visão.

Óptica é a parte da física que estuda a luz: energia radiante (ondas eletromagnéticas) capaz de causar, em nós, a sensação da visão. Professor : DUDU Disciplina : Física Óptica (FO) Introdução Óptica é a parte da física que estuda a luz: energia radiante (ondas eletromagnéticas) capaz de causar, em nós, a sensação da visão. Fontes de

Leia mais

TIPOS DE REFLEXÃO Regular Difusa

TIPOS DE REFLEXÃO Regular Difusa Reflexão da luz TIPOS DE REFLEXÃO Regular Difusa LEIS DA REFLEXÃO RI = raio de luz incidente i normal r RR = raio de luz refletido i = ângulo de incidência (é formado entre RI e N) r = ângulo de reflexão

Leia mais

Apostila 2 Capítulo 8. Página 305. Reflexões. Gnomo

Apostila 2 Capítulo 8. Página 305. Reflexões. Gnomo Apostila 2 Capítulo 8 Página 305 Reflexões Fenômenos Ópticos Reflexão Refração Absorção Tipos de Reflexão Reflexão Especular Reflexão Difusa Na reflexão especular os raios de luz que entram paralelos são

Leia mais

LUZ: se propaga por meio de ondas eletromagnéticas. É o agente físico responsável pela sensação visual.

LUZ: se propaga por meio de ondas eletromagnéticas. É o agente físico responsável pela sensação visual. LUZ: É uma forma de energia radiante, que se propaga por meio de ondas eletromagnéticas. É o agente físico responsável pela sensação visual. RAIO DE LUZ: É uma representação da propagação da Luz RAIO DE

Leia mais

ALUNO: Nº SÉRIE: DATA: / / PROF.: VICTOR GERMINIO EXERCÍCIOS DE REVISÃO II UNIDADE FÍSICA 3º ANO ENSINO MÉDIO

ALUNO: Nº SÉRIE: DATA: / / PROF.: VICTOR GERMINIO EXERCÍCIOS DE REVISÃO II UNIDADE FÍSICA 3º ANO ENSINO MÉDIO ALUNO: Nº SÉRIE: DATA: / / PROF.: VICTOR GERMINIO EXERCÍCIOS DE REVISÃO II UNIDADE FÍSICA 3º ANO ENSINO MÉDIO 1) Em uma atividade de um engenheiro civil, o mesmo precisa determinar a altura de um edifício.

Leia mais

Introdução à Óptica Luz

Introdução à Óptica Luz Introdução à Óptica Luz A luz é uma forma de energia que se propaga nos meios materiais e também no vácuo. A luz emitida pelo Sol estrela mais próxima da Terra chega a nós em 8 minutos e 20 segundos, percorrendo

Leia mais

Cor e frequência. Frequência ( ) Comprimento de onda ( )

Cor e frequência. Frequência ( ) Comprimento de onda ( ) Aula Óptica Luz visível A luz que percebemos tem como característica sua freqüência que vai da faixa de 4.10 14 Hz ( vermelho) até 8.10 14 Hz (violeta). Esta faixa é a de maior emissão do Sol, por isso

Leia mais

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DISCIPLINA: FÍSICA SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE MODELO VASCO

Leia mais

introdução à Óptica Geométrica

introdução à Óptica Geométrica PARTE II Unidade E capítulo 10 introdução à Óptica Geométrica seções: 101 Conceitos fundamentais 102 Princípios da Óptica Geométrica antes de estudar o capítulo Veja nesta tabela os temas principais do

Leia mais

As divisões da óptica

As divisões da óptica ÓPTICA As divisões da óptica Óptica física : Estuda a natureza da luz. Óptica fisiológica: Estuda os mecanismos responsáveis pela visão. Óptica geométrica: Estuda os fenômenos relacionados à trajetória

Leia mais

1. Introdução. 2. Fontes de luz. Óptica geométrica

1. Introdução. 2. Fontes de luz. Óptica geométrica 1. Introdução Óptica geométrica Vamos iniciar nosso estudo, fazendo uma breve introdução sobre a óptica geométrica. Quando estudamos a Óptica nos centramos na compreensão da natureza e propriedades da

Leia mais

3º Bimestre. Física II. Autor: Geraldo Velazquez

3º Bimestre. Física II. Autor: Geraldo Velazquez 3º Bimestre Autor: Geraldo Velazquez SUMÁRIO UNIDADE I Óptica Geométrica... 4 1 Natureza Da Luz... 4 2 Conceitos Preliminares... 5 2.1 Raios e Feixes... 5 2.2 Fontes De Luz... 6 2.3 MEIOS ÓPTICOS... 6

Leia mais

Valores eternos. MATÉRIA PROFESSOR(A) ---- ----

Valores eternos. MATÉRIA PROFESSOR(A) ---- ---- Valores eternos. TD Recuperação ALUNO(A) MATÉRIA Física II PROFESSOR(A) Fernando ANO SEMESTRE DATA 2º 1º Julho/2013 TOTAL DE ESCORES ESCORES OBTIDOS ---- ---- 1. Considere a figura ao lado. Com base no

Leia mais

Óptica. Estudo da luz, como sendo a onda eletromagnética pertencentes à faixa do espectro visível (comprimento de 400 nm até 700 nm).

Óptica. Estudo da luz, como sendo a onda eletromagnética pertencentes à faixa do espectro visível (comprimento de 400 nm até 700 nm). Óptica Estudo da luz, como sendo a onda eletromagnética pertencentes à faixa do espectro visível (comprimento de 400 nm até 700 nm). Fenômenos ópticos Professor: Éder (Boto) Sobre a Luz O que emite Luz?

Leia mais

Curso: Ensino Fundamental II Disciplina: MATEMÁTICA Professor: Álvaro / Leandro

Curso: Ensino Fundamental II Disciplina: MATEMÁTICA Professor: Álvaro / Leandro Nome do aluno: nº série/turma 9 Curso: Ensino Fundamental II Disciplina: MATEMÁTICA Professor: Álvaro / Leandro Data: De 17 a 21/08/2009 Bimestre: 3º Tipo de atividade: Lista de Exercícios A REFLEXÃO DA

Leia mais

O maior ângulo entre os espelhos, para que se possam enxergar onze imagens inteiras desse objeto, será de: a) 20 b) 30 c) 45 d) 60 e) 120

O maior ângulo entre os espelhos, para que se possam enxergar onze imagens inteiras desse objeto, será de: a) 20 b) 30 c) 45 d) 60 e) 120 Colégio Jesus Adolescente Ensino Médio 1º Bimestre Disciplina Física Setor B Turma 1º ANO Professor Gnomo Lista de Exercício Bimestral Aulas 6 a 8 1) A figura a seguir representa um raio de luz incidindo

Leia mais

MÓDULO 9. A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais:

MÓDULO 9. A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais: A COR DE UM CORPO MÓDULO 9 A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais: luz branca vermelho alaranjado amarelo verde azul anil violeta A cor que um corpo iluminado

Leia mais

Meios de Propagação. Raios e Feixes de Luz. O que é a Luz 2/4/2012. Fundamentos de. Fontes de Luz. Óptica Geométrica NÃO. Tipos de Pincéis de luz

Meios de Propagação. Raios e Feixes de Luz. O que é a Luz 2/4/2012. Fundamentos de. Fontes de Luz. Óptica Geométrica NÃO. Tipos de Pincéis de luz Óptica Geométrica Módulo 1 Óptica Geométrica : Estuda o comportamento de um raio de luz desde o momento que é emitido por uma fonte de luz, até a cegada a um sistema óptico para formação de imagens. Fundamentos

Leia mais

Classificação das fontes Todos os corpos visíveis são fontes de luz e podem classificar-se em primária ou secundária.

Classificação das fontes Todos os corpos visíveis são fontes de luz e podem classificar-se em primária ou secundária. Luz: é uma onda eletromagnética, que tem comprimento de onda (do espectro visível) na faixa de 400 nm a 700 nm (nm = nanômetros = 10-9 m). Além da luz visível, existem outras onda eletromagnéticas om diferentes

Leia mais

Física 3 Professor: Rodolfo DATA: / /

Física 3 Professor: Rodolfo DATA: / / Física 3 Professor: Rodolfo DATA: / / 1. A condição para que ocorra um Eclipse é que haja um alinhamento total ou parcial entre Sol, Terra e Lua. A inclinação da órbita da Lua com relação ao equador da

Leia mais

Óptica. Feixe de Raios Paralelos: A luz do sol que atinge a terra pode ser considerada um feixe de raios paralelos.

Óptica. Feixe de Raios Paralelos: A luz do sol que atinge a terra pode ser considerada um feixe de raios paralelos. Óptica Os fenômenos ópticos que observamos através do nosso aparelho de visão (Olho Humano) são todos devidos às propriedades da luz. Para estudarmos a óptica, ou seja, os efeitos sofridos pela luz, utilizaremos

Leia mais

NOTAS AULAS DE FÍSICA ÓPTICA 05/2015

NOTAS AULAS DE FÍSICA ÓPTICA 05/2015 NOTAS AULAS DE FÍSICA ÓPTICA 05/2015 Professor Danilo Lima Site: estudeadistancia.professordanilo.com PREFÁCIO Estas notas são divulgadas periodicamente no blog estudeadistancia.professordanilo.com A data

Leia mais

ÓTICA e ONDAS. Ótica estudo da luz e dos fenômenos luminosos em geral.

ÓTICA e ONDAS. Ótica estudo da luz e dos fenômenos luminosos em geral. 1 ÓTICA e ONDAS Ótica estudo da luz e dos fenômenos luminosos em geral. Propagação Retilínea da Luz Observando os corpos que nos rodeiam, verificamos que alguns deles emitem luz, isto é, são fontes de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE FÍSICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE FÍSICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE FÍSICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA Mestrando Patrese Coelho Vieira Porto Alegre, maio de 2012 O presente material é uma coletânea

Leia mais

REFLEXÃO E ESPELHOS PLANOS e ESFÉRICOS

REFLEXÃO E ESPELHOS PLANOS e ESFÉRICOS REFLEXÃO E ESPELHOS PLANOS e ESFÉRICOS Leis da Reflexão: 1º- O raio refletido, a normal e o raio incidente pertencem ao mesmo plano. 2º- A medida do ângulo de reflexão é igual à medida do ângulo de incidência.

Leia mais

cü Çv Ñ Éá wt Ñà vt y á vt

cü Çv Ñ Éá wt Ñà vt y á vt óptica cü Çv Ñ Éá wt Ñà vt y á vt Luz é um agente físico que pode se propagar tanto no vácuo quanto em certos meios materiais, se propaga em linha reta. Óptica física e óptica Geométrica Óptica física

Leia mais

Física B Extensivo V. 1

Física B Extensivo V. 1 Física B Extensivo V. 1 Exercícios 01) 38 01. Falsa. f Luz > f Rádio 02. Verdadeira. Todas as ondas eletromagnéticas são transversais. 04. Verdadeira. Do tipo secundária. 08. Falsa. Do tipo secundária.

Leia mais

Física. Óptica Geométrica parte 2. Prof. César Bastos. Óptica Geométrica prof. César Bastos 1

Física. Óptica Geométrica parte 2. Prof. César Bastos. Óptica Geométrica prof. César Bastos 1 Física Óptica Geométrica parte 2 Prof. César Bastos Óptica Geométrica prof. César Bastos 1 Óptica Geométrica Reflexão em superfícies curvas Antes de estudar a formação de imagens em espelhos esféricos

Leia mais

INTRODUÇÃO À ÓPTICA GEOMÉTRICA 411EE

INTRODUÇÃO À ÓPTICA GEOMÉTRICA 411EE 1 T E O R I A 1. SOMBRA Define se sombra como uma região do espaço desprovida de luz. Uma sombra é produzida quando um objeto opaco impede que raios de luz provenientes de uma fonte luminosa iluminem uma

Leia mais

DEFINIÇÃO DE LUZ ONDA PARTÍCULA PROPAGAÇÃO EFEITO FOTOÉLETRICO

DEFINIÇÃO DE LUZ ONDA PARTÍCULA PROPAGAÇÃO EFEITO FOTOÉLETRICO DEFINIÇÃO DE LUZ ONDA PROPAGAÇÃO PARTÍCULA EFEITO FOTOÉLETRICO FONTES DE LUZ Primária Corpo luminoso Secundária Corpo iluminado Incandescente Quente Luminescente Fria Fluorescente c / agente Fosforescente

Leia mais

Laboratório Virtual Kit Óptico

Laboratório Virtual Kit Óptico Laboratório Virtual Kit Óptico Reflexão A luz nem sempre se propaga indefinidamente em linha reta: em algumas situações eles podem se quebrar, como acontece quando um espelho é colocado em seu caminho.

Leia mais

Aluno(a): Nº. Professor: Fabrízio Gentil Série: 3 o ano Disciplina: Física - Óptica

Aluno(a): Nº. Professor: Fabrízio Gentil Série: 3 o ano Disciplina: Física - Óptica Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Fabrízio Gentil Série: 3 o ano Disciplina: Física - Óptica 01 - (PUC SP) Um objeto é inicialmente posicionado entre o foco

Leia mais

Como n lente = n meioa, não há refração. Ou seja, o sistema óptico não funciona como lente.

Como n lente = n meioa, não há refração. Ou seja, o sistema óptico não funciona como lente. 01 Como n lente = n meioa, não há refração. Ou seja, o sistema óptico não funciona como lente. Como n lente < n meiob, a lente de bordas finas opera como lente divergente. Resposta: A 1 02 A gota de água

Leia mais

INTRODUÇÃO À ÓPTICA GEOMÉTRICA

INTRODUÇÃO À ÓPTICA GEOMÉTRICA INTRODUÇÃO À ÓPTICA GEOMÉTRICA FONTES DE LUZ Tudo aquilo que podemos ver está emitindo luz, portanto deve ser considerado uma fonte de luz. Tudo emite luz?não, ocorre que certos tipos de fontes emitem

Leia mais

Módulo VI Luz e Príncipios da Óptica Geométrica

Módulo VI Luz e Príncipios da Óptica Geométrica Módulo VI Luz e Príncipios da Óptica Geométrica Luz: O omem sempre necessitou de luz para enxergar as coisas a seu redor: luz do Sol, de toca, de vela, de lâmpada. Mas afinal, o que é luz? Luz : é uma

Leia mais

Espelhos Esféricos Gauss 2013

Espelhos Esféricos Gauss 2013 Espelhos Esféricos Gauss 2013 1. (Unesp 2012) Observe o adesivo plástico apresentado no espelho côncavo de raio de curvatura igual a 1,0 m, na figura 1. Essa informação indica que o espelho produz imagens

Leia mais

Luz e Visão. Capítulo 8 8º ano - CSA

Luz e Visão. Capítulo 8 8º ano - CSA Luz e Visão Capítulo 8 8º ano - CSA 2014 Afinal, o que é luz? Luz é uma forma de transmissão de energia pelo espaço. Como a luz se propaga? Propagação da luz Corpos luminosos: emitem a própria luz. São

Leia mais

Nosso objetivo será mostrar como obter informações qualitativas sobre a refração da luz em um sistema óptico cilíndrico.

Nosso objetivo será mostrar como obter informações qualitativas sobre a refração da luz em um sistema óptico cilíndrico. Introdução Nosso objetivo será mostrar como obter informações qualitativas sobre a refração da luz em um sistema óptico cilíndrico. A confecção do experimento permitirá também a observação da dispersão

Leia mais

MÓDULO DE RECUPERAÇÃO

MÓDULO DE RECUPERAÇÃO DISCIPLINA Física II 2º ANO ENSINO MÉDIO MÓDULO DE RECUPERAÇÃO ALUNO(A) Nº TURMA TURNO Manhã 1º SEMESTRE DATA / / 01- A figura representa um feixe de raios paralelos incidentes numa superfície S e os correspondentes

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES 2ª SÉRIE

LISTA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES 2ª SÉRIE LISTA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES FÍSICA - A - 2012 ALUNO: TURMA: CARTEIRA: MATRÍCULA: DATA: / / Unidade 01 - Introdução à Óptica Geométrica Unidade 02 - Reflexão da Luz REFAZER OS EXERCÍCIOS DO LIVRO:

Leia mais

OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a dispersão da luz em um prisma.

OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a dispersão da luz em um prisma. UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA CURSO DE FÍSICA LABORATÓRIO ÓPTICA REFLEXÃO E REFRAÇÃO OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a

Leia mais

1. Analisa a seguinte imagem e responde às questões que se seguem:

1. Analisa a seguinte imagem e responde às questões que se seguem: C.F.Q. 8ºA Outubro 1 1. Analisa a seguinte imagem e responde às questões que se seguem: 1.1. Qual é o detetor de luz? O olho. 1.2. Qual é o recetor de luz? A bola. 1.3. De que cor veremos a bola se ela

Leia mais

LENTES E ESPELHOS. O tipo e a posição da imagem de um objeto, formada por um espelho esférico de pequena abertura, é determinada pela equação

LENTES E ESPELHOS. O tipo e a posição da imagem de um objeto, formada por um espelho esférico de pequena abertura, é determinada pela equação LENTES E ESPELHOS INTRODUÇÃO A luz é uma onda eletromagnética e interage com a matéria por meio de seus campos elétrico e magnético. Nessa interação, podem ocorrer alterações na velocidade, na direção

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS 1º ANO ACADÊMICO PROF. FELIPE KELLER TURMAS: 1C01 a 1C10 Lista para a prova da 1UL

LISTA DE EXERCÍCIOS 1º ANO ACADÊMICO PROF. FELIPE KELLER TURMAS: 1C01 a 1C10 Lista para a prova da 1UL LISTA DE EXERCÍCIOS 1º ANO ACADÊMICO PROF. FELIPE KELLER TURMAS: 1C01 a 1C10 Lista para a prova da 1UL 1 (Unirio) Durante a final da Copa do Mundo, um cinegrafista, desejando alguns efeitos especiais,

Leia mais

Reflexão. A reflexão ocorre quando a luz incide sobre a superfície de separação entre dois meios com propriedades distintas.

Reflexão. A reflexão ocorre quando a luz incide sobre a superfície de separação entre dois meios com propriedades distintas. Ótica Reflexão A reflexão ocorre quando a luz incide sobre a superfície de separação entre dois meios com propriedades distintas. A reflexibilidade é a tendência dos raios de voltarem para o mesmo meio

Leia mais

O que é LUZ? SENAI - Laranjeiras. Espectro Eletromagnético. Fontes de luz 14/01/2013. Luminotécnica 40h

O que é LUZ? SENAI - Laranjeiras. Espectro Eletromagnético. Fontes de luz 14/01/2013. Luminotécnica 40h SENAI - Laranjeiras Luminotécnica 40h O que é LUZ? A luz, como conhecemos, faz parte de um comprimento de onda sensível ao olho humano, de uma radiação eletromagnética pulsante ou num sentido mais geral,

Leia mais

Lista de Revisão Óptica na UECE e na Unifor Professor Vasco Vasconcelos

Lista de Revisão Óptica na UECE e na Unifor Professor Vasco Vasconcelos Lista de Revisão Óptica na UECE e na Unifor Professor Vasco Vasconcelos 0. (Unifor-998. CE) Um objeto luminoso está inicialmente parado a uma distância d de um espelho plano fixo. O objeto inicia um movimento

Leia mais

Ciências da Natureza I Ensino Médio Oficina Espelhos Material do aluno

Ciências da Natureza I Ensino Médio Oficina Espelhos Material do aluno Caro aluno, Este material foi produzido objetivando que você aprofunde seus conhecimentos sobre os espelhos planos e os espelhos esféricos côncavos e convexos. Antes de iniciar as atividades desta oficina

Leia mais

Exercícios de Óptica

Exercícios de Óptica Exercícios de Óptica PROFESSOR WALESCKO 22 de dezembro de 2005 Sumário 1 Exercícios 1 2 UFRGS 11 3 Gabarito 24 1 Exercícios 1. A figura abaixo representa um raio de luz que incide no espelho plano E e

Leia mais

ATIVIDADE DE FÍSICA PARA AS FÉRIAS 9. OS A/B/C PROF. A GRAZIELA

ATIVIDADE DE FÍSICA PARA AS FÉRIAS 9. OS A/B/C PROF. A GRAZIELA ATIVIDADE DE FÍSICA PARA AS FÉRIAS 9. OS A/B/C PROF. A GRAZIELA QUESTÃO 1) Atente para a ilustração e os fragmentos de texto abaixo. Utilize-os para responder aos itens da questão 1. [ 1 ] Em muitos parques

Leia mais

Turma: 2201 Turno: Manhã Professor: Douglas Baroni

Turma: 2201 Turno: Manhã Professor: Douglas Baroni Colégio Zaccaria TELEFAX: (0 XX 21) 3235-9400 www.zaccaria.g12.br Lista de exercícios Física II (Recuperação) 2º Período 2014 Aluno(a): N.º Turma: 2201 Turno: Manhã Professor: Douglas Baroni QUESTÃO 1

Leia mais

01) INTRODUÇÃO À ÓPTICA GEOMÉTRICA: Para efeitos didáticos, podemos dividir o estudo da óptica em duas outras

01) INTRODUÇÃO À ÓPTICA GEOMÉTRICA: Para efeitos didáticos, podemos dividir o estudo da óptica em duas outras LISTA DE TEORIA 01 Goiânia, 03 de Fevereiro de 2015 Série: 3º ano e Curso Turma: Aluno(a): Disciplina: Física Professor: Caçu e-mail: manoel.fisica@gmail.com 01) INTRODUÇÃO À ÓPTICA GEOMÉTRICA: Para efeitos

Leia mais

08/12/2014 APLICAÇÕES DE ESPELHOS ESFERICOS TEORIA INTRODUÇÃO. Departamento de Física, Campus de Ji-Paraná Semestre2014-2

08/12/2014 APLICAÇÕES DE ESPELHOS ESFERICOS TEORIA INTRODUÇÃO. Departamento de Física, Campus de Ji-Paraná Semestre2014-2 Departamento de Física, Campus de Ji-Paraná Semestre2014-2 Aula: Espelhos Esféricos 1 S ESFERICOS Um espelho esférico é formado por uma calota esférica refletora, com raio de curvatura definido. Se a superfície

Leia mais

Exercícios sobre Espelhos Esféricos

Exercícios sobre Espelhos Esféricos Exercícios sobre Espelhos Esféricos 1-Quando colocamos um pequeno objeto real entre o foco principal e o centro de curvatura de um espelho esférico côncavo de Gauss, sua respectiva imagem conjugada será:

Leia mais

Projeto CAPAZ Básico Física Óptica 1

Projeto CAPAZ Básico Física Óptica 1 1 Introdução Ao assistir à aula, você teve acesso a alguns conceitos que fazem parte da física óptica. Refletiu sobre o conceito de luz, seus efeitos, de que forma ela está relacionada à nossa visão e

Leia mais

Exercícios de Óptica Conceitos básicos

Exercícios de Óptica Conceitos básicos COLÉGIO TIRADENTES DA POLÍCIA MILITAR BARBACENA MG POLÍCIA MILITAR DE MINAS GERAIS Exercícios de Recuperação de Física 1ª prova DATA: SOESP: Profª. Eliane Ensino Médio Série 2º Turmas 201-202-203 1ª etapa

Leia mais

Refração da Luz Índice de refração absoluto Índice de refração relativo Leis da refração Reflexão total da luz Lentes Esféricas Vergência de uma lente

Refração da Luz Índice de refração absoluto Índice de refração relativo Leis da refração Reflexão total da luz Lentes Esféricas Vergência de uma lente Refração da Luz Índice de refração absoluto Índice de refração relativo Leis da refração Reflexão total da luz Lentes Esféricas Vergência de uma lente Introdução Você já deve ter reparado que, quando colocamos

Leia mais

Construindo a câmara escura

Construindo a câmara escura Construindo a câmara escura Shizue Introdução Captar e registrar imagens tornou-se possível com a câmara escura de orifício. Essa câmara nada mais é do que uma lata, preta por dentro para não refletir

Leia mais

Assim caminha a luz. Logo após o jantar, Roberto e Ernesto saem. Em linha reta...

Assim caminha a luz. Logo após o jantar, Roberto e Ernesto saem. Em linha reta... A UU L AL A Assim caminha a luz Logo após o jantar, Roberto e Ernesto saem para dar uma volta. - Olha, pai, como a Lua está grande! - diz Ernesto. - É, aparentemente isso é verdade. Mas pegue essa moeda

Leia mais

Esta actividade demonstra que a luz branca que vemos habitualmente é na realidade uma mistura de luzes de várias cores.

Esta actividade demonstra que a luz branca que vemos habitualmente é na realidade uma mistura de luzes de várias cores. Disco de Newton As ondas de luz colorida misturam-se para produzir a luz branca. Cartolina Tesoura Régua Marcadores Motor de um brinquedo ou palito de espetadas Suporte universal Recorta um círculo de

Leia mais

Unidade IV. Aula 18.1 Conteúdo. Óptica, Ser humano e Saúde

Unidade IV. Aula 18.1 Conteúdo. Óptica, Ser humano e Saúde Unidade IV Óptica, Ser humano e Saúde Aula 18.1 Conteúdo Óptica geométrica: Raios de luz convergentes, divergentes e paralelos, Princípios da óptica geométrica; princípio de Fermat; o olho humano. 2 Habilidade

Leia mais

Óptica Geométrica Ocular Séries de Exercícios 2009/2010

Óptica Geométrica Ocular Séries de Exercícios 2009/2010 Óptica Geométrica Ocular Séries de Exercícios 2009/2010 2 de Junho de 2010 Série n.1 Propagação da luz 1. A velocidade da luz amarela de sódio num determinado líquido é 1, 92 10 8 m/s. Qual o índice de

Leia mais

Espelhos Esféricos. Definições e Elementos:

Espelhos Esféricos. Definições e Elementos: Definições e Elementos: Calota Esférica. Espelho Esférico é uma calota esférica na qual uma das faces é refletora. Espelho Côncavo Superfície refletora interna. Espelho Convexo Superfície refletora externa.

Leia mais

Professor (a): Pedro Paulo S. Arrais Aluno (a): Ano: 9 Data: / / 2016. LISTA DE FÍSICA

Professor (a): Pedro Paulo S. Arrais Aluno (a): Ano: 9 Data: / / 2016. LISTA DE FÍSICA Ensino Fundamental II Unid. São Judas Tadeu Professor (a): Pedro Paulo S. Arrais Aluno (a): Ano: 9 Data: / / 2016. LISTA DE FÍSICA Orientações: - A lista deverá ser respondida na própria folha impressa

Leia mais

Lista de Óptica - Wladimir

Lista de Óptica - Wladimir 1. (Ufg 2014) A figura a seguir representa um dispositivo óptico constituído por um laser, um espelho fixo, um espelho giratório e um detector. A distância entre o laser e o detector é d = 1,0 m, entre

Leia mais

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CIÊNCIAS. Conteúdo: - Ótica

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CIÊNCIAS. Conteúdo: - Ótica Conteúdo: - Ótica Habilidades: - Entender a propagação da luz e suas aplicações Dispersão da luz A dispersão da luz consiste em um fenômeno onde a luz branca VERMELHO ALARANJADO AMARELO VERDE AZUL ANIL

Leia mais

GOIÂNIA, / / 2015. ALUNO(a): LISTA DE EXERCÍCIOS DE FÍSICA 4BI L1

GOIÂNIA, / / 2015. ALUNO(a): LISTA DE EXERCÍCIOS DE FÍSICA 4BI L1 GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: Fabrízio Gentil Bueno DISCIPLINA: FÍSICA SÉRIE: 2 o ALUNO(a): NOTA: No Anhanguera você é + Enem LISTA DE EXERCÍCIOS DE FÍSICA 4BI L1 01 - (UDESC) João e Maria estão a 3m de

Leia mais

Aula do Curso Noic de Física, feito pela parceria do Noic com o Além do Horizonte

Aula do Curso Noic de Física, feito pela parceria do Noic com o Além do Horizonte Espelhos esféricos são superfícies refletoras muito comuns e interessantes de se estudar. Eles são capazes de formar imagens maiores ou menores, inversas ou direitas, dependendo do tipo de espelho, suas

Leia mais

Primeira lista de física para o segundo ano 1)

Primeira lista de física para o segundo ano 1) Primeira lista de física para o segundo ano 1) Dois espelhos planos verticais formam um ângulo de 120º, conforme a figura. Um observador está no ponto A. Quantas imagens de si mesmo ele verá? a) 4 b) 2

Leia mais

Resoluções. 1. E Da figura obtemos: E 1. 50 a b 120. i =? E 2

Resoluções. 1. E Da figura obtemos: E 1. 50 a b 120. i =? E 2 Resoluções Segmento: Pré-vestibular oleção: Alfa, eta e Gama. Disciplina: Física aderno de xercícios 1 Unidade VIII Óptica Geométrica Série 2: studo da reflexão e dos sistemas refletores 1. Da figura obtemos:

Leia mais

Física. Resolução das atividades complementares. F7 Introdução à Óptica geométrica

Física. Resolução das atividades complementares. F7 Introdução à Óptica geométrica Resolução das atividades complementares 3 Física F7 Introdução à Óptica geométrica p. 10 1 (FMTM-MG) O princípio da reversibilidade da luz fica bem exemplificado quando: a) holofotes iluminam os atores

Leia mais

Eu não nasci de óculos!

Eu não nasci de óculos! A U A UL LA Eu não nasci de óculos! Enquanto Roberto conversa com Gaspar, Ernesto coloca os óculos de Roberto e exclama: - Puxa, estou enxergando tudo embaralhado. Tudo meio turvo! - É como você tivesse

Leia mais

Construção Geométrica com Espelhos Esféricos

Construção Geométrica com Espelhos Esféricos Construção Geométrica com Espelhos Esféricos 1. (Ufsm 2012) A figura de Escher, Mão com uma esfera espelhada, apresentada a seguir, foi usada para revisar propriedades dos espelhos esféricos. Então, preencha

Leia mais

Formação de imagens por superfícies esféricas

Formação de imagens por superfícies esféricas UNIVESIDADE FEDEAL DO AMAZONAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPATAMENTO DE FÍSICA Laboratório de Física Geral IV Formação de imagens por superfícies esféricas.. Objetivos:. Primeira parte: Espelho Côncavo

Leia mais

Física: Óptica. c) preto. d) violeta. e) vermelho. Resp.: c. Questões de treinamento para a banca Cesgranrio elaborada pelo prof.

Física: Óptica. c) preto. d) violeta. e) vermelho. Resp.: c. Questões de treinamento para a banca Cesgranrio elaborada pelo prof. Física: Óptica Questões de treinamento para a banca Cesgranrio elaborada pelo prof. Alex Regis Questão 01 Com relação às afirmações: I. A luz amarelada e a luz verde têm a mesma freqüência. II. No interior

Leia mais

3º Ano do Ensino Médio Prof. Rogério Porto

3º Ano do Ensino Médio Prof. Rogério Porto Questões COVEST Óptica Geométrica 3º Ano do Ensino Médio Prof. Rogério Porto Assunto: Óptica Geométrica 1. Considere um objeto iluminado, um anteparo com um pequeno orifício circular e um segundo anteparo,

Leia mais

Série 3ª SÉRIE ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO 3º BIMESTRE / 2013

Série 3ª SÉRIE ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO 3º BIMESTRE / 2013 Disciplina FÍSICA Curso ENSINO MÉDIO Professor ANDRÉ ITO Série 3ª SÉRIE ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO 3º BIMESTRE / 2013 Aluno (a): Número: 1 - Conteúdo: Espelhos esféricos e lentes; 2 -

Leia mais

REFLEXÃO DA LUZ: ESPELHOS 412EE TEORIA

REFLEXÃO DA LUZ: ESPELHOS 412EE TEORIA 1 TEORIA 1 DEFININDO ESPELHOS PLANOS Podemos definir espelhos planos como toda superfície plana e polida, portanto, regular, capaz de refletir a luz nela incidente (Figura 1). Figura 1: Reflexão regular

Leia mais

Professora Florence. h =? 2m. 14m

Professora Florence. h =? 2m. 14m 1. Estabeleça a diferença entre os seguintes conceitos: a) Corpos luminosos e corpos iluminados. b) Meio transparente, meio translucido e meio opaco. c) Luz monocromática e luz policromática. 2. Determine

Leia mais

LENTES ESFÉRICAS CONSTRUÇÕES

LENTES ESFÉRICAS CONSTRUÇÕES LENTES ESFÉRICAS CONSTRUÇÕES 1. (G1 - cps 2012) Nas plantações de verduras, em momentos de grande insolação, não é conveniente molhar as folhas, pois elas podem queimar a não ser que se faça uma irrigação

Leia mais

)tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD. ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD

)tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD. ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD )tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD Óptica Geométrica ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD Exercício 1: Um feixe de luz cujo comprimento de onda é 650 nm propaga-se no vazio. a) Qual é a velocidade da luz desse feixe ao propagar-se num

Leia mais

www.fisicanaveia.com.br

www.fisicanaveia.com.br www.fisicanaveia.com.br Lentes Esféricas Lentes Esféricas: construção Biconvexa Lentes Esféricas: construção PLANO-CONVEXA Lentes Esféricas: construção CÔNCAVO-CONVEXA Lentes Esféricas: construção BICÔNCAVA

Leia mais

Volume 8 óptica. Capítulo 49 Espelhos Planos

Volume 8 óptica. Capítulo 49 Espelhos Planos Volume 8 óptica Vídeo 49.1 Vídeo 49.2 Vídeo 49.3 Vídeo 49.4 Vídeo 49.5 Vídeo 49.6 Vídeo 49.7 Vídeo 49.8 Vídeo 49.9 Capítulo 49 Espelhos Planos Um feixe de micro-ondas refletido por uma placa metálica plana

Leia mais

Professora Bruna FÍSICA B. Aula 17 Seus Óculos. Página 232

Professora Bruna FÍSICA B. Aula 17 Seus Óculos. Página 232 FÍSICA B Aula 17 Seus Óculos. Página 232 INTRODUÇÃO Na aula de hoje, estudaremos os defeitos da visão e os tipos de lentes indicadas para correção destes defeitos. Para isso, estudaremos primeiramente

Leia mais

FÍSICA ÓPTICA GEOMÉTRICA FÍSICA 1

FÍSICA ÓPTICA GEOMÉTRICA FÍSICA 1 2014_Física_2 ano FÍSICA Prof. Bruno ÓPTICA GEOMÉTRICA FÍSICA 1 1. (Uftm 2012) Uma câmara escura de orifício reproduz uma imagem de 10 cm de altura de uma árvore observada. Se reduzirmos em 15 m a distância

Leia mais

Colégio Jesus Adolescente

Colégio Jesus Adolescente Colégio Jesus Adolescente Ensino Médio 2º Bimestre Disciplina Física Turma 9º ANO Professor Gnomo Lista de Exercício Bimestral Capitulo 6 1) Assinale a alternativa que contém apenas fontes de luz primárias

Leia mais

Comprovação dos índices de refração

Comprovação dos índices de refração Comprovação dos índices de refração 1 recipiente de vidro; 1 bastão de vidro, e Glicerina. 1. Encha até a metade o recipiente com glicerina, depois basta afundar o bastão de vidro na glicerina e pronto!

Leia mais

REFRAÇÃO DA LUZ - Definições ÂNGULOS - Incidência - Reflexão - Refração Índice de Refração Absoluto de um Meio (n) Analisando as Grandezas

REFRAÇÃO DA LUZ - Definições ÂNGULOS - Incidência - Reflexão - Refração Índice de Refração Absoluto de um Meio (n) Analisando as Grandezas ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO Clique em um item abaixo para iniciar a apresentação REFRAÇÃO DA LUZ - Definições ÂNGULOS - Incidência - Reflexão - Refração Índice de Refração Absoluto de um Meio (n)

Leia mais

1 P r o j e t o F u t u r o M i l i t a r w w w. f u t u r o m i l i t a r. c o m. b r

1 P r o j e t o F u t u r o M i l i t a r w w w. f u t u r o m i l i t a r. c o m. b r Exercícios de Espelhos Planos 1-Um objeto amarelo, quando observado em uma sala iluminada com luz monocromática azul, será visto: a) amarelo. b) azul. c) preto. d) violeta. e) vermelho. 2-Ana Maria, modelo

Leia mais

Reflexão da luz. Espelhos planos

Reflexão da luz. Espelhos planos PARTE II Unidade E 11 capítulo Reflexão da luz Espelhos planos seções: 111 Reflexão da luz Leis da reflexão 112 Imagens em um espelho plano 113 Deslocamento de um espelho plano 114 Imagens de um objeto

Leia mais

Curso Wellington Física Óptica Espelhos Esféricos Prof Hilton Franco. 1. Em relação aos espelhos esféricos, analise as proposições que se seguem:

Curso Wellington Física Óptica Espelhos Esféricos Prof Hilton Franco. 1. Em relação aos espelhos esféricos, analise as proposições que se seguem: 1. Em relação aos espelhos esféricos, analise as proposições que se seguem: (1) A reta definida pelo centro de curvatura e pelo vértice do espelho é denominada de eixo secundário. (3) O ponto de encontro

Leia mais

a) côncavo. b) convexo. c) plano. d) anatômico. e) epidérmico.

a) côncavo. b) convexo. c) plano. d) anatômico. e) epidérmico. ESPELHOS ESFÉRICOS 1. (Unioeste - ADAPTADO) Sob influência de seu pai Armando se tornou um ótimo fabricante de espelhos esféricos. A figura abaixo representa um espelho esférico côncavo montado por Arnaldo

Leia mais

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA O trabalho se inicia com uma avaliação diagnóstica (aplicação de um questionário) a respeito dos conhecimentos que pretendemos introduzir nas aulas dos estudantes de física do ensino médio (público alvo)

Leia mais

Colégio Paula Frassinetti Atividade de Física 3º ano do Ensino Médio - / /2012 Prof. Luciano Soares Pedroso

Colégio Paula Frassinetti Atividade de Física 3º ano do Ensino Médio - / /2012 Prof. Luciano Soares Pedroso 1. (Ufrj) Uma criança segura uma bandeira do Brasil como ilustrado na figura 1. A criança está diante de dois espelhos planos verticais A e B que fazem entre si um ângulo de 60. A figura 2 indica seis

Leia mais

1. (G1 - utfpr 2014) Sobre fenômenos ópticos, considere as afirmações abaixo.

1. (G1 - utfpr 2014) Sobre fenômenos ópticos, considere as afirmações abaixo. 1. (G1 - utfpr 2014) Sobre fenômenos ópticos, considere as afirmações abaixo. I. Se uma vela é colocada na frente de um espelho plano, a imagem dela localiza-se atrás do espelho. II. Usando um espelho

Leia mais

Prof. André Motta - mottabip@hotmail.com_

Prof. André Motta - mottabip@hotmail.com_ Exercícios Lentes Esféricas 1- Analise as afirmações a seguir e assinale a correta. A) É impossível obter uma imagem maior que o objeto com uma lente divergente. B) Quando um objeto está localizado a uma

Leia mais