- FUTURA NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA NACIONAL -

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "- FUTURA NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA NACIONAL -"

Transcrição

1 XIII JORNADAS DE CONTABILIDADE E FISCALIDADE DA APOTEC - LISBOA / CULTURGEST / 1 DE MARÇO DE FUTURA NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA NACIONAL - 1

2 TENDÊNCIAS INTERNACIONAIS... E NÓS SEC IOSCO PORTUGAL USGAAP IASB : INFLUÊNCIA! : INFLUÊNCIA? UE 2

3 UNIÃO EUROPEIA ANOS IV DIRECTIVA (CEE) VII DIRECTIVA (CEE) RELATÓRIO MONTI ESTRATÉGIA DE LISBOA DIRECTIVA DO JUSTO VALOR (2001/65/CE) REGULAMENTO (CE) 1606/ º POC 2º POC DC 13 DC 18 DC 28 PROJECTO DE NOVO MODELO ADAPTAÇÃO EM CURSO DAS IAS/IFRS PORTUGAL DC 1 ACTUAL POC (DL 35/05) IAS/IFRS NA BOLSA E NA BANCA POC PLANO OFICIAL DE CONTABILIDADE DC DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA 3

4 UNIÃO EUROPEIA ANOS IAS IAS PORTUGAL INFLUÊNCIA SUBTIL DAS IAS INFLUÊNCIA VISÍVEL DAS IAS 4 INFLUÊNCIA TOTAL DAS IAS

5 Nº DIRECTRIZES CONTABILÍSTICAS APROV./ PUBLI. IAS INFLUÊNCIA 1 Tratamento contabilístico de concentrações de actividades empresariais * Rectificação 91/92 22 (93) 2 Contabilização pelo donatário de activos transmitidos a título gratuito 91/92-3 Tratamento contabilístico dos contratos de construção 91/92 11 (93) 4 Contabilização de obrigações contratuais de empresas concessionárias 91/92-5 Tratamento contabilístico das receitas e obrigações inerentes à concessão do jogo do bingo 91/92-6 Eliminação dos resultados não realizados nas transacções entre empresas do grupo 91/92 27 (90) 7 Contabilização das despesas de investigação e de desenvolvimento 91/93 9 (93) 5

6 Nº DIRECTRIZES CONTABILÍSTICAS APROV./ PUBLI. IAS INFLUÊNCIA 8 Clarificação da expressão "regularizações não frequentes e de grande significado", relativamente à conta 59 - "Resultados Transitados" 92/93 8 (93) 9 Contabilização nas contas individuais da detentora de partes de capital em filiais e associados * Aditamento 92/93 28 (91) 10 Regime transitório da contabilização da locação financeira 92/93-11 IVA Intracomunitário 92/93-12 Conceito contabilístico de trespasse 92/93 22 (93) 27 (90) 13 Conceito de justo valor 92/94 22 (93) 14 Demonstração dos fluxos de caixa 92/93 7 (92) 6

7 Nº DIRECTRIZES CONTABILÍSTICAS APROV./ PUBLI. IAS INFLUÊNCIA 15 Remição e amortização de acções 94/95-16 Reavaliação de activos imobiliários tangíveis 95/95 16 (93) 17 Contratos de Futuros 96/97 32 (95) 18 Objectivo das demonstrações financeiras e princípios contabilísticos geralmente aceites 96/97 1 (97) 19 Benefícios de reforma * (Rectificação) 97/97 19 (98) 20 Demonstrações dos resultados por funções * Rectificação 97/97 1 (97) 21 Contabilização dos efeitos da introdução do EURO * Aditamento 97/00 21 (93) 7

8 Nº DIRECTRIZES CONTABILÍSTICAS APROV./ PUBLI. IAS INFLUÊNCIA 22 Transacções sujeitas a Impostos Especiais sobre o Consumo 98/98-23 Relações entre entidades contabilísticas de uma mesma entidade Jurídica 98/98-24 Empreendimentos conjuntos 98/00 31 (98 25 Locações 98/00 17 (97) 26 Rédito 99/00 18(93) 27 Relato Financeiro por segmentos 00/01 14 (97) 28 Impostos sobre o rendimento 01/02 12 (98) 29 Matérias Ambientais 02/05 36 (98) 37 (98) 38 (98) 8

9 Regulamento (CE) n.º 1606/02 - Artigo 4º - EM RELAÇÃO A CADA EXERCÍCIO FINANCEIRO COM INÍCIO EM OU DEPOIS DE 1 DE JANEIRO DE 2005, AS SOCIEDADES REGIDAS PELA LEGISLAÇÃO DE UM ESTADO-MEMBRO DEVEM ELABORAR AS SUAS CONTAS CONSOLIDADAS EM CONFORMIDADE COM AS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE, ADOPTADAS NOS TERMOS DO N.º 2 DO ARTIGO 6.º, SE, À DATA DO BALANÇO E CONTAS, OS SEUS VALORES MOBILIÁRIOS ESTIVEREM ADMITIDOS À NEGOCIAÇÃO NUM MERCADO REGULAMENTADO DE QUALQUER ESTADO-MEMBRO, NA ACEPÇÃO DO N.º 13 DO ARTIGO 1.º, DA DIRECTIVA 93/22/CEE DO CONSELHO, DE 10 DE MAIO DE 1993, RELATIVA AOS SERVIÇOS DE INVESTIMENTO NO DOMÍNIO DOS VALORES MOBILIÁRIOS. 9

10 Regulamento (CE) n.º 1606/02 - Artigo 5º - OS ESTADOS MEMBROS PODEM PERMITIR OU REQUERER: A) ÀS SOCIEDADES REFERIDAS NO ARTIGO 4.º, QUE ELABOREM AS SUAS CONTAS ANUAIS, B) ÀS SOCIEDADES QUE NÃO AS REFERIDAS NO ARTIGO 4.º QUE ELABOREM AS SUAS CONTAS CONSOLIDADAS E/OU AS SUAS CONTAS ANUAIS...EM CONFORMIDADE COM AS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE ADOPTADAS NOS TERMOS DO N.º 2 DO ARTIGO 6. 10

11 Regulamento (CE) n.º 1725/03 (e subsequentes) 707/2004, DE 6 DE ABRIL; 2086/2004, DE 19 DE NOVEMBRO; 2236/2004, DE 29 DE DEZEMBRO; 2237/2004, DE 29 DE DEZEMBRO; 2238/2004, DE 29 DE DEZEMBRO; 211/2005, DE 4 DE FEVEREIRO; 1073/2005, DE 7 DE JULHO; 1073/2005, DE 7 DE JULHO; 1751/2005, DE 25 DE OUTUBRO; 1864/2005, DE 15 DE NOVEMBRO; 1910/2005, DE 8 DE NOVEMBRO; 2106/2005, DE 21 DE DEZEMBRO; 108/2006, DE 11 DE JANEIRO; E 708/2006, DE 8 DE MAIO. 11

12 AS OPÇÕES AO ABRIGO DO ARTIGO 5º DO REG (CE) 1606/02 EM PORTUGAL - O DECRETO-LEI N.º 35/05 - DOIS MODELOS ACTUAIS EM VIGÔR: MODELO IFRS/IAS ENTIDADES COTADAS ENTIDADES QUE OPTEM PELAS IAS (AO ABRIGO DO ART.º 12 DO DL 35/05) MODELO POC+DC AS DEMAIS ENTIDADES 12

13 DL 35/05 - Artigo 14º - O NÓ FISCAL... PARA EFEITOS FISCAIS, NOMEADAMENTE DE APURAMENTO DO LUCRO TRIBUTÁVEL, AS ENTIDADES QUE, NOS TERMOS DO PRESENTE DIPLOMA, ELABOREM AS CONTAS INDIVIDUAIS EM CONFORMIDADE COM AS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE SÃO OBRIGADAS A MANTER A CONTABILIDADE ORGANIZADA DE ACORDO COM A NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA NACIONAL E DEMAIS DISPOSIÇÕES LEGAIS EM VIGOR PARA O RESPECTIVO SECTOR DE ACTIVIDADE.... HAVENDO ESPERANÇA DE QUE POSSA VIR A SER DESATADO 13

14 N O V O S I S T E M A DIPLOMA(S) LEGAL(AIS) DE ENQUADRAMENTO BASES E NORMATIVOS DE CARÁCTER GERAL ESTRUTURA CONCEPTUAL BASES DE APRESENTAÇÃO DE DF NORMAS CONTABILÍSTICAS E DE RELATO FINANCEIRO NCRF 1... NCRF n NORMAS INTERPRETATIVAS NI 1... NI n MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GERAIS SIMPLIFICADOS CODIFICAÇÃO DE CONTAS QUADRO DE CONTAS LISTA DE CONTAS 14

15 DECRETO LEI Nº SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA (SNC) DEC. LEI REGIME CONTAB PORTARIA AVISO E S T R U T U R A C O N C E P T U A L ( E C ) MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (MDF) NORMAS CONTABILÍSTICAS E DE RELATO FINANCEIRO (NCRF) ESTRUTURA CONCEPTUAL (EC) CÓDIGO DE CONTAS (CC) NORMAS INTERPRETATIVAS (NI) 15 MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PARA PEQUENAS ENTIDADES (MDF - PE) NORMA CONTABILÍSTICA E DE RELATO FINANCEIRO PARA PEQUENAS ENTIDADES (NCRF - PE) Fonte: Comissão Executiva da CNC R E G I M E P A R A P E Q U E N A S E N T I D A D E S * O P Ç Ã O

16 A PARTIR DE 37 IAS IFRS ADOPÇÃO DE 28 NCRF 1 NCRF-PE... A PARTIR DE 19 NCRF 16

17 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras 2 Demonstração de fluxos de caixa 3 Adopção pela primeira vez das NCRF 4 Políticas contabilísticas, alterações nas estimativas contabilísticas e erros 5 Divulgação de partes relacionadas 6 Activos intangíveis 7 Activos fixos tangíveis 8 Activos não correntes detidos para venda e unidades operacionais descontinuadas 9 Locações NCRF - Normas Contabilísticas e de Relato Financeiro - 17

18 10 Custos de empréstimos obtidos 11 Propriedades de investimento 12 Imparidade de activos 13 Interesses em empreendimentos conjuntos e investimentos em associadas 14 Concentrações de actividades empresariais 15 Investimentos em subsidiárias e consolidação 16 Exploração e avaliação de recursos minerais 17 Agricultura 18 Inventários NCRF - Normas Contabilísticas e de Relato Financeiro - 18

19 NCRF - Normas Contabilísticas e de Relato Financeiro - 19 Contratos de construção 20 Rédito 21 Provisões, passivos contingentes e activos contingentes 22 Contabil. dos subs. do Governo e divulg. de apoios do Governo 23 Os efeitos de alterações em taxas de câmbio 24 Acontecimentos após a data do balanço 25 Impostos sobre o rendimento 26 Matérias ambientais 27 Activos e passivos financeiros 28 Benefícios dos empregados XX Norma Contabilística e de Relato Financeiro Pequenas Entidades 19

20 UMA ESTRUTURA CONCEPTUAL DEFINIÇÃO DE UM CONJUNTO COMPLETO DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PRESSUPOSTOS SUBJACENTES À PREPARAÇÃO DAS DF CARACTERÍSTICAS QUALITATIVAS DA INFORMAÇÃO FINANCEIRA (DE PRIMEIRA E SEGUNDA ORDEM) QUAIS SÃO (E A QUE REQUISITOS ESSENCIAIS OBEDECE O RECONHECIMENTO DOS) ELEMENTOS INTEGRANTES DAS CLASSES CONTABILÍSTICAS RELATIVAS: À POSIÇÃO FINANCEIRA (ACTIVOS E PASSIVOS) AO DESEMPENHO (RENDIMENTOS E GASTOS) ESPECIFICAÇÃO DO RECONHECIMENTO DOS AJUSTAMENTOS DE MANUTENÇÃO DE CAPITAL 20

21 UMA ESTRUTURA CONCEPTUAL QUAIS OS CONCEITOS DE BASE RELATIVOS À MENSURAÇÃO DOS ELEMENTOS DAS DF O QUE É O CAPITAL (PRÓPRIO) E NO QUE CONSISTE A SUA MANUTENÇÃO 21

22 PILARES DA NORMALIZAÇÃO RECONHECIMENTO MENSURAÇÃO APRESENTAÇÃO DIVULGAÇÃO 22

23 UM CONJUNTO COMPLETO DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS UM BALANÇO UMA DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS UMA DEMONSTRAÇÃO DAS ALTERAÇÕES NO CAPITAL PRÓPRIO UMA DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA UM ANEXO 23

24 BASES DE APRESENTAÇÃO CONTINUIDADE REGIME DE DE ACRÉSCIMO CONSISTÊNCIA DE APRESENTAÇÃO MATERIALIDADE E AGREGAÇÃO (NÃO) COMPENSAÇÃO INFORMAÇÃO COMPARATIVA 24

25 SOBRE A APRESENTAÇÃO DO BALANÇO SEPARAÇÃO ENTRE ACTIVOS (PASSIVOS) CORRENTES E NÃO CORRENTES (E EM LIQUIDEZ CRESCENTE) FORMATO VERTICAL O ACTIVO APENAS COM UMA COLUNA PARA OS DOIS PERÍODOS COMPARADOS MAPA MAIS REDUZIDO / COM MENOS LINHAS OBRIGATÓRIAS MODELO ÚNICO DE BASE PARA CONTAS INDIVIDUAIS E CONSOLIDADAS REFERENCIAÇÃO CRUZADA COM O ANEXO ALGUMAS RUBRICAS AUTÓNOMAS NOVAS (EX.: GOODWILL E ACTIVOS BIOLÓGICOS) INTERESSES MINORITÁRIOS NO CAPITAL PRÓPRIO 25

26 SOBRE A APRESENTAÇÃO DA DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS APENAS UMA DEMONSTRAÇÃO (POR NATUREZAS OU POR FUNÇÕES COM DIVULGAÇÃO EM SEPARADO DAS NATUREZAS) NOMENCLATURA NOVA AUSÊNCIA DE RUBRICAS EXTRAORDINÁRIAS FORMATO VERTICAL RENDIMENTOS APRESENTADOS ANTES DOS GASTOS MENOS LINHAS OBRIGATÓRIAS MODELO ÚNICO PARA CONTAS INDIVIDUAIS E CONSOLIDADAS EVIDENCIAÇÃO DOS INTERESSES MINORITÁRIOS INCLUSÃO DOS RESULTADOS POR ACÇÃO MOVIMENTOS DO PERÍODO POR AJUSTAMENTOS, IMPARIDADES E PROVISÕES APRESENTADOS NUMA QUANTIA LÍQUIDA REFERENCIAÇÃO CRUZADA COM O ANEXO 26

27 DEMONSTRAÇÃO DAS ALTERAÇÕES NO CAPITAL PRÓPRIO MATRIZ COM AS RUBRICAS DE BALANÇO EM COLUNA EM LINHA, OS MOVIMENTOS RELATIVOS A: - PRIMEIRA ADOPÇÃO DO REFERENCIAL CONTABILÍTICO - ALTERAÇÕES DE POLÍTICAS CONTABILÍSTICAS - AUMENTOS / REDUÇÕES DE CAPITAL - AUMENTOS / DIMINUIÇÕES NO EXCEDENTE DE VALORIZAÇÃO DE ACTIVOS FIXOS - REALIZAÇÃO DO EXCEDENTE DE VALORIZAÇÃO DE ACTIVOS FIXOS - AUMENTOS DE RESERVAS POR APLICAÇÃO DOS RESULTADOS - DISTRIBUIÇÃO DE RESERVAS - OUTROS AUMENTOS / DIMINUIÇÕES DE RESERVAS - DISTRIBUIÇÃO DE LUCROS / COBERTURA DE PREJUÍZOS - AUMENTOS / DIMINUIÇÕES DE VALOR EM INVESTIMENTOS DISPONÍVEIS PARA VENDA 27

28 DEMONSTRAÇÃO DAS ALTERAÇÕES NO CAPITAL PRÓPRIO (CONT.) EM LINHA, MOVIMENTOS RELATIVOS A: - OUTROS AUMENTOS / DIMINUIÇÕES DE VALOR EM INSTRUMENTOS FINANCEIROS - CORRECÇÕES RELATIVAS A PERÍODOS ANTERIORES - AJUSTAMENTOS POR RECONHECIMENTO DE IMPOSTOS DIFERIDOS - DIFERENÇAS DE CONVERSÃO DE BALANÇOS EXPRESSOS EM MOEDA DIFERENTE DA DE RELATO - OUTROS GANHOS / PERDAS RECONHECIDOS DIRECTAMENTE NO CAPITAL PRÓPRIO - TRANSFERÊNCIAS - RESULTADO LÍQUIDO DO PERÍODO - DISTRIBUIÇÃO ANTECIPADA DE LUCROS - INTERESSES MINORITÁRIOS 28

29 RECONHECIMENTO - ESTABELECIMENTO DE REQUISITOS PRÓPRIOS DE RECONHECIMENTO PARA: - ACTIVOS E PASSIVOS - RENDIMENTOS E GASTOS - CLARIFICAÇÃO DAS FRONTEIRAS ENTRE: - ACTIVOS / PASSIVOS - E - RENDIMENTOS/GASTOS - REQUISITOS SOBRE RECONHECIMENTO DE GANHOS E PERDAS EM RESULTADOS OU DIRECTAMENTE EM CAPITAL PRÓPRIO - EXPLICITAÇÃO DE ALTERAÇÕES DE POLITÍCAS E ESTIMATIVAS CONTABILÍSTICAS E SEU TRATAMENTO - UMA MAIS ESTRITA POSSIBILIDADE DE RECONHECIMENTO DE ACTIVOS (NOMEADAMENTE NOS INTANGIVEIS) - UMA CLARIFICAÇÃO DO RECONHECIMENTO DE PASSIVOS, INCLUINDO PROVISÕES, BEM COMO DAS CONTINGÊNCIAS - RECONHECIMENTO DE OSCILAÇÕES DE VALOR NOS ACTIVOS E PASSIVOS, MESMO NÃO REALIZADAS 29

30 MENSURAÇÃO - MANUTENÇÃO DO CUSTO HISTÓRICO, EMBORA DE FORMA MENOS INTENSA - ADOPÇÃO DO JUSTO VALOR NO RECONHECIMENTO DO RÉDITO - INCORPORAÇÃO DO JUSTO VALOR NA MENSURAÇÃO DE ACTIVOS E PASSIVOS FINANCEIROS, DE PROPRIEDADES DE INVESTIMENTO, DE ACTIVOS TANGÍVEIS E INTANGÍVEIS - ADOPÇÃO DO VALOR REALIZAVEL (DE LIQUIDAÇÃO, NOS PASSIVOS) EM ACTIVOS TANGÍVEIS, INVENTÁRIOS E, EM CERTAS CIRCUNSTÂNCIAS, EM INSTRUMENTOS FINANCEIROS - INCORPORAÇÃO DE METODOLOGIAS DE CÁLCULO FINANCEIRO, ACTUARIAL E TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO DE NEGÓCIOS 30

31 DIVULGAÇÃO - AUMENTO SIGNIFICATIVO DA IMPORTÂNCIA E EXTENSÃO DO ANEXO - CLARA SEPARAÇÃO QUALITATIVA ENTRE DUAS PARTES DO ANEXO: - UMA QUALITATIVA SOBRE BASES DE PREPARAÇÃO E POLÍTICAS CONTABILÍSTICAS - OUTRA SOBRE DISCRIMINAÇÃO E EXPLICAÇÃO DE RUBRICAS - DISCRIMINAÇÃO EXAUSTIVA DOS CRITÉRIOS E OPÇÕES RELATIVAS A QUASE TODAS AS RUBRICAS: - DA DEMONSTRAÇÃO DE BALANÇO - DA DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS - DA DEMONSTRAÇÃO DAS ALTERAÇÕES NO CAPITAL PRÓPRIO - DA DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA - EXPLICITAÇÃO DE INFORMAÇÕES NÃO FINANCEIRAS (INCLUINDO MATÉRIAS AMBIENTAIS) 31

32 O NOVO MODELO IMPLICA UMA DECISIVA MUDANÇA DE ATITUDE DUMA CONTABILIDADE MAIS PREOCUPADA COM O REGISTO / ESCRITURAÇÃO PARA UMA CONTABILIDADE MAIS PREOCUPADA COM A PRESTAÇÃO DE INFORMAÇÃO PARA O EXTERIOR 32

Sistema de Normalização Contabilística proposto pela CNC enquanto referencial normativo em Cabo Verde

Sistema de Normalização Contabilística proposto pela CNC enquanto referencial normativo em Cabo Verde Sistema de Normalização Contabilística proposto pela CNC enquanto referencial normativo em Cabo Verde P o r C r i s t i n a G o n ç a l v e s e J o a q u i m S a n t a n a F e r n a n d e s Cabo Verde

Leia mais

DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA Nº 24 EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS 1. OBJECTIVO 1 2. DEFINIÇÕES 2 3. TIPOS DE EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS 2

DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA Nº 24 EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS 1. OBJECTIVO 1 2. DEFINIÇÕES 2 3. TIPOS DE EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS 2 DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA Nº 24 EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS INDICE 1. OBJECTIVO 1 2. DEFINIÇÕES 2 3. TIPOS DE EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS 2 3.1. Operações conjuntamente controladas 3 3.2. Activos conjuntamente

Leia mais

Contabilidade Geral. Gestão do Desporto. Ano 2011/2012

Contabilidade Geral. Gestão do Desporto. Ano 2011/2012 Gestão do Desporto Ano 2011/2012 CONTABILIDADE GERAL Objectivos da disciplina Programa Metodologia / Método de estudo Avaliação Bibliografia Contactos PROGRAMA 1. Introdução 2. Breve Análise da Normalização

Leia mais

Impostos Diferidos e o SNC

Impostos Diferidos e o SNC Impostos Diferidos e o SNC Na vigência do anterior Plano Oficial de Contabilidade (POC) a Directriz Contabilistica (DC) nº 28, da Comissão de Normalização Contabilística (CNC) veio, em tempo, estabelecer

Leia mais

PROPOSTA DE FORNECIMENTO DE SERVIÇOS APOIO REMOTO À EXECUÇÃO DA CONTABILIDADE POC-EDUCAÇÃO

PROPOSTA DE FORNECIMENTO DE SERVIÇOS APOIO REMOTO À EXECUÇÃO DA CONTABILIDADE POC-EDUCAÇÃO PROPOSTA DE FORNECIMENTO DE SERVIÇOS (DESIGNAÇÃO DA ESCOLA) dia de mês de ano SNN SERVIÇOS DE GESTÃO APLICADA, LDA ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS... 3 METODOLOGIA E CRONOGRAMA... 5 Metodologia...

Leia mais

Introdução à Contabilidade 2014/2015. Financeira

Introdução à Contabilidade 2014/2015. Financeira Introdução à Contabilidade 2014/2015 Financeira 2 Sumário 1. O papel da contabilidade nas organizações. 2. A contabilidade externa vs a contabilidade interna. 3. Os diversos utilizadores da contabilidade.

Leia mais

FUNDOS DE PENSÕES / INVESTIMENTOS. Activos_FP_####_MMAAAA.xls/Cabeçalho. Actividade em: Activos_FP. Data:

FUNDOS DE PENSÕES / INVESTIMENTOS. Activos_FP_####_MMAAAA.xls/Cabeçalho. Actividade em: Activos_FP. Data: Activos_FP Data: CE: NE: Actividade em: FUNDOS DE PENSÕES / INVESTIMENTOS Activos_FP_####_MMAAAA.xls/Cabeçalho Activos_FP_####_MMAAAA.xls/Grupo económico Activos_FP - Grupo Económico Código Grupo Económico

Leia mais

Contabilidade Normas Internacionais Futura Normalização Contabilística. 1 de Março de 2007

Contabilidade Normas Internacionais Futura Normalização Contabilística. 1 de Março de 2007 Contabilidade Normas Internacionais 1 de Março de 2007 O pessimista queixa-se do vento, o optimista espera que ele mude e o realista ajusta as velas (William George Ward) 1. Influência do meio envolvente

Leia mais

Agenda Evolução de mapas legais Obrigado AGENDA Evolução do Normativo Contabilístico Nacional SNC Demonstrações Financeiras A nova terminologia Dificuldades de transição Siglas SNC: Sistema de Normalização

Leia mais

Financiamento e Empreendedorismo Cultural

Financiamento e Empreendedorismo Cultural Financiamento e Empreendedorismo Cultural Instrumentos e Soluções de Investimento Porto, 2 de Julho 2009 Financiamento e Empreendedorismo Cultural 1 Programa Financiamentos ao Sector Cultural Soluções

Leia mais

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Agosto de 2011 1 Contratos de Construção Enquadramento Contabilístico e Fiscal 2 Revisores e Auditores 7

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Agosto de 2011 1 Contratos de Construção Enquadramento Contabilístico e Fiscal 2 Revisores e Auditores 7 Assuntos Resumo Fiscal/Legal Agosto de 2011 1 Contratos de Construção Enquadramento Contabilístico e Fiscal 2 Revisores e Auditores 7 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL AGOSTO DE 2011 Ministério das Finanças - Gabinete

Leia mais

O IRC no Orçamento do Estado para 2012. Audit Tax Advisory Consulting

O IRC no Orçamento do Estado para 2012. Audit Tax Advisory Consulting Audit Tax Advisory Consulting Opção por período de tributação distinto do ano civil Período mínimo de vigência da opção: 5 anos Período mínimo poderá ser < 5 anos, se o s.p. passar a integrar grupo obrigado

Leia mais

Universidade Metodista de Angola Contabilidade Financeira III. Recurso de Contabilidade Financeira III

Universidade Metodista de Angola Contabilidade Financeira III. Recurso de Contabilidade Financeira III Universidade Metodista de Angola Contabilidade Financeira III 2º Ano; Turmas A; Turno Noite; Data: 25/07/2013 Aluno nº: Nome: Recurso de Contabilidade Financeira III Georgina Ribeiro, Empresaria e Jurista,

Leia mais

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014 Exercício 2014 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 6 Demonstração dos Fluxos de Caixa Individuais em...7

Leia mais

A ESTRUTURA CONCEPTUAL DA CONTABILIDADE E DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (DO POC AO SNC)

A ESTRUTURA CONCEPTUAL DA CONTABILIDADE E DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (DO POC AO SNC) A ESTRUTURA CONCEPTUAL DA CONTABILIDADE E DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (DO POC AO SNC) JOAQUIM CUNHA GUIMARÃES jfcguimaraes@jmmsroc.pt www.jmmsroc.pt CAPÍTULO I A Estrutura Conceptual da Contabilidade

Leia mais

Contabilidade Financeira II 2008/2009

Contabilidade Financeira II 2008/2009 Contabilidade Financeira II 2008/2009 Apresentação Apresentação Docentes Programa Bibliografia Avaliação Trabalho de Grupo Site da Cadeira - Contabilidade Financeira II 2008/2009 1º Semestre 2 1 Docentes

Leia mais

ORIENTAÇÕES (2014/647/UE)

ORIENTAÇÕES (2014/647/UE) 6.9.2014 L 267/9 ORIENTAÇÕES ORIENTAÇÃO DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 3 de junho de 2014 que altera a Orientação BCE/2013/23 relativa às estatísticas das finanças públicas (BCE/2014/21) (2014/647/UE) A COMISSÃO

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PROJECTO SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA COMISSÃO DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA

APRESENTAÇÃO DO PROJECTO SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA COMISSÃO DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA APRESENTAÇÃO DO PROJECTO SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA COMISSÃO DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA motivos insuficiência do POC, face a maiores exigências de relato necessidade de revisão técnica

Leia mais

CAPÍTULO II - A CONTABILIZAÇÃO DO IMPOSTO SOBRE OS LUCROS SITUAÇÃO INTERNACIONAL

CAPÍTULO II - A CONTABILIZAÇÃO DO IMPOSTO SOBRE OS LUCROS SITUAÇÃO INTERNACIONAL AGRADECIMENTOS... NOTA PRÉVIA... ABREVIATURAS... RESUMO... PREFÁCIO... INTRODUÇÃO... BREVE ABORDAGEM DA PROBLEMÁTICA E OBJECTIVOS DO ESTUDO... METODOLOGIA... PLANO DA INVESTIGAÇÃO... PARTE I - AS RELAÇÕES

Leia mais

Impacto fiscal das normas IAS/IFRS Especial ênfase no sector não financeiro e não segurador. Domingos Cravo GETOC ISCA UA Out2007

Impacto fiscal das normas IAS/IFRS Especial ênfase no sector não financeiro e não segurador. Domingos Cravo GETOC ISCA UA Out2007 Impacto fiscal das normas IAS/IFRS Especial ênfase no sector não financeiro e não segurador Domingos Cravo GETOC ISCA UA Out2007 1 2 Plano da Apresentação 1. As IAS/IFRS no ordenamento contabilístico Comunitário

Leia mais

ÍNDICE 23-11-2009. Fluxos de Caixa e Dinâmica Patrimonial (O caso português) 1 História (Breve) da Normalização Contabilística em Portugal *

ÍNDICE 23-11-2009. Fluxos de Caixa e Dinâmica Patrimonial (O caso português) 1 História (Breve) da Normalização Contabilística em Portugal * Uberlândia (Brasil) Fluxos de Caixa e Dinâmica Patrimonial (O caso português) Joaquim Fernando da Cunha Guimarães Revisor Oficial de Contas n.º 790 Docente do Ensino Superior Técnico Oficial de Contas

Leia mais

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras Nos termos do previsto no ponto 2.1.4. das Bases para a Apresentação das Demonstrações

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA. Exame 2.ª época de Contabilidade Financeira 2.º semestre 2007/08

FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA. Exame 2.ª época de Contabilidade Financeira 2.º semestre 2007/08 FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Exame 2.ª época de Contabilidade Financeira 2.º semestre 2007/08 Data: 28 de Junho de 2008 Início: 11h30m Duração: 2h15m Cotação e tempo esperado de resolução:

Leia mais

Anúncio de adjudicação de contrato

Anúncio de adjudicação de contrato 1/ 18 ENOTICES_icmartins 27/10/2011- ID:2011-149873 Formulário-tipo 3 - PT União Europeia Publicação no suplemento do Jornal Oficial da União Europeia 2, rue Mercier, L-2985 Luxembourg Fax (352) 29 29-42670

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Recomendação Técnica n.º 5

Manual do Revisor Oficial de Contas. Recomendação Técnica n.º 5 Recomendação Técnica n.º 5 Revisão de Demonstrações Financeiras Intercalares Janeiro de 1988 Índice Julho de 1993 (1ª Revisão) Parágrafos Introdução 1-3 Justificação 4-5 Objectivos 6-8 Recomendações 9-17

Leia mais

Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (IRC)

Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (IRC) FLASH NEWS FISCAL N.º 2 (IRC) PROPOSTA ORÇAMENTO DE ESTADO 2012 Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (IRC) Taxas de IRC É eliminada a taxa de 12,5% aplicável aos primeiros 12.500,00 de matéria

Leia mais

O Sistema de Normalização Contabilística (SNC)

O Sistema de Normalização Contabilística (SNC) Universidade Lusíada de V.N. de Famalicão O Sistema de Normalização Contabilística (SNC) POR: JOAQUIM FERNANDO DA CUNHA GUIMARÃES - Revisor Oficial de Contas n.º 790 - Técnico Oficial de Contas n.º 2586

Leia mais

MÉTODO EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL. Norma aplicável: NCRF 13 Inter. em Empr. Conj. e Investimentos em Associadas

MÉTODO EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL. Norma aplicável: NCRF 13 Inter. em Empr. Conj. e Investimentos em Associadas MÉTODO EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL Norma aplicável: NCRF 13 Inter. em Empr. Conj. e Investimentos em Associadas Definições relevantes: Associada: é uma entidade (aqui se incluindo as entidades que não sejam

Leia mais

Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas

Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas 19 de Dezembro de 2011 O IRC na receita fiscal -5,3% IRC Page 2/28 Artigos alterados 8.º - Período de tributação 10.º - Isenções 29.º - Depreciações 52.º

Leia mais

A fiscalidade na gestão da actividade agrícola

A fiscalidade na gestão da actividade agrícola Ponto de partida: 2 sistemas contabilísticos diferentes Microentidades SNC pergunta: isto é relevante para a actividade agrícola? @Abílio Sousa Junho de 2011 2 Condicionante: a escolha do normativo contabilístico

Leia mais

Sistema de Normalização Contabilística

Sistema de Normalização Contabilística Sistema de Normalização Contabilística A MUDANÇA PARA UM NOVO AMBIENTE CONTABILISTICO SETEMBRO OUTUBRO NOVEMBRO DEZEMBRO 2009 1 Sistema de Normalização Contabilística Trata-se de uma mudança de grande

Leia mais

ASSOCIAÇÃO HELPO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 31-12-2015

ASSOCIAÇÃO HELPO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 31-12-2015 ASSOCIAÇÃO HELPO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 31-12-2015 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR NATUREZA DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA DEMONSTRAÇÃO DAS ALTERAÇÕES NOS FUNDOS PATRIMONIAIS ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

Programa Incentivo 2014. Normas de execução financeira. 1. Âmbito do financiamento

Programa Incentivo 2014. Normas de execução financeira. 1. Âmbito do financiamento Programa Incentivo 2014 Normas de execução financeira 1. Âmbito do financiamento As verbas atribuídas destinam-se a financiar o funcionamento da instituição de investigação científica e desenvolvimento

Leia mais

União Europeia Publicação no suplemento do Jornal Oficial da União Europeia. Anúncio de adjudicação de contrato (Directiva 2004/18/CE)

União Europeia Publicação no suplemento do Jornal Oficial da União Europeia. Anúncio de adjudicação de contrato (Directiva 2004/18/CE) União Europeia Publicação no suplento do Jornal Oficial da União Europeia 2, rue Mercier, 2985 Luxbourg, Luxburgo Fax: +352 29 29 42 670 Correio electrónico: ojs@publications.europa.eu Informação e formulários

Leia mais

Adoção das normas internacionais de contabilidade Diretoria de Finanças, Relações com Investidores e Controle Financeiro de Participações - DFN Superintendência de Controladoria CR 1 Convergência A convergência

Leia mais

Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 8 Accounting Policies, Changes in Accounting Estimates and Errors

Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 8 Accounting Policies, Changes in Accounting Estimates and Errors Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 8 Accounting Policies, Changes in Accounting Estimates and Errors Situação: PARCIALMENTE DIVERGENTE 1. Introdução deve ser aplicado: O IAS 8 Accounting

Leia mais

Linha de Crédito PME CRESCIMENTO 2014 (Condições da Linha)

Linha de Crédito PME CRESCIMENTO 2014 (Condições da Linha) Linha de Crédito PME CRESCIMENTO 2014 (Condições da Linha) Linha de Crédito Bonificada com Garantia Mútua (atualizado a 30 de abril de 2014) UNIÃO EUROPEIA Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional Enquadramento

Leia mais

REGULAMENTO Artigo 1.º Criação do curso Artigo 2.º Objectivos Artigo 3.º Condições de acesso Artigo 4.º Critérios de selecção

REGULAMENTO Artigo 1.º Criação do curso Artigo 2.º Objectivos Artigo 3.º Condições de acesso Artigo 4.º Critérios de selecção REGULAMENTO Artigo 1.º Criação do curso A Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra (FEUC) e a Escola de Economia e Gestão da Universidade do Minho (EEGUM), através do seu Departamento de Economia,

Leia mais

Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas. O Regime de pequenas entidades no quadro do SNC

Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas. O Regime de pequenas entidades no quadro do SNC Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas O Regime de pequenas entidades no quadro do SNC Domingos José Cravo Setembro/Outubro de 2009 Nota prévia: O presente documento foi preparado para servir de apoio

Leia mais

Projetos - Vales Vocacionado para apoiar as PME. Apresentação de Candidaturas 2ª fase até 31 d Agosto 2015. Se precisa de:

Projetos - Vales Vocacionado para apoiar as PME. Apresentação de Candidaturas 2ª fase até 31 d Agosto 2015. Se precisa de: Apresentação de Candidaturas 2ª fase até 31 d Agosto 2015 Projetos - Vales Vocacionado para apoiar as PME Se precisa de: Prospetar novos Clientes em mercados externos Elaborar um plano de negócios para

Leia mais

Os Juízos de Valor e os Impostos Diferidos

Os Juízos de Valor e os Impostos Diferidos Os Juízos de Valor e os Impostos Diferidos Ilídio Tomás Lopes Escola Superior de Gestão e Tecnologia do Instituto Politécnico de Santarém ilidio.lopes@esg.ipsantarem.pt 16 de março de 2012 Coimbra Objetivos

Leia mais

O NOVO SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA EM PORTUGAL

O NOVO SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA EM PORTUGAL XV SEMINÁRIO INTERNACIONAL Badajoz, 26 e 27 de Novembro de 2007 O NOVO SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA EM PORTUGAL Carlos Baptista da Costa Professor do Instituto Superior de Contabilidade e Administração

Leia mais

Custos do Mercado. Regulamento n.º 1/2005, de 22 de Janeiro de 2007 B.O n.º 4 - I Série

Custos do Mercado. Regulamento n.º 1/2005, de 22 de Janeiro de 2007 B.O n.º 4 - I Série Custos do Mercado Regulamento n.º 1/2005, de 22 de Janeiro de 2007 B.O n.º 4 - I Série Regulamento n.º 2/2006, de 22 de Janeiro de 2007 B.O n.º 4 - I Série Rectificação do Regulamento n.º 2/2006, de 5

Leia mais

C I G E CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM GESTÃO E ECONOMIA UNIVERSIDADE PORTUCALENSE INFANTE D. HENRIQUE

C I G E CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM GESTÃO E ECONOMIA UNIVERSIDADE PORTUCALENSE INFANTE D. HENRIQUE C I G E CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM GESTÃO E ECONOMIA UNIVERSIDADE PORTUCALENSE INFANTE D. HENRIQUE DOCUMENTOS DE TRABALHO WORKING PAPERS Nº 20 2011 SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA - (SNC) Dr. Carlos

Leia mais

6 C ; > OE O ƐƚĂƚƵƐ 6 > 8 2/ 72 - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0

Leia mais

Fundação Casa Museu Mario Botas

Fundação Casa Museu Mario Botas DEMOSNTRAÇAO DE RESULTADOS 2012 Fundação Casa Museu Mario Botas RENDIMENTOS E GASTOS 31-Dez-2012 31-Dez-2011 Vendas 551,62 Prestação de serviços Subsídios à exploração Ganhos/perdas imputados a subsidiárias

Leia mais

PORTARIA Nº 72, DE 01 DE FEVEREIRO DE 2012

PORTARIA Nº 72, DE 01 DE FEVEREIRO DE 2012 REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 15 de Novembro de 1889 PORTARIA Nº 72, DE 01 DE FEVEREIRO DE 2012 Estabelece normas gerais de consolidação das contas dos consórcios públicos a serem observadas na gestão

Leia mais

Formação-ação no domínio da competitividade e internacionalização -Portugal 2020- Maria José Caçador 15.abril.2016

Formação-ação no domínio da competitividade e internacionalização -Portugal 2020- Maria José Caçador 15.abril.2016 Formação-ação no domínio da competitividade e internacionalização -Portugal 2020- Maria José Caçador 15.abril.2016 ENQUADRAMENTO SISTEMA DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Inovação Empresarial e Empreendedorismo

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 Demonstrações de

Leia mais

Activos Fixos Tangíveis (IAS 16) Activos Fixos Tangíveis

Activos Fixos Tangíveis (IAS 16) Activos Fixos Tangíveis AULA 07 Activos Fixos Tangíveis (IAS 16) Mensuração inicial Mensuração após o reconhecimento Modelo do custo Modelo de revalorização Métodos de depreciação: Método da linha recta (quotas constantes) Método

Leia mais

08 BALANÇO & CONTAS. em 31 Dezembro 2008

08 BALANÇO & CONTAS. em 31 Dezembro 2008 08 BALANÇO & CONTAS em 31 Dezembro 2008 BALANÇO CÓDIGO DAS CONTAS ACTIVO Activo Bruto 2008 Amortizações e Ajustamentos Activo Líquido 2007 Activo Líquido IMOBILIZADO Imobilizações incorpóreas: 431 Despesas

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA (SNC) 5ª Edição

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA (SNC) 5ª Edição CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA (SNC) 5ª Edição Instituto Politécnico do Cávado e do Ave Escola Superior de Gestão Março de 2009 JUSTIFICAÇÃO DO CURSO No âmbito do processo

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO:

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO: CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO: SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA (SNC) Apresentação A Comissão de Normalização Contabilística aprovou em Julho de 2007 o projecto do novo Sistema de Normalização Contabilística

Leia mais

Regime fiscal das fundações. Guilherme W. d Oliveira Martins FDL

Regime fiscal das fundações. Guilherme W. d Oliveira Martins FDL Regime fiscal das fundações Guilherme W. d Oliveira Martins FDL DUP e benefícios fiscais O regime fiscal das Fundações/IPSS depende da atribuição da declaração de utilidade pública a essas pessoas coletivas.

Leia mais

A REFORMA TRIBUTÁRIA EM ANGOLA

A REFORMA TRIBUTÁRIA EM ANGOLA www.fbladvogados.com A REFORMA TRIBUTÁRIA EM ANGOLA As Principais Linhas de Orientação ÍNDICE 1. O PERT: Missão e Objectivos 2. O Sistema Fiscal Angolano 2.1. A Tributação dos Rendimentos 2.2. A Tributação

Leia mais

A Certificação (Legal) das Contas

A Certificação (Legal) das Contas N.º de caracteres:9942 A Certificação (Legal) das Contas Por Joaquim Fernando da Cunha Guimarães Agosto de 2005 Revista de Contabilidade e Finanças da APPC A Certificação (Legal) das Contas, adiante designada

Leia mais

Cronograma dos Programas de Acção

Cronograma dos Programas de Acção P.1 Aplicação do novo quadro regulamentar às comunicações electrónicas 1. Participação, a nível internacional, nos trabalhos de implementação e eventuais ajustamentos decorrentes da revisão do actual quadro

Leia mais

Adotada Total / Parcial. Fundamento da não adoção. Recomendação. Não adotada. 1. Princípios Gerais

Adotada Total / Parcial. Fundamento da não adoção. Recomendação. Não adotada. 1. Princípios Gerais / 1. Princípios Gerais As instituições devem adotar uma política de remuneração consistente com uma gestão e controlo de riscos eficaz que evite uma excessiva exposição ao risco, que evite potenciais conflitos

Leia mais

3450-C0160-1 2013-05-20 PERÍODO DE TRIBUTAÇÃO. De 2012-01-01 a 2012-12-31 2012 ÁREA DA SEDE, DIREÇÃO EFETIVA OU ESTAB.

3450-C0160-1 2013-05-20 PERÍODO DE TRIBUTAÇÃO. De 2012-01-01 a 2012-12-31 2012 ÁREA DA SEDE, DIREÇÃO EFETIVA OU ESTAB. MODELO EM VIGOR A PARTIR DE JANEIRO DE 0 DECLARAÇÃO DE RENDIMENTOS IRC MODELO Identificação da Declaração Data de Receção Comprovativo de Entrega da Declaração Modelo Via Internet Elementos para validação

Leia mais

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras. 2.2. Activo. 2.

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras. 2.2. Activo. 2. MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras Nos termos do previsto no ponto 2.1.4. das Bases para a Apresentação das Demonstrações

Leia mais

SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA 2. BASES PARA A APRESENTAÇÃO DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 5. NORMAS CONTABILÍSTICAS E DE RELATO FINANCEIRO

SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA 2. BASES PARA A APRESENTAÇÃO DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 5. NORMAS CONTABILÍSTICAS E DE RELATO FINANCEIRO C N C C o m i s s ã o d e N o r m a l i z a ç ã o C o n t a b i l í s t i c a SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA Índice 1. APRESENTAÇÃO 2. BASES PARA A APRESENTAÇÃO DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 2.1.

Leia mais

Respostas a questões das IC s sobre a Linha de Crédito PME Investe II / QREN

Respostas a questões das IC s sobre a Linha de Crédito PME Investe II / QREN Respostas a questões das IC s sobre a Linha de Crédito PME Investe II / QREN 1. Beneficiários 1.1. As regras de enquadramento que se aplicam às empresas são as correspondentes à da região onde se localiza

Leia mais

NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa

NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 - Demonstrações de Fluxos de Caixa, adoptada pelo texto

Leia mais

BPI αlpha O FEI que investe em Produtos Estruturados.

BPI αlpha O FEI que investe em Produtos Estruturados. O FEI que investe em Produtos Estruturados. UMA NOVA FORMA DE INVESTIR O BPI Alpha é o primeiro Fundo Especial de Investimento (FEI) do BPI e tem como objectivo principal dar aos clientes o acesso a uma

Leia mais

Trabalho de Grupo. Contabilidade Geral 1. Ano lectivo 2007/2008 1º Semestre

Trabalho de Grupo. Contabilidade Geral 1. Ano lectivo 2007/2008 1º Semestre Trabalho de Grupo Contabilidade Geral 1 Ano lectivo 2007/2008 1º Semestre 1 1 Objectivo Pretende-se com o presente trabalho que os alunos procedam a uma análise sintética do Novo Sistema de Normalização

Leia mais

1.5. Sede da entidade-mãe Largo Cónego José Maria Gomes 4800-419 Guimarães Portugal.

1.5. Sede da entidade-mãe Largo Cónego José Maria Gomes 4800-419 Guimarães Portugal. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 (Montantes expressos em euros) 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1. Designação da Entidade Casfig Coordenação de âmbito social

Leia mais

Anexo III Plano de negócios. Plano de negócios da instituição financeira

Anexo III Plano de negócios. Plano de negócios da instituição financeira Constituição de IF Bancária Anexo III Plano de negócios Plano de negócios da instituição financeira De forma a aferir o cumprimento dos requisitos legais estabelecido na Lei das Instituições Financeiras,

Leia mais

Fundação Denise Lester

Fundação Denise Lester Relatório e Contas 2010 Fundação Denise Lester Fundação Denise Lester 1/14 Balanço ACTIVO Notas Exercício findo a 31/12/2010 Exercício findo a 31/12/2009 Activo não corrente Activos fixos tangíveis 2.291.289,31

Leia mais

Insolvência de Edigaia - Imobiliária, S.A. Tribunal do Comércio de Vila Nova de Gaia - 2.º Juízo. Processo 635/10.3TYVNG

Insolvência de Edigaia - Imobiliária, S.A. Tribunal do Comércio de Vila Nova de Gaia - 2.º Juízo. Processo 635/10.3TYVNG . Tribunal do Comércio de Vila Nova de Gaia - 2.º Juízo Processo 635/10.3TYVNG Relatório de Análise / Avaliação dos Activos Imobiliários 1 Identificação do Cliente Massa Insolvente de Edigaia - Imobiliária,

Leia mais

Emitente: CONSELHO DIRECTIVO. Norma Regulamentar N.º 21/2002-R. Data: 28/11/2002. Assunto:

Emitente: CONSELHO DIRECTIVO. Norma Regulamentar N.º 21/2002-R. Data: 28/11/2002. Assunto: Emitente: CONSELHO DIRECTIVO Norma Regulamentar N.º 21/2002-R Data: 28/11/2002 Assunto: POLÍTICA DE INVESTIMENTO DOS FUNDOS DE PENSÕES - REGRAS DE COMPOSIÇÃO DO PATRIMÓNIO E MECANISMOS DE DEFINIÇÃO, IMPLEMENTAÇÃO

Leia mais

Eficiência Energética e Certificação de Edifícios

Eficiência Energética e Certificação de Edifícios Eficiência Energética e Certificação de Edifícios DIA DA ENERGIA Energias Renováveis e Eficiência Energética nos Edifícios Instituto Universitário da Maia 29 de Maio de 2015 FRANCISCO PASSOS DIREÇÃO DE

Leia mais

PE ENQUADRAMENTO HISTÓRICO- -CONTABILÍSTICO E PERSPECTIVAS FUTURAS

PE ENQUADRAMENTO HISTÓRICO- -CONTABILÍSTICO E PERSPECTIVAS FUTURAS PE ENQUADRAMENTO HISTÓRICO- -CONTABILÍSTICO E PERSPECTIVAS FUTURAS JOAQUIM FERNANDO DA CUNHA GUIMARÃES Revisor Oficial de Contas n.º 790 Docente do Ensino Superior Técnico Oficial de Contas n.º 2586 Membro

Leia mais

PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS

PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS Índice 1. Introdução 2. Considerações sobre as opções tomadas 3. Disposições gerais 4. Quadro de contas 5. Lista e âmbito das contas 6. Tabelas 7. Contas individuais

Leia mais

31-Dez-2013 31-Dez-2012

31-Dez-2013 31-Dez-2012 FUNDAÇÃO CASA MUSEU MÁRIO BOTAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS CONTAS 31 DE DEZEMBRO DE 2013 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PARA OS PERÍODOS FFI INDOS EM 31 DE DEZZEMBRO DE 2013 E DE 2012 ACTIVO NÃO CORRENTE

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 13 INTERESSES EM EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS E INVESTIMENTOS EM ASSOCIADAS

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 13 INTERESSES EM EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS E INVESTIMENTOS EM ASSOCIADAS NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 13 INTERESSES EM EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS E INVESTIMENTOS EM ASSOCIADAS Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base as Normas Internacionais

Leia mais

Unidade II. No ativo, a disposição das contas obedece ao grau decrescente de liquidez dos elementos nelas registrados.

Unidade II. No ativo, a disposição das contas obedece ao grau decrescente de liquidez dos elementos nelas registrados. Unidade II 8 ATIVO Ativo compreende, como já vimos, os bens e direitos da empresa, classificados de acordo com sua destinação específica, que varia segundo os fins da empresa. No ativo, a disposição das

Leia mais

Comissão avalia o impacto do financiamento para as regiões e lança um debate sobre a próxima ronda da política de coesão

Comissão avalia o impacto do financiamento para as regiões e lança um debate sobre a próxima ronda da política de coesão IP/07/721 Bruxelas, 30 de Maio de 2007 Comissão avalia o impacto do financiamento para as regiões e lança um debate sobre a próxima ronda da política de coesão A política de coesão teve um efeito comprovado

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O SNC

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O SNC PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O SNC NOTA IMPORTANTE: Com vista a contribuir para a melhor aplicação do Sistema de Normalização Contabilística, a CNC entendeu divulgar um conjunto que questões que lhe têm

Leia mais

As recentes alterações das normas contabilísticas no âmbito da concentração de actividades empresariais (SNC e IFRS)

As recentes alterações das normas contabilísticas no âmbito da concentração de actividades empresariais (SNC e IFRS) As recentes alterações das normas contabilísticas no âmbito da concentração de actividades empresariais (SNC e IFRS) Por Carlos António Rosa Lopes O IASB aprovou em 2008 alterações à IFRS 3 sobre concentração

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 24 ACONTECIMENTOS APÓS A DATA DO BALANÇO

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 24 ACONTECIMENTOS APÓS A DATA DO BALANÇO NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 24 ACONTECIMENTOS APÓS A DATA DO BALANÇO Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 10 Acontecimentos

Leia mais

SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA PRJ - CONTABILIDADE, FISCAL. E CONSULT. GESTÃO, LDA.

SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA PRJ - CONTABILIDADE, FISCAL. E CONSULT. GESTÃO, LDA. SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA 1 Legislação publicada: - Decreto-Lei n.º 158/2009, de 13 de Julho: aprova o Sistema de Normalização Contabilística; - Decreto-Lei n.º 159/2009, de 13 de Julho: altera

Leia mais

NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras

NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 1 - Apresentação de Demonstrações Financeiras,

Leia mais

EM PROL DA DIGNIFICAÇÃO DO ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

EM PROL DA DIGNIFICAÇÃO DO ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM PROL DA DIGNIFICAÇÃO DO ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS Boletim da CROC n.º 13, de Outubro/Dezembro de 1997 Revista Eurocontas n.º 34, de Janeiro de 1998 1. INTRODUÇÃO Algumas vozes,

Leia mais

1. Os AFT devem ser contabilisticamente mensurados no reconhecimento inicial pelo seu custo.

1. Os AFT devem ser contabilisticamente mensurados no reconhecimento inicial pelo seu custo. Classificação: 00 0. 0 1. 0 9 GABINETE DO DIRECTOR GERAL Direcção de Serviços do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Activos Fixos Tangíveis Código do IRC Decreto Regulamentar n.º 25/2009,

Leia mais

O SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA (SNC)

O SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA (SNC) O SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA (SNC) Joaquim Fernando da Cunha Guimarães Revisor Oficial de Contas n.º 790 Docente do Ensino Superior Técnico Oficial de Contas n.º 2586 Membro de Júri de Exames

Leia mais

Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA)

Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) 3.3 Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) 1/22 IVA na Receita Fiscal O IVA representa 38% do total da Receita Fiscal Aumento de 13 880M para 14 355 M ou seja 3,4% Evolução esperada para a actividade

Leia mais

II Congresso de Direito Fiscal

II Congresso de Direito Fiscal II Congresso de Direito Fiscal João de Sousa Lisboa, 11 de Outubro de 2011 Tópicos Definições de PME s; Factores fiscais discriminatórios para as PME s; Factores fiscais favoráveis às PME s; Comentários

Leia mais

Novas vestes da União Europeia? O papel do IVA. Clotilde Celorico Palma

Novas vestes da União Europeia? O papel do IVA. Clotilde Celorico Palma Europeia? O papel do IVA Clotilde Celorico Palma Europeia? O papel do IVA Temas a abordar: Estratégia recente da Comissão: - Relatório Monti - Comunicação de Outubro de 2010 - O IVA europeu - Livro verde

Leia mais

O MODELO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DE ACORDO COM O SNC

O MODELO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DE ACORDO COM O SNC O MODELO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DE ACORDO COM O SNC Área Temática: Normalização Contabilística Exposição Oral: Idioma Português Alfredo Luís Portocarrero Pinto Teixeira Presidente da Direcção da

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA ECONOMIA, GESTÃO, FINANÇAS E MAEG

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA ECONOMIA, GESTÃO, FINANÇAS E MAEG INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA ECONOMIA, GESTÃO, FINANÇAS E MAEG CONTABILIDADE GERAL I CADERNO DE EXERCÍCIOS - II IVA Investimentos Exercício

Leia mais

CURSO SECTOR NÃO LUCRATIVO REGIME FISCAL E CONTABILÍSTICO (ESFL)

CURSO SECTOR NÃO LUCRATIVO REGIME FISCAL E CONTABILÍSTICO (ESFL) CURSO SECTOR NÃO LUCRATIVO REGIME FISCAL E CONTABILÍSTICO (ESFL) ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 03 2. DESENVOLVIMENTO A. Proposta pedagógica B. Investimento C. Condições de participação 03 03 04 04 3. FICHA DE INSCRIÇÃO

Leia mais

Normas Internacionais de Contabilidade Para PME

Normas Internacionais de Contabilidade Para PME C I L E A XXIII Seminário Internacional do CILEA Normas Internacionais de Contabilidade Para PME Ezequiel Fernandes / 2011 Enquadramento Sabendo que: a informação é elemento chave para o sucesso a competitividade

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2012

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2012 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 2012 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Mediator Sociedade Corretora de Seguros, S.A. 1.2 - Sede: Avª Fontes Pereira

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 25 IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 25 IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 25 IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO Objectivo ( 1) Definições ( 5 a 6) 5. Os termos que se seguem são usados nesta Norma com os significados especificados: Activos

Leia mais

- Contabilidade Financeira II 2007/ 2008 2º Semestre 1 AUMENTOS DE CAPITAL. Por incorporação de Reservas. Por entrada de Dinheiro

- Contabilidade Financeira II 2007/ 2008 2º Semestre 1 AUMENTOS DE CAPITAL. Por incorporação de Reservas. Por entrada de Dinheiro AULA 10 Capital Próprio Aumentos de capital Demonstração de fluxos de caixa Construção da DFC - Contabilidade Financeira II 2007/ 2008 2º Semestre 1 AUMENTOS DE CAPITAL Por incorporação de Reservas Por

Leia mais

Scal - Mediação de Seguros, S. A.

Scal - Mediação de Seguros, S. A. Scal - Mediação de Seguros, S. A. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1. Nota introdutória A Empresa Scal-Mediação de Seguros foi constituída

Leia mais

REGULAÇÃO E GOVERNO DAS SOCIEDADES

REGULAÇÃO E GOVERNO DAS SOCIEDADES REGULAÇÃO E GOVERNO DAS SOCIEDADES Fernando Teixeira dos Santos PRESIDENTE DO CONSELHO DIRECTIVO, COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS (CMVM) 19-12-2014 INTRODUÇÃO O governo das sociedades designa

Leia mais

Ciclo de Formações em Prestação de Contas

Ciclo de Formações em Prestação de Contas Ciclo de Formações em Prestação de Contas A prestação de informação financeira, exige uma constante actualização, quer gerada pela experiência prática de diferentes casos, cada vez mais complexos e não

Leia mais

A CONTABILIDADE EM PORTUGAL E O 2005

A CONTABILIDADE EM PORTUGAL E O 2005 A CONTABILIDADE EM PORTUGAL E O 2005 Luís Lima Santos 1 até 1974 cinco * tentativas de normalização 1975 trabalho normalização contabilística 1.ª fase 1977 DL 47/77, aprova o 1977 (cria a CNC) 1980 Portaria

Leia mais

Briefing Laboral # 18 1

Briefing Laboral # 18 1 Briefing Laboral # 18 1 CRIAÇÃO DA MEDIDA ESTÍMULO EMPREGO E ALTERAÇÃO ÀS MEDIDAS ESTÁGIO EMPREGO Portaria n.º 149-A/2014, de 24 de Julho Concessão de Apoio Financeiro à celebração de contrato de Trabalho

Leia mais