Uma destas importantes parcerias é com o INSTITUTO AOCP.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Uma destas importantes parcerias é com o INSTITUTO AOCP."

Transcrição

1

2 A Fundação de Apoio à FAFIPA é uma entidade sem fins lucrativos que atua na área da Educação Superior, em cursos de pós-graduação em diversas áreas do conhecimento, cursos de formação e capacitação de professores, na construção de projetos educacionais, concursos públicos, seminários, consultorias e auditorias. Para estar sempre à frente, a Fundação de Apoio à FAFIPA conta com corpo docente altamente qualificado, além de parcerias com Universidades em todo o Brasil para a realização de todos os seus projetos educacionais e empresariais. Uma destas importantes parcerias é com o INSTITUTO AOCP. O Instituto AOCP é uma instituição de direito privado, sem fins lucrativos e de interesse público, com propósitos sociais a serem alcançados por meio de execução de atividades na área da Educação e integrálos com a sociedade, em caráter complementar às atividades desenvolvidas pelo Estado, executando e disseminando programas de treinamento e desenvolvimento, cursos profissionalizantes, estudos e pesquisas. É por acreditar que unir forças com pessoas de bem pode resultar em excelentes experiências de responsabilidade social com a finalidade de promover a inclusão social, que a Fundação de Apoio à FAFIPA e o Instituto AOCP desenvolveram o Projeto 360 MAIS.

3 360 MAIS Importantes questionamentos vêm sendo feitos sobre o panorama atual do desenvolvimento escolar de alunos no Ensino Fundamental. Como anda a qualificação dos profissionais diretamente envolvidos com a educação escolar na rede pública de ensino? E o desempenho escolar desses alunos? Quais dificuldades professores e alunos enfrentam no processo de aprendizagem? É possível uma melhora na qualificação desses profissionais e, consecutivamente, na assimilação do conteúdo pedagógico? Estas e outras perguntas deverão ser respondidas pelo 360 MAIS, projeto de avaliação de alunos e instituições de ensino envolvidos com a área educacional, ou seja, uma análise de 360º envolvendo os estudantes e tudo que pode afetar o desempenho escolar destes. A avaliação pretende analisar, por meio de questões específicas, as principais dificuldades encontradas pelos alunos e entender as adversidades que as instituições de ensino enfrentam, que mudanças precisam ser feitas no processo de aprendizagem e o que deve ser prioridade como conhecimento científico para o aluno. Como se dará a análise pelo 360 MAIS? Os municípios poderão analisar o processo de ensino/aprendizagem da Educação Básica e Ensino Fundamental, anos iniciais, por meio de três etapas: A ETAPA 1 compreenderá a aplicação de uma prova de matemática e português para os alunos das séries iniciais do Ensino Fundamental. Essa prova tem o intuito de medir o nível educacional e de desempenho dos alunos. Para a ETAPA 2 será enviado um questionário sócio-econômico às famílias dos alunos com o intuito de avaliar o ambiente familiar e se há elementos que podem influenciar no nível de aprendizagem. Na ETAPA 3 será aplicado um questionário às instituições de ensino de nível fundamental com o objetivo de avaliar a didática, a administração, a estrutura, o corpo docente e administrativo, a fim de perceber os pontos positivos e os que precisam ser melhorados. Essas 3 etapas serão desenvolvidas por professores do curso de Pedagogia da FAFIPA. As informações coletadas serão analisadas pelo INSTITUTO AOCP e para os resultados apontados serão propostos projetos visando a qualificação de professores, equipes interdisciplinares e coordenadores pedagógicos das instituições de ensino e secretarias de educação de cada município, priorizando a capacitação desses profissionais através de novos cursos e melhores metodologias de ensino a fim de suprir pontos considerados carentes. Excelentíssimos Senhores Prefeitos e Secretários de Educação dos municípios do Estado do Paraná, façam uso do 360 MAIS e avaliem a qualidade do processo ensino-aprendizagem na Educação Básica e Ensino Fundamental, anos iniciais, de suas escolas. Esta é uma importante ferramenta para a contínua melhoria da qualidade do ensino no Brasil. Para implantar o 360 MAIS nas escolas da sua cidade, entre em contato com a Fundação de Apoio à FAFIPA. Fone/Fax: (44) Fone: (44)

4 1.1 Título do Projeto Uma análise sobre o processo ensino/aprendizagem da rede pública de educação: dificuldades encontradas e alternativas para mudanças Resumo do Projeto Este projeto tem o objetivo de desenvolver um trabalho de análise/investigativa sobre as dificuldades encontradas pelos alunos e professores da Rede Pública Educação Básica referente a fundamentação teórico/metodológica, planejamento de ensino, conteúdos, materiais didáticos, atividades práticas, projetos pedagógicos dentre outros aspectos que, muitas vezes, interferem no processo ensino/aprendizagem e, na relação professor e aluno. Nesse sentido, este trabalho, ora proposto, conclama a participação e o apoio expressivo dos representantes municipais, segmentos estes a quem cabe um olhar crítico e investimentos visando a melhoria educacional. Por outro lado, o envolvimento das instituições de ensino, bem como, de todos os seus integrantes como: professores, alunos e gestores é fundamental. Isso posto, pretende-se, realizar uma intervenção na educação pública, visando a qualificação dos profissionais que diretamente estão envolvidos com a educação escolar, ou seja, fundamentá-los teórica e metodologicamente para que de posse destes conhecimentos cumpram o papel fundamental que lhes cabem: formação dos seres humanos Palavras chaves 1. Ensino/Aprendizagem 2. Formação Profissional/Docente 3. Rede Pública de Ensino Educação Básica; Ensino Fundamental Anos Iniciais 1.4. Coordenadores Prof.ª Dr.ª Conceição Solange Bution Perin Prof.ª Ms. Nilva de Oliveira Brito dos Santos 1.5. Órgãos Proponentes Instituto AOCP e Fundação de Apoio à FAFIPA 1.6. Local de Execução Municípios do Paraná

5 1.7. Duração 8 meses 2.1. Justificativa do projeto A educação, em cada momento de transição, sofre mudanças significativas, com tendências a acompanhar as alterações de comportamentos e atitudes exigidas pela sociedade. Entretanto, esses períodos sempre refletem inseguranças, angustias e, muitas vezes, medo de assumir o novo como prioritário. Como exemplo, podemos citar o desenvolvimento da tecnologia, ou seja, as mudanças são tão rápidas que dificilmente conseguimos acompanhá-las e ensiná-las aos nossos alunos. Estes acompanham com facilidade as novidades. Isto é aceitável, porque, a maioria nasceu com o desenvolvimento tecnológico, portanto, cresceram juntamente com o que surge de novo. O professor, nesse contexto, muitas vezes se sente incapaz de desenvolver atividades ou de usar metodologias que de fato atendam as expectativas dos discentes, consequentemente, trava-se um conflito entre o ensino e a aprendizagem gerando dúvidas, tais como: o que deve ser priorizado como conhecimento científico específico imediato e o que pode seguir em segundo plano, pois, não faz parte do cotidiano do aluno? Este, entre outros problemas são presentes na educação e que, apesar dos debates sobre o assunto, as soluções acabam sendo superficiais, sem mostrar resultados satisfatórios e qualitativos. Nesse sentido, esse projeto pretende analisar, por meio de algumas questões específicas, as principais dificuldades encontradas pelos alunos e, também, entenderem as dificuldades que os docentes estão enfrentando, bem como quais as necessidades que eles acreditam serem essenciais para melhorar o processo ensino/aprendizagem. Ou seja, ações teórico/práticas centradas no processo educativo e que contribuam para a humanização dos indivíduos Objetivo Geral Analisar as principais dificuldades presentes no processo ensino/aprendizagem da Rede Pública de Ensino, de alguns municípios do Paraná, na perspectiva de mudanças através do assessoramento e da capacitação dos profissionais da educação que atuam nas escolas Objetivos Específicos Realizar avaliação, nas áreas de Língua Portuguesa e Matemática, com alunos de 2º e 4º anos do ensino Fundamental, para compreensão das principais dificuldades encontradas por eles; Aplicar questionário sócio-econômico aos alunos e professores para conhecimento da realidade social/econômica/educacional da população analisada; Oferecer cursos de capacitação específicos aos profissionais analisados na pesquisa, no que se refere à aquisição dos conteúdos que abrangem o ensino/aprendizagem para Professores da Educação Infantil e das séries iniciais do Ensino Fundamental, Equipe Pedagógica e Diretores das Escolas Municipais e Coordenadores Pedagógicos da Secretaria Municipal de Educação;

6 Dar continuidade ao desenvolvimento da formação pedagógica com base numa fundamentação teórico/metodológica, no caso, a Teoria Histórico- Cultural e Pedagogia Histórico-Crítica; Capacitar a Coordenação Pedagógica da Secretaria Municipal de Educação, Equipe Interdisciplinar, Professores da Educação Infantil, Professores das séries iniciais do Ensino Fundamental, Equipe Pedagógicas das escolas municipais sobre Formação e Acompanhamento Teórico-metodológico dos processos de ensino /aprendizagem na Educação Infantil e nas séries iniciais do Ensino Fundamental e na área da Educação Especial, sob a perspectiva Crítica; bem como assessorá-los Metodologia O trabalho será realizado em três etapas: 1ª Etapa Conversa com as autoridades municipais interessadas pela qualificação educacional do seu município; Elaboração e realização de avaliação para alunos dos 2º e 4º anos do ensino fundamental e questionário sócio-econômico para alunos e para professores; Correção das avaliações realizadas pelos alunos e análise sobre as principais dificuldades encontradas; Análise do questionário sócio-econômico realizado aos alunos e professores; 2ª Etapa Preparação de uma equipe de professores para a elaboração de cursos que atendam as dificuldades específicas de cada escola analisada; Realização de cursos que estejam, totalmente, fundamentados na concepção teórico/metodológica correspondentes a conteúdos específicos para as séries pretendidas e que favoreçam, intensamente, assessoramento para a condução qualitativa da teoria e da prática; Acompanhamento do retorno e do auxilio à correção das atividades propostas, durante o curso, entre professores ministrantes do curso (de cada área) e profissionais da Rede Pública de Ensino participantes. 3ª Etapa Elaboração e realização de uma nova avaliação para os alunos dos 2º e 4º anos do Ensino Fundamental, para parâmetro de qualificação e domínio dos conteúdos e diminuição das dificuldades apresentadas anteriormente;

7 Realização de reunião com os profissionais participantes e com as autoridades ligadas à educação para analisar o desenvolvimento do curso, visando os pontos positivos e negativos; Os encontros acontecerão conforme datas previstas e estabelecidas pela Equipe Pedagógica responsável pelos professores participantes, devidamente coadunadas com a disponibilidade dos professores ministrantes Recursos Humanos Docente(s) da Fafipa; Docentes de outras instituições; Secretaria de Educação dos municipios envolvidos; Prefeitura municipal dos municípios envolvidos Material de Consumo: Jogos pedagógicos; Recursos Multimídia Materiais de papelaria; Outros. Coordenadores do Projeto Profa. Dra. Conceição Solange Bution Perin Profa. Ms. Nilva de Oliveira Brito dos Santos

8

PLANO DE AÇÃO

PLANO DE AÇÃO INSTITUTO FLORENCE DE ENSINO SUPERIOR COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO PLANO DE AÇÃO 2016-207 São Luís 2016 1 INTRODUÇÃO O plano de ações da CPA define os rumos dos trabalhos que serão desenvolvidas pela

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS SÃO ROQUE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS SÃO ROQUE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS SÃO ROQUE Rodovia Prefeito Quintino de Lima, 2100, Paisagem Colonial - CEP 18136-540 São Roque SP Fone (11)

Leia mais

REGIMENTO DO CEDUC Centro de Educação da Universidade Federal de Itajubá

REGIMENTO DO CEDUC Centro de Educação da Universidade Federal de Itajubá REGIMENTO DO CEDUC Centro de Educação da Universidade Federal de Itajubá Dispõe sobre a constituição e funcionamento do Centro de Educação da Universidade Federal de Itajubá. CAPÍTULO I DO CENTRO DE EDUCAÇÃO

Leia mais

GEOGEBRA: UMA FERRAMENTA A FAVOR DO ENSINO E APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA

GEOGEBRA: UMA FERRAMENTA A FAVOR DO ENSINO E APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA GEOGEBRA: UMA FERRAMENTA A FAVOR DO ENSINO E APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA Prof.ª Me. Rosemeiry de Castro Prado Alunos: Anderson Santana Danilo Siqueira Graciela Reali Juliana Barcelos Mario Azzolini Murilo

Leia mais

APRENDENDO COM O LUDO AÇÃO E RADICAL

APRENDENDO COM O LUDO AÇÃO E RADICAL ESCOLA ESTADUAL LUIS VAZ DE CAMÕES IPEZAL/ANGÉLICA- MS APRENDENDO COM O LUDO AÇÃO E RADICAL Ipezal/Angélica MS Abril 2012 ESCOLA ESTADUAL LUIS VAZ DE CAMÕES IPEZAL/ANGÉLICA- MS APRENDENDO COM O LUDO AÇÃO

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação de Acompanhamento e Avaliação

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação de Acompanhamento e Avaliação Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação de Acompanhamento e Avaliação PROPOSTA DE QUALIFICAÇÃO DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA NO BRASIL Brasília, Junho/2004

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL JOAQUIM GONÇALVES LEDO

ESCOLA ESTADUAL JOAQUIM GONÇALVES LEDO 1 ESCOLA ESTADUAL JOAQUIM GONÇALVES LEDO PROJETO INTERDISCIPLINAR AVALIAÇÃO CONTEXTUALIZADA BIMESTRAL IVINHEMA/MS - DISTRITO DE AMANDINA 2012 2 ESCOLA ESTADUAL JOAQUIM GONÇALVES LEDO PROJETO INTERDISCIPLINAR

Leia mais

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Estudo da história geral da Educação e da Pedagogia, enfatizando a educação brasileira. Políticas ao longo da história engendradas

Leia mais

Pedagogia. 1º PERÍODO Carga Horária e Creditação

Pedagogia. 1º PERÍODO Carga Horária e Creditação Cep: 37200000 Pedagogia Matriz Curricular 1 (entrada no mês de Fevereiro) Nivelamentos Leitura e Produção de textos 60 Gramática 60 Carga Horária Total 120 Educação a Distância: Primeiras Aproximações

Leia mais

LDB Lei de Diretrizes e Bases

LDB Lei de Diretrizes e Bases PEDAGOGIA LDB Lei de Diretrizes e Bases Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional O pedagogo estuda as teorias da ciência da educação e do ensino É

Leia mais

ANEXO PLANO DE AÇÃO PROFESSOR

ANEXO PLANO DE AÇÃO PROFESSOR ANEXO 5.2.2. PLANO DE AÇÃO PROFESSOR Rua Bruxelas, nº 169 São Paulo - SP CEP 01259-020 Tel: (11) 2506-6570 escravonempensar@reporterbrasil.org.br www.escravonempensar.org.br O que é o plano de ação? O

Leia mais

NÚCLEO TEMÁTICO I CONCEPÇÃO E METODOLOGIA DE ESTUDOS EM EaD

NÚCLEO TEMÁTICO I CONCEPÇÃO E METODOLOGIA DE ESTUDOS EM EaD UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ-UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA MAGISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INFANTIL E ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL CURSO DE PEDAGOGIA MAGISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INFANTIL E DOS ANOS

Leia mais

SUPERVISOR DE ENSINO

SUPERVISOR DE ENSINO SUPERVISOR DE ENSINO 01. A função social dos Especialistas em Educação, dentre eles o Supervisor Escolar, nem sempre foi vista de acordo com a concepção pedagógica atual, que concebe o supervisor como

Leia mais

Prof. Jefferson Monteiro

Prof. Jefferson Monteiro Prof. Jefferson Monteiro Histórico O Programa Segundo Tempo é uma política pública de esporte educacional idealizado e criado em 2003 pelo Ministério do Esporte, destinado a democratizar o acesso à prática

Leia mais

LDB Lei de Diretrizes e Bases

LDB Lei de Diretrizes e Bases PEDAGOGIA LDB Lei de Diretrizes e Bases Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional O pedagogo estuda as teorias da ciência da educação e do ensino É

Leia mais

NÚCLEOS DE ENSINO Convite 2011

NÚCLEOS DE ENSINO Convite 2011 A Reitoria, por intermédio da Pró-Reitoria de Graduação PROGRAD, torna público e CONVIDA os professores da UNESP, interessados em Educação, a apresentarem propostas para obtenção de financiamento de projetos

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Professor Mário Antônio Verza Código: 164 Município: Palmital Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico em Logística

Leia mais

Unidade 1 Sobre o Trabalho de conclusão de curso

Unidade 1 Sobre o Trabalho de conclusão de curso Unidade 1 Sobre o Trabalho de conclusão de curso O Trabalho de Conclusão de Curso TCC é um requisito obrigatório para a conclusão do curso, realizada no final do Curso de Licenciatura em Pedagogia da Universidade

Leia mais

TRILHA I O PROFESSOR E A SALA DE AULA

TRILHA I O PROFESSOR E A SALA DE AULA TRILHA I O PROFESSOR E A SALA DE AULA OFICINA 1 STORYTELLING Segunda, 06/02, das 19h às 22h30 OFICINA 2 PLANEJAMENTO INTELIGENTE Terça, 07/02, das 19h às 22h30 OFICINA 3 APLICAÇÕES DAS TEORIAS DE GRUPO

Leia mais

Resolução 032/94 - CONSEPE

Resolução 032/94 - CONSEPE Resolução 032/94 - CONSEPE Altera grade curricular e define ementas de disciplinas do curso de Pedagogia oferecido pelo Centro de Ciências da Educação - FAED. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa

Leia mais

TREVISAN ESCOLA SUPERIOR DE NEGÓCIOS REGULAMENTO. Núcleo de Apoio Psicopedagógico - NAP

TREVISAN ESCOLA SUPERIOR DE NEGÓCIOS REGULAMENTO. Núcleo de Apoio Psicopedagógico - NAP TREVISAN ESCOLA SUPERIOR DE NEGÓCIOS REGULAMENTO Núcleo de Apoio Psicopedagógico - NAP SÃO PAULO 2015 4 Sumário 1. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 5 2. FINALIDADE E OBJETIVOS DO NAP... 5 3. ATUAÇÃO DO NAP...

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA CAPITULO I - DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA CAPITULO I - DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA Dispõe sobre o Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Licenciatura em Pedagogia da Faculdade Capivari.

Leia mais

Acreditamos no seu envolvimento e dedicação à sua realização e confiamos no seu sucesso.

Acreditamos no seu envolvimento e dedicação à sua realização e confiamos no seu sucesso. ATIVIDADE INTEGRADORA CURSO: LICENCIATURA EM PEDAGOGIA DISCIPLINA: ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM GESTÃO ESCOLAR CIRCUITO: 9 PERIODO: 7º Caro (a) aluno (a), Esta atividade deverá ser desenvolvida individualmente

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB ANEXO II Edital Pibid n /2012 CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DOS CURSOS SUPERIORES DE LICENCIATURA

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DOS CURSOS SUPERIORES DE LICENCIATURA REGULAMENTO DE ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DOS CURSOS SUPERIORES DE LICENCIATURA Normatiza a realização dos estágios supervisionados previstos nas Matrizes Curriculares dos Cursos Superiores de Licenciatura

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Fundação Universidade Federal do ABC Pró-Reitoria de Graduação Av. dos Estados, 5001 Bairro Santa Terezinha Santo André - SP CEP 09210-580 Fone: (11) 4996.7983 gabinete.prograd@ufabc.edu.br

Leia mais

Curso do Superior de Tecnologia em Marketing

Curso do Superior de Tecnologia em Marketing Curso do Superior de Tecnologia em Objetivos do curso 1.5.1 Objetivo Geral O Curso Superior de Tecnologia em na modalidade EaD da universidade Unigranrio, tem por objetivos gerais capacitar o profissional

Leia mais

Programas de Atendimento aos Estudantes

Programas de Atendimento aos Estudantes Programas de Atendimento aos Estudantes Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo - IFSP Câmpus Guarulhos 1. Integração dos Ingressantes O atendimento ao estudante no IFSP Guarulhos

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO ACADÊMICO EM ENSINO FORMAÇÃO DOCENTE INTERDISCIPLINAR PPIFOR

REGULAMENTO DO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO ACADÊMICO EM ENSINO FORMAÇÃO DOCENTE INTERDISCIPLINAR PPIFOR REGULAMENTO DO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO ACADÊMICO EM ENSINO FORMAÇÃO DOCENTE INTERDISCIPLINAR PPIFOR Disciplina: Estágio de Docência 02 créditos 30 horas Art. 1º O Estágio

Leia mais

ANEXO I Quadro resumo do Saresp 1996/1997/ /

ANEXO I Quadro resumo do Saresp 1996/1997/ / 89 Objetivos ANEXO I Quadro resumo do Saresp 1996/1997/1998 2000/2001 2002 2003 2004 2005 Em 2000: Obter Em 2002 2 : Em 2003 4 : Obter indicadores informações que diagnosticar o Promover uma educacionais

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: Pedagogia Missão O Curso de Pedagogia tem por missão a formação de profissionais de educação autônomos e cooperativos, capazes de pensar, investigar, decidir, planejar,

Leia mais

SUPERVISOR DE ENSINO

SUPERVISOR DE ENSINO SUPERVISOR DE ENSINO 01. A função social dos Especialistas em Educação, dentre eles o Supervisor Escolar, nem sempre foi vista de acordo com a concepção pedagógica atual, que concebe o supervisor como

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM NÍVEL DE ESPECIALIZAÇÃO Lato Sensu EM EXTENSÃO RURAL

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM NÍVEL DE ESPECIALIZAÇÃO Lato Sensu EM EXTENSÃO RURAL CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM NÍVEL DE ESPECIALIZAÇÃO Lato Sensu EM EXTENSÃO RURAL 1. Curso: Curso de Pós-Graduação em nível de ESPECIALIZAÇÃO em EXTENSÃO RURAL. 2. Justificativa O programa de Pós-graduação

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC Curso de Ciências Sociais REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC Curso de Ciências Sociais REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC Curso de Ciências Sociais REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O Estágio

Leia mais

RELATÓRIO DE RESPOSTAS OBTIDAS NA PESQUISA DE AUTOAVALIAÇÃO 2016 CENTRO DE CIÊNCIAS RURAIS CCR: MODALIDADE PRESENCIAL

RELATÓRIO DE RESPOSTAS OBTIDAS NA PESQUISA DE AUTOAVALIAÇÃO 2016 CENTRO DE CIÊNCIAS RURAIS CCR: MODALIDADE PRESENCIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL RELATÓRIO DE RESPOSTAS OBTIDAS NA PESQUISA DE AUTOAVALIAÇÃO 2016 DE CIÊNCIAS RURAIS

Leia mais

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS F U T U R O T E N D Ê N C I A S I N O V A Ç Ã O Uma instituição do grupo CURSO 2 CURSO OBJETIVOS Oferecer aos alunos e profissionais interessados no assunto, subsídios

Leia mais

ANEXO I ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS ESPECIFICAÇÃO DO CARGO DE PROFESSOR

ANEXO I ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS ESPECIFICAÇÃO DO CARGO DE PROFESSOR Cargo: Professor Classe: A,B,C,D, ANEXO I ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS ESPECIFICAÇÃO DO CARGO DE PROFESSOR Orientar a aprendizagem dos alunos; Participar das atividades da escola: Organizar as operações inerentes

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. Licenciatura EM educação básica intercultural TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. Licenciatura EM educação básica intercultural TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Licenciatura EM educação básica intercultural TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Artigo 1º - O Estágio Supervisionado de que trata este regulamento refere-se à formação de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA NPGECIMA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA NPGECIMA INSTRUÇÃO NORMATIVA 01/2015 Regulamenta a estrutura curricular do Curso de Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática. O Colegiado de Pós-Graduação do no uso de suas atribuições, Considerando a necessidade

Leia mais

Sugestões para a melhoria da formação pedagógica nos cursos de licenciatura da UFSCar, extraidas dos respectivos relatórios de auto-avaliação

Sugestões para a melhoria da formação pedagógica nos cursos de licenciatura da UFSCar, extraidas dos respectivos relatórios de auto-avaliação Sugestões para a melhoria da nos cursos de licenciatura da UFSCar, extraidas dos respectivos relatórios de auto-avaliação Aspecto Valorização da licenciatura e melhor preparo do licenciado Atenção aos

Leia mais

2.1. Subcoordenador Técnico Operacional (Código STO) 1 vaga Atribuições:

2.1. Subcoordenador Técnico Operacional (Código STO) 1 vaga Atribuições: PRORROGAÇÃO DO EDITAL PARA SELEÇÃO DE BOLSISTAS PROJETO CVDS Manaus, 24 de Novembro de 2014. 1. CONTEXTUALIZAÇÃO O Centro Vocacional para o Desenvolvimento Sustentável (CVDS), trata-se de um projeto piloto

Leia mais

PEDAGOGIA JURÍDICA: AS PRÁTICAS DO PEDAGOGO NO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE GOIÁS. Laylla Nayanne Dias Lopes TJGO.

PEDAGOGIA JURÍDICA: AS PRÁTICAS DO PEDAGOGO NO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE GOIÁS. Laylla Nayanne Dias Lopes TJGO. PEDAGOGIA JURÍDICA: AS PRÁTICAS DO PEDAGOGO NO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE GOIÁS Laylla Nayanne Dias Lopes TJGO laylla.lopes@hotmail.com RESUMO: Este trabalho realiza uma análise sobre a participação

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 7º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 7º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Gestão Escolar IV Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 7º 1 - Ementa (sumário, resumo) Dimensões da participação: política,

Leia mais

ANEXO IV FORMULÁRIO DE PONTUAÇÃO POR CRITÉRIO. Fator de pontuação

ANEXO IV FORMULÁRIO DE PONTUAÇÃO POR CRITÉRIO. Fator de pontuação RECONHECIMENTO DE SABERES E COMPETÊNCIAS RSC I ANEXO IV FORMULÁRIO DE PONTUAÇÃO POR CRITÉRIO Fator de pontuação Unidade Quantidade Máximas de unidades Quantidade de unidades comprovadas obtida I - Experiência

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec: Professor Mário Antônio Verza Código: 164 Município: Palmital Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico em Contabilidade

Leia mais

CAPÍTULO I. Dos Objetivos da Pesquisa

CAPÍTULO I. Dos Objetivos da Pesquisa RESOLUÇÃO Nº 01/2014 DISPÕE SOBRE O REGIMENTO DO GRUPO DE INICIAÇÃO À PESQUISA CIENTÍFICA DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR FACULDADE CASA DO ESTUDANTE. A Direção Geral da IES

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Professor Mário Antônio Verza Código: 164 Município: Palmital Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio

Leia mais

Professores do PED criam Mestrado Profissional em Educação: Formação de Formadores. Marli Eliza Dalmazo Afonso de André

Professores do PED criam Mestrado Profissional em Educação: Formação de Formadores. Marli Eliza Dalmazo Afonso de André Compartilhando... Professores do PED criam Mestrado Profissional em Educação: Formação de Formadores Marli Eliza Dalmazo Afonso de André Com muitos anos de experiência na formação de mestrandos e doutorandos

Leia mais

CPA. Comissão Própria de Avaliação

CPA. Comissão Própria de Avaliação CPA Comissão Própria de Avaliação CPA O espelho da instituição A Avaliação reflete os sentidos, sentimentos e percepções. A consciência é requisito básico para garantir a veracidade do diagnóstico. CPA

Leia mais

Escola Estadual Luis Vaz de Camões Ipezal/Angélica - MS PLANO DE AÇÃO (PSTE) 2010

Escola Estadual Luis Vaz de Camões Ipezal/Angélica - MS PLANO DE AÇÃO (PSTE) 2010 Escola Estadual Luis Vaz de Camões Ipezal/Angélica - MS PLANO DE AÇÃO (PSTE) 2010 Angélica/Ipezal MS Março de 2010 Escola Estadual Luis Vaz de Camões Ipezal/Angélica - MS PLANO DE AÇÃO (PSTE) 2010 Plano

Leia mais

PLANO DE GESTÃO ESCOLAR PLEITO A 2018

PLANO DE GESTÃO ESCOLAR PLEITO A 2018 PLANO DE GESTÃO ESCOLAR PLEITO - 2016 A 2018 NOVA ANDRADINA MS SETEMBRO/2015 ABMAEL ROCHA JUNIOR ROSIMEIRE DA SILVA OLIVEIRA E. E. PROFESSORA FÁTIMA GAIOTTO SAMPAIO PROJETO GESTÃO ESCOLAR PLEITO 2016 A

Leia mais

REUNIÃO DE PAIS 5ª SÉRIE Compromisso Família e Escola

REUNIÃO DE PAIS 5ª SÉRIE Compromisso Família e Escola REUNIÃO DE PAIS 5ª SÉRIE Compromisso Família e Escola Projeto Educativo Buscamos integrar rigor científico, excelência acadêmica, formação cristã, cultura da solidariedade e da paz, sensibilidade estética,

Leia mais

OBJETIVOS DO CURSO DE ENFERMAGEM

OBJETIVOS DO CURSO DE ENFERMAGEM FACULDADE DO NORTE GOIANO OBJETIVOS DO CURSO DE ENFERMAGEM Objetivos do curso O Curso de Graduação em Enfermagem tem por objetivo formar bacharel em enfermagem (enfermeiro) capaz de influenciar na construção

Leia mais

PLANO DE AÇÃO do CEPIC PARA ASSESSORIA NAS ESCOLAS DA RME

PLANO DE AÇÃO do CEPIC PARA ASSESSORIA NAS ESCOLAS DA RME PLANO DE AÇÃO do CEPIC PARA ASSESSORIA NAS ESCOLAS DA RME (...) a informática na educação (hoje) é um novo domínio da ciência que em seu próprio conceito traz embutida a idéia de pluralidade, de inter-relação

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO- ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS CURSO DE PEDAGOGIA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO REGULAMENTO Anápolis, 2 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. Documento de Apoio: Desagregação das medidas e das tipologias de atividades

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. Documento de Apoio: Desagregação das medidas e das tipologias de atividades Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento Documento de Apoio: Desagregação das medidas e das tipologias de atividades Desagregação das medidas e das tipologias de atividades ESTRATÉGIA NACIONAL

Leia mais

PROJETOS COM OBJETIVOS QUE INTEGRAM ENSINO. Claudianny Amorim Noronha

PROJETOS COM OBJETIVOS QUE INTEGRAM ENSINO. Claudianny Amorim Noronha PROJETOS COM OBJETIVOS QUE INTEGRAM ENSINO Claudianny Amorim Noronha A PERSPECTIVA DE ENSINO NO EDITAL DE AÇÕES INTEGRADAS Melhoria do processo de ensino e aprendizagem dos cursos de graduação e pós-graduação,

Leia mais

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária 7 Semanal Mensal 6 24

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária 7 Semanal Mensal 6 24 Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária 7 Semanal Mensal 6 24 Nome da Disciplina ESTÁGIO EM GESTÃO EDUCACIONAL I Curso PEDAGOGIA GESTÃO DE SISTEMAS EDUCACIONAIS Orientação individual e grupal aos

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 108

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 108 PROGRAMA Nº- 108 AMPLIAÇÃO DO PROJETO VOLTA REDONDA CIDADE DA MÚSICA SUB-FUNÇÃO: 361 ENSINO FUNDAMENTAL Proporcionar aos alunos da Rede Pública Municipal de Volta Redonda atividades musicais diversas nos

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL DR. MARTINHO MARQUES PLANO DE AÇÃO PSTE: INTEGRAÇÃO DE MÍDIAS NO CURRÍCULO ESCOLAR TAQUARUSSU- MS MARÇO/11

ESCOLA ESTADUAL DR. MARTINHO MARQUES PLANO DE AÇÃO PSTE: INTEGRAÇÃO DE MÍDIAS NO CURRÍCULO ESCOLAR TAQUARUSSU- MS MARÇO/11 ESCOLA ESTADUAL DR. MARTINHO MARQUES PLANO DE AÇÃO PSTE: INTEGRAÇÃO DE MÍDIAS NO CURRÍCULO ESCOLAR TAQUARUSSU- MS MARÇO/11 ESCOLA ESTADUAL DR. MARTINHO MARQUES PLANO DE AÇÃO PSTE: INTEGRAÇÃO DE MÍDIAS

Leia mais

FACULDADE EDUCACIONAL ARAUCÁRIA CURSO DE PEDAGOGIA. PORTARIA NORMATIVA 3, de 18 de fevereiro de 2010.

FACULDADE EDUCACIONAL ARAUCÁRIA CURSO DE PEDAGOGIA. PORTARIA NORMATIVA 3, de 18 de fevereiro de 2010. FACULDADE EDUCACIONAL ARAUCÁRIA CURSO DE PEDAGOGIA PORTARIA NORMATIVA 3, de 18 de fevereiro de 2010. Institui as orientações e as atividades aprovadas para a realização da carga horária de Estágio Supervisionado

Leia mais

Organização, Sistemas e Métodos. Unidade 5

Organização, Sistemas e Métodos. Unidade 5 Organização, Sistemas e Métodos Unidade 5 Ferramentas da Qualidade Brainstorming / Brainswriting GUT Método para Priorização de Problemas Diagrama de Causa e Efeito Histograma Gráfico de Controle Ciclo

Leia mais

Clipping de Notícias IDEB Guarulhos Índice de Desenvolvimento da Educação Básica

Clipping de Notícias IDEB Guarulhos Índice de Desenvolvimento da Educação Básica Clipping de Notícias IDEB Guarulhos Índice de Desenvolvimento da Educação Básica 1/10 IDEB Guarulhos Editorial Por Dr. Devanildo Damião Coordenador Técnico Científico Especial da AGENDE Guarulhos com Qualidade

Leia mais

Oficina de Apropriação de Resultados de Matemática. Paebes 2013

Oficina de Apropriação de Resultados de Matemática. Paebes 2013 Oficina de Apropriação de Resultados de Matemática Paebes 2013 Paebes 2013 Conhecendo o outro.. Expectativas... Paebes 2013 OBJETIVOS DA OFICINA Objetivo geral: Analisar e interpretar resultados da avaliação

Leia mais

RELATÓRIO DA AUTO AVALIAÇÃO CICLO 8

RELATÓRIO DA AUTO AVALIAÇÃO CICLO 8 Instituto Paulista de Ensino FIPEN CPA - Comissão Própria de Avaliação RELATÓRIO DA AUTO AVALIAÇÃO CICLO 8 Dezembro/2014 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 4 A O PROCESSO DE AUTO AVALIACÃO... 6 B - DIMENSÕES... 7 1.

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE REITORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE REITORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE REITORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Aprovado pelo CONSUNI Nº15 em 24/05/2016 ÍNDICE CAPITULO I Da Constituição,

Leia mais

A aula como forma de organização do ensino.

A aula como forma de organização do ensino. 27/abr 5ª feira 19h às 22h Organização da Aula: Elementos estruturantes Método e estratégias de ensino. 04/mai 5ª feira 19h às 22h Organização da Aula: Elementos estruturantes - processo de avaliação da

Leia mais

Pedagogia Licenciatura S-20 - Educação e Diversidade S-20 - Filosofia Geral

Pedagogia Licenciatura S-20 - Educação e Diversidade S-20 - Filosofia Geral Página 0001 de 0004 1º Período 6387-02S-20 - Educação e Diversidade 0 40-040 0491-02S-20 - Filosofia Geral 0 40-040 PED 0845-02S-20 - História da Educação I 0 40-040 PED 0752-02S-20 - Introdução à 0 40-040

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 084/2015 CONSU/IFAC.

RESOLUÇÃO Nº 084/2015 CONSU/IFAC. RESOLUÇÃO Nº 084/2015 CONSU/IFAC. Dispõe sobre o Regulamento das Atribuições da Coordenação Técnico Pedagógica COTEP do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Acre IFAC. O PRESIDENTE SUBSTITUTO

Leia mais

EDITAL 010/2017 Câmpus Araraquara SELEÇÃO DE BOLSISTAS - BOLSA EXTENSÃO

EDITAL 010/2017 Câmpus Araraquara SELEÇÃO DE BOLSISTAS - BOLSA EXTENSÃO EDITAL 010/2017 Câmpus Araraquara SELEÇÃO DE BOLSISTAS - BOLSA EXTENSÃO ABERTURA O Diretor Geral do Câmpus Araraquara do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo, torna pública,

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO AO DISCENTE

NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO AO DISCENTE NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO AO DISCENTE REGULAMENTO DO NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO O presente regulamento tem por finalidade normatizar as atividades do Núcleo de Atendimento Psicopedagógico aos

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Didática I Carga Horária Semestral: 40 horas Semestre do Curso: 4º 1 - Ementa (sumário, resumo) A Didática e os fundamentos educacionais

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010 FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS E CONTÁBEIS DE ITABIRA FACCI

BOLETIM INFORMATIVO AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010 FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS E CONTÁBEIS DE ITABIRA FACCI BOLETIM INFORMATIVO AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010 FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS E CONTÁBEIS DE ITABIRA FACCI 1. Apresentação A FACCI aplicou, entre agosto e setembro de 2010, uma pesquisa de

Leia mais

PROJETO: CURSO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS (180H)

PROJETO: CURSO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS (180H) PROJETO: CURSO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS (180H) FUNDO: INSTITUTO CYRELA INSTITUTO TIBAGI Fone: (41) 3024-9848 E-mail: projetos@institutotibagi.org.br Curitiba, 25/01/2016 Sumário 1. Apresentação do

Leia mais

Formação de Merendeiras: análise das formações pelos Cecanes. Lorena Chaves Nutricionista/RT COTAN/FNDE Cecane UnB Mestranda Unifesp

Formação de Merendeiras: análise das formações pelos Cecanes. Lorena Chaves Nutricionista/RT COTAN/FNDE Cecane UnB Mestranda Unifesp Formação de Merendeiras: análise das formações pelos Cecanes Lorena Chaves Nutricionista/RT COTAN/FNDE Cecane UnB Mestranda Unifesp Estrutura de apresentação Levantamento bibliográfico Projeto de pesquisa

Leia mais

FACULDADE SUDOESTE PAULISTANO. Programa de Orientação. Psicopedagógica

FACULDADE SUDOESTE PAULISTANO. Programa de Orientação. Psicopedagógica 1 FACULDADE SUDOESTE PAULISTANO Programa de Orientação Psicopedagógica 2 Regulamento do Programa de Orientação Psicopedagógica da Faculdade Sudoeste Paulistano INTRODUÇÃO A necessidade de atenção às dificuldades

Leia mais

Cadernos de Avaliação Institucional

Cadernos de Avaliação Institucional CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS DIRETORIA DE GRADUAÇÃO COMISSÃO PERMANENTE DE AVALIAÇÃO - CPA Cadernos de Avaliação Institucional Administração Resultado da Avaliação do Curso Corpo

Leia mais

O ENSINO DE MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS: DESAFIOS E NECESSIDADES DOCENTES

O ENSINO DE MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS: DESAFIOS E NECESSIDADES DOCENTES Sociedade Brasileira de na Contemporaneidade: desafios e possibilidades O ENSINO DE MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS: DESAFIOS E NECESSIDADES DOCENTES Pamela dos Santos Bezerra IFSP Câmpus Caraguatatuba

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA Vanessa Martins Hidd Santos NOVAFAPI INTRODUÇÃO A avaliação institucional constitui objeto de preocupação e análise na NOVAFAPI, desde sua fundação quando

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Avaliação do Ensino Aprendizagem Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 8º 1 - Ementa (sumário, resumo) Contextualização histórica

Leia mais

Brasília, 12 de março de 2009

Brasília, 12 de março de 2009 Avaliação dos Cursos de Ciências Contábeis pelo ENADE 2009 Prof. Dr. Valcemiro Nossa Brasília, 12 de março de 2009 ENADE Exame Nacional de Desempenho de Estudantes integra o Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

I. Pensando Enem º ano do Ensino Fundamental e 1ª, 2ª e 3ª séries do Ensino Médio

I. Pensando Enem º ano do Ensino Fundamental e 1ª, 2ª e 3ª séries do Ensino Médio Prezado(a) diretor(a) e coordenador(a), São Paulo, janeiro de 2017. Comunicamos que, em 2017, o Sistema Mackenzie de Ensino disponibilizará às escolas parceiras os materiais didáticos que servirão de apoio

Leia mais

RAZÕES JUSTIFICATIVAS DA AÇÃO:

RAZÕES JUSTIFICATIVAS DA AÇÃO: PLANO DE FORMAÇÃO A PLATAFORMA FITESCOLA COMO INSTRUMENTO DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS NA DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E NO DESPORTO ESCOLAR RAZÕES JUSTIFICATIVAS DA AÇÃO:

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO - PAP

PROGRAMA DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO - PAP PROGRAMA DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO - PAP S U M Á R I O PROGRAMA DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO... 3 Da Definição... 3 Dos Objetivos... 3 Da Justificativa... 3 Dos Projetos, Ações e Atividades... 4 Projeto Entrando

Leia mais

E.E. Prof. Willian Rodrigues Rebuá

E.E. Prof. Willian Rodrigues Rebuá Identidade no Processo de Avaliação do Desempenho Escolar IDESC Índice de Desempenho Escolar E.E. Prof. Willian Rodrigues Rebuá Sala 9 Sessão 1 Prof. Ms. Ediney Gusmão Jr. PCG Prof. Jaime Borges de Souza

Leia mais

IX Seminário de Ensino de Línguas Estrangeiras (SELES) V Seminário de Ensino de Língua Materna (SELM)

IX Seminário de Ensino de Línguas Estrangeiras (SELES) V Seminário de Ensino de Língua Materna (SELM) IX Seminário de Ensino de Línguas Estrangeiras (SELES) V Seminário de Ensino de Língua Materna (SELM) I Seminário Nacional Integrado da Área das Linguagens, Códigos e suas Tecnologias: Língua Portuguesa,

Leia mais

PONTUAÇÃO PARA PROGRESSÃO FUNCIONAL DE DOCENTES (Aprovada na 207ª Reunião do Conselho da Unidade do IM, em 25/09/2009)

PONTUAÇÃO PARA PROGRESSÃO FUNCIONAL DE DOCENTES (Aprovada na 207ª Reunião do Conselho da Unidade do IM, em 25/09/2009) UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA Av. Bento Gonçalves 9500 - Agronomia - 91509-900 Porto Alegre - RS - BRASIL Tel: (051) 3308-6189/3308-6225 FAX: (051) 3308-7301 e-mail:

Leia mais

MODELO DE PLANEJAMENTO ADEQUADO PARA BAIRROS

MODELO DE PLANEJAMENTO ADEQUADO PARA BAIRROS MODELO DE PLANEJAMENTO ADEQUADO PARA BAIRROS Ana Paula CUNHA 1 Wilson de Luces Forte MACHADO 2 RESUMO: O objetivo deste estudo é analisar e comparar dois modelos de planejamento (estratégico e participativo)

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO DE PESQUISA (CEPES) DA ESCOLA DE DIREITO DE BRASÍLIA EDB/IDP

REGULAMENTO DO CENTRO DE PESQUISA (CEPES) DA ESCOLA DE DIREITO DE BRASÍLIA EDB/IDP REGULAMENTO DO CENTRO DE PESQUISA (CEPES) DA ESCOLA DE DIREITO DE BRASÍLIA EDB/IDP TEXTO COMPILADO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 O presente Regulamento tem por finalidade normatizar as

Leia mais

Limites e possibilidades de uma política pública de avaliação da educação profissional e tecnológica na perspectiva emancipatória

Limites e possibilidades de uma política pública de avaliação da educação profissional e tecnológica na perspectiva emancipatória Limites e possibilidades de uma política pública de avaliação da educação profissional e tecnológica na perspectiva emancipatória Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Brasília/DF, jun. 2015

Leia mais

CURSOS / OFICINAS DE ENSINO 1º SEMESTRE 2017 (2016.2)

CURSOS / OFICINAS DE ENSINO 1º SEMESTRE 2017 (2016.2) CURSOS / OFICINAS DE ENSINO 1º SEMESTRE 2017 (2016.2) MUNICIPIOS CURSO / OFICINA / CH OBJETIVO PÚBLICO ALVO DATAS Água Branca Amarante Anísio de Abreu Estatística Básica aplicada a Educação 30h Computação

Leia mais

40% 60% AVALIAÇÃO IFRJ EM DEBATE

40% 60% AVALIAÇÃO IFRJ EM DEBATE AVALIAÇÃO IFRJ EM DEBATE DATA: 14 de março de 2010 LOCAL: Auditório da FIRJAN TEMA: Seminário de Planejamento Estratégico do IFRJ Arranjos Produtivos Locais, Mercado de Trabalho e Indicadores de Gestão.

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE MICROSCOPIA E MICROANÁLISE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA

REGIMENTO DO NÚCLEO DE MICROSCOPIA E MICROANÁLISE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA REGIMENTO DO NÚCLEO DE MICROSCOPIA E MICROANÁLISE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO E FINALIDADE Art.1º O Núcleo de Microscopia e Microanálise (NMM) caracteriza-se pela reunião

Leia mais

FACULDADES DOS GRANDES LAGOS - UNILAGO

FACULDADES DOS GRANDES LAGOS - UNILAGO ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DE ENSINO SUPERIOR FACULDADES DOS GRANDES LAGOS - UNILAGO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO São José do Rio Preto 2015 REGULAMENTO DO NÚCLEO DE APOIO AO PSICOPEDAGÓGICO

Leia mais

Educar pela Pesquisa?

Educar pela Pesquisa? UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO Rede de estudos e colaboração para inclusão social e desenvolvimento da cultura científica Projeto nº: 67049. Aprovado pelo Edital 055/2012 Programa Novos Talentos Capes

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso n.º 206 aprovado pela portaria Cetec nº 733 de 10/09/2015 Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e

Leia mais

Índice. 1. O Processo de Organização Escolar Pensando para a Prática Grupo Módulo 8

Índice. 1. O Processo de Organização Escolar Pensando para a Prática Grupo Módulo 8 GRUPO 5.1 MÓDULO 8 Índice 1. O Processo de Organização Escolar...3 1.1. Pensando para a Prática... 3 2 1. O PROCESSO DE ORGANIZAÇÃO ESCOLAR O processo de organização escolar dispõe de etapas a fim de que

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL REYNALDO MASSI INTEGRANDO AS TIC NA PRÁTICA PEDAGÓGICA

ESCOLA ESTADUAL REYNALDO MASSI INTEGRANDO AS TIC NA PRÁTICA PEDAGÓGICA ESCOLA ESTADUAL REYNALDO MASSI INTEGRANDO AS TIC NA PRÁTICA PEDAGÓGICA IVINHEMA - MS Maio de 2010 ESCOLA ESTADUAL REYNALDO MASSI INTEGRANDO AS TIC NA PRÁTICA PEDAGÓGICA Projeto elaborado pelos professores

Leia mais

1.5. O candidato deverá indicar, no ato da inscrição, a área a qual está se candidatando.

1.5. O candidato deverá indicar, no ato da inscrição, a área a qual está se candidatando. EDITAL Nº 009/2016 SELEÇÃO DE MEMBROS DA COMISSÃO PERMANENTE DE ASSESSORIA DO ENADE DA FATENE Edital de Seleção de membros que constituirão a Comissão Permanente de Assessoria preparatória para o Exame

Leia mais

FUNDAMENTOS DA SUPERVISÃO ESCOLAR

FUNDAMENTOS DA SUPERVISÃO ESCOLAR FUNDAMENTOS DA SUPERVISÃO ESCOLAR Profª. Carla Verônica AULA 03 SUPERVISÃO E PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO Identificar os princípios da gestão participativa; Analisar a dialética do ambiente escolar; Perceber

Leia mais