Planejamento Baseado em Casos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Planejamento Baseado em Casos"

Transcrição

1 Planejamento Baseado em Casos I. Introdução PCS Projeto de curso Júlio Monteiro e Luis Alves Ferreira a realidade toma forma apenas na memória, Marcel Proust, Na busca do tempo perdido. A capacidade de planejamento é um comportamento característico do ser inteligente, permitindo prever situações e gerar ações correspondentes no mundo real com base em seu conhecimento atual. Esta atividade requer uma série de funções complexas, que vão desde representar o conhecimento de maneira eficiente até a capacidade de localizar os motivos de uma falha. Das várias abordagens de planejamento em IA, o planejamento baseado em casos, obtém uma grande eficiência lidando com um grau elevado de complexidade. Um paradigma de raciocínio alternativo aos sistemas especialistas (ou sistemas baseado em conhecimento) e, portanto, um novo método computacional para a solução de problemas tem, cada vez mais, chamado a atenção. CBR (case-based reasoning) resolve novos problemas adaptando soluções bem--sucedidas de problemas semelhantes. O CBR é uma evolução em relação aos sistemas especialistas, pois: não requer um modelo explícito de domínio, mas sim a coleta de casos a implementação está na identificação de características relevantes que descrevem um caso usa técnicas de bando de dados o sistema aprende pelo conhecimento adquirido com novos casos Este trabalho apresenta uma visão do planejamento baseado em casos formada durante a pesquisa para o desenvolvimento de um planejador de receitas de bebidas em Prolog. A primeira parte situa o planejamento dentro da inteligência artificial, fazendo uma apresentação didática de conceitos. Em seguida é apresentado o trabalho realizado em Prolog, os resultados alcançados e as dificuldades na implementação. II. Planning Planning é o termo utilizado em IA para designar mecanismos que traçam caminhos para algum objetivo. Na busca de um solucionador genérico de problemas, foram feitas algumas formulaçõs na tentativa de alcançar este objetivo: Planejamento lógico Planejamento baseado em operadores Planejamento baseado em tempo Planejamento baseado em casos Planejamento baseado em restrições Planejamento distribuído Página 1 de 12

2 Planejamento reativo A. Planejamento lógico O acúmulo de experiências utilizado na formulação de planos de ação em situações onde as informações são incompletas [Genesereth 86]. σ Γ ρ i Planejador (planner) γ Executor Ω g Considerando σ como um estado inicial ρ como objetivos (goals) Γ como ações (conjunto de operadores da conceituação) Ω como o conjunto de sentenças sobre o estado inicial O planejador vai tentar gerar um plano γ que, quando executado a partir de estado satisfazendo a descrição do estado inicial, vai levar a um estado satisfazendo a descrição do estado objetivo. A apresentação do contexto leva a diferentes tipos de problemas de planejamento: 1. Problema de cenário (Frame Problem) Após dirigir seu carro quatro portas do ponto A para o ponto B Qual é a cor do carro? Quantas portas ele têm? etc. 2. Problema de qualificação Se girar a chave na ignição de seu carro o motor vai pegar... a menos que a bateria não esteja descarregada... ou a gasolina não tiver acabado... ou não tenha uma batata no escapamento... etc. 3. Problema de ramificação Se dirigir seu carro do ponto A para o B, então como resultado o carro agora está em B... assim como seu motor... seus pneus... Página 2 de 12

3 etc. B. Planejamento baseado em operador es As açõs são representadas por operadores, também chamada de abordagem STRIPS, utiliza vários esquemas de operadores e representações de planos. O problema de cenário (frame problem) pode ser esolvido utilizando-se a abordagem STRIPS. Os pontos principais a serem considerados são: 1. Esquema de operadores Listas de adição e deleção, representações procedurais vs. declarativas Página 3 de 12

4 2. Representações dos planos Planos lineares, planos não lineares, planos hierárquicos, planos parcialmente ordenados, planos condicionais 3. Algoritmos de planejamento Planejamento como busca, world-space vs. plan-space, planejamento do orden parcial, planejamtento de ordem total, progressão, regressão do objetivo A complexidade computacional do planejamento. 4. Crítica de planos Reformulação de planos, conserto, ordem total O STRIPS é um exemplo de planejamento que combina a busca heurística no espaço de busca e resolução. C. Algoritmos de planejamento É o planejamento como busca. Existem duas abordagens: Busca no world-space cada nó do grafo representa um estado no mundo. Arcos do grafo correspondem à execução de uma ação específica. O problema de planejamento é achar um caminho do estado inicial para o estdo objetivo. Existem dois algoritmos: Progressão: um algoritmo que busca pelo estado objetivo através dos estados gerados pelas ações que podem ser realizadas em um dado estado, iniciando pelo estado inicial. Regressão: um algoritmo que busca a partir do estado objetivo identificando aquelas ações cujo efeito satisfazem um ou mais objetivos atingidos, e assumindo as condições para tais ações como objetivos (regressão de objetivos). Ambos algoritmos são corretos (sound se um plano é produzido, ele funciona) e completos (se um plano existir, o algoritmo será capaz de achá-lo). Na maioria das situações a regressão se mostra a melhor estratégia. Busca no espaço de planos (plan space) cada nó do grafo representa planos parciais. Arcos representam operações de refinamento no plano. A busca por um plano pode ser feita com uma sequência ordenada de ações (total order planning), ou um plano com um conjunto parcial de ações ordenadas (partial order planning, POP) a) Partial order planning, POP Um plano parcialmente ordenado tem três componentes:. Um conjunto de ações, por exemplo: {tomar-café-da-manhã, tomar-banho, acordar, ir-para-o-trabalho}. Um conjunto de restrições de ordenamento, por exemplo: {acordar antes de tomar-café-da-manhã, acordar antes de tomar-banho, Página 4 de 12

5 acordar antes de ir-para-o-trabalho, tomar-banho antes de ir-para-o-trabalho}. Um conjunto de vínculos causais, por exemplo: acordar -- acordado --> tomar-café-da-manhã é um vínculo entre as duas atividades. Quando a atividade acordar é adicionada ao plano, o vínculo causal é gravado juntamente com as restrições de ordenamento. Vínculos causais ajudam na identificação de inconsistências sempre que um plano parcial é definido. D. Planejamento baseado em casos Dados um novo problema, um objetivo, uma descrição do estdo inicial, procurar na biblioteca de casos por problemas semelhantes, com estados inicial e objetivo semelhantes. Modificar o plano recuperado para adequá-lo ao novo problema. O sucesso depende da identificaçãos de boas métricas de similaridade. E. Repr esentação de casos Como já foi mencionado, o primeiro sistema que passou a ser chamado de planejador baseado em casos foi o sistema CYRUS, de Kolodner, utilizou o modelo de memória dinâmica de Schank. Neste modelo a memória de casos é uma estrutura hierárquica do que se chama E-MOPS episodic memory organization packets. A idéia básica é organizar casos especifícos que compartilhem propriedades semelhantes em uma estrutura mais geral um episódio genérico (EG). Um episódio genérico contém três tipos de objetos: Nomras, casos e índices. Normas são características comuns a todos casos indexados sobre um EG. Índices são características que diferenciam os casos entre diferentes EGs. Página 5 de 12

6 Um índice pode apontar para um EG mais específico, ou diretamente para um caso. Um índice é composto por dois termos: um nome e um valor. III. Planejador de Receitas de Bebidas O modelo utilizado na implementação de um planner em PROLOG foi o seguinte, onde, O usuário elicita características de uma bebida (problema); Página 6 de 12

7 O recuperador identifica o sub conjunto próprio de planos passados que têm semelhança com o novo caso e escolhe um que julgar o mais semelhante; O novo caso e o mais semelhante encontrado na memória de casos são entregueas ao modificador para a geração de um plano (solução). O novo plano é entregue ao avaliador para testar se cumpre os objetivos propostos. Caso o plano atinja os objetivos ele é guardado como um caso passado. O caso do plano ruim não foi tratado. A complexidade de identificar o por que de um plano falhar foi deixada para uma possível continuidade deste trabalho, a elaboração do reparador de planos (repairer). A. Uma pr oposta de bartender O planejamento baseado em casos é um abordagem de inteligência artificial que interpreta o planejamento como uma função da memória, ou seja, através de uma memória de casos. A forma como esta memória é indexada define como vai funcionar o algoritmo do recuperador de planos, e como faz para localizar os melhores planos de ação. O primeiro passo é separar, dentre o universo de casos passados, aqueles cuja solicitação inicial têm semelhanças com a nova solicitação. O plano que atingir o maior número de objetivos é, então, escolhido como sendo a melhor aproximação de solução encontrada. A forma como se seleciona um plano está ligada aos objetivos que satisfaz, buscando o que apresentar o de melhor índice de objetivos solucionados. O próximo passo do planejador é modificar o plano de forma a resolver totalmente a situação atual. Uma vez que este novo plano seja gerado e executado, ele é inserido novamente na memória de casos. Porém, nas situações onde o novo plano não funcionar como previsto, o planejador deveria ser capaz de avaliar o plano de forma a encontrar os motivos da falha do plano e então consertá-lo, ou mesmo elaborar uma nova visão do mundo com base nos novos dados. B. O Pr ograma Como aplicação exemplo desta teoria implementou-se um planejador baseado em casos, utilizando a linguagem PROLOG, que pretendeu modelar um bartender automático, que propõe receitas de bebidas de acordo com receitas previamente conhecidas, e que pode desenvolver novas receitas para atender os pedidos que recebe. 1. Objetivos do Projeto Em princípio, este planejador não deve ser capaz de consertar planos falhos, mas irá reformular sua visão do mundo com base em experiências erradas. 2. Metodologia Página 7 de 12

8 Vamos criar um planejador baseado em casos composto dos seguintes módulos: 1. retriever recupera um plano não ruim, dentre os armazenados, que satisfaça o maior número de objetivos. 2. modifier no caso de o plano recuperado pelo retriever não atender a todos objetivos, este módulo altera o plano de forma a cobrir os objetivos faltantes. A seguir, vai compará-lo com os planos na memória para saber se o plano é ruim. Sendo ruim, descarta a modificação e utiliza outra regra. Se acabarem as regras desiste. 3. evaluator executa o plano passo-a-passo para verificar se os objetivos são atingidos. No caso de identificar alguma restrição durante a execução, marca o plano como ruim armazenando-o na memória de planos. No caso de não haver restrições armazena o plano e entrega-o como solução. descrição Retriever ❶ Plano ❷ Consulta após modificação ❸ Plano modificado ❹ Armazena plano avaliado (bom/ruim) Modifier Evaluator Memória de Casos solução 3. Conceituação A fim de descrever logicamente nosso universo de discursso, entrevistamos um bartender, que nos indicou uma lista inicial de elementos que compõe o universo de um bar, e o conjunto mínimo de ferramentas utilizadas na preparação de bebidas. Identifica-se oito grupos de ingredientes, descritos a seguir com exemplos e comentários. Os comentários ajudam na definição de parâmetros de predicados de ingredientes e bebidas. Aguardentes Bourbon, Brandy, Gin, Rum, Scoth, Tequila, Vodka, Whiskey, Whisky Bebida destilada a partir de líquido fementado e que tem alto teor alcoólico. Essências Benedictine, Campari, Chartreuse, Cointreau, Creme de Cacao, Grand Marnier, Marschino, Orange Curaçao, Pernod, Triple Sec Página 8 de 12

9 Licores e revigorantes doces e de cores fortes, consumidos puros após refeições, também utilizado como especiaria mem coquetéis. São feitos adicionando-se essências a bebidas alcoólicas como o Brandy e Whiskey, ou alcoólico neutro como a Vodka. Vinhos Vinho Branco, Champagne, Vermouth Doce, Lillet, Porto, Sherry, Vinhot Tinto, Vermouth Seco De modo geral não devem ser misturados a outras bebidas alvcoólicas. Especiarias Angostura Bitters, Horseradish, Orange Bitters, Peach Bitters, Pepper, Peychaud Bitters, Sal, Tabasco, Worcestershire Tudo que não se enquadra em outras categorias entra aqui como especiaria. Sucos Suco de Morango, Suco de Limão, Suco de Laranja Muitos coquetéis incluem algum tipo de suco de frutas. O mais comum é o limão, mas muitos são necessários par aum bar decente. Mixers Club Soda, Cola, Ginger Ale, Soda, Água Tônica Bebidas gaseificadas (carbonadas) que compõe o drink. Xaropes Groselha, Falerno, Orchata Concentrados com alto teor de açucar, que podem ser considerados revigorantes não alcoólicos. Guarnições Azeitona, Rodela de Limão, Casca de Limão, Cereja, Cebola Picada, Fatia de Laranja A confecção adequada da maioria das bebidas inclui alguma guarnição que finaliza o drink. Pode ser puramente decorativo(como a rodela de limão), ou para ser apreciado enquanto se toma a bebida (como a azeitona). Página 9 de 12

10 Ferramentas básicas para se ter em um bar Com uma colher (para pegar uma azeitona no vidro, dosar o uísque no café) e as ferramentas acima compõe o conjunto mínimo de artefatos de um bar. Além dos copos de servir, palitos para mexer e gelo. Receitas clássicas Caipirinha, Cuba Libre, Manhatan, Martini foram as receitas escolhidas. Completa a coca com gelo e limão. a) Ingredientes escolhidos Partindo das receitas escolhidas, os ingredientes utilizados em seu preparo são os seguintes: refrigerantes (cola), aguardentes (rum, gim, whiskey e cachaça), vinhos (vermout doce), sucos (limão), especiarias (angostura), guarnições (azeitona e casca de limão). b) Restrições Não misturar vinhos com aguradentes. c) Regras de mudança na preparação de bebidas Incluir ingrediente que proporciona uma, ou mais, das características desejadas. 4. Interpretação Convertendo o problema no domínio selecionado em sentenças lógicas, foi possível escrever um programa na linguagem PROLOG capaz de: a) Recuperar planos indexados na memória de casos b) Propor uma solução baseado no plano encontrado pela busca c) Verificar a validade do plano criado considerando sua visão de mundo d) Indexar o novo plano, marcando-o como inválido, se este for o caso Para consultar a listagem da implementação em prolog, consulte o apêndice. Página 10 de 12

11 IV. Resultados alcançados Observou-se que, se a memória de planos contiver todas as receitas conhecidas por uma barman convencional, a grande maioria dos novos problemas vão se encaixar nos casos anteriores [Hammond 89]. Desta forma o planejamento se torna eficiente, pois uma busca indexada na memória de casos vai retornar uma solução adequada. Caso haja necessidade de alterar um plano o procedimento é mais trabalhoso. Isto se deve ao fato de que se deve testar o plano alterado para verificar se funciona. É importante ressaltar que, no caso de o plano ser falho, vai ser entregue ao usuário da mesma forma. Porém, é armazenado na memória como um plano ruim, evitando que o erro se repita. A. Utilização do pr ograma em Pr olog As perguntas feitas na forma: order(carac1, carac2, caracn, X). Têm como resposta um nome de bebida, que pode ser uma bebida pré-existente, ou uma bebida modificada de acordo com os objetivos que deve alcançar. Assim, a pergunta acima pode gerar uma resposta na seguinte forma: X = caipirinha. Se caipirinha atinje todos os objetivos colocados pelo usuário. Ou, então, X = caipirinha1 se a resposta foi alcançada alterando-se a receita de uma bebida existente. V. Problemas na implementação Encontramos dificuldade de ao tentar uma implementação genérica em PROLOG. Por exemplo, a definição de um predicado para a cópia de um átomo não é possível em lógica de primeira ordem, pois trata-se de metalógica. Assim, deve-se recorrer a predicados disponíveis no sistema. O problema está justamente ai: ao se recorrer a predicados de sistema perde-se a portabilidade da implementação entre os diversos interpretadores PROLOG existentes. A utilização da ferramenta demonstrou que melhorias podem ser feitas em seus recursos de depuração de código (principalmente quanto a depuração de código recursivo). Um outro problema vivenciado, este mais sútil, foi a dificuldade de racicionar em lógica. Quando se está acostumado a pensar de modo algoritimico (procedimentos) é preciso alterar o paradigma de programação antes de se usar um sistema como, por exemplo, o PROLOG. VI. Bibliografia [Genesereth 86] Michael R. Genesereth e Nils J. Nilsson, Logical Foundations of Artificial Intelligence, Stanford University, Morgan Kaufmann Publishers, 1986 [Hammond 89] Kristian J. Hammond, Case-Based Planning: Viewing Planning as a Memory Task, Perspectives in Artificial Intelligence, Vol. 1, Prentice Hall, Página 11 de 12

12 [Bratko 90] Ivan Bratko, PROLOG Programming For Artificial Intelligence, second edition, 1990 [Schank 82] Robert Schank, Dynamic Memory: a Theory of Remiding and Learning in Computers and People, Cambridge University Press, [Kolodner 83a] Janet Kolodner, Maintaining Organization in a Dynamic Longterm Memory, Cognitive Science, vol. 7, pgs , [Kolodner 83b] Janet Kolodner, Reconstructive Memory, a computer model, Cognitive Science, vol. 7, pgs , [Porter 86] Bruce Porter e R. Bareiss, PROTOS: An Experiment in Knowlodge Acquisition for Heuristic classification tasks, Proceeding of the First International Meeting on Advances in Learning (IMAL), Les Arcs, France, pgs , Página 12 de 12

Planejamento Baseado em Casos

Planejamento Baseado em Casos Planejamento Baseado em Casos PCS 5740 - Projeto de curso Júlio Monteiro e Luis Alves Ferreira 1.0 Introdução No trabalho esperamos praticar o Planning através de um descritor de receitas de coquetéis

Leia mais

NOÇÕES DE COQUETELARIA INTERNACIONAL. 1 Categorias

NOÇÕES DE COQUETELARIA INTERNACIONAL. 1 Categorias Matheus Wenzel NOÇÕES DE COQUETELARIA INTERNACIONAL 1 Categorias De acordo com a dosagem alcoólica, tamanho e temperatura dos drinques, a IBA chego a um consenso de dividi-los em Short Drinks, Long Drinks,

Leia mais

Capacitação para Garçom. Ficha Técnica de Coquetéis

Capacitação para Garçom. Ficha Técnica de Coquetéis Capacitação para Garçom Ficha Técnica de Coquetéis Capacitação para Garçom Ficha Técnica de Coquetéis Nome do Aluno São Paulo 2013 Senac-SP 2009 Administração Regional do Senac no Estado de São Paulo Gerência

Leia mais

Algoritmos e Programação (Prática) Profa. Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br

Algoritmos e Programação (Prática) Profa. Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br (Prática) Profa. Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Introdução O computador como ferramenta indispensável: Faz parte das nossas vidas; Por si só não faz nada de útil; Grande capacidade de resolução

Leia mais

Workshop de. Coquetelaria

Workshop de. Coquetelaria Workshop de Coquetelaria 1. Sazerac 6 2. Dry Martini Cocktail 6 3. Negroni 7 4. Manhattan 7 5. Cosmopolitan 7 6. Margarita 8 7. Daiquiri 8 8. Caipirinha 9 9. Mojito 9 10. Sex On The Beach 9 11. Apple Ginger

Leia mais

Guia de Especificação de Caso de Uso Metodologia CELEPAR

Guia de Especificação de Caso de Uso Metodologia CELEPAR Guia de Especificação de Caso de Uso Metodologia CELEPAR Agosto 2009 Sumário de Informações do Documento Documento: guiaespecificacaocasouso.odt Número de páginas: 10 Versão Data Mudanças Autor 1.0 09/10/2007

Leia mais

Receitas de Bebidas, Coquetéis, Vitaminas, Drinks, Sucos Vol. 2

Receitas de Bebidas, Coquetéis, Vitaminas, Drinks, Sucos Vol. 2 Receitas de Bebidas, Coquetéis, Vitaminas, Drinks, Sucos Vol. 2 alvoradanegocios.com.br 1 Índice 3 -Egg nog standard 4 -Egg nog com abacaxi 5 -Coquetel de aveia 6 -Gemada 7 -Banana e leite 8 -Leite de

Leia mais

O ALQUIMISTA DOS COQUETÉIS

O ALQUIMISTA DOS COQUETÉIS O ALQUIMISTA DOS COQUETÉIS MANUAL PRÁTICO DE BARMEN Por: Paulo Avelino Jacovos Noções de Coquetelaria Internacional Categorias Em função da dosagem alcoólica, tamanho e temperatura dos cocktails, convencionou-se

Leia mais

Receitas de coquetéis com Sagatiba

Receitas de coquetéis com Sagatiba Guia de Drinks Receitas de coquetéis com Sagatiba 2 Caipirinhas 3 Caipirinha Clássica Caipiginger Caipirinha de Morango & Kiwi Mediterranean Caipirinha Caipirinha de Melancia e Melão Caipirinha de Sagatiba

Leia mais

Tequila Fizz. Pina Colada. Margarita Frozen. Margarita. Hi Fi. Ingredientes: 1 dose de tequila 1 dose de suco de limão 1 colher (sobremesa) de açúcar

Tequila Fizz. Pina Colada. Margarita Frozen. Margarita. Hi Fi. Ingredientes: 1 dose de tequila 1 dose de suco de limão 1 colher (sobremesa) de açúcar Tequila Fizz 1 dose de tequila 1 dose de suco de limão 1 colher (sobremesa) de açúcar Bata os ingredientes com gelo, despeje num copo tipo long drink, complete com club soda e sirva com uma casca de limão

Leia mais

A ARTE DOS COQUETÉIS

A ARTE DOS COQUETÉIS A ARTE DOS COQUETÉIS MANUAL PRÁTICO DO BARTENDER Por: ANTONIO MARCOS SILVA DE SOUZA International Bartenders Association (Associação que reúne cerca de 50 países membros em todo o mundo). Noções de Coquetelaria

Leia mais

Técnicas para Programação Inteira e Aplicações em Problemas de Roteamento de Veículos 14

Técnicas para Programação Inteira e Aplicações em Problemas de Roteamento de Veículos 14 1 Introdução O termo "roteamento de veículos" está relacionado a um grande conjunto de problemas de fundamental importância para a área de logística de transportes, em especial no que diz respeito ao uso

Leia mais

BEBIDAS. CEF Empregado de Bar Modulo: Serviço de Bebidas Ano lectivo 2011/2012. Formador: José Pinto Leite AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FAJÕES

BEBIDAS. CEF Empregado de Bar Modulo: Serviço de Bebidas Ano lectivo 2011/2012. Formador: José Pinto Leite AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FAJÕES BEBIDAS CEF Empregado de Bar Modulo: Serviço de Bebidas Ano lectivo 2011/2012 CAPITAÇÕES Capitação aconselhada para as diversas Bebidas Simples Ao contrário do que acontece na maioria dos Países da Europa,

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

Algoritmos e Programação Parte Teórica

Algoritmos e Programação Parte Teórica Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia da Produção / Elétrica Algoritmos e Programação Parte Teórica Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Ciclo de Vida Clássico ou Convencional CICLOS DE VIDA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS. Ciclo de Vida Clássico ou Convencional. Enfoque Incremental

Ciclo de Vida Clássico ou Convencional CICLOS DE VIDA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS. Ciclo de Vida Clássico ou Convencional. Enfoque Incremental CICLOS DE VIDA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Elicitação Ciclo de Vida Clássico ou Convencional O Modelo Cascata Análise Ana Paula Terra Bacelo Blois Implementação Material Adaptado do Prof. Marcelo Yamaguti

Leia mais

Algoritmos: Lógica para desenvolvimento de programação de computadores. Autor: José Augusto Manzano. Capítulo 1 Abordagem Contextual

Algoritmos: Lógica para desenvolvimento de programação de computadores. Autor: José Augusto Manzano. Capítulo 1 Abordagem Contextual Algoritmos: Lógica para desenvolvimento de programação de computadores Autor: José Augusto Manzano Capítulo 1 Abordagem Contextual 1.1. Definições Básicas Raciocínio lógico depende de vários fatores para

Leia mais

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Objetivos da aula: Introduzir os conceitos de um processo de desenvolvimento de software Definir os processos básicos Apresentar as vantagens

Leia mais

Sanduíches & Entradas

Sanduíches & Entradas Sanduíches & Entradas SANDUÍCHES 42001 Misto ( três fatias de pão de forma - comum ou integral - com queijo e presunto ) 42006 Peru Light ( pão de forma - comum ou integral - com peito de peru e ricota

Leia mais

Batidos. - Batido de Ananás - Batido de Banana - Batido de Morango. Página inicial

Batidos. - Batido de Ananás - Batido de Banana - Batido de Morango. Página inicial Cocktails :: Batidos Batidos - Batido de Ananás - Batido de Banana - Batido de Morango Página inicial http://cocktails.do.sapo.pt/batidos.htm02-11-2007 10:16:31 Cocktails :: Receitas de Bebidas Top Bebidas

Leia mais

CAFÉ COQUETÉIS. destruídos, restando apenas a cafeína, que não é destruída com a excessiva

CAFÉ COQUETÉIS. destruídos, restando apenas a cafeína, que não é destruída com a excessiva Café Coquetéis CAFÉ COQUETÉIS O café é uma bebida estimulante, agradável, reanimadora, que apresenta aroma e sabor característicos e é capaz de agradar aos mais variados paladares. Versátil, compõe receitas

Leia mais

Engenharia de Requisitos

Engenharia de Requisitos Engenharia de Requisitos Introdução a Engenharia de Requisitos Professor: Ricardo Argenton Ramos Aula 08 Slide 1 Objetivos Introduzir a noção de requisitos do sistema e o processo da engenharia de requisitos.

Leia mais

Engenharia de Software Software Requirements

Engenharia de Software Software Requirements Requisitos Engenharia de Software Software Requirements SWEBOK, Capítulo 2 Primeira Classificação de Requisito 1. Requisito do usuário: declarações sobre as funções que o sistema deve oferecer 2. Requisito

Leia mais

Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml

Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml Projeto de formação de professores em Matemática Um projeto exclusivo

Leia mais

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza O PROJETO DE PESQUISA Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza ROTEIRO Escolher um tema de pesquisa Por onde começar? Ler para aprender Estrutura do Projeto de Pesquisa A Definição

Leia mais

Desenho de Software. Desenho de Software 1

Desenho de Software. Desenho de Software 1 Desenho de Software Desenho de Software 1 Sumário Caracterização Conceitos fundamentais Desenho funcional e desenho OO Qualidades Desenho de Software 2 Bibliografia Pfleeger, Capítulo 6 Design the Modules

Leia mais

COPO AMERICANO. é o copo do povão, com todo o respeito. Para se tomar uma boa cerveja na "padoca" o copo americano é indispensável.

COPO AMERICANO. é o copo do povão, com todo o respeito. Para se tomar uma boa cerveja na padoca o copo americano é indispensável. TIPOS DE COPOS As medidas dos copos utilizados nesta relação visam apenas ser uma referência do tamanho destes copos, uma vez que constumam variar de um fabricante para outro. Existem outros tantos tipos

Leia mais

ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA

ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA INTRODUÇÃO O projeto de um banco de dados é realizado sob um processo sistemático denominado metodologia de projeto. O processo do

Leia mais

Muitas têm sido usadas como: moeda em rituais religiosos como símbolos políticos como fonte de inspiração filosófica e artística

Muitas têm sido usadas como: moeda em rituais religiosos como símbolos políticos como fonte de inspiração filosófica e artística Chef André Leite Muitas têm sido usadas como: moeda em rituais religiosos como símbolos políticos como fonte de inspiração filosófica e artística 6 bebidas definem a história mundial: Cerveja Vinho Destilados

Leia mais

15 Computador, projeto e manufatura

15 Computador, projeto e manufatura A U A UL LA Computador, projeto e manufatura Um problema Depois de pronto o desenho de uma peça ou objeto, de que maneira ele é utilizado na fabricação? Parte da resposta está na Aula 2, que aborda as

Leia mais

Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF Colegiado de Engenharia de Computação CECOMP

Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF Colegiado de Engenharia de Computação CECOMP Algoritmos e Programação Ricardo Argenton Ramos Baseado nos slides do professor Jadsonlee da Silva Sá Ementa Conceito de algoritmo. Lógica de programação e programação estruturada. Linguagem de definição

Leia mais

BROOKLYN R E S T A U R A N T E

BROOKLYN R E S T A U R A N T E Whiskies Ballantine s Gold 25.00 Black & White 18.00 Buchanan s 25.00 Chivas Regal 25.00 Cutty Sark 8 anos 18.00 Dimple 15 anos 40.00 Famous Grouse 18.00 Glenfiddich 12 anos 25.00 Glenfiddich 18 anos 60.00

Leia mais

Inteligência Artificial

Inteligência Artificial Inteligência Artificial Apontamentos para as aulas Luís Miguel Botelho Departamento de Ciências e Tecnologias da Informação Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa Julho de 2015 1 Programação

Leia mais

Inteligência Artificial

Inteligência Artificial Inteligência Artificial As organizações estão ampliando significativamente suas tentativas para auxiliar a inteligência e a produtividade de seus trabalhadores do conhecimento com ferramentas e técnicas

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Prof. José Honorato F.N. Prof. José Honorato F.N. honoratonunes@gmail.com Requisitos de Software Software é o conjunto dos programas e dos meios não materiais que possibilitam o

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

RECEITAS DE COQUETÉIS

RECEITAS DE COQUETÉIS RECEITAS DE COQUETÉIS MANUAL COMPLETO Não pode ser vendido separadamente deste servidor www.worldatos.com www.worldatos.com Amigo Internauta, Você acaba de adquirir um manual que lhe ajudará muitíssimo,

Leia mais

Boas Práticas em Gerenciamento de Projetos Material utilizado nas aulas de Pós-graduação do Centro de Informática 2010.2

Boas Práticas em Gerenciamento de Projetos Material utilizado nas aulas de Pós-graduação do Centro de Informática 2010.2 O que é um? s: Tradicional e/ou Ágil? Cristine Gusmão, PhD Tem início e fim bem determinados Things are not always what they seem. Phaedrus, Escritor e fabulista Romano O projeto é uma sequência única,

Leia mais

Se observarmos nos diferentes livros. Planejamento de Testes a partir de Casos de Uso

Se observarmos nos diferentes livros. Planejamento de Testes a partir de Casos de Uso Planejamento de Testes a partir de Casos de Uso Arilo Cláudio Dias Neto ariloclaudio@gmail.com É Bacharel em Ciência da Computação formado na Universidade Federal do Amazonas, Mestre em Engenharia de Sistemas

Leia mais

Computadores de Programação (MAB353)

Computadores de Programação (MAB353) Computadores de Programação (MAB353) Aula 19: Visão geral sobre otimização de programas 06 de julho de 2010 1 2 3 Características esperadas dos programas O primeiro objetivo ao escrever programas de computador

Leia mais

Lógica de Programação

Lógica de Programação Lógica de Programação O que é lógica? Conjunto de regras e princípios que orientam, implícita ou explicitamente, o desenvolvimento de uma argumentação ou de um raciocínio, a resolução de um problema, etc.

Leia mais

Teste de software. Definição

Teste de software. Definição Definição O teste é destinado a mostrar que um programa faz o que é proposto a fazer e para descobrir os defeitos do programa antes do uso. Quando se testa o software, o programa é executado usando dados

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

Limitações dos Computadores

Limitações dos Computadores Limitações dos Computadores Baseado em Computers Ltd. What they really can t do, David Harel. Oxford University Press, 2000. Computadores e Redes de Comunicação Mestrado em Gestão de Informação, FEUP 2004/07

Leia mais

Sistema Educacional e Médico On-line (SEMedicOn): uma ferramenta híbrida para auxiliar pacientes, médicos e estudantes da saúde

Sistema Educacional e Médico On-line (SEMedicOn): uma ferramenta híbrida para auxiliar pacientes, médicos e estudantes da saúde Sistema Educacional e Médico On-line (SEMedicOn): uma ferramenta híbrida para auxiliar pacientes, médicos e estudantes da saúde Cláudia Batista Melo 1, 2, Ulrich Schiel 3, Lourdes Mattos Brasil 4, Edilson

Leia mais

Frameworks. Pasteur Ottoni de Miranda Junior

Frameworks. Pasteur Ottoni de Miranda Junior Frameworks Pasteur Ottoni de Miranda Junior 1-Definição Apesar do avanço das técnicas de desenvolvimento de software, a construção de software ainda é um processo extremamente complexo.a reutilização tem

Leia mais

3/9/2010. Ligação da UCP com o barramento do. sistema. As funções básicas dos registradores nos permitem classificá-los em duas categorias:

3/9/2010. Ligação da UCP com o barramento do. sistema. As funções básicas dos registradores nos permitem classificá-los em duas categorias: Arquitetura de Computadores Estrutura e Funcionamento da CPU Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense P.U.R.O. Revisão dos conceitos básicos O processador é o componente vital do sistema de

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Centro de Informática - Universidade Federal de Pernambuco Kiev Gama kiev@cin.ufpe.br Slides originais elaborados por Ian Sommerville e adaptado pelos professores Márcio Cornélio,

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Ementa Introdução a Banco de Dados (Conceito, propriedades), Arquivos de dados x Bancos de dados, Profissionais de Banco de dados,

Leia mais

Um Sistema de Suporte ao Planejamento para Gestão de Projetos

Um Sistema de Suporte ao Planejamento para Gestão de Projetos Um Sistema de Suporte ao Planejamento para Gestão de Projetos Fabrício Jailson Barth, Edson Satoshi Gomi Laboratório de Engenharia de Conhecimento (Knoma) Departamento de Computação e Sistemas Digitais

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS APRESENTAÇÃO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Breve histórico da instituição seguido de diagnóstico e indicadores sobre a temática abrangida pelo projeto, especialmente dados que permitam análise da

Leia mais

Costelinha ao molho de rapadura com mandioca. Surubim ao molho de marácuja com mandioca

Costelinha ao molho de rapadura com mandioca. Surubim ao molho de marácuja com mandioca Mandioca cozida ao alho Fritas com queijo Língua com pão ao molho madeira e acompanhada de pão minerim Costelinha ao molho de rapadura com mandioca acebolada com mandioca cozida na manteiga de garrafa

Leia mais

Projeto e Análise de Algoritmos Projeto de Algoritmos Tentativa e Erro Parte 2. Prof. Humberto Brandão humberto@bcc.unifal-mg.edu.

Projeto e Análise de Algoritmos Projeto de Algoritmos Tentativa e Erro Parte 2. Prof. Humberto Brandão humberto@bcc.unifal-mg.edu. Projeto e Análise de Algoritmos Projeto de Algoritmos Tentativa e Erro Parte 2 Prof. Humberto Brandão humberto@bcc.unifal-mg.edu.br versão da aula: 0.3 Última aula teórica Algoritmo de Tentativa e Erro:

Leia mais

Orientações para o Planejamento e Realização do Projeto Final

Orientações para o Planejamento e Realização do Projeto Final Orientações para o Planejamento e Realização do Projeto Final Simone Diniz Junqueira Barbosa Versão: 1.0.4 Orientações para o Planejamento e Realização do Projeto Final Sumário 1 Introdução... 3 2 Projeto

Leia mais

Objetivos. Processos de Software. Tópicos abordados. O processo de software. Modelos genéricos de modelos de processo de software.

Objetivos. Processos de Software. Tópicos abordados. O processo de software. Modelos genéricos de modelos de processo de software. Processos de Software Objetivos Apresentar os modelos de processo de software Conjunto coerente de atividades para especificar, projetar, implementar e testar s de software Descrever os diferentes modelos

Leia mais

CAPÍTULO 2. Grafos e Redes

CAPÍTULO 2. Grafos e Redes CAPÍTULO 2 1. Introdução Um grafo é uma representação visual de um determinado conjunto de dados e da ligação existente entre alguns dos elementos desse conjunto. Desta forma, em muitos dos problemas que

Leia mais

ESTUDO DE CASO: QUAL GRUPO, FORMAL OU INFORMAL, POSSUI MAIOR INFLUÊNCIA NA EMPRESA V8 PRODUÇÕES LTDA, NA REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES?

ESTUDO DE CASO: QUAL GRUPO, FORMAL OU INFORMAL, POSSUI MAIOR INFLUÊNCIA NA EMPRESA V8 PRODUÇÕES LTDA, NA REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES? ESTUDO DE CASO: QUAL GRUPO, FORMAL OU INFORMAL, POSSUI MAIOR INFLUÊNCIA NA EMPRESA V8 PRODUÇÕES LTDA, NA REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES? Andrieli Ariane Borges Avelar, UNESPAR/FECILCAM João Marcos Borges Avelar,

Leia mais

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PIM PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO COM O MERCADO GUIA DE CURSO Tecnologia em Sistemas de Informação Tecnologia em Desenvolvimento Web Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnologia em Sistemas

Leia mais

Aula 01. - Bibliografia - Definições - Operadores - Criação de um algoritmo - Exercícios. Algoritmo e Programação. Prof. Fábio Nelson.

Aula 01. - Bibliografia - Definições - Operadores - Criação de um algoritmo - Exercícios. Algoritmo e Programação. Prof. Fábio Nelson. - Bibliografia - Definições - Operadores - Criação de um algoritmo - Exercícios Aula 01 Slide 1 BIBLIOGRAFIA SCHILDT H. C Completo e Total, Makron Books. SP, 1997. Curso de linguagem C da UFMG. ZIVIANI,

Leia mais

Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes

Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes 1. Necessidades de Gerenciamento Por menor e mais simples que seja uma rede de computadores, precisa ser gerenciada, a fim de garantir, aos seus usuários,

Leia mais

Workflow Genético para Planejamento e Gerenciamento de Currículo em EAD

Workflow Genético para Planejamento e Gerenciamento de Currículo em EAD Workflow Genético para Planejamento e Gerenciamento de Currículo em EAD Autor: Robson da Silva Lopes 1, Orientadora: Prof a. Dr a. Márcia Aparecida Fernandes 1 1 Programa de Pós-Graduação em Ciência da

Leia mais

Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Gerenciamento de Memória: Introdução O gerenciamento de memória é provavelmente a tarefa mais complexa de um sistema operacional multiprogramado.

Leia mais

Uso de SAS/OR para diminuir o tempo de resposta com um melhor posicionamento de ambulâncias.

Uso de SAS/OR para diminuir o tempo de resposta com um melhor posicionamento de ambulâncias. Uso de SAS/OR para diminuir o tempo de resposta com um melhor posicionamento de ambulâncias. Fábio França 1, 1 Logical Optimization Rua Tanhaçu número 405, CEP 05679-040 São Paulo, Brasil fabio.franca@optimization.com.br

Leia mais

Programação para Computação

Programação para Computação Universidade Federal do Vale do São Francisco Programação para Computação Professor: Marcelo Santos Linder E-mail: marcelo.linder@univasf.edu.br Ementa Conceito de algoritmo. Lógica de programação e programação

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 27 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 27-26/07/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software Métricas para software

Leia mais

NetBeans. Conhecendo um pouco da IDE

NetBeans. Conhecendo um pouco da IDE NetBeans Conhecendo um pouco da IDE Professor: Edwar Saliba Júnior Sumário Apresentação:...1 Criando Um Novo Projeto de Software:...1 Depurando Um Código-fonte:...4 Entendendo o Código-fonte:...7 Dica

Leia mais

Modo de Fazer: Misture os ingredientes com gelo e coe para um copo de coquetel. Americaninho. Ingredientes:

Modo de Fazer: Misture os ingredientes com gelo e coe para um copo de coquetel. Americaninho. Ingredientes: Dia quente Alfonso Especial 1 e 1/2 dose de licor Grand Marnier; 3/4 dose de gin (seco); 3/4 dose vermute seco; 4 gotas de vermute doce; 1 gota de angustura. Misture os ingredientes com gelo e coe para

Leia mais

Introd. Engenharia de Produção. Projeto de Engenharia

Introd. Engenharia de Produção. Projeto de Engenharia Introd. Engenharia de Produção 2007 Projeto de Engenharia Prof. João A. Camarotto Projeto de Engenharia Execução de um conjunto de ações de forma coordenada para realizar a construção, a fabricação, o

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software O que é a engenharia de software É um conjunto integrado de métodos e ferramentas utilizadas para especificar, projetar, implementar e manter um sistema. Método É uma prescrição

Leia mais

Estrutura de um Sistema Especialista

Estrutura de um Sistema Especialista Sistemas Especialistas Difusos Estrutura de um Sistema Especialista Prof. Max Pereira http://paginas.unisul.br/max.pereira Áreas de Aplicação da IA SISTEMAS Sistemas Especialistas (Baseados em Conhecimento)

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Dadas a base e a altura de um triangulo, determinar sua área.

Dadas a base e a altura de um triangulo, determinar sua área. Disciplina Lógica de Programação Visual Ana Rita Dutra dos Santos Especialista em Novas Tecnologias aplicadas a Educação Mestranda em Informática aplicada a Educação ana.santos@qi.edu.br Conceitos Preliminares

Leia mais

Atividade da gerência da qualidade

Atividade da gerência da qualidade O que é qualidade de software? Qualidade, de forma simplista, significa que o produto deve esta de acordo com a especificação. Problemas: Tensão entre requisitos do cliente: Eficiência, confiança, etc.

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos

Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com PMBoK Processos de Gerenciamento de Projetos Para que um projeto seja bem-sucedido,

Leia mais

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014 Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 Este relatório baseia-se nas respostas apresentadas no Inventário de Análise Pessoal comportamentos observados através questionário

Leia mais

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS Fortaleza Ce Agosto 2009 Liádina Camargo Lima Universidade de Fortaleza liadina@unifor.br Categoria C Métodos

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DOS SISTEMAS

CARACTERÍSTICAS DOS SISTEMAS CARACTERÍSTICAS DOS SISTEMAS Computador Duas características básicas de todo sistema Uma coleção de componentes Um conjunto de relações entre seus componentes Um exemplo Nível de Sistemas Nível de Sub-Sistemas

Leia mais

Engenharia de Software Questionário sobre Engenharia de Requisitos Resolvido Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante

Engenharia de Software Questionário sobre Engenharia de Requisitos Resolvido Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante 1 - Q193183 ( Prova: FCC - 2011 - TRT - 19ª Região (AL) - Analista Judiciário - Tecnologia da Informação / Engenharia de Software / Análise de Requisitos; Engenharia de Requisitos; ) De acordo com Sommerville,

Leia mais

Programação Estruturada e Orientada a Objetos. Fundamentos Orientação a Objetos

Programação Estruturada e Orientada a Objetos. Fundamentos Orientação a Objetos Programação Estruturada e Orientada a Objetos Fundamentos Orientação a Objetos 2013 O que veremos hoje? Introdução aos fundamentos de Orientação a Objetos Transparências baseadas no material do Prof. Jailton

Leia mais

O que veremos nesta aula? Principais Aspectos de Sistemas Operacionais. Visão geral de um sistema computacional

O que veremos nesta aula? Principais Aspectos de Sistemas Operacionais. Visão geral de um sistema computacional O que veremos nesta aula? Principais Aspectos de Sistemas Operacionais Laboratório de Sistemas Operacionais Aula 1 Flávia Maristela (flavia@flaviamaristela.com) Tudo o que já vimos antes... Introdução

Leia mais

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Um Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) é constituído por um conjunto de dados associados a um conjunto de programas para acesso a esses

Leia mais

Profissionalização em GP GPA010 - Gerenciamento do Escopo. Introdução: Proposta do Treinamento: Atividades: Temos nesse Módulo 4 Unidades de Ensino:

Profissionalização em GP GPA010 - Gerenciamento do Escopo. Introdução: Proposta do Treinamento: Atividades: Temos nesse Módulo 4 Unidades de Ensino: Introdução: Este módulo não é um módulo básico e depende de formação geral em Gerenciamento de Projetos, padrão PMI, sendo aplicado no aprofundamento de conhecimentos dessa área Nesse módulo o participante

Leia mais

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia.

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia. 1 Introdução aos Sistemas de Informação 2002 Aula 4 - Desenvolvimento de software e seus paradigmas Paradigmas de Desenvolvimento de Software Pode-se considerar 3 tipos de paradigmas que norteiam a atividade

Leia mais

2 Diagrama de Caso de Uso

2 Diagrama de Caso de Uso Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Caso de Uso (Use Case) Autoria:Aristófanes Corrêa

Leia mais

Introdução. Aulas. ltodi.est.ips.pt/es. Detalhes administrativos Definição de engenharia de software Contexto Relação com outras áreas e disciplinas

Introdução. Aulas. ltodi.est.ips.pt/es. Detalhes administrativos Definição de engenharia de software Contexto Relação com outras áreas e disciplinas Sumário Introdução Joaquim Filipe João Ascenso Engenharia de Software 2005/06 EST, Setúbal Detalhes administrativos Definição de engenharia de software Contexto Relação com outras áreas e disciplinas 2

Leia mais

Feature-Driven Development

Feature-Driven Development FDD Feature-Driven Development Descrição dos Processos Requisitos Concepção e Planejamento Mais forma que conteúdo Desenvolver um Modelo Abrangente Construir a Lista de Features Planejar por

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO ENSINO DE DISCIPLINA / CRÉDITO RESUMO INTRODUTÓRIO

ORGANIZAÇÃO DO ENSINO DE DISCIPLINA / CRÉDITO RESUMO INTRODUTÓRIO ORGANIZAÇÃO DO ENSINO DE DISCIPLINA / CRÉDITO RESUMO INTRODUTÓRIO Roberto Leal Lobo e Silva Filho A organização do ensino de uma disciplina específica dentro de um currículo de graduação vai depender,

Leia mais

Jogo de Tabuleiro - Mancala Relatório Final

Jogo de Tabuleiro - Mancala Relatório Final Jogo de Tabuleiro - Mancala Relatório Final Inteligência Artificial 3º ano do Mestrado Integrado em Engenharia Informática e Computação Elementos do Grupo: Bruno Lima 080509068 bruno.lima@fe.up.pt Pedro

Leia mais

Notas de Aula 04: Casos de uso de um sistema

Notas de Aula 04: Casos de uso de um sistema Notas de Aula 04: Casos de uso de um sistema Objetivos da aula: Aprender os elementos básicos da modelagem por casos de uso Utilizar as associações entre casos de uso, atores e demais artefatos Compreender

Leia mais

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA 58 FUNDIÇÃO e SERVIÇOS NOV. 2012 PLANEJAMENTO DA MANUFATURA Otimizando o planejamento de fundidos em uma linha de montagem de motores (II) O texto dá continuidade à análise do uso da simulação na otimização

Leia mais

Fatores de Qualidade de Software

Fatores de Qualidade de Software Programação Orientada por Objetos Programação Orientada por Objetos Kecia Aline Marques Ferreira Princípios, objetivos e filosofia 2007 Kecia A. M. Ferreira POO 1 Kecia A. M. Ferreira POO 2 Princípios,

Leia mais

Uma Aplicação de Ensino Orientada a Agentes na Internet

Uma Aplicação de Ensino Orientada a Agentes na Internet 1 de 5 22/7/2008 17:14 Uma Aplicação de Ensino Orientada a Agentes na Internet Adriana Soares Pereira Cláudio Fernando Resin Geyer adriana@inf.ufrgs.br Resumo Este trabalho apresenta uma proposta de desenvolvimento

Leia mais

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Histórico Uso de Metodologias Histórico Uso de Metodologias Era da Pré-Metodologia 1960-1970 Era da Metodologia

Leia mais

Ontologias. Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília

Ontologias. Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Ontologias Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Origem Teoria sobre a natureza da existência Ramo da filosofia que lida com a natureza e organização da realidade.

Leia mais