FUNÇÃO ELEITORAL PLANO DE AÇÃO 12 e 13/03

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FUNÇÃO ELEITORAL PLANO DE AÇÃO 12 e 13/03"

Transcrição

1 FUNÇÃO ELEITORAL PLANO DE AÇÃO 12 e 13/03

2 Dia 2 Dia 1 AGENDA 1 Apresentação do status da execução do Plano de Ação 2 Carta de Conjuntura da Função Eleitoral Governança do Plano de Ação da Função Eleitoral Análise e Recomendações ALMOÇO Avaliação do Plano de Ação Análise detalhada e Recomendações Intervalo Próximo ciclo do Plano de Ação Sugestão de novas ações

3 Apresentação do status da execução do Plano de Ação

4 Time Line Função Eleitoral (1932) (1933) (1934) (1937) (1946) (1951) (1965) (1965) º Código Eleitoral do Brasil e criação do MPE Constituição de 1934 prevê expressamente o MPE MPE reaparece na Constituição Federal Código Eleitoral estabelece órgãos e respectiva atuação do MPE Estatuto do MP Estadual Decreto nº Regula competência e atribuições do MPE Extinta Justiça Federal de 1ª e 2ª Instâncias Lei Orgânica do MPU previu a atuação dos PREs juntos aos TREs (Procurador Regional da Justiça Eleitoral) Lei Orgânica do MPU previu a atuação dos PREs juntos aos TREs (Procurador Regional da Justiça Eleitoral)

5 Time Line Função Eleitoral A CF não prevê expressamente o (1983) (1986) MPE (1990) (1993) (1997) (2008) (2010) Portaria nº 205 PGR resolveu que a representação do MPE junto aos TREs era de competência do Procurador-Chefe Estruturação do MPF e criação da Secretaria de Coordenação do MPE do PGE (Extinta posteriormente) (1988) Lei Complementar nº64/1990 que estabelece os casos de inelegibilidade e prazos de cassação Lei Complementar nº 75, dispõe sobre a organização, atribuições e o estatuto do MPU (Mandato de dois anos para os PREs) Lei nº 9504/97 estabelece normas para as eleições e a cota eleitoral de gênero 30A - Captação e gastos ilícitos e recursos de campanha 41A Captação ilícita de sufrágio RESOLUÇÃO CNMP N 30, DE 19 DE MAIO DE (Alterada pela Resolução nº 90/2012) Estabelece parâmetros para a indicação e a designação de membros do Ministério Público para exercer função eleitoral em 1º grau. Lei Complementar nº 135/2010 Lei da Ficha Limpa

6 Plano de Ação É uma ferramenta de planejamento de todas as ações necessárias para atingir um resultado desejado. É o momento para identificar e definir as atividades prioritárias em consonância com o ciclo orçamentário.

7 Matriz de Avaliação do Portfólio de Ações Alto Resultado Alcançado pela Conclusão da Ação + Baixo Esforço Alto Resultado 1º Alto Esforço Alto Resultado 2º É possível rever a forma como ação será realizada para obter resultados com menor esforço? É possível incrementar o resultado da ação mantendo o baixo esforço? Baixo Baixo Esforço Baixo Resultado 3º Alto Esforço Baixo Resultado 4º Considerando o baixo resultado e alto esforço, a realização da ação é realmente necessária? Legenda: - - Esforço para Executar a Ação + Baixo Alt0 Quadrante prioritário

8 Responsabilização: Quem será responsável pelas ações. Premissas para Sucesso de uma ação Prazo: Definir cronograma para conclusão da atividade. Indicador: Mensurar o desempenho das atividades.

9 Oportunidades Ação Passos Prazo Recursos Responsável Divulgação das ações e atribuições do MPE fomentando a participação popular Gestão junto ao TRE Buscar atuação conjunta com outros órgãos (PF, TJ, TCE, TCU, CGU, TREs, Conselhos profissionais). Gestão junto ao PGE para aprimorar organização dos PRE s a) Produzir plano de trabalho e orientação nacional 15/05. b) Identificar e atualizar recursos já existentes 22/05; c) Produzir ferramentas de divulgação (releases, SPOTs e cartilha) 30/05. a) Elaborar ofício padrão; b) Encaminhar ofício padrão ao TRE e realizar contato pessoal solicitando a nomeação. a) Elaborar termo de convênio padrão; b) Realizar reuniõ es e celebrar acordos e convênios com outros órgãos para obtenção de dados; c) Publicizar termos de convênio em área comum a) Realizar visita em reunião na PRR3 para projeto piloto 15/05; b) Levantar dados do único 29/05 c) Propor classificação dos PREs 05/04/13 05/07/12 a) Releases para imprensa; b) SPOTs; c) Cartilhas; d) Plano de trabalho e orientação nacional; e) Assessores de comunicação. 15/05/12 a) Orçamento do TRE 22/06/12 PREs 05/04/13 a) Sistema Único; b) Servidores da SADP e AMGE; c) Recursos Orçamentários PREs, SECOM e ASCOM. PREs (Drª Damaris coordena ou descentraliza) PREs (Drª Damaris coordena ou descentraliza) SG

10 Ameaças D Ação Passos Prazo Recursos Responsável a) Solicitação dos PREs ao PGE Criação de núcleo na de criação de núcleo específico; PGE para acompa nhar b) Lotação de servidores e recursos prioritários e membros auxiliares; ajuizar cautelares no c) Divulgação aos PREs. TSE. Criação de manual de atuação na instrução probatória eleitoral. Criação de banco de dados de inelegíveis no âmbito das PREs. a) Escolha de membros voluntários para elaboração do Manual. b) Elaboração de minuta do Manual; c) Diagramação do manual; d) Aprovação pelo PGE. a) Identificar informações e necessidades de dados dos PRE s; b) modelar estrutura de dados para formação de BD; c)... 22/03/13 30/05/13 02/07/12 a)membros e servidores a definir após projeto piloto com PRR3; b) Recursos Orçamentários. a) 2 PREs voluntários; b) Servidores da SECOM. a) Servidores da STI; b) 1 PRE com expertise sobre o tema. PGE e SG PGE, PREs e SECOM. PREs, ASSPA e STI Disseminar o uso do SIMBA no âmbito eleitoral e contratação de analistas contábeis para investigação de CAIXA 2. a) Identificar informaçõe s e necessidades de dados do caixa 2; b) modelar estrutura de dados para formação de BD; c) Contratar de analistas contábeis, cabe ao PGR as providências administrativas para tanto. 28/09/12 a) Servidores da ASSPA e STI; b) 1 PRE com expertise sobre o tema; c) recursos orçamentários. PGE, SG e ASSPA

11 Fortalezas Criar instrumentos e ferramentas, inclusive sistema unificado de dados, para reforçar o exercício do poder de direção do PRE previsto no art. 75/93; Ação Passos Prazo Recursos Responsável a) Identificar informações e necessidades de dados dos PREs; b) modelar estrutura de dados para formação 77 da LC Acompanhar iniciativas legislativas que afetem atribuições e prerrogativas. Aperfeiçoar a gestão do conhecimento da Função Eleitoral a) Levantar informações e dados que possibilitem a obtenção da independência orçamentária perante a justiça eleitoral. de BD; c) Identificar utilidades e objetivos do sistema, dentre eles, a inserção de todas as peças e dados de atuação, de modo a possibilitar relatórios de divulgação das ações da Função Eleitoral; a) Qualificar e criar um canal com Assessoria parlamentar e/ou grupo de trabalho com essa atribuição; b) Eleger interlocutores de PREs com a ASSART e PGE a) Criar área no WIKI MPF para compartilhar trabalhos, a rtigos e documentos referente à atuação eleitoral 30/07; b) Realizar levantamento de trabalhos, artigos e documentos referente à atuação eleitoral 30/07. c) Realizar levantamento de potenciais instrutores internos 30/07; d) Realizar levantamento de necessidades de treinamento de membros e servidores que atuem na Função Eleitoral 30/06; e) Elaborar cronograma e agenda regulares de reuniões dos PREs e PGE mínimo semestral - 30/07. a) PREs solicitar aos TREs o montante de recursos dispendidos com as PREs no ano de 2010, 2011 e 2012 ( para visualizar despesas de ano não eleitoral) informando ao PGE e SG de modo a possibilitar a previsão orçamentária 22/03; b) SPO realizar estudo e Nota Técnica sobre o tema 19/04 30/10/13 02/05/13 30/07/12 02/05/13 a) Servidores da STI; b) 1 PRE com expertise sobre o tema; a) Servidores da ASSART e da SECOM; b) PREs. a) Servidores da SADP e SGP; b) 1 servidor do gabinete da vice- PGE. c) WIKI a) Servidores da SPO; b) PREs; c)recursos orçamentários PREs, ASSPA e STI PREs e ASSART PGE, SADP e SGP PREs e SPO

12 Fraquezas ID Ação Passos Prazo Recursos Responsável a) Servidores da AMGE e do gabinete da Vice - Definir: missão, metas, ações por temas PGE; (cíveis e criminais) e indicadores. a) Elaborar metodologia b) 2 PRE s com Missão - atuação proativa visando a específica para elaborar dedicação parcial aplicação da lei eleitoral nos seguintes plano estratégico da para ajudar na PGE e Vice- 1 aspectos: atuação extrajudicial de Função Eleitoral; 30/10/13 composição da PGE. coordenação, direção, auxílio e coleta de b) submeter proposta proposta; dados/informações customizado pa ra ao PGE; c) Servidores da cada Estado; c)... SECOM para... apoiar divulgação do evento Identificar e modelar a estrutura mínima de recursos de membros (abarcando os auxiliares necessários) e servidores de PRE adequada a cada região e da PGE. Uniformização do nº de procuradores auxiliares e procedimentos fixados pelo PGE/PRE. A depender da modelagem (ação acima). Conceder exclusividade a todos os PREs e Vice PGE. a) Realizar visita em reunião na PRR3 para coleta de informações 15/05; b) Levantar dados do único 29/05 c) Propor classificação dos PRE s 30/07; d).... a) Eleger GT de PREs para apresentar minuta de normatização. b) Propor minuta de normatização; c) Publicar portaria PGE. a) Eleger GT de PREs para apresentar minuta de normatização. b) Propor minuta de normatização; c) Publicar portaria PGE. 02/05/13 30/06/13 a) Sistema único; b) Servidores da SADP e AMGE; c) Recursos Orçamentários Finalizado parcialmente a) PREs a) PREs voluntários; b) servidores do gab. da vice-pge. PGE e SG PGE e PREs PGE e PREs

13 FORÇAS OPORTUNIDADES 01 FINALIZADA 01 EM DESENVOLVIMENTO 02 NÃO INICIADAS FRAQUEZAS 01 FINALIZADA 01 EM DESENVOLVIMENTO 02 NÃO INICIADAS AMEAÇAS 01 FINALIZADA 01 EM DESENVOLVIMENTO 02 NÃO INICIADAS 01 FINALIZADA 01 EM DESENVOLVIMENTO 02 NÃO INICIADAS

14 EFICÁCIA - PLANO DE AÇÃO Em desenvolvimento 25% Finalizadas 25% Não iniciadas 50%

15 Carta de Conjuntura da Função Eleitoral

16 Função Eleitoral Esta será a segunda Carta de Conjuntura do MPF e tem os seguintes objetivos: resgatar os marcos históricos, a organização e amplitude de atuação, boas práticas, sistema de governança, dados das eleições 2012 (evolução, qualificação e distribuição do eleitorado por UF, softwares eleitorais disponíveis, quantitativo de zonas e promotores eleitorais); e resultados do plano de ação construído pelos PRE s.

17 Sistemas Eleitorais utilizados pelo TSE Candidatos e Partidos cand Registra e acompanha pedidos de candidaturas. vvfoto Visualização, na urna eletrônica, dos dados e das fotos dos candidatos. candidatos spce Registra prestação de contas dos candidatos. c/ dados candidatos divulga cand Divulga, na Internet, os dados dos candidatos que tiveram seus registros requeridos perante os TRE s e no TSE. candex Registra pedidos de registro de partidos, coligações e candidatos Partidos e Comitês Financeiros spcf spce web Registra comitês financeiros dos partidos políticos. Registra prestação de contas dos comitês financeiros dos partidos e prestação de contas de candidatos c/ dados partidos HE Distribui o tempo entre os partidos e coligações para horário da propaganda eleitoral gratuita.

18 Sistemas Eleitorais utilizados pelo TSE Urna Eletrônica Preparação Prepara os dados para o gerador de mídias e para totalização dos resultados. Além de monitar as tabelas de correspondência da urna. votação Permite a identificação do eleitor na urna eletrônica e a recepção do seu voto no dia da eleição. gm Sistema gerador de mídia, flashes e disquetes para uso na urna eletrônica. Justifi cativa Recebe a justificativa do eleitoral na urna eletrônica no dia da eleição. scue Software de carga da urna eletrônica. Atue Software de Autoteste realiza o teste de componentes internos da urna eletrônica, como a qualidade da imagem da tela, o funcionamento dos teclados, o som emitido, etc. Urna eletrônica red Sistema Recuperador de Dados: Recupera arquivos de votação e de justificativa das urnas eletrônicas em caso de falhas no procedimento convencional de geração ou gravação dos arquivos. ADH Ajuste de Data e Hora das urnas eletrônicas VAP Verificador de Autenticação de Programas VAD Verificador de Assinatura Digital verifica autenticidade dos programas de auditoria desenvolvidos pelos partidos, OAB e MPE.

19 Sistemas Eleitorais utilizados pelo TSE Urna Eletrônica e Apuração Divulga Divulga o resultado da eleição savp Sistema de apoio à votação paralela auditoria de urna no dia da votação transp. Sistema transportador lê e transmite os disquetes e memórias de resultado gravados pela urna no dia da eleição para totalização Urna eletrônica Dia-E Permite o registro das ocorrências detectadas no dia da eleição

20 Características do Eleitorado - NE

21 Características do Eleitorado - SE

22 Características do Eleitorado - Sul

23 Características do Eleitorado - Norte

24 Características do Eleitorado - CO

25

26 Evolução das Candidaturas - Região Norte (registros deferidos ou deferidos com recurso) AM RR AP 72 ( 4,3%) ( 27,6%) PA Zonas Eleitorais - 70 (15º) 6 ( 14,3%) 7 ( 0%) 51 ( 34,6%) 352 ( 9,7%) Zonas Eleitorais - 8 (27º) 6 ( 14,3%) 6 ( 0%) 62 ( 23,5%) 392 ( 3,4%) Zonas Eleitorais - 13 (25º) 7 ( 0,0%) 6 ( 14,3%) 74 ( 17,5%) 251 ( 11,1%) Zonas Eleitorais (12º) 7 ( 12,5%) 5 ( 50,0%) 118 ( 13,9%) 461 ( 11,1%) 219 ( 0,9%) ( 17,2%) Municípios - 62 (22º) 47 ( 2,1%) ( 29,3%) Municípios - 15 (26º) 72 ( 4,3%) ( 27,6%) Municípios - 16 (25º) 457 ( 5,1%) ( 33,5%) Municípios (14º)

27 Evolução das Candidaturas - Região Norte (cont.) (registros deferidos ou deferidos com recurso) AC Zonas Eleitorais - 10 (26º) 3 ( 57,1%) 4 ( 0,0%) 37 ( 26,0%) 330 ( 10,4%) 74 ( 10,4%) ( 60,1%) Municípios - 22 (24º) RO Zonas Eleitorais - 35 (22º) 6 ( 0,0%) 6 ( 20,0%) 71 ( 2,9%) 301 ( 17,5%) 146 ( 9,9%) ( 13,7%) Municípios - 52 (23º) TO Zonas Eleitorais - 35 (22º) 2 ( 60,0%) 3 ( 40,0%) 40 ( 42,9%) 214 ( 32,7%) 365 ( 0,8%) ( 11,6%) Municípios (6º)

28 Evolução das Candidaturas - Região Centro-Oeste (registros deferidos ou deferidos com recurso) MT GO MS DF Zonas Eleitorais - 60 (17º) 4 ( 50,0%) 7 ( 12,5%) 68 ( 26,1%) 226 ( 32,2%) Zonas Eleitorais (8º) 7 ( 12,5%) 8 ( 60,0%) 119 ( 9,2%) 539 ( 13,9%) Zonas Eleitorais - 54 (20º) 3 ( 25,0%) 4 ( 42,9%) 67 ( 4,3%) 240 ( 39,5%) Zonas Eleitorais - 21 (24º) Dep. Distrital 7 ( 16,7%) 10 ( 11,1%) 94 ( 11,3%) 798 ( 23,7%) 359 ( 6,5%) ( 21,4%) 624 ( 1,1%) ( 30,3%) 202 ( 9,2%) ( 32,2%) Municípios (15º) Municípios (7º) Municípios - 78 (19º)

29 Evolução das Candidaturas - Região Sul (registros deferidos ou deferidos com recurso) RS Zonas Eleitorais (6º) 9 ( 25,0%) 9 ( 10,0%) 271 ( 2,9%) 545 ( 12,1%) ( 1,6%) ( 27,2%) Municípios (3º) SC Zonas Eleitorais (11º) 7 ( 30,0%) 9 ( 28,6%) 147 ( 12,2%) 306 ( 1,7%) 681 ( 6,1%) ( 26,6%) Municípios (6º) PR Zonas Eleitorais (4º) 7 ( 46,2%) 12 ( 33,0%) 265 ( 2,7%) 527 ( 1,5%) ( 3,1%) ( 21,7%) Municípios (5º)

30 Evolução das Candidaturas - Região Sudeste (registros deferidos ou deferidos com recurso) SP MG RJ ES Zonas Eleitorais (1º) Zonas Eleitorais (2º) Zonas Eleitorais (3º) Zonas Eleitorais - 59 (18º) 7 ( 50,0%) 12 ( 20,0%) ( 26,1%) ( 1,6%) 8 ( 33,3%) 10 ( 0,0%) 524 ( 0,8%) 942 ( 10,4%) 6 ( 53,8%) 11 ( 0,0%) 751 ( 6,2%) ( 9,9%) 4 ( 33,3%) 4 ( 20,0%) 72 ( 13,3%) 346 ( 2,3%) ( 0,4%) ( 28,3%) ( 1,7%) ( 28,4%) 352 ( 9,0%) ( 37,4%) 228 ( 3,2%) ( 38,6%) Municípios (2º) Municípios (1º) Municípios - 92 (18º) Municípios - 78 (19º)

31 Evolução das Candidaturas - Região Nordeste (registros deferidos ou deferidos com recurso) MA BA PI CE Zonas Eleitorais (10º) Zonas Eleitorais (5º) Zonas Eleitorais - 98 (13º) Zonas Eleitorais (9º) 6 ( 33,3%) 10 ( 11,1%) 151 ( 1,3%) 370 ( 0,3%) 6 ( 14,3%) 10 ( 42,9%) 243 ( 12,5%) 588 ( 6,9%) 10 ( 25,0%) 10 ( 11,1%) 87 ( 4,8%) 184 ( 2,8%) 6 ( 0,0%) 8 ( 33,3%) 114 ( 21,4%) 440 ( 19,0%) 644 ( 1,4%) ( 25,8%) ( 10,5%) ( 23,1%) 533 ( 7,8%) ( 24,4%) 459 ( 7,6%) ( 30,9%) Municípios (10º) Municípios (4º) Municípios (8º) Municípios (12º)

32 Evolução das Candidaturas - Região Nordeste (cont.) (registros deferidos ou deferidos com recurso) PB Zonas Eleitorais - 77 (14º) 8 ( 0,0%) 6 ( 25,0%) 77 ( 11,7%) 253 ( 13,5%) 541 ( 1,5%) ( 27,7%) Municípios (9º) SE Zonas Eleitorais - 36 (21º) 7 ( 40,0%) 12 ( 140,0%) 54 ( 12,5%) 126 ( 17,6%) 208 ( 2,5%) ( 27,3%) Municípios - 75 (21º) PE Zonas Eleitorais (7º) 6 ( 40,0%) 9 ( 12,5%) 176 ( 11,1%) 401 ( 11,3%) 495 ( 3,1%) ( 23,7%) Municípios (11º) RN Zonas Eleitorais - 69 (16º) 5 ( 37,5%) 5 ( 12,5%) 60 ( 11,8%) 157 ( 0,6%) 392 ( 3,4%) ( 22,6%) Municípios (13º) AL Zonas Eleitorais - 55 (19º) 8 ( 0,0%) 9 ( 12,5%) 64 ( 22,0%) 264 ( 27,5%) 292 ( 1,7%) ( 23,0%) Municípios (17º)

33 INTRANET

34 Para mais Informações

Apresentação do IDConselho Municipal. Apresentação elaborada pela Coordenação Geral de Vigilância Socioassistencial CGVIS Brasília

Apresentação do IDConselho Municipal. Apresentação elaborada pela Coordenação Geral de Vigilância Socioassistencial CGVIS Brasília Apresentação do IDConselho Municipal Apresentação elaborada pela Coordenação Geral de Vigilância Socioassistencial CGVIS Brasília 5.366 Conselhos Municipais que preencheram o Censo SUAS 2014 Dinâmica de

Leia mais

Perguntas e Respostas Conselho de Usuários VIVO

Perguntas e Respostas Conselho de Usuários VIVO Perguntas e Respostas Conselho de Usuários VIVO Resolução n o 623, de 18 de Outubro de 2013 1. Qual a Resolução que trata sobre Conselho de Usuários e onde ela está disponível? Trata-se da Resolução n

Leia mais

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1)

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) ANEXO I BICICLETA ESCOLAR Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) Assunto: Adesão à ata de registro de preços nº 70/2010 do pregão eletrônico nº 40/2010. 1 2 BICICLETA 20 - AC,

Leia mais

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

Monitoramento de agrotóxicos em água para consumo humano

Monitoramento de agrotóxicos em água para consumo humano Seminário de Vigilância em Saúde de Populações Expostas a Agrotóxicos Mesa Redonda I Exposição humana a agrotóxicos: ações em desenvolvimento Monitoramento de agrotóxicos em água para consumo humano Coordenação

Leia mais

Informações e Dados Estatísticos. sobre as Eleições 2010. Secretaria do Tribunal Superior Eleitoral

Informações e Dados Estatísticos. sobre as Eleições 2010. Secretaria do Tribunal Superior Eleitoral ts w. r 10.b 20.jus e ww Informações e Dados Estatísticos sobre as Eleições 2010 Secretaria do Tribunal Superior Eleitoral Setembro de 2010 Informações e Dados Estatísticos sobre as Eleições 2010 Brasília

Leia mais

APRESENTAÇÃO. 1. Identificação do Órgão/Unidade Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro Escola Judiciária Eleitoral.

APRESENTAÇÃO. 1. Identificação do Órgão/Unidade Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro Escola Judiciária Eleitoral. APRESENTAÇÃO 1. Identificação do Órgão/Unidade Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro. 2. E-mail para contato eje@tre-rj.gov.br. 3. Nome do Projeto. 4. Tema escolhido Gestão Sócio Ambiental. 5.

Leia mais

Transporte Escolar nos Estados e no DF. Novembro/2011

Transporte Escolar nos Estados e no DF. Novembro/2011 Transporte Escolar nos Estados e no DF Novembro/2011 UFs onde existe terceirização total ou parcial (amostra de 16 UFs) AC AL AP AM DF GO MT MS PB PI RJ RN RO RR SE TO TERCEIRIZAÇÃO TERCEIRIZAÇÃO TERCEIRIZAÇÃO

Leia mais

Gestão da Qualidade da Banda Larga

Gestão da Qualidade da Banda Larga Gestão da Qualidade da Banda Larga Agência Nacional de Telecomunicações Brasília, 17 de maio de 2013 METODOLOGIA DE MEDIÇÃO INDICADORES DE BANDA LARGA FIXA Avaliações realizadas através de medidores instalados

Leia mais

Pendências de Envio do Relatório de Gestão Municipal-2013 aos CMS

Pendências de Envio do Relatório de Gestão Municipal-2013 aos CMS INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

ESPORTE E UNIVERSIDADE: a reestruturação do esporte universitário no Brasil

ESPORTE E UNIVERSIDADE: a reestruturação do esporte universitário no Brasil ESPORTE E UNIVERSIDADE: a reestruturação do esporte universitário no Brasil Wadson Ribeiro Secretário Nacional de Esporte Educacional Ministério do Esporte A DÉCADA DO ESPORTE BRASILEIRO Criação do Ministério

Leia mais

4» Quadra escolar Maria Nascimento Paiva. 1» Centro de Artes e Esportes Unificados. 2» Unidade Básica de Saúde, Clínica da Família Quadra 308

4» Quadra escolar Maria Nascimento Paiva. 1» Centro de Artes e Esportes Unificados. 2» Unidade Básica de Saúde, Clínica da Família Quadra 308 1 2 8 1» Centro de Artes e Esportes Unificados Rio Branco AC 2» Unidade Básica de Saúde, Clínica da Família Quadra 308 Recanto das Emas DF 3» Creche Ipê Rosa Samambaia DF 4» Quadra escolar Maria Nascimento

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA Nível superior Cargo 1: Contador DF Brasília/Sede da Administração Central 35 1820 52,00 Nível médio Cargo 2: Agente Administrativo AC Rio Branco/Sede da SRTE 2 1496 748,00 Nível médio Cargo 2: Agente

Leia mais

PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. SAUDE VAGAS: 08 (OITO)

PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. SAUDE VAGAS: 08 (OITO) PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. SAUDE VAGAS: 08 (OITO) Os currículos e as fichas de cadastro deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico seguranca.cidada@mj.gov.br

Leia mais

O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE?

O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE? O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE? Instrumento que permite o financiamento, por meio de incentivos fiscais, de projetos esportivos aprovados pelo Ministério do Esporte. BASE LEGAL: Lei 11.438/06 -

Leia mais

ÍNDICE RELATÓRIO SIOR 2012. Pág. 02 NOTÍCIAS 2011/2012. Pág. 03 ANÁLISE DAS DEMANDAS. Pág. 04 GRÁFICO DE DEMANDAS POR ESTADO. Pág.

ÍNDICE RELATÓRIO SIOR 2012. Pág. 02 NOTÍCIAS 2011/2012. Pág. 03 ANÁLISE DAS DEMANDAS. Pág. 04 GRÁFICO DE DEMANDAS POR ESTADO. Pág. RELATÓRIO SIOR 2012 ÍNDICE NOTÍCIAS 2011/2012 ANÁLISE DAS DEMANDAS GRÁFICO DE DEMANDAS POR ESTADO TEMPO DE ATENDIMENTO DEMANDAS CONSIDERADAS PROCEDENTES MAPA DAS PRINCIPAIS DEMANDAS CONSIDERADAS PROCEDENTES

Leia mais

Portaria Interministerial N 416, de 23 de Abril de 2004

Portaria Interministerial N 416, de 23 de Abril de 2004 Portaria Interministerial N 416, de 23 de Abril de 2004 Portaria Interministerial N 416, de 23 de abril de 2004 Presidência da República Casa Civil OS MINISTROS DE ESTADO CHEFE DA CASA CIVIL DA PRESIDÊNCIA

Leia mais

POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO DE MOTOS

POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO DE MOTOS Seminário POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO DE MOTOS LEGISLAÇÃO, FISCALIZAÇÃO E POLÍTICA DE SEGURANÇA Brasília DF 13 de setembro de 2012 Regulamentação da atividade de mototaxista Mesmo diante da ausência

Leia mais

EDITAL SG/MPU N.º 27, DE 2 DE OUTUBRO DE 2007.

EDITAL SG/MPU N.º 27, DE 2 DE OUTUBRO DE 2007. VA PUBLICADO NO DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO DE 4/10/2007, SEÇÃO 3, PÁG.. EDITAL SG/MPU N.º 27, DE 2 DE OUTUBRO DE 2007. Divulgar a distribuição de vagas do Concurso Público para provimento de cargos e formação

Leia mais

II Fórum de Coordenadores de imunizações dos estados e de municípios de capital, 2014

II Fórum de Coordenadores de imunizações dos estados e de municípios de capital, 2014 II Fórum de Coordenadores de imunizações dos estados e de municípios de capital, 2014 Situação e mecanismo para avançar no processo de implantação do SIPNI Carla Magda A. S. Domingues Coordenadora Geral

Leia mais

DO COLETÂNEA ONLINE. Brasil Dados Públicos. atos oficiais atos administrativos processos judiciais editais, Avisos e Contratos orçamentos da União,

DO COLETÂNEA ONLINE. Brasil Dados Públicos. atos oficiais atos administrativos processos judiciais editais, Avisos e Contratos orçamentos da União, folheto de especificações ONLINE atos oficiais atos administrativos processos judiciais editais, Avisos e Contratos orçamentos da União, Estados e Municípios Base de dados eletrônica que contém a íntegra

Leia mais

Indenizações Pagas Quantidades

Indenizações Pagas Quantidades Natureza da Indenização Jan a Dez 2011 % Jan a Dez 2012 % Jan a Dez 2012 x Jan a Dez 2011 Morte 58.134 16% 60.752 12% 5% Invalidez Permanente 239.738 65% 352.495 69% 47% Despesas Médicas (DAMS) 68.484

Leia mais

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Informações Básicas Recursos Humanos Foram pesquisadas as pessoas que trabalhavam na administração direta e indireta por vínculo empregatício e escolaridade;

Leia mais

Centro de Artes e Esportes Unificados, Sertãozinho SP. UBS Elpidio Moreira Souza AC. UPA município de Ribeirão Pires SP

Centro de Artes e Esportes Unificados, Sertãozinho SP. UBS Elpidio Moreira Souza AC. UPA município de Ribeirão Pires SP Centro de Artes e Esportes Unificados, Sertãozinho SP UBS Elpidio Moreira Souza AC Quadra da Escola Municipal Érico de Souza, Águas Lindas GO UPA município de Ribeirão Pires SP UBS Clínica da Família,

Leia mais

DO BACO INFORMA. Brasil Dados Públicos. O que é o DO BACO INFORMA

DO BACO INFORMA. Brasil Dados Públicos. O que é o DO BACO INFORMA especificações Busca textual pré-definida pelo assinante a qualquer conteúdo publicado em 213 Diários Oficiais de 27 Estados. O BACO Informa leva informação onde você estiver. O que é o O BACO INFORMA

Leia mais

Departamento de Engenharia de Saúde Pública/CGEAR LICENCIAMENTO AMBIENTAL NAS OBRAS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DA FUNASA.

Departamento de Engenharia de Saúde Pública/CGEAR LICENCIAMENTO AMBIENTAL NAS OBRAS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DA FUNASA. Departamento de Engenharia de Saúde Pública/CGEAR LICENCIAMENTO AMBIENTAL NAS OBRAS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DA FUNASA Brasília 2005 O Licenciamento Ambiental nasceu de uma exigência social, fruto de uma

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF UF Tecnologia Velocidade Quantidade de Acessos AC ATM 12 Mbps a 34Mbps 3 AC ATM 34 Mbps

Leia mais

Quantidade de pedidos registrados por mês

Quantidade de pedidos registrados por mês Relatório de Pedidos de Acesso à Informação e Solicitantes (*) Informações adicionais para o correto entendimento do relatório podem ser encontradas na última seção. Órgão(s) de referência: MinC - Ministério

Leia mais

De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012.

De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012. De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012. Os casos de Invalidez Permanente representaram a maioria das indenizações pagas

Leia mais

MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015

MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015 MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015 Situação da microcefalia no Brasil Até 21 de novembro, foram notificados 739 casos suspeitos de microcefalia, identificados em 160 municípios de nove

Leia mais

Manual do Sistema Divulga2010

Manual do Sistema Divulga2010 Manual do Sistema Divulga00 Versão do manual :.0. Sumário. Apresentação.... Funcionalidades..... Novo Consulta... 4... Consultas... 4... Apresentação dos resultados... 6.. Modo Telão... 9... Funcionamento...

Leia mais

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual Contra Crianças e Adolescentes. Disque Denúncia Nacional: DDN 100

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual Contra Crianças e Adolescentes. Disque Denúncia Nacional: DDN 100 Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual Contra Crianças

Leia mais

Censo Nacional das Bibliotecas Públicas P

Censo Nacional das Bibliotecas Públicas P Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional Diretoria de Livro, Leitura e Literatura Fundação Biblioteca Nacional Sistema Nacional de Bibliotecas PúblicasP Censo Nacional das Bibliotecas

Leia mais

Geração de Emprego Formal no NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JULHO DE 2011

Geração de Emprego Formal no NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JULHO DE 2011 Geração de Emprego Formal no RIO DE JANEIRO NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JULHO DE 211 1 211 O crescimento da economia fluminense nos últimos

Leia mais

Mapeamento de Experiências Municipais e Estaduais no campo do Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa

Mapeamento de Experiências Municipais e Estaduais no campo do Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa COMEMORAÇÃO DOS 29 ANOS DO ICICT/FIOCRUZ Mapeamento de Experiências Municipais e Estaduais no campo do Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa O papel da COSAPI no incentivo de experiências exitosas de

Leia mais

EVOLUÇÃO & PROGNÓSTICOS

EVOLUÇÃO & PROGNÓSTICOS APRESENTAÇÃO POPULAÇÃO CARCERÁRIA BRASILEIRA O objetivo deste trabalho, elaborado pela Comissão de Monitoramento e Avaliação do DEPEN, é realizar um levantamento, de forma sucinta, sobre o quadro evolutivo

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 543, DE 13 DE JANEIRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 543, DE 13 DE JANEIRO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 543, DE 13 DE JANEIRO DE 2015 Dispõe sobre as Tabelas de Custas e a Tabela de Porte de Remessa e Retorno dos Autos e dá outras providências. O PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, no uso

Leia mais

Vigilância em saúde para prevenção de surtos de doenças de transmissão hídrica decorrentes dos eventos climáticos extremos

Vigilância em saúde para prevenção de surtos de doenças de transmissão hídrica decorrentes dos eventos climáticos extremos Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis Coordenação Geral de Doenças Transmissíveis Unidade de Vigilância das Doenças de Transmissão

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (setembro/13) outubro de 2013 Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda

Leia mais

DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA

DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA Analista de Correios / Administrador AC / Rio Branco 123 1 123,00 Analista de Correios / Técnico em Comunicação Social Atuação: Jornalismo AC / Rio Branco 27 1 27,00 Médico do Trabalho Formação: Medicina

Leia mais

DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E PESQUISA COORDENAÇÃO GERAL DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DE INVESTIMENTOS. DNIT www.dnit.gov.br

DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E PESQUISA COORDENAÇÃO GERAL DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DE INVESTIMENTOS. DNIT www.dnit.gov.br DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E PESQUISA COORDENAÇÃO GERAL DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DE INVESTIMENTOS BREVE HISTÓRICO SISTEMA DE GERÊNCIA DE PAVIMENTOS O SISTEMA DE GERÊNCIA DE PAVIMENTOS (SGP) É UM CONJUNTO

Leia mais

Guerra Fiscal e Desenvolvimento Regional. Audiência Pública Senado Federal 18 de outubro de 2011

Guerra Fiscal e Desenvolvimento Regional. Audiência Pública Senado Federal 18 de outubro de 2011 Guerra Fiscal e Desenvolvimento Regional Audiência Pública Senado Federal 18 de outubro de 2011 Quem ganha com a Guerra Fiscal? O país perde Porque grande parte dos incentivos é concedido a importações

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2013 Procuradoria Regional da República da 1 Região Painel de Contribuição. ATIVIDADES (como fazer?)

PLANO DE AÇÃO 2013 Procuradoria Regional da República da 1 Região Painel de Contribuição. ATIVIDADES (como fazer?) Reunir com o Gabinete do Procurador-Chefe, para apresentação da metodologia de trabalho março, Anna e Vânia Castro Consolidar a lista de procedimentos e rotinas que serão mapeadas em toda a PRR1 1 "Mapear

Leia mais

FÓRUM PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE

FÓRUM PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE FÓRUM PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE Santa Catarina - 20 de Novembro de 2010 IMPORTÂNCIA DA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS As MPEs correspondem à 98,81%* (CNE/IBGE 2009) das empresas

Leia mais

Curso de Capacitação: Processo de escolha unificado dos Conselheiros Tutelares

Curso de Capacitação: Processo de escolha unificado dos Conselheiros Tutelares Curso de Capacitação: Processo de escolha unificado dos Conselheiros Tutelares CAOPIJ CONSEC COEGEMAS - SETAS FEMURN Ministrantes: Dra. Tatiane Dantas (Advogada da FEMURN) e Dra. Isabelita Garcia (Promotora

Leia mais

Data: 23 e 24 de maio de 2013 Horário: 08h00-17h00 Centro de Convenções Rebouças. Av. Rebouças, 600 (estacionamento) Av. Dr.

Data: 23 e 24 de maio de 2013 Horário: 08h00-17h00 Centro de Convenções Rebouças. Av. Rebouças, 600 (estacionamento) Av. Dr. Data: 23 e 24 de maio de 2013 Horário: 08h00-17h00 Centro de Convenções Rebouças. Av. Rebouças, 600 (estacionamento) Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 23 (portaria 1) Cerqueira Cesar São Paulo - SP Todos

Leia mais

AGENDA DE SEMINÁRIOS CALENDÁRIO 2016/1

AGENDA DE SEMINÁRIOS CALENDÁRIO 2016/1 AGENDA DE SEMINÁRIOS CALENDÁRIO 2016/1 AGENDA DE SEMINÁRIOS CALENDÁRIO 2016/1 >> INFORMAÇÕES GERAIS Os treinamentos são realizados no Centro de Treinamento, nas instalações da Ciber Equipamentos Rodoviários

Leia mais

GRUPO 3 - TRABALHO e REABILITAÇÃO PROFISSIONAL

GRUPO 3 - TRABALHO e REABILITAÇÃO PROFISSIONAL GRUPO 3 - TRABALHO e REABILITAÇÃO PROFISSIONAL Nº PROPOSTA UF e Nº Original da Proposta 01 Garantir os 20% das vagas, e a efetivação das condições de acesso e permanência AC/08 necessárias para pessoas

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP PAPPE SUBVENÇÃO 02/2006

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP PAPPE SUBVENÇÃO 02/2006 CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP PAPPE SUBVENÇÃO 02/2006 SELEÇÃO E CREDENCIAMENTO DE PARCEIROS PARA OPERAÇÃO DESCENTRALIZADA DO PROGRAMA DE APOIO À PESQUISA EM EMPRESAS NA MODALIDADE SUBVENÇÃO A MICRO E PEQUENAS

Leia mais

O SISTEMA DE AQUECIMENTO SOLAR NO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA. Mara Luísa Alvim Motta Gerente Executiva GERÊNCIA NACIONAL DE MEIO AMBIENTE

O SISTEMA DE AQUECIMENTO SOLAR NO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA. Mara Luísa Alvim Motta Gerente Executiva GERÊNCIA NACIONAL DE MEIO AMBIENTE O SISTEMA DE AQUECIMENTO SOLAR NO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA Mara Luísa Alvim Motta Gerente Executiva GERÊNCIA NACIONAL DE MEIO AMBIENTE Crédito Imobiliário 2003 a 2010 75,92 47,05 275.528 MCMV 660.980

Leia mais

Sobre o CAIS Estatísticas Relatório de Incidentes de Segurança Visão Geral Incidentes envolvendo clientes do PoP-SC

Sobre o CAIS Estatísticas Relatório de Incidentes de Segurança Visão Geral Incidentes envolvendo clientes do PoP-SC Relatório Mensal de Incidentes de Segurança como instrumento de melhoria contínua Rildo Souza Centro de Atendimento a Incidentes de Segurança (CAIS) Agenda Sobre o CAIS Estatísticas Relatório de Incidentes

Leia mais

Programa Rede A PARCERIA CFC E SEBRAE: EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA EM RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL E SOCIAL

Programa Rede A PARCERIA CFC E SEBRAE: EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA EM RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL E SOCIAL Programa Rede A PARCERIA CFC E SEBRAE: EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA EM RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL E SOCIAL JUSTIFICATIVA A experiência na implementação da primeira versão do Programa Contabilizando o Sucesso

Leia mais

DEMANDA DE CANDIDATOS POR CARGO / UF NÍVEL SUPERIOR

DEMANDA DE CANDIDATOS POR CARGO / UF NÍVEL SUPERIOR EM CARGOS DE E DE NÍVEL INTERMEDIÁRIO Administrador AC 1 14 14.00 Administrador AL 1 53 53.00 Administrador AP 1 18 18.00 Administrador BA 1 75 75.00 Administrador DF 17 990 58.24 Administrador MT 1 55

Leia mais

Consulta Pública n.º 09/2013

Consulta Pública n.º 09/2013 Consulta Pública n.º 09/2013 Diretor Relator: Dirceu Barbano Regime de tramitação: comum Publicação: 02/04/2013 Prazo para contribuição: 30 dias 09/04 à 08/05 Agenda Regulatória: não Área Técnica: GGTES

Leia mais

Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde - SIOPS: Instrumentos Legais

Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde - SIOPS: Instrumentos Legais Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde - SIOPS: Instrumentos Legais I Seminário Estadual do SIOPS João Pessoa / PB 07 de maio de 2014 O que é o SIOPS? Sistema de informação que coleta,

Leia mais

Política dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes e o Pacto Federativo

Política dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes e o Pacto Federativo Política dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes e o Pacto Federativo Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente - Setembro de 2010- Peculiaridades do Brasil na implementação

Leia mais

MTE - SPPE SECRETARIA DE POLÍTICAS PÚBLICAS DE EMPREGO

MTE - SPPE SECRETARIA DE POLÍTICAS PÚBLICAS DE EMPREGO Sistema Público de Emprego Trabalho e Renda (SPETR) O SPETR deve estruturar e integrar as seguintes funções/ações básicas e complementares: seguro-desemprego, intermediação de mão-de-obra, orientação profissional,

Leia mais

A PRESENTE PESQUISA ESTÁ ENQUADRADA NA ESTRATÉGIA DO

A PRESENTE PESQUISA ESTÁ ENQUADRADA NA ESTRATÉGIA DO A PRESENTE PESQUISA ESTÁ ENQUADRADA NA ESTRATÉGIA DO SINDICATO APEOC DE CONSTRUIR A ADEQUAÇÃO DO PLANO DE CARREIRA DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO COM BASE NA LEI Nº 11738 DO PISO NACIONAL NA SUA FORMA ORIGINAL

Leia mais

Núcleo de Cidadania Digital. Apresentam

Núcleo de Cidadania Digital. Apresentam Apresentam Apresentação O que você gostaria de saber sobre a política do nosso país, mas sempre teve dificuldade de entender ou de encontrar? Com base nessa pergunta, feita aos eleitores brasileiros, alunos

Leia mais

CFMV Conselho Federal de Medicina Veterinária

CFMV Conselho Federal de Medicina Veterinária CFMV Conselho Federal de Medicina Veterinária Zoot. Adeilton Ricardo da Silva Conselheiro Efetivo Professor da FIMCA e UNIRON Agência IDARON adeiltonricardo@ibest.com.br Sistema CFMV/CRMV: É uma Autarquia

Leia mais

Ministério da Saúde Conselho Nacional de Saúde/CNS

Ministério da Saúde Conselho Nacional de Saúde/CNS Ministério da Saúde Conselho Nacional de Saúde/CNS Ministério da Saúde Conselho Nacional de Saúde/CNS Comissão Nacional de Ética em Pesquisa 256ª Reunião Ordinária CNS Jorge Alves de Almeida Venancio 09/04/2014

Leia mais

Pesquisa sobre municipalização do trânsito e regulamentação do exercício da atividade de moto taxista e de moto boy

Pesquisa sobre municipalização do trânsito e regulamentação do exercício da atividade de moto taxista e de moto boy Pesquisa sobre municipalização do trânsito e regulamentação do exercício da atividade de moto taxista e de moto boy Tabulação dos Resultados da Pesquisa Objetivos: Diagnosticar a situação atual dos municípios

Leia mais

Realizar o projeto de vida do jovem trabalhador, promovendo crescimento e ascensão profissional, por meio da educação de qualidade

Realizar o projeto de vida do jovem trabalhador, promovendo crescimento e ascensão profissional, por meio da educação de qualidade Apimec 2013 Agenda Abertura - Roberto Valério Qualidade e Inovação - Prof. Ana Maria Sousa e Leonardo Costa Marketing e Relacionamento - Patrícia Abreu e Rodrigo Cavalcanti Centro de Inteligência e Serviços

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO PLANO DE AÇÃO E ORÇAMENTO DO CAU/BR

PROGRAMAÇÃO DO PLANO DE AÇÃO E ORÇAMENTO DO CAU/BR COMISSÃO DE PLANEJAMENTO E FINANÇAS ----------------------------------------------------------------------------------------------------------- PROGRAMAÇÃO DO PLANO DE AÇÃO E ORÇAMENTO DO CAU/BR EXERCÍCIO

Leia mais

1. Consulta de Certificado Digital 1. 2. Modelo de faturamento por Central de Serviços 3. 3 Configuração de informações para Faturamento de pedidos 4

1. Consulta de Certificado Digital 1. 2. Modelo de faturamento por Central de Serviços 3. 3 Configuração de informações para Faturamento de pedidos 4 CONFIGURAÇÃO PEDIDOS 1. Consulta de Certificado Digital 1 2. Modelo de faturamento por Central de Serviços 3 3 Configuração de informações para Faturamento de pedidos 4 4 Faturamento de NF-e pela SEFAZ

Leia mais

O e-sus AB no Ceará. COSEMS - Fortaleza 08 de maio de 2015

O e-sus AB no Ceará. COSEMS - Fortaleza 08 de maio de 2015 O e-sus AB no Ceará COSEMS - Fortaleza 08 de maio de 2015 e-saúde e o SUS Reestruturação dos sistemas de informação em saúde do MS em busca de um SUS eletrônico: Cartão Nacional de Saúde e-sus Hospitalar

Leia mais

Levantamento Nacional do Transporte Escolar Dados por Região: NORTE

Levantamento Nacional do Transporte Escolar Dados por Região: NORTE Levantamento Nacional do Transporte Escolar Dados por Região: NORTE Um total de 131 municípios da região Norte participou do Levantamento Nacional do Transporte Escolar. No Acre, 36% dos municípios responderam

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO COMISSÃO DE PLANEJAMENTO E FINANÇAS -----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Carga Tributária dos Combustíveis por Estado. Referência: Junho/2015

Carga Tributária dos Combustíveis por Estado. Referência: Junho/2015 Carga Tributária dos Combustíveis por Estado Referência: Junho/2015 Pontos importantes da Lei 12.741/2012 para a revenda de combustíveis Art. 1º Emitidos por ocasião da venda ao consumidor de mercadorias

Leia mais

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO SISTEMATIZAÇÃO DOS RESULTADOS Atendendo a solicitação do CNMP, o presente documento organiza os resultados

Leia mais

Sugestão de Procedimentos:

Sugestão de Procedimentos: Sugestão de Procedimentos: I unidade ou núcleo de controle interno do tribunal ou conselho: a) promova, no prazo de 30 dias, o cotejo entre as competências e atribuições previstas nos arts. 70 e 74 da

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO 8º CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS NOS CARGOS DE ANALISTA E DE TÉCNICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO 8º CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS NOS CARGOS DE ANALISTA E DE TÉCNICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO Cargo 1: Analista do MPU Área de Atividade: Apoio Técnico-Administrativo Especialidade: Arquivologia Distrito Federal / DF 596 4 149,00 Especialidade: Biblioteconomia Acre / AC 147 1 147,00 Especialidade:

Leia mais

Relatório Gerencial TECNOVA

Relatório Gerencial TECNOVA Relatório Gerencial TECNOVA Departamento de Produtos Financeiros Descentralizados - DPDE Área de Apoio à Ciência, Inovação, Infraestrutura e Tecnologia - ACIT Fevereiro de 2015 Marcelo Nicolas Camargo

Leia mais

Oficina de Avaliação sobre a Implantação e Utilização do e-sus AB GT e-sus AB/DAB/SAS/MS Maio de 2015

Oficina de Avaliação sobre a Implantação e Utilização do e-sus AB GT e-sus AB/DAB/SAS/MS Maio de 2015 Estratégia e-sus AB caminhos da implantação Oficina de Avaliação sobre a Implantação e Utilização do e-sus AB GT e-sus AB/DAB/SAS/MS Maio de 2015 Assista o vídeo que mostra como os profissionais de saúde

Leia mais

profissional: desafios e integração

profissional: desafios e integração O papel das IES na formação profissional: desafios e integração da equipe de saúde Clarice A. Ferraz Coordenadora d Geral das Ações Técnicas em Educação na Saúde e Formação de Profissionais de Nível Médio

Leia mais

Circular CAIXA nº 684, de 07 de agosto de 2015

Circular CAIXA nº 684, de 07 de agosto de 2015 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Vice-Presidência de Fundos de Governo e Loterias Diretoria Executiva de Fundos de Governo Superintendência Nacional de Fundo de Garantia Gerência Nacional do Ativo do FGTS Circular

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (julho/2015) Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda larga fixa (SCM)

Leia mais

Art. 208... O dever do Estado com a Educação será efetivado mediante a garantia de:

Art. 208... O dever do Estado com a Educação será efetivado mediante a garantia de: CONSTITUIÇÃO FEDERAL Art. 208... O dever do Estado com a Educação será efetivado mediante a garantia de: VII -... programas suplementares de material didático-escolar, transporte, alimentação e assistência

Leia mais

Governança Pública. O Desafio do Brasil. Contra a corrupção e por mais desenvolvimento. Governança de Municípios. Março/2015

Governança Pública. O Desafio do Brasil. Contra a corrupção e por mais desenvolvimento. Governança de Municípios. Março/2015 Governança Pública O Desafio do Brasil Contra a corrupção e por mais desenvolvimento Governança de Municípios Março/2015 João Augusto Ribeiro Nardes Ministro do TCU Sumário I. Introdução-OTCUeocombateàcorrupção

Leia mais

I Pesquisa de Segurança da Rede Acadêmica Brasileira

I Pesquisa de Segurança da Rede Acadêmica Brasileira I Pesquisa de Segurança da Rede Acadêmica Brasileira Análise de Resultados Centro de Atendimento a Incidentes de Segurança 1 I Pesquisa de Segurança da Rede Acadêmica Brasileira Análise de Resultados

Leia mais

famílias de baixa renda com acesso aos direitos

famílias de baixa renda com acesso aos direitos Acompanhamento das Condicionalidades do Programa Bolsa Família Na Saúde Seminário Regional Programa Bolsa Família na Saúde - 2009 Programa Bolsa Família Programa de transferência de renda para famílias

Leia mais

Pluralidade dos Meios de Comunicação

Pluralidade dos Meios de Comunicação Pluralidade dos Meios de Comunicação Novembro/212 APRESENTAÇÃO A pesquisa Pluralidade dos Meios de Comunicação, desenvolvida pelo Instituto Palavra Aberta entidade criada em fevereiro de 21 pela Abert

Leia mais

Saúde Indígena no Brasil

Saúde Indígena no Brasil PAINEL I Particularidades genéticas das populações amazônicas e suas possíveis implicações Coordenação de Mesa: Wim Degrave. Saúde Indígena no Brasil Mário R. Castellani Abordarei um pouco do que estamos

Leia mais

I I F ó r u m N a c i o n a l d o s. Conselhos de Usuár ios

I I F ó r u m N a c i o n a l d o s. Conselhos de Usuár ios I I F ó r u m N a c i o n a l d o s Conselhos de Usuár ios PESQUISA DE SATISFAÇÃO E QUALIDADE PERCEBIDA Destaques dos Resultados Coletiva de Imprensa Superintendência de Relações com Consumidores 29/03/2016

Leia mais

Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação

Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação Ciclo de formação em monitoramento e avaliação: a experiência do MDS na formação de agentes públicos estaduais e municipais. Autores: Patricia Vilas Boas Marcilio

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento C o m p an h i a N ac io n a l d e Abastecimento D i r e t o r i a d e Opercações e A b a stecimento S u p erintedência de O p erações Comerciais G e r ên c i a d e Formação e Controle de Estoques P o

Leia mais

Nota Fiscal Eletrônica

Nota Fiscal Eletrônica Receita Federal do Brasil Ricardo Rezende Barbosa nfe@sefaz.pi.gov.br 06 de dezembro de 2007 Secretaria da Fazenda do Estado do Piauí Nota Fiscal Eletrônica Nota Fiscal Eletrônica Luiz Antonio Baptista

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO ENEM 2013. Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação

EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO ENEM 2013. Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO ENEM 2013 Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação Cartão de Confirmação de Inscrição Entregues: 99,98% UF Participantes Entregues AC 58.364 100,00% AL 122.356 99,00%

Leia mais

O Grupo Canal Energia

O Grupo Canal Energia Media Kit O Grupo CanalEnergia Linhas de Negócios Portal CanalEnergia.com.br - site referência na geração de conteúdo para o setor elétrico ZonaElétrica - produtora web e multimídia Agência CanalEnergia

Leia mais

PLANO BÁSICO DE ORGANIZAÇÃO ABRAPP - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS ENTIDADES FECHADAS DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

PLANO BÁSICO DE ORGANIZAÇÃO ABRAPP - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS ENTIDADES FECHADAS DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Aprovado na 135ª Reunião Ordinária do Conselho Deliberativo, em 18 de dezembro de 2012 1 PLANO BÁSICO DE ORGANIZAÇÃO ABRAPP - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS ENTIDADES FECHADAS DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Aprovado

Leia mais

Aldemir Bendini Presidente do Banco do Brasil. Paulo Roberto Evangelista de Lima Diretor de Controles Internos do Banco do Brasil

Aldemir Bendini Presidente do Banco do Brasil. Paulo Roberto Evangelista de Lima Diretor de Controles Internos do Banco do Brasil 2 Aldemir Bendini Presidente do Banco do Brasil Paulo Roberto Evangelista de Lima Diretor de Controles Internos do Banco do Brasil Sérgio Camilo de Castro Silva Ouvidor do Banco do Brasil 3 4 Mensagem

Leia mais

MERCADO DE CAPITALIZAÇÃO JANEIRO / ABRIL -2011

MERCADO DE CAPITALIZAÇÃO JANEIRO / ABRIL -2011 MERCADO DE CAPITALIZAÇÃO JANEIRO / ABRIL -2011 1 MERCADO DE CAPITALIZAÇÃO: O Mercado de títulos de capitalização vem mantendo crescimentos fortes e retornos robustos. Nesse período o volume de vendas atingiu

Leia mais

MA003. Página 1 de 11. Responsável. Revisão A de 21/01/2015. Cantú & Stange Software. Página

MA003. Página 1 de 11. Responsável. Revisão A de 21/01/2015. Cantú & Stange Software. Página Manual de instalação de NF-e Zada MA003 Responsável Revisão A de 21/01/2015 FL Página 01 de 11 Página 1 de 11 MA003 Revisão A de 21/01/2015 Responsável: FL Manual de instalação de NF-e Zada MANUAL DE INSTALAÇÃO

Leia mais

Por dentro do Fisco On-line. São Paulo 12/02/2009

Por dentro do Fisco On-line. São Paulo 12/02/2009 Por dentro do Fisco On-line São Paulo 12/02/2009 Situação Atual Base 31/12/08 15.800 empresas emitindo NF-e, atingindo, em média, 35% da arrecadação das UF); 70 milhões NF-e autorizadas: Média 700.000

Leia mais

Objetivos. 1. Fazer o diagnóstico das condições de saúde bucal da população brasileira em 2010. 2. Traçar comparativo com a pesquisa SB Brasil 2003

Objetivos. 1. Fazer o diagnóstico das condições de saúde bucal da população brasileira em 2010. 2. Traçar comparativo com a pesquisa SB Brasil 2003 Objetivos 1. Fazer o diagnóstico das condições de saúde bucal da população brasileira em 2010 2. Traçar comparativo com a pesquisa SB Brasil 2003 3. Avaliar o impacto do Programa Brasil Sorridente 4. Planejar

Leia mais

INDICADORES ESTRATÉGICOS EVOLUÇÃO E STATUS. Indicadores com monitoramento implementado e com resultado satisfatório de acordo com a meta.

INDICADORES ESTRATÉGICOS EVOLUÇÃO E STATUS. Indicadores com monitoramento implementado e com resultado satisfatório de acordo com a meta. Implantação do Planejamento Estratégico AMGE 100% até 2016 O Projeto Desdobramento do Planejamento Estratégico Institucional foi instituído por meio da Portaria PGR nº 725/2011 e finalizado em dezembro

Leia mais

Política e Gestão da Saúde Pública para o Ministério Público

Política e Gestão da Saúde Pública para o Ministério Público DEVIDO À GREVE DOS TRABALHADORES DA FIOCRUZ PODERÁ HAVER ALGUMA DIFICULDADE EM EVENTUAL CONTATO TELEFÔNICO E POSSÍVEIS ATRASOS NAS RESPOSTAS AOS E-MAILS PARA SANAR DÚVIDAS SOBRE ESSE PROCESSO SELETIVO.

Leia mais

BALANÇO SEMESTRAL DO DISQUE DIREITOS HUMANOS DISQUE 100 PESSOA IDOSA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

BALANÇO SEMESTRAL DO DISQUE DIREITOS HUMANOS DISQUE 100 PESSOA IDOSA PESSOA COM DEFICIÊNCIA BALANÇO SEMESTRAL DO DISQUE DIREITOS HUMANOS DISQUE 100 PESSOA IDOSA LGBT PESSOA COM DEFICIÊNCIA CRIANÇA E ADOLESCENTE POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA PESSOAS EM RESTRIÇÃO DE LIBERDADE BALANÇO SEMESTRAL

Leia mais

Manual do Receptor 1.1. Divulgação de Resultado das Eleições Manual do Receptor Versão 1.1 de 20/08/2014. Divulgação de Resultado das Eleições

Manual do Receptor 1.1. Divulgação de Resultado das Eleições Manual do Receptor Versão 1.1 de 20/08/2014. Divulgação de Resultado das Eleições Manual do Receptor Manual do Receptor Versão. de 0/08/0. Sumário. Apresentação.... As telas do sistema... a) Tela inicial... b) Tela de configuração básica... c) Tela de configuração do Provedor.... Utilizando

Leia mais

REDE DE COMUNICADORES CÂMARA BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO (CBIC)

REDE DE COMUNICADORES CÂMARA BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO (CBIC) REDE DE COMUNICADORES CÂMARA BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO (CBIC) Objetivo, metodologia e amostra OBJETIVO DO TRABALHO Identificar as práticas de Comunicação dos profissionais que fazem parte da

Leia mais