EFEITO DA TEMPERATURA NA DENSIDADE E NO RENDIMENTO GRAVIMÉTRICO DE CARVÃO DE CLONES DE EUCALIPTO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EFEITO DA TEMPERATURA NA DENSIDADE E NO RENDIMENTO GRAVIMÉTRICO DE CARVÃO DE CLONES DE EUCALIPTO"

Transcrição

1 144 EFEITO DA TEMPERATURA NA DENSIDADE E NO RENDIMENTO GRAVIMÉTRICO DE CARVÃO DE CLONES DE EUCALIPTO EFFECTS OF TEMPERATURE ON DENSITY AND GRAVIMETRIC YIELD OF CHARCOAL FROM EUCALIPTS CLONES Resumo Leonardo José Cardoso (1) Evandro da Silva Xavier (2) Nádia Figueiredo de Paula (3) Rinaldo César de Paula (4) No Brasil há uma grande diversidade de fontes de energia renovável, dentre elas, o carvão vegetal, o qual é, principalmente, destinado à indústria siderúrgica. Sabe-se que a qualidade do carvão é estreitamente relacionada com as características da madeira e com as variáveis no processo de carbonização. O presente estudo foi realizado com o objetivo de avaliar a influencia da temperatura de carbonização na densidade e no rendimento gravimétrico de carvão produzido com madeira de clones de Eucalyptus grandis x Eucalyptus urophylla. As carbonizações foram feitas em uma mufla adaptada. Foram feitas 20 carbonizações para cada temperatura: (I) 250 C por 60 minutos, 350 C por 60 minutos, 450 C por 60 minutos e, (II) 250 C por 60 minutos, 400 C por 60 minutos e, 550 C por 60 minutos. Após o resfriamento do carvão avaliou-se o rendimento gravimétrico e a densidade aparente do carvão. Não houve influência da temperatura de carbonização na densidade dos carvões produzidos, exceto para o clone 1 que apresentou maior densidade quando carbonizado em temperatura mais baixa. A temperatura de carbonização afetou significativamente o rendimento de produção de carvão. Em temperaturas mais baixas é possível um acréscimo de cerca 11% na produção. Palavras Chave: Carbonização, Eucalyptus. Energia da madeira Abstract In Brazil there is a great diversity of renewable energy sources, among them, the charcoal, which is mainly for the steel industry. It is known that the quality of the charcoal is closely related to the characteristics of the wood and the variables in the carbonization process. This study was to evaluate the influence of carbonization temperature on density and charcoal gravimetric yield produced with wood of Eucalyptus grandis x Eucalyptus urophylla clones. The carbonizations were made in an adapted muffle. Twenty carbonizations were made for 1 Tecnólogo em Biocombustíveis pela Fatec de Jaboticabal. 2 Tecnólogo em Biocombustíveis pela Fatec de Jaboticabal. 3 Doutora em Ecologia e Recursos Naturais pela UFSCar.. Docente da Fatec de Jaboticabal. Eng. Florestal. 4 Doutor em Ciência Florestal pela UFV. Docente da FCAV-UNESP. Eng. Florestal.

2 145 each temperature: (I) 250 C for 60 minutes, 350 C for 60 minutes, 450 C for 60 minutes, and (II) 250 C for 60 minutes, 400 C for 60 minutes and 550 C for 60 minutes. Was evaluated gravimetric yield and bulk density of the charcoal. There was no influence of carbonization temperature on the charcoal density, except for clone 1 with the highest density when carbonized at a lower temperature. The temperature of carbonization significantly affected the charcoal yield. At lower temperatures an increase of about 11% in charcoal yield is possible. Keywords: Carbonization. Eucalyptus. Wood energy. 1 Introdução Atualmente o carvão vegetal produzido no Brasil é utilizado quase totalmente na indústria siderúrgica, constituindo, assim, uma matéria-prima nacional de grande importância. O Brasil é hoje o maior produtor e também o maior consumidor de carvão vegetal, devido ao seu uso em siderúrgicas para a produção de ferro-gusa e aço. Para suprir a demanda por madeira, milhões de hectares são cultivados com espécies de Eucalyptus que, além da boa produção volumétrica, produz madeira com as características desejáveis para esta finalidade. Para que se produza carvão de qualidade é importante que se leve em conta não só as características da madeira, mas também todas as variáveis envolvidas no processo de carbonização. Sabe-se que fatores relacionados à madeira como, idade, percentagem de cerne e alburno, composição química, densidade, etc. tem influencia direta nas propriedades do carvão. E também que, uma mesma madeira se carbonizada em condições operacionais diferentes, produzirá carvão com características distintas. Assim, para a produção de carvão de alta qualidade, é de grande importância que se identifique não só as características ideais da madeira, mas também a melhor forma de carbonização. O trabalho teve como objetivo avaliar o rendimento gravimétrico e a densidade de carvão de cinco clones de Eucalyptus grandis x E. urophylla com 48 meses de idade carbonizados em duas temperaturas diferentes. 2 Material e Métodos Foram avaliadas madeiras de cinco clones de Eucalyptus grandis x Eucalyptus urophylla com 48 meses de idade. Quatro árvores de cada clone foram abatidas, das quais foram retiradas amostras de madeira ao longo do tronco, para carbonização. A carbonização foi realizada em forno mufla. Foram feitas 20 carbonizações, uma por árvore, para cada temperatura. Foram avaliadas duas marchas de carbonização: (I) 250 C por 60 minutos, rampa de aquecimento de aproximadamente 20 minutos, 350 C por 60 minutos e após a

3 146 rampa 450 C por 60 minutos. (II) 250 C por 60 minutos mais rampa, 400 C por 60 minutos mais rampa e 550 C por 60 minutos. As amostras de madeira, bem como as de carvão, foram pesadas e os pesos registrados para determinação do rendimento gravimétrico. A densidade aparente do carvão foi determinada de acordo Vital (1984). Os dados foram submetidos à análise de variância, no delineamento de blocos ao acaso, em esquema de parcelas subdivididas, com os clones nas parcelas e nas subparcelas as temperaturas de carbonização. Independentemente da interação clone x temperatura ser significativa (P 0,05), procedeu-se ao desdobramento da mesma. As médias foram comparadas pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade. 3 Resultados e Discussão A densidade é uma das características responsáveis pela qualidade do carvão, densidades mais elevadas resultam em maior resistência mecânica e maior capacidade calorífica por volume. A densidade média dos carvões produzidos foi de 0,27g.cm -3. Em geral, se considera que, para siderurgia, a densidade do carvão deve ser superior a 0,25 g. cm - 3. Dentro de uma mesma temperatura de carbonização não houve diferença na densidade dos carvões, entretanto, observa-se que mesmo se tratando de madeira jovem, com 48 meses, todos os carvões produzidos ultrapassaram esse valor. Nenhum dos cinco clones avaliados se destacou nesta característica (Tabela 1). Entre temperaturas, apenas o clone 1 apresentou densidade significativamente diferente. Quando carbonizado em temperatura mais baixa (marcha I) o carvão apresenta densidade 20% superior. Para os outros clones a mudança de temperatura não afetou a densidade. Oliveira et al. (2010) também não observaram influência significativa da marcha de carbonização na densidade do carvão e argumentaram que provavelmente isso se deve ao fato de que as taxas de aquecimento são muito próximas. Mesmo argumento pode explicar os resultados aqui encontrados, uma vez que, as taxas de aquecimento foram relativamente próximas: Marcha I = 2,5ºC /min; Marcha II = 3,75 o C /min. Não houve diferença significativa entre clones dentro de uma mesma temperatura. Na marcha I o Rendimento Gravimétrico médio foi de 27,8% e na marcha II, 24,6%.

4 147 Tabela 1 Resumo da análise de variância para densidade de carvão (DC, g.cm -3 ), de cinco clones de Eucalytpus grandis x E. urophylla com 48 meses carbonizados em duas temperaturas. Fonte de Variação Quadrado Médio Valores de F Blocos 0,0016 0,729 ns Clones 0,0035 1,576 ns Erro a 0,0022 Temperatura 0,0054 3,682 ns Clones x Temperatura 0,0028 1,889 ns Erro b 0,0015 Média 0,2784 CVparcela (%) 16,94 CVsubparcela(%) 13,77 Temperaturas ( o C) Clone Médias 1 0,3111 Aa 0,2444 Ab 0, ,3277 Aa 0,2722 Aa 0, ,2674 Aa 0,2524 Aa 0, ,2564 Aa 0,2547 Aa 0, ,2877 Aa 0,3102 Aa 0,2989 Média 0,2901 0,2558 0,2784 ns valor não significativo (P>0,05) pelo teste F. ** - valor significativo (P 0,01), pelo teste F. Médias seguidas por uma mesma letra, maiúscula na coluna e minúscula na linha, não diferem entre si (P>0,05) pelo teste de Tukey. Houve redução no rendimento de todos os clones na marcha II (tabela 2). O aumento da temperatura de carbonização resulta em maior decomposição dos constituintes químicos da madeira, produzindo mais gases e líquidos e, consequentemente, redução no rendimento gravimétrico em carvão. Pinheiro et al. (2005) explicam que a produção de carvão diminui com o aumento da temperatura e a produção de gases condensáveis aumenta, especialmente na faixa de 200 a 400 o C e que em temperaturas inferiores à 375 o C o rendimento em gases condensáveis varia em função da temperatura devido à estabilidade térmica dos componentes da madeira que na decomposição irão constituir os gases condensáveis. Altos valores de rendimento gravimétrico em carvão são sempre desejáveis, pois significa maior massa de carvão, ou seja, maior produtividade. Dessa forma, se considerarmos apenas o Rendimento Gravimétrico, seria mais vantajoso utilizar a marcha I (temperaturas mais baixas). Importante ressaltar que a temperatura final da marcha I, geralmente é atingida quando se utiliza fornos simples, de alvenaria. Por outro lado, caso seja desejado um carvão com maior teor de carbono fixo, deve-se utilizar a marcha II.

5 148 Tabela 2 Resumo da análise de variância para rendimento gravimétrico de carvão (RG, %), de cinco clones de Eucalytpus grandis x E. urophylla com 48 meses carbonizados em duas temperaturas. Fonte de Variação Quadrado Médio Valores de F Blocos 4,3798 1,840 ns Clones 1,1171 0,469 ns Erro a 2,3806 Temperatura 100, ,691 ** Clones x Temperatura 1,6388 1,508 ns Erro b 1,0867 Média 26,2223 CVparcela (%) 5,88 CVsubparcela(%) 3,98 Temperaturas ( o C) Clone Médias 1 28,0236 Aa 24,0300 Ab 26, ,2632 Aa 25,0850 Ab 26, ,3475 Aa 24,1625 Ab 25, ,9114 Aa 25,5500 Ab 26, ,5006 Aa 24,3500 Ab 26,4253 Média 27, , ,2223 ns valor não significativo (P>0,05) pelo teste F. ** - valor significativo (P 0,01), pelo teste F. Médias seguidas por uma mesma letra, maiúscula na coluna e minúscula na linha, não diferem entre si (P>0,05) pelo teste de Tukey. 4 Conclusões Não houve influência da temperatura de carbonização na densidade dos carvões. Mesmo se tratando de madeira jovem, a densidade dos carvões foi superior a que se considera ideal (0,25g. cm -3 ). Em temperaturas mais baixas é possível um acréscimo de cerca 11% na produção. Referências OLIVEIRA, A. C.; CARNEIRO, A. C. O. DE; VITAL, B. R.; et al. Parâmetros de qualidade da madeira e do carvão vegetal de Eucalyptus pellita F. Muell. Scientia Forestalis/Forest Sciences,, n. 87, p , 2010 PINHEIRO, P. C. D. C.; FIGUEIREDO, F. J.; SEYE, O. Influência da temperatura e da taxa de aquecimento da carbonização nas propriedades do carvão vegetal de Eucalyptus. Biomassa & Energia, v. 2, n. 2, p , 2005 VITAL, B. R. Métodos de determinação da densidade da madeira. Viçosa: Sociedade de Investigações Florestais, p. (Boletim técnico 1).

Análise da Produção Energética e de Carvão Vegetal de Espécies de Eucalipto

Análise da Produção Energética e de Carvão Vegetal de Espécies de Eucalipto IPEF, n.23, p.53-56, abr.1983 Análise da Produção Energética e de Carvão Vegetal de Espécies de Eucalipto J.O. BRITO, L. E. G. BARRICHELO e F. SEIXAS ESALQ - USP, Depto. de Silvicultura - 13.400 - Piracicaba

Leia mais

INFLUÊNCIA DA MARCHA DE CARBONIZAÇÃO NOS RENDIMENTOS GRAVIMÉTRICOS DO CARVÃO, LICOR PIROLENHOSO E GASES NÃO CONDENSÁVEIS, DA MADEIRA DE JUREMA-PRETA

INFLUÊNCIA DA MARCHA DE CARBONIZAÇÃO NOS RENDIMENTOS GRAVIMÉTRICOS DO CARVÃO, LICOR PIROLENHOSO E GASES NÃO CONDENSÁVEIS, DA MADEIRA DE JUREMA-PRETA INFLUÊNCIA DA MARCHA DE CARBONIZAÇÃO NOS RENDIMENTOS GRAVIMÉTRICOS DO CARVÃO, LICOR PIROLENHOSO E GASES NÃO CONDENSÁVEIS, DA MADEIRA DE JUREMA-PRETA (Mimosa tenuiflora (Willd.) Poir.) Elias Costa de Souza

Leia mais

CORRELAÇÕES ENTRE CARACTERÍSTICAS FÍSICAS E QUÍMICAS DA MADEIRA E A PRODUÇÃO DE CARVÃO VEGETAL: I. DENSIDADE E TEOR DE LIGNINA DA MADEIRA DE EUCALIPTO

CORRELAÇÕES ENTRE CARACTERÍSTICAS FÍSICAS E QUÍMICAS DA MADEIRA E A PRODUÇÃO DE CARVÃO VEGETAL: I. DENSIDADE E TEOR DE LIGNINA DA MADEIRA DE EUCALIPTO IPEF n.14, p.9-20, 1977 CORRELAÇÕES ENTRE CARACTERÍSTICAS FÍSICAS E QUÍMICAS DA MADEIRA E A PRODUÇÃO DE CARVÃO VEGETAL: I. DENSIDADE E TEOR DE LIGNINA DA MADEIRA DE EUCALIPTO O. D. C. 812.3:867.5:176.1

Leia mais

EFEITO DO MATERIAL GENÉTICO E DO SÍTIO NA QUALIDADE DO CARVÃO VEGETAL DE MADEIRA DE CURTA ROTAÇÃO

EFEITO DO MATERIAL GENÉTICO E DO SÍTIO NA QUALIDADE DO CARVÃO VEGETAL DE MADEIRA DE CURTA ROTAÇÃO EFEITO DO MATERIAL GENÉTICO E DO SÍTIO NA QUALIDADE DO CARVÃO VEGETAL DE MADEIRA DE CURTA ROTAÇÃO Angélica de Cássia Oliveira Carneiro 1, Benedito Rocha Vital 1, Pedro Gustavo Ulisses Frederico 2, Lucas

Leia mais

II FÓRUM NACIONAL DE CARVÃO VEGETAL QUALIDADE DA MADEIRA PARA

II FÓRUM NACIONAL DE CARVÃO VEGETAL QUALIDADE DA MADEIRA PARA II FÓRUM NACIONAL DE CARVÃO VEGETAL QUALIDADE DA MADEIRA PARA PRODUÇÃO DE CARVÃO VEGETAL Angélica de Cássia O. Carneiro Viçosa- MG 1. Aspectos econômicos do setor Fonte: Anuário, 2009 - AMS Fonte: Anuário,

Leia mais

Introdução. Definição

Introdução. Definição Introdução Definição O carvão vegetal é um subproduto florestal resultante da pirólise da madeira, também conhecida como carbonização ou destilação seca da madeira. É um método destrutivo. No processo

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO ENERGÉTICA DE DIFERENTES ESPÉCIES DE EUCALYPTUS

CARACTERIZAÇÃO ENERGÉTICA DE DIFERENTES ESPÉCIES DE EUCALYPTUS CARACTERIZAÇÃO ENERGÉTICA DE DIFERENTES ESPÉCIES DE EUCALYPTUS Márcia Silva de Jesus 1*, Luciano Junqueira Costa 1, Juliana Ceccato Ferreira 1, Fabiana Paiva de Freitas 1, Larissa Carvalho Santos 1, Maria

Leia mais

INFLUÊNCIA DA CASCA NO RENDIMENTO E NA QUALIDADE DO CARVÃO VEGETAL DE Eucalyptus grandis

INFLUÊNCIA DA CASCA NO RENDIMENTO E NA QUALIDADE DO CARVÃO VEGETAL DE Eucalyptus grandis IPEF, n.41/42, p.44-49, jan./dez.1989 INFLUÊNCIA DA CASCA NO RENDIMENTO E NA QUALIDADE DO CARVÃO VEGETAL DE Eucalyptus grandis BENEDITO ROCHA VITAL UFV - Depto. de Engenharia Florestal 36570 - Viçosa -

Leia mais

Rendimento e qualidade do carvão produzido pela carbonização em um novo forno metálico. RESUMO ABSTRACT INTRODUÇÃO

Rendimento e qualidade do carvão produzido pela carbonização em um novo forno metálico. RESUMO ABSTRACT INTRODUÇÃO Rendimento e qualidade do carvão produzido pela carbonização em um novo forno metálico. Riccardo Loffredo Joubert Alexandro Machado Washington Luiz Esteves Magalhães Edson Alves de Lima RESUMO Foram caracterizados

Leia mais

Caracterização Química Do Carvão Da Algaroba (Prosopis juliflora (Sw) Dc) E Cajueiro (Anacardium occidentale L.)

Caracterização Química Do Carvão Da Algaroba (Prosopis juliflora (Sw) Dc) E Cajueiro (Anacardium occidentale L.) Caracterização Química Do Carvão Da Algaroba (Prosopis juliflora (Sw) Dc) E Cajueiro (Anacardium occidentale L.) Rauny Rodrigues de Paiva (1) ; Marcelo da Silva Rebouças (2) ; Maraísa Costa Ferreira (3)

Leia mais

MELHORAMENTO GENÉTICO DAS PROPRIEDADES DO CARVÃO VEGETAL DE Eucalyptus 1. GENETIC IMPROVEMENT OF Eucalyptus CHARCOAL PROPERTIES

MELHORAMENTO GENÉTICO DAS PROPRIEDADES DO CARVÃO VEGETAL DE Eucalyptus 1. GENETIC IMPROVEMENT OF Eucalyptus CHARCOAL PROPERTIES 391 MELHORAMENTO GENÉTICO DAS PROPRIEDADES DO CARVÃO VEGETAL DE Eucalyptus 1 Maria Carolina Gaspar Botrel 2, Paulo Fernando Trugilho 3, Sebastião Carlos da Silva Rosado 3 e José Reinaldo Moreira da Silva

Leia mais

Efeito da temperatura de carbonização e dos resíduos de macaúba na produção de carvão vegetal

Efeito da temperatura de carbonização e dos resíduos de macaúba na produção de carvão vegetal Sci e n t i a For e s ta l i s Efeito da temperatura de carbonização e dos resíduos de macaúba na produção de carvão vegetal Effect of carbonization temperature and the macaúba residues in the production

Leia mais

PROPRIEDADE DO CARVÃO DA MADEIRA E DA CASCA DE Eucalyptus sp. PLANTADO NA REGIÃO DO RECÔNCAVO DA BAHIA

PROPRIEDADE DO CARVÃO DA MADEIRA E DA CASCA DE Eucalyptus sp. PLANTADO NA REGIÃO DO RECÔNCAVO DA BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA CENTRO DE CIÊNCIAS AGÁRIAS, AMBIENTAIS E BIOLÓGICAS PROPRIEDADE DO CARVÃO DA MADEIRA E DA CASCA DE Eucalyptus sp. PLANTADO NA REGIÃO DO RECÔNCAVO DA BAHIA JOÃO

Leia mais

QUALIDADE DA MADEIRA E DO CARVÃO DE SEIS ESPÉCIES DE EUCALIPTO

QUALIDADE DA MADEIRA E DO CARVÃO DE SEIS ESPÉCIES DE EUCALIPTO IV Forum Nacional sobre Carvão Vegetal Belo Horizonte- MG, 08 e 09 de novembro de 2016 QUALIDADE DA MADEIRA E DO CARVÃO DE SEIS ESPÉCIES DE EUCALIPTO Autor 1 ; Autor 2 ; Autor 3 ; Autor 4 RESUMO: Este

Leia mais

DETERMINAÇÃO DAS PROPRIEDADES ENERGÉTICAS DA MADEIRA E DO CARVÃO VEGETAL PRODUZIDO A PARTIR DE Eucalyptus benthamii

DETERMINAÇÃO DAS PROPRIEDADES ENERGÉTICAS DA MADEIRA E DO CARVÃO VEGETAL PRODUZIDO A PARTIR DE Eucalyptus benthamii DETERMINAÇÃO DAS PROPRIEDADES ENERGÉTICAS DA MADEIRA E DO CARVÃO VEGETAL PRODUZIDO A PARTIR DE Eucalyptus benthamii Daniela Letícia Nones 1, Martha Andreia Brand 1, Alexsandro Bayestorff da Cunha 1, Adriel

Leia mais

RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: Carbonização, madeira, Eucalyptus urograndis.

RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: Carbonização, madeira, Eucalyptus urograndis. INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA FINAL DE CARBONIZAÇÃO E DA TAXA DE AQUECIMENTO NO RENDIMENTO GRAVIMÉTRICO E TEOR DE CINZAS DO CARVÃO DE Eucalyptus urophylla x Eucalyptus grandis Carlos Henrinque Souto Azevedo

Leia mais

RENDIMENTOS E CARACTERÍSTICAS DO CARVÃO VEGETAL EM TRUGILHO, FUNÇÃO P. DA F. et al. POSIÇÃO RADIAL DE AMOSTRAGEM EM CLONES DE Eucalyptus

RENDIMENTOS E CARACTERÍSTICAS DO CARVÃO VEGETAL EM TRUGILHO, FUNÇÃO P. DA F. et al. POSIÇÃO RADIAL DE AMOSTRAGEM EM CLONES DE Eucalyptus 178 RENDIMENTOS E CARACTERÍSTICAS DO CARVÃO VEGETAL EM TRUGILHO, FUNÇÃO P. DA F. et al. POSIÇÃO RADIAL DE AMOSTRAGEM EM CLONES DE Eucalyptus Paulo Fernando Trugilho 1, José Reinaldo Moreira da Silva 1,

Leia mais

Quantidade e qualidade das emissões atmosféricas na carbonização da madeira

Quantidade e qualidade das emissões atmosféricas na carbonização da madeira Quantidade e qualidade das emissões atmosféricas na carbonização da madeira GDET - 28 de Outubro de 2010 Autor: Nazareno de Pina Braga, Dr. II Fórum Nacional sobre carvão vegetal Introdução Este trabalho

Leia mais

Avaliação de obstáculos para redução de emissões

Avaliação de obstáculos para redução de emissões MODERNIZAÇÃO DA PRODUÇÃO DE CARVÃO VEGETAL Avaliação de obstáculos para redução de emissões Túlio Jardim Raad e Vamberto de Melo Seminário CGEE & DECOI da SDP/MDIC - Brasília, 20.05.2014 OBJETIVO Ø Relatar

Leia mais

Causas de GL IVE TMG PGER IVE TMG PGER

Causas de GL IVE TMG PGER IVE TMG PGER Efeito Alelopático do Óleo Essencial de Citronela (Cymbopogon winterianus) Sobre a Germinação de Sementes de Picão-Preto e de Milho em Diferentes Épocas de Aplicação. MARIA LITA PADINHA CORREA 1, ANA PAULA

Leia mais

Engenheiro Florestal, Mestrando em Solos e Nutrição de Plantas, UFPI/Universidade Federal do Piauí,

Engenheiro Florestal, Mestrando em Solos e Nutrição de Plantas, UFPI/Universidade Federal do Piauí, Rendimento Gravimétrico Da Amburana E Faveira Em Função Da Densidade Básica E Posição De Amostragem Emanuel França Araújo (1) ; José Benedito Guimarães Junior (2) ; Rosalvo Maciel Guimarães Neto (3) ;

Leia mais

POTENCIAL ENERGÉTICO DA MADEIRA DE Eucalyptus sp. EM FUNÇÃO DA IDADE E DE DIFERENTES MATERIAIS GENÉTICOS 1

POTENCIAL ENERGÉTICO DA MADEIRA DE Eucalyptus sp. EM FUNÇÃO DA IDADE E DE DIFERENTES MATERIAIS GENÉTICOS 1 Potencial energetico da madeira de eucalyptus sp. em... 375 POTENCIAL ENERGÉTICO DA MADEIRA DE Eucalyptus sp. EM FUNÇÃO DA IDADE E DE DIFERENTES MATERIAIS GENÉTICOS 1 Angélica de Cássia Oliveira Carneiro

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA FRIABILIDADE DO CARVÃO VEGETAL EM FUNÇÃO DO DIÂMETRO DAS ÁRVORES E TEMPERATURA DE CARBONIZAÇÃO

DETERMINAÇÃO DA FRIABILIDADE DO CARVÃO VEGETAL EM FUNÇÃO DO DIÂMETRO DAS ÁRVORES E TEMPERATURA DE CARBONIZAÇÃO IPEF, n.38, p.33-37, abr.1988 DETERMINAÇÃO DA FRIABILIDADE DO CARVÃO VEGETAL EM FUNÇÃO DO DIÂMETRO DAS ÁRVORES E TEMPERATURA DE CARBONIZAÇÃO APARECIDO DOS REIS COUTINHO Instituto de Física - Laboratório

Leia mais

Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010)

Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010) Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010) 5771-5775 AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE ARROZ IRRIGADO NO USO DE NITROGÊNIO CARVALHO, Glaucilene Duarte 1 ; DE CAMPOS, Alfredo Borges 2 & FAGERIA,

Leia mais

Investigação do tempo de secagem no teor de umidade e nas características físicas e químicas da madeira para produção de celulose

Investigação do tempo de secagem no teor de umidade e nas características físicas e químicas da madeira para produção de celulose Investigação do tempo de secagem no teor de umidade e nas características físicas e químicas da madeira para produção de celulose Fernando Palha Leite 1 Fernando José Borges Gomes 2 Everton Souza 1 Jorge

Leia mais

INFLUÊNCIA DA MARCHA DE CARBONIZAÇÃO NA QUALIDADE DO CARVÃO VEGETAL DE JUREMA PRETA (Mimosa tenuiflora (Willd.) Poir.)

INFLUÊNCIA DA MARCHA DE CARBONIZAÇÃO NA QUALIDADE DO CARVÃO VEGETAL DE JUREMA PRETA (Mimosa tenuiflora (Willd.) Poir.) INFLUÊNCIA DA MARCHA DE CARBONIZAÇÃO NA QUALIDADE DO CARVÃO VEGETAL DE JUREMA PRETA (Mimosa tenuiflora (Willd.) Poir.) Elias Costa de Souza (1); Danielle de Moraes Lúcio (1); Igor Diego de Oliveira Xaxá;

Leia mais

BIOCARVÃO COMO COMPLEMENTO NO SUBSTRATO PARA A PRODUÇÃO DE MUDAS DE TOMATE CEREJA

BIOCARVÃO COMO COMPLEMENTO NO SUBSTRATO PARA A PRODUÇÃO DE MUDAS DE TOMATE CEREJA BIOCARVÃO COMO COMPLEMENTO NO SUBSTRATO PARA A PRODUÇÃO DE MUDAS DE TOMATE CEREJA Lucas Gomes de Souza 1, Francisco Lopes Evangelista 2, Gabriel José Lima da Silveira 3, Susana Churka Blum 4 Resumo: O

Leia mais

EFEITO DO TRATAMENTO TÉRMICO NA ESTABILIDADE DIMENSIONAL DE PAINÉIS AGLOMERADOS DE Eucalyptus grandis

EFEITO DO TRATAMENTO TÉRMICO NA ESTABILIDADE DIMENSIONAL DE PAINÉIS AGLOMERADOS DE Eucalyptus grandis EFEITO DO TRATAMENTO TÉRMICO NA ESTABILIDADE DIMENSIONAL DE PAINÉIS AGLOMERADOS DE Eucalyptus grandis D. R. Borella; C. A. L. Pereira J. Bressan; N. T. Rissi; L. D. Libera; R. R. Melo* Universidade Federal

Leia mais

Análise Energética Da Madeira E Do Carvão Vegetal A Partir Da Espécie Piptadenia gonoacantha (Mart.) J. F. Macbr

Análise Energética Da Madeira E Do Carvão Vegetal A Partir Da Espécie Piptadenia gonoacantha (Mart.) J. F. Macbr Análise Energética Da Madeira E Do Carvão Vegetal A Partir Da Espécie Piptadenia gonoacantha (Mart.) J. F. Macbr Larissa Cardoso Kuster (1) ; Martha Andreia Brand (2) ; Adriel Furtado de Carvalho (3) ;

Leia mais

COMPARAÇÃO DA QUALIDADE DA MADEIRA DE CINCO PROCEDÊNCIAS DE Eucalyptus nitens PARA FINS ENERGÉTICOS RESUMO

COMPARAÇÃO DA QUALIDADE DA MADEIRA DE CINCO PROCEDÊNCIAS DE Eucalyptus nitens PARA FINS ENERGÉTICOS RESUMO COMPARAÇÃO DA QUALIDADE DA MADEIRA DE CINCO PROCEDÊNCIAS DE Eucalyptus nitens PARA FINS ENERGÉTICOS José Carlos Duarte Pereira * José Alfredo Sturion ** Jacir Faber *** RESUMO Comparou-se a qualidade da

Leia mais

QUALIDADE DA MADEIRA DE Eucalyptus vimanalis PARA FINS ENERGÉTICOS EM FUNÇÃO DO ESPAÇAMENTO E IDADE DE CORTE RESUMO

QUALIDADE DA MADEIRA DE Eucalyptus vimanalis PARA FINS ENERGÉTICOS EM FUNÇÃO DO ESPAÇAMENTO E IDADE DE CORTE RESUMO QUALIDADE DA MADEIRA DE Eucalyptus vimanalis PARA FINS ENERGÉTICOS EM FUNÇÃO DO ESPAÇAMENTO E IDADE DE CORTE José Alfredo Sturion * José Carlos Duarte Pereira ** Mozart Souza Chemin *** RESUMO Foi avaliada

Leia mais

VARIAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS DAS ÁRVORES DE Eucalyptus Saligna SMITH EM FUNÇÃO DA ALTURA DO TRONCO

VARIAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS DAS ÁRVORES DE Eucalyptus Saligna SMITH EM FUNÇÃO DA ALTURA DO TRONCO 1 º Simpósio B rasi lei r o de Pós - Graduação em Engen h aria Flor estal VARIAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS DAS ÁRVORES DE Eucalyptus Saligna SMITH EM FUNÇÃO DA ALTURA DO TRONCO Claudia A. Broglio da Rosa 1,

Leia mais

Rendimento das cultivares de cenoura Alvorada e Nantes Forto cultivadas sob diferentes espaçamentos

Rendimento das cultivares de cenoura Alvorada e Nantes Forto cultivadas sob diferentes espaçamentos Rendimento das cultivares de cenoura Alvorada e Nantes Forto cultivadas sob diferentes espaçamentos João Bosco C. da Silva; Jairo Vidal Vieira; Cristina Maria M. Machado; Graziella B. de Lima. Embrapa

Leia mais

Ciência Florestal ISSN: Universidade Federal de Santa Maria Brasil

Ciência Florestal ISSN: Universidade Federal de Santa Maria Brasil Ciência Florestal ISSN: 0103-9954 cienciaflorestal@ufsm.br Universidade Federal de Santa Maria Brasil Barbosa Evaristo, Anderson; Correia Martino, Daniela; Henrique Ferrarez, Adriano; Barros Donato, Danilo;

Leia mais

Influência do tratamento térmico nas características energéticas de resíduos lenhosos de eucalipto e pinus: poder calorífico e redução granulométrica

Influência do tratamento térmico nas características energéticas de resíduos lenhosos de eucalipto e pinus: poder calorífico e redução granulométrica Influência do tratamento térmico nas características energéticas de resíduos lenhosos de eucalipto e pinus: poder calorífico e redução granulométrica A. Lúcia P. S. M. Pincelli¹ R. Nunes¹ G. Almeida¹ J.

Leia mais

Potencial de espécies de Bambu como fonte energética. Bamboo species potential as energy source

Potencial de espécies de Bambu como fonte energética. Bamboo species potential as energy source Scientia Forestalis Potencial de espécies de Bambu como fonte energética Bamboo species potential as energy source Deborah Rodrigues de Souza Santos¹, Carlos Roberto Sette Junior², Macksuel Fernandes da

Leia mais

Forno-fornalha para queima dos gases da carbonização

Forno-fornalha para queima dos gases da carbonização Forno-fornalha para queima dos gases da carbonização Prof.ª Angélica de Cássia Oliveira Carneiro DEF UFV Setembro 2011 Visando atender a demanda dos pequenos produtores por tecnologias mais eficientes,

Leia mais

Propriedades da madeira para fins de energia. Poder Calorífico

Propriedades da madeira para fins de energia. Poder Calorífico Propriedades da madeira para fins de energia Poder Calorífico Tópicos já abordados: Umidade Densidade Composição química elementar Composição química imediata Poder calorifico é a quantidade de calor liberada

Leia mais

CERNE ISSN: Universidade Federal de Lavras Brasil

CERNE ISSN: Universidade Federal de Lavras Brasil CERNE ISSN: 0104-7760 cerne@dcf.ufla.br Universidade Federal de Lavras Brasil Carvalho Soares, Vássia; Bianchi, Maria Lúcia; Trugilho, Paulo Fernando; Höfler, Juliana; Júnior Pereira, Ariclene ANÁLISE

Leia mais

Estudo tecnológico da madeira de Pinus spp para a produção de carvão vegetal e briquetagem

Estudo tecnológico da madeira de Pinus spp para a produção de carvão vegetal e briquetagem IPEF n.26, p.25-30, abr.1984 Estudo tecnológico da madeira de Pinus spp para a produção de carvão vegetal e briquetagem JOSÉ OTAVIO BRITO Universidade de São Paulo - Escola Superior de Agricultura "Luiz

Leia mais

ECONOMIA DE BAIXO CARBONO SUSTENTABILIDADE PARA O SETOR DE MINERAÇÃO: CASO DA SIDERURGIA NO BRASIL

ECONOMIA DE BAIXO CARBONO SUSTENTABILIDADE PARA O SETOR DE MINERAÇÃO: CASO DA SIDERURGIA NO BRASIL Garo Batmanian Especialista Senior de Meio Ambiente Setembro 28, 2011 Banco Mundial ECONOMIA DE BAIXO CARBONO SUSTENTABILIDADE PARA O SETOR DE MINERAÇÃO: CASO DA SIDERURGIA NO BRASIL Grande Consumidor

Leia mais

DIFERENÇAS DE DENSIDADE BÁSICA (KG/M 3 ) DA MADEIRA DE EUCALYPTUS EM RELAÇÃO AO AMBIENTE DE PLANTIO E AO TIPO DE MATERIAL GENÉTICO

DIFERENÇAS DE DENSIDADE BÁSICA (KG/M 3 ) DA MADEIRA DE EUCALYPTUS EM RELAÇÃO AO AMBIENTE DE PLANTIO E AO TIPO DE MATERIAL GENÉTICO DIFERENÇAS DE DENSIDADE BÁSICA (KG/M 3 ) DA MADEIRA DE EUCALYPTUS EM RELAÇÃO AO AMBIENTE DE PLANTIO E AO TIPO DE MATERIAL GENÉTICO Prof. Dr. Cristiano Pereira da Silva. Docente das Faculdades Integradas

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS PROPRIEDADES ANATÔMICAS, QUÍMICAS E FÍSICAS DA MADEIRA DE Eucalyptus e Corymbia NA QUALIDADE DO CARVÃO PARA USO SIDERÚRGICO

INFLUÊNCIA DAS PROPRIEDADES ANATÔMICAS, QUÍMICAS E FÍSICAS DA MADEIRA DE Eucalyptus e Corymbia NA QUALIDADE DO CARVÃO PARA USO SIDERÚRGICO ALLAN MOTTA COUTO INFLUÊNCIA DAS PROPRIEDADES ANATÔMICAS, QUÍMICAS E FÍSICAS DA MADEIRA DE Eucalyptus e Corymbia NA QUALIDADE DO CARVÃO PARA USO SIDERÚRGICO LAVRAS-MG 2014 ALLAN MOTTA COUTO INFLUÊNCIA

Leia mais

Qualidade e rendimento do carvão vegetal de um clone híbrido de Eucalyptus grandis x Eucalyptus urophylla

Qualidade e rendimento do carvão vegetal de um clone híbrido de Eucalyptus grandis x Eucalyptus urophylla Pesquisa Florestal Brasileira Brazilian Journal of Foresty Research www.cnpf.embrapa.br/pfb Qualidade e rendimento do carvão vegetal de um clone híbrido de Eucalyptus grandis x Eucalyptus urophylla Maíra

Leia mais

ESTUDO PRELIMINAR DO POTENCIAL ENERGÉTICO DE VARIEDADES DE EUCALIPTO CULTIVADAS NO RIO GRANDE DO SUL

ESTUDO PRELIMINAR DO POTENCIAL ENERGÉTICO DE VARIEDADES DE EUCALIPTO CULTIVADAS NO RIO GRANDE DO SUL ESTUDO PRELIMINAR DO POTENCIAL ENERGÉTICO DE VARIEDADES DE EUCALIPTO CULTIVADAS NO RIO GRANDE DO SUL Marcilio Toledo*; Fernando Santos; Nei Marçal; Marcos Espinoza; Paulo Eichler; Jonatan Vuelma; Davi

Leia mais

EFEITO DA COMBUSTÃO DOS GASES DA CARBONIZAÇÃO NO RENDIMENTO GRAVIMÉTRICO DA MADEIRA DE Eucalyptus sp.

EFEITO DA COMBUSTÃO DOS GASES DA CARBONIZAÇÃO NO RENDIMENTO GRAVIMÉTRICO DA MADEIRA DE Eucalyptus sp. Ciência da Madeira, Pelotas, v. 01, n. 02, p. 20-31, Novembro de 2010 ISSN: 2177-6830 EFEITO DA COMBUSTÃO DOS GASES DA CARBONIZAÇÃO NO RENDIMENTO GRAVIMÉTRICO DA MADEIRA DE Eucalyptus sp. Marco Túlio Cardoso

Leia mais

Combustíveis e Redutores ENERGIA PARA METALURGIA

Combustíveis e Redutores ENERGIA PARA METALURGIA Combustíveis e Redutores ENERGIA PARA METALURGIA Energia para Metalurgia Principal fonte energética: Carbono Carvão mineral e carvão vegetal C + O 2 >> CO 2 + energia Portanto, carbono é redutor, usado

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO DO CARVÃO VEGETAL POR MEIO DO CONTROLE DE TEMPERATURAS DE CARBONIZAÇÃO 1

OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO DO CARVÃO VEGETAL POR MEIO DO CONTROLE DE TEMPERATURAS DE CARBONIZAÇÃO 1 Otimização da produção do carvão vegetal por meio do... 557 OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO DO CARVÃO VEGETAL POR MEIO DO CONTROLE DE TEMPERATURAS DE CARBONIZAÇÃO 1 Aylson Costa Oliveira 2, Angélica de Cássia Oliveira

Leia mais

YIELD AND CHARCOAL CHARACTERIZATION OF THREE BRAZILIAN SEMI- ARID REGION SPECIES

YIELD AND CHARCOAL CHARACTERIZATION OF THREE BRAZILIAN SEMI- ARID REGION SPECIES Ciência da Madeira (Braz. J. Wood Sci.), Pelotas, v. 03, n. 01, p. 01-10, Maio de 2012 ISSN: 2177-6830 RENDIMENTO E CARACTERIZAÇÃO DO CARVÃO VEGETAL DE TRÊS ESPÉCIES DE OCORRÊNCIA NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ JÉSSICA GALVAN INFLUÊNCIA DO TEMPO DE SECAGEM E ESTRATIFICAÇÃO DA MADEIRA NA OBTENÇÃO DO CARVÃO VEGETAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ JÉSSICA GALVAN INFLUÊNCIA DO TEMPO DE SECAGEM E ESTRATIFICAÇÃO DA MADEIRA NA OBTENÇÃO DO CARVÃO VEGETAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ JÉSSICA GALVAN INFLUÊNCIA DO TEMPO DE SECAGEM E ESTRATIFICAÇÃO DA MADEIRA NA OBTENÇÃO DO CARVÃO VEGETAL CURITIBA 2016 JÉSSICA GALVAN INFLUÊNCIA DO TEMPO DE SECAGEM E ESTRATIFICAÇÃO

Leia mais

Estudo de Caso de uma Planta de Carbonização: Avaliação de Características e Qualidade do Carvão Vegetal Visando Uso Siderúrgico

Estudo de Caso de uma Planta de Carbonização: Avaliação de Características e Qualidade do Carvão Vegetal Visando Uso Siderúrgico Floresta e Ambiente http://dx.doi.org/10.1590/2179-8087.106114 ISSN 1415-0980 (impresso) ISSN 2179-8087 (online) Estudo de Caso de uma Planta de Carbonização: Avaliação de Características e Qualidade do

Leia mais

PROPRIEDADES FÍSICAS DA MADEIRA DE Araucaria angustifolia PROCEDENTE DA REGIÃO CENTRO OESTE DO PARANÁ

PROPRIEDADES FÍSICAS DA MADEIRA DE Araucaria angustifolia PROCEDENTE DA REGIÃO CENTRO OESTE DO PARANÁ PROPRIEDADES FÍSICAS DA MADEIRA DE Araucaria angustifolia PROCEDENTE DA REGIÃO CENTRO OESTE DO PARANÁ Diego Leonardo Holk (ICV), Giordano Marques Corradi, Éverton Hillig (Orientador), Gilmara de Oliveira

Leia mais

Parâmetros de qualidade da madeira e do carvão vegetal de Eucalyptus pellita F. Muell.

Parâmetros de qualidade da madeira e do carvão vegetal de Eucalyptus pellita F. Muell. Sci e n t i a For e s ta l i s Parâmetros de qualidade da madeira e do carvão vegetal de Eucalyptus pellita F. Muell. Quality parameters of Eucalyptus pellita F. Muell. Wood and charcoal Aylson Costa Oliveira¹,

Leia mais

CARVÃO VEGETAL RENOVÁVEL: O DIFERENCIAL DA SIDERURGIA BRASILEIRA

CARVÃO VEGETAL RENOVÁVEL: O DIFERENCIAL DA SIDERURGIA BRASILEIRA CARVÃO VEGETAL RENOVÁVEL: O DIFERENCIAL DA SIDERURGIA BRASILEIRA (SILVICULTURA & INTEGRAÇÃO FLORESTA-INDÚSTRIA) Eng. Ftal. M.Sc. Roosevelt Almado Rio de Janeiro- RJ 11/04/2011 1 31/10/2014 1. CONTEXTUALIZAÇÃO

Leia mais

AVALIAÇÃO DO ARRANJO DE PLANTAS DE GIRASSOL

AVALIAÇÃO DO ARRANJO DE PLANTAS DE GIRASSOL 241 ( 55 AVALIAÇÃO DO ARRANJO DE PLANTAS DE GIRASSOL EVALUATION OF PLANT DESIGN IN SUNFLOWER César de Castro 1 ; Adilson de Oliveira Júnior 1 ; Fábio Alvares de Oliveira 1 ; Regina M.V.B.C. Leite 1 ; Bruna

Leia mais

Scientia. Resumo. Abstract

Scientia. Resumo. Abstract Scientia Forestalis Análise da qualidade da madeira e do carvão vegetal produzido a partir da espécie Miconia cinnamomifolia (De Candolle) Naudin (Jacatirão-açu) na agricultura familiar, em Biguaçu, Santa

Leia mais

Rendimento e qualidade do melão em diferentes espaçamentos de plantio.

Rendimento e qualidade do melão em diferentes espaçamentos de plantio. Rendimento e qualidade do melão em diferentes espaçamentos de plantio. Geraldo M. de Resende; Nivaldo D. Costa Embrapa - Semi-Árido, C. Postal 23, 56302.970 Petrolina - PE. E-mail: gmilanez@ufla.br RESUMO

Leia mais

PERSPECTIVAS DO USO DE HÍBRIDOS ENTRE ESPÉCIES DO GÊNERO Corymbia.

PERSPECTIVAS DO USO DE HÍBRIDOS ENTRE ESPÉCIES DO GÊNERO Corymbia. PERSPECTIVAS DO USO DE HÍBRIDOS ENTRE ESPÉCIES DO GÊNERO Corymbia. Corymbia e Eucalyptus E. tesselaris, E. papuana E. citriodora, E. torelliana, E. maculata E. miniata, E. phoenicia, E. bayleiana E. deglupta,

Leia mais

TEMPO DE COZIMENTO DE RAÍZES DE GENÓTIPOS DE MANDIOCA DE MESA (Manihot esculenta Crantz) SOB SISTEMA IRRIGADO E DE SEQUEIRO)

TEMPO DE COZIMENTO DE RAÍZES DE GENÓTIPOS DE MANDIOCA DE MESA (Manihot esculenta Crantz) SOB SISTEMA IRRIGADO E DE SEQUEIRO) TEMPO DE COZIMENTO DE RAÍZES DE GENÓTIPOS DE MANDIOCA DE MESA (Manihot esculenta Crantz) SOB SISTEMA IRRIGADO E DE SEQUEIRO) Rosangela Nascimento da Silva Ribeiro 1 ; Maurício Antônio Coelho Filho 2 ;

Leia mais

Faculdade de Tecnologia, Universidade de Brasília, Brasília-DF. antoniobritochaves@hotmail.com

Faculdade de Tecnologia, Universidade de Brasília, Brasília-DF. antoniobritochaves@hotmail.com CARACTERÍSTICAS ENERGÉTICAS DA MADEIRA E CARVÃO VEGETAL DE CLONES DE Eucalyptus spp. Antonio M. Brito Chaves 1, Ailton Teixeira do Vale 2, Raul C. N. Melido 3, Vanessa P. Zoch 1 1 Graduandos em Engenharia

Leia mais

Torrefação e carbonização de briquetes de resíduos do processamento dos grãos de café

Torrefação e carbonização de briquetes de resíduos do processamento dos grãos de café 1252 Thiago de P. Protásio et al. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental v.16, n.11, p.1252 1258, 2012 Campina Grande, PB, UAEA/UFCG http://www.agriambi.com.br Protocolo 193.11 09/09/2011

Leia mais

EFICIÊNCIA DE INSETICIDAS, EM TRATAMENTO DE SEMENTES, NO CONTROLE DO PULGÃO Aphis gossypii (HOMOPTERA: APHIDIDAE) NA CULTURA DO ALGODOEIRO

EFICIÊNCIA DE INSETICIDAS, EM TRATAMENTO DE SEMENTES, NO CONTROLE DO PULGÃO Aphis gossypii (HOMOPTERA: APHIDIDAE) NA CULTURA DO ALGODOEIRO EFICIÊNCIA DE INSETICIDAS, EM TRATAMENTO DE SEMENTES, NO CONTROLE DO PULGÃO Aphis gossypii (HOMOPTERA: APHIDIDAE) NA CULTURA DO ALGODOEIRO Crébio José Ávila (Embrapa Agropecuária Oeste / crebio@cpao.embrapa.br),

Leia mais

CULTIVARES DE ALGODOEIRO AVALIADAS EM DIFERENTES LOCAIS NO CERRADO DA BAHIA, SAFRA 2007/08 1. INTRODUÇÃO

CULTIVARES DE ALGODOEIRO AVALIADAS EM DIFERENTES LOCAIS NO CERRADO DA BAHIA, SAFRA 2007/08 1. INTRODUÇÃO Página 1481 CULTIVARES DE ALGODOEIRO AVALIADAS EM DIFERENTES LOCAIS NO CERRADO DA BAHIA, SAFRA 2007/08 1. Murilo Barros Pedrosa (Fundação Bahia / algodao@fundacaoba.com.br), Camilo de Lelis Morello (Embrapa

Leia mais

COMBUSTÍVEIS E REDUTORES

COMBUSTÍVEIS E REDUTORES COMBUSTÍVEIS E REDUTORES Combustíveis e redutores usados em metalugia são as matérias primas responsáveis pelo fornecimento de energia, e pela redução dos minérios oxidados a metal A origem destas matéria

Leia mais

COMPARAÇÃO DA QUALIDADE DA MADEIRA DE TRÊS PROCEDÊNCIAS DE Eucalyptus dunnii MAIDEN, PARA FINS ENERGÉTICOS * RESUMO

COMPARAÇÃO DA QUALIDADE DA MADEIRA DE TRÊS PROCEDÊNCIAS DE Eucalyptus dunnii MAIDEN, PARA FINS ENERGÉTICOS * RESUMO COMPARAÇÃO DA QUALIDADE DA MADEIRA DE TRÊS PROCEDÊNCIAS DE Eucalyptus dunnii MAIDEN, PARA FINS ENERGÉTICOS * José Carios Duarte Pereira **** Antonio Rioyei Higa *** Jarbas Yukio Shimizu ** Rosana Clara

Leia mais

Torrefação de biomassa

Torrefação de biomassa Bioenergia Portugal 15 Portalegre, 29/5/15 Torrefação de biomassa Aplicação aos casos de estudo de processamento e valorização de biomassa de Arundo donax L. e de Phoenix canariensis. Ricardo Correia,

Leia mais

Desbaste intermediários em florestas de alta rotatividade visando a produção de carvão vegetal

Desbaste intermediários em florestas de alta rotatividade visando a produção de carvão vegetal IPEF n.26, p.9-11, abr.1984 Desbaste intermediários em florestas de alta rotatividade visando a produção de carvão vegetal ALOISIO RODRIGUES PEREIRA Soc. De Investigações Florestais UFV, Viçosa, MG 36.570

Leia mais

Propriedades da madeira e estimativas de massa, carbono...

Propriedades da madeira e estimativas de massa, carbono... Propriedades da madeira e estimativas de massa, carbono... 971 PROPRIEDADES DA MADEIRA E ESTIMATIVAS DE MASSA, CARBONO E ENERGIA DE CLONES DE Eucalyptus PLANTADOS EM DIFERENTES LOCAIS 1 Larissa Carvalho

Leia mais

Avaliação de variedades sintéticas de milho em três ambientes do Rio Grande do Sul. Introdução

Avaliação de variedades sintéticas de milho em três ambientes do Rio Grande do Sul. Introdução Avaliação de variedades sintéticas de milho em três ambientes do Rio Grande do Sul Machado, J.R. de A. 1 ; Guimarães, L.J.M. 2 ; Guimarães, P.E.O. 2 ; Emygdio, B.M. 3 Introdução As variedades sintéticas

Leia mais

Densidade de brotos e de cachos em cultivares de uvas sem sementes no Submédio do Vale do São Francisco

Densidade de brotos e de cachos em cultivares de uvas sem sementes no Submédio do Vale do São Francisco 171 Densidade de brotos e de cachos em cultivares de uvas sem sementes... Densidade de brotos e de cachos em cultivares de uvas sem sementes no Submédio do Vale do São Francisco Density of shoots and bunches

Leia mais

SELETIVIDADE DOS HERBICIDAS BENTAZON E NICOSULFURON PARA Crotalaria juncea e Crotalaria spectabilis

SELETIVIDADE DOS HERBICIDAS BENTAZON E NICOSULFURON PARA Crotalaria juncea e Crotalaria spectabilis SELETIVIDADE DOS HERBICIDAS BENTAZON E NICOSULFURON PARA Crotalaria juncea e Crotalaria spectabilis NOGUEIRA, C. H. P (FCAV - UNESP, Jaboticabal/SP - nogueirachp@gmail.com), CORREIA, N. M. (Embrapa, Brasília/DF

Leia mais

RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: Taxi-branco-da-terra-firme, Sclerolobium panicu-latum, energia. ABSTRACT

RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: Taxi-branco-da-terra-firme, Sclerolobium panicu-latum, energia. ABSTRACT CARACTERIZAÇÃO DA MADEIRA DE TAXI-BRANCO-DA-TERRA-FlRME (Sclerolobium paniculatum VOGEL) PARA ENERGIA (Characterization of taxi-branco-da-terra-firme wood (Sclerolobium paniculatum Vogel) for energy) Ivan

Leia mais

Carvoejamento, Carbonização e Pirólise

Carvoejamento, Carbonização e Pirólise I Seminário Madeira Energética MADEN 2008 ABC - RJ, 2 e 3 de setembro de 2008 Carvoejamento, Carbonização e Pirólise José Dilcio da Rocha Pesquisador da EMBRAPA - Agroenergia O que é Carvoejamento, Carbonização,

Leia mais

XX Congreso Latinoamericano y XVI Congreso Peruano de la Ciencia del Suelo

XX Congreso Latinoamericano y XVI Congreso Peruano de la Ciencia del Suelo XX Congreso Latinoamericano y XVI Congreso Peruano de la Ciencia del Suelo EDUCAR para PRESERVAR el suelo y conservar la vida en La Tierra Cusco Perú, del 9 al 15 de Noviembre del 2014 Centro de Convenciones

Leia mais

LINHAGENS FINAIS DE ALGODÃO DE FIBRAS MÉDIAS E LONGAS NO CERRADO DA BAHIA, SAFRA

LINHAGENS FINAIS DE ALGODÃO DE FIBRAS MÉDIAS E LONGAS NO CERRADO DA BAHIA, SAFRA Página 1417 LINHAGENS FINAIS DE ALGODÃO DE FIBRAS MÉDIAS E LONGAS NO CERRADO DA BAHIA, SAFRA 200910. 1 Murilo Barros Pedrosa 1 ; Nelson Dias Suassuna 2, Camilo de Lelis Morello 2 ; Eleusio Curvelo Freire

Leia mais

Palavras chave: doses de calcário, ph do solo, formas de manejo, produção.

Palavras chave: doses de calcário, ph do solo, formas de manejo, produção. APLICAÇÃO DE CALCÁRIO EM SUPERFÍCIE E INCORPORADO EM CAMPO NATIVO. Edilceu João da Silva Santos 1,Flávio Moreira Xavier 1, Danilo dos Santos Rheinheimer 1, João Kaminski 1, Dalvan Reinert 1, Antônio Nolla

Leia mais

INFLUÊNCIA DO TRATAMENTO TÉRMICO NA ESTABILIDADE DIMENSIONAL DA MADEIRA DE AMESCLA (Trattinnickia burseraefolia Mart.)

INFLUÊNCIA DO TRATAMENTO TÉRMICO NA ESTABILIDADE DIMENSIONAL DA MADEIRA DE AMESCLA (Trattinnickia burseraefolia Mart.) INFLUÊNCIA DO TRATAMENTO TÉRMICO NA ESTABILIDADE DIMENSIONAL DA MADEIRA DE AMESCLA (Trattinnickia burseraefolia Mart.) J. Bressan; D. R. Borella; N. T. Rissi; C. A. L. Pereira; L. D. Libera; R. R. Melo*

Leia mais

USINA TERMOELÉTRICA...

USINA TERMOELÉTRICA... USINA TERMOELÉTRICA... Usina Termoelétrica: A usina termoelétrica é uma alternativa para a produção de energia elétrica para uso em geral, é principalmente utilizada no setor industrial. O QUE É UMA TERMOELÉTRICA?

Leia mais

ASFÁLTICOS EM TANQUES COM AGITADORES

ASFÁLTICOS EM TANQUES COM AGITADORES AVALIAÇÃO DO AQUECIMENTO DE PRODUTOS ASFÁLTICOS EM TANQUES COM AGITADORES MECÂNICOS Este trabalho técnico foi preparado para apresentação no 19 Encontro de Asfalto, realizado no período de 9 a 11 de junho

Leia mais

EFEITO DA ESPESSURA DE CORTE NA QUALIDADE DA SUPERFÍCIE USINADA DE Eucalyptus saligna e Corymbia maculata

EFEITO DA ESPESSURA DE CORTE NA QUALIDADE DA SUPERFÍCIE USINADA DE Eucalyptus saligna e Corymbia maculata XV EBRAMEM - Encontro Brasileiro em Madeiras e em Estruturas de Madeira 09-11/Mai, 2016, Curitiba, PR, Brasil EFEITO DA ESPESSURA DE CORTE NA QUALIDADE DA SUPERFÍCIE USINADA DE Eucalyptus saligna e Corymbia

Leia mais

RELAÇÕES ENTRE PROPRIEDADES QUÍMICAS, FÍSICAS E ENERGÉTICAS DA MADEIRA DE CINCO ESPÉCIES DE CERRADO

RELAÇÕES ENTRE PROPRIEDADES QUÍMICAS, FÍSICAS E ENERGÉTICAS DA MADEIRA DE CINCO ESPÉCIES DE CERRADO Ciência Florestal, Santa Maria, v. 20, n. 1, p. 137-145, jan.-mar., 2010 ISSN 0103-9954 RELAÇÕES ENTRE PROPRIEDADES QUÍMICAS, FÍSICAS E ENERGÉTICAS DA MADEIRA DE CINCO ESPÉCIES DE CERRADO RELATIONSHIPS

Leia mais

Revista Ceres ISSN: X Universidade Federal de Viçosa Brasil

Revista Ceres ISSN: X Universidade Federal de Viçosa Brasil Revista Ceres ISSN: 0034-737X ceresonline@ufv.br Universidade Federal de Viçosa Brasil Sater, Osmir; de Souza, Natalia Dias; Gonçalves de Oliveira, Eva Adriana; de Felice Elias, Tatiana; Tavares, Rafael

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE CARACTERÍSTICAS DA BIOMASSA PARA GERAÇÃO DE VAPOR EM UMA CALDEIRA

CORRELAÇÃO ENTRE CARACTERÍSTICAS DA BIOMASSA PARA GERAÇÃO DE VAPOR EM UMA CALDEIRA CORRELAÇÃO ENTRE CARACTERÍSTICAS DA BIOMASSA PARA GERAÇÃO DE VAPOR EM UMA CALDEIRA Rosa, Marcos da Costa Discente Eng. Florestal FAIT/ACEG OLIVEIRA JUNIOR, Ezer Dias Docente FAIT/ACEG RESUMO O presente

Leia mais

MADEIRA arquitetura e engenharia

MADEIRA arquitetura e engenharia Voltar MADEIRA arquitetura e engenharia CLEAR BLOCKS DE EUCALIPTO, MADEIRA SERRADA DE PEQUENAS DIMENSÕES LIVRE DE DEFEITOS nº 4 artigo 1 Eng. Msc. Alexandre Monteiro de Carvalho LaMEM-EESC/USP (almcarva@sc.usp.br)

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA BIOMASSA E DO CARVÃO VEGETAL DO COCO-DA-BAÍA (Cocos nucifera L.) PARA USO ENERGÉTICO 1

CARACTERIZAÇÃO DA BIOMASSA E DO CARVÃO VEGETAL DO COCO-DA-BAÍA (Cocos nucifera L.) PARA USO ENERGÉTICO 1 Caracterização da biomassa e do carvão vegetal... 365 CARACTERIZAÇÃO DA BIOMASSA E DO CARVÃO VEGETAL DO COCO-DA-BAÍA (Cocos nucifera L.) PARA USO ENERGÉTICO 1 Characterization of Biomass and Charcoal Cocos

Leia mais

PROMOVE PROCESSOS TÉRMICOS

PROMOVE PROCESSOS TÉRMICOS 1. CRAQUEAMENTO TÉRMICO 1.1. Definição: Processo que provoca a quebra das moléculas aquecimento em temperaturas elevadas ( 450 C) e ausência de ar/oxigênio. Carga resíduo atmosférico ou gasóleo. Resíduo

Leia mais

Nota Científica Propriedades físicas e energéticas da madeira e do carvão vegetal da espécie Hieronyma alchorneoides

Nota Científica Propriedades físicas e energéticas da madeira e do carvão vegetal da espécie Hieronyma alchorneoides Pesquisa Florestal Brasileira Brazilian Journal of Forestry Research https://www.embrapa.br/pfb Nota Científica Propriedades físicas e energéticas da madeira e do carvão vegetal da espécie Hieronyma alchorneoides

Leia mais

XII. METODOLOGIA E TÉCNICAS EXPERIMENTAIS DENSIDADE GLOBAL DE SOLOS MEDIDA COM ANEL VOLUMÉTRICO E POR CACHIMBAGEM DE TERRA FINA SECA AO AR ( 1 )

XII. METODOLOGIA E TÉCNICAS EXPERIMENTAIS DENSIDADE GLOBAL DE SOLOS MEDIDA COM ANEL VOLUMÉTRICO E POR CACHIMBAGEM DE TERRA FINA SECA AO AR ( 1 ) XII. METODOLOGIA E TÉCNICAS EXPERIMENTAIS NOTA DENSIDADE GLOBAL DE SOLOS MEDIDA COM ANEL VOLUMÉTRICO E POR CACHIMBAGEM DE TERRA FINA SECA AO AR ( 1 ) BERNARDO VAN RAU (2) e FRANCISCO GROHMANN (3) RESUMO

Leia mais

PRODUÇÃO DE CARVÃO VEGETAL DE CASCA DE BARU (Dipteryx alata) UTILIZANDO CÉLULAS DE CARBONIZAÇÃO

PRODUÇÃO DE CARVÃO VEGETAL DE CASCA DE BARU (Dipteryx alata) UTILIZANDO CÉLULAS DE CARBONIZAÇÃO PRODUÇÃO DE CARVÃO VEGETAL DE CASCA DE BARU (Dipteryx alata) UTILIZANDO CÉLULAS DE CARBONIZAÇÃO Ailton Teixeira do Vale 1, Leandro Borges Olsen 2 1 Eng. Florestal, Dr., Depto. de Engenharia Florestal,

Leia mais

Resultados de Pesquisa dos Ensaios de Melhoramento de Soja Safra 2008/09

Resultados de Pesquisa dos Ensaios de Melhoramento de Soja Safra 2008/09 Resultados de Pesquisa dos Ensaios de Melhoramento de Soja Safra 2008/09 Alberto Francisco Boldt; Engenheiro agrônomo, pesquisador do Instituto Mato-Grossense do Algodão IMAmt; Caixa Postal: 149, CEP 78.850-000;

Leia mais

Dados: - calor latente de vaporização da água: 540cal/g - calor específico da água: 10cal/g C

Dados: - calor latente de vaporização da água: 540cal/g - calor específico da água: 10cal/g C 1. (Fuvest 92) Adote: calor específico da água = 1 cal/g. C Um recipiente contendo 3600g de água à temperatura inicial de 80 C é posto num local onde a temperatura ambiente permanece sempre igual a 20

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS TEORES DE ÓLEOS ESSENCIAIS PRESENTES EM PLANTAS AROMÁTICAS FRESCAS E DESIDRATADAS

AVALIAÇÃO DOS TEORES DE ÓLEOS ESSENCIAIS PRESENTES EM PLANTAS AROMÁTICAS FRESCAS E DESIDRATADAS AVALIAÇÃO DOS TEORES DE ÓLEOS ESSENCIAIS PRESENTES EM PLANTAS AROMÁTICAS FRESCAS E DESIDRATADAS Valéria Cristina Ramalho 1 Denise Andreo 2 Priscila Milene Angelo 3 Neuza Jorge 4 RESUMO Óleos essenciais

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO CONTEÚDO DE ÁGUA DE SOLO PELO MÉTODO DA FRIGIDEIRA EM UM LATOSSOLO VERMELHO ESCURO

DETERMINAÇÃO DO CONTEÚDO DE ÁGUA DE SOLO PELO MÉTODO DA FRIGIDEIRA EM UM LATOSSOLO VERMELHO ESCURO DETERMINAÇÃO DO CONTEÚDO DE ÁGUA DE SOLO PELO MÉTODO DA FRIGIDEIRA EM UM LATOSSOLO VERMELHO ESCURO Márcio Rodrigues TAVEIRA 1; Mário dos SANTOS 2 ; Antonio Clarette Santiago TAVARES 3, José ALVES Jr. 4,

Leia mais

VALORIZAÇÃO DA CINZA DE CALDEIRA DE INDÚSTRIA DE TINGIMENTO TÊXTIL PARA PRODUÇÃO DE ARGAMASSAS SUSTENTÁVEIS

VALORIZAÇÃO DA CINZA DE CALDEIRA DE INDÚSTRIA DE TINGIMENTO TÊXTIL PARA PRODUÇÃO DE ARGAMASSAS SUSTENTÁVEIS VALORIZAÇÃO DA CINZA DE CALDEIRA DE INDÚSTRIA DE TINGIMENTO TÊXTIL PARA PRODUÇÃO DE ARGAMASSAS SUSTENTÁVEIS A. Reis ¹, E. P. Manfroi 2 Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE, Departamento de Engenharia

Leia mais

COMPORTAMENTO DE LINHAGENS DE MAMONA (Ricinus communis L.), EM BAIXA ALTITUDE NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE 1

COMPORTAMENTO DE LINHAGENS DE MAMONA (Ricinus communis L.), EM BAIXA ALTITUDE NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE 1 Página 1650 COMPORTAMENTO DE LINHAGENS DE MAMONA (Ricinus communis L.), EM BAIXA ALTITUDE NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE 1 Marcelo Abdon Lira 1 ; Máira Milani 2 ; Hélio Wilson Lemos de Carvalho 3 ; João

Leia mais

Briquetagem e Peletização de Resíduos Agrícolas e Florestais

Briquetagem e Peletização de Resíduos Agrícolas e Florestais Briquetagem e Peletização de Resíduos Agrícolas e Florestais Daniela Collares Briquetagem e Peletização As tecnologias de briquetagem e de peletização são capazes de transformar a biomassa na sua forma

Leia mais

DESEMPENHO DO MÉTODO DAS PESAGENS EM GARRAFA PET PARA A DETERMINAÇÃO DA UMIDADE DO SOLO

DESEMPENHO DO MÉTODO DAS PESAGENS EM GARRAFA PET PARA A DETERMINAÇÃO DA UMIDADE DO SOLO DESEMPENHO DO MÉTODO DAS PESAGENS EM GARRAFA PET PARA A DETERMINAÇÃO DA UMIDADE DO SOLO E. D. ARAÚJO 1 ; A. M. A. AVILEZ 1 ; J. M. SANTOS 1 ; E. C. MANTOVANI 2 1 Estudante de Mestrado, Universidade Federal

Leia mais

CALAGEM NA SUPERFÍCIE DO SOLO NO SISTEMA PLANTIO DIRETO EM CAMPO NATIVO. CIRO PETRERE Eng. Agr. (UEPG)

CALAGEM NA SUPERFÍCIE DO SOLO NO SISTEMA PLANTIO DIRETO EM CAMPO NATIVO. CIRO PETRERE Eng. Agr. (UEPG) CALAGEM NA SUPERFÍCIE DO SOLO NO SISTEMA PLANTIO DIRETO EM CAMPO NATIVO CIRO PETRERE Eng. Agr. (UEPG) CALAGEM NA SUPERFÍCIE DO SOLO NO SISTEMA PLANTIO DIRETO EM CAMPO NATIVO" Autor: Ciro Petrere Orientador:

Leia mais

AVALIAÇÃO ECONÔMICA DE PLANTAÇÕES DE EUCALIPTO SUBMETIDAS A DESBASTE 1

AVALIAÇÃO ECONÔMICA DE PLANTAÇÕES DE EUCALIPTO SUBMETIDAS A DESBASTE 1 Avaliação Econômica de Plantações de Eucalipto... 48 AVALIAÇÃO ECONÔMICA DE PLANTAÇÕES DE EUCALIPTO SUBMETIDAS A DESBASTE Thelma Shirlen Soares, Márcio Lopes da Silva 3, João Ricardo Vasconcelos Gama,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO QUÍMICA E FÍSICA DA MADEIRA DE PROCÊDENCIAS DE Eucalyptus

CARACTERIZAÇÃO QUÍMICA E FÍSICA DA MADEIRA DE PROCÊDENCIAS DE Eucalyptus CARACTERIZAÇÃO QUÍMICA E FÍSICA DA MADEIRA DE PROCÊDENCIAS DE Eucalyptus Íngrid Luz Guimarães¹, José Benedito Guimarães Junior², Fernando Jesus Nogara Lisboa³, Carlos Rogério Andrade 4, Humberto Fauller

Leia mais