Exploração de edifícios de ação Social

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Exploração de edifícios de ação Social"

Transcrição

1 r.ed_zero Rede de edifícios de impacto zero Exploração de edifícios de ação Social Referencial de funcionamento e exploração de edifícios de ação social, no que diz respeito aos consumos de energia, água e produção de resíduos. Parceiros: Cofinanciado por:

2 Índice 1. INTRODUÇÃO OBJETIVOS ESTRUTURA QUESTIONÁRIO INDICADORES IDENTIFICAÇÃO ANÁLISE... 5 i. Consumo de água...6 Consumo médio mensal de água ( ) por utilizador em permanência... 6 Consumo médio mensal de água ( ) por área útil de pavimento... 6 ii. Consumo de Gás Natural...7 Consumo médio mensal de Gás Natural ( ) por utilizador em permanência... 7 Consumo médio mensal de Gás Natural ( ) por área útil de pavimento... 7 iii. Consumo de eletricidade...7 Consumo médio mensal de eletricidade ( ) por utilizador em permanência... 8 Consumo médio mensal de eletricidade ( ) por área útil de pavimento... 9 Consumo médio mensal de eletricidade ( ) por dia de trabalho... 9 iv. Produção renovável CONCLUSÕES ANEXOS QUESTIONÁRIO

3 1. Introdução Estabelecer e monitorar indicadores é essencial para conhecer, controlar e melhorar a exploração dos edifícios. Os indicadores apresentados neste estudo possibilitam caraterizar, controlar e melhorar o desempenho energético dos edifícios de ação social. Estes indicadores podem ser utilizados pelas entidades que buscam reduzir os seus custos e, ao mesmo tempo, aumentar a sua rentabilidade energética, colocando em prática os conceitos de uma gestão mais ecoeficiente. Essa gestão permitirá alcançar uma maior eficiência energética, otimizando os seus consumos de energia elétrica, água e gás natural, reduzindo a geração de resíduos e tornando os funcionários mais conscientes e motivados. 2 A adoção sistemática, de indicadores padronizados permitirá que todos edifícios de ação social caminhem rumo aos mesmos objetivos, em um processo de melhoria contínua focado no desenvolvimento sustentável. A medição é o primeiro passo que leva ao controle e, consequentemente, à melhoria. Se não mede algo, não o entende. Se não o entende, não o controla. Se não o controla, não pode melhorá-lo. H. James Harrington 1.1. Objetivos Pretende-se identificar os principais aspetos relevantes, a nível do consumo de energia, dos edifícios de ação social. Criar um referencial de funcionamento e exploração dos mais variados edifícios, nomeadamente quanto aos consumos de energia, água e produção de resíduos, apoiado num conjunto de indicadores relevantes para este tipo de utilização. Para tal, é necessário a criação de um documento para diagnóstico rápido da situação do edifícios quanto à energia que consome ou aos impactos do mesmo. Estes dados não só assentam numa ferramenta para a caraterização dos edifícios a nível energético, mas também numa metodologia para a sua exploração racional e sustentável. O referencial desenvolvido compreende a recolha de informação sobre o consumo de energia, o seu tratamento e a produção de um conjunto de indicadores que podem ser utilizados para uma avaliação quantitativa da utilização do consumo de energia de um edifício.

4 1.2. Estrutura Elaboração do Questionário 3 Caracterização e desenvolvimento dos Indicadores Implementação junto das entidades selecionadas Validação e Análise

5 2. Questionário Todo o questionário foi desenvolvido numa plataforma via web, de modo ao utilizador ter acesso de uma forma rápida e com uma resposta simplificada. Na figura 1 está representado parte do questionário desenvolvido (em anexo questionário completo). 4 Figura 1 - Questionário Todas as respostas aos questionários são armazenadas em base de dados, de modo a serem tratadas e analisadas de acordo com os indicadores desenvolvidos. Todos os dados diretamente ligados aos indicadores apresentam um preenchimento obrigatório.

6 3. Indicadores Todos os indicadores desenvolvidos foram previamente analisados e testados em edifícios modelo, de modo assegurar que estes traduzam as conclusões definidas e idealizadas ao longo do projeto Identificação 5 Os indicadores desenvolvidos são: o Consumo médio mensal de água ( ) por utilizador em permanência o Consumo médio mensal de água ( ) por área útil de pavimento o Consumo médio mensal de Gás Natural ( ) por utilizador em permanência o Consumo médio mensal de Gás Natural ( ) por área útil de pavimento o Consumo médio mensal de eletricidade ( ) por utilizador em permanência o Consumo médio mensal de eletricidade ( ) por área útil de pavimento o Consumo médio mensal de eletricidade ( ) por dia de trabalho o Produção renovável 3.2. Análise Na conceção dos indicadores foi preponderante a presença de aspetos relacionados com coeficientes de consumo de energia bem como dos custos associados, face às características dos edifícios. A análise destes indicadores pressupõe conclusões baseadas em novas abordagens na exploração destes edifícios bem como possíveis intervenções no âmbito da eficiência energética. Uma das principais causas do elevado consumo energético dos edifícios de ação social é o fato de estes apresentarem um comportamento dissipativo, devido à não utilização de eficientes soluções de isolamento térmico, o que leva à inadequada utilização de equipamentos de climatização. Torna-se, assim, particularmente importante que os profissionais do sector contribuam para inverter a tendência, adoptando uma exploração sustentável dos edifícios, através do recurso a técnicas passivas e/ou activas que melhorem a sua eficiência energética, sem que contudo essa ação contribua para o significativo aumento de pay backs associados à entidade.

7 Entidades identificadas: o APCVC - Associação Paralisia Cerebral de Viana do Castelo o Congregação de Nossa Senhora da Caridade o Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental Viana do Castelo o Lar de Santa Teresa o Centro Social e Paroquial de Santa Maria Maior o Santa casa da misericórdia dos Arcos de Valdevez o Casa da caridade de nossa senhora Conceição o Serviços de ação social do instituto politécnico de Viana do Castelo 6 i. Consumo de água Consumo médio mensal de água ( ) por utilizador em permanência Serviços de ação social do instituto politecnico Casa da caridade de nossa senhora Conceição Santa casa da misericordia dos Arcos de Centro Social e Paroquial de Santa Maria Maior Lar de Santa Teresa Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Congregação de Nossa Senhora da Caridade APCVC - Associação Paralisia Cerebral de de água/utilizador /utilizador Consumo médio mensal de água ( ) por área útil de pavimento Serviços de açãoo social do instituto Casa da caridade de nossa senhora Conceição Santa casa da misericordia dos Arcos de Centro Social e Paroquial de Santa Maria Maior Lar de Santa Teresa Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Congregação de Nossa Senhora da Caridade APCVC - Associação Paralisia Cerebral de de água/m2 0 0,5 1 1,5 2 2,5 /m2

8 ii. Consumo de Gás Natural Consumo médio mensal de Gás Natural ( ) por utilizador em permanência de gás natural / utilizador Serviços de açãoo social do instituto Casa da caridade de nossa senhora Conceição Santa casa da misericordia dos Arcos de Centro Social e Paroquial de Santa Maria Maior Lar de Santa Teresa Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Congregação de Nossa Senhora da Caridade APCVC - Associação Paralisia Cerebral de /utilizador Consumo médio mensal de Gás Natural ( ) por área útil de pavimento de gás natural / m2 Serviços de açãoo social do instituto Casa da caridade de nossa senhora Conceição Santa casa da misericordia dos Arcos de Centro Social e Paroquial de Santa Maria Maior Lar de Santa Teresa Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Congregação de Nossa Senhora da Caridade APCVC - Associação Paralisia Cerebral de /m2 iii. Consumo de eletricidade No que diz respeito ao consumo de eletricidade é necessário ter em atenção o tipo de contrato que a entidade possui. Os edifícios de ação social podem apresentar as mais variadas tipologias de consumo, tendo em consideração a diversidade de serviços disponíveis, sendo: cozinhas; ginásios; balneários; residências e respetiva dimensão.

9 Estes pontos vão traduzir-se em diferentes contratos de energia elétrica, diferenciados em: o Divisão horária (Única/Simples, Bi horário, Tri horária, Tetra horária); o Potência Contratada; No caso das entidades envolvidas a potencia contratada apresentou-se dentro dos mesmos escalões já a divisão horária foi a seguinte: APCVC - Associação Paralisia Cerebral de Viana do Castelo Único/Simples Congregação de Nossa Senhora da Caridade Tetra horário Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental Viana do Castelo Único/Simples Lar de Santa Teresa Tetra horário Centro Social e Paroquial de Santa Maria Maior Tri horário Santa casa da misericórdia dos Arcos de Valdevez Tetra horário Casa da caridade de nossa senhora Conceição Tetra horário Serviços de ação social do instituto politécnico de Viana do Castelo Tri horário 8 Consumo médio mensal de eletricidade ( ) por utilizador em permanência de eletricidade / utilizador Serviços de açãoo social do instituto Casa da caridade de nossa senhora Conceição Santa casa da misericordia dos Arcos de Centro Social e Paroquial de Santa Maria Maior Lar de Santa Teresa Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Congregação de Nossa Senhora da Caridade APCVC - Associação Paralisia Cerebral de /utilizador

10 Consumo médio mensal de eletricidade ( ) por área útil de pavimento de eletricidade / m2 Serviços de açãoo social do instituto Casa da caridade de nossa senhora Conceição Santa casa da misericordia dos Arcos de Centro Social e Paroquial de Santa Maria Maior Lar de Santa Teresa Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Congregação de Nossa Senhora da Caridade APCVC - Associação Paralisia Cerebral de /m2 Consumo médio mensal de eletricidade ( ) por dia de trabalho de eletricidade / dia de trabalho Serviços de açãoo social do instituto Casa da caridade de nossa senhora Conceição Santa casa da misericordia dos Arcos de Centro Social e Paroquial de Santa Maria Maior Lar de Santa Teresa Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Congregação de Nossa Senhora da Caridade APCVC - Associação Paralisia Cerebral de /dia

11 iv. Produção renovável Produção renovável Com produção 37% 10 Sem produção 63% Analisando os dados, pode-se concluir que mais de 50% das entidades não possui produção renovável localizada. É imperativo para a dinamização do mercado energético e a salvaguarda dos recursos finitos, a indução dum crescimento localizado que seja alternativo à utilização de energias fósseis por parte dos edifícios, caracterizadas negativamente pelos seus efeitos colaterais, resultantes do reflexo da emissão de CO2 e do tratamento e armazenamento dos resíduos. As entidades alocadas nos 37% de edifícios que integram produção renovável, assentam na vertente fotovoltaica. "As energias renováveis assumiram um papel preponderante na condução da política europeia em direcção à criação de estratégias incrementadoras de factores de elevado valor acrescentado, que venham ao encontro de uma economia direccionada para o Desenvolvimento Sustentável." A aposta por parte das entidades de ação social no fotovoltaico, tem em consideração opções de investimento e de incentivo, mas também por se tratar de uma tecnologia limpa. Trata-se de uma tecnologia limpa, inesgotável, de produção silenciosa, fiável, e a manutenção dos componentes de desgaste é bastante reduzida. Além destas vantagens práticas, também se identifica como factor de integração de valor de elevada performance em termos de inovação e estética arquitectónica, nas componentes e infraestruturantes de edifícios.

12 A utilização de sistemas fotovoltaicos permite também revelar uma atitude de responsabilidade social por parte daqueles que optam pela decisão de investir na sua aplicação. Além do mais, estes sistemas também actuam no aumento da eficiência energética globais, como nos programas de redução de poluição das cidades. Por outro lado, as iniciativas legislativas em curso e respectivos enquadramentos, no âmbito da energia solar fotovoltaica, permitem a elevação da receita gerada através da produção de energia e respectiva venda à rede publica, promovendo a recuperação de investimentos num espaço temporal de 12 a 15 anos e a garantia da manutenção da mesma receita durante um período de pelo menos 30 anos. 11

13 4. Conclusões Através dos indicadores desenvolvidos é possível obter um referencial de funcionamento. As entidades ganham a possibilidade de se compararem com edifícios que operem sobe as mesmas características. Por exemplo analisando o indicador que relaciona o custo da eletricidade com o número de utilizadores do edifício podemos identificar: 12 maior, obtendo assim maiores consumos energéticos. A existência de instituições que possuem custos da energia elétrica ( ) por utilizador acima dos 80 enquanto outras apresentam valores na ordem dos 10. Contudo as entidades que tem maior custo por utilizador pode-se justificar com o facto de possuírem uma área Deste modo foram desenvolvidos indicadores que relacionam a área útil coberta, para desta forma ser possível identificar a correlação entre variáveis. Referindo o exemplo anterior: Verifica-se que as duas entidades que apresentam maior custo da eletricidade ( ) por utilizador também são as entidades que apresentam o m 2 mais elevado. Contudo a variação dos indicadores não é linear entre os utilizadores e a área útil, podendo neste caso identificar que a Santa Casa da Misericórdia dos Arcos de Valdevez (SCMAV) apresenta um valor de eletricidade por utilizador ligeiramente inferior que o Centro Social e Paroquial de Santa Maria Maior. Já no caso da área útil, a SCMAV apresenta um custo com a eletricidade por m 2 quase de metade do Centro Social e Paroquial de Santa Maria Maior, identificando-se uma unidade eficiente na SCMAV mais ajustada entre a área útil disponível e a sua utilização.

14 Em sumula, todos estes indicadores desenvolvidos visam apoiar o referencial de funcionamento face a edifícios com características semelhantes e a exploração de edifícios de ação social, nomeadamente quanto aos consumos de energia elétrica, água, gás natura e produção de energia. Com o auxílio dos indicadores, as entidades exploradoras dos edifícios de ação social podem realizar diagnósticos rápidos ou até mesmo pequenos controlos periódicos da situação do edifício quanto à energia que consome ou aos respetivos impactos ambientais. Através da atualização dos dados do questionário as entidades podem identificar os níveis de evolução dos seus edifícios bem como perceber o seu posicionamento quanto aos seus consumos em comparação com edifícios similares. 13

15 5. Anexos Questionário 14

16 Questionário simplificado Designação social da Entidade:. Contribuinte:. IDENTIFICAÇÃO DO EDIFÍCIO Denominação do edifício:. Ano de construção ou reabilitação:. Sector de atividade: Centro de dia Centro de Acção Social Estabelecimento de Ensino Secretariado / Escritórios Pousada / Hotel / Residencial Piscinas Ginásio Distrito: Porto Viana do Castelo Aveiro Braga Castelo Branco. Évora Guarda Lisboa Setúbal Vila Real Beja Bragança. Coimbra Faro Leiria Portalegre Santarém Viseu. Concelho:. Morada: Código Postal: -. DESCRIÇÃO GERAL DA INSTALAÇÃO Actividade desenvolvida na instalação:. Ano de construção ou reabilitação:. Área de ocupação da instalação (área bruta privativa Aa)*: m 2 ; É a superfície total medida pelo perímetro exterior e eixos das paredes ou outros elementos separados do edifício ou da fracção, incluindo varandas privativas fechadas, caves e sótãos privativos com utilização idêntica à do edifício ou da fracção. Área útil de pavimento (área bruta dependente Ab)*: m 2 As áreas cobertas e fechadas de uso exclusivo, ainda que constituam partes comuns, mesmo que situadas no exterior do edifício ou da fracção, considerandose, para esse efeito, locais acessórios as garagens, os parqueamentos, as arrecadações, as instalações para animais, os sótão ou caves acessíveis e as varandas, desde que não integrados na área bruta privada, e outros locais privados de função distinta das anteriores. Nº de trabalhadores: Nº médio de pessoas em permanência na instalação:. Financiado por: Página 1 de 8

17 Horário de funcionamento normal: Número de dias de ocupação por ano:. Horário de trabalho: das horas às horas. Paragem para almoço das horas às horas. * Estes dados podem ser consultados na caderneta predial DADOS DE PRODUÇÃO DE ENERGIA Produção de eletricidade: Existe produção de energia elétrica: Sim:. Não:. Se sim: Possui produção renovável: Sim:. Não:. Preencher os tipos de produção que possui: Renovável Não Renovável Solar fotovoltaico kw Motores gasolina Kw Eólico kw Geradores a Gás Kw Biomassa kw Biodiesel Kw Cogeração kw Vende a energia que produz à rede: Sim:. Não:. Se sim Qual o regime remuneratório de venda de eletricidade à rede que possui: Regime bonificado Regime geral. Produção de energia térmica: Existe produção de energia térmica: Sim:. Não:. Se sim: Identifique os tipos de produção térmica que possui e suas funções: Painéis Solares térmicos Caldeira elétrica Caldeira a gás natural Águas quentes sanitárias Aquecimento edifício Aquecimento das piscinas Águas quentes sanitárias Aquecimento edifício Aquecimento das piscinas Águas quentes sanitárias Financiado por: Página 2 de 8

18 Caldeira a diesel / biodiesel Caldeira a biomassa (ex. Pellets) Split / Bomba de calor Aquecimento edifício Aquecimento das piscinas Águas quentes sanitárias Aquecimento edifício Aquecimento das piscinas Águas quentes sanitárias Aquecimento edifício Aquecimento das piscinas Aquecimento edifício Arrefecimento do edifício DADOS DE CONSUMO DE ENERGIA O conhecimento do consumo anual é de extrema importância. Caso não consiga preencher todos os meses, tenha em consideração pelo menos 1 mês por cada trimestre. Consumo mensal de Água: Tipo de alimentação: Rede pública Fonte própria Reaproveitamento. Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Consumo (m 3 ) Total da fatura ( ) Consumo mensal de Gás Natural: Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Consumo (m 3 ) Consumo (kwh) Total da fatura ( ) Consumo mensal de energia eléctrica: Tipo de contrato: Bi horário Tri horário Único/Simples Tetra horário. Financiado por: Página 3 de 8

19 De acordo com a sua resposta, preencha apenas a tabela respetiva à sua tarifa horária Bi horário Potência eléctrica contratada: kw Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Horas Fora de vazio (kwh) Horas de Vazio (kwh) Total da fatura ( ) Tri horário Potência eléctrica contratada: kw Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Horas de Ponta (kwh) Horas de Cheias (kwh) Horas de Vazio (kwh) Total da fatura ( ) Único/Simples Potência eléctrica contratada: kw Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Consumo Estimado (kwh) Total da fatura ( ) Tetra horário Potência eléctrica contratada: kw Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Horas de Ponta (kwh) Horas de Cheias (kwh) Horas de Vazio (kwh) Horas de SuperVazio (kwh) Total da fatura( ) Financiado por: Página 4 de 8

20 Consumo da frota: Número total de veículos disponíveis :. Tipo de combustível e respetivo número de veículos: Gasóleo Gasolina GPL Biodiesel Eletricidade Veículos Veículos Veículos Veículos Veículos Número médio semanal de quilómetros por veiculo: km/(veículo e semana) GESTÃO DE ENERGIA Existe um responsável pela gestão de energia?. Existe um plano de racionalização de energia? Data de implementação:. Existe um sistema de gestão de energia instalado?. Foi efectuada alguma auditoria energética na instalação? Data de elaboração:. GESTÃO ATIVA DE ENERGIA Possui algum tipo de gestão ativa de energia: Sim:. Não:. Exemplos: Detetores de movimento; Controlo horário; Controlo de estores; Sensores de temperatura; Se sim: Seleccione os tipos de gestão que possui: Iluminação Interior Detetores de movimento (Tec. Infravermelho IV) Detetores para espaços com obstáculos (Tec. Ultrassónica US) Detetores de presença (Dupla Tec. IV + US) Controlo Horário da Iluminação Interior Iluminação Exterior Detetores de movimento (Tec. Infravermelho IV) Detetores para espaços com obstáculos (Tec. Ultrassónica US) Detetores de presença (Dupla Tec. IV + US) Controlo Horário da Iluminação Exterior AVAC Sensores de Temperatura Sensores de Humidade Sensores de Pressão Sensores de qualidade do ar Controlo Horário do Aquecimento/arrefecimento Estores Sensores de iluminâcia Sensores do ângulo solar Controlo Horário dos estores Financiado por: Página 5 de 8

21 RESÍDUOS Outros Qual: Qual: Possui separação de resíduos: Sim:. Não:. Se sim: Seleccione os tipos de produção de resíduos que possui: Produção de resíduos de papel e cartão Produção de resíduos de vidro Produção de resíduos de embalagens de plástico Produção de resíduos de embalagens de metal Produção de resíduos de medicamentos Produção de resíduos de óleos alimentares Produção de resíduos de Produção de resíduos de Percentagem (%) * * Se possível indique a percentagem de resíduos que separa Número de contentores contratados. Contentor contratado Volume do contentor (l) Utilização média (%/mês) ex. Resíduos de Papel e cartão SISTEMAS CONSTRUTIVOS E DADOS DE CONFORTO Selecione os equipamentos, por sector, disponíveis no edifício: Fogões elétricos Fogões a gás Máquinas de lavar loiça Cozinha / Cantina Extratores de ar Frigoríficos / Câmaras de frio Lavandarias Máquinas de lavar roupa Máquinas de secar roupa Temperatura média no interior do edifício: Verão ºC Inverno ºC Financiado por: Página 6 de 8

22 Tipo de ventilação: Ventilação mecânica com recuperador de calor Ventilação mecânica sem recuperador de calor Não possui ventilação mecânica Tipo de Paredes exteriores: Isoladas Não isoladas Tipo de cobertura Isolada Não isolada Tipo de envidraçados Vidro duplo ou janela dupla Vidro Simples Tipo de caixilharia PVC Metálica Metálica com rotura térmica Madeira Nível de iluminação natural do edifício: Pouca Normal Excessiva Iluminação interior do edifício: Pouca Normal Excessiva o Possui iluminação interior seccionada: Sim:. Não:. (exemplo de ter vários interruptores para a mesma divisão. Objetivo de ligar apenas as luzes necessárias para iluminar os locais em utilização) o Possui iluminação interior de presença: Sim:. Não:. o Tipo de iluminação disponível no edifício: LED:. Fluorescente: Halogéneo: Incandescentes:. Iluminação exterior do edifício: Pouca Normal Excessiva Financiado por: Página 7 de 8

23 o Possui iluminação exterior de presença: Sim:. Não:. o Tipo de iluminação disponível no exterior: LED:. Fluorescente: Halogéneo: Incandescentes: Lâmpadas de descarga:. Quantidade de envidraçados: Pouca Normal Excessiva (Exemplo de apenas uma fachada com janelas, e pequenas) (Exemplo de fachadas completas de envidraçados) Possui Elevadores: Sim Não Quantidade: Obrigado pela atenção disponibilizada... Financiado por: Página 8 de 8

QUEM FAZ A AVALIAÇÃO ENERGÉTICA E EMITE O CERTIFICADO?

QUEM FAZ A AVALIAÇÃO ENERGÉTICA E EMITE O CERTIFICADO? O QUE É UM CERTIFICADO ENERGÉTICO? Um Certificado Energético (CE) de um edifício ou fracção autónoma é o documento emitido no âmbito do Sistema Nacional de Certificação Energética e Qualidade do Ar Interior

Leia mais

Seminário Eficiência Energética : Políticas, Incentivos e Soluções. Sertã, 06 de Junho 2011

Seminário Eficiência Energética : Políticas, Incentivos e Soluções. Sertã, 06 de Junho 2011 Seminário Eficiência Energética : Políticas, Incentivos e Soluções Promover a eficiência energética É tornar o mundo melhor e mais assustentável tá e ADENE Agência para a Energia Paulo Nogueira Auditório

Leia mais

Certificado Energético Pequeno Edifício de Comércio e Servicos IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA, 231, R/C Localidade PORTO

Certificado Energético Pequeno Edifício de Comércio e Servicos IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA, 231, R/C Localidade PORTO Válido até 20/04/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA, 231, R/C Localidade PORTO Freguesia PARANHOS Concelho PORTO GPS 41.163993, -8.604853 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL 1 ª Conservatória

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada SESMARIA DO PAU QUEIMADO,, Localidade SANTO ESTEVÃO BNV

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada SESMARIA DO PAU QUEIMADO,, Localidade SANTO ESTEVÃO BNV Válido até 26/05/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada SESMARIA DO PAU QUEIMADO,, Localidade SANTO ESTEVÃO BNV Freguesia SANTO ESTEVÃO Concelho BENAVENTE GPS 38.888944, -8.723055 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

EYE MANAGER MANUAL DO SOFTWARE

EYE MANAGER MANUAL DO SOFTWARE EYE MANAGER MANUAL DO SOFTWARE ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO.. 3 2 O SOFTWARE.... 3 3 EDIFÍCIO. 6 3.1 Área aquecida........ 6 3.2 Pavimento... 11 3.3 Cobertura..... 11 3.4 Aquecimento central.. 12 3.5 Produção de

Leia mais

Gestão do Consumo de Energia no Sector Turístico

Gestão do Consumo de Energia no Sector Turístico Agência Regional da Energia e Ambiente da Região Autónoma da Madeira Gestão do Consumo de Energia no Sector Turístico Funchal, 1999 Índice 1. INTRODUÇÃO... 1 2. METODOLOGIA... 4 2.1. DEFINIÇÃO DO UNIVERSO

Leia mais

\ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial

\ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial \ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial Workshop Eficiência Energética e Sustentabilidade Ambiental nas empresas CTCV 25 de Fevereiro de 2014 \ BOAS PRÁTICAS

Leia mais

Eficiência. Energética. e a energia eléctrica

Eficiência. Energética. e a energia eléctrica Eficiência Energética e a energia eléctrica > Eficiência energética A é um desafio que devemos colocar a todos nós. Está ao nosso alcance, o podermos contribuir de forma decisiva para um mundo melhor e

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE)

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Seminário : Inovação na Construção, Técnicas e Materiais de Construção sustentável Auditório da Associação

Leia mais

SECTOR DA FABRICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS

SECTOR DA FABRICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS #2 SECTOR DA FABRICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS INTERVENÇÕES E CASOS DE SUCESSO Intervenções Durante o período de intervenção do projeto efinerg II, constatou-se que o sector da fabricação de equipamento

Leia mais

Caso de Estudo: reabilitação energética de duas moradias em Paço de Arcos

Caso de Estudo: reabilitação energética de duas moradias em Paço de Arcos Workshop Formar para Reabilitar a Europa PAINEL 3: TECNOLOGIAS E IMPLEMENTAÇÃO DE PROJECTOS Caso de Estudo: reabilitação energética de duas moradias em Paço de Arcos Vítor Cóias, GECoRPA Susana Fernandes,

Leia mais

CENTRO ESCOLAR DAS LAGOAS PONTE DE LIMA

CENTRO ESCOLAR DAS LAGOAS PONTE DE LIMA CENTRO ESCOLAR DAS LAGOAS PONTE DE LIMA Projeto Energia Construção Sustentável www.cezero.pt / www.cezero.com.br CENTRO ESCOLAR DAS LAGOAS PONTE DE LIMA PROJETO Arquitetura e sistemas construtivos Maximização

Leia mais

Eficiência Energética em Edifícios. Faculdade de Engenharia Universidade do Porto EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS

Eficiência Energética em Edifícios. Faculdade de Engenharia Universidade do Porto EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS Faculdade de Engenharia Universidade do Porto Engenharia Electrotécnica e Computadores Gestão de Energia A Eficiência Energética em projecto de edifícios tem sempre presente que existem questões importantes

Leia mais

Vamos Poupar Energia!!! www.facebook.com/experimenta.energia

Vamos Poupar Energia!!! www.facebook.com/experimenta.energia Vamos Poupar Energia!!! www.facebook.com/experimenta.energia Que podemos nós fazer? Eficiência Energética Utilização Racional da Energia, assegurando os níveis de conforto e de qualidade de vida. Como?

Leia mais

Por Utilização Racional de Energia (URE) entendemos o conjunto de acções e medidas, que têm como objectivo a melhor utilização da energia.

Por Utilização Racional de Energia (URE) entendemos o conjunto de acções e medidas, que têm como objectivo a melhor utilização da energia. Utilização Racional de Energia (URE) Por Utilização Racional de Energia (URE) entendemos o conjunto de acções e medidas, que têm como objectivo a melhor utilização da energia. Utilizar melhor a energia

Leia mais

MODELO DE INQUÉRITO PARA EXECUÇÃO DE UMA AUDITORIA ENERGÉTICA

MODELO DE INQUÉRITO PARA EXECUÇÃO DE UMA AUDITORIA ENERGÉTICA PARA EXECUÇÃO DE UMA AUDITORIA ENERGÉTICA A. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA: 1.SEDE 1.1 NOME... 1.2 ENDEREÇO.. 1.3 CÓDIGO POSTAL... 1.4 LOCALIDADE... 1.5 CONCELHO. 1.6 DISTRITO... 1.7 TELEFONE.. 1.8 TELEFAX...

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO CHOUPELO, 833, 1º DTO Localidade VILA NOVA DE GAIA

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO CHOUPELO, 833, 1º DTO Localidade VILA NOVA DE GAIA Válido até 11/02/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DO CHOUPELO, 833, 1º DTO Localidade VILA NOVA DE GAIA Freguesia VILA NOVA DE GAIA (SANTA MARINHA) Concelho VILA NOVA DE GAIA GPS 41.070000, -8.360000

Leia mais

A CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA EM PORTUGAL - ANÁLISE DA SUA APLICAÇÃO A UM EDIFÍCIO DE SERVIÇOS

A CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA EM PORTUGAL - ANÁLISE DA SUA APLICAÇÃO A UM EDIFÍCIO DE SERVIÇOS A CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA EM PORTUGAL - ANÁLISE DA SUA APLICAÇÃO A UM EDIFÍCIO DE SERVIÇOS Panorama Energético Segundo o Portal Europeu de Energia em 2009: Ou seja, o sector dos edifícios foi responsável

Leia mais

Projec ctar as especialidades..

Projec ctar as especialidades.. Projec ctar as especialidades.. Logo da entidade que apresenta Projectar as especialidades Projecto Uno Lda Engª Paula Neves projecto.uno@sapo.pt Quem somos? A Projecto Uno Projectos, Urbanizações e Construção

Leia mais

Optimização Energética na Reabilitação Onde Investir?

Optimização Energética na Reabilitação Onde Investir? Optimização Energética na Reabilitação Onde Investir? A nova legislação estabelece as seguintes exigências relativamente à envolvente do edifício: Limite máximo dos coeficientes de transmissão térmica

Leia mais

Desempenho energético dos edifícios o impacto dos regulamentos na construção e as oportunidades de melhoria do parque habitacional

Desempenho energético dos edifícios o impacto dos regulamentos na construção e as oportunidades de melhoria do parque habitacional Desempenho energético dos edifícios o impacto dos regulamentos na construção e as oportunidades de melhoria do parque habitacional Paulo Santos ADENE Agência para a Energia Nuno Baptista ADENE Agência

Leia mais

AQUECIMENTO, VENTILAÇÃO E AR CONDICIONADO ILUMINAÇÃO COZINHA/ LAVANDARIA DIVERSOS

AQUECIMENTO, VENTILAÇÃO E AR CONDICIONADO ILUMINAÇÃO COZINHA/ LAVANDARIA DIVERSOS P O U P A R AQUECIMENTO, VENTILAÇÃO E AR CONDICIONADO ILUMINAÇÃO COZINHA/ LAVANDARIA DIVERSOS AQUECIMENTO, VENTILAÇÃO E AR CONDICIONADO Caso tenha ar condicionado nos quartos ou áreas comuns do empreendimento,

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DE PARADELHAS, 273, Localidade PADORNELO. Freguesia PADORNELO

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DE PARADELHAS, 273, Localidade PADORNELO. Freguesia PADORNELO Válido até 30/03/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DE PARADELHAS, 273, Localidade PADORNELO Freguesia PADORNELO Concelho PAREDES DE COURA GPS 41.927754, -8.540848 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL Conservatória

Leia mais

24.10.2013 O projeto de cooperação ALTERCEXA Promoção de energias alternativas no Centro, EXtremadura e Alentejo

24.10.2013 O projeto de cooperação ALTERCEXA Promoção de energias alternativas no Centro, EXtremadura e Alentejo 24.10.2013 O projeto de cooperação ALTERCEXA Promoção de energias alternativas no Centro, EXtremadura e Alentejo Victor Francisco victor.francisco@ctcv.pt Eugénia Coelho ecoelho@citeve.pt O projeto ALTERCEXA:

Leia mais

Soluções de Energia Solar. Março de 2007. www.senso.pt

Soluções de Energia Solar. Março de 2007. www.senso.pt Soluções de Energia Solar Março de 2007 www.senso.pt ENERGIA E CONSTRUÇÃO Crescente aplicação de energias renováveis Mudança do modelo energético Símbolo de distinção para construções de qualidade Resposta

Leia mais

Sensibilização e Redução do Consumo de Energia RELATÓRIO FINAL

Sensibilização e Redução do Consumo de Energia RELATÓRIO FINAL Sensibilização e Redução do Consumo de Energia RELATÓRIO FINAL Projecto financiado pela Islândia, Liechtenstein e Noruega através do Mecanismo Financeiro do Espaço Económico Europeu Projecto financiado

Leia mais

Contribuição do INESC Coimbra para o Estudo Prévio do Futuro Edifício da Câmara Municipal da Mealhada

Contribuição do INESC Coimbra para o Estudo Prévio do Futuro Edifício da Câmara Municipal da Mealhada Institute of Systems Engineering and Computers INESC Coimbra Contribuição do INESC Coimbra para o Estudo Prévio do Futuro Edifício da Technical Report Documento Técnico Institute of Systems Engineering

Leia mais

A CHAVE PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

A CHAVE PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA A CHAVE PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Agenda Enquadramento dos consumos Energéticos nos Edifícios e no ramo Hoteleiro Enerbiz Conceito Geral e explicação funcional Conclusões e Aspetos Gerais Índice Enquadramento

Leia mais

Conceitos e Princípios da Arquitectura Sustentável.

Conceitos e Princípios da Arquitectura Sustentável. Conceitos e Princípios da Arquitectura Sustentável. 1.0 Impacto da Construção: 1.1 Ambiental 1.2 Social 1.3 Económico Procura do Equilíbrio nestes três factores Desenvolvimento de soluções sustentáveis

Leia mais

O palácio de Belém Um exemplo pioneiro

O palácio de Belém Um exemplo pioneiro O palácio de Belém Um exemplo pioneiro Workshop - TIC e Eficiência Energética: O Estado deve dar o exemplo Teresa Ponce de Leão 23 de Junho de 2010 Extracto do relatório 2009 O processo que conduziu à

Leia mais

REQUEST aproveitamento da energia solar na reabilitação

REQUEST aproveitamento da energia solar na reabilitação REQUEST aproveitamento da energia solar na reabilitação US Tile request aproveitamento da energia solar na reabilitação apisolar@ FIL 10out12 Índice apisolar apresentação e intervenção no projecto sistemas

Leia mais

Barómetro da Eficiência Energética Portugal 2010

Barómetro da Eficiência Energética Portugal 2010 1 - Aspectos Gerais 1.1 - Em qual das duas categorias a sua empresa se insere mais? Indústria 1.2 - O tema da eficiência energética é importante para a sua empresa. Barómetro da Eficiência Energética Portugal

Leia mais

SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS

SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS Gás Climatização

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação

Certificado Energético Edifício de Habitação Válido até 22/07/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada TRAVESSA DOS GALINHEIROS, 17, 2ºDIR Localidade GANDRA PRD Freguesia GANDRA Concelho PAREDES GPS 41.186242, -8.449825 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL Conservatória

Leia mais

6624-(18) Diário da República, 1.ª série N.º 232 29 de novembro de 2013

6624-(18) Diário da República, 1.ª série N.º 232 29 de novembro de 2013 6624-(18) Diário da República, 1.ª série N.º 232 29 de novembro de 2013 Portaria n.º 349-B/2013 de 29 de novembro O Decreto -Lei n.º 118/2013, de 20 de agosto, aprovou o Sistema de Certificação Energética

Leia mais

Cidade da Praia Cabo Verde

Cidade da Praia Cabo Verde A NEW ENERGY CONCEPT TECNOLOGIA, AMBIENTE E ENERGIAS RENOVÁVEIS EM CABO VERDE PRESENTE E FUTURO 29 e 30 de Novembro 1 e 2 de Dezembro 2011 Cidade da Praia Cabo Verde Paulo M. G. Gil Paulo Manuel Gonçalves

Leia mais

PPEC 2013-2014 Plano de Promoção da Eficiência Energética no Consumo de Energia Eléctrica. Auditoria Energética para Escolas

PPEC 2013-2014 Plano de Promoção da Eficiência Energética no Consumo de Energia Eléctrica. Auditoria Energética para Escolas PPEC 2013-2014 Plano de Promoção da Eficiência Energética no Consumo de Energia Eléctrica Auditoria Energética para Escolas Objectivo da Medida As Auditorias Energéticas para Escolas faz parte de um conjunto

Leia mais

CLIMATIZAÇÃO & EFICIÊNCIA NO LAR. menos na fatura. mais no conforto

CLIMATIZAÇÃO & EFICIÊNCIA NO LAR. menos na fatura. mais no conforto CLIMATIZAÇÃO & EFICIÊNCIA NO LAR menos na fatura mais no conforto soluções de climatização PARA A SUA HABITAÇÃO 4 CLIMATIZAÇÃO & EFICIÊNCIA NO LAR A homie utiliza tecnologias economizadoras de recursos

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DE PROJECTOS DE PRODUÇÃO DE ENERGIA E DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. Selfenergy

PROGRAMA DE APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DE PROJECTOS DE PRODUÇÃO DE ENERGIA E DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. Selfenergy PROGRAMA DE APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DE PROJECTOS DE PRODUÇÃO DE ENERGIA E DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Selfenergy PARCEIRO: SCT Consulting SOLVING CHALLENGES TOGETHER Uma empresa com energia A Vivapower é uma

Leia mais

especial CALOR EFRIO LAR DICAS PARA O 22/11/13 SOL l 39 GETTY IMAGES/BRAND X

especial CALOR EFRIO LAR DICAS PARA O 22/11/13 SOL l 39 GETTY IMAGES/BRAND X especial LAR DICAS PARA O CALOR EFRIO GETTY IMAGES/BRAND X 22/11/13 SOL l 39 02/ 03 CLIMATIZAÇÃO/ LAR GETTY IMAGES/STOCKTREK IMAGES POUPE NA FACTURA DA ELECTRICIDADE Aqueça e refresque a casa de forma

Leia mais

PLANO DE AÇÃO PARA A ENERGIA SUSTENTÁVEL

PLANO DE AÇÃO PARA A ENERGIA SUSTENTÁVEL PLANO DE AÇÃO PARA A ENERGIA SUSTENTÁVEL MUNICÍPIO DO FUNCHAL 1º Relatório de Implementação Janeiro de 2015 PLANO DE AÇÃO PARA A ENERGIA SUSTENTÁVEL DO FUNCHAL Plano de Ação para a Energia Sustentável

Leia mais

TRAINREBUILD Formar para Reabilitar a Europa. WORKSHOP Reabilitação Energética de Edificios. Cascais, 19 de Abril de 2012

TRAINREBUILD Formar para Reabilitar a Europa. WORKSHOP Reabilitação Energética de Edificios. Cascais, 19 de Abril de 2012 TRAINREBUILD Formar para Reabilitar a Europa WORKSHOP Reabilitação Energética de Edificios Cascais, 19 de Abril de 2012 INDICE Lisboa E-Nova Enquadramento Conceitos Metodologia Oportunidades de Melhoria

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada MONTE STO ANTONIO - CASA FELIZ, CAIXA POSTAL 2010P, Localidade BENSAFRIM

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada MONTE STO ANTONIO - CASA FELIZ, CAIXA POSTAL 2010P, Localidade BENSAFRIM Válido até 04/11/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada MONTE STO ANTONIO - CASA FELIZ, CAIXA POSTAL 2010P, Localidade BENSAFRIM Freguesia BENSAFRIM E BARÃO DE SÃO JOÃO Concelho LAGOS GPS 37.157682, -8.742078

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA ENGENHEIRO CARLOS RODRIGUES, BLOCO N.º 4, 1º D Localidade ÁGUEDA

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA ENGENHEIRO CARLOS RODRIGUES, BLOCO N.º 4, 1º D Localidade ÁGUEDA Válido até 16/01/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA ENGENHEIRO CARLOS RODRIGUES, BLOCO N.º 4, 1º D Localidade ÁGUEDA Freguesia ÁGUEDA E BORRALHA Concelho AGUEDA GPS 40.577121, -8.439516 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Saber mais sobre Energia

Saber mais sobre Energia Saber mais sobre Energia Energia Está sempre presente nas nossas actividades. Mas usamos uma fonte que se está a esgotar. Situação Actual Cerca de 83% da energia consumida no nosso país é importada e de

Leia mais

OPORTUNIDADES DE FINANCIAMENTO PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM IPSS SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA NO USO DE RECURSOS PORTARIA 57-B/2015

OPORTUNIDADES DE FINANCIAMENTO PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM IPSS SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA NO USO DE RECURSOS PORTARIA 57-B/2015 OPORTUNIDADES DE FINANCIAMENTO PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM IPSS SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA NO USO DE RECURSOS PORTARIA 57-B/2015 ENQUADRAMENTO Para os efeitos previstos na secção 2 da Portaria 57-B/2015,

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA D. GLÓRIA DE CASTRO, Nº 141,, Localidade VILA NOVA DE GAIA

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA D. GLÓRIA DE CASTRO, Nº 141,, Localidade VILA NOVA DE GAIA Válido até 22/08/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA D. GLÓRIA DE CASTRO, Nº 141,, Localidade VILA NOVA DE GAIA Freguesia VILAR DE ANDORINHO Concelho VILA NOVA DE GAIA GPS 41.099916, -8.587908 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação

Certificado Energético Edifício de Habitação Válido até 22/01/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada LARGO DE ÂMBAR, 126, R/C ESQº Localidade SÃO DOMINGOS DE RANA Freguesia S. DOMINGOS DE RANA Concelho CASCAIS GPS 38.711198, -9.326610 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

Dicas para poupar energia Doméstico

Dicas para poupar energia Doméstico Dicas para poupar energia Doméstico Eficiência energética: Poupar energia, utilizá-la de forma eficiente e inteligente, para conseguir mais, com menos. Importância da eficiência energética: Redução da

Leia mais

Solução de Aquecimento de Águas de Elevada Eficiência

Solução de Aquecimento de Águas de Elevada Eficiência Solução de Aquecimento de Águas de Elevada Eficiência Gama 04 Gama de 2013 O que é Therma V? 06 O que é Therma V? Vantagens Therma V 08 Elevada Eficiência Energética 10 Programação Semanal 12 Instalação

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA MÁRTIRES DO TARRAFAL, Nº375, 1º ESQ Localidade MONTIJO

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA MÁRTIRES DO TARRAFAL, Nº375, 1º ESQ Localidade MONTIJO Válido até 14/04/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA MÁRTIRES DO TARRAFAL, Nº375, 1º ESQ Localidade MONTIJO Freguesia MONTIJO E AFONSOEIRO Concelho MONTIJO GPS 38.710800, -8.986600 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

*01 0*+.34 5 0*26$.7

*01 0*+.34 5 0*26$.7 !"#$%&'$&()$ *+,+ %-./ *, *01 *2%... 0*+.34 5 0*. 0*0. 0*26$.7 2*+ 8$9: *, 1. Prédios rústicos; 2. Prédios urbanos; 3. Prédios Mistos. *, Prédios urbanos (continuação) (a) Habitacionais; (b) Comerciais,

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA GENERAL HUMBERTO DELGADO, BLOCO F, 181, 3.º DIR. Localidade MATOSINHOS

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA GENERAL HUMBERTO DELGADO, BLOCO F, 181, 3.º DIR. Localidade MATOSINHOS Válido até 04/11/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA GENERAL HUMBERTO DELGADO, BLOCO F, 181, 3.º DIR. Localidade MATOSINHOS Freguesia MATOSINHOS E LEÇA DA PALMEIRA Concelho MATOSINHOS GPS 41.193776, -8.698345

Leia mais

Eficiência Energética e sustentabilidade ambiental CTCV Centro Tecnológico da cerâmica e do Vidro 25 de Fevereiro 2014

Eficiência Energética e sustentabilidade ambiental CTCV Centro Tecnológico da cerâmica e do Vidro 25 de Fevereiro 2014 Eficiência Energética e sustentabilidade ambiental CTCV Centro Tecnológico da cerâmica e do Vidro 25 de Fevereiro 2014 Soluções para coberturas Telhas e acessórios cerâmicas Fibrocimento Complementos para

Leia mais

JARDIM DAS JAPONEIRAS. RUA CIDADE DA BEIRA Aldoar Porto N/Refª 2786-H

JARDIM DAS JAPONEIRAS. RUA CIDADE DA BEIRA Aldoar Porto N/Refª 2786-H JARDIM DAS JAPONEIRAS RUA CIDADE DA BEIRA Aldoar Porto N/Refª 2786-H Índice 1 Apresentação 3 2 Localização 5 3 Imagens 7 4 Plantas 12 Implantação 13 Alçados 14 Casa H2 16 5 Acabamentos 18 6 Quadro de Áreas

Leia mais

VALORIZAÇÃO DO PAPEL DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA GESTÃO MUNICIPAL MUNICIPIO DA MAIA

VALORIZAÇÃO DO PAPEL DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA GESTÃO MUNICIPAL MUNICIPIO DA MAIA VALORIZAÇÃO DO PAPEL DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA GESTÃO MUNICIPAL MUNICIPIO DA MAIA 03 Maio 2013 Adelina Rodrigues 1 APRESENTAÇÃO ADELINA RODRIGUES Téc. Superior da CMM e Gestora Municipal de Energia Licenciatura

Leia mais

APRESENTA: Dicas & conselhos. Como reduzir o consumo e a fatura de eletricidade, na sua casa

APRESENTA: Dicas & conselhos. Como reduzir o consumo e a fatura de eletricidade, na sua casa APRESENTA: Dicas & conselhos Como reduzir o consumo e a fatura de eletricidade, na sua casa EM CASA, TODOS TEMOS A CAPACIDADE DE CONTROLAR O CONSUMO E A FATURA DE ELETRICIDADE. EM SUA CASA, O CONSUMO JÁ

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Jorge Santos Pato Lisboa, 6 de Novembro de 2014 Auditório da Ordem dos Engenheiros Gestão Eficiente da Energia nas Organizações Industriais Reflexões Iniciais Importantes Sustentabilidade e eficiência

Leia mais

Ficha de identificação da entidade participante

Ficha de identificação da entidade participante Ficha de identificação da entidade participante Instituição Designação Instituto Superior Técnico Professor responsável João Toste Azevedo Contacto 218417993 Email toste@ist.utl.pt Técnico responsável

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO CASTELO,, Localidade MONTEMOR-O-VELHO

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO CASTELO,, Localidade MONTEMOR-O-VELHO Válido até 29/03/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DO CASTELO,, Localidade MONTEMOR-O-VELHO Freguesia MONTEMOR-O-VELHO E GATÕES Concelho MONTEMOR-O-VELHO GPS 40.173269, -8.685544 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

MANUAL DO UTILIZADOR FOLHA DE CÁLCULO DO RCCTE

MANUAL DO UTILIZADOR FOLHA DE CÁLCULO DO RCCTE MANUAL DO UTILIZADOR FOLHA DE CÁLCULO DO RCCTE 1 Capítulo I Manual do Utilizador. O RCCTE_UFP é uma folha de cálculo do Microsoft Office Excel que engloba macros. Como tal, para que se possa usufruir do

Leia mais

Aproveitamento Solar Passivo - Aproveitamento da energia para aquecimento de edifícios ou prédios, através de concepções e estratégias construtivas.

Aproveitamento Solar Passivo - Aproveitamento da energia para aquecimento de edifícios ou prédios, através de concepções e estratégias construtivas. GLOSSÁRIO Aproveitamento Solar Passivo - Aproveitamento da energia para aquecimento de edifícios ou prédios, através de concepções e estratégias construtivas. Ar Condicionado - Expressão utilizada largamente

Leia mais

Essa energia pode então ser injectada e vendida na sua totalidade à rede a uma tarifa bonificada.

Essa energia pode então ser injectada e vendida na sua totalidade à rede a uma tarifa bonificada. O que é a geração fotovoltaica? A microgeração fotovoltaica é a produção, pelo próprio consumidor, de energia elétrica através da captação da radiação solar por um conjunto de painéis solares fotovoltaicos.

Leia mais

O papel da eficiência e inovação energética nos edifícios

O papel da eficiência e inovação energética nos edifícios O papel da eficiência e inovação energética nos edifícios Apresentação no INETI 25 Junho, 2012 A energia está associada à maioria dos actuais desafios de sustentabilidade Resíduos Aquecimento global Poluição

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE UM CASO DE BOAS PRÁCTICAS REGIONAL HOSPITAL PRIVADO DE BRAGA

APRESENTAÇÃO DE UM CASO DE BOAS PRÁCTICAS REGIONAL HOSPITAL PRIVADO DE BRAGA INOVAÇÃO NA CONSTRUÇÃO TÉCNICAS E MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL 1 Título APRESENTAÇÃO DE UM CASO DE BOAS PRÁCTICAS REGIONAL HOSPITAL PRIVADO DE BRAGA ENQUADRAMENTO GEOGRÁFICO ARQUITECTURA COMPOSIÇÃO

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA PADRE AMÉRICO, 131, 2.º ANDAR - AP. 25 Localidade CAMPO VLG

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA PADRE AMÉRICO, 131, 2.º ANDAR - AP. 25 Localidade CAMPO VLG Válido até 09/09/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA PADRE AMÉRICO, 131, 2.º ANDAR - AP. 25 Localidade CAMPO VLG Freguesia CAMPO E SOBRADO Concelho VALONGO GPS 41.181981, -8.473370 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

Dicas para poupar energia Empresas

Dicas para poupar energia Empresas Dicas para poupar energia Empresas Eficiência energética: Poupar energia, utilizá-la de forma eficiente e inteligente, para conseguir mais, com menos. Importância da eficiência energética: Redução da factura

Leia mais

Pré-Certificado Energético Edifício de Habitação SCE84144829 PROVISÓRIO

Pré-Certificado Energético Edifício de Habitação SCE84144829 PROVISÓRIO Válido até IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DOS ESCUTEIROS,, Localidade RIBAMAR Freguesia RIBAMAR Concelho LOURINHÃ GPS 39.197874, -9.330633 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL Conservatória do Registo Predial

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA CATÁLOGO DE SOLUÇÕES E PRODUTOS JMC ÍNDICE SISTEMAS TÉRMICOS... 3 SISTEMAS TERMODINÂMICOS... 4 EXEMPLOS DE SISTEMAS TÉRMICOS E TERMODINÂMICOS... 5 SISTEMAS FOTOVOLTAICOS... 6 MICROGERAÇÃO...

Leia mais

Certificado Energético Pequeno Edifício de Comércio e Servicos IDENTIFICAÇÃO POSTAL

Certificado Energético Pequeno Edifício de Comércio e Servicos IDENTIFICAÇÃO POSTAL Válido até 09/09/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DO SOBREIRO, 290, LOJA AC-56 Localidade SENHORA DA HORA Freguesia SÃO MAMEDE DE INFESTA E SENHORA DA HORA Concelho MATOSINHOS GPS 41.191499, -8.652745

Leia mais

2. Produção Arquitetônica e Eficiência Energética

2. Produção Arquitetônica e Eficiência Energética UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL ECO-EFICIÊNCIA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NAS EDIFICAÇÕES - Versão Revisada e Resumida

Leia mais

MINISTÉRIOS DO AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E ENERGIA E DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL

MINISTÉRIOS DO AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E ENERGIA E DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL 6628-(40) Diário da República, 1.ª série N.º 233 2 de dezembro de 2013 MINISTÉRIOS DO AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E ENERGIA E DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL Portaria n.º 349-D/2013

Leia mais

Lagoas Park, Edifício 2 2740-265 Porto Salvo Telefone: +351 21 791 23 44 www.tdimobiliaria.pt

Lagoas Park, Edifício 2 2740-265 Porto Salvo Telefone: +351 21 791 23 44 www.tdimobiliaria.pt Lagoas Park, Edifício 2 2740-265 Porto Salvo Telefone: +351 21 791 23 44 www.tdimobiliaria.pt Partilhe connosco as suas sugestões para um ambiente melhor, através do endereço penseverde@tdimobiliaria.pt.

Leia mais

Certificado energético e medidas de melhoria das habitações Estudo de opinião. Junho 2011

Certificado energético e medidas de melhoria das habitações Estudo de opinião. Junho 2011 Certificado energético e medidas de melhoria das habitações Estudo de opinião Junho 2011 Objectivos Avaliar se os indivíduos que habitam em casas já certificadas, conhecem o respectivo certificado energético

Leia mais

Cli l m i ati t z i ação Soluções Eficientes

Cli l m i ati t z i ação Soluções Eficientes Climatização Soluções Eficientes Indíce 1 Energias Renováveis Aerotermia, Energia Solar 2 Eficiência Energética Tecnologias, Regulamento 3 Bombas de Calor Soluções 4 Ar condicionado Gamas, Sistemas 1 Energias

Leia mais

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR Nº CER CE72617225 CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR TIPO DE FRACÇÃO/EDIFÍCIO: EDIFÍCIO DE HABITAÇÃO SEM SISTEMA(S) DE CLIMATIZAÇÃO (EXISTENTE) Morada / Localização Rua

Leia mais

Questionário Preliminar de Risco

Questionário Preliminar de Risco Questionário Preliminar de Risco MULTIRISCOS PME Identificação interna Sucursal Comercial Técnico Agente / Corretor Data da visita Referência Proponente Nome Morada Ocupação do risco Código Postal DESCRIÇÃO

Leia mais

FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN Edifícios da Sede e Museu e Centro de Arte Moderna. Serviços Centrais

FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN Edifícios da Sede e Museu e Centro de Arte Moderna. Serviços Centrais 1 Os edifícios da Sede e Museu foram inaugurados em 1969, 7 anos depois do início da construção, sendo o projecto dos arquitectos Alberto Pessoa, Pedro Cid e Ruy d Athouguia; Os jardins são projecto dos

Leia mais

Os aspectos fundamentais do RSECE por Alfredo Costa Pereira

Os aspectos fundamentais do RSECE por Alfredo Costa Pereira Os aspectos fundamentais do RSECE por Alfredo Costa Pereira O Indicador de Eficiência Energética (IEE) é o indicador fundamental utilizado pelo RSECE para determinar o cumprimento, ou não, dos requisitos

Leia mais

A CASA MAIS EFICIENTE DE PORTUGAL

A CASA MAIS EFICIENTE DE PORTUGAL A CASA MAIS EFICIENTE DE PORTUGAL RELATÓRIO DE AUDITORIA ENERGÉTICA Casa da família Avelar Alcobaça ÍNDICE Introdução 4 1. Síntese dos resultados obtidos 2. Caracterização térmica 3. Caracterização energética

Leia mais

1. NECESSIDADES NOMINAIS ANUAIS DE ENERGIA ÚTIL PARA AQUECIMENTO

1. NECESSIDADES NOMINAIS ANUAIS DE ENERGIA ÚTIL PARA AQUECIMENTO Diário da República, 2.ª série N.º 234 3 de dezembro de 2013 35088-(41) Despacho (extrato) n.º 15793-I/2013 Nos termos e para os efeitos do Decreto -Lei n.º 118/2013 de 20 de agosto e respetiva regulamentação,

Leia mais

Aquecimento e arrefecimento. Ventilação. Humidificação e desumidificação

Aquecimento e arrefecimento. Ventilação. Humidificação e desumidificação A generalidade das empresas necessitam de controlar o seu ambiente interior, tanto em termos de condições térmicas como de qualidade do ar, por diferentes motivos como bem estar e segurança das pessoas,

Leia mais

As Auditorias Energéticas e a Gestão da Energia como fator de competitividade

As Auditorias Energéticas e a Gestão da Energia como fator de competitividade As Auditorias Energéticas e a Gestão da Energia como fator de competitividade Artur Serrano CTCV Sistemas de Energia 1 ÍNDICE DOS ASSUNTOS Sistemas de Energia do CTCV - Actividades Objectivos das Auditorias

Leia mais

Índice. Aquecimento e Climatização Bombas de Calor Pedra Natural Biomassa Recuperadores Calor Biomassa - Pellets

Índice. Aquecimento e Climatização Bombas de Calor Pedra Natural Biomassa Recuperadores Calor Biomassa - Pellets Climatização 1 Índice e Climatização Bombas de Calor Pedra Natural Biomassa Recuperadores Calor Biomassa - Pellets 3 5 6 7 2 Bomba de calor Central A bomba de calor tem como finalidade produzir água a

Leia mais

Seminário ENERGIA Construção Sustentável. Programa RCCTE-STE. Universidade Lusíada, V.N. Famalicão - 14 de Abril 2010

Seminário ENERGIA Construção Sustentável. Programa RCCTE-STE. Universidade Lusíada, V.N. Famalicão - 14 de Abril 2010 Programa RCCTE-STE Álvaro Ferreira Ramalho RCCTE-STE - 1 Introdução Esta aplicação (RCCTE-STE) permite efectuar os cálculos necessário à aplicação do RCCTE (Dec.Lei 80/2006) bem como, a requerida no RSECE

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO MOLHE, 113, R/C ESQ.º Localidade PORTO

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO MOLHE, 113, R/C ESQ.º Localidade PORTO Válido até 28/09/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DO MOLHE, 113, R/C ESQ.º Localidade PORTO Freguesia ALDOAR, FOZ DO DOURO E NEVOGILDE Concelho PORTO GPS 41.160004, -8.682547 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

Projeto MAISS Ambiente. Relatório Final

Projeto MAISS Ambiente. Relatório Final Projeto MAISS Ambiente Relatório Final Agosto de 2012 Índice 1 Introdução... 4 2 Objetivos... 9 3 Áreas de Atuação... 10 4 Edifícios participantes... 11 5 Metodologia... 12 6 Dificuldades existentes...

Leia mais

Acumuladores de Calor

Acumuladores de Calor Acumuladores de Calor Em virtude da atividade de muitas pessoas se desenvolver, diariamente, no interior de edifícios, tal obriga a que as condições de conforto, principalmente as relacionadas com a qualidade

Leia mais

Aspetos da Sustentabilidade

Aspetos da Sustentabilidade Aspetos da Sustentabilidade Francisco Ferreira (Quercus FCT/UNL) 16 de outubro de 2014 Ordem dos Engenheiros Antigamente Bulla Regia Tunísia (vila subterrânea) Atualmente Aspetos de sustentabilidade Perspetiva

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS. Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios

RELATÓRIO DE ESTÁGIO HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS. Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios RELATÓRIO DE ESTÁGIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios Fernando Jorge Albino Varela de Oliveira Abrantes Dezembro 2014 ÍNDICE Objectivos

Leia mais

O GUIA TERMOS DE REFERÊNCIA: EXEMPLO DE APLICAÇÃO

O GUIA TERMOS DE REFERÊNCIA: EXEMPLO DE APLICAÇÃO O GUIA TERMOS DE REFERÊNCIA: EXEMPLO DE APLICAÇÃO VASCO PEIXOTO DE FREITAS Faculdade Engenharia Universidade do Porto Laboratório de Física das Construções /FEUP - AdePorto SUMÁRIO 1. Introdução 2. Tipificação

Leia mais

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR Nº CER CE0000045965837 CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR TIPO DE FRACÇÃO/EDIFÍCIO: EDIFÍCIO DE HABITAÇÃO SEM SISTEMA(S) DE CLIMATIZAÇÃO (NOVO) Morada / Localização Vila

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO CHOUPELO, 811, R/C ESQUERDO Localidade VILA NOVA DE GAIA

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO CHOUPELO, 811, R/C ESQUERDO Localidade VILA NOVA DE GAIA Válido até 11/02/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DO CHOUPELO, 811, R/C ESQUERDO Localidade VILA NOVA DE GAIA Freguesia VILA NOVA DE GAIA (SANTA MARINHA) Concelho VILA NOVA DE GAIA GPS 41.070000, -8.360000

Leia mais

AVISO PARA A APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURA AO FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA AVISO 01- FEE CONDOMÍNIO.E-2012

AVISO PARA A APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURA AO FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA AVISO 01- FEE CONDOMÍNIO.E-2012 AVISO PARA A APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURA AO FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA AVISO 01- FEE CONDOMÍNIO.E-2012 Tipologia de operações: Despesas elegíveis: Entidades beneficiárias: Investimentos que visem a

Leia mais

Solar Térmico: Uso de paineis solares para águas quentes sanitárias. Luis Roriz

Solar Térmico: Uso de paineis solares para águas quentes sanitárias. Luis Roriz Solar Térmico: Uso de paineis solares para águas quentes sanitárias Luis Roriz Aproveitamento do calor Sistemas de aquecimento de águas sanitárias e ambiente de edifícios: a radiação solar captada (absorvida

Leia mais

Isolamento Térmico Protecção Solar Ventilação Natural QUALIDADE TÉRMICA DOS EDIFÍCIOS...E QUALIDADE DE VIDA

Isolamento Térmico Protecção Solar Ventilação Natural QUALIDADE TÉRMICA DOS EDIFÍCIOS...E QUALIDADE DE VIDA Isolamento Térmico Protecção Solar Ventilação Natural QUALIDADE TÉRMICA DOS EDIFÍCIOS...E QUALIDADE DE VIDA Qualidade térmica dos edifícios... e qualidade de vida O quadro legislativo sobre o comportamento

Leia mais

Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia

Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia Instituições Particulares de Solidariedade Social e Clubes e Associações de Utilidade Pública Desportiva Lisboa, 4 de Agosto

Leia mais

Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil

Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil Texto Preliminar Completo - Agosto 2011 INTRODUÇÃO Começam a existir no Brasil um bom número de edifícios com

Leia mais

PORTARIA Nº 23, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015

PORTARIA Nº 23, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015 PORTARIA Nº 23, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015 Estabelece boas práticas de gestão e uso de Energia Elétrica e de Água nos órgãos e entidades da Administração Pública Federal direta, autárquica e fundacional

Leia mais

Estruturas Solares Multifunções

Estruturas Solares Multifunções Esta nova forma de captação da energia solar patenteada pela Sunaitec, chamada de Estruturas Solares Multifunções, vem alterar radicalmente a forma de captação da energia do sol disponibilizando-se, no

Leia mais