RESUMO DO RELATÓRIO DE RESPONSABILIDADE CORPORATIVA 2006

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESUMO DO RELATÓRIO DE RESPONSABILIDADE CORPORATIVA 2006"

Transcrição

1 RESUMO DO RELATÓRIO DE RESPONSABILIDADE CORPORATIVA 2006

2 B+ O GRI (Global Reporting Initiative) verificou que o relatório de Responsabilidade Corporativa 2006 da CEPSA corresponde aos critérios estabelecidos pelas suas directrizes, G3, dando-lhe o nível de aplicação B+ Nota importante: Este documento é um Resumo do Relatório de Responsabilidade Corporativa da CEPSA, de Não contém, por conseguinte, pormenores exaustivos das actividades realizadas pela Companhia nos âmbitos económico, social e ambiental, pois relata unicamente, em traços gerais, a sua política e estratégia nos referidos âmbitos e apresenta alguns dados quantitativos úteis. Para mais informação, pode solicitar o Relatório completo na sua versão impressa no endereço abaixo indicado. Na página web da CEPSA (www.cepsa.com), secção Responsabilidade Corporativa, encontrará o relatório completo em versão pdf que pode descarregar, informação complementar e um questionário através do qual pode fazer-nos chegar as suas sugestões e comentários, que serão uma grande ajuda para a elaboração do próximo Relatório. Datos de contacto: Por correio postal: CEPSA Dirección de Relaciones Institucionales Avda. del Partenón, 12 Campo de las Naciones Madrid Por correio electrónico: Por telefone: (+34) Por fax: (+34)

3 ÍNDICE EXTRACTO DA MENSAGEM DO PRESIDENTE_2 PROCESSO DE ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE RESPONSABILIDADE CORPORATIVA 2006_3 CEPSA_4 1. UMA FONTE DE RIQUEZA PARA O CONJUNTO DA SOCIEDADE_5 1.1 A ESTRATÉGIA DE NEGÓCIO DA CEPSA, ORIENTADA PARA A MAXIMIZAÇÃO DO VALOR A LONGO PRAZO_6 1.2 COMPROMISSO COM O ABASTECIMENTO ENERGÉTICO_7 1.3 A APOSTA NA TECNOLOGIA COMO FONTE DE CRIAÇÃO DE VALOR_7 1.4 A POSIÇÃO DA CEPSA FACE ÀS POLÍTICAS PÚBLICAS EM MATÉRIA ENERGÉTICA_8 1.5 A SEGURANÇA DOS PRODUTOS NA CEPSA_8 1.6 A CEPSA E O REACH EM 2006_9 1.7 COMPROMISSO COM A QUALIDADE E A SATISFAÇÃO DO CLIENTE_9 1.8 COMUNICAÇÕES COMERCIAIS E PROTECÇÃO DE DADOS_10 CASO PRÁTICO_10 2. UM PROJECTO PARTILHADO COM MAIS DE ONZE MIL PESSOAS_ CRIAÇÃO DE CAPITAL HUMANO E DIVERSIDADE_ ATRACÇÃO E RETENÇÃO DO TALENTO_ SISTEMAS DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO PROFISSIONAL DA CEPSA_ NEGOCIAÇÃO COLECTIVA_ ESTÁGIO DE ESTUDANTES NA CEPSA_ FORMAÇÃO_ SEGURANÇA E SAÚDE LABORAL_ FORMAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE LABORAL_16 CASO PRÁTICO_16 3. UMA EMPRESA RESPONSÁVEL_ GESTÃO DO IMPACTO NAS COMUNIDADES ONDE OPERA_ CONTRIBUIÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE PROJECTOS DE INTERESSE SOCIAL_18 CASO PRÁTICO_18 4. UMA ORGANIZAÇÃO QUE CONTRIBUI PARA A REDUÇÃO DOS GASES COM EFEITO DE ESTUFA (GEE)_ A ORGANIZAÇÃO_ INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GEE_ A MELHORIA DOS PROCESSOS_ OUTRAS INICIATIVAS PARA A GESTÃO DOS GEE_ A MELHORIA DOS PRODUTOS_21 CASO PRÁTICO_22 5. COMPROMISSO COM A MELHORIA AMBIENTAL DAS OPERAÇÕES_ SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL_ INVESTIMENTO AMBIENTAL_ EVOLUÇÃO DOS INDICADORES DE CONSUMOS DE RECURSOS_ EMISSÕES PARA A ATMOSFERA_ CONSUMO E REUTILIZAÇÃO DA ÁGUA_ GESTÃO DE DESCARGAS CONTROLADAS_ IMPACTOS DERIVADOS DO TRANSPORTE DE PRODUTOS_ GESTÃO DE ASPECTOS RELACIONADOS COM A BIODIVERSIDADE_30 CASO PRÁTICO_31

4 EXTRACTO DA MENSAGEM DO PRESIDENTE Estamos conscientes da necessidade de olhar para o futuro; as formas de actuação que apenas têm em conta o aqui e o agora não são adequadas para empresas que desejam perdurar no tempo. O sector energético mundial sofreu mudanças notáveis, sobretudo nas últimas décadas, pelo que, enquanto intervenientes que nele participamos, tivemos de redefinir as estratégias para fazer frente aos numerosos e diversos desafios que se nos apresentam. É necessário, portanto, ser capaz de integrar na nossa estratégia mecanismos que satisfaçam as necessidades actuais, mas também as do futuro. Julgamos que esta atitude aumenta o valor da CEPSA, entendido do ponto de vista social, ambiental e também económico. Esperamos que este documento sirva para demonstrar o nosso firme compromisso com o conjunto da sociedade e os resultados que já estamos a obter. Saudações cordiais, Carlos Pérez de Bricio Presidente e Administrador Delegado da CEPSA

5 2_3 PROCESSO DE ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE RESPONSABILIDADE CORPORATIVA 2006 (RRC 2006) Este é o quarto Relatório que a CEPSA leva a cabo para dar a conhecer as principais acções desenvolvidas nos âmbitos económico, social PRINCÍPIOS APLICADOS PARA A ELABORAÇÃO DO RRC 2006 Materialidade Grupos de interesse Contexto de Sustentabilidade RELATÓRIO DE RESPONSABILIDADE CORPORATIVA 2006 e ambiental. A CEPSA seguiu as directrizes do novo guia G3 do Global Reporting Initiative (GRI). Equilibrio Precisão Clareza RESUMO_RELATÓRIO DE RESPONSABILIDADE CORPORATIVA 2006_CEPSA Exaustividade Periodicidade Comparabilidade Fiabilidade PARTICIPAÇÃO DOS GRUPOS DE INTERESSE IDENTIFICAÇÃO GRUPOS DE INTERESSE INTERNOS E EXTERNOS ENTREVISTAS SESSÕES INFORMATIVAS IDENTIFICAÇÃO DE EXPECTATIVAS SUGESTÕES DE MELHORIAS INCLUSÃO DE PROPOSTAS RELATÓRIO RESP. CORP. 2006

6 PROCESSO DA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE RESPONSABILIDADE CORPORATIVA 2006 A RESPONSABILIDADE CORPORATIVA DA CEPSA A CEPSA entende a Responsabilidade Corporativa como o compromisso de actuar de forma responsável no desenvolvimento do seu negócio. Este comportamento baseia-se na Missão, na Visão e nos Princípios Institucionais da Companhia. O MODELO DE GOVERNO CORPORATIVO DA CEPSA MISSÃO ASSEMBLEIA GERAL DE ACCIONISTAS REGULAMENTO VISÃO ESTATUTOS DA ASSEMBLEIA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTO DO CONSELHO PRINCÍPIOS INSTITUCIONAIS COMISSÕES DO CONSELHO Comissão Executiva Comité de Auditoria Comité de Nomeações e Retribuições PRESIDENTE E ADMINISTRADOR DELEGADO ADMINISTRADOR DELEGADO COMITÉ DE DIRECÇÃO CEPSA Companhia Espanhola de Petróleos, S.A. lidera um grupo industrial cujo núcleo de actividade é a refinação e a comercialização dos seus derivados. Dispõe de uma área petroquímica, em alta integração com a da refinação, na qual fabrica e comercializa matéria-prima para a elaboração de produtos de valor acrescentado que são utilizados por uma grande variedade de indústrias. A Companhia desenvolve outras actividades complementares e relacionadas com o seu âmbito de actuação, como a exploração e produção de hidrocarburantes, o gás natural e a electricidade.

7 1. UMA FONTE DE RIQUEZA PARA O CONJUNTO DA SOCIEDADE 1.1 A ESTRATÉGIA DE NEGOCIO DA CEPSA, ORIENTADA PARA A MAXIMIZAÇÃO DO VALOR A LONGO PRAZO_6 1.2 COMPROMISSO COM O ABASTECIMENTO ENERGÉTICO_7 1.3 A APOSTA NA TECNOLOGIA COMO FONTE DE CRIAÇÃO DE VALOR_7 1.4 A POSIÇÃO DA CEPSA FACE ÀS POLÍTICAS PÚBLICAS EM MATÉRIA ENERGÉTICA_8 1.5 A SEGURANÇA DOS PRODUTOS NA CEPSA_8 1.6 A CEPSA E O REACH EM 2006_9 1.7 COMPROMISSO COM A QUALIDADE E A SATISFAÇÃO DO CLIENTE_9 1.8 COMUNICAÇÕES COMERCIAIS E PROTECÇÃO DE DADOS_10 CASO PRÁTICO_10

8 UMA FONTE DE RIQUEZA PARA O CONJUNTO DA SOCIEDADE A CEPSA está consciente de que opera num sector estratégico para o conjunto da actividade económica espanhola e de que o seu negócio influencia a produtividade e competitividade do país e das empresas que nele trabalham. Assume um papel relevante na economia, contribuindo para o bem-estar da sociedade em geral. 1.1 A ESTRATÉGIA DE NEGÓCIO DA CEPSA, ORIENTADA PARA A MAXIMIZAÇÃO DO VALOR A LONGO PRAZO A obtenção de um lucro económico sustentado, estratégico para a subsistência da Companhia, faz parte de um objectivo mais amplo e a longo prazo: a geração de valor. VALOR ACRESCENTADO PELA CEPSA 1 (Milhões de euros) O valor acrescentado 1 é una magnitude que mede a contribuição económica global obtida pela Companhia. Usando a metodologia estabelecida pelo Departamento de Comércio e Indústria britânico, a CEPSA teria criado um valor de milhões de euros no ano de Tal número significa um valor acrescentado por empregado de euros e um aumento de 1,2% em relação ao ano anterior. Estes dados situam a CEPSA entre as principais companhias espanholas em termos de criação de riqueza O valor acrescentado é determinado pela diferença entre os rendimentos operacionais e os custos em compras e serviços dos mesmos. Mais informação sobre esta metodologia na página web do DTI (Department of Trade and Industry): 2 Para efeitos de uma maior comparabilidade na informação sobre o valor acrescentado de períodos distintos, a CEPSA entende, como outras companhias do sector, que estes dados não devem continuar a ser aceites sem considerar as eventuais revalorizações ou desvalorizações dos stocks operacionais. Com este propósito, em vez do Custo Médio Unitário (CMU), utilizado para a preparação dos estados financeiros sob as Normas Internacionais de Informação Financeira (NIIF-IFRS), e que dá uma maior volatilidade à conta de resultados em caso de grandes variações de preço, utiliza-se o método LIFO (Last in, First out).

9 6_7 1.2 COMPROMISSO COM O ABASTECIMENTO ENERGÉTICO Como companhia que trabalha no sector energético, uma das funções-chave da CEPSA reside na sua capacidade de fornecer energia, e a segurança do abastecimento energético é uma das suas principais responsabilidades. Neste sentido, a CEPSA levou a cabo as seguintes actividades em 2006: EXPLORAÇÃO E PRODUÇÃO DE CRUDE Crude líquido comercializado: 8,7 milhões de barris. Realização de diversas campanhas sísmicas e de perfuração em vários blocos. ABASTECIMENTO Aquisição de 22 milhões de toneladas de crude (159,6 milhões de barris). Aquisição de 7,3 milhões de toneladas de produtos petrolíferos e petroquímicos, fundamentalmente querosenes, gasóleos e fuelóleos. A Companhia está empenhada e obrigada a cumprir com as reservas estratégicas estabelecidas pela Agência Internacional de Energia (AIE) e pela União Europeia para o total do país. A CEPSA apoia o desenvolvimento de novas redes de abastecimento. No final de 2005, apostando na diversificação de outras fontes de energia, assinou um acordo com a SONATRACH para a compra de 1,6 milhares de milhões de metros cúbicos por ano de gás natural, que será transportado através do gasoduto MEDGAZ 3. Este gasoduto submarino unirá a Argélia à Europa, via Espanha, e a sua entrada em funcionamento está prevista para finais de RESUMO_RELATÓRIO DE RESPONSABILIDADE CORPORATIVA 2006_CEPSA 1.3 A APOSTA NA TECNOLOGIA COMO FONTE DE CRIAÇÃO DE VALOR O desafio comum da CEPSA e de todas as empresas do sector é assegurar viabilidade económica num ambiente marcado pela volatilidade dos preços e pela instabilidade política e social de muitos dos países fornecedores de matéria-prima. Neste contexto, a tecnologia e a inovação desempenham um papel-chave na estratégia de crescimento da CEPSA, favorecendo uma maior produtividade e, consequentemente, um maior valor económico. ACÇÕES E INVESTIMENTOS EM I+D+i (Milhões de euros) Investigação e Desenvolvimento Acções de inovação para a segurança e redução do impacto ambiental Actividades de inovação no fabrico de produtos e na concepção de de melhorias nos processos, bem como a expansão de actividades Total Mais informação sobre a MEDGAZ em

10 UMA FONTE DE RIQUEZA PARA O CONJUNTO DA SOCIEDADE 1.4 A POSIÇÃO DA CEPSA FACE ÀS POLÍTICAS PÚBLICAS EM MATÉRIA ENERGÉTICA Em 2006, a CEPSA continuou com a sua participação e colaboração activa em fóruns, congressos e associações sectoriais 4, em que há reuniões e mesas redondas para discutir e acordar posições comuns do sector nos temas que lhe estão relacionados. As posições resultantes servem de apoio para discussões em organismos estatais nacionais e na Comissão Europeia. Através deste intercâmbio de informação, a CEPSA sustenta e desenvolve, em consonância com a sua estratégia, os seus pontos de vista sobre os diversos temas que concernem às suas actividades. 1.5 A SEGURANÇA DOS PRODUTOS CEPSA 9. DOCUMENTAÇÃO E REGISTOS 1. CONCEPÇÃO PRELIMINAR 2. CONCEPÇÃO DETALHADA A CEPSA tem um compromisso rigoroso para garantir a segurança dos produtos e serviços, cumprindo estritamente tanto a legislação vigente, como as obrigações derivadas da norma interna e dos acordos voluntários. 8. CONTROLO DE MUDANÇAS 7. VALIDAÇÃO DA CONCEPÇÃO PROCESSO DE SEGURANÇA DOS PRODUTOS NA CEPSA 6. REVISÃO E VERIFICAÇÃO DA CONCEPÇÃO 5. PLANIFICAÇÃO DA CONCEPÇÃO 3. PROTÓTIPOS 4. DESENVOLVIMENTO DO PROCESSO E COMEÇO DE PRODUÇÃO 4 ENERCLUB, Conselho Mundial da Energia, AOP, FEIQUE, ACOGEN, ASELUBE, EUROPIA, CONCAWE, CEFIC e OME, entre outros.

11 8_9 1.6 A CEPSA E O REACH EM 2006 Todos os produtos da CEPSA que se encontram submetidos à aplicação de REACH poderão beneficiar dos períodos transitórios previstos no Regulamento. O seu pré-registo deverá ser efectuado entre 1 de Junho e 1 de Dezembro de Ao longo de 2006, a CEPSA deu os passos necessários para a preparação da entrada em vigor do REACH e o cumprimento dos prazos estabelecidos. 1.7 COMPROMISSO COM A QUALIDADE E SATISFAÇÃO DO CLIENTE A CEPSA aposta num serviço de qualidade que se pauta por objectivos concretos, alinhados com o Plano Estratégico. Diariamente, põe no mercado uma ampla gama de produtos e serviços, que tenta adaptar às necessidades e expectativas dos clientes. A oferta está sempre orientada para promover a utilização racional e segura, e no caso dos carburantes, a eficiência energética e a minimização do impacto ambiental. O enfoque, baseado em procedimentos definidos pela norma ISO 9001:2000 5, permite à CEPSA identificar, entre os seus processos de negócio, os que oferecem mais valor ao cliente e que geram mais satisfação. Com a medida desta satisfação, avalia a eficácia do processo e adopta acções correctivas ou preventivas que integra no ciclo de melhoria continua. RESUMO_RELATÓRIO DE RESPONSABILIDADE CORPORATIVA 2006_CEPSA 5 Lista completa de certificados dos Sistemas de Gestão de Qualidade (ISO 9001) e certificações de laboratórios (ISO 17025) em onde podem ser visualizados e impressos.

12 UMA FONTE DE RIQUEZA PARA O CONJUNTO DA SOCIEDADE 1.8 COMUNICAÇÕES COMERCIAIS E PROTECÇÃO DE DADOS A CEPSA é membro de várias organizações e associações que promovem um compromisso responsável e ético na comunicação social publicitária e comercial. Em todas as comunicações comerciais e promoções, a Companhia tem especial atenção às mensagens dirigidas aos clientes actuais e potenciais, e faculta meios para o exercício dos direitos de acesso, rectificação e cancelamento dos dados registados. CASO PRÁTICO CONTROLO DE FROTAS DE DISTRIBUIÇÃO DE GASÓLEO POR GPS A liberalização do mercado de gasóleos, em 1992, motivou a criação de sociedades filiais para a distribuição ao cliente final de gasóleos para uso agrícola, industrial e doméstico. Para podermos ser realmente competitivos em preços e em qualidade de serviço, era preciso conhecer com maior exactidão os custos de transporte associados a cada abastecimento e minimizá-los por optimização das rotas, dada a importância de dispor de uma distribuição eficaz e económica, realizada com uma frota de camiões própria. Numa primeira fase, foram instalados Terminais Móveis de Venda (TMV), através dos quais se enviava informação aos computadores centrais, medindo-se os parâmetros com influência nos custos de distribuição e, consequentemente, identificando oportunidades de melhoria. A instalação adicional, em 2006, dos dispositivos GPS permitiu ao chefe de tráfico, o gestor logístico, conhecer a todo momento o estado da frota de transporte e optimizar o cumprimento dos requisitos de entrega dos clientes com a disponibilidade de veículos. Actualmente, como vantagem adicional, o GPS permite informar os clientes da hora exacta da chegada do produto solicitado, bem como atender pedidos urgentes que implicam pequenos desvios da rota programada para a cisterna. Projecto premiado na IX convocatória do prémio Actividades Planificadas de Mejora 2006 [Actividade Planificadas de Melhoria 2206] da CEPSA.

13 2. UM PROJECTO PARTILHADO COM MAIS DE ONZE MIL PESSOAS 2.1 CRIAÇÃO DE CAPITAL HUMANO E DIVERSIDADE_ ATRACÇÃO E RETENÇÃO DO TALENTO_ SISTEMAS DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO PROFISSIONAL DA CEPSA_ NEGOCIAÇÃO COLECTIVA_ ESTÁGIO DE ESTUDANTES NA CEPSA_ FORMAÇÃO_ SEGURANÇA E SAÚDE LABORAL_ FORMAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE LABORAL_16 CASO PRÁTICO_16

14 UM PROJECTO PARTILHADO POR MAIS DE ONZE MIL PESSOAS O projecto CEPSA é possível graças ao trabalho e compromisso solidário da equipa humana. A organização estabeleceu uma série de políticas para reforçar a sua capacidade de atrair e reter o talento, relacionadas com um ambiente laboral satisfatório, uma carreira profissional atractiva e um ambiente de trabalho saudável e seguro. 2.1 CRIAÇÃO DE CAPITAL HUMANO E DIVERSIDADE Em 2006 a CEPSA aumentou o seu quadro em 313 pessoas, ou seja, 3% em relação a % do aumento total em 2006 ocorreu no grupo das mulheres. DISTRIBUIÇÃO DOS QUADROS POR REGIÃO (Número de pessoas) Espanha Argélia Brasil Canadá Colômbia 9 5 Egipto 6 0 Holanda 4 6 Inglaterra 8 7 Itália 7 7 Panamá 6 6 Portugal Total DISTRIBUIÇÃO DE EMPREGADOS POR ÁREA DE NEGÓCIO PETRÓLEO PETROQUÍMICA OUTROS

15 12_ ATRACÇÃO E RETENÇÃO DO TALENTO As políticas de Recursos Humanos da CEPSA, relacionadas com a atracção e retenção do talento, baseiam-se num alinhamento com a estratégia empresarial, ligando-a às necessidades e expectativas dos empregados, com um clima de transparência e diálogo. 86,5% das admissões ocorridas em 2006 deveram-se a novas entradas na Companhia. 32,5% das saídas deveram-se à finalização de contrato e 25% à demissão voluntária. DISTRIBUIÇÃO DO QUADRO ACTIVO POR TIPO DE CONTRATO CONTRATO INDEFINIDO CONTRATO TEMPORÁRIO SISTEMAS DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO PROFISSIONAL DA CEPSA RESUMO_RELATÓRIO DE RESPONSABILIDADE CORPORATIVA 2006_CEPSA A CEPSA conta com sistemas de avaliação do desempenho profissional que dão uma melhor informação aos responsáveis sobre os méritos individuais e sobre o grau de cumprimento dos objectivos da área, garantindo um processo equitativo, capaz de oferecer a melhor compensação pelo trabalho realizado. Cerca de 60% dos empregados da CEPSA receberam uma avaliação formal do seu desempenho profissional, em 2006.

16 UM PROJECTO PARTILHADO POR MAIS DE ONZE MIL PESSOAS 2.4 NEGOCIAÇÃO COLECTIVA A CEPSA entende que é fundamental manter um clima de entendimento para a conciliação de interesses, estabelecendo um modelo de relações laborais baseado no diálogo e na confiança. A política da CEPSA em matéria de negociação colectiva desenvolve-se em consonância com os Princípios Fundamentais da Organização Internacional do Trabalho. EMPREGADOS COBERTOS POR ACORDO DIVISÃO POR UNIDADES DE NEGÓCIO Total % Total % Total % Petróleo , , ,06 Petroquímica , , ,09 Exploração e Produção 155 1, , ,38 Corporação, Tecnologia, Centro de Investigação e Serviços Gerais 934 8, , ,47 Total O ESTÁGIO DE ESTUDANTES NA CEPSA O estágio de estudantes em empresas tornou-se numa actividade docente consolidada, em que a CEPSA vem colaborando há anos. Ocasionalmente, também há programas de formação para licenciados universitários sem experiência profissional ou estudantes de pós-graduação. 2.6 FORMAÇÃO MÉDIA DE HORAS DE FORMAÇÃO POR CATEGORIA PROFISSIONAL (ANO 2006) 6 A integração de conhecimentos e o desenvolvimento de aptidões é um dos aspectos mais relevantes na gestão dos recursos humanos e uma prioridade para a Companhia. A formação na CEPSA é entendida como um processo contínuo de adequação às necessidades do ambiente onde a Companhia opera. Neste sentido, os diferentes planos e programas formativos são orientados para adaptar permanentemente os seus profissionais aos pedidos que seus âmbitos de actividade exigem. 44,68 DIRECTORES E CHEFES DE DEPARTAMENTO 87,83 TÉCNICOS SUPERIORES 30,71 TÉCNICOS MÉDIOS 37,75 7,77 ESPECIALISTAS AJUDANTES 6 Só foram consideradas as filiais que se encontram na base que a CEPSA utiliza para gerir os dados dos seus empregados, HR ACCESS.

17 2.7 SEGURANÇA E SAÚDE LABORAL A CEPSA tem um compromisso firme com a saúde e a segurança dos seus trabalhadores 7, sendo este um aspecto essencial no âmbito das relações laborais, definido na Política de Saúde e Segurança da CEPSA, que serve de base para fixar os objectivos anuais na referida matéria e inclui o que estabelece a Lei de Prevenção de Riscos Laborais. A participação dos trabalhadores nas acções da empresa em matéria de prevenção de riscos é realizada, formalmente, através dos representantes dos Delegados de Prevenção. O número de acidentes com baixa do pessoal próprio diminuiu 5,4% em relação a Durante 2006, fixou-se como objectivo reduzir o índice de frequência de acidentes com baixa até 7,30, conseguindo 5,66, o que significa uma melhoria de 1,66 pontos em relação ao objectivo traçado. EVOLUÇÃO DO ÍNDICE DE FREQUÊNCIA DE ACIDENTES 9,58 8, ,58 7,90 05 EMPREGADOS PRÓPRIOS EMPREGADOS PRÓPRIOS + CONTRATADOS 6,46 5, _15 RESUMO_RELATÓRIO DE RESPONSABILIDADE CORPORATIVA 2006_CEPSA 7 Nas informações correspondentes à área de Segurança não se registam dados dos escritórios comerciais internacionais nem das sociedades: a CEPSA Panamá, a ECANSA e a AMARCO, por não dispor de um sistema de registo das mesmas.

18 UM PROJECTO PARTILHADO POR MAIS DE ONZE MIL PESSOAS 2.8 FORMAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE LABORAL Dada a natureza das actividades que se desenvolvem nos seus centros de produção, a CEPSA tem como prioridade a formação como um instrumento para melhorar a saúde e segurança dos seus trabalhadores. FORMAÇÃO EM SEGURANÇA DE EMPREGADOS PRÓPRIOS Horas formação em segurança Horas formação em luta contra incêndios CASO PRÁTICO DIAGNÓSTICO DE QUALIDADE NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS NA CEPSA: INVESTOR IN PEOPLE (IIP) Na refinaria Gibraltar-San Roque, decidiu-se realizar uma análise e um diagnóstico da qualidade na gestão dos recursos humanos, através de uma metodologia objectiva e adequada às suas características, com a finalidade de dispor de um referencial que potenciasse a melhoria continua e impulsionasse o caminho para a excelência na gestão das pessoas. O Relatório, realizado em conformidade com um modelo normativo internacional de boas práticas de gestão de recursos humanos (Investor in People), pretendia aliás facilitar o desenvolvimento das pessoas, melhorar os resultados e a competitividade da organização. Também se traçaram objectivos: Obter uma visão realista dos resultados que produzem os processos e as práticas de recursos humanos existentes na organização. Realizar uma reflexão sobre os resultados do centro. Identificar as áreas de melhoria para cumprir os critérios da norma. O diagnóstico realizado permitiu à Companhia realizar acções necessárias para melhorar a gestão naquelas áreas que assim o desejavam. Como fase final do projecto, foram comunicados os resultados do mesmo, através de uma carta do Director do centro a todos os empregados e da publicação do Relatório na Intranet da CEPSA.

19 3. UMA EMPRESA RESPONSÁVEL 3.1 GESTÃO DO IMPACTO NAS COMUNIDADES ONDE OPERA_ CONTRIBUIÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE PROJECTOS DE INTERESSE SOCIAL_18 CASO PRÁTICO_18

20 UMA EMPRESA RESPONSÁVEL 3.1 GESTÃO DO IMPACTO NAS COMUNIDADES ONDE OPERA Como parte do sistema social em que a CEPSA desenvolve a sua actividade, a empresa está consciente da importância de construir gradualmente um quadro de actuação que favoreça o diálogo e uma relação de qualidade com a comunidade. Ao estudar a incidência das suas acções no ambiente onde desenvolve as suas operações, implanta programas que minimizem o impacto no meio natural e interessa-se por conhecer a percepção, as inquietações e necessidades das comunidades onde se estabelece. 3.2 CONTRIBUIÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE PROJECTOS DE INTERESSE SOCIAL INVESTIMENTO EM ACÇÕES DE RESPONSABILIDADE EMPRESARIAL (Milhares de euros) * CASO PRÁTICO APOIANDO OS EMPREENDEDORES SOCIAIS: PRÉMIOS CEPSA PARA O VALOR SOCIAL A refinaria La Rábida, em Palos de la Frontera (Huelva), realizou a segunda edição dos Prémios para o Valor Social, uma iniciativa que tem por objectivo apoiar as pessoas, os grupos e sectores mais desfavorecidos da província através do reconhecimento e prémio dos melhores projectos sociais e solidários de qualquer índole. Os Prémios apresentam também uma particularidade: a figura do padrinho solidário, pessoa que autoriza e apresenta o projecto e que deve ser empregado da CEPSA ou de alguma empresa de serviço que efectue trabalhos na refinaria La Rábida. Desta forma impulsiona-se a participação e o compromisso social dos empregados. O júri, formado por autoridades e representantes institucionais que trabalham no campo da acção social, tem a sua presidência partilhada por um representante da CEPSA e uma pessoa de reconhecido prestigio no âmbito social e da solidariedade Nas duas edições realizadas, foram recebidos 84 projectos, através de 341 padrinhos solidários. Os prémios foram para seis associações, que partilharam um total de euros. SOCIAIS CULTURAIS AMBIENTAIS DESPORTIVAS * O aumento do investimento em acções sociais em 2006 deve-se ao financiamento de um infantário e de um centro de dia em San Roque. Esta convocatória é uma das iniciativas que a CEPSA pôs em andamento no âmbito da sua acção social corporativa e do compromisso contínuo que mantém com o ambiente em que exerce a sua actividade.

21 4. UMA ORGANIZAÇÃO QUE CONTRIBUI PARA A REDUÇÃO DOS GASES COM EFEITO DE ESTUFA 4.1 A ORGANIZAÇÃO_ INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GEE_ A MELHORIA DOS PROCESSOS_ OUTRAS INICIATIVAS PARA A GESTÃO DOS GEE_ A MELHORIA DOS PRODUTOS_21 CASO PRÁTICO_22

22 UMA ORGANIZAÇÃO QUE CONTRIBUI PARA A REDUÇÃO DOS GASES COM EFEITO DE ESTUFA A CEPSA está plenamente consciente da crescente preocupação pública e institucional relativamente ao aumento das concentrações na atmosfera dos Gases com Efeito de Estufa (GEE), facto que gerou uma série de desafios para o sector, os quais a Companhia está a enfrentar de diversos ângulos. A criação de unidades organizativas específicas para a supervisão e controlo; medidas de poupança e de eficiência energética, que incidem nos processos, e melhorias dos produtos são algumas das acções realizadas que, juntamente com o uso de outros mecanismos contemplados no Protocolo de Quioto, tornaram possível uma redução líquida das emissões de GEE. 4.1 A ORGANIZAÇÃO A CEPSA dispõe de duas unidades organizativas com responsabilidades sobre os GEE: COMITÉ DE CO2 Controlo do cumprimento da legislação vigente em matéria de GEE e planificação de acções para os mercados de CO2. DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE GEE Cumprimento das directrizes do Protocolo de Quioto, normas europeias e nacional. Define e gere estratégias para reduzir os GEE. 4.2 INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GEE O Departamento de Gestão de GEE é responsável pela realização anual de um inventário que inclui as emissões directas dos três principais GEE que a Companhia emite na sua actividade: dióxido de carbono (CO2), metano (CH4) e óxido nitroso (N2O). EMISSÕES EM QUIILOTONELADAS CO2 CO2 eq CO2 CO2 eq CO2 CO2 eq Refinação Petroquímica Exploração / Produção Cogeração Ciclo Combinado Misto Total O CO2 equivalente (CO2 eq) é o resultado da soma ao CO2 emitido das toneladas de metano e N2O multiplicadas pelo seu potencial de aquecimento global.

23 4.3 A MELHORIA DOS PROCESSOS A CEPSA levou a cabo acções, fruto das quais conseguiu, em relação a 2005, uma diminuição de toneladas de CO2 nas instalações operadas pela Companhia incluídas no Plano Nacional de Atribuição de licenças de emissão. Esta redução foi calculada a partir das emissões certificadas pelos verificadores certificados de emissões CO2 e sem ter em conta a participação da CEPSA nas instalações. Isto significa uma redução de cerca de 3%, apesar do aumento de 1% na quantidade de crude processada. EMISSÕES POR ÁREAS DE NEGOCIO 0,188 0,270 0, ,263 0,316 0,155 0,272 0, ,241 0,385 REFINAÇÃO EXPLORAÇÃO E PRODUÇÃO CICLO COMBINADO MISTO PETROQUÍMICA COGERAÇÃO Notas Refinação: (t de CO2 equivalente / t crude tratado). Petroquímica: (t de CO2 equivalente / t crude produzida ou tratada). Exploração e Produção: (t de CO2 equivalente / t petróleo líquido). Cogeração: (t de CO2 equivalente / Mwh total aproveitado). Ciclo Combinado Misto: (t de CO2 equivalente / Mwh de electricidade líquida produzida). Houve um acréscimo destas emissões devido ao aumento da relação vapor cogerado / electricidade líquida. 0,150 0,209 0, ,241 0,406 20_21 RESUMO_RELATÓRIO DE RESPONSABILIDADE CORPORATIVA 2006_CEPSA 4.4 OUTRAS INICIATIVAS PARA A GESTÃO DE GEE 4.5 A MELHORIA DOS PRODUTOS Além das acções que realiza dentro das suas instalações, a CEPSA é activa noutros âmbitos de gestão de GEE, fundamentalmente em relação aos mecanismos de flexibilidade do Protocolo de Quioto. A CEPSA não contribui apenas para a redução dos GEE diminuindo as suas emissões, mas também mediante o fabrico de produtos mis eficientes.

24 UMA ORGANIZAÇÃO QUE CONTRIBUI PARA A REDUÇÃO DOS GASES COM EFEITO DE ESTUFA CASO PRÁTICO REDUÇÃO DE EMISSÕES DE CO2 EM PETRESA (SAN ROQUE) A actividade principal desta fábrica petroquímica é o fabrico de Alquilbenzeno Linear (LAB), matéria-prima biodegradável para o fabrico de detergentes. Em Abril de 2006, obteve a Autorização Ambiental Integrada, graças ao trabalho que vem realizando já desde 2005, relacionado com a política da CEPSA de respeito pelo meio ambiente, eficiência e poupança energética, redução da poluição e cumprimento do Plano Nacional de Atribuições. Os trabalhos de poupança energética podem ser agrupados em duas grandes secções: Por um lado, a substituição de Fuelóleo BIE (Baixo Índice de Enxofre) por gás natural nos 10 fornos da fábrica que ainda não o consumiam, com uma poupança de tco2 por ano e, por outro, a optimização de processos. Em relação a esta última, os trabalhos concentram-se em três grupos de acções: Optimização de condições de operação: Totalizando uma redução de emissões de tco2/ano, além de uma diminuição da energia consumida no processo. Novos recuperadores de calor: Detecção de pontos da fábrica em que é possível recuperar energia. Com um investimento de 1,24 milhões de euros, obteve-se uma redução de tco2/ano, além de notáveis poupanças de energia e melhor aproveitamento do calor. Recuperadores de calor em fornos: O uso de gás natural permite um maior aproveitamento do calor dos fumos de combustão. A instalação destes novos recuperadores nos fornos permite poupar energia. Já estão em funcionamento dois recuperadores, que significam uma poupança de tco2/ano, e prevê-se a instalação de outro, com uma poupança de tco2/ano. O investimento realizado em 2006 foi de 1,7 milhões de euros. A PETRESA continuará nesta linha nos próximos anos, para o que previu um investimento adicional de 3,54 milhões de euros.

Ser uma Empresa responsável na gestão dos seus recursos e em todas as suas actuações face aos accionistas, aos clientes e à sociedade em geral.

Ser uma Empresa responsável na gestão dos seus recursos e em todas as suas actuações face aos accionistas, aos clientes e à sociedade em geral. 1 CEPSA A Empresa está consciente da necessidade de associar uma gestão industrial eficaz à vigilância atenta do impacto no meio ambiente, bem como à operação das instalações de produção usando processos

Leia mais

Tendências. Membro. ECOPROGRESSO, SA tel + 351 21 798 12 10 fax +351 21 798 12 19 geral@ecotrade.pt www.ecotrade.pt

Tendências. Membro. ECOPROGRESSO, SA tel + 351 21 798 12 10 fax +351 21 798 12 19 geral@ecotrade.pt www.ecotrade.pt 30 27 Evolução do Preço CO2 Jan 06 - Fev 07 Spot Price Powernext Carbon Jan de 2006 a Fev 2007 Spot CO2 (30/01/07) Preço Δ Mensal 2,30-64.50% 2007 2,35-64,4% 2008 15.30-16,16% Futuro Dez 2009 2010 15.85

Leia mais

Não é um sector específico (Pequenas e médias empresas em geral) - Go to 3

Não é um sector específico (Pequenas e médias empresas em geral) - Go to 3 INQUÉRITO EUROPEU DAS PME E O MEIO-AMBIENTE Bem-vindo ao inquérito europeu sobre as PMEs e o meio-ambiente. O questionário deve demorar entre 5-10 minutos para ser concluído. Obrigado! Instituto Tecnológico

Leia mais

ESTUDO DA PEGADA CARBÓNICA NO SECTOR FINANCEIRO EM PORTUGAL

ESTUDO DA PEGADA CARBÓNICA NO SECTOR FINANCEIRO EM PORTUGAL ESTUDO DA PEGADA CARBÓNICA NO SECTOR FINANCEIRO EM PORTUGAL Agosto de 2010 ÍNDICE ÍNDICE... 2 ENQUADRAMENTO... 3 O IMPACTE DO SECTOR FINANCEIRO NAS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS... 4 PEGADA CARBÓNICA DO SECTOR

Leia mais

Comunicado de Imprensa

Comunicado de Imprensa Comunicado de Imprensa CEPSA INICIA UMA NOVA ETAPA APÓS A SAÍDA DA TOTAL Santiago Bergareche continuará como Presidente e o Conselho nomeia H.E. Khadem Al Qubaisi como Conselheiro Delegado Pedro Miró será

Leia mais

SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA

SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA Ciclo de melhoria contínua conhecido como Ciclo PDCA (Plan-Do-Check-Act) EMAS METODOLOGIA FASEADA DE IMPLEMENTAÇÃO FASEADA DO EMAS In, APA,

Leia mais

ALD PROFLEET2 SOLUÇÕES AVANÇADAS DE TELEMÁTICA

ALD PROFLEET2 SOLUÇÕES AVANÇADAS DE TELEMÁTICA ALD PROFLEET2 SOLUÇÕES AVANÇADAS DE TELEMÁTICA O que é o ALD ProFleet2? É um serviço de dados que utiliza um sistema telemático avançado de gestão de frotas e que lhe permite administrar, localizar em

Leia mais

Formulário de Candidatura para admissão como membro do Cluster 2Bparks

Formulário de Candidatura para admissão como membro do Cluster 2Bparks Formulário de Candidatura para admissão como membro do Cluster 2Bparks Eu, abaixo-assinado/a, declaro que a organização que represento solicita a sua admissão como Membro do Cluster Ambiental 2Bparks e

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Lei nº 10/96 De 18 de Outubro A actividade petrolífera vem assumindo nos últimos tempos importância fundamental no contexto da economia nacional, constituindo por isso,

Leia mais

Análise de sustentabilidade da empresa

Análise de sustentabilidade da empresa Análise de sustentabilidade da empresa Em 2013, a NAV Portugal manteve a prática de integração dos princípios de sustentabilidade nas políticas e processos da sua gestão, como suporte à promoção do seu

Leia mais

Projecto de Lei nº /X

Projecto de Lei nº /X Grupo Parlamentar Projecto de Lei nº /X ESTABELECE O REGIME APLICÁVEL À GESTÃO DE ÓLEOS ALIMENTARES USADOS Exposição de motivos: Os óleos alimentares usados são um resíduo não perigoso que carece de legislação

Leia mais

Capítulo 15. Impactos Cumulativos

Capítulo 15. Impactos Cumulativos Capítulo 15 Impactos Cumulativos ÍNDICE 15 IMPACTOS CUMULATIVOS 15-1 15.1 INTRODUÇÃO 15-1 15.1.1 Limitações e Mitigação 15-1 15.1.2 Recursos e Receptores Potenciais 15-3 15.2 IMPACTO CUMULATIVO DA ZONA

Leia mais

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena E1819 V6 Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena REHABILITATION OF LUENA WATER SUPPLY SYSTEM PGA PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL (PGA) ENVIRONMENTAL MANAGEMENT PLAN (EMP) Adjudicante: Financial

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

Efeitos da economia do carbono na economia nacional e europeia. Luís Fernão Souto

Efeitos da economia do carbono na economia nacional e europeia. Luís Fernão Souto Efeitos da economia do carbono na economia nacional e europeia Luís Fernão Souto As alterações climáticas são uma evidência Os 10 anos mais quentes desde sempre ocorreram após o ano de 1990! O dióxido

Leia mais

Eficiência Energética e Mercados de Carbono Sector dos Transportes

Eficiência Energética e Mercados de Carbono Sector dos Transportes Eficiência Energética e Mercados de Carbono Sector dos Transportes Lisboa, 20 de Novembro 2009 Cláudio Casimiro claudio.casimiro@ceeeta.pt tel. +351 213 103 510 fax +351 213 104 411 Rua Dr. António Cândido,

Leia mais

Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013

Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013 Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013 UNIÓN EUROPEA 1 de junio de 2011 3. SUMÁRIO EXECUTIVO A avaliação do Plano de

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.10.2007 SEC(2007)907 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO documento de acompanhamento da Comunicação da Comissão sobre um programa para ajudar as

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

RESPONSABILIDADE CORPORATIVA DESEMPENHO POR PAÍS PORTUGAL

RESPONSABILIDADE CORPORATIVA DESEMPENHO POR PAÍS PORTUGAL 2008 RESPONSABILIDADE CORPORATIVA DESEMPENHO POR PAÍS PORTUGAL Sonae Sierra em Portugal A Sonae Sierra é a especialista internacional em centros comerciais, apaixonada por introduzir inovação e emoção

Leia mais

Indicadores de Sustentabilidade Ambiental. Roberta Bruno S. Carneiro Monsanto Mariana R. Sigrist - BASF

Indicadores de Sustentabilidade Ambiental. Roberta Bruno S. Carneiro Monsanto Mariana R. Sigrist - BASF Indicadores de Sustentabilidade Ambiental Roberta Bruno S. Carneiro Monsanto Mariana R. Sigrist - BASF Indicadores de Sustentabilidade Ambiental Grupo de Trabalho: Fernanda - Solvay Lorena Oxiteno Luis

Leia mais

Aluguer Operacional e Gestão de Frotas

Aluguer Operacional e Gestão de Frotas the world leading fleet and vehicle management company LeasePlan Portugal Lagoas Park - Edifício 6-2740-244 Porto Salvo Ed. Cristal Douro - R. do Campo Alegre, nº 830 - sala 35-4150-171 Porto Tel.: 707

Leia mais

A DIRECTIVA Erp E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA

A DIRECTIVA Erp E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA A DIRECTIVA Erp E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA 1 O CONTEXTO ETIQUETAGEM ENERGÉTICA e DIRECTIVA ErP, PORQUÊ? Travar a mudança climática, garantir o abastecimento de energia e aumentar a competitividade industrial

Leia mais

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos

Leia mais

Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA

Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA 2º. DEBATE SOBRE MINERAÇÃO TJ/PA e PUC/SP Tribunal de Justiça do Pará - Belém, 30/09/2011 Gestão Estratégica

Leia mais

Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos. Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa. Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto

Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos. Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa. Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto Senhores representantes das associações

Leia mais

Política de Saúde, Segurança e Meio Ambiente

Política de Saúde, Segurança e Meio Ambiente Política de Saúde, Segurança e Meio Ambiente Política Global Novartis 1 de março de 2014 Versão HSE 001.V1.PT 1. Introdução Na Novartis, nossa meta é ser líder em Saúde, Segurança e Meio Ambiente (HSE).

Leia mais

Princípios de Bom Governo

Princípios de Bom Governo Princípios de Bom Governo Regulamentos internos e externos a que a empresa está sujeita Foi aprovado pela tutela no ano de 2008 o Regulamento Interno do Centro Hospitalar do Porto que passou a reger a

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD)

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD) PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD) Recomenda ao Governo que utilize sistemas de teleconferência e videoconferência em substituição de reuniões presenciais I - Exposição de motivos A proposta de

Leia mais

= e-learning em Educação Ambiental =

= e-learning em Educação Ambiental = Agência Regional de Energia e Ambiente do Norte Alentejano e Tejo = e-learning em Educação Ambiental = PRINCIPAIS RESULTADOS DO RELATÓRIO FINAL Dezembro de 2010 Título: Financiamento: Plataforma de e-learning

Leia mais

Relatório de atribuição do Certificado off7. Observatório Português de Boas práticas Laborais

Relatório de atribuição do Certificado off7. Observatório Português de Boas práticas Laborais Relatório de atribuição do Certificado off7 Observatório Português de Boas práticas Laborais Ano: 2011 1. Índice 1. ÍNDICE... 2 2. SUMÁRIO EXECUTIVO... 3 3. INTRODUÇÃO... 5 4. MEDIR... 8 4.1. METODOLOGIA

Leia mais

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural Engenharia Florestal Desenvolvimento Rural 2/05/2010 Trabalho realizado por : Ruben Araújo Samuel Reis José Rocha Diogo Silva 1 Índice Introdução 3 Biomassa 4 Neutralidade do carbono da biomassa 8 Biomassa

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Sistema de Incentivos às Empresas O que é? é um dos instrumentos fundamentais das políticas públicas de dinamização económica, designadamente em matéria da promoção da

Leia mais

Case study. Aumentar o conhecimento, informar a decisão ÍNDICE E.VALUE ENERGIA E CO2 EM PORTUGAL EMPRESA

Case study. Aumentar o conhecimento, informar a decisão ÍNDICE E.VALUE ENERGIA E CO2 EM PORTUGAL EMPRESA Case study 2010 Aumentar o conhecimento, informar a decisão ÍNDICE E.VALUE ENERGIA E CO2 EM PORTUGAL EMPRESA A E.Value S.A. é uma empresa de consultoria e desenvolvimento, com competências nos domínios

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO Pág. 2 de 16 Se está a receber este documento, isto já significa que é alguém especial para a UEM Unidade de Estruturas Metálicas SA. Convidamo-lo

Leia mais

ESTUDO DO IMPACTE AMBIENTAL

ESTUDO DO IMPACTE AMBIENTAL ENERGIN AZÓIA Empresa de Cogeração Industrial, S.A. CENTRAL DE COGERAÇÃO A INSTALAR NA SOLVAY PORTUGAL (PÓVOA DE SANTA IRIA, VILA FRANCA DE XIRA) ESTUDO DO IMPACTE AMBIENTAL RESUMO NÃO TÉCNICO Maio de

Leia mais

Dimensão Ambiental. Critério I - Responsabilidade e Compromisso. Indicador 1 - Abrangência. Indicador 2 - Responsabilidade Ambiental

Dimensão Ambiental. Critério I - Responsabilidade e Compromisso. Indicador 1 - Abrangência. Indicador 2 - Responsabilidade Ambiental Os trechos em destaque encontram-se no Glossário. Dimensão Ambiental Critério I - Responsabilidade e Compromisso Indicador 1 - Abrangência 1. A empresa possui uma política ambiental? Caso "" para a pergunta

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO

FUNDAMENTOS DA GESTÃO A Ultrapar realizou em 2011 um programa de comunicação e disseminação do tema sustentabilidade entre seus colaboradores, com uma série de iniciativas voltadas para o engajamento e treinamento das pessoas.

Leia mais

INFRAQUINTA. Afirmação de uma Cultura Ambiental. "Modelos de Gestão no Sector do Turismo. Albufeira, 22 Abril 2009

INFRAQUINTA. Afirmação de uma Cultura Ambiental. Modelos de Gestão no Sector do Turismo. Albufeira, 22 Abril 2009 INFRAQUINTA Afirmação de uma Cultura Ambiental "Modelos de Gestão no Sector do Turismo Albufeira, 22 Abril 2009 AGENDA 1. A INFRAQUINTA Génese Estrutura Accionista Organograma Missão Competências 2. O

Leia mais

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa TE GEE.281.01 II Nos termos do Decreto-Lei n.º 233/2004, de 14 de Dezembro, com as alterações introduzidas pelos Decretos-Lei n.º 243-A/2004, de 31 de Dezembro,

Leia mais

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA EDP PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA O Grupo EDP Energias de Portugal centra as suas actividades na produção, distribuição e comercialização de energia eléctrica,

Leia mais

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental 1 Melhoria do desempenho ambiental implementação do Sistema de Gestão Ambiental A Caixa Geral de Depósitos (CGD) tem implementado

Leia mais

Relatório de Responsabilidade Corporativa 2009

Relatório de Responsabilidade Corporativa 2009 Relatório de Responsabilidade Corporativa 2009 Juntos no caminho Índice Carta do Presidente......................................................02 Carta do Conselheiro Delegado.............................................03

Leia mais

A Indústria Papeleira no Contexto das Alterações Climáticas

A Indústria Papeleira no Contexto das Alterações Climáticas A Indústria Papeleira no Contexto das Alterações Climáticas Luís Costa Leal Director-Geral CELPA, Associação da Indústria Papeleira CELPA, Associação da Indústria Papeleira Pomos o Futuro no Papel Nesta

Leia mais

POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA

POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA DE ÉTICA A Política de Ética do CPCBeja está reflectida no Código de Conduta e Ética e integra os seguintes Princípios e Orientações: - Direitos e Dignidade

Leia mais

I. CÓDIGO DE ÉTICA. 1. Âmbito de Aplicação

I. CÓDIGO DE ÉTICA. 1. Âmbito de Aplicação I. CÓDIGO DE ÉTICA 1. Âmbito de Aplicação O presente Código de Ética define os princípios e as regras a observar pela N Seguros, S.A. sem prejuízo de outras disposições legais ou regulamentares aplicáveis

Leia mais

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados;

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados; VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos e electrónicos, oferecendo

Leia mais

Princípios de Bom Governo

Princípios de Bom Governo Princípios de Bom Governo Regulamentos internos e externos a que a empresa está sujeita Sendo a STCP uma sociedade anónima, rege-se pelo previsto nos seus estatutos, aprovados pelo Decreto-Lei 202/94,

Leia mais

Os riscos ambientais e o seu impacto para o sector empresarial: Soluções ao nível de seguros

Os riscos ambientais e o seu impacto para o sector empresarial: Soluções ao nível de seguros Os riscos ambientais e o seu impacto para o sector empresarial: Soluções ao nível de seguros Famalicão 14 de Julho de 2010 Jorge Cardoso Agenda Introdução ao Meio Ambiente Definição de risco e responsabilidade

Leia mais

A DIRECTIVA ErP E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA

A DIRECTIVA ErP E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA A DIRECTIVA ErP E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA 3 / 1. CONTEXTO 6 / 2. DIRECTIVA ECODESIGN (ErP) 7 / 3. ETIQUETAGEM ENERGÉTICA 12 / 4. O MUNDO MUDA A ARISTON FICA A SEU LADO 1 O CONTEXTO ETIQUETAGEM ENERGÉTICA

Leia mais

rotulagem de energia eléctrica

rotulagem de energia eléctrica rotulagem de energia eléctrica ROTULAGEM DE ENERGIA ELÉCTRICA A produção e a distribuição de energia eléctrica são fundamentais para o desenvolvimento das sociedades. A rotulagem de energia eléctrica pretende

Leia mais

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa TE GEE.045.03 II Nos termos do Decreto-Lei n.º 233/2004, de 14 de Dezembro, com as alterações introduzidas pelos Decretos-Lei n.º 243-A/2004, de 31 de Dezembro,

Leia mais

Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental

Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental Estratégias adoptadas As estratégias adoptadas e o desempenho da APFF nos três domínios da sustentabilidade encontram-se

Leia mais

Questionário para Subscrição de Seguro de Responsabilidade Ambiental e por Contaminação

Questionário para Subscrição de Seguro de Responsabilidade Ambiental e por Contaminação Questionário para Subscrição de Seguro de Responsabilidade Ambiental e por Contaminação Este questionário deve ser preenchido pelo Segurado ou por um representante autorizado, devendo dar-se resposta completa

Leia mais

7ª Edição da Semana da Responsabilidade Social

7ª Edição da Semana da Responsabilidade Social 7ª Edição da Semana da Responsabilidade Social Mudança e inovação para novos estilos de vida Exemplos da aplicação dos 10 princípios pelos membros do GCNP - O caso do Ritz Four Seasons Hotel Lisboa - Menú

Leia mais

Indicadores Ambientais

Indicadores Ambientais Indicadores Ambientais / Desempenho Em, publicámos o nosso primeiro Relatório Ambiental, como forma de divulgar os nossos esforços e resultados na área da protecção ambiental. A presente publicação deve

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Inovação Rumo ao Desenvolvimento Sustentável CORTICEIRA AMORIM, S.G.P.S., S.A.

Inovação Rumo ao Desenvolvimento Sustentável CORTICEIRA AMORIM, S.G.P.S., S.A. Inovação Rumo ao Desenvolvimento Sustentável CORTICEIRA AMORIM, S.G.P.S., S.A. Inovação Em 2010 verificou-se uma notoriedade sem precedentes dos produtos e soluções de cortiça e um reforço do seu posicionamento

Leia mais

PORTARIA N.º 744-A/99

PORTARIA N.º 744-A/99 MINISTÉRIOS DA SAÚDE E DO AMBIENTE PORTARIA N.º 7-A/99 P DE DE AGOSTO Aprova os programas de acção específicos para evitar ou eliminar a poluição proveniente de fontes múltiplas de mercúrio. A Directiva

Leia mais

Guia de sustentabilidade para plásticos

Guia de sustentabilidade para plásticos Guia de sustentabilidade para plásticos Maio 2014 1 2 3 4 5 6 7 8 Introdução... 4 Contextualização dos plásticos... 6 Composição dos móveis e utensílios de plásticos...7 Requerimentos para materiais que

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN]

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Frederico Mendes & Associados Sociedade de Consultores Lda. Frederico Mendes & Associados é uma

Leia mais

e Gestão de Riscos Alicerces firmes para o crescimento sustentável Compromissos internacionais assumidos Sustentabilidade Ambiental

e Gestão de Riscos Alicerces firmes para o crescimento sustentável Compromissos internacionais assumidos Sustentabilidade Ambiental 8 Sustentabilidade resultado 31 e Gestão de Riscos A Companhia reconhece que suas atividades influenciam as comunidades nas quais opera e se compromete a atuar de forma proativa para monitorar e mitigar

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

3 QUADRO LEGAL E INSTITUCIONAL

3 QUADRO LEGAL E INSTITUCIONAL 3 QUADRO LEGAL E INSTITUCIONAL 3.1 QUADRO INSTITUCIONAL O Ministério para a Coordenação da Acção Ambiental (MICOA) criado pelo Decreto Presidencial 6/95 de 16 de Novembro, é responsável por todas as actividades

Leia mais

BES AS APOIO FINANCEIRO BES AS FINANCEIR ÕES ÀS EMPRESAS FINANCEIR ÕES UÇ SOL

BES AS APOIO FINANCEIRO BES AS FINANCEIR ÕES ÀS EMPRESAS FINANCEIR ÕES UÇ SOL 38 PME Líder SOLUÇÕES FINANCEIRAS BES Helen King/CORBIS APOIO FINANCEIRO ÀS EMPRESAS O BES disponibiliza uma vasta oferta de produtos financeiros e serviços, posicionando-se como o verdadeiro parceiro

Leia mais

RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO

RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 25.6.2009 SEC(2009) 815 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO que acompanha a COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO Demonstração

Leia mais

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1.

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1. rota 3 CLIENTES Rota 3 Índice Enquadramento e benefícios 6 Percurso 1. Comunicação Ética 8 Percurso 2. Ética nos Negócios 11 Percurso 3. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13 responsabilidade

Leia mais

Gás Natural Veicular alternativa para uma mobilidade mais inteligente. 9º Encontro Transportes em Revista Lisboa, 25 Junho 2015

Gás Natural Veicular alternativa para uma mobilidade mais inteligente. 9º Encontro Transportes em Revista Lisboa, 25 Junho 2015 Gás Natural Veicular alternativa para uma mobilidade mais inteligente 9º Encontro Transportes em Revista Lisboa, 25 Junho 2015 Índice 1. Grupo Dourogás 2. O Gás Natural 3. UE: mobilidade sustentável 4.

Leia mais

Logística e Gestão da Distribuição

Logística e Gestão da Distribuição Logística e Gestão da Distribuição Depositos e política de localização (Porto, 1995) Luís Manuel Borges Gouveia 1 1 Depositos e politica de localização necessidade de considerar qual o papel dos depositos

Leia mais

Cogeração Motores a Gás e Diesel

Cogeração Motores a Gás e Diesel Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 4º Ano, 2º Semestre Gestão de Energia 2002/2003 Cogeração Motores a Gás e Diesel Afonso Oliveira,

Leia mais

Inventário de Emissões de GEE: Ferramenta Estratégica para uma Economia de Baixo Carbono

Inventário de Emissões de GEE: Ferramenta Estratégica para uma Economia de Baixo Carbono Inventário de Emissões de GEE: Ferramenta Estratégica para uma Economia de Baixo Carbono Temas abordados 1. Quem somos 2. Efeito estufa e aquecimento global 3. Marco regulatório 4. O inventário de emissões

Leia mais

Projecto Bio-Escola Episódios de uma escola sustentável

Projecto Bio-Escola Episódios de uma escola sustentável Ano lectivo 2011-2012 Projecto Bio-Escola Episódios de uma escola sustentável Concurso do Ano Internacional da Juventude - Inovação/Energias renováveis Escola Secundária Anselmo de Andrade Projecto elaborado

Leia mais

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares Projeto de lei n. Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima e fixa seus princípios, objetivos, diretrizes e instrumentos. A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte

Leia mais

a LRQA Desenvolvimento Sustentável

a LRQA Desenvolvimento Sustentável ISO 14001:2004 e Responsabilidade Ambiental Engº Vítor Gonçalves CONFERÊNCIA RESPONSABILIDADE AMBIENTAL Eficiência e Eficácia na redução de Riscos Ambientais Lisboa, 15 de Maio de 2007 ISO 14001:2004 e

Leia mais

Aplicação do Programa Europeu para as Alterações Climáticas

Aplicação do Programa Europeu para as Alterações Climáticas P5_TA(2002)0439 Aplicação do Programa Europeu para as Alterações Climáticas Resolução do Parlamento Europeu sobre a Comunicação da Comissão relativa à aplicação da primeira fase do Programa Europeu para

Leia mais

PROGRAMA CAIXA CARBONO ZERO

PROGRAMA CAIXA CARBONO ZERO PROGRAMA CAIXA CARBONO ZERO A compensação de emissões inevitáveis decorrentes da atividade da CGD constitui uma das peças do Programa Caixa Carbono Zero. Com a meta de neutralidade carbónica Caixa Carbono

Leia mais

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE CLUSTER ENERGÉTICO DE BEJA OPORTUNIDADES SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA E CRESCIMENTO ECONÓMICO A sustentabilidade energética e climática é um desígnio estratégico duplo significado. Por um lado, desenvolvimento

Leia mais

QUESTIONÁRIO Percepção de Risco

QUESTIONÁRIO Percepção de Risco O documento em PDF está pronto a ser utilizado. Por favor, lembre-se de guardar as alterações após responder à totalidade do questionário, enviando em seguida para o seguinte endereço eletrónico maria.carmona@hzg.de

Leia mais

Relatório Ambiental 2013 O nosso compromisso com o ambiente

Relatório Ambiental 2013 O nosso compromisso com o ambiente Relatório Ambiental 2013 O nosso compromisso com o ambiente Relatório Ambiental 2013 O nosso compromisso com o ambiente Março de 2014 QEL/SQA Imprensa nacional-casa da moeda, s. A. Avenida de António

Leia mais

REFORÇAR Objectivo 1. Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa

REFORÇAR Objectivo 1. Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa CORECARD > MONITORIZAÇÃO Organização e Processos de Gestão Estratégica Liderar e criar uma cultura de escola Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa

Leia mais

Índice resumido do DVD Ferramentas para a Gestão Ambiental

Índice resumido do DVD Ferramentas para a Gestão Ambiental Conteúdos Complementares ao Manual 1 Gestão do Ciclo de Vida do Produto 1.1 A Perspectiva do Ciclo de Vida nas Organizações 1.2 Avaliação do Ciclo de Vida 1.2.1 Introdução 1.2.2 Avaliação Qualitativa 1.2.3

Leia mais

CONTABILIDADE, TOMADA DE DECISÃO E AMBIENTE: CONTRIBUTOS PARA REFORÇO DO DESEMPENHO ECONÓMICO DAS ORGANIZAÇÕES

CONTABILIDADE, TOMADA DE DECISÃO E AMBIENTE: CONTRIBUTOS PARA REFORÇO DO DESEMPENHO ECONÓMICO DAS ORGANIZAÇÕES 3D CONTABILIDADE, TOMADA DE DECISÃO E AMBIENTE: CONTRIBUTOS PARA REFORÇO DO DESEMPENHO ECONÓMICO DAS ORGANIZAÇÕES Maria da Conceição da Costa Marques, Ph.D Doutora em Gestão, especialidade em Contabilidade

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 07/SI/2010 1 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

Preâmbulo. resultado econômico, ao mesmo tempo em que protege o meio ambiente e melhora a qualidade de vida das pessoas com as quais interage.

Preâmbulo. resultado econômico, ao mesmo tempo em que protege o meio ambiente e melhora a qualidade de vida das pessoas com as quais interage. Preâmbulo Para a elaboração da Política de Sustentabilidade do Sicredi, foi utilizado o conceito de Sustentabilidade proposto pela abordagem triple bottom line (TBL), expressão que reúne simultaneamente

Leia mais

Plano de Formação. Condicionamento ambiental das explorações pecuárias. REAP

Plano de Formação. Condicionamento ambiental das explorações pecuárias. REAP Plano de Formação 1. Enquadramento A produção animal encontra-se perante um aumento das pressões a partir da sociedade para cumprir a legislação ambiental, para que os sistemas de produção sejam explorados

Leia mais

Certificação e Monitorização de Edifícios Públicos Municipais em Cascais

Certificação e Monitorização de Edifícios Públicos Municipais em Cascais Certificação e Monitorização de Edifícios Públicos Municipais em Cascais TECNOFIL Workshop Municípios e Certificação Energética de Edifícios Lisboa, 18 Junho 2009 Objectivos A Agência Cascais Energia é

Leia mais

INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3. Uma visão geral dos requisitos da norma

INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3. Uma visão geral dos requisitos da norma INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3 Uma visão geral dos requisitos da norma FORTALECEMOS PROCESSOS, SISTEMAS E PESSOAS SGS é líder mundial em inspeções, testes, certificações

Leia mais

Criamos. valor à sua empresa

Criamos. valor à sua empresa Criamos valor à sua empresa ORGANIZAÇÃO Somos o que fazemos repetidamente. Então, a excelência não é um acto isolado, mas sim um hábito. Aristóteles Compromisso A FISCOSEGUR é uma organização que presta

Leia mais

Energia, investimento e desenvolvimento económico

Energia, investimento e desenvolvimento económico Energia, investimento e desenvolvimento económico Aníbal Fernandes ENEOP Eólicas de Portugal Mesa Redonda Energia Eólica ERSE, 10 Fevereiro 2010 Prioridades de política energética e benefícios económicos

Leia mais

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS CONTEÚDO CRITÉRIO I - POLÍTICA... 2 INDICADOR 1: COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO... 2 CRITÉRIO II GESTÃO... 3 INDICADOR 2: RESPONSABILIDADES... 3 INDICADOR 3: PLANEJAMENTO/GESTÃO

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Câmara Municipal do Funchal. Divisão de Atendimento e Informação

MANUAL DA QUALIDADE. Câmara Municipal do Funchal. Divisão de Atendimento e Informação Câmara Municipal do Funchal Divisão de Atendimento e Informação INDICE Promulgação Âmbito Exclusões Hierarquia da documentação do Sistema de Gestão da Qualidade Política da Qualidade Missão e Visão Apresentação

Leia mais

CGD. Relatório de Compensação de Emissões de GEE

CGD. Relatório de Compensação de Emissões de GEE CGD 1 RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE GEE CGD S.A. 2014 2 CGD Relatório de Compensação de Emissões de GEE - CGD S.A. 2014 1.1 Introdução O Programa de Baixo Carbono, pioneiro no setor da banca

Leia mais

Política Obrigatória Fevereiro 2013. A Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental

Política Obrigatória Fevereiro 2013. A Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política Obrigatória Fevereiro 2013 A Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política Obrigatória Fevereiro 2013 Autor/ Departamento Segurança, Saúde e Sustentabilidade Ambiental Público-alvo

Leia mais

portugal 2009 Responsabilidade CoRpoRativa desempenho por país

portugal 2009 Responsabilidade CoRpoRativa desempenho por país portugal 2009 Responsabilidade CoRpoRativa desempenho por país 1. perfil da empresa a sonae sierra é a especialista internacional em centros comerciais, apaixonada por introduzir inovação e emoção na indústria

Leia mais

Guia de Apoio à Realização de Inspecções Ambientais

Guia de Apoio à Realização de Inspecções Ambientais Guia de Apoio à Realização de Inspecções Ambientais 1-Introdução As inspecções ambientais são o garante da implementação e cumprimento da legislação ambiental por parte das empresas que exercem actividades

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2012 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

Normas de Ética e Conduta Empresarial para Terceiros

Normas de Ética e Conduta Empresarial para Terceiros Todas as actividades empresariais na Bristol-Myers Squibb (BMS) apoiam-se no alicerce do nosso compromisso com a integridade e a conformidade com todas as leis, regulamentos, directivas e códigos industriais

Leia mais

Política de Recursos Humanos e Prevenção de Riscos Laborais

Política de Recursos Humanos e Prevenção de Riscos Laborais LIVRO DE POLÍTICAS ÍNDICE Lista de políticas: SUSTENTABILIDADE E INOVAÇÃO Política de Sustentabilidade Política de Inovação ÂMBITO ECONÔMICO E DE BOA GOVERNANÇA Política de Anticorrupção Política de Antitruste

Leia mais