QUEILITE ACTÍNICA: prevalência na clínica estomatológica da PUCPR, Curitiba, Brasil

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "QUEILITE ACTÍNICA: prevalência na clínica estomatológica da PUCPR, Curitiba, Brasil"

Transcrição

1 QUEILITE ACTÍNICA: prevalência na clínica estomatológica da PUCPR, Curitiba, Brasil Actinic cheilitis: prevalence in the Oral Medicine Clinics of the PUCPR, Curitiba, PR, Brazil Fabíola Michalak Corso 1 Corina Wild 1 Liége de Oliveira Gouveia 1 Marina de Oliveira Ribas 2 Resumo OBJETIVOS: Os objetivos do presente trabalho foram avaliar a prevalência de queilite actínica na Clínica de Estomatologia da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), Curitiba, Brasil, correlacionado diversos fatores, como exposição à radiação UV, e outros, como idade, sexo, fumo e outros hábitos. CASUÍSTICA E MÉTODO: prontuários de pacientes da Clínica de Estomatologia da PUCPR foram revisados, buscando-se casos diagnosticados como queilite actínica. Nos casos selecionados, compararamse os achados microscópicos com a ficha de avaliação clínica. RESULTADOS: Foram encontrados 11 casos de queilite actínica (0,45%); idade 48,36 anos, sendo que nos homens foi de 51,8 anos e nas mulheres 39 anos. Os homens foram afetados com maior freqüência (72,7%) do que as mulheres (27,3%). Relataram exposição solar intensa em 81,8% dos casos; 9,1% eram fumantes; usuários habituais de chimarrão, 9,1%. Palavras-chave: Queilite actínica; Lesões cancerizáveis; Lábios. Abstract OBJECTIVES: To avaliate the prevalence of actinic cheilitis in patients of the Stomatology Clinics of the Pontificial Catholic University of Paraná (PUCPR), Curitiba, Brazil, related to several factors as exposure to UV radiation and other factors, like sex, smoking, age and habits. MATERIAL AND METHOD: patients records of the Stomatoly Clinics were reviewed, searching for confirmed cases of actinic cheilitis. The microscópic findings were compared with the clinical records. RESULTS: There were found 11 cases of actinic cheilitis (0.45 %); mean age 48,36 years (men 51,8 years; women 39 years). Men were affected in 72,7%; women 27,3%). In 81,8 % of the cases intensive sun exposition during life were related. 9,1 % were smokers and 9,1% used to drink chimarrão, a popular hot beverage in Bazil (tea). Keywords: Actinic cheilitis; Pre-malignant lesions; Lips. 1 Cirurgiãs-Dentistas. 2 Professora Doutora, Estomatologia e Cirurgia Bucomaxilofacial. PUCPR, Curitiba, PR, Brasil

2 Fabíola Michalak Corso et al. Introdução Queilite actínica é uma lesão benigna localizada principalmente no vermelhão do lábio inferior, resultado de excessiva exposição aos raios ultravioletas (1, 2, 3, 4, 5). É uma enfermidade que atinge principalmente pessoas sensíveis à luz, as quais têm tendência também a queimaduras solares. Indivíduos expostos cronicamente à luz solar e com baixa imunidade, especialmente pacientes transplantados, apresentam maior possibilidade de incidência de neoplasias malignas no lábio inferior (1). A queilite actínica pode apresentar-se como lesões localizadas ou difusas. As lesões, usualmente assintomáticas, são brancas, vermelhas ou brancas com áreas avermelhadas. A maioria dos casos apresenta-se na forma erosiva. À palpação, as lesões sugerem a sensação de dedo tocando com a luva uma fina camada de areia. A palpação é importante também para sugerir diferenciação entre queilite actínica e carcinoma espinocelular (2). A queilite actínica incide principalmente em indivíduos acima dos 45 anos, tendo preferência pelo sexo masculino (1), segundo alguns estudos. A alteração inicial é uma atrofia da margem do vermelhão do lábio inferior, caracterizada por uma superfície lisa, com manchas esbranquiçadas. A área de transição entre o vermelhão e a pele torna-se difusa, perdendo o limite preciso do lábio (1, 6). Com a progressão da lesão, áreas ásperas, escamosas e secas surgem no vermelhão do lábio inferior. Essas áreas tornam-se espessas e tendem a surgir lesões leucoplásicas, especialmente quando se expandem próximo à região úmida do lábio. O paciente relata que as escamas presentes no lábio destacam-se com certa dificuldade e a pele renova-se em poucos dias (6). Com a evolução da doença, úlceras crônicas se desenvolvem num ou mais locais, especialmente onde há íntimo contato com o calor do cigarro nos fumantes. Estas ulcerações podem durar meses e sugerem evolução para carcinoma de células escamosas (2, 4, 6). Microscopicamente, a queilite actínica é caracterizada por um epitélio estratificado escamoso atrófico, com produção de queratina. Varias áreas de epitélio displásicos podem ser encontradas. Subjacente ao epitélio displásico, encontram-se células inflamatórias crônicas infiltradas. O tecido conjuntivo apresenta uma faixa atrófica, acelular e basófila. Sob ação dos raios ultravioleta, ocorrem alterações no colágeno e fibras elásticas (6). Apesar de algumas alterações vistas na queilite actínica serem irreversíveis, os pacientes devem ser orientados a usar protetores labiais contra os raios ultravioletas para prevenir futuros danos. Áreas endurecidas e ulceradas ou leucoplásicas devem ser submetidas à biópsia. Em casos clínicos severos, com ausência de malignidade, a vermelhectomia deve ser executada. Tratamentos alternativos podem ser úteis, como o laser de CO 2 e eletrocautério. Recomenda-se o acompanhamento a longo prazo. Transformações malignas dificilmente acometem pessoas com menos de 60 anos de idade, apresentando desenvolvimento lento e metástases somente em estágios avançado (1). Kaugars, Pillion e Svirsky (4) concluíram que cinco variáveis histológicas estão positivamente correlacionadas com aumento de estádios de mudanças do epitélio: acantose, mudanças basófilas no tecido conjuntivo, presença de inflamação no tecido conjuntivo, inflamação perivascular, e espessamento na camada de ceratina. Nenhuma das variáveis clínicas estava associada com o aumento do estádio de mudança epitelial. O estudo de Markopoulos, Albanidou- Farmaki, Kayavis (2) demonstrou que a idade média na época do diagnóstico era de 53,1 +/- anos 11.4 anos. Trinta e nove pacientes (60%) usavam tabaco de alguma forma. Uma ocupação ao ar livre foi identificada em 43 (66,2) pacientes. Todas as lesões foram localizadas em lábio inferior. Ocorrem três formas: lesão branca não ulcerada (29%); erosão ou úlcera do lábio (48%); mistura de lesão branca e ulcerada (23%). Microscopicamente, apresentaram aumento de espessura da camada de queratina, alterações na espessura da camada espinocelular, displasia epitelial, mudança no tecido conjuntivo, inflamação perivascular e mudanças basofílicas do tecido conjuntivo. Em 11 casos (16,9%), a presença de células neoplásicas foi observada. O objetivo deste estudo foi de avaliar a prevalência da queilite actínica na Clínica de Estomatologia da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), entre janeiro de 2000 a dezembro de

3 Casuística e método Este estudo é caracterizado como pesquisa descritiva correlacional (7). A população analisada foi de pacientes, tendo sido encontrados 11 pacientes com queilite actínica, com idade média de 48,6 anos, de ambos os sexos. Para a coleta de dados, foram analisados os arquivos com os laudos das biópsias realizadas entre janeiro de 2000 a dezembro de 2006, da Clínica de Estomatologia da PUCPR. Os laudos de queilite actínica foram destacados e retiradas as informações necessárias para as variáveis do estudo. Para o tratamento estatístico, os dados foram analisados por estatística descritiva (média, desvio-padrão e freqüência) e correlação de Spearman para verificar a correlação das variáveis com os diferentes sexos, com nível de significância de p<0,05. O programa empregado foi o SPSS Resultados Em casos biopsiados, foram diagnosticados 11 casos de queilite actínica, representando 0,45% do total. Os resultados são apresentados nas Tabelas I a VII. Tabela 1 - Idade e sexo Variável N Média Desvio-Padrão Idade 11 48,36 11,18 Sexo Masculino 08 51,8 9,5 Sexo Feminino ,1 Tabela 2 - Fumantes Fumante 6 54,5 Não fumante 5 45,5 Tabela 3 - Valores descritivos de etilistas Etilista 3 27,3 Não etilista 8 72,7 Tabela 4 - Valores descritivos de células inflamatórias Com células inflamatórias 6 54,5 Sem células inflamatórias 5 45,5 279

4 Fabíola Michalak Corso et al. Tabela 5 - Valores descritivos de degeneração das fibras colágenas. Com degeneração 4 36,4 Sem degeneração 7 63,6 Tabela 6 - Valores descritivos de hiperceratose. Com hiperceratose 3 27,3 Sem hiperceratose 8 72,7 Tabela 7 - Correlação entre células inflamatórias e degeneração de fibras colágenas. Variáveis Spearmann Significância R Sexo X Epitélio Atrófico -0,261 0,438 Sexo X Célula Inflamatória -0,149 0,662 Sexo X Hiperceratose -0,083 0,808 Sexo X Degeneração -0,386 0,241 Epitélio Atrófico X Célula Inflamatória 0,100 0,770 Epitélio Atrófico X Hiperceratose 0,261 0,438 Epitélio Atrófico X Degeneração 0,449 0,166 Célula Inflamatória X Hiperceratose 0,149 0,662 Célula Inflamatória X Degeneração 0,690 * 0,019 Hiperceratose X Degeneração 0,386 0,241 Correlação moderada, p<0,05. Idade e sexo A idade média dos pacientes foi de 48,36 anos (p. 11,18). A idade média dos homens foi de 51,8 anos (p. 9,5) enquanto a idade média das mulheres encontrada foi de 39 anos (p. 11,1) (Tabela 1). Os homens foram afetados com maior freqüência (72,7%) em relação às mulheres (27,3%). Exposição solar e outros fatores locais nos pacientes com queilite actínica Os pacientes portadores da queilite actínica relataram exposição solar intensa em 81,8% dos casos; 9,1% eram fumantes; 9,1% usuários habituais de chimarrão. Fumantes 54,5% de pacientes eram fumantes e 45,5% não fumantes (Tabela 2). Etilismo 27,3% eram etilistas; 72,7% pacientes eram não etilistas (Tabela 3). Células inflamatórias Na análise dos laudos histopatológicos, constatou-se a presença de células inflamatórias em 54,5% dos casos biopsiados, sendo que 45,5% dos casos não apresentaram células inflamatórias (Tabela 4). 280

5 Degeneração das fibras colágenas Ocorreu degeneração em 36,4% dos casos; 63,6% foram negativos (Tabela 5). Hiperceratose Constatou-se durante a análise dos laudos histopatológicos a presença de hiperceratose em 27,3% dos casos, enquanto 72,7% dos casos não constataram esta alteração (Tabela 6). Correlação das variáveis Os resultados apresentam correlação moderada (r=0,69; p=0,019) entre as células inflamatórias e degeneração de fibras colágenas. Os outros fatores etiológicos não apresentaram correlações (Tabela 7). Constatou-se degeneração das fibras colágenas em 36,4% dos casos. De acordo com Markopoulos, Albanidou-Farmaki e Kayavis (2), esta mudança histológica é devida à substituição de colágeno por material basofílico amorfo. Hiperceratose estava presente em 27,3% e 13,8% dos casos manifestaram hiperqueratose, dado que não foi valorizado pelos autores. Porém, este achado pode significar que o dano inicial ocorre na camada basal. Houve ocorrência de células inflamatórias em 54,5% dos casos, enquanto no estudo de Kaugars, Pillion e Svirsky (4), foram encontradas células inflamatórias em 26,3%. Os resultados em geral demonstram que há correlação moderada entre a presença de células inflamatórias e degeneração de fibras colágenas, sugerindo que quanto mais avançada a doença, maior pode ser a sintomatologia dolorosa e a perda do contorno normal do vermelhão do lábio. Discussão e conclusões A idade média dos pacientes submetidos à biópsia da Clínica de Estomatologia da PUCPR foi de 48,36 anos (p. 11,18), sendo de 51,8 anos (p. 9,5) para o sexo masculino e para o feminino de 39 anos (p. 11,1). Os homens foram afetados com maior freqüência (72,7%) em relação às mulheres (27,3%). De acordo com Kaugars, Pillion, Svirsky (4), a idade média no diagnóstico em 143 pacientes foi 61,8 anos. A idade média para homens (62 anos) era apenas um pouco maior que das mulheres, ou seja, 61,2 anos. Os homens eram mais afetados que as mulheres. Portanto a amostra estudada apresenta os mesmos valores quanto à variável sexo; a variável idade na amostra estudada é muito menor (homens, cerca de uma década; para mulheres, duas décadas). De acordo com Markopoulos, Albanidou- Farmaki e Kayavis (2), a maioria desses pacientes era homens na faixa dos 50 anos. Esta média e freqüência foram equivalentes aos resultados deste trabalho. Os pacientes relataram exposição solar constante em 81,8% dos casos; fumantes em 9,1% e usuários habituais de chimarrão 9,1%. Não foi possível comparar com outros estudos em virtude do pequeno número de pacientes no presente estudo. Referências 1. Neville, BW. Oral & Maxillofacial Pathology. 2 nd ed. Philadelphia: W. B. Saunders; Markopoulos A, Albanidou-Farmaki E, Kayavis I. Actinic cheilitis: clinical and pathologic characteristics in 65 cases. Oral Diseases. 2004; 10: Rojas IG, Martinez A, Pineda A, Spencer ML, Jimenez MI, Rudolph MI. Increased mast cell density and protease content in actinic cheilitis. J Oral Pathol Med. 2004; 33: Kaugars GE, Pillion T, Svirsky JA, Page DG, Burns JC, Abbey LM. Actimic cheilitis Review of 152 cases. O Surgery O Medicine O Pathology O. Radiol Endod. 1999; 88(2): NicoIinic S, Ascorra C, Guzman C, Latife AV. Actinic cheitis in Quinta fishing workers: prevalence and associated histopatological aspects. Odontol Chil. 1989; 37: Main JHP, Pavone M. Actinic cheilitis and carcinoma of the lip. J Can Dent Assoc. 1994; 60: Thomas JR, Nelson JK. Métodos de pesquisa em atividade física. 3 rd ed. Porto Alegre: Artmed; Recebido em: 15/3/2006. Aceito em: 15/4/2006. Received in: 3/15/2006. Accepted in: 4/15/

Lesões e Condições Pré-neoplásicas da Cavidade Oral

Lesões e Condições Pré-neoplásicas da Cavidade Oral Disciplina: Semiologia Lesões e Condições Pré-neoplásicas da Cavidade Oral PARTE Parte 12 http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 2012 LESÕES E CONDIÇÕES CANCERIZÁVEIS DA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO LESÕES CANCERIZÁVEIS DA BOCA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO LESÕES CANCERIZÁVEIS DA BOCA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO LESÕES CANCERIZÁVEIS DA BOCA Ubiranei Oliveira Silva INTRODUÇÃO Conceitos de Lesão e Condição Cancerizável Lesão cancerizável (pré-câncer, prémalignidade)

Leia mais

DESORDENS POTENCIALMENTE MALIGNAS

DESORDENS POTENCIALMENTE MALIGNAS GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA! Disciplina: Patologia Bucal 4º e 5º períodos DESORDENS POTENCIALMENTE MALIGNAS http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2013 DESORDENS POTENCIALMENTE

Leia mais

LESÕES POTENCIALMENTE MALIGNAS: A IMPORTÂNCIA DO DIAGNÓSTICO PRECOCE NA PREVENÇÃO DO CÂNCER BUCAL

LESÕES POTENCIALMENTE MALIGNAS: A IMPORTÂNCIA DO DIAGNÓSTICO PRECOCE NA PREVENÇÃO DO CÂNCER BUCAL 1182 LESÕES POTENCIALMENTE MALIGNAS: A IMPORTÂNCIA DO DIAGNÓSTICO PRECOCE NA PREVENÇÃO DO CÂNCER BUCAL Caroline Ferreira1; Maria Ramos2; 1. Bolsista FAPESB, Graduanda do curso de Odontologia, Universidade

Leia mais

Estudo histológico e histoquímico da elastose solar em lesões de queilite actínica

Estudo histológico e histoquímico da elastose solar em lesões de queilite actínica 152 Estudo histológico e histoquímico da elastose solar em lesões de queilite actínica Caliandra Pinto Araújo * Adna Conceição Barros* Antônio Adilson Soares de Lima ** Roberto Almeida de Azevedo *** Luciana

Leia mais

FLÁVIA SIROTHEAU CORRÊA PONTES*, HELDER ANTÔNIO REBELO PONTES*, CRISTIANE GUEDES FEITOSA**, NATHÁLIA RIBEIRO CUNHA**, LARISSA HABER JEHA** INTRODUÇÃO

FLÁVIA SIROTHEAU CORRÊA PONTES*, HELDER ANTÔNIO REBELO PONTES*, CRISTIANE GUEDES FEITOSA**, NATHÁLIA RIBEIRO CUNHA**, LARISSA HABER JEHA** INTRODUÇÃO Carcinoma epidermóide caso clínico FLÁVIA SIROTHEAU CORRÊA PONTES*, HELDER ANTÔNIO REBELO PONTES*, CRISTIANE GUEDES FEITOSA**, NATHÁLIA RIBEIRO CUNHA**, LARISSA HABER JEHA** RESUMO É apresentado um caso

Leia mais

Lesões pré-cancerizáveis da boca: Revista de Literatura. Fernando Vacilotto Gomes 1

Lesões pré-cancerizáveis da boca: Revista de Literatura. Fernando Vacilotto Gomes 1 Lesões pré-cancerizáveis da boca: Revista de Literatura Fernando Vacilotto Gomes 1 1 Cirurgião-Dentista, Cirurgião e Traumatologista Buco-Maxilo-Faciais (PUCRS). Mestre em Odontologia/CTBMF pela Universidade

Leia mais

Tratamento cirúrgico da queilose actínica

Tratamento cirúrgico da queilose actínica CLÍNICO CLINICAL Tratamento cirúrgico da queilose actínica Surgical treatment of actinic cheilitis Paulo César Rodrigues VÉO 1 Rogério Estevam FARIAS 2 Raquel Simões Silva STEHLING 3 Eduardo Stehling URBANO

Leia mais

Key words: Mouth Neoplasms; Oral Medicine; Head and Neck Neoplasms.

Key words: Mouth Neoplasms; Oral Medicine; Head and Neck Neoplasms. Artigo de Revisão Lesões potencialmente malignas da cavidade oral: revisão da literatura Potencially malignant oral lesions: literature review Adriana Torres da Silva 1 Sérgio Edriane Rezende 2 Resumo

Leia mais

Imagem da Semana: Ressonância nuclear magnética

Imagem da Semana: Ressonância nuclear magnética Imagem da Semana: Ressonância nuclear magnética Imagem 01. Ressonância Margnética do Abdomen Imagem 02. Angiorressonância Abdominal Paciente masculino, 54 anos, obeso, assintomático, em acompanhamento

Leia mais

PELE. Informe-se. Previna-se.

PELE. Informe-se. Previna-se. PELE Informe-se. Previna-se. Sobre o câncer de pele Tumores de pele são os mais frequentes na população brasileira e, segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA), são estimados no Brasil mais de 180

Leia mais

DIAGNÓSTICO CLÍNICO E HISTOPATOLÓGICO DE NEOPLASMAS CUTÂNEOS EM CÃES E GATOS ATENDIDOS NA ROTINA CLÍNICA DO HOSPITAL VETERINÁRIO DA UNIVIÇOSA 1

DIAGNÓSTICO CLÍNICO E HISTOPATOLÓGICO DE NEOPLASMAS CUTÂNEOS EM CÃES E GATOS ATENDIDOS NA ROTINA CLÍNICA DO HOSPITAL VETERINÁRIO DA UNIVIÇOSA 1 361 DIAGNÓSTICO CLÍNICO E HISTOPATOLÓGICO DE NEOPLASMAS CUTÂNEOS EM CÃES E GATOS ATENDIDOS NA ROTINA CLÍNICA DO HOSPITAL VETERINÁRIO DA UNIVIÇOSA 1 Márcia Suelen Bento 2, Marcelo Oliveira Chamelete 3,

Leia mais

ESTUDO DA PREVALÊNCIA DE ALTERAÇÕES LABIAIS EM PESCADORES DA ILHA DE SANTA CATARINA*

ESTUDO DA PREVALÊNCIA DE ALTERAÇÕES LABIAIS EM PESCADORES DA ILHA DE SANTA CATARINA* ARTIGO ESTUDO DA PREVALÊNCIA DE ALTERAÇÕES LABIAIS EM PESCADORES DA ILHA DE SANTA CATARINA* PREVALENCE OF LIPS PATHOLOGIES IN FISHERMEN OF SANTA CATARINA ISLAND Silva, Fabrício Dorigon da** Daniel, Filipe

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DO EFEITO DO FUMO DE MASCAR NAS CARACTERÍSTICAS SALIVARES E CONDIÇÃO PERIODONTAL

TÍTULO: AVALIAÇÃO DO EFEITO DO FUMO DE MASCAR NAS CARACTERÍSTICAS SALIVARES E CONDIÇÃO PERIODONTAL Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: AVALIAÇÃO DO EFEITO DO FUMO DE MASCAR NAS CARACTERÍSTICAS SALIVARES E CONDIÇÃO PERIODONTAL CATEGORIA:

Leia mais

Patologia Buco Dental Prof. Dr. Renato Rossi Jr.

Patologia Buco Dental Prof. Dr. Renato Rossi Jr. Cistos Odontogênicos Introdução Os cistos derivados dos tecidos odontogênicos são caracterizados como lesões de extraordinária variedade. O complexo desenvolvimento das estruturas dentárias é refletido

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Liga de Cirurgia de Cabeça e Pescoço. Jônatas Catunda de Freitas

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Liga de Cirurgia de Cabeça e Pescoço. Jônatas Catunda de Freitas Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Liga de Cirurgia de Cabeça e Pescoço Jônatas Catunda de Freitas Fortaleza 2010 Lesões raras, acometendo principalmente mandíbula e maxila Quadro clínico

Leia mais

Protocolo de encaminhamento para estomatologia adulto

Protocolo de encaminhamento para estomatologia adulto Protocolo de encaminhamento para estomatologia adulto O protocolo de Estomatologia será publicado em breve, conforme resolução CIB/RS 764/2014. As informações solicitadas no protocolo são de presença obrigatória.

Leia mais

Cistos e cavidades pulmonares

Cistos e cavidades pulmonares Cistos e cavidades pulmonares Gustavo de Souza Portes Meirelles 1 1 Doutor em Radiologia pela Escola Paulista de Medicina UNIFESP 1 Definições Cistos e cavidades são condições em que há aumento da transparência

Leia mais

Colpocitologia Oncótica Anormal na Gestação. O exame citopatológico da cérvice é ainda o método de rastreio por excelência

Colpocitologia Oncótica Anormal na Gestação. O exame citopatológico da cérvice é ainda o método de rastreio por excelência Colpocitologia Oncótica Anormal na Gestação José Eleutério Junior O exame citopatológico da cérvice é ainda o método de rastreio por excelência para detecção de lesões pré-malignas e malignas iniciais

Leia mais

- termo utilizado para designar uma Dilatação Permanente de um. - Considerado aneurisma dilatação de mais de 50% num segmento vascular

- termo utilizado para designar uma Dilatação Permanente de um. - Considerado aneurisma dilatação de mais de 50% num segmento vascular Doenças Vasculares Aneurisma A palavra aneurisma é de origem grega e significa Alargamento. - termo utilizado para designar uma Dilatação Permanente de um segmento vascular. - Considerado aneurisma dilatação

Leia mais

Avaliação da telelaringoscopia no diagnóstico das lesões benignas da laringe

Avaliação da telelaringoscopia no diagnóstico das lesões benignas da laringe Hospital do Servidor Público Municipal de São Paulo Avaliação da telelaringoscopia no diagnóstico das lesões benignas da laringe Márcio Cavalcante Salmito SÃO PAULO 2012 Márcio Cavalcante Salmito Avaliação

Leia mais

GABARITO PROVA TEÓRICA QUESTÕES DISSERTATIVAS

GABARITO PROVA TEÓRICA QUESTÕES DISSERTATIVAS CONCURSO PARA TÍTULO DE ESPECIALISTA EM PATOLOGIA Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo SÃO PAULO/SP Departamento de Patologia, 1º andar, sala 1154 20 e 21 de MAIO DE 2016 GABARITO PROVA TEÓRICA

Leia mais

Dra Letícia Guimarães

Dra Letícia Guimarães Especialista em Dermatologia pela Sociedade Brasileira de Dermatologia Membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia Membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica Residência em Dermatologia

Leia mais

Avila ACT 1, Sartori J 2, Bello VA 3

Avila ACT 1, Sartori J 2, Bello VA 3 A construção de um protocolo de prevenção de úlcera por pressão em um hospital estadual que atende portadores de deficiência mental: relato de experiência Avila ACT 1, Sartori J 2, Bello VA 3 Introdução:

Leia mais

Caso Clínico. Paciente do sexo masculino, 41 anos. Clínica: Dor em FID e região lombar direita. HPP: Nefrolitíase. Solicitado TC de abdome.

Caso Clínico. Paciente do sexo masculino, 41 anos. Clínica: Dor em FID e região lombar direita. HPP: Nefrolitíase. Solicitado TC de abdome. Caso Clínico Paciente do sexo masculino, 41 anos. Clínica: Dor em FID e região lombar direita. HPP: Nefrolitíase. Solicitado TC de abdome. Apendicite.

Leia mais

SISTEMA TEGUMENTAR. Pele e anexos. Pele e anexos Funções. Pele e anexos 5/5/2012

SISTEMA TEGUMENTAR. Pele e anexos. Pele e anexos Funções. Pele e anexos 5/5/2012 SISTEMA TEGUMENTAR SISTEMA TEGUMENTAR Origem: Ectodérmica Epiderme Mesodérmica Derme Hipoderme Pele: epiderme, derme e hipoderme Anexos: pêlos; unhas, cascos e garras; glândulas sudoríparas e sebáceas.

Leia mais

Cromoscopia com corantes - maio 2016 Por Felipe Paludo Salles - Endoscopia Terapêutica -

Cromoscopia com corantes - maio 2016 Por Felipe Paludo Salles - Endoscopia Terapêutica - Corantes Classificação: 1- Corantes de absorção ou vitais (azul de metileno, violeta de genciana, lugol) 2- Corantes de contraste (índigo carmin) 3- Corantes químicos ou reativos (vermelho-congo, ácido

Leia mais

ENVELHECIMENTO. Definições do Envelhecimento, Acne e Lesões de conteúdo liquido. Envelhecimento cutâneo. Envelhecimento Intrínseco (fisiológico)

ENVELHECIMENTO. Definições do Envelhecimento, Acne e Lesões de conteúdo liquido. Envelhecimento cutâneo. Envelhecimento Intrínseco (fisiológico) Definições do Envelhecimento, Acne e Lesões de conteúdo liquido ENVELHECIMENTO Envelhecimento cutâneo O conceito de beleza atualmente em vigor e procurado pela grande maioria das pessoas é o da pele jovem,

Leia mais

Microdermoabrasão

Microdermoabrasão Microdermoabrasão A microdermoabrasão é um dos procedimentos cosméticos mais populares e não invasivos realizados atualmente. Com o tempo, fatores como envelhecimento, fatores genéticos, danos causados

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE O RESULTADO DO EXAME PAPANICOLAOU E A REPRESENTATIVIDADE DA JUNÇÃO ESCAMO-COLUNAR

RELAÇÃO ENTRE O RESULTADO DO EXAME PAPANICOLAOU E A REPRESENTATIVIDADE DA JUNÇÃO ESCAMO-COLUNAR RELAÇÃO ENTRE O RESULTADO DO EXAME PAPANICOLAOU E A REPRESENTATIVIDADE DA JUNÇÃO ESCAMOCOLUNAR CERBARO, Kamila 1 ; ROSA, Jéssica 2 ; CORADINI, Lidiane 3 ; COSER, Janaina 4 ; HANSEN, Dinara 4 ; GARCES,

Leia mais

Artigo Original TRATAMENTO DO CÂNCER DE CABEÇA E PESCOÇO NO IDOSO ACIMA DE 80 ANOS

Artigo Original TRATAMENTO DO CÂNCER DE CABEÇA E PESCOÇO NO IDOSO ACIMA DE 80 ANOS Artigo Original TRATAMENTO DO CÂNCER DE CABEÇA E PESCOÇO NO IDOSO ACIMA DE 80 ANOS HEAD AND NECK CANCER TREATMENT IN ELDERLY PATIENTS OVER 80 YEARS OLD 1,4,6 TERENCE PIRES DE FARIAS 5 GABRIEL MANFRO 1,2,3

Leia mais

Capítulo 2 Aspectos Histológicos

Capítulo 2 Aspectos Histológicos 5 Capítulo 2 Aspectos Histológicos Alguns conceitos básicos sobre histologia humana, a caracterização dos tecidos, a regeneração e reparação dos mesmos em lesões e a cicatrização de feridas são aspectos

Leia mais

22 - Como se diagnostica um câncer? nódulos Nódulos: Endoscopia digestiva alta e colonoscopia

22 - Como se diagnostica um câncer? nódulos Nódulos: Endoscopia digestiva alta e colonoscopia 22 - Como se diagnostica um câncer? Antes de responder tecnicamente sobre métodos usados para o diagnóstico do câncer, é importante destacar como se suspeita de sua presença. As situações mais comuns que

Leia mais

METODOLOGIA DO EXAME CLÍNICO

METODOLOGIA DO EXAME CLÍNICO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA 3 o e 4 o Períodos Disciplina: SEMIOLOGIA METODOLOGIA DO EXAME CLÍNICO Parte I Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira http://lucinei.wikispaces.com 2014 Levantamentos Epidemiológicos

Leia mais

DOS TECIDOS BUCAIS. Periodontopatias. Pulpopatias. Periapicopatias TIPOS: -INCIPIENTE -CRÔNICA -HIPERPLÁSICA. Causada pelo biofilme bacteriano

DOS TECIDOS BUCAIS. Periodontopatias. Pulpopatias. Periapicopatias TIPOS: -INCIPIENTE -CRÔNICA -HIPERPLÁSICA. Causada pelo biofilme bacteriano LESÕES INFLAMATÓRIAS DOS TECIDOS BUCAIS PERIODONTOPATIAS PERIODONTOPATIAS DOENÇAS DO PERIODONTO Periodontopatias Pulpopatias Periapicopatias Inflamação limitada aos tecidos moles que circundam os dentes(tec.peridentais).

Leia mais

Lívia Souza de Castro, Maria de Fátima Nunes, Sandra Lúcia Ventorin von Zeidler, Rejane Faria Ribeiro-Rotta

Lívia Souza de Castro, Maria de Fátima Nunes, Sandra Lúcia Ventorin von Zeidler, Rejane Faria Ribeiro-Rotta Análise histopatológica das lâminas com diagnóstico de leucoplasia arquivadas no Laboratório de Patologia Bucal da Faculdade de Odontologia da Universidade Federal de Goiás Lívia Souza de Castro, Maria

Leia mais

DEGENERAÇÃO MACULAR RELACIONADA A IDADE. A degeneração macular relacionada à idade (DMRI) é a doença

DEGENERAÇÃO MACULAR RELACIONADA A IDADE. A degeneração macular relacionada à idade (DMRI) é a doença DEGENERAÇÃO MACULAR RELACIONADA A IDADE Paulo Augusto de Arruda Mello Filho INTRODUÇÃO A degeneração macular relacionada à idade (DMRI) é a doença ocular que acomete as regiões da retina e coróide responsáveis

Leia mais

OCORRÊNCIA DE ANTECEDENTES FAMILIARES EM PACIENTES COM DISTÚRBIOS DO MOVIMENTO DO HOSPITAL DAS CLÍNICAS NO ESTADO DE GOIÁS

OCORRÊNCIA DE ANTECEDENTES FAMILIARES EM PACIENTES COM DISTÚRBIOS DO MOVIMENTO DO HOSPITAL DAS CLÍNICAS NO ESTADO DE GOIÁS Introdução: Os distúrbios do movimento (DM) englobam doenças agudas e crônicas caracterizadas por movimentos involuntários e/ou perda do controle ou eficiência em movimentos voluntários. DM são diversos

Leia mais

Journal Club (set/2010)

Journal Club (set/2010) Journal Club (set/2010) van Werven et al Academic Medical Center University of Amsterdam Netherland Thiago Franchi Nunes Orientador: Dr. Rogério Caldana Escola Paulista de Medicina Universidade Federal

Leia mais

VARIAÇÕES FISIOLÓGICAS DA PRESSÃO DO LÍQUIDO CEFALORRAQUEANO NA CISTERNA MAGNA

VARIAÇÕES FISIOLÓGICAS DA PRESSÃO DO LÍQUIDO CEFALORRAQUEANO NA CISTERNA MAGNA VARIAÇÕES FISIOLÓGICAS DA PRESSÃO DO LÍQUIDO CEFALORRAQUEANO NA CISTERNA MAGNA A. SPINA-FRANÇA * A pressão normal do líquido cefalorraqueano (LCR) ao nível do fundo de saco lombar varia entre 7 e 18 cm

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Colo do Útero, Anticoncepcionais, Teste de Papanicolaou.

PALAVRAS-CHAVE Colo do Útero, Anticoncepcionais, Teste de Papanicolaou. 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE

Leia mais

TUMORES DE PELE E TECIDO SUBCUTÂNEO EM CÃES E GATOS

TUMORES DE PELE E TECIDO SUBCUTÂNEO EM CÃES E GATOS TUMORES DE PELE E TECIDO SUBCUTÂNEO EM CÃES E GATOS Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria INTRODUÇÃO AOS TUMORES DE

Leia mais

PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO DE PACIENTES COM ESCLEROSE MÚLTIPLA EM GOIÂNIA, GO, BRASIL.

PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO DE PACIENTES COM ESCLEROSE MÚLTIPLA EM GOIÂNIA, GO, BRASIL. Introdução: A Esclerose Múltipla (EM) é uma doença desmielinizante, progressiva, crônica que atinge o sistema nervoso central. Essa desmielinização afeta as fibras nervosas do cérebro e da medula espinhal

Leia mais

PULPOPATIAS 30/08/2011

PULPOPATIAS 30/08/2011 Funções da polpa PULPOPATIAS Produtora Nutrição Sensorial Protetora Biologicamente, é a dentina que forma a maior parte do dente e mantém íntima relação com a polpa dental, da qual depende para sua formação

Leia mais

Imagem da Semana: Fotografia

Imagem da Semana: Fotografia Imagem da Semana: Fotografia Imagem: Conjuntiva bulbar do olho direito Paciente feminina, faioderma, 24 anos, residente em Belo Horizonte (MG), sem sintomas oculares prévios, queixa aparecimento de manchas

Leia mais

ADENOMA PLEOMÓRFICO: DESAFIOS DO TRATAMENTO A Propósito de Um Caso Clínico

ADENOMA PLEOMÓRFICO: DESAFIOS DO TRATAMENTO A Propósito de Um Caso Clínico Serviço de Radioterapia Directora de Serviço: Dra. Gabriela Pinto ADENOMA PLEOMÓRFICO: DESAFIOS DO TRATAMENTO A Propósito de Um Caso Clínico Rita da Costa Lago / Darlene Rodrigues / Joana Pinheiro / Lurdes

Leia mais

NÓDULO PULMONAR SOLITÁRIO

NÓDULO PULMONAR SOLITÁRIO Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Medicina Hospital São Lucas SERVIÇO DE CIRURGIA TORÁCICA José Antônio de Figueiredo Pinto DEFINIÇÃO Lesão arredondada, menor que 3.0 cm

Leia mais

Conheça! TimeWise Repair

Conheça! TimeWise Repair Conheça! imewise Repair Inovação e Tecnologia da Mary Kay em cuidados com a pele Com o passar dos anos, os processos naturais da pele desaceleram. Ocorre a perda de volume, a produção de colágeno e elastina

Leia mais

É um nódulo pulmonar?

É um nódulo pulmonar? Avaliação dos Pequenos Nódulos Pulmonares Alexandre Dias Mançano Radiologia Anchieta Hospital Regional de Taguatinga DF É um nódulo pulmonar? Até 20% são imagens que mimetizam nódulos ao RX Fratura de

Leia mais

15/10/2010. Pele: um dos maiores órgãos do corpo humano = 16% do peso corporal.

15/10/2010. Pele: um dos maiores órgãos do corpo humano = 16% do peso corporal. Recobre cerca de 75000 cm²; Peso de 3/4.5 kg; Recebe 1/3 do sangue; Mede de 1 a 2 mm de espessura; É impermeável, elástica, áspera e regenerativa. EPIDERME DERME TECIDO SUBCUTÂNEO ANEXOS: Glândulas sebáceas

Leia mais

Câncer do Laringe. Revisão Anatômica Dados Epidemiológicos Etiologia Fatores de Risco Diagnóstico Estadiamento Tratamento Rehabilitação

Câncer do Laringe. Revisão Anatômica Dados Epidemiológicos Etiologia Fatores de Risco Diagnóstico Estadiamento Tratamento Rehabilitação Câncer do Laringe Revisão Anatômica Dados Epidemiológicos Etiologia Fatores de Risco Diagnóstico Estadiamento Tratamento Rehabilitação Prof. Dr. Luiz Roberto de Oliveira - 2004 Revisão Anatômica Divisão

Leia mais

Rogério Muniz de Andrade Gisele Mussi Ricardo Baccarelli Carvalho Lys Esther Rocha

Rogério Muniz de Andrade Gisele Mussi Ricardo Baccarelli Carvalho Lys Esther Rocha Rogério Muniz de Andrade Gisele Mussi Ricardo Baccarelli Carvalho Lys Esther Rocha SERVIÇO DE SAÚDE OCUPACIONAL Hospital das Clínicas da FMUSP Instituto Central, Prédio dos Ambulatórios, 4º. Andar, Bloco

Leia mais

Aluna: Bianca Doimo Sousa Orientador: Prof. Dr. Jaques Waisberg. Hospital do Servidor Público Estadual

Aluna: Bianca Doimo Sousa Orientador: Prof. Dr. Jaques Waisberg. Hospital do Servidor Público Estadual Hospital do Servidor Público Estadual Programa de Iniciação Científica em Gastroenterologia Cirúrgica EXPRESSÃO IMUNO-HISTOQUÍMICA DO RECEPTOR DE FATOR DE CRESCIMENTO EPIDÉRMICO (EGFR) NO CARCINOMA COLORRETAL:

Leia mais

Características endoscópicas dos tumores neuroendócrinos retais podem prever metástases linfonodais? - julho 2016

Características endoscópicas dos tumores neuroendócrinos retais podem prever metástases linfonodais? - julho 2016 A incidência de tumores neuroendócrinos (TNE) retais tem aumentado ao longo dos últimos 35 anos. A maioria dos TNEs retais são diagnosticados por acaso, provavelmente devido ao aumento do número de sigmoidoscopias

Leia mais

Revista da Graduação

Revista da Graduação Revista da Graduação Vol. 5 No. 2 2012 20 Seção: Faculdade de Odontologia Título: NEOPLASIAS MALIGNAS DA CAVIDADE BUCAL: levantamento dos pacientes diagnosticados ou tratados em um hospital de referência

Leia mais

RESUMO UNITERMOS INTRODUÇÃO

RESUMO UNITERMOS INTRODUÇÃO Perfil epidemiológico dos casos de líquen plano oral pertencentes aos arquivos da disciplina de patologia bucal da Faculdade de Odontologia de São José dos Campos UNESP Oral lichen planus cases epidemic

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE lesões de tireóide, citologia, ultrassonografia, epidemiologia.

PALAVRAS-CHAVE lesões de tireóide, citologia, ultrassonografia, epidemiologia. 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE

Leia mais

Ficha de Recolha de Dados

Ficha de Recolha de Dados Ficha de Recolha de Dados Estudo da prevalência de utilização de protetores bucais intraorais no âmbito de uma amostra populacional de praticantes de Muay Thai Este questionário será usado como parte integrante

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ODONTOLOGIA ORION LUIZ HAAS JUNIOR. Porto Alegre, 2009

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ODONTOLOGIA ORION LUIZ HAAS JUNIOR. Porto Alegre, 2009 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ODONTOLOGIA ORION LUIZ HAAS JUNIOR DEFINIÇÃO DO GRUPO DE RISCO PARA LEUCOPLASIAS BUCAIS: ESTUDO RETROSPECTIVO ENTRE OS ANOS DE 1999 E 2009 Porto

Leia mais

Úlceras de Perna. Definição Epidemiologia Etiologia Manifestações Clínicas Diagnóstico Diferencial Tratamento 2015 ENF.

Úlceras de Perna. Definição Epidemiologia Etiologia Manifestações Clínicas Diagnóstico Diferencial Tratamento 2015 ENF. ÚLCERAS DE PERNA Úlceras de Perna Definição Epidemiologia Etiologia Manifestações Clínicas Diagnóstico Diferencial Tratamento 2015 ENF.ª MARTA MIRANDA 2 2015 ENF.ª MARTA MIRANDA 3 2015 ENF.ª MARTA MIRANDA

Leia mais

- Descrito na década de 70, mas com aumento constante na incidência desde os anos 90

- Descrito na década de 70, mas com aumento constante na incidência desde os anos 90 INTRODUÇÃO - Descrito na década de 70, mas com aumento constante na incidência desde os anos 90 - Caracterizada pela infiltração de eosinófilos na mucosa esofágica - Pode ser isolada ou como manifestação

Leia mais

A pesquisa que chegou a essa conclusão tem o objetivo de explicar a razão de alguns. tecidos do corpo serem mais vulneráveis ao câncer do que outros.

A pesquisa que chegou a essa conclusão tem o objetivo de explicar a razão de alguns. tecidos do corpo serem mais vulneráveis ao câncer do que outros. Pesquisa diz que \'má sorte\' é causa da maioria dos tipos de câncer A ocorrência da maior parte dos tipos de câncer pode ser atribuída mais à \"má sorte\" do que a fatores de risco conhecidos, como o

Leia mais

MORBIMORTALIDADE DA POPULAÇÃO IDOSA DE JOÃO PESSOA- PB

MORBIMORTALIDADE DA POPULAÇÃO IDOSA DE JOÃO PESSOA- PB MORBIMORTALIDADE DA POPULAÇÃO IDOSA DE JOÃO PESSOA- PB Silmery da Silva Brito- UFPB- silmery_ce@hotmail.com Regiane Fixina de Lucena UEPB regi.rfl@bol.com.br Joyce Lane Braz Virgolino- UFPB- joyce.lane@hotmail.com

Leia mais

aula 12: estudos de coorte estudos de caso-controle

aula 12: estudos de coorte estudos de caso-controle ACH-1043 Epidemiologia e Microbiologia aula 12: estudos de coorte estudos de caso-controle Helene Mariko Ueno papoula@usp.br Estudo epidemiológico observacional experimental dados agregados dados individuais

Leia mais

KAREN ZAVARO BALASSIANO

KAREN ZAVARO BALASSIANO KAREN ZAVARO BALASSIANO ESTUDO COMPARATIIVO DA EXPRESSÃO IIMUNO--HIISTOQUÍÍMIICA DAS PROTEÍÍNAS Bcll--2,, p53,, CASPASE--3 E Kii--67 EM HIIPERPLASIIAS FIIBROSAS IINFLAMATÓRIIAS,, QUEIILIITES ACTÍÍNIICAS

Leia mais

Yara Furtado Professora Adjunta UFRJ/UNIRIO Chefe do Ambulatório de Patologia Cervical IG/UFRJ e HUGG Presidente ABPTGIC Capítulo RJ Secretária

Yara Furtado Professora Adjunta UFRJ/UNIRIO Chefe do Ambulatório de Patologia Cervical IG/UFRJ e HUGG Presidente ABPTGIC Capítulo RJ Secretária Yara Furtado Professora Adjunta UFRJ/UNIRIO Chefe do Ambulatório de Patologia Cervical IG/UFRJ e HUGG Presidente ABPTGIC Capítulo RJ Secretária Adjunta ABPTGIC ASC-US e ASC-H Significado clínico Sistema

Leia mais

Avaliação do Índice Apoptótico em Adenomas Pleomórficos de Glândulas Salivares

Avaliação do Índice Apoptótico em Adenomas Pleomórficos de Glândulas Salivares PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Faculdade de Odontologia Avaliação do Índice Apoptótico em Adenomas Pleomórficos de Glândulas Salivares Paulo César de Lacerda Dantas Belo Horizonte- MG

Leia mais

Tecido conjuntivo de preenchimento. Pele

Tecido conjuntivo de preenchimento. Pele Tecido conjuntivo de preenchimento Pele derme epiderme Pele papila dérmica crista epidérmica corte histológico da pele observado em microscopia de luz Camadas da Epiderme proliferação e diferenciação dos

Leia mais

Cirurgia Micrográfica de Mohs

Cirurgia Micrográfica de Mohs Cirurgia Micrográfica de Mohs O câncer de pele está cada vez mais predominante, e estima-se que cerca de 20% da população mundial desenvolverá câncer de pele em sua vida. Felizmente, o câncer de pele tem

Leia mais

LESÕES ORAIS DIAGNOSTICADAS NA CLÍNICA DE ESTOMATOLOGIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS/UNIMONTES

LESÕES ORAIS DIAGNOSTICADAS NA CLÍNICA DE ESTOMATOLOGIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS/UNIMONTES Montes Claros, v. 17, n.1 - jan./jun. 2015. (ISSN 2236-5257) REVISTA UNIMONTES CIENTÍFICA LESÕES ORAIS DIAGNOSTICADAS NA CLÍNICA DE ESTOMATOLOGIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS/UNIMONTES Oral

Leia mais

Curso Teórico Prático para Profissionais de Saúde em Ações de Prevenção do Câncer de Colo Uterino e de Mama

Curso Teórico Prático para Profissionais de Saúde em Ações de Prevenção do Câncer de Colo Uterino e de Mama SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENADORIA REGIONAL DE SAÚDE LESTE RH / DESENVOLVIMENTO 1 DENOMINAÇÃO Curso Teórico Prático para Profissionais de Saúde em Ações de Prevenção do Câncer de Colo Uterino

Leia mais

SOBRECARGA DO CUIDADOR DE DEMÊNCIA FRONTOTEMPORAL E DOENÇA DE ALZHEIMER.

SOBRECARGA DO CUIDADOR DE DEMÊNCIA FRONTOTEMPORAL E DOENÇA DE ALZHEIMER. Introdução: A visão tradicional da demência é que as características mais importantes para acurácia do diagnóstico e conduta são o declínio cognitivo e o déficit funcional. Os sintomas comportamentais

Leia mais

IMPACTO DA ARTROPLASTIA TOTAL DE QUADRIL SOBRE A QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS PORTADORES DE ARTROSE INCAPACITANTE.

IMPACTO DA ARTROPLASTIA TOTAL DE QUADRIL SOBRE A QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS PORTADORES DE ARTROSE INCAPACITANTE. CARLA CARVALHO HORN IMPACTO DA ARTROPLASTIA TOTAL DE QUADRIL SOBRE A QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS PORTADORES DE ARTROSE INCAPACITANTE. Dissertação de Mestrado em Gerontologia Biomédica Para a obtenção do

Leia mais

RADIOTERAPIA ESTEREOTÁXICA CORPÓREA

RADIOTERAPIA ESTEREOTÁXICA CORPÓREA RADIOTERAPIA ESTEREOTÁXICA CORPÓREA Bases da Radioterapia Tipos de Radioterapia Efeitos Colaterais Enf. Alexandre Barros Departamento de Radioterapia Hospital Israelita Albert Einstein - SP Paciente :

Leia mais

SABER MAIS SOBRE DEGENERESCÊNCIA MACULAR RELACIONADA COM A IDADE

SABER MAIS SOBRE DEGENERESCÊNCIA MACULAR RELACIONADA COM A IDADE SABER MAIS SOBRE DEGENERESCÊNCIA MACULAR RELACIONADA COM A IDADE FICHA TÉCNICA EDIÇÃO Clínicas Leite, Lda Ver. 01 / Jan 2016 REDAÇÃO/DOCUMENTAÇÃO Mariana Coimbra (Marketing e Comunicação) 1 DEGENERESCÊNCIA

Leia mais

Líquen plano bucal. Oral lichen planus. Artigo de Caso Clínico. Resumo. Abstract. Introdução

Líquen plano bucal. Oral lichen planus. Artigo de Caso Clínico. Resumo. Abstract. Introdução ISSN 1806-7727 Artigo de Caso Clínico Oral lichen planus Hanny Paula Rodrigues MARTINS* Gabriele Apoluceno de SOUZA* Elídio RODRIGUES NETO** Roberta Francisca Martins CASTRO*** Endereço para correspondência:

Leia mais

Epidemiologia. Tipos de Estudos Epidemiológicos. Curso de Verão 2012 Inquéritos de Saúde

Epidemiologia. Tipos de Estudos Epidemiológicos. Curso de Verão 2012 Inquéritos de Saúde Epidemiologia Tipos de Estudos Epidemiológicos Curso de Verão 2012 Inquéritos de Saúde TIPOS DE ESTUDOS EPIDEMIOLÓGICOS Observacionais Experimental x Observacional Relatos de Casos Série de casos Transversal

Leia mais

Etiopatogenia das alterações pulpares e periapicais

Etiopatogenia das alterações pulpares e periapicais 1 Etiopatogenia das alterações pulpares e periapicais ALEXANDRE A. ZAIA CONSIDERAÇÕES GERAIS Um dos problemas que o profissional da área odontológica encontra na Endodontia é a dificuldade em fechar um

Leia mais

número 25- julho/2016 RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS

número 25- julho/2016 RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS número 25- julho/2016 RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RADIOTERAPIA INTRAOPERATÓRIA PARA O TRATAMENTO DE ESTÁDIOS INICIAIS

Leia mais

REVISTA GESTÃO & SAÚDE (ISSN )

REVISTA GESTÃO & SAÚDE (ISSN ) 37 A IMPORTÂNCIA DO DIAGNÓSTICO PRECOCE E DAS CAMPANHAS DE PREVENÇÃO NO COMBATE AO CÂNCER BUCAL THE IMPORTANCE OF EARLY DIAGNOSIS AND PREVENTION CAMPAIGNS IN THE FIGHT AGAINST ORAL CANCER RESUMO Amanda

Leia mais

SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A

SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A número 15 - dezembro/2015 DECISÃO FINAL RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE Este relatório

Leia mais

Prevalence of oral lesions diagnosed at the ULBRA Canoas of Dental Diagnosis Service

Prevalence of oral lesions diagnosed at the ULBRA Canoas of Dental Diagnosis Service Prevalence of oral lesions diagnosed at the ULBRA Canoas of Dental Diagnosis Service Jéssica Cunha Martins Gustavo Essvein Fabiana Vargas-Ferreira Alessandra Dutra da Silva Matheus Neves ABSTRACT Objective:

Leia mais

1) Introdução à Epidemiologia 2) Epidemiologia e suas áreas de interesse 3) Medidas em epidemiologia 4) Freqüência absoluta versus relativa

1) Introdução à Epidemiologia 2) Epidemiologia e suas áreas de interesse 3) Medidas em epidemiologia 4) Freqüência absoluta versus relativa Saúde Coletiva e Ambiental Aula 7 Medidas da Saúde Coletiva Prof. Ricardo Mattos Bibliografia de Referência: Medronho, 2008 (Cap. 2) UNIG, 2009.1 Sumário da Aula 1) Introdução à Epidemiologia 2) Epidemiologia

Leia mais

CUIDADOS PRÉ E PÓS PROCEDIMENTOS A LASER EVITAM AGRESSÃO À PELE

CUIDADOS PRÉ E PÓS PROCEDIMENTOS A LASER EVITAM AGRESSÃO À PELE O tratamento com laser se tornou um forte aliado quando o assunto é tecnologia e beleza. A busca por medicamentos e técnicas para prolongar a juventude tem se tornado uma realidade cada vez mais presente

Leia mais

Ordem dos Médicos Dentistas Porto - Programa de intervenção precoce no cancro oral Avaliação de candidatos

Ordem dos Médicos Dentistas Porto - Programa de intervenção precoce no cancro oral Avaliação de candidatos Esta prova tem a duração de 30 minutos Marque com V/F (verdade ou falso) na folha de resposta. O total das perguntas equivale a 20 valores. As respostas erradas descontam 25% do valor de cada resposta

Leia mais

Criação da Ativos Dermatológicos. Estando disponível na Web, entendemos ser importante a divulgação!

Criação da Ativos Dermatológicos. Estando disponível na Web, entendemos ser importante a divulgação! Criação da Ativos Dermatológicos. Estando disponível na Web, entendemos ser importante a divulgação! Academia Snooker Clube Sorocaba - SP Paulo Dirceu Dias www.snookerclube.com.br paulodias@pdias.com.br

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E EPIDEMIOLOGIA DAS DOENÇAS PERIODONTAIS

CLASSIFICAÇÃO E EPIDEMIOLOGIA DAS DOENÇAS PERIODONTAIS INAPÓS - Faculdade de Odontologia e Pós Graduação DISCIPLINA DE PERIODONTIA CLASSIFICAÇÃO E EPIDEMIOLOGIA DAS DOENÇAS PERIODONTAIS Parte II Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira http://lucinei.wikispaces.com

Leia mais

PREVALÊNCIA DAS LESÕES BUCAIS DIAGNOSTICADAS NOS PESCADORES DA COLÔNIA DE PESCADORES DO BAIRRO DA BARRA DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ (SC)

PREVALÊNCIA DAS LESÕES BUCAIS DIAGNOSTICADAS NOS PESCADORES DA COLÔNIA DE PESCADORES DO BAIRRO DA BARRA DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ (SC) 1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE ODONTOLOGIA BRUNA FIDELIX DA SILVEIRA ÉRICLES MICAEL HECK PREVALÊNCIA DAS LESÕES BUCAIS DIAGNOSTICADAS NOS PESCADORES DA COLÔNIA DE

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: PATOLOGIA GERAL Código da Disciplina: NDC112 Curso: Medicina Veterinária Semestre de oferta da disciplina: 5 período Faculdade responsável: Núcleo de Disciplinas Comuns

Leia mais

Papilomavirus humanos (HPV)

Papilomavirus humanos (HPV) Papilomavirus humanos (HPV) - Capsídio icosaédrico de 55-60 nm, sem envoltório - 72 capsômeros pentaméricos formados por 2 proteínas (cinco cópias de L1 fora, 1 L2 dentro) - Família Papillomaviridae, gênero

Leia mais

RESUMO SEPSE PARA SOCESP INTRODUÇÃO

RESUMO SEPSE PARA SOCESP INTRODUÇÃO RESUMO SEPSE PARA SOCESP 2014 1.INTRODUÇÃO Caracterizada pela presença de infecção associada a manifestações sistêmicas, a sepse é uma resposta inflamatória sistêmica à infecção, sendo causa freqüente

Leia mais

VIVER BEM ÂNGELA HELENA E A PREVENÇÃO DO CÂNCER NEOPLASIAS

VIVER BEM ÂNGELA HELENA E A PREVENÇÃO DO CÂNCER NEOPLASIAS 1 VIVER BEM ÂNGELA HELENA E A PREVENÇÃO DO CÂNCER NEOPLASIAS 2 3 Como muitas mulheres, Ângela Helena tem uma vida corrida. Ela trabalha, cuida da família, faz cursos e também reserva um tempo para cuidar

Leia mais

Profa. Marcia Akemi Yamasoe Dept. Ciências Atmosféricas

Profa. Marcia Akemi Yamasoe Dept. Ciências Atmosféricas Profa. Marcia Akemi Yamasoe Dept. Ciências Atmosféricas (marcia.yamasoe@iag.usp.br) Introdução O que é radiação? O que é radiação ultravioleta? Benefícios e malefícios da radiação UV Um pouco de história

Leia mais

LEVANTAMENTO DA FREQUÊNCIA DAS LESÕES CANCERIZÁVEIS DO SERVIÇO DE DIAGNÓSTICO HISTOPATOLÓGICO DE LESÕES BUCAIS DA UNIVALI.

LEVANTAMENTO DA FREQUÊNCIA DAS LESÕES CANCERIZÁVEIS DO SERVIÇO DE DIAGNÓSTICO HISTOPATOLÓGICO DE LESÕES BUCAIS DA UNIVALI. 0 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE ODONTOLOGIA ELIZA EUGÊNIA DAVI JACQUELINE DELLATORRE LEVANTAMENTO DA FREQUÊNCIA DAS LESÕES CANCERIZÁVEIS DO SERVIÇO DE DIAGNÓSTICO

Leia mais

resposta papular anormal para uma única ou 3 exposições consecutivas às radiação de UVB acima da DEM (90 mj/cm2) (Fig. 2).

resposta papular anormal para uma única ou 3 exposições consecutivas às radiação de UVB acima da DEM (90 mj/cm2) (Fig. 2). Luz ultravioleta é um fator ambiental que agrava lesões faciais de dermatite atópica do adulto. H. Deguchi, N. Umemoto, H. Sugiura, K. Danno e M. Uehara Dermatology Online Journal 4(1): 10 Traduzido para

Leia mais

SABER MAIS SOBRE OLHO SECO

SABER MAIS SOBRE OLHO SECO SABER MAIS SOBRE OLHO SECO FICHA TÉCNICA EDIÇÃO Clínicas Leite, Lda Ver. 01 / Jan 2016 REDAÇÃO/DOCUMENTAÇÃO Mariana Coimbra (Marketing e Comunicação) 1 OLHO SECO O que é o olho seco? O olho seco é uma

Leia mais

ESTUDOS DE COORTE. Baixo Peso Peso Normal Total Mãe usuária de cocaína

ESTUDOS DE COORTE. Baixo Peso Peso Normal Total Mãe usuária de cocaína UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MEDICINA PREVENTIVA DISCIPLINA DE EPIDEMIOLOGIA ESTUDOS DE COORTE 1) Com o objetivo de investigar

Leia mais

Marcos Sekine Enoch Meira João Pimenta

Marcos Sekine Enoch Meira João Pimenta FIBRILAÇÃO ATRIAL NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE CIRURGIA CARDÍACA COM CIRCULAÇÃO EXTRA-CORPÓREA. Avaliação de fatores pré-operatórios predisponentes e evolução médio prazo. Marcos Sekine Enoch Meira João

Leia mais

Melanoma maligno cutâneo primário: estudo retrospectivo de 1963 a 1997 no Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo

Melanoma maligno cutâneo primário: estudo retrospectivo de 1963 a 1997 no Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo MELANOMA MALIGNO Artigo de Comunicação Melanoma maligno cutâneo primário: estudo retrospectivo de 1963 a 1997 no Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo P. R. CRIADO, C. VASCONCELLOS, J. A.

Leia mais

CONHECIMENTO DOS CIRURGIÕES-DENTISTAS DAS UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE CHAPECÓ-SC SOBRECANCÊR BUCAL: UM ALERTA AO DIAGNÓSTICO PRECOCE

CONHECIMENTO DOS CIRURGIÕES-DENTISTAS DAS UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE CHAPECÓ-SC SOBRECANCÊR BUCAL: UM ALERTA AO DIAGNÓSTICO PRECOCE 153 CONHECIMENTO DOS CIRURGIÕES-DENTISTAS DAS UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE CHAPECÓ-SC SOBRECANCÊR BUCAL: UM ALERTA AO DIAGNÓSTICO PRECOCE Edina Venturin Benvenutti 1 2 Talita Pressi Silvia

Leia mais