O conceito de eficiência energética está ligado à minimização de perdas na conversão de energia primária em energia útil.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O conceito de eficiência energética está ligado à minimização de perdas na conversão de energia primária em energia útil."

Transcrição

1 Eficiência Energética e a Nova Regulamentação do PEE ANEEL

2 O conceito de eficiência energética está ligado à minimização de perdas na conversão de energia primária em energia útil. EFICIÊNCIA ENERGÉTICA = Fazer mais (produção) com menos (recursos) PROTEÇÃO AO MEIO-AMBIENTE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL ECONOMIA DE ENERGIA NECESSIDADES ECONÔMICAS

3 O tema eficiência energética surgiu com maior importância durante os choques do petróleo nos anos de e Em 1997, com o Protocolo de Kioto, o assunto voltou a ser alvo de discussões, visando os benefícios que a eficiência energética pode trazer para a sociedade.

4 Em 2001, o Brasil enfrentou o maior racionamento de energia de sua história, tanto em intensidade como em abrangência. O racionamento criou novos hábitos na população. O brasileiro adotou selos de eficiência energética e passou a prestar atenção nos gastos com energia elétrica.

5

6 LEI Nº 9.991, DE 24 DE JULHO DE 2000 Dispõe sobre realização de investimentos em pesquisa e desenvolvimento e em eficiência energética por parte das empresas concessionárias, permissionárias e autorizadas do setor de energia elétrica, e dá outras providências. LEI Nº , DE 28 DE MARÇO DE 2007 [...] aplicarem, no mínimo, 0,50% de sua receita operacional líquida em programas de eficiência energética no uso final. LEI Nº , DE 20 DE JANEIRO DE 2010 as concessionárias e permissionárias de distribuição de energia elétrica deverão aplicar, no mínimo, 60% (sessenta por cento) dos recursos dos seus programas de eficiência para unidades consumidoras beneficiadas pela Tarifa Social. RN/ANEEL Nº 556, DE 18 DE JUNHO DE 2013 Aprovar os Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE.

7 O PEE da ANEEL conta com um orçamento anual da ordem de R$ 400 milhões. 60% deste total são destinados à consumidores de baixa renda, de acordo com a lei de 20 de janeiro de 2010.

8 R$ 5,70 bilhões investimento de 1998 a 03/2014 R$ 104,40/MWh energia conservada 9,10 TWh/ano Energia Economizada (EE) Equivalente a 1,8% do consumo anual do BR 2,8 GW Redução de Demanda na Ponta (RDP) *Cada unidade geradora de Itaipu tem capacidade de 700MW

9 Potencial de contribuição da eficiência para o balanço energético do País*. (TWh/ano) Gás Natural 69,0 Potencial de Eficiência Energética 53,2** Derivados petróleo 26,6 Carvão e derivados 15,8 Eólica 6,6 Nuclear 14,6 Biomassa 46,4 * Fonte: Empresa de Pesquisa Energética, 2014 ** Potencial de mercado (10,3%), Empresa de Pesquisa Energética, ,0% Eólica 2,2% Nuclear 2,4% Matriz elétrica brasileira 4,0% Derivados petróleo 7,0% Biomassa 8,0% Hidráulica 430,9 10,4% Gás Natural 65,0% Hidráulica Carvão e derivados Eficiência Energética

10 Eficiência x Geração (custos) Foi considerado para o custo de geração o preço médio do leilão A-3 de 06/06/2014 Os custos de transmissão e distribuição foram calculados considerando a participação destes segmentos na tarifa (dados fornecidos pela SRE/ANEEL )

11

12

13 Determinar: Documentos, Regras de aplicação e procedimentos contábeis. Identificar: Tipologias de projetos. Indicar: Ações permitidas e Apuração de resultados.

14 Estabelecer diretrizes para a realização de projetos com as tipologias e ações mais utilizadas. Tipologias Industrial Comércio e Serviços Poder Público Serviços Públicos Rural Iluminação Pública Residencial Baixa Renda GEM Educacional Ações Melhoria de instalação Educacional Bônus para Eletrodomésticos Gestão Energética Geração Fontes Incentivadas Aquecimento Solar

15 Objetiva dar transparência e publicidade aos projetos; Saldo da conta; Projetos concluídos e previstos; Disponibilizar um site com informações de projetos e outras relevantes. Colher subsídios e sugestões de novos projetos; Informações dos interessados em projetos; Permitir que consumidores encaminhem seus pleitos, opiniões e sugestões. permanente para recebimento das contribuições. Publicar a abertura da AP em Diário Oficial.

16 50% do investimento obrigatório não comprometido (20% x (0,5% ROL+Juros+Contratos de desempenho)) em unidades consumidoras das duas classes com maior participação em seu mercado. A partir de 18/06/2015*, a seleção dos projetos deverá ser feita por chamada pública uma vez por ano. Exceto para Baixa Renda e Educacional. Comunicar a ANEEL sobre a Chamada Pública. 60% da ROL deve ser aplicado em consumidores com Tarifa Social *24 meses da publicação do PROPEE

17 Projetos em unidades consumidoras com fins lucrativos deverão ser feitos por meio de contrato de desempenho. A devolução dos investimentos para a Celesc será calculada conforme a economia verificada com o projeto de eficiência energética executado. Ex: A energia economizada e a redução de demanda na ponta gerou uma economia de R$ ,00 mensais na fatura. O valor total investido no projeto foi de R$ ,00. Portanto a devolução será realizada em 10 parcelas de R$ ,00 por mês + correção monetária

18 Objetiva tornar o processo decisório de escolha de projetos e consumidores beneficiados mais transparente e democrático. A Chamada Pública deverá definir: Projetos Elegíveis Critérios de aceitação Critérios de qualificação projetos e empresas ofertantes Critérios de seleção de projetos e empresas ofertantes Limite de recurso Dados necessários para a proposta A ANEEL disponibiliza no site um GUIA para Chamada Pública

19 O benefício tem que ser 25% maior que o custo: Contratos de desempenho: Os valores são conservadores e garantem ao consumidor que a economia foi realmente maior que o custo da expansão. Essa margem tenderá a ser reduzida na medida que as ações de eficiência forem ganhando credibilidade e as metodologias de M&V mais precisas.

20 Fórmula Básica: Custos Anualizados: Fator de recuperação de Capital: Benefício Anualizado: Custo p/ Plurianuais: Deverão ser apresentados 4 cálculos da RCB: 2 ex-ante e 2 ex-post

21 Mensuráveis Pode-se considerar outros benefícios, desde que sejam comprovados por M&V. Economia de água, Produtividade, Melhoria de qualidade do produto ou serviço, Impacto socioambiental. Não Mensuráveis Projetos com resultados não mensuráveis. Projetos Educacionais Mudança no comportamento Número de alunos treinado Duração do treinamento Avaliação

22 Aplica-se a todos os projetos, exceto: Benefícios não energéticos. Projetos educacionais. Projetos de GEM (cumprimento de metas). As medições devem ser baseadas no Protocolo Internacional para Medição e Verificação de Performance (PIMVP). A ANEEL disponibiliza um guia para auxiliar na realização da M&V.

23 Geração com fonte incentivada: Microgeração: P 100 kw; Minigeração: 100 kw < P 1000 kw Fontes: Hídricas, Solar, Eólica, Biomassa ou cogeração qualificada. Somente permitido após a execução das ações viáveis de eficiência energética. * RESOLUÇÃO ANEEL n. 482/2012 * I REQUISITOS PARA A CONEXÃO DE MICRO OU MINIGERADORES DE ENERGIA AO SISTEMA ELÉTRICO DA CELESC DISTRIBUIÇÃO

24 Análise de viabilidade: Custos somente aportados pelo PEE. Viabilidade: Se RCB 0,8 não necessita avaliação inicial. 0,8 < RCB 1, avaliação inicial simplificada. RCB > 1, não aceito. CEE e CED para cálculo do benefício: Central geradora: de acordo com o preço final da energia paga pelo consumidor, incluindo impostos e encargos. Eficiência energética: de acordo com a sistema de bandeiras tarifárias (método semelhante ao tradicional)

25 Utiliza-se para cálculo do Benefício: Energia Gerada/ano Demanda Provida na ponta Os sistemas de medição deverão ser permanentes. A apuração da energia e demanda provida deve ser de 1 ano.

26

27

28 Poderá ser realizada pela ANEEL ou agentes conveniados. (ex: AGESC) Inicia com o encaminhamento de Ofício SFE ou SFF/ANEEL. Visitação in loco com analise física e documental. Emissão do Termo de Notificação TN.

29 Constatadas inconformidades, a distribuidora estará sujeita à imposição das penalidades previstas na Resolução nº 63/2004.

30 Desde 1989, a Celesc executa uma série de ações e projetos de combate ao desperdício de energia elétrica, por meio do Programa de Eficiência Energética Celesc PEE CELESC. 84 projetos concluídos De 1999 a GWh/ano Energia Economizada (EE) Equivalente a 7,54% do consumo anual de SC R$ 139,4 milhões Investimentos Realizados 50,9 MW Redução de Demanda na Ponta

31 182 instituições beneficiadas. Instalação de Aquecimento Solar para água de banho em instituições filantrópicas; Diagnóstico e medição e verificação dos sistemas de aquecimento.

32 RESULTADOS MWh/ano Energia Economizada (EE) 2,4 MW Redução de Demanda na Ponta (RDP) Consumo de 491 residências no mesmo período 166,7 ton CO 2 na atmosfera* R$ 4,4 milhões investimento R$ 602,2 mil/ano economia R$ 3,3 mil/ano economia média por instituição ou o plantio de 1 mil árvores** * Ministério da Ciência e Tecnologia - jun/14 0,1440 tco2/mwh ** Instituto Brasileiro de Florestas 1ton de CO2 a cada 6 árvores plantadas

33 88 hospitais beneficiados. Substituição do sistema de iluminação, ar condicionado, refrigeradores e motores elétricos e equipamentos para esterilização de materiais.

34 RESULTADOS MWh/ano Energia Economizada (EE) 1,9 MW Redução de Demanda na Ponta (RDP) Consumo de 4,1 mil residências no mesmo período 1,4 mil ton CO 2 na atmosfera* R$ 15,6 milhões investimento R$ 3,8 milhões/ano economia R$ 43,3 mil/ano economia média por hospital ou o plantio de 8,4 mil árvores** * Ministério da Ciência e Tecnologia - jun/14 0,1440 tco2/mwh ** Instituto Brasileiro de Florestas 1ton de CO2 a cada 6 árvores plantadas

35 + de 53 mil famílias beneficiadas. Palestras educacionais, substituição de lâmpadas, refrigeradores, instalação de aquecedores solar de água e recuperadores de calor. 18 mil refrigeradores e 150 mil lâmpadas substituídas; 5 mil aquecedores e 23,5 mil recuperadores instalados.

36 RESULTADOS MWh/ano Energia Economizada (EE) 16,4 MW Redução de Demanda na Ponta (RDP) Consumo de 15,7 mil residências no mesmo período 5,3 mil ton CO 2 na atmosfera* R$ 59,2 milhões investimento R$ 13,7 milhões/ano economia R$ 258,58/ano economia média por família ou o plantio de 31,8 mil árvores** * Ministério da Ciência e Tecnologia - jun/14 0,1440 tco2/mwh ** Instituto Brasileiro de Florestas 1ton de CO2 a cada 6 árvores plantadas

37 + de 50 mil famílias beneficiadas. Programa de subsídio para a troca de eletrodomésticos; 50 mil eletrodomésticos substituídos (refrigeradores, freezers e condicionadores de ar); + de 440 mil lâmpadas incandescentes substituídas por fluorescentes compactas.

38 RESULTADOS MWh/ano Energia Economizada (EE) 18,1 MW Redução de Demanda na Ponta (RDP) Consumo de 17 mil residências no mesmo período 5,8 mil ton CO 2 na atmosfera* R$ 50,5 milhões investimento R$ 20,8 milhões/ano economia R$ 416,29/ano economia média por família ou o plantio de 34,8 mil árvores** * Ministério da Ciência e Tecnologia - jun/14 0,1440 tco2/mwh ** Instituto Brasileiro de Florestas 1ton de CO2 a cada 6 árvores plantadas

39 04 empresas beneficiadas. Seleção e financiamento, sem juros, de projetos de eficiência energética em instalações industriais; Renovação do parque fabril catarinense e redução dos custos das indústrias catarinenses com energia elétrica.

40 RESULTADOS MWh/ano Energia Economizada (EE) 2,2 MW Redução de Demanda na Ponta (RDP) Consumo de 10,5 mil residências no mesmo período 3,5 mil ton CO 2 na atmosfera* R$ 18,2 milhões investimento R$ 4,8 milhões/ano economia R$ 1,2 milhões/ano economia média por projeto ou o plantio de 21 mil árvores** * Ministério da Ciência e Tecnologia - jun/14 0,1440 tco2/mwh ** Instituto Brasileiro de Florestas 1ton de CO2 a cada 6 árvores plantadas

41 Celesc Consumidores - Redução de perdas técnicas - Adequação dos investimentos - Equipamentos eficientes - Redução no desperdício - Redução do valor da fatura de energia elétrica Meio Ambiente Sociedade FREE FLOAT 75,5% - Proteção ao meio ambiente pela conservação de energia e descarte adequado. - Disseminação do conceito do uso eficiente de energia, gerando mudanças de hábitos, cidadania e qualidade de vida

42 FREE FLOAT 75,5%

43

Programa de Eficiência Energética das Empresas de Distribuição de Energia Elétrica PEE

Programa de Eficiência Energética das Empresas de Distribuição de Energia Elétrica PEE Programa de Eficiência Energética das Empresas de Distribuição de Energia Elétrica PEE Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética

Leia mais

O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída

O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída Fórum sobre Eficiência Energética e Geração Distribuída O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa

Leia mais

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL. Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL. Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE Módulo 7 Cálculo da Viabilidade Revisão Motivo da Revisão Instrumento de aprovação pela ANEEL Data de

Leia mais

O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída

O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída Sheyla Maria das Neves Damasceno Coordenadora do Programa de Eficiência Energia Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento

Leia mais

Reunião de Trabalho PROPEE ANEEL e ABESCO 30 Set 2013

Reunião de Trabalho PROPEE ANEEL e ABESCO 30 Set 2013 Reunião de Trabalho PROPEE ANEEL e ABESCO 30 Set 2013 Aspectos Normativos e Legais da Eficiência Energética Lei no 8.987, de fevereiro de 1995, Art. 29. Incumbe ao poder concedente: Inciso X: estimular

Leia mais

1 Introdução. 2 Aspectos Normativos (...)

1 Introdução. 2 Aspectos Normativos (...) Celg Distribuição S/A. Diretoria Comercial Superintendência de Comercialização Departamento de Medição e Utilização de Energia Setor de Utilização de Energia Audiência Pública Março/2015 1 Introdução Conforme

Leia mais

As perspectivas de políticas públicas para gestão da energia e eficiência energética no Brasil

As perspectivas de políticas públicas para gestão da energia e eficiência energética no Brasil As perspectivas de políticas públicas para gestão da energia e eficiência energética no Brasil São Paulo, 5 de dezembro de 2013 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO BRASIL Principais Programas e Resultados Lei de

Leia mais

Projeto Energia Verde

Projeto Energia Verde Projeto Energia Verde Ana Christina R. Mascarenhas e Leandro C. da Silva Resumo O Projeto Energia Verde foi criado para os consumidores das distribuidoras do Grupo Neoenergia: Companhia de Eletricidade

Leia mais

2) Abrangência (município, bairro, número de unidades consumidoras)

2) Abrangência (município, bairro, número de unidades consumidoras) Tipo: Baixa Renda Nome do Projeto: Doação de geladeiras e lâmpadas para famílias inscritas em programas sociais do Governo Federal 2015. Situação: Em Implementação. O projeto tem como objetivo a substituição

Leia mais

Técnicas passivas; Técnicas ativas.

Técnicas passivas; Técnicas ativas. Definição: a conservação de energia deve ser entendida como a utilização de uma menor quantidade de energia para a obtenção de um mesmo produto ou serviço através da eliminação do desperdício; Técnicas

Leia mais

Sistemas de Eficiência Energética na Pequena e Média Indústria

Sistemas de Eficiência Energética na Pequena e Média Indústria Sistemas de Eficiência Energética na Pequena e Média Indústria SEMINÁRIO BRASIL-ALEMANHA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Junho 2015 Departamento de Infraestrutura Deinfra/Ruy Bottesi A Federação das Indústrias

Leia mais

Consumo Consciente Energia Elétrica

Consumo Consciente Energia Elétrica Consumo Consciente Energia Elétrica Agosto 2010 Planeta SUSTENTABILIDADE NO CONSUMO Incentivo ao consumo responsável e consciente IMPORTÂNCIA DA ENERGIA PARA O GRUPO Compra energia elétrica de 23 concessionárias

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Eficiência Energética: Visão Celesc Marco Aurélio Gianesini 4 Geração Transmissão 750kV 500kV 230kV Subestação de Transmissão Linha de Distribuição

Leia mais

Programa de Eficiência Energética regulado pela ANEEL e Regras Para Apresentação de Projetos

Programa de Eficiência Energética regulado pela ANEEL e Regras Para Apresentação de Projetos Programa de Eficiência Energética regulado pela ANEEL e Regras Para Apresentação de Projetos Carlos Eduardo Firmeza Especialista em Regulação Encontro Nacional dos Conselhos de Consumidores de Energia

Leia mais

Projetos em Implementação no PEE 2015

Projetos em Implementação no PEE 2015 Tipo: Poder público Nome do Projeto: Eficientização do Porto Digital O Projeto constituiu na substituição do sistema de refrigeração, composto por chillers, refrigerados, ar splits distribuídos por alguns

Leia mais

Tipo: Aquecimento Solar Nome do Projeto: Instalação de Aquecedor Solar no Lar Maria Luiza. Situação: Concluído - Aprovado oficio nº688/2014 SPE ANEEL

Tipo: Aquecimento Solar Nome do Projeto: Instalação de Aquecedor Solar no Lar Maria Luiza. Situação: Concluído - Aprovado oficio nº688/2014 SPE ANEEL Tipo: Aquecimento Solar Nome do Projeto: Instalação de Aquecedor Solar no Lar Maria Luiza. Situação: Concluído - Aprovado oficio nº688/2014 SPE ANEEL 1) Objetivos do projeto Instalação de um sistema de

Leia mais

Workshop 2ª CPP APOIO. Rio de Janeiro, 30 de Julho de 2015

Workshop 2ª CPP APOIO. Rio de Janeiro, 30 de Julho de 2015 Workshop 2ª CPP APOIO Rio de Janeiro, 30 de Julho de 2015 Painel 1 LIGHT EM NÚMEROS 1 IBGE (2010) Área de Concessão Estado RJ % População 1 11 MM 16 MM 68% Área¹ 11 mil km² 44 mil km² 25% PIB¹ R$ 270 bi

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES DO PROGRAMA DE EFICIENCIA ENERGETICA

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES DO PROGRAMA DE EFICIENCIA ENERGETICA PERGUNTAS MAIS FREQUENTES DO PROGRAMA DE EFICIENCIA ENERGETICA O presente documento visa explanar os principais pontos da nova regulamentação e dirimir alguns questionamentos comuns aos agentes diretamente

Leia mais

Conviver Rural Jaíba. Para se ter eficiência energética é preciso ter inteligência. Grandes resultados para os pequenos produtores do Jaíba.

Conviver Rural Jaíba. Para se ter eficiência energética é preciso ter inteligência. Grandes resultados para os pequenos produtores do Jaíba. Para se ter eficiência energética é preciso ter inteligência Desde 1998, por lei, toda distribuidora de energia precisa investir em ações que reduzam o desperdício de energia elétrica. Uma determinação

Leia mais

Projetos e Investimentos em Eficiência Energética e Geração Distribuída

Projetos e Investimentos em Eficiência Energética e Geração Distribuída Projetos e Investimentos em Eficiência Energética e Geração Distribuída CPFL Energia Crescimento sustentável Empresa centenária com atuação no setor elétrico, criada em 1912 Market cap de R$20 bilhões,

Leia mais

1 Introdução. 2 Aspectos Normativos (...)

1 Introdução. 2 Aspectos Normativos (...) Celg Distribuição S/A. Diretoria Comercial Superintendência de Comercialização Departamento de Medição e Utilização de Energia Setor de Utilização de Energia Programa de Eficiência Energética Audiência

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA PEE CELESC nº 001/2015

CHAMADA PÚBLICA PEE CELESC nº 001/2015 CHAMADA PÚBLICA PEE CELESC nº 001/2015 A CELESC DISTRIBUIÇÃO S.A., pessoa jurídica de direito privado, sociedade por ações, concessionária do serviço público de distribuição de energia elétrica, doravante

Leia mais

1 Introdução aos procedimentos do Programa de Eficiência Energética da ANEEL - ProPEE Apresentação dos princípios norteadores às propostas de

1 Introdução aos procedimentos do Programa de Eficiência Energética da ANEEL - ProPEE Apresentação dos princípios norteadores às propostas de 1 Introdução aos procedimentos do Programa de Eficiência Energética da ANEEL - ProPEE Apresentação dos princípios norteadores às propostas de projetos de eficiência energética 2 Motivações Os contratos

Leia mais

Eficiência Energética e ISO 50.001 Vantagens na Gestão da Energia

Eficiência Energética e ISO 50.001 Vantagens na Gestão da Energia Eficiência Energética e ISO 50.001 Vantagens na Gestão da Energia Setembro de 2014 Clientes COELBA CELPE Neoenergia 9,9 milhões 5,4 milhões 3,3 milhões COSERN COSERN 1,2 milhões CELPE Energia Distribuida

Leia mais

ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO

ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO 1. APRESENTAÇÃO O Grupo Genergia, em total sinergia com o pensamento mundial, aliando

Leia mais

Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE

Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE Módulo 1 Introdução Revisão Motivo da Revisão Instrumento de aprovação pela ANEEL Data de vigência 0

Leia mais

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica Apresentação CEI Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica A CEI é produtora independente de energia em MG, com 9 usinas em operação, 15 empreendimentos hidrelétricos em desenvolvimento (130MW) e

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica www.abinee.org.br EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Eng. Fabián Yaksic Gerente do Departamento de Tecnologia e Política Industrial São Paulo, 5 junho 2012 ABINEE

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA GERAÇÃO E ENVIO DE RELATÓRIO FINAL DE PROJETOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

INSTRUÇÕES PARA GERAÇÃO E ENVIO DE RELATÓRIO FINAL DE PROJETOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência energética SPE Sistema de Gestão de Projetos de Eficiência Energética SGPEE INSTRUÇÕES PARA GERAÇÃO E ENVIO DE RELATÓRIO FINAL DE PROJETOS DE

Leia mais

ENERGIA E MEIO AMBIENTE Rio de Janeiro, 11 de dezembro de 2001

ENERGIA E MEIO AMBIENTE Rio de Janeiro, 11 de dezembro de 2001 Seminário ENERGIA E MEIO AMBIENTE Rio de Janeiro, 11 de dezembro de 2001 PROJETOS DE CONSERVAÇÃO E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Eletrobrás Saulo José Nascimento Cisneiros Diretor de Projetos Especiais da Eletrobrás

Leia mais

Chamada Pública para o ProPEE Procedimento do Programa de Eficiência Energética das Distribuidoras de Energia Elétrica

Chamada Pública para o ProPEE Procedimento do Programa de Eficiência Energética das Distribuidoras de Energia Elétrica Chamada Pública para o ProPEE Procedimento do Programa de Eficiência Energética das Distribuidoras de Energia Elétrica Eng. Fernando L. B. Bacellar Email: fernando.bacellar@aes.com Tel: (11) 2195-2663

Leia mais

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA SUPERINTENDÊNCIA DE PROJETOS DE GERAÇÃO (SPG) CHESF 1 TEMAS ABORDADOS PERFIL DA CHESF MATRIZ ENERGÉTICA FONTES DE ENERGIA RENOVÁVEIS & NUCLEAR ASPECTOS ECONÔMICOS

Leia mais

de Eficiência Energética 2013

de Eficiência Energética 2013 1. Introdução O Programa vêm cumprir a Cláusula Quinta em sua Terceira Subcláusula, do Contrato de Concessão da ENERSUL NERSUL, segundo a qual esta concessionária deve implementar medidas que tenham por

Leia mais

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A visão corrente de que o Brasil possui um dos maiores parques de energia hidrelétrica do mundo, nos afasta de uma realidade um pouco distante disto.

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DO FÓRUM DAS ASSOCIAÇÕES EMPRESARIAIS PRÓ- DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE GÁS NATURAL CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 005/2014

CONTRIBUIÇÃO DO FÓRUM DAS ASSOCIAÇÕES EMPRESARIAIS PRÓ- DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE GÁS NATURAL CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 005/2014 CONTRIBUIÇÃO DO FÓRUM DAS ASSOCIAÇÕES EMPRESARIAIS PRÓ- DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE GÁS NATURAL CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 005/2014 Descrição: Obter subsídios para identificar a necessidade de criação

Leia mais

GRDE Superintendência ncia de Mercado SPM

GRDE Superintendência ncia de Mercado SPM Gerência de P&D e Eficiência Energética GRDE Superintendência ncia de Mercado SPM O "Grupo Empresarial CEB" tem como controladora a Companhia Energética de Brasília - CEB, cuja origem é a Companhia de

Leia mais

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética Copel Distribuição S.A Vlademir Daleffe 25/03/2015 1 VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH 1. Composição tarifária

Leia mais

Ações ABESCO e ANEEL para Fortalecimento do Mercado de Eficiência Energética. Reive Barros dos Santos Diretor

Ações ABESCO e ANEEL para Fortalecimento do Mercado de Eficiência Energética. Reive Barros dos Santos Diretor Ações ABESCO e ANEEL para Fortalecimento do Mercado de Eficiência Energética Reive Barros dos Santos Diretor São Paulo - SP 26 de agosto de 2015 Missão Proporcionar condições favoráveis para que o mercado

Leia mais

Projetos Eficiência Energética 2014

Projetos Eficiência Energética 2014 Projetos Eficiência Energética 2014 1 LIGAÇÃO DE CONSUMIDORES DE BAIXA RENDA - 2008 Objetivo: Promover ações de regularização de ligações clandestinas, recuperação de consumidores cortados e auto-religados

Leia mais

Energias Alternativas e as atividades do Ideal. Mauro Passos Sustentabilidade Palmas Solar

Energias Alternativas e as atividades do Ideal. Mauro Passos Sustentabilidade Palmas Solar Energias Alternativas e as atividades do Ideal Mauro Passos Sustentabilidade Palmas Solar Contexto Internacional Crescimento de investimento em renovável no mundo (Frankfurt School- UNEP Centre/BNEF) 17%

Leia mais

Desafios Técnicos e Socioeconômicos da Oferta de Energia

Desafios Técnicos e Socioeconômicos da Oferta de Energia Desafios Técnicos e Socioeconômicos da Oferta de Energia Nelson Leite Presidente da ABRADEE 1 Porto Alegre, 18 de junho de 2015 1 Agenda 1 - Panorama do setor de distribuição de E. Elétrica 2 - Perspectivas

Leia mais

Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA

Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA A Espírito Santo Centrais Elétricas SA, em conformidade com seu Contrato de Concessão de Distribuição, n 001/05 ANEEL e o que dispõe a Lei nº 9.991 de

Leia mais

Prospectivas da Matriz Energética Nacional 2030

Prospectivas da Matriz Energética Nacional 2030 Prospectivas da Matriz Energética Nacional 2030 Gilberto Hollauer Departamento de Planejamento Energético SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO Brasília, Brasília, 13 de 5 setembro de

Leia mais

Energia Solar Regulação & Oportunidades de Negócios

Energia Solar Regulação & Oportunidades de Negócios Energia Solar Regulação & Oportunidades de Negócios SOL Maior fonte de energia da Terra... um novo e sustentável ciclo de produção descentralizada de energia 16/07/2015 COGEN Associação da Indústria de

Leia mais

Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida

Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida Secretário de Infraestrutura Energia Renovável em Pernambuco Desenvolvimento Técnico,

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil Gabriela Ferreira da Silva Companhia Paulista de Força e Luz gabrielaf@cpfl.com.br Eficiência

Leia mais

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL. Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE. Módulo 9 Avaliação dos Projetos e Programa

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL. Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE. Módulo 9 Avaliação dos Projetos e Programa Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE Módulo 9 Avaliação dos Projetos e Programa Revisão Motivo da Revisão Instrumento de aprovação pela ANEEL

Leia mais

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa MME Secretaria de Planejamento Energético Brasília Março de 2010 Roteiro 1. Cenário da Expansão 2. Características 3. Políticas Energéticas 4. Leilões

Leia mais

Tipo: Nome do Projeto: Situação: 1) Objetivos do Projeto 2) Abrangência (município, bairro, número de unidades consumidoras) 3) Metas

Tipo: Nome do Projeto: Situação: 1) Objetivos do Projeto 2) Abrangência (município, bairro, número de unidades consumidoras) 3) Metas Tipo: Residencial Nome do Projeto: Incentivo Para Eficientização Energética Residencial E Conscientização Ambiental 2011 (Projeto Energia Verde Loja Eficiente). 1) Objetivos do Projeto Dando continuidade

Leia mais

Inserção da Geração Solar na Matriz Elétrica Brasileira. Palestrante: Eng. Marcelo Vinicius

Inserção da Geração Solar na Matriz Elétrica Brasileira. Palestrante: Eng. Marcelo Vinicius Inserção da Geração Solar na Matriz Elétrica Brasileira Palestrante: Eng. Marcelo Vinicius Temas a serem abordados: 1. Matriz de energia elétrica 2. Distintas tecnologias 3. Combustível solar 4. Motivação

Leia mais

Eficiência energética em construções na cidade de SP 15.04.2010

Eficiência energética em construções na cidade de SP 15.04.2010 Eficiência energética em construções na cidade de SP 15.04.2010 Estado de São Paulo Fonte: SSE SP Potencial de redução: 7,9% energia elétrica Potencial de redução: 6,6% petróleo & gás Estado de São Paulo

Leia mais

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL GESEL / SINERGIA / EDF A OPÇÃO NUCLEAR PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento

Leia mais

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Guia de M&V Revisão Motivo da Revisão Instrumento de aprovação pela ANEEL Data da vigência P-0 Emissão inicial 18/07/2013 GUIA DE M&V ÍNDICE ÍNDICE... 2 1 INTRODUÇÃO...

Leia mais

RELATÓRIO FINAL PROJETO: ATENDIMENTO A COMUNIDADES BAIXO PODER AQUISITIVO ARQUIVO XML: APLPEE5379_PROJETO_0001_S01 PROPONENTE: CETRIL

RELATÓRIO FINAL PROJETO: ATENDIMENTO A COMUNIDADES BAIXO PODER AQUISITIVO ARQUIVO XML: APLPEE5379_PROJETO_0001_S01 PROPONENTE: CETRIL RELATÓRIO FINAL PROJETO: ATENDIMENTO A COMUNIDADES BAIXO PODER AQUISITIVO ARQUIVO XML: APLPEE5379_PROJETO_0001_S01 PROPONENTE: CETRIL COOPERADAS: CEDRAP, CERIM, CERMC, CERNHE, CEDRI, CERES, CERIPA, CERIS,

Leia mais

Fundada em março de 2009 com capital integralizado de R$ 1 bilhão

Fundada em março de 2009 com capital integralizado de R$ 1 bilhão A DESENVOLVE SP é a instituição financeira do Governo do Estado de São Paulo que promove o crescimento sustentável das pequenas e médias empresas e municípios paulistas. Nosso objetivo é colaborar para

Leia mais

Assuntos Regulatórios e Projetos de P&D Relativos a GD e µgd

Assuntos Regulatórios e Projetos de P&D Relativos a GD e µgd Workshop P&D D302 Desenvolvimento de Sistema Computacional para Análise Sistemática de Geração Distribuída Assuntos Regulatórios e Projetos de P&D Relativos a GD e µgd Márcio Venício Pilar Alcântara Belo

Leia mais

Conceito Geral. Produção de eletricidade em pequena escala por intermédio de instalações de pequena potência.

Conceito Geral. Produção de eletricidade em pequena escala por intermédio de instalações de pequena potência. Microgeração Conceito Geral Produção de eletricidade em pequena escala por intermédio de instalações de pequena potência. Meio para produção de energia através de instalações de pequena escala, utilizando

Leia mais

Workshop 1ª CPP. Workshop Externo para a 1ª Chamada Pública de Projetos do PEE da Light

Workshop 1ª CPP. Workshop Externo para a 1ª Chamada Pública de Projetos do PEE da Light Workshop 1ª CPP APOIO Workshop Externo para a 1ª Chamada Pública de Projetos do PEE da Light Raymundo Aragão, Agenor Garcia e José Rocha Rio de Janeiro, 21/08/2014 Painel 1 - Aumento da competitividade:

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA EE 001/2014

CHAMADA PÚBLICA EE 001/2014 A ELEKTRO ELETRICIDADE E SERVIÇOS S.A., pessoa jurídica de direito privado, sociedade por ações, concessionária do serviço público de distribuição de energia elétrica, doravante denominada simplesmente

Leia mais

Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil. V Conferência Anual da RELOP

Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil. V Conferência Anual da RELOP Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil V Conferência Anual da RELOP Lisboa, 01.Jun.2012 Agenda O Acionista Grupo Galvão 03 A Empresa Galvão Energia 04 A evolução das fontes

Leia mais

Gerenciamento de Energia

Gerenciamento de Energia Gerenciamento de Energia Mapa do Cenário Brasileiro Capacidade total de quase 88.500MW; Geração de 82.000MW; Transmissão de 80.000Km maiores que 230kV; mais de 530 usinas e subestações; 47 milhões de consumidores.

Leia mais

Avaliação dos resultados da Resolução Normativa nº 482/2012 na visão do Regulador

Avaliação dos resultados da Resolução Normativa nº 482/2012 na visão do Regulador Avaliação dos resultados da Resolução Normativa nº 482/2012 na visão do Regulador Marco Aurélio Lenzi Castro Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição SRD/ANEEL Florianópolis SC 13/05/2014

Leia mais

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL. Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL. Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE Módulo 4 Tipologias de Projeto Revisão Motivo da Revisão 1 Correções e aperfeiçoamentos Instrumento

Leia mais

Energia, Riqueza e População

Energia, Riqueza e População Energia, Riqueza e População Legenda - Colunas à Esquerda: Crescimento relativo da oferta total de energia - Colunas Centrais: Crescimento relativo do Produto Interno Bruto (PIB) - Colunas à Direita: :

Leia mais

de luz está mais transparente. Conheça as bandeiras tarifárias.

de luz está mais transparente. Conheça as bandeiras tarifárias. Agora, a sua conta de luz está mais transparente. Conheça as bandeiras tarifárias. Agora, em todo o país, as bandeiras tarifárias vêm impressas na conta de luz. E, para saber se o valor da sua conta irá

Leia mais

Apague velhos. Acenda uma grande. hábitos. idéia.

Apague velhos. Acenda uma grande. hábitos. idéia. Apague velhos hábitos. Acenda uma grande idéia. Crise Energética Por que todos falam em crise energética? Porque a crise energética sul-americana deixou de ser um cenário hipotético para se transformar

Leia mais

3) Metas. 4) Impactos sociais e ambientais e duração esperada dos benefícios

3) Metas. 4) Impactos sociais e ambientais e duração esperada dos benefícios Tipo: Piloto Nome do Projeto: Instalação de Gerador Solar Fotovoltaico no Estádio de Futebol Gov. Prof. Roberto Santos visando à injeção de grandes blocos de energia solar fotovoltaica no sistema de distribuição

Leia mais

BANDEIRANTE ENERGIA S.A.

BANDEIRANTE ENERGIA S.A. A BANDEIRANTE ENERGIA S.A., pessoa jurídica de direito privado, sociedade por ações, concessionária do serviço público de distribuição de energia elétrica, doravante denominada simplesmente de BANDEIRANTE,

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 Índice Conceito de Energia Renovável Energias Renováveis no Brasil Aspectos Gerais de Projetos Eólicos, a Biomassa e PCHs Outorga de Autorização de Projetos Incentivos

Leia mais

Energias Renováveis Palestrante: Lucas Redecker Secretário de Minas e Energia do RS

Energias Renováveis Palestrante: Lucas Redecker Secretário de Minas e Energia do RS Energias Renováveis Palestrante: Lucas Redecker Secretário de Minas e Energia do RS Dia: 15 desetembro/2015 Local: Auditório Central do Colégio Teutônia Horário: 19h30min Configuração dos Sistemas de Distribuição

Leia mais

Eficiência Energética Aplicada na Indústria. Dr. Pedro Magalhães Sobrinho

Eficiência Energética Aplicada na Indústria. Dr. Pedro Magalhães Sobrinho Eficiência Energética Aplicada na Indústria Dr. Pedro Magalhães Sobrinho Eficiência 1 - Virtude de se obter um determinado efeito. 2 - Atitude, competência, eficácia em um cargo que se ocupa ou trabalho

Leia mais

Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA

Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA A EDP Bandeirante, em conformidade com seu Contrato de Concessão de Distribuição, n 202/98 - ANEEL, com a Resolução Normativa n 300, de 12 de fevereiro

Leia mais

...uma economia anual de 24.636,87 MWh/ano...

...uma economia anual de 24.636,87 MWh/ano... ...uma economia anual de 24.636,87 MWh/ano......equivalente ao consumo de 10.454 residências durante o mesmo período. 10.273,15 toneladas de CO 2 deixaram de ser emitidas indústria + eficiente sumário

Leia mais

Energia Elétrica: Uso e Abuso

Energia Elétrica: Uso e Abuso Energia Elétrica: Uso e Abuso Palestra apresentada nos Seminários de Atualização promovido pela Pró-reitoria de Extensão e Assuntos Comunitários da UNICAMP em 13/04/2002 José Antenor Pomilio Faculdade

Leia mais

Eficiência Energética. Pensando o Futuro

Eficiência Energética. Pensando o Futuro Eficiência Energética Pensando o Futuro Empresas e Consórcios do Grupo CEMIG Negócios do Grupo CEMIG A CEMIG tem uma atuação expressiva no setor elétrico, tendo constituído diversas empresas para o gerenciamento

Leia mais

A Importância da Geração Distribuída para a Segurança Energética Brasileira

A Importância da Geração Distribuída para a Segurança Energética Brasileira A Importância da Geração Distribuída para a Segurança Energética Brasileira 07/04/2015... um novo e sustentável ciclo de produção descentralizada de energia Blackout New York 14, August 2003 COGEN Associação

Leia mais

Agenda Elétrica Sustentável 2020

Agenda Elétrica Sustentável 2020 Congresso Eficiência Energética Casa Alemã A Casa Ecoeficiente São Paulo, 14 de Abril de 2010 Agenda Elétrica Sustentável 2020 Estudo de Cenários para um Setor Elétrico Brasileiro Eficiente, Seguro e Competitivo

Leia mais

Energia Solar no Brasil. 12/04/2012 Rio de Janeiro - RJ

Energia Solar no Brasil. 12/04/2012 Rio de Janeiro - RJ Fórum Canalenergia/Cogen Potencial e Perspectivas da Energia Solar no Brasil O Processo da Regulação da Geração Distribuída Edvaldo Alves de Santana 12/04/2012 Rio de Janeiro - RJ Objetivos e princípio

Leia mais

PROCEL Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica

PROCEL Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica PROCEL Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica ILUMEXPO 2015 São Paulo, 1º de junho de 2015 George Alves Soares Sistema Eletrobras Geração e Transmissão Geração Geração Binacional (100,00%)

Leia mais

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES FONTES DE ENERGIA Hídrica Eólica Biomassa Solar POTENCIAL HÍDRICO Fonte: Eletrobras, 2011. APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO

Leia mais

CONDIÇÕES DE MERCADO, REGULAÇÃO E OPERAÇÃO DE USINAS SOLARES

CONDIÇÕES DE MERCADO, REGULAÇÃO E OPERAÇÃO DE USINAS SOLARES CONDIÇÕES DE MERCADO, REGULAÇÃO E OPERAÇÃO DE USINAS SOLARES Fábio Sales Dias São Paulo, 14 de agosto de 2012 RESUMO Aspectos Regulatórios e Institucionais Aspectos de Mercado Competitividade Aspectos

Leia mais

a Energia em casa Da usina até sua casa

a Energia em casa Da usina até sua casa a Energia em casa Da usina até sua casa Para ser usada nas cidades, a energia gerada numa hidrelétrica passa por uma série de transformações A eletricidade é transmitida de uma usina até os centros de

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO N 233, DE 29 DE JULHO DE 1999

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO N 233, DE 29 DE JULHO DE 1999 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO N 233, DE 29 DE JULHO DE 1999 Estabelece os Valores Normativos que limitam o repasse, para as tarifas de fornecimento, dos preços livremente negociados

Leia mais

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA Fundamentos e Aplicações Parte 2

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA Fundamentos e Aplicações Parte 2 ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA Fundamentos e Aplicações Parte 2 Prof. Dr. Trajano Viana trajanoviana@gmail.com CEFET/RJ Março - 2014 5 - SISTEMAS FOTOVOLTAICOS Conjunto de elementos necessários para realizar

Leia mais

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO Luiz Eduardo Barata Secretário-Executivo CÂMARA DOS DEPUTADOS Brasília, 22 de setembro de 2015 Energia

Leia mais

Nova Regulamentação dos Programas de Eficiência Energética Filosofia, Desafios e Perspectivas

Nova Regulamentação dos Programas de Eficiência Energética Filosofia, Desafios e Perspectivas Workshop sobre a Nova Regulamentação dos Programas de Eficiência Energética Nova Regulamentação dos Programas de Eficiência Energética Filosofia, Desafios e Perspectivas Superintendência de Pesquisa e

Leia mais

RESULTADO DA AVALIAÇÃO DAS PROPOSTAS APRESENTADAS

RESULTADO DA AVALIAÇÃO DAS PROPOSTAS APRESENTADAS CHAMADA PÚBLICA PEE CELESC nº 001/2015 RESULTADO DA AVALIAÇÃO DAS PROPOSTAS APRESENTADAS A CELESC Distribuição S.A., doravante denominada CELESC, vem através deste informar o resultado da avaliação das

Leia mais

Ação do BNB no Crédito para Energias Renováveis. Natal, 03 de Outubro de 2015

Ação do BNB no Crédito para Energias Renováveis. Natal, 03 de Outubro de 2015 Ação do BNB no Crédito para Energias Renováveis Natal, 03 de Outubro de 2015 Área Básica de Atuação Missão Atuar na promoção do desenvolvimento regional sustentável como banco público competitivo e rentável.

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 26/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: ITAIPU BINACIONAL ASSESSORIA DE ENERGIAS RENOVÁVEIS

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 26/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: ITAIPU BINACIONAL ASSESSORIA DE ENERGIAS RENOVÁVEIS MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 26/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: ITAIPU BINACIONAL ASSESSORIA DE ENERGIAS RENOVÁVEIS AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO:

Leia mais

Monitoramento da Qualidade do Serviço no Brasil Visão do Órgão Regulador

Monitoramento da Qualidade do Serviço no Brasil Visão do Órgão Regulador Monitoramento da Qualidade do Serviço no Brasil Visão do Órgão Regulador 4º Congreso Internacional de Supervisión del Servicio Eléctrico Romeu Donizete Rufino Diretor-Geral da ANEEL 27 de novembro de 2014

Leia mais

O RETORNO FINANCEIRO DA MICROGERAÇÃO. Hans Rauschmayer

O RETORNO FINANCEIRO DA MICROGERAÇÃO. Hans Rauschmayer O RETORNO FINANCEIRO DA MICROGERAÇÃO Hans Rauschmayer O retorno financeiro da microgeração Parte do projeto de microgeração é a estimativa do retorno financeiro exante Quais são as regras para este cálculo?

Leia mais

Relação dos Projetos Aprovados Pela Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL no Ano de 2013

Relação dos Projetos Aprovados Pela Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL no Ano de 2013 Relação dos Projetos Aprovados Pela Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL no Ano de 2013 1. Introdução Este relatório apresenta uma análise físico-financeira dos Projetos de Eficiência Energética

Leia mais

ANEEL Agência Nacional de Energia Elétrica SPE Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética - 2008

ANEEL Agência Nacional de Energia Elétrica SPE Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética - 2008 2008 MANUAL ANEEL Agência Nacional de Energia Elétrica SPE Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética - 2008 - Aprovado pela Resolução Normativa nº 300, de 12 de fevereiro

Leia mais

Evolução do lucro líquido (em milhões de reais) - jan fev mar abr mai jun jul ago set

Evolução do lucro líquido (em milhões de reais) - jan fev mar abr mai jun jul ago set DISCUSSÃO E ANÁLISE PELA ADMINISTRAÇÃO DO RESULTADO NÃO CONSOLIDADO DAS OPERACÕES: PERÍODO DE JANEIRO A SETEMBRO DE 2001 COMPARATIVO AO PERÍODO DE JANEIRO A SETEMBRO DE 2000 (em milhões de reais, exceto

Leia mais

Painel: Implicações técnicas da regulação do fornecimento de energia elétrica para edificações residenciais e comerciais.

Painel: Implicações técnicas da regulação do fornecimento de energia elétrica para edificações residenciais e comerciais. Painel: Implicações técnicas da regulação do fornecimento de energia elétrica para edificações residenciais e comerciais. Daniel José Justi Bego Especialista em Regulação Superintendência de Regulação

Leia mais

Resumo dos Programas de P&D e Eficiência Energética

Resumo dos Programas de P&D e Eficiência Energética Resumo dos Programas de P&D e Eficiência Energética Os Programas de Pesquisa e Desenvolvimento P&D desenvolvidos pela Amazonas Energia estão pautados na busca de inovações para fazer frente aos desafios

Leia mais

Diversificação da Matriz Elétrica Nacional. João Mello A&C Energia

Diversificação da Matriz Elétrica Nacional. João Mello A&C Energia Diversificação da Matriz Elétrica Nacional João Mello A&C Energia Agenda 1. O Momento Atual 2. O Efeito Tarifário 3. As Perspectivas com Novas Fontes 4. Considerações Finais Agenda 1. O Momento Atual 2.

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA PROPEE - 001/2015

CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA PROPEE - 001/2015 CHAMADA PÚBLICA PEE 01/2015 1 1 CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA PROPEE - 001/2015 As Empresas Distribuidoras da Eletrobras (EDEs), cumprindo o disposto na Legislação Federal e da regulamentação

Leia mais

Armazenamento de Energia Renovável

Armazenamento de Energia Renovável Solar Eólico Armazenamento de Energia Renovável Biomassa Eficiência Energética Comercial Parques Público Rural Industrial Residencial MICRO E MINIGERAÇÃO DE ENERGIA A ANEEL permitiu aos consumidores através

Leia mais