Projecto de Instalações Mecânicas para um Edifício com Lar de Idosos e Creche

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projecto de Instalações Mecânicas para um Edifício com Lar de Idosos e Creche"

Transcrição

1 Instituto Politécnico de Coimbra Instituto Superior de Engenharia Projecto de Instalações Mecânicas para um Edifício com Lar de Idosos e Creche Maurício Teixeira Trabalho de Projecto para obtenção do Grau de Mestre em Equipamentos e Sistemas Mecânicos COIMBRA 2011

2

3 Instituto Politécnico de Coimbra Instituto Superior de Engenharia Projecto de Instalações Mecânicas para um Edifício com Lar de Idosos e Creche Orientador: Eng.º Pedro António Q. F. Miraldo Professor Adjunto, ISEC Maurício Teixeira Trabalho de Projecto para obtenção do Grau de Mestre em Equipamentos e Sistemas Mecânicos COIMBRA 2011

4

5 Queria aproveitar este espaço para prestar os meus agradecimentos a seis pessoas em especial, que de forma directa ou indirecta foram fundamentais para a evolução do presente trabalho, pois sem eles, provavelmente não haveria trabalho onde escrever esta dedicatória. Em primeiro lugar queria agradecer à minha mãe, Dr.ª Teresa Teixeira (Doutoramento Honoris Causa na educação do seu filho) por todo o apoio e dedicação prestado não só ao longo do Mestrado, mas ao longo de todo o meu percurso de vida; seguese o Eng.º Filipe Marques, colega de curso que se disponibilizou a dar uma resposta e ajuda a dúvidas que surgiram na elaboração do projecto; ao Eng.º Pedro Miraldo pela disponibilidade prestada para a orientação do projecto e correcção de alguns despautérios que fiz; ao meu grande amigo Marco Bucete, pelos incentivos quase diários para não desistir; à mãe da minha filha, Anabela Cruz pelo trabalho que teve para eu poder ter tempo para finalizar o trabalho; e por último, mas não menos importante, à futura Dr.ª Susana Barroso pelas orientações de carácter pessoal que revelaram de extrema importância, que se encontra a terminar a Mestrado em Psicologia no ISPA, e que pelo excelente trabalho que fez comigo, não tenho duvidas que vai ser uma profissional. A todos, os meus sinceros agradecimentos. Acrescento ainda, um cantinho muito especial, à parte, para dedicar este trabalho à minha filha, Beatriz Carolina, que nasceu no dia 3 de Dezembro de 2011 às 0h14m, tendo sido esta, a minha maior motivação para finalizar o trabalho. i

6

7 Resumo Pretende-se definir e dimensionar as soluções, equipamentos, materiais e trabalhos incluídos nas instalações de AVAC (Aquecimento, Ventilação e Ar Condicionado), de modo a dotar o edifício de instalações que garantam adequadas condições de conforto para os utilizadores, controlando as temperaturas interiores em cada espaço e os requisitos da qualidade do ar interior (QAI) de acordo com o nº 2 do artigo 4º e o artigo 29º do Dec.-Lei nº 79/2006. Palavras chave: Conforto, Eficiência, Racionalização, Consumo. iii

8

9 Abstract It is intended to define and project solutions, equipment, materials and works included in the facilities HVAC (Heating, Ventilating, and Air Conditioning) in order to provide the building of installations to ensure the adequate comfort conditions for users, controlling indoor temperatures in each space and the requirements indoor air quality (IAQ) in accordance with paragraph nº2 of Article 4 and Article 29 of Decree-Law No. 79/2006. Keywords: Comfort, Efficiency, Rationalization, Consumption. v

10

11 Índice Lista de Tabelas xi Nomenclatura xiii Introdução 15 Objectivos 17 I AVAC 1 Memória Descritiva e Justificativa Introdução Objectivos Caracterização Geral do Edifício Zoneamento Climático Descrição das Soluções e Sistemas Preconizados Produção de Água Aquecida/Refrigerada Produção de Água Quente Sanitária Redes Hidráulicas de Distribuição Redes de Circulação de Ar Unidades de Climatização Ambiente Ventilação Climatização Protecção Contra Incêndios Sistema de Comando e Controlo Parâmetros e Métodos de Cálculo Instalações Eléctricas Construção Civil Disposições Finais 35 2 Condições Técnicas Especiais Introdução Produção de Energia Térmica Bomba de Calor Geotérmica Fonte Geotérmica 39 vii

12 2.2.3 Depósitos de Inércia Electrobombas Redes Hidráulicas Tubagem em PVC Tubagem Multicamada Tubagem em Cobre Circuito de Distribuição de Água Aquecida e Refrigerada Acessórios de Tubagem Pontos de Apoio Equipamento Acessório Colector de Distribuição Tratamento de Água de Enchimento e Compensação Tratamento de Ar Unidades de Tratamento de Ar Novo Ventiloconvectores Ventiladores Centrífugos com Caixa Condutas Isolamento Térmico Sistema Solar Térmico Colectores Módulo Hidráulico Controlador Solar Depósito de Acumulação de AQS Protecção Contra Incêndios Atravessamento de Paredes e Lages Central de Comando e Monitorização de RCF Registos Corta-fogo Sistema de Comando e Controlo Equipamento de Campo Mapa de Pontos Instalações Eléctricas Generalidades Quadros Eléctricos Caminhos de Cabos Diversos Trabalhos Diversos Funcionamento Eficiente da Instalação 76 viii

13 Construção Civil Equipamentos Instalados Ensaios de Recepção Plano de Manutenção Preventiva Esquemas Definitivos e Instruções de Funcionamento Garantias 80 3 Mapa de Quantidades 83 4 Peças Desenhadas 85 II - RSECE 1 Descrição Sumária do Edifício Caracterização Geral do Edifício Implantação 87 2 Parâmetros de Cálculo Zoneamento Climático Caracterização das FA Caracterização da Envolvente do Edifício Paredes Exteriores Pontes Térmicas Planas em Paredes Exteriores (pilares e vigas) Paredes Interiores Pavimentos Interiores Cobertura Exterior Vãos Envidraçados Exteriores Inércia Térmica Sombreamentos do Edifício Cargas Internas Renovação de Ar Outros Consumos Energéticos de Equipamento AVAC Consumos Energéticos de Outros Equipamento 94 3 Verificação Regulamentar Simulação Dinâmica Cargas Térmicas Cálculo do IEE de Referência Cálculo do IEE Nominal 98 ix

14 3.3.1 Lar de Idosos Creche Resultado da Verificação Energética Medidas de Melhoria 105 Anexo I Fichas Técnicas 107 Anexo II Dimensionamento de Ventiladores e Bombas Circuladoras 109 Anexo III Consumos de Energia 111 Anexo IV Cargas Térmicas 113 Anexo VI Solterm 115 Anexo VII Caudais de Ar 117 Anexo VIII Check List QAI e Energia 119 Anexo IX Medidas de Melhoria 121 Referências 123 x

15 Lista de Tabelas Tabela 1 - Zoneamento climático 23 Tabela 2 - Condições interiores para cálculo 34 Tabela 3 - Condições exteriores para cálculo 34 Tabela 4 Tabela de selecção de bombas circuladoras 41 Tabela 5 - Diâmetros e espessuras de tubos de cobre 42 Tabela 6 - Tabela do coeficiente e, com a variação da temperatura, relativamente à temperatura de 4ºC (ρ=1000 kg/m 3 ) 48 Tabela 7 - Características das UTAN's 53 Tabela 8 Mapa de ventiloconvectores 54 Tabela 9 Parâmetros de dimensionamento dos ventiladores de extracção 55 Tabela 10 Espessura da chapa, condutas rectangulares 57 Tabela 11 Portas de visita para condutas circulares, dimensões mínimas 60 Tabela 12 - Portas de visita para condutas rectangulares, dimensões mínimas 60 Tabela 13 Espessura dos isolamentos 62 Tabela 14 Mapa de pontos 69 Tabela 15 Limites admissíveis na envolvente 89 Tabela 16 - Paredes da envolvente exterior 89 Tabela 17 Pontes térmicas planas em paredes exteriores 89 Tabela 18 - Paredes de separação entre zonas 90 Tabela 19 - Paredes de separação das câmaras frigoríficas 90 Tabela 20 - Paredes de separação entre a sala de refeições e sala de estar 90 Tabela 21 - Parede das escadas e elevador 91 Tabela 22 - Pavimentos dos pisos intermédios 91 Tabela 23 - Cobertura invertida 91 Tabela 24 - Vãos envidraçados da Creche 92 Tabela 25 - Vãos envidraçados do Lar de Idosos 92 Tabela 26 - Vãos envidraçados horizontais 92 Tabela 27 Tabela de consumos dos equipamentos 94 Tabela 28 - Consumos do elevador 1 95 xi

16 Tabela 29 - Consumos do elevador 2 95 Tabela 30 IEE da cozinha do lar 101 Tabela 31 - IEE da lavandaria do lar 101 Tabela 32 - IEE do lar 102 Tabela 33 - IEE da cozinha da creche 103 Tabela 34 - IEE da creche 103 Tabela 35 IEE do edifício 104 Tabela 36- Energia a retirar para subir de classe 104 xii

17 Nomenclatura Abreviaturas AC Corrente Alternada; AQS Águas Quentes Sanitárias; AVAC Aquecimento, Ventilação e Ar Condicionado; CDI Central de Detecção de Incêndio; DC Corrente Contínua; DL Decreto-Lei; FA Fracção Autónoma; GTC Gestão Técnica Centralizada; IEE Indicador de Eficiência Energética; IP Índice de Protecção; MNEL Materiais não ecologicamente limpos; PMP Plano de Manutenção Preventiva; QAI Qualidade do Ar Interior; QE Quadro Eléctrico; RCCTE - Regulamento das Características de Comportamento Térmico dos Edifícios; RCF Registos Corta-Fogo; RSECE - Regulamento dos Sistemas Energéticos de Climatização em Edifícios; RTIEBT Regras Técnicas de Instalações Eléctricas de Baixa Tensão; S Consumo Específico; SCE Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios; TRF Técnico Responsável pelo Funcionamento; UTAN Unidade de Tratamento de Ar Novo; VC Ventiloconvector; Letras e símbolos A Ampere [A] R Resistência térmica [m 2.ºC/W] xiii

18 U Coeficiente de transmissão térmica [W/m 2.ºC] V Volt [V] Caracteres gregos Condutibilidade térmica [W/m.ºC] Massa volúmica [kg/m 3 ] xiv

19 Introdução Este trabalho tem como objectivo projectar as instalações de AVAC do futuro Lar de Idosos e Creche e verificar a sua conformidade regulamentar em relação ao RSECE, foi realizado no âmbito da disciplina de Projecto, inserida no 2º ano do plano curricular do Mestrado em Sistemas e Equipamentos Mecânicos, área de especialização em Projecto, Instalação e Manutenção de Sistemas Térmicos do Instituto Superior de Engenharia de Coimbra. Com este projecto pretende-se definir/dimensionar as soluções, equipamentos, materiais e trabalhos incluídos nas instalações de AVAC, de modo a dotar o edifício de instalações que garantam adequadas condições de conforto, controlando as temperaturas interiores em cada espaço e os requisitos da qualidade do ar interior (QAI) de acordo com o nº 2 do artigo 4º e o artigo 29º do DL 79/2006. Este relatório divide-se em duas partes, a primeira parte, o projecto AVAC, onde fazem parte integrante a memória descritiva e justificativa, as condições técnicas especiais, o mapa de medições; e por último, as peças desenhadas; a segunda parte refere-se ao projecto de RSECE, da qual fazem parte a descrição sumário do edifício, os parâmetros de cálculo, a verificação regulamentar soluções construtivas e peças desenhadas Cada uma das partes vai ser desenvolvida neste trabalho numa secção independente com vários capítulos distintos. Sendo este um edifício de serviços com uma área superior a 1000 m 2 e com sistemas de climatização cuja potência térmica a instalar é superior a 25 kw, o mesmo deverá cumprir as exigências regulamentares estabelecidas no DL 78/2006, SCE Sistema de Certificação Energética e Qualidade de Ar Interior; DL 79/2006, RSECE Regulamento dos Sistemas Energéticos de Climatização em Edifícios. A construção do edifício, respectivos acabamentos e mobiliário, serão executados utilizando materiais ecologicamente limpos, certificados por laboratórios reconhecidos, de modo a que as concentrações máximas de poluentes no interior do edifício não ultrapassam os valores definidos no anexo VII do RSECE. Assim, de acordo com o nº 3 do artigo 29º, não foi prevista a possibilidade de funcionamento dos sistemas com um aumento de 50% do caudal nos sistemas de renovação de ar. 15

20 As soluções apresentadas tiveram em conta as condicionantes físicas do edifício e a flexibilidade de gestão pretendida no funcionamento, havendo várias zonas independentes cujos sistemas de climatização e renovação de ar poderão ser desligados sem afectar as zonas em utilização. 16

21 Objectivos O principal objectivo do presente projecto, centra-se na determinação dos consumos de energia regulamentares, classificação energética do edifício, no dimensionamento das potências térmicas, dimensionamento de caudais de ar, de modo a obter os padrões de QAI definidos na legislação vigente e dimensionamento das capacidades higrométricas necessárias, sempre que os espaços em questão assim o justifiquem. Outro dos objectivos assenta no dimensionamento das redes condutoras de fluidos e na definição dos seus traçados a implementar em obra, de acordo com as condicionantes estruturais e arquitectónicas, próprias do edifício. Definir meios de controlo eficazes, de forma a garantir um melhor funcionamento da globalidade do sistema a instalar, tendo em vista a racionalização dos consumos de energia. Foi tido em conta ainda, os níveis de emissão de ruído, tanto interiores como exteriores de forma a serem garantidas as melhores condições para os utilizadores do edifício, acautelando o eventual prejuízo do bem-estar para terceiros. 17

22

23 I AVAC

24

25 1 Memória Descritiva e Justificativa 1.1 Introdução Refere-se a presente Memória Descritiva e Justificativa ao Projecto de Execução das Instalações e Equipamentos Mecânicos de AVAC para um edifício destinado a Lar de Idosos e Creche, requerido pela Instituto Superior de Engenharia de Coimbra e cuja obra será realizada em Miranda do Corvo no concelho Coimbra. Pretende-se que os sistemas de AVAC projectados para o edifício tenham uma qualidade elevada, e assegurem que as exigências de conforto térmico e de ventilação para garantia de qualidade do ar no interior do edifício sejam cumpridas, resultando num edifício energeticamente eficiente com elevados níveis de conforto e baixas necessidades de manutenção. De referir ainda que, para a concepção do presente projecto, foram tidas em elevada consideração as relações de qualidade/preço/manutenção da solução apresentada, no entanto, esta preocupação não deverá ter carácter limitativo, sob o risco de dispersar o objectivo primordial de dotar o edifício de uma instalação apta a satisfazer as suas necessidades e as dos seus utilizadores. Com a entrada em vigor do RSECE e com a implementação do SCE, o projecto, a execução e a manutenção dos sistemas de climatização passou a ter condicionantes e requisitos importantes que se pretendem ver cumpridos integralmente neste edifício. O executante das instalações de climatização terá obrigatoriamente que cumprir o disposto nestes regulamentos e será responsável pelo cumprimento de todos os requisitos que se referem à execução da instalação e à sua manutenção durante o período de garantia. Terá ainda de possuir técnicos com a formação adequada e exigida legalmente para as instalações abrangidas por esta empreitada. O edifício, no final da obra deverá ser certificado pelo SCE, pretendendo-se obter uma classificação energética, de nível elevado, pelo que deverão ser efectuados todos os esforços no sentido de optimizar o funcionamento dos sistemas e minimizar quaisquer perdas de energia, através da execução cuidada da instalação e na montagem dos seus equipamentos. 21

26 O Projecto deverá ser sempre interpretado na globalidade do conjunto composto pela Memória Descritiva e Justificativa, Condições Técnicas Especiais, Peças Desenhadas e Mapa de Medições. 1.2 Objectivos O principal objectivo do presente projecto, centra-se no estudo dos sistemas de climatização, que inclui as potências térmicas e caudais de ar, de modo a obter os padrões de Qualidade do Ar Interior definidos na legislação vigente e dimensionamento das capacidades higrométricas necessárias, sempre que os espaços em questão assim o justifiquem. Outros dos objectivos assenta no dimensionamento das redes condutoras de fluidos e na definição dos seus traçados a implementar em obra, de acordo com as condicionantes estruturais e arquitectónicas, próprias do edifício. Definir meios de controlo eficazes, de forma a garantir um melhor funcionamento da globalidade do sistema a instalar, tendo em vista a racionalização dos consumos de energia. 1.3 Caracterização Geral do Edifício O edifício em estudo é composto por duas fracções autónomas que se desenvolvem por quatro pisos identificados como piso -1, piso 0, piso 1 e piso 2. A primeira fracção situa-se no piso -1 e trata-se de uma creche que é constituída por uma zona administrativa, uma zona destinada ao ensino pré-escolar, refeitório e outros espaços necessários neste tipo de edifícios, tais como cozinha, instalações sanitárias e sala de refeições. Os restantes três pisos são inteiramente destinados ao funcionamento de segunda fracção, um lar de idosos. O piso 0 é constituído essencialmente por zonas comuns e de serviços, tais como, a sala de estar, sala de refeições, cozinha, etc. É também neste nível que se encontra a cozinha, a lavandaria, gabinetes de saúde, entre outros espaços necessários neste tipo de edifício. Nos pisos 1 e 2 encontram-se localizadas as zonas de repouso, como por exemplo, os quartos (simples e duplos) e as salas de estar. A zona envolvente é composta por um jardim inerente ao edifício para utilização dos utentes e alguns lugares de estacionamento. O edifício está ainda dotado de dois elevadores e lances de escada para se efectuar a transição entre pisos. As tipologias e as necessidades funcionais dos diferentes locais referidos serão determinantes para o desenvolvimento das soluções propostas. 22

27 1.4 Zoneamento Climático De acordo com as indicações do Quadro III.1 do Anexo III do Decreto-Lei n.º 80/2006 (Regulamento de Características de Comportamento Térmico em Edifícios), as zonas climáticas e dados climáticos de referência para o concelho de Miranda do Corvo são: Tabela 1 - Zoneamento climático Zona climática de Inverno I2 Número de graus-dia (GD) 1780 Duração da estação de aquecimento (meses) 6 Zona climática de Verão V2 - NORTE Temperatura exterior de projecto (ºC) 33 Amplitude térmica diária (ºC) Descrição das Soluções e Sistemas Preconizados É previsto, para a generalidade do edifício a implementação de um sistema de ventilação com o recurso a Unidades de Tratamento de Ar com 100% ar novo para introdução do caudal de ar novo regulamentar nos respectivos espaços. A solução de climatização terminal a implementar recorre a ventiloconvectores de tecto falso com ligação a condutas. No que diz respeito à produção de água quente sanitária, esta será feita com recurso a um sistema do tipo bomba de calor geotérmica. Assim, as instalações consideradas no presente projecto poder-se-ão dividir em: Produção e distribuição de água aquecida ou refrigerada. Sistema de produção de AQS. Redes hidráulicas de distribuição. Redes de circulação de ar. Unidades de climatização ambiente. Ventilação Produção de Água Aquecida/Refrigerada Como referido anteriormente, a produção de água aquecida ou refrigerada para a climatização dos espaços será obtida com recurso a uma Bomba de Calor Geotérmica. A opção por este equipamento visa a implementação de sistemas/equipamentos, para aquecimento e arrefecimento ambiente do edifício em análise, com maior eficiência 23

28 energética quando comparados com os sistemas tradicionais de combustíveis fosseis e/ou de condensação a ar. O equipamento de produção de energia térmica proposto baseia-se no aproveitamento energético disponível no solo. O solo constitui uma óptima reserva energética que se conserva de forma permanente ao longo do ano. O calor acumulado no subsolo é passível de ser aproveitado em qualquer local onde nos encontremos. Estudos recentes apontam para que, entre os 15 e os 80 m de profundidade, a temperatura se mantém constante à volta dos 15 ºC. As bombas de calor geotérmicas fazem trocas de calor com o subsolo, tirando partido da temperatura aproximadamente constante a que ele se encontra. No Inverno é energeticamente mais eficiente conseguir a temperatura confortável de 20ºC, partindo dos 15ºC do subsolo, do que partindo da temperatura a que está o ar, muitas vezes inferior a 10ºC. No Verão, estes equipamentos funcionam como refrigeradores, podendo-se tirar partido do facto de haver muito maior eficiência energética em manter os confortáveis 25ºC partindo dos 15ºC do subsolo, do que partindo dos 30ºC ou mais, a que se encontra o ar. Para além de um recurso renovável e menos poluente, a energia geotérmica apresenta diversas vantagens relativamente a outras fontes de energia renováveis e tradicionais, visto não sofrer, nomeadamente da intermitência e inconstância de factores meteorológicos que condicionam, por exemplo, a energia eólica, solar térmica e fotovoltaica ou hídrica. Estudos e aplicações recentes, apontam para um potencial de consumo para manter uma instalação com bombas de calor geotérmicas a funcionar com apenas 40% de energia quando em comparação com os sistemas tradicionais, sendo a restante energia, 60%, oferta da crosta terrestre. O sistema preconizado pressupõem então a instalação de duas bombas de calor geotérmicas (uma para cada fracção), com sistemas de captação vertical, recuperação de calor através de um segundo condensador possibilitando desta forma a produção de água quente e de água fria em simultâneo. De referir que a água fria produzida será, em termos energéticos, praticamente gratuita, aproveitando para tal, a energia despendida na produção de água quente. Em complemento às bombas de calor geotérmicas serão instalados depósitos de acumulação de água aquecida e água refrigerada. Estes irão funcionar como acumuladores de inércia térmica permitindo a acumulação durante o período nocturno, uma vez que o custo da energia eléctrica é mais baixo nas horas de vazio, assim, não será necessário o recurso ao funcionamento das bombas de calor geotérmicas durante todo o dia, ficando a instalação a 24

29 funcionar apenas com a energia acumulada nos depósitos de inércia até ser necessário entrar em funcionamento a bomba de calor geotérmica. Uma outra característica da solução proposta consiste na modulação da velocidade da bomba circuladora do sistema de geotermia através de um sistema de controlo de pressão de condensação, optimizando o funcionamento quando existir a necessidade de funcionamento a carga parcial. Em complemento do anteriormente descrito, nos circuitos hidráulicos de distribuição serão instalados grupos de circulação que farão a modulação da sua velocidade em função das necessidades instantâneas da instalação, permitindo a optimização dos desperdícios energéticos comparativamente com instalações sem esta capacidade Produção de Água Quente Sanitária A produção de água quente sanitária será feita com recurso ao conjunto formado por um sistema solar complementado por depósitos de acumulação, através dos quais a água de consumo circula, conforme se faz representar no esquema de principio da instalação, O sistema solar térmico tem como objectivo a produção e fornecimento de AQS, captando a energia solar e transferindo-a para a água de consumo. Desta forma assegura-se uma economia na utilização dos sistemas tradicionais de produção de AQS, reduzindo a factura energética inerente às fontes de energia convencionais e a dependência das flutuações do preço dos combustíveis fosseis. A captação de energia solar é realizada por intermédio de colectores solares planos instalados num local com exposição solar adequada conforme peças desenhadas. A energia é transferida para o fluido solar, que deverá conter as proporções de anticongelante (glicol) de acordo com as temperaturas mínimas registadas no local onde serão instalados, de modo a proteger convenientemente a instalação hidráulica. Deverão ser contemplados os correspondentes grupo de circulação e de segurança e demais acessórios para o seu correcto funcionamento, assegurando desta forma o bom funcionamento da instalação. O caudal em circulação deverá ser devidamente ajustado de forma a assegurar um rendimento adequado da instalação, em função no número de colectores solares instalados. O controlo deverá fazer uma medição diferencial dos pontos de maior temperatura do circuito (na saída dos colectores) e de menor temperatura (no depósito de acumulação), 25

30 actuando a bomba de circulação somente quando a energia solar disponível assim o justifique, optimizando o rendimento da instalação. Lar de Idosos De modo a determinar as necessidades de AQS para o lar de idosos, foram considerados 40 litros de água quente a 60ºC por dia e por pessoa. Assim, e tendo em conta a ocupação prevista de 63 ocupantes, estima-se um consumo de cerca de 2500 litros diários. Foram considerados ainda mais cerca de 20% uma vez que nem toda a água do depósito se encontra a 60ºC, e assim, o volume de acumulação de AQS será de 3000 litros. Para o aquecimento da água, foi previsto um grupo de 15 colectores solares do tipo plano horizontal selectivo, com um total de 38,3 m 2 de área útil, que cedem energia à água do depósito de acumulação, apoiados pela bomba de calor geotérmica. Creche Relativamente à Creche, estimou-se um consumo de cerca de 400 litros diários uma vez que não estão previstos banhos. Assim, o volume de acumulação de AQS será de 500 litros. Para o aquecimento do depósito, foi previsto um grupo de 3 colectores do tipo plano horizontal selectivo, com um total de 7,7 m 2 de área útil, apoiados pela bomba de calor geotérmica. Resultados De acordo com o relatório energético para ambas as fracções, obtido pelo software do INETI, que se encontra no Anexo - Solterm, obteve-se uma produção de energia de 2452 kwh por ano para a Creche e de kwh para o Lar de Idosos. Para a energia solar contribuir para a produção de AQS será necessário prever um depósito de acumulação onde a energia proveniente do campo de colectores será dissipada. Assim, para a creche, o depósito de acumulação deverá ter a capacidade para 500 litros de água e para o lar de idosos 3000 litros de água. O apoio à produção de AQS, quando a energia solar não estiver disponível ou for insuficiente, será efectuado por intermédio do circuito de alta temperatura da Bomba de Calor Geotérmica com uma potência de 7 kw para a creche e de aproximadamente 44 kw para o lar de idosos, conforme se faz representar no esquema de princípio da instalação. No depósito, a água quente sanitária deverá ser acumulada a 60ºC (para tratamento anti-legionella) e misturada com água fria da rede para consumo a 45ºC pela unidade de regulação. Deverá ser previsto, pelo menos uma vez por dia, que toda a tubagem de 26

31 distribuição de água quente sanitária seja sujeita a um choque térmico com água quente a uma temperatura não inferior a 60ºC. Pressupostos Localidade: Miranda do Corvo Tipologia: Estabelecimento de Ensino Consumo Diário de AQS (Creche): 400 l/dia Consumo Diário de AQS (Lar de Idosos): 2500 l/dia T.ª da água acumulada no Depósito de acumulação: 60ºC T.ª da água de consumo: 45ºC Dados Climáticos (SOLTERM 5): Miranda do Corvo Orientação dos colectores: SUL (Azimute: 0º) Inclinação dos colectores: 35º Tipo de Superfície: Cobertura Plana Redes Hidráulicas de Distribuição A distribuição de água aquecida ou refrigerada será assegurada por circuitos a dois tubos para as UTAN s e ventiloconvectores, não permitindo este sistema a produção de água aquecida/refrigerada em simultâneo. No interior do edifício os circuitos hidráulicos ficarão ocultos em tectos falsos, sendo que em situações pontuais poderão ficar embebidos nas paredes ou lajes. Nos troços dos circuitos hidráulicos montados à intempérie, em valas técnicas ou à vista em qualquer outro ponto da rede quando se justifique, o isolamento terá revestimento de protecção mecânica, incluindo os acessórios e dispositivos de corte, comando e controlo, todos termicamente isolados. Nos pontos altos dos circuitos serão montados purgadores de ar automáticos convenientemente localizados para evitar a formação de bolsas de ar que impeçam a circulação da água. As redes de tubagem dos circuitos primários e secundários foram dimensionados para um diferencial de temperatura de 5ºC (45º - 40ºC), para a estação de aquecimento e de 5 ºC (12º - 7ºC) para a estação de arrefecimento. Foi considerada uma perda de carga linear de 20 mm.c.a./m. Ambos os circuitos, primário e secundário serão executados em multicamada, e o seu desenvolvimento será conforme representado nas peças desenhadas. Estas tubagens serão envolvidas em toda a sua extensão com isolamento térmico adequado, constituído por mangas de espuma de polietileno com barreira de vapor no caso dos circuitos de água refrigerada. Os acessórios das tubagens (curvas, derivações,...) e 27

32 dispositivos de corte, comando e controlo inseridos nos circuitos hidráulicos (válvulas, filtros, etc.) serão isolados com o mesmo tipo de material empregue para o isolamento das tubagens Redes de Circulação de Ar As redes de condução de ar, de insuflação, foram dimensionadas para velocidades máximas de 4,7 m/s nos troços principais e 3 m/s nas derivações. Relativamente as redes de condução de ar de retorno e de extracção das zonas sujas, estas foram dimensionadas para velocidades máximas de 7 m/s nos troços principais e 3 a 3,5 m/s nas derivações. Serão executadas em chapa de aço galvanizada e terão o desenvolvimento como representado nas peças desenhadas Unidades de Climatização Ambiente São previstos como unidades de climatização localizados, os ventiloconvectores. O recurso à utilização destes equipamentos prende-se com o facto de a renovação do ar nos diversos locais induzida pelas UTAN s não ser suficiente para remover as cargas térmicas. Os ventiloconvectores deverão ser próprios para montagem oculta em tecto falso e para ligação a condutas. Deverão ser colocados especiais cuidados nas linhas de condensados dos ventiloconvectores não devendo estas ter uma inclinação inferior a 1,5%, sendo que se necessário se deve recorrer à instalação de bombas de condensados. O escoamento deverá ser efectuado através da rede de água pluviais, não sendo permitida a ligação à rede de esgotos. Deverá também ser tida em consideração a selecção de equipamentos que não os tomados como referência no presente projecto no que diz respeito às dimensões dos tectos falsos Ventilação Dada a tipologia de edifício, de ocupantes e dos variados tipos de actividade dos diferentes locais existentes, verifica-se a necessidade de manutenção de requisitos de conforto térmico de qualidade do ar interior. A salubridade do ar nos diversos locais será garantida por ventiladores de insuflação e de extracção, filtragens e ainda jogo de pressões e caudais de ar. Para garantia da qualidade do ar e a não proliferação de odores, os locais considerados de sujos estarão em depressão em relação aos restantes. 28

CADERNO DE ENCARGOS. Pág.1/12

CADERNO DE ENCARGOS. Pág.1/12 Manutenção do Sistema de climatização dos edifícios escolares da responsabilidade do Município, manutenção do Sistema de AVAC do Arquivo Municipal Alfredo Pimenta e manutenção do sistema de AVAC da Divisão

Leia mais

Pack Tempérys. Tempérys. Ventilação de conforto com regulação integrada > ventilação. caixas com bateria de aquecimento integrada e auto-regulada

Pack Tempérys. Tempérys. Ventilação de conforto com regulação integrada > ventilação. caixas com bateria de aquecimento integrada e auto-regulada ventilação Tempérys caixa de insuflação com revestimento duplo e bateria de aquecimento eléctrico Pack Tempérys caixa de insuflação + caixa de extracção com revestimento duplo, sistema de comando e de

Leia mais

Optimização Energética na Reabilitação Onde Investir?

Optimização Energética na Reabilitação Onde Investir? Optimização Energética na Reabilitação Onde Investir? A nova legislação estabelece as seguintes exigências relativamente à envolvente do edifício: Limite máximo dos coeficientes de transmissão térmica

Leia mais

índice Rigsun 04 Sistema SANI 06 Sistema POLI 08 Sistema MEGA 10 Sistema GIGA 10 Legislação 11

índice Rigsun 04 Sistema SANI 06 Sistema POLI 08 Sistema MEGA 10 Sistema GIGA 10 Legislação 11 A sua energia solar índice Rigsun 04 Sistema SANI 06 Sistema POLI 08 Sistema MEGA 10 Sistema GIGA 10 Legislação 11 A sua energia solar.rigsun. A Rigsun é a nova marca nacional de sistemas solares térmicos.

Leia mais

SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS

SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS Gás Climatização

Leia mais

VIESMANN VITOSOLIC. Dados técnicos VITOSOLIC 100 VITOSOLIC 200. Controlador para sistemas de energia solar

VIESMANN VITOSOLIC. Dados técnicos VITOSOLIC 100 VITOSOLIC 200. Controlador para sistemas de energia solar VIESMANN VITOSOLIC Controlador para sistemas de energia solar Nº de referência e preços: ver lista de preços VITOSOLIC 100 Controlador electrónico por diferença de temperatura Para sistemas com produção

Leia mais

Aquecimento / Arrefecimento forma de climatização pela qual é possível controlar a temperatura mínima num local.

Aquecimento / Arrefecimento forma de climatização pela qual é possível controlar a temperatura mínima num local. ANEXO I CONCEITOS E DEFINIÇÕES (A) Águas quentes sanitárias (AQS) é a água potável a temperatura superior a 35ºC utilizada para banhos, limpezas, cozinha e outros fins específicos, preparada em dispositivo

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS. Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios

RELATÓRIO DE ESTÁGIO HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS. Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios RELATÓRIO DE ESTÁGIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios Fernando Jorge Albino Varela de Oliveira Abrantes Dezembro 2014 ÍNDICE Objectivos

Leia mais

ETAMAX. Unidade de tratamento de ar autónoma de elevada eficiência. versões. principais características. Feio & Comp

ETAMAX. Unidade de tratamento de ar autónoma de elevada eficiência. versões. principais características. Feio & Comp ETAMAX Unidade de tratamento de ar autónoma de elevada eficiência Caudais: 4.000-25.000 m 3 /h alta eficiência ETAMAX, são unidades de tratamento de ar novo de elevada eficiência do tipo compacto com circuito

Leia mais

Guia de declaração para equipamentos de AVAC&R. (Aplicação dos DL 230/2004 e 132/2010)

Guia de declaração para equipamentos de AVAC&R. (Aplicação dos DL 230/2004 e 132/2010) (Aplicação dos DL 230/2004 e 132/2010) ÍNDICE 1 Objectivo... 3 2 Porquê esta legislação?... 3 3 Quem está abrangido?... 3 4 Quais os equipamentos abrangidos?... 3 5 Dúvidas frequentes... 5 5.1 Equipamentos

Leia mais

Estruturas Solares Multifunções

Estruturas Solares Multifunções Esta nova forma de captação da energia solar patenteada pela Sunaitec, chamada de Estruturas Solares Multifunções, vem alterar radicalmente a forma de captação da energia do sol disponibilizando-se, no

Leia mais

Ficha de identificação da entidade participante

Ficha de identificação da entidade participante Ficha de identificação da entidade participante Instituição Designação Instituto Superior Técnico Professor responsável João Toste Azevedo Contacto 218417993 Email toste@ist.utl.pt Técnico responsável

Leia mais

REDE E SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E AQUECIMENTO DE ÁGUAS USANDO FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS

REDE E SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E AQUECIMENTO DE ÁGUAS USANDO FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS GUIA PARA A REABILITAÇÃO REDE E SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E AQUECIMENTO DE ÁGUAS USANDO FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS PROJETO Cooperar para Reabilitar da InovaDomus Autoria do Relatório Consultoria

Leia mais

7. Exemplos de Aplicação

7. Exemplos de Aplicação 7. Exemplos de Aplicação Neste parágrafo vamos procurar exemplificar o tipo de informação que é possível obter com a leitura deste manual. Pretende-se, a partir de dados típicos, dar uma ideia geral do

Leia mais

Esquema de Certificação Técnicos de Instalação e Manutenção de Sistemas de Climatização

Esquema de Certificação Técnicos de Instalação e Manutenção de Sistemas de Climatização Esquema de Certificação Técnicos de Instalação e Manutenção de Sistemas de Climatização 1. Introdução 1.1. O presente documento, descreve os requisitos particulares referentes à certificação de técnicos

Leia mais

Ventilação na Restauração

Ventilação na Restauração Ventilação na Restauração As deficiências na climatização e na exaustão de fumos dos Restaurantes são um problema frequente. Muitas vezes há deficiente extracção de fumos, com caudais de ar insuficientes,

Leia mais

Equipamentos primários. L. Roriz

Equipamentos primários. L. Roriz Equipamentos primários L. Roriz Unidades de Arrefecimento Unidades de Arrefecimento de Ar Unidades Produtoras de Água Refrigerada Sistemas de compressão de vapor Sistemas de expansão directa Sistemas utilizando

Leia mais

Sistemas solares compactos Solar Easy AQS

Sistemas solares compactos Solar Easy AQS Solar Easy AQS Os sistemas SOLAR EASY AQS integram no mínimo espaço possível grupo hidráulico, vaso de expansão e central de regulação, totalmente ligados e cablados. A gama está composta por 14 sistemas

Leia mais

Recuperadores de Energia RIS H/V...3.2. Recuperadores de Energia RECUP...3.6. Recuperadores de Energia RIS P...3.8

Recuperadores de Energia RIS H/V...3.2. Recuperadores de Energia RECUP...3.6. Recuperadores de Energia RIS P...3.8 Índice Recuperadores de Energia Recuperadores de Energia Recuperadores de Energia RIS H/V...3.2 Recuperadores de Energia RECUP...3.6 Recuperadores de Energia RIS P...3.8 Unidade de Fluxos Cruzados EBF...3.11

Leia mais

Projecto de instalações mecânicas Novo Edifício do call center da PT em Santo Tirso

Projecto de instalações mecânicas Novo Edifício do call center da PT em Santo Tirso por Isabel Sarmento e Marco Quaresma (Afaconsult) grafismo AVAC João Fitas Projecto de instalações mecânicas Novo Edifício do call center da PT em Santo Tirso O novo Edifício do CallCenter da PT localizar-se-á

Leia mais

Série TLC, FLC, EFLC, ECOCIRC

Série TLC, FLC, EFLC, ECOCIRC Série TLC, FLC, EFLC, ECOCIRC Circuladores com rotor imerso para sistemas de aquecimento, refrigeração e sanitários 50 Hz SÉRIE TLC - FLC - EFLC CAMPO DE PRESTAÇÕES HIDRÁULICAS A 50 Hz SÉRIE EA - EV -

Leia mais

Soluções REHAU PARA A REABILITAÇÃO. www.rehau.pt. Construção Automóvel Indústria

Soluções REHAU PARA A REABILITAÇÃO. www.rehau.pt. Construção Automóvel Indústria Soluções REHAU PARA A REABILITAÇÃO Uma APLICAÇÃO PARA CADA NECESSIDADE www.rehau.pt Construção Automóvel Indústria A REABILITAÇÃO, UMA SOLUÇÃO COM SISTEMAS PARA O AQUECIMENTO E O ARREFECIMENTO POR SUPERFÍCIES

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Sistemas de iluminação, tomadas interiores, extracção de fumos, ar condicionado, centrais de intrusão e incêndio Regras de execução Elaboração: GTRPT Homologação:

Leia mais

Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006

Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006 Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006 Ficha técnica Número G 02/2006 Data de aprovação JUL 2006 Data de publicação JUL 2006 Data última revisão

Leia mais

Características Unidades Exteriores (Condições Eurovent)

Características Unidades Exteriores (Condições Eurovent) LG SINGLE A (1 ) UNIDADE EXTERIOR As unidades exteriores referenciadas UUxxWH marca LG, são unidades bomba de calor (Modo Reversível) de expansão directa a operar com o fluído frigorigénio R410A. A unidade

Leia mais

ESQUENTADORES SENSOR GREEN

ESQUENTADORES SENSOR GREEN ESQUENTADORES SENSOR GREEN SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE Índice A eficiência na produção de água quente em grandes quantidades 03 Aplicações e Utilizações 05 Benefícios para o Instalador 06 Líder em Tecnologia

Leia mais

Dimensionamento de Solar T. para aquecimento de Piscinas

Dimensionamento de Solar T. para aquecimento de Piscinas Dimensionamento de Solar T. para aquecimento de Piscinas Pedro Miranda Soares Dimensionamento de Sistemas Solares Térmicos para aquecimento de Piscinas No dimensionamento de colectores solares para aquecimento

Leia mais

Solução de Aquecimento de Águas de Elevada Eficiência

Solução de Aquecimento de Águas de Elevada Eficiência Solução de Aquecimento de Águas de Elevada Eficiência Gama 04 Gama de 2013 O que é Therma V? 06 O que é Therma V? Vantagens Therma V 08 Elevada Eficiência Energética 10 Programação Semanal 12 Instalação

Leia mais

entidade promotora financiamento GUIA DO INSTALADOR

entidade promotora financiamento GUIA DO INSTALADOR entidade promotora financiamento GUIA DO INSTALADOR José Maria Almeida Pedro.almeida@ineti.pt Jorge Cruz Costa Cruz.costa@ineti.pt Esquema unifilar utilização 8 INÍCIO Slides 4 a 12 9 7 1 CD 4 5 6 7 7

Leia mais

CALDEIRAS DE CHÃO DE CONDENSAÇÃO POWER HT

CALDEIRAS DE CHÃO DE CONDENSAÇÃO POWER HT CALDEIRAS DE CHÃO DE CONDENSAÇÃO POWER HT POWER HT MELHORAR A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA É UMA DAS GRANDES METAS DA NOSSA SOCIEDADE NO SÉCULO XXI. A GAMA POWER HT, BASEADA NA TECNOLOGIA DA CONDENSAÇÃO É UM

Leia mais

Cli l m i ati t z i ação Soluções Eficientes

Cli l m i ati t z i ação Soluções Eficientes Climatização Soluções Eficientes Indíce 1 Energias Renováveis Aerotermia, Energia Solar 2 Eficiência Energética Tecnologias, Regulamento 3 Bombas de Calor Soluções 4 Ar condicionado Gamas, Sistemas 1 Energias

Leia mais

GEOTERMIA. a energia sustentável

GEOTERMIA. a energia sustentável GEOTERMIA a energia sustentável FUROS GEOTÉRMICOS A Terra oferece-nos o calor para o aquecimento e arrefecimento central e AQS num só sistema. Venha conhecer! PORQUÊ PAGAR POR ALGO QUE A NATUREZA LHE DÁ?

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 10 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 10 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 10 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Definir as características e condições técnicas a que devem obedecer as portas resistentes ao fogo (portas corta-fogo), não só para

Leia mais

Bombas de Calor. O calor é o nosso elemento

Bombas de Calor. O calor é o nosso elemento Bombas de Calor 2º Seminário PPGS Carlos Barbosa TT/SPO-TRTR 1 Bombas de Calor Geotérmicas Índice Definições Funcionamento Performance Instalação Fontes de Problemas 2 Definições Definição de bomba de

Leia mais

Associação Portuguesa dos Engenheiros de Frio Industrial e Ar Condicionado. TREx Executado=Projectado Total acordo nas alterações

Associação Portuguesa dos Engenheiros de Frio Industrial e Ar Condicionado. TREx Executado=Projectado Total acordo nas alterações 7 as JORNADAS DE CLIMATIZAÇÃO Verificação do Comissionamento e da Manutenção Certificados Energéticos e da QAI do SCE Ernesto F. Peixeiro Ramos Ordem dos Engenheiros 8 de Novembro de 2008 Associação Portuguesa

Leia mais

PROJECTO DE INSTALAÇÕES DE CLIMATIZAÇÃO MEMÓRIA DESCRITIVA. Processo: 6950.9.01 Data: Outubro 10 Rev: A. Mod. (09) CP1_00

PROJECTO DE INSTALAÇÕES DE CLIMATIZAÇÃO MEMÓRIA DESCRITIVA. Processo: 6950.9.01 Data: Outubro 10 Rev: A. Mod. (09) CP1_00 Mod. (09) CP1_00 SOCIEDADE POLIS LITORAL RIA FORMOSA, SA Elaboração de Projectos de Execução para a requalificação de espaços ribeirinhos, de parques públicos e percursos pedonais - Parque Ribeirinho de

Leia mais

Todas as unidades são testadas na fábrica antes de serem vendidas! (Possibilidade de assistir aos testes)

Todas as unidades são testadas na fábrica antes de serem vendidas! (Possibilidade de assistir aos testes) 1 Todas as unidades são testadas na fábrica antes de serem vendidas! (Possibilidade de assistir aos testes) ISO 9001 Quality Management System ISO 14001 Environmental Management System 2 Sazonalidade das

Leia mais

MÊS DA ENERGIA - AÇORES

MÊS DA ENERGIA - AÇORES MÊS DA ENERGIA - AÇORES SEMINÁRIO Eficiência Energética Credenciação de Técnicos no âmbito do SCE Fernando Brito Ponta Delgada 6 de Maio de 2008 1 1 COMISSÃO TRIPARTIDA CTAQAI DIRECÇÃO GERAL DE ENERGIA

Leia mais

Reabilitação do Edifício da Casa da Cultura

Reabilitação do Edifício da Casa da Cultura Reabilitação do Edifício da Casa da Cultura ANEXO III PROGRAMA PRELIMINAR Programa_Preliminar_JC_DOM 1 Reabilitação do Edifício da Casa da Cultura PROGRAMA PRELIMINAR Índice! " #! $ % &' ( Programa_Preliminar_JC_DOM

Leia mais

CONSTRUÇÃO MODULAR. Rev A 1-7-2011

CONSTRUÇÃO MODULAR. Rev A 1-7-2011 CONSTRUÇÃO MODULAR SM Rev A 1-7-2011 1 A U.E.M. Unidade de Estruturas Metálicas, SA com 15 anos de actividade, inicialmente direccionada para a fabricação e comercialização dos módulos pré-fabricados que,

Leia mais

Soluções de Energia Solar. Março de 2007. www.senso.pt

Soluções de Energia Solar. Março de 2007. www.senso.pt Soluções de Energia Solar Março de 2007 www.senso.pt ENERGIA E CONSTRUÇÃO Crescente aplicação de energias renováveis Mudança do modelo energético Símbolo de distinção para construções de qualidade Resposta

Leia mais

A inovação não é um luxo, mas sim uma necessidade que poderá ajudar a enfrentar as dificuldades da crise

A inovação não é um luxo, mas sim uma necessidade que poderá ajudar a enfrentar as dificuldades da crise A inovação não é um luxo, mas sim uma necessidade que poderá ajudar a enfrentar as dificuldades da crise A Empresa - No mercado nacional desde 1993 - Localização: Com fábrica em Vale de Cambra (50 km a

Leia mais

Manual de Execução de Trabalhos em Equipamento de Contagem de Energia e de Controlo de Potência em instalações BTN ÍNDICE

Manual de Execução de Trabalhos em Equipamento de Contagem de Energia e de Controlo de Potência em instalações BTN ÍNDICE Manual de Execução de Trabalhos em Equipamento de Contagem de Energia e de Controlo de Potência em instalações BTN ÍNDICE 1. Localização e montagem... 2 1.1. Equipamento de contagem... 2 1.2. Dispositivos

Leia mais

Comparando a eficiência dos sistemas centralizados com a dos sistemas VRV por Luis Roriz e Pedro Alves da Silva

Comparando a eficiência dos sistemas centralizados com a dos sistemas VRV por Luis Roriz e Pedro Alves da Silva Comparando a eficiência dos sistemas centralizados com a dos sistemas VRV por Luis Roriz e Pedro Alves da Silva Resumo: No presente artigo é feita a comparação dos consumos devidos à climatização dum edifício

Leia mais

BOMBAS DE CALOR PARA A.Q.S. AQUASMART AQUASMART SPLIT SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE

BOMBAS DE CALOR PARA A.Q.S. AQUASMART AQUASMART SPLIT SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE BOMBAS DE CALOR PARA A.Q.S. AQUASMART AQUASMART SPLIT SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE Índice Bombas de Calor para A.Q.S. Um novo grau de eficiência Sistemas eficientes de aquecimento de águas 03 Serviços de Apoio

Leia mais

Água Quente Sanitária. Climatização Passiva. Aquecimento e Arrefecimento. Aquecimento

Água Quente Sanitária. Climatização Passiva. Aquecimento e Arrefecimento. Aquecimento Água Quente Sanitária Climatização Passiva Aquecimento e Arrefecimento Aquecimento A Geotermia Vertical consiste na instalação de sondas geotérmicas para a captação de energia térmica em furos até 200

Leia mais

Bomba como bomba de água potável altamente eficiente. Calio-Therm S. Folheto do modelo

Bomba como bomba de água potável altamente eficiente. Calio-Therm S. Folheto do modelo Bomba como bomba de água potável altamente eficiente Calio-Therm S Folheto do modelo Ficha técnica Folheto do modelo Calio-Therm S Todos os direitos reservados. Os conteúdos aqui disponibilizados não podem

Leia mais

PAINEIS SOLARES MEGASUN

PAINEIS SOLARES MEGASUN PAINEIS SOLARES MEGASUN Há mais de uma década a actuar no sector do aquecimento doméstico, a Jaqueciprolar é importador e representante dos Painéis Solares MEGASUN. A MEGASUN é um conceituado fabricante

Leia mais

Fórum Eficiência Energética

Fórum Eficiência Energética Fórum Eficiência Energética A Visão do Auditor Aspectos a Considerar Luís Coelho Escola Superior de Tecnologia de Setúbal (ESTSetúbal) - IPS OBJECTIVOS: Apresentar os aspectos mais importantes da intervenção

Leia mais

Certificado Energético Pequeno Edifício de Comércio e Servicos IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA, 231, R/C Localidade PORTO

Certificado Energético Pequeno Edifício de Comércio e Servicos IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA, 231, R/C Localidade PORTO Válido até 20/04/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA, 231, R/C Localidade PORTO Freguesia PARANHOS Concelho PORTO GPS 41.163993, -8.604853 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL 1 ª Conservatória

Leia mais

Edifícios. Variação de Velocidade com o PumpDrive. Eficiência em Acção.

Edifícios. Variação de Velocidade com o PumpDrive. Eficiência em Acção. Edifícios Variação de Velocidade com o PumpDrive. Eficiência em Acção. 2 Vantagens Bombas controladas - planeamento controlado. Com o PumpDrive da KSB. Nos anos mais recentes as exigências profissionais

Leia mais

Energia. Sistemas de AVAC. Gestão Técnica Centralizada

Energia. Sistemas de AVAC. Gestão Técnica Centralizada Energia Sistemas de AVAC Gestão Técnica Centralizada Edifícios e Energia - indicadores 85% do impacte ambiental dos edifícios ocorre no período em que são ocupados (em regime de operação); Só 15% do seu

Leia mais

CALDEIRAS MURAIS DE CONDENSAÇÃO

CALDEIRAS MURAIS DE CONDENSAÇÃO CALDEIRAS MURAIS DE CONDENSAÇÃO BIOS CLASSE 5 NO X MELHORAR A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA É UMA DAS GRANDES METAS DA NOSSA SOCIEDADE NO SÉCULO XXI. A GAMA BIOS, BASEADA NA TECNOLOGIA DA CONDENSAÇÃO É UM DOS

Leia mais

PROPOSTA. 1. Introdução. Com base nos textos legais:

PROPOSTA. 1. Introdução. Com base nos textos legais: RESPONSABILIDADES DOS PROJECTISTAS DE INSTALAÇÕES, EQUIPAMENTOS E SISTEMAS DE AQUECIMENTO, VENTILAÇÃO E AR CONDICIONADO VERSUS RESPONSABILIDADES DOS PERITOS QUALIFICADOS NO ÂMBITO DO SCE (SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO

Leia mais

Sistemas de ventilação

Sistemas de ventilação Sistemas de ventilação Ventilação: é uma combinação de processos destinados fornecer o ar fresco e a extrair o ar viciado de um espaço ocupado a A ventilação consiste em fazer a renovação do ar ambiente

Leia mais

QUEM FAZ A AVALIAÇÃO ENERGÉTICA E EMITE O CERTIFICADO?

QUEM FAZ A AVALIAÇÃO ENERGÉTICA E EMITE O CERTIFICADO? O QUE É UM CERTIFICADO ENERGÉTICO? Um Certificado Energético (CE) de um edifício ou fracção autónoma é o documento emitido no âmbito do Sistema Nacional de Certificação Energética e Qualidade do Ar Interior

Leia mais

INOVAÇÃO LG, O BEM-ESTAR INSTALA-SE EM SUA CASA

INOVAÇÃO LG, O BEM-ESTAR INSTALA-SE EM SUA CASA Re Re INOVAÇÃO LG, O BEM-ESTAR INSTALA-SE EM SUA CASA THERMA V, UMA SOLUÇÃO QUE VAI DE ENCONTRO ÀS EXPECTATIVAS DO PÚBLICO Grande parte dos portugueses possuem habitação própria. Em 2006, 85% do consumo

Leia mais

Solar Térmico: Uso de paineis solares para águas quentes sanitárias. Luis Roriz

Solar Térmico: Uso de paineis solares para águas quentes sanitárias. Luis Roriz Solar Térmico: Uso de paineis solares para águas quentes sanitárias Luis Roriz Aproveitamento do calor Sistemas de aquecimento de águas sanitárias e ambiente de edifícios: a radiação solar captada (absorvida

Leia mais

Equipamento: Chiller

Equipamento: Chiller Equipamento: Chiller Limpeza/lavagem de condensadores Medições e registos de temperatura e pressões de água Medição e registo de consumos dos compressores, reajustes dos térmicos, medições e registos de

Leia mais

Laboratório de Sistemas de Energia. Ensaio de Colectores Solares Térmicos e Módulos Fotovoltaicos

Laboratório de Sistemas de Energia. Ensaio de Colectores Solares Térmicos e Módulos Fotovoltaicos Laboratório de Sistemas de Energia Ensaio de Colectores Solares Térmicos e Módulos Fotovoltaicos LSE 05-2013 1 Laboratório de Sistemas de Energia Ensaio de Colectores Solares Térmicos segundo as Normas:

Leia mais

_ esquentadores solares a gás p.34. gama. solasis

_ esquentadores solares a gás p.34. gama. solasis _ esquentadores solares a gás p.34 gama solasis Esquentadores solares. Conforto com a máxima poupança. A Fagor, na sua constante busca de novas soluções que respeitem o ambiente, desenvolveu quatro modelos

Leia mais

1. NECESSIDADES NOMINAIS ANUAIS DE ENERGIA ÚTIL PARA AQUECIMENTO

1. NECESSIDADES NOMINAIS ANUAIS DE ENERGIA ÚTIL PARA AQUECIMENTO Diário da República, 2.ª série N.º 234 3 de dezembro de 2013 35088-(41) Despacho (extrato) n.º 15793-I/2013 Nos termos e para os efeitos do Decreto -Lei n.º 118/2013 de 20 de agosto e respetiva regulamentação,

Leia mais

Projecto e Dimensionamento de Sistemas Geotérmicos Superficiais

Projecto e Dimensionamento de Sistemas Geotérmicos Superficiais Projecto e Dimensionamento de Sistemas Geotérmicos Superficiais BOMBAS DE CALOR GEOTERMICAS e as suas soluções FACTORES DECISIVOS e os seus benefícios POTENCIAL DO SOLO acesso; características; perfuração

Leia mais

BOMBAS DE CALOR AR/ÁGUA CLIMAECO

BOMBAS DE CALOR AR/ÁGUA CLIMAECO BOMBAS DE CALOR AR/ÁGUA CLIMAECO SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE Índice Bombas de Calor Ar/Água. Uma tecnologia de futuro Sistema de climatização integrado e eficiente 03 Serviços de Apoio ao Cliente 04 Princípio

Leia mais

Solar Térmico: Uso de paineis solares térmicos. Luis Roriz

Solar Térmico: Uso de paineis solares térmicos. Luis Roriz Solar Térmico: Uso de paineis solares térmicos Luis Roriz Aquecimento passivo O calor resultante da radiação solar pode ser aproveitado para o aquecimento de edifícios sem necessidade de recorrer a sistemas

Leia mais

\ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial

\ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial \ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial Workshop Eficiência Energética e Sustentabilidade Ambiental nas empresas CTCV 25 de Fevereiro de 2014 \ BOAS PRÁTICAS

Leia mais

MANUAL DA TORRE ARREFECIMENTO

MANUAL DA TORRE ARREFECIMENTO MANUAL DA TORRE ARREFECIMENTO Novembro de 2011 Índice 1. Regras básicas na realização da experiência... 2 2. Objectivos das experiências... 3 3. Descrição do equipamento... 4 3.1. Torre... 5 3.2. Pulverizadores

Leia mais

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR Nº CER 1234567/2007 CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR TIPO DE EDIFÍCIO: EDIFÍCIO DE SERVIÇOS Morada / Situação: Localidade Concelho Data de emissão do certificado Nome

Leia mais

CDP. Desumidificação de ar para piscinas

CDP. Desumidificação de ar para piscinas CDP Desumidificação de ar para piscinas Desumidificação eficiente para ambientes agressivos Em piscinas, spas, zonas de chuveiros a ginásios onde a humidade relativa é elevada e as condensações podem reduzir

Leia mais

- Enquadramento Legal Abordagem genérica das questões associadas à QAI; Enquadramento Legal.

- Enquadramento Legal Abordagem genérica das questões associadas à QAI; Enquadramento Legal. Cursos de atualização profissional para revalidação da credenciação técnica (nº 6, art. 22º DL79/2006 de 4 Abril) Referenciais mínimos aprovados pela Comissão Tripartida Revalidação da Credenciação a TIM

Leia mais

Seminário ENERGIA Construção Sustentável. Programa RCCTE-STE. Universidade Lusíada, V.N. Famalicão - 14 de Abril 2010

Seminário ENERGIA Construção Sustentável. Programa RCCTE-STE. Universidade Lusíada, V.N. Famalicão - 14 de Abril 2010 Programa RCCTE-STE Álvaro Ferreira Ramalho RCCTE-STE - 1 Introdução Esta aplicação (RCCTE-STE) permite efectuar os cálculos necessário à aplicação do RCCTE (Dec.Lei 80/2006) bem como, a requerida no RSECE

Leia mais

Soluções para ventilação e desenfumagem F400-120 (400º/2H) > caixas de ventilação

Soluções para ventilação e desenfumagem F400-120 (400º/2H) > caixas de ventilação Soluções para ventilação e desenfumagem F400-120 ventilação Défumair XTA caixa de desenfumagem à transmissão F400-120 vantagens Desempenhos optimizados. Modularidade: 4 versões possíveis. Construção monobloco.

Leia mais

ACSS ACSS. ACSS Unidade de Instalações e Equipamentos. Especificações técnicas para Ar Comprimido Industrial em EdifíciosHospitalares.

ACSS ACSS. ACSS Unidade de Instalações e Equipamentos. Especificações técnicas para Ar Comprimido Industrial em EdifíciosHospitalares. Guia para Especificações técnicas para Ar Comprimido Industrial em EdifíciosHospitalares ET 08/2010 V. 2013 ACSS Administração Central do Sistema de Saúde, IP ACSS ACSS Unidade de Instalações e Equipamentos

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR(A) DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Operador/a de Electrónica Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/16

PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR(A) DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Operador/a de Electrónica Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/16 PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR(A) DE ELECTRÓNICA PERFIL PROFISSIONAL Operador/a de Electrónica Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/16 ÁREA DE ACTIVIDADE - ELECTRÓNICA E AUTOMAÇÃO OBJECTIVO GLOBAL

Leia mais

ACSS ACSS. Gás combustível em edifícios hospitalares. do Sistema de Saúde, IP ET 02/2006 V. 2010. Especificações Técnicas para. Administração Central

ACSS ACSS. Gás combustível em edifícios hospitalares. do Sistema de Saúde, IP ET 02/2006 V. 2010. Especificações Técnicas para. Administração Central Especificações Técnicas para Gás combustível em edifícios hospitalares ACSS Administração Central do Sistema de Saúde, IP ET 02/2006 V. 2010 Administração Central ACSS do Sistema de Saúde Ministério da

Leia mais

Central Hidroeléctrica da Calheta de Inverno

Central Hidroeléctrica da Calheta de Inverno Central Hidroeléctrica da Calheta de Inverno Descrição Geral A Central da Calheta de Inverno foi construída em 1992, com o objectivo de aproveitar os caudais excedentários ao abastecimento público e garantidos

Leia mais

Água Quente. Supraeco W Supraeco W OS. Bombas de calor Ar - Água para produção de A.Q.S. julho 2014. Conforto para a vida

Água Quente. Supraeco W Supraeco W OS. Bombas de calor Ar - Água para produção de A.Q.S. julho 2014. Conforto para a vida Supraeco W Supraeco W OS Bombas de calor Ar - Água para produção de A.Q.S. Água Quente julho 0 Conforto para a vida Bombas de calor SUPRAECO energia água quente ar-água confortopoupança eficiênciacop calor

Leia mais

CO N C E P Ç ÃO, DESEN VO LV I MENTO E FABRI CO P ORTUGUÊ S BLOCO SOLAR ÁGUAS QUENTES SANITÁRIAS AQUECIMENTO CENTRAL CLIMATIZAÇÃO DE PISCINAS

CO N C E P Ç ÃO, DESEN VO LV I MENTO E FABRI CO P ORTUGUÊ S BLOCO SOLAR ÁGUAS QUENTES SANITÁRIAS AQUECIMENTO CENTRAL CLIMATIZAÇÃO DE PISCINAS CO N C E P Ç ÃO, DESEN VO LV I MENTO E FABRI CO P ORTUGUÊ S BLOCO SOLAR ÁGUAS QUENTES SANITÁRIAS AQUECIMENTO CENTRAL CLIMATIZAÇÃO DE PISCINAS ECONOMIA CONFORTO ECOLOGIA TRABALHA DE DIA, NOITE, COM CHUVA

Leia mais

Os aspectos fundamentais do RSECE por Alfredo Costa Pereira

Os aspectos fundamentais do RSECE por Alfredo Costa Pereira Os aspectos fundamentais do RSECE por Alfredo Costa Pereira O Indicador de Eficiência Energética (IEE) é o indicador fundamental utilizado pelo RSECE para determinar o cumprimento, ou não, dos requisitos

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada SESMARIA DO PAU QUEIMADO,, Localidade SANTO ESTEVÃO BNV

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada SESMARIA DO PAU QUEIMADO,, Localidade SANTO ESTEVÃO BNV Válido até 26/05/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada SESMARIA DO PAU QUEIMADO,, Localidade SANTO ESTEVÃO BNV Freguesia SANTO ESTEVÃO Concelho BENAVENTE GPS 38.888944, -8.723055 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

A escolha. atural BOMBA DE CALOR DAIKIN ALTHERMA

A escolha. atural BOMBA DE CALOR DAIKIN ALTHERMA A escolha atural BOMBA DE CALOR DAIKIN ALTHERMA 2 A escolha natural 3 em1: aquecimento, arrefecimento e água quente sanitária O sistema Daikin Altherma é a solução integrada de conforto, promovendo aquecimento,

Leia mais

MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ CÂMARA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ CÂMARA MUNICIPAL MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ CÂMARA MUNICIPAL PROGRAMA PRELIMINAR CENTRO ESCOLAR DE S.JULIÃO/TAVAREDE PROJECTOS DE ESPECIALIDADES 1 1. Introdução Pretende a Câmara Municipal da Figueira da Foz, desenvolver

Leia mais

MECÂNICO(A) DE APARELHOS DE GÁS

MECÂNICO(A) DE APARELHOS DE GÁS PERFIL PROFISSIONAL MECÂNICO(A) DE APARELHOS DE GÁS ÁREA DE ACTIVIDADE - ENERGIA OBJECTIVO GLOBAL - Executar a instalação, a conversão e a reparação de aparelhos de queima de gás e executar soldaduras

Leia mais

ENERGIA GEOTÉRMICA & SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO

ENERGIA GEOTÉRMICA & SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO ENERGIA GEOTÉRMICA & SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO ENERGIA GEOTÉRMICA Definição Recurso geotérmico -Fluidos e formações geológicas do sub-solo, de temperatura elevada, cujo calor seja suscetível de aproveitamento

Leia mais

CALDEIRA MURAL A GÁS CM ACUMULAÇÃ DINÂMICA Conforto inteligente Agora com H-MD Alta modulação para um maior conforto e poupança Novo Acumulação dinâmica melhorada para o utilizador de água quente mais

Leia mais

SISTEMAS DE PROTEÇÃO PASSIVA PORTAS RESISTENTES AO FOGO

SISTEMAS DE PROTEÇÃO PASSIVA PORTAS RESISTENTES AO FOGO PORTAS RESISTENTES AO FOGO OBJECTIVO Definir as características e condições técnicas a que devem obedecer as portas resistentes ao fogo (portas corta-fogo), não só para cumprimento do RJ-SCIE mas, também,

Leia mais

FICHA TECNICA CONTRA RISCO DE INCENDIOS EM EDIFICIOS HABITACIONAIS COMERCIAS E INDUSTRIAIS

FICHA TECNICA CONTRA RISCO DE INCENDIOS EM EDIFICIOS HABITACIONAIS COMERCIAS E INDUSTRIAIS Página 1/5 INSTALAÇÃO ELETRICA CONTADOR ENERGIA / ACE Verificação da não violação do selo do contador Verificação da existência de limitador de potência do distribuidor / Fatura QUADRO ELECTRICO Verificação

Leia mais

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR Nº CER CE53106823 CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR TIPO DE FRACÇÃO/EDIFÍCIO: EDIFÍCIO DE HABITAÇÃO SEM SISTEMA(S) DE CLIMATIZAÇÃO (NOVO) Morada / Localização Vila Utopia,

Leia mais

Mezzo Compensação. cozinhas. Hottes > hottes tradicionais grande conforto. descrição técnica. p. 926. hotte de cozinha tradicional Conforto.

Mezzo Compensação. cozinhas. Hottes > hottes tradicionais grande conforto. descrição técnica. p. 926. hotte de cozinha tradicional Conforto. Hottes > hottes tradicionais grande conforto cozinhas Mezzo Compensação hotte de cozinha tradicional Conforto vantagens Compensação integrada. Filtros de choque montados de série. Iluminação encastrada

Leia mais

Arrefecimento solar em edifícios

Arrefecimento solar em edifícios Arrefecimento solar em edifícios Introdução A constante procura de conforto térmico associada à concepção dos edifícios mais recentes conduziram a um substancial aumento da utilização de aparelhos de ar

Leia mais

Contribuição do INESC Coimbra para o Estudo Prévio do Futuro Edifício da Câmara Municipal da Mealhada

Contribuição do INESC Coimbra para o Estudo Prévio do Futuro Edifício da Câmara Municipal da Mealhada Institute of Systems Engineering and Computers INESC Coimbra Contribuição do INESC Coimbra para o Estudo Prévio do Futuro Edifício da Technical Report Documento Técnico Institute of Systems Engineering

Leia mais

Auditorias Ambientais Monitorização e Manutenção de Sistemas AVAC

Auditorias Ambientais Monitorização e Manutenção de Sistemas AVAC Qualidade do Ar Interior Novas Problemáticas Novas Politicas Novas Práticas Auditorias Ambientais Monitorização e Manutenção de Sistemas AVAC José Luís Alexandre jla@fe.up.pt DEMEGI FEUP Expornor Porto,

Leia mais

Processos de produzir calor utilizando a energia eléctrica:

Processos de produzir calor utilizando a energia eléctrica: A V A C Aquecimento Ventilação Ar Condicionado Aquecimento eléctrico Processos de produzir calor utilizando a energia eléctrica: Aquecimento por resistência eléctrica. Aquecimento por indução electromagnética.

Leia mais

TRAINREBUILD Formar para Reabilitar a Europa. WORKSHOP Reabilitação Energética de Edificios. Cascais, 19 de Abril de 2012

TRAINREBUILD Formar para Reabilitar a Europa. WORKSHOP Reabilitação Energética de Edificios. Cascais, 19 de Abril de 2012 TRAINREBUILD Formar para Reabilitar a Europa WORKSHOP Reabilitação Energética de Edificios Cascais, 19 de Abril de 2012 INDICE Lisboa E-Nova Enquadramento Conceitos Metodologia Oportunidades de Melhoria

Leia mais

Índice. Aquecimento e Climatização Bombas de Calor Pedra Natural Biomassa Recuperadores Calor Biomassa - Pellets

Índice. Aquecimento e Climatização Bombas de Calor Pedra Natural Biomassa Recuperadores Calor Biomassa - Pellets Climatização 1 Índice e Climatização Bombas de Calor Pedra Natural Biomassa Recuperadores Calor Biomassa - Pellets 3 5 6 7 2 Bomba de calor Central A bomba de calor tem como finalidade produzir água a

Leia mais

Atlas Copco. Arrefecedores finais, separadores de água e sistemas de purga COMPLETO, FÁCIL DE INSTALAR E MUITO ECONÓMICO

Atlas Copco. Arrefecedores finais, separadores de água e sistemas de purga COMPLETO, FÁCIL DE INSTALAR E MUITO ECONÓMICO Atlas Copco Arrefecedores finais, separadores de água e sistemas de purga COMPLETO, FÁCIL DE INSTALAR E MUITO ECONÓMICO Uma gama de arrefecedores finais efectivos e de separadores de água em conformidade

Leia mais

Aquecimento Doméstico

Aquecimento Doméstico Aquecimento Doméstico Grande variedade de escolha Dos cerca de 4.000 kwh de energia consumidos por uma família portuguesa durante o ano, 15% é destinado ao aquecimento ambiente. A zona climática, o tipo

Leia mais

ACSS ACSS. ACSS Unidade de Instalações e Equipamentos. Especificações técnicas para Gás Combustível em Edifícios Hospitalares.

ACSS ACSS. ACSS Unidade de Instalações e Equipamentos. Especificações técnicas para Gás Combustível em Edifícios Hospitalares. Guia para Especificações técnicas para Gás Combustível em Edifícios Hospitalares ET 02/2006 V. 2013 ACSS Administração Central do Sistema de Saúde, IP ACSS ACSS Unidade de Instalações e Equipamentos Especificações

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada MONTE STO ANTONIO - CASA FELIZ, CAIXA POSTAL 2010P, Localidade BENSAFRIM

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada MONTE STO ANTONIO - CASA FELIZ, CAIXA POSTAL 2010P, Localidade BENSAFRIM Válido até 04/11/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada MONTE STO ANTONIO - CASA FELIZ, CAIXA POSTAL 2010P, Localidade BENSAFRIM Freguesia BENSAFRIM E BARÃO DE SÃO JOÃO Concelho LAGOS GPS 37.157682, -8.742078

Leia mais

Chaminés Cálculos e Normas aplicáveis

Chaminés Cálculos e Normas aplicáveis Chaminés Cálculos e Normas aplicáveis Chaminé de tiragem natural Tem como função permitir a evacuação dos gases, produzidos por uma determinada combustão. Aplicado na extracção de gases de combustão provenientes

Leia mais