Teotonio Vilela Filho Governador. José Thomaz Nonô Vice-Governador

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Teotonio Vilela Filho Governador. José Thomaz Nonô Vice-Governador"

Transcrição

1 11111

2 Teotonio Vilela Filho Governador José Thomaz Nonô Vice-Governador Luiz Otavio Gomes Secretário de Estado do Planejamento e do Desenvolvimento Econômico Keylle André Lima Secretário Adjunto do Desenvolvimento Econômico 2

3 Fórum Estadual das Micro e Pequenas Empresas (FEMPE/AL) Luiz Otavio Gomes Presidente Michael Chinelato Secretário Executivo Comitê Temático de Investimentos e Financiamentos Antônio Carlos Quintiliano Desenvolve Coordenador de Governo José Geminiano Jurema - AMICRED Coordenador da Iniciativa Privada Apoio e Revisão técnica Polianna Bugarin - Seplande Sergio Vieira Sebrae-AL Fábio Leão Desenvolve Thiago Pires - Desenvolve Raimundo Nonato Amicred ASCOM - Seplande ASCOM - Desenvolve 3

4 SUMÁRIO Apresentação Amicred... 6 Banco do Brasil... 9 Banco do Nordeste Caixa Econômica Federal Desenvolve Agência de Fomento de Alagoas.. 41 Documentos necessários Glossário

5 APRESENTAÇÃO A Cartilha de Produtos para Pequenos Negócios é uma publicação do Comitê Temático de Investimento e Financiamento do Fórum das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte de Alagoas (Fempe). O objetivo é reunir, em um único documento, os principais produtos e serviços financeiros disponibilizados pelas Instituições bancárias oficiais às MPEs Trata-se de uma ação do projeto de Fortalecimento dos Micro e Pequenos Negócios e Promoção do Empreendedorismo, que compõe o Programa Alagoas Tem Pressa. A cartilha visa auxiliar os empreendedores no processo de obtenção de produtos e serviços bancários. Tal iniciativa contribui para expansão gradativa e contínua da participação das MPEs no total do crédito concedido pelos agentes financeiro e, dessa forma, possam alavancar os seus negócios, proporcionando maior competitividade no mercado em geral. As ME e EPP encontrarão o significado das palavras mais usadas no mundo financeiro, o que cada instituição de crédito em Alagoas oferece, além dos principais documentos que precisam para obterem o crédito. Luiz Otavio Gomes Presidente do Fempe 5

6 ASSOCIAÇÃO DE MICROCRÉDITO E DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÔMICO DO ESTADO DE ALAGOAS AMICRED A Amicred é uma organização não governamental com experiência de oito anos na área de microcrédito. A associação trabalha com uma política estruturada no financiamento de microcrédito solidário para populações de baixa renda, buscando desenvolvimento econômico e social e combate à pobreza mediante o fomento dos pequenos negócios e a experimentação não lucrativa de sistemas alternativos de crédito. FINANCIAMENTO PARA CAPITAL DE GIRO CAPITAL DE GIRO - AMICRED-PMC / DESENVOLVE-AMICRED Finalidades: Financiamento para capital de giro, destinado a aquisição de mercadorias, matéria-prima e insumos. Público-alvo: Empreendedores formais e informais com faturamento anual de até R$ ,00. Limitações: Mínimo de R$ 300,00 e máximo de R$ ,00. 6

7 PRAZO: Mínimo de 3 meses e máximo de 8 meses. Encargos: Taxa de 3,50% a.m. com CAD de 2,00% sobre o valor do crédito aberto. REEMBOLSO: Parcelas consecutivas de acordo com o cronograma de amortização estabelecido, com possibilidade de pagamentos quinzenais ou mensais Garantias: Aval individual e/ou solidário FINANCIAMENTO PARA INVESTIMENTO FIXO CAPITAL FIXO E CAPITAL MISTO - AMICRED-PMC / DESENVOLVE-AMICRED Finalidades: CAPITAL FIXO é destinado a aquisição de ferramentas, máquinas e/ou equipamentos. CAPITAL MISTO destina-se a investimentos onde parte vai ser aplicado em ferramentas, máquinas e/ou equipamentos e outra parte em mercadorias. 7

8 Público-alvo: Empreendedores formais com faturamento anual de até R$ ,00. Limitações: Mínimo de R$ 300,00 e máximo de R$ ,00. Prazo: Mínimo de 3 meses e máximo de 18 meses. Encargos: Taxa de 3,50% a.m. com CAD de 2,00% sobre o valor do crédito aberto. REEMBOLSO: Parcelas consecutivas de acordo com o cronograma de amortização estabelecido, com possibilidade de pagamentos quinzenais ou mensais. Garantias: Aval individual e/ou solidário e garantia real. Contato: Tel. Atendimento: (82)

9 BANCO DO BRASIL O Banco do Brasil S.A. (BB) é uma instituição financeira brasileira, constituída na forma de sociedade de economia mista, com participação da União brasileira em 68,7% das ações. Sua missão, segundo sua filosofia corporativa, é "Ser um banco competitivo e rentável, promover o desenvolvimento sustentável do Brasil e cumprir sua função pública com eficiência". Linhas de crédito FINANCIAMENTO PARA CAPITAL DE GIRO BB GIRO RÁPIDO Finalidades: Capital de giro para empresas, onde o valor de cada parcela pode ser reutilizável possibilitando sua reutilização por meio do Ourocard empresarial para compra e saques. Público-alvo: Microempreendedores Individuais, micro e pequenas empresas com faturamento de até R$ ,00. 9

10 Limitações: Até R$ ,00 de acordo com análise de crédito Prazo: Até 24 meses com até 59 dias de carência Encargos: De acordo com o relacionamento entre o cliente e o Banco. Garantias: Fidejussória e/ou FGO. BB GIRO APL Finalidades: Reforço para capital de giro para suprir necessidades financeiras vinculadas ao fluxo de caixa. Público-alvo: Empresas integrantes ao Arrajo Produtivo Local (APL). Limitações: De acordo com a análise de crédito. Prazo: Até 24 meses com até 6 meses de carência Encargos: De acordo com o relacionamento entre o cliente e o Banco Garantias: Fidejussória e/ou FGO. 10

11 BB CAPITAL DE GIRO MIX PASEP Finalidades: Capital de giro operacional, quitação de tributos e demais necessidades de capital de giro. Isenção no valor do IOF sobre a parcela de recursos do PASEP. Público-alvo: Empresas com faturamento bruto anual de no máximo R$ ,00. Limitações: De acordo com a análise de crédito. Prazo: Até 24 meses Encargos: De acordo com o relacionamento entre o cliente e o Banco. Garantias: Fidejussória e/ou FGO. DESCONTO DE CHEQUES Finalidades: Antecipação do recebimento das vendas com cheques pré-datados. Público-alvo: Pessoas físicas ou jurídicas e empreendedores individuais. 11

12 Limitações: Até 100% dos cheques custodiados, observando o valor do teto contratado. Prazo: Até 180 dias. Encargos: De acordo com o relacionamento entre o cliente e o Banco. Garantias: Fiança. ANTECIPAÇÃO DE CRÉDITO AO LOJISTA (ACL) Finalidades: Antecipação dos valores das vendas com cartão de crédito, nas modalidades à vista ou parceladas. Público-alvo: Pessoas físicas ou jurídicas e empreendedores individuais afiliados à Cielo. Limitações: Até 100% do valor das vendas com cartão, observando o valor do teto contratado. Prazo: De 2 a 365 dias. Encargos: De acordo com o relacionamento entre o cliente e o Banco. 12

13 Garantias: Fiança e cessão de direitos creditórios de faturas do cartão. BB GIRO CARTÕES Finalidades: Empréstimos com base no valor da média das vendas dos últimos 12 meses com cartão de crédito. Público-alvo: Empresas com faturamento acima de R$ ,00, com histórico de vendas há mais de 12 anos. Limitações: Até 8 vezes o valor da média mensal das vendas com cartão de crédito. Prazo: Até 36 meses com até 90 dias carência Encargos: A partir de 1,60% a.m. Garantias: Fiança e cessão de direitos creditórios de faturas do cartão. 13

14 FINANCIAMENTO PARA INVESTIMENTO PROGER URBANO EMPRESARIAL Finalidades: Financiar projetos de investimentos com ou sem capital de giro associado, que proporcionem a geração ou manutenção de emprego e renda. Público-alvo: Empresas com faturamento bruto anual de no máximo R$ ,00. Limitações: Até 80% do valor do investimento máximo de R$ ,00. Prazo: Até 72 meses com até 12 meses de carência. Encargos: TJLP + 2,50% a.a. Garantias: Fundo garantidor, garantia real e fidejussória. PROGER TURISMO INVESTIMENTO Finalidades: Financiar investimento, com ou sem capital de giro assciado, em projetos turísticos, que proporcionem a geração ou manutenção de emprego e renda. 14

15 Público-alvo: Microempreendedores Individuais, micro e pequenas empresas so setor turístico com faturamento bruto anual de até R$ ,00 Limitações: Até 90% do valor do investimento. Máximo de R$ ,00 Prazo: Até 120 meses com até 30 meses de carência. Encargos: TJLP + 2,50% a.a. Garantias: Fundo garantidor, garantia real e fidejussória. CARTÃO BNDES Finalidades: Aquisição de máquinas, equipamentos, bens de produção, bens de capital e outros cadastrados no portal Cartão BNDES. Público-alvo: Empresa de controle nacional com faturamento anual de até R$ ,00. Limitações: Até 100% do valor financiado, com valor máximo de R$ ,00. 15

16 Prazo: De 3 a 48 meses. Encargos: Definido pelo BNDES e divulgado no portal Garantias: Fidejussória. COMÉRCIO EXTERIOR ADIANTAMENTO SOBRE CONTRATO DE CÂMBIO (ACC) E (ACE) Finalidades: As diversas fases do processo de produção e comercialização da mercadoria a ser exportada. Público-alvo: Exportador Pessoa física ou jurídica. Limitações: Até 100%, de acordo com a análise de crédito. Prazo: ACC: Até 360 dias antes do embarque ACE: Até 360 dias após o embarque Encargos: Taxas praticadas no mercado internacional + Spread. 16

17 PROGER EXPORTAÇÃO Finalidades: Produção nacional de bens na fase pré-embarque e despesas com promoção de exportação. Público-alvo: Micro e pequenas empresas exportadoras constituídas sob leis brasileiras e que tenham sede no país. Limitações: De acordo com o limite de crédito, limitado a R$ ,00. Prazo: Até 12 meses com até 6 meses de carência Encargos: TJLP + 5,15% a 5,655% a.a. FINANCIAMENTO À IMPORTÇÃO - FINIP Finalidades: Aquisição de produtos, bens ou serviços do exterior, podendo abranger gastos com tributos, despesas portuárias, frete e seguros. Público-alvo: Pessoas físicas ou jurídicas. Limitações: Até 100% do valor da importação. 17

18 Prazo: Até 360 dias. Encargos: Taxas praticadas no mercado internacional + Spread. Contatos: Tel. Sac:

19 BANCO DO NORDESTE O Banco do Nordeste do Brasil S/A (BNB) é uma instituição bancária de propriedade da União (Governo Federal Brasileiro). É um banco de desenvolvimento e sua finalidade é promover o desenvolvimento sustentável da região Nordeste do Brasil, através da capacitação técnica e financeira dos agentes produtivos regionais. PROGRAMA PARA CAPITAL DE GIRO MPE CAPITAL DE GIRO Finalidades: Conceder crédito para cobrir eventuais déficits de caixa das micro e pequenas empresas Público-alvo: Empresas (exceto cooperativas e associações) que atuem nos ramos rural, agroindustrial, comercial ou de prestação de serviços, as quais se enquadrem como micro e pequena empresa. 19

20 Limitações: Mínimo de R$ ,00 e máximo até o valor da margem disponível do limite do risco de crédito da empresa. Prazo: Até dias sem carência Encargos: De acordo com o porte, prazo e risco de crédito da empresa, com taxa de 1,4% a.m. Reembolso: O principal será em parcelas iguais, mensais e sucessivas. Garantias: Fiança, aval e recebíveis (Dp`s, cheques pré-datados e de cartão de crédito). CAPITAL DE GIRO (INSUMOS) Finalidades: Apoiar a produção comercial e de prestação de serviços mediante o financiamento da aquisição isolada de matérias-primas e insumos utilizados no processo produtivo do empreendimento; mercadorias para constituição de estoques de empresas comerciais e insumos utilizados por empresas turísticas e de prestação de serviços. 20

21 Público-alvo: Empresas industriais, agroindústrias, turísticas, comerciais e de prestação de serviços, de qualquer porte. Limitações: Mínimo de 10% do faturamento bruto anual e máximo de R$ ,00 Prazo: Até 24 meses (incluso a carência de 6 meses). Encargos: COM RECURSO FNE: 6,75% a.a. para micro empresa; 8,25% a.a. para pequena empresa. COM RECURSO INTERNO: Juros a partir de 1,2% a.m. e tarifas e IOF conforme a legislação vigente. Fontes de Recurso (2): 50% do fundo constitucional para o desenvolvimento do Nordeste (FNE), e 50%com recursos internos de tesouraria (RECIN). Bônus 2: Bônus de adimplência de 25% sobre juros para os municípios localizados no semiárido e 15% para os demais municípios. Reembolso: Parcelas iguais, mensais e consecutivas. Garantias: Hipoteca, fiança, aval e recebíveis (Dp`s, cheques prédatados e de cartão de crédito). 21

22 FINANCIAMENTO PARA INVESTIMENTOS Finalidades: Implantação, expansão, modernização e relocalização de micro e pequenas empresas dos setores comercial e de prestação de serviço, inclusive empreendimentos culturais, mediante o financiamento de investimento de capital de giro. Público-alvo: Micro e pequenas empresas dos setores industrial, agroindustrial,turismo, comercial e de prestação de serviço, além dos setor de cultura. Limitações: INVESTIMENTO FIXO E MISTO: até 100% do investimento projetado. Capital de Giro Associado: Máximo de 50% para empresas de pequeno porte e máximo de 100% para microempresas. Prazo: Até 12 anos (Incluso 4 anos de carência). Encargos: Microempresas: 6,75% a.a. Pequena Empresa: 8,25% a.a. 22

23 Bônus 3: Bônus de adimplência de 25% sobre juros para os municípios localizados no semiárido e 15% para os demais municípios. Reembolso: Prestações mensais, exceto no setor industrial, que poderá ser mensal, trimestral, semestral ou anual. Garantias: Hipoteca, alienação fiduciária, penhor, aval ou fiança. FINANCIAMENTO PARA EXPORTAÇÕES E SERVIÇOS DE COMÉRCIO EXTERIOR ADIANTAMENTO SOBRE O CONTRATO DE CÂMBIO (ACC) Finalidades: Promover suporte financeiro à exportação, mediante o adiantamento, total ou parcial, de recursos em moeda nacional por conta do preço em moeda estrangeira comprada a termo, objeto de contrato de câmbio celebrado com banco para liquidação futura. Público-alvo: Exportadores que tenham celebrado com o banco contrato de câmbio, para liquidação futura e no caso de 23

24 mercadorias embarcadas, tenham reais possibilidades de efetuar a exportação. Limitações: Poderá ser concedido até 100% do contravalor em moeda nacional do valor da moeda estrangeira do contrato de câmbio, observando o valor mínimo de US$ ,00. Prazo: Até 720 dias. Encargos: Além do IOF e tarifas na norma da regulamentação pertinente, o exportador pagará ao banco o deságio, fixado, caso a caso, em articulação com o ambiente de operações financeiras. Reembolso: Não há reembolso. Garantias: Aval em nota promissória emitida pelo exportador à ordem do banco, hipoteca, alienação fiduciária, penhor e recebíveis. NORDESTE EXPORTAÇÃO Finalidades: Mercadorias para constituição de estoques de empresas comerciais, destinados à exportação e insumos utilizados por empresas de prestação de serviços no cumprimento 24

25 de contrato firmado com PF ou PJ residentes, domiciliadas ou com sede no exterior. Público-alvo: Empresas exportadoras comerciais e de prestação de serviço de qualquer porte. Limitações: Mínimo de R$ ,00 e no máximo de R$ ,00, dependendo do município e do porte da empresa. Prazo: Até 18 meses. Encargos: Microempresa: 6,57% a.a. Pequena Empresa: 8,25% a.a. Fontes de recursos: Fundo Constitucional para o desenvolvimento do Nordeste (FNE). Bônus: Bônus de adimplência de 25% sobre juros para os municípios localizados no semiárido e 15% para os demais municípios. Reembolso: De uma só vez, no vencimento da operação. Garantias: Hipoteca, penhor, fiança ou aval. Contato: Tel.Sac:

26 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Caixa Econômica Federal (CEF), também conhecida como Caixa Econômica ou apenas Caixa é uma instituição financeira, sob a forma de empresa pública do Governo Federal Brasileiro, com patrimônio próprio e autonomia administrativa com sede em Brasília (DF) e com filiais em todo o território nacional. É um órgão vinculado ao Ministério da Fazenda. Constituída como empresa pública, a Caixa atua como prestadora de serviços de natureza social, na promoção da cidadania e do desenvolvimento sustentável do país, como instituição financeira, agente de políticas públicas e parceira estratégica do Estado brasileiro. 26

27 CAPITAL DE GIRO CHEQUE EMPRESA CAIXA Finalidades: Limite de crédito rotativo para prover a conta corrente toda vez que sua empresa tiver necessidade eventual de recursos. No caso de Empreendedor Individual o valor de limite de crédito rotativo a ser contratado é de R$ 300,00. Público-alvo: Pessoas Jurídicas clientes CAIXA titulares de conta corrente. Limitações: Limite do crédito definido de acordo com a avaliação de crédito. Prazo: Prazo de 360 dias, prorrogável Encargos: Taxa diferenciada, a partir de 3,15% a.m. de acordo com o nível de relacionamento do cliente com a CAIXA Fontes de Recursos: Recursos Caixa Garantias: Aval dos sócios e dirigentes da empresa 27

28 CARTÃO CAIXA EMPRESARIAL Finalidade: Cartão emitido pela CAIXA associado à bandeira Visa ou Mastercard. Destina-se a aquisição de bens, serviços e pagamento de despesas. Público-alvo: Pessoas Jurídicas clientes CAIXA titulares de conta corrente. Limitações: Limite do crédito definido de acordo com a avaliação de crédito. Prazo: Prazo de 360 dias, prorrogável Fontes de Recursos: Recursos Caixa Garantias: Aval dos sócios e dirigentes da empresa DESCONTO DE DUPLICATAS E CHEQUES Finalidade: Operação de crédito destinado a antecipar o fluxo financeiro da empresa, por meio do desconto de títulos de sua 28

29 emissão ou cheques pré-datados de terceiros entregues para cobrança na CAIXA. Público-alvo: Empresas privadas comerciais, industriais e prestadoras de serviços clientes da CAIXA Limitações: Limite do crédito definido de acordo com a avaliação de crédito. Prazo: Prazo de 360 dias, prorrogável Encargos: Taxa diferenciada, a partir de 1,15% a.m. de acordo com o nível de relacionamento do cliente com a CAIXA. Fontes de Recursos: Recursos Caixa Garantias: Caução dos direitos creditórios sobre os Cheques Prédatados e Títulos de Venda Mercantil, mantidos sob custódia 29

30 GIROCAIXA INSTANTÂNEO MÚLTIPLO Finalidade: Operação para antecipação de recebíveis que dispõe de limite de crédito rotativo, um fixo e outro variável de acordo Público-alvo: Clientes da Caixa, empresas com faturamento fiscal anual de até R$ 50 milhões. Limitações: Limite do crédito definido de acordo com a avaliação de crédito. Prazo: Prazo de 360 dias, prorrogável Encargos: Taxa de Juros: de acordo com recebíveis antecipados - Cheque pré-datado: TR + 1,47% a.m. - Cartão de crédito: TR + 1,00% a.m. - Duplicatas mercantis: TR + 1,76% a.m. - Duplicatas Prestação de Serviços: TR + 1,86% a.m. Fontes de Recursos: Recursos Caixa 30

31 Garantias: Caução dos direitos creditórios sobre os Cheques Prédatados, Títulos de Prestação de Serviços, Títulos de Venda Mercantil, Cheques Eletrônicos e Faturas dos Cartões de Crédito Mastercard e Visa mantidos sob custódia como garantia da operação contratada; GIROCAIXA FÁCIL Finalidade: Limite para Capital de Giro, pré-aprovado, que pode ser utilizado total ou parcialmente, conforme necessidade de sua empresa. Público-alvo: Empresas, clientes da CAIXA, detentoras dos produtos Conta Corrente PJ e Cheque Empresa CAIXA, com faturamento fiscal bruto anual de até R$ 50 milhões. Limitações: Limite máximo: R$ ,00. Prazo: 12, 18, 24 e 40 meses. Encargos: Taxa: 0,94% a.m.; Fontes de Recursos: Recursos Caixa 31

32 Garantias: Aval dos sócios e dirigentes da empresa e Garantia Real CRÉDITO ESPECIAL EMPRESA CAIXA Finalidade: Empréstimo para capital de giro com taxas pré ou pósfixadas e pagamento parcelado, com possibilidade de utilização do Fundo de Garantia de Operações - FGO. Público-alvo: Empresas de Micro, Pequeno e Médio porte formalmente constituídas, cliente da CAIXA, com faturamento fiscal anual bruto de até R$ 15 milhões. Limitações: Limites Máximo: - Operações com FGO CG 60%: R$ 125 mil - Operações com FGO CG 80%: R$ 80 mil - Demais Garantias: de acordo com a avaliação de crédito. Prazo: até 24 meses para linhas pré-fixadas e até 36 meses para linhas pós-fixadas; 32

33 Encargos: Taxa Prefixadas a partir de 1,30% a.m. e Taxa Pósfixada a partir de 1,25% a.m. + TR, dependendo do prazo, da garantia oferecida, da avaliação de risco da empresa e do relacionamento com a CAIXA. Fontes de Recursos: Recursos Caixa Garantias: Aval dos sócios e dirigentes da empresa, Fundo Garantidor e Garantia Real INVESTIMENTO PROGER INVESTGIRO CAIXA PJ Finalidade: Linha de crédito para financiamento de investimentos fixos e capital de giro associado, para empreendimentos que visem geração de emprego e renda. Público-alvo: Micro e Pequenas Empresas, legalmente constituídas e estabelecidas, a mais de 12 meses consecutivos, com faturamento de até R$ 5 milhões; 33

34 Limitações: Até 90% do projeto, limitado a R$ ,00. Prazo: até 48 meses, incluída carência de até 6 meses; Encargos: Taxa: TJLP + 5%* a.a. Fontes de Recursos: Recursos do FAT Garantias: Aval dos sócios/dirigentes e alienação fiduciária dos bens financiados. FINAME Finalidade: Operação destinada a financiar máquinas e equipamentos nacionais novos, cadastrados no BNDES. Público-alvo: Destinado a Microempresas, Empresas de Pequeno, Médio e Grande Porte, sob controle de capital nacional. Limitações: Os limites de financiamentos de Equipamentos são definidos conforme o porte das empresas: MPE - até 90% e MGE - 34

35 até 70%. O limite máximo de financiamento é de até R$ ,00; Prazo: Até 60 meses, incluído o período de carência de até 12 meses. Encargos: Empresa c/ Faturamento < 90MM: 5,5% a.a. Empresa c/ Faturamento > 90MM: 7,3% a.a. Fontes de Recursos: Recursos do BNDES Garantias: Aval dos sócios/dirigentes e alienação fiduciária dos bens financiados. BNDES AUTOMÁTICO Finalidade: Financiamento de projetos de investimentos, destinados à expansão, relocalização e modernização de atividades produtivas de infra-estrutura, compra de máquinas e equipamentos e possibilidade de capital de giro associado a investimento fixo. 35

36 Público-alvo: Destinada a Micro, Pequenas Médias empresas, sob controle de capital nacional, localizadas em qualquer região do país para financiar projetos de investimento para relocalização, ampliação, recuperação e modernização de empreendimentos voltados à produção e à infra-estrutura. Limitações: O limite máximo da operação é de R$ ,00 Limites de Financiamento: - Investimentos fixos: até 90%. - Máquinas e Equipamentos: até 90%. - Capital de Giro Associado: de acordo com a necessidade do empreendimento Prazo: Até 60 meses, incluído o período de carência de até 12 meses. Encargos: Taxa diferenciada, a partir de TJLP + 3,10% a.a. de acordo com o nível de relacionamento do cliente com a CAIXA. Empresa c/ Faturamento > 90MM: 7,3% a.a. Fontes de Recursos: Recursos do BNDES 36

37 Garantias: Aval dos sócios/dirigentes e alienação fiduciária dos bens financiados. CARTÃO BNDES CAIXA Finalidade: Com ele, sua empresa adquire bens de produção de fabricação nacional e insumos com mais facilidade, diretamente no Portal de Operações do BNDES. Público-alvo: Destinado a Microempresas, Empresas de Pequeno, Médio e Grande Porte, sob controle de capital nacional. Limitações: Limite: até R$ ,00 Prazo: 12, 18, 24 ou 36 meses; Encargos: Definido pelo BNDES e divulgado no portal Fontes de Recursos: Recursos do BNDES Garantias: Aval dos sócios/dirigentes 37

38 PRODUCARD Finalidade: Limite de crédito para atender necessidades de investimento e aquisição de insumos destinados à cadeia produtiva. É utilizado para compra em estabelecimentos conveniados por meio de cartão de débito Producard. Público-alvo: Empresas com faturamento anual fiscal de até R$ 15 milhões, cujo ramo de atividade esteja vinculado à atividade produtiva Limitações: Limite Mínimo: R$ 500,00 Limite Máximo: R$ ,00 Prazo de Utilização: 2 a 6 meses Prazo de Amortização: 1 a 30 meses Prazo máximo: 36 meses Encargos: Taxa diferenciada, a partir de TR + 1,22 a.m. de acordo com o nível de relacionamento do cliente com a CAIXA. Fontes de Recursos: Recursos CAIXA Garantias: Aval dos sócios/dirigentes 38

39 FINANCIAMENTO DE VEÍCULOS PJ Finalidade: Linha de crédito com recursos da CAIXA para financiar a aquisição de veículos novos e usados à Pessoa Jurídica Cliente da CAIXA. Público-alvo: Empresas individuais, Microempresas e Empresas de Pequeno Porte, clientes da CAIXA. Limitações: Veículos Novos: Até 90% do valor do bem especificado(s) na Nota Fiscal. Veículos usados: Até 90% do valor do veículo constante da tabela FIPE ou do valor de aquisição comprovado pelo CRV, o que for menor. Prazo: Até 48 meses (sem carência). Encargos: A partir de 1,20 a.m. (veículos novos) e 1,23% a.m. (veículos usados), de acordo com o nível de relacionamento do cliente com a CAIXA. Fontes de Recursos: Recursos CAIXA Garantias: Aval dos sócios/dirigentes e alienação fiduciária dos bens financiados. 39

40 BENS DE CONSUMO DURÁVEIS PJ Finalidade: Financiamento de máquinas, equipamentos e outros bens novos e usados, exceto veículos, de fabricação nacional ou importados já internalizados no País. Público-alvo: Empresas individuais, Microempresas e Empresas de Pequeno Porte, clientes da CAIXA. Limitações: O valor máximo de financiamento a ser concedido é até 80% do valor do bem constante na nota fiscal. Prazo: Até 60 meses, incluído o período de carência de até 12 meses. Encargos: Taxa diferenciada, a partir de TR + 1,22 a.m. de acordo com o nível de relacionamento do cliente com a CAIXA. Fontes de Recursos: Recursos CAIXA Garantias: Aval dos sócios/dirigentes e alienação fiduciária dos bens financiados. Contato: Tel.Sac:

41 DESENVOLVE AGÊNCIA DE FOMENTO DE ALAGOAS A Desenvolve é uma empresa de economia mista, ligada ao Governo de Alagoas, através da Secretaria de Estado do Planejamento e do Desenvolvimento Econômico (Seplande), e está inserida no sistema financeiro nacional, de capital fechado, conforme disposto pela Lei 6.488, de 16 de junho de 2004 e submetida à supervisão e fiscalização do Banco Central do Brasil. Essa Lei atribui à Agência de Fomento de Alagoas o objetivo social de contribuir para a aceleração do desenvolvimento sustentável do estado, estimulando a realização de investimentos, a geração de emprego e renda através de financiamento de microcrédito produtivo, apoio na execução de projetos empresariais das micro e pequenas empresas, a modernização das estruturas produtivas, o aumento da competitividade estadual e a redução das desigualdades sociais e regionais. COMPRAS GOVERNAMENTAIS Finalidades: Linha de crédito elaborada em parceria com a Agência de Modernização da Gestão de Processos AMGESP 41

42 direcionada a atender as necessidades financeiras das micro e pequenas empresas fornecedoras exclusivamente alagoanas. Público-alvo: MEI, micro e pequenas empresas fornecedoras exclusivamente alagoanas que tenham recursos a receber através de licitações públicas do Estado. Limitações: Limite de 80%, em licitações de no máximo R$ ,00 Prazo: Até 3 meses, sem carência. Encargos: Taxa de 1,40% a.m. Garantias: Nota de empenho da instituição pública MICROCRÉDITO FÁCIL - KIT GÁS Finalidades: Linha de crédito direcionada a atender aos taxistas vinculados a cooperativas e associações. Além dos taxistas, empresas cuja frota utilizam o GNV e querem renovar seus equipamentos. Público-alvo: Taxistas e empresas cuja frota utiliza GNV e querem reforma seus equipamentos. 42

43 Limitações: Até R$ 5.000,00 Prazo: Até 24 meses com carência de até 3 meses Encargos: Taxa de 1,40% a.m. Garantias: Aval do taxista e alienação do kit gás ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS APL Finalidades: Linha de crédito elaborada em parceria com o Programa de Arranjo Produtivo Locais do Estado de Alagoas direcionada a atender as necessidades financeiras dos pequenos e médios empreendedores, com base em um Plano de Negócio. Público-alvo: MEI, micro, pequeno e médio empreendedores vinculados ao Programa dos Arranjos Produtivos Locais do estado de Alagoas. Limitações: Até R$ ,00 Prazo: Até 32 meses com carência de até 4 meses Encargos: Taxa de 1,80% a.m. 43

44 Bônus: Plano de Negócio Financiado acima de R$ ,00 Garantias: Hipoteca, alienação fiduciária e aval individual. CRÉDITO COMPETITIVO Finalidades: Linha de crédito direcionada a atender as necessidades financeiras dos pequenos e médios empreendedores, com base em um Plano de Negócio. Público-alvo: MEI, micro, pequenos e médios empreendedores. Limitações: Até R$ ,00 Prazo: Até 32 meses com carência de até 4 meses Encargos: Taxa de 2,20% a.m. Bônus: Plano de Negócio Financiado acima de R$ ,00 Garantias: Hipoteca, alienação fiduciária e aval individual. 44

45 MICROCRÉDITO DESENVOLVE/BNDES Finalidades: Linha de microcrédito produtivo e orientado direcionado a atender empresas alagoanas dos setores de comércio e serviços, especialmente empreendedores individuais e micro e pequenos empresários. Público-alvo: MEI, micro, pequenos e médios empreendedores. Limitações: Até R$ ,00 Prazo: Até 24 meses com carência de até 3 meses Encargos: Taxa de 1,40% a.m. Garantias: Hipoteca, alienação fiduciária e aval individual. CADEIA PRODUTIVA ESTRATÉGICA Finalidades: Linha de crédito elaborada e direcionada a empresas de pequeno e médio porte que necessitam de um financiamento acima de R$ ,00. 45

46 Público-alvo: Micro e pequenas empresas/indústrias que necessitam aumentar seu capital de giro e/ou investir em maquinários e equipamentos. Limitações: Até R$ ,00 Prazo: Até 32 meses com carência de até 4 meses Encargos: Taxa de 1,40% a.m. Garantias: Hipoteca, alienação fiduciária e aval individual. Contatos: Tel. Atendimento: (82)

47 DOCUMENTOS NECESSÁRIOS: BANCO DO BRASIL Empresário (proponente) - carteira de identidade; - CPF do Titular; - Comprovante de residência do representante legal; - Cartão do CNPJ do empreendimento; - Relação de faturamento dos últimos 12 meses; - Documento de constituição CCMEI; - Relação de bens e patrimônios (se houver); - Apresentação de 01 avalista/financiador Avalista: - Documento de identificação com foto; - Comprovante de regularidade do CPF; 47

48 - Comprovante de residência; - Comprovante de renda; - Relação de bens e patrimônios (se houver); - Assinatura do conjugue. BANCO DO NORDESTE (via crediamigo) Empresário (proponente): - carteira de identidade; - CPF do Titular; - Comprovante de residência do representante legal; - Cartão do CNPJ do empreendimento; - Apresentação de 02 avalistas Avalista: - Documento de identificação com foto; 48

49 - Comprovante de regularidade do CPF; - Comprovante de residência; - Comprovante de renda; - Assinatura do conjugue. CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Empresário (proponente): - Documento de identificação com foto; - Comprovante de regularidade do CPF; - Comprovante de residência do representante legal; - Comprovante de renda do representante legal (se houver); - Apresentar avalista. Avalista: - Documento de identificação com foto; - Comprovante de regularidade do CPF; 49

50 - Comprovante de residência; - Comprovante de renda; - Assinatura do conjugue. DESENVOLVE AGÊNCIA DE FOMENTO DE ALAGOAS Empresário (Empreendedor Individual): - Cadastro preenchido e assinado pelo representante legal da empresa; - CNPJ; - Inscrição Estadual; - Alvará sanitário emitido pela Vigilância Sanitária (se for o caso); - Alvará de localização e funcionamento emitido pela prefeitura; - Última declaração do imposto de renda Pessoa Juridica; - Comprovante de conta bancária Pessoa Jurídica (cópia do cartão empresarial ou extrato da conta PJ); 50

51 - Contrato de locação do imóvel empresarial (caso seja alugado); - CPF, RG e comprovante de residência (máximo 60 dias) do titular; - CPF, RG, comprovante de residência e comprovante de renda do avalista. Plano de Negócio Empresário (EI, ME, LTDA, EPP e demais empresas): - Cadastro preenchido e assinado pelo(s) representante(s) legal(is) da empresa; - CNPJ; - Alvará sanitário emitido pela Vigilância Sanitária (se for o caso) - Alvará de localização e funcionamento emitido pela prefeitura; - Última declaração do imposto de renda Pessoa Jurídica, com recibo de entrega à Receita Federal; - Comprovante de conta bancária Pessoa Jurídica (cópia do cartão empresarial ou extrato da conta PJ); 51

52 - Certidão simplificada emitida pela Junta Comercial do Estado; - Certidão negativa INSS/ FGTS/ SEFAZ/ ISS E Receita Federal; - Projeção de faturamento para os próximos 12 meses (mês a mês), assinada pelo contador e administrador da empresa; - Contrato Social ou Registro de Firma Individual; - Última alteração contratual autenticada em cartório; - Autorização do(s) sócio(s) autorizando o financiamento; - Contrato de locação do imóvel empresarial (caso seja alugado); - CPF, RG e comprovante de residência (máximo 60 dias) do titular; - CPF, RG, comprovante de residência e comprovante de renda do avalista. - Plano de Negócios 52

53 GLOSSÁRIO ALIENAÇÃO FIDUCIARIA É um tipo de garantia real, em que o devedor deixa o bem financiado como garantia da operação. Se ficar inadimplente, o banco passa a ser dono do bem em questão. AVAL Tipo de garantia pessoal ou fidejussória, que garante o pagamento de um empréstimo, onde um terceiro, pessoa física ou jurídica, torna-se responsável com o devedor pelo pagamento. ARRANJO PRODUTIVO LOCAL Aglomerado de empresas localizadas em um mesmo território, que apresentam especialização produtiva e mantém algum vínculo de articulação, interação, cooperação e aprendizagem entre si e outros atores locais, tais como governo, associações empresariais, instituições de crédito, ensino e pesquisa. BK Bens de Capital - São bens que servem para a produção de outros bens, como máquinas e equipamentos. CAPITAL DE GIRO - São os recursos financeiros necessários para a empresa fazer seus negócios acontecerem (girar), mantendo a 53

54 atividade operacional no dia-a-dia. Ou seja, são os recursos como caixa, bancos, contas a pagar e a receber, folha de pagamento, estoques e outros compromissos de curto prazo. CAPITAL DE GIRO ASSOCIADO Está associado aos investimentos fixos. Destinado à compra de matérias-primas e/ou mercadorias decorrentes dos investimentos realizados. CARÊNCIA É um prazo concedido ao devedor em que este paga apenas os juros e a correção monetária, se houver. CIELO Empresa responsável por credenciamento de lojas para cartões de crédito e de débito. EMPREENDEDOR INDIVIDUAL Empresário Individual que tenha como faturamento, no ano-calendário anterior, até R$ ,00, optante pelo Simples Nacional, que tenha até um empregado e não possua mais de um estabelecimento nem participe de outra empresa como titular, sócio ou administrador. FAMPE Fundo de Aval das Micro e Pequenas Empresas - As operações do FAMPE têm por finalidade a concessão de garantias 54

55 complementares necessárias à contratação de crédito às Micro e Pequenas Empresas junto aos agentes financeiros credenciados. FAT - Fundo de Amparo ao Trabalhador - Fundo especial vinculado ao Ministério do Trabalho e Emprego MTE, destinado ao custeio do Seguro-Desemprego, do Abono Salarial e ao financiamento de Programas de Desenvolvimento Econômico. FIANÇA Tipo de garantia em que um terceiro se responsabiliza pelo pagamento da dívida caso o devedor não consiga honrar o compromisso. FGI Fundo Garantidor de Investimentos Fundo criado com o intuito de fornecer garantia às Micro, Pequenas e Médias Empresas em empréstimos e financiamentos do BNDES. O fundo proporciona acesso a crédito a empresas que não possuem garantias a oferecer. FGO Fundo de Garantia de Operações Fundo constituído e gerido pelo Banco do Brasil, com o intuito de fornecer garantia complementar às Micro, Pequenas e Médias empresas em 55

56 empréstimos e financiamentos. O fundo proporciona acesso a crédito a empresas que não possuem garantias a oferecer. FINAME Financiamento de projetos de investimentos, com linhas de crédito instituídas pelo BNDES, para a implantação, ampliação, recuperação e modernização das empresas nos setores de indústria, comércio e prestação de serviços. FRANQUIA - Sistema pelo qual uma empresa cede ao franqueado o direito de uso de sua marca ou patente, associado ao direito de distribuição de produtos ou serviços e, eventualmente, também ao direito de uso de tecnologia de implantação e administração de negócio ou sistema operacional, mediante remuneração. FUNDOS CONSTITUCIONAIS Destinados a programas de financiamento aos setores produtivos das regiões Norte FNO, do Nordeste FNE e do Centro-Oeste FCO. FUNGETUR Fundo Geral do Turismo Programa criado pelo Ministério do Turismo, destinado a financiar projetos de investimento em empreendimentos turísticos, por meio de modernização, reforma e ampliação. 56

57 GARANTIAS PESSOAIS OU FIDEJUSSÓRIAS Tipo de garantia em que a Pessoa Física ou Jurídica assumem como avalistas ou fiadores da operação a obrigação de honrar o compromisso, caso o tomador do crédito não o faça. HIPOTECA Garantia real em que o próprio bem financiado é a garantia da operação, mas sem a transferência do bem. INVESTIMENTO FIXO São investimentos para implantação, expansão, relocalização, modernização ou reposição de máquinas, equipamentos, móveis, utensílios, veículos, e ainda, obras civis e instalações do empreendimento. Consistem em: a) Obras civis - incluem todos os gastos referentes às obras; b) Gastos com estudos/projetos de engenharia referentes às obras civis; c) Máquinas e equipamentos consiste no valor das máquinas/equipamentos; 57

58 d) Gastos com instalação/montagem/frete são os gastos realizados para a instalação das máquinas e equipamentos, inclusive treinamento dos operadores das máquinas e o frete de transporte; e) Móveis e utensílios; f) Veículos consiste no valor dos veículos. Os investimentos fixos geralmente são compromissos de longo prazo. IOF Imposto Sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários. PENHOR - Tipo de garantia real acessória, em que não há a transferência de propriedade sobre os bens dados em garantia ficando com o credor apenas a posse física do bem. PLANO DE NEGÓCIOS também denominado de projeto de investimento, é o conjunto de informações e estimativas que indicam ou contraindicam a realização do investimento. É um instrumento de planejamento. PROEX Programa de financiamento às exportações. O PROEX foi instituído pelo Governo Federal para proporcionar às exportações brasileiras condições de financiamento equivalentes 58

59 às do mercado internacional. O agente financeiro da União para operacionalização do Programa é o Banco do Brasil S.A. PROGER Programa de Geração de Emprego e Renda - é um programa instituído pelo Ministério do Trabalho (FAT) com a finalidade de financiar projetos de investimentos que proporcionem a geração de emprego e renda. PROGEREN Programa de Apoio ao Fortalecimento da Capacidade de Geração de Emprego e Renda. RECEBÍVEIS São títulos de crédito originados da venda de bens e serviços (duplicatas, notas promissórias etc.). TJLP Taxa de Juros de Longo Prazo. Nota: Informamos que qualquer alteração dos produtos mencionados nesta cartilha consultiva é de inteira responsabilidade das instituições financeiras, o que pode acontecer devido a fatores econômicos e financeiros externos, a exemplo das taxas de juros e prazos aqui mencionados. 59

60 60

PROGRAMA DE FINANCIAMENTO PARA O TURISMO

PROGRAMA DE FINANCIAMENTO PARA O TURISMO PROGRAMA DE FINANCIAMENTO PARA O TURISMO LINHAS DE CRÉDITO PARA MICRO, PEQUENA E MÉDIA EMPRESAS Novembro 2008 FUNGETUR Fundo Geral de Turismo Fomentar e prover recursos para o financiamento de atividades

Leia mais

Linhas de Crédito. Capital de Giro

Linhas de Crédito. Capital de Giro Linhas de Crédito Capital de Giro Apresentação FIESP Jul/2015 Operações mais utilizadas NOME CONTA GARANTIDA CAIXA CH.EMPRESA CAIXA CREDITO ESPECIAL EMPRESA - PRE/PRICE - GARANTIA FGO GIROCAIXA RECURSOS

Leia mais

Recebíveis. Antecipação de Crédito Lojista ACL. BB Giro Cartões. BB Giro Recebíveis. Desconto de Cheques. Desconto de Títulos

Recebíveis. Antecipação de Crédito Lojista ACL. BB Giro Cartões. BB Giro Recebíveis. Desconto de Cheques. Desconto de Títulos Atualizada em 29/04/2015 Capital de Giro BB Capital de Giro Mix Pasep Recebíveis Antecipação de Crédito Lojista ACL Financiamento de Investimentos BB Crédito Empresa BB Giro Empresa Flex BB Giro Cartões

Leia mais

Soluçõ. ções BB. para a Economia dos Municípios

Soluçõ. ções BB. para a Economia dos Municípios Soluçõ ções BB para a Economia dos Municípios Presença Nacional Presença Nacional Presença Exclusiva 4.388 Municípios * 874 Municípios * *Municípios com agências BB - dados de janeiro/2009 - Fonte: Bacen

Leia mais

Viabilizando o Crédito

Viabilizando o Crédito Palestra: Viabilizando o Crédito Educação Empreendedora Consultoria Gestão Inovação Resultados 0800 570 0800 / www.sebrae-rs.com.br O que é CRÉDITO? Credare: Confiar, acreditar. Percepção externa baseada

Leia mais

PALESTRA: LINHAS DE CRÉDITOS.

PALESTRA: LINHAS DE CRÉDITOS. PALESTRA: LINHAS DE CRÉDITOS. Facilitador: Wolney Luis do Nascimento Sousa. Responsável pelo Evento: 1 LINHAS DE CRÉDITO Motivos Vantagens Desvantagens Aplicação 2 LINHAS DE CRÉDITO Função dos Bancos Para

Leia mais

O Apoio do BB à Copa do Mundo de 2014. Diretoria de Micro e Pequenas Empresas

O Apoio do BB à Copa do Mundo de 2014. Diretoria de Micro e Pequenas Empresas O Apoio do BB à Copa do Mundo de 2014 Diretoria de Micro e Pequenas Empresas Novembro de 2011 O Apoio do BB à Copa do Mundo de 2014 Posicionamento junto ao Mercado MPE MPE O Apoio do BB à Copa do Mundo

Leia mais

XIII Seminário Internacional de Países Latinos Europa-América. Políticas de Facilitação de Créditos para o Desenvolvimento das PME

XIII Seminário Internacional de Países Latinos Europa-América. Políticas de Facilitação de Créditos para o Desenvolvimento das PME XIII Seminário Internacional de Países Latinos Europa-América Políticas de Facilitação de Créditos para o Desenvolvimento das PME Fortaleza, 30 de outubro de 2006 1 Sumário 1 - Mercado MPE 2 - Acesso ao

Leia mais

Financiamento ao Desenvolviment o Valmir Martins Sobrinho Banco do Brasil

Financiamento ao Desenvolviment o Valmir Martins Sobrinho Banco do Brasil Financiamento ao Desenvolviment o Valmir Martins Sobrinho Banco do Brasil Brasília, DF/2011 O acesso ao Crédito Qual o papel do crédito? O Crédito Sustentável O crédito, visto como remédio na realização

Leia mais

Linhas de financiamento BB para o Turismo. Superintendência Estadual do Banco do Brasil MT Agosto/2009

Linhas de financiamento BB para o Turismo. Superintendência Estadual do Banco do Brasil MT Agosto/2009 Linhas de financiamento BB para o Turismo Superintendência Estadual do Banco do Brasil MT Agosto/2009 Atualizada em 03/08/2009 Crédito / Financiamentos de Investimentos / Proger Turismo Investimento Características

Leia mais

projetos com alto grau de geração de emprego e renda projetos voltados para a preservação e a recuperação do meio ambiente

projetos com alto grau de geração de emprego e renda projetos voltados para a preservação e a recuperação do meio ambiente O QUE É O FCO? O Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) foi criado pela Lei n.º 7.827, de 27.09.1989, que regulamentou o art. 159, inciso I, alínea c, da Constituição Federal, com

Leia mais

O BNDES mais perto de você. abril de 2009

O BNDES mais perto de você. abril de 2009 O BNDES mais perto de você abril de 2009 Quem somos Fundado em 20 de junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União Federal; Principal fonte de crédito de longo prazo; Apoio ao mercado

Leia mais

CAFÉ COM CRÉDITO. Santo André - SP. 06 de outubro de 2009

CAFÉ COM CRÉDITO. Santo André - SP. 06 de outubro de 2009 CAFÉ COM CRÉDITO Santo André - SP 06 de outubro de 2009 Missão Banco do DESENVOLVIMENTO Competitividade e sustentabilidade Redução das desigualdades sociais e regionais Áreas de atuação Inovação Bens de

Leia mais

Ação do BNB no Crédito para Energias Renováveis. Natal, 03 de Outubro de 2015

Ação do BNB no Crédito para Energias Renováveis. Natal, 03 de Outubro de 2015 Ação do BNB no Crédito para Energias Renováveis Natal, 03 de Outubro de 2015 Área Básica de Atuação Missão Atuar na promoção do desenvolvimento regional sustentável como banco público competitivo e rentável.

Leia mais

Prazo: 6 meses (a partir publicação da medida provisória em

Prazo: 6 meses (a partir publicação da medida provisória em LINHAS DE CAPITAL INFORME DE GIRO DEMPI e SIMPLES 1/2009 NACIONAL São Paulo, 04 de fevereiro de 2009. Prezado O Departamento Presidente encontro ampliar com as suas da Micro, propostas Pequena e objetivos,

Leia mais

CONDIÇÕES BÁSICAS DE FINANCIAMENTO DE LONGO PRAZO

CONDIÇÕES BÁSICAS DE FINANCIAMENTO DE LONGO PRAZO CONDIÇÕES BÁSICAS DE FINANCIAMENTO DE LONGO PRAZO 1. ORIGEM DOS RECURSOS: BANCO FINANCIADOR: Banco do Nordeste do Brasil S/A LINHA DE CRÉDITO: Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste FNE PROGRAMA:

Leia mais

O QUE FAZEMOS? Mais do que financiar empresas ajudamos a transformar grandes ideias em negócios ainda mais rentáveis, oferecendo crédito sustentável.

O QUE FAZEMOS? Mais do que financiar empresas ajudamos a transformar grandes ideias em negócios ainda mais rentáveis, oferecendo crédito sustentável. INOVAR PARA CRESCER O QUE FAZEMOS? Mais do que financiar empresas ajudamos a transformar grandes ideias em negócios ainda mais rentáveis, oferecendo crédito sustentável. Além disso, damos todo suporte

Leia mais

Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ 2014

Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ 2014 Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ 2014 Prioridades BNDES Infraestrutura logística e energética Infraestrutura urbana de saneamento e mobilidade. Modernização da

Leia mais

e renda Superintendência Nacional Estratégia Competitividade das MPE Associação e a cooperação Micro e Pequeno Empreendedorismo

e renda Superintendência Nacional Estratégia Competitividade das MPE Associação e a cooperação Micro e Pequeno Empreendedorismo e renda Superintendência Nacional Estratégia Competitividade das MPE Micro e Pequeno Empreendedorismo e renda Superintendência Nacional Estratégia Competitividade das MPE Micro e Pequeno Empreendedorismo

Leia mais

FCO, FNE e FNO Fundos Constitucionais de Financiamento

FCO, FNE e FNO Fundos Constitucionais de Financiamento FCO, FNE e FNO Fundos Constitucionais de Financiamento Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar Brasília 2011 2011. CNI Confederação Nacional da Indústria. Qualquer parte desta obra

Leia mais

NASCER BEM 2/59. Foto: Stock.Schng

NASCER BEM 2/59. Foto: Stock.Schng 2/59 Foto: Stock.Schng NASCER BEM OBJETIVOS: Fase 1: Fornecer informações e orientações para empreendedores que pretendem iniciar um negócio, sobretudo na elaboração do Plano de Negócio. 3/59 Foto: Stock.Schng

Leia mais

Arranjo Produtivo Local

Arranjo Produtivo Local Arranjo Produtivo Local GN CAPTAÇÃO MICRO E PEQUENA EMPRESA SN Micro e Pequena Empresa Atuação em APL da CAIXA tem o objetivo de promover: Principais setores apoiados Aeroespacial Biotecnologia Couro e

Leia mais

Banco do Brasil. Encontro da ABRASP Associação Brasileira de Produtores de Soluções Parenterais. Salvador (BA) Novembro/2009

Banco do Brasil. Encontro da ABRASP Associação Brasileira de Produtores de Soluções Parenterais. Salvador (BA) Novembro/2009 Banco do Brasil Encontro da ABRASP Associação Brasileira de Produtores de Soluções Parenterais 1 Salvador (BA) Novembro/2009 1 Índice Contextualização 3 Fundo de Garantia de Operações - FGO 7 Fundo de

Leia mais

Estatuto das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Lei nº 9.841/99)

Estatuto das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Lei nº 9.841/99) Estatuto das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Lei nº 9.841/99) A aprovação da Lei nº 9.841/99, de 05 de outubro de 1999, mais conhecida por "Estatuto da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte",

Leia mais

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Outubro 2009

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Outubro 2009 Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Outubro 2009 BH COPA 2014 Agenda Resumo Institucional Os Projetos que Apoiamos Formas de Atuação Condições de Financiamento Fechamento Agenda Resumo

Leia mais

Paulo Sérgio Sodré. Departamento de Credenciamento e Financiamento

Paulo Sérgio Sodré. Departamento de Credenciamento e Financiamento 1 Paulo Sérgio Sodré Departamento de Credenciamento e Financiamento Máquinas áqu as e equipamentos equ pa e tos 2 BNDES Missão Promover o desenvolvimento sustentável e competitivo da economia brasileira,

Leia mais

Instituição Financeira do Governo do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009.

Instituição Financeira do Governo do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009. Presidência 1 Instituição Financeira do Governo do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009. Instrumento institucional de apoio à execução de políticas de

Leia mais

Mercado de Câmbio. Mercado de câmbio é a denominação para o mercado de troca de moedas.

Mercado de Câmbio. Mercado de câmbio é a denominação para o mercado de troca de moedas. Definição: Mercado de Câmbio Mercado de câmbio é a denominação para o mercado de troca de moedas. O mercado de Câmbio de TAXAS LIVRES opera com o dólar comercial. TAXAS FLUENTES opera com o dólar flutuante

Leia mais

Feira Internacional da Amazônia Manaus - AM

Feira Internacional da Amazônia Manaus - AM O BNDES Mais Perto de Você Feira Internacional da Amazônia Manaus - AM 25 de novembro de 2009 Como apoiamos Operações Diretas Contratadas t diretamente t com o BNDES Operações Indiretas Instituições i

Leia mais

BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada. Outubro de 2014

BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada. Outubro de 2014 BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada Outubro de 2014 Agenda 1. Aspectos Institucionais 2. Formas de Atuação 3. Indústria de Base Florestal Plantada 1. Aspectos Institucionais Linha

Leia mais

Soluções de Crédito. Cadeia Produtiva do Café CADA VEZ BOMPRATODOS

Soluções de Crédito. Cadeia Produtiva do Café CADA VEZ BOMPRATODOS Cadeia Produtiva do Café CADA + VEZ BOMPRATODOS Capital de Giro Recebíveis BB Giro Empresa Flex Agro Crédito Agroindustrial Desconto de Cheques/Títulos BB Giro Recebíveis Duplicatas/Cheques/Cartões BB

Leia mais

APRESENTAÇÃO BDMG. I Encontro COMTUR. Sete Lagoas - 25/02/2010

APRESENTAÇÃO BDMG. I Encontro COMTUR. Sete Lagoas - 25/02/2010 APRESENTAÇÃO BDMG I Encontro COMTUR Sete Lagoas - 25/02/2010 SOLUÇÕES DE FINANCIAMENTO PARA EMPREENDIMENTOS QUE INTEGRAM O SETOR DE TURISMO: GERAMINAS OBJETIVO Conceder financiamentos a microempresas e

Leia mais

LEASING. Leasing operacional praticado pelo fabricante do bem, sendo realmente um aluguel. (Telefones, computadores, máquinas e copiadoras).

LEASING. Leasing operacional praticado pelo fabricante do bem, sendo realmente um aluguel. (Telefones, computadores, máquinas e copiadoras). LEASING Leasing operacional praticado pelo fabricante do bem, sendo realmente um aluguel. (Telefones, computadores, máquinas e copiadoras). Leasing financeiro mais comum, funciona como um financiamento.

Leia mais

Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços SEDEIS

Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços SEDEIS Apresentação Criada em 2002 e autorizada a funcionar pelo Banco Central em 2003, entrou em operação em 2004. É uma sociedade anônima de economia mista vinculada à. Atualmente conta com um patrimônio líquido

Leia mais

BRASÍLIA, 2013 CAPITAL DE GIRO COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR

BRASÍLIA, 2013 CAPITAL DE GIRO COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR BRASÍLIA, 2013 CAPITAL DE GIRO COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI Robson Braga de Andrade Presidente Diretoria de Comunicação Carlos Alberto

Leia mais

FGO e FGI. Fundos garantidores de risco de crédito Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar. 2ª Edição

FGO e FGI. Fundos garantidores de risco de crédito Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar. 2ª Edição FGO e FGI Fundos garantidores de risco de crédito Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar 2ª Edição Brasília 2010 Sumário Apresentação 5 5 1 O que é o fundo garantidor de risco de

Leia mais

NEGÓCIO MISSÃO. Crédito e Serviços Financeiros.

NEGÓCIO MISSÃO. Crédito e Serviços Financeiros. NEGÓCIO Crédito e Serviços Financeiros. MISSÃO Garantir acesso ao crédito, fomentando negócios, empreendedorismo e competitividade, contribuindo para o desenvolvimento sustentável do Estado de Mato Grosso.

Leia mais

12 portos marítimos (+8 terminais privados de uso misto) 409.473 km de rodovias. 18 aeroportos (9 internacionais)

12 portos marítimos (+8 terminais privados de uso misto) 409.473 km de rodovias. 18 aeroportos (9 internacionais) Fórum Nacional Eólico Carta dos Ventos Financiamento de Projetos José Maria Vilar Superintendente do Banco do Nordeste do Brasil (BNB) Natal, 19.06.2009 Nordeste do Brasil: Infraestrutura 12 portos marítimos

Leia mais

Ação do BNB no Crédito para Energias Renováveis. Fortaleza(CE), 10 a 12/06/2015

Ação do BNB no Crédito para Energias Renováveis. Fortaleza(CE), 10 a 12/06/2015 Ação do BNB no Crédito para Energias Renováveis Fortaleza(CE), 10 a 12/06/2015 Tópicos 1. Sobre o Banco do Nordeste 2. Histórico do crédito para energias renováveis 3. Financiamento para a mini e microgeração

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 752, DE 26 DE AGOSTO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 752, DE 26 DE AGOSTO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 752, DE 26 DE AGOSTO DE 2015 Regulamenta as linhas de crédito dos Programas de Geração de Emprego e Renda na área Urbana - PROGER Urbano Investimento. O Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo

Leia mais

Produtos e Serviços. Convênio. Banco do Brasil e AmBev

Produtos e Serviços. Convênio. Banco do Brasil e AmBev Produtos e Serviços Convênio Banco do Brasil e AmBev Setembro/20 Senhores Franqueados, O convênio firmado com o Banco do Brasil visa propiciar às Franquias Brahma AmBev, acesso à linhas de crédito (capital

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Conhecimentos Bancários. Mercado Financeiro. Mercado Financeiro

Conhecimentos Bancários. Conhecimentos Bancários. Mercado Financeiro. Mercado Financeiro Conhecimentos Bancários Mercado Financeiro Órgãos normativo/fiscalizador Conselho Monetário Nacional Banco Central do Brasil Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional Conhecimentos Bancários

Leia mais

Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES. ABIMAQ fevereiro de 2014

Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES. ABIMAQ fevereiro de 2014 Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ fevereiro de 2014 Principais Linhas para o setor de BK FINAME: produção e comercialização de máquinas, equipamentos, bens de informática

Leia mais

ABDE Seminário Como Inovar em garantias? Garantias de Crédito ABRIL 2014

ABDE Seminário Como Inovar em garantias? Garantias de Crédito ABRIL 2014 ABDE Seminário Como Inovar em garantias? Garantias de Crédito ABRIL 2014 Garantias Evolução e Ponderações Garantias Evolução Tradicionais: Fidejussórias (pessoais): Aval Fiança Reais (bens necessitam registro):

Leia mais

FORUM DO IMPACTO DA CRISE NA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA

FORUM DO IMPACTO DA CRISE NA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA FORUM DO IMPACTO DA CRISE NA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA LINHAS DE FINANCIAMENTO E ACESSO AO CRÉDITO PARA MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SÃO PAULO 13 / 4 / 09 ACESSO AO CRÉDITO PARA AS MICROS E

Leia mais

Agência de Fomento Paulista

Agência de Fomento Paulista Financiamento ao Desenvolvimento Regional Crédito para as Pequenas e Médias Empresas 2011 Agência de Fomento Paulista A Agência de Fomento Paulista - Nossa Caixa Desenvolvimento é uma instituição financeira

Leia mais

BNDES Prosoft. Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação

BNDES Prosoft. Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação BNDES Prosoft Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação Objetivo - Contribuir para o desenvolvimento da indústria nacional de software

Leia mais

Cartilha do. Microempreendedor Individual. Microcrédito

Cartilha do. Microempreendedor Individual. Microcrédito Atualização: SEBRAE-SP - Unidade de Políticas Públicas e Relações Institucionais UPPRI - 13 maio 2013 Cartilha do 4 Microempreendedor Individual Microcrédito MICROCRÉDITO O QUE É? O microcrédito é a concessão

Leia mais

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais Classificação: Ostensivo Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Capítulo I - REGULAMENTO 1. OBJETIVO Apoiar, na fase pós-embarque, a comercialização,

Leia mais

MEDIDAS DE ESTÍMULO A ATIVIDADE ECONÔMICA NO ESTADO DE SÃO PAULO

MEDIDAS DE ESTÍMULO A ATIVIDADE ECONÔMICA NO ESTADO DE SÃO PAULO MEDIDAS DE ESTÍMULO A ATIVIDADE ECONÔMICA NO ESTADO DE Fevereiro/2009 SUMÁRIO 1. Medidas já Adotadas 2. Novas Medidas 2 Medidas já adotadas Prorrogação para 31/12/09 do prazo de 60 dias fora o mês para

Leia mais

FUNDO DE AVAL FDA E ME COMPETITIVA

FUNDO DE AVAL FDA E ME COMPETITIVA FUNDO DE AVAL FDA E ME COMPETITIVA OBJETIVOS FDA Prover recursos para garantir riscos de crédito e viabilizar o acesso de micro e pequenas empresas a linhas de financiamento. ME COMPETITIVA Apoiar financeiramente

Leia mais

Empréstimo. Pagamento em até 30 meses; Sem taxa de abertura de crédito; Parcelas debitadas em conta; Limites analisados pela renda.

Empréstimo. Pagamento em até 30 meses; Sem taxa de abertura de crédito; Parcelas debitadas em conta; Limites analisados pela renda. Produtos Conta Corrente Com isenção de tarifas de manutenção, dez folhas cheques, quatro extratos mensais, emissão de extratos on-line, tarifas reduzidas, só na Credlíder. Conta Poupança A Poupança Credlider

Leia mais

O BANCO QUE ACREDITA NAS PESSOAS SR CAMPINAS 2009

O BANCO QUE ACREDITA NAS PESSOAS SR CAMPINAS 2009 O BANCO QUE ACREDITA NAS PESSOAS SR CAMPINAS 2009 Brasil Agências: 2.064 PAB: 464 Total Rede Própria: 2.528 Rede Lotérica: 8.838 Corresp. Bancários: 9.489 Total Rede Parceira: 18.327 Total Geral: 20.855

Leia mais

Soluções. para sua Empresa

Soluções. para sua Empresa Atendimento Outras Soluções Investimentos Soluções para Parceiros e Empregados Soluções para sua Empresa Linhas de Crédito Seguros e Cartões Soluções em Recebimentos Soluções em Pagamentos Soluções sob

Leia mais

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Capítulo I - REGULAMENTO 1. OBJETIVO Apoiar, na fase pós-embarque, a comercialização, no exterior, de bens

Leia mais

Atuação do Banco do Nordeste

Atuação do Banco do Nordeste São Luis MA Novembro de 2012 Atuação do Banco do Nordeste O Banco do Nordeste tem como área básica de atuação os nove Estados da região Nordeste, o norte e os Vales do Mucuri e do Jequitinhonha do Estado

Leia mais

Crédito para o Desenvolvimento

Crédito para o Desenvolvimento Crédito para o Desenvolvimento O BADESUL Agência de Fomento, controlada pelo Governo Estadual, integra o Sistema de Desenvolvimento do Estado coordenado pela Secretaria de Desenvolvimento e Promoção do

Leia mais

ASSESSORIA AO CRÉDITO E INOVAÇÃO Incentivando o Desenvolvimento Mineiro. Departamento de Economia Posto de Informações do BNDES Posto Avançado do BDMG

ASSESSORIA AO CRÉDITO E INOVAÇÃO Incentivando o Desenvolvimento Mineiro. Departamento de Economia Posto de Informações do BNDES Posto Avançado do BDMG ASSESSORIA AO CRÉDITO E INOVAÇÃO Incentivando o Desenvolvimento Mineiro Departamento de Economia Posto de Informações do BNDES Posto Avançado do BDMG www.bndes.gov.br LINHAS DE CRÉDITO BNDES Automático

Leia mais

Produtos e Serviços Revendedores e Transportadores LIQUIGÁS. Convênio. Banco do Brasil e Liquigás

Produtos e Serviços Revendedores e Transportadores LIQUIGÁS. Convênio. Banco do Brasil e Liquigás Produtos e Serviços Revendedores e Transportadores LIQUIGÁS Convênio Banco do Brasil e Liquigás 2 Senhores Revendedores e Transportadores, O convênio firmado com o Banco do Brasil propiciar aos Revendedores

Leia mais

Secretário de Estado de Turismo e Esportes Tiago Lacerda. Secretário Adjunto Rogério Aoki Romero. Chefe de Gabinete Mario Queiroz Guimarães Neto

Secretário de Estado de Turismo e Esportes Tiago Lacerda. Secretário Adjunto Rogério Aoki Romero. Chefe de Gabinete Mario Queiroz Guimarães Neto Secretário de Estado de Turismo e Esportes Tiago Lacerda Secretário Adjunto Rogério Aoki Romero Chefe de Gabinete Mario Queiroz Guimarães Neto Subsecretária de Turismo Silvana Nascimento Superintendente

Leia mais

Sr (ª). Prefeito (a),

Sr (ª). Prefeito (a), Sr (ª). Prefeito (a), O Banco do Brasil é um dos principais parceiros dos Governos Federal, Estaduais e Municipais na implantação de políticas públicas, projetos e programas impulsionadores do desenvolvimento.

Leia mais

LINHAS ATIVAS FINAME BK FINAME ÔNIBUS E CAMINHÕES FINAME EVENTOS FINAME AGRÍCOLA BNDES INOVAGRO

LINHAS ATIVAS FINAME BK FINAME ÔNIBUS E CAMINHÕES FINAME EVENTOS FINAME AGRÍCOLA BNDES INOVAGRO FINANCIAMENTOS 2014 LINHAS ATIVAS FINAME BK PSI (taxa fixa) FINAME ÔNIBUS E CAMINHÕES FINAME EVENTOS FINAME AGRÍCOLA BNDES INOVAGRO PADRÃO (taxa pós fixada-tjlp) FINAME BK FINAME ÔNIBUS E CAMINHÕES FINAME

Leia mais

COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MUTUO

COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MUTUO COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MUTUO UO DOS FUNCIONARIOS DO SISTEMA FIERGS- CRESUL Travessa Francisco de Leonardo Truda, 40 sala 143 14 andar Porto Alegre-RS CEP 90010-050 Fone (0**51) 3224-3280 Fax:

Leia mais

FNO Amazônia Sustentável Rural

FNO Amazônia Sustentável Rural FNO Amazônia Sustentável Rural Conceito É um Programa de Financiamento que apóia os empreendimentos rurais. Finalidades do Crédito Investimento fixo, semifixo e misto (investimento + custeio); Custeio

Leia mais

EDUARDO TADEU SAGGIORATO Gerente de Negócios e Operações NADSON XAVIER SOARES Gerente do Setor Público 21.02.2013

EDUARDO TADEU SAGGIORATO Gerente de Negócios e Operações NADSON XAVIER SOARES Gerente do Setor Público 21.02.2013 EDUARDO TADEU SAGGIORATO Gerente de Negócios e Operações NADSON XAVIER SOARES Gerente do Setor Público 21.02.2013 QUEM SOMOS Legal Instituição Financeira do Estado de São Paulo, vinculada a Secretaria

Leia mais

Financiamento externo. As opções de financiamento são variáveis.

Financiamento externo. As opções de financiamento são variáveis. Financiamento externo As opções de financiamento são variáveis. O suporte que a administração do MAXIPAS pode vir a fornecer aos franqueados consiste na elaboração do projeto de financiamento para aquisição

Leia mais

AULA 08. Produtos e Serviços Financeiros II

AULA 08. Produtos e Serviços Financeiros II AULA 08 Produtos e Serviços Financeiros II Operações Ativas As operações ativas são aquelas em que o banco, além dos investimentos destinados à formação do seu ativo permanente e disponibilidades, atua

Leia mais

O Prefeito do Município de João Pessoa, Estado da Paraíba, faço saber que o Poder Legislativo decreta e eu sanciono a seguinte lei:

O Prefeito do Município de João Pessoa, Estado da Paraíba, faço saber que o Poder Legislativo decreta e eu sanciono a seguinte lei: www.leismunicipais.com.br LEI Nº 12.211, DE 27 DE SETEMBRO DE 2011. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO FUNDO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO DA ECONOMIA POPULAR EMPREENDEDORA E SOLIDÁRIA DO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA

Leia mais

DICRE DIRETORIA DE CRÉDITO GCREF - Gerência de Crédito de Fomento COPEN - Coordenadoria de Pequenos Negócios Rurais e Urbanos

DICRE DIRETORIA DE CRÉDITO GCREF - Gerência de Crédito de Fomento COPEN - Coordenadoria de Pequenos Negócios Rurais e Urbanos PRESIDENTE Mâncio Lima Cordeiro DIRETOR DE CRÉDITO Milton Barbosa Cordeiro GERENTE EXECUTIVO DE CRÉDITO DE FOMENTO Raimunda Carmem Pereira da Silva COORDENADOR DE PEQUENOS NEGÓCIOS RURAIS E URBANOS Affonso

Leia mais

Linhas de Financiamento

Linhas de Financiamento A história do cooperativismo no País está relacionada ao crescimento da agricultura brasileira. E o Banco do Brasil, como principal responsável pelo impulso do nosso agronegócio, é também o banco do cooperativismo.

Leia mais

Sebastião Macedo Pereira

Sebastião Macedo Pereira BNDES e o Segmento Editorial e Livrarias Sebastião Macedo Pereira Procult - Objetivos Objetivos específicos Promover o fortalecimento e a consolidação da cadeia produtiva editorial no País, o desenvolvimento

Leia mais

Ass.: Programa de Apoio ao Desenvolvimento da Cadeia Produtiva Farmacêutica PROFARMA - Produção

Ass.: Programa de Apoio ao Desenvolvimento da Cadeia Produtiva Farmacêutica PROFARMA - Produção CARTA-CIRCULAR Nº 65/2005 Rio de Janeiro, 08 de novembro de 2005 Ref.: BNDES AUTOMÁTICO Ass.: Programa de Apoio ao Desenvolvimento da Cadeia Produtiva Farmacêutica PROFARMA - Produção O Superintendente

Leia mais

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Novembro 2009 DEPARTAMENTO REGIONAL NORDESTE - DENOR O que apoiamos Projetos de investimento em indústria, comércio e serviços aumento da capacidade

Leia mais

Superintendência Estadual do Rio Grande do Norte

Superintendência Estadual do Rio Grande do Norte Superintendência Estadual do Rio Grande do Norte Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE) Municípios atendidos: 1.990 (11 Estados) Administrado pelo BNB Marco normativo/legal, diretrizes

Leia mais

PROGRAMA CAIXA APL. SERGIO NETTO AMANDIO GERENCIA NACIONAL DE APLICAÇÃO MPE Out/2009

PROGRAMA CAIXA APL. SERGIO NETTO AMANDIO GERENCIA NACIONAL DE APLICAÇÃO MPE Out/2009 PROGRAMA CAIXA APL SERGIO NETTO AMANDIO GERENCIA NACIONAL DE APLICAÇÃO MPE Out/2009 ATENDIMENTOS 436 milhões em Agências 921 milhões em terminais de Auto-Atendimento QUANTIDADE DE CLIENTES - EM MILHÕES

Leia mais

Apresentação A Investe Rio é uma instituição financeira não bancária, sociedade de economia mista com personalidade jurídica de direito privado, vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Energia,

Leia mais

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Micro Empreendedor individual Definição Microempreendedor Individual (MEI) é a pessoa que trabalha por conta própria e que se legaliza como pequeno empresário.

Leia mais

I SEMINÁRIO ESTADUAL DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS - AM

I SEMINÁRIO ESTADUAL DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS - AM I SEMINÁRIO ESTADUAL DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS - AM Grupo de Trabalho Permanente / GTP-APL Rede de Distribuição 3.407 Agências 6.015 Agências 36 Milhões de Clientes Agências Bradesco Expresso Banco

Leia mais

Cédula de Crédito Imobiliário - CCI

Cédula de Crédito Imobiliário - CCI Títulos Imobiliários Renda Fixa Cédula de Crédito Imobiliário - CCI Títulos Imobiliários Cédula de Crédito Imobiliário Instrumento que facilita a negociabilidade e a portabilidade do crédito imobiliário

Leia mais

Apoio às MPMEs. Sorocaba/SP. 30 de novembro de 2011

Apoio às MPMEs. Sorocaba/SP. 30 de novembro de 2011 Apoio às MPMEs Sorocaba/SP 30 de novembro de 2011 Missão Banco do DESENVOLVIMENTO Competitividade e sustentabilidade Redução das desigualdades sociais e regionais Áreas de atuação Inovação Infra-estrutura

Leia mais

II) FAT INFRA-ESTRUTURA INSUMOS BÁSICOS E BENS DE CAPITAL SOB ENCOMENDA.

II) FAT INFRA-ESTRUTURA INSUMOS BÁSICOS E BENS DE CAPITAL SOB ENCOMENDA. RESOLUÇÃO Nº 438, DE 2 DE JUNHO DE 2005 Institui o Programa de Apoio a Projetos de Infra-Estrutura - FAT INFRA-ESTRUTURA, cujos recursos serão destinados a financiamentos de projetos de infra-estrutura

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

CAIXA e o NORDESTE. NELSON ANTÔNIO DE SOUZA SUPERINTENDENTE NACIONAL DA ÁREA B - NORDESTE Novembro de 2009

CAIXA e o NORDESTE. NELSON ANTÔNIO DE SOUZA SUPERINTENDENTE NACIONAL DA ÁREA B - NORDESTE Novembro de 2009 CAIXA e o NORDESTE NELSON ANTÔNIO DE SOUZA SUPERINTENDENTE NACIONAL DA ÁREA B - NORDESTE Novembro de 2009 ATENDIMENTOS CAIXA Total de Transações 921 milhões em terminais de Auto- Atendimento 131 milhões

Leia mais

XVII Seminário Internacional de Países Latinos de Europa e América AS PME COMO FATOR DE DESEMVOLVIMENTO

XVII Seminário Internacional de Países Latinos de Europa e América AS PME COMO FATOR DE DESEMVOLVIMENTO XVII Seminário Internacional de Países Latinos de Europa e América AS PME COMO FATOR DE DESEMVOLVIMENTO 3ª Sessão A IMPORTÂNCIA DA ORGANIZAÇÃO NAS PME TEMA 3 O Papel das PME na sustentação da Economia

Leia mais

BNDES FGI Fundo Garantidor para Investimentos. Agosto de 2011

BNDES FGI Fundo Garantidor para Investimentos. Agosto de 2011 BNDES FGI BNDES FGI Fundo Garantidor para Investimentos Agosto de 2011 Por que solicitar a garantia do BNDES FGI? Em que ela é útil? A garantia do BNDES FGI pode aumentar as chances de uma empresa conseguir

Leia mais

Favela como Oportunidade: Plano de Desenvolvimento das Favelas para sua Inclusão Social e Econômica

Favela como Oportunidade: Plano de Desenvolvimento das Favelas para sua Inclusão Social e Econômica ESTUDOS E PESQUISAS Nº 457 Favela como Oportunidade: Plano de Desenvolvimento das Favelas para sua Inclusão Social e Econômica Walsey de Assis Magalhães * Fórum Nacional (Sessão Especial) Novos Caminhos

Leia mais

CIRCULAR Nº 033/2003. Programa "Crédito Empresarial Nossa Caixa"

CIRCULAR Nº 033/2003. Programa Crédito Empresarial Nossa Caixa São Paulo, 06 de Outubro de 2003. DE: ASSESSORIA JURÍDICA PARA: ASSOCIADOS CIRCULAR Nº 033/2003 Programa "Crédito Empresarial Nossa Caixa" Encaminhamos à V.Sa., novo Anexo I do Protocolo de Intenções,

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.330. Art. 2º Esta Circular entra em vigor na data de sua publicação. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen.

CIRCULAR Nº 3.330. Art. 2º Esta Circular entra em vigor na data de sua publicação. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen. CIRCULAR Nº 3.330 Altera o Regulamento do Mercado de Câmbio e Capitais Internacionais (RMCCI). A Diretoria Colegiada do Banco Central do Brasil, em sessão extraordinária realizada em 27 de outubro de 2006,com

Leia mais

PROGRAMA DE FINANCIAMENTO ÀS EXPORTAÇÕES: PROEX

PROGRAMA DE FINANCIAMENTO ÀS EXPORTAÇÕES: PROEX PROGRAMA DE FINANCIAMENTO ÀS EXPORTAÇÕES: PROEX PROEX FINANCIAMENTO FINALIDADE: Proporcionar e apoiar o exportador brasileiro na comercialização com o exterior de bens e serviços em condições de financiamento

Leia mais

GUIA PRÁTICO PARA A MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE ACESSAR CRÉDITO BANCÁRIO

GUIA PRÁTICO PARA A MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE ACESSAR CRÉDITO BANCÁRIO GUIA PRÁTICO PARA A MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE ACESSAR CRÉDITO BANCÁRIO Governador do Estado da Bahia Jaques Wagner Secretário da Indústria, Comércio e Mineração James Correia Superintendente

Leia mais

O que pode ser financiado?

O que pode ser financiado? BNDES Automático Projetos de Investimento BNDES Automático Obras civis, montagem e instalações Móveis e Utensílios Estudos e projetos de engenharia associados ao investimento Pesquisa, Desenvolvimento

Leia mais

CARTILHA INFORMATIVA DE PRODUTOS E SERVIÇOS BANCÁRIOS PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE

CARTILHA INFORMATIVA DE PRODUTOS E SERVIÇOS BANCÁRIOS PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO E SERVIÇOS FÓRUM PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE CARTILHA INFORMATIVA DE PRODUTOS E SERVIÇOS

Leia mais

Mecanismos de Garantia Complementar Fundos de Aval. Brasília (DF), 22/09/09

Mecanismos de Garantia Complementar Fundos de Aval. Brasília (DF), 22/09/09 Mecanismos de Garantia Complementar Fundos de Aval Brasília (DF), 22/09/09 Agenda Contextualização FGO Funproger Fampe Sociedades de Garantia de Crédito Governança Agenda Contextualização FGO Funproger

Leia mais

ABIFER. (julho/2010)

ABIFER. (julho/2010) ABIFER (julho/2010) QUADRO COMPARATIVO Em US$ bilhões BNDES BID BIRD CAF Data de Apuração 31/12/2009 31/12/2009 30/06/2009 31/12/2009 Ativos Totais 222 84 275,4 15,8 Patrimônio Líquido 15,8 20,6 40 5,3

Leia mais

FINANCIAMENTO À PRODUÇÃO IMÓVEL NA PLANTA ALOCAÇÃO DE RECURSOS

FINANCIAMENTO À PRODUÇÃO IMÓVEL NA PLANTA ALOCAÇÃO DE RECURSOS CAIXA ECONÔMICA FEDERAL FINANCIAMENTO À PRODUÇÃO IMÓVEL NA PLANTA ALOCAÇÃO DE RECURSOS Modalidades IMÓVEL NA PLANTA Produção de empreendimentos habitacionais Financiamento direto às pessoas físicas Organizadas

Leia mais

O BNDES Mais Perto de Você. julho de 2009

O BNDES Mais Perto de Você. julho de 2009 O BNDES Mais Perto de Você julho de 2009 Quem somos Fundado em 20 de junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União Federal; Principal fonte de crédito de longo prazo; Subsidiárias BNDESPar

Leia mais

FCO FUNDO CONSTITUCIONAL DE FUNDO CONSTITUCIONAL DE FINANCIAMENTO DO CENTRO-OESTE

FCO FUNDO CONSTITUCIONAL DE FUNDO CONSTITUCIONAL DE FINANCIAMENTO DO CENTRO-OESTE FCO FUNDO CONSTITUCIONAL DE FUNDO CONSTITUCIONAL DE FINANCIAMENTO DO CENTRO-OESTE QUAIS SÃO AS PRIORIDADES DO FCO? O QUE É O FCO? O Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) foi criado

Leia mais

Esta proposta altera parcialmente o Plano original de recuperação judicial, apresentado em março de 2015, após negociações com credores.

Esta proposta altera parcialmente o Plano original de recuperação judicial, apresentado em março de 2015, após negociações com credores. MODIFICAÇÕES AO PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL PROPOSTAS PELOS CREDORES PARA SEREM APRESENTADAS NO PROSSEGUIMENTO DA ASSEMBLEIA GERAL DE CREDORES DESIGNADA PARA O DIA 19/11/2015 Esta proposta altera parcialmente

Leia mais

Painel IV: Panorama do Crédito no Banco do Brasil. Ary Joel de Abreu Lanzarin Diretor de Micro e Pequenas Empresas

Painel IV: Panorama do Crédito no Banco do Brasil. Ary Joel de Abreu Lanzarin Diretor de Micro e Pequenas Empresas Painel IV: Panorama do Crédito no Banco do Brasil Ary Joel de Abreu Lanzarin Diretor de Micro e Pequenas Empresas As diretrizes estratégicas dão foco ao negócio Perspectivas Simplificar e agilizar a utilização

Leia mais

Prezado (a) Consorciado (a), Parabéns pela contemplação!

Prezado (a) Consorciado (a), Parabéns pela contemplação! Prezado (a) Consorciado (a), Parabéns pela contemplação! Para realizar sua contemplação providenciar a documentação solicitada abaixo e levar até uma loja do Magazine Luiza ou representação autorizada

Leia mais