ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS PORTUGUESAS PARA O SECTOR DO AMBIENTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS PORTUGUESAS PARA O SECTOR DO AMBIENTE"

Transcrição

1

2

3 20 Anos AEPSA NESTE ANO DE 2014 A AEPSA CELEBRA 20 ANOS DE EXISTÊNCIA! A AEPSA foi criada em Abril de 1994, logo após da abertura do setor à iniciativa privada, adotando a denominação de Associação das Empresas Portuguesas para o Sector da Água. Em Novembro de 1997, a AEPSA alargou o âmbito da sua atividade à área dos resíduos sólidos e alterou a sua denominação para Associação das Empresas Portuguesas para o Sector do Ambiente. No final de 2012 foi realizada a fusão entre a AEPSA e a ANAREPRE. Esta fusão consistiu na incorporação da Associação Nacional dos Recuperadores de Produtos Recicláveis, dentro da AEPSA. A AEPSA representa hoje toda a cadeia de valor do Ambiente em Portugal, que se traduz num volume de negócios de cerca de milhões de euros, distribuído pelos seus 59 associados.

4 20 Anos AEPSA A AEPSA tem agora por objeto a representação e a defesa dos interesses coletivos das empresas privadas com intervenção no sector do ambiente, nas áreas de: Águas de abastecimento; Águas residuais; Resíduos - Resíduos sólidos urbanos (RSU), Resíduos Industriais (RIB) e Resíduos Perigosos (RIP); Equipamentos, Tecnologias e Projetos; Aproveitamento e produção de energias; Materiais e produtos reutilizáveis e/ou recicláveis, entre outros; Recuperação de produtos suscetíveis de reutilização ou reciclagem; Transformação e preparação de materiais ferrosos e não ferrosos, papel e cartão, VFV (veículos em fim de vida), e todos os materiais complementares, similares e afins passíveis de tratamento.

5 PRINCIPAIS ATIVIDADES QUE DOMINARAM A AGENDA DE 2013: Reunião de Assembleia Geral; Informação aos Membros da AEPSA; Reuniões com entidades externas: Ministra da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território (MAMAOT); Ministro do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia (MAOTE); Secretário de Estado do Ambiente e Ordenamento do Território (SEAOT); Secretário de Estado do Ambiente (SEA); Secretário de Estado da Administração Local e Reforma Administrativa (SEALRA); Secretário de Estado do Desenvolvimento Regional (SEDR); Comissão de Ambiente, Ordenamento do Território e Poder Local (CAOTPL) - Audições na Assembleia da República (em Março e em Dezembro); Sub diretora Agência Portuguesa do Ambiente (APA);

6 Reuniões com entidades externas (cont.); ERSAR Entidade Reguladora do Sector da Água e Resíduos; AdP - Águas de Portugal, S.A; EGF - Empresa Geral do Fomento, S.A; Coordenador do PERSU 2020 Prof. Paulo Ferrão; Embaixadas: Britânica, Israel e Suécia; VALORCAR - Sociedade de Gestão de Veículos em Fim de Vida, Lda; RECIPAC - Associação Nacional de Recuperação e Reciclagem de Papel e Cartão; GVB Gestão e Valorização de Baterias, Lda. Correspondência relevante com entidades externas: Presidência do Conselho de Ministros MAMAOT MAOTE

7 Correspondência relevante com entidades externas (cont.); Assembleia da República, CAOTPL SEAOT SEA SEDR ANMP ERSAR DECO Conselho Nacional do Consumo Autoridade Tributária APA REFER

8 OUTRAS INICIATIVAS RELEVANTES DA AEPSA Propostas de alteração legislativa e posição da AEPSA em novos projetos de Lei: Elaboração e apresentação de proposta de alteração ao Decreto-Lei n.º178/2006 de 5 de Setembro alterado pelo Decreto-Lei n,º73/2011 de 17 de Junho; Parecer e posição da AEPSA relativo à Proposta de Lei n.º 123/XII. Alteração da Lei de Delimitação de Setores: Lei 35/2013, de 11 de Junho; Parecer e posição da AEPSA relativo Proposta de D.L. N.º 613/2012, que altera o regime jurídico dos serviços dos serviços de âmbito multimunicipal: D.L. 92/2013, de 11 de Julho; Parecer e posição da AEPSA relativo à Proposta de Lei n.º 125/XII. Alteração do Estatuto Jurídico da ERSAR: Lei 10/2014, de 6 de Março; Parecer e posição da AEPSA relativo à Proposta de Lei N.º 140/XII, que procede à alteração regime jurídico dos serviços municipais : Lei 12/2014, de 6 de Março; Audições Parlamentares, CAOTPL, sobre as supra mencionados propostas de Lei;

9 OUTRAS INICIATIVAS RELEVANTES DA AEPSA (cont.) Elaboração de um Parecer Jurídico: Análise de algumas das consequências/projeções (negativas) do regime da Proposta de Lei n.º 140/XII no quadro da relação entre as entidades gestoras dos serviços municipais e multimunicipais de abastecimento público de água e de recolha de resíduos e nos contratos de concessão em vigor, Prof. Licínio Lopes Martins, Faculdade de Direito de Coimbra. Elaboração de estudos sobre Resíduos Industriais em Portugal: Pareceres e posições da AEPSA junto de organismos oficiais relativos à temática RSU vs. RIB e ao fim da definição de resíduo equiparável a urbano. Parecer e posição da AEPSA relativo ao PERSU 2020; Integração na Comissão de Acompanhamento do PENSAAR 2020 e elaboração de diversos pareceres;

10 OUTRAS INICIATIVAS RELEVANTES DA AEPSA (cont.) Elaboração de parecer sobre o projeto de Regulamento Tarifário do Serviço de Gestão de Resíduos Urbanos para a ERSAR; Acompanhamento da evolução do processo tendente à venda da participação maioritária do Estado Português na EGF Empresa Geral de Fomento; Representação e participação ativa no Conselho Consultivo da ERSAR; Diligências junto de seguradoras no sentido de se trabalhar um seguro de RESPONSABILIDADE AMBIENTAL tipo que permita aos associados garantir em condições vantajosas a cobertura dos riscos previstos na legislação (Diretiva 2004/35/CE, de 21 de Abril; Decreto-Lei n.º 147/2008, de 29 de Julho); Suporte da Comissão Europeia Climate Change Campaign A world you like. With a Climate you like ;

11 OUTRAS INICIATIVAS RELEVANTES DA AEPSA (cont.) PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A AEPSA e a ABCON/SINDCON - Associação Brasileira das Concessionárias Privadas dos Serviços Públicos de Água e Esgoto / Sindicato Nacional das Concessionárias Privadas dos Serviços Públicos de Água e Esgoto - 17 de Setembro O Protocolo tem o intuito de cooperação e troca de informação entre as Associações: Troca de documentação e informação sobre o sector do ambiente a nível nacional, nomeadamente: Partilha de informação sobre o sector do ambiente a nível nacional; Partilha de informação sobre a legislação nacional; Partilha de informação sobre congressos e eventos; Cedência de publicações ou quaisquer outros documentos de carácter técnico considerados de interesse. Garantir uma rede de contactos e canais de comunicação, nomeadamente: Garantir o acesso à rede empresarial das Associações, para contactos comerciais e networking a nível internacional Troca de informação por meios informáticos. A AEPSA entendeu tratar-se de um acordo muito relevante para o setor dado: o interesse das empresas portuguesas no Brasil em termos de águas e saneamento; os investimentos que o Brasil se encontra obrigado nestas matérias entre 2011 e 2030.

12 ACÇÕES DESENVOLVIDAS JUNTO DOS ÓRGÃOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL No âmbito da monitorização dos OCS tendo como objetivo a seleção da informação de acordo com o perfil previamente definido (serviço de clipping), foram selecionadas neste período um total de 60 notícias. O espaço editorial ocupado pelas 60 notícias, contabilizado em custos publicitários (Investimento Equivalente em euros) foi avaliado em ,26 (contra ,00, no ano anterior). Este valor representa o valor do espaço editorial ocupado pelas notícias calculado pelas tabelas de publicidade dos OCS sem qualquer desconto e não teve em conta o posicionamento de um objeto de análise (empresa, instituição, pessoa, evento ou outro). Do total das notícias veiculadas neste período: 28 foram veiculadas na imprensa e 32 notícias na Internet.

13 REPRESENTAÇÃO DA AEPSA EM ORGANISMOS OFICIAIS: Representação no Conselho Nacional da Água (CNA); Representação no Conselho Consultivo da ERSAR. PARTICIPAÇÃO DA AEPSA EM ÓRGÃOS SOCIAIS DE OUTRAS ENTIDADES: Representação no Conselho de Administração da Parceria Portuguesa para a Água; Representação na Direção da RECIPAC Associação Nacional de Recuperação e Reciclagem de Papel e Cartão; Representação na Direção da VALORCAR Sociedade de Gestão de Veículos em Fim de Vida, Lda; Representação na Direção da GVB Gestão e Valorização de Baterias, Lda.

14 PARTICIPAÇÃO DA AEPSA NOUTRAS ORGANIZAÇÕES NACIONAIS: Conselhos de Região Hidrográfica do Norte, Tejo, Centro e Alentejo Comissão de Acompanhamento de Gestão de Resíduos (CAGER) Comissão de Acompanhamento do Plano Estratégico para os Resíduos Sólidos Urbanos (CAPERSU) Comissão de Acompanhamento para os Fluxos de Resíduos (CAFLUXOS) Comissão de Acompanhamento para Harmonização de Procedimentos e Normas Técnicas (CA NORMAS). Representação na Comissão Organizadora do ACQUALIVE EXPO 2013; E EM ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS: BIR Bureau International of Recycling; Membro do Green Growth Group, Bruxelas.

15 REPRESENTAÇÃO DA AEPSA EM EVENTOS DIVERSOS: Palestra O Véu de Ignorância do Sector da Água, na Águas de Coimbra, E.M. Conferência A Reestruturação do Setor da Água em Portugal. O Papel dos Municípios. : O Véu de Ignorância do Sector da Água ACQUALIVE EXPO 2013 Comissão Organizadora Moderação do Painel Tema Água e Cidades Inteligentes 7.º Fórum Nacional de Resíduos Painel - Debate: A Reorganização do Sector numa Analise pelos Stakeholders ; Painel - Debate: Novas Licenças para os REEE e Desafios Futuros. Conferência Gestão da Água Caminhos para o futuro Tema O Futuro dos Serviços Públicos em Portugal

16 REPRESENTAÇÃO DA AEPSA EM EVENTOS DIVERSOS (cont.): 7.º Fórum Nacional de Resíduos Painel - Debate: A Reorganização do Sector numa Analise pelos Stakeholders ; Painel - Debate: Novas Licenças para os REEE e Desafios Futuros. Conferência Gestão da Água Caminhos para o futuro tema O Futuro dos Serviços Públicos em Portugal Workshop sobre Eco-Inovação e a Utilização eficiente de recursos na Industria portuguesa Boas práticas e instrumentos de política Participação no Green Growth Summit, Parlamento Europeu, em Bruxelas 8.ª Expo Conferência da Água 2013 Painel Internacionalização do Sector da Água: Oportunidades no Mercado Brasileiro.

17 REPRESENTAÇÃO DA AEPSA EM EVENTOS DIVERSOS (cont.): Encontro Nacional de Entidades Gestoras de Água e Saneamento - ENEG 2013 Mesa redonda "Legislação Comunitária e Nacional com Impacto nas Entidades Gestoras ; Mesa redonda "Balanço do PEAASAR O PENSAAR PPA - Missão Empresarial a Moçambique / SILUSBA - 27 a 31 de Maio º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental Goiânia 15 a 19 de Setembro 2013, Brasil 24ª Convenção da ANECRA, Lisboa

18 DINAMIZAÇÃO DOS COLÉGIOS SETORIAIS COLÉGIO DAS CONCESSÕES Principais atividades desenvolvidas: Elaboração de pareceres para as propostas de Lei; Acompanhamento do PENSAAR 2020; Alocação de Fundos Comunitários; Preparação de uma base de dados das concessões. COLÉGIO DOS SERVIÇOS AMBIENTAIS Principais atividades desenvolvidas: Alocação de Fundos Comunitários; Contribuição para o Caderno de Encargos Tipo de Operação e Manutenção da AdP.

19 COLÉGIO DOS SERVIÇOS TECNOLÓGICOS Principais atividades desenvolvidas: Acompanhamento do Green Growth Group e da Coligação para o Crescimento Verde. Alocação de Fundos Comunitários. COLÉGIO DOS RESÍDUOS Principais atividades desenvolvidas: Concorrência entre aterros para Resíduos Industriais (RIB) privados e aterros para Resíduos Urbanos (RSU); Elaboração de proposta de iniciativa legislativa visando a clara definição e a separação entre os fluxos dos Resíduos Urbanos (RSU) e dos Resíduos Industriais e Comerciais Banais (RIB); Intervenção junto da Autoridade Tributária (AT) acerca do Regime de Bens em Circulação (RBC) Decreto-Lei n.º 198/2012, de 24 de Agosto; Elaboração de proposta para uma Taxa de Gestão de Resíduos (TGR) única, advogando e prevendo o modo como as respetivas receitas deverão ser direcionadas para incentivos aos próprios agentes económicos do setor.

20 COLÉGIO DOS METAIS Principais atividades desenvolvidas: Criação de um grupo de trabalho para acompanhamento do Fim do Estatuto de Resíduo (FER), ou End of Waste, e das Licenças Ambientais (Diretiva 2010/75/EU e Decreto-Lei n.º 127/2013, de 30 de Agosto); Roubo de metais; Fundos comunitários; Simplificação administrativa; Movimento Transfronteiriço de Resíduos (MTR); Desmantelamento de navios; Relacionamento com entidades gestoras; Resíduos de fragmentação metas para 2015.

21 COLÉGIO DOS FLUXOS ESPECÍFICOS Principais atividades desenvolvidas: Resíduos de Construção e Demolição (RCD) criação de um grupo de trabalho para acompanhamento e pesquisa de estudos e soluções que visem o alargamento da sua aplicabilidade; Resíduos Elétricos E Eletrónicos (REEE); Combustíveis Derivados de Resíduos (CDR), incluindo Biomassa e Pneus objetivo de promover a criação de incentivos tendentes à generalização da utilização de CDR na indústria e ao desenvolvimento de processos de cogeração; Transporte de Resíduos promover a simplificação administrativa com a criação de um Documento Único eletrónico que contenha todas as informações relevantes e seja acessível a todas as entidades públicas com intervenção nos transportes de resíduos, bem como a possibilidade das quantidades serem indicadas em peso ou em volume estimado.

22 COLÉGIO DOS VEÍCULOS EM FIM DE VIDA (VFV) Principais atividades desenvolvidas: Tempos concebidos aos centros de abate para o desembaraço das viaturas destinadas ao desmantelamento e/ou aproveitamento de peças e componentes para reutilização; Práticas seguidas pelo IMTT relativamente ao abate de viaturas, por permitir o encaminhamento dos VFV para operadores não licenciados; Práticas seguidas por companhias de seguro relativamente ao encaminhamento de viaturas sinistradas, por permitir o envolvimento de agentes não legitimados para gestão de resíduos/materiais e/ou abate dos veículos; Uniformização processual a nível da emissão dos certificados de abate pelos diversos operadores de gestão de resíduos legitimados para o efeito.

23 20 ANOS

24 Gestão Corrente TESOURARIA Disponibilidade de Caixa e Depósitos Bancários ,50 Quotizações e jóias vencidas e não cobradas* ,91 *das quais 6.325,00 Euros são há mais de um ano. Total dos ganhos ,30 Total dos gastos ,30 BALANÇO (referido a 31 de Dezembro de 2013, apresenta-se no ANEXO A) o resultado líquido positivo no montante de Euros: 4.165,00 (quatro mil, cento e sessenta e cinco euros), transite para o ano seguinte, sendo integrado no Fundo Associativo DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS (referido a 31 de Dezembro de 2013, é apresentado no ANEXO B.)

25 Gestão Corrente

26 Gestão Corrente

27 20 ANOS

ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS PORTUGUESAS PARA O SECTOR DO AMBIENTE

ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS PORTUGUESAS PARA O SECTOR DO AMBIENTE Actividades Desenvolvidas - AEPSA O ano de 2012 ficou marcado pela fusão entre AEPSA e a ANAREPRE A fusão implicou um conjunto de tarefas que dominaram a agenda de 2012: Reuniões entre as duas Direções;

Leia mais

Extinção do Sistema Integrado Multimunicipal de Águas Residuais da Península de Setúbal e da sua entidade gestora, a Simarsul, S.A..

Extinção do Sistema Integrado Multimunicipal de Águas Residuais da Península de Setúbal e da sua entidade gestora, a Simarsul, S.A.. Extinção do Sistema Integrado Multimunicipal de Águas Residuais da Península de Setúbal e da sua entidade gestora, a Simarsul, S.A.. Os Municípios acionistas da Simarsul, Sistema Integrado Multimunicipal

Leia mais

MAIOR EVENTO NACIONAL PARA O CRESCIMENTO VERDE E DESENVOLVIMENTO DAS CIDADES 04 / 06 MARÇO 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA

MAIOR EVENTO NACIONAL PARA O CRESCIMENTO VERDE E DESENVOLVIMENTO DAS CIDADES 04 / 06 MARÇO 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA MAIOR EVENTO NACIONAL PARA O CRESCIMENTO VERDE E DESENVOLVIMENTO DAS CIDADES 04 / 06 MARÇO 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA Conselho Estratégico da Green Business Week Entidades Empresas convidadas

Leia mais

10 Anos Valorpneu Impacto nos Operadores de Ponto de Recolha e Transporte. Elsa Pereira Nascimento

10 Anos Valorpneu Impacto nos Operadores de Ponto de Recolha e Transporte. Elsa Pereira Nascimento 10 Anos Valorpneu Impacto nos Operadores de Ponto de Recolha e Transporte Elsa Pereira Nascimento O IMPACTO DA VALORPNEU: Pontos Recolha da Rede Valorpneu Transportadores na Rede Valorpneu O IMPACTO DA

Leia mais

Brochura Institucional

Brochura Institucional Brochura Institucional INTERFILEIRAS A INTERFILEIRAS representa as organizações - Fileiras de material - criadas ao abrigo de legislação específica com a missão de assegurar a retoma e reciclagem de resíduos

Leia mais

A ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS. 10 de Maio de 2014 Dr. Domingos Saraiva Presidente da Direção da EGSRA

A ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS. 10 de Maio de 2014 Dr. Domingos Saraiva Presidente da Direção da EGSRA A ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS 10 de Maio de 2014 Dr. Domingos Saraiva Presidente da Direção da EGSRA Surge da vontade dos Sistemas Intermunicipais, que até então se representavam

Leia mais

a 2015 Conferência Industria Automóvel: Contributo para uma mobilidade sustentável. Projecto Eco-condução ACAP, Lisboa, 24-05-2010

a 2015 Conferência Industria Automóvel: Contributo para uma mobilidade sustentável. Projecto Eco-condução ACAP, Lisboa, 24-05-2010 Reciclagem de Veículos em Fim de Vida (VFV) rumo a 2015 Conferência Industria Automóvel: Contributo para uma mobilidade sustentável. Projecto Eco-condução ACAP, Lisboa, 24-05-2010 Tópicos Empresa Sistema

Leia mais

Ambiente Reforma da Fiscalidade Ambiental

Ambiente Reforma da Fiscalidade Ambiental 13 de janeiro de 2015 Ambiente Manuel Gouveia Pereira mgp@vda.pt Angela Lucas asl@vda.pt Foi publicada, a 31 de dezembro de 2014, a Lei n.º 82-D/2014, que procede à alteração das normas fiscais ambientais

Leia mais

Gestão de Resíduos Desafios e Oportunidades Eds.NORTE. Gestão de Resíduos no Território

Gestão de Resíduos Desafios e Oportunidades Eds.NORTE. Gestão de Resíduos no Território Gestão de Resíduos Desafios e Oportunidades Eds.NORTE Gestão de Resíduos no Território Isabel Vasconcelos Fevereiro de 2006 Produção de Resíduos Resíduos - Quaisquer substâncias ou objectos de que o detentor

Leia mais

Newsletter de Outubro de 2014 DIREITO PÚBLICO, AMBIENTE & URBANISMO

Newsletter de Outubro de 2014 DIREITO PÚBLICO, AMBIENTE & URBANISMO Newsletter de Outubro de 2014 DIREITO PÚBLICO, AMBIENTE & URBANISMO Fevereiro de 2013 Novidades Legislativas ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA LOCAL Portaria n.º 209/2014 - Diário da República n.º 197/2014, Série

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A AICEP E O IDE, IP-RAM

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A AICEP E O IDE, IP-RAM PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A AICEP E O IDE, IP-RAM A Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, E.P.E., doravante designada AICEP, pessoa coletiva nº 506320120, com sede no Porto e

Leia mais

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 O desafio Horizonte 2020 Compromissos Nacionais Metas UE-27 20%

Leia mais

Case study 100R RECICLAGEM 100% GARANTIDA EMPRESA ENVOLVIMENTO

Case study 100R RECICLAGEM 100% GARANTIDA EMPRESA ENVOLVIMENTO Case study 2010 100R RECICLAGEM 100% GARANTIDA EMPRESA A Sociedade Ponto Verde é uma entidade privada sem fins lucrativos que tem por missão organizar e gerir a retoma e valorização de resíduos de embalagens

Leia mais

MEDIA KIT 2015 REVISTA TÉCNICA DE ENGENHARIA, GESTÃO E ECONOMIA DO AMBIENTE. www.industriaeambiente.pt

MEDIA KIT 2015 REVISTA TÉCNICA DE ENGENHARIA, GESTÃO E ECONOMIA DO AMBIENTE. www.industriaeambiente.pt MEDIA KIT 2015 REVISTA TÉCNICA DE ENGENHARIA, GESTÃO E ECONOMIA DO AMBIENTE www.industriaeambiente.pt Porquê anunciar na Indústria e Ambiente? A Indústria e Ambiente é uma revista técnica de engenharia,

Leia mais

A organização nacional do sector da água: pontos fortes e pontos fracos. um contributo português para o desenvolvimento do sector da Água

A organização nacional do sector da água: pontos fortes e pontos fracos. um contributo português para o desenvolvimento do sector da Água A organização nacional do sector da água: pontos fortes e pontos fracos. um contributo português para o desenvolvimento do sector da Água no Mundo Como pode a PPA contribuir para uma melhor consolidação.

Leia mais

CPAI COMISSÃO PERMANENTE DE APOIO AO INVESTIDOR

CPAI COMISSÃO PERMANENTE DE APOIO AO INVESTIDOR ANEXO V - NOTAS EXPLICATIVAS Este formulário é de preenchimento obrigatório e serve de sustentação à auto-avaliação realizada no Anexo III Os itens I Preenchimento dos requisitos de elegibilidade e II

Leia mais

Sistemas de Gestão Integrada de Resíduos Urbanos e Resíduos Especiais

Sistemas de Gestão Integrada de Resíduos Urbanos e Resíduos Especiais Sistemas de Gestão Integrada de Resíduos Urbanos e Resíduos Especiais Teresa Pires dos Reis António Garcia Nunes Lisboa, 20 de outubro, 2014 AGENDA 1. Gestão RU Pré-1990 2. Organização Setor Gestão RU

Leia mais

As potencialidades do cluster Português da água ao serviço do desenvolvimento sustentável

As potencialidades do cluster Português da água ao serviço do desenvolvimento sustentável As potencialidades do cluster Português da água ao serviço do desenvolvimento sustentável PAULO LEMOS, Secretário de Estado Ambiente e do Ordenamento do Território Missão da Parceria Portuguesa para a

Leia mais

PROCEDIMENTO DE ADESÃO AO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DE BATERIAS DE VEÍCULOS USADAS (SIGBVU) DA VALORCAR

PROCEDIMENTO DE ADESÃO AO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DE BATERIAS DE VEÍCULOS USADAS (SIGBVU) DA VALORCAR PROCEDIMENTO DE ADESÃO AO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DE BATERIAS DE VEÍCULOS USADAS (SIGBVU) DA VALORCAR PARA PRODUTORES/IMPORTADORES DE BATERIAS DE VEÍCULOS ÍNDICE Introdução...3 1. Enquadramento Legal...4

Leia mais

Raízes Ocultas Unipessoal, Lda. Belchior Lourenço

Raízes Ocultas Unipessoal, Lda. Belchior Lourenço 2011 Raízes Ocultas Unipessoal, Lda. Belchior Lourenço SÍNTESE DA FUNDAMENTAÇÃO ECONÓMICO- FINANCEIRA DO CÁLCULO DA ESTRUTURA TARIFÁRIA Apresentação de Resultados e Conclusões da elaboração e Cálculo dos

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 05 maio 2011 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_

Leia mais

AEPSA. Reunião com. Sua Excelência a Ministra da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território

AEPSA. Reunião com. Sua Excelência a Ministra da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território AEPSA Reunião com Sua Excelência a Ministra da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território 11 de Julho de 2012 AGENDA 1. Apresentação da AEPSA a) A AEPSA em Portugal b) Estratégia da

Leia mais

N.º 126 Síntese de Legislação Nacional De 24.04.2014 a 08.05.2014

N.º 126 Síntese de Legislação Nacional De 24.04.2014 a 08.05.2014 N.º 126 Síntese de Legislação Nacional De 24.04.2014 a 08.05.2014 LEGISLAÇÃO: ROTULAGEM EMBALAGENS AEROSSÓIS Decreto-Lei n.º 62/2014. D.R. n.º 80, Série I de 2014-04-24 Ministério da Economia Transpõe

Leia mais

Eco.AP e o financiamento no âmbito do Portugal 2020

Eco.AP e o financiamento no âmbito do Portugal 2020 Eco.AP e o financiamento no âmbito do Portugal 2020 IV Congresso ATEPH Energia e Ambiente no Edifícios Hospitalar 4 de junho de 2015 Dinis Rodrigues Porto, 4 de junho de 2015 AGENDA Tema 1 Enquadramento

Leia mais

Caracterização da Situação dos Fluxos Específicos de Resíduos em 2009 APA 06 08 2010

Caracterização da Situação dos Fluxos Específicos de Resíduos em 2009 APA 06 08 2010 Caracterização da Situação dos Fluxos Específicos de Resíduos em 2009 APA 06 08 2010 FLUXOS ESPECÍFICOS DE RESÍDUOS Um dos objectivos da política ambiental integrada é a atribuição da responsabilidade,

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

12. ª GRANDE CONFERÊNCIA DO JORNAL ÁGUA&AMBIENTE. PORTUGAL EFICIENTE NA GESTÃO DE RECURSOS Novos actores, novas políticas

12. ª GRANDE CONFERÊNCIA DO JORNAL ÁGUA&AMBIENTE. PORTUGAL EFICIENTE NA GESTÃO DE RECURSOS Novos actores, novas políticas 12. ª GRANDE CONFERÊNCIA DO JORNAL ÁGUA&AMBIENTE PORTUGAL EFICIENTE NA GESTÃO DE RECURSOS Novos actores, novas políticas 23 de Maio de 2012 Centro de Congressos da Univ. Católica de Lisboa ORGANIZAÇÃO

Leia mais

VEÍCULOS EM FIM DE VIDA

VEÍCULOS EM FIM DE VIDA TEMA 7 VEÍCULOS EM FIM DE VIDA B. NÍVEL MAIS AVANÇADO De acordo com o Decreto-lei nº 196/2003, de 23 de Agosto, entende-se por veículo qualquer veículo classificado nas categorias M1 1 ou N1 2 definidas

Leia mais

Comissão para a Reforma do IRC - 2013. Uma Reforma orientada para a Competitividade, o Crescimento e o Emprego

Comissão para a Reforma do IRC - 2013. Uma Reforma orientada para a Competitividade, o Crescimento e o Emprego Uma Reforma orientada para a Competitividade, o Crescimento e o Emprego Principais medidas da Reforma 2 I. Redução da taxa do IRC - A redução das taxas de IRC é fundamental para a atração de investimento

Leia mais

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org 1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org CONCEITO Realização do 1º Fórum União de Exportadores CPLP (UE-CPLP) que integra:

Leia mais

O sucesso da política depende do forte comprometimento de cada um dos envolvidos no processo, de governo e empresas até consumidores.

O sucesso da política depende do forte comprometimento de cada um dos envolvidos no processo, de governo e empresas até consumidores. ECONOMIA - 19/08/14 BRIEFING DE POSICIONAMENTO SOBRE A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS 1. CONTEXTO Posicionamento geral para quaisquer entrevistas realizadas no âmbito da terceira edição do projeto

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. São Tomé e Príncipe Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. São Tomé e Príncipe Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar São Tomé e Príncipe Condições Legais de Acesso ao Mercado Abril 2010 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 3 3. Quadro Legal 6 2

Leia mais

Sistema integrado de tratamento de resíduos sólidos Experiência Europeia

Sistema integrado de tratamento de resíduos sólidos Experiência Europeia Sistema integrado de tratamento de resíduos sólidos Experiência Europeia Rosa Novais Belo Horizonte, março 2013 Gestão de Resíduos na Europa O setor de gestão e reciclagem de resíduos na União Europeia

Leia mais

AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20

AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20 AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20 Vítor Escária CIRIUS ISEG, Universidade de Lisboa e Augusto Mateus & Associados Barreiro, 30/06/2014 Tópicos Enquadramento A Estratégia de Crescimento

Leia mais

Perguntas Frequentes

Perguntas Frequentes Perguntas Frequentes Embalagens e Resíduos de Embalagens 1. Qual o enquadramento legal para embalagens e resíduos de embalagens? 2. Na adesão à entidade gestora do sistema integrado de embalagens e resíduos

Leia mais

12. ª GRANDE CONFERÊNCIA DO JORNAL ÁGUA&AMBIENTE. PORTUGAL EFICIENTE NA GESTÃO DE RECURSOS Novos atores, novas políticas

12. ª GRANDE CONFERÊNCIA DO JORNAL ÁGUA&AMBIENTE. PORTUGAL EFICIENTE NA GESTÃO DE RECURSOS Novos atores, novas políticas 12. ª GRANDE CONFERÊNCIA DO JORNAL ÁGUA&AMBIENTE PORTUGAL EFICIENTE NA GESTÃO DE RECURSOS Novos atores, novas políticas 23 de Maio de 2012 Centro de Congressos da Univ. Católica de Lisboa ORGANIZAÇÃO Uma

Leia mais

Plano Nacional de Gestão de Resíduos 2011-2020 (PNGR)

Plano Nacional de Gestão de Resíduos 2011-2020 (PNGR) Plano Nacional de Gestão de Resíduos 2011-2020 (PNGR) Em consulta pública O Projecto de Plano Nacional de Gestão de Resíduos (PNGR 2011-2020), bem como o Relatório Ambiental e o Resumo Não Técnico da Avaliação

Leia mais

Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas

Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas Linha de Crédito PME Investe III Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha PME Investe III, visa facilitar o acesso ao crédito por parte

Leia mais

NEWSLETTER N.º 4 PORTUGAL FEVEREIRO 2015

NEWSLETTER N.º 4 PORTUGAL FEVEREIRO 2015 NEWSLETTER N.º 4 PORTUGAL FEVEREIRO 2015 FISCALIDADE VERDE Foi aprovado no passado dia 31 de Dezembro, a Lei n.º 82-D/2014 que promove reforma da tributação ambiental, regulamentando assim a Fiscalidade

Leia mais

II Jornadas do Curso do de Engenharia do Ambiente e Biológica Sustentabilidade, Recursos e Resíduos

II Jornadas do Curso do de Engenharia do Ambiente e Biológica Sustentabilidade, Recursos e Resíduos II Jornadas do Curso do de Engenharia do Ambiente e Biológica Sustentabilidade, Recursos e Resíduos Humberto Marques e Humberto Gonçalves Tomar, 3 de Março 2012 INDUSTRIA DA CONSTRUÇÃO A indústria da construção

Leia mais

Missão Empresarial à China

Missão Empresarial à China Missão Empresarial à China Fornecedores do setor automóvel Xangai e Pequim 9 a 14 de setembro de 2013 Atualização Enquadramento A previsão do Governo Chinês emitida em Janeiro deste ano estima que em 2013

Leia mais

PESGRU - Plano Estratégico para a Gestão de Resíduos Urbanos em Angola

PESGRU - Plano Estratégico para a Gestão de Resíduos Urbanos em Angola PESGRU - Plano Estratégico para a Gestão de Resíduos Urbanos em Angola 1º CONGRESSO DOS ENGENHEIROS DE LÍNGUA PORTUGUESA 18 de Setembro de 2012 Agenda da apresentação do PESGRU I. Enquadramento do PESGRU

Leia mais

Organização e funcionamento do XII Governo Regional da Madeira. b) Secretaria Regional dos Assuntos Parlamentares e Europeus;

Organização e funcionamento do XII Governo Regional da Madeira. b) Secretaria Regional dos Assuntos Parlamentares e Europeus; Organização e funcionamento do XII Governo Regional da Madeira Estrutura do Governo Regional da Madeira A estrutura do Governo Regional da Madeira é a seguinte: a) Presidência do Governo; b) Secretaria

Leia mais

Projeto de Lei n.º 260/XII/1.ª

Projeto de Lei n.º 260/XII/1.ª PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projeto de Lei n.º 260/XII/1.ª Veda o acesso de empresas privadas às atividades económicas de abastecimento público de água, de saneamento de águas residuais

Leia mais

UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS

UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS Presente em mais de 80 países e com mais de 280 escritórios em todos os Continentes, a MGI é uma das maiores

Leia mais

WORKSHOP Plano para preservar os Recursos Hídricos da Europa (Blueprint) - Perspetivas para Portugal

WORKSHOP Plano para preservar os Recursos Hídricos da Europa (Blueprint) - Perspetivas para Portugal Eficiência dos sistemas de abastecimento de água para consumo humano WORKSHOP Plano para preservar os Recursos Hídricos da Europa (Blueprint) - Perspetivas para Portugal IPQ, 9 de abril de 2014 Os serviços

Leia mais

ACQUALIVEEXPO. Painel A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SECTOR PORTUGUÊS DA ÁGUA EVOLUÇÃO DO SECTOR DA ÁGUA NOS BALCÃS: O EXEMPLO DA SÉRVIA

ACQUALIVEEXPO. Painel A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SECTOR PORTUGUÊS DA ÁGUA EVOLUÇÃO DO SECTOR DA ÁGUA NOS BALCÃS: O EXEMPLO DA SÉRVIA ACQUALIVEEXPO Painel A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SECTOR PORTUGUÊS DA ÁGUA EVOLUÇÃO DO SECTOR DA ÁGUA NOS BALCÃS: O EXEMPLO DA SÉRVIA Lisboa, 22 de Março de 2012 1 1. Introdução A diplomacia económica é um

Leia mais

DESPACHO. Estrutura Orgânica dos Serviços da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa.

DESPACHO. Estrutura Orgânica dos Serviços da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa. DESPACHO N.º07/2014 Data: 2014/02/11 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e Não Docente ASSUNTO: Estrutura Orgânica dos Serviços da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa. Os Estatutos

Leia mais

Portugal 2020: Investigação e Inovação no domínio da Competitividade e Internacionalização

Portugal 2020: Investigação e Inovação no domínio da Competitividade e Internacionalização Portugal 2020: Investigação e Inovação no domínio da Competitividade e Internacionalização Duarte Rodrigues Vogal da Agência para o Desenvolvimento e Coesão Lisboa, 17 de dezembro de 2014 Tópicos: 1. Portugal

Leia mais

Estratégia de Dinamização e de Divulgação

Estratégia de Dinamização e de Divulgação Estratégia de Dinamização e de Divulgação Plano de Ação de 2015 FEVEREIRO 2015 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. VISÃO DA BOLSA DE TERRAS... 4 3. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS - LINHAS GERAIS DA ESTRATÉGIA... 5

Leia mais

8, 9 e 10 NOVEMBRO 2011 LISBOA. Novos Mercados Encontro de Sectores INSCREVA-SE JÁ. Especial: MERCADOS INTERNACIONAIS. www.expoenergia2011.about.

8, 9 e 10 NOVEMBRO 2011 LISBOA. Novos Mercados Encontro de Sectores INSCREVA-SE JÁ. Especial: MERCADOS INTERNACIONAIS. www.expoenergia2011.about. 8, 9 e 10 NOVEMBRO 2011 LISBOA Centro de Congressos Univ. Católica Novos Mercados Encontro de Sectores Especial: MERCADOS INTERNACIONAIS ORGANIZAÇÃO PARCEIRO PATROCÍNIO INSCREVA-SE JÁ www.expoenergia2011.about.pt

Leia mais

Mineração de aterros - enquadramento na estratégia de resíduos. Joana Sabino Chefe da Divisão de Resíduos Sectoriais

Mineração de aterros - enquadramento na estratégia de resíduos. Joana Sabino Chefe da Divisão de Resíduos Sectoriais Mineração de aterros - enquadramento na estratégia de resíduos Joana Sabino Chefe da Divisão de Resíduos Sectoriais Missão Executa a sua missão através da cooperação próxima e articulada com outros organismos

Leia mais

CADEIA DE VALOR DO CLUSTER PORTUGUÊS DA ÁGUA DESAFIOS E POTENCIALIDADES

CADEIA DE VALOR DO CLUSTER PORTUGUÊS DA ÁGUA DESAFIOS E POTENCIALIDADES ÁGUA GLOBAL CADEIA DE VALOR DO CLUSTER PORTUGUÊS DA ÁGUA DESAFIOS E POTENCIALIDADES Maria da Saúde Inácio AEP I. ENQUADRAMENTO GESTÃO DA ÁGUA Pilar Azul da Política de Sustentabilidade Grande Desafio do

Leia mais

Estatutos da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, E. P. E.

Estatutos da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, E. P. E. Estatutos da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, E. P. E. DIPLOMA / ATO : Decreto-Lei n.º 229/2012 NÚMERO : 208 SÉRIE I EMISSOR: Ministério dos Negócios Estrangeiros SUMÁRIO: Aprova

Leia mais

Conceito de Comerciante e Corretor nos termos do Regime Geral de Gestão de Resíduos

Conceito de Comerciante e Corretor nos termos do Regime Geral de Gestão de Resíduos Comerciante/Corretor Versão 2: 08 de julho de 2014 Conceito de Comerciante e Corretor nos termos do Regime Geral de Gestão de Resíduos Índice 1. Enquadramento legislativo e pressupostos... 1 1.1 Pressupostos

Leia mais

Newsletter 07-08/2012 julho/agosto de 2012

Newsletter 07-08/2012 julho/agosto de 2012 Legislação fiscal Ratificações do Presidente da república (Convenções para evitar a dupla tributação e prevenir a evasão fiscal em matéria de impostos sobre o rendimento). Republica Democrática de Timor

Leia mais

GEOTA A A Política Ambiental na Fiscalidade Sobre Transportes

GEOTA A A Política Ambiental na Fiscalidade Sobre Transportes GEOTA Seminário A A Política Ambiental na Fiscalidade Sobre Transportes Principais desafios ambientais legais e fiscais para os transportadores Rodoviários de Mercadorias António Mousinho Lisboa, 17 de

Leia mais

A nova governação do serviço público de transportes de passageiros principais mudanças

A nova governação do serviço público de transportes de passageiros principais mudanças A nova governação do serviço público de transportes de passageiros principais mudanças Margarida Roxo mroxo@imt-ip.pt Águeda, Seminário Os novos desafios dos Transportes e Mobilidade e a Mobilidade Suave

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 65 2 de abril de 2015 1739

Diário da República, 1.ª série N.º 65 2 de abril de 2015 1739 Diário da República, 1.ª série N.º 65 2 de abril de 2015 1739 selecionadas em conformidade com as regras e critérios aplicáveis ao Mar 2020; b) Assegurar que os processos relativos a cada projeto são organizados

Leia mais

O FUTURO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE ÁGUAS: O CASO PORTUGUÊS

O FUTURO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE ÁGUAS: O CASO PORTUGUÊS O FUTURO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE ÁGUAS: O CASO PORTUGUÊS Rui Godinho APDA, Presidente do Conselho Directivo O sector do abastecimento de água e do saneamento de águas residuais em Portugal conheceu uma

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN]

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Frederico Mendes & Associados Sociedade de Consultores Lda. Frederico Mendes & Associados é uma

Leia mais

Fórum e Exposição Energias Renováveis e Alternativas no Cone Sul- ERACS

Fórum e Exposição Energias Renováveis e Alternativas no Cone Sul- ERACS Fórum e Exposição Energias Renováveis e Alternativas no Cone Sul- ERACS Apresentação O Fórum e Exposição Energias Renováveis e Alternativas no Cone Sul- ERACS ocorrerá nos dias 13, 14 e 15 de outubro de

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2440 Diário da República, 1.ª série N.º 91 12 de maio de 2015 B2 Existência de uma estrutura de acompanhamento e coordenação: Adequado = 100 pontos; Não Adequado = 0 pontos. 5 Serão consideradas aprovadas

Leia mais

PME Investe III Sector do Turismo

PME Investe III Sector do Turismo PME Investe III Sector do Turismo Linha de Apoio à Tesouraria Beneficiários Poderão beneficiar desta linha as empresas que: Tenham um volume de facturação anual inferior a 150 milhões de euros Desenvolvam

Leia mais

GANDARELA, FERRAZ, COSTA & ASSOCIADOS SETEMBRO 2015 ATUALIZAÇÕES LEGISLATIVAS DIREITO DO TRABALHO

GANDARELA, FERRAZ, COSTA & ASSOCIADOS SETEMBRO 2015 ATUALIZAÇÕES LEGISLATIVAS DIREITO DO TRABALHO SETEMBRO 2015 ATUALIZAÇÕES LEGISLATIVAS DIREITO DO TRABALHO Decreto-Lei n.º 210/2015 de 25 de Setembro - Regimes Jurídicos do fundo de Compensação do Trabalho e do Fundo de Garantia de Compensação do Trabalho

Leia mais

Perguntas Frequentes Veículos em Fim de Vida (VFV)

Perguntas Frequentes Veículos em Fim de Vida (VFV) Perguntas Frequentes Veículos em Fim de Vida (VFV) 1. GERAL/ENQUADRAMENTO 1.1. Qual a legislação específica aplicável à gestão de VFV? 1.2. Existem metas nacionais para a gestão de VFV? 1.3. Quais as disposições

Leia mais

Índice Vol. I. Lei nº 85/III/90, de 6-10-Define e regula as bases do estatuto dos titulares de cargos políticos 5

Índice Vol. I. Lei nº 85/III/90, de 6-10-Define e regula as bases do estatuto dos titulares de cargos políticos 5 Índice Vol. I CARGOS POLÍTICOS Lei nº 85/III/90, de 6-10-Define e regula as bases do estatuto dos titulares de cargos políticos 5 Lei nº 28/V/97, de 23-6 Regula estatuto remuneratório dos titulares de

Leia mais

Economia Azul Plataformas Offshore e Oportunidades Oportunidades de Negócio e Investimento 26 Nov. 2012

Economia Azul Plataformas Offshore e Oportunidades Oportunidades de Negócio e Investimento 26 Nov. 2012 Seminário Anual WavEC Economia Azul Plataformas Offshore e Oportunidades Oportunidades de Negócio e Investimento 26 Nov. 2012 Direção-Geral de Energia e Geologia Pedro Cabral Potencial renovável marinho

Leia mais

Portaria n.º 29-B/98 de 15 de Janeiro

Portaria n.º 29-B/98 de 15 de Janeiro Portaria n.º 29-B/98 de 15 de Janeiro A Portaria n.º 313/96, de 29 de Julho, regulamentou o Decreto-Lei n.º 322/95, de 28 de Novembro, que estabelecia os princípios e as normas aplicáveis à gestão de embalagens

Leia mais

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS ARTIGO 13 -ORIGEM RSU(domiciliares e de limpeza pública) Comerciais e Prestadores de Serviços Serviços Públicos de Saneamento Básico Industriais

Leia mais

DA POLÍTICA DE RESÍDUOS PORTUGAL CASO DE SUCESSO 21 A 29 DE MAIO DE 2012 ORGANIZAÇÃO. brasil PATROCÍNIO PARCEIROS

DA POLÍTICA DE RESÍDUOS PORTUGAL CASO DE SUCESSO 21 A 29 DE MAIO DE 2012 ORGANIZAÇÃO. brasil PATROCÍNIO PARCEIROS DA POLÍTICA DE RESÍDUOS PORTUGAL: CASO DE SUCESSO 21 A 29 DE MAIO DE 2012 PORTUGAL 23 21 28 25 BRASIL SÃO PAULO RIO GRANDE DO SUL ESPÍRITO SANTO RIO DE JANEIRO ORGANIZAÇÃO brasil PATROCÍNIO PARCEIROS APRESENTAÇÃO

Leia mais

Relatório de atividades 2012

Relatório de atividades 2012 Associação Nacional de Proprietários Propriedade e Liberdade. Relatório de atividades 2012 Direção da ANP 9-Mai-2013 Para cumprimento da alínea h) do art.º 25.º dos Estatutos, apresentamos o Relatório

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NA ILHA DE SANTIAGO

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NA ILHA DE SANTIAGO GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NA ILHA DE SANTIAGO O processo de criação de um sistema intermunicipal e o desafio da sua viabilização Gilberto SILVA Sumário 1. O quadro legal e institucional de gestão

Leia mais

O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal

O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal 19 de Abril de 2012 (5.ª feira), 17h00 CONVITE O Presidente da Sociedade de Geografia de Lisboa (SGL) tem a honra de convidar V. Ex.ª e sua Exma.

Leia mais

Só um ou, quando muito, dois membros do órgão de gestão ou administração da empresa local pode ser remunerado.

Só um ou, quando muito, dois membros do órgão de gestão ou administração da empresa local pode ser remunerado. 1 Só um ou, quando muito, dois membros do órgão de gestão ou administração da empresa local pode ser remunerado. Artigo 25.º, n.ºs 3 e 4 da Lei n.º 50/2012, de 31 de agosto O valor da remuneração do(s)

Leia mais

Estamos no bom caminho

Estamos no bom caminho O PROJECTO O Life ECOVIA é um projecto liderado pela Brisa, Auto-Estradas de Portugal, S.A., aprovado pela Comissão Europeia no âmbito do Programa Life Ambiente. Este projecto visa a criação de novos materiais

Leia mais

Seminário. Apresentação das Conclusões. Promotor

Seminário. Apresentação das Conclusões. Promotor Seminário Apresentação das Conclusões Promotor Reuniões Técnicas Planos Estratégicos Ciclo de Debates Mobilidade e Transportes Saúde, Apoio Social, Segurança Social e Proteção Civil (Março, 2012) Educação,

Leia mais

Reforma da Fiscalidade Verde. 16 de outubro 2014

Reforma da Fiscalidade Verde. 16 de outubro 2014 Reforma da Fiscalidade Verde 16 de outubro 2014 OBJETIVOS: Reduzir a dependência energética do exterior Induzir padrões de produção e de consumo mais sustentáveis, reforçando a liberdade e responsabilidade

Leia mais

Perguntas Frequentes Pneus Usados

Perguntas Frequentes Pneus Usados Perguntas Frequentes Pneus Usados 1. Qual a legislação em vigor em matéria de gestão de pneus usados? O Decreto-Lei n.º 111/2001, de 6 de Abril, estabelece os princípios e as normas aplicáveis à gestão

Leia mais

Aproximam-se duas datas muito especiais. Mensagem do Presidente

Aproximam-se duas datas muito especiais. Mensagem do Presidente NOTÍCIAS DO MUTUALISMO Informação Quinzenal Edição n.º 55 - II Série 15 de outubro de 2014 Mensagem do Presidente Aproximam-se duas datas muito especiais para o Mutualismo e para os Mutualistas, a Comemoração

Leia mais

SPMS, E.P.E. Índice. 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 5 3. Orçamento de Tesouraria... 10 4. Orçamento de Investimentos...

SPMS, E.P.E. Índice. 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 5 3. Orçamento de Tesouraria... 10 4. Orçamento de Investimentos... 2012 ORÇAMENTO Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 5 3. Orçamento de Tesouraria... 10 4. Orçamento de Investimentos... 11 1 Orçamento 2012 1. Enquadramento 1.1. Objectivos O presente

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Diretiva n.º 20/2013. Parâmetros de Regulação da Qualidade de Serviço do setor elétrico

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Diretiva n.º 20/2013. Parâmetros de Regulação da Qualidade de Serviço do setor elétrico Diário da República, 2.ª série N.º 227 22 de novembro de 2013 34305 PARTE E ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Diretiva n.º 20/2013 Parâmetros de Regulação da Qualidade de Serviço do setor elétrico

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 O ano de 2008 é marcado, em termos internacionais, pela comemoração dos vinte anos do Movimento Internacional de Cidades Saudáveis. Esta efeméride terá lugar em Zagreb,

Leia mais

MAPA DE PESSOAL 2009

MAPA DE PESSOAL 2009 MAPA DE PESSOAL 2009 Atribuições / Competências/Actividades Administração Competência para coordenar e viabilizar toda a actividade normal e funcional da LIPOR; Executar e velar pelo cumprimento das deliberações

Leia mais

AGENDA PARA A COMPETITIVIDADE DO COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO 2014-2020

AGENDA PARA A COMPETITIVIDADE DO COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO 2014-2020 AGENDA PARA A COMPETITIVIDADE DO COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO 2014-2020 18 dezembro 2014 Colocar os setores do Comércio, Serviços e Restauração virado para o exterior e a liderar a retoma económica

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 4. RESPONSABILIDADES...

PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 4. RESPONSABILIDADES... PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 3.1. FASE DE PLANEAMENTO (PRÉ-OBRA)...5 3.2. FASE DE CONSTRUÇÃO...5 3.2.1. Deposição

Leia mais

1º Semestre Relatório e Contas 2010

1º Semestre Relatório e Contas 2010 1º Semestre Relatório e Contas 2010 Índice 02 Relatório de Gestão 02 Considerações Gerais 03 Situação Económico-Financeira 09 Demonstrações Financeiras 10 Balanço 11 Demonstração de Resultados por Natureza

Leia mais

PERSU II Plano Estratégico para os Resíduos Sólidos Urbanos

PERSU II Plano Estratégico para os Resíduos Sólidos Urbanos PERSU II Plano Estratégico para os Resíduos Sólidos Urbanos 2007 2016 Editor. Ministério do Ambiente, do Ordenamento do Território e do Desenvolvimento Regional Produção. longoalcance, gestão de imagem

Leia mais

Unidade de Saúde (detentor)

Unidade de Saúde (detentor) Óleos lubrificantes usados Contrato com operador de gestão autorizado Armazenamento temporário em contentores adequados, que são recolhidos no local pelo operador de gestão Ecocentro Operador de gestão

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA, DA INOVAÇÃO E DO DESENVOLVIMENTO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA, DA INOVAÇÃO E DO DESENVOLVIMENTO MINISTÉRIO DA ECONOMIA, DA INOVAÇÃO E DO DESENVOLVIMENTO Decreto-Lei n.º 39/2010 de 26 de Abril O Programa do XVIII Governo Constitucional estabelece como uma das principais linhas de modernização estrutural

Leia mais

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 ÍNDICE Relatório de Gestão 2 Balanço 5 Demonstração de Resultados por Naturezas 7 Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 Relatório e Parecer do Conselho Fiscal 20 Certificação Legal das Contas

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 140/XII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 140/XII. Exposição de Motivos Proposta de Lei n.º 140/XII Exposição de Motivos A reorganização dos sectores das águas e dos resíduos é um dos grandes desafios a que o Governo se propõe, em vista da resolução de problemas ambientais

Leia mais

Resíduos Urbanos Biodegradáveis (RUB) na Estratégia de Gestão de Resíduos Urbanos (RU)

Resíduos Urbanos Biodegradáveis (RUB) na Estratégia de Gestão de Resíduos Urbanos (RU) Resíduos Urbanos Biodegradáveis (RUB) na Estratégia de Gestão de Resíduos Urbanos (RU) Estoril, 22 de Setembro de 2009 Paula Santana Divisão de Resíduos Urbanos Departamento de Operações de Gestão de Resíduos

Leia mais

Concorrência no Mercado Nacional de Abastecimento de Águas e de Saneamento de Águas Residuais

Concorrência no Mercado Nacional de Abastecimento de Águas e de Saneamento de Águas Residuais Concorrência no Mercado Nacional de Abastecimento de Águas e de Saneamento de Águas Residuais Audição Parlamentar - CPLAOT - 20 de Junho de 2006 Abel M. Mateus Esta Apresentação inclui: I. A Autoridade

Leia mais

newsletter Nº 87 ABRIL / 2014

newsletter Nº 87 ABRIL / 2014 newsletter Nº 87 ABRIL / 2014 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Março de 2014 2 Fundos de Compensação e de Garantia do Trabalho 3 Revisores e Auditores 7 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL Assembleia da República

Leia mais

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 ÍNDICE Relatório de Gestão 2 Balanço 5 Demonstração de Resultados por Naturezas 7 Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 Relatório e Parecer do Conselho Fiscal 20 Certificação Legal das Contas

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS Parecer COM(2013)462 Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO relativo a fundos europeus de investimento a longo prazo 1 PARTE I - NOTA INTRODUTÓRIA Nos termos do artigo 7.º da Lei n.º

Leia mais

Competitividade e Inovação

Competitividade e Inovação Competitividade e Inovação Evento SIAP 8 de Outubro de 2010 Um mundo em profunda mudança Vivemos um momento de transformação global que não podemos ignorar. Nos últimos anos crise nos mercados financeiros,

Leia mais