Medidas de racionalização de utilização de energia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Medidas de racionalização de utilização de energia"

Transcrição

1 Medidas de racionalização de utilização de energia Versão Draft Julho 2013 Elaborado por:

2 Índice 1. Introdução Eficiência energética no setor residencial Frigoríficos, congeladores e arcas Máquinas de lavar loiça Máquinas de lavar roupa Máquinas de secar roupa Ferros de engomar Forno elétrico Fogão, Placas elétricas, Micro-ondas, etc Outros eletrodomésticos TV e Equipamentos Audiovisuais Equipamentos Informáticos Iluminação AQS e Aquecimento Isolamento Ar condicionado Habitação Programas e Medidas PNAEE Eficiência energética no setor industrial Contratação e faturação energética Motores elétricos Iluminação Ar comprimido Climatização / Ventilação Frio Industrial: Refrigeração e Congelação Caldeiras Recuperação de calor BREF Eficiência energética MTD genéricas, para garantia da eficiência energética a nível das instalações MTD para garantir a eficiência energética em sistemas, processos, atividades ou equipamentos consumidores de energia Bibliografia Página 2

3 1. Introdução Este estudo foi elaborado no âmbito do projeto Altercexa II, Medidas de Adaptación y Mitigación al Cambio Climático a través del impulso de las Energías Alternativas en Centro, Extremadura y Alentejo (Fase II); O objetivo geral do projeto é o fomento da produção de energia através de fontes alternativas. O projeto tem os seguintes objetivos específicos: Continuar o fomento do desenvolvimento das melhores técnicas e o avanço da investigação de energias alternativas (energia solar térmica, energia fotovoltaica, eólica, biomassa, biogás, ) e eficiência energética; Manter uma estrutura estável de estudo e difusão do estado da arte, no que diz respeito a tecnologias aplicadas a energias renováveis e eficiência energética; Levar a cabo ações concretas de promoção do uso de biomassa local como fonte de energia nas áreas abrangidas pelo projeto; Levar a cabo ações conjuntas de aproveitamento e valorização energética de resíduos; Fomentar o intercâmbio de conhecimentos técnicos sobre mobilidade sustentável, uso de biocombustíveis e políticas públicas e privadas de eficiência no transporte; Fomentar o intercâmbio de metodologias e técnicas de análises de eficiência energética; Identificação e análise de medidas normativas e políticas de promoção da mobilidade sustentável; Investigação conjunta, no que diz respeito ao aproveitamento energético de biomassa. O presente estudo apresenta diversas medidas de racionalização dos consumos de energia, quer elétrica quer térmica, que permitem o aumento da eficiência energética. São apresentadas medidas de eficiência energética para o setor residencial e setor industrial, bem como são apresentadas as Melhores Técnicas Disponíveis (MTD) existentes no BREF Eficiência energética. De referir que este estudo serve de apoio à realização de Auditorias Energéticas e Planos de Racionalização dos Consumos de Energia (PREn). Já que o objetivo de uma auditoria energética e PREn é o de identificar medidas de racionalização de energia quer a uma indústria quer a um edifício. Assim, este documento é um referencial a ter em conta na aplicação do Sistema de Gestão dos Consumos Intensivos de Energia (SGCIE), publicado no Decreto-lei 71/2008 de 15 de abril, que diz que uma instalação consumidora intensiva de energia, consumos anuais de energia superiores a 500 tep (tonelada equivalente de petróleo), deverão realizar uma Página 3

4 Auditoria Energética e um Plano de Racionalização de energia em intervalos específicos, em função dos consumos de energia da instalação. 2. Eficiência energética no setor residencial Neste ponto são abordadas dicas/medidas de racionalização do consumo de energia de diversos sistemas utilizados no setor residencial. A fonte para a elaboração deste ponto foi o Guia da eficiência energética, ADENE Agência para a Energia, Maio Frigoríficos, congeladores e arcas Opte por frigoríficos, congeladores e arcas com eficiência elevada, ou seja, com etiqueta superior à classe A, permitem economia de energia. Adquira equipamentos ajustados às suas necessidades, ou seja, adquira frigoríficos, congeladores e arcas com a capacidade de que necessita. Os equipamentos de frio, frigoríficos, congeladores e arcas devem estar localizados em locais frescos e ventilados, locais mais frios possíveis. Gastam mais energia se estiverem sujeitos a temperaturas, como por exemplo, radiação solar, proximidade do forno, etc. A parte de trás dos aparelhos devem ser limpas, pelo menos uma vez por ano. Atinge-se poupanças de até 30% se se descongelar o frigorífico quando este atinge 3mm de espessura. De modo a evitar perdas de frio, verificar periodicamente as borrachas das portas. Verificar se estão em boas condições e se fecham bem. Não colocar alimentos quentes no frigorífico, aumenta o consumo do equipamento. Obtém-se ganhos gratuitos de frio ao descongelar alimentos no frigorífico em vez de no exterior. Antes de abrir a porta dos equipamentos, pensar antes o que se pretende tirar de modo a ter a porta aberta no menor tempo possível, de modo a evitar perdas de energia. Optar por ter temperaturas de 5ºC no frigorífico e -18ºC no congelador. 2.2 Máquinas de lavar loiça Opte por máquinas com eficiência elevada, ou seja, com etiqueta superior à classe A, permitem economia de energia. Página 4

5 Adquira equipamentos ajustados às suas necessidades, ou seja, adquira máquinas com a capacidade de que necessita. Opte por colocar a máquina a funcionar apenas com a sua capacidade máxima, ou seja, cheia de loiça. Se a máquina não estiver cheia, opte por programas curtos ou mais económicos; Utilizar água fria para passar a loiça antes de se colocar na máquina; Limpar frequentemente o filtro da máquina. O consumo de energia na lavagem e secagem são otimizados se se utilizar abrilhantador e sal, respetivamente. 2.3 Máquinas de lavar roupa Utilizar a máquina na sua capacidade máxima, ou seja, com carga completa. Escolher programas de baixa temperatura ou mesmo a frio. Colocar produtos anticalcário nas lavagens e limpar regularmente o filtro da máquina. Utilizar a máquina de noite, caso a habitação tenha tarifário bi-horário no contrato de energia elétrica. Comprar máquinas com classificação energética classe A+++. Adequar a temperatura e os programas de lavagem ao tipo de roupa e ao seu grau de sujidade. Separar a roupa consoante o tipo de tecido e adequar a quantidade de detergente em função da sujidade da roupa. Evitar a utilização de pré lavagens exceto se a roupa estiver muito suja. Colocar as máquinas em locais secos e ventilados. Se possível comprar máquinas com programas de meia carga, adequando o consumo de água em função da quantidade de roupa a lavar. Para poucas peças optar por lavar à mão. 2.4 Máquinas de secar roupa Secar a roupa ao sol em vez de utilizar máquina de secar roupa; Centrifugar bem a roupa na máquina de lavar, antes de a secar; Utilizar a máquina na sua capacidade máxima; Separar a roupa, antes de secar, em função das fibras utilizadas e em função da gramagem da roupa; Limpar regularmente o filtro da máquina e verificar a saída de ventilação, de modo a não estar obstruída; Não secar excessivamente a roupa, pois ao retirar da máquina as fibras naturais adquirem a humidade natural do ar ambiente; Página 5

6 No ato da compra, adquirir máquinas com classificação energética A+++. Quando disponível utilizar programas tipo passar a ferro, ficando assim a roupa com alguma humidade, não necessitando de tanta energia para a secar completamente. 2.5 Ferros de engomar Ao utilizar o ferro de engomar desligar um pouco antes de acabar de passar a totalidade da roupa, o ferro manter-se-á quente o suficiente para acabar de passar a totalidade da roupa; Não deixar o ferro ligado, caso tenha de interromper a tarefa; Passar grandes quantidades de roupa em vez de engomar pequenas quantidades, várias vezes; Adequar a temperatura de passagem em função do tipo de fibra do vestuário. 2.6 Forno elétrico Opte por fornos com eficiência elevada, ou seja, com etiqueta superior à classe A, permitem economia de energia. Abrir o forno quando estritamente necessário. Ao abrir o forno perde-se no mínimo 20% da energia acumulada no seu interior. Opte por colocar o forno a funcionar apenas com a sua capacidade máxima, ou seja, com o maior número de alimentos. Para cozinhados acima de 1 hora, normalmente não é necessário pré-aquecer o forno. Antes de acabar de cozinhar desligar o forno um pouco antes. O calor residual é suficiente para acabar o processo. Na compra, opte por fornos com ventilação interna, pois favorecem a distribuição uniforme de calor, permitindo assim, economizar tempo e consequentemente energia. 2.7 Fogão, Placas elétricas, Micro-ondas, etc Opte por utilizar micro-ondas, fogão e por último o forno no ato de cozinhar. De modo a aproveitar o máximo do calor do fogão, opte por panelas com o fundo ligeiramente maior do que o bico do fogão; Utilize panelas com fundos de grande difusão de calor; Ao utilizar panelas de pressão em vez das panelas convencionais, economiza energia e tempo de cozedura; Ao tapar as panelas no processo de cozedura consome-se menos energia; Página 6

7 Ao utilizar placas elétricas deve-se desligar cinco minutos antes do processo de cozedura. O calor residual servirá para terminar o processo de cozedura. 2.8 Outros eletrodomésticos Desligar os equipamentos se se tiver que interromper a tarefa, por exemplo, máquina de café e torradeira; Optar por pequenos eletrodomésticos de modo a poupar energia; Utilizar correntes de ar naturais, abrindo a janela em vez de utilizar ventiladores; Ao utilizar eletrodomésticos que produzem calor, deve-se desligar antes da operação, pois o calor residual terminará o processo, como por exemplo torradeiras e grelhadores. 2.9 TV e Equipamentos Audiovisuais Não deixar os equipamentos em modo stand by; Se se desligar todos os equipamentos em modo stand by, consegue-se poupanças superiores a 40 euros por ano. De forma a desligar todos os equipamentos ao mesmo tempo pode-se utilizar uma ficha múltipla com botão ON/ OFF Equipamentos Informáticos Ao comprar equipamentos optar por sistemas com poupança de energia, símbolo Energy Star e desliga-los por ausências superiores a 30 minutos. Utilizar impressoras que imprimam dos dois lados, permitem economia de papel e utilizar fax que usem papel comum; Se ausente do computador por curtos espaços de tempo, desligar o monitor; Optar por ecrãs LCD poupam energia em funcionamento e em modo de espera, respetivamente cerca de 37% e 40%. Deve-se utilizar a proteção do ecrã totalmente negra pois economiza mais energia; De modo a economizar energia dos equipamentos em stand by, deve-se ligar os equipamentos a uma ficha múltipla com botão ON/OFF, por forma a desligar todos os equipamentos ao mesmo tempo. Página 7

8 2.11 Iluminação A iluminação é uma fatia do bolo que compõe os gastos energéticos. Numa habitação é responsável por cerca de 9% do consumo total de eletricidade. Estima-se que, em média, a substituição dos sistemas de iluminação de um edifício de escritórios por outros mais eficientes resultará numa poupança de energia da ordem dos 21 % do consumo total do edifício. Deste modo é necessário ter em conta alguns aspetos importantes nos sistemas de iluminação para redução dos consumos, como: - Utilização de luz natural, - Escolha de lâmpadas mais adequadas e eficientes, - Desligar a iluminação sempre que não seja necessária. As soluções tecnológicas energeticamente mais eficientes: Lâmpadas e balastros mais eficientes, Alteração de circuitos de iluminação, Introdução de sensores de presença. Recomendam-se as seguintes medidas: Utilização da tecnologia LED (light emission diode) para iluminação de interiores e exteriores, como substituição das lâmpadas incandescentes. A lâmpada de LED consume cerca de 15 vezes menos energia, durando 30 vezes mais. Substituição de lâmpadas incandescentes por lâmpadas fluorescentes compactas (LFC) de baixo consumo, que possuem uma maior duração e um menor consumo energético naquelas zonas que requerem um maior nível de iluminação ou onde os períodos de iluminação são longos. Este tipo de lâmpadas consome 80% menos que as incandescentes. Utilização de balastros eletrónicos associados às lâmpadas fluorescentes de altafrequência, em comparação aos sistemas de iluminação fluorescentes com balastros convencionais, uma poupança de consumo energético (até 25%), um arranque mais suave, eliminação do ruído e incandescência e uma maior duração (até 50% mais). Utilizar luz natural em detrimento de iluminação artificial; Optar por cores claras nas paredes e tetos, permitem economia de energia em iluminação; Desligar a iluminação em espaços que não estão a ser utilizados; Economizar energia em iluminação exterior, no tempo de iluminação e na quantidade de lâmpadas; Ter procedimentos de manutenção de limpeza das lâmpadas e proteções, aumenta-se os níveis de luminosidade, para o mesmo consumo de energia; Optar por iluminação localizada adaptada às necessidades; Ao utilizar reguladores de intensidade luminosa poupa-se energia; Página 8

9 Em zonas de pouca presença, colocar sensores de presença para que as luzes se acendam e apaguem automaticamente. Pode também utilizar na iluminação exterior AQS e Aquecimento Para a preparação de AQS (Água Quente Solar) pode-se utilizar os coletores solares térmicos, sendo um sistema bastante eficiente. É um dos sistemas de aproveitamento da energia solar que consiste em aquecer um fluido a partir da captação da radiação solar. Existem os seguintes tipos de coletores: Coletores Planos: O coletor plano é uma superfície que, exposta à radiação solar, permite absorver o seu calor e transmiti-lo ao fluido. A principal característica, comum a todos os coletores planos, é que não tem poder de concentração, quer dizer, a relação entre a superfície de abertura do coletor e a superfície absorvente é praticamente a unidade. A máxima temperatura alcançável ronda os 80ºC. Coletores de vácuo: permitem alcançar temperaturas até os 120ºC. A sua superfície de captação é formada por uma série de tubos com alhetas cobertas por uma superfície seletiva. Esta superfície de captação está protegida por uma parte coberta transparente que forma com ela uma câmara na qual se produziu o vácuo. Deste modo evita-se a convecção e as perdas correspondentes. Coletores de concentração: este coletor consiste num espelho cilindro-parabólico que reflete toda a radiação solar recebida sobre um tubo de vidro disposto ao largo da linha focal do espelho, cujo interior se encontra a superfície absorvente em contacto com o fluido portador de calor. Em função do tipo de coletor usado e da temperatura que pode alcançar a superfície captadora distinguem-se três técnicas diferentes entre si: Baixa temperatura: A captação realiza-se de forma direta através de coletores solares planos, estando sempre a temperatura do fluido abaixo do ponto de ebulição. Média temperatura. A captação realiza-se através de coletores de vácuo ou através de um baixo índice de concentração e a temperatura do fluido é mais elevada, estando à volta dos 100ºC. Alta temperatura: A captação realiza-se através de coletores com um alto índice de concentração, sendo a temperatura do fluido mais elevada que nos casos anteriores. Dentro das aplicações mais habituais da energia solar térmica encontram-se a geração de água quente sanitária (AQS) para lares, piscinas, hospitais, hotéis e processos industriais, bem como, o aquecimento, utilizações onde se requer calor a baixas temperaturas e que podem chegar a representar mais de uma décima parte do consumo. Relativamente às tecnologias convencionais para aquecimento de água, o investimento inicial é mais elevado e requer um Página 9

10 período de amortização compreendido entre 5 e 7 anos, se bem que, a energia é gratuita e os gastos de manutenção são baixos. Com uma simples instalação pode conseguir-se água quente sanitária de forma limpa e gratuita. Esta é a opção mais rentável que oferece a energia solar térmica. A instalação é simples, o custo é exequível e amortiza-se em pouco tempo. Uma instalação de AQS é composta por um grupo de coletores solares térmicos, um acumulador e uma bomba de circulação. Os coletores podem integrar-se no telhado ou colocar-se numa varanda sem sombra, orientados preferivelmente para sul. A energia que se poupa é elevada já que, com uma instalação deste tipo, consegue-se cerca de 45% do consumo anual utilizado em energia fóssil para o aquecimento em AQS. É especialmente recomendável em instalações com grandes consumos. Pode-se incluir na instalação de coletores solares a possibilidade da produção de água quente útil para o sistema de aquecimento durante o Inverno. Dependendo da temperatura obtida, a água quente gerada pode utilizar-se diretamente no circuito de aquecimento ou servir de apoio para diminuir o consumo da caldeira, préaquecendo a água de alimentação. Com uma instalação deste tipo conseguem-se poupanças que rondam os 30% das necessidades térmicas de uma habitação. O calor do Sol é absorvido e transmitido a um circuito fechado por onde circula o fluido que, por sua vez transmite o calor ao sistema de aquecimento. O sistema de aquecimento que melhor se adapta à energia solar térmica é o de pavimento radiante, já que trabalha a baixa temperatura, à volta dos 40 0 C. Se já estão instalados radiadores, a energia solar pode ajudar a reduzir o consumo da caldeira. Os radiadores trabalham numa gama de temperaturas entre 70 e 90 0 C, que se torna muito alto para os captadores planos comuns no Inverno. Para alcançar esta temperatura durante o Inverno pode recorrer-se à instalação de coletores de tubos de vácuo, com melhor rendimento e que em dias soalheiros permitem trabalhar sem o apoio da caldeira. Ainda assim, pode usar-se a energia solar térmica em fan-coils, já que trabalham a baixa temperatura, utilizando a água aquecida pelos coletores para o ar de um recinto ou local. Recomendam-se as seguintes medidas a nível do aquecimento: Utilizar uma temperatura de conforto, na estação de aquecimento de 20ºC; O aquecimento só deve ser ligado após o arejamento da casa e de fechar janelas e portas; Obtém-se poupanças em energia entre 8% a 13% se se utilizar válvulas termostáticas em radiadores e termostatos programáveis; Colocar o termostato em modo de economia se ausente, por norma pelos 15ºC; Efetuar manutenções periódicas á caldeira, poderá representar uma economia até 15% de energia; Página 10

11 Efetuar a purga dos radiadores a água, pelo menos uma vez por ano, no início da sua utilização. O ar que pode conter no interior do radiador dificulta a transmissão de calor da água quente para o exterior. A purga é efetuada de modo a que se deixe sair o ar todo e passar apenas a sair água; Não obstruir os radiadores, pois dificulta a difusão do ar quente; Deve-se efetuar renovações de ar das habitações, para isso bastas abrir as janelas por um período de 10 minutos, de modo a ventilar completamente a casa; De modo a evitar perdas de calor pelas janelas, durante a noite, deve-se fechar as persianas e cortinas. Recomendam-se as seguintes medidas a nível da água quente: Utilizar sistemas com acumulação de água quente, pois são mais eficientes que os sistemas de produção instantânea e sem acumulação; Isolar termicamente os acumuladores e as tubagens de distribuição de água quente; Optar por tomar duche em vez de banho de imersão pois consome-se cerca de quatro vezes menos água; Evitar fugas e o pingar das torneiras. Uma gotejar de uma torneira pode representar uma perda de 100 litros de água por mês; Colocar redutores de caudal de água nas torneiras; Utilizar reguladores de temperatura com termostato no duche, pode representar uma poupança de 4 a 6% de energia; Na higiene pessoal utilizar temperaturas entre os 30 e os 35ºC, pois é suficiente para sensação de conforto; Optar por torneiras que misturam as águas de diferentes temperaturas em vez de torneiras independentes de águia fria e água quente; Optar por sistemas de duplo botão ou de descarga parcial para o autoclismo, poupam água Isolamento No Inverno, grande parte das perdas de calor de um edifício ocorrem pelas coberturas e paredes não isoladas, e pelos envidraçados muito extensos ou com vidro simples. No Verão, os ganhos de calor indesejáveis ocorrem através dos envidraçados sem sombreamento e das coberturas e paredes não isoladas expostas ao sol, que depois libertam o calor para o interior. Neste sentido, o isolamento térmico do edifício/habitação torna-se necessário para que não existam perdas desnecessárias. O isolamento térmico pode-se utilizar das seguintes formas: Página 11

12 Isolamento térmico de paredes simples pelo exterior com revestimento pelo exterior com revestimento aderido Isolamento térmico de paredes simples pelo exterior com fachadas ventiladas Isolamento térmico de paredes simples pelo interior Isolamento térmico de paredes duplas Isolamento térmico de terraços Isolamento térmico de telhados com laje Isolamento térmico de telhados sem laje Isolamento térmico de pavimentos Isolamento térmico do perímetro das fundações Recomendam-se as seguintes medidas: Isolar bem a habitação permite o aumento do conforto e economia em climatização; Instalar janelas com vidro duplo ou janelas duplas e caixilharias com corte térmico; Eliminar fugas ou diminuir infiltrações de ar de portas e janelas. Elimine infiltrações de ar por janelas e portas com materiais tipo silicone, massa ou fitas isolantes. Para detetar as correntes de ar colocar uma vela acesa nos pontos possíveis, janelas, portas, etc., se a chama oscilar encontrou uma infiltração de ar Ar condicionado Um sistema de AC simples é constituído por: Unidade geradora de calor ou de frio; Sistema de distribuição de calor (tubagens); Unidade interior com regulação e controlo De modo a reduzir o consumo de energia elétrica podem ser aplicadas medidas típicas apresentadas de seguida: A utilização de sistemas centralizados permite uma melhor gestão dos equipamentos; Os sistemas devem possibilitar a recuperação de calor ou frio resultante da operação dos equipamentos; Para além da produção eficiente de calor ou frio é também necessário adequar os equipamentos de bombagem e ventilação associados; Utilizar sempre que possível controlos automáticos; Utilização de permutadores de calor para recuperação de calor do ar de exaustão; Instalar interruptores de janela para limitar climatização, isto é, quando uma janela se abre, o ar condicionado desliga-se automaticamente; Utilizar o "free cooling": uso do ar exterior para arrefecer o interior do edifício. Esta função só funciona quando no exterior está mais frio do que no interior do edifício. Comprar aparelhos adequados às necessidades, aconselhados por profissionais; Página 12

13 Utilizar a temperatura de arrefecimento de 25ºC na estação de Verão; Não utilizar temperaturas mais baixas do que o normal, pois não arrefece a casa de forma mais rápida, podendo o arrefecimento ser muito excessivo e portanto aumentos dos consumos energéticos; Utilizar sombreamentos para não aumentar os ganhos solares, exemplos toldos, fechar persianas, cortinas; Arejar a habitação quando o ar exterior estiver mais fresco, manhã ou à noite, no período de Verão; Utilizar uma ventoinha de teto pode ser suficiente para manter um nível de conforto adequado; Os aparelhos de ar condicionado devem ser colocados em locais que não sejam atingidos pelo sol, bem como onde haja uma boa circulação de ar. Se as unidades condensadoras forem colocadas no telhado é recomendável utilizar um sistema de sombreamento; Utilizar cores claras em tetos e paredes exteriores, pois refletem a radiação solar evitando, assim, o aquecimento dos espaços interiores Habitação A Utilização Racional de Energia é cada vez mais um fator preponderante na redução de custos. Como tal, a implementação de medidas conduz a poupanças energéticas, e logo financeiras associadas, apresentando, em certos casos, períodos de retorno atrativos. Apresentam-se de seguida dois quadros que ilustram o impacto que cada tipo de medida tem na redução do consumo final de energia para o sector residencial e de serviços. Impacto das medidas de melhoria em edifícios residenciais Página 13

14 *Fonte: ADENE Impacto energético em edifícios de serviço *Fonte: ADENE, Consumo Doméstico Balanço DGEG 2005 (energia final total convertida para KWh) Recomendam-se as seguintes medidas complementares: Ao comprar a habitação solicitar o certificado energético que tem informação sobre a classificação energética da casa e características do isolamento, vidros, sistemas de aquecimento, produção de água quente sanitária e ar condicionado; Colocar painéis solares térmicos para aquecimento de águas quentes sanitárias; Pode-se atingir poupanças de até 70% em climatização e iluminação numa habitação, se este tiver uma boa arquitetura bioclimática. Utilizar tecnologias de energias renováveis, painéis solares térmicos e fotovoltaicos, aerogeradores, caldeiras de biomassa, para produzir energia para a habitação. Efetue um Certificado Energético da Habitação. Este terá informação sobre eficiência energética da casa e contém medidas para melhorar o seu desempenho energético Programas e Medidas PNAEE Com base no PANEE , estão previstos 3 programas com medidas específicas: 1 Renove casa & Escritório o objetivo deste programa é o de fomentar a substituição de equipamentos no setor Residencial e no setor dos Serviços de modo a tornar mais eficiente o parque de eletrodomésticos, de equipamentos elétricos e da iluminação acompanhando o avanço tecnológico promovido pelos produtores e induzido pelas crescentes exigências do mercado no sentido de reduzir os respetivos consumos, nomeadamente os energéticos. M1 Promoção de equipamentos mais eficientes - O objetivo principal da medida é a promoção da substituição de eletrodomésticos e de outros equipamentos elétricos Página 14

15 para uso essencialmente doméstico, reduzindo o consumo específico do parque de equipamentos domésticos. M2 Iluminação eficiente - Esta medida visa a adoção de programas nacionais conducentes à promoção de iluminação eficiente, através da renovação do parque pela substituição de lâmpadas de baixa eficiência energética e respetivo phase -out. M3 Janela eficiente - Esta medida, inserida nas medidas de remodelação do setor residencial, contempla intervenções relacionadas com a envolvente dos edifícios e tem como finalidade a reabilitação de superfícies envidraçadas, quer através da utilização de vidro duplo, quer da utilização de caixilharia com corte térmico, quer na utilização de vidros eficientes (de baixa emissividade) M4 Isolamento Eficiente Esta medida também está inserida na remodelação do setor residencial contempla intervenções relacionadas com a envolvente dos edifícios no que diz respeito ao isolamento térmico, visando a sua aplicação em coberturas, pavimentos e paredes. M5 Calor verde - Esta medida pretende incentivar a aplicação de recuperadores de calor nas unidades de alojamento, como complemento e alternativa aos meios tradicionais de aquecimento ambiente (lareira aberta). Para além disso, os recuperadores de calor combinam as vantagens da utilização da biomassa com um sistema de ar forçado permitindo -lhes repartir uniformemente o ar quente produzido pelos espaços a aquecer. 2 Sistema de Eficiência Energética nos edifícios - O Programa Certificação Energética visa melhorar o desempenho energético dos edifícios, através da melhoria da classe média de eficiência energética do parque edificado, mediante a implementação das orientações que regulam o SCE. O SCE obriga a que as novas edificações ou grandes reabilitações de edifícios alcancem quotas mínimas por classes eficientes (B - a A+). Este programa terá as seguintes medidas: M1 SCE Edifícios Residenciais M2 SCE Edifícios de Serviços 3 Solar Térmico O programa tem por objetivo promover a integração de sistemas solares térmicos no parque edificado e a edificar do setor doméstico e de serviços, sendo constituído por duas medidas. M1 Solar Térmico Residencial M2 Solar térmico serviços Página 15

16 3. Eficiência energética no setor industrial Neste ponto são abordadas dicas/medidas de racionalização do consumo de energia de diversos sistemas utilizados no setor industrial. 3.1 Contratação e faturação energética Ajustar de forma adequada a tarifa ao consumo diário de gás. Analisar a possibilidade de alterar os consumos das horas de ponta para horas de baixo consumo, permitindo escolher assim um tarifário que premeie os consumos neste tipo de horas. Analisar se a tarifa elétrica contratada é a mais adequada ao perfil de consumo, selecionando o maior nível de tensão de entrega possível, já que, neste caso os termos de potência e de energia são menores que em BT. Em Portugal, dependendo do n.º de horas de utilização anual das instalações elétricas pode interessar optar por tarifas com custos unitários de energia e potência mais adequados sendo necessário efetuar uma simulação com base em consumos registados num período alargado (12 meses de preferência), para se verificar qual a alternativa mais económica. Corrigir o fator de potência e ajustá-lo para o valor mais elevado possível, mantendo-o sempre acima de 0,93. Ou seja manter a Tang. Ø < 0,4, ou ainda manter; {[kvarh/(kwhh.ponta+ kwhh.cheias)] < 0,4} 3.2 Motores elétricos Desligar os motores nos momentos de stand-by, pois ainda assim consomem grande quantidade de energia. Evitar o arranque e a operação simultânea de motores, sobretudo os de média e grande capacidade, para diminuir o valor máximo de consumo. Analisar a eficiência do motor e ver se é a adequada para o tempo de operação. Deve realizar-se um exame aos motores para identificar aqueles que possam ser substituídos por outros com mais eficiência energética e com um período de retorno de investimento rápido. Inicialmente, deve centrar-se em motores que ultrapassem o tamanho mínimo e horas de operação por ano. Verificar as horas de funcionamento anuais de cada motor. Página 16

Medidas de racionalização de utilização de energia

Medidas de racionalização de utilização de energia Medidas de racionalização de utilização de energia Versão a completar - Draft Elaborado por CITEVE Índice 1. Introdução... 3 2. Medidas de poupança transversais... 4 3. Medidas de poupança específicas

Leia mais

Dicas para poupar energia Doméstico

Dicas para poupar energia Doméstico Dicas para poupar energia Doméstico Eficiência energética: Poupar energia, utilizá-la de forma eficiente e inteligente, para conseguir mais, com menos. Importância da eficiência energética: Redução da

Leia mais

AQUECIMENTO, VENTILAÇÃO E AR CONDICIONADO ILUMINAÇÃO COZINHA/ LAVANDARIA DIVERSOS

AQUECIMENTO, VENTILAÇÃO E AR CONDICIONADO ILUMINAÇÃO COZINHA/ LAVANDARIA DIVERSOS P O U P A R AQUECIMENTO, VENTILAÇÃO E AR CONDICIONADO ILUMINAÇÃO COZINHA/ LAVANDARIA DIVERSOS AQUECIMENTO, VENTILAÇÃO E AR CONDICIONADO Caso tenha ar condicionado nos quartos ou áreas comuns do empreendimento,

Leia mais

Medidas de racionalização de utilização de energia

Medidas de racionalização de utilização de energia Medidas de racionalização de utilização de energia Junho 2014 Elaborado por: Índice 1. Introdução... 3 2. Instrumentos de eficiência e gestão energética... 4 2.1 Edifício... 4 2.2 Indústria... 8 3. Eficiência

Leia mais

Vamos Poupar Energia!!! www.facebook.com/experimenta.energia

Vamos Poupar Energia!!! www.facebook.com/experimenta.energia Vamos Poupar Energia!!! www.facebook.com/experimenta.energia Que podemos nós fazer? Eficiência Energética Utilização Racional da Energia, assegurando os níveis de conforto e de qualidade de vida. Como?

Leia mais

24.10.2013 O projeto de cooperação ALTERCEXA Promoção de energias alternativas no Centro, EXtremadura e Alentejo

24.10.2013 O projeto de cooperação ALTERCEXA Promoção de energias alternativas no Centro, EXtremadura e Alentejo 24.10.2013 O projeto de cooperação ALTERCEXA Promoção de energias alternativas no Centro, EXtremadura e Alentejo Victor Francisco victor.francisco@ctcv.pt Eugénia Coelho ecoelho@citeve.pt O projeto ALTERCEXA:

Leia mais

APRESENTA: Dicas & conselhos. Como reduzir o consumo e a fatura de eletricidade, na sua casa

APRESENTA: Dicas & conselhos. Como reduzir o consumo e a fatura de eletricidade, na sua casa APRESENTA: Dicas & conselhos Como reduzir o consumo e a fatura de eletricidade, na sua casa EM CASA, TODOS TEMOS A CAPACIDADE DE CONTROLAR O CONSUMO E A FATURA DE ELETRICIDADE. EM SUA CASA, O CONSUMO JÁ

Leia mais

O QUE É A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA?

O QUE É A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA? DICAS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA VIVA A SUA CASA COM UMA ENERGIA MAIS SUSTENTÁVEL DICAS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA 03 O QUE É A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA? A eficiência energética passa pela utilização da energia

Leia mais

Dicas para a poupança de energia

Dicas para a poupança de energia Dicas para a poupança de energia Conselhos de verificação da factura eléctrica Analise se a potência contratada é adequada ao consumo real da instalação ou se poderá reduzi-la. Verifique se os seus consumos

Leia mais

Endereço electrónico: dgc@dg.consumidor.pt ; Sítio web: http://www.consumidor.pt

Endereço electrónico: dgc@dg.consumidor.pt ; Sítio web: http://www.consumidor.pt Frigorifico O frigorífico é o electrodoméstico mais consumidor de energia das habitações portuguesas. É responsável por praticamente 32% do consumo de electricidade. Este equipamento tem etiqueta energética.

Leia mais

As Auditorias Energéticas e a Gestão da Energia como fator de competitividade

As Auditorias Energéticas e a Gestão da Energia como fator de competitividade As Auditorias Energéticas e a Gestão da Energia como fator de competitividade Artur Serrano CTCV Sistemas de Energia 1 ÍNDICE DOS ASSUNTOS Sistemas de Energia do CTCV - Actividades Objectivos das Auditorias

Leia mais

SECTOR DA FABRICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS

SECTOR DA FABRICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS #2 SECTOR DA FABRICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS INTERVENÇÕES E CASOS DE SUCESSO Intervenções Durante o período de intervenção do projeto efinerg II, constatou-se que o sector da fabricação de equipamento

Leia mais

Por Utilização Racional de Energia (URE) entendemos o conjunto de acções e medidas, que têm como objectivo a melhor utilização da energia.

Por Utilização Racional de Energia (URE) entendemos o conjunto de acções e medidas, que têm como objectivo a melhor utilização da energia. Utilização Racional de Energia (URE) Por Utilização Racional de Energia (URE) entendemos o conjunto de acções e medidas, que têm como objectivo a melhor utilização da energia. Utilizar melhor a energia

Leia mais

MODERNIZE SUA PLANTA FABRIL. Máquinas e equipamentos mais modernos são mais eficientes e consomem menos energia.

MODERNIZE SUA PLANTA FABRIL. Máquinas e equipamentos mais modernos são mais eficientes e consomem menos energia. 1 REALIZE UM DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO para identificar todas as oportunidades existentes, avaliar a viabilidade, determinar as prioridades e montar um programa para sua implementação 2 MODERNIZE SUA PLANTA

Leia mais

Dicas para poupar energia Empresas

Dicas para poupar energia Empresas Dicas para poupar energia Empresas Eficiência energética: Poupar energia, utilizá-la de forma eficiente e inteligente, para conseguir mais, com menos. Importância da eficiência energética: Redução da factura

Leia mais

Semana da Prevenção de Resíduos - 16 a 23 de Novembro. Dicas de Prevenção e Preservação

Semana da Prevenção de Resíduos - 16 a 23 de Novembro. Dicas de Prevenção e Preservação Semana da Prevenção de Resíduos - 16 a 23 de Novembro Dicas de Prevenção e Preservação Tenha em conta Nunca comece uma reparação, por muito pequena que seja, sem antes desligara tomada do equipamento;

Leia mais

SECTOR DA FABRICAÇÃO DE ARTIGOS DE BORRACHA E MATÉRIAS PLÁSTICAS

SECTOR DA FABRICAÇÃO DE ARTIGOS DE BORRACHA E MATÉRIAS PLÁSTICAS #3 SECTOR DA FABRICAÇÃO DE ARTIGOS DE BORRACHA E MATÉRIAS PLÁSTICAS INTERVENÇÕES E CASOS DE SUCESSO Intervenções Durante o período de intervenção do projeto efinerg II, constatou-se que as empresas do

Leia mais

SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS

SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS Gás Climatização

Leia mais

Energia em sua casa. Saiba quanto gasta!

Energia em sua casa. Saiba quanto gasta! Energia em sua casa. Saiba quanto gasta! Os eletrodomésticos e equipamentos domésticos apresentam consumos energéticos diferentes. Compare-os no gráfico que segue. Iluminação É na iluminação da casa que

Leia mais

\ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial

\ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial \ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial Workshop Eficiência Energética e Sustentabilidade Ambiental nas empresas CTCV 25 de Fevereiro de 2014 \ BOAS PRÁTICAS

Leia mais

Energia elétrica: como usar e economizar

Energia elétrica: como usar e economizar endividado.com.br Energia elétrica: como usar e economizar Como fazer uso eficiente de Energia Quanto maior o desperdício de energia, maior é o preço que você e o meio ambiente pagam por ela. Ao usar a

Leia mais

MANUAL COM DICAS SOBRE CONSUMO DE ENERGIA

MANUAL COM DICAS SOBRE CONSUMO DE ENERGIA SISTEMA SOLAR DE AQUECIMENTO DE ÁGUA a) Quando for adquirir um sistema de aquecimento solar dê sempre preferência aos modelos com o Selo Procel. b) Dimensione adequadamente o sistema (coletores e reservatórios)

Leia mais

Eficiência. Energética. e a energia eléctrica

Eficiência. Energética. e a energia eléctrica Eficiência Energética e a energia eléctrica > Eficiência energética A é um desafio que devemos colocar a todos nós. Está ao nosso alcance, o podermos contribuir de forma decisiva para um mundo melhor e

Leia mais

Aquecedores são aparelhos que consomem muita energia elétrica. Por isso, evite deixar o seu sempre ligado.

Aquecedores são aparelhos que consomem muita energia elétrica. Por isso, evite deixar o seu sempre ligado. Aquecedor central Aquecedores são aparelhos que consomem muita energia elétrica. Por isso, evite deixar o seu sempre ligado. Planeje seu uso e habitue-se a ligá-lo apenas o tempo necessário para que você

Leia mais

Água Quente. Supraeco W Supraeco W OS. Bombas de calor Ar - Água para produção de A.Q.S. julho 2014. Conforto para a vida

Água Quente. Supraeco W Supraeco W OS. Bombas de calor Ar - Água para produção de A.Q.S. julho 2014. Conforto para a vida Supraeco W Supraeco W OS Bombas de calor Ar - Água para produção de A.Q.S. Água Quente julho 0 Conforto para a vida Bombas de calor SUPRAECO energia água quente ar-água confortopoupança eficiênciacop calor

Leia mais

Procedimento Operacional PO. 01. Utilização de iluminação, refrigeração, equipamentos de escritório e elevadores.

Procedimento Operacional PO. 01. Utilização de iluminação, refrigeração, equipamentos de escritório e elevadores. 1. OBJETIVO Definir as boas práticas que permitam consumir menos energia elétrica e com elas melhorar o desempenho energético nas instalações do TCE-MT, criando consciência e sensibilizando aos colaboradores

Leia mais

AR-CONDICIONADO 8 H / DIA = 35,3% / MÊS

AR-CONDICIONADO 8 H / DIA = 35,3% / MÊS O Brasil vive uma crise hídrica e energética que está afetando a distribuição de ambos os recursos no país todo, em maior ou menor intensidade. O Estado de São Paulo, em especial a capital, vem sofrendo

Leia mais

Soluções de Energia Solar. Março de 2007. www.senso.pt

Soluções de Energia Solar. Março de 2007. www.senso.pt Soluções de Energia Solar Março de 2007 www.senso.pt ENERGIA E CONSTRUÇÃO Crescente aplicação de energias renováveis Mudança do modelo energético Símbolo de distinção para construções de qualidade Resposta

Leia mais

Cli l m i ati t z i ação Soluções Eficientes

Cli l m i ati t z i ação Soluções Eficientes Climatização Soluções Eficientes Indíce 1 Energias Renováveis Aerotermia, Energia Solar 2 Eficiência Energética Tecnologias, Regulamento 3 Bombas de Calor Soluções 4 Ar condicionado Gamas, Sistemas 1 Energias

Leia mais

É O COMBATE DO DESPERDÍCIO DE ENERGIA ELÉTRICA. É OBTER O MELHOR RESULTADO, DIMINUINDO O CONSUMO, SEM PREJUÍZO DE SEU CONFORTO E LAZER.

É O COMBATE DO DESPERDÍCIO DE ENERGIA ELÉTRICA. É OBTER O MELHOR RESULTADO, DIMINUINDO O CONSUMO, SEM PREJUÍZO DE SEU CONFORTO E LAZER. É O COMBATE DO DESPERDÍCIO DE ENERGIA ELÉTRICA. É OBTER O MELHOR RESULTADO, DIMINUINDO O CONSUMO, SEM PREJUÍZO DE SEU CONFORTO E LAZER. Na verdade você corre o risco de molhar o medidor e causar Curto-circuito.

Leia mais

Lagoas Park, Edifício 2 2740-265 Porto Salvo Telefone: +351 21 791 23 44 www.tdimobiliaria.pt

Lagoas Park, Edifício 2 2740-265 Porto Salvo Telefone: +351 21 791 23 44 www.tdimobiliaria.pt Lagoas Park, Edifício 2 2740-265 Porto Salvo Telefone: +351 21 791 23 44 www.tdimobiliaria.pt Partilhe connosco as suas sugestões para um ambiente melhor, através do endereço penseverde@tdimobiliaria.pt.

Leia mais

Economia de energia. No escritório. Ar Condicionado

Economia de energia. No escritório. Ar Condicionado Economia de energia O consumo de energia elétrica nos países em desenvolvimento, como o Brasil, cresce anualmente 8 vezes mais que nos países ditos desenvolvidos. Esse aumento de consumo é devido à modernização

Leia mais

CENTRO ESCOLAR DAS LAGOAS PONTE DE LIMA

CENTRO ESCOLAR DAS LAGOAS PONTE DE LIMA CENTRO ESCOLAR DAS LAGOAS PONTE DE LIMA Projeto Energia Construção Sustentável www.cezero.pt / www.cezero.com.br CENTRO ESCOLAR DAS LAGOAS PONTE DE LIMA PROJETO Arquitetura e sistemas construtivos Maximização

Leia mais

Saber mais sobre Energia

Saber mais sobre Energia Saber mais sobre Energia Energia Está sempre presente nas nossas actividades. Mas usamos uma fonte que se está a esgotar. Situação Actual Cerca de 83% da energia consumida no nosso país é importada e de

Leia mais

GUIA PARA A REABILITAÇÃO DOMÓTICA. comunicações, segurança e conforto. PROJETO Cooperar para Reabilitar da InovaDomus

GUIA PARA A REABILITAÇÃO DOMÓTICA. comunicações, segurança e conforto. PROJETO Cooperar para Reabilitar da InovaDomus GUIA PARA A REABILITAÇÃO DOMÓTICA comunicações, segurança e conforto PROJETO Cooperar para Reabilitar da InovaDomus Autoria do Relatório Consultoria RedeRia - Innovation, S.A. Índice 0. Preâmbulo 5 1.

Leia mais

O papel da eficiência e inovação energética nos edifícios

O papel da eficiência e inovação energética nos edifícios O papel da eficiência e inovação energética nos edifícios Apresentação no INETI 25 Junho, 2012 A energia está associada à maioria dos actuais desafios de sustentabilidade Resíduos Aquecimento global Poluição

Leia mais

Certificado Energético Pequeno Edifício de Comércio e Servicos IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA, 231, R/C Localidade PORTO

Certificado Energético Pequeno Edifício de Comércio e Servicos IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA, 231, R/C Localidade PORTO Válido até 20/04/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA, 231, R/C Localidade PORTO Freguesia PARANHOS Concelho PORTO GPS 41.163993, -8.604853 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL 1 ª Conservatória

Leia mais

ESQUENTADORES SENSOR GREEN

ESQUENTADORES SENSOR GREEN ESQUENTADORES SENSOR GREEN SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE Índice A eficiência na produção de água quente em grandes quantidades 03 Aplicações e Utilizações 05 Benefícios para o Instalador 06 Líder em Tecnologia

Leia mais

A CHAVE PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

A CHAVE PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA A CHAVE PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Agenda Enquadramento dos consumos Energéticos nos Edifícios e no ramo Hoteleiro Enerbiz Conceito Geral e explicação funcional Conclusões e Aspetos Gerais Índice Enquadramento

Leia mais

Lâmpadas. Ar Condicionado. Como racionalizar energia eléctrica

Lâmpadas. Ar Condicionado. Como racionalizar energia eléctrica Como racionalizar energia eléctrica Combater o desperdício de energia eléctrica não significa abrir mão do conforto. Pode-se aproveitar todos os benefícios que a energia oferece na medida certa, sem desperdiçar.

Leia mais

Manual de poupança energética. Dicas Simples

Manual de poupança energética. Dicas Simples Manual de poupança energética Dicas Simples www.energiasimples.pt 03 Indice Introdução Contexto Sobre este manual O consumo de energia nas nossas casas Aquecimento ambiente Água quente Eletrodomésticos

Leia mais

Índice. Aquecimento e Climatização Bombas de Calor Pedra Natural Biomassa Recuperadores Calor Biomassa - Pellets

Índice. Aquecimento e Climatização Bombas de Calor Pedra Natural Biomassa Recuperadores Calor Biomassa - Pellets Climatização 1 Índice e Climatização Bombas de Calor Pedra Natural Biomassa Recuperadores Calor Biomassa - Pellets 3 5 6 7 2 Bomba de calor Central A bomba de calor tem como finalidade produzir água a

Leia mais

Acumuladores de Calor

Acumuladores de Calor Acumuladores de Calor Em virtude da atividade de muitas pessoas se desenvolver, diariamente, no interior de edifícios, tal obriga a que as condições de conforto, principalmente as relacionadas com a qualidade

Leia mais

Medida financiada no âmbito do Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Eléctrica, aprovado pela Entidade Reguladora dos Serviços

Medida financiada no âmbito do Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Eléctrica, aprovado pela Entidade Reguladora dos Serviços Medida financiada no âmbito do Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Eléctrica, aprovado pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos Índice: Casa Cozinha Sala de Estar Casa de Banho

Leia mais

#12. Boas Práticas de Eficiência Energética. Guia do Empresário por Centro Tecnológico do Calçado de Portugal

#12. Boas Práticas de Eficiência Energética. Guia do Empresário por Centro Tecnológico do Calçado de Portugal #12 Boas Práticas de Eficiência Energética Guia do Empresário por Centro Tecnológico do Calçado de Portugal Índice Enquadramento Plano de Ação para a eficiência energética no sector do calçado Análise

Leia mais

REDE E SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E AQUECIMENTO DE ÁGUAS USANDO FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS

REDE E SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E AQUECIMENTO DE ÁGUAS USANDO FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS GUIA PARA A REABILITAÇÃO REDE E SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E AQUECIMENTO DE ÁGUAS USANDO FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS PROJETO Cooperar para Reabilitar da InovaDomus Autoria do Relatório Consultoria

Leia mais

Aquecimento Doméstico

Aquecimento Doméstico Aquecimento Doméstico Grande variedade de escolha Dos cerca de 4.000 kwh de energia consumidos por uma família portuguesa durante o ano, 15% é destinado ao aquecimento ambiente. A zona climática, o tipo

Leia mais

Manual de Consumo Consciente de Energia. Veja se você está aproveitando a energia com todo o conforto e segurança que ela traz.

Manual de Consumo Consciente de Energia. Veja se você está aproveitando a energia com todo o conforto e segurança que ela traz. Manual de Consumo Consciente de Energia. Veja se você está aproveitando a energia com todo o conforto e segurança que ela traz. Quando você utiliza energia de forma eficiente, todo mundo sai ganhando.

Leia mais

Guia para a utilização eficiente dos electrodomésticos

Guia para a utilização eficiente dos electrodomésticos Guia para a utilização eficiente dos electrodomésticos Aprenda a Poupar Energia, o Meio Ambiente e Dinheiro. www.ecosave.org.pt Ficha técnica: Título: Guia para a utilização eficiente dos electrodomésticos

Leia mais

INSTALAÇÕES SANITÁRIAS

INSTALAÇÕES SANITÁRIAS GUIA PARA A REABILITAÇÃO INSTALAÇÕES SANITÁRIAS PROJETO Cooperar para Reabilitar da InovaDomus Autoria do Relatório Consultoria Oliveira & Irmão, S.A. Índice 0. Preâmbulo 5 1. Anomalias no Autoclismo da

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS. Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios

RELATÓRIO DE ESTÁGIO HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS. Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios RELATÓRIO DE ESTÁGIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios Fernando Jorge Albino Varela de Oliveira Abrantes Dezembro 2014 ÍNDICE Objectivos

Leia mais

Pós-Copenhaga E o ambiente? Francisco Ferreira

Pós-Copenhaga E o ambiente? Francisco Ferreira Pós-Copenhaga E o ambiente? Francisco Ferreira Alterações climáticas Emissão de gases de efeito de estufa -> agravamento do efeito de estufa -> aquecimento global -> alterações climáticas 4 relatórios

Leia mais

Promover a Eficiência Energética nos edifícios. As PME do Sector Energético Desafios e estratégias

Promover a Eficiência Energética nos edifícios. As PME do Sector Energético Desafios e estratégias Promover a Eficiência Energética nos edifícios As PME do Sector Energético Desafios e estratégias 22 de Março 2013 Índice 1. Sistema de Etiquetagem Energética de Produtos 2. Fundo de Eficiência Energética

Leia mais

Seminário Eficiência Energética : Políticas, Incentivos e Soluções. Sertã, 06 de Junho 2011

Seminário Eficiência Energética : Políticas, Incentivos e Soluções. Sertã, 06 de Junho 2011 Seminário Eficiência Energética : Políticas, Incentivos e Soluções Promover a eficiência energética É tornar o mundo melhor e mais assustentável tá e ADENE Agência para a Energia Paulo Nogueira Auditório

Leia mais

Tudo o que a população pode fazer diariamente para poupar energia quer no trabalho ou em casa. Se todos colaborarmos um pouco, a natureza agradece e

Tudo o que a população pode fazer diariamente para poupar energia quer no trabalho ou em casa. Se todos colaborarmos um pouco, a natureza agradece e 1 Tudo o que a população pode fazer diariamente para poupar energia quer no trabalho ou em casa. Se todos colaborarmos um pouco, a natureza agradece e o seu bolso também. Poupar energia significa diminuir

Leia mais

CO N C E P Ç ÃO, DESEN VO LV I MENTO E FABRI CO P ORTUGUÊ S ECO ÁGUA QUENTE SANITÁRIA ECONOMIA CONFORTO ECOLOGIA 85% ULTIMA POUPANÇA

CO N C E P Ç ÃO, DESEN VO LV I MENTO E FABRI CO P ORTUGUÊ S ECO ÁGUA QUENTE SANITÁRIA ECONOMIA CONFORTO ECOLOGIA 85% ULTIMA POUPANÇA CO N C E P Ç ÃO, DESEN VO LV I MENTO E FABRI CO P ORTUGUÊ S ECO ÁGUA QUENTE SANITÁRIA ECONOMIA CONFORTO ECOLOGIA PROVAVELMENTE O AQUECEDOR DE ÁGUA SOLAR MAIS EVOLUÍDO DO MUNDO ÁGUA QUENTE HORAS POR DIA

Leia mais

A CASA MAIS EFICIENTE DE PORTUGAL

A CASA MAIS EFICIENTE DE PORTUGAL A CASA MAIS EFICIENTE DE PORTUGAL RELATÓRIO DE AUDITORIA ENERGÉTICA Casa da família Avelar Alcobaça ÍNDICE Introdução 4 1. Síntese dos resultados obtidos 2. Caracterização térmica 3. Caracterização energética

Leia mais

BOMBAS DE CALOR PARA A.Q.S. AQUASMART AQUASMART SPLIT SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE

BOMBAS DE CALOR PARA A.Q.S. AQUASMART AQUASMART SPLIT SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE BOMBAS DE CALOR PARA A.Q.S. AQUASMART AQUASMART SPLIT SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE Índice Bombas de Calor para A.Q.S. Um novo grau de eficiência Sistemas eficientes de aquecimento de águas 03 Serviços de Apoio

Leia mais

Dicas da Eletrobras Procel para economizar energia elétrica em residências e condomínios

Dicas da Eletrobras Procel para economizar energia elétrica em residências e condomínios Dicas da Eletrobras Procel para economizar energia elétrica em residências e condomínios Utilizar a energia elétrica com eficiência significa combater desperdícios, e todos nós devemos participar ativamente

Leia mais

PLANO DE AÇÃO PARA A ENERGIA SUSTENTÁVEL

PLANO DE AÇÃO PARA A ENERGIA SUSTENTÁVEL PLANO DE AÇÃO PARA A ENERGIA SUSTENTÁVEL MUNICÍPIO DO FUNCHAL 1º Relatório de Implementação Janeiro de 2015 PLANO DE AÇÃO PARA A ENERGIA SUSTENTÁVEL DO FUNCHAL Plano de Ação para a Energia Sustentável

Leia mais

AQUASTAR GREEN S O L U Ç Õ E S D E Á G U A Q U E N T E

AQUASTAR GREEN S O L U Ç Õ E S D E Á G U A Q U E N T E CALDEIRAS MURAIS DE CONDENSAÇÃO AQUASTAR GREEN S O L U Ç Õ E S D E Á G U A Q U E N T E Índice Gama Aquastar Green Condensação: Vantagens e características NOVO A nova caldeira mural de condensação Aquastar

Leia mais

PORTARIA Nº 23, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015

PORTARIA Nº 23, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015 PORTARIA Nº 23, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015 Estabelece boas práticas de gestão e uso de Energia Elétrica e de Água nos órgãos e entidades da Administração Pública Federal direta, autárquica e fundacional

Leia mais

Optimização Energética na Reabilitação Onde Investir?

Optimização Energética na Reabilitação Onde Investir? Optimização Energética na Reabilitação Onde Investir? A nova legislação estabelece as seguintes exigências relativamente à envolvente do edifício: Limite máximo dos coeficientes de transmissão térmica

Leia mais

Principais equipamentos utilizados nos sectores dos edifícios e da industria (a ter em consideração na análise energética) L. F.

Principais equipamentos utilizados nos sectores dos edifícios e da industria (a ter em consideração na análise energética) L. F. Principais equipamentos utilizados nos sectores dos edifícios e da industria (a ter em consideração na análise energética) L. F. Roriz 1. Tipo de instalações A análise energética pode ter que cobrir os

Leia mais

QUEM FAZ A AVALIAÇÃO ENERGÉTICA E EMITE O CERTIFICADO?

QUEM FAZ A AVALIAÇÃO ENERGÉTICA E EMITE O CERTIFICADO? O QUE É UM CERTIFICADO ENERGÉTICO? Um Certificado Energético (CE) de um edifício ou fracção autónoma é o documento emitido no âmbito do Sistema Nacional de Certificação Energética e Qualidade do Ar Interior

Leia mais

Técnicas passivas; Técnicas ativas.

Técnicas passivas; Técnicas ativas. Definição: a conservação de energia deve ser entendida como a utilização de uma menor quantidade de energia para a obtenção de um mesmo produto ou serviço através da eliminação do desperdício; Técnicas

Leia mais

DICAS PARA A SUA ECONOMIA

DICAS PARA A SUA ECONOMIA DICAS PARA A SUA ECONOMIA SELO PROCEL Quer saber como economizar energia de forma simples e em situações práticas do dia a dia? Clique nos números. Depois, é só colocar em prática. 11 7 1 Ao comprar refrigeradores,

Leia mais

Aproveitamento Solar Passivo - Aproveitamento da energia para aquecimento de edifícios ou prédios, através de concepções e estratégias construtivas.

Aproveitamento Solar Passivo - Aproveitamento da energia para aquecimento de edifícios ou prédios, através de concepções e estratégias construtivas. GLOSSÁRIO Aproveitamento Solar Passivo - Aproveitamento da energia para aquecimento de edifícios ou prédios, através de concepções e estratégias construtivas. Ar Condicionado - Expressão utilizada largamente

Leia mais

Caso de Estudo: reabilitação energética de duas moradias em Paço de Arcos

Caso de Estudo: reabilitação energética de duas moradias em Paço de Arcos Workshop Formar para Reabilitar a Europa PAINEL 3: TECNOLOGIAS E IMPLEMENTAÇÃO DE PROJECTOS Caso de Estudo: reabilitação energética de duas moradias em Paço de Arcos Vítor Cóias, GECoRPA Susana Fernandes,

Leia mais

Máquinas de Secar Roupa

Máquinas de Secar Roupa Design. Cada centímetro que vê num aparelho Balay, representa uma enorme dedicação em termos de design, ergonomia e adaptabilidade ao seu dia a dia. Um dos nossos principais objectivos é aliar a facilidade

Leia mais

O SEU PAINEL DE AQUECIMENTO RADIANTE

O SEU PAINEL DE AQUECIMENTO RADIANTE 2011 Marca: Heatwafer Modelo: HW1 Área Aquecida: 3-4 m3 Consumo: 80 W O SEU PAINEL DE AQUECIMENTO RADIANTE Custo por 1 hora: 0,01 Custo por 24 Horas: 0,17 Dimensões (p*w*h): 35*200*300 mm HEATWAFER * baseado

Leia mais

Gestão do Consumo de Energia no Sector Turístico

Gestão do Consumo de Energia no Sector Turístico Agência Regional da Energia e Ambiente da Região Autónoma da Madeira Gestão do Consumo de Energia no Sector Turístico Funchal, 1999 Índice 1. INTRODUÇÃO... 1 2. METODOLOGIA... 4 2.1. DEFINIÇÃO DO UNIVERSO

Leia mais

Contribuição do INESC Coimbra para o Estudo Prévio do Futuro Edifício da Câmara Municipal da Mealhada

Contribuição do INESC Coimbra para o Estudo Prévio do Futuro Edifício da Câmara Municipal da Mealhada Institute of Systems Engineering and Computers INESC Coimbra Contribuição do INESC Coimbra para o Estudo Prévio do Futuro Edifício da Technical Report Documento Técnico Institute of Systems Engineering

Leia mais

Engenharia, Climatização e Energia APRESENTAÇÃO DA EMPRESA

Engenharia, Climatização e Energia APRESENTAÇÃO DA EMPRESA Engenharia, Climatização e Energia APRESENTAÇÃO DA EMPRESA QUEM SOMOS A TriEnergy Engenharia, Climatização e Energia, resulta de uma forte determinação em servir o mercado com rigor, brio e profissionalismo.

Leia mais

Ar Condicionado. Tipos de aparelhos

Ar Condicionado. Tipos de aparelhos Ar Condicionado As pessoas passam, porventura, até cerca de 90 % das suas vidas nos espaços confinados, seja nas suas residências, no trabalho, nos transportes ou mesmo em espaços comerciais. A questão

Leia mais

O MERCADO DA ENERGIA ESTÁ A MUDAR

O MERCADO DA ENERGIA ESTÁ A MUDAR O MERCADO DA ENERGIA ESTÁ A MUDAR INFORME-SE BEM PARA DECIDIR BEM Uma iniciativa: LIGUE 808 100 808 VISITE WWW.ESCOLHAASUAENERGIA.PT FALE COM A SUA EMPRESA DE ELETRICIDADE E DE GÁS NATURAL Parceiros: MINISTÉRIO

Leia mais

CLIMATIZAÇÃO & EFICIÊNCIA NO LAR. menos na fatura. mais no conforto

CLIMATIZAÇÃO & EFICIÊNCIA NO LAR. menos na fatura. mais no conforto CLIMATIZAÇÃO & EFICIÊNCIA NO LAR menos na fatura mais no conforto soluções de climatização PARA A SUA HABITAÇÃO 4 CLIMATIZAÇÃO & EFICIÊNCIA NO LAR A homie utiliza tecnologias economizadoras de recursos

Leia mais

Desempenho energético dos edifícios o impacto dos regulamentos na construção e as oportunidades de melhoria do parque habitacional

Desempenho energético dos edifícios o impacto dos regulamentos na construção e as oportunidades de melhoria do parque habitacional Desempenho energético dos edifícios o impacto dos regulamentos na construção e as oportunidades de melhoria do parque habitacional Paulo Santos ADENE Agência para a Energia Nuno Baptista ADENE Agência

Leia mais

- Enquadramento Legal Abordagem genérica das questões associadas à QAI; Enquadramento Legal.

- Enquadramento Legal Abordagem genérica das questões associadas à QAI; Enquadramento Legal. Cursos de atualização profissional para revalidação da credenciação técnica (nº 6, art. 22º DL79/2006 de 4 Abril) Referenciais mínimos aprovados pela Comissão Tripartida Revalidação da Credenciação a TIM

Leia mais

Objetivos: Potencial para aplicação ST em grandes instalações: Água quente sanitária. Água quente de processo Água quente para arrefecimento

Objetivos: Potencial para aplicação ST em grandes instalações: Água quente sanitária. Água quente de processo Água quente para arrefecimento Objetivos: Potencial para aplicação ST em grandes instalações: Água quente sanitária. Água quente de processo Água quente para arrefecimento Introdução Potencial ST Grandes Instalações 23 out Introdução

Leia mais

WORKSHOP 'EFICIÊNCIA ENERGÉTICA - DESAFIOS E OPORTUNIDADES PARA PORTUGAL

WORKSHOP 'EFICIÊNCIA ENERGÉTICA - DESAFIOS E OPORTUNIDADES PARA PORTUGAL WORKSHOP 'EFICIÊNCIA ENERGÉTICA - DESAFIOS E OPORTUNIDADES PARA PORTUGAL Eficiência Energética na Industria Experiencia Save to Compete Sofia Tavares EDP Comercial sofia.tavares@edp.pt Lisboa, 6 Março,

Leia mais

PPEC 2013-2014 Plano de Promoção da Eficiência Energética no Consumo de Energia Eléctrica. Auditoria Energética para Escolas

PPEC 2013-2014 Plano de Promoção da Eficiência Energética no Consumo de Energia Eléctrica. Auditoria Energética para Escolas PPEC 2013-2014 Plano de Promoção da Eficiência Energética no Consumo de Energia Eléctrica Auditoria Energética para Escolas Objectivo da Medida As Auditorias Energéticas para Escolas faz parte de um conjunto

Leia mais

6624-(18) Diário da República, 1.ª série N.º 232 29 de novembro de 2013

6624-(18) Diário da República, 1.ª série N.º 232 29 de novembro de 2013 6624-(18) Diário da República, 1.ª série N.º 232 29 de novembro de 2013 Portaria n.º 349-B/2013 de 29 de novembro O Decreto -Lei n.º 118/2013, de 20 de agosto, aprovou o Sistema de Certificação Energética

Leia mais

EYE MANAGER MANUAL DO SOFTWARE

EYE MANAGER MANUAL DO SOFTWARE EYE MANAGER MANUAL DO SOFTWARE ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO.. 3 2 O SOFTWARE.... 3 3 EDIFÍCIO. 6 3.1 Área aquecida........ 6 3.2 Pavimento... 11 3.3 Cobertura..... 11 3.4 Aquecimento central.. 12 3.5 Produção de

Leia mais

Sistemas Solares e Eficiência Energética nas empresas

Sistemas Solares e Eficiência Energética nas empresas Sistemas Solares e Eficiência Energética nas empresas Pedro Cardoso Sistemas de Energia TEKTÓNICA 2015 06-05-2015 1 TEKTÓNICA 2015 Sistemas Solares e Eficiência Energética nas empresas Autoconsumo fotovoltaico

Leia mais

Equipamentos primários. L. Roriz

Equipamentos primários. L. Roriz Equipamentos primários L. Roriz Unidades de Arrefecimento Unidades de Arrefecimento de Ar Unidades Produtoras de Água Refrigerada Sistemas de compressão de vapor Sistemas de expansão directa Sistemas utilizando

Leia mais

GUIA DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

GUIA DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA GUIA DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA GUIA DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA 06 PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA 08 CONSEQUÊNCIAS DO CONSUMO DE ENERGIA 09 FONTES DE ENERGIA RENOvávEIS E NÃO RENOvávEIS 10 IMPACTOS NEGATIvOS

Leia mais

Plano de fundo notas para ppt3

Plano de fundo notas para ppt3 Plano de fundo notas para ppt3 Diapositivo 1 Alterações climáticas O que pode fazer para as combater? Esta apresentação tem como objectivo demonstrar que acções e escolhas simples feitas pelas pessoas

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica www.abinee.org.br EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Eng. Fabián Yaksic Gerente do Departamento de Tecnologia e Política Industrial São Paulo, 5 junho 2012 ABINEE

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DE PARADELHAS, 273, Localidade PADORNELO. Freguesia PADORNELO

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DE PARADELHAS, 273, Localidade PADORNELO. Freguesia PADORNELO Válido até 30/03/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DE PARADELHAS, 273, Localidade PADORNELO Freguesia PADORNELO Concelho PAREDES DE COURA GPS 41.927754, -8.540848 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL Conservatória

Leia mais

PORQUÊ POUPAR ENERGIA?

PORQUÊ POUPAR ENERGIA? PORQUÊ POUPAR ENERGIA? O utilizador doméstico obtém a energia essencialmente de duas formas distintas: Electricidade, que chega a nossas casas maioritariamente através da produção hídrica e térmica, esta

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada SESMARIA DO PAU QUEIMADO,, Localidade SANTO ESTEVÃO BNV

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada SESMARIA DO PAU QUEIMADO,, Localidade SANTO ESTEVÃO BNV Válido até 26/05/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada SESMARIA DO PAU QUEIMADO,, Localidade SANTO ESTEVÃO BNV Freguesia SANTO ESTEVÃO Concelho BENAVENTE GPS 38.888944, -8.723055 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

CATÁLOGO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. Valorizamos a sua energia

CATÁLOGO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. Valorizamos a sua energia CATÁLOGO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Valorizamos a sua energia ÍNDICE AUTOCONSUMO FOTOVOLTAICO AR COMPRIMIDO CORREÇÃO FATOR DE POTÊNCIA DIAGNÓSTICO E AUDITORIA ENERGÉTICA ILUMINAÇÃO MONITORIZAÇÃO DE ENERGIA

Leia mais

Índice. Centros de Formação Vulcano 03 Programa de Formação 04 Cursos: Esquentadores e Termoacumuladores. Aquecimento Central e A.Q.S.

Índice. Centros de Formação Vulcano 03 Programa de Formação 04 Cursos: Esquentadores e Termoacumuladores. Aquecimento Central e A.Q.S. PROGRAMA DE FORMAÇÃO 2013 Índice ENTRADA DO CENTRO DE FORMAÇÃO - AVEIRO Centros de Formação Vulcano 03 Programa de Formação 04 Cursos: Esquentadores e Termoacumuladores E1 Águas Quentes Sanitárias 04

Leia mais

Soluções REHAU PARA A REABILITAÇÃO. www.rehau.pt. Construção Automóvel Indústria

Soluções REHAU PARA A REABILITAÇÃO. www.rehau.pt. Construção Automóvel Indústria Soluções REHAU PARA A REABILITAÇÃO Uma APLICAÇÃO PARA CADA NECESSIDADE www.rehau.pt Construção Automóvel Indústria A REABILITAÇÃO, UMA SOLUÇÃO COM SISTEMAS PARA O AQUECIMENTO E O ARREFECIMENTO POR SUPERFÍCIES

Leia mais

METODOLOGIA DE DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO. Oportunidades de redução de custos e maior eficiência energética

METODOLOGIA DE DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO. Oportunidades de redução de custos e maior eficiência energética METODOLOGIA DE DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO Oportunidades de redução de custos e maior eficiência energética A realização de diagnóstico energético envolve um conjunto bastante diversificado de atividades,

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO CHOUPELO, 833, 1º DTO Localidade VILA NOVA DE GAIA

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO CHOUPELO, 833, 1º DTO Localidade VILA NOVA DE GAIA Válido até 11/02/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DO CHOUPELO, 833, 1º DTO Localidade VILA NOVA DE GAIA Freguesia VILA NOVA DE GAIA (SANTA MARINHA) Concelho VILA NOVA DE GAIA GPS 41.070000, -8.360000

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE)

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Seminário : Inovação na Construção, Técnicas e Materiais de Construção sustentável Auditório da Associação

Leia mais

Processos de produzir calor utilizando a energia eléctrica:

Processos de produzir calor utilizando a energia eléctrica: A V A C Aquecimento Ventilação Ar Condicionado Aquecimento eléctrico Processos de produzir calor utilizando a energia eléctrica: Aquecimento por resistência eléctrica. Aquecimento por indução electromagnética.

Leia mais

Oar contém uma quantidade variável de vapor de água, que determina o grau de umidade de um

Oar contém uma quantidade variável de vapor de água, que determina o grau de umidade de um Algumas noções sobre a umidade relativa do ar Oar contém uma quantidade variável de vapor de água, que determina o grau de umidade de um ambiente. A capacidade do ar de reter vapor de água é tanto maior

Leia mais