Relatório de Avaliação da Actividade das CPCJ

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório de Avaliação da Actividade das CPCJ"

Transcrição

1 Modelo do Relatório de Avaliação da Actividade das CPCJ no ano de 2003

2 Relatório de Avaliação da Actividade das CPCJ Comissão de Protecção de Crianças e Jovens de I- Funcionamento da Comissão Alargada 1. No âmbito do desenvolvimento das suas competências em matéria de promoção dos direitos e prevenção das situações de perigo infantil e juvenil, qual(ais) o(s) modelo(s) de organização do trabalho da comissão alargada? (é possível seleccionar mais do que 1 opção) Grupos de trabalho para assuntos específicos Plenário 1.1 Especificação dos grupos de trabalho (é possível seleccionar mais do que 1 opção) Regulamento interno da CPCJ Problemáticas Respostas Sociais Diagnóstico de recursos/necessidades Prevenção Sensibilização/divulgação do trabalho da CPCJ Outro. Qual? 2. Periodicidade das reuniões da comissão alargada: (seleccionar apenas 1 opção) Semanal Quinzenal Mensal 2 em 2 meses Outra periodicidade. Qual? 3. Que tipo de articulação foi desenvolvida pela comissão alargada junto da comunidade (especificar, para cada um dos itens, os projectos desenvolvidos): Acções desenvolvidas junto da comunidade Informação, divulgação e sensibilização para os direitos da criança e do jovem Colaboração na constituição e funcionamento da rede local de recursos sociais Estudo e elaboração de projectos de prevenção Elaboração e divulgação de instrumentos de marketing social sobre a actividade das CPCJ Outra. Qual? Especificação do projecto desenvolvido 2

3 4. Face ao ano em avaliação, que instrumentos/acções desenvolveu a CPCJ para a divulgação da sua actividade junto da comunidade? (é possível seleccionar mais do que 1 opção) Nenhum Panfletos/brochuras/cartazes Comunicação social (rádio, jornais, imprensa local) Reuniões com os presidentes das Juntas de Freguesia Reuniões com os dirigentes dos serviços representados na CPCJ Divulgação do trabalho da CPCJ nas instituições nela representadas (envio de documentação, encontros, etc) Apresentação pública do relatório de actividades Participação como oradores em Seminários, Colóquios Participação em actividades do Concelho Reuniões com a população Outros instrumentos de divulgação. Quais? 5. Que articulação estabelece a CPCJ com outras comissões /associações/projectos/programas e com que objectivo? (é possível seleccionar mais do que 1 opção) Comissões /Associações/Projectos/Programas Prevenção Diagnóstico de necessidades Formação Comissões Locais Acompanhamento do RMG (CLA) e Núcleos Locais de Inserção do RSI (NLI) Conselhos Locais de Acção Social da Rede Social (CLAS) Outras CPCJ. Quais? Agrupamento de escolas Plano para a Eliminação da Exploração e do Trabalho Infantil (PEETI) Projectos no âmbito do Programa Ser Criança Projecto de Luta Contra a Pobreza (PLCP) Projecto de Apoio à Família e à Criança (PAFAC) Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP) Outros. Quais? 6. A CPCJ promoveu no ano em avaliação encontros com participantes externos? Sim (é possível seleccionar mais do que 1 opção) Encontros de sensibilização/divulgação na comunidade Encontros técnicos acerca de temáticas relacionadas com o trabalho da CPCJ Acções de formação Outro tipo de encontro. Qual? Não 3

4 7. Face ao ano em avaliação, qual o grau de participação dos parceiros na CPCJ? (identifique os elementos mais participativos e os menos participativos, de acordo com a escala abaixo indicada 1 ) Entidades Município / Freguesia Segurança Social Ministério da Educação Ministério da Saúde Santa Casa da Misericórdia de Lisboa 2 IPSS/ONG (actividades de carácter institucional) IPSS/ONG (actividades de carácter não institucional) Associações de Pais Associação desportiva, cultural, recreativa Serviços da juventude / Associação de Jovens GNR Forças de Segurança PSP 4 cidadãos eleitores designados pela Assembleia Elementos cooptados Grau de Participação 1 Mais participativos Menos participativos II- Funcionamento da Comissão Restrita 1. Crianças e jovens com processos de promoção e protecção no ano em avaliação: Faixas etárias das crianças/jovens 0-2 anos 3-5 anos 6-9 anos anos anos anos anos Total Total de crianças/jovens com processos de promoção e protecção instaurados e reabertos em 2003, acrescidos do número de crianças e jovens com processos transitados de anos anteriores 1 Preencher de acordo com a seguinte tabela de codificação: Escala de participação Mais participativos = dão frequentemente contributos valiosos para a identificação de estratégias de actuação e de desenvolvimento das acções. Menos participativos = o seu empenhamento é reduzido e os contributos são esporádicos ou inexistentes. 2 Apenas para as CPCJ do Distrito de Lisboa. 4

5 2. Face ao ano em avaliação, qual a disponibilidade semanal dada pelos serviços de origem para o trabalho na CPCJ? (preencher o serviço de origem e a valência técnica de acordo com a tabela de codificação abaixo mencionada 3 ) Serviço de Origem Valência técnica Número de horas semanais dadas pelos serviços de origem para o trabalho na CPCJ Elemento 1 Elemento 2 Elemento 3 Elemento 4 Elemento 5 Elemento 6 Elemento 7 Elemento 8 Elemento 9 Elemento 10 Elemento 11 Elemento 12 Elemento 13 Elemento 14 Elemento 15 Total de horas semanais (correspondente ao somatório das horas semanais disponibilizadas pelo total dos técnicos que compõem a Comissão de Protecção na modalidade restrita) 3 Tabela de codificação Serviço de origem Valência técnica 1 - Município/Freguesia 1 - Serviço social 2 - Segurança Social 2 - Psicologia 3 - Ministério da Educação 3 - Sociologia 4 - Ministério da Saúde 4 - Direito 5 - Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (só para as CPCJ Pedagogia (professores, educadores de infância, terapeutas da fala, 5 - do Distrito de Lisboa) educadores sociais, outros técnicos de pedagogia) 6 - IPSS/ONG (actividades de carácter institucional) 6 - Saúde (médicos, efermeiros, fisioterapeutas, outros técnicos de saúde) 7 - IPSS/ONG (actividades de carácter não institucional) 7 - Outra (para além do código, incluir a designação da entidade) 8 - Associação de Pais 9 - Associação desportiva, cultural, recreativa 10 - Associação de jovens/serviços da juventude 11 - Forças de Segurança (GNR, PSP) 12 - Cidadãos eleitores 13 - Elementos cooptados 5

6 3. Identifique as principais áreas de necessidade de reforço técnico sentidas pela CPCJ: (é possível seleccionar mais do que 1 opção) Serviço social Psicologia Sociologia Direito Pedagogia 4 Saúde 5 Outra. Qual? 4. De que forma se encontra organizado o funcionamento da Comissão de Protecção na modalidade restrita? (é possível seleccionar mais do que 1 opção) Organização do funcionamento Plenário (todos os elementos que compõem a comissão restrita) Critérios de distribuição do trabalho processual Problemáticas Área Serviço de Valência Disponibilidade geográfica origem técnica dos técnicos Equipas de trabalho Gestor de caso 5. Identifique as entidades que mais frequentemente colaboram com a CPCJ: (é possível seleccionar mais do que 1 opção) Comissões, projectos e programas Comissões Locais Acompanhamento do RMG (CLA) e Núcleos Locais de Inserção do RSI (NLI) Conselhos Locais de Acção Social da Rede Social (CLAS) Outras CPCJ. Quais? Agrupamento de escolas Plano para a Eliminação da Exploração e do Trabalho Infantil (PEETI) Projectos no âmbito do Programa Ser Criança Projecto de Luta Contra a Pobreza (PLCP) Projecto de Apoio à Família e à Criança (PAFAC) Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP) Outros. Quais? Fase de diagnóstico/ execução da medida 6. De que forma é assegurado o regime de permanência previsto no art.º 22º da Lei 147/99 (fora do horário de funcionamento da Comissão)? (seleccionar apenas 1 opção) Sistema de atendimento permanente via telemóvel Sistema de voice mail possibilidade de deixar mensagem gravada Sistema de voice mail mensagem de encaminhamento para entidade de primeira linha de intervenção (forças de segurança, Linha Nacional de Emergência Social, centros de saúde, linha verde da Câmara Municipal, etc.) Outra forma. Qual? 4 Professores, educadores de infância, terapeutas da fala, educadores sociais, outros técnicos de pedagogia. 5 Médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, outros técnicos de saúde. 6

7 7. Número de solicitações em regime de permanência: MESES Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro DIAS ÚTEIS (fora do horário funcionamento) FINS DE SEMANA/FERIADOS TOTAL DAS SOLICITAÇÕES 8. Que diligências preliminares efectua a CPCJ face a uma sinalização? (hierarquizar de 1 a 5, ou de 1 a 6 caso seleccione a categoria outra, por ordem decrescente de importância) Caracterização da entidade sinalizadora e da situação de perigo Articulação com outros serviços/entidades Contacto com os pais/representantes legais da criança/jovem Contacto com a criança/jovem Obtenção de consentimento para a intervenção Outra. Qual? 9. De que forma são estabelecidos os primeiros contactos entre a CPCJ e a família/representantes legais e a criança/jovem? (é possível seleccionar mais do que 1 opção) Muito Pouco Frequente frequente frequente Não utiliza Por telefone Por escrito Através de visitas domiciliárias Através de agentes da comunidade (escola, centro de saúde, etc.) Outros meios. Quais? 10. Quem está presente no momento de celebração do acordo de promoção e protecção? (é possível seleccionar mais do que 1 opção) Criança/jovem com mais de 12 anos Detentor do poder paternal, representante legal ou detentor da guarda de facto Gestor de caso Presidente da CPCJ Outros elementos da CPCJ Representantes das entidades envolvidas na execução da medida Outras pessoas envolvidas na execução da medida. Quais? 7

8 11. Face aos processos instaurados e reabertos no ano em avaliação, indique o número total de Acordos de Promoção e Protecção celebrados: Total de Acordos de Promoção e Protecção celebrados 12. Que tipo de relacionamento a CPCJ estabelece com os Tribunais de competência especializada e comum? (é possível seleccionar mais do que 1 opção) Nenhum relacionamento Relacionamento meramente administrativo Relacionamento técnico Outra situação. Qual? 13. A CPCJ tem interlocutor designado pelo Ministério Público? Sim Não Em caso afirmativo, de que forma se operacionaliza o relacionamento a CPCJ com o magistrado/interlocutor designado pelo Ministério Público? (é possível seleccionar mais do que 1 opção) Tipo de relacionamento Forma de relacionamento Orientação para diligências processuais Participação regular em reuniões Esclarecimentos de ordem jurídica Disponibilidade para contacto III- Aspectos gerais do funcionamento e organização da CPCJ Apoio logístico 1. Face ao ano em avaliação, como considera a CPCJ o apoio logístico da Câmara Municipal face aos seguintes aspectos: (seleccionar para cada item apenas 1 opção) Instalação Utilização exclusiva Mobiliário Suficiente Utilização comum Insuficiente Equipamento informático Ligação à internet Corresponde às necessidades Utilização exclusiva Sim Não corresponde às necessidades Utilização comum Não Outros equipamentos (fax, telefone, telemóvel) Utilização exclusiva Utilização comum 8

9 Material de escritório (canetas, papel de ofício, tinteiros para impressora, etc) Quantidade suficiente Quantidade insuficiente Cedência de funcionário administrativo Tempo disponibilizado suficiente Tempo disponibilizado insuficiente Cedência de viatura Sim Não Utilização exclusiva Utilização comum Tempo disponibilizado suficiente Tempo disponibilizado insuficiente Identifique a(s) entidade(s) cedente(s) de viatura(s) 6 : 2. Que apoios complementares disponibiliza a Câmara Municipal no que respeita: (seleccionar para cada item apenas 1 opção) Suporte financeiro para elaboração de material de divulgação da CPCJ Suficiente Insuficiente Inexistente Aquisição de publicações técnicas Suficiente Insuficiente Inexistente Cedência de técnicos (para além do representante da Câmara Municipal) Sim Não Suporte financeiro para participação em acções de formação, conferências e seminários Frequente Esporádico Inexistente 3. No âmbito do apoio da Câmara Municipal à CPCJ, identifique as necessidades mais prioritárias ainda não satisfeitas: 1ª 2ª 3ª Fundo de maneio 4. A CPCJ está a receber fundo de maneio? (seleccionar apenas 1 opção) 6 Município/Freguesia, Segurança Social, Ministério da Educação, Ministério da Saúde, Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (só para as CPCJ do distrito de Lisboa), IPSS/ONG (actividades de carácter institucional), IPSS/ONG (actividades de carácter não institucional), Forças de Segurança (GNR, PSP), Associação de Pais, Associação desportiva, cultural, recreativa, Associação de jovens/serviços da juventude, cidadãos eleitores designados pela Assembleia e elementos cooptados. 9

10 Sim Não (Passar para perg. 9 do presente Capítulo) 5. Em média, que percentagem de fundo de maneio foi utilizada pela CPCJ? (seleccionar apenas 1 opção) De 0% a 25% De 25% a 50% De 50% a 75% De 75% a 100% 6. Que tipo de despesas constituem encargo do fundo de maneio no funcionamento da CPCJ? (é possível seleccionar mais do que 1 opção) Pagamento de transportes a criança/jovem e família Pagamento de refeições ou produtos alimentares a criança/jovem e família Outras. Quais? Regulamento Interno 7 7. A CPCJ dispõe de regulamento interno aprovado em plenário? (seleccionar apenas 1 opção) Sim Não Plano de acção 7 8. Face ao ano em avaliação, a CPCJ elaborou plano de acção? (seleccionar apenas 1 opção) Sim Não 8.1. Em caso afirmativo, quais os impactes decorrentes da definição e implementação do Plano de Acção? (é possível seleccionar mais do que 1 opção) Maior comprometimento dos membros da CPCJ Maior sensibilização da comunidade para a problemática das crianças/jovens em risco Maior visibilidade das CPCJ junto da comunidade Melhor organização interna do trabalho desenvolvido pela CPCJ Melhor gestão dos recursos e serviços existentes ao nível da comunidade Outro. Qual? IV- Balanço da actividade da CPCJ 1. Quais as principais dificuldades de funcionamento sentidas pela CPCJ? (hierarquizar de 1 a 6, ou de 1 a 7, caso seleccione a categoria outras, por ordem decrescente de importância) 7 Anexar ao Relatório de Avaliação, o Plano de Acção e o Regulamento Interno. 10

11 Ausência de priorização do trabalho na CPCJ por parte dos serviços Ausência de reconhecimento do trabalho da CPCJ por parte dos serviços Ausência de reconhecimento do trabalho da CPCJ por parte da comunidade Menor participação de alguns parceiros no trabalho da CPCJ Falta de articulação/sobreposição de intervenções Insuficiência de disponibilidade dos membros da CPCJ Escassez de recursos logísticos/administrativos Escassez de respostas sociais Outras dificuldades. Quais? 2. Face ao ano em avaliação, que factores positivos considera mais relevantes? (hierarquizar de 1 a 7, ou de 1 a 8, caso seleccione a categoria outro, por ordem decrescente de importância) Sensibilização/envolvimento da comunidade face à problemática da infância/juventude Reconhecimento da CPCJ ao nível da comunidade Reconhecimento da CPCJ ao nível das entidades nela representadas Intervenção interdisiciplinar / trabalho em parceria Multidisciplinaridade do trabalho da CPCJ / complementaridade de saberes Proximidade local e conhecimento da realidade por parte da CPCJ Intervenção precoce (atempada) Outro. Qual? 3. Quais as boas práticas decorrentes do trabalho da CPCJ? (hierarquizar de 1 a 3, ou de 1 a 4 caso seleccione a categoria outra, por ordem decrescente de importância) Articulação com outros serviços da comunidade Trabalho com as famílias Diagnóstico de necessidade e promoção junto das entidades competentes de dinamização de respostas sociais Articulação inter-cpcj Outras. Quais? 4. Como avalia, em termos globais, a articulação estabelecida entre a Comissão Nacional de Protecção das Crianças e Jovens em Risco (CNPCJR) e a CPCJ durante o ano em avaliação: Foi globalmente positiva, sendo eficaz e útil Cumpriu no essencial, havendo aspectos em que deve ser melhorada Deve melhorar muito para ser eficaz e útil NS/NR 11

12 5. Como avalia a articulação estabelecida entre o órgão técnico-operativo da CNPCJR e as CPCJ durante o ano em avaliação? (Preencher o quadro com uma X relativamente á avaliação da articulação com o ISSS. Para cada item, indicar propostas e sugestões que considere relevantes) ARTICULAÇÃO Frequência AVALIAÇÃO Qualidade PROPOSTAS/SUGESTÕES Suficiente Insuficiente Muito boa Boa Suficiente Insuficiente Acções de formação desenvolvidas Acompanhamento presencial (reuniões de acompanhamento individualizado) Instrumentos/ documentos de apoio à actividade da CPCJ (fundo de maneio, protocolo de cooperação, guia pergunta-resposta...) Acompanhamento telefónico 12

13 V. Propostas/sugestões à CNPCJR 1. Acções de formação a desenvolver: (seleccionar as 3 opções que considere prioritárias em termos de formação) Conteúdos a desenvolver na acção de formação Metodologias de trabalho (parcerias, dinâmica de grupos, etc.). Quais? Enquadramento legal Organização/funcionamento da CPCJ Problemáticas 8. Quais? Ficha de Processo Individual Respostas sociais Educação Parental Outras. Quais? 2. Criação de respostas sociais de enquadramento ao trabalho das CPCJ: (seleccionar as 3 opções que considere prioritárias em termos de respostas sociais a criar) Creches, amas e jardins infância ATL, salas de estudo, apoio pedagógico Qualificação técnica na área das competências parentais Cursos de educação/formação (jovens sem escolaridade obrigatória) Cursos de aprendizagem (jovens em risco de abandono escolar ou que entraram precocemente no mercado de trabalho) Acolhimento (institucional/familiar) Outras. Quais? 3. Que propostas/sugestões faz a CPCJ à CNPCJR em termos do apoio e avaliação que considere mais adequados: 11 Identificar as problemáticas de acordo com a seguinte tabela de codificação: Problemáticas (crianças/jovens) 1- Abandono 2 Negligência 3 Abandono escolar 4 Maus tratos físicos 5 Maus tratos psicológicos/ abuso emocional 6 Abuso sexual (vide Ficha de Processo Individual, Anexo - Tipologia das situações de perigo para a criança/jovem) 7 Prostituição infantil 8 Pornografia infantil 9 Exploração do trabalho infantil 10 Exercício abusivo de autoridade 11 Mendicidade 12 Exposição a modelos de comportamento desviante 13 Corrupção de menores 14 Prática de facto qualificado como crime (crianças com idade inferior a 12 anos) 15 Uso de estupefacientes 16 Ingestão de bebidas alcoólicas 17- Problemas de saúde 13

14 4. Descreva sucintamente acções/projectos desenvolvidos pela CPCJ com carácter inovador que considere relevante para divulgação. Anexe a documentação considerada necessária. 14

15 ANEXOS 15

16 ANEXO I. Modelo de Recolha de Dados referente à actividade processual da CPCJ (2003) 16

17 ANEXO II. Ficha de Caracterização da CPCJ (2003) 17

18 ANEXO III. Plano de Acção (2003) 18

19 ANEXO IV. Regulamento Interno 19

20 ANEXO V. Outros documentos produzidos pela CPCJ (2003) 20

3. Intervenção das Comissões de Protecção de Crianças e Jovens

3. Intervenção das Comissões de Protecção de Crianças e Jovens Anexo V- (251-272) 03.10.02 16:34 Página 251 Quadro 1: Listagem das CPCJ que enviaram instrumentos de recolha de informação em 2001 por Comissão de Protecção Região Distrito Concelho CPCJ Envio CPCJ Relatórios

Leia mais

Quadro 1: Listagem dos instrumentos de recolha de informação por Comissão de Protecção

Quadro 1: Listagem dos instrumentos de recolha de informação por Comissão de Protecção Anexo V - Algarve (215-232) 03.10.02 16:25 Página 215 Quadro 1: Listagem dos instrumentos de recolha de informação por Comissão de Protecção REGIÃO DISTRITO CONCELHO CPCJ Envio CPCJ Relatórios Envio Ficha

Leia mais

Entidades sinalizadoras por distrito

Entidades sinalizadoras por distrito Entidades sinalizadoras por distrito Entidades sinalizadoras Os próprios 4 1,2 0 0,0 2 0,2 0 0,00 0 0,0 1 0,2 0 0,0 1 0,3 0 0,0 66 12,4 5 2,9 13 0,5 3 0,6 7 0,5 0 0,0 0 0,0 0 0,0 4 0,8 1 0,2 1 0,2 Os pais

Leia mais

Plano de Acção

Plano de Acção - 2 - Nota Prévia A Rede Social afirmou-se ao longo da sua criação como uma medida inovadora e com capacidade de produzir alterações positivas na intervenção social. Esta medida assumiu-se, desde início,

Leia mais

Criadas em LPP 147/99, de 1 de Setembro (alterações Lei 142/2015 de 8 de setembro ) Instituições oficiais não judiciárias

Criadas em LPP 147/99, de 1 de Setembro (alterações Lei 142/2015 de 8 de setembro ) Instituições oficiais não judiciárias Porto, novembro de 2016 Criadas em 2001 LPP 147/99, de 1 de Setembro (alterações Lei 142/2015 de 8 de setembro ) Instituições oficiais não judiciárias Objectivo Promover os direitos da criança e do jovem

Leia mais

Critérios genéricos de ponderação para a definição do regime de exercício de funções dos elementos da comissão restrita

Critérios genéricos de ponderação para a definição do regime de exercício de funções dos elementos da comissão restrita Critérios genéricos de ponderação para a definição do regime de exercício de funções dos elementos da comissão restrita A profunda reforma do sistema de protecção de crianças e jovens em risco, materializada

Leia mais

Introdução Página 2 A CPCJ de Boticas Página 3 Plano de Atividades Página 4

Introdução Página 2 A CPCJ de Boticas Página 3 Plano de Atividades Página 4 Índice Introdução Página 2 A CPCJ de Boticas Página 3 Plano de Atividades Página 4 Introdução O objetivo do Plano de Atividades da CPCJ de Boticas para 2016 é planear as atividades, procurando manter,

Leia mais

Comissão Nacional. de Protecção das Crianças. e Jovens em Risco (CNPCJR) Que actividade em dois anos. de existência? Junho de 2000

Comissão Nacional. de Protecção das Crianças. e Jovens em Risco (CNPCJR) Que actividade em dois anos. de existência? Junho de 2000 Comissão Nacional de Protecção das Crianças e Jovens em Risco (CNPCJR) Que actividade em dois anos de existência? Junho de 2000 Decorridos dois anos na existência da Comissão Nacional de Protecção das

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES 2016

PLANO DE ATIVIDADES 2016 Modalidade Destinatários Calendarização Obs. Divulgar e Promover a Comissão junto da população Promover a Comissão e Informar a Comunidade através de ações específicas. Aumentar competências no âmbito

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE O MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL E O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE O MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL E O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE O MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL E O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO A Lei de Protecção de Crianças e Jovens em Perigo, lei 147/99, de 1 de Setembro, consagra um

Leia mais

Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança

Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança Breve Enquadramento O Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança constitui o resultado do Projeto Tecer a, promovido pela Comissão Nacional de Promoção

Leia mais

Lisboa 2015 FICHA DE CANDIDATURA

Lisboa 2015 FICHA DE CANDIDATURA Lisboa 2015 Refª: 070 Gabinete de Apoio Jovem Futuro + Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone: 21 322 73 60

Leia mais

Base de dados I. Questionário de levantamento de recursos institucionais/ 2009

Base de dados I. Questionário de levantamento de recursos institucionais/ 2009 Base de dados I Nº de referência da instituição Nº de registo Questionário de levantamento de recursos institucionais/ 2009 Este questionário tem como objectivo proceder à actualização do Diagnóstico Social,

Leia mais

Ficha de Caracterização Sumária das instituições de acolhimento

Ficha de Caracterização Sumária das instituições de acolhimento Plano de Intervenção Imediata 2006 Ficha de Caracterização Sumária das instituições de acolhimento (Modelo 2-A) INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO Ler atentamente as instruções antes de preencher. A preencher

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO (INCLUINDO ALTERAÇÃO): COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO

GRUPO DE TRABALHO (INCLUINDO ALTERAÇÃO): COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO GRUPO DE TRABALHO (INCLUINDO ALTERAÇÃO): COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO Índice: DIAGNÓSTICO... 51 OBJECTIVO GERAL: PROMOVER OS DIREITOS DA CRIANÇA JUNTO

Leia mais

Dados descritivos da actividade da CPCJ de Silves de 2007

Dados descritivos da actividade da CPCJ de Silves de 2007 Dados descritivos da actividade da CPCJ de Silves de 2007 1. Sinalizações No ano de 2007 existiu um total de 123 sinalizações equivalentes a um total de 123 crianças, uma vez que, se adoptou efectivamente

Leia mais

Relatório Anual de Atividades. CPCJ Matosinhos

Relatório Anual de Atividades. CPCJ Matosinhos Relatório Anual de Atividades de 2011 Relatório Anual de Atividades CPCJ Matosinhos 2011 Matosinhos, Março de 2012 Apresentação dos dados estatísticos referentes à atividade desenvolvida pela Comissão

Leia mais

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO DECRETO-LEI Nº190/1991 DE 17 MAIO DECRETO-LEI Nº300/1997 DE 31 OUTUBRO / PORTARIA Nº 63 / 2001 DE 30 DE JANEIRO A escola e seus actores Agrupamento de Escolas de

Leia mais

Comissão de Protecção De Crianças e Jovens De Arganil. Plano de Acção. Ano 2011 ACÇÃO Nº I SABER SER, SABER ESTAR

Comissão de Protecção De Crianças e Jovens De Arganil. Plano de Acção. Ano 2011 ACÇÃO Nº I SABER SER, SABER ESTAR Comissão de Protecção De Crianças e Jovens De Arganil Plano de Ano 2011 ACÇÃO Nº I SABER SER, SABER ESTAR ACÇÃO N.º I CONFERÊNCIA: Os Direitos das Crianças Gerais Específico Recursos a Afectar Calendarização

Leia mais

COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE MONÇÃO PLANO DE AÇÃO 2017

COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE MONÇÃO PLANO DE AÇÃO 2017 COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE MONÇÃO PLANO DE AÇÃO 2017 Largo de Camões 4950 444 Monção Tel. 251 649 000 Fax. 251 649 010 Tlm. 962 124 622 cpcj@cm-moncao.pt Composição da Comissão de Proteção

Leia mais

3,11% 3,03% 2,82% 2,76% 2,56% 1,92% 1,62% 1,52% 1,48% 0,00% 1,00% 2,00% 3,00% 4,00% 5,00% 6,00%

3,11% 3,03% 2,82% 2,76% 2,56% 1,92% 1,62% 1,52% 1,48% 0,00% 1,00% 2,00% 3,00% 4,00% 5,00% 6,00% Problemáticas Especificas e Respostas Sociais Famílias e comunidade Rendimento Social de Inserção População Beneficiária de RSI (%) Barreiro Montijo Almada Setúbal Peninsula de Setúbal Portugal Continental

Leia mais

PROTOCOLO. Núcleo de Planeamento e Intervenção Sem-Abrigo de Setúbal

PROTOCOLO. Núcleo de Planeamento e Intervenção Sem-Abrigo de Setúbal PROTOCOLO Núcleo de Planeamento e Intervenção Sem-Abrigo de Setúbal Preâmbulo A criação da Estratégia Nacional para a Integração de Pessoas Sem-Abrigo (ENIPSA) 2009-2015 decorreu fundamentalmente da necessidade

Leia mais

O estado de saúde depende em muito de comportamentos saudáveis, como não utilizar drogas (licitas ou ilícitas), alimentar-se correctamente, praticar

O estado de saúde depende em muito de comportamentos saudáveis, como não utilizar drogas (licitas ou ilícitas), alimentar-se correctamente, praticar O estado de saúde depende em muito de comportamentos saudáveis, como não utilizar drogas (licitas ou ilícitas), alimentar-se correctamente, praticar exercício físico, entre outras. No entanto, e o nosso

Leia mais

Câmara Municipal de Elvas. Plano de Acção. Conselho Local de Acção Social de Elvas

Câmara Municipal de Elvas. Plano de Acção. Conselho Local de Acção Social de Elvas Câmara Municipal de Elvas Plano de Acção 2007 Julho de 2006 Conselho Local de Acção Social de Elvas PROGRAMA REDE SOCIAL Co-financiado pelo Estado Português, Ministério da Segurança Social PLANO DE ACÇÃO

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO CLDS MARINHA SOCIAL

RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO CLDS MARINHA SOCIAL RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO CLDS MARINHA SOCIAL O presente relatório reflecte a actividade do CLDS Marinha Social, desde o inicio da sua actividade, em Julho de 2009 até Junho de 2010, analisando-se 2 momentos

Leia mais

CLUBE DE EMPREGO SOCIOHABITAFUNCHAL PLANO DE ACTIVIDADES

CLUBE DE EMPREGO SOCIOHABITAFUNCHAL PLANO DE ACTIVIDADES PLANO DE ACTIVIDADES 2010 2011 Identificação Entidade: Sociohabitafunchal, E.M Animadora: Célia Dantas Localização: Centro Cívico de Santo António Designação O Clube de Emprego é um serviço promovido pelo

Leia mais

Comissão de Protecção de Crianças e Jovens de Arganil. Plano de Actividades para Efectuar levantamento das iniciativas de

Comissão de Protecção de Crianças e Jovens de Arganil. Plano de Actividades para Efectuar levantamento das iniciativas de ACÇÃO Nº I NOVOS (PER)CURSOS DE VIDA Caracterização da Acção Recursos a Afectar Calendarização Público-Alvo Grupo de Trabalho - Efectuar levantamento das iniciativas de 1. Estimular a participação dos

Leia mais

DAP DINÂMICAS DE ACÇÃO-PREVENÇÃO

DAP DINÂMICAS DE ACÇÃO-PREVENÇÃO DAP DINÂMICAS DE ACÇÃO-PREVENÇÃO Apresentação do Projecto Escola E.B 2,3 Passos José OBJECTIVOS GERAIS Fomentar a integração dos alunos no contexto escolar, promovendo o sucesso educativo Agir preventiva

Leia mais

CPCJ P E N A C O V A C O M I S S Ã O D E P R O T E C Ç Ã O D E C R I A N Ç A S E J O V E N S REGULAMENTO INTERNO

CPCJ P E N A C O V A C O M I S S Ã O D E P R O T E C Ç Ã O D E C R I A N Ç A S E J O V E N S REGULAMENTO INTERNO Aprovado em: 24-11-2006 Alterado em: 04-12-2007 (Introduzidas alterações alínea e), artigo 9º) REGULAMENTO INTERNO Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º 1. A Lei de Protecção de Crianças e Jovens em

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Soure

Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Soure / Ano 1 ÍNDICE 1 - Introdução 3 Pág. 2- Plano de Acção dos Projectos Estruturantes Transversais do Concelho de 4 2.1. Projecto Estruturante Apoio na Dependência 5 2.2. Projecto Estruturante Criar para

Leia mais

A Parceria CPCJ e Escolas na Garantia dos Direitos das Crianças

A Parceria CPCJ e Escolas na Garantia dos Direitos das Crianças A Parceria CPCJ e Escolas na Garantia dos Direitos das Crianças Setembro 2014 NENHUMA ESCOLA PODE SER UMA BOA ESCOLA A NÃO SER QUE SEJA UMA ESCOLA SEGURA E PROTETORA. Pressupostos gerais O reconhecimento

Leia mais

A Taxa de Insucesso Escolar verificada no Concelho, revela-se bastante elevada quando comparada com a registada a nível nacional. De referir também,

A Taxa de Insucesso Escolar verificada no Concelho, revela-se bastante elevada quando comparada com a registada a nível nacional. De referir também, A Taxa de Insucesso Escolar verificada no Concelho, revela-se bastante elevada quando comparada com a registada a nível nacional. De referir também, o facto de o insucesso escolar aumentar à medida que

Leia mais

Núcleo Executivo do CLAS de Mafra, 28 Maio de

Núcleo Executivo do CLAS de Mafra, 28 Maio de Plano de Ação Rede Social Mafra Eixo I - DEMOGRAFIA E EQUIPAMENTOS (INFRA-ESTRUTURAS DE APOIO) Objectivo geral 1. Reforçar as estruturas de apoio ao idoso Objectivo Específico 1. Aumentar a capacidade

Leia mais

PLANO DE INTERVENÇÃO

PLANO DE INTERVENÇÃO DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES EQUIPA INTERDISCIPLINAR PLANO DE INTERVENÇÃO ANOS LECTIVOS 2009/2010 e 2010/2011 ÍNDICE Nota Introdutória.. 3 Parte I - Caracterização..4 1.1 Caracterização do Ambiente Interno.4

Leia mais

Lisboa 2015 FICHA DE CANDIDATURA

Lisboa 2015 FICHA DE CANDIDATURA Lisboa 2015 Refª: 038 DE JOVEM A LIDER Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone: 21 322 73 60 Email - bip.zip@cm-lisboa.pt

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO REDE SOCIAL MIRANDELA SISTEMA DE INFORMAÇÃO

SISTEMA DE INFORMAÇÃO REDE SOCIAL MIRANDELA SISTEMA DE INFORMAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 TERRITÓRIO Número de Freguesias Tipologia das Freguesias (urbano, rural, semi urbano) Área Total das Freguesias Cidades Estatísticas Total (2001, 2008, 2009) Freguesias Área Média

Leia mais

PROGRAMA EDUCATIVO INDIVIDUAL

PROGRAMA EDUCATIVO INDIVIDUAL PROGRAMA EDUCATIVO INDIVIDUAL Decreto-Lei nº 3/2008 de 7 de janeiro Pela 1ª vez: Revisão (final de ciclo) : ESCOLA: Ano Letivo: 1. Identificação do Aluno: Nome: Data de nascimento: / / Ano: Turma: Nível

Leia mais

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL REDE SOCIAL INQUÉRITOS POR QUESTIONÁRIO IPSS INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO ÀS IPSS A pobreza e a exclusão social embora não sendo fenómenos recentes, têm vindo a surgir nas nossas vidas a um ritmo acelerado.

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE FRONTEIRA

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE FRONTEIRA REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE FRONTEIRA Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º 1. A Lei de Proteção de Crianças e Jovens em Perigo, nº 147/99, de 1 de Setembro, regula

Leia mais

EIXO I ATRACTIVIDADE TERRITORIAL

EIXO I ATRACTIVIDADE TERRITORIAL Plano de Acção para 2007 1 Um Plano de Acção, mais do que um documento, pretende-se que seja um instrumento de trabalho manuseável, flexível, ajustável à realidade e útil. Neste sentido, considerou-se

Leia mais

Europass curriculum vitae

Europass curriculum vitae Europass curriculum vitae Informação pessoal Apelido(s) - Nome(s) Morada(s) Correio(s) eletrónico(s) Carvalho, Rute Alexandra Tomás Rua António Pinheiro Lacerda, N.º 7, 2630-370 Arruda dos Vinhos Telefone(s)

Leia mais

Relatório da Atividade Processual de 2013

Relatório da Atividade Processual de 2013 RELATÓRIO DE ACTIVIDADE PROCESSUAL 2013 INDICE I - Constituição da CPCJ--------------------------------------------------- 2 II - Caracterização processual em 2013------------------------------- 3 Crianças

Leia mais

ATIVIDADES DO SPO A - Apoio de natureza psicológica e/ou psicopedagógica a alunos e aos agentes educativos

ATIVIDADES DO SPO A - Apoio de natureza psicológica e/ou psicopedagógica a alunos e aos agentes educativos ATIVIDADES DO SPO A - Apoio de natureza psicológica e/ou psicopedagógica a alunos e aos agentes educativos. - individual - em grupo - consultoria a professores, encarregados de educação e pais B - Participação

Leia mais

Sumário. 1 ) Lei n.º 147/99 de 1 de Setembro. 2) Análise e caracterização dos processos instaurados em ) Constrangimentos e mais valias

Sumário. 1 ) Lei n.º 147/99 de 1 de Setembro. 2) Análise e caracterização dos processos instaurados em ) Constrangimentos e mais valias CPCJ sde Sintra 1 Sumário 1 ) Lei n.º 147/99 de 1 de Setembro 2) Análise e caracterização dos processos instaurados em 2015 3) Constrangimentos e mais valias 2 Lei n.º 147/99 de 1 de Setembro Lei de Protecção

Leia mais

" Crianças são como borboletas ao vento... algumas voam rápido... algumas voam pausadamente, mas todas voam do seu melhor jeito...

 Crianças são como borboletas ao vento... algumas voam rápido... algumas voam pausadamente, mas todas voam do seu melhor jeito... " Crianças são como borboletas ao vento... algumas voam rápido... algumas voam pausadamente, mas todas voam do seu melhor jeito... Cada uma é diferente, cada uma é linda e cada uma é especial." De uma

Leia mais

COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE VISEU

COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE VISEU COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE VISEU ANO EUROPEU DA IGUALDADE DE OPORTUNIDADE PARA TODOS Projecto de Actividades para Alunos do 1º CEB VISEU, 2007 INDICE Introdução:...3 Objectivos:...3

Leia mais

Entidade responsável pela Execução

Entidade responsável pela Execução Eixo Estratégico I - Parcerias e Economia Solidária 2009, 3 acções de sensibilização/formação para dirigentes Associativos com vista à melhoria do seu desempenho. 2009, 3 acções de formação para técnicos

Leia mais

Anexo V - Centro ( ) :26 Página 142

Anexo V - Centro ( ) :26 Página 142 Anexo V - (142-170) 03.10.02 16:26 Página 142 Quadro 1: Listagem das CPCJ que enviaram instrumentos de recolha de informação em 2001 por Comissão de Protecção Região Distrito Concelho CPCJ Envio CPCJ Relatórios

Leia mais

MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE. 9 de Janeiro de

MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE. 9 de Janeiro de MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE 9 de Janeiro de 2010 1 Modelo CRITÉRIOS RIOS MEIOS CRITÉRIO 1. LIDERANÇA, PLANEAMENTO E ESTRATÉGIA Como a gestão desenvolve e prossegue a missão, a visão e os valores da

Leia mais

Designação do Projeto: Divida Zero

Designação do Projeto: Divida Zero Designação do Projeto: Divida Zero Objetivo Geral C5 (PDS) Objetivos Prevenir e apoiar situações de sobre endividamento pessoal e social. Reduzir o peso percentual de utentes com processos em anos anteriores.

Leia mais

Centro de Recursos TEIA

Centro de Recursos TEIA Quem somos O Contrato Local Desenvolvimento Social 3ª Geração do Concelho Ourém (CLDS 3G) Centro de Recursos TEIA - iniciou a sua atividade a 2 de Novembro de 2015, tem como Entidade Coordenadora Local

Leia mais

Rede Social CLAS Fornos de Algodres C.L.A.S. CONSELH0 LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICIPIO DE FORNOS DE ALGODRES

Rede Social CLAS Fornos de Algodres C.L.A.S. CONSELH0 LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICIPIO DE FORNOS DE ALGODRES C.L.A.S. CONSELH0 LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICIPIO DE FORNOS DE ALGODRES ABRIL DE 2009 NOTA INTRODUTÓRIA No documento aqui apresentado estão identificados os projectos e intervenções a realizar no Município

Leia mais

Regulamento Interno Gabinete de Atendimento e Acompanhamento Social /Protocolo de RSI

Regulamento Interno Gabinete de Atendimento e Acompanhamento Social /Protocolo de RSI Regulamento Interno Gabinete de Atendimento e Acompanhamento Social /Protocolo de RSI Rua do Formigoso N.º 103 Polvoreira 4835-168 Guimarães Telefone: 253 557 128 - Telemóvel: 91 051 36 36 rsipolvoreira@gmail.com

Leia mais

Projecto Jovens anos

Projecto Jovens anos Projecto Jovens 18-24 anos Introdução Os jovens 18/24 anos - constituem o grupo etário com maior índice de sinistralidade rodoviária. Na realidade, constituíram entre 2003 e 2007, 16.0% dos mortos e 18.7%

Leia mais

Ficha de Caracterização das Comissões de Protecção de Crianças e Jovens (CPCJ)

Ficha de Caracterização das Comissões de Protecção de Crianças e Jovens (CPCJ) Ficha de Caracterização das Comissões de Protecção de Crianças e Jovens (CPCJ) (Ao abrigo da Lei Nº 147/99, de 1 de Setembro- Lei de Protecção de Crianças e Jovens em Perigo) 1. Identificação da Comissão

Leia mais

Plano de Ação do CLAS de Cascais

Plano de Ação do CLAS de Cascais Plano de Ação do CLAS de Cascais 2016 1 Introdução No quadro das competências do Conselho Local de Ação Social (CLAS) 1 a ação do seu Núcleo Executivo em 2016 vai desenvolver-se em 4 eixos de atuação:

Leia mais

Avaliação de Desempenho Docente

Avaliação de Desempenho Docente Dicas para a elaboração de um Portefólio Avaliação de Desempenho Docente O PORTEFÓLIO deve conter um registo das reflexões e das práticas e deve estar devidamente documentado. 13-04-2008 1 Deve conter:

Leia mais

Plano de Actividades e Orçamento 2010

Plano de Actividades e Orçamento 2010 Plano de Actividades e Orçamento 2010 1 2 1. Missão A CooLabora é uma cooperativa de consultoria e intervenção social criada em 2008. Tem por missão contribuir para a inovação social no desenvolvimento

Leia mais

PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES DA COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DO BARREIRO ANO 2009

PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES DA COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DO BARREIRO ANO 2009 PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES DA COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DO BARREIRO ANO 2009 Introdução A Comissão de Protecção de Crianças e Jovens do Barreiro (adiante designada CPCJ do Barreiro) é

Leia mais

PROGRAMA REDE SOCIAL PLANO DE ACÇÃO 2006/2007 CONCELHO DE ARRUDA DOS VINHOS

PROGRAMA REDE SOCIAL PLANO DE ACÇÃO 2006/2007 CONCELHO DE ARRUDA DOS VINHOS PLANO DE ACÇÃO 2006/2007 CONCELHO DE ARRUDA DOS VINHOS PROGRAMA REDE SOCIAL PROJECTO FINANCIADO PELO ESTADO PORTUGUÊS MINISTÉRIO DA SEGURANÇA SOCIAL E DO TRABALHO Junho 2006 Conselho Local de Acção Social

Leia mais

Questionário de Satisfação dos clientes da CPCJ de Silves

Questionário de Satisfação dos clientes da CPCJ de Silves Questionário de Satisfação dos clientes da CPCJ de Silves INDÍCE Pag. I Introdução 2 II - Método de Recolha e tratamento de dados 2 III - Perfil dos Clientes 3 IV Análise 3 V - Conclusões finais 14 VI

Leia mais

Planificação de Actividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Lectivo 2011/2012

Planificação de Actividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Lectivo 2011/2012 Planificação de Actividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Lectivo 2011/2012 Psicóloga Ana Rita Antunes (Pré-escolar e 1º Ciclo) C.P. nº 5148 Psicóloga Filipa Braamcamp Sobral (2º e 3º Ciclos

Leia mais

Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise

Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise Assistência Técnica Aprovada em 11-05-2015, após procedimento de consulta escrita aos membros da

Leia mais

Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais

Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais A. ENQUADRAMENTO GERAL 1. O CRL foi criado, no seguimento de acordos de concertação social, para apoio técnico à negociação coletiva. É um organismo

Leia mais

ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA

ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA Este documento visa dar corpo á orgânica dos serviços da Santa Casa, ou seja, definir competências, hierarquias e formas de actuação. Como a Santa Casa da Póvoa de Santo

Leia mais

Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa

Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa I. INTRODUÇÃO A orientação para a qualidade deve constituir um pressuposto fundamental na actividade das entidades formadoras, traduzida na

Leia mais

Plano Municipal Contra a Violência Doméstica Prolongamento

Plano Municipal Contra a Violência Doméstica Prolongamento Plano Municipal Contra a Violência Doméstica 2011-14 Prolongamento Plano Municipal Contra a Violência 2011 2013 Prolongamento O Plano Municipal Contra a Violência 2011/13, teve por objetivo estruturar

Leia mais

Programa Cidadania Ativa. Participação das ONG na Conceção e Aplicação de Políticas Públicas, a Nível Nacional, Regional e Local

Programa Cidadania Ativa. Participação das ONG na Conceção e Aplicação de Políticas Públicas, a Nível Nacional, Regional e Local Programa Cidadania Ativa Participação das ONG na Conceção e Aplicação de Políticas Públicas, a Nível Nacional, Regional e Local Carta da Cidadania Infantojuvenil A Carta da Cidadania Infantojuvenil (Carta)

Leia mais

Regulamento de Apoio a Iniciativas Regulares ou Pontuais, de Natureza Educativa, Desportiva, Recreativa, Cultural, Social e Outras

Regulamento de Apoio a Iniciativas Regulares ou Pontuais, de Natureza Educativa, Desportiva, Recreativa, Cultural, Social e Outras Regulamento de Apoio a Iniciativas Regulares ou Pontuais, de Natureza Educativa, Desportiva, Recreativa, Cultural, Social e Outras 1 NOTA JUSTIFICATIVA O Município de Chaves entende como sendo de interesse

Leia mais

Medida de apoio à inovação

Medida de apoio à inovação Medida de apoio à inovação Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020 Maria Pedro Silva Organização: Apoio Institucional: Grupos Crescimento Valor Acrescentado Rentabilidade Económica Inovação Capacitação

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. Documento de Apoio: Desagregação das medidas e das tipologias de atividades

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. Documento de Apoio: Desagregação das medidas e das tipologias de atividades Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento Documento de Apoio: Desagregação das medidas e das tipologias de atividades Desagregação das medidas e das tipologias de atividades ESTRATÉGIA NACIONAL

Leia mais

FAMALICÃO INCLUSIVO. 1º Encontro do Grupo de Auto Representantes de Vila Nova de Famalicão

FAMALICÃO INCLUSIVO. 1º Encontro do Grupo de Auto Representantes de Vila Nova de Famalicão FAMALICÃO INCLUSIVO 1º Encontro do Grupo de Auto Representantes de Vila Nova de Famalicão FAMALICÃO INCLUSIVO Reuniões com os Serviços de Psicologia e Orientação FAMALICÃO INCLUSIVO Diagnóstico Local no

Leia mais

REDE SOCIAL POEFDS. UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu

REDE SOCIAL POEFDS. UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu REDE SOCIAL POEFDS UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Vila Nova ÍNDICE Nota Introdutória ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------3

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social

Plano de Desenvolvimento Social Plano de Desenvolvimento Social 65 6. Planear para Intervir Objectivos e Estratégias Numa fase seguinte, após a consequente identificação das vulnerabilidades concelhias /eixos estratégicos de intervenção

Leia mais

Informação Escrita. 1. Actividades de Representação e participação externas

Informação Escrita. 1. Actividades de Representação e participação externas Informação Escrita Nos termos da alínea o) do artº.17º da Lei nº.5-a/2002 de 11 de Janeiro, e no âmbito das suas competências, a Junta de Freguesia de Portimão apresenta à Assembleia de Freguesia, a informação

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO MUNICIPIO DE MANTEIGAS E NERGA NÚCLEO EMPRESARIAL DA REGIÃO DA GUARDA ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO MUNICIPIO DE MANTEIGAS E NERGA NÚCLEO EMPRESARIAL DA REGIÃO DA GUARDA ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO MUNICIPIO DE MANTEIGAS E NERGA NÚCLEO EMPRESARIAL DA REGIÃO DA GUARDA ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL Considerando: Que o NERGA é uma Pessoa Coletiva de Utilidade Pública que, tem como objetivo

Leia mais

PROJECTO DE INTERVENÇÃO PRECOCE DO CAP FUNCHAL

PROJECTO DE INTERVENÇÃO PRECOCE DO CAP FUNCHAL PROJECTO DE INTERVENÇÃO PRECOCE DO CAP FUNCHAL 1. INTRODUÇÃO O Projecto de Intervenção Precoce do Centro de Apoio Psicopedagógico do Funchal pretende dar resposta a um grupo de crianças em risco biológico,

Leia mais

Escola Secundária José Saramago Mafra. Plano Estratégico

Escola Secundária José Saramago Mafra. Plano Estratégico Escola Secundária José Saramago Mafra Plano Estratégico 2014/2015 Preâmbulo O Plano Estratégico para 2014/2015 visa dar cumprimento ao disposto no artigo 15º do despacho normativo nº 6/2014, de 26 de maio.

Leia mais

APPASSI. Associação Portuguesa para o Serviço Social Internacional (Instituição particular de solidariedade social) PLANO DE A C CÃO PARA 2O17

APPASSI. Associação Portuguesa para o Serviço Social Internacional (Instituição particular de solidariedade social) PLANO DE A C CÃO PARA 2O17 Associação Portuguesa para o Serviço Social Internacional (Instituição particular de solidariedade social) PLANO DE A C CÃO PARA 2O17 ÍNDICE Introdução Enquadramento 1 Estrutura e Organização Interna 2

Leia mais

Plataforma Supraconcelhia do Tâmega

Plataforma Supraconcelhia do Tâmega Regulamento da Plataforma Supraconcelhia do Tâmega Artigo 1º Objecto O presente regulamento define o processo de organização e funcionamento da Plataforma supraconcelhia do Tâmega, abreviadamente designada

Leia mais

Lisboa 2016 FICHA DE CANDIDATURA

Lisboa 2016 FICHA DE CANDIDATURA Lisboa 2016 Refª: 049 BAIRRO DAS ARTES Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone: 21 322 73 60 Email - bip.zip@cm-lisboa.pt

Leia mais

Comparação dos dados das campanhas de sensibilização (entre 2013 e 2015)

Comparação dos dados das campanhas de sensibilização (entre 2013 e 2015) Comparação dos dados das campanhas de sensibilização (entre 2013 e 2015) I. Divulgação através de visitas à comunidade 1. Cidadãos em geral, idosos e jovens Tema 01/06/2013- residências, Guarde bem os

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL DISTRITAL PROGRAMA

PROCURADORIA-GERAL DISTRITAL PROGRAMA PROGRAMA ENCONTRO DE MAGISTRADOS DA JURISDIÇÃO DE FAMÍLIA E MENORES DO DISTRITO DE LISBOA ** 1ª SESSÃO ** 19 /11/ 2007 PGD LISBOA (Sala Biblioteca Pequena) (10H -12H30M / 14H - 17 H) TEMAS EM DISCUSSÃO

Leia mais

1. Animar Sénior 2 2. Refrescar Sénior 3 3. Movimentar Sénior 4. PROJECTOS SUPRAMUNICIPAIS Cuidar de Quem Cuida e cidades Amigas das Pessoas Idosas 9

1. Animar Sénior 2 2. Refrescar Sénior 3 3. Movimentar Sénior 4. PROJECTOS SUPRAMUNICIPAIS Cuidar de Quem Cuida e cidades Amigas das Pessoas Idosas 9 PLANO DE ACÇÃO DE GERONTOLOGIA 2011 1 ÍNDICE PROJECTOS CONCELHIOS Lazer, Cultura e Desporto 2 1. Animar Sénior 2 2. Refrescar Sénior 3 3. Movimentar Sénior 4 Intergeracionalidade 5 4. Troca de Saberes

Leia mais

Auto-Regulação e Melhoria das Escolas. Auto-avaliação - uma PRIORIDADE. Auto-avaliação do Agrupamento de Escolas de Gil Vicente

Auto-Regulação e Melhoria das Escolas. Auto-avaliação - uma PRIORIDADE. Auto-avaliação do Agrupamento de Escolas de Gil Vicente Agrupamento de Escolas de Auto-Regulação e Melhoria das Escolas Auto-avaliação - uma PRIORIDADE Equipa de Avaliação Interna 2009/2010 1 Agrupamento de Escolas de Enquadramento legal Justificação Novo Paradigma

Leia mais

CPCJ Cantanhede COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS

CPCJ Cantanhede COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS CPCJ Cantanhede COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS Cantanhede, janeiro, 2016 REGULAMENTO INTERNO Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Lei habilitante 1. A Lei de Proteção de Crianças e Jovens

Leia mais

INFORMAÇÃO PESSOAL. Teresa Isabel Oliveira Neto

INFORMAÇÃO PESSOAL. Teresa Isabel Oliveira Neto M O D E L O E U R O P E U D E C U R R I C U L U M V I T A E INFORMAÇÃO PESSOAL Nome Teresa Isabel Oliveira Neto Morada Rua 25 de Abril, 21 Casais Lagartos, 2070-366 Pontével Telefone 966384535 Correio

Leia mais

Plano de Acção 2006/2007. Rede Social Concelho da Lourinhã

Plano de Acção 2006/2007. Rede Social Concelho da Lourinhã Plano de Acção 2006/2007 Rede Social Concelho da Lourinhã E I X O I Intervenção Dirigida a Grupos Específicos EIXO I : INTERVENÇÃO DIRIGIDA A GRUPOS ESPECIFICOS OBJECTIVO GERAL: Até Dezembro de 2007 existem

Leia mais

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL REDE SOCIAL INQUÉRITOS POR QUESTIONÁRIO CENTRO DE SAÚDE INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO AO CENTRO DE SAÚDE A pobreza e a exclusão social embora não sendo fenómenos recentes, têm vindo a surgir nas nossas vidas

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO DA REDE SOCIAL DE LISBOA ANO DE 2010 PRORROGAÇÃO PARA Aprovado em sede de CLAS a 04 de Julho de 2011

PLANO DE ACÇÃO DA REDE SOCIAL DE LISBOA ANO DE 2010 PRORROGAÇÃO PARA Aprovado em sede de CLAS a 04 de Julho de 2011 PLANO DE ACÇÃO DA REDE SOCIAL DE LISBOA ANO DE 2010 PRORROGAÇÃO PARA 2011 Aprovado em sede de CLAS a 04 de Julho de 2011 PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 PRORROGAÇÃO PARA 2011 OBJECTIVO ESTRATÉGICO OBJECTIVO ESPECÍFICO

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO Comissão Social de Freguesia de Odivelas. Aderentes à Comissão Social de Freguesia de Odivelas

PLANO DE ACÇÃO Comissão Social de Freguesia de Odivelas. Aderentes à Comissão Social de Freguesia de Odivelas Um Plano de Acção consiste num instrumento componente do Plano de Desenvolvimento Social, que define sistematicamente, as acções a desenvolver, o cronograma, os parceiros responsáveis e os recursos. 1

Leia mais

REGULAMENTO, CONSTITUIÇÃO E CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DO DESPORTO PREÂMBULO

REGULAMENTO, CONSTITUIÇÃO E CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DO DESPORTO PREÂMBULO REGULAMENTO, CONSTITUIÇÃO E CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DO DESPORTO PREÂMBULO As Autarquias, devido à sua proximidade com a população, são os órgãos de poder que mais facilmente poderão desenvolver condições

Leia mais

REDE SOCIAL DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO PLANO DE ACÇÃO PARA 2010

REDE SOCIAL DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 REDE SOCIAL DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 EIXO I Promoção da Inclusão das famílias com especial enfoque às necessidades dos idosos OBJECTIVO GERAL Melhorar as condições de vida de

Leia mais

Programa de Promoção de Competências

Programa de Promoção de Competências Programa de Promoção de Competências Início: 15 de Junho Fim: 26 de Outubro Duração por sessão: 90 minutos Periodicidade: semanal / Bi-semanal Horário: 10h00 11h30 / 14h30 16h00 População Abrangida: Casais

Leia mais

Plano de Acção do Departamento do 1.º Ciclo 2010 / 2011

Plano de Acção do Departamento do 1.º Ciclo 2010 / 2011 Plano Agrupamento Plano de Acção do Departamento do 1.º Ciclo 2010 / 2011 Prioridades Objectivos Estratégias ACÇÕES METAS AVALIAÇÃO P.1. Obj. 1 E.1 Ao 3.º dia de ausência do aluno, efectuar contacto telefónico,

Leia mais

Currículo Específico Individual (CEI) 20 /20

Currículo Específico Individual (CEI) 20 /20 Programa Educativo Individualizado Cap. III, Art.º 8.º do Decreto-Lei 3/2008 de 7 de janeiro Currículo Específico Individual (CEI) Cap. IV, art.º. 21º, decreto-lei 3/2008, de 7 de janeiro 20 /20 1 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

CANDIDATURA AO PROGRAMA

CANDIDATURA AO PROGRAMA CANDIDATURA AO PROGRAMA CIDADES AMIGAS DAS CRIANÇAS Modelo de Caracterização do Município O documento deve ser preenchido em PDF, utilizando a funcionalidade de preenchimento de campos do presente formulário.

Leia mais

1.3.Formação da Equipa de Qualidade Constituição definitiva. 1.4.Sensibilização para a Qualidade

1.3.Formação da Equipa de Qualidade Constituição definitiva. 1.4.Sensibilização para a Qualidade Implementação do Sistema de Gestão de Qualidade da Segurança Social Nível C 1.1.Reflexão sobre o que significa um processo de Qualidade Pertinência / Oportunidade para o CST IPSS Reunião Técnica 5 de Fevereiro

Leia mais

2.6. Grupos em Situação de Vulnerabilidade

2.6. Grupos em Situação de Vulnerabilidade 2.6. Grupos em Situação de Vulnerabilidade O rápido e intenso crescimento urbano das últimas décadas fez emergir uma série de novos problemas sociais, que culminaram no aparecimento de grupos sociais mais

Leia mais

PROVEDOR DO IDOSO PROTOCOLO

PROVEDOR DO IDOSO PROTOCOLO PROVEDOR DO IDOSO PROTOCOLO As alterações demográficas que se têm verificado na população portuguesa e que se traduzem num envelhecimento populacional, coloca às instituições, às famílias e à comunidade

Leia mais