Refinamentos de Equilíbrios de Nash

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Refinamentos de Equilíbrios de Nash"

Transcrição

1 Refinamentos de Equilíbrios de Nash Prof. Leandro Chaves Rêgo Programa de Pós-Graduação em Estatística - UFPE Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção - UFPE Recife, 06 de Outubro de 2014

2 Equilíbrio Perfeito de Mão Trêmula Agora, vamos estudar alguns exemplos de refinamentos de equilíbrio de Nash para jogos em forma normal. Existem algumas propriedades que desejamos que tais refinamentos satisfaçam. O conceito de solução deve ser satisfeito por pelo menos um perfil de estratégias em todo jogo finito. Quando existe alguma razão para não considerar um equilíbrio de Nash plausível, o refinamento deve eliminá-lo. Por exemplo, equilíbrios onde jogadores escolham estratégias dominadas com probabilidade positiva. Em jogos extensivos, um equilíbrio que não possa ser extendido por algum sistema de crenças para um equilíbrio seqüencial deve ser eliminado. Portanto, para refinamentos de equilíbrio para jogos em forma normal, o conceito de solução deve apenas selecionar equilíbrios que correspondam a equilíbrios seqüenciais de todos os jogos de forma extensa que possam ser representados pelo dado jogo em forma normal. Veremos a seguir um primeiro refinamento conhecido como equilíbrio perfeito de mão trêmula.

3 Definição Um dado perfil de estratégias mistas para um jogo em forma normal finito é dito ser completamente misto se toda ação do jogo é escolhida com probabilidade estritamente positiva. Definição 1.1 Um equilíbrio perfeito de mão trêmula de um jogo finito em forma normal é um perfil de estratégias mistas σ com a propriedade que existe uma seqüência (σ k ) k=0 de perfis de estratégia completamente mistos que convergem pontualmente para σ de tal forma que para todo jogador i a estratégia σ i é uma melhor resposta para σ k i para todos os valores de k. Como para todo jogador a utilidade esperada é contínua no vetor de estratégias dos outros jogadores, temos que σ i é também uma melhor resposta para σ i, e portanto, todo equilíbrio perfeito de mão trêmula também é um equilíbrio de Nash. O próximo exemplo demonstra que a recíproca desta afirmação não é verdadeira.

4 Exemplo A B C A 0,0 0,0 0,0 B 0,0 1,1 2,0 C 0,0 0,2 2,2 Este jogo tem três equilíbrios de Nash (A,A),(B,B),(C,C), mas apenas (B, B) é um equilíbrio perfeito de mão trêmula.

5 Equilíbrio Sequencial versus Equilíbrio Perfeito de Mão Trêmula Note que em um equilíbrio de mão trêmula, a estratégia dos jogadores continua sendo uma melhor resposta para estratégias dos demais jogadores que são pequenos desvios das estratégias de equilíbrio. Por este motivo, temos que equilíbrio perfeito de mão trêmula é robusto a pequenos erros que possam ser realizados pelos jogadores enquanto tentam implementar suas estratégias de equilíbrio. O próximo teorema relaciona equilíbrio seqüencial com equilíbrio perfeito de mão trêmula da representação multiagente de um jogo em forma extensa. Teorema 1.2 Suponha que Γ é um jogo em forma extensiva finito com memória perfeita e que σ é um equilíbrio perfeito de mão trêmula da representação multiagente de Γ em forma normal. Então, existe um sistema de crenças µ tal que (σ,µ) é um equilíbrio seqüencial de Γ.

6 Prova Seja (σ k ) k=0 a seqüência de perfis de estratégia completamente mistos tal que σ k converge para σ e para todo conjunto de informação I do jogador i, σ I é uma melhor resposta para σ k I para todo k. Para todo h I, defina π k (I)(h) = Pr σ k(h) h I Pr σ k (h). Como σ k é completamente mista, temos que Pr σ k(h) > 0, h H. Como π k pode ser visto como um vetor de dimensão finita cujas componentes estão entre 0 e 1, temos que esta seqüência está definida em um espaço compacto e, portanto, tem uma subseqüência convergente. Seja µ k a subseqüência convergente de π k e µ o limite de µ k. Seja ainda τ k a subseqüência de σ k correspondente a subseqüência µ k.

7 Prova Por construção, temos que (σ,µ) é consistente. Queremos provar que esta avaliação é seqüencialmente racional. Lembre que para todo I I i, denotamos por u I ( ) a utilidade esperada do agente I do jogador i. Temos que quando o agente i usa estratégia ρ(i) em I com as demais estratégias como especificado em τ k, u I é dado por u I (τ I,ρ(I)) k = Pr (h)eu (τ k I,ρ(I)) i((τ I,ρ(I)) h) k h I + Pr (z)v (τ k I,ρ(I)) i(z) = h I z (Z Z(I)) Pr τ k(h)eu i ((τ k I,ρ(I)) h)+ z (Z Z(I)) Pr τ k(z)v i (z) tendo em vista que Pr (τ k I,ρ(I)) (h) = Pr τ k (h), h I (Z Z(I)), pois estas probabilidades não dependem da escolha do jogador i em I.

8 Prova Logo, u I (τ I,ρ(I)) k = ( Pr τ k(h ))( µ k (I)(h)Eu i ((τ I,ρ(I)) h)) k h I h I + Pr τ k(z)v i (z) z (Z Z(I)) Como τ k é uma subseqüência de σ k, temos que σ I é uma melhor resposta para τ I, k e portanto maximiza também h I µk (I)(h)Eu i ((τ I,ρ(I)) h) k por uma escolha de ρ(i). Fazendo k pela continuidade da utilidade esperada, temos que σ I argmax ρ(i) µ(i)(h)eu i ((σ I,ρ(I)) h), h I ou seja, (σ,µ) é seqüencialmente racional.

9 Existência Resta-nos provar que o conjunto de equilíbrios perfeitos de mão trêmula não é vazio para todo jogo finito. Teorema 1.3 Para todo jogo finito em forma estratégica existe pelo menos um equilíbrio perfeito de mão trêmula.

10 Prova da Existência Seja Γ = (N,{C i : i N},{u i : i N}) qualquer jogo finito em forma normal. Seja λ qualquer perfil de estratégias completamente misto, por exemplo, faça λ i = 1. Para qualquer número k tal que k 1, definimos uma função δk C i que associa cada perfil de estratégias misto (σ) a um perfil de estratégias completamente misto, da seguinte maneira: δ k (σ) = (1 1 k )σ + 1 k λ. Para qualquer, perfil de estratégias puras c, seja u k i (c) = u i (δ k ([c])). Defina Γ k = (N,{C i : i N},{u k i : i N}). Note que Γ k é um jogo em forma normal finito, portanto possui pelo menos um equilíbrio de Nash em estratégias mistas. Seja σ k um equilíbrio de Nash de Γ k. Como o jogo é finito podemos escolher uma subseqüência de σ k que satisfaz as seguintes condições: (1) para todo jogador i o mesmo conjunto de estratégias puras têm probabilidade zero de acordo com todos os k s, e (2) a subseqüência é convergente. Chamemos esta subseqüência de ˆσ k. Defina σ = lim k ˆσ k e τ k = δ k (ˆσ k ). Então, τ k é completamente misto e lim k τ k = lim k ˆσ k = σ.

11 Prova da Existência Além disso, como d i C i u k i (ˆσ k i,[d i ]) = u i (τ k i,δ k ([d i ])) = (1 1 k )u i(τ k i,[d i ])+ 1 k u i(τ k i,λ i ), temos que argmax di C i u k i (ˆσ k i,[d i ]) = argmax di C i u i (τ k i,[d i ]). Portanto, para qualquer c i C i, se c i / argmax di C i u k i (ˆσ k i,[d i ]) = argmax di C i u i (τ k i,[d i ]), então ˆσ k i (c i ) = 0. Logo, σ i (c i ) = 0. Então, temos que se c i / argmax di C i u i (τ k i,[d i ]), então σ i (c i ) = 0, o que por sua vez implica que σ i argmax τi (C i )u i (τ k i,τ i ). Então, σ satisfaz as condições de um equilíbrio perfeito de mão trêmula.

12 Observações Observação 1.4 Note que os dois últimos teoremas implicam que o conjunto de equilíbrios seqüências de um jogo em forma extensiva finito com memória perfeita é não vazio. Existe uma outra caracterização possível para a definição de equilíbrio perfeito de mão trêmula que é baseada no conceito de equilíbrio ǫ-perfeito. Um perfil de estratégias misto σ é um ǫ-equilíbrio perfeito se σ for completamente misto e para todo i N e todo estratégia pura c i C i, se c i / argmax ei C i u i (σ i,[e i ]), então σ i (c i ) < ǫ. O próximo teorema trata da relação entre equilíbrio perfeito de mão trêmula e ǫ-equilíbrio perfeito. Teorema 1.5 σ é um equilíbrio perfeito de mão trêmula de Γ se, e somente se, existe uma seqüência (ǫ k,σ k ) tal que lim k ǫ k = 0, lim k σ k = σ, e para todo k, σ k é um ǫ k -equilíbrio perfeito.

13 Prova Suponha que (ǫ k,σ k ) é uma seqüência tal que lim k ǫ k = 0, lim k σ k = σ, e para todo k, σ k é um ǫ k -equilíbrio perfeito. Como existe apenas um número finito de subconjuntos de C i, podemos escolher uma subseqüência τ k de σ k tal que argmax ei C i u i (τ k i,[e i ]) = argmax ei C i u i (τ j i,[e i]) para todo j, k. Para verificar que σ é um equilíbrio perfeito de mão trêmula, basta verificar que se c i / argmax ei C i u i (τ k i,[e i ]), então σ i (c i ) = 0. Assuma que c i / argmax ei C i u i (τ k i,[e i ]) para algum k. Por construção de (τ k ), temos que c i / argmax ei C i u i (τ k i,[e i ]) para todo k. Portanto, τ k i (c i ) < ǫ k, k. Logo, σ i (c i ) = lim k τ k i (c i ) lim k ǫ k = 0.

14 Prova Para a recíproca, suponha agora que σ é um equilíbrio perfeito de mão trêmula. Então, existe σ k completamente misto tal que se σ i (c i ) > 0, então c i argmax ei C i u i (σ k i,[e i ]), k, e lim k σ k = σ. Escolha uma subseqüência τ k de σ k tal que argmax ei C i u i (τ i,[e k i ]) = argmax ei C i u i (τ j i,[e i]) para todo j, k. Suponha que c i / argmax ei C i u i (τ i,[e k i ]), então σ i (c i ) = 0. Como lim k τ k = σ, temos que para todo j, existe N j tal que para todo n N j, τi n (c i ) < 1. Como argmax j e i C i u i (τ i,[e k i ]) = argmax ei C i u i (τ j i,[e i]) para todo j, k, segue que se c i / argmax ei C i u i (τ N j i,[e i]), então τ N j i (c i ) < 1, j, ou seja, j τ N j é um 1 -equilíbrio perfeito para todo j. j

15 Equilíbrio próprio é um refinamento de equilíbrio perfeito de mão trêmula. Como vimos no Teorema 1.5, um equilíbrio perfeito de mão trêmula pode ser aproximado por um perfil de estratégias completamente misto, mas que satisfaz a condição que qualquer estratégia pura que não seja uma melhor resposta é escolhida com uma probabilidade arbitrariamente pequena. Um equilíbrio próprio também pode ser aproximado por um perfil de estratégias completamente misto, mas que satisfaz a condição de que qualquer estratégia que não for uma melhor resposta é escolhida com uma probabilidade significativamente menor que qualquer outra estratégia que tenha uma utilidade esperada melhor que a sua. Formalmente, diz-se que um perfil de estratégias σ é um ǫ-equilíbrio próprio se σ for completamente misto e para todo i N, se para quaisquer c i, e i C i, se u i (σ i,[c i ]) < u i (σ i,[e i ]), então σ i (c i ) ǫσ i (e i ). Definição 2.1 Um perfil de estratégias σ é um equilíbrio proprio se existe uma seqüência (ǫ k,σ k ) tal que lim k ǫ k = 0, lim k σ k = σ, e para todo k, σ k é um ǫ k -equilíbrio próprio.

16 Existência É fácil verificar que todo equilíbrio próprio também é um equilíbrio perfeito de mão trêmula (Exercício). O próximo teorema mostra que todo jogo finito em forma normal tem um equilíbrio próprio. Teorema 2.2 Para qualquer jogo finito em forma normal, o conjunto de equilíbrios próprios é não vazio.

17 Prova Dado um jogo finito em forma normal Γ = (N,(C i ) i N,(u i ) i N ), para cada número positivo ǫ menor que 1, seja Γ ǫ um jogo com o mesmo conjunto de jogadores, onde as estratégias puras do jogador i são todas as maneiras possíveis de ordenar as estratégias de C i, ou seja, existem C i! estratégias do jogador i neste jogo. A utilidade esperada u ǫ dos perfis de estratégia de Γ ǫ são determinadas da seguinte maneira. Após os jogadores escolherem suas estratégias em Γ ǫ, uma estratégia pura em C i para cada jogador é escolhida de acordo com uma distribuição de probabilidade na qual a primeira estratégia de C i de acordo com a ordem escolhida por i tem a maior probabilidade e cada uma das estratégias puras subseqüentes de acordo com a ordem tem probabilidade ǫ vezes a probabilidade da estratégia imediatamente anterior na ordem. A utilidade esperada de um jogador em Γ ǫ é determinada pela utilidade esperada em Γ quando as estratégias puras são selecionadas do modo acima.

18 Prova Como Γ ǫ é finito, podemos encontrar um equilíbrio de Nash deste jogo para todo ǫ. Seja τ ǫ um equilíbrio de Nash em estratégias mistas de Γ ǫ. Seja σ ǫ um perfil de estratégias misto de Γ tal que, σi ǫ (c i ) é a probabilidade com que c i é escolhido de acordo com o procedimento do parágrafo anterior quando i joga τi ǫ.

19 Prova Vamos provar que σ ǫ é um ǫ-equilíbrio próprio de Γ. Suponha que u i (σ i,[c ǫ i ]) < u i (σ i,[e ǫ i ]). Então, dado que os jogadores diferentes de i seguem as estratégias em σ i, ǫ temos que para quaisquer estratégias β i e γ i de i que só diferem nas probabilidades com que c i e e i são escolhidos, vale u i (σ i,β ǫ i ) < u i (σ i,γ ǫ i ) se γ i (e i ) > β i (e i ). Portanto, se τ i e τ i são duas estratégias puras para i em Γ ǫ, temos que ui ǫ (τ i,[τ ǫ i]) < ui ǫ (τ i,[τ ǫ i ]), se τ i e τ i diferem apenas na posição de c i e e i na ordenação das estratégias puras, e na ordenação segundo τ i e i vem antes de c i. Logo, como τ ǫ é um equilíbrio de Nash de Γ ǫ, τi ǫ só dá probabilidade positiva a ordens em que e i vem antes de c i. Portanto, σi ǫ (c i ) < ǫσi ǫ (e i ), ou seja, σ ǫ é um ǫ-equilíbrio próprio de Γ. Como i N (C i ) é compacto, podemos encontrar uma subseqüência σ ǫ k que converge para σ e lim k ǫ k = 0. Portanto, σ é um equilíbrio próprio de Γ.

20 Exemplo Vamos ilustrar com um exemplo o fato que nem todo equilíbrio perfeito de mão trêmula é um equilíbrio próprio. Considere o jogo a seguir: x 2 y 2 a 1x 1 4,4 4,4 a 1y 1 4,4 4,4 b 1x 1 6,6 3,0 b 1y 1 0,0 2,2

21 Exemplo Nosso objetivo é mostrar que ([a 1x 1],[y 2]) é um equilíbrio perfeito de mão trêmula deste jogo que não é equilíbrio próprio. Para provar que é um equilíbrio perfeito de mão trêmula, considere o seguinte perfil de estratégias σ ǫ = ((1 ǫ)[a 1x 1]+0,1ǫ[a 1y 1]+0,1ǫ[b 1x 1]+0,8ǫ[b 1y 1],ǫ[x 2]+(1 ǫ)[y 2]). σ ǫ é um ǫ -equilíbrio perfeito para qualquer ǫ < ǫ < 1/3, pois note que u 1(a 1x 1,σ ǫ 2) = u 1(a 1y 1,σ ǫ 2) = 4, u 1(b 1x 1,σ ǫ 2) = 6ǫ+(1 ǫ)3 < 4, u 1(b 1y 1,σ ǫ 2) = 2(1 ǫ) < 2. Então, temos que b 1x 1 e b 1y 1 não são melhores respostas, então para que σ ǫ seja um ǫ -equilíbrio perfeito precisamos ter σ ǫ 1(b 1x 1) < ǫ e σ ǫ 1(b 1y 1) < ǫ, que é satisfeito neste exemplo. Também note que u 2(σ ǫ 1, x 2) = 4(1 ǫ)+4(0,1ǫ)+6(0,1ǫ) = 4 3ǫ e u 2(σ ǫ 1, y 2) = 4(1 ǫ)+4(0,1ǫ)+2(0,8ǫ) = 4 2ǫ. Então, x 2 não é melhor resposta, então precisamos ter σ ǫ 2(x 2) < ǫ, que é satisfeito neste exemplo. Então, ([a 1x 1],[y 2]) é um equilíbrio perfeito de mão trêmula deste jogo.

22 Exemplo Contudo, σ ǫ não é um ǫ -equilíbrio próprio para nenhum ǫ < 1. A estratégia b 1x 1 é pior para o jogador 1 que a estratégia a 1y 1 contra a estratégia σ ǫ 2, porém elas são escolhidas com a mesma probabilidade. Na verdade, temos que b 1x 1 é melhor para o jogador 1 que a estratégia b 1y 1 contra qualquer estratégia τ 2. Portanto, em qualquer ǫ-equilíbrio próprio, ǫ < 1, devemos ter que a probabilidade de b 1x 1 deve ser maior que a probabilidade de b 1y 1, conseqüentemente, x 2 é uma melhor resposta em qualquer ǫ-equilíbrio próprio. Então, σ 2(x 2) = 1 em qualquer equilíbrio próprio. Portanto, σ 1(b 1x 1) = 1 em qualquer equilíbrio próprio. Portanto, o único equilíbrio próprio deste jogo é (b 1x 1,x 2). Note que podemos justificar este equilíbrio com a seguinte seqüência de ǫ-equilíbrios próprios: ((1 ǫ 0,5ǫ 2 )[b 1x 1]+0,5ǫ 2 [b 1y 1]+0,5ǫ[a 1x 1]+0,5ǫ[a 1y 1],(1 0,5ǫ)[x 2]+0,5ǫ[y 2]).

23 Equilíbrio Sequencial versus Equlíbrio Próprio A seguir enunciamos um teorema que prova que existe uma relação entre equilíbrios sequenciais de um jogo em forma extensiva com equilíbrios próprios da representação em forma normal do jogo em forma extensiva. Teorema 2.3 Suponha que Γ é um jogo finito em forma extensiva com memória perfeita e que τ é um equilíbrio próprio da representação em forma normal de Γ. Então, existe um sistema de crenças µ e uma perfil de estratégias comportamentais σ tal que (σ,µ) é um equilíbrio seqüencial de Γ e σ é uma representação comportamental de τ. Prova: Omitida. Consultar prova do Teorema 5.4 em Myerson.

24 Considerações Finais Infelizmente, não existem argumentos que possam provar que jogadores racionais não possam escolher equilíbrios de Nash que não são próprios, nem podemos provar que todo equilíbrio próprio deve ser considerado como uma maneira razoável de se comportar em um jogo. A razão por que é importante considerar refinamentos de equilíbrio de Nash baseados em análise de sensibilidade a pequenas probabilidades de erros, como nos refinamentos de equilíbrio perfeito de mão trêmula e equilíbrio próprio, é que estes conceitos proporcionam uma maneira de checar se a justificativa para um determinado equilíbrio não depende na suposição de que jogadores ignoram completamente os possíveis resultados do jogo que têm probabilidade zero em equilíbrio. Deste modo, podemos argumentar que testar estes (e outros refinamentos contidos na literatura) é uma maneira útil de formalizar parte de nossa intuição como jogadores racionais devem se comportar em jogos.

Jogos de soma zero com dois jogadores

Jogos de soma zero com dois jogadores Jogos de soma zero com dois jogadores Problema: Dada uma matriz A m n, encontrar um equilíbrio de Nash (de estratégias mistas). Jogador 1 quer encontrar p que maximize v sujeito a i p i = 1 sujeito a (pa)

Leia mais

Roteiro da aula: Jogos dinâmicos com informação incompleta. Mas-Collel e Green capítulo 9 Refinamentos do conceito de Equilíbrio de Nash

Roteiro da aula: Jogos dinâmicos com informação incompleta. Mas-Collel e Green capítulo 9 Refinamentos do conceito de Equilíbrio de Nash Roteiro da aula: Jogos dinâmicos com informação incompleta Mas-Collel e Green capítulo 9 Refinamentos do conceito de quilíbrio de Nash Racionalidade seqüencial quilíbrio Bayesiano perfeito quilíbrio bayesiano

Leia mais

Produtos de potências racionais. números primos.

Produtos de potências racionais. números primos. MATEMÁTICA UNIVERSITÁRIA n o 4 Dezembro/2006 pp. 23 3 Produtos de potências racionais de números primos Mário B. Matos e Mário C. Matos INTRODUÇÃO Um dos conceitos mais simples é o de número natural e

Leia mais

Então (τ x, ) é um conjunto dirigido e se tomarmos x U U, para cada U vizinhança de x, então (x U ) U I é uma rede em X.

Então (τ x, ) é um conjunto dirigido e se tomarmos x U U, para cada U vizinhança de x, então (x U ) U I é uma rede em X. 1. Redes Quando trabalhamos no R n, podemos testar várias propriedades de um conjunto A usando seqüências. Por exemplo: se A = A, se A é compacto, ou se a função f : R n R m é contínua. Mas, em espaços

Leia mais

Jogos Repetidos Infinitas Vezes Nash Folk Folk Perfeito Jogos Repetidos Finitas Vezes. Jogos Repetidos. Prof. Leandro Chaves Rêgo

Jogos Repetidos Infinitas Vezes Nash Folk Folk Perfeito Jogos Repetidos Finitas Vezes. Jogos Repetidos. Prof. Leandro Chaves Rêgo Jogos Repetidos Prof. Leandro Chaves Rêgo Programa de Pós-Graduação em Estatística - UFPE Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção - UFPE Recife, 21 de Outubro de 2014 Jogos Repetidos Introdução

Leia mais

Axiomatizações equivalentes do conceito de topologia

Axiomatizações equivalentes do conceito de topologia Axiomatizações equivalentes do conceito de topologia Giselle Moraes Resende Pereira Universidade Federal de Uberlândia - Faculdade de Matemática Graduanda em Matemática - Programa de Educação Tutorial

Leia mais

Jogos Bayesianos Estratégias e Equilíbrio Aplicações. Jogos Bayesianos. Prof. Leandro Chaves Rêgo

Jogos Bayesianos Estratégias e Equilíbrio Aplicações. Jogos Bayesianos. Prof. Leandro Chaves Rêgo Jogos Bayesianos Prof. Leandro Chaves Rêgo Programa de Pós-Graduação em Estatística - UFPE Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção - UFPE Recife, 14 de Outubro de 2014 Jogos Bayesianos Jogos

Leia mais

Resolução de sistemas de equações não-lineares: Método Iterativo Linear

Resolução de sistemas de equações não-lineares: Método Iterativo Linear Resolução de sistemas de equações não-lineares: Método Iterativo Linear Marina Andretta/Franklina Toledo ICMC-USP 27 de março de 2015 Baseado no livro Análise Numérica, de R. L. Burden e J. D. Faires.

Leia mais

Teoria dos Jogos Algorítmica Maximização de Lucros no Design de Mecanismos

Teoria dos Jogos Algorítmica Maximização de Lucros no Design de Mecanismos Teoria dos Jogos Algorítmica Maximização de Lucros no Design de Mecanismos Luis Gustavo Rocha Vianna. Instituto de Matemática e Estatística IME Universidade de São Paulo USP Maximização de Lucros Design

Leia mais

Professor: Carlos Eugênio da Costa Teoria Microeconômica II Monitor: Diego Santiago

Professor: Carlos Eugênio da Costa Teoria Microeconômica II Monitor: Diego Santiago Professor: Carlos Eugênio da Costa Teoria Microeconômica II - 2012 Monitor: Diego Santiago EPGE/FGV Introdução matemática 1 Introdução Esta introdução visa familiarizar o aluno com ferramentas matemáticas

Leia mais

Jogos Cooperativos. Prof. Leandro Chaves Rêgo

Jogos Cooperativos. Prof. Leandro Chaves Rêgo Jogos Cooperativos Prof. Leandro Chaves Rêgo Programa de Pós-Graduação em Estatística - UFPE Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção - UFPE Recife, 31 de Outubro de 2014 Jogos Cooperativos

Leia mais

1.3 Conjuntos de medida nula

1.3 Conjuntos de medida nula 1.3 Conjuntos de medida nula Seja (X, F, µ) um espaço de medida. Um subconjunto A X é um conjunto de medida nula se existir B F tal que A B e µ(b) = 0. Do ponto de vista da teoria da medida, os conjuntos

Leia mais

Teoria do consumidor. Propriedades do Conjunto Consumo,

Teoria do consumidor. Propriedades do Conjunto Consumo, Teoria do consumidor 1 Pedro Rafael Lopes Fernandes Qualquer modelo que vise explicar a escolha do consumidor é sustentado por quatro pilares. Estes são o conjunto consumo, o conjunto factível, a relação

Leia mais

Jogos. A teoria dos jogos lida com as interações estratégicas que ocorrem entre os agentes.

Jogos. A teoria dos jogos lida com as interações estratégicas que ocorrem entre os agentes. Jogos A teoria dos jogos lida com as interações estratégicas que ocorrem entre os agentes http://robguena.fearp.usp.br/anpec/tjogos.pdf a) Descrição de um jogo Teoria dos Jogos Jogadores: quem está envolvido

Leia mais

Análise I Solução da 1ª Lista de Exercícios

Análise I Solução da 1ª Lista de Exercícios FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS Centro de Ciências e Tecnologia Curso de Graduação em Matemática Análise I 0- Solução da ª Lista de Eercícios. ATENÇÃO: O enunciado

Leia mais

MAT Topologia Bacharelado em Matemática 2 a Prova - 27 de maio de 2004

MAT Topologia Bacharelado em Matemática 2 a Prova - 27 de maio de 2004 MAT 317 - Topologia Bacharelado em Matemática 2 a Prova - 27 de maio de 2004 1 Nome : Número USP : Assinatura : Professor : Severino Toscano do Rêgo Melo 2 3 4 5 Total Podem tentar fazer todas as questões.

Leia mais

TÉCNICAS DE AMOSTRAGEM

TÉCNICAS DE AMOSTRAGEM TÉCNICAS DE AMOSTRAGEM Ralph dos Santos Silva Departamento de Métodos Estatísticos Instituto de Matemática Universidade Federal do Rio de Janeiro Sumário Definições e Notação Estimação Amostra Aleatória

Leia mais

Aproximação da Distribuição Binomial pela Distribuição Normal

Aproximação da Distribuição Binomial pela Distribuição Normal Aproximação da Distribuição Binomial pela Distribuição Normal Uma das utilidades da distribuição normal é que ela pode ser usada para fornecer aproximações para algumas distribuições de probabilidade discretas.

Leia mais

Convergência em espaços normados

Convergência em espaços normados Chapter 1 Convergência em espaços normados Neste capítulo vamos abordar diferentes tipos de convergência em espaços normados. Já sabemos da análise matemática e não só, de diferentes tipos de convergência

Leia mais

Jogos de Soma-Zero Com Consciência

Jogos de Soma-Zero Com Consciência Jogos de Soma-Zero Com Consciência Roberto Ferreira Manghi Universidade Federal de Pernambuco Cidade Universitária - Recife/PE 50740-540 robertof23@gmail.com Leandro Chaves Rêgo Universidade Federal de

Leia mais

Jogos em Forma Normal

Jogos em Forma Normal Jogos em Forma Normal Prof. Leandro Chaves Rêgo Programa de Pós-Graduação em Estatística - UFPE Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção - UFPE Recife, 26 de Agosto de 2014 Jogos em Forma Normal

Leia mais

INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA

INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA UFPE - Universidade Federal de Pernambuco Departamento de Estatística Disciplina: ET-406 Estatística Econômica Professor: Waldemar A. de Santa Cruz Oliveira Júnior INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA Podemos

Leia mais

Notas de Aula. tal que, para qualquer ponto (x, y) no plano xy, temos: p XY

Notas de Aula. tal que, para qualquer ponto (x, y) no plano xy, temos: p XY UNIVERSIDDE FEDERL D BHI INSTITUTO DE MTEMÁTIC DEPRTMENTO DE ESTTÍSTIC v. demar de Barros s/n - Campus de Ondina 40170-110 - Salvador B Tel:(071)247-405 Fax 245-764 Mat 224 - Probabilidade II - 2002.2

Leia mais

Teoria dos Jogos. Prof. Maurício Bugarin Eco/UnB 2014-I. Aula 12A Teoria dos Jogos Maurício Bugarin

Teoria dos Jogos. Prof. Maurício Bugarin Eco/UnB 2014-I. Aula 12A Teoria dos Jogos Maurício Bugarin Teoria dos Jogos Prof. Maurício Bugarin Eco/UnB 2014-I Roteiro Jogos Jogos Repetidos Desenvolver o modelo de jogo repetido Provar o teorema popular Aplicar para conluio ao dilema dos prisioneiros e aos

Leia mais

MAT Laboratório de Matemática I - Diurno Profa. Martha Salerno Monteiro

MAT Laboratório de Matemática I - Diurno Profa. Martha Salerno Monteiro MAT 1511 - Laboratório de Matemática I - Diurno - 2005 Profa. Martha Salerno Monteiro Representações decimais de números reais Um número real pode ser representado de várias maneiras, sendo a representação

Leia mais

Números - Aula 03. Alexandre Nolasco de Carvalho Universidade de São Paulo São Carlos SP, Brazil

Números - Aula 03. Alexandre Nolasco de Carvalho Universidade de São Paulo São Carlos SP, Brazil Números - Aula 03 Alexandre Nolasco de Carvalho Universidade de São Paulo São Carlos SP, Brazil 28 de Fevereiro de 2014 Primeiro Semestre de 2014 Turma 2013106 - Engenharia Mecânica Corpos Vimos que o

Leia mais

Modelos Lineares Generalizados - Modelos log-lineares para tabelas de contingência

Modelos Lineares Generalizados - Modelos log-lineares para tabelas de contingência Modelos Lineares Generalizados - Modelos log-lineares para tabelas de contingência Erica Castilho Rodrigues 2 de Agosto de 2013 3 Modelos de Poisson podem ser usados para analisar tabelas de contingência.

Leia mais

Linguagens Formais e Autômatos

Linguagens Formais e Autômatos Linguagens Formais e Autômatos (notas da primeira aula 1 Definições básicas 1.1 Conjuntos Definição 1. Um conjunto é uma coleção de objetos, denominados elementos. Notação 1. Para indicar que um elemento

Leia mais

Introdução à Inferência Estatística

Introdução à Inferência Estatística Introdução à Inferência Estatística Capítulo 10, Estatística Básica (Bussab&Morettin, 7a Edição) 2a AULA 02/03/2015 MAE229 - Ano letivo 2015 Lígia Henriques-Rodrigues 2a aula (02/03/2015) MAE229 1 / 16

Leia mais

ANÁLISE E TOPOLOGIA. 1 o semestre. Estudaremos neste curso alguns dos conceitos centrais da análise matemática: números reais, derivadas,

ANÁLISE E TOPOLOGIA. 1 o semestre. Estudaremos neste curso alguns dos conceitos centrais da análise matemática: números reais, derivadas, ANÁLISE E TOPOLOGIA 1 o semestre Estudaremos neste curso alguns dos conceitos centrais da análise matemática: números reais, derivadas, séries e integrais. 1. Espaços topológicos e métricos Todos estes

Leia mais

σ-álgebras, geradores e independência

σ-álgebras, geradores e independência σ-álgebras, geradores e independência Roberto Imbuzeiro M. F. de Oliveira 15 de Março de 2009 Resumo Notas sobre a σ-álgebra gerada por uma variável aleatória X e sobre as condições de independência de

Leia mais

Prof. Fernando Carneiro Rio de Janeiro, Outubro de 2015

Prof. Fernando Carneiro Rio de Janeiro, Outubro de 2015 Ga - retas e planos na solução de problemas 1 GA - Retas e planos na solução de problemas Prof. Fernando Carneiro Rio de Janeiro, Outubro de 2015 1 Reta concorrente a duas retas dadas Este tipo de problema

Leia mais

Método prático para extrair uma base de um conjunto de geradores de um subespaço de R n

Método prático para extrair uma base de um conjunto de geradores de um subespaço de R n Método prático para extrair uma base de um conjunto de geradores de um subespaço de R n 1. Descrição do método e alguns exemplos Colocamos o seguinte problema: dado um conjunto finito: A = {a 1, a 2,...,

Leia mais

Teoria da Implementação

Teoria da Implementação Teoria da Implementação Voting games: DES e IDE 1 Voting Games Decisões coletivas não mercado que devem ser selecionadas, via sistemas de votação, em um ambiente de conflito de opiniões em um conjunto

Leia mais

VARIÁVEIS ALEATÓRIAS

VARIÁVEIS ALEATÓRIAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA VARIÁVEIS ALEATÓRIAS Joaquim H Vianna Neto Relatório Técnico RTE-03/013 Relatório Técnico Série Ensino Variáveis

Leia mais

Intervalos Estatísticos para uma única Amostra - parte I

Intervalos Estatísticos para uma única Amostra - parte I Intervalos Estatísticos para uma única Amostra - parte I Intervalo de confiança para média 14 de Janeiro Objetivos Ao final deste capítulo você deve ser capaz de: Construir intervalos de confiança para

Leia mais

6. Amostragem e estimação pontual

6. Amostragem e estimação pontual 6. Amostragem e estimação pontual Definição 6.1: População é um conjunto cujos elementos possuem qualquer característica em comum. Definição 6.2: Amostra é um subconjunto da população. Exemplo 6.1: Um

Leia mais

Análise de Decisão, Jogos & Negociação. Cesaltina Pires

Análise de Decisão, Jogos & Negociação. Cesaltina Pires Análise de Decisão, Jogos & Negociação Cesaltina Pires Fevereiro 2007 ii Conteúdo 1 Introdução (incompleto) 1 1.1 Decisão várias abordagens........................... 1 1.1.1 Decisões individuais versus

Leia mais

Gabarito da Primeira Prova MAT0234 Análise Matemática I Prof. Daniel Victor Tausk 13/09/2011

Gabarito da Primeira Prova MAT0234 Análise Matemática I Prof. Daniel Victor Tausk 13/09/2011 Gabarito da Primeira Prova MAT0234 Análise Matemática I Prof. Daniel Victor Tausk 13/09/2011 Questão 1. Sejam X, X conjuntos e φ : X X uma função. (a) (valor 1,25 pontos) Mostre que se A é uma σ-álgebra

Leia mais

MAE GABARITO DA LISTA 2-04/10/2016

MAE GABARITO DA LISTA 2-04/10/2016 MAE5709 - GABARITO DA LISTA - 04/0/06 Exercício.7.5. Primeira Parte Seja P uma matriz de transição sobre um espaço de estados finito S. Mostre que uma distribuição π é invariante para P se e somente se

Leia mais

Capítulo 1. Fundamentos

Capítulo 1. Fundamentos Capítulo 1 Fundamentos A probabilidade moderna se baseia fortemente na Teoria da Medida e supomos durante esse curso que o leitor esteja bem familiarizado com conceitos tais como: Medida de Lebesgue, extensões

Leia mais

Construção dos Números Reais

Construção dos Números Reais 1 Universidade de Brasília Departamento de Matemática Construção dos Números Reais Célio W. Manzi Alvarenga Sumário 1 Seqüências de números racionais 1 2 Pares de Cauchy 2 3 Um problema 4 4 Comparação

Leia mais

Aula 4: Consequência Lógica e Equivalência Lógica

Aula 4: Consequência Lógica e Equivalência Lógica Lógica para Computação Segundo Semestre, 2014 Aula 4: Consequência Lógica e Equivalência Lógica DAINF-UTFPR Prof. Ricardo Dutra da Silva Definição 4.1. Em lógica proposicional dizemos que uma fórmula B

Leia mais

1 Conjuntos, Números e Demonstrações

1 Conjuntos, Números e Demonstrações 1 Conjuntos, Números e Demonstrações Definição 1. Um conjunto é qualquer coleção bem especificada de elementos. Para qualquer conjunto A, escrevemos a A para indicar que a é um elemento de A e a / A para

Leia mais

Análise de Dados e Simulação

Análise de Dados e Simulação Universidade de São Paulo Instituto de Matemática e Estatística http:www.ime.usp.br/ mbranco Simulação de Variáveis Aleatórias Contínuas. O método da Transformada Inversa Teorema Seja U U (0,1). Para qualquer

Leia mais

IND 1115 Inferência Estatística Aula 6

IND 1115 Inferência Estatística Aula 6 Conteúdo IND 5 Inferência Estatística Aula 6 Setembro de 004 A distribuição Lognormal A distribuição Beta e sua relação com a Uniforme(0,) Mônica Barros mbarros.com mbarros.com A distribuição Lognormal

Leia mais

INFERÊNCIA ESTATÍSTICA. ESTIMAÇÃO PARA A PROPORÇÃO POPULACIONAL p

INFERÊNCIA ESTATÍSTICA. ESTIMAÇÃO PARA A PROPORÇÃO POPULACIONAL p INFERÊNCIA ESTATÍSTICA ESTIMAÇÃO PARA A PROPORÇÃO POPULACIONAL p Objetivo Estimar uma proporção p (desconhecida) de elementos em uma população, apresentando certa característica de interesse, a partir

Leia mais

Limites de Funções de Variáveis Complexas

Limites de Funções de Variáveis Complexas Limites de Funções de Variáveis Complexas AULA 2 META: Introduzir o conceito de limite de funções de variáveis complexas. OBJETIVOS: Ao fim da aula os alunos deverão ser capazes de: Definir limites de

Leia mais

Geometria Analítica II - Aula 4 82

Geometria Analítica II - Aula 4 82 Geometria Analítica II - Aula 4 8 IM-UFF K. Frensel - J. Delgado Aula 5 Esferas Iniciaremos o nosso estudo sobre superfícies com a esfera, que já nos é familiar. A esfera S de centro no ponto A e raio

Leia mais

Notas Para o Curso de Medida e. Daniel V. Tausk

Notas Para o Curso de Medida e. Daniel V. Tausk Notas Para o Curso de Medida e Integração Daniel V. Tausk Sumário Capítulo 1. Medida de Lebesgue e Espaços de Medida... 1 1.1. Aritmética na Reta Estendida... 1 1.2. O Problema da Medida... 6 1.3. Volume

Leia mais

Propriedades das Funções Contínuas e Deriváveis

Propriedades das Funções Contínuas e Deriváveis Propriedades das Funções Contínuas e Deriváveis O Corpo dos Números Reais Prof. Doherty Andrade 2005/Agosto/20 Vamos rever algumas coisas que já sabemos sobre o corpo dos números reais. Por corpo entendemos

Leia mais

Observação: Responda no mínimo 70% das questões. (**) responda no mínimo duas questões com essa marcação

Observação: Responda no mínimo 70% das questões. (**) responda no mínimo duas questões com essa marcação UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL - UFRGS FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO MBE- MASTER OF BUSINESS ECONOMICS DISCIPLINA: Comportamento

Leia mais

1 Matrizes Ortogonais

1 Matrizes Ortogonais Álgebra Linear I - Aula 19-2005.1 Roteiro 1 Matrizes Ortogonais 1.1 Bases ortogonais Lembre que uma base β é ortogonal se está formada por vetores ortogonais entre si: para todo par de vetores distintos

Leia mais

INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA

INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA PARA A COMPUTAÇÃO PROF. DANIEL S. FREITAS UFSC - CTC - INE Prof. Daniel S. Freitas - UFSC/CTC/INE/2007 p.1/30 3 - INDUÇÃO E RECURSÃO 3.1) Indução Matemática 3.2)

Leia mais

1 Conjuntos enumeráveis

1 Conjuntos enumeráveis Medida e Integração. Departamento de Física e Matemática. USP-RP. Prof. Rafael A. Rosales de maio de 007. Conjuntos enumeráveis Denotamos por Q os numeros racionais, logo [0, ] Q, são os números racionais

Leia mais

Princípios de Modelagem Matemática Aula 10

Princípios de Modelagem Matemática Aula 10 Princípios de Modelagem Matemática Aula 10 Prof. José Geraldo DFM CEFET/MG 19 de maio de 2014 1 Alguns resultados importantes em estatística A distribuição normal tem importante papel em estatística pois

Leia mais

Testes de Hipóteses Paramétricos

Testes de Hipóteses Paramétricos Testes de Hipóteses Paramétricos Carla Henriques Departamento de Matemática Escola Superior de Tecnologia de Viseu Introdução Exemplos Testar se mais de metade da população irá consumir um novo produto

Leia mais

Matemática Básica EXERCÍCIOS OBRIGATÓRIOS. Dê um contraexemplo para cada sentença falsa.

Matemática Básica EXERCÍCIOS OBRIGATÓRIOS. Dê um contraexemplo para cada sentença falsa. DR. SIMON G. CHIOSSI @ GMA / UFF MB V 1 0/02/2016 NOME LEGÍVEL: Matemática Básica Prova V 1 turma A1 0 / 02 / 2016 MATRÍCULA: EXERCÍCIOS OBRIGATÓRIOS (1) Sejam P(x) o predicado x 2 = x e Q(x) o predicado

Leia mais

Lista de Exercícios 2

Lista de Exercícios 2 Programa de Pós-Graduação em Economia Microeconomia IV Prof.: Rogério Mazali Lista de Exercícios 2 18 de abril de 2016 NOTA: Para os problemas retirados do livro-texto, cheque par aver se você possui a

Leia mais

Análise de Algoritmos

Análise de Algoritmos Análise de Algoritmos Parte 1 Prof. Túlio Toffolo http://www.toffolo.com.br BCC202 Aula 04 Algoritmos e Estruturas de Dados I Qual a diferença entre um algoritmo e um programa? Como escolher o algoritmo

Leia mais

Um pouco de história. Ariane Piovezan Entringer. Geometria Euclidiana Plana - Introdução

Um pouco de história. Ariane Piovezan Entringer. Geometria Euclidiana Plana - Introdução Geometria Euclidiana Plana - Um pouco de história Prof a. Introdução Daremos início ao estudo axiomático da geometria estudada no ensino fundamental e médio, a Geometria Euclidiana Plana. Faremos uso do

Leia mais

Conceitos Básicos sobre Representações e Caracteres de Grupos Finitos. Ana Cristina Vieira. Departamento de Matemática - ICEx - UFMG

Conceitos Básicos sobre Representações e Caracteres de Grupos Finitos. Ana Cristina Vieira. Departamento de Matemática - ICEx - UFMG 1 Conceitos Básicos sobre Representações e Caracteres de Grupos Finitos Ana Cristina Vieira Departamento de Matemática - ICEx - UFMG - 2011 1. Representações de Grupos Finitos 1.1. Fatos iniciais Consideremos

Leia mais

Matrizes Semelhantes e Matrizes Diagonalizáveis

Matrizes Semelhantes e Matrizes Diagonalizáveis Diagonalização Matrizes Semelhantes e Matrizes Diagonalizáveis Nosso objetivo neste capítulo é estudar aquelas transformações lineares de R n para as quais existe pelo menos uma base em que elas são representadas

Leia mais

Notas sobre os anéis Z m

Notas sobre os anéis Z m Capítulo 1 Notas sobre os anéis Z m Estas notas complementam o texto principal, no que diz respeito ao estudo que aí se faz dos grupos e anéis Z m. Referem algumas propriedades mais específicas dos subanéis

Leia mais

Prova Final. Programa de Pós-Graduação em Economia. Microeconomia IV Prof.: Rogério Mazali. 30 de abril de 2016

Prova Final. Programa de Pós-Graduação em Economia. Microeconomia IV Prof.: Rogério Mazali. 30 de abril de 2016 Programa de Pós-Graduação em Economia Microeconomia IV Prof.: Rogério Mazali Prova Final 30 de abril de 2016 Instruções: Você tem 120 minutos para completar a prova. Seja preciso em suas respostas. Pontos

Leia mais

Medida do Tempo de Execução de um Programa. Bruno Hott Algoritmos e Estruturas de Dados I DECSI UFOP

Medida do Tempo de Execução de um Programa. Bruno Hott Algoritmos e Estruturas de Dados I DECSI UFOP Medida do Tempo de Execução de um Programa Bruno Hott Algoritmos e Estruturas de Dados I DECSI UFOP Medida do Tempo de Execução de um Programa O projeto de algoritmos é fortemente influenciado pelo estudo

Leia mais

Estatística II Aula 2. Prof.: Patricia Maria Bortolon, D. Sc.

Estatística II Aula 2. Prof.: Patricia Maria Bortolon, D. Sc. Estatística II Aula Prof.: Patricia Maria Bortolon, D. Sc. Distribuições Amostrais ... vocês lembram que: Antes de tudo... Estatística Parâmetro Amostra População E usamos estatíticas das amostras para

Leia mais

Definir classes laterais e estabelecer o teorema de Lagrange. Aplicar o teorema de Lagrange na resolução de problemas.

Definir classes laterais e estabelecer o teorema de Lagrange. Aplicar o teorema de Lagrange na resolução de problemas. Aula 05 GRUPOS QUOCIENTES METAS Estabelecer o conceito de grupo quociente. OBJETIVOS Definir classes laterais e estabelecer o teorema de Lagrange. Aplicar o teorema de Lagrange na resolução de problemas.

Leia mais

Tópicos de Matemática Elementar

Tópicos de Matemática Elementar Revisão Básica de Prof. Dr. José Carlos de Souza Junior Universidade Federal de Alfenas 26 de novembro de 2014 Revisão de Definição 1 (Espaço Vetorial) Um conjunto V é um espaço vetorial sobre R, se em

Leia mais

Capítulo Equações da reta no espaço. Sejam A e B dois pontos distintos no espaço e seja r a reta que os contém. Então, P r existe t R tal que

Capítulo Equações da reta no espaço. Sejam A e B dois pontos distintos no espaço e seja r a reta que os contém. Então, P r existe t R tal que Capítulo 11 1. Equações da reta no espaço Sejam A e B dois pontos distintos no espaço e seja r a reta que os contém. Então, P r existe t R tal que AP = t AB Fig. 1: Reta r passando por A e B. Como o ponto

Leia mais

Produto interno, externo e misto

Produto interno, externo e misto Produto interno, externo e misto Definição: Chama-se norma (ou comprimento) do vector u ao comprimento do segmento de recta [OP ] e representa-se por u. Definição: Sejam a = OA e b = OB dois vectores não

Leia mais

Limites. 2.1 Limite de uma função

Limites. 2.1 Limite de uma função Limites 2 2. Limite de uma função Vamos investigar o comportamento da função f definida por f(x) = x 2 x + 2 para valores próximos de 2. A tabela a seguir fornece os valores de f(x) para valores de x próximos

Leia mais

Módulo IV: Processos Aleatórios Estacionários, Cicloestaionaridade e Análise de Continuidade de Processos Aleatórios

Módulo IV: Processos Aleatórios Estacionários, Cicloestaionaridade e Análise de Continuidade de Processos Aleatórios Módulo IV: Processos Aleatórios Estacionários, Cicloestaionaridade e Análise de Continuidade de Processos Aleatórios Wamberto J. L. Queiroz Universidade Federal de Campina Grande-UFCG Departamento de Engenharia

Leia mais

Demonstração. Ver demonstração em [1]. . Para que i j se tem µ i µ j? Determine a derivada no sentido de Radon-Nikodym em cada caso.

Demonstração. Ver demonstração em [1]. . Para que i j se tem µ i µ j? Determine a derivada no sentido de Radon-Nikodym em cada caso. Proposição 2.39 (Propriedades de e.). Sejam µ, λ, λ 1, λ 2 medidas no espaço mensurável (X, F). Então 1. se λ 1 µ e λ 2 µ então (λ 1 + λ 2 ) µ. 2. se λ 1 µ e λ 2 µ então (λ 1 + λ 2 ) µ. 3. se λ 1 µ e λ

Leia mais

População e Amostra. População: O conjunto de todas as coisas que se pretende estudar. Representada por tudo o que está no interior do desenho.

População e Amostra. População: O conjunto de todas as coisas que se pretende estudar. Representada por tudo o que está no interior do desenho. População e Amostra De importância fundamental para toda a análise estatística é a relação entre amostra e população. Praticamente todas as técnicas a serem discutidas neste curso consistem de métodos

Leia mais

Interpolação polinomial: Diferenças divididas de Newton

Interpolação polinomial: Diferenças divididas de Newton Interpolação polinomial: Diferenças divididas de Newton Marina Andretta ICMC-USP 16 de maio de 2012 Baseado no livro Análise Numérica, de R. L. Burden e J. D. Faires. Marina Andretta (ICMC-USP) sme0500

Leia mais

Teoria de Jogos Evolucionária

Teoria de Jogos Evolucionária Teoria de Jogos Evolucionária Edmundo de Souza e Silva - Daniel Ratton Figueiredo Universidade Federal do Rio de Janeiro Programa de Engenharia de Sistemas e Computação - COPPE Departamento de Ciência

Leia mais

3 NOÇÕES DE PROBABILIDADE

3 NOÇÕES DE PROBABILIDADE 3 NOÇÕES DE PROILIDDE 3.1 Conjuntos Um conjunto pode ser considerado como uma coleção de objetos chamados elementos do conjunto. Em geral denota-se conjunto por letras maiúsculas,, C,... e a sua representação

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Disciplina de Microeconomia 1 Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lista 3 - Soluções. x 2 5 = 40 x.

Universidade Federal de Pelotas Disciplina de Microeconomia 1 Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lista 3 - Soluções. x 2 5 = 40 x. Universidade Federal de Pelotas Disciplina de Microeconomia 1 Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lista 3 - Soluções 1) Dada as funções de demanda p(x) = 40 x e de oferta p(x) = x 5, pede-se: a) O ponto

Leia mais

Aula 3 Vetores no espaço

Aula 3 Vetores no espaço MÓDULO 1 - AULA 3 Aula 3 Vetores no espaço Objetivos Ampliar a noção de vetor para o espaço. Rever as operações com vetores e sua representação em relação a um sistema ortogonal de coordenadas cartesianas.

Leia mais

Distribuições de Probabilidade

Distribuições de Probabilidade Distribuições de Probabilidade Departamento de Matemática Escola Superior de Tecnologia de Viseu (DepMAT ESTV) Distribuições de Probabilidade 2007/2008 1 / 31 Introdução Introdução Já vimos como caracterizar

Leia mais

Métodos de Ordenação Parte 3

Métodos de Ordenação Parte 3 Estrutura de Dados II Métodos de Ordenação Parte 3 Prof a Márcio Bueno ed2tarde@marciobueno.com / ed2noite@marciobueno.com Material baseado nos materiais do Prof. Robson Lins Classificação em Memória Primária

Leia mais

Jogos dinâmicos com informação incompleta

Jogos dinâmicos com informação incompleta PROF. SABINO PORO JR. 6/6/009 Jogos dinâmicos com informação incompleta Mas-Collel e Green capítulo 9 Refinamentos do conceito de quilíbrio i de Nash 1 Roteiro da aula: Racionalidade d seqüencial quilíbrio

Leia mais

Sobre Desenvolvimentos em Séries de Potências, Séries de Taylor e Fórmula de Taylor

Sobre Desenvolvimentos em Séries de Potências, Séries de Taylor e Fórmula de Taylor Sobre Desenvolvimentos em Séries de Potências, Séries de Taylor e Fórmula de Taylor Pedro Lopes Departamento de Matemática Instituto Superior Técnico o. Semestre 004/005 Estas notas constituem um material

Leia mais

Aula 3 Propriedades de limites. Limites laterais.

Aula 3 Propriedades de limites. Limites laterais. Propriedades de ites. Limites laterais. MÓDULO - AULA 3 Aula 3 Propriedades de ites. Limites laterais. Objetivos Estudar propriedades elementares de ites, tais como: soma, produto, quociente e confronto.

Leia mais

Controle Estatístico de Qualidade. Capítulo 5 (montgomery)

Controle Estatístico de Qualidade. Capítulo 5 (montgomery) Controle Estatístico de Qualidade Capítulo 5 (montgomery) Gráficos de Controle para Variáveis Relembrando Dois objetivos do CEP: Manter o processo operando em condição estável durante maior parte do tempo;

Leia mais

Probabilidade - aula II

Probabilidade - aula II 25 de Março de 2014 Interpretações de Probabilidade Amostras Aleatórias e Objetivos Ao final deste capítulo você deve ser capaz de: Calcular probabilidades de eventos conjuntos. Interpretar e calcular

Leia mais

SEMINÁRIOS DE ENSINO DE MATEMÁTICA (SEMA FEUSP) SERÁ O INFINITO UM PONTO?

SEMINÁRIOS DE ENSINO DE MATEMÁTICA (SEMA FEUSP) SERÁ O INFINITO UM PONTO? SMINÁRIS D NSIN D MATMÁTICA (SMA FUSP) SRÁ INFINIT UM PNT? Sergio Alves IM USP salves@ime.usp.br Inspirado no artigo de mesmo título publicado na Revista ducação e Matemática, Nº 95, Portugal (2007) :

Leia mais

Sistemas de equações lineares com três variáveis

Sistemas de equações lineares com três variáveis 18 Sistemas de equações lineares com três variáveis Sumário 18.1 Introdução....................... 18. Sistemas de duas equações lineares........... 18. Sistemas de três equações lineares........... 8

Leia mais

Números Reais. Víctor Arturo Martínez León b + c ad + bc. b c

Números Reais. Víctor Arturo Martínez León b + c ad + bc. b c Números Reais Víctor Arturo Martínez León (victor.leon@unila.edu.br) 1 Os números racionais Os números racionais são os números da forma a, sendo a e b inteiros e b 0; o conjunto b dos números racionais

Leia mais

Probabilidade. Variáveis Aleatórias Distribuição de Probabilidade

Probabilidade. Variáveis Aleatórias Distribuição de Probabilidade Probabilidade Variáveis Aleatórias Distribuição de Probabilidade Variáveis Aleatórias Variável Aleatória Indica o valor correspondente ao resultado de um experimento A palavra aleatória indica que, em

Leia mais

BC1424 Algoritmos e Estruturas de Dados I Aula 05 Custos de um algoritmo e funções de complexidade

BC1424 Algoritmos e Estruturas de Dados I Aula 05 Custos de um algoritmo e funções de complexidade BC1424 Algoritmos e Estruturas de Dados I Aula 05 Custos de um algoritmo e funções de complexidade Prof. Jesús P. Mena-Chalco 1Q-2016 1 1995 2015 2 Custo de um algoritmo e funções de complexidade Introdução

Leia mais

Prova de Seleção ao Doutorado Macroeconomia

Prova de Seleção ao Doutorado Macroeconomia Prova de Seleção ao Doutorado Macroeconomia Programa de Pós-Graduação em Economia, FEA/USP Área Teoria Econômica 1. (40 pontos) Considere o modelo de Ramsey-Cass-Koopmans em tempo contínuo, o qual inclui

Leia mais

Resumo das aulas dos dias 4 e 11 de abril e exercícios sugeridos

Resumo das aulas dos dias 4 e 11 de abril e exercícios sugeridos MAT 1351 Cálculo para funções uma variável real I Curso noturno de Licenciatura em Matemática 1 semestre de 2016 Docente: Prof. Dr. Pierluigi Benevieri Resumo das aulas dos dias 4 e 11 de abril e exercícios

Leia mais

Profa.: Patricia Maria Bortolon, D.Sc. Statistics for Managers Using Microsoft Excel, 5e 2008 Pearson Prentice-Hall, Inc. Chap 9-1

Profa.: Patricia Maria Bortolon, D.Sc. Statistics for Managers Using Microsoft Excel, 5e 2008 Pearson Prentice-Hall, Inc. Chap 9-1 MÉTODOS QUANTITATIVOS APLICADOS À CONTABILIDADE Profa.: Patricia Maria Bortolon, D.Sc. Statistics for Managers Using Microsoft Excel, 5e 2008 Pearson Prentice-Hall, Inc. Chap 9-1 Fundamentos de Testes

Leia mais

MAT 461 Tópicos de Matemática II Aula 8: Resumo de Probabilidade

MAT 461 Tópicos de Matemática II Aula 8: Resumo de Probabilidade MAT 461 Tópicos de Matemática II Aula 8: Resumo de Probabilidade Edson de Faria Departamento de Matemática IME-USP 28 de Agosto, 2013 Probabilidade: uma Introdução / Aula 8 1 Desigualdades de Markov e

Leia mais

Capítulo 2: Procedimentos e algoritmos

Capítulo 2: Procedimentos e algoritmos Capítulo 2: Procedimentos e algoritmos Para estudar o processo de computação de um ponto de vista teórico, com a finalidade de caracterizar o que é ou não é computável, é necessário introduzir um modelo

Leia mais

Topologia e espaços métricos

Topologia e espaços métricos Topologia e espaços métricos Roberto Imbuzeiro Oliveira 7 de Fevereiro de 2014 Conteúdo 1 Preliminares sobre conjuntos 2 2 Introdução aos espaços métricos 3 2.1 Definição............................. 3

Leia mais

(versão preliminar) exceto possivelmente para x = a. Dizemos que o limite de f(x) quando x tende para x = a é um numero L, e escrevemos

(versão preliminar) exceto possivelmente para x = a. Dizemos que o limite de f(x) quando x tende para x = a é um numero L, e escrevemos LIMITE DE FUNÇÕES REAIS JOSÉ ANTÔNIO G. MIRANDA versão preinar). Revisão: Limite e Funções Continuas Definição Limite de Seqüências). Dizemos que uma seqüência de números reais n convergente para um número

Leia mais

Lógica Computacional

Lógica Computacional Lógica Computacional Aula Teórica 6: Semântica da Lógica Proposicional António Ravara Simão Melo de Sousa Marco Giunti Departamento de Informática, Faculdade de Ciências e Tecnologia, NOVA LINCS, Universidade

Leia mais