INSTRUÇÃO NORMATIVA 003/2014-UNEMAT

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTRUÇÃO NORMATIVA 003/2014-UNEMAT"

Transcrição

1 INSTRUÇÃO NORMATIVA 003/2014-UNEMAT Dispõe sobre a concessão de Férias e Licença-Prêmio dos servidores da Universidade do Estado de Mato Grosso e dá outras providências. CONSIDERANDO a autonomia administrativa emanada pelo Estatuto da Universidade do Estado de Mato Grosso; CONSIDERANDO a necessidade de regulamentação e planejamento orçamentário e financeiro, no gozo dos direitos de férias e Licença-Prêmio por assiduidade dos servidores; CONSIDERANDO a Lei Complementar 04/1990 em seu artigo 113 que dispõe sobre a obrigatoriedade do órgão proceder a escala anual dos servidores em Licença-Prêmio dos servidores públicos do Poder Executivo do Estado de Mato Grosso; CONSIDERANDO o Decreto Estadual 1317/2003 que regulamenta a concessão de férias dos servidores públicos do Poder Executivo do Estado de Mato Grosso; CONSIDERANDO a Lei Complementar 320/2008 que dispõe sobre o Plano de Carreira dos Docentes da Educação Superior da Universidade do Estado de Mato Grosso; CONSIDERANDO a Lei Complementar 321/2008 que dispõe sobre o Plano de Carreira dos Profissionais Técnicos da Educação Superior da Universidade do Estado de Mato Grosso; CONSIDERANDO a Lei Complementar 534/2014 que altera a Lei Complementar 320/2008 que dispõe sobre o Plano de Carreira dos Docentes da Educação Superior da Universidade do Estado de Mato Grosso; O REITOR DA, no uso de suas atribuições que lhe confere o art. 32 do Estatuto da Unemat aprovado pela Resolução 001/2010-CONSELHO CURADOR, por meio da Pró-reitoria de Administração, RESOLVE: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Regulamentar as diretrizes e procedimentos para a concessão de férias remuneradas e Licenças-Prêmio aos Profissionais Técnicos da Educação Superior (PTES) e Docentes da Educação Superior da UNEMAT.

2 Art. 2º Para a concessão do usufruto do direito de férias e Licença-Prêmio serão observados os princípios do interesse público, da oportunidade e da conveniência. CAPÍTULO II DAS FÉRIAS SEÇÃO I DOS PTES Art. 3º Os servidores da carreira dos PTES farão jus a 30 (trinta) dias de férias a cada 12 (doze) meses de exercício no serviço público. 1º Será pago ao servidor da carreira dos PTES um adicional de 1/3 (um terço) da remuneração correspondente ao período de férias no mês de usufruto da vantagem. 2º No caso do servidor exercer função de gestão, a respectiva vantagem será considerada no cálculo do adicional de que trata este artigo. 3º O gozo das férias poderá ser parceladas em até 02 (duas) etapas, se assim requeridas pelo servidor, sendo cada uma destas de 15 (quinze dias). 4º No caso previsto no parágrafo 3º deste artigo, o pagamento do adicional de férias será realizado em parcela única no mês de usufruto da primeira etapa do período de férias. Art. 4º As férias poderão ser acumuladas até o máximo de dois períodos, mediante comprovada necessidade de serviço. Parágrafo único. O servidor entrará automaticamente em gozo de férias a partir do primeiro dia do terceiro período aquisitivo acumulado. SEÇÃO II DOS DOCENTES Art. 5º Os servidores da carreira dos Docentes da Educação Superior farão jus, de ofício, a 45 (quarenta e cinco) dias de férias a cada 12 (doze) meses (de acordo com os períodos aquisitivos), a serem gozados 30 (trinta) dias no período compreendido entre os dias 2 e 31 de janeiro, e 15 (quinze) dias no período de recesso acadêmico. 1º O período de férias no recesso acadêmico será determinado no Calendário Acadêmico de cada ano. 2º O gozo de férias não será de ofício nos casos de docentes que estejam ocupando as funções descritas no Art.4º da Resolução nº 002/2012-CONSUNI, sendo nestes casos necessária a solicitação junto ao setor de Recursos Humanos da respectiva Unidade Administrativa com antecedência mínima de 30 (trinta) dias. 3º As férias poderão ser acumuladas até o máximo de dois períodos, mediante comprovada necessidade de serviço. 4º O servidor entrará automaticamente em gozo de férias a partir do primeiro dia do terceiro período aquisitivo acumulado.

3 Art. 6º Será pago ao servidor da carreira dos Docentes um adicional de 1/3 (um terço) sobre 45 (quarenta e cinco) dias de férias da remuneração correspondente ao período de férias no mês de usufruto da vantagem. Parágrafo único. O pagamento do adicional de férias será realizado em parcela única no mês de usufruto da primeira etapa do período de férias. CAPÍTULO III DA LICENÇA-PRÊMIO Art. 7º Os servidores das carreiras dos PTES e dos Docentes, após cada quinquênio ininterrupto de efetivo exercício no serviço, farão jus a 90 (noventa) dias de licença, a título de prêmio por assiduidade, com a remuneração do cargo efetivo, não sendo permitida sua conversão em espécie parcial ou total, por opção do servidor. 1º Para fins da Licença-Prêmio de que trata este artigo, será considerado o tempo de serviço desde seu ingresso no serviço público estadual. 2º Não se concederá Licença-Prêmio ao servidor que, no período aquisitivo: I - sofrer penalidade disciplinar de suspensão; II - afastar-se do cargo em virtude de: a) licença por motivo de doença em pessoa da família, sem remuneração; b) licença para tratar de interesses particulares; c) condenação a pena privativa de liberdade, por sentença definitiva; d) afastamento para acompanhar cônjuge ou companheiro. 3º As faltas injustificadas ao serviço retardarão a concessão da licença prevista neste artigo, na proporção de um mês para cada três faltas. 4º É facultado ao servidor fracionar a licença de que trata este artigo em até 03 (três) parcelas, sendo cada uma delas de 30 (trinta) dias, desde que defina previamente os meses para gozo da licença. Art. 8º O servidor em função de gestão, por ocasião de seu afastamento para gozo de Licença-Prêmio, deixa de receber o respectivo adicional. Art. 9º O usufruto da Licença-Prêmio dar-se-á através dos processos de concessão e de gozo. 1º A concessão da Licença-Prêmio dar-se-á através da sua publicação em Diário Oficial do Estado de Mato Grosso (D.O.E.) a qual ocorrerá à pedido do servidor. 2º O gozo da Licença-Prêmio poderá ser solicitado pelo servidor somente após a concessão ter sido publicada em D.O.E.. 3º As solicitações de concessão e gozo da Licença-Prêmio ocorrerá através do uso de requerimentos específicos (anexo IV e V respectivamente). SEÇÃO I DOS PTES

4 Art. 10 Os servidores da carreira dos PTES, depois de publicada a concessão da Licença-Prêmio em D.O.E., solicitarão o gozo da Licença-Prêmio junto ao setor de Recursos Humanos da respectiva Unidade Administrativa. Parágrafo único: Os servidores lotados na Sede da Reitoria, para o fim de solicitação de gozo de Licença-Prêmio, deverão considerar como setor de Recursos Humanos a Supervisão de Monitoramento Funcional da Pró-Reitoria de Administração (PRAD- SMF). SEÇÃO II DOS DOCENTES Art. 11 Os servidores da carreira dos Docentes do Ensino Superior, para gozo da Licença-Prêmio, solicitarão seu agendamento junto à respectiva Faculdade respeitando os prazos estabelecidos no Artigo 16 desta Instrução Normativa. Art. 12 As Faculdades deverão promover o agendamento da escala de gozo da Licença- Prêmio dos servidores Docentes considerando: 1º O início ou o fim do período de gozo da Licença-Prêmio dos docentes, seja ele integral ou fracionado, deverá coincidir com o início ou fim dos períodos de férias de ofício descritos no Artigo 5º desta Instrução Normativa. 2º As Faculdades deverão observar o limite do número de servidores Docentes em gozo simultâneo de Licença-Prêmio, não sendo superior à 1/3 (um terço) da lotação efetiva de cada Faculdade. 3º As Faculdades deverão encaminhar a Relação para Agendamento de Licença- Prêmio (anexo III) ao setor de Recursos Humanos dos campi. 4º Na Relação para Agendamento de Licença-Prêmio (anexo III), deverão constar os nomes dos docentes, a matrícula funcional, o período aquisitivo e o período de gozo da Licença-Prêmio. 5º Serão indeferidos pela PRAD-SMF, os requerimentos de gozo de Licença Prêmio cujos solicitantes não constem na escala divulgada pela respectiva Faculdade para o período correspondente. CAPÍTULO IV DOS PRAZOS Art. 13 Os setores de Recursos Humanos das Unidades Regionalizadas da UNEMAT deverão encaminhar à PRAD-SMF a Relação para Agendamento de Férias (anexo II) de seus servidores PTES para o ano subseqüente, obrigatoriamente, até o dia 15 de novembro. Parágrafo único. Para o agendamento do gozo das férias deverá ser utilizada a Relação para Agendamento de Férias (anexo II) devendo constar: a) Nomes dos servidores; b) Matrícula funcional; c) Período aquisitivo; d) Período de gozo das férias.

5 Art. 14 Para gozo de férias de servidor que esteja em função gratificada, o setor de Recursos Humanos das Unidades Administrativas deverá encaminhar à Assessoria Técnica Administrativa da PRAD (PRAD-ATA), com pelo menos 30 (trinta) dias de antecedência documento constando o nome completo e matrícula funcional para a confecção de portaria de designação de substituto. Parágrafo único. A substituição de que trata este Artigo se aplica apenas quando o servidor goza do período de férias não fracionadas. Art. 15 Os servidores da carreira dos PTES deverão requerer o gozo da Licença-Prêmio com no mínimo 30 (trinta) dias de antecedência ao período de gozo da referida licença. Art. 16 Os setores de Recursos Humanos dos Campi promoverão o encaminhamento à PRAD-SMF da escala de gozo de Licença-Prêmio de seus docentes vinculados até a data de: I. 10 de maio, para gozo da Licença-Prêmio no segundo semestre letivo; II. 10 de outubro, para gozo da Licença-Prêmio no primeiro semestre letivo. Art. 17 O servidor, devidamente agendado para o gozo de suas férias ou Licença- Prêmio, que, a pedido seu ou da administração, precisar modificar ou interromper o gozo das mesmas, deverá solicitar ao setor de Recursos Humanos da respectiva Unidade Administrativa retificação, que será encaminhada a PRAD-SMF. 1º A mudança de período de gozo de férias ou Licença-Prêmio deverá der informado à PRAD-SMF com antecedência mínima de 30 (trinta) dias, contendo justificativa, reescalonamento do gozo e anuência do superior imediato. 2º. A interrupção de gozo de férias ou Licença-Prêmio deverá ser comunicada imediatamente à PRAD-SMF. 3º. Somente serão acatadas interrupções de férias nos casos de calamidade pública, comoção interna, convocação para júri, serviço militar ou eleitoral, ou por motivo de superior interesse público, cabendo à PRAD avaliar as justificativas e adotar providências cabíveis. 4º. Havendo suspensão de férias, os valores adicionais que já tenham sido pagos serão ressarcidos. 5º. As férias ou Licença-Prêmio, devidamente agendadas e lançadas no Sistema Estadual de Acompanhamento de Pessoal, são consideradas usufruídas para todos os fins. CAPÍTULO V DAS DISPOSIÇÕES FINAIS Art. 18 Tendo o servidor docente direito a férias e/ou Licença-Prêmio estes poderão ser gozados independente de data, desde que na sequencia dos seguintes afastamentos: I. Afastamento para Qualificação;

6 II. Afastamento para Tratamento de Saúde; III. Afastamento para Tratamentos de Saúde Acompanhamento de familiar; IV. Licença Maternidade; V. Afastamento para Exercício de Atividades Políticas; VI. Afastamento para tratar de interesse Particular. Art. 19 Cabe aos setores de Recursos Humanos encaminhar as relações para agendamento de férias e Licença-Prêmio (anexos II e III) à PRAD-SMF após realizar análise observando: I. Para servidores da carreira dos PTES, a verificação da publicação das Licenças- Prêmio, respeitando o limite de 1/3 (um terço) do quadro funcional considerando como lotação a Unidade Administrativa; II. Para servidores da carreira dos docentes, a verificação da publicação das Licenças- Prêmio, respeitando o limite de 1/3 (um terço) do quadro funcional de cada Faculdade; III. O documento informativo de escala para o agendamento de férias e Licença- Prêmio dos servidores deverá elencar todos os servidores que estão afastados para qualificação, indicando o período de afastamento destes. Art. 20 No caso de servidor docente afastado para qualificação de até 02 (dois) anos, as férias serão acumuladas para usufruto no início do próximo semestre letivo. 1º. Nos casos de afastamento por período maior do que 02 (dois) anos, o servidor terá gozo de férias de acordo com o agendamento, como se em exercício estivesse, em respeito ao disposto no artigo 97 da Lei Complementar 04/90. 2º. Se de interesse do servidor, durante o afastamento referido neste artigo, poderá o servidor solicitar o gozo de suas férias nos moldes deste regulamento. Art. 21 As demais observações, procedimentos e parâmetros serão as constantes do Capítulo III, Seção VI da Lei Complementar 04 de 15 de outubro de Art. 22 Revogam-se as disposições em contrário, em especial a Instrução Normativa 002/2011-UNEMAT e a Instrução Normativa 010/2013-UNEMAT. Art. 23 Esta Instrução Normativa entrará em vigência a partir da sua publicação. Publique-se. Cumpra-se. Gabinete da Reitoria, em Cáceres, 26 de agosto de DIONEI JOSÉ DA SILVA Reitor da Unemat VALTER GUSTAVO DANZER Pró-Reitor de Administração

7 ANEXO I FLUXOGRAMA DE ROTINAS DE TRABALHO E PROCEDIMENTOS AGENDAMENTO DE LICENÇA-PRÊMIO DOCENTES TAREFAS E DOCUMENTOS OBRIGATÓRIOS EM CADA AÇÃO DE ORIGEM (Etapas do Fluxograma) Etapa Discriminação 1 Propor escala de gozo de Licença-Prêmio para docentes. 2 Análise da escala proposta, preenchimento do formulário (Anexo II) e autuação do processo. 3 Análise e arquivamento. Documentos necessários para a autuação do processo: Ofício de encaminhamento do setor de Recursos Humanos para a publicação da escala de gozo; Ofício emitido pela Faculdade encaminhando a escala (dos docentes) ao setor de Recursos Humanos; Anexo III com o preenchido.

8 AGENDAMENTO DE FÉRIAS - PTES TAREFAS E DOCUMENTOS OBRIGATÓRIOS EM CADA AÇÃO DE ORIGEM (Etapas do Fluxograma) Etapa 1 2 Discriminação Propor escala de gozo de férias dos PTES, análise e preenchimento do formulário (Anexo II). Publicação da Escala em Diário Oficial-MT, lançamento no SEAP, emissão do aviso de férias, arquivamento. Documentos necessários para a autuação do processo: Ofício de encaminhamento emitido pelo setor de Recursos Humanos; Anexo II preenchido.

9 SUBSTITUIÇÃO TEMPORÁRIA DE SERVIDOR EM CARGO DE GESTÃO (FÉRIAS) TAREFAS E DOCUMENTOS OBRIGATÓRIOS EM CADA AÇÃO DE ORIGEM (Etapas do Fluxograma) Etapa Discriminação 1 Emissão de ofício* informando o substituto. 2 Análise, e solicitação de emissão de portaria. 3 Emissão da portaria. 4 Lançamento no SEAP. 5 Lançamento na ficha funcional e arquivamento. *O ofício deverá conter as seguintes informações: Nome do substituído e do substituto; Matrícula do Substituído e do substituto; Especificação de substituição porá gozo de férias; Período das férias

10 PROCESSO DE CONCESSÃO DE LICENÇA-PRÊMIO PTES E DOCENTES TAREFAS E DOCUMENTOS OBRIGATÓRIOS EM CADA AÇÃO DE ORIGEM (Etapas do Fluxograma) Etapa Discriminação 1 Preenchimento do Requerimento específico*. 2 Cadastro no Sistema de Protocolo, análise preliminar, emissão de despacho, emissão da ficha funcional. 3 Solicitação de Publicação. 4 Publicação da concessão em Diário Oficial-MT. 5 Lançamento no SAGU, e arquivamento na pasta funcional. *O Requerimento para concessão de Licença-Prêmio disponível em: mio_.pdf

11 PROCESSO PARA GOZO DE LICENÇA-PRÊMIO

12 TAREFAS E DOCUMENTOS OBRIGATÓRIOS EM CADA AÇÃO DE ORIGEM (Etapas do Fluxograma) Etapa Discriminação 1 Preenchimento do Requerimento específico*. 2 Emissão de ofício de encaminhamento, e cadastramento no Sistema de Protocolo. 3 Verificação do percentual para afastamento (PTES) ou conferência da previsão em escala (Docentes), ofício de encaminhamento. 4 Análise do processo, e solicitação de portaria. 5 Emissão da portaria. 6 Lançamento no SEAP, Publicação em Diário Oficial-MT, lançamento no SAGU, e arquivamento. *O Requerimento para gozo de Licença-Prêmio esta disponível em: doc Os documentos no processo devem seguir a ordem acima enumerada; O setor encaminhará o processo autuado e numerado; Não será aceito, para qualquer efeito, fax de nenhum documento. DISPOSITIVOS LEGAIS Lei Complementar 04/1990 Decreto Estadual 1317/2003 Lei Complementar 320/2008 Lei Complementar 321/2008 Lei Complementar 534/2014 Estatuto da Unemat

13 ANEXO II RELAÇÃO PARA AGENDAMENTO DE FÉRIAS Para agendamento de Férias - PTES Nome do Servidor Matrícula Funcional Período Aquisitivo Período Concessivo Para agendamento de Férias de servidor em Função Gratificada Nome do Servidor Matrícula Funcional Período Aquisitivo Período Concessivo Nome do Substituto* Matrícula Funcional Nome do Servidor Matrícula Funcional Período Aquisitivo Período Concessivo Nome do Substituto Matrícula Funcional *Caso não houver designação de substituto informar no campo correspondente utilizando os termos Sem Substituto.

14 ANEXO III RELAÇÃO PARA AGENDAMENTO DE LICENÇA-PRÊMIO Para agendamento de Licença-Prêmio - DOCENTES Nome do Servidor Matrícula Funcional Quinquênio Aquisitivo Período Concessivo

15 ANEXO IV REQUERIMENTO PARA CONCESSÃO DE LICENÇA-PRÊMIO

16 ANEXO V REQUERIMENTO PARA GOZO DE LICENÇA-PRÊMIO

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO SECRETARIA GERAL DOS CONSELHOS DA ADMINISTRAÇÃO SUPERIOR CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO SECRETARIA GERAL DOS CONSELHOS DA ADMINISTRAÇÃO SUPERIOR CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 15/98 EMENTA: Revoga a Resolução Nº 71/89 deste Conselho e estabelece normas sobre afastamento para Pós-Graduação no Brasil e no Exterior dos servidores da UFRPE. O Presidente do Conselho

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1113/2014 - CONSU, de 06 de outubro de 2014.

RESOLUÇÃO Nº 1113/2014 - CONSU, de 06 de outubro de 2014. Governo do Estado do Ceará Secretaria da Ciência, Tecnologia e Educação Superior Universidade Estadual do Ceará - UECE Secretaria dos Órgãos de Deliberação Coletiva - SODC RESOLUÇÃO Nº 1113/2014 - CONSU,

Leia mais

DECRETO Nº. 017/2009, de 04 de setembro de 2009.

DECRETO Nº. 017/2009, de 04 de setembro de 2009. DECRETO Nº. 017/2009, de 04 de setembro de 2009. REGULAMENTA A JUNTA MÉDICA DO MUNICÍPIO DE GUARANTÃ DO NORTE E DO FUNDO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES DE GUARANTÃ DO NORTE PREVIGUAR E

Leia mais

ATO DA COMISSÃO DIRETORA Nº 17, DE 2011.

ATO DA COMISSÃO DIRETORA Nº 17, DE 2011. ATO DA COMISSÃO DIRETORA Nº 17, DE 2011. Dispõe sobre os procedimentos relativos à concessão das licenças para tratamento da própria saúde, por motivo de doença em pessoa da família, à gestante, e por

Leia mais

INSTRUÇÃO INTERNA DE PROCEDIMENTOS - IIP PROGEPE Nº 001/2016 PROFESSOR DO ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO

INSTRUÇÃO INTERNA DE PROCEDIMENTOS - IIP PROGEPE Nº 001/2016 PROFESSOR DO ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO INSTRUÇÃO INTERNA DE PROCEDIMENTOS - IIP PROGEPE Nº 001/2016 PROFESSOR DO ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Dispõe sobre os procedimentos para afastamento parcial, no país, ou integral, no país ou no

Leia mais

Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. CAMPO GRANDE-MS, 6 DE MAIO DE 2015.

Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. CAMPO GRANDE-MS, 6 DE MAIO DE 2015. GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA- SEJUSP/MS AGÊNCIA ESTADUAL DE ADMINISTRAÇÃO DO SISTEMA PENITENCIÁRIO-AGEPEN/MS PORTARIA AGEPEN Nº 4, DE 6 DE

Leia mais

Lei Municipal Nº 143/2010 De 07 de Junho de 2010

Lei Municipal Nº 143/2010 De 07 de Junho de 2010 Lei Municipal Nº 143/2010 De 07 de Junho de 2010 Autoriza a criação da Junta Médica Oficial do Município de São Francisco do Conde e regulamenta a Concessão de Licença para tratamento de saúde e dá outras

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N.º 528, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2016.

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N.º 528, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2016. SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N.º 528, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2016. Estabelece procedimentos relacionados com a instrução de processos de autorização para funcionamento, alterações

Leia mais

Código: MAP-DIPES-006 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013

Código: MAP-DIPES-006 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Código: MAP-DIPES-006 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Gerência de Cadastro e Remuneração Aprovado por: Diretoria de Gestão de Pessoas 1 OBJETIVO Este Manual define critérios e procedimentos

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa DECRETO Nº 52.567, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015. (publicado no DOE n.º 183, de 24 de setembro de 2015) Dispõe sobre o

Leia mais

RESOLUÇÃO N 06/2015/CONSUP/IFAP, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2015.

RESOLUÇÃO N 06/2015/CONSUP/IFAP, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2015. RESOLUÇÃO N 06/2015/CONSUP/IFAP, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2015. Aprova o PROGRAMA DE BOLSA-AUXÍLIO À PÓS- GRADUAÇÃO AOS SERVIDORES do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amapá IFAP. O PRESIDENTE

Leia mais

DECISÃO COREN-MA Nº 09/2014

DECISÃO COREN-MA Nº 09/2014 DECISÃO COREN-MA Nº 09/2014 Define as Atribuições do Enfermeiro Responsável Técnico no âmbito do Estado do Maranhão. O Conselho Regional de Enfermagem do Maranhão Coren/MA, em observância aos dispositivos

Leia mais

COORDENADORIA DE RECURSOS HUMANOS CRH/SES G RUPO DE G ESTÃO DE P ESSOAS NÚCLEO DE SUPORTE À G ESTÃO DE PESSOAS

COORDENADORIA DE RECURSOS HUMANOS CRH/SES G RUPO DE G ESTÃO DE P ESSOAS NÚCLEO DE SUPORTE À G ESTÃO DE PESSOAS UNIDADE CENTRAL DE RECURSOS HUMANOS Edital de Abertura de Inscrições Nº 01/2009 CONCURSO DE PROMOÇÃO A Unidade Central de Recursos Humanos, no uso de sua competência atribuída pelo artigo 6º, do Decreto

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO

ESTÁGIO SUPERVISIONADO ESTÁGIO SUPERVISIONADO MANUAL DO ESTAGIÁRIO JULHO 2015 abatista@fatecbt.edu.br 03 a 14/08/2015 Matrícula de Estágio Supervisionado para os alunos que não constam no SIGA. 03 a 14/08/2015 Confirmação da

Leia mais

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIO (A) EDITAL 024.2015 PSICOLOGIA - GDHS/HCU - UFU

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIO (A) EDITAL 024.2015 PSICOLOGIA - GDHS/HCU - UFU 1 ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIO (A) EDITAL 024.2015 PSICOLOGIA - GDHS/HCU - UFU O PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO DE ASSISTÊNCIA, ESTUDO E PESQUISA DE UBERLÂNDIA - FAEPU, no uso

Leia mais

Dispõe sobre procedimentos para o licenciamento ambiental no âmbito da Secretaria do Meio Ambiente.

Dispõe sobre procedimentos para o licenciamento ambiental no âmbito da Secretaria do Meio Ambiente. RESOLUÇÃO Nº 49, DE 28 DE SETEMBRO DE 2004 DOE SP DE 29/09/2004 Dispõe sobre procedimentos para o licenciamento ambiental no âmbito da Secretaria do Meio Ambiente. O Secretário de Estado do Meio Ambiente,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 735/2010 - CONSU DE 27 DE ABRIL DE 2010.

RESOLUÇÃO Nº 735/2010 - CONSU DE 27 DE ABRIL DE 2010. Governo do Estado do Ceará Secretaria da Ciência Tecnologia e Educação Superior Universidade Estadual do Ceará UECE Secretaria dos Órgãos de Deliberação Coletiva - SODC RESOLUÇÃO Nº 735/2010 - CONSU DE

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 23.380. Dispõe sobre o Adicional de Qualificação no âmbito da Justiça Eleitoral.

RESOLUÇÃO Nº 23.380. Dispõe sobre o Adicional de Qualificação no âmbito da Justiça Eleitoral. Publicada no DJE/TSE nº 142, de 27/7/2012, p. 9/11 RESOLUÇÃO Nº 23.380 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 19.823 (29839-23.2007.6.00.0000) CLASSE 19 BRASÍLIA DF Relatora: Ministra Cármen Lúcia Interessado: Tribunal

Leia mais

Dispõe sobre a regulamentação do uso obrigatório do simulador de direção veicular.

Dispõe sobre a regulamentação do uso obrigatório do simulador de direção veicular. DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO - DETRAN/PB Portaria nº 496/2014-DS João Pessoa, 15 de setembro de 2014. (Publicada no Diário Oficial de 19 de setembro de 2014) Dispõe sobre a regulamentação do uso obrigatório

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 198, DE 20 DE JULHO DE 2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 198, DE 20 DE JULHO DE 2015 Publicada no Boletim de Serviço, n. 8, p. 17-22 em 7/8/2015. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 198, DE 20 DE JULHO DE 2015 Regulamenta a licença para tratamento de saúde e a licença por motivo de doença em pessoa

Leia mais

01 - Manual de Políticas e Procedimentos 01.01 Processo aquisitivo 01.01.02 Requisição para contratação de serviços Atualizado em 16/01/2015

01 - Manual de Políticas e Procedimentos 01.01 Processo aquisitivo 01.01.02 Requisição para contratação de serviços Atualizado em 16/01/2015 Dispõe sobre as políticas, fluxos e procedimentos do processo de contração de serviços da UFAL para o ano de 2015. 1 DA POLÍTICA 1.1 Objetivos da política de compras 1.1.1 Tornar os processos de compras

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA ANA, IEMA E IGAM Nº 553, DE 8 DE AGOSTO DE 2011

RESOLUÇÃO CONJUNTA ANA, IEMA E IGAM Nº 553, DE 8 DE AGOSTO DE 2011 RESOLUÇÃO CONJUNTA ANA, IEMA E IGAM Nº 553, DE 8 DE AGOSTO DE 2011 Dispõe sobre os procedimentos para o cadastramento, retificação ou ratificação de dados de usuários em corpos hídricos de domínio da União

Leia mais

NORMA DE ELABORAÇÃO DE INSTRUMENTOS NORMATIVOS - NOR 101

NORMA DE ELABORAÇÃO DE INSTRUMENTOS NORMATIVOS - NOR 101 ASSUNTO: Elaboração de Instrumentos Normativos MANUAL DE ORGANIZAÇÃO APROVAÇÃO: Deliberação DIREX nº 25, de 12/05/2016 COD. VIGÊNCIA: 100 12/05/2016 NORMA DE ELABORAÇÃO DE INSTRUMENTOS 1/10 SUMÁRIO 1 FINALIDADE...

Leia mais

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB Credenciada pelo Decreto Estadual N 7.344, de 27.05.1998

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB Credenciada pelo Decreto Estadual N 7.344, de 27.05.1998 Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB Credenciada pelo Decreto Estadual N 7.344, de 27.05.1998 EDITAL Nº 035/2009 PROGRAMA DE ISENÇÃO DO PAGAMENTO DA TAXA DE INSCRIÇÃO PARA O PROCESSO SELETIVO

Leia mais

Minuta de Instrução Normativa

Minuta de Instrução Normativa Minuta de Instrução Normativa INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº [NÚMERO], DE Dispõe sobre o Plano Anual de Atividades de Auditoria Interna (Paint), os aspectos relativos aos trabalhos de auditoria e o Relatório Anual

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA 002/2011-UNEMAT

INSTRUÇÃO NORMATIVA 002/2011-UNEMAT INSTRUÇÃO NORMATIVA 002/2011-UNEMAT Dispõe sobre a concessão de Férias e Licença Prêmio dos servidores da Universidade do Estado de Mato Grosso e dá outras providências. CONSIDERANDO a autonomia administrativa

Leia mais

EDITAL Nº 01/2016, DE 07 DE JUNHO DE 2016

EDITAL Nº 01/2016, DE 07 DE JUNHO DE 2016 EDITAL Nº 01/2016, DE 07 DE JUNHO DE 2016 SELEÇÃO DE SERVIDORES TÉCNICOS-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DO ACRE PARA AFASTAMENTO INTEGRAL PARA QUALIFICAÇÃO NO ANO DE 2016 A Reitora do

Leia mais

FACULDADE PADRE JOÃO BAGOZZI PÓS-GRADUAÇÃO BAGOZZI - NÚCLEO DE CIENCIAS DA ADMINISTRAÇÃO E DESENVOLVIMENTO

FACULDADE PADRE JOÃO BAGOZZI PÓS-GRADUAÇÃO BAGOZZI - NÚCLEO DE CIENCIAS DA ADMINISTRAÇÃO E DESENVOLVIMENTO FACULDADE PADRE JOÃO BAGOZZI PÓS-GRADUAÇÃO BAGOZZI - NÚCLEO DE CIENCIAS DA ADMINISTRAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ORIENTAÇÕES PARA REALIZAÇÃO, CORREÇÃO DO TCC TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO PÓS-GRADUANDOS MATRICULADOS

Leia mais

Dispõe sobre autorização de afastamento do País de servidores e empregados do Ministério da Fazenda e suas entidades vinculadas.

Dispõe sobre autorização de afastamento do País de servidores e empregados do Ministério da Fazenda e suas entidades vinculadas. PORTARIA MF Nº 160, DE 6 DE MAIO DE 2016 DOU de 09.05.2016 Dispõe sobre autorização de afastamento do País de servidores e empregados do Ministério da Fazenda e suas entidades vinculadas. O MINISTRO DE

Leia mais

PROPOSTAS PARA IMPLANTAÇÃO DO PISO SALARIAL DO MAGISTÉRIO E REESTRUTURAÇÃO DAS CARREIRAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA 17 DE ABRIL DE 2015

PROPOSTAS PARA IMPLANTAÇÃO DO PISO SALARIAL DO MAGISTÉRIO E REESTRUTURAÇÃO DAS CARREIRAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA 17 DE ABRIL DE 2015 PROPOSTAS PARA IMPLANTAÇÃO DO PISO SALARIAL DO MAGISTÉRIO E REESTRUTURAÇÃO DAS CARREIRAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA 17 DE ABRIL DE 2015 POLÍTICA REMUNERATÓRIA 1. PISO DO MAGISTÉRIO 1.1. Reajuste de 31,78% no vencimento

Leia mais

NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE LICENCIATURA

NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE LICENCIATURA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE LICENCIATURA outubro/2010

Leia mais

EDITAL 01/2015- PIQPG/PRPI/CQA PIQPG / 2015

EDITAL 01/2015- PIQPG/PRPI/CQA PIQPG / 2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E INOVAÇÃO EDITAL 01/2015- PIQPG/PRPI/CQA PIQPG / 2015 Programa de Incentivo para Qualificação em Cursos de Pós-Graduação dos

Leia mais

REGULAMENTO DE MONITORIA. Capítulo I Das Disposições Gerais

REGULAMENTO DE MONITORIA. Capítulo I Das Disposições Gerais REGULAMENTO DE MONITORIA Dispõe sobre a regulamentação da Monitoria Capítulo I Das Disposições Gerais Art. 1 O presente regulamento estabelece normas para o processo seletivo de monitoria da Faculdade

Leia mais

EDITAL COMPLEMENTAR Nº 23, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2013 PROCESSO SELETIVO 2013/1 PARA INGRESSO DE ALUNOS NO IF FARROUPILHA

EDITAL COMPLEMENTAR Nº 23, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2013 PROCESSO SELETIVO 2013/1 PARA INGRESSO DE ALUNOS NO IF FARROUPILHA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA REITORIA Rua Esmeralda, 430 Faixa Nova Camobi - 97110-767 Santa

Leia mais

2.2 - São condições para nomeação:

2.2 - São condições para nomeação: A Prefeitura Municipal de Matão Estado de São Paulo, usando de suas atribuições legais nos termos do artigo 37, inciso IX, da Constituição Federal, sob a organização da empresa Instituto Excelência Ltda

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA ADMINISTRAÇÃO E DA PREVIDÊNCIA ESCOLA DE GOVERNO DO PARANÁ CENTRAL DE ESTÁGIO

SECRETARIA DE ESTADO DA ADMINISTRAÇÃO E DA PREVIDÊNCIA ESCOLA DE GOVERNO DO PARANÁ CENTRAL DE ESTÁGIO A Lei Federal Nº 11.788/2008 em seu Art. 2 1º, determina que Estágio obrigatório é aquele definido como tal no projeto do curso, cuja carga horária é requisito para aprovação e obtenção de diploma. Para

Leia mais

Unidade: Centro de Educação a Distância MANUAL DE PROCEDIMENTOS Nº: Manual de Instruçao - Autorizar Liberação de ValoresAutorizar Liberação de Valores

Unidade: Centro de Educação a Distância MANUAL DE PROCEDIMENTOS Nº: Manual de Instruçao - Autorizar Liberação de ValoresAutorizar Liberação de Valores 1/15 ESTA FOLHA ÍNDICE INDICA EM QUE REVISÃO ESTÁ CADA FOLHA NA EMISSÃO CITADA FL/R. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 FL/R. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 01 26 02 27 03 28 04 29 05 30 06 31 07 32 08 33

Leia mais

I IRPJ, CSLL, PIS e COFINS, excetuados os recolhimentos vinculados às operações de comércio exterior, a

I IRPJ, CSLL, PIS e COFINS, excetuados os recolhimentos vinculados às operações de comércio exterior, a I IRPJ, CSLL, PIS e COFINS, excetuados os recolhimentos vinculados às operações de comércio exterior, a parcelamentos ordinários ou especiais e a tributos exigidos em lançamentos de ofício; ou II Contribuição

Leia mais

PROJETO INTERNACIONAL / 20. Distribuição

PROJETO INTERNACIONAL / 20. Distribuição PROJETO INTERNACIONAL Nome: Cargo: Telefone: PROJETO N o / 20 Lotação: e-mail: Siape: ASSINATURA DO SERVIDOR: Distribuição PRAZO MÍNIMO PARA TRAMITAÇÃO DO PROJETO: 45 DIAS (Considere a data de início do

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO MONITORIA 2010.2

EDITAL DE SELEÇÃO MONITORIA 2010.2 1 Laureate International Universities R EDITAL DE SELEÇÃO MONITORIA 2010.2 A FACULDADE DOS GUARARAPES, mantida pela Sociedade Capibaribe de Educação e Cultura - SOCEC, com sede em Jaboatão dos Guararapes

Leia mais

FACITEC - Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas IESST Instituto de Ensino Superior Social e Tecnológico

FACITEC - Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas IESST Instituto de Ensino Superior Social e Tecnológico FACITEC - Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas IESST Instituto de Ensino Superior Social e Tecnológico Credenciada pela portaria: MEC 292, de 15.02.2001 DOU Nº 35-E, de 19.02.2001, Seção 1 RESOLUÇÃO

Leia mais

1.8. Correspondência eletrônica dirigida ao Polo 46 do MNPEF deve ser endereçada a: aclm@df.ufpe.br, mnpef.caa@ufpe.br

1.8. Correspondência eletrônica dirigida ao Polo 46 do MNPEF deve ser endereçada a: aclm@df.ufpe.br, mnpef.caa@ufpe.br Universidade Federal de Pernambuco Centro acadêmico do Agreste Núcleo Interdisciplinar de Ciências Exatas e Inovação Tecnológica Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física [POLO 46 UFPE/CARUARU] EDITAL

Leia mais

1. DO OBJETIVO 2. DOS REQUISITOS

1. DO OBJETIVO 2. DOS REQUISITOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS SETOR DE BOLSAS ESTUDANTIS AUXÍLIO TRANSPORTE 1º SEMESTRE EDITAL Nº. 011/2016, 20 DE ABRIL DE 2016 A Pró-Reitora de Assuntos Estudantis,

Leia mais

Art. 1º A força de trabalho militar na Administração Central do Ministério da Defesa é composta de:

Art. 1º A força de trabalho militar na Administração Central do Ministério da Defesa é composta de: MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº 2.323/MD, DE 31 DE AGOSTO DE 2012 Disciplina a composição da força de trabalho militar na Administração Central do Ministério da Defesa e

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. RESOLUÇÃO do CNE (ainda depende Homologação do Ministro da Educação)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. RESOLUÇÃO do CNE (ainda depende Homologação do Ministro da Educação) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO do CNE (ainda depende Homologação do Ministro da Educação) Regulamenta o art. 52, inciso I da Lei 9.394, de 1996, e dispõe sobre normas e

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSUN N.º 008/2010. O Conselho Superior da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul - UERGS, no uso de suas atribuições e

RESOLUÇÃO CONSUN N.º 008/2010. O Conselho Superior da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul - UERGS, no uso de suas atribuições e RESOLUÇÃO CONSUN N.º 008/2010 Estabelece as normas para a distribuição dos encargos docentes da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul O Conselho Superior da Universidade Estadual do Rio Grande do

Leia mais

FACULDADE DE ODONTOLOGIA

FACULDADE DE ODONTOLOGIA FACULDADE DE ODONTOLOGIA ANEXO II REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES I Das Atividades Artigo 1º As Atividades Complementares estão de acordo com as políticas do Conselho Nacional de Educação

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICIPIO DE PORTO VELHO

PREFEITURA DO MUNICIPIO DE PORTO VELHO DECRETO Nº 11.887, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2010. Dispõe sobre o Estágio Remunerado de estudantes matriculados em Instituições Públicas ou Privadas de Ensino Superior e Médio Profissionalizante e dá outras

Leia mais

COTAS SOCIAIS REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE ISENÇÃO DA TAXA DE INSCRIÇÃO DO CONCURSO VESTIBULAR

COTAS SOCIAIS REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE ISENÇÃO DA TAXA DE INSCRIÇÃO DO CONCURSO VESTIBULAR COTAS SOCIAIS REGULAMENTO PARA REQUERIMENTO NAS COTAS SOCIAIS O sistema de Cotas Sociais, utilizados no Processo Seletivo da FAFIPA, é destinado a candidatos que tenham realizados seus estudos de ensino

Leia mais

Pesquisa de Satisfação de Cliente Externo

Pesquisa de Satisfação de Cliente Externo PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS DIVISÃO DE GESTÃO DA QUALIDADE Sistema de Gestão da Qualidade PROCEDIMENTO P. TJAM 070 Pesquisa de Satisfação de Cliente Externo Elaborado por:

Leia mais

MANUAL DE PESSOAL. Regulamentar a concessão, fixar critérios e estabelecer procedimentos a serem observados no fornecimento de Vale-Transporte.

MANUAL DE PESSOAL. Regulamentar a concessão, fixar critérios e estabelecer procedimentos a serem observados no fornecimento de Vale-Transporte. MÓD : 25 CAP : 1 EMI: 07.03.91 10 ª ROD VIG: 27.03.91 1 MÓDULO 25: VALE-TRANSPORTE CAPÍTULO 1: APRESENTAÇÃO 1. FINALIDADE Regulamentar a concessão, fixar critérios e estabelecer procedimentos a serem observados

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 25, DE 15 DE ABRIL DE 2003

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 25, DE 15 DE ABRIL DE 2003 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 25, DE 15 DE ABRIL DE 2003 As importações de vegetais, seus produtos, derivados e partes, subprodutos,

Leia mais

GO ALINHAMENTO ESTRATÉGICO

GO ALINHAMENTO ESTRATÉGICO Versão 01 - Página 1/24 PROCESSO: Acompanhamento e controle das obras nas sedes do MP-GO PROCEDIMENTO: Acompanhamento e controle das obras nas sedes do MP- GO ALINHAMENTO ESTRATÉGICO Objetivo estratégico:

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E DIREITOS HUMANOS - SEJUDH EDITAL SEC/SADH/SEJUDH Nº. 004/2016

SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E DIREITOS HUMANOS - SEJUDH EDITAL SEC/SADH/SEJUDH Nº. 004/2016 SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E DIREITOS HUMANOS - SEJUDH EDITAL SEC/SADH/SEJUDH Nº. 004/2016 EDITAL DE ELEIÇÃO DOS MEMBROS DA SOCIEDADE CIVIL DO CONSELHO ESTADUAL DE DEFESA DOS DIREITOS DA PESSOA COM

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 104-CONSELHO SUPERIOR, de 08 de outubro de 2012.

RESOLUÇÃO Nº 104-CONSELHO SUPERIOR, de 08 de outubro de 2012. RESOLUÇÃO Nº 104-CONSELHO SUPERIOR, de 08 de outubro de 2012. APROVA O REGULAMENTO GERAL PARA AFASTAMENTO DE SERVIDOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RORAIMA- IFRR, PARA MISSÃO

Leia mais

EDITAL DE APOIO A PROJETOS DE PESQUISA INSTITUCIONAIS A SEREM DESENVOLVIDOS NOS CAMPI DO SISTEMA CEFET/RJ EDITAL APP-CAMPI 2014

EDITAL DE APOIO A PROJETOS DE PESQUISA INSTITUCIONAIS A SEREM DESENVOLVIDOS NOS CAMPI DO SISTEMA CEFET/RJ EDITAL APP-CAMPI 2014 EDITAL DE APOIO A PROJETOS DE PESQUISA INSTITUCIONAIS A SEREM DESENVOLVIDOS NOS CAMPI DO SISTEMA CEFET/RJ 1. INFORMAÇÕES GERAIS EDITAL APP-CAMPI 2014 A Diretoria de Pesquisa e Pós-Graduação (DIPPG) e o

Leia mais

PREÇOS DOS SERVIÇOS DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO

PREÇOS DOS SERVIÇOS DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO PREÇOS DOS SERVIÇOS DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO NORMA Nº: NIE-CGCRE-140 APROVADA EM DEZ/2015 Nº 01/07 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Histórico

Leia mais

PORTARIA Nº 72, DE 01 DE FEVEREIRO DE 2012

PORTARIA Nº 72, DE 01 DE FEVEREIRO DE 2012 REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 15 de Novembro de 1889 PORTARIA Nº 72, DE 01 DE FEVEREIRO DE 2012 Estabelece normas gerais de consolidação das contas dos consórcios públicos a serem observadas na gestão

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA GABINETE DO MINISTRO. PORTARIA n, de 08 de fevereiro de 2007

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA GABINETE DO MINISTRO. PORTARIA n, de 08 de fevereiro de 2007 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA n, de 08 de fevereiro de 2007 Regulamenta as disposições da Lei n 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente - ECA), da Lei

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE -NDE. Procedimentos para o Trabalho de Conclusão de Curso

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE -NDE. Procedimentos para o Trabalho de Conclusão de Curso UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS Campus Arapiraca CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE -NDE Arapiraca-AL, 15 de Dezembro de 2011 Procedimentos para o Trabalho de Conclusão de Curso

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO EDITAL

SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO EDITAL SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO EDITAL O REITOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições, torna público que

Leia mais

PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS E COMPUTACIONAIS LICENÇA ESPECIAL

PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS E COMPUTACIONAIS LICENÇA ESPECIAL PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS E COMPUTACIONAIS LICENÇA ESPECIAL 1 CONCEITO A Licença Especial é um benefício facultado ao servidor público ocupante de cargo de provimento efetivo, com remuneração. De acordo

Leia mais

Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas. Novo Mercado de. Renda Fixa

Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas. Novo Mercado de. Renda Fixa Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas Novo Mercado de Renda Fixa CAPÍTULO I PROPÓSITO E ABRANGÊNCIA Art. 1º - O objetivo deste Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para o Novo Mercado

Leia mais

EDITAL PARA SELEÇÃO DE ESTUDANTES MONITORES PARA O CURSO DE BACHARELADO EM DIREITO

EDITAL PARA SELEÇÃO DE ESTUDANTES MONITORES PARA O CURSO DE BACHARELADO EM DIREITO EDITAL PARA SELEÇÃO DE ESTUDANTES MONITORES PARA O CURSO DE BACHARELADO EM DIREITO A Diretoria da FCHPE e a Coordenação do Curso de Direito da Faculdade de Ciências Humanas de Pernambuco, com base no ANEXO

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO PF/SC n 9, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2010

ORDEM DE SERVIÇO PF/SC n 9, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2010 ORDEM DE SERVIÇO PF/SC n 9, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2010 Disciplina a rotina a ser observada pelos procuradores federais e pela Unidade de Apoio Processual na utilização do Sistema Rito Ordinário da Justiça

Leia mais

O exame de processos de outorga de concessão deve conter em sua introdução as informações básicas relativas ao tipo de processo.

O exame de processos de outorga de concessão deve conter em sua introdução as informações básicas relativas ao tipo de processo. Tribunal de Contas da União MANUAL PARA INSTRUÇÃO DE PROCESSOS DE LICITAÇÃO PARA OUTORGA DE APROVEITAMENTOS HIDRELÉTRICOS E DE LINHAS DE TRANSMISSÃO 1 - INTRODUÇÃO 1.1. CARACTERÍSTICAS GERAIS O exame de

Leia mais

EDITAL Nº 4, DE 11 DE ABRIL DE 2016 SELEÇÃO PARA O PROGRAMA DE INCENTIVO EDUCACIONAL

EDITAL Nº 4, DE 11 DE ABRIL DE 2016 SELEÇÃO PARA O PROGRAMA DE INCENTIVO EDUCACIONAL EDITAL Nº 4, DE 11 DE ABRIL DE 2016 SELEÇÃO PARA O PROGRAMA DE INCENTIVO EDUCACIONAL A SUPERINTENDENTE DE GESTÃO DE PESSOAS, no uso de suas atribuições conferidas pelos artigos 28, 29, inciso II e 38,

Leia mais

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Nº 0558-2009-01 MÉDICO FISIATRA DS/REABILITAÇÃO R$ 4.105,18-20 horas semanais SESI-SP

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Nº 0558-2009-01 MÉDICO FISIATRA DS/REABILITAÇÃO R$ 4.105,18-20 horas semanais SESI-SP EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Nº 0558-2009-01 MÉDICO FISIATRA DS/REABILITAÇÃO R$ 4.105,18-20 horas semanais SESI-SP A Diretoria de Recursos Humanos do SESI-SP abre inscrições para candidatos interessados

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO BÁSICO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO BÁSICO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO BÁSICO Considerando que a Portaria nº 23 /2015, de 27 de fevereiro revogou a Portaria nº 9/2013, de 11 de fevereiro referente à avaliação das aprendizagens e competências

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 153/2010/CONEPE

RESOLUÇÃO Nº 153/2010/CONEPE Aprova o Regulamento das Atividades Complementares do Curso de Graduação em Arquitetura e Urbanismo, do Campus de Laranjeiras e dá outras providências. O da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, no uso de suas

Leia mais

Servidores ativos efetivos do quadro de pessoal da UFPB.

Servidores ativos efetivos do quadro de pessoal da UFPB. Página 1 de 5 AUXÍLIO TRANSPORTE DEFINIÇÃO Benefício concedido em pecúnia, destinado ao custeio parcial das despesas realizadas pelo servidor com transporte coletivo nos deslocamentos residência-trabalho

Leia mais

RESOLUGÃO CFP N 002/98 de 19 de abril de 1998. O CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

RESOLUGÃO CFP N 002/98 de 19 de abril de 1998. O CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA, no uso de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUGÃO CFP N 002/98 de 19 de abril de 1998 "Altera a Consolidação das Resoluções do Conselho Federal de Psicologia, aprovada pela Resolução CFP N 004/86, de 19 de outubro de 1986." O CONSELHO FEDERAL

Leia mais

EDITAL Nº 33, DE 18 DE MARÇO DE 2015.

EDITAL Nº 33, DE 18 DE MARÇO DE 2015. EDITAL Nº 33, DE 18 DE MARÇO DE 2015. O PRÓ-REITOR DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, no uso de suas atribuições, torna público o Edital de Abertura

Leia mais

RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº 48/2015, DE 9 DE NOVEMBRO DE 2015. TÍTULO I Projeto de Pesquisa - Caracterização

RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº 48/2015, DE 9 DE NOVEMBRO DE 2015. TÍTULO I Projeto de Pesquisa - Caracterização MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO SUPERIOR Avenida Rio Branco, 50 Santa Lúcia 29056-255 Vitória ES 27 3227-5564 3235-1741 ramal 2003 RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº

Leia mais

RHPUS. Referencial de Honorários Psicológicos Unafisco Saúde

RHPUS. Referencial de Honorários Psicológicos Unafisco Saúde RHPUS Referencial de Honorários Psicológicos Unafisco Saúde 2011 RHPUS Referencial de Honorários Psicológicos Unafisco Saúde 2011 APRESENTAÇÃO O UNAFISCO SAÚDE é o Plano de Assistência à Saúde do SINDIFISCO

Leia mais

DIVISÃO DE RECURSOS HUMANOS (DRH)

DIVISÃO DE RECURSOS HUMANOS (DRH) MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO DIVISÃO DE RECURSOS HUMANOS (DRH) A Divisão de Recursos Humanos (DRH) e suas Seções são responsáveis pelas demandas referentes

Leia mais

MAGAZINE LUIZA S.A. CNPJ/MF N.º 47.960.950/0001-21 NIRE 35.300.104.811 Capital Aberto

MAGAZINE LUIZA S.A. CNPJ/MF N.º 47.960.950/0001-21 NIRE 35.300.104.811 Capital Aberto MAGAZINE LUIZA S.A. CNPJ/MF N.º 47.960.950/0001-21 NIRE 35.300.104.811 Capital Aberto ATA DA REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 4 DE OUTUBRO DE 2012 1. DATA, HORA E LOCAL:

Leia mais

CALHETA D ESPERANÇAS

CALHETA D ESPERANÇAS CÂMARA MUNICIPAL DA CALHETA MADEIRA REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO À FAMILIA E INCENTIVO À NATALIDADE CALHETA D ESPERANÇAS Página 1 de 5 Nota Justificativa Considerando a crescente intervenção deste Município

Leia mais

MANUAL HAE - WEB MANUAL WEB HAE

MANUAL HAE - WEB MANUAL WEB HAE MANUAL HAE - WEB MANUAL WEB HAE PROJETO HAE - WEB www.cpscetec.com.br/hae *NÃO DEVERÃO ser lançados os projetos de Coordenação de Curso, Responsável por Laboratório, Coordenação de Projetos Responsável

Leia mais

Senado Federal Subsecretaria de Informações DECRETO Nº 2.794, DE 1º DE OUTUBRO DE 1998

Senado Federal Subsecretaria de Informações DECRETO Nº 2.794, DE 1º DE OUTUBRO DE 1998 Senado Federal Subsecretaria de Informações DECRETO Nº 2.794, DE 1º DE OUTUBRO DE 1998 Institui a Política Nacional de Capacitação dos Servidores para a Administração Pública Federal direta, autárquica

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE ITIQUIRA

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE ITIQUIRA Decreto nº 041, DE 8 DE AGOSTO DE 2013. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DA JUNTA MÉDICA OFICIAL DO MUNICÍPIO DE ITIQUIRA, ESTABELECE REGRAMENTOS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Prefeito Municipal de Itiquira, Estado

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA PARA O PROGRAMA JOVEM APRENDIZ

EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA PARA O PROGRAMA JOVEM APRENDIZ EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA PARA O PROGRAMA JOVEM APRENDIZ Dispõe sobre a Seleção Pública Simplificada para o cargo de educadores sociais e Ofícineiro de teatro visando atuação no Programa Jovem

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR PREÂMBULO A Lei n.º 75/2013, de 12 de Setembro, diploma que estabelece, entre outros, o regime jurídico das autarquias locais, veio atribuir, no

Leia mais

PROGRAMA DE INTERCÂMBIO INTERNACIONAL PARA GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE DE AVEIRO-PORTUGAL - UA REITORIA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA EDITAL Nº 01/2013

PROGRAMA DE INTERCÂMBIO INTERNACIONAL PARA GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE DE AVEIRO-PORTUGAL - UA REITORIA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA EDITAL Nº 01/2013 PROGRAMA DE INTERCÂMBIO INTERNACIONAL PARA GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE DE AVEIRO-PORTUGAL - UA REITORIA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA EDITAL Nº 01/2013 O Reitor do Centro Universitário UNA, Prof. Átila Simões

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO Página 1 de 10 PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO ORDEM DE SERVIÇO nº 01/2016-PROGRAD DATA: 4 de janeiro de 2016 SÚMULA: Determina a normatização do processo de matrícula on-line no ano letivo de 2016, para acadêmicos

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº. 119 DE 03 DE DEZEMBRO DE 2010.

LEI COMPLEMENTAR Nº. 119 DE 03 DE DEZEMBRO DE 2010. LEI COMPLEMENTAR Nº. 119 DE 03 DE DEZEMBRO DE 2010. Estabelece e regulamenta a atribuição de adicionais e a concessão de gratificações gerais aos servidores públicos da Administração Direta, Autárquica

Leia mais

EDITAL N o /2011. EDITAL DE INSCRIÇÃO, SELEÇÃO E MATRÍCULA NO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DA BIOLOGIA (Modalidade a Distância)

EDITAL N o /2011. EDITAL DE INSCRIÇÃO, SELEÇÃO E MATRÍCULA NO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DA BIOLOGIA (Modalidade a Distância) EDITAL N o /2011 EDITAL DE INSCRIÇÃO, SELEÇÃO E MATRÍCULA NO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DA BIOLOGIA (Modalidade a Distância) 1. INFORMAÇÕES GERAIS A Direção do Instituto de Ciências Biológicas ICB,

Leia mais

CÂMARA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EFLCH - UNIFESP REGULAMENTO

CÂMARA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EFLCH - UNIFESP REGULAMENTO Regulamento aprovado pelo Conselho de Pós- Graduação e Pesquisa da UNIFESP (24 de junho de 2015) e pela Congregação da EFLCH (06 de agosto de 2015). CÂMARA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EFLCH - UNIFESP REGULAMENTO

Leia mais

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA VOLUNTÁRIO PIC DIREITO/UniCEUB EDITAL DE 2016

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA VOLUNTÁRIO PIC DIREITO/UniCEUB EDITAL DE 2016 PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA VOLUNTÁRIO PIC DIREITO/UniCEUB EDITAL DE 2016 O reitor do Centro Universitário de Brasília UniCEUB, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, torna público que

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE SGPTI HOSPITAL UNIVERSITÁRIO EDITAL Nº. 01, DE 20 DE JUNHO DE 2016

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE SGPTI HOSPITAL UNIVERSITÁRIO EDITAL Nº. 01, DE 20 DE JUNHO DE 2016 EDITAL Nº. 01, DE 20 DE JUNHO DE 2016 PROCESSO SELETIVO O Setor de Gestão de Processos e Tecnologia da Informação (SGPTI) do Hospital Universitário da Universidade Federal de Sergipe comunica que estarão

Leia mais

Instrução Normativa do Programa de Pós-Graduação em Administração: Mestrado Profissional

Instrução Normativa do Programa de Pós-Graduação em Administração: Mestrado Profissional Instrução Normativa do Programa de Pós-Graduação em Administração: Mestrado Profissional Instrução Normativa PPGA nº 05 de 05/04/2016 Aprova as Normas para Apresentação da Dissertação do Programa de Pós-graduação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS EDITAL 02/2016 - SUGEP

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS EDITAL 02/2016 - SUGEP MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS EDITAL 02/2016 - SUGEP A Superintendência de Gestão e Desenvolvimento de Pessoas

Leia mais

Parágrafo único. A presente seleção é aberta a candidatos brasileiros e estrangeiros.

Parágrafo único. A presente seleção é aberta a candidatos brasileiros e estrangeiros. EDITAL PPGQ Nº 001/2016 ABRE INSCRIÇÃO, FIXA DATA, HORÁRIO E CRITÉRIOS PARA SELEÇÃO DE ESTUDANTES PARA INGRESSAR NO CURSO DE MESTRADO ACADÊMICO EM QUÍMICA APLICADA DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA Nº 973/2010. (publicada no DOAL nº 9757, de 14 de maio de 2010) Dispõe sobre a concessão e pagamento

Leia mais

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS DOCENTES DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA. Artigo 1.º Âmbito de aplicação

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS DOCENTES DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA. Artigo 1.º Âmbito de aplicação REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS DOCENTES DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA (Ao abrigo do artigo 41.º do Estatuto da Carreira Docente da Universidade Católica Portuguesa)

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECOLÓGICA DA BAHIA COORDENAÇÃO TÉCNICA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECOLÓGICA DA BAHIA COORDENAÇÃO TÉCNICA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECOLÓGICA DA BAHIA COORDENAÇÃO TÉCNICA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA NORMAS COMPLEMENTARES PARA CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DO CEFET-BA Normas adicionais

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS EDITAL DE INCENTIVO À CAPACITAÇÃO EM LÍNGUAS ESTRANGEIRAS DESTINADO AOS SERVIDORES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO

Leia mais

TERMO DE ADESÃO E RESPONSABILIDADE:

TERMO DE ADESÃO E RESPONSABILIDADE: TERMO DE ADESÃO E RESPONSABILIDADE: A ASSOCIAÇÃO DOS ACADÊMICOS DE ESPIGÃO DO OESTE, associação privada, inscrita no CNPJ sob o n.º 05.383.191/0001-31, com sede social à Av. Sete de Setembro, n.º 2743,

Leia mais

Ato Normativo nº 556/2008-PGJ, de 15/10/2008 (Pt. n 125.501/08)

Ato Normativo nº 556/2008-PGJ, de 15/10/2008 (Pt. n 125.501/08) Ato Normativo nº 556/2008-PGJ, de 15/10/2008 (Pt. n 125.501/08) Dispõe sobre a organização e as atribuições da Assessoria Policial Militar no Ministério Público do Estado de São Paulo O PROCURADOR-GERAL

Leia mais