FORMAÇÃO INTERPRETAÇÃO ESTATÍSTICA DE PUBLICAÇÕES CIENTÍFICAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FORMAÇÃO INTERPRETAÇÃO ESTATÍSTICA DE PUBLICAÇÕES CIENTÍFICAS"

Transcrição

1 INTERPRETAÇÃO ESTATÍSTICA DE PUBLICAÇÕES CIENTÍFICAS Data: 4 de Maio de 2012 Horário: 09H00-18H00 Local: Hotel Riviera, Carcavelos Sala Esmeralda A+B Formadores: Vera Vicente / Pedro Aguiar (EUROTRIALS) Identificar as partes componentes de um artigo científico, assim como, os métodos e técnicas estatísticas e epidemiológicas utilizadas na elaboração de artigos científicos. Interpretar resultados do teste de Qui-Quadrado/exacto de Fisher, teste T/Mann-Whitney e da análise de sobrevivência de Kapnal-Meier/teste log-rank e interpretar algumas medidas de associação/efeito. Apresentar resultados através de gráficos e tabelas. Médicos, Farmacêuticos ou Administradores, gestores da saúde ou responsáveis do marketing com noções básicas de farmacoeconomia, que se confrontam com dados/estudos farmacoeconómicos na sua actividade profissional diária, e necessitam de aprofundar os seus conhecimentos para poder interpretar e utilizar este tipo de informação. 3. Conteúdo programático Módulo I: Introdução à Metodologia de Investigação e Conceitos elementares de estatística Estrutura de um trabalho de investigação, tipos de estudos e hipóteses de investigação, objectivos e endpoints. Medidas estatísticas utilizadas na comparação de tratamentos: médias, medianas, percentagens, taxas de eficácia e taxas de incidência cumulativa, erros padrão e intervalos de confiança. Módulo II: Interpretação de resultados de análise estatística aplicada a comparação de tratamentos em estudos clínicos Interpretação da aplicação dos testes do Qui-Quadrado e teste exacto de Fisher, teste T- Student e teste Mann-Whitney Interpretação do valor p, intervalo de confiança nos testes de hipóteses e medidas de associação/efeito; Diferença Absoluta, Risco Relativo e Benefício Relativo, Excesso e

2 Redução Relativa de Risco, Número Necessário Tratar, Número Necessário Lesar, Odds Ratio. Interpretação do intervalo de confiança para a diferença absoluta no ensaio de não inferioridade versus ensaio de superioridade. Módulo III: Introdução à análise estatística aplicada à comparação de tratamentos em estudos de sobrevivência Interpretação da análise de sobrevivência de Kaplan-Meier e do teste log-rank aplicado à comparação de curvas de sobrevivência. A todos os Participantes será entregue um certificado de presença

3 GESTÃO FINANCEIRA PARA NÃO FINANCEIROS Datas: 7 e 8 de Maio de 2012 Horário: 09H00-18H00 Local: Hotel Riviera, Carcavelos Sala Safira B Formador: Rute Silva (TUV Akademie Rheinland) Dotar os formandos de competência no âmbito da gestão financeira. Todos os profissionais que, não sendo financeiros, tenham responsabilidades ao nível da coordenação, gestão e direcção de departamentos, cujas decisões financeiras têm implicações não só ao nível do Departamento, como no negócio e na estratégia global da Empresa em que o departamento está inserido. 3. Conteúdo programático Conceitos fundamentais Compreender os fundamentos do diagnóstico financeiro Passar da Contabilidade Geral para o plano financeiro Preparação de elementos para análise Calcular e interpretar rácios Interpretar orçamentos Avaliar o risco e tomar decisões Análise de Investimento A todos os Participantes será entregue um certificado de presença

4 ESTRATÉGIAS E TÁTICAS DE NEGOCIAÇÃO - NÍVEL 1 Data: 21 a 23 de Maio de 2012 Horário: 09H00-17H00 Local: Hotel Riviera, Carcavelos Sala Esmeralda A+B Formadores: Eduardo Simões (CEGOC) Usar um método de preparação das negociações mais complexas. Diagnosticar a natureza de cada situação negocial específica e optar pela estratégia mais adequada. Saber distinguir posições e interesses nas propostas do oponente. Usar as técnicas de controlo do diálogo para obter e compartilhar informação útil. Fazer uso do poder negocial e gerir a componente tética da negociação. Construir e organizar a argumentação de apoio às propostas. Reforçar as estratégias de influência pessoal na negociação. Fazer uso das técnicas e métodos de apoio ao fecho na negociação. Dirigentes e quadros directivos e outros profissionais envolvidos em processos de negociação a nível interno ou externo. 3. Conteúdo programático As competências do negociador profissional 3 Níveis de competências do negociador: o Estratégias; Comunicação; Tácticas. Estabelecer estratégias e preparar a negociação Estratégia integrativa ou distributiva: como escolher, com que objectivo, para obter que resultado. Quando e como é possível a negociação integrativa: estratégias de criação de valor. Das posições à busca dos interesses mútuos: vias para criar um clima de cooperação. Um ponto-chave para o êxito de uma negociação: a fase de preparação. Objectivos, limites, níveis de exigência: Como preparar ou fazer preparar a sua negociação. Nível de exigência inicial: avaliação e utilização. A elaboração do binómio argumento / exigência inicial: saber como manejar estas variáveis.

5 Um instrumento concreto e indispensável: a matriz de objectivos. Criar um clima de confiança e controlar a partilha de informação A prática da escuta activa em negociação: procedimentos e técnicas. Obter informação sobre critérios e interesses da outra parte: saber utilizar as perguntas e controlar o diálogo. Decidir que informação partilhar com o seu interlocutor: informação privada e informação comum. Reforçar o seu poder de influência A argumentação: os métodos clássicos de argumentação, suas vantagens e limites. Os momentos chave para argumentar. Os pontos que necessitam de uma argumentação particular. A construção de um argumento e de um argumentário. Técnicas de reforço da persuasão na argumentação. O uso do poder na negociação Analisar os envolvimentos e relações de força: como utilizar um dos instrumentos mais poderosos para se posicionar numa negociação. A Matriz de Recursos. Descodificar a linguagem poder na negociação: os seis cursores do poder. Poder expresso, poder real, poder percebido: avaliar a relação de forças para o poder controlar. Concluir acordos rentáveis Para cada concessão uma contrapartida: saber defini-la e como apresentá-la. Saber orientar as exigências dos interlocutores para concessões menos importantes. Fazer as escolhas adequadas e adaptá-las ao processo de negociação: negociar em bloco ou ponto por ponto. As técnicas de pré-conclusão. Três casos particularmente difíceis: negociar com um não decisor, possuir um nível de delegação limitado, delegar uma negociação. Desbloquear impasses: quando e como propor um acordo contingencial. Controlar as tácticas de negociação Manter o controlo: saber utilizar as tácticas de sedução e as tácticas de pressão. Ameaça, urgência, bluff, efeito Columbo, etc.: identificar as principais armadilhas para as desmontar. Características pessoais e resistência a tácticas. É pegar ou largar : Como proceder para evitar os ultimatos e sair de situações de impasse. Aliado táctico por excelência: o tempo. Saber utilizá-lo e geri-lo. A todos os Participantes será entregue um certificado de presença

6 PNL NA NEGOCIAÇÃO DA BOA COBRANÇA Data: 30 e 31 de Maio de 2012 Horário: 09H00-18H00 Local: Hotel Riviera, Carcavelos Sala Esmeralda A+B Formadores: Adelina Rodrigues (LET S TALK GROUP) Com o aumento do Crédito Vencido surge a necessidade de dotar, desenvolver e actualizar as equipas com habilidades, competências e conhecimentos que lhes permita acelerar o processo de reconhecimento de créditos, diminuindo o risco de incobrável e o recurso à via judicial. Uma abordagem da boa cobrança através de um foco Comportamental e nas Habilidade na Gestão da Relação com o Cliente, visa não só a recuperação de valores como a fidelização de clientes pensando em simultâneo na componente Responsabilidade Social. Investir em conhecimento rende sempre os melhores juros. Benjamim Franklin No final do curso os participantes deverão ser capazes de: o o o o Avaliar a importância e o impacto do crédito vencido nos resultados da empresa e na componente Responsabilidade Social. Ter desenvolvido conhecimentos comportamentais e habilidade na gestão da relação com o cliente, visando não só a recuperação de valores como também a sua responsabilização, satisfação e fidelização. Articular os diferentes meios de comunicação para alcançar uma maior eficácia na Cobrança. Saber fazer uma correcta leitura do comportamento do cliente de modo a perceber a sua posição face ao crédito vencido. Este curso destina-se a Responsáveis Financeiros e de Contencioso; Gestores de conta e de cobranças; Responsáveis Administrativos e Financeiros; colaboradores da área de cobranças e/ou de facturação; Comerciais de todos os profissionais que tenham as cobranças a cargo.

7 3. Conteúdo Programático Princípios básicos da PNL Principais dificuldades do recuperador de crédito Conhecer o alvo: o perfil e histórico do cliente; Escolher o tipo de abordagem em função do cliente Gestão na mudança de atitudes face ao crédito vencido vs motivações subjacentes ao crédito vencido As diferentes fases da recuperação de um crédito vencido contacto do recuperador de crédito com o cliente: telefónico e presencial Abordagem inicial; Qualidade da comunicação; Tipos de linguagem; A escuta; Técnicas Comunicacionais; As perguntas: técnicas de abordagem e de controlo do diálogo; Postura comportamental; Compreender a linguagem, a comunicação e os comportamentos. Rapport criar e manter um bom relacionamento com o cliente Rapport básico; Espelhagem; Calibração; Verbal e Não Verbal; Abordagem inicial. Técnicas de persuasão e influência para melhor cobrar, recuperar e negociar Motivação e auto-motivação na recuperação de crédito Predisposição para a negociação Gestão eficaz das Emoções; Emoção e Razão na Negociação; Abordagem ao Síndrome de Estocolmo. O Posicionamento na negociação Gestão de Objectivos; Definição de banda negocial; Foco na Negociação Win-win. O Plano de regularização e seguimento de compromissos Diferentes soluções e seu impacto; Pagamento por inteiro e fraccionado; Promessas de pagamento e follow-up; Acompanhamento da Cobrança.

8 A todos os Participantes será entregue um certificado de presença

9 GESTÃO DO TEMPO EQUILIBRAR A CARREIRA PROFISSIONAL COM A VIDA PESSOAL Data: 4 e 5 de Junho de 2012 Horário: 09H00-17H00 Local: Hotel Riviera, Carcavelos Sala Esmeralda A+B Formadores: Fátima Gonçalves (CEGOC) É essencial, prioritário ou urgente? Como ganhar controlo sobre o seu tempo? Como tornar o seu trabalho mais agradável e eficiente? Como encontrar um equilíbrio produtivo entre os diferentes tempos na sua vida? Performance Global Controlar o seu tempo em vez de deixar o tempo controlá-lo a si Trabalhar de forma mais confortável e eficiente Gerir a sua carreira sem sacrificar a sua vida pessoal Cooperar com outras pessoas que têm diferentes percepções do tempo (diferentes funções, países, faixas etárias, níveis académicos, etc.) Distância Dar um passo atrás e olhar para o panorama global Coerência A linha entre a rapidez e a pressa Relevância A diferença entre o essencial, as prioridades e as situações urgentes

10 O método ART: redescobrir a gestão do tempo através da aprendizagem-acção A para Acção R para Reflexão T para Transferência Para o participante: Controlar o seu tempo e traçar uma estratégia para o organizar. Ganhos de eficiência no trabalho e uma melhor qualidade de vida. Desfrutar da vida de forma mais confortável, descontraída e sem stress. Encontrar um equilíbrio saudável entre a vida profissional e pessoal. Para a empresa: Melhor gestão do tempo das pessoas. Melhoria do seu grau de eficiência e maior controlo sobre o tempo e os níveis de stress. Equipas de gestores proactivos. Produtividade, antecipação e diminuição dos riscos. Maior eficiência colectiva, desenvolvimento de competências transversais e organizações mais ágeis. Lideres, gestores intermédios e gestores de projecto, ou qualquer pessoa com autonomia para organizar as suas actividades. Profissionais que têm de trabalhar com pessoas de outros países/em empresas internacionais. 3. Conteúdo programático Gerir o seu tempo de forma estratégica Escolher os momentos certos. Alinhar as variáveis do tempo para encontrar os momentos certos. As vantagens ocultas de uma má gestão do tempo e como se libertar delas. Ser Proactivo Focalizar-se no essencial e hierarquizar as prioridades. Optimizar o rácio resultado/esforço para aumentar a eficácia. Passar de uma atitude reactiva para uma atitude proactiva. Manter-se focalizado, mesmo perante condições adversas. Manter um equilíbrio saudável entre a vida profissional e pessoal.

11 Trabalhar eficazmente num ambiente multicultural As 4 ferramentas para compreender a sua forma de lidar com o tempo. Cooperar com diferentes percepções pessoais e concepções culturais do tempo: compreender e ajustar-se a outras formas de lidar com o tempo sem negligenciar a sua. Integrar as diferenças de geração. Trabalhar eficazmente à distância. Utilizar ferramentas de comunicação e informação modernas para melhorar a organização a antecipação Estar atento aos perigos de uma atitude reactiva de modo a evitá-los. Métodos para ser mais organizado num universo que muda rapidamente. A todos os Participantes será entregue um certificado de presença.

12 INVESTIGAÇÃO CLINICA: DA IDEIA ATÉ AO MERCADO Data: 12 Junho de 2012 Horário: 09H00-18H00 Local: Hotel Riviera, Carcavelos Sala (a confirmar) Formadores: Ana Filipa Bernardo (EUROTRIALS); Luís Almeida (Universidade de Aveiro) Identificar as fases de desenvolvimento de um produto Identificar a estrutura de avaliação de uma oportunidade Saber apresentar uma ideia Administração hospitalar, directores clínicos, investigadores clínicos, farmacêuticos, ou outros profissionais da área da saúde ou de ciências que trabalhem em investigação clínica ou, que pretendam investir nessa área de actividade. 3. Conteúdo programático Módulo I: Plano de desenvolvimento de um produto Plano de desenvolvimento de um produto breve introdução o Medicamento o Dispositivo médico Plano de desenvolvimento pré-clínico estudos e objectivos Plano de desenvolvimento clínico estudos e objectivos First in Man Módulo II: Plano de Negócio/Projecto Scientific and Market Due Diligence Plano de negócio/projecto Transferência de tecnologia. Módulo III: Apresentar uma Ideia Proposta de valor de ideia Elevator-pitch: tópicos

13 Módulo IV: Workshop Construção de elevator-pitch A todos os Participantes será entregue um certificado de presença

14 LIDERAR COM INTELIGÊNCIA EMOCIONAL Datas: 18 e 19 de Junho de 2012 (1ª edição) Horário: 09H00-18H00 Local: Hotel Riviera, Carcavelos Sala Esmeralda A+B Formador: Ana Filipa Gameiro (LET S TALK GROUP) No final deste curso os participantes sabe: o Dominar os conceitos Inteligência, Emoção, Razão e Pensamento; o Distinguir Emoções Pro-activas e Reactivas; o Gerir com mais facilidade os processos de Mudança; o Identificar competências do Líder Eficaz; o Partilhar e manter as relações positivas. Este curso destina-se a todos os profissionais em funções de Chefia e enquadramento que queiram liderar as suas equipas tendo por base os princípios da Inteligência Emocional, nomeadamente, Quadros Dirigentes e Responsáveis pela Coordenação de Equipas e Grupos de Trabalho, Gestores, Profissionais de T.I s, Consultores, etc. 3. Conteúdo programático Inteligência, Emoção e Razão Inteligência vs Inteligências; Conceitos de Inteligência; Quociente Intelectual (QI) ou Quociente Emocional (QE); Emoção, Razão e Pensamento; As Emoções Proactivas; Inteligência e Sucesso Pessoal e profissional. O funcionamento cerebral e o domínio de si próprio Hemisférios Cerebrais: Seu funcionamento; Percepção e valorização dos sentimentos essenciais. O processo de mudança das pessoas e das equipas

15 Ansiedade e Medos; Gestão da Frustração e Auto-Afirmação; O Relacionamento da Confiança; A clarificação das decisões. Gestão e Inteligência Emocional Competências e Traços do Líder eficaz; A partilha e a manutenção das relações positivas; O Desenvolvimento da interacção e da entreajuda; O aprender a ouvir e a criar empatia; A Gestão da Comunicação e dos conflitos. Simulações e casos práticos Fecho da acção e avaliação reactiva da formação A todos os Participantes será entregue um certificado de presença

16 TREINAR A RESILÊNCIA PARA ENFRENTAR MOMENTOS DIFÍCEIS Data: 20 de Junho de 2012 Horário: 09H00-18H00 Local: Hotel Riviera, Carcavelos Sala Esmeralda A+B Formadores: João Aragão e Pina (ASTON Portugal) Aprofundar técnicas para desenvolver uma atitude resiliente no combate à adversidade. Objectivos específicos No final da sessão os participantes deverão estar aptos a: o Reconhecer a importância do bem-estar e da resiliência o Analisar a mudança de forma positiva o Definir planos de acção para aprender com a adversidade, com as ameaças e com as pressões Todas as pessoas que necessitem de desenvolver a capacidade de resistência à frustração para combater a adversidade e serem agentes de mudança 3. Conteúdo programático A importância do bem-estar e da resiliência em contextos organizacionais A química dos pensamentos negativos e dos positivos A mudança Planos de combate à adversidade, ameaças e pressões O líder resiliente A todos os Participantes será entregue um certificado de presença. ASTON Portugal está acreditada pela DGERT.

17 RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS 8D Data: 21 e 22 de Junho de 2012 Horário: 09H00-18H00 Local: Hotel Riviera, Carcavelos Sala Esmeralda A+B Formadores: Diogo Baptista (PROFITABILITY) Transmitir a metodologia estruturada de resolução de problemas em 8 passos Abordar problemas de forma sistemática e estruturada e compreender os passos necessários para corrigir e evitar problemas Resolver o problema real previamente seleccionado com apresentação de resultados pelos participantes Directores, Engenharia, Supervisores da Produção, Chefes de Equipa, Controladores da Qualidade, Engenharia da Qualidade, Processo e Produto 3. Conteúdo programático Introdução à resolução de problemas Reuniões eficazes Utilização dos formatos A3 de resolução de problemas e de reporting Formação da equipa Descrição do prolema Definição e verificação de causas-raíz Implementação e verificação de acções temporárias de contenção Selecção e verificação de acções correctivas permanentes Verificação da eficácia Prevenção da reocorrência Felicitação da equipa Documentação de suporte à metodologias de resolução de problemas A todos os Participantes será entregue um certificado de presença

18 5. Pré-Requisitos /Observações importantes É aconselhável que os participantes tenham um sólido conhecimento das 7 ferramentas básicas da qualidade O problema a ser tratado durante o workshop deverá ter sido previamente seleccionado e preparado em conjunto com os responsáveis relevantes.

19 O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO O que muda na forma de escrever português Data: 4 e 5 de Julho de 2012 Horário: 1º dia - 09H00-17H00 /2º dia - 09H00-13H00 Local: Hotel Riviera, Carcavelos Sala Esmeralda A+B Formadores: Ana Paula Amaral (CEGOC) Identificar os objectivos subjacentes ao Acordo Ortográfico; Conhecer a forma e substância do Novo Acordo; Analisar as principais mudanças a introduzir n agrafia do Português. Quadros com responsabilidades de comunicação oral e escrita 3. Conteúdo Programático Conhecer a forma e substância do Novo Acordo Objectivos do Novo Acordo; Unificação ortográfica e as alterações de forma (ou estrutura) e de conteúdo. Analisar as alterações nos grupos consonânticos Conservação ou supressão das consonantes em certas sequências consonânticas; Justificação da supressão de algumas consoantes; Incongruências aparentes; Consoantes mudas ou não articuladas e casos da dupla grafia; Homofonia de certos grafemas consonânticos. Distinções gráficas. Compreender o novo sistema de acentuação gráfica Casos de acentuação das palavras e formas verbais; Casos de acentuação das vogais tónicas/tónicas; Uso do acento circunflexo: casos facultativos e de obrigatoriedade; Emprego do acento grave; Casos de dupla acentuação; Razões da manutenção dos acentos gráficos em determinadas palavras e supressão dos acentos em palavras derivadas.

20 Regras de emprego do hífen O hífen nas palavras compostas, locuções e encadeamentos vocabulares; O hífen nas formações por prefixação, recomposição e sufixação; Casos em que o hífen deixa de ser utilizado. Emprego do apóstrofo Casos de emprego do apóstrofo e casos em que não se usa o apóstrofo. Utilizar maiúsculas e minúsculas Disposições sobre os udos das letras minúsculas em início da palavra. Conhecer outras alterações de conteúdo Inclusão das letras k, w e y casos especiais de utilização; Divisão silábica: preconceitos particulares a observar. A todos os Participantes será entregue um certificado de presença.

21 AUDITORIA A SISTEMAS DE QUALIDADE Data: 9 e 10 de Julho de 2012 Horário: 09H00-18H00 Local: Hotel Riviera, Carcavelos Sala (a confirmar) Formadores: Ana Carreira (TUV Akademie Rheinland) Capacitar os formandos para a realização e condução de Auditorias a Sistemas de Gestão da Qualidade Quadros Médios e Superiores, Chefias Intermédias 3. Conteúdo programático Introdução Referenciais de auditoria Aspectos técnicos de uma auditoria Aspectos comportamentais de uma auditoria Preparação da auditoria Realização da autorização & reportar constatações Actividades pós-auditoria Revisão A todos os Participantes será entregue um certificado de presença

22 LEAN SIX SIGMA APLICADO AO SUPPLY CHAIN Data: 1 e 2 de Outubro de 2012 Horário: 09H00-18H00 Local: Hotel Riviera, Carcavelos Sala Rubi Formadores: Diogo Baptista (PROFITABILITY) Consolidar os conceitos do Lean e do Six Sigma Aprender como identificar e eliminar as várias formas de desperdícios, para criar fluxo no processo e reduzir tempos de resposta Compreender conceitos estatísticos para medir e reduzir a variação dos processos Aplicar um modelo para realizar de forma sistemática a melhoria dos processos na organização Directores, Chefias intermédias, quadros técnicos de todas as áreas departamentais. 3. Conteúdo programático Conceitos do Lean Mudanças nos negócios e mudanças culturais requeridas para adoptar o Lean Adaptação do Plano de Negócios aos objectivos Lean O quê / Porquê Six Sigma Desdobramento e implementação do Lean Six Sigma A integração Lean e Sig Sigma Técnicas para a identificação e eliminação dos vários tipos de desperdícios Conceitos avançados do Six Sigma Análise da variação e impacto no processo Ferramentas e técnicas Lean para a melhoria dos processos O papel da estatística na melhoria dos processos Value Stream Mapping (Análise da Cadeia de Valor) Conhecimento do fluxo de valor do processo: informação e materiais Segredos para uma implementação eficaz

23 A todos os Participantes será entregue um certificado de presença 5. Pré-Requisitos /Observações importantes Este workshop requer uma actividade prévia de preparação com os responsáveis É fundamental que os participantes estejam empenhados no conhecimento e aplicação dos conceitos Lean, bem como a metodologia Six Sigma para aperfeiçoar os processos e consequentemente melhorar a produtividade

24 INVESTIGAÇÃO OBSERVACIONAL ESTUDOS PÓS-COMERCIALIZAÇÃO Data: 10 de Outubro de 2012 Horário: 09H00-18H00 Local: Hotel Riviera, Carcavelos Sala Rubi Formadores: Maria João Salgado / Filipa Bernardo (EUROTRIALS) Dar a conhecer as novas tendências internacionais relativas à Investigação Observacional ligada à mudança de paradigma da Investigação Clínica. Identificar os diferentes tipos de estudos pós-comercialização e os seus diferentes objectivos. Fornecer os conhecimentos necessários relativamente ao delineamento, enquadramento regulamentar e operacionalização de estudos Pós-Comercialização. Medical Affairs, Marketing personnel 3. Conteúdo programático Módulo I Introdução à Investigação Observacional A mudança do paradigma na Investigação Clínica e sua repercussão na Investigação Observacional Enquadramento e tendências da Investigação Observacional Módulo II Delineamento de Estudos Observacionais A escolha do desenho que melhor traduz os objectivos traçados Vantagens e limitações dos desenhos adoptados Estudos de Pós-comercialização: Diferentes tipos de estudos para diferentes objectivos Módulo III Enquadramento regulamentar Portugal (CNPD, CES/AH, ARS) Processos de submissão regulamentar: Principais desafios Métodos para a Implementação no terreno e ferramentas de recolha de dados

25 Módulo IV Iniciativas Europeias para a Promoção da Investigação Farmacoepidemiológica ENCeeP (European Network os Centres for Pharmacoepidemiologic and Pharmacovigilance) A todos os Participantes será entregue um certificado de presença

26 FARMACOECONOMIA: MODELOS DE AVALIAÇÃO ECONÓMICA Data: 15 e 16 de Outubro de 2012 Horário: 09H00-18H00 Local: Hotel Riveira, Carcavelos Sala Safira B Formadores: Francisco Rocha Gonçalves / Catarina Silva (EUROTRIALS) Oradores convidados: ( a confirmar) Conhecer as principais técnicas de análise em Farmacoeconomia; estabelecer as linhas principais para o desenho de um estudo fármaco-económico; determinar as fontes de informação mais adequadas e a sua utilização na realização de um estudo fármacoeconómico; analisar, interpretar e validar a qualidade de um estudo fármaco-económico; conhecer os diferentes tipos de modelos e análises estatísticas mais frequentemente utilizadas em Farmacoeconomia; comparar diferentes alternativas na base dos seus custos e consequências. Médicos, Farmacêuticos ou Administradores, gestores da saúde ou responsáveis do marketing com noções básicas de farmacoeconomia, que se confrontam com dados/estudos farmacoeconómicos na sua actividade profissional diária, e necessitam de aprofundar os seus conhecimentos para poder interpretar e utilizar este tipo de informação. 3. Conteúdo Programático Módulo I: Técnicas de análise e tomada de decisão Custo-efectividade, custo-utilidade, custo-benefício; Plano de custo-efectividade, Dominância, Rácio Incremental de Custo-efectividade; League tables, limiares de aceitabilidade, curva de aceitabilidade; Exercícios: comparação entre dois ou vários programas de saúde, estratégias de tratamento, escolha em situação de orçamento limitado. Módulo II: Medição de resultados Efectividade versus eficácia; Dos resultados clínicos à avaliação económica;

27 Medição da qualidade de vida; Medição de preferências: escala visual analógica, time trade-off, standard gamble; Medição de utilidades: EQ-5D, HUI2, HUI3; Cálculo dos QALYs; Fontes de dados, pesquisa bibliográfica; Exercícios: cálculo de utilidades e dos QALYs. Módulo III: Medição de custos Custos directos e indirectos; Como montar um painel de peritos; Fontes de dados: Legislação, relatórios do SNS, pesquisa bibliográfica e recolha de dados; Actualização de custos; Exemplos aplicados ao caso português; Exercícios: medição e valorização de recursos, actualização. Módulo IV: Modelos Árvores de decisão e modelos de Markov: teoria e aplicações; Análise de sensibilidade univariada e probabilística, simulações (Monte-Carlo); Exercícios: casos práticos (a resolver por computador). Módulo V: Seminário Análise crítica de dois artigos de avaliação económica publicados em revistas internacionais de renome. Os participantes deverão analisar os artigos em profundidade, com ênfase particular na metodologia e nos dados de custos e consequências, utilizando uma série de critérios de qualidade do tipo das orientações do INFARMED. O trabalho será primeiro realizado pelos participantes, em grupo, e logo resolvidos e discutidos em conjunto com o apoio dos formadores. Mesa Redonda: Serão convidados 1 moderador e 2 oradores da Indústria Farmacêutica (a identificar pela APIFARMA) que irão partilhar as suas experiências / casos de sucesso na área do acesso ao mercado / avaliação de tecnologias da saúde. A mesa redonda terá como objectivo fomentar o debate entre os oradores e os formandos. A todos os Participantes será entregue um certificado de presença

28 LIDERAR COM INTELIGÊNCIA EMOCIONAL Datas: 25 e 26 de Outubro de 2012 (2ª edição) Horário: 09H00-18H00 Local: Hotel Riviera, Carcavelos Sala Esmeralda A+B Formador: Ana Filipa Gameiro (LET S TALK GROUP) No final deste curso os participantes sabe: o Dominar os conceitos Inteligência, Emoção, Razão e Pensamento; o Distinguir Emoções Pro-activas e Reactivas; o Gerir com mais facilidade os processos de Mudança; o Identificar competências do Líder Eficaz; o Partilhar e manter as relações positivas. Este curso destina-se a todos os profissionais em funções de Chefia e enquadramento que queiram liderar as suas equipas tendo por base os princípios da Inteligência Emocional, nomeadamente, Quadros Dirigentes e Responsáveis pela Coordenação de Equipas e Grupos de Trabalho, Gestores, Profissionais de T.I s, Consultores, etc. 3. Conteúdo programático Inteligência, Emoção e Razão Inteligência vs Inteligências; Conceitos de Inteligência; Quociente Intelectual (QI) ou Quociente Emocional (QE); Emoção, Razão e Pensamento; As Emoções Proactivas; Inteligência e Sucesso Pessoal e profissional. O funcionamento cerebral e o domínio de si próprio Hemisférios Cerebrais: Seu funcionamento; Percepção e valorização dos sentimentos essenciais. O processo de mudança das pessoas e das equipas Ansiedade e Medos; Gestão da Frustração e Auto-Afirmação;

29 O Relacionamento da Confiança; A clarificação das decisões. Gestão e Inteligência Emocional Competências e Traços do Líder eficaz; A partilha e a manutenção das relações positivas; O Desenvolvimento da interacção e da entreajuda; O aprender a ouvir e a criar empatia; A Gestão da Comunicação e dos conflitos. Simulações e casos práticos Fecho da acção e avaliação reactiva da formação A todos os Participantes será entregue um certificado de presença

30 MELHORAR A COMUNICAÇÃO ESCRITA Data: 5 e 6 de Novembro de 2012 Horário: 1º dia - 09H00 17H00 / 2º dia 09H00-13H00 Local: Hotel Riviera, Carcavelos Sala Esmeralda A+B Formadores: Alina Oliveira (CEGOC) Identificar os critérios que determinam a eficácia de um texto profissional. Reconhecer e aplicar os indicadores necessários a um controlo de qualidade dos textos. Utilizar o texto profissional como um meio de negociação e influência. Fazer do escrito profissional um meio desencadeador da acção pretendida. Gestores, quadros técnicos e chefias com responsabilidades pela elaboração de relatórios, estudos, propostas, comunicações e outros textos profissionais em geral. 3. Conteúdo programático Analisar a situação, o(s) destinatário(s) e o contexto Ter em conta o(s) interlocutor(es) e as suas características. Identificar o objetivo e a finalidade do texto. Pensar o texto integrado na estratégia e imagem da Organização. O texto como ata de comunicação e influência. Organizar o pensamento Classificar e hierarquizar as suas ideias. Distinguir o essencial do acessório. Colocar em evidência as ideias-chave. Conceber um plano claro e coerente. Estruturar o texto A estrutura e objectividade do texto. As estruturas de argumentação. Situar as especificidades e características dos vários textos produzidos pelos participantes. O . Os textos curtos (carta,nota) Os textos longos (relatórios, artigos, estudos)

Uma Questão de Atitude...

Uma Questão de Atitude... Uma Questão de Atitude... Catálogo de Formação 2014 1 Introdução 3 Soluções de Formação 3 Áreas de Formação 4 Desenvolvimento Pessoal 5 Comercial 12 Secretariado e Trabalho Administrativo 15 Indústrias

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO 2014 WORKSHOPS

PLANO DE FORMAÇÃO 2014 WORKSHOPS CÓDIGO DEONTOLÓGICO: RECENTES ALTERAÇÕES Formadores: 11 de abril de 2014 9h30 13h00 APIFARMA Rua Gregório Lopes, lote 1513 1º, Restelo Pedro Caridade de Freitas Objectivos Promover o desenvolvimento da

Leia mais

As ferramentas e metodologias seleccionadas têm como objectivo apoiar as organizações a adquirir conhecimentos que lhes permitam eliminar os

As ferramentas e metodologias seleccionadas têm como objectivo apoiar as organizações a adquirir conhecimentos que lhes permitam eliminar os Formação Interempresas 2016 11 Formação Interempresas 2016 As ferramentas e metodologias seleccionadas têm como objectivo apoiar as organizações a adquirir conhecimentos que lhes permitam eliminar os desperdícios,

Leia mais

Formação Interempresas 2015 2.º semestre

Formação Interempresas 2015 2.º semestre Formação Interempresas 2015 2.º semestre 1 1 Formação Interempresas 2015 As ferramentas e metodologias seleccionadas têm como objectivo apoiar as organizações a adquirir conhecimentos que lhes permitam

Leia mais

Cegoc Moçambique O MAIOR GRUPO EUROPEU DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL AGORA EM MOÇAMBIQUE. cegoc.co.mz

Cegoc Moçambique O MAIOR GRUPO EUROPEU DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL AGORA EM MOÇAMBIQUE. cegoc.co.mz Cegoc Moçambique Formação e Consultoria em Capital Humano O MAIOR GRUPO EUROPEU DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL AGORA EM MOÇAMBIQUE cegoc.co.mz O maior grupo europeu de formação profissional agora em Moçambique

Leia mais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais conteúdos: Programa de formação avançada centrado nas competências e necessidades dos profissionais. PÁGINA 2 Cinco motivos para prefirir a INOVE RH como o seu parceiro, numa ligação baseada na igualdade

Leia mais

ÁREA COMPORTAMENTAL E DESENVOLVIMENTO PESSOAL

ÁREA COMPORTAMENTAL E DESENVOLVIMENTO PESSOAL ÁREA COMPORTAMENTAL E DESENVOLVIMENTO PESSOAL COMUNICAÇÃO E IMAGEM COMO FACTORES COMPETITIVOS A sua empresa tem problemas ao nível da comunicação interna? Promover a Comunicação assertiva no relacionamento

Leia mais

WORKSHOPS NOVOS DESAFIOS EM FARMACOVIGILÂNCIA

WORKSHOPS NOVOS DESAFIOS EM FARMACOVIGILÂNCIA NOVOS DESAFIOS EM FARMACOVIGILÂNCIA Data: 12 de Abril de 2012 Formadores: Inês Ilharco Ferreira / André Ilharco Ferreira (YABULU) s Dar a conhecer, de forma sumária, os requisitos da nova legislação; Salientar

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO

PROGRAMA DE FORMAÇÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO 1. Identificação do Curso Pós-Graduação em Gestão Estratégica de Recursos Humanos 2. Destinatários Profissionais em exercício de funções na área de especialização do curso ou novos

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DYNAMIC COACHING

CERTIFICAÇÃO DYNAMIC COACHING CERTIFICAÇÃO DYNAMIC COACHING INÍCIO JÁ A 12 DE MARÇO! CONHEÇA O NOSSO PROGRAMA DETALHADO! Público Alvo: Profissionais interessados em desenvolver a actividade de Dynamic Coaching. Inscrições: GO4 Consulting

Leia mais

CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações

CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações Representado por: 1 OBJECTIVOS PEDAGÓGICOS! Adquirir as 11 competências do coach de acordo com o referencial da ICF! Beneficiar

Leia mais

Formação Interempresas 2015

Formação Interempresas 2015 Formação Interempresas 2015 1 1 Formação Interempresas 2015 As ferramentas e metodologias seleccionadas têm como objectivo apoiar as organizações a adquirir conhecimentos que lhes permitam eliminar os

Leia mais

ATENDIMENTO PESSOAL E TELEFÓNICO

ATENDIMENTO PESSOAL E TELEFÓNICO ÁREA COMERCIAL ATENDIMENTO PESSOAL E TELEFÓNICO Como entusiasmar clientes pela forma de atender? Desenvolver competências técnicas e relacionais que potenciem a angariação e satisfação de clientes. Atendimento

Leia mais

Inteligência Emocional. A importância de ser emocionalmente inteligente

Inteligência Emocional. A importância de ser emocionalmente inteligente Inteligência Emocional A importância de ser emocionalmente inteligente Dulce Sabino, 2008 Conceito: Inteligência Emocional Capacidade de identificar os nossos próprios sentimentos e os dos outros, de nos

Leia mais

LEARNING MENTOR. Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219. Perfil do Learning Mentor. Módulos da acção de formação

LEARNING MENTOR. Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219. Perfil do Learning Mentor. Módulos da acção de formação LEARNING MENTOR Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219 Perfil do Learning Mentor Módulos da acção de formação 0. Pré-requisitos para um Learning Mentor 1. O papel e a função que um Learning Mentor

Leia mais

EMOTIONAL BUSINESS ACADEMY PROPOSTA FORMAÇÃO FORÇAS DE SEGURANÇA

EMOTIONAL BUSINESS ACADEMY PROPOSTA FORMAÇÃO FORÇAS DE SEGURANÇA EMOTIONAL BUSINESS ACADEMY PROPOSTA FORMAÇÃO FORÇAS DE SEGURANÇA EMOTIONAL BUSINESS ACADEMY MASTER NEGOCIAÇÃO & VENDAS DURAÇÃO: 8H HORÁRIOS: Laboral e Pós Laboral ESTRUTURA DA PROPOSTA 1. Designação das

Leia mais

Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS

Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS N.º ORIENTAÇÃO PARA RESULTADOS: Capacidade para se focalizar na concretização dos objectivos do serviço e garantir que

Leia mais

OFERTA. Diretores ou Responsáveis da Qualidade, Quadros Médios e Superiores; Responsáveis pela implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade.

OFERTA. Diretores ou Responsáveis da Qualidade, Quadros Médios e Superiores; Responsáveis pela implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade. QUALIDADE Transição para a NP ISO 9001:2015 Diretores ou Responsáveis da Qualidade, Quadros Médios e Superiores; Responsáveis pela implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade. Dar a conhecer as alterações

Leia mais

Relatório de Avaliação. Curso: Liderança para Chefias Intermédias e Jovens Quadros

Relatório de Avaliação. Curso: Liderança para Chefias Intermédias e Jovens Quadros Relatório de Avaliação Curso: Liderança para Chefias Intermédias e Jovens Quadros Praia, 01 de Novembro de 2010 Índice 1. ENQUADRAMENTO 2. OBJECTIVOS DO DOCUMENTO PARTE I - ENQUADRAMENTO DO CURSO E METODOLOGIA

Leia mais

luanda 4ª EDIÇÃO MASTER COURSE - GESTÃO DA FORMAÇÃO LOCAL EPIC SANA LUANDA HOTEL DATAS 14 A 23 JULHO 2014 Mastering People Development

luanda 4ª EDIÇÃO MASTER COURSE - GESTÃO DA FORMAÇÃO LOCAL EPIC SANA LUANDA HOTEL DATAS 14 A 23 JULHO 2014 Mastering People Development luanda www.letstalkgroup.com 4ª EDIÇÃO MASTER COURSE - GESTÃO DA FORMAÇÃO LOCAL EPIC SANA LUANDA HOTEL DATAS 14 A 23 JULHO 2014 Mastering People Development 4ª EDIÇÃO MASTER COURSE Gestão da Formação 14

Leia mais

www.highskills.pt geral@highskills.pt

www.highskills.pt geral@highskills.pt Processos e relações para um Desempenho de Excelência Especial Secretárias Objetivos Gerais Este curso tem como objetivo dotar os participantes de competências, técnicas e instrumentos que lhes permitam

Leia mais

Liderança e Gestão de Equipas

Liderança e Gestão de Equipas Liderança e Gestão de Equipas Procura-se que esta acção seja: prática, que forneça aos participantes soluções facilmente aplicáveis no quotidiano e permitam pilotar com eficácia e optimizar o funcionamento

Leia mais

Prover conhecimento, aprimorar habilidades e inspirar novas atitudes de pessoas ou empresas através de diagnóstico comportamental e da aplicação

Prover conhecimento, aprimorar habilidades e inspirar novas atitudes de pessoas ou empresas através de diagnóstico comportamental e da aplicação Prover conhecimento, aprimorar habilidades e inspirar novas atitudes de pessoas ou empresas através de diagnóstico comportamental e da aplicação contínua de treinamentos e palestras Eduardo Amati em Treinamentos

Leia mais

COMPORTAMENTAL, LIDERANÇA e RECURSOS HUMANOS. Comportamental, Liderança e Recursos Humanos

COMPORTAMENTAL, LIDERANÇA e RECURSOS HUMANOS. Comportamental, Liderança e Recursos Humanos Comportamental, Liderança e Recursos Humanos LIDERANÇA DURAÇÃO 21 horas ENQUADRAMENTO O grande desafio do século XXI consiste em conseguir desenvolver o potencial humano como forma de capacitar as organizações

Leia mais

Tipologia de Intervenção 6.4

Tipologia de Intervenção 6.4 Documento Enquadrador Tipologia de Intervenção 6.4 Qualidade dos Serviços e Organizações Acções de consultoria inseridas no processo que visa conferir uma certificação de qualidade às organizações que

Leia mais

A Nossa Oferta Formativa para a Administração Pública

A Nossa Oferta Formativa para a Administração Pública A Nossa Oferta Formativa para a Administração Pública 2011 DESIGNAÇÃO A inscrição poderá DO CURSO ser efectuada Nº através DE do PREÇO site POR www.significado.pt Para mais informações, por favor contacte

Leia mais

ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting

ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting Contactos: Isabel Fonseca Marketing VP Consulting Telefone: +351 22 605 37 10 Fax: +351 22 600 07 13 Email: info@vpconsulting.pt

Leia mais

APRESENTAÇÃO. www.get-pt.com 1

APRESENTAÇÃO. www.get-pt.com 1 APRESENTAÇÃO www.get-pt.com 1 -2- CULTURA GET -1- A nossa Visão Acreditamos que o elemento crítico para a obtenção de resultados superiores são as Pessoas. A nossa Missão A nossa missão é ajudar a melhorar

Leia mais

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO CATÁLOGO DE FORMAÇÃO . RECRUTAMENTO. OUTPLACEMENT. FORMAÇÃO. CONSULTORIA. ASSESSMENT ÍNDICE 05. Quem somos e Onde Estamos? 06. Formação e Desenvolvimento Pessoal 06. Metodologia 07. Áreas de Formação 07.

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO 3.1.1 PROGRAMA DE FORMAÇÃO-ACÇÃO PARA PME REGULAMENTO DE CANDIDATURA PARA ENTIDADES

Leia mais

CURSO LIDERANÇA E GESTÃO DE EQUIPAS

CURSO LIDERANÇA E GESTÃO DE EQUIPAS CURSO LIDERANÇA E GESTÃO DE EQUIPAS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 03 2. DESENVOLVIMENTO A. Proposta pedagógica B. Investimento C. Condições de participação 03 03 04 04 3. FICHA DE INSCRIÇÃO 05 02 Moneris Academy

Leia mais

ANEXO 7 FORMAÇÃO PROFISSIONAL

ANEXO 7 FORMAÇÃO PROFISSIONAL ANEXO 7 FORMAÇÃO PROFISSIONAL A profissionalização dos membros da Organização, enquanto factor determinante da sua eficácia na prevenção e no combate aos incêndios florestais, requer a criação de um programa

Leia mais

COACHING. Coaching Porquê?

COACHING. Coaching Porquê? QUALITIVIDADE COACHING Coaching é um processo de desenvolvimento de competências Comportamentais e Atitudinais que tem um resultado na realização das metas e estratégias do Cliente e das Organizações,

Leia mais

Áreas de formação. Administrativa Técnicas de secretariado Preparação e condução de reuniões Protocolo empresarial

Áreas de formação. Administrativa Técnicas de secretariado Preparação e condução de reuniões Protocolo empresarial Áreas de formação Desenvolvimento pessoal Liderança e gestão de equipas Motivação Gestão de conflitos Resolução de problemas e tomada de decisão Coaching organizacional Gestão de tempo e do stress Comunicação

Leia mais

Strategic IT Manager +351 21 793 29 89. Gestão de Custos, Orçamentos e KPIs em IT. Como planificar, controlar e rentabilizar os investimentos

Strategic IT Manager +351 21 793 29 89. Gestão de Custos, Orçamentos e KPIs em IT. Como planificar, controlar e rentabilizar os investimentos www.iirangola.com MASTERCLASS IT Gestão de Custos, Orçamentos e KPIs em IT Strategic IT Manager Como planificar, controlar e rentabilizar os investimentos Variáveis no desenho do orçamento: objectivos,

Leia mais

Calendário de Formação Inter-Empresas

Calendário de Formação Inter-Empresas Calendário de Formação Inter-Empresas 1º Semestre 2011 PROFESSIONAL SELLING SKILLS DEMINAR (SEMINÁRIO DE DEMONSTRAÇÃO GRATUITO) Enquadramento Resultados O perfil do Cliente tem vindo a mudar e em consequência

Leia mais

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução:

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução: EDIÇÃO 2011/2012 Introdução: O Programa Formação PME é um programa financiado pelo POPH (Programa Operacional Potencial Humano) tendo a AEP - Associação Empresarial de Portugal, como Organismo Intermédio,

Leia mais

Gestão de Projectos. Área de Management/ Comportamental

Gestão de Projectos. Área de Management/ Comportamental Gestão de Projectos Área de / Comportamental INFORMAÇÕES E INSCRIÇÕES Tel. (+351) 21 314 34 50 Fax. (+351) 21 314 34 49 e-mail. cursos@globalestrategias.pt Web. www.globalestrategias.pt 63 Project Fundamentals

Leia mais

Projecto de Formação MINI MASTER EM GESTÃO PARA EXECUTIVOS

Projecto de Formação MINI MASTER EM GESTÃO PARA EXECUTIVOS Projecto de Formação MINI MASTER EM GESTÃO PARA EXECUTIVOS GRACIOSA Departamento de Formação Profissional CCAH 1º MÓDULO ORGANIZAÇÃO E ESTRATÉGICA DA EMPRESA Público-Alvo Profissionais que desempenhem

Leia mais

BEST WORK PORQUE O MELHOR TRABALHO É SÓ UM. O SEU!

BEST WORK PORQUE O MELHOR TRABALHO É SÓ UM. O SEU! BEST WORK PORQUE O MELHOR TRABALHO É SÓ UM. O SEU! ENQUANTO UNS ESTÃO CONFUSOS, VOCÊ DEMONSTRA CLAREZA ENQUANTO UNS ESTÃO CONSTRANGIDOS, VOCÊ É FLEXÍVEL ENQUANTO UNS VEEM ADVERSIDADE, VOCÊ DESCOBRE OPORTUNIDADES

Leia mais

CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE

CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE Capítulo 7 Balanced Scorecard ÍNDICE 7.1 O que é o Balanced Scorecard 7.2 Indicadores de Ocorrência 7.3 O Método 7.4 Diagramas de Balanced Scorecard Capítulo 7 - BALANCED

Leia mais

A Profitability Engineers

A Profitability Engineers CATÁLOGO DE FORMAÇÃO A Profitability Engineers Em Portugal desde 1999, a ProfitAbility Engineers é uma empresa de consultoria e formação, especializada na melhoria qualidade e da produtividade; Somos

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

SEJAM BEM-VINDOS! GESTÃO DE MUDANÇAS EM 3 ESTRATÉGIAS DE COACHING

SEJAM BEM-VINDOS! GESTÃO DE MUDANÇAS EM 3 ESTRATÉGIAS DE COACHING SEJAM BEM-VINDOS! GESTÃO DE MUDANÇAS EM 3 ESTRATÉGIAS DE COACHING OBJETIVOS DESTE WORKSHOP Experimentar o processo de coaching e aplicar as técnicas em seu cotidiano. ASSUNTOS 1. Por que é difícil mudar?

Leia mais

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO project management - management personal effectiveness

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO project management - management personal effectiveness CATÁLOGO DE FORMAÇÃO project management - management personal effectiveness 2015 Rua Bombarda 58 Santa Joana 3810-013 Aveiro, Portugal emete@emete.com 1 ÍNDICE PREPARAÇÃO PARA A CERTIFICAÇÃO PMP...4 GESTÃO

Leia mais

Implementação e Certificação de um Sistema I+D+I. Fev. 2008

Implementação e Certificação de um Sistema I+D+I. Fev. 2008 Implementação e Certificação de um Sistema I+D+I Fev. 2008 Medeiros genda 1. Áreas de negócio Martifer; 2. Martifer Energia Equipamentos para energia S.A.; 3. Certificações Obtidas 4. Porquê IDI? 5. Objectivo

Leia mais

1 REDACÇÃO CRIATIVA E EFICAZ ESCRITA EMPRESARIAL. - 7 horas 2 TREINE A ESCUTA ACTIVA PARA UMA COMUNICAÇÃO DE SUCESSO. - 7 horas

1 REDACÇÃO CRIATIVA E EFICAZ ESCRITA EMPRESARIAL. - 7 horas 2 TREINE A ESCUTA ACTIVA PARA UMA COMUNICAÇÃO DE SUCESSO. - 7 horas 5 Seminários // 35 horas formação 1 REDACÇÃO CRIATIVA E EFICAZ ESCRITA EMPRESARIAL 2 TREINE A ESCUTA ACTIVA PARA UMA COMUNICAÇÃO DE SUCESSO 3 PROTOCOLO EMPRESARIAL E RELAÇÕES PUBLICAS: COMPORTAMENTOS QUE

Leia mais

Conceito O2. O futuro tem muitos nomes. Para a Conceito O2 é Coaching. Sinta uma lufada de ar fresco. :!:!: em foco

Conceito O2. O futuro tem muitos nomes. Para a Conceito O2 é Coaching. Sinta uma lufada de ar fresco. :!:!: em foco :!:!: em foco Conceito O2 Sinta uma lufada de ar fresco Executive Coaching Através do processo de Executive Coaching a Conceito O2 realiza um acompanhamento personalizado dos seus Clientes com objectivo

Leia mais

Profitability Engineers. 2.ª Edição de 2015

Profitability Engineers. 2.ª Edição de 2015 Profitability Engineers Lean Experts 2.ª Edição de 2015 Lean Experts É uma abordagem sistematizada de melhoria contínua, cujo âmbito está na procura metódica da melhoria dos processos através da redução

Leia mais

ÁREA A DESENVOLVER. Formação Comercial Gratuita para Desempregados

ÁREA A DESENVOLVER. Formação Comercial Gratuita para Desempregados ÁREA A DESENVOLVER Formação Comercial Gratuita para Desempregados Índice 8. Sobre nós 7. Como pode apoiar-nos 6. Datas de realização e inscrição 5. Conteúdos Programáticos 4. Objectivos 3. O Workshop de

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

Curso de Desenvolvimento Pessoal - PERCEPÇÃO EM METAMORFOSE -

Curso de Desenvolvimento Pessoal - PERCEPÇÃO EM METAMORFOSE - Curso de Desenvolvimento Pessoal - PERCEPÇÃO EM METAMORFOSE - OBJECTIVOS GERAIS - Promover a reciclagem, a actualização ou o aperfeiçoamento pessoal através do desenvolvimento das suas competências técnicas,

Leia mais

Coleção ajuda no sucesso profissional

Coleção ajuda no sucesso profissional COLEÇÃO Unic Josafá Vilarouca Renata Tomasetti (11) 5051-6639 josafa@unicbuilding.com.br renata@unicbuilding.com.br Coleção ajuda no sucesso profissional Série lançada pela Publifolha possui 36 títulos,

Leia mais

Gestão Eficaz de Queixas e Reclamações

Gestão Eficaz de Queixas e Reclamações Gestão Eficaz de Queixas e Reclamações Bem vindos Ana Santos Martins 1 A Imagem da Empresa e a Qualidade do Serviço (1/3) A Qualidade do Serviço ao Cliente é sem dúvida, a melhor Imagem que as empresas

Leia mais

Capítulo Descrição Página

Capítulo Descrição Página MANUAL DA QUALIIDADE ÍNDICE Capítulo Descrição Página 1 Apresentação da ILC Instrumentos de Laboratório e Científicos, Lda Dados sobre a ILC, sua história, sua organização e modo de funcionamento 2 Política

Leia mais

Os 7 Pilares da Gestão - Ciclo de Workshops Qualidade da Gestão nas PMEs Portuguesas -

Os 7 Pilares da Gestão - Ciclo de Workshops Qualidade da Gestão nas PMEs Portuguesas - Vários estudos provam que a Gestão de Recursos Humanos é a área mais problemática nas organizações e a que consome grande parte do tempo do empresário. Por outro lado, a área da inovação e do Marketing

Leia mais

Plano de Formação 2015 Calendário Inter-Empresas. 2º Semestre Luanda

Plano de Formação 2015 Calendário Inter-Empresas. 2º Semestre Luanda Plano de Formação 2015 Calendário Inter-Empresas. Rua Nossa Senhora da Muxima 59-4º Andar T: +244 222 441 040 M:+244 932 398 020 M: +244 912 398 020 E: mersadev@mersagroup.co.ao S: www.mersagroup.co.ao

Leia mais

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO ACTIO 2015

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO ACTIO 2015 Catálogo de Formação ACTIO 2015 Lean - Nível Executivo Lean Production Executivo Manutenção Lean Executivo Six Sigma - Champion Lean - Nível Master Lean Production Master Manutenção Lean Master Lean nos

Leia mais

Consultoria de Gestão Sistemas Integrados de Gestão Contabilidade e Fiscalidade Recursos Humanos Marketing e Comunicação Consultoria Financeira JOPAC SOLUÇÕES GLOBAIS de GESTÃO jopac.pt «A mudança é a

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

CONSULTORIA POSITIVA

CONSULTORIA POSITIVA O consultor é uma pessoa que, pela sua habilidade, postura e posição, tem o poder de influenciar as pessoas, grupos e organizações, mas não tem o poder directo para produzir mudanças ou programas de implementação.

Leia mais

Auto-formação para colaboradores

Auto-formação para colaboradores Formação e familiarização directa com o posto de trabalho é, muitas vezes, da responsabilidade da organização. Para uma organização eficaz desta tarefa, o instrutor/tutor necessita não só do conhecimento

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME

CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME NATUREZA DO PROGRAMA O Programa Formação-Acção PME consiste num itinerário de Formação e Consultoria Especializada (Formação-Acção Individualizada), inteiramente

Leia mais

desenvolvimento dos profissionais e atingimento dos resultados.

desenvolvimento dos profissionais e atingimento dos resultados. 1- OFICINAS DE FEEDBACK Aprofundar a reflexão e abordagem de Feedback como processo, fluxo e ferramenta indispensável no desenvolvimento dos profissionais, bem como elementos fundamentais de comunicação

Leia mais

CURSO DE GESTÃO DE VENDAS (15 horas)

CURSO DE GESTÃO DE VENDAS (15 horas) CURSO DE GESTÃO DE VENDAS Inedem- Apotec Outono 2007 25 e 26 de Setembro 9h00 às 18h30 Dirigido a gestores da área financeira com necessidade de ferramentas informáticas de elevada eficácia na avaliação

Leia mais

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Definir o conceito de Help Desk; Identificar os diferentes tipos de Help Desk; Diagnosticar

Leia mais

ORDEM DOS FARMACÊUTICOS - RESPOSTA A PEDIDO DE CREDITAÇÃO

ORDEM DOS FARMACÊUTICOS - RESPOSTA A PEDIDO DE CREDITAÇÃO Filipe Leonardo De: suporte@sensocomum.pt Enviado: sexta-feira, 16 de Novembro de 2012 17:40 Para: mguedes.silva@mjgs.pt ; joanaviveiro@ordemfarmaceuticos.pt; joaomartinho@ordemfarmaceuticos.pt Assunto:

Leia mais

GLOSSÁRIO DE FORMAÇÃO

GLOSSÁRIO DE FORMAÇÃO GLOSSÁRIO DE FORMAÇÃO Acolhimento - Acções que visam proporcionar ao colaborador um conjunto de referências e conhecimentos, relacionados com o ambiente organizacional e a função, tendo como objectivo

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

EDIÇÃO ESPECIAL 2009

EDIÇÃO ESPECIAL 2009 EDIÇÃO ESPECIAL 2009 BUSINESS COACHING Curso Profissional de Formação de Coach Certificação Internacional em Coaching MORE E ECA (Para Reconhecimento pela ICI contactar-nos.) Entidade: MORE Institut, Ltd

Leia mais

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO DEFINIÇÕES OPERACIONAIS E INDICADORES COMPORTAMENTAIS Pag. 1 Elaborada por Central Business Abril 2006 para o ABRIL/2006 2 COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

Leia mais

Gestão de Carreiras Escola Secundária de Emídio Navarro 2002/2003 Estruturas, Tratamento e Organização de Dados

Gestão de Carreiras Escola Secundária de Emídio Navarro 2002/2003 Estruturas, Tratamento e Organização de Dados Gestão de Carreiras Durante muito tempo, a gestão de carreiras não fez parte das preocupações dominantes dos gestores de pessoal. Nos últimos anos, porém, tem-se assistido a um crescendo de interesse relativamente

Leia mais

CRITÉRIO 3: SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DO DESEMPENHO

CRITÉRIO 3: SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DO DESEMPENHO CRITÉRIO 3: SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DO DESEMPENHO Este capítulo inclui: Visão geral O Ciclo de Gestão do Desempenho: Propósito e Objectivos Provas requeridas para a acreditação Outros aspectos

Leia mais

TRABALHO EM EQUIPA MOTIVAÇÃO NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS. Como puderam imaginar todos esses sábios que o homem precisa de uma vontade normal virtuosa?

TRABALHO EM EQUIPA MOTIVAÇÃO NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS. Como puderam imaginar todos esses sábios que o homem precisa de uma vontade normal virtuosa? TRABALHO EM EQUIPA NA Como puderam imaginar todos esses sábios que o homem precisa de uma vontade normal virtuosa? Onde foram buscar essa ideia de que o homem precisa de desejar de maneira sensata e proveitosa?

Leia mais

MASTER EM DIRECÇÃO DE COMÉRCIO INTERNACIONAL E DE MARKETING OBJECTIVOS DO PROGRAMA A Escola de Negócios EUDEM apresenta o seu programa MCIM - Master em Direcção de Comércio Internacional e de Marketing,

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica. Sines Tecnopolo. Pós-Graduação. Gestão Logística

Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica. Sines Tecnopolo. Pós-Graduação. Gestão Logística Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica Sines Tecnopolo Pós-Graduação Gestão Logística Edital 1ª Edição 2012 1 Enquadramento Tem vindo a ser reconhecida, por políticas governamentais

Leia mais

Planeamento e Controlo de Gestão Parte I

Planeamento e Controlo de Gestão Parte I Mestrado em Contabilidade, Fiscalidade e Finanças as Empresariais Planeamento e Controlo de Gestão Parte I António nio Samagaio Lisboa, 21 de Fevereiro de 2008 APRESENTAÇÃO I. Apresentação Docente Alunos

Leia mais

Cursos para Empresas. Temos para si. Programa de formação contínua e integrada Inovação e Criatividade Rigor e Consolidação Problem Based Learning

Cursos para Empresas. Temos para si. Programa de formação contínua e integrada Inovação e Criatividade Rigor e Consolidação Problem Based Learning Temos para si Programa de formação contínua e integrada Inovação e Criatividade Rigor e Consolidação Problem Based Learning Caminante, no hay camino, se hace camino al andar. Al andar se hace camino y

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Maio de 2011 PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Esta Pós-Graduação resulta da parceria entre a APEL

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA UMA LIDERANÇA INOVADORA

COMPETÊNCIAS PARA UMA LIDERANÇA INOVADORA CURSO PARA A Liderança e Gestão Implemente e Aplique COMPETÊNCIAS PARA UMA LIDERANÇA INOVADORA A Liderança é conseguir olhar mais alto e mais longe, para que a actuação das pessoas alcance o seu potencial

Leia mais

Workshop Certificação de Entidades pela DGERT

Workshop Certificação de Entidades pela DGERT www.b-training.pt Workshop Certificação de Entidades pela DGERT 27 de Maio de 2011 ORDEM DE TRABALHOS 10h00 11h15 11h30 12h30 13h Início dos Trabalhos Coffee-Break Reinício dos Trabalhos Perguntas & Respotas

Leia mais

Perto de si, mudamos consigo! www.wechange.pt

Perto de si, mudamos consigo! www.wechange.pt Hotel Alvalade LUANDA 16 a 27 de RH Os Ciclos de RH, consistem em planos de desenvolvimento de competências no domínio da gestão de Recursos Humanos, nomeadamente ao nível das áreas de Selecção, Formação

Leia mais

Catálogo de Formação Inter-Empresas

Catálogo de Formação Inter-Empresas Catálogo de Formação Inter-Empresas QTEL 2016 Índice Quem Somos...Pág. 3 6 Razões para Escolher a QTEL...Pág. 5 Formação em Ambiente.Pág. 6 Formação em Inovação..Pág. 11 Formação em Qualidade Pág. 15 Formação

Leia mais

5S (good housekeeping) PROPOSTA DE FORMAÇÃO E TREINO CLT SERVICES, 2014/16

5S (good housekeeping) PROPOSTA DE FORMAÇÃO E TREINO CLT SERVICES, 2014/16 5S (good housekeeping) GL5S PROPOSTA DE FORMAÇÃO E TREINO CLT SERVICES, 2014/16 A Comunidade Lean Thinking (CLT Services) é uma organização que se destaca pela sua actividade de criação e transferência

Leia mais

SIADAP Lei n.º 66-B/07. Gestão Por Objectivos (GPO)

SIADAP Lei n.º 66-B/07. Gestão Por Objectivos (GPO) SIADAP Lei n.º 66-B/07 Gestão Por Objectivos (GPO) Novas e Melhores Políticas Públicas para novas necessidades. ONTEM AP: Vertical hierarquizada, inflexível A logica da oferta: serviço compartimentalizado

Leia mais

Future Leaders in Healthcare

Future Leaders in Healthcare Future Leaders in Healthcare faculdade de economia universidade nova de lisboa Sobre o Programa O sector da Saúde enfrenta desafios sem precedentes. O crescimento contínuo das despesas de saúde - com algumas

Leia mais

Cegoc Moçambique. Formação e Consultoria em Capital Humano O MAIOR GRUPO EUROPEU DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL AGORA EM MOÇAMBIQUE

Cegoc Moçambique. Formação e Consultoria em Capital Humano O MAIOR GRUPO EUROPEU DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL AGORA EM MOÇAMBIQUE Cegoc Moçambique Formação e Consultoria em Capital Humano O MAIOR GRUPO EUROPEU DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL AGORA EM MOÇAMBIQUE I M P U L S I O N A R O S U C E S S O * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Leia mais

MASTER EXECUTIVO GESTÃO ESTRATÉGICA

MASTER EXECUTIVO GESTÃO ESTRATÉGICA MASTER EXECUTIVO GESTÃO ESTRATÉGICA MASTER EXECUTIVO GESTÃO ESTRATÉGICA OBJETIVOS: promover competências pessoais específicas; disponibilizar ferramentas práticas de gestão de competências pessoais e profissionais;

Leia mais

Finanças para Não Financeiros

Finanças para Não Financeiros www.pwc.pt/academy Finanças para Não Financeiros Academia da PwC Este curso permite-lhe compreender melhor as demonstrações financeiras, os termos utilizados e interpretar os principais indicadores sobre

Leia mais

Quando a ciência médica entra nas empresas! 23 e 24 de Novembro de 2012 Porto

Quando a ciência médica entra nas empresas! 23 e 24 de Novembro de 2012 Porto ! Quando a ciência médica entra nas empresas! 23 e 24 de Novembro de 2012 Porto A PsicoSoma é uma empresa, que apesar de muito trabalho desenvolvido e alguns anos com experiência de mercado, têm um espírito

Leia mais

Catálogo de Formação Inter-Empresas

Catálogo de Formação Inter-Empresas Catálogo de Formação Inter-Empresas QTEL 2015 Índice Quem Somos...Pág. 3 6 Razões para Escolher a QTEL...Pág. 5 Formação em Ambiente.Pág. 6 Formação em Inovação..Pág. 9 Formação em Qualidade Pág. 13 Formação

Leia mais

Com todo o prazer vimos pelo presente apresentar a oferta formativa da Formação.

Com todo o prazer vimos pelo presente apresentar a oferta formativa da Formação. Caro Parceiro, Com todo o prazer vimos pelo presente apresentar a oferta formativa da Formação. Prisma, Instituto de O presente catálogo de formação tem como o objectivo principal fornecer-lhe as informações

Leia mais

IDERANÇA E GESTÃO. Desenvolver competências que permitam acompanhar, motivar, desenvolver e avaliar equipas de trabalho

IDERANÇA E GESTÃO. Desenvolver competências que permitam acompanhar, motivar, desenvolver e avaliar equipas de trabalho L DE PESSOAS IDERANÇA E GESTÃO Desenvolver competências que permitam acompanhar, motivar, desenvolver e avaliar equipas de trabalho Coordenadores e Chefias Intermédias Adquirir técnicas de Liderança, de

Leia mais

Coaching I Formação I Certificação

Coaching I Formação I Certificação Coaching I Formação I Certificação 2011 Business Consultants, Inc. Publicado por EHP, Elemento Humano Portugal. www.thehumanelement.com.pt 1 Uma solução integrada à problemática humana nas organizações

Leia mais

Business Intensive Program. Para uma Performance Empresarial mais Competitiva

Business Intensive Program. Para uma Performance Empresarial mais Competitiva Business Intensive Program Para uma Performance Empresarial mais Competitiva 02 BIP BUSINESS INTENSIVE PROGRAM Business Intensive Program Para uma Performance Empresarial mais Competitiva Em tempos de

Leia mais