ESTUDO DO LAYOUT DO SISTEMA DE PRODUÇÃO DA COOPERATIVA MERCANTIL E INDUSTRIAL DOS PRODUTORES DE SORRISO/MT UNIDADE BIODIESEL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO DO LAYOUT DO SISTEMA DE PRODUÇÃO DA COOPERATIVA MERCANTIL E INDUSTRIAL DOS PRODUTORES DE SORRISO/MT UNIDADE BIODIESEL"

Transcrição

1 ESTUDO DO LAYOUT DO SISTEMA DE PRODUÇÃO DA COOPERATIVA MERCANTIL E INDUSTRIAL DOS PRODUTORES DE SORRISO/MT UNIDADE BIODIESEL Adriana Regina Redivo 1 Arlete Redivo 2 Dangelo Rafael Maschio 3 RESUMO O presente estudo teve como objetivo estudar o layout do sistema de produção da empresa Cooami, a fim de direcionar uma nova distribuição dos equipamentos para melhorar o fluxo dos produtos, diminuindo o tempo com que os produtos permaneciam no sistema. Logo depois de definido os objetivos, e a delimitação do estudo, levantou-se dados sobre o referencial teórico, com bibliografias referentes ao tema abordado, objetivando sempre a necessidade do layout para o sistema de produção. A metodologia empregada neste estudo foi o estudo de caso, utilizando-se para análise de dados entrevistas informais com colaboradores e engenheiros, além da coleta de dados em campo. Posteriormente, ocorreu a análise dos dados, percebendo-se que o layout empregado na Cooami era funcional, mas pouco apropriado para o sistema de produção, pois o produto deveria passar pelo sistema apenas uma vez e não era o que ocorria, e na última parte do trabalho, discorre algumas sugestões e formas de melhorar o layout empregado pela empresa. Palavras-chave: Layout, sistema de produção, melhorar do layout. INTRODUÇÃO O ambiente dos negócios, na atualidade, exige velocidade, agilidade e alto nível de serviços aos clientes. Ainda, a sociedade atravessa um período de conscientização em relação ao meio ambiente, o buraco na camada de ozônio, aquecimento global e descongelamento de geleiras são algumas das conseqüências que o mundo globalizando vem enfrentando. Para a região centro-oeste do Mato Grosso o biocombustível vem ganhando força, principalmente na agricultura onde o produtor além de ajudar a preservar o meio-ambiente diminui os custos na lavoura. Para obter um combustível renovável, que substitua o 1 Professora lotada no Departamento de Administração do Campus Universitário de Sinop, ministra as disciplinas de Gestão Ambiental, Ética e Monografia II 2 Professora lotada no Departamento de Administração do Campus Universitário de Sinop, ministra as disciplinas Estágio Supervisionando II, Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais I e II, e Teoria Geral da Administração II 3 Graduado em Administração de Empresas pela Universidade do Estado de Mato Grosso, Campus Universitário de Sinop

2 combustível fóssil, é necessário ter uma estrutura adequada para que se produza um biocombustível de qualidade, por isso é importante aprimorar os sistemas produtivos, buscando sempre aprimorar o layout dos sistemas de produção de biocombustível, observando sempre, se há necessidade de adequações da estrutura do sistema de produção. Ainda, o estudo de layout, visa aproveitar espaços na organização, tem a sua irradiação bastante limitada, se bem sucedido, o estudo trará benefício à organização, se mal conduzido, o mesmo estudo resultará em fracasso para o layout da organização, trazendo conseqüências como, perda na produtividade, maiores gastos com energia elétrica, a visualização desfavorável além do aumento de custos na fabricação do produto. Diante destas assertivas, o trabalho de pesquisa aqui apresentado teve como enfoque o layout do setor de produção, mostrando o quanto a estrutura do sistema de produção da empresa COOMI, pode ser mais ou menos produtivas, de acordo com a disposição de seu pessoal, móveis, equipamentos e materiais. Ainda, em especial, é abordado o quanto um layout é crucial para obtenção de melhores resultados. 1.1 DESCRIÇÃO DA PROBLEMÁTICA Como o Sistema de Produção pode melhorar seu desempenho através do estudo da estrutura de seu layout do sistema de produção? 1.2 Objetivo Geral Estudar o Layout do sistema de produção da Cooami, buscando redefini-lo, para obter um melhor fluxo de produtos dentro do Sistema Produtivo. 1.3 Objetivos Específicos a. Descrever todo processo produtivo na fabricação de Biocombustível, observando se há perda de tempo no processo; b. Demonstrar tipos de layouts; c. Caracterizar o layout existente na Cooami; d. Identificar um novo layout que traga mais vantagens para a produção do Biocombustível.

3 1.4 JUSTIFICATIVA Para que a organização tenha um bom desempenho nos dias de hoje, toda e qualquer melhoria que é feita, conta muito para ela manter-se no mercado, onde um dos seus principais objetivos deve ser um layout que traga vantagens competitivas, de modo que a estrutura fique apropriada para o que se pretende produzir. Ainda, o layout da organização COOAMI, influencia sua produtividade, tanto a curto, médio e longo prazo, sendo necessário um estudo para que essa influência seja positiva, pois um layout mal projetado pode ser um desastre para a organização, perdendo produtividade, aumentado os custos, acarretando produtos com pouca qualidade e com um preço acima do mercado. Diante dos fatos apresentados o presente estudo justifica-se teoricamente por aprofundar e confrontar o conhecimento teórico adquirido no decorrer do curso de administração, e ainda, aplicá-lo como prática administrativa na Empresa COOAMI Cooperativa Mercantil e Industrial dos Produtores de Sorriso/MT, contribuindo para um melhor desempenho do layout do sistema produtivo da Unidade de produção de biocombustível. 1.5 HIPÓTESES H1 Com a reorganização do layout o desempenho da área de produção pode alcançar melhores resultados na produção do biocombustivel, ou seja, facilitar o processo de manuseio dos produtos na fabricação; H2 Através do novo layout poderia ocorrer a diminuição da perda de tempo em movimentação de produtos dentro do sistema de produção. 2. METODOLOGIA 2.1 Plano e Definição do Estudo Para o desenvolvimento deste trabalho de pesquisa, foi realizando um estudo de caso. De acordo com MARTINS (2000, p. 37), o estudo de caso começa com um plano incipiente que vai delineando-se mais claramente à medida que se desenvolve. Inicialmente, foram colocadas algumas questões, ou pontos críticos

4 que foram sendo explicitados, reformulados ou mesmo abandonados, à medida que o estudo foi avançando. O estudo de caso apresenta algumas vantagens, facilitando dessa forma a pesquisa exploratória dos dados, e possibilitando relatar o seu amplo e detalhado conhecimento, sendo que outros métodos não atenderiam os objetivos propostos. Pelas definições acima, conclui-se que este método foi o mais indicado para o tipo de pesquisa a ser desenvolvida. 2.2 Definição da área e Instrumentos de Coleta do Estudo Os dados foram coletados através de pesquisas primárias e secundárias, onde: a) Os dados primários foram coletados através de observações e entrevistas informais com o gerente da empresa no período de marco a maio de b) Os dados secundários foram obtidos por informações já disponíveis em livros, revistas e consulta a documentos pertencentes à empresa. 2.3 Plano de Análise dos Dados A análise e interpretação das informações foram realizadas de forma qualitativa, utilizando modo exploratório, podendo assim, levantar questões, hipóteses para posterior estudo. De acordo com ROESCH (1999, p.146) pesquisa qualitativa é apropriada para avaliação formativa, quando se trata de melhorar a efetividade de um programa, ou plano, ou mesmo quando é o caso da proposição de planos. 3 EMBASAMENTO TEÓRICO O layout ou arranjo físico de uma operação produtiva preocupa-se com a localização física dos recursos de transformação, ou seja, decidir onde colocar todas as instalações, máquinas, equipamentos e pessoal da produção, determinando a forma ou aparência, conseqüentemente reduzindo o tempo e o custo para a organização. Por outro lado Slack e Chambers (2002. p. 200), relatam que:

5 O arranjo físico de uma operação produtiva preocupa-se com o posicionamento físico dos recursos de transformação. Colocado de forma simples, definir o arranjo físico é decidir onde colocar todas as instalações, máquinas, equipamentos e pessoal da produção. O arranjo físico é umas das características mais evidentes de uma operação produtiva porque determina sua forma e aparência. Assim, o planejamento do layout/arranjo físico é muito importante para a organização, pois influi diretamente no desempenho das atividades, no comportamento e na motivação dos colaboradores. Ainda o layout trata entre outras coisas do ambiente de trabalho, ao espaço físico, conforto, iluminação, o aspecto visual e estuda todos os fluxos dentro da empresa desde a movimentação de papéis e pessoas. O layout também conhecido como arranjo físico pode se apresentar sob diversas formas, de acordo com a organização dos elementos que o compõem: pessoas, máquinas, móveis e produtos. Ao buscar um modelo ideal de layout para a organização, devemos classificá-la dentro de um dos modelos de layout, para que haja uma adaptação mais rápida, obtendo um custo benefício com menos tempo. Segundo Davis (2001, p. 265). A maneira pela qual os diferentes departamentos são dispostos em uma instalação é definida pelo padrão geral de fluxo de trabalho. Existem vários tipos básicos de layout layout de produto, layout de processo e layout de posição fixa, layout celular e layout combinado. Ainda, com a classificação do layout, o analista de sistemas deve seguir um padrão na formatação do layout, observando as vantagens e desvantagens de cada um. Podendo definir qual a melhor opção para a organização. O layout vem ajudando as organizações a terem mais eficiência no que diz respeito a funcionalidade e organização das estruturas físicas nos sistemas de produção, gerando melhorias contínuas, que refletem em desempenho, produtividade e menores custos para as empresas. Segundo Oliveira (2004), dos objetivos do layout ou arranjo físico, descreve-se os seguintes: Maior satisfação e ânimo por parte do empregado; Melhor aparência na área de trabalho; Maior produção em um menor tempo; Redução dos manuseios e espaço percorrido; Economia de espaço; Melhor e mais fácil supervisão; Menores danos ao material e às suas qualidades;

6 Ajustamento mais fácil a mudanças; Adquirir um fluxo de trabalho eficiente e que impressione de maneira favorável visitantes, clientes, etc; Reduzir a fadiga dos colaboradores no desempenho de suas tarefas; Diminuir os riscos para a saúde e segurança do operário. Ainda, o layout traz grandes vantagens operacionais e competitivas para a organização, isso quando o layout é bem estruturado e planejado, não podendo esquecer que um layout sem planejamento traz prejuízos enormes, como o produto passa mais tempo no sistema, a empresa fica visualmente desfavorável aos olhos dos visitantes e colaboradores, além dos prejuízos financeiros com energia elétrica, baixa produtividade, descontentamento com atrasos já que o sistema não produz o esperado. Portanto, é preciso observar o layout, pois a organização pode estar sendo prejudica, e pode haver a necessidade de planejar um layout ou a readequação do layout existente na organização, adequando-o de forma que elimine o problema e que traga mais vantagens, como: lucratividade, minimização dos custos, maior mobilidade para o processo. 4 ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DOS DADOS 4.1 Layout/Arranjo Físico do Sistema de Produção da Cooami O layout ou arranjo físico vem ajudando as empresas a transformarem seu sistema de produção, tornando-os mais eficientes no que diz respeito à disposição de máquinas, equipamentos, fluxo de pessoas e produtos. Dentro deste contexto foi estudado o layout da Cooami, para definir se sua estrutura está disposta de forma que traga mais vantagens para a mesma, desta forma descreveu-se todo o layout da cooperativa. A Cooami possui um layout combinado, pois os tanques e máquinas são agrupados em um mesmo local para o processamento do produto caracterizando o layout funcional, observou-se também as características do modelo por produtos, pois a maioria das máquinas e tanques são dispostos em linha dentro da fábrica. Observou-se no Anexo I (Layout disposição atual dos equipamentos), todo o layout existente na cooperativa desde o descarregamento do produto até o estoque de produto final. Conforme mostrado no Anexo I (Layout disposição atual dos equipamentos), observou-se que o layout funciona da seguinte forma:

7 a. Após a entrada do caminhão carregado de matéria-prima dentro do pátio da cooperativa, é checada a carga e encaminhada para a área de descarga, que fica separada da área de carregamento; Figura II Estoque de Óleos Figura III Estoque de Gordura Animal Fonte: Pesquisador (2007) Fonte: Pesquisador (2007) b. O caminhão é conectado a uma mangueira ligada por bombas que levam o produto para ser armazenado. Após conectado a mercadoria é mandada para o tanque de depósito de gordura animal (sebo), óleos vegetais ou metanol, conforme mostra a Figura II (Estoque de óleos) e III (Estoque de gordora animal, cada um para seu reservatório conforme mostrado no Anexo I (Disposição Atual dos Equipamentos); c. A gordura animal e os óleos vegetais são mandados para o pré-tratamento, onde ficam até atingirem a qualidade necessária para seguir o processo. Figura IV Reatores/Decantadores Figura V Decantadores/ Reatores Fonte: Pesquisador (2007) Fonte: Pesquisador (2007) d. Logo após, a matéria-prima é encaminhada para o reator, como mostra Figura IV (Reatores/Decantadores) e Figura V (Decantadores/Reatores), descritos no Anexo I

8 (Disposição Atual dos Equipamentos), onde ocorre a misturada com o metox, para fazer a reação de transesterificação; e. Após a reação completa, o produto é encaminhado para os decantadores, onde fica até a separação do glicerol do biodiesel; f. O óleo segue para os tanques de lavagem, conforme mostra a Figura VII (Lavadores/Pré-Tratamentos), onde o biodiesel é misturado com água e o glicerol segue para o recuperador de metanol, visualizado na Figura VI (Recuperador de Metanol), que por sua vez recupera cerca de vinte por cento do metanol utilizado na reação; Figura VI Recuperador de Metanol Figura VII Lavadores/Pré-Tratamentos Fonte: Pesquisador (2007) Fonte: Pesquisador (2007) g. O biodiesel após lavado segue para a secagem, que é aquecido a temperaturas mais elevadas e onde o mesmo evapora ficando só a água, que é retirada ficando apenas o biocombustível; h. O biodiesel segue para um resfriador até trinta graus Celsius, é filtrado seguindo para a armazenagem final. Todo este processo de produção de biodiesel tem um tempo de duração de dezoito horas, onde o produto tem que ir e voltar nas tubulações várias vezes conforme mostra a Anexo II (Fluxograma da produção atual), aumentando o tempo em que produto permanece no sistema de produção. Ainda, durante a coleta de dados e descrição do layout da Cooami, pôde-se observar que o sistema de produção foi crescendo de forma desordenada, sem planejamento.

9 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E SUGESTÕES No decorrer deste trabalho, pode-se observar que o layout da Cooami vem obtendo sucesso no que diz respeito a seus objetivos, que é a fabricação de biocombustível, a organização vêm conhecendo novas técnicas de produção e vem tomando consciência da importância de uma estrutura adequada para a organização, o que permite uma melhoria contínua não só nos produtos finais mas em todo o processo. A organização busca melhorar cada vez mais seu processo produtivo já que o biodiesel está com grande aceitação no mercado consumidor, além de trazer benefícios para o meio ambiente, poluindo muito menos que o óleo diesel comum e também vem ajudando a diminuir o efeito estufa. Também, durante a pesquisa observou-se que a Cooami tem um layout que dificulta o fluxo de produtos no sistema de produção, o qual teve seu modelo montado conforme vinham surgindo as necessidades, o mesmo não tinha um estudo mais detalhado, causando hoje um problema de fluxo de produtos. Os resultados apresentados no estudo de caso a respeito da implantação do layout comprovam que há um problema no layout podendo ser solucionado, com a implantação de um novo layout conforme mostrado em detalhes no Apêndice I Layout proposto para os equipamentos, e Apêndice II Fluxograma de produção proposto. A Cooami possui um layout que apresenta uma séria dificuldade no fluxo de produção, pois como observa-se no Anexo I, o produto chega nos pré-tratamentos vai até o reator onde faz a reação de transesterificação, segue para os decantadores, em seguida volta toda a tubulação que já havia percorrido para passar pela lavagem e secagem, após todas essas etapas concluídas, volta novamente por toda a linha da tubulação para ser filtrado e armazenado. Isso traz à organização custos de produção, como energia elétrica, desgaste da bombas que impulsiona os produtos dentro da tubulação, necessidade de mais tempo gasto no processo, tudo isso reflete na hora do repasse do produto aos cooperados, agregando custo ao produto final. Com o intuito de melhorar o layout do sistema de produção da Cooami e solucionar os problemas encontrados durante os estudos, sugere-se que haja uma mudança na disposição dos equipamentos utilizados na produção do biocombustível. Consequentemente a essa mudança ocorreria uma diminuição do custo, ganho de tempo no sistema de produção e aumento da produção. Essa nova disposição dos equipamentos aconteceria conforme mostra Apêndice III Layout proposto dos equipamentos Conclui-se que, das hipóteses abordadas foram validadas as seguintes: H1 e H2, pois a

10 alteração do layout do processo traria muitas vantagens para a cooperativa, como menor custo de produção, otimização do tempo que os produtos permanecem dentro do sistema, melhor fluxo de produtos, e conseqüentemente o aumento da produção. O estudo atingiu os objetivos propostos, pois as hipóteses validadas comprovam a necessário de ter um layout adequado para a organização, onde o mesmo busca melhorias para processo de produção de biocombustível, contribuindo para que o setor cresça cada vez mais trazendo vantagens para os consumidores do combustível ecologicamente correto e conseqüentemente preservando o meio-ambiente.

11 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ARNOLD, J.R. Tony. Administração de materiais: uma introdução. São Paulo: Atlas, CHINELATO, João Filho. O&M Integrado à Informática 12 Ed. São Paulo: Lct Editora, CRUZ, Tadeu. Sistemas, organizações e métodos: estudo integrado das novas tecnologias de informação. 3. Ed. São Paulo: Atlas, DAVIS, Mark M.. Fundamentos da administração da produção. 3. Ed. Porto Alegre: Bookman Editora, DIAS, Marcos Aurélio P. Administração de materiais: uma abordagem logística. 4. Ed. São Paulo: Atlas, GAITHER, Norman; FRAIZER, Greg. Administração da produção e operação. São Paulo: Thomson, MARTINS, Petrônio Garcia. Administração da produção. São Paulo: Saraiva, MARTINS, Petrônio Garcia. Administração da produção. 2. ed. São Paulo: Saraiva, MOREIRA, Daniel Augusto. Administração da produção e operação. São Paulo: Pioneira Thomson, OLIVEIRA, Djalma de Pinho Rebouças de. Sistemas, organização e métodos: uma abordagem gerencial. 14 ed. São Paulo: Atlas, ROESCH, Sylvia Maria Azevedo. Projeto de estágio e de pesquisa em administração: guia para estágios, trabalhos de conclusão, dissertação e estudo de caso. 2. Ed. São Paulo: Atlas, SLACK, Nigel; CHAMBERS, Stuart; JOHNSTON, Robert. Administração da produção. São Paulo Atlas, SLACK, Nigel. Administração da produção. São Paulo: Atlas, VIANA, João José. Administração de materiais/um enfoque prático. São Paulo: Atlas, 2002.

12 Apêndice I - Layout Proposto dos Equipamentos

13 Apêndice II - Fluxograma de Produção proposto

14 Anexo I Layout da disposição atual do sistema

15 Anexo II Fluxograma de Produção atual

PLANEJAMENTO E IMPLANTAÇÕES DE UM ARRANJO FÍSICO (LAYOUT) RESUMO

PLANEJAMENTO E IMPLANTAÇÕES DE UM ARRANJO FÍSICO (LAYOUT) RESUMO PLANEJAMENTO E IMPLANTAÇÕES DE UM ARRANJO FÍSICO (LAYOUT) RESUMO Edilaine Cristina Duarte de Souza Flávia Galdino Silva Com a concorrência acirrada nos dias de hoje, com grandes mudanças a todo tempo,

Leia mais

Palavras-chaves: Análise ABC, gestão de estoques, controle, diferencial.

Palavras-chaves: Análise ABC, gestão de estoques, controle, diferencial. ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA PRODUTORA DE BEBIDAS, COMO AUXÍLIO À GESTÃO DA LOGÍSTICA DE MATERIAIS EM UM CENÁRIO DE DEMANDA VARIÁVEL Eduardo Bezerra dos Santos

Leia mais

PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO

PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Produção Industrial PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO CURSO: Técnico em Móveis Integrado FORMA/GRAU:( x )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO METROPOLITANO DE SÃO PAULO CURSO ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS

CENTRO UNIVERSITÁRIO METROPOLITANO DE SÃO PAULO CURSO ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CENTRO UNIVERSITÁRIO METROPOLITANO DE SÃO PAULO CURSO ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS PROJETO DE PESQUISA ALUNOS DO 7ºNA SALA 641: JOSÉ CARLOS DOS SANTOS PRONT: 21746 EVERSON NEPOMUCENO PEREIRA PRONT: 21799

Leia mais

Estudo da linha de produção de uma fábrica de ração

Estudo da linha de produção de uma fábrica de ração Estudo da linha de produção de uma fábrica de ração Laureilton José Almeida BORGES¹; Warley Alves Coutinho CHAVES¹; Júlio César Benfenatti FERREIRA 2 ; Adriana Giarolla VILAMAIOR 2 ¹ Estudante de Engenharia

Leia mais

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO 1 CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS LEANDRO PANTOJO 1 PETERSON ROBERTO DE LARA 2 VAGNER FUSTINONI 3 RENATO FRANCISCO SALDANHA SILVA 4 VALDECIL DE SOUZA 5 RESUMO O objetivo deste trabalho será

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

A TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO APLICADA AO AGRONEGÓCIO: Estudo sobre o sistema Agrogestor nas fazendas do Município de Sinop/MT

A TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO APLICADA AO AGRONEGÓCIO: Estudo sobre o sistema Agrogestor nas fazendas do Município de Sinop/MT A TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO APLICADA AO AGRONEGÓCIO: Estudo sobre o sistema Agrogestor nas fazendas do Município de Sinop/MT Adriana Regina Redivo 1 Arlete Redivo 2 Cácio D. Três 3 Geraldo Alves Ferreira

Leia mais

INFLUÊNCIA DO LAYOUT NA PRODUTIVIDADE DE UMA INDÚSTRIA ALIMENTÍCIA - UM ESTUDO DE CASO

INFLUÊNCIA DO LAYOUT NA PRODUTIVIDADE DE UMA INDÚSTRIA ALIMENTÍCIA - UM ESTUDO DE CASO INFLUÊNCIA DO LAYOUT NA PRODUTIVIDADE DE UMA INDÚSTRIA ALIMENTÍCIA - UM ESTUDO DE CASO Mariana Borsato Marangoni (Puccamp) marianabmarangoni@hotmail.com Patricia Stella Pucharelli Fontanini (Puccamp) pspucha@terra.com.br

Leia mais

Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis

Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis Hélio José Reis Aguiar arthouse@hotmail.com Faculdade de Guaçuí Simone de Souza simones@ifes.edu.br IFES Guarapari Flávio

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO

ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO CESUMAR CENTRO UNIVERSITÁRIO DE MARINGÁ ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO 1 Ana Carolina Ignácio da Silva 2 Flavio José Patrocínio 3 Marcia Tathiane da Silva Ribeiro Mantovani 4 Mariane Ichisato 5 Renata Cristina

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA Tiago Augusto Cesarin 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG.

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Bambuí/MG - 2008 A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Ana Cristina Teixeira AMARAL (1); Wemerton Luis EVANGELISTA

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ Daiane Maria De Genaro Chiroli 1

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC Assistente de Planejamento e Controle de Produção

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC Assistente de Planejamento e Controle de Produção MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

ESTUDO DA GESTÃO DE ESTOQUE DE UMA EMPRESA DO SETOR DE SANEAMENTO

ESTUDO DA GESTÃO DE ESTOQUE DE UMA EMPRESA DO SETOR DE SANEAMENTO ESTUDO DA GESTÃO DE ESTOQUE DE UMA EMPRESA DO SETOR DE SANEAMENTO Adilson MENESIS 1; Aline Martins, CHAVES 2 ; Josiane Maria ALVES 3 ; Patrícia Carvalho, CAMPOS 4 1 Estudante Administração. Instituto Feral

Leia mais

LAYOUT IMPACTANDO DIRETAMENTE NOS CUSTOS DE PRODUÇÃO: LUCRO NA PRODUÇÃO COM ÊNFASE NO JUST-IN- TIME

LAYOUT IMPACTANDO DIRETAMENTE NOS CUSTOS DE PRODUÇÃO: LUCRO NA PRODUÇÃO COM ÊNFASE NO JUST-IN- TIME 1 LAYOUT IMPACTANDO DIRETAMENTE NOS CUSTOS DE PRODUÇÃO: LUCRO NA PRODUÇÃO COM ÊNFASE NO JUST-IN- TIME Marcio Alves Suzano, M.Sc. Marco Antônio Ribeiro de Almeida, D.Sc. José Augusto Dunham, M.Sc. RESUMO.

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção Curso de Engenharia de Produção Organização do Trabalho na Produção Organização do Trabalho na Produção Projeto do Trabalho -Objetivo: criar um ambiente produtivo e eficiente, onde cada um saiba o que

Leia mais

ANÁLISE DE ARRANJO FÍSICO: ESTUDO DE CASO REALIZADO NA MINERADORA GRAFITE PEDRA AZUL.

ANÁLISE DE ARRANJO FÍSICO: ESTUDO DE CASO REALIZADO NA MINERADORA GRAFITE PEDRA AZUL. ANÁLISE DE ARRANJO FÍSICO: ESTUDO DE CASO REALIZADO NA MINERADORA GRAFITE PEDRA AZUL. Daniel Abraao de Melo (PUC) daniel.abrao@sga.pucminas.br Everton Lucinei da Rocha (PUC) everton_rochasg@yahoo.com.br

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE INTRODUÇÃO

GESTÃO DE ESTOQUE INTRODUÇÃO 1 GESTÃO DE ESTOQUE Marcela Maria Eloy Paixão Oliveira Acadêmica do Curso de Ciências Contábeis email: marcela_eloy_3@hotmail.com Rafaella Machado Rosa da Silva Acadêmica do Curso de Ciências Contábeis

Leia mais

Palavras-Chave: Controle de Estoque, Análise ABC e Gestão de Estoque.

Palavras-Chave: Controle de Estoque, Análise ABC e Gestão de Estoque. IMPLANTAÇÃO DE FERRAMENTAS PARA CONTROLE DE ESTOQUE Estudo de caso em uma Fábrica de Ração Wemerson de Freitas Borges 1 Prof. Ms. Jordânia Louse Silva Alves 2 RESUMO No Brasil, a gestão de estoques é um

Leia mais

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE.

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. Jander Neves 1 Resumo: Este artigo foi realizado na empresa Comercial Alkinda, tendo como objetivo

Leia mais

ANÁLISE E SELEÇÃO DE UMA POLÍTICA DE CONTROLE DE ESTOQUES COM BASE EM FERRAMENTAS E MÉTODOS DA GESTÃO DE ESTOQUES.

ANÁLISE E SELEÇÃO DE UMA POLÍTICA DE CONTROLE DE ESTOQUES COM BASE EM FERRAMENTAS E MÉTODOS DA GESTÃO DE ESTOQUES. ANÁLISE E SELEÇÃO DE UMA POLÍTICA DE CONTROLE DE ESTOQUES COM BASE EM FERRAMENTAS E MÉTODOS DA GESTÃO DE ESTOQUES. Osmar Possamai (UFSC ) osmarpossamai@gmail.com Emerson Cleister Lima Muniz (UFSC ) eng.prod.emerson@gmail.com

Leia mais

Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global

Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global Neófita Maria de Oliveira (UERN) neofita_maria@yahoo.com.br Athenágoras José de Oliveira (UERN) mara_suy@hotmail.com Mara

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP. Curso Administração

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP. Curso Administração Disciplina: Administração Recursos Materiais e PLANO DE ENSINO - 2 o SEMESTRE/2013 Curso Administração Turno/Horário 3ª Feira 3 o e 4 o h 4ª Feira 3º e 4ºh Professor(a) Nazaré da Silva Dias Ferrão Turma:

Leia mais

FACULDADES SPEI Curso de Administração MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DAS FACULDADES SPEI

FACULDADES SPEI Curso de Administração MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DAS FACULDADES SPEI FACULDADES SPEI Curso de Administração MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DAS FACULDADES SPEI CURITIBA 2009 Manual de Estágios Matriz Curricular 2009 2 1. APRESENTAÇÃO Este manual

Leia mais

OTIMIZAÇÃO E BALANCEAMENTO DE UMA LINHA DE MONTAGEM DE CHASSIS DE VEÍCULOS UTILITÁRIOS

OTIMIZAÇÃO E BALANCEAMENTO DE UMA LINHA DE MONTAGEM DE CHASSIS DE VEÍCULOS UTILITÁRIOS OTIMIZAÇÃO E BALANCEAMENTO DE UMA LINHA DE MONTAGEM DE CHASSIS DE VEÍCULOS UTILITÁRIOS Leonardo Almeida Favaro (UCS ) lfavaro@agrale.com.br Carlos Alberto Costa (UCS ) cacosta@ucs.br Marcos Alexandre Luciano

Leia mais

APLICAÇÃO DO LAYOUT NAS EMPRESAS

APLICAÇÃO DO LAYOUT NAS EMPRESAS APLICAÇÃO DO LAYOUT NAS EMPRESAS Carolina Miasso da Silva Verônica Cristhina Farineli Prof. Francisco César Vendrame Profª Esp. Jovira Maria Sarraceni Profª. M Sc. Máris de Cássia Ribeiro Vendrame Lins

Leia mais

IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO

IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO 503 IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO Christina Garcia(1); Franciane Formighieri(2); Taciana Tonial(3) & Neimar Follmann(4)(1) Acadêmica do 4º Ano do Curso de

Leia mais

FACULDADE DE JAGUARIÚNA

FACULDADE DE JAGUARIÚNA Redução de estoques em processos na linha de terminais móveis de pagamento eletrônico Renata da Silva Alves (Eng. De Produção - FAJ) alvesresilva@gmail.com Prof. Me. Eduardo Guilherme Satolo (Eng. De Produção

Leia mais

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS Sandra Mara Matuisk Mattos (DECON/UNICENTRO) smattos@unicentro.br, Juliane Sachser Angnes (DESEC/UNICENTRO), Julianeangnes@gmail.com

Leia mais

ALTERAÇÃO DO PROCESSO PRODUTIVO DE UMA INDÚSTRIA ARTESANAL PARA UMA PRODUÇÃO DEDICADA

ALTERAÇÃO DO PROCESSO PRODUTIVO DE UMA INDÚSTRIA ARTESANAL PARA UMA PRODUÇÃO DEDICADA ALTERAÇÃO DO PROCESSO PRODUTIVO DE UMA INDÚSTRIA ARTESANAL PARA UMA PRODUÇÃO DEDICADA Edson Augusto Lopes RESUMO Atualmente com a globalização as indústrias vem investindo em máquinas e equipamentos modernos

Leia mais

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005 Laboratório de tecnologia de manufatura - uma experiência aplicada ao ensino da engenharia de produção Wilson de Castro Hilsdorf (FEI) wicastro@fei.edu.br Alexandre Augusto Massote (FEI) massote@fei.edu.br

Leia mais

A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE

A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE 546 A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE Irene Caires da Silva 1, Ana Carlina Toni Pereira 2, Carlile Serafim Pestana 2, Fernando Henrique Grigoletto dos Santos 2, Henrique

Leia mais

ANÁLISE DO PROCESSO DE GESTÃO DE ESTOQUES EM UMA EMPRESA DE MATERIAIS DE HIGIENE E LIMPEZA LOCALIZADA EM CRICIÚMA - SANTA CATARINA

ANÁLISE DO PROCESSO DE GESTÃO DE ESTOQUES EM UMA EMPRESA DE MATERIAIS DE HIGIENE E LIMPEZA LOCALIZADA EM CRICIÚMA - SANTA CATARINA ANÁLISE DO PROCESSO DE GESTÃO DE ESTOQUES EM UMA EMPRESA DE MATERIAIS DE HIGIENE E LIMPEZA LOCALIZADA EM CRICIÚMA - SANTA CATARINA Daiane Milioli Dagostin 1 Wagner Blauth 2 RESUMO Atualmente as empresas

Leia mais

Processos e Layouts Produtivos

Processos e Layouts Produtivos Processos e Layouts Produtivos Produção Segurança Tecnologia de processos Layout Projeto de organização do trabalho Fernando Gonçalves Amaral Estudos de ou Layout Aplicação: Em todos os setores produtivos

Leia mais

SISTEMA DE PRODUÇÃO: UMA ANÁLISE POR MEIO DE ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DE CONFECÇÕES DO SUDOESTE DO PARANÁ

SISTEMA DE PRODUÇÃO: UMA ANÁLISE POR MEIO DE ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DE CONFECÇÕES DO SUDOESTE DO PARANÁ 1 SISTEMA DE PRODUÇÃO: UMA ANÁLISE POR MEIO DE ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DE CONFECÇÕES DO SUDOESTE DO PARANÁ Diego Machado 1 Débora Tazinasso 2 Área de conhecimento: Administração. Eixo Temático: Administração

Leia mais

5º Simposio de Ensino de Graduação PROPOSTAS DE MELHORIA PARA A LOGÍSTICA INTERNA DE UMA SIDERURGICA LOCALIZADA NO ESTADO DE SÃO PAULO

5º Simposio de Ensino de Graduação PROPOSTAS DE MELHORIA PARA A LOGÍSTICA INTERNA DE UMA SIDERURGICA LOCALIZADA NO ESTADO DE SÃO PAULO 5º Simposio de Ensino de Graduação PROPOSTAS DE MELHORIA PARA A LOGÍSTICA INTERNA DE UMA SIDERURGICA LOCALIZADA NO ESTADO DE SÃO PAULO Autor(es) CAROLINA PASQUOT Orientador(es) José Roberto Soares Ribeiro

Leia mais

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR PRESIDENTE

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS APLICADAS FATECS CURSO: ADMINISTRAÇÃO LUCAS DE OLIVEIRA ALVES 20947622

FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS APLICADAS FATECS CURSO: ADMINISTRAÇÃO LUCAS DE OLIVEIRA ALVES 20947622 FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS APLICADAS FATECS CURSO: ADMINISTRAÇÃO LUCAS DE OLIVEIRA ALVES 20947622 ROTEIRIZAÇÃO DE VEÍCULOS NA EMPRESA SOBEBE - A APLICAÇÃO DE UM MÉTODO DE ROTEIZIZAÇÃO DE VEÍCULOS

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA EIXO TECNOLÓGICO: Gestão e Negócios CURSO: Bacharelado em Administração MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( x ) bacharelado (

Leia mais

TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS

Leia mais

07/02/2015 1901-1972 BIBLIOGRAFIA BÁSICA

07/02/2015 1901-1972 BIBLIOGRAFIA BÁSICA EMENTA Ementa: Conceitos e estrutura da administração de produção. Sistemas de produção. Planejamento e controle da produção. Desenvolvimento de novos produtos. Técnicas modernas de administração de produção.

Leia mais

Análise do processo produtivo industrial de uma usina sucroalcooleira do centro-oeste mineiro

Análise do processo produtivo industrial de uma usina sucroalcooleira do centro-oeste mineiro Análise do processo produtivo industrial de uma usina sucroalcooleira do centro-oeste mineiro Romenique José AVELAR 1 ; Hector Helmer PINHEIRO 1 ; Ricardo Resende CABRAL 1 ; João Antônio de CASTRO 1 ;

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Noções básicas de Administração da Produção. Noções básicas sobre a evolução do Pensamento Administrativo. Papel estratégico e objetivos da produção. Estratégia de produção. Projeto em gestão

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Estudo de um layout por processo na indústria moveleira: um estudo de caso

Estudo de um layout por processo na indústria moveleira: um estudo de caso Estudo de um layout por processo na indústria moveleira: um estudo de caso Murilo Grillo Piazzarollo (UFV) murilo.piazzarollo@ufv.br Leonardo Delazari de Oliveira (UFV) leonardo.delazari@ufv.br Guilherme

Leia mais

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Antonio Carlos de Francisco (UTFPR)

Leia mais

Motor Diesel Vantagens na utilização do Biodiesel Vantagens do Eco Óleo Dúvidas mais freqüentes Óleos Vegetais Biodiesel Características do Biodiesel

Motor Diesel Vantagens na utilização do Biodiesel Vantagens do Eco Óleo Dúvidas mais freqüentes Óleos Vegetais Biodiesel Características do Biodiesel Motor Diesel p02 Vantagens na utilização do Biodiesel p04 Vantagens do Eco Óleo p05 Dúvidas mais freqüentes p08 Óleos Vegetais Biodiesel p11 Características do Biodiesel p13 Meio Ambiente: Responsabilidade

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA EIXO TECNOLÓGICO: Produção Industrial Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: TÉCNICO EM MÓVEIS FORMA/GRAU:(X )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

PROPOSTA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO SERVIÇO DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS - ESTUDO DE CASO NA REGIÃO NORTE DO RIO GRANDE DO SUL.

PROPOSTA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO SERVIÇO DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS - ESTUDO DE CASO NA REGIÃO NORTE DO RIO GRANDE DO SUL. PROPOSTA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO SERVIÇO DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS - ESTUDO DE CASO NA REGIÃO NORTE DO RIO GRANDE DO SUL. Vanessa Teresinha Alves (UFSM) vanerotta@gmail.com Julio Cezar Mairesse

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO

Leia mais

Administração das Operações Produtivas

Administração das Operações Produtivas Administração das Operações Produtivas MÓDULO 5: PAPEL ESTRATÉGICO E OBJETIVOS DA PRODUÇÃO Segundo Slack, para que se entenda a contribuição da função produção devese responder a duas questões: qual papel

Leia mais

ANÁLISE E ESTUDO DE MUDANÇA DE LAYOUT EM SETOR PÚBLICO

ANÁLISE E ESTUDO DE MUDANÇA DE LAYOUT EM SETOR PÚBLICO ANÁLISE E ESTUDO DE MUDANÇA DE LAYOUT EM SETOR PÚBLICO Celso Satoshi Sakuraba (UFS ) sakuraba@ufs.br YURI NATA DANTAS SILVA (UFS ) yuri_dantas_@hotmail.com Joana Nogueira Santos Silva (UFS ) joana_nog@hotmail.com

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

Planejamento, Programação e Controle da Produção

Planejamento, Programação e Controle da Produção Planejamento, Programação e Controle da Produção Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SISTEMA HÍBRIDO HIDRÁULICO NOS VEÍCULOS COMERCIAIS RESUMO

UTILIZAÇÃO DO SISTEMA HÍBRIDO HIDRÁULICO NOS VEÍCULOS COMERCIAIS RESUMO UTILIZAÇÃO DO SISTEMA HÍBRIDO HIDRÁULICO NOS VEÍCULOS COMERCIAIS Luis Eduardo Machado¹ Renata Sampaio Gomes ² Vanessa F. Balieiro ³ RESUMO Todos sabemos que não é possível haver regressão nas tecnologias

Leia mais

Análise do processo produtivo e logístico da linguiça de peito de frango da

Análise do processo produtivo e logístico da linguiça de peito de frango da Análise do processo produtivo e logístico da linguiça de peito de frango da indústria Frango Santana LTDA. Paulo Augusto dos Santos¹, Frederico Leocádio Ferreira¹, Helena Torres Gaitani Motta¹, Jaqueline

Leia mais

VANTAGENS E DESVANTAGENS - A IMPORTANCIA DE SABER ESCOLHER UM ARRANJO FÍSICO (LAYOUT) RESUMO

VANTAGENS E DESVANTAGENS - A IMPORTANCIA DE SABER ESCOLHER UM ARRANJO FÍSICO (LAYOUT) RESUMO VANTAGENS E DESVANTAGENS - A IMPORTANCIA DE SABER ESCOLHER UM ARRANJO FÍSICO (LAYOUT) Edilaine Cristina Duarte de Souza, Unisalesiano de Lins e-mail: edilaine.duarte@ig.com.br Érika Yuri Kotaki, Unisalesiano

Leia mais

ESTUDO DO ARRANJO FÍSICO DA LINHA DE PRODUÇÃO DE PAPELÃO DA COOPERATIVA DE BADAMEIROS DE FEIRA DE SANTANA

ESTUDO DO ARRANJO FÍSICO DA LINHA DE PRODUÇÃO DE PAPELÃO DA COOPERATIVA DE BADAMEIROS DE FEIRA DE SANTANA ESTUDO DO ARRANJO FÍSICO DA LINHA DE PRODUÇÃO DE PAPELÃO DA COOPERATIVA DE BADAMEIROS DE FEIRA DE SANTANA EDUARDO OLIVEIRA COSTA (UNIFACS) ehduda@hotmail.com ANNITA KELLY CARDOSO DE ANDRADE SOUZA (UNIFACS/FAT)

Leia mais

A GESTÃO DA PRODUÇÃO EM UM ALMOXARIFADO DE UM CANTEIRO DE OBRAS.

A GESTÃO DA PRODUÇÃO EM UM ALMOXARIFADO DE UM CANTEIRO DE OBRAS. A GESTÃO DA PRODUÇÃO EM UM ALMOXARIFADO DE UM CANTEIRO DE OBRAS. Marcelo ARAUJO (1); Luís Felipe SANTOS (2); Diego SOUSA (3); Wemerton Luis EVANGELISTA (4). 1Graduando do Curso Superior Tecnológico em

Leia mais

UMA ABORDAGEM DE CUSTOS NA FORMAÇÃO DE ESTOQUES

UMA ABORDAGEM DE CUSTOS NA FORMAÇÃO DE ESTOQUES UMA ABORDAGEM DE CUSTOS NA FORMAÇÃO DE ESTOQUES Fernando Santos Carlomagno (G-UEM) Resumo Este trabalho trabalhar o tema uma abordagem custos na formação de estoques, nele através de pesquisa iremos relatar

Leia mais

Informática e Sistemas de Custos: Um Estudo de Caso Sobre Mudança do Sistema de Custos

Informática e Sistemas de Custos: Um Estudo de Caso Sobre Mudança do Sistema de Custos Informática e Sistemas de Custos: Um Estudo de Caso Sobre Mudança do Sistema de Custos Flávia Felix da Silva Resumo: Neste estudo faz-se um levantamento sobre aspectos da informática e sistema de informação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO SERVIÇO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ADMINISTRAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO SERVIÇO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO SERVIÇO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ADMINISTRAÇÃO JOBSON AUGUSTO DE MELO COUTINHO O SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE Carla Milanesi de Oliveira - carla_mila_lala@hotmail.com RESUMO

CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE Carla Milanesi de Oliveira - carla_mila_lala@hotmail.com RESUMO CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE Carla Milanesi de Oliveira - carla_mila_lala@hotmail.com RESUMO Nos dias atuais, uma das áreas que mais se desenvolvem dentro das organizações sem dúvida é a Gestão dos Estoques,

Leia mais

Layout - Arranjo Físico

Layout - Arranjo Físico ???????????????? 2 Layout - Arranjo Físico É a disposição física dos equipamentos incluindo o espaço necessário para movimentação de material, armazenamento, mão de obra e todas as outras atividades e

Leia mais

Estudo de caso no estoque de uma loja de materiais para construção

Estudo de caso no estoque de uma loja de materiais para construção Estudo de caso no estoque de uma loja de materiais para construção Camila Cristina Prati Passarini (Unioeste) camila10prati@hotmail.com Rayssa Proença Loiola (Unioeste) rayssaproenca@gmail.com Riquianderson

Leia mais

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR.

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Barbara Monfroi (Unioeste) bmonfroi@gmail.com Késsia Cruz (Unioeste) kessia.cruz@hotmail.com

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 193

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 193 Página 193 SISTEMAS INSTRUMENTADOS DE SEGURANÇA PARA UMA UNIDADE DE PRODUÇÃO DE BIODIESEL Amaro Miguel da Silva Filho 1 ; Rafaela Ferreira Batista 2 ; James Correia de Melo 2 ; José Geraldo de Andrade

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Administração Geral Disciplina Gestão de Operações Código Semestre 5º Carga Horária Semestral: 80 horas Semanal: 4 horas

PLANO DE ENSINO. Administração Geral Disciplina Gestão de Operações Código Semestre 5º Carga Horária Semestral: 80 horas Semanal: 4 horas PLANO DE ENSINO I. Dados Identificadores Curso Administração Geral Disciplina Gestão de Operações Código Semestre 5º Carga Horária Semestral: 80 horas Semanal: 4 horas II. Objetivos 1. Objetivo Geral Propiciar

Leia mais

Aplicação dos princípios de gestão da manutenção em uma fábrica de colchões

Aplicação dos princípios de gestão da manutenção em uma fábrica de colchões Aplicação dos princípios de gestão da manutenção em uma fábrica de colchões 1 Laureilton José Almeida BORGES; 1 Débora Cristina de Souza RODRIGUES; 1 Warley Alves Coutinho CHAVES; 1 Caroline Passos de

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2010. Ensino Técnico. Qualificação: TÉCNICO EM LOGÍSTICA

Plano de Trabalho Docente 2010. Ensino Técnico. Qualificação: TÉCNICO EM LOGÍSTICA Plano de Trabalho Docente 2010 Ensino Técnico ETEC. RODRIGUES DE ABREU Código: 135 Município: BAURU/SP Área Profissional: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM LOGÍSTICA Qualificação:

Leia mais

Palavras chave: Sistema logístico, redes varejistas, atividades logísticas primarias.

Palavras chave: Sistema logístico, redes varejistas, atividades logísticas primarias. PROCESSO LOGÍSTICO EM REDE VAREJISTA: UM ESTUDO DAS ATIVIDADES LOGÍSTICAS PRIMÁRIAS EM UMA REDE VAREJISTA NA CIDADE DE BAMBUÍ-MG Julimara Fátima da Silva 1 Julimara Lima Nunes 2 Sablina Prado de Assis

Leia mais

PROGRAMA DE COLETA DE ÓLEOS RESIDUAIS NA CIDADE DE ITAÚNA PARA A PRODUÇÃO DE BIODIESEL EM ESCALA PILOTO Etapa de planejamento e implementação

PROGRAMA DE COLETA DE ÓLEOS RESIDUAIS NA CIDADE DE ITAÚNA PARA A PRODUÇÃO DE BIODIESEL EM ESCALA PILOTO Etapa de planejamento e implementação PROGRAMA DE COLETA DE ÓLEOS RESIDUAIS NA CIDADE DE ITAÚNA PARA A PRODUÇÃO DE BIODIESEL EM ESCALA PILOTO Etapa de planejamento e implementação Rosilene A. de Miranda, ICB / UIT, luanabiologa@yahoo.com.br

Leia mais

Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM. FIB - Faculdades. Administração de Empresas

Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM. FIB - Faculdades. Administração de Empresas Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM FIB - Faculdades Administração de Empresas 2009 MODELAGEM ESTUDO DE CASO: Trabalho solicitado pelo Prof.: Trabalho realizado para a disciplina de FIB - Faculdades

Leia mais

A Representatividade das Técnicas de Osm para o Desenvolvimento das Organizações

A Representatividade das Técnicas de Osm para o Desenvolvimento das Organizações A Representatividade das Técnicas de Osm para o Desenvolvimento das Organizações José Maria de Oliveira jmoliveira98@gmail.com UCB Jairo Alano Bittencourt jairo@ucb.br UCB Simone Aparecida Moreira simomoreira@yahoo.com.br

Leia mais

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS Elane de Oliveira, UFRN 1 Max Leandro de Araújo Brito, UFRN 2 Marcela Figueira de Saboya Dantas, UFRN 3 Anatália Saraiva Martins Ramos,

Leia mais

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Matheus Castro de Carvalho (matheus_c_carvalho@hotmail.com / CESUPA) Resumo: A aplicação dos conceitos

Leia mais

3 CONTEÚDO PROGRMÁTICO

3 CONTEÚDO PROGRMÁTICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas Departamento de Administração Curso de Administração Av. Fernando Ferrari, 514 - Campus Universitário - Goiabeiras CEP.

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA PROPOSTA PARA GERENCIAMENTO DA EXECUÇÃO DE PROJETOS DE CABEAMENTO ESTRUTURADO BASEADO NOS PARÂMETROS DA METODOLOGIA PMI

DESENVOLVIMENTO DE UMA PROPOSTA PARA GERENCIAMENTO DA EXECUÇÃO DE PROJETOS DE CABEAMENTO ESTRUTURADO BASEADO NOS PARÂMETROS DA METODOLOGIA PMI UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA/AUTOMAÇÃO HENRY MEINELECKI BUENO BARBOSA LUCAS PEVIDOR DE CARVALHO CAVALLARI MURILO

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 24 1/2011 ISSN 1517-8471 Páginas 37 à 44 RESUMO

Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 24 1/2011 ISSN 1517-8471 Páginas 37 à 44 RESUMO CONTROLE DE QUALIDADE NA AVALIAÇÃO DE UM ESTOQUE Andre Luis de Souza Neto 1 RESUMO O presente trabalho justifica-se pela discussão do grande papel da avaliação e controle da qualidade de um estoque em

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores, são descartados. Há muito se fala em reciclagem e reaproveitamento dos materiais utilizados.

Leia mais

Faculdades Integradas Teresa D Ávila

Faculdades Integradas Teresa D Ávila Faculdades Integradas Teresa D Ávila CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Reconhecido pela Portaria Ministerial nº. 4.571 de 28/12/05 e publicado no DOU em 29/12/05. Componente Curricular: Administração da Produção

Leia mais

Ricardo Coêlho dos Santos Filho (UVV) ri.filho@uol.com.br Fabiano Cézar Gomes Nascimento (AM Tubarão) fabiano.cezar@ymail.com

Ricardo Coêlho dos Santos Filho (UVV) ri.filho@uol.com.br Fabiano Cézar Gomes Nascimento (AM Tubarão) fabiano.cezar@ymail.com XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

ANÁLISE LOGÍSTICO DA MOVIMENTAÇÃO DE ITENS DE LASER PARA PRENSAS VIRADEIRAS DE UMA EMPRESA DO AGRONEGÓCIO

ANÁLISE LOGÍSTICO DA MOVIMENTAÇÃO DE ITENS DE LASER PARA PRENSAS VIRADEIRAS DE UMA EMPRESA DO AGRONEGÓCIO ANÁLISE LOGÍSTICO DA MOVIMENTAÇÃO DE ITENS DE LASER PARA PRENSAS VIRADEIRAS DE UMA EMPRESA DO AGRONEGÓCIO Juliano Hammes (FAHOR) jh000697@fahor.com.br Vilmar Boeno Silva (FAHOR) vilmar@fahor.com.br Resumo

Leia mais

Proposta de um software para geração de arranjos físicos planejados

Proposta de um software para geração de arranjos físicos planejados Proposta de um software para geração de arranjos físicos planejados Débora Cristina de Souza RODRIGUES1; Matheus Soares NAMETALA2; Rafaela Leite das CHAGAS3.Ciniro Aparecido Leite NAMETALA4; Wemerton Luís

Leia mais

7º Simpósio de Ensino de Graduação

7º Simpósio de Ensino de Graduação ORÇAMENTO 7º Simpósio de Ensino de Graduação Autor(es) MARIANA HEREMAN Orientador(es) ELAINE DIAS 1. Introdução As empresas estão buscando sempre atingir seus objetivos por meio de um bom planejamento

Leia mais

A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações.

A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações. A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações. Nathan de Oliveira Paula nathan_paula@hotmail.com IFSudesteMG Marylaine de

Leia mais

Dimensionamento da capacidade de atendimento da nova portaria industrial norte da CST-Arcelor por simulação

Dimensionamento da capacidade de atendimento da nova portaria industrial norte da CST-Arcelor por simulação Dimensionamento da capacidade de atendimento da nova portaria industrial norte da CST-Arcelor por simulação Bruno Camara Vieira (CST-Arcelor/FAESA) bruno.vieira@arcelor.com.br Daniella G. Barros S. de

Leia mais

Análise das implicações do layout em um centro de distribuição logístico

Análise das implicações do layout em um centro de distribuição logístico Análise das implicações do layout em um centro de distribuição logístico Aladiane Santos, ladia87.sbn@hotmail.com Rosani Cruz, rosanisc@hotmail.com Diego Augusto de Jesus Pacheco, profdajp@gmail.com Resumo:

Leia mais

Análise e Aplicação de Controle de Custos na Gestão por Processo: Estudo de caso em uma indústria de implementos agrícolas.

Análise e Aplicação de Controle de Custos na Gestão por Processo: Estudo de caso em uma indústria de implementos agrícolas. Análise e Aplicação de Controle de Custos na Gestão por Processo: Estudo de caso em uma indústria de implementos agrícolas. Cátia Raquel Felden Bartz (FAHOR) catia@fahor.com.br Jonas Mazardo (FAHOR) jonas_mazardo@yahoo.com.br>,

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Administração Disciplina: Administração da Produção e Operações I Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º 1 - Ementa (sumário, resumo) Conceito

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE Curso de Ciências Contábeis A AUDITORIA INTERNA NOS ESCRITÓRIOS DE CONTABILIDADE RESUMO

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE Curso de Ciências Contábeis A AUDITORIA INTERNA NOS ESCRITÓRIOS DE CONTABILIDADE RESUMO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE Curso de Ciências Contábeis A AUDITORIA INTERNA NOS ESCRITÓRIOS DE CONTABILIDADE Marianna David Martins 1 Cleber Batista de Sousa 2 RESUMO Este artigo irá discorrer

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS INTERFACES DO MARKETING E ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS INTERFACES DO MARKETING E ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS INTERFACES DO MARKETING E ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Carolina K. Souza Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Departamento de Engenharia de Produção, Campus universitário

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI GEDAÍAS RODRIGUES VIANA 1 FRANCISCO DE TARSO RIBEIRO CASELLI 2 FRANCISCO DE ASSIS DA SILVA MOTA 3

Leia mais

PLANEJAMENTO DO LAYOUT PARA MELHORIA DA MOVIMENTAÇÃO INTERNA EM UMA EMPRESA DE LACRES

PLANEJAMENTO DO LAYOUT PARA MELHORIA DA MOVIMENTAÇÃO INTERNA EM UMA EMPRESA DE LACRES Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia Logística/6º 07/05/2015 PLANEJAMENTO DO LAYOUT PARA MELHORIA DA MOVIMENTAÇÃO INTERNA EM UMA EMPRESA DE LACRES Hendy de Oliveira Analista de Suprimentos

Leia mais