PROPOSTA DE UM PLANO DE RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS, PARA A MICROBACIA DO CÓRREGO MINGAU, GOIÂNIA, GOIÁS.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROPOSTA DE UM PLANO DE RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS, PARA A MICROBACIA DO CÓRREGO MINGAU, GOIÂNIA, GOIÁS."

Transcrição

1 PROPOSTA DE UM PLANO DE RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS, PARA A MICROBACIA DO CÓRREGO MINGAU, GOIÂNIA, GOIÁS. Henrique Pereira da Silva ¹, Antônio Pasqualetto ² ¹Eng. Ambiental, Graduando em Engenharia Ambiental Universidade Católica de Goiás ²Eng. Agrônomo, Doutor do Departamento de Engenharia da Universidade Católica de Goiás, RESUMO Este trabalho refere-se ao estudo ambiental de um Plano de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD) que tem como princípio estabelecer medidas para a recuperação e reabilitação ambiental de áreas atingidas em decorrência do processo erosivo, o que se deve por alterações físicas, bióticas e antropícas causadas ao meio ambiente. A área em estudo, de m², está localizado no bairro Parque Amazônia, no município de Goiânia, onde abrange o córrego Mingau e seu entorno, encontra-se totalmente antropizado ao longo das áreas de preservação, em decorrência da ocupação urbana irregular e da retirada da mata ciliar no entorno das nascentes do córrego Mingau, para a implantação de culturas permanentes (árvores frutíferas e ornamentais) e temporárias (horticulturas e floriculturas). A área também é ocupada para o uso de clubes de lazer, oficina de pintura e funilaria de veículos, depósito de resíduos, canais de drenagem, moradias e vias asfaltadas. Palavras Chaves: Processo erosivo, Ocupação urbana, Áreas degradadas e córrego Mingau. ABSTRACT This work to refer to ambient study by a Recovery Plan of Degraded Areas PRAD, that it has as principle to establish measures to ward the recovery and ambient whitewashing of reached areas in result of erosive process, what if it must for physical alterations, bioethics and antrophic, caused to environment. The area in study, of ,68 square meters, it is located in the Parque Amazônia neighbourhood, in the municipality of Goiânia, where it encloses the Mingau creek and her outline, one meets finished totally to long in preservation areas, in result of irregular urban occupation and whithdrawal of ciliar scrubland in around of springs in Mingau creek, to the implantation in permanent cultures (fruitful trees and adornment) and temporary (horticultures and floricultures).the area also is busy for the use of leisure clubs, paint and tinsmith workshop, dump sites, drainage canals, housing and torred road. Key Words: Erosive process, Urban occupation, Degraded areas and Mingau creek. Goiânia, 2007/1 1 INTRODUÇÃO A existência de um Plano Diretor não isenta o espaço urbano de impactos ambientais. Em Goiânia, os impactos ambientais da expansão urbana são resultados da falta 1

2 de planejamento, e assim também colocam em risco a sustentabilidade do desenvolvimento local (ASSUNÇÃO, 2002). A perda por parte do poder público, sobre o controle de ocupação do solo, fez intensificar o processo migratório na direção da capital ( ), o que fez ampliar significamente o espaço urbano. Isso levou por parte da população a ocupação irregular no entorno dos recursos hídricos de Goiânia, sem maiores preocupações com a capacidade de suporte e sem comprometimento com a sustentabilidade ambiental da mesma. Tal fator colocou em risco as características naturais do córrego Mingau. Segundo Assunção (2002), com o passar dos anos, medidas como a Lei de Zoneamento de Goiânia, sancionada em 1994, direcionou o crescimento da cidade para a parte alta contígua ao córrego Mingau, ou seja, os bairros: Parque Anhanguera, Jardim Planalto, Vila Rezende e Jardim Atlântico, assim como toda a rede de drenagem de água pluvial desses bairros direcionou-se para a cabeceira do córrego, bem como a do Setor dos Buritis, no município de Aparecida de Goiânia. Ao longo do processo de ocupação urbana, as sucessivas administrações negligenciaram a necessidade de espaço nas proximidades dos rios, autorizando ocupações inadequadas ao longo das faixas marginais de proteção. Com isso, as freqüentes inundações e danos causados, aumentaram ainda mais a permanência desta situação. Devido à ocupação irregular em suas margens e o comprometimento da preservação permanente em sua área, foi proposto para o córrego Mingau a elaboração de um Plano de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD). Este plano é um importante instrumento de gestão ambiental para outros tipos de atividades antrópicas, sobretudo aquelas que envolvem desmatamentos, terraplenagem, exploração de jazidas, entre outros. Para qualquer dessas atividades a elaboração do PRAD é voltada para os aspectos do solo e da vegetação. 2 LEGISLAÇÃO AMBIENTAL 2.1 LEGISLAÇÃO FEDERAL: Em nível federal, a Constituição dá a União à competência privativa para legislar sobre as águas, rios, lagos ou outros corpos d`água superficiais que podem ser bens dos Estados ou da União. O planejamento do uso e gestão das águas superficiais é legalmente assegurado em nível federal, pelos seguintes arcabouços (MARTINS, et al 2005):.Código de Águas (complementa o Código Civil).Código de Mineração e de Águas Minerais (Decreto-Lei n 227/67).Lei n 6.938/81 (regulamentada pelo decreto n /90), da Política Nacional do Meio Ambiente, em seu Art. 3, impõe o retorno de uma área degradada em uma forma de utilização..lei n 6.938/81 (regulamentada pelo decreto n /90), da Política Nacional do Meio Ambiente, em seu Art. 4, impõe ao poluidor e ao predador, a obrigação de recuperar ou indenizar os danos causados ao meio ambiente..resolução n 020/86 do Conselho Nacional do Meio Ambiente - estabelecem parâmetros e limites para classificação das águas doces, solobras e salinas..código Florestal Federal (Lei 4.771/95) e Lei florestal do Estado de Goiás (Lei n /95) estabelecem que o entorno, de nascentes e cursos d`águas, bem como matas ciliares, topos de morro e encostas, são áreas de preservação permanente..lei n 9.605/98 (regulamentada pelo decreto n 3.179/99) conhecida como a Lei de Crimes Ambientais, dispõe sobre os sansões penais e administrativos derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente..lei n 9.433/97, conhecida como Lei das Águas institui o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos, tendo a bacia hidrográfica como unidade de 2

3 planejamento. Estabelece como instrumento de gestão, a outorga, a cobrança pelo uso da água, planos diretores de bacias, enquadramento de corpos d`aguas, compensação a municípios e o sistema de informações sobre recursos hídricos. 2.2 LEGISLAÇÃO ESTADUAL: Em nível estadual, o Estado de Goiás, instituiu nos moldes da Lei Nacional das Águas, a sua política Estadual de Recursos Hídricos. Essa política tem como objetivo assegurar a disponibilidade de água à atual e as gerações futuras. As leis que regem a Política de Recursos Hídricos em Goiás são (MARTINS, et al 2005)..Lei n /97 Lei Estadual de Recursos Hídricos estabelece o uso múltiplo das águas e a participação tripartite poder público, usuários e comunidades na gestão de bacias hidrográficas..lei n /95 (regulamentada pelo Decreto n 4.593/95) conhecida como a Lei Florestal do Estado de Goiás, com o objetivo de disciplinar a exploração e utilização da cobertura vegetal nativa, além de disciplinar e controlar a exploração, a utilização e o consumo de produtos e subprodutos florestais..lei n 8544/78 (regulamentado pelo Decreto n 1.745/78) - Controle de Poluição do Meio Ambiente: Visa estabelecer penalidades a quaisquer ações que possa tornar às águas, ar ou solo impróprias, nocivas ou ofensivas à saúde, além de inconvenientes ao bem estar público..lei n /97 - Pesca Aqüicultura e Proteção da Fauna Aquática: visa estabelecer sansões administrativos e penais, para que sejam permitidas as atividades de pesca no Estado. Ficam permitidas apenas cinco modalidades de pesca: científica, amadora, esportiva, subaquática e artesanal..lei n 14241/02 - Proteção da Fauna Silvestre: visa proteger os animais da fauna silvestre, nos limites do Estado de Goiás, em qualquer fase de seu desenvolvimento, bem com ninhos, abrigos e criadouros naturais. 2.3 LEGISLAÇÃO MUNICIPAL Em nível municipal, os instrumentos responsáveis por garantir a sustentabilidade do desenvolvimento urbano e a qualidade de vida da população, são os Planos Diretores, Lei de Zoneamento, Código de Edificações, Lei de Loteamentos e Lei de Uso e Ocupação do Solo. Em Goiânia as Leis municipais que assegura as tais são:.lei Orgânica do Município de Goiânia, de 1990;.Lei de zoneamento do Município de Goiânia, de 1994;.Lei complementar n 031, de 29 de dezembro de 1994, que dispões sobre o uso e ocupação nas zonas urbanas e de extensão urbana no Município de Goiânia e estabelece outras providências urbanísticas; No caso de Goiânia, a forma como é aplicada a Lei de Uso e Ocupação do Solo não leva em conta a necessidade de manutenção das funções ecológicas esperadas para as águas superficiais. Exemplo desse processo foi à criação do bairro Parque Amazônia, onde nasce o córrego Mingau. 3 CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA O córrego Mingau, com uma extensão de aproximadamente 1.315,69m, nasce no bairro Parque Amazônia, nas delimitações das ruas Belo Horizonte, Alameda Juazeiro do Norte e Avenida José Leandro da Cruz (Figura 1), onde o atravessa para unir-se ao córrego Serrinha, no trecho situado entre a Rua Anacá C-107, avenida C-177 e Rua Açaí, indo desemboçar no córrego Cascavel que, por sua vez, drena para o ribeirão Anicuns, um afluente do rio Meia Ponte, contribuinte da bacia da Paranaíba. Percorre uma área de planícies de 3

4 sudoeste para noroeste, com uma declividade inferior a 20, o que caracteriza uma área de baixo risco de erosão (Tabela 1). O córrego Mingau está incluído dentro do Bioma Cerrado a 835 metros acima do nível do mar. A área onde foi implantado pertencia aos Senhores José Rodriques de Morais Neto, José Fidelis Soares e Elias Bufaiçal, e foi loteada pela Imobiliária Faiçal, somando um total de 657,960m² dos quais ,68m² referem-se a chácaras localizadas ao longo do córrego Mingau, sendo denominado pelo Instituto de Planejamento Municipal de Goiânia IPLAN (1980), como distrito 12. Limita-se ao Norte com os bairros Jardim América e Nova Suíça, onde se encontram os córregos Serrinha e Cascável; ao Sul, limita-se com os bairros Residenciais Taynan, Vila São Tomaz e Setor dos Afonsos, este também pertencente ao município de Aparecida de Goiânia; a Leste, com os bairros Serrinha, Jardim das Esmeraldas e com a Vila Brasília, bairro este pertencente ao município de Aparecida de Goiânia; e a Oeste, com o Jardim Atlântico e Vila Rosa. Tabela 1: Declividade x Risco de erosão Declividade Plano Plano a suave ondulado Suave ondulado a ondulado Ondulado a forte ondulado Forte ondulado a montanhoso Montanhoso Fonte: Risco de erosão Fraca Fraca Moderada Média Forte Forte É considerado um dos principais corpos coletores de águas do município goianiense e entorno, ressaltando a necessidade da preservação das margens e nascentes, bem como do uso sustentável das águas do córrego Mingau (ASSUNÇÃO, 2002). O plano inicial do loteamento do Parque Amazônia apresentava às margens do córrego Mingau, chácaras com áreas variando entre 2500 a 7000 metros quadrados. Na época da implantação desse bairro em 1955, estava em vigência o Código Florestal de 1934, que segurava a preservação permanente das florestas protetoras, situadas ao longo das margens e nascentes do córrego Mingau, e também estava em vigência o 1 Código de Edificações de Goiânia, aprovado em 1947, que abrangia toda a Legislação Urbana - Lei de Uso e Ocupação do Solo, Lei de Zoneamento e Lei de Loteamentos (MOREIRA, 2002). Figura 1: Caracterização da área de estudo em todo trecho do córrego Mingau (Google Earth, 2007). 4

5 4 METODOLOGIA O trabalho de estudo consiste em um levantamento sócio-econômico e ambiental junto aos moradores do local, para estabelecer um plano de recuperação para a micro-bacia do córrego Mingau e medidas de recuperação ambiental das áreas atingidas pelas águas provenientes do escoamento superficial, que provocam o assoreamento dos recursos hídricos. O trabalho foi realizado na cidade de Goiânia, de agosto de 2006 a junho de 2007, onde seu desenvolvimento foi composto em quatro etapas de estudo. Inicialmente foi realizado um diagnóstico ambiental da área de influência (item 5.1), que consiste na caracterização do meio físico, biótico e antrópico, em seguida foram identificados os fatores de danos ambientais (item 5.2), ou seja, as áreas responsáveis pela contaminação e pelo processo de degradação do córrego Mingau, consequentemente foi elaborado um questionário de pesquisa que abordasse dados sócio-econômicos e ambientais e aplicado junto aos moradores do local (Anexo 1). O mesmo foi realizado por amostragem em dois dias consecutivos (sábado e domingo), onde foram estabelecidos trechos específicos, ou seja, pontos considerados mais relevantes para o estudo (tabela2) e por fim foi sugerido um plano de recuperação ambiental para o córrego Mingau, que possui medidas mitigadoras que possam se utilizadas na recuperação das áreas degradadas e as que se encontra em processo erosivo. Tabela 2: Identificação dos trechos Trecho Córrego Descrição do Trecho Localização Geográfica (UTM) 01 Mingau Nascentes principais Clube Sind Goiânia / Mingau Av. Terezinha de Morais c/ Av. José Leandro / da Cruz 03 Mingau Rua Anacá c/ Al. Juazeiro do Norte e Rua Açaí / Mingau Confluência do córrego Mingau com o córrego / Serrinha. Fonte: Diagnóstico do córrego Mingau e Vaca Brava - Semma (2005). A pesquisa foi realizada através de um questionário nos trechos descritos na tabela 2, entrevistando um total de 16 moradores e estabelecendo dois parâmetros para avaliação (Faixa etária e Sexo). À partir das informações obtidas no questionário, foi elaborada uma tabela que abordasse tais informações. As variáveis estabelecidas para a elaboração da tabela foram:. Perguntas do questionário;. Faixa Etária; - De 20 a 40 anos - Mais de 40 anos. Sexo; - Homem - Mulher. Total de Entrevistados; - Faixa Etária - Sexo Além da entrevista com os moradores no córrego mingau, outros passos metodológicos foram aplicados para análise: - Pesquisas Bibliográficas; - Fotos em cada trecho (Tabela 2); - Imagem de Satélite (Google Earth) - Mapa do local (Planta de Uso e Ocupação do Solo córrego Mingau Nov. 2002); 5

6 5 RESULTADOS E DISCUSSÃO 5.1 Diagnóstico ambiental da área de influência O diagnóstico ambiental da área de influência consiste na caracterização do meio físico, biótico e antrópico da área de estudo Caracterização do Meio Físico O processo de formação do solo varia de região para região em função do tipo de clima e, principalmente, do tipo de rocha. O risco de erosão de uma determinada região está diretamente relacionado com o tipo de solo (Tabela 3). De um modo geral, os solos são compostos por camadas ou capas. No caso do córrego Mingau, o solo é caracterizado, como latossolo vermelho escuro distrófico com textura argilosa (GUERRA, 1999). Os solos argilosos, onde os grãos de argila são bem menores que os grãos de areia, retêm mais água, isto é, são pouco permeáveis e bem menos arejados, porque os espaços são bem menores dificultando o escoamento de água e a entrada de ar. Tabela 3: Tipo de solo x Risco de erosão Tipo de Solo Latossolos Solos B Textural B Textural / Cambissolos Cambissolos Fonte: Risco de erosão Fraca Moderada Forte Muito Forte O relevo é plano ondulado que além de baixa permeabilidade, possui baixa fertilidade natural. O clima é do tipo AW, ou seja, que em regiões tropicais é caracterizado como um clima tropical quente e úmido e possui duas estações bem definidas, uma seca e outra chuvosa. A estação seca começa em abril e continua até setembro. Nesta estação os ventos predominantes são de leste ou de sudeste e as tempestades são muito raras. Apesar de abranger uma extensa área, a região apresenta clima bastante regular. A temperatura média é de 25 C, registrando máximas de 40 C no verão. Os meses mais frios são junho e julho, com temperaturas que variam de 10 a 20 C, enquanto que em agosto a temperatura é mais quente. A topografia possui linha de drenagem vertendo para o bairro, que em épocas de chuva contribui para o agravamento da situação, pois o aumento do volume de escoamento superficial e energia dissipada nas quedas d`águas durante o lançamento no leito do córrego, representa significativo risco de desencadeamento de processo erosivo (Figura 2). Á área de estudo possui uma fitofisionomia do tipo Bioma Cerrado, caracterizado por árvores baixas e retorcidas. 6

7 Figura 2: Desencadeamento de processo erosivo às margens do córrego Mingau Caracterização do Meio Biótico O Cerrado é o segundo maior bioma do país, superado apenas pela floresta amazônica. O Bioma Cerrado é caracterizado por tipos específicos de vegetação, como a caatinga, o cerrado entre outros. São cortadas por três das maiores bacias hidrográficas da América do Sul, com índices pluviométricos regulares que lhe propiciam biodiversidade. Ocupa uma área superior a dois milhões de Km², cerca de 23% do território brasileiro, abrangendo os estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, Minas Gerais, Distrito Federal, Piauí, Tocantins e parte dos estados da Bahia Ceará, Maranhão, São Paulo, Paraná e Rondônia. Ocorrem também em outras áreas nos estados de Roraima, Pará, Amapá e Amazonas (MARTINS et al, 2005). Na região de estudo trata-se de uma área de predominância de Veredas de fundo de vale, tendo sua topografia pouco alterada, com a vegetação caracterizada pela presença de Embaúba (Cecropia sp) e de Buriti (Mauritia flexuosa), palmeira que ocorre em meio a agrupamento de espécies arbustivo-herbáceas (PRAD, 2006). Também no córrego Mingau, foram mencionadas as seguintes espécimes frutíferas: mangueira,jabuticabeira,cajueiro,mamoeiro e bananeira. Os trechos próximos às nascentes são relativamente rasos e estreitos, onde a seção de escoamento possui formato trapeizodal de base estreita e taludes inclinados em relação a vertical, o que significa a existência de uma camada mais resistente a processos erosivos, ao passo que na camada mais próxima à superfície os solos são mais sensíveis, o que tem provocado o comprometimento de árvores mais próximas às margens por solapamento do solo ao redor das raízes. Com relação à Fauna Silvestre, ela se encontra praticamente inexistente, uma vez que o ambiente é urbanizado, porém há segundo relatos de moradores no entorno do córrego Mingau há a existência de espécimes nativas da ictiofauna local como se vê na Figura 3 a presença da Andorinha do mato (Tachornis squamata), também foram mencionados o Cachorro do Mato (Cerdocyon thous) e Gambá (Didelphis sp). O grupo predominante na região é o das aves, uma vez que os mesmos se adaptam com maior facilidade a ambientes alterados. Tabela 4: Espécies de animais encontrados no córrego Mingau. Espécie / Família Astyanax sp Cerdocyon thous Didelphis sp Hypostomus sp Nome comum Lambari Cachorro do Mato Gambá Cascudo 7

8 Figura 3: Andorinha do mato, espécie da fauna existente às margens do córrego Mingau Caracterização do Meio Antrópico Ao longo do trecho em estudo do córrego Mingau, verifica-se moradias de boa infraestrutura o que configura que a classe social ali presente tem um poder aquisitivo satisfatório, contrastando com outras moradias que estão nas adjacências (PRAD, 2006). Foi identificado o Clube dos Buritis, de propriedade do Sind Goiânia, que se instalou nas chácaras, onde se situa as nascentes do córrego. Estas foram vedadas e canalizadas para uso privativo, o que constitui crime ambiental, de acordo com a Lei n 9605/98. Moradores vizinhos testemunharam que todos os finais de semana, ao entardecer, o clube lança resíduos no córrego. Existe também no córrego Mingau a produção de hortaliças que ocorre devido às boas condições de fertilidade do solo orgânico (terra preta) no local. A mesma além de comprometer o volume normal, das águas do córrego em função da captação, contribui diretamente para o aumento da turbidez da água devido à introdução de nutrientes e defensivos, que penetram no córrego, seja pelo escoamento superficial, drenagem, e até mesmo através do solo. No córrego Mingau há também áreas antropizadas que são utilizadas, para deposito de lixo e restos de materiais de construção (Figura 4). Os responsáveis por realização tal degradação são os moradores do local e de setores circum-vizinhos. Exemplo disso temos conforme a figura anterior um depósito de caçambas de lixo no local. Figura 4: Deposito de caçambas de lixo em área antropizada às margens do córrego Mingau. 8

9 5.2 Fatores de Degradação Ambiental da Micro-Bacia do Córrego Mingau. Os principais fatores identificados no córrego Mingau, como causadores e responsáveis pelo processo de contaminação e degradação às margens das nascentes são: Habitações, Comércio e Serviços, atividades de Horticultura e Floricultura, atividades de lazer como a chácara Fenícia e clube Sind Goiânia e Vias Asfaltadas e geração de Resíduos Sólidos Habitações É composta basicamente por dois tipos de moradias, de baixa renda (Figura 5) e de classe média (Figura 6), localizados próximo às margens do córrego Mingau, ocupando áreas de preservação permanente (APP), que são destinadas às faixas bilaterais contíguas aos cursos d`águas, que segundo a Lei Florestal do Estado de Goiás é de 30m (trinta metros) ao longo do mesmo. No local está situação se constituiu o grande problema da área, pois potencializam a desagregação de solos e instalação de processos erosivos. Existem também chácaras que são cortadas ao meio pelo córrego, de forma que a faixa de preservação já ocupa a totalidade das mesmas. Outros fatores relacionados às habitações que contribuem para aumentar a degradação do córrego são as condições precárias de rede de esgotos e sistema de drenagem no local, aliado também com a falta de conscientização ambiental por parte dos moradores, que ao longo do canal do córrego promovem o lançamento indiscriminado de efluentes domésticos no entorno e na água do córrego. Tal fato pode estar na origem dos coliformes fecais detectados nas análises de águas realizadas (ASSUNÇÃO, 2002). Figura 5: Habitação de baixa renda às margens do córrego Mingau 9

10 Figura 6: Habitação de classe média, próximo às margens do córrego Mingau Comércio e serviços Na área do córrego Mingau, é caracterizado pela presença da oficina de pintura e funilaria de veículos (Figura 7), que são responsáveis pelos lançamentos de resíduos químicos por óleos e graxos, além da contaminação com lixo no local. Segundo a Lei de Zoneamento de Goiânia a área é considerada Zona de Proteção Ambiental (ZPA), e vêm sofrendo danos com a contaminação, compactação e erosão do solo. Na área também a um depósito de resíduos plásticos para a produção de mangueiras, na confluência com o córrego Serrinha, em chácara situada as margens do córrego Mingau, podem estar causando poluição de suas águas (ASSUNÇÃO, 2002). Figura 7: Funilaria de veículos, às margens do córrego Mingau Agricultura No córrego Mingau, as atividades de agricultura são caracterizadas por dois tipos de produção: Horticultura e Floricultura Horticultura É caracterizada pela produção de hortaliças (Figura 8), que às margens do córrego Mingau, é responsável pela alteração do ciclo hidrológico, influenciando entre outras coisas, na reprodução e crescimento da biota. Esse processo ocorre pelo acúmulo de sedimentos às margens do córrego Mingau, que contribui diretamente para o aumento da turbidez da água no local, onde a produção da horticultura utiliza a mesma para a irrigação.na área a mata ciliar, 10

11 encontra-se bastante comprometida. O preparo do solo e a utilização de defensivos e fertilizantes representam risco de contaminação para o córrego mingau, pois contamina a água e contribui para a fixação de poluentes na cadeia trópica. Figura 8: Produção de hortaliças próxima às margens do córrego Mingau Floricultura A produção de floricultura, apesar de, ser praticada dentro dos princípios conservacionistas, como oficina da terra (Figura 9), apresenta um grande potencial de danos ambientais, pois além de utilizar áreas de risco situadas no entorno do córrego Mingau, assim como na produção de hortaliças, altera o ciclo hidrológico devido ao acúmulo de sedimentos às margens das nascentes e corpos d`águas. Figura 9: Produção de floricultura na Oficina da Terra, próximo às margens do córrego Mingau Lazer No córrego Mingau é caracterizado por dois locais de uso: Chácara Fenícia e Clube Sind Goiânia (ASSUNÇÃO, 2002) Chácara Fenícia Localizada a Jusante do córrego Mingau, ou seja, para o lado de baixo cujo o sentido corre as águas, a Chácara Fenícia (Figura 10) é responsável junto com outras chácaras existentes para o lazer, pela captação das águas do córrego Mingau para irrigar os campos 11

12 poli esportivos cobertos com grama, onde também ocorre o lançamento indiscriminado de resíduos sólidos nos cursos d águas. Figura10: Chácara Fenícia, uma das chácaras responsáveis pela captação das águas às margens do córrego Mingau e pelos lançamentos de resíduos sólidos nos cursos d`águas Clube Sind Goiânia Localizado à nascente principal do córrego Mingau, o clube Sind-Goiânia (Figura 11) é responsável pela retirada de grande parte da vegetação original do cerrado localizado nos 50m (cinqüenta metros) que circunda as nascentes do córrego. Outro fator significante constatado é o lançamento de efluentes produzidos pelo clube, uma vez que há no local uma fossa séptica com sumidouro a montante e a jusante da nascente do córrego Mingau, além de um lago construído artificialmente que recebe as águas das piscinas, seguindo posteriormente o curso normal do córrego Mingau. Figura 11: Clube Sind-Goiânia, responsável pelo lançamento de efluentes nos leitos do córrego Mingau Vias Asfaltadas e Geração de Resíduos Sólidos As vias asfaltadas (Figura 12), por serem vias de circulação, recebem grandes quantidades de resíduos sólidos, o que afeta a compactação solo, modifica da cobertura vegetal e propicia a instalação de processos erosivos, uma vez que em declividades superior a 10º, ocorre o facilitamento para o carregamento de sedimentos que se propagam para as nascentes e ao canal do córrego, podendo acarretar no assoreamento dos leitos. Esses fatores 12

13 ocorrem pela poluição do ar gerado pelos veículos, cujos componentes acabam por depositarse nas plantas no solo e em partes são drenados para os cursos d água e também por grandes quantidades de lixo presente no escoamento superficial. (ASSUNÇÃO, 2002). Figura 12: Vias asfaltadas, próximo às margens do córrego Mingau, potencializadas com lixo proveniente do escoamento superficial, oriundos das ruas. 5.3 Respostas do questionário Através da aplicação do questionário de pesquisa junto aos moradores do entorno do córrego Mingau, foi obtido em praticamente todos os trechos abordados (tabela 2), informações significantes do ponto de vista sócio-econômico e ambiental. Retrato do comprometimento ambiental dos moradores quanto aos problemas existentes no local, é visível nas ações que os mesmos provocam. Enquanto que proprietários de locais como o Clube Sind Goiânia, Chácara Fenícia, e as atividades de horticultura e floricultura proporcionam fontes de lazer e de renda respectivamente, mesmo que eles acabam por poluir e danificar os leitos do córrego devido à falta de continuidade e manutenção ao longo do percurso do mesmo, outros moradores se limitam a esperar os governantes tomar as devidas providências e nada fazem para ajudar a preservar o mesmo, além de serem também responsáveis diretos pelo grande comprometimento das margens do manancial. Essa realidade é vistas em alguns locais ao longo do córrego. Ao passo que uns embelezam ainda mais as margens do córrego aproveitando a beleza natural existente, outros apenas registram documentos e fotos da destruição gradativa, mas não fazem nada para mudar tal situação. Conforme a pesquisa realizada no local, foram obtidos dados sócio-econômico e ambiental dos moradores do córrego Mingau (Anexo 1). A seguir apresentaremos através utilização de quatro gráficos as principais informações sócio econômico e ambiental do córrego Mingau. - Com relação ao 1º gráfico (Figura 13), pode-se observar que apenas 25% dos moradores entrevistados afirmaram utilizar a água do córrego para diversos tipos de usos, que são os proprietários do Clube Sind Goiânia, Chácara Fenícia e demais que regam a área de lazer e campos esportivos e a Horticultura e Floricultura que regam as hortaliças e plantas. Enquanto que o restante 75% não afirmaram utilizar está mesma água. 13

14 Figura 13 Uso da Água no córrego Mingau. Uso da agua não 75% sim 25% sim não -Com relação ao 2º gráfico (Figura 14), podemos ver que apenas 31% dos moradores do córrego Mingau, afirmaram terem tidos seus quintais e residências invadidas pelas enxurradas em épocas de chuva, enquanto que o restante 69% não afirmaram terem acontecidos tais situações em suas residências. Figura 14 Invasão de Águas Pluviais no córrego Mingau. Invação de águas pluviais não 69% sim 31% sim não -Com relação ao 3º gráfico (Figura 15), podemos ver que apenas 12% dos moradores entrevistados afirmaram terem recebidos algum tipo ajuda por parte do município, enquanto que o restante 88% não afirmaram terem tidos os mesmos benefícios. Figura 15 Programa Social no córrego Mingau. Programa Social sim 12% sim não não 88% -Com relação ao 4 gráfico (Figura 16), podemos ver que 56% dos moradores entrevistados afirmaram haver por parte do município ação preventiva no córrego Mingau, enquanto que o restante 44% não afirmaram haver as mesmas ações de prevenção. 14

15 Figura 16 Ação Preventiva no córrego Mingau. não 44% Ação Preventiva sim 56% sim não 5.4 Aspectos de degradação ambiental na micro-bacia do córrego Mingau O córrego Mingau é cercado por áreas urbanas que interferem seriamente nos sistemas naturais. A vulnerabilidade ambiental está centrada nos processos erosivos e escoamentos superficiais e interfere na qualidade das águas superficiais. Na entrevista com os moradores, também foram citados pelos mesmos, os principais aspectos degradação que contribuem para o aumento da degradação, e possíveis ações ambientais a ser utilizadas para preservar, recuperar ou minimizar a degradação ao longo do córrego (tabela 5). Tabela 5: Aspectos de Degradação x Ações Ambientais no córrego Mingau. ASPECTODE DEGRADAÇÂO AÇÕES AMBIENTAIS -Falta de vegetação nativa nas margens das nascentes. -Recomposição da vegetação em torno das nascentes. -Condições precárias de rede de esgotos e sistema de drenagem local. -Implantação e recuperação das redes de esgotos locais. -Acúmulo de lixo e entulho às margens do -Implantar programas de controle córrego. ambiental no local. -Lançamentos de resíduos químicos por óleos e graxos -Implantar caixas separadoras com óleos e graxos. -Captação da água do córrego Mingau para a irrigação de campos esportivos e outros usos. -Fiscalizar o uso indevido da água do córrego. 6 PLANO DE RECUPERAÇÃO Para o córrego Mingau, o plano de recuperação Ambiental sugerido para a recuperação das áreas degradadas e as que se encontram em processo erosivo, estão estabelecidas em 5 medidas de recuperação.estas medidas são de Recuperação, Proteção, Revegetação, Plano de Drenagem Urbana Local e Programa de Educação Ambiental. 6.1 Medidas de recuperação De maneira geral, a recuperação de todos os trechos estabelecidos (tabela 2) deve passar por uma regularização do canal de escoamento nos corpos hídricos. A recuperação das características ambientais dessas áreas consiste em recuperar o sistema do leito do córrego em toda a sua extensão degradada. Tal medida foi encontrada no córrego Mingau com a utilização de pedras de granito (Figura 17) a fim de evitar o arraste dos sedimentos no fundo do canal. Características em áreas degradadas como: a perda qualidade ambiental da fauna, remoção da vegetação e perda da camada fértil do solo pela remoção da cobertura dos corpos superficiais e subterrâneos d`água, reflete diretamente nas alterações das características 15

16 físicas, químicas e biológicas da área, afetando a qualidade ambiental dos corpos superficiais e subterrâneos d`água (PRAD, 2006). A recuperação da área se dará através de um plano que considere os aspectos ambientais, estéticos, sociais e econômicos, de acordo com a função principal do córrego Mingau, permitindo assim alcançar o equilíbrio ecológico e o crescimento da vegetação. Figura 17: Recuperação da área, com a utilização de granito junto ao leito, às margens do córrego Mingau. 6.2 Medidas de proteção A área correspondente à necessidade de proteção no córrego Mingau, está em toda a sua extensão, que vai desde a nascente principal ao encontro com o córrego Serrinha. As medidas a serem tomadas durante o processo de proteção, consistem no isolamento da área de forma a impedir a entrada de pessoas não autorizadas nas áreas em recuperação e também de animais, que no local podem continuarem o processo de degradação. Outro fator contribuinte que pode ser utilizado como medidas de proteção são os dissipadores de energia que promove a redução da velocidade de escoamento através de um dispositivo de drenagem que dissipa o fluxo de energia para evitar a erosão. No córrego Mingau, foi verificado em uma residência o uso de concreto (Figura 18) às margens do córrego para evitar o desbarrancamento devido ao processo de erosão, no entanto tal medida não possui grande eficácia devido a moradores vizinhos não terem condições de tomarem as mesmas medidas. A ação degradante nos trechos mencionados (tabela 2) é a impermeabilização do solo, elevando o volume do escoamento superficial, assim, a capacidade de suporte do córrego tornou-se pequena, levando a atual situação da erosão. Outra estratégia de proteção que deverá ser aplicada a fim de conter a erosão, são Bacias de contenção ou lagoas de contenção que deve ser construídas antes do trecho erodido, a mesma atua de forma a segurar a água e lentamente deixa-la escorrer para os cursos d`água, o que diminui a intensidade do escoamento superficial. 16

17 Figura18: Utilização de concreto às margens do córrego Mingau como forma de evitar o desbarrancamento devido ao processo erosivo. 6.3 Medidas de Revegetação A recomposição da vegetação ciliar, em locais loteados de chácaras se faz com o plantio de mudas de espécies nativas e frutíferas para recompor a paisagem original e resgatar a fauna para o local. No córrego Mingau foi identificado o uso de Sansão do mato (Figura 19) uma planta espinhenta, que possui características ornamentais, podendo ser usada em paisagismo para a recomposição da vegetação nativa às margens do local. Também pode ser utilizado como medidas de revegetação painéis de malha hexagonal fabricado com uma manta biodegradável para prevenir a fuga de finos do solo e auxiliar na fomentação vegetal. Para isso, os chacareiros deveram dispor de uma faixa de propriedades e também deverá ser desenvolvido junto à comunidade local um trabalho de educação ambiental, evitando depredação das mudas ali plantadas, abordando as causas e conseqüências sócio-econômicas e ambientais dos problemas provocados pelo mau uso dos recursos naturais, que no caso do córrego Mingau, acarretou a erosão local. Para a recuperação de rios e córregos em áreas urbanas é necessário proporcionar uma evolução dos cursos d`águas com áreas adicionais para a recuperação de uma morfologia mais natural, dentro do possível,além de promover a canalização do córrego, como forma de controle das erosões e valorização da paisagem natural do local. Figura 19: Plantação de Sansão do mato às margens do córrego Mingau para recompor a vegetação natural. 17

18 6.4 Plano de Drenagem Urbana Local As intervenções no solo, por fluxos de matéria depositadas no mesmo, contribui, para a sua impermeabilização, além de ocasionar a erosão e lixiviação do solo. No sistema de drenagem do córrego Mingau, obras civis em seu entorno vem causando impactos sobre o solo e sobre os recursos hídricos. A construção indiscriminada, de clubes de lazer e vias públicas e a retirada da matas ciliares, levaram a compactação do solo, alterando a drenagem natural de toda a área. Para evitar ou minimizar tais ações, são necessárias as seguintes medidas:.conter as erosões e voçorocas no córrego Mingau através do uso de gabiões, pedra que tem como característica principal o favorecimento da permeabilidade em todo o seu percurso;.monitorar continuamente as áreas sujeita à varrição, limpeza e coleta de lixo, para evitar o acúmulo de detritos que possam resultar em contaminação do solo e das águas, inclusive veículos de propagação, como ratos, baratas e etc;.recuperar a mata ciliar em toda a sua extensão do córrego Mingau;.Construir rede de drenagem, como formar de conter as erosões e aumento da vazão, devido às enchentes;.conter a intensificação dos processos de ocupação antrópica no entorno do córrego Mingau, de forma a frear a compactação do solo e perda de permeabilidade..construir galerias de água pluvial para facilitar o escoamento superficial (Figura 20). Figura 20: Utilização de Galeria de água pluvial no córrego Mingau, para facilitar o escoamento superficial. 6.5 Programa de Educação Ambiental A implantação de um programa permanente de educação ambiental com contínuo acompanhamento da população local ocorre de modo a prevenir as contaminações provocadas pelo despejo de resíduos domésticos, seja através de fossas negras, ou por resíduos sólidos no entorno do córrego e nas regiões vizinhas. Segundo moradores tal programa ainda não foi implantado na região, apenas há em determinados períodos ações preventivas no local, como roçagem do mato e aplicação de venenos para combate de insetos. Como medida de recuperação de áreas degradadas, o programa de educação ambiental é encontrado em outros estados com características semelhantes a do córrego Mingau, a Figura 21 mostra um exemplo que se realizou no estado de Santa Catarina-Sc com a participação da comunidade local na recomposição da vegetação natural, através do plantio de mudas como forma recuperar a área antropizada. 18

19 Figura 21: Exemplo da recuperação e limpeza de uma área degradada, pela comunidade local. Fonte: 7 RESUMO DAS MEDIDAS MITIGADORAS A utilização de técnicas, apropriadas a compatibilização de obras destinadas à proteção de enchentes, drenagem, irrigação, recreação, esportes aquáticos, aproveitamento hidroelétrico e a proteção de espécies, vêm atualmente necessitando de um planejamento adequado que integre a preservação dos corpos hídricos naturais e valorize a paisagem, incluindo a proteção das áreas marginais necessárias à dinâmica dos rios e córregos, para um projeto de revitalização (ASSUNÇÃO, 2002). Sugere-se para este caso como medidas mitigadoras e contenção da erosão do canal do córrego Mingau, o revestimento em todo o trecho, objetivando alcançar o seu equilíbrio. Para a contenção e revestimento de todo trecho erodido, objetivando alcançar o equilíbrio ambiental da área degradada do córrego Mingau, são sugeridas medidas mitigadoras como:.recomposição da paisagem original no terreno ocupado atualmente pelo clube Sind Goiânia, onde se encontram as nascentes principais do córrego Mingau..Remoção da Oficina de pintura e funilaria de veículos, bem como o depósito de resíduos plásticos para a reciclagem,em função das restrições de uso que a Lei de Zoneamento em vigor estabelece para o local onde se encontram instalados..recuperação das vias asfaltadas, responsáveis pelo carregamento de sedimentos para os leitos do córrego (Figura 19)..Reversão dos sistemas de represamento de água que vem servindo à irrigação de horticultura e ao lazer..orientação técnica aos agricultores, com vistas a restringir ao máximo o uso de agrotóxicos, por meio de adoção de práticas alternativas de controle de pragas e correção de solos..contenção do solo, para a formação ou recomposição dos maciços a proteger..implantação de um sistema de vigilância ambiental permanente da área, absorvendo voluntários da própria comunidade..execução, por parte da Administração municipal de sistemas de fossas sépticas com sumidouro em todas as edificações existentes e nas futuras, ao longo das margens do córrego, de forma ambientalmente correta. 19

20 8 CONSIDERAÇÕES FINAIS A recuperação de uma área degradada, por ser uma atividade multidisciplinar, ou seja, nem sempre a atividade mais impactante é aquela que se apresenta em maior volume ou duração, exige uma abordagem sistemática de planejamento e visão a longo prazo. O questionário aplicado junto aos moradores do córrego Mingau, apresentou características relevantes e predominantes do ponto de vista sócio-econômico e ambiental que nos mostra as condições ambientais e de vida existente no local. Constatamos que as pessoas com baixa escolaridade são oriundas da zona rural que vieram em busca de uma vida melhor. São em sua maioria pessoas autônomas que moram em casas alugadas e cedidas, que nada fazem para prevenir o processo de degradação, aguardando por parte do município as medidas de contenção para o mesmo. Constatamos também que os moradores que fazem ações de prevenção se limitam a apenas prevenir seus próprios lotes, sem contar com as ações de moradores vizinhos para evitar a continuidade do processo erosivo do local. Com relação às atividades de lazer existentes no córrego Mingau, verificamos que o clube Sind Goiânia, Chácara Fenícia e demais, apesar de todo o embelezamento e lazer proporcionado em seus locais, elas apenas procuram proteger as áreas que lhe são de sua propriedade. No córrego Mingau às atividades agrícolas mostra-se como principal fonte de degradação do solo, pois ainda que gerem renda aos moradores do local, contribui para a fixação de poluentes, limitando a compactação do solo. Segundo a análise da legislação vigente sobre a reabilitação de áreas degradadas, os órgãos ambientais competentes, como licenciadores de atividades que exigem o estudo prévio de impacto ambiental e o plano de reabilitação de áreas degradadas, devem introduzir no formato de um PRAD-Plano de Recuperação de Áreas Degradadas a exigência da abordagem dos aspectos sócio-econômicos e ambientais para a recuperação da área a ser realizada. Tais características referidas foram abordadas no questionário aplicado junto aos moradores, o que gerou um levantamento sócio-econômico e ambiental dos moradores do córrego mingau (Anexo 1). A recuperação do córrego Mingau, não se faz apenas pelas ações, aqui estabelecidas neste PRAD. Deve ser realizado um programa Municipal e Estadual a longo prazo, que vise a recuperação ambiental da área em um futuro próximo, pois o que é realizado no Mingau hoje é muito pouco para a forma como se encontra o local, são feitas pequenas medidas de recuperação e proteção, que em época de chuva são desfeitas novamente. 20

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO

INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO Thalyta Lopes Rego Mestranda em Geografia, Universidade Federal de Goiás Instituto de

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO.

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. Patrícia Pinheiro da Cunha 1, Magda Beatriz de Almeida Matteucci

Leia mais

EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO

EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO A AGÊNCIA PERNAMBUCANA DE ÁGUAS E CLIMA APAC, de acordo com o Plano Hidroambiental da Bacia do Rio Capibaribe, está recebendo manifestações

Leia mais

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB Yuri Tomaz Neves 1 ; Laércio Leal dos Santos 2 ; Jonathan Nóbrega Gomes 3 ; Bruno Menezes

Leia mais

ACIDENTES GEOMORFOLÓGICOS NA MICROBACIA DO CÓRREGO FRUTUOSO EM ANÁPOLIS (GO).

ACIDENTES GEOMORFOLÓGICOS NA MICROBACIA DO CÓRREGO FRUTUOSO EM ANÁPOLIS (GO). ACIDENTES GEOMORFOLÓGICOS NA MICROBACIA DO CÓRREGO FRUTUOSO EM ANÁPOLIS (GO). Maria de Lourdes Gomes Guimarães 1,3 ; Homero Lacerda 2,3 1 Voluntária de Iniciação Científica PVIC/UEG 2 Pesquisador Orientador

Leia mais

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES CICLO DE PALESTRAS E DEBATES PLC PROGRAMA Nº 30/11 NOVO PRODUTOR CÓDIGO FLORESTAL DE ÁGUA Ã NO GUARIROBA Á COMISSÃO DE AGRICULTURA E REFORMA AGRÁRIA DO SENADO FEDERAL Devanir Garcia dos Santos Gerente

Leia mais

AVALIAÇÃO DE RISCO DE ALAGAMENTO NO SETOR HABITACIONAL VICENTE PIRES.

AVALIAÇÃO DE RISCO DE ALAGAMENTO NO SETOR HABITACIONAL VICENTE PIRES. AVALIAÇÃO DE RISCO DE ALAGAMENTO NO SETOR HABITACIONAL VICENTE PIRES. Taynara Messias Pereira da Cunha Universidade Católica de Brasília, graduanda em Engenharia Ambiental. Com experiência em resíduos

Leia mais

Laudo Técnico Ambiental

Laudo Técnico Ambiental E-MAIL: tnm_1984@hotmail.com Laudo Técnico Ambiental Atendimento a Notificação Nº 104/2013 Laudo Anual para Atender as exigências da Lei nº 4.123 de 04 de maio de 2007. Ano de referência: 2012 Valinhos

Leia mais

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Aspectos relacionados com a Legislação Florestal / Mineração LEI FEDERAL 12651/12 Engª Amb. Adriana Maira Rocha Goulart Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO Como pode cair no enem? (UNESP) Leia. Imagens de satélite comprovam aumento da cobertura florestal no Paraná O constante monitoramento nas áreas em recuperação do

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP

LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP LICENCIAMENTO AMBIENTAL Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP Engª Adriana Maira Rocha Goulart Gerente Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL

ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL EDMILSON COSTA TEIXEIRA LabGest GEARH / UFES (edmilson@npd.ufes.br) DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL? [COMISSÃO

Leia mais

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP)

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP) Lei 4771 versão em vigor II área de preservação permanente: área protegida nos termos dos arts. 2 o e 3 o desta Lei, coberta ou não por vegetação nativa, com a função ambiental de preservar os recursos

Leia mais

DECRETO Nº 1.752, DE 06 DE MAIO DE 1996.. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso de suas atribuições legais e

DECRETO Nº 1.752, DE 06 DE MAIO DE 1996.. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso de suas atribuições legais e DECRETO Nº 1.752, DE 06 DE MAIO DE 1996. Súmula: Instituída a Área de Proteção Ambiental na área de manancial da bacia hidrográfica do rio Pequeno, denominada APA Estadual do Pequeno.. O GOVERNADOR DO

Leia mais

PLANEJAMENTO AMBIENTAL DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA DO RIBEIRÃO ANHUMAS, MUNICÍPIO DE ANHUMAS SP.

PLANEJAMENTO AMBIENTAL DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA DO RIBEIRÃO ANHUMAS, MUNICÍPIO DE ANHUMAS SP. 213 PLANEJAMENTO AMBIENTAL DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA DO RIBEIRÃO ANHUMAS, MUNICÍPIO DE ANHUMAS SP. Bruno Magro Rodrigues 1, Ana Paula de Lima Costa 1, Marcos Norberto Boin 2. 1 Discente do curso de

Leia mais

LEI ESTADUAL Nº 7.438, DE 16 DE JULHO DE 1991 - SÃO PAULO

LEI ESTADUAL Nº 7.438, DE 16 DE JULHO DE 1991 - SÃO PAULO LEI ESTADUAL Nº 7.438, DE 16 DE JULHO DE 1991 - SÃO PAULO Declara Área de Proteção Ambiental - APA, regiões que específica, dando providências correlatas. O Governador do Estado de São Paulo. Faço saber

Leia mais

Sistema de Informações Geográficas Avaliação da Qualidade de Água por meio do IQA utilizando um Sistema de Informação Geográfica (SIG)

Sistema de Informações Geográficas Avaliação da Qualidade de Água por meio do IQA utilizando um Sistema de Informação Geográfica (SIG) Universidade Federal do Espírito Santo Programa de Pós-graduação em Engenharia Ambiental Sistema de Informações Geográficas Aplicado à Recursos Hídricos Sistema de Informações Geográficas Avaliação da

Leia mais

TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06)

TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06) TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06) Título IV DO USO DO SOLO URBANO E RURAL... CAPÍTULO III Do Macrozoneamento... Seção II Do Macrozoneamento Ambiental Art. 26. (Antigo

Leia mais

https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y

https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y Definição é a camada superficial da crosta terrestre formada por quatro elementos principais: a, o, a e os. Possui importância fundamental para variadas atividades

Leia mais

Posicionamento sobre proposta de novo Código Florestal

Posicionamento sobre proposta de novo Código Florestal Posicionamento sobre proposta de novo Código Florestal A Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental, Seção São Paulo, entidade sem fins lucrativos de âmbito nacional que preconiza a defesa

Leia mais

DEGRADAÇÃO AMBIENTAL EM APP URBANA: ESTUDO DE CASO NO SETOR SANTA GENOVEVA NO MUNICIPIO DE GOIÂNIA GO

DEGRADAÇÃO AMBIENTAL EM APP URBANA: ESTUDO DE CASO NO SETOR SANTA GENOVEVA NO MUNICIPIO DE GOIÂNIA GO Goiânia/GO 19 a 22/11/2012 DEGRADAÇÃO AMBIENTAL EM APP URBANA: ESTUDO DE CASO NO SETOR SANTA GENOVEVA NO MUNICIPIO DE GOIÂNIA GO Ulysses Cardoso Remy Faculdade de Tecnologia Senac Goiás. Graduando do Curso

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUINA E S T A D O D E M A T O G R O S S O P O D E R E X E C U T I V O

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUINA E S T A D O D E M A T O G R O S S O P O D E R E X E C U T I V O LEI N.º 1.453/2013. SÚMULA: Autoriza o Poder Executivo Municipal a promover a Concessão de Direto Real de Uso em favor da Colônia Z-20 de Pescadores de Juína, da área urbana que menciona, e dá outras Providências.

Leia mais

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( )

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR NOME / RAZÃO SOCIAL *: End.: rua/av *: n *: Bairro *: CEP *: Município *: Telefone *: ( ) FAX *: ( ) e-mail: CNPJ (CGC/MF n.º) *: CGC/TE n. *: CPF/CIC n. *: End. P/ correspondência:

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO DE CONTROLE

Leia mais

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA A água é o mais abundante solvente natural que atua no sentido de desagregar, ou seja, fragmentar

Leia mais

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Ricardo D. Gomes da Costa 1 Marcelo Araujo 2 A rápida destruição de ambientes naturais, juntamente com a redução

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA 369/06

RESOLUÇÃO CONAMA 369/06 RESOLUÇÃO CONAMA 369/06 Dispõe de casos excepcionais no casos de utilidade pública, interesse social e de baixo impacto ambiental, que possibilitam a intervenção ou supressão de vegetação em áreas de preservação

Leia mais

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Bacia Hidrográfica Área drenada por um conjunto de rios que, juntos, formam uma rede hidrográfica, que se forma de acordo com elementos fundamentais como o clima

Leia mais

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral BIOMAS DO BRASIL Ecologia Geral Biomas do Brasil segundo classificação do IBGE Segundo a classificação do IBGE, são seis os biomas do Brasil: Mata Atlântica Cerrado Amazônia Caatinga Pantanal Pampa O

Leia mais

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.:

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= TEMPO ATMOSFÉRICO

Leia mais

PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS

PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS 493 PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS Brysa Yanara de Mendonça Thomazini 1, Sibila Corral de Arêa Leão Honda 2 1 Discente do curso de Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCANDO PARA UM AMBIENTE MELHOR Apresentação A Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Rio Grande do Norte SEMARH produziu esta

Leia mais

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA Restrições x Oportunidades Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável SDS Dr. Gilney Amorim Viana ASPECTOS REGULATÓRIOS RELEVANTES Código Florestal:

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DRENAGEM NA BACIA DO RIO VERRUGA EM VITÓRIA DA CONQUISTA

AVALIAÇÃO DE DRENAGEM NA BACIA DO RIO VERRUGA EM VITÓRIA DA CONQUISTA Porto Alegre/RS 23 a 26/11/2015 AVALIAÇÃO DE DRENAGEM NA BACIA DO RIO VERRUGA EM VITÓRIA DA CONQUISTA UERITON DA COSTA FIGUEIREDO FILHO (*), ORLEANE SOUZA DE BRITO 2, LEONARDO GOMES MARTINS 3, ENDEL DE

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

Os impactos ambientais de maior incidência no país

Os impactos ambientais de maior incidência no país Os impactos ambientais de maior incidência no país Segundo a Pesquisa de Informações Básicas Municipais Perfil dos Municípios Brasileiros/MUNIC 2008, realizada regularmente pelo Instituto Brasileiro de

Leia mais

Erosão e Voçorocas. Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares

Erosão e Voçorocas. Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares Erosão e Voçorocas Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares O que é erosão? A erosão caracteriza-se pela abertura de enormes buracos no chão pela

Leia mais

Arborização no contexto do planejamento urbano

Arborização no contexto do planejamento urbano Arborização no contexto do planejamento urbano Eng. Florestal Edinilson dos Santos Prefeitura de Belo Horizonte Dr. Edinilson dos Santos Araçuaí - MG, 20 de maio de 2015 Prefeitura Municipal de Belo Horizonte

Leia mais

Proposta de Recuperação Ambiental na Área Urbana da Microbacia do Rio Ouro Monte

Proposta de Recuperação Ambiental na Área Urbana da Microbacia do Rio Ouro Monte Proposta de Recuperação Ambiental na Área Urbana da Microbacia do Rio Ouro Monte D. Mondardo a, P. P. Bellon b, L. B. Santos c, C. C. Meinerz D, A. F. Haoui E A.c. Universidade Estadual do Oeste do Paraná,

Leia mais

IMPACTOS AMBIENTAIS ORIUNDOS DA IMPLANTAÇÃO DE LOTEAMENTOS: O CASO DO NOVA ITUIUTABA II E IV.

IMPACTOS AMBIENTAIS ORIUNDOS DA IMPLANTAÇÃO DE LOTEAMENTOS: O CASO DO NOVA ITUIUTABA II E IV. IMPACTOS AMBIENTAIS ORIUNDOS DA IMPLANTAÇÃO DE Silva, J.V.F. 1 ; Miyazaki, L.C.P. 2 ; 1 UFU/FACIP Email:joaovictorfs14@yahoo.com; 2 UFU/FACIP Email:lecpgeo@gmail.com; RESUMO: O objetivo deste trabalho

Leia mais

Dimensão ambiental. Saneamento

Dimensão ambiental. Saneamento Dimensão ambiental Saneamento Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 135 18 Acesso a serviço de coleta de lixo doméstico Apresenta a parcela da população atendida pelos serviços de coleta

Leia mais

Mudanças Climáticas: Efeitos Sobre a Vida e Impactos nas Grandes Cidades. Água e Clima As lições da crise na região Sudeste

Mudanças Climáticas: Efeitos Sobre a Vida e Impactos nas Grandes Cidades. Água e Clima As lições da crise na região Sudeste Mudanças Climáticas: Efeitos Sobre a Vida e Impactos nas Grandes Cidades Água e Clima As lições da crise na região Sudeste Mudanças Climáticas: Efeitos Sobre a Vida e Impactos nas Grandes Cidades A água

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS

RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS Instituto Estadual do Ambiente - INEA Diretoria de Biodiversidade e Áreas Protegidas - DIBAP Gerência do Serviço Florestal - GESEF ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO Conceitos /

Leia mais

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas LEI Nº 13.550, DE 02 DE JUNHO DE 2009 Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

NASCENTE MUNICIPAL MODELO DE SOROCABA

NASCENTE MUNICIPAL MODELO DE SOROCABA NASCENTE MUNICIPAL MODELO DE SOROCABA Por meio do Projeto de Georreferenciamento e Diagnóstico das Nascentes de Sorocaba, a equipe da Secretaria Municipal do Meio Ambiente (SEMA) selecionou a Nascente

Leia mais

USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA

USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA ASGAM Assessoria de Gestão Ambiental Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos COGERH USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA Marcos Dantas Gestão Ambiental Pós-graduando em Biodiversidade e Sustentabilidade

Leia mais

Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12. 4º Ecologia 28/09/2015

Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12. 4º Ecologia 28/09/2015 1 Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12 4º Ecologia 28/09/2015 Motivação para criação 2 Conservação de ecossistemas naturais é interessante! Única lei nacional que veta a ocupação urbana ou

Leia mais

LAUDO PERICIAL. São quesitos a serem respondidos ao Ministério Público de Minas Gerais, ofício Nº 136 / 2007, de 17 de Abril de 2007:

LAUDO PERICIAL. São quesitos a serem respondidos ao Ministério Público de Minas Gerais, ofício Nº 136 / 2007, de 17 de Abril de 2007: LAUDO PERICIAL A Empresa Universalis Consultoria, Projetos e Serviços Ltda, atendendo solicitação da Prefeitura Municipal de Timóteo, Secretaria Municipal de Obras e Habitação / Divisão de Meio Ambiente,

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA APP DO BAIRRO BEIJA FLOR II

DIAGNÓSTICO DA APP DO BAIRRO BEIJA FLOR II DIAGNÓSTICO DA APP DO BAIRRO BEIJA FLOR II SOUSA, K.C. 1 ; SOUSA, K.C. 2 ; OLIVEIRA, A.C. 3 ; NETO, A.T. 4 1 Estudante 4 período de Engenharia Ambiental - Universidade de Uberaba; 2 Estudante 4 período

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS NASCENTES DO CÓRREGO SARAIVA, BETIM-MINAS GERAIS

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS NASCENTES DO CÓRREGO SARAIVA, BETIM-MINAS GERAIS DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS NASCENTES DO CÓRREGO SARAIVA, BETIM-MINAS GERAIS Emerson Chaves Ferreira Gomes (*), Natalia Nogueira de Oliveira, Luiz Gonçalves Junior, Felipe Gonçalves dos Santos Cabral (*)

Leia mais

O Código Florestal como ferramenta para o Planejamento Ambiental na Bacia Hidrográfica do Córrego do Palmitalzinho - Regente Feijó/ São Paulo

O Código Florestal como ferramenta para o Planejamento Ambiental na Bacia Hidrográfica do Córrego do Palmitalzinho - Regente Feijó/ São Paulo O Código Florestal como ferramenta para o Planejamento Ambiental na Bacia Hidrográfica do Córrego do Palmitalzinho - Regente Feijó/ São Paulo INTRODUÇÃO Aline Kuramoto Gonçalves aline587@gmail.com Graduada

Leia mais

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado de São Paulo Artigo 1º

Leia mais

Educação Ambiental. Cartilha do Trabalhador. Ferrovia de Integração Oeste Leste - FIOL

Educação Ambiental. Cartilha do Trabalhador. Ferrovia de Integração Oeste Leste - FIOL Educação Ambiental Cartilha do Trabalhador Ferrovia de Integração Oeste Leste - FIOL 2 Introdução Esta cartilha foi elaborada pelo Programa de Educação Ambiental da Ferrovia de Integração Oeste Leste -

Leia mais

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS 10 DE DEZEMBRO DE 2013 REALIZAÇÃO: CATI SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO E SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DE

Leia mais

Proposta para a gestão integrada das áreas de preservação permanente em margens de rios inseridos em áreas urbanas.

Proposta para a gestão integrada das áreas de preservação permanente em margens de rios inseridos em áreas urbanas. Proposta para a gestão integrada das áreas de preservação permanente em margens de rios inseridos em áreas urbanas. Cláudia Regina dos Santos Gerente de Projetos da Secretaria Nacional de Programas Urbanos

Leia mais

Programa Urbano Ambiental Macambira Anicuns Informações Gerais

Programa Urbano Ambiental Macambira Anicuns Informações Gerais Programa Urbano Ambiental Macambira Anicuns Informações Gerais O Programa Urbano Ambiental Macambira Anicuns corresponde a um conjunto de ações a serem desenvolvidas pela Prefeitura Municipal de Goiânia,

Leia mais

Biomas, Domínios e Ecossistemas

Biomas, Domínios e Ecossistemas Biomas, Domínios e Ecossistemas Bioma, domínio e ecossistema são termos ligados e utilizados ao mesmo tempo nas áreas da biologia, geografia e ecologia, mas, não significando em absoluto que sejam palavras

Leia mais

ANÁLISE DO USO DO SOLO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO ALTO CURSO DA BACIA DO RIO COTEGIPE, FRANCISCO BELTRÃO - PR

ANÁLISE DO USO DO SOLO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO ALTO CURSO DA BACIA DO RIO COTEGIPE, FRANCISCO BELTRÃO - PR ANÁLISE DO USO DO SOLO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO ALTO CURSO DA BACIA DO RIO COTEGIPE, FRANCISCO BELTRÃO - PR Lucas Ricardo Hoenig Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE Campus de

Leia mais

Avançando na gestão das águas do DF

Avançando na gestão das águas do DF Avançando na gestão das águas do DF O Conselho de Recursos Hídricos do Distrito Federal (CRH DF) 1 emitiu no ano de 2014 duas resoluções tratando do enquadramento dos corpos d água superficiais do Distrito

Leia mais

LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL

LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL INTERESSADO: IMOBILIÁRIA PARQUE BRASIL LTDA DENOMINAÇÃO: LOTEAMENTO RESIDENCIAL VILA REAL FINALIDADE: LAUDO TÉCNICO PARA CUMPRIMENTO DA LEI MUNICIPAL 4.123 DE 04/05/2007

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE RISCO DE EROSÃO NA ÁREA URBANA DA GRANDE NATAL/RN - BRASIL

CONSIDERAÇÕES SOBRE RISCO DE EROSÃO NA ÁREA URBANA DA GRANDE NATAL/RN - BRASIL CONSIDERAÇÕES SOBRE RISCO DE EROSÃO NA ÁREA URBANA DA GRANDE NATAL/RN - BRASIL Maria Francisca Jesus Lírio Ramalho Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Departamento de Geografia/Area Geomorfologia

Leia mais

Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP. marciosuganuma@gmail.com

Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP. marciosuganuma@gmail.com Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP marciosuganuma@gmail.com Área de preservação permanente (artigos 2 o e 3 o ) Reserva Legal (artigos 16 e 44) Área de preservação permanente

Leia mais

11. IDENTIFICAÇÃO DA ZONA DE AMORTECIMENTO. 11.1 Zona de Amortecimento

11. IDENTIFICAÇÃO DA ZONA DE AMORTECIMENTO. 11.1 Zona de Amortecimento 11. IDENTIFICAÇÃO DA ZONA DE AMORTECIMENTO 11.1 Zona de Amortecimento Vilhena (2002) menciona que o conceito de zona de amortecimento surgiu pela primeira vez em 1979, com o programa Man and Biosfere,

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE USO DA TERRA EM ÁREAS PROTEGIDAS (APPs, RLs E APAs) E MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS

DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE USO DA TERRA EM ÁREAS PROTEGIDAS (APPs, RLs E APAs) E MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE USO DA TERRA EM ÁREAS PROTEGIDAS (APPs, RLs E APAs) E MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS Alice Nardoni Marteli, Edson Luís Piroli Unesp Campus de Ourinhos Geografia alicenmart@gmail.com;

Leia mais

CONFLITO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO EM APPs DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO ESTRELA DO NORTE- ES

CONFLITO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO EM APPs DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO ESTRELA DO NORTE- ES CONFLITO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO EM APPs DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO ESTRELA DO NORTE- ES Franciane L. R. O. Louzada 1, Alexandre R. Santos 2 1 UFES/Departamento Engenharia Florestal, Programa

Leia mais

SÍNTESE DA COMPATIBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO

SÍNTESE DA COMPATIBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO SÍNTESE DA COMPATIBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO Esta síntese objetiva apresentar de forma resumida o que foi produzido na fase B do plano de bacia, permitindo uma rápida leitura das principais informações sobre

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3.1. Localização O aproveitamento Hidrelétrico de Itumbiara, com potência instalada de 2080 MW, situa-se no rio Paranaíba, na divisa dos estados de Minas Gerais e Goiás,

Leia mais

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s Prof. Dr. Roberto Kochen Tecnologia, Engenharia e Meio Ambiente 4435 Novembro/2005 Passivo Ambiental É o acumulo de danos infligidos ao meio natural por uma determinada atividade ou pelo conjunto das ações

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PRESERVAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MACHADO

EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PRESERVAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MACHADO EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PRESERVAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MACHADO FÁBIO VIEIRA MARTINS Pós-graduando em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP fabio.vieirageo@hotmail.com

Leia mais

Constituição Estadual CAPÍTULO IV Do Meio Ambiente, dos Recursos Naturais e do Saneamento

Constituição Estadual CAPÍTULO IV Do Meio Ambiente, dos Recursos Naturais e do Saneamento Constituição Estadual CAPÍTULO IV Do Meio Ambiente, dos Recursos Naturais e do Saneamento O SEÇÃO I Do Meio Ambiente Art. 191. O Estado e os Municípios providenciarão, com a participação da coletividade,

Leia mais

Marciel Lohmann (Autor) Luciane Strassbuger (Co-autora) Patricia Nascimento Móta (Co-autora) Roberto Cassol (Orientador) UFSM Santa Maria, RS.

Marciel Lohmann (Autor) Luciane Strassbuger (Co-autora) Patricia Nascimento Móta (Co-autora) Roberto Cassol (Orientador) UFSM Santa Maria, RS. !"$#% &' ()*+, -. /) /'0 1,2 ')3+0 /(' 45 06 ' 7 0 ' /(- /) 8 '( )* 9:; Marciel Lohmann (Autor) Luciane Strassbuger (Co-autora) Patricia Nascimento Móta (Co-autora) Roberto Cassol (Orientador) UFSM Santa

Leia mais

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código?

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Dr. Sergius Gandolfi IV Simpósio sobre RAD - Ibt 16/11/2011-14h- Capital (SP) Biólogo, Laboratório de Ecologia

Leia mais

VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura

VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura Planejamento da Propriedade Agrícola (APP e RL) Eng o. F tal. Msc. João Carlos Teixeira Mendes Dept o. Ciências Florestais ESALQ/USP Estação Experimental

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL Conteúdo Programático 1) Gestão Ambiental e Desenvolvimento Sustentável: Conceitos Básicos (12 h) - Principais questões ambientais no Brasil e no mundo. - Conceitos

Leia mais

Recuperação e Recomposição de Mata Ciliar e Reserva Legal

Recuperação e Recomposição de Mata Ciliar e Reserva Legal Recuperação e Recomposição de Mata Ciliar e Reserva Legal Novo Código Florestal (Lei 12651) Eng Agrônomo Ricardo Moraes Witzel, Msc Concepção de Propriedade Sustentável A discussão do novo código florestal

Leia mais

IMPACTOS AMBIENTAIS EM ÁREA DE RIO SÃO FRANCISCO, PETROLINA PE.

IMPACTOS AMBIENTAIS EM ÁREA DE RIO SÃO FRANCISCO, PETROLINA PE. IMPACTOS AMBIENTAIS EM ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL URBANA, MARGEM DO RIO SÃO FRANCISCO, PETROLINA PE. Profa. Miriam Cleide Amorim Universidade Federal do Vale do São Francisco Campus Juazeiro, BA INTRODUÇÃO

Leia mais

COMPARTIMENTAÇÃO MORFOPEDOLÓGICA E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA BACIA DO CÓRREGO AMIANTO, MINAÇU GO

COMPARTIMENTAÇÃO MORFOPEDOLÓGICA E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA BACIA DO CÓRREGO AMIANTO, MINAÇU GO COMPARTIMENTAÇÃO MORFOPEDOLÓGICA E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA BACIA DO CÓRREGO AMIANTO, MINAÇU GO Uhênia Caetano PEREIRA Universidade Federal de Goiás (uhenea@hotmail.com) Cláudia Valéria LIMA

Leia mais

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BIOMAS BRASILEIROS

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BIOMAS BRASILEIROS DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BIOMAS BRASILEIROS Creative Commons/Nao Iizuka Bioma Amazônia ou Domínio Amazônico Heterogêneo Perene Denso Ombrófila Três estratos Influenciado pelo relevo e hidrografia Bacia

Leia mais

Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades

Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades Associação Brasileira de Recursos Hídricos Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades Vladimir Caramori CTEC/UFAL Fortaleza, novembro de 2010 Gestão das águas urbanas Tema complexo reconhecido

Leia mais

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia Bioma Conjunto de vida, vegetal e animal, constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação, condições

Leia mais

Programa Produtor de Água Pagamento por Serviços Ambientais

Programa Produtor de Água Pagamento por Serviços Ambientais Programa Produtor de Água Pagamento por Serviços Ambientais Comitê Médio M Paraíba do Sul AGEVAP Jan/2013 Os serviços dos ecossistemas são os benefícios que as pessoas obtêm dos ecossistemas. Serviços

Leia mais

QUANTIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ÁGUA NA BACIA HIDROGRAFICA DO PIRACICABA

QUANTIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ÁGUA NA BACIA HIDROGRAFICA DO PIRACICABA QUANTIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ÁGUA NA BACIA HIDROGRAFICA DO PIRACICABA - MONITORAMENTO DA EVOLUÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS HIDROLÓGICAS DE UMA MICROBACIA HIDROGRÁFICA, EXTREMA, MINAS GERAIS -

Leia mais

ANÁLISE DO USO DA TERRA NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BARRAGEM PIRAQUARA II E SEUS AFLUENTES. PIRAQUARA PARANÁ

ANÁLISE DO USO DA TERRA NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BARRAGEM PIRAQUARA II E SEUS AFLUENTES. PIRAQUARA PARANÁ ANÁLISE DO USO DA TERRA NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BARRAGEM PIRAQUARA II E SEUS AFLUENTES. PIRAQUARA PARANÁ 1. INTRODUÇÃO Otacílio Lopes de Souza da Paz Acadêmico de Geografia UFPR otacílio.paz@gmail.com

Leia mais

IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA

IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA Daniel Schull Brandão 1 ; Fabiana Raquel Muhl 2, Anderson Rhoden 3, Neuri Antonio Feldmann 4 Palavras-Chave:

Leia mais

Laudo de Vistoria Ambiental ÁREA DE ESTUDO

Laudo de Vistoria Ambiental ÁREA DE ESTUDO Laudo de Vistoria Ambiental I Identificação da Propriedade: Associação Condomínio Parque Primavera CNPJ 60.549.656/0001-90 Rua Eurico Gaspar Dutra 255 - Carapicuíba CEP 06342-200 ÁREA DE ESTUDO II Característica

Leia mais

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis Universidade Metodista Recuperação Ambiental de Áreas Degradadas Impactos gerados pelo uso e ocupação do solo no meio urbano Final século XVIII Revolução Industrial Migração do homem do campo objetivo

Leia mais

OCUPAÇÕES IRREGULARES E IMPACTOS SÓCIO-AMBIENTAIS NA REGIÃO NOROESTE DE GOIÂNIA

OCUPAÇÕES IRREGULARES E IMPACTOS SÓCIO-AMBIENTAIS NA REGIÃO NOROESTE DE GOIÂNIA OCUPAÇÕES IRREGULARES E IMPACTOS SÓCIO-AMBIENTAIS NA REGIÃO NOROESTE DE GOIÂNIA Wellington Nunes de Oliveira Universidade Federal de Goiás, Tecnólogo em Geoprocessamento, Especialista em Perícia Ambiental,

Leia mais

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA Atividade de Ciências 5º ano Nome: ATIVIDADES DE ESTUDO Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA FLORESTA AMAZÔNICA FLORESTA ARAUCÁRIA MANGUEZAL PANTANAL CAATINGA CERRADO

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

REVITALIZAÇÃO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS

REVITALIZAÇÃO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS REVITALIZAÇÃO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS Câmara Temática de Infraestrutura e Logística do Agronegócio Brasília-DF, 03 de março de 2010 Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano OBJETIVO Revitalizar

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO Projetos de interceptor, emissário por gravidade, estação elevatória de esgoto e linha de recalque,

Leia mais

Cadastro Ambiental Rural: CAR E OS IMÓVEIS ABAIXO DE 4 MÓDULOS FISCAIS

Cadastro Ambiental Rural: CAR E OS IMÓVEIS ABAIXO DE 4 MÓDULOS FISCAIS Cadastro Ambiental Rural: CAR E OS IMÓVEIS ABAIXO DE 4 MÓDULOS FISCAIS O que é Módulo Fiscal / agricultura familiar Classificação dos imóveis até 4 módulos fiscais Como e onde consultar os módulos fiscais

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO CÓRREGO LAGOINHA, UBERLÂNDIA - MG

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO CÓRREGO LAGOINHA, UBERLÂNDIA - MG UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA 4ª Semana do Servidor e 5ª Semana Acadêmica 2008 UFU 30 anos DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO CÓRREGO LAGOINHA, UBERLÂNDIA - MG Edgard Jerônimo da Silva Júnior¹ Universidade

Leia mais

Impactos Ambientais Prof. Hannah Amaral

Impactos Ambientais Prof. Hannah Amaral Impactos Ambientais Prof. Hannah Amaral O QUE É IMPACTO AMBIENTAL Art. 1o da Resolução CONAMA n.1/86 Considera-se Impacto Ambiental qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do

Leia mais

PROJETO CÓRREGO LIMPO AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS CÓRREGOS SITUADOS EM CAMPO GRANDE - MS

PROJETO CÓRREGO LIMPO AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS CÓRREGOS SITUADOS EM CAMPO GRANDE - MS PROJETO CÓRREGO LIMPO AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS CÓRREGOS SITUADOS EM CAMPO GRANDE - MS Área Temática Saneamento Ambiental Responsável pelo Trabalho Roberta Steffany Stangl Galharte - Endereço:Rua

Leia mais