POLÓNIA Relações bilaterais Polónia - Portugal

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "POLÓNIA Relações bilaterais Polónia - Portugal"

Transcrição

1 POLÓNIA Relações bilaterais Polónia - Portugal Visita da missão de PPP do Ministério da Economia da Polónia a Portugal Bogdan Zagrobelny Primeiro Conselheiro EMBAIXADA DA POLÓNIA DEPARTAMENTO DE PROMOÇÃO DO COMÉRCIO E DO INVESTIMENTO

2 1. Informações gerais 2. Relações bilaterais 3. Oportunidades

3 1. Informações gerais 2. Relações bilaterais 3. Oportunidades

4 Informação geral Área: População: : km ² 6ª na União Europeia, 9ª na Europa, 63ª no mundo 38,1 milhões 6ª na União Europeia, 8ª na Europa, 29ª no mundo PIB total: EUR 371 mil milhões (2011) PIB total: EUR 494 mil milhões (2009) PPP (21º lugar no mundo) PIB per capita EUR PPP Desemprego: 12,5% (2011) Inflação: 4,3% (2011) Défice: 7,1% PIB (2011 Dívida pública: 53,0% PIB (2011) Rating: Fitch : A- ; S&P: A2; Moody s: A2 Salários: Mínimo EUR 330, médio EUR 860 (3.605 PLN) Impostos: IRS: 18% e 32%; IRC: 19%; IVA: 23% Membro das organizações internacionais: UE, OTAN, WTO, OCDE, ZONA SCHENGEN. 3

5 Vantagens competitivas Localização & economia localização estratégica na Europa Continental parte do corredor trans-europeu de transportação 38 milhões de consumidores Raio de 1000 km 250 milhões de pessoas Mercado do trabalho quadros jovens, bem-qualificados ca. 11% de estudantes universitários da UE 456 universidades e escolas de ensino superior produtividade laboral crescente Incentivos de investimento 14 Zonas Económicas Especiais mais de 67 mil milhões de EUR da UE Raio de 2000 km 550 milhões de pessoas Fonte: PAIiIZ, 4

6 Crescimento do PIB (%) Polónia mantém o ritmo de crescimento estável O crescimento do PIB polaco é maior do que na EU Em 2009 Polónia era o único país a registar o crescimento positivo do PIB na UE. 9 Polónia EU 7 5 3,9 5,3 3,6 6,2 6,8 5,1 3,9 4,3 3, ,4 3,1 2,6 2,2 1,5 0,9 1,7 1,8 1,8 1, F Demanda interna + 3,8% Investimento + 8,7%; Produção industrial vendida + 7,5%; Consumo privado + 3,1%. -4 Fonte: Ministério da Economia, 5

7 mil milhões EUR Comércio internacional da Polónia Fortes laços comerciais com a UE, Europa Central e de Leste, incluindo os novos membros da UE. Défice com a tendência decrescente. Exportações da Polónia por regiões Países em desenvolvimento 7,5% Países desenvolvidos (excl. UE 6,3%) Decrescimento do comércio internacional da Polónia em Retoma no crescimento do comércio em 2010 e Europa Central e de Leste 8,4% UE 77,8% Exportações e Importações Crescimento % (Thv) ,1 18,3 22,6 24,8 12,8 12, , Exportações Importações ,5 Exportações Importações Fonte: Instituto Central da Estatística

8 Maiores parceiros comerciais da Polónia Exportações: Alemanha 26,1 % (35*) Reino Unido 6,4 % Rep. Checa 6,2 % França 6,1 % Itália 5,3 % Rússia 4,5 % Holanda 4,4 % Suécia 2,8 % Hungria 2,6 % Ucránia 2,5 % Importações: Alemanha 22,3 % (33*) Rússia 12,2 % China 8,8 % Itália 5,3 % França 4,2 % Holanda 3,7 % Rep. Checa 3,7 % Reino Unido 2,6 % EUA 2,3 % Rep. Korea 2,2 % * mil milhões Fonte: Instituto Estatístico Central da Polónia

9 mil milhões EUR Posição externa da Polónia Fluxo significante de IDE de origem da UE. Contribuição de IDE para a integração da indústria polaca com a produção europeia. Aceleração do fluxo de IDE desde 2004 Fluxos de IDE (stock) 0% -2% -4% -6% Balança da conta corrente (% PIB) -1,2% -2,1% -2,8% -3,4% -4,0% -4,7% -4,8% -4,1% Fluxos de IDE por regiões ,1 8,3 7, , ,4% O resto União Europeia ,6% Cumulativo Anual Fonte: Instituto Estatístico Central da Polónia 8

10 Maiores investidores na Polónia por países Países Holanda 19,1 % Alemanha 15,7 % França 10,4 % Luxemburgo 8,7 % EUA 6,1 % Suécia 4,5 % Reino Unido 3,8 % Itália 3,7 % Áustria 3,5 % Bélgica 3,3 % Áreas de investimento Intermediação financeira (19,1%), Comércio e reparações (16,5%), BPO (7,8%), Imobiliária (7,7%), Transporte, armazenagem, comunicação (6,1%), Produtos agro-alimentares (4,7 %) Metais e artigos de metais (4,5 %), Automóveis, peças e acessórios (4,1%), Sector energético (3,6 %), Produtos químicos (3,1 %). Fonte: Banco Nacional da Polónia 9

11 Formas do apoio de Estado I. Os subsídios governamentais através das negociações individuais aprovado e concedido individualmente, pelo Ministério da Economia, com base na Resolução do Conselho de Ministros II. III. IV. Isenção sobre o rendimento das pessoas colectivas (IRC) nas Zonas Económicas Especiais só disponível nas Zonas Económicas Especiais (ZEE) Isenção dos impostos de bens imóveis objecto de negociação com as autoridades locais apenas no caso, se o investidor é o proprietário do prédio fornecido pelo Conselho de Freguesia Subsídios dos fundos da UE objecto de negociação com diferentes iinstituições, dependendo dos parâmetros chave do projecto de investimento Todos os instrumentos supracitados podem ser acumulados, mas o valor total do apoio público não pode ultrapassar o limite máximo do apoio. Fonte: 10

12 Quase 90 mil milhões de euros em No actual quadro comunitário, para o período a Polónia receberá 67,28 mil milhões de euros. A este valor acresce o apoio nacional, o que na totalidade representa c.a. de 90 mil milhões de euros. 25% 41% 1% 1% 4% 13% 15% Infra-estrutura & Ambiente Capital Humano Economia Inovativa Desenvolvimento do Leste da Polónia Programas do Objectivo Cooperação Territorial Europeia Assistência Técnica Programas Operacionais Regionais Fonte: 11

13 1. Informações gerais 2. Relações bilaterais 3. Oportunidades

14 Cooperação Polaco - Portuguesa 13

15 Acordos Polónia - Portugal Tratado de Adesão da Polónia com as Comunidades Europeias, de 16 de Abril de 2003 (em vigor até 1 de Maio de 2004), O Acordo de apoio e protecção mutua dos investimentos, de Marco de 1993, A Convenção para evitar a dupla tributação, de Maio de 1995, O Acordo de cooperação no âmbito de turismo, de Janeiro de 2003, O Acordo de Cooperação Científica e Técnica, de Junho de

16 Comércio com Portugal Decrescimento significante das importações em Crescimento significante do saldo positivo da balança comercial da Polónia. Retoma do crescimento do comércio bilateral em 2010 e 2011 Comércio Polónia - Portugal THV do comércio (%) Exportações Importações ,5 20,5 13,8 14,6 11,1 1,9-0, ,3 Eksportações Importações Fonte: Instituto Central da Estatística

17 Os principais grupos de artigos EXPORTAÇÕES: Máquinas e aparelhos eléctricos e de registo do som (13,9%) Móveis (assentos) (9,3%) Veículos automóveis, (7,7%) Produtos farmacêuticos (4,3%) Maquinas de processamento de dados (2,9%) Móveis (2,4%) Exportação 0,35% 29 parceiro comercial Importação - 0,26% 38 parceiro comercial IMPORTAÇÕES: Máquinas e aparelhos eléctricos e registo do som (8,5%) Fios e cabos eléctricos (7,9%) Pneus (5,6 %) Pasta de celulose (5,3) Veículos automóveis (4,4%) Componentes e partes para automóveis (4,1%) Exportação 1,0% 13 parceiro comercial Importação - 0,7% 21 parceiro comercial

18 Investimento Português na Polónia Polónia é: o 1.º destino de investimento estrangeiro português na Europa Central e de Leste, o 4.º na União Europeia, o 5º no mundo. IDEP (milhões EUR) NL* ES BR AO Polónia EUA L Fonte: Banco de Portugal, AICEP

19 Investimento Português na Polónia Segundo a AICEP, actualmente na Polónia existem mais de 100 empresas portuguesas. Em 2004 funcionavam só 28 empresas. Os principais sectores dos investimentos portugueses são: comercial, construção, consultoria, alimentação/ bebidas, têxteis e confecções, bancário e segurador, químico e farmacêutico, metalúrgico e metalo-mecânico, ambiente e energias renováveis ca.70% é investimento de raiz Fonte: AICEP 18

20 Empresas portuguesas na Polónia Comércio Consultoria Energia renovável A banca e seguros Metalomecânica Téxteis vestidos Construção civíl Informática Moldes-química 19

21 1. Informações gerais 2. Relações bilaterais 3. Oportunidades

22 Sectores de grandes oportunidades na Polónia para as empresas Portuguesas CONSTRUÇÃO CIVIL E OBRAS PÚBLICAS MÀQUINAS E EQUIPAMENTOS PARA A CONSTRUÇÃO CIVIL MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MOLDES PRODUTOS FARAMACÊUTICOS E BIOTECNOLOGIA NOVAS TECNOLOGIAS AGRO ALIMENTAR ENERGIAS RENOVÁVEIS Fonte: AICEP 21

23 Programa Nacional do Desenvolvimento Rodoviário - limites de financiamento fixados para Fonte de Financiamento Orçamento do Estado Fundo Nacional de construção rodoviária - NFBD TOTAL

24 EURO 2012 INFRA-ESTRUCTURA Portugal tem uma experiência de preparação para o Campeonato de Europeu Futebol - Euro Da mesma forma, Euro 2012 inicia e acelera na Polónia um grande número de projectos de infra-estrutura, tanto ao nível nacional, quanto regional e municipal, abrangendo todos os sectores, tais como estradas, transportes ferroviários e aéreos, bem como o desenvolvimento local. Exemplos de projectos: 4 novos estádios Transporte local em cidades, principalmente, eléctricos Amplas remodelações e modernizações de aeroportos e estações ferroviárias Novas auto-estradas e vias expressas que ligam as cidades principais 23

25 Obrigado pela Vossa atenção! Convidamo-los a visitarem o nosso website: ou contactar-nos directamente: Departamento de Promoção do Comércio e do Investimento da Rua António de Saldanha nº Lisboa Tel.: (+351) Fax: (+351)

destino: POLÓNIA OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS

destino: POLÓNIA OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS destino: POLÓNIA OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS AIMinho 6 Dezembro 2012 Bogdan Zagrobelny EMBAIXADA DA POLÓNIA DEPARTAMENTO DE PROMOÇÃO DO COMÉRCIO E DO INVESTIMENTO 1. Informações gerais 2. Incentivos para

Leia mais

Oportunidades de Negócio Polónia

Oportunidades de Negócio Polónia Oportunidades de Negócio Polónia Amieira Marina 16 de Junho 2015 Bogdan Zagrobelny Primeiro Conselheiro EMBAIXADA DA POLÓNIA DEPARTAMENTO DE PROMOÇÃO DO COMÉRCIO E DO INVESTIMENTO 1. Informações gerais

Leia mais

DEPARTAMENTO DE PROMOÇÃO DO COMÉRCIO E DO INVESTIMENTO DA EMBAIXADA DA POLÓNIA EM LISBOA. Bogdan Zagrobelny Primeiro Conselheiro

DEPARTAMENTO DE PROMOÇÃO DO COMÉRCIO E DO INVESTIMENTO DA EMBAIXADA DA POLÓNIA EM LISBOA. Bogdan Zagrobelny Primeiro Conselheiro DEPARTAMENTO DE PROMOÇÃO DO COMÉRCIO E DO INVESTIMENTO DA EMBAIXADA DA POLÓNIA EM LISBOA Bogdan Zagrobelny Primeiro Conselheiro INFORMAÇÃO GERAL População: 8º na Europa, 29º no mundo (38.2 milhões) Área:

Leia mais

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 REPÚBLICA DA COLÔMBIA POPULAÇÃO 48 Milhões SUPERFÍCIE 1.141.748 Km2 CAPITAL Bogotá 7,3 milhões PRINCIPAIS CIDADES

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011 Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 População a Milhares Hab. INE 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.636 10.643 2º Trimestre

Leia mais

Madeira: Global Solutions for Wise Investments

Madeira: Global Solutions for Wise Investments Madeira: Global Solutions for Wise Investments Madeira: Global Solutions for Wise Investments O Centro Internacional de Negócios da Madeira Lisboa, 20 de Abril de 2010 Índice 1. Fundamentos do CINM 2.

Leia mais

POLÓNIA Oportunidades sector de construção

POLÓNIA Oportunidades sector de construção POLÓNIA Oportunidades sector de construção Bogdan Zagrobelny Primeiro Conselheiro EMBAIXADA DA POLÓNIA DEPARTAMENTO DE PROMOÇÃO DO COMÉRCIO E DO INVESTIMENTO 1. Informações gerais 2. Clima para IDE 3.

Leia mais

Portugal o parceiro económico da Polónia 2015-10-25 17:26:25

Portugal o parceiro económico da Polónia 2015-10-25 17:26:25 Portugal o parceiro económico da Polónia 2015-10-25 17:26:25 2 Portugal o parceiro económico da Polónia Quadro legal de relações económicas luso-polacas - Tratado de Adesão da Polónia com as Comunidades

Leia mais

Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã. 26 de novembro de 2014

Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã. 26 de novembro de 2014 Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã 26 de novembro de 2014 1. Empresas Alemãs em Portugal 2. Investimento Direto Alemão em Portugal 3. Exportação / Importação 1. Empresas Alemãs em Portugal Perspetiva

Leia mais

Desafios da Internacionalização O papel da AICEP. APAT 10 de Outubro, 2015

Desafios da Internacionalização O papel da AICEP. APAT 10 de Outubro, 2015 Desafios da Internacionalização O papel da AICEP APAT 10 de Outubro, 2015 Internacionalização - Desafios Diversificar Mercados Alargar a Base Exportadora 38º PORTUGAL TEM MELHORADO A SUA COMPETITIVIDADE

Leia mais

Konsulting Group. International. KGwww.konsultinggroup.pt. Rua Júlio Dinis nº 748 Parque Itália Entrada Florença, 5º andar - sala 5.

Konsulting Group. International. KGwww.konsultinggroup.pt. Rua Júlio Dinis nº 748 Parque Itália Entrada Florença, 5º andar - sala 5. KG Konsulting Group KGwww.konsultinggroup.pt International Rua Júlio Dinis nº 748 Parque Itália Entrada Florença, 5º andar - sala 5.2 4050-012 Porto Destino - Polónia -4,8 Na Polónia, durante o período

Leia mais

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Enquadramento Enquadramento A importância da Internacionalização na vertente das exportações

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS CENTRO DE PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS CLIMA DE INVESTIMENTOS EM MOÇAMBIQUE

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS CENTRO DE PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS CLIMA DE INVESTIMENTOS EM MOÇAMBIQUE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS CENTRO DE PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS CLIMA DE INVESTIMENTOS EM MOÇAMBIQUE CONTEÚDO 1 Razões para investir em Moçambique 2 Evolução do Investimento

Leia mais

Sociedade de Geografia de Lisboa

Sociedade de Geografia de Lisboa Sociedade de Geografia de Lisboa Tema A internacionalização das empresas portuguesas para os Países da Europa Central e Oriental (PECO) Autor Rui Paulo Almas Data Lisboa, 25 de Junho de 2012 1 A internacionalização

Leia mais

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015 Missão Empresarial EUA Flórida 21 a 26 de Março 2015 Apoiamos empresas a ter sucesso nos mercados internacionais Sobre nós Na Market Access prestamos serviços de apoio à exportação e internacionalização.

Leia mais

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Índice Investimento público e privado no Ensino Superior Propinas Investimento público e privado

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 22/01 Economia 25/01 Comércio Internacional 26/01 Taxas de Juro 29/01 Economia 31/01 Desemprego 31/01 Investimento Banco de Portugal divulgou Boletim Estatístico Janeiro 2007 http://epp.eurostat.ec.europa.eu/pls/portal/docs/page/pgp_prd_cat_prerel/pge_cat_prerel_year_2007/pge_

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Alemanha Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. Alemanha Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar Alemanha Condições Legais de Acesso ao Mercado Setembro 2012 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4 3. Quadro Legal 5 2 1. Regime

Leia mais

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas Porto, 28 de Janeiro de 2014 Índice 1. Enquadramento 2. A aicep Portugal Global 3. Produtos e serviços AICEP Enquadramento Enquadramento

Leia mais

African Development Bank

African Development Bank OPORTUNIDADES E DESAFIOS BANCO AFRICANO DE DESENVOLVIMENTO Lisboa, 18 de Abril 2008 1 2 O que investidores e empresas querem saber 1. O que é o BAD? 2. Instrumentos de financiamento 3. Áreas de negócios

Leia mais

de Investimento em Angola e Cabo Verde

de Investimento em Angola e Cabo Verde Conferência Client Perspectivas name appearse Oportunidades here de Investimento em Angola e Cabo Verde PwC Conferência Estruturas de Investimento: Cabo Verde Leendert Verschoor Agenda Introdução 1 Ficha

Leia mais

CABO VERDE COMO PLATAFORMA PARA ENTRADA EM OUTROS MERCADOS. Agencia Cabo Vendeana de Promoção de Investimentos

CABO VERDE COMO PLATAFORMA PARA ENTRADA EM OUTROS MERCADOS. Agencia Cabo Vendeana de Promoção de Investimentos CABO VERDE COMO PLATAFORMA PARA ENTRADA EM OUTROS MERCADOS Agencia Cabo Vendeana de Promoção de Investimentos SUMARIO 1-Quem somos, onde estamos -localização geoestratégica, CV em números 2-Nossa economia

Leia mais

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer por uma competitiva

Leia mais

Portugal Leaping forward

Portugal Leaping forward Portugal Leaping forward Dr. Pedro Reis Presidente da AICEP Lisboa, 16 de Março 2012 Enquadramento internacional Fonte: EIU (Fev 2012) Nota: PIB a preços de mercado Variação (%) Enquadramento internacional

Leia mais

PORTUGAL Comércio Exterior

PORTUGAL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC PORTUGAL Comércio Exterior Abril de 2015 Principais Indicadores

Leia mais

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas 7 de Novembro de 2014 Internacionalização - Desafios Diversificar Mercados Alargar a Base Exportadora Enquadramento Evolução Recente Comércio

Leia mais

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer por uma competitiva

Leia mais

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO Desenvolvimento Rural, Agricultura, Florestas e Sustentabilidade 17 de outubro de 2014 / GPP Eduardo

Leia mais

PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior

PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior Outubro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

América Latina. Diferentes oportunidades

América Latina. Diferentes oportunidades América Latina Diferentes oportunidades Casa da América Latina Missão: estreitar relações culturais, cientificas e económicas entre AL e Portugal e vice-versa. Fundada em 1998, como uma divisão da Câmara

Leia mais

Apresentação Pública das Oportunidades de Investimentos nas Ilhas de Boa Vista e Maio INCENTIVOS AO INVESTIMENTO

Apresentação Pública das Oportunidades de Investimentos nas Ilhas de Boa Vista e Maio INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Apresentação Pública das Oportunidades de Investimentos nas Ilhas de Boa Vista e Maio Boa Vista, Outubro de 2009 INCENTIVOS AO INVESTIMENTO AGENCIA CABO VERDIANA DE PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS 1 AGÊNCIA

Leia mais

Arial Bold Alinhado esquerda 27 pt

Arial Bold Alinhado esquerda 27 pt Aspectos Relevantes para Investidores Arial Bold Alinhado esquerda 27 pt Portugueses em Angola Arial Bold (Orador) Alinhado esquerda 17 pt Arial (Data) Alinhado esquerda 14 pt Partilhamos a Experiência.

Leia mais

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico.

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico. Síntese APRESENTAÇÃO O Relatório da Competitividade é elaborado anualmente, com o objectivo de monitorizar a evolução de um conjunto de indicadores ( Carteira de Indicadores ) em Portugal e a sua comparação

Leia mais

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012 Apoio à Internacionalização CENA 3 de Julho de 2012 Enquadramento Enquadramento Comércio Internacional Português de Bens e Serviços Var. 13,3% 55,5 68,2 57,1 73,4 48,3 60,1 54,5 66,0 67,2 61,7 Exportação

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Finlândia Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. Finlândia Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar Finlândia Condições Legais de Acesso ao Mercado Janeiro 2012 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4 3. Quadro Legal 5 2 1. Regime

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

Leia mais

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM A ALEMANHA

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM A ALEMANHA Expedições 4.646.753 4.957.528 4.954.299 4.099.667 4.771.584 1,4 16,4 Chegadas 8.054.468 8.367.508 8.594.931 6.813.091 7.886.527 0,4 15,8 Saldo -3.407.716-3.409.980-3.640.632-2.713.423-3.114.943 -- --

Leia mais

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 11 Novembro Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO Portugal situa-se no extremo sudoeste da Europa e é constituído por: Portugal Continental ou Peninsular (Faixa Ocidental da Península Ibérica) Parte do território

Leia mais

MISSÃO EMPRESARIAL. ANGOLA - BENGUELA E MALANGE 8 a 16 de Novembro de 2014

MISSÃO EMPRESARIAL. ANGOLA - BENGUELA E MALANGE 8 a 16 de Novembro de 2014 MISSÃO EMPRESARIAL ANGOLA - BENGUELA E MALANGE 8 a 16 de Novembro de 2014 ANGOLA Com capital na cidade de Luanda, Angola é um país da costa ocidental de África, cujo território principal é limitado a norte

Leia mais

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer pelo conjunto

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. República Checa Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. República Checa Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar República Checa Condições Legais de Acesso ao Mercado Março 2010 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4 3. Quadro Legal 6 2 1. Regime

Leia mais

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação 1 Incentivos financeiros à internacionalização Em 2010 os incentivos financeiros à internacionalização, não considerando

Leia mais

CONDIÇÕES FAVORÁVEIS À PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO PRIVADO NA AGRICULTURA. Lisboa, 20-21 de Janeiro de 20111

CONDIÇÕES FAVORÁVEIS À PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO PRIVADO NA AGRICULTURA. Lisboa, 20-21 de Janeiro de 20111 CONDIÇÕES FAVORÁVEIS À PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO PRIVADO NA AGRICULTURA Lisboa, 20-21 de Janeiro de 20111 Por: António Prata, Director do Departamento de Informação e Relações Internacionais Objectivos

Leia mais

BANCO POPULAR. Parceiro na Internacionalização

BANCO POPULAR. Parceiro na Internacionalização BANCO POPULAR Parceiro na Internacionalização Um Banco Ibérico com Presença Internacional Escritórios de representação Banco Popular Genebra Milão Munique Santiago do Chile Xangai Banco Pastor Buenos Aires

Leia mais

PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES. Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa

PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES. Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa MESTRADO EM ECONOMIA PORTUGUESA E INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES UNIDADES CURRICULARES OBRIGATÓRIAS Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa 1. Identificação

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural, I.P. Índice

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural, I.P. Índice Índice Desemprego Registado de Estrangeiros por Continente de Origem e Principais Nacionalidades - Situação no fim do mês de Dezembro, de 2003 a 2009... 2 Desemprego Registado de Estrangeiros por Continente

Leia mais

Workshop sobre o Investimento Responsável no Sector Agrário

Workshop sobre o Investimento Responsável no Sector Agrário REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS CENTRO DE PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS Workshop sobre o Investimento Responsável no Sector Agrário Cidade Maputo, 23 de Abril de 2015 CONTEÚDO Papel

Leia mais

Madeira: Global Solutions for Wise Investments

Madeira: Global Solutions for Wise Investments Madeira: Global Solutions for Wise Investments Madeira: Global Solutions for Wise Investments Centro Internacional de Negócios da Madeira Um Instrumento de Política de Desenvolvimento e Sustentabilidade

Leia mais

VERSÕES CONSOLIDADAS

VERSÕES CONSOLIDADAS 9.5.2008 PT Jornal Oficial da União Europeia C 115/1 VERSÕES CONSOLIDADAS DO TRATADO DA UNIÃO EUROPEIA E DO TRATADO SOBRE O FUNCIONAMENTO DA UNIÃO EUROPEIA (2008/C 115/01) 9.5.2008 PT Jornal Oficial da

Leia mais

Angola Breve Caracterização. Julho 2007

Angola Breve Caracterização. Julho 2007 Breve Caracterização Julho 2007 I. Actividade e Preços. Após o final da guerra civil em 2002, e num contexto de relativa estabilidade política, tornou-se numa das economias de mais elevado crescimento

Leia mais

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Junho de 2010 1 IVA Alteração das Taxas Reduzida, Intermédia e Normal 2 Revisores e Auditores 5

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Junho de 2010 1 IVA Alteração das Taxas Reduzida, Intermédia e Normal 2 Revisores e Auditores 5 Assuntos Resumo Fiscal/Legal Junho de 2010 1 IVA Alteração das Taxas Reduzida, Intermédia e Normal 2 Revisores e Auditores 5 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL JUNHO DE 2010 Ministério da Economia, da Inovação e

Leia mais

QUADRO LEGAL DE RELAÇÕES ECONÓMICAS LUSO-POLACAS COMÉRCIO BILATERAL

QUADRO LEGAL DE RELAÇÕES ECONÓMICAS LUSO-POLACAS COMÉRCIO BILATERAL capa QUADRO LEGAL DE RELAÇÕES ECONÓMICAS LUSO-POLACAS Tratado de Adesão da Polónia com as Comunidades Europeias, de 16 de Abril de 2003 (em vigor até 1 de Maio de 2004), O Acordo de apoio e proteção mútua

Leia mais

Uma das maiores áreas territoriais de Portugal, com uma fronteira terrestre internacional de 568 km e um perímetro da linha de costa de 142 km

Uma das maiores áreas territoriais de Portugal, com uma fronteira terrestre internacional de 568 km e um perímetro da linha de costa de 142 km As Regiões de - Região O Território Porquê o? Uma das maiores áreas territoriais de, com uma fronteira terrestre internacional de 568 km e um perímetro da linha de costa de 142 km Area (km 2 ): 21.286

Leia mais

CIP Congresso 2015. Lisboa, 9 de Julho de 2015

CIP Congresso 2015. Lisboa, 9 de Julho de 2015 CIP Congresso 2015 Lisboa, 9 de Julho de 2015 Portugal: Competitividade, atractividade e captação de IDE (sumário para apresentação oral em 20 minutos). António Neto da Silva 1. Em Globalização Competitiva

Leia mais

gabinete de estratégia e estudos

gabinete de estratégia e estudos Gabinete de Estratégia e Estudos Síntese Estatística gabinete de estratégia e estudos INVESTIMENTO DIRECTO Exterior em Portugal e Portugal no Exterior Agosto de 26 Índice Tratamento e análise dos dados

Leia mais

FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013. 1. Título "Opções de financiamento para a CPLP" não é meu.

FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013. 1. Título Opções de financiamento para a CPLP não é meu. FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013 1. Título "Opções de financiamento para a CPLP" não é meu. Poderia dar ideia que há opções de financiamento específicas para a CPLP em si mesma e para os Estados

Leia mais

28-06-2011. Onde? Como? O quê? Fórum Exportações AÇORES. - Caracterização e Potencial das Exportações Regionais - 1. Internacionalização

28-06-2011. Onde? Como? O quê? Fórum Exportações AÇORES. - Caracterização e Potencial das Exportações Regionais - 1. Internacionalização Fórum Exportações AÇORES Caracterização e Potencial das Exportações Regionais Gualter Couto, PhD Ponta Delgada, 27 de Junho de 2011 1. Internacionalização Internacionalização: Processo Estrutura Organizacional

Leia mais

Um parceiro de confiança / www.portugalglobal.pt. RÚSSIA Mundial de Futebol 2018

Um parceiro de confiança / www.portugalglobal.pt. RÚSSIA Mundial de Futebol 2018 RÚSSIA Mundial de Futebol 2018 RÚSSIA Mundial de Futebol 2018 Superfície: 17 milhões Km 2 Regiões: 85 População: 144 milhões Capital: Moscovo Língua oficial: russo Moeda: Rublo (RUB) 1 = +- 75 RUB** PIB:

Leia mais

ROSÁRIO MARQUES Directora Executiva CCILC. AIP Mercados para Exportação 05 de Março de 2014

ROSÁRIO MARQUES Directora Executiva CCILC. AIP Mercados para Exportação 05 de Março de 2014 ROSÁRIO MARQUES Directora Executiva CCILC AIP Mercados para Exportação 05 de Março de 2014 Colômbia Aspectos Gerais País muito jovem - 55% da população com menos de 30 anos. 7 Áreas Metropolitanas com

Leia mais

Mercados informação de negócios

Mercados informação de negócios Mercados informação de negócios Rússia Oportunidades e Dificuldades do Mercado Março 2012 Índice 1. Oportunidades 3 1.1 Comércio 3 1.2 Investimento de Portugal na Rússia 4 1.3 Investimento da Rússia em

Leia mais

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL 1 São muitas e variadas as soluções e medidas de apoio à competitividade empresarial. Na intervenção de abertura o Presidente da

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 03 março 2012 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e do Emprego G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais

Leia mais

ESPANHA 5º Seminário de Capacitação em Atração de Investimentos Recife. 2-4 abril 2014 Conselheiro Econômico e Comercial em Brasilia: Fernando Salazar

ESPANHA 5º Seminário de Capacitação em Atração de Investimentos Recife. 2-4 abril 2014 Conselheiro Econômico e Comercial em Brasilia: Fernando Salazar ESPANHA 5º Seminário de Capacitação em Atração de Investimentos Recife. 2-4 abril 2014 Conselheiro Econômico e Comercial em Brasilia: Fernando Salazar ICEX-INVEST IN SPAIN Icex-Invest in Spain pertence

Leia mais

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 PORTUGAL Economic Outlook Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 Portugal: Adaptação a um novo ambiente económico global A economia portuguesa enfrenta o impacto de um ambiente externo difícil,

Leia mais

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 1 2 O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 3 A origem do Fundo Social Europeu O Fundo Social Europeu foi criado em 1957 pelo Tratado de Roma,

Leia mais

BANCO EUROPEU DE INVESTIMENTO

BANCO EUROPEU DE INVESTIMENTO BANCO EUROPEU DE INVESTIMENTO Financiamento de Infra-estruturas Parcerias Público Privadas/ Project Finance Alexandra Almeida Chefe do Gabinete de Lisboa 1 Sumário 1. O Banco Europeu de Investimento 2.

Leia mais

Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades

Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades Vendas Novas - 02 de julho de 2013 aicep Portugal Global é uma agência pública de natureza empresarial, cuja missão é: Atrair investimento estrangeiro

Leia mais

Portugal 2020. Pedro Gomes Nunes. Director Executivo. Lisboa, Fevereiro 2014. www.risa.pt

Portugal 2020. Pedro Gomes Nunes. Director Executivo. Lisboa, Fevereiro 2014. www.risa.pt Pedro Gomes Nunes Director Executivo Lisboa, Fevereiro 2014 RISA - Apresentação ÁREAS DE NEGÓCIO Estudos e Projectos + 20 anos de experiência + 1.500 candidaturas a Fundos Comunitários aprovadas. + 1,6

Leia mais

Powered by. Desenvolvimento

Powered by. Desenvolvimento Desenvolvimento de Sistemas Sustentáveis 1 Urbancraft Energia, S.A. FDO INVESTIMENTOS E PARTICIPAÇÕES, SGPS, S.A. ALEXANDRE BARBOSA BORGES, SGPS, S.A. 50% 50% A URBANCRAFT ENERGIA, S.A é uma sociedade

Leia mais

Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero

Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Empresas Participantes do CRI Multinacionais Instituições

Leia mais

Tabelas anexas Capítulo 7

Tabelas anexas Capítulo 7 Tabelas anexas Capítulo 7 Tabela anexa 7.1 Indicadores selecionados de inovação tecnológica, segundo setores das indústrias extrativa e de transformação e setores de serviços selecionados e Estado de São

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal fevereiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

CAZAQUISTÃO Comércio Exterior

CAZAQUISTÃO Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC CAZAQUISTÃO Comércio Exterior Agosto de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Indicadores de Confiança...15

Indicadores de Confiança...15 1. MACROECONOMIA 1.1. Rendimento e Despesa Despesa Nacional a Preços Correntes...5 Despesa Nacional a Preços Constantes...6 PIB a preços correntes (Produto Interno Bruto)...7 PIB a preços constantes (Produto

Leia mais

Os acordos laborais da Autoeuropa no enquadramento competitivo do grupo Volkswagen

Os acordos laborais da Autoeuropa no enquadramento competitivo do grupo Volkswagen Os acordos laborais da no enquadramento competitivo do grupo Volkswagen Conferência NEXT 20 Março 2009 Julius von Ingelheim Director de Recursos Humanos O grupo Volkswagen Exemplo de competitividade global

Leia mais

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa Diagnóstico do Sistema de Investigação e Inovação: Desafios, forças e fraquezas rumo a 2020 FCT - A articulação das estratégias regionais e nacional - Estratégia de Especialização Inteligente para a Região

Leia mais

PORTUGALPLUS - Investimento e Exportação

PORTUGALPLUS - Investimento e Exportação 1 PORTUGALPLUS - Investimento e Exportação Excelência na execução como alavanca de crescimento no mercado Alemão Apresentação das primeiras conclusões do estudo Maio, 2013 FÓRUM PARA A COMPETITIVIDADE

Leia mais

Espanha continuou a ser o país com maior peso nas transações comerciais de bens com o exterior (23,5% nas exportações e de 32,5% nas importações).

Espanha continuou a ser o país com maior peso nas transações comerciais de bens com o exterior (23,5% nas exportações e de 32,5% nas importações). Estatísticas do Comércio Internacional 214 7 de julho de 215 Resultados preliminares do Comércio Internacional em 214: em termos nominais, as exportações aumentaram 1,8% e as importações aumentaram 3,2%

Leia mais

INICIATIVA PARA O INVESTIMENTO E EMPREGO

INICIATIVA PARA O INVESTIMENTO E EMPREGO FISCAL N.º 1/2009 JAN/FEV 2009 INICIATIVA PARA O INVESTIMENTO E EMPREGO Nuno Sampayo Ribeiro No Conselho de Ministros de 13 de Dezembro de 2008 foi aprovado um reforço do investimento público. O qual será

Leia mais

EMIRADOS ÁRABES UNIDOS

EMIRADOS ÁRABES UNIDOS EMIRADOS ÁRABES UNIDOS Para os empresários portugueses Ajman Fujairah Sharjah Dubai Ras Al-Khaimah Umm Al Qaiwain O País Designação Oficial: Emirados Árabes Unidos Forma de Estado: Federação de sete Emirados

Leia mais

PARCERIA DE FUTURO 2015 年 第 二 届 中 国 葡 萄 牙 庆 典 未 来 的 合 作 关 系 COM FÓRUM EMPRESARIAL E CONFERÊNCIA DE NEGÓCIOS 含 商 务 论 坛 及 商 业 贸 易 会 议

PARCERIA DE FUTURO 2015 年 第 二 届 中 国 葡 萄 牙 庆 典 未 来 的 合 作 关 系 COM FÓRUM EMPRESARIAL E CONFERÊNCIA DE NEGÓCIOS 含 商 务 论 坛 及 商 业 贸 易 会 议 II GALA PARCERIA DE FUTURO 2015 年 第 二 届 中 国 葡 萄 牙 庆 典 未 来 的 合 作 关 系 COM FÓRUM EMPRESARIAL E CONFERÊNCIA DE NEGÓCIOS 含 商 务 论 坛 及 商 业 贸 易 会 议 PRAÇA DO COMÉRCIO LISBOA 2015 年 10 月 29 日, 里 斯 本 商 业 广 场, Pátio

Leia mais

ESPANHA DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS

ESPANHA DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS ESPANHA

Leia mais

Começar Global e Internacionalização

Começar Global e Internacionalização Começar Global e Internacionalização Artur Alves Pereira Assessor do Conselho de Administração, AICEP Portugal Global Fevereiro 06, 2014 1 A aicep Portugal Global Missão. A aicep Portugal Global é uma

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 07 Julho 2015 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar

2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar 2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar Nome: N.º: Classificação: Ass.Professor: GRUPO I Este grupo é constituído

Leia mais

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos).

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos). Nov-02 Nov-03 Nov-04 Nov-05 Nov-06 Nov-07 Nov-08 Nov-09 Nov-10 Nov-12 Análise de Conjuntura Dezembro 2012 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer

Leia mais

Suíça e Brasil Relações econômicas e perspectivas

Suíça e Brasil Relações econômicas e perspectivas 5ª Oficina de Trabalho Rede Nacional de Informações sobre o Investimento Manaus, 30 de agosto de 2006 Suíça e Brasil Relações econômicas e perspectivas Olivier Zehnder Primeiro Secretário Embaixada da

Leia mais

Cooperação Territorial Transnacional: Irlanda - Espanha - França - Portugal - Reino Unido

Cooperação Territorial Transnacional: Irlanda - Espanha - França - Portugal - Reino Unido MEMO/08/79 Bruxelas, 8 de Fevereiro de 2008 Cooperação Territorial Transnacional: Irlanda - Espanha - França - Portugal - Reino Unido 1. O Programa Operacional de Cooperação Transnacional Espaço Atlântico

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Tunísia Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. Tunísia Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar Tunísia Condições Legais de Acesso ao Mercado Fevereiro 2012 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4 3. Quadro Legal 5 2 1. Regime

Leia mais

O Cenário Econômico Brasileiro e as Oportunidades de Investimentos

O Cenário Econômico Brasileiro e as Oportunidades de Investimentos O Cenário Econômico Brasileiro e as Oportunidades de Investimentos Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos Apex-Brasil Alessandro Teixeira Presidente Novo Ciclo do Crescimento Econômico

Leia mais

O INVESTIMENTO LOW-COST EM ESPANHA AIMINHO - 26 DE MAIO DE 2014 INVESTIMENTO EM ESPANHA LOW COST I.- Início de actividade II.- Ajudas e subvenções III.- Investir através de Espanha IV.- Prestação de serviços

Leia mais

As estatísticas do comércio internacional de serviços e as empresas exportadoras dos Açores

As estatísticas do comércio internacional de serviços e as empresas exportadoras dos Açores As estatísticas do comércio internacional de serviços e as empresas exportadoras dos Açores Margarida Brites Coordenadora da Área das Estatísticas da Balança de Pagamentos e da Posição de Investimento

Leia mais

Seminario de Difusión do Anuario Estatístico Galicia Norte de Portugal 2010. A nova edição do Anuário Estatístico na perspectiva do Norte de Portugal

Seminario de Difusión do Anuario Estatístico Galicia Norte de Portugal 2010. A nova edição do Anuário Estatístico na perspectiva do Norte de Portugal A nova edição do Anuário Estatístico na perspectiva do Norte de Portugal Eduardo Pereira (CCDRN) Santiago de Compostela 13 de Dezembro de 2010 Galicia Norte de Portugal: uma grande região europeia transfronteiriça

Leia mais

Alemanha - Síntese País

Alemanha - Síntese País Informação Geral sobre a Alemanha Área (km 2 ): 356 970 km 2 Chanceler Federal: Angela Merkel População (milhões hab.): 81 (estimativa 2014) Risco de crédito (*): Capital: Berlim Risco do país: A (AAA

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal janeiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

BULGÁRIA DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS

BULGÁRIA DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS BULGÁRIA

Leia mais

Construir Angola Cimentar Parcerias

Construir Angola Cimentar Parcerias Construir Cimentar Parcerias Aspectos fiscais do investimento português em Rosa Areias em AICCOPN em Tributação das pessoas colectivas principais impostos: Imposto Industrial Imposto sobre a Aplicação

Leia mais

MISSÃO EMPRESARIAL MÉXICO

MISSÃO EMPRESARIAL MÉXICO MISSÃO EMPRESARIAL MÉXICO Cidade do México - 27 a 31de Outubro de 2014 COM GARANTIA DE SUCESSO Saiba mais na pág. 5 MÉXICO O México, oficialmente Estados Unidos Mexicanos, é uma república constitucional

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. ADENE Agência para a Energia Maio de 2010

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. ADENE Agência para a Energia Maio de 2010 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ADENE Agência para a Energia Maio de 2010 0 PLANO NACIONAL DE ACÇÃO PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA RESULTADOS 1 Programas do Portugal Eficiência 2015 Transportes Residencial e Serviços

Leia mais