MICROPROCESSADORES E MICROCONTROLADORES PROVA 2 - Uma Solução Possível

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MICROPROCESSADORES E MICROCONTROLADORES PROVA 2 - Uma Solução Possível"

Transcrição

1 Parte 3 Parte 1 Parte 2 Goiânia, 5 de junho de MICROPROCESSADORES E MICROCONTROLADORES PROVA 2 - Uma Solução Possível 1. Suponha um sistema com um conjunto de 8 LEDs conectados à porta P1 e duas chaves do tipo pushbutton conectadas aos pinos P3.2 e P3.3. Analise o programa da Tabela 1, escrito em linguagem assembly do 8051 e responda às questões. Valor: 3,0 Tabela 1: Programa em assembly do 8051 RÓTULO MNEMÔNICO RÓTULO MNEMÔNICO V1: MOV R0,#10 MOV A,#03H V3: MOV P1,A ORG 03H LCALL ATRASO LJMP V1 RL A DJNZ R0,V3 ORG 13H LJMP V2 V2: MOV P1,#0FH INICIO: MOV SP,#2FH LCALL ATRASO MOV IE,#85H MOV P1,#0F0H MOV TCON,#01H LCALL ATRASO MOV IP,#01H SJMP $ ATRASO: MOV R7,#200 V4: MOV R6,#200 DJNZ R6,$ DJNZ R7,V4 RET Questões (Valor de cada questão: 1,0): a) Explique a finalidade da Parte 1. Qual configuração final das interrupções externas após execução da Parte 1? A Parte 1 tem duas partes: a primeira parte contém os endereços das interrupções externas zero e 1, com o endereço de desvio para as rotinas a serem executadas quando as duas forem solicitadas. Na segunda parte as interrupções externas zero e 1 são habilitadas; a interrupção externa zero é por transição e a 1 por nível. A interrupção externa zero tem prioridade alta. Ao final das configurações o programa entra em um laço infinito, aguardando a chamada das interrupções. b) Como funciona a Parte 2? Em que condições a Parte 2 é executada? Na Parte 2 há uma rotação (à esquerda) simultânea de 2 bits, começando por b. Essa subrotina é executada dez vezes (R0 = 10), a cada vez que a chave de P3.2 é pressionada. c) Como funciona a Parte 3? O que ocorre se a chave do pino P3.2 for pressionado durante a execução da Parte 3? Na Parte 3 os nibbles inferior ( ) e superior ( ) são alternados, enquanto a chave P3.3 permanecer em nível lógico baixo (interrupção por nível). Se a chave P3.2 for pressionada durante a execução da Parte 3, o processamento desvia para a Parte 2, que é executada normalmente (10 vezes) e, depois, o processamento volta para a Parte 3.

2 2. A Figura 1 mostra um sistema de acionamento de um motor de corrente contínua. Faça um programa em assembly do 8051 com as seguintes características: Valor: 3,0 a) A chave CH0 é usada para habilitar o acionamento do motor. Enquanto estiver aberta (desligada) o acionamento do motor fica desabilitado e o motor desligado. Ao habilitar o acionamento do motor, o LED verde é ligado. Quando CH0 é aberta (desligada), o motor para e os LEDs apagam. b) Com a chave CH0 ligada o programa passa a verificar as chaves CH1 e CH2. Enquanto elas não forem pressionadas pela primeira vez o motor permanece desligado. Depois que uma delas é pressionada e liberada, o motor passa a funcionar em um dos sentidos. c) Pressionando-se a chave CH1 (e liberando a seguir) o motor CC gira no sentido direto (IN1=0; IN2=1) e o LED amarelo é ligado e o vermelho desligado. d) Pressionando-se a chave CH2 (e liberando a seguir) o motor CC gira no sentido reverso (IN1=1; IN2=0) e o LED vermelho é ligado e o amarelo desligado. Figura 1: Sistema de acionamento de motor CC Uma solução possível: Rótulo Mnemônicos Comentários CH0 EQU P3.0 ; Atribui-se o nome CH0 ao pino P3.0 CH1 EQU P3.2 ; Atribui-se o nome CH1 ao pino P3.2 CH2 EQU P3.3 ; Atribui-se o nome CH2 ao pino P3.3 IN1 EQU P0.1 IN2 EQU P0.0 ; Atribui-se o nome IN1 ao pino P0.1 de acionamento do motor ; Atribui-se o nome IN2 ao pino P0.0 de acionamento do motor Verde EQU P1.7 ; Atribui-se o nome Verde ao LED do pino P1.7 Amarelo EQU P1.1 ; Atribui-se o nome Amarelo ao LED do pino P1.1 Vermelho EQU P1.0 ; Atribui-se o nome Vermelho ao LED do pino P1.0 INICIO: ORG 30H MOV SP,#2FH V1: CLR IN1 CLR IN2 CLR Verde CLR Vermelho CLR Amarelo ; Desliga motor ; Desliga LED Verde ; Desliga LED Vermelho ; Desliga LED Amarelo

3 V3: JB CH0, V1 ; Enquanto CH0 estiver aberta (CH0 = 1), o motor fica desligado SETB Verde ; Liga LED Verde quando CH0 = 0. Motor habilitado para acionamento JB CH1,V2 CLR IN1 SETB IN2 SETB Amarelo CLR Vermelho SJMP V3 ; Se CH1 = 1, verificar a chave CH2. Se CH1 = 0, liga motor ; Motor no sentido direto (de acordo com a Tabela 2) ; Liga LED Amarelo ; Desliga LED Vermelho ; Volta para verificar chave CH0 V2: JB CH2,V3 ; Se CH2=1, verificar CH0 (ainda está habilitado?). Se CH2=0, liga motor SETB IN1 CLR IN2 ; Motor no sentido reverso (de acordo com a Tabela 2) CLR Amarelo ; Desliga LED Amarelo SETB Vermelho ; Liga LED Vermelho SJMP V3 ; Volta para verificar chave CH0 3. A Figura 2 mostra um sistema onde um êmbolo é usado para deslocar um determinado volume de água de uma seringa. O êmbolo é deslocado para a direita e para a esquerda usando um motor de passo conectado ao nibble inferior da porta P0. A cada 10 passos do motor de passo, o êmbolo desloca 1 ml de água. Faça um programa em assembly do 8051 onde a interrupção externa zero, por transição, faz o êmbolo deslocar 10 ml de água (para a direita). Ao ser acionada, a interrupção externa 1, por transição, o êmbolo desloca 20 ml de água (para a direita). Ao final de cada 20 ml o êmbolo retorna à posição original, com a rotação do motor de passo no sentido reverso. Valor: 4,0 Figura 2: Sistema de injeção controlada Uma solução possível: Rótulo Mnemônicos Comentários ORG 03H LJMP VOL10 ; Endereço da Interrupção externa zero ; Desvia para a rotina VOL10 ORG 13H ; Endereço da Interrupção externa 1 LJMP VOL20 ; Desvia para a rotina VOL20 INICIO: ORG 30H MOV SP,#2FH MOV IE,#85H MOV TCON,#05H MOV A,#01H MOV R1,#0 SJMP $ ; Habilita as interrupções externas INT0 e INT1 ; INT0 e INT1 por transição ; Conteúdo de A a ser usado para rotacionar o motor de passo ; Contador de deslocamentos. Incrementa 1 a cada 10 ml deslocados ; Aguarda uma das interrupções em um laço infinito

4 VOL10: CLR F0 ; F0 = 0 --> quando o volume solicitado é 10 ml SJMP V3 VOL20: SETB F0 ; F0 = 1 --> quando o volume solicitado é 20 ml V3: MOV R0,#100 ; R0 = > 1 ml = 10 passos => 10 ml = 100 passos V2: MOV P1,#A ; Transfere conteúdo de A para o motor de passo (na porta P1) LCALL ATRASO ; Chama subrotina de atraso de tempo RR A ; Rotaciona conteúdo de A para a direita CJNE A,#80H,V1 ; Verifica de o conteúdo de A está fora do nibble inferior MOV A,#08H ; A = 08H, se A estiver fora do nibble inferior V1: DJNZ R0,V2 ; Verifica se já foram executados 100 passos. INC R1 ; Incrementa o contador de deslocamentos a cada 10 ml CJNE R1,#02H,V4 ; Verifica se R1 = 2 (deslocamento de 20 ml) MOV R1,#0 ; Zera contador LJMP RETORNA ; Se R1 = 2, então já deslocou 20 ml e deve deslocar para a esquerda V4: JB F0,V3 ; Se F0 = 1, e R1 =/= 2, então deve voltar e deslocar mais 10 ml RETORNA: MOV R0,#200 ; R0 = 200, para girar 200 passos para a direita V2R: MOV P1,A ; Transfere conteúdo de A para o motor de passo (na porta P1) LCALL ATRASO RL A ; Rotaciona conteúdo de A para a esquerda CJNE A,#10H,V1R ; Verifica de o conteúdo de A está fora do nibble inferior MOV A,#01H ; A = 01H, se A estiver fora do nibble inferior V1R: DJNZ R0,V2R ; Verifica se já foram executados 200 passos. ATRASO: MOV R7,#150 V5: MOV R6,#250 DJNZ R6,$ DJNZ R7,V5 RET Temporizadores: Questões Optativas 4. Suponha um sistema com 8 LEDs conectados à porta P1 e uma chave tipo push-button conectando o pino P3.2 ao Terra. Faça um programa em assembly do 8051 com as seguintes características: Valor: 3,0 a) Enquanto o pino permanecer em nível lógico alto o programa aguarda em um laço infinito; b) Quando o nível lógico de P3.2 muda para nível baixo o temporizador zero, no modo 1, inicia uma contagem de pulsos, com cristal de 12 MHz, com interrupção. c) A cada final de contagem do temporizador o conteúdo do acumulador, inicialmente em zero, é incrementado em 1; d) Os LEDs da porta P1 são ligados de acordo com conteúdo do acumulador, conforme a tabela a seguir. A (H) a 1F 20 a 3F 40 a 5F 60 a 7F 80 a 9F A0 a BF C0 a DF E0 a FF LEDs nenhum 0 0 e 1 0 a 2 0 a 3 0 a 4 0 a 5 0 a 6 todos

5 Rótulo Mnemônicos Comentários ORG 0BH MOV TH0,#3CH MOV TL0,#0AFH INC R0 ; Endereço da Interrupção do temporizador zero ; Recarga do temporizador zero ; Incrementa contador R0 (usado para definir os LEDs a serem ligados) INICIO: ORG 30H MOV SP,#2FH MOV IE,#82H ; Habilita interrupção do temporizador zero MOV TMOD,#01H ; Temporizador zero no modo 1 MOV TH0,#3CH ; Valor inicial da contagem do temporizador zero para contar MOV TL0,#0AFH pulsos. Com um cristal de 12 MHz resulta em 50 ms V0: JB P3.2,$ ; Aguarda em laço infinito, enquanto P3.2 = 1 SETB TR0 ; Dispara o temporizador zero V1: MOV A,R0 ; A recebe o valor atual da contagem em R0 CJNE A,#00H,V2 ; Verifica se A = 00h. Se A =/=00H, desvia para V2 MOV P1,#00H ; Se A = 00H, todos os LEDs permanecem apagados para atualizar o valor de A V2: MOV A,R0 ; A recebe o valor atual da contagem em R0 SUBB A,#20H ; Subtrair 20H do conteúdo de A. A = A - 20H JNC V3 ; Se CY = 0 (A > 20H ou A = 20H), então desvia para V3 MOV P1,#01H ; Se CY = 1 (A < 20H), então liga o LED0 V3: MOV A,R0 ; A recebe o valor atual da contagem em R0 SUBB A,#40H ; Subtrair 40H do conteúdo de A. A = A - 40H JNC V4 ; Se CY = 0 (A > 40H ou A = 40H), então desvia para V4 MOV P1,#03H ; Se CY = 1 (A < 40H), então liga os LEDs 0 e 1 V4: MOV A,R0 ; A recebe o valor atual da contagem em R0 SUBB A,#60H ; Subtrair 60H do conteúdo de A. A = A - 60H JNC V5 ; Se CY = 0 (A > 60H ou A = 60H), então desvia para V5 MOV P1,#07H ; Se CY = 1 (A < 60H), então liga os LEDs 0, 1 e 2 V5: MOV A,R0 ; A recebe o valor atual da contagem em R0 SUBB A,#80H ; Subtrair 80H do conteúdo de A. A = A - 80H JNC V6 ; Se CY = 0 (A > 80H ou A = 80H), então desvia para V6 MOV P1,#0FH ; Se CY = 1 (A < 80H), então liga os LED 0 a 3 V6: MOV A,R0 ; A recebe o valor atual da contagem em R0 SUBB A,#0A0H ; Subtrair A0H do conteúdo de A. A = A - A0H JNC V7 ; Se CY = 0 (A > A0H ou A = A0H), então desvia para V7

6 MOV P1,#1FH ; Se CY = 1 (A < A0H), então liga o LEDs 0 a 4 V7: MOV A,R0 ; A recebe o valor atual da contagem em R0 SUBB A,#0C0H ; Subtrair C0H do conteúdo de A. A = A - C0H JNC V8 ; Se CY = 0 (A > C0H ou A = C0H), então desvia para V8 MOV P1,#3FH ; Se CY = 1 (A < C0H), então liga os LEDs 0 a 5 V8: MOV A,R0 ; A recebe o valor atual da contagem em R0 SUBB A,#0E0H ; Subtrair E0H do conteúdo de A. A = A - E0H JNC V9 ; Se CY = 0 (A > E0H ou A = E0H), então desvia para V9 MOV P1,#7FH ; Se CY = 1 (A < E0H), então liga os LEDs 0 a 6 V9: MOV A,R0 ; A recebe o valor atual da contagem em R0 MOV P1,#0FFH ; Liga todos os LEDs CJNE A,#0FFH,V1 ; Verifica se A = FFH. Se não for, volta para V1 CLR TR0 ; Se A = FFH, então para o temporizador zero. LJMP V0 ; Volta para V0, para aguardar novo início controlado por P3.2 Descobrindo a Lógica na Vida: Dizem que as famílias Bellini e Cellini, fabricantes de porta-joias da Itália renascentista, tinham uma característica peculiar: os membros da família Bellini sempre escreviam frases verdadeiras nos porta-joias que eles fabricavam; e os membros da família Cellini sempre escreviam frases falsas nos porta-joias que fabricavam. Um dia um comprador se deparou com um conjunto com dois porta-joias com as seguintes inscrições: Quem fabricou cada um dos porta-joias (Bellini pai, Bellini filho, Cellini pai ou Cellini filho)? (0,0) Descreva o raciocínio lógico usado para chegar à resposta apresentada. (0,5) Tabela 2: Lógica de operação do motor CC IN1 IN2 Operação do motor 0 0 Motor parado 0 1 Rotação sentido direto 1 0 Rotação sentido reverso 1 1 Motor parado Tabela 3: Recarga do temporizador-modo 1 Início da Contagem TH0 TL H 9FH CH AFH H BFH AH CFH B1H DFH D8H EFH Tabela 4: Alguns Registradores Especiais Bit7 Bit6 Bit5 Bit4 Bit3 Bit2 Bit1 Bit0 TCON TF1 TR1 TF0 TR0 IE1 IT1 IE0 IT0 IE EA X X ES ET1 EX1 ET0 EX0 IP X X X PS PT1 PX1 PT0 PX0 PSW CY AC F0 RS1 RS0 OV X P TMOD G1 C/T\ M1.1 M0.1 G0 C/T\ M1.0 M0.0 Tabela 5: Endereços das interrupções Interrupção Solicitada Endereço de desvio Reset 0000h INT0\ 0003h Timer/counter 0 000Bh INT1\ 0013h Timer/counter 1 001Bh Canal Serial 0023h

MICROPROCESSADORES E MICROCONTROLADORES PROVA 2 UMA SOLUÇÃO POSSÍVEL. Obs.: Todas as questões têm valor 2,0. Boa prova e Feliz Natal e Ano Novo!!!!

MICROPROCESSADORES E MICROCONTROLADORES PROVA 2 UMA SOLUÇÃO POSSÍVEL. Obs.: Todas as questões têm valor 2,0. Boa prova e Feliz Natal e Ano Novo!!!! MICROPROCESSADORES E MICROCONTROLADORES PROVA 2 Aluno: Matrícula: UMA SOLUÇÃO POSSÍVEL Obs.: Todas as questões têm valor 2,0. Boa prova e Feliz Natal e Ano Novo!!!! 1. Escreva um pequeno, em assembly do

Leia mais

Microprocessadores e Microcontroladores. Prova Substitutiva Uma Solução

Microprocessadores e Microcontroladores. Prova Substitutiva Uma Solução Prova Substitutiva Uma Solução Aluno: Matrícula: Uso de Interrupções e do Temporizador 1. Faça um programa (usando o assembly do 8051) para acionamento de um motor de corrente contínua, com as seguintes

Leia mais

Laboratório de Microprocessadores e Microcontroladores

Laboratório de Microprocessadores e Microcontroladores Escola de Engenharia Elétrica, Mecânica e de Computação Universidade Federal de Goiás Laboratório de Microprocessadores e Microcontroladores Experimento 4: Temporizadores e Motor de Passo Alunos: Matrícula:

Leia mais

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS EXERCÍCIOS RESOLVIDOS Modos de endereçamento direto ; inclui no programa assembly o arquivo (REG51.inc) ORG 0000H ; o programa inicia na linha 0000H da EPROM MOV A,#01010101B ; carrego no ACC por binário

Leia mais

Oprojeto apresenta três níveis de dificuldade: fácil, médio e difícil. No modo fácil tem-se uma

Oprojeto apresenta três níveis de dificuldade: fácil, médio e difícil. No modo fácil tem-se uma Jogo de Memória (Memorex v. 3.0) José Wilson Lima Nerys Universidade Federal de Goiás jwlnerys@gmail.com Abstract No presente projeto uma sequência de Leds é criada pelo microcontrolador, e deve ser repetida

Leia mais

Temporizadores e Contadores

Temporizadores e Contadores Temporizadores e Contadores Temporizadores e Contadores (Timer/Counter) O 8051 possui 2 T/C internos de 16 Bits programáveis e com capacidade de operação independente da CPU. Contadores crescentes (up-counter)

Leia mais

Interrupção. Prof. Adilson Gonzaga

Interrupção. Prof. Adilson Gonzaga Interrupção Prof. Adilson Gonzaga Estrutura de Programação Assembly Programa Principal Chamada de Sub-rotina1 Programa Principal Chamada de Sub-rotina2 Sub-rotina1 Subrotina2 Programa Principal Chamada

Leia mais

Notas de Aula Prof. André R. Hirakawa Prof. Paulo S. Cugnasca Prof. Carlos E. Cugnasca

Notas de Aula Prof. André R. Hirakawa Prof. Paulo S. Cugnasca Prof. Carlos E. Cugnasca Notas de Aula Prof. André R. Hirakawa Prof. Paulo S. Cugnasca Prof. Carlos E. Cugnasca SISTEMAS COMPACTOS: MEMÓRIAS ROM/RAM INTERNAS E/S INTERNOS: 1 CANAL SERIAL (CONSOME P3.0 E P3.1) 2 TIMERS/CONTADORES

Leia mais

EXPERIÊNCIA 17 USO DO TEMPORIZADOR INTERNO

EXPERIÊNCIA 17 USO DO TEMPORIZADOR INTERNO EXPERIÊNCIA 17 USO DO TEMPORIZADOR INTERNO Parte I Fundamentos Teóricos O que diferencia um microcontrolador (como o 8051) de um microprocessador é o fato de que o primeiro pode apresentar, integrados

Leia mais

PROJETOS COM MICROCONTROLADORES

PROJETOS COM MICROCONTROLADORES Escola de Engenharia Elétrica e de Computação Universidade Federal de Goiás PROJETOS COM MICROCONTROLADORES Versão em Processo de Atualização Prof. Dr. José Wilson Lima Nerys Goiânia, 2009 Projetos com

Leia mais

Prof. Adilson Gonzaga

Prof. Adilson Gonzaga Microprocessadores são Máquinas de Estado Seqüenciais Síncronas que operam mediante a execução de uma seqüência de códigos binários armazenados em memória. Prof. Adilson Gonzaga 1 As ordens ou comandos

Leia mais

MICROPROCESSADORES E MICROCONTROLADORES PROVA 1

MICROPROCESSADORES E MICROCONTROLADORES PROVA 1 MICROPROCESSADORES E MICROCONTROLADORES PROVA 1 1. A expressão a seguir pode ser usada para avaliar o desempenho de um microprocessador. Comente cada um dos termos dessa expressão. Valor: 2,5 Tempo de

Leia mais

Programação de Microprocessadores. Programação de Microprocessadores SEL-433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I

Programação de Microprocessadores. Programação de Microprocessadores SEL-433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I SEL-433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I Programação de Microprocessadores Microprocessadores são Máquinas de Estado Seqüenciais Síncronas que operam mediante a execução de uma seqüência de códigos binários

Leia mais

Aplicações de Microprocessadores I. Prof. Adilson Gonzaga

Aplicações de Microprocessadores I. Prof. Adilson Gonzaga Aplicações de Microprocessadores I Prof. Adilson Gonzaga Exercício -1 Fazer um programa em Assembly do 8051 que informe a temperatura de um forno. O programa deve enviar inicialmente um String em ASCII

Leia mais

Laboratório de Microprocessadores e Microcontroladores. Experimento 7: Conversor Analógico/Digital e Conversor Digital/Analógico

Laboratório de Microprocessadores e Microcontroladores. Experimento 7: Conversor Analógico/Digital e Conversor Digital/Analógico Escola de Engenharia Elétrica, Mecânica e de Computação Universidade Federal de Goiás Laboratório de Microprocessadores e Microcontroladores Experimento 7: Conversor Analógico/Digital e Conversor Digital/Analógico

Leia mais

Organização de Memórias

Organização de Memórias Intel 8051 O Intel 8051 é um microcontrolador de 8 bits que pertence a família MCS-51 da Intel e foi lançado em 1977. É tido como o microcontrolador mais popular do mundo, pois é muito versátil e possui

Leia mais

Sistemas Microprocessados. sato<at>utfpr<dot>edu<dot>br

Sistemas Microprocessados. sato<at>utfpr<dot>edu<dot>br Sistemas Microprocessados satoutfpredubr http://pessoal.utfpr.edu.br/sato/ Assembly do 805 satoutfpredubr Sobre o material Essas transparências foram baseadas em materiais elaborados

Leia mais

USJT Universidade São Judas Tadeu ENGENHARIA ELÉTRICA - LAB. INTEGRADO. EXP4 : Interrupções do uc 8051

USJT Universidade São Judas Tadeu ENGENHARIA ELÉTRICA - LAB. INTEGRADO. EXP4 : Interrupções do uc 8051 USJT Universidade São Judas Tadeu ENGENHARIA ELÉTRICA - LAB. INTEGRADO EXP4 : Interrupções do uc 8051 Prof. Vladimir Chvojka Jr Eng. Elétrica- Lab. Integrado - uc 8051 - Prof. Vladimir Chvojka Jr Exp4:

Leia mais

Os temporizadores / contadores (T/C) do 80C51

Os temporizadores / contadores (T/C) do 80C51 Os temporizadores / contadores (T/C) do 80C51 Existem dois T/C com 16 bits, podendo cada um funcionar como temporizador (T) ou contador (C): Como temporizador o registo é incrementado por cada ciclo máquina

Leia mais

Apontamentos sobre o 8051 Prof. Eng Luiz Antonio Vargas Pinto Versão revista e ampliada em 01/07/2009 Revisada em 28/02/2006 Revisada em 18/11/2007

Apontamentos sobre o 8051 Prof. Eng Luiz Antonio Vargas Pinto Versão revista e ampliada em 01/07/2009 Revisada em 28/02/2006 Revisada em 18/11/2007 1 Apontamentos sobre o 8051 Prof. Eng Luiz Antonio Vargas Pinto Versão revista e ampliada em 01/07/2009 Revisada em 28/02/2006 Revisada em 18/11/2007 Revisada em 17/03/2011 Revisada em 13/01/2013 1. Introdução:...

Leia mais

Ocircuito da Fig.1 é usado para o acionamento dos Leds do Cubo.

Ocircuito da Fig.1 é usado para o acionamento dos Leds do Cubo. Cubo de Leds José Wilson Lima Nerys Universidade Federal de Goiás jwlnerys@gmail.com Abstract Esse projeto é um bom exemplo de uso das instruções setb e clr do 8051. Elas são usadas para ativar e desativar

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO. Vinicius Zanetti Tiago Dambros Rodrigo Yoshida Takeda

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO. Vinicius Zanetti Tiago Dambros Rodrigo Yoshida Takeda PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO Vinicius Zanetti Tiago Dambros Rodrigo Yoshida Takeda Projeto apresentado às disciplinas do Curso de Engenharia de Computação do Centro

Leia mais

Microcontrolador 8051

Microcontrolador 8051 Microcontrolador 8051 Inicialmente fabricado pela INTEL, atualmente fabricado por várias empresas; Possui uma grande variedade de dispositivos, com diversas características, porém compatíveis em software;

Leia mais

2.4 Temporização da CPU

2.4 Temporização da CPU 2.4 Temporização da CPU Todos os Microcontroladores da família MCS-51 têm um oscilador interno. Para uso deste devese conectar um cristal entre os pinos Xtal1 e Xtal2. Pode-se também utilizar um oscilador

Leia mais

Família 8051 (introdução) 2011/1

Família 8051 (introdução) 2011/1 Família 8051 (introdução) 2011/1 Refresh Microprocessador vs. microcontrolador. Periféricos built-in. Single-chip computer 2 Objetivos Histórico Modelos da família original Principais características Diagrama

Leia mais

Microcontroladores 8051

Microcontroladores 8051 Microcontroladores 8051 1. Microcontroladores Microcontrolador é o nome dado ao componente que incorpora em um só "chip" todos os elementos necessários a um microcomputador. Deve ter : CPU, Memória e Interfaces

Leia mais

Interrupções por hardware

Interrupções por hardware Interrupções Existem interrupções por software e por hardware, embora as que nos interessem mais neste contexto sejam as interrupções por hardware As interrupções por software são instruções que causam

Leia mais

EEC2104 Microprocessadores

EEC2104 Microprocessadores EEC2104 Microprocessadores Edição 2005/2006 Sistemas de interrupções Interrupção... Acontecimento assíncrono, inesperado para um processador Resulta na invocação automática de uma subrotina desencadeada

Leia mais

Microcontrolador 8051:

Microcontrolador 8051: Microcontrolador 8051: Fonte: CORRADI 2009 O Microcontrolador 8051: Começou a ser produzido no início da década de 80, pela Intel; Hoje é fabricado por várias empresas e com muitas variações; Atualmente,

Leia mais

SEMINÁRIO ASSEMBLY: Arquitetura 8051

SEMINÁRIO ASSEMBLY: Arquitetura 8051 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA Curso de Ciências da Computação SEMINÁRIO ASSEMBLY: Arquitetura 8051 Fernando Takeshi Sato Diego Schmitt

Leia mais

Lista de Exercícios 1

Lista de Exercícios 1 Conceitos envolvidos: a) Memória de Dados (interna e externa) b) Memória de Programa (interna e externa) c) Operações aritméticas e lógicas d) Portas e) Endereçamento a Bit f) Contadores e Temporizadores

Leia mais

Conjunto de Instruções do 8051

Conjunto de Instruções do 8051 Apêndice B Conjunto de Instruções do 8051 A.G. e E.T.M. / 2001 (revisão) O 8051 apresenta 111 tipos de instruções, sendo 49 de um byte, 45 de dois bytes e 17 de três bytes. Levando-se em contas as variações

Leia mais

NOTAS DE AULA 06 MICROCONTROLADOR 8051

NOTAS DE AULA 06 MICROCONTROLADOR 8051 NOTAS DE AULA 06 MICROCONTROLADOR 8051 SUMÁRIO DO VOLUME NOTAS DE AULA 06 1 INTRODUÇÃO AOS MICROCONTROLADORES 2 PROGRAMANDO EM LINGUAGEM ASSEMBLY - 8051 3 INSTRUÇÕES: JUMPS, LOOPS E CALL 4 DESCRIÇÃO DOS

Leia mais

LABORATÓRIO DE MICROPROCESSADORES E MICROCONTROLADORES

LABORATÓRIO DE MICROPROCESSADORES E MICROCONTROLADORES Escola de Engenharia Elétrica e de Computação Universidade Federal de Goiás LABORATÓRIO DE MICROPROCESSADORES E MICROCONTROLADORES Prof. Dr. José Wilson Lima Nerys Goiânia, 1º semestre de 2012 Laboratório

Leia mais

Sistemas Embarcados:

Sistemas Embarcados: Sistemas Embarcados Microcontroladores Prof. Protásio Laboratório de Microengenharia/DEE/CEAR/UFPB Fundamentos de microcontroladores Bit (Binary digit) Zero lógico (Ø) e Um lógico (1) 0V e 5V ou 3,3V Byte

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA (UNIP) Curso de Engenharia Mecatrônica Disciplina: Microprocessadores e Microcontroladores (MM) LISTA III

UNIVERSIDADE PAULISTA (UNIP) Curso de Engenharia Mecatrônica Disciplina: Microprocessadores e Microcontroladores (MM) LISTA III UNIVERSIDADE PAULISTA (UNIP) Curso de Engenharia Mecatrônica Disciplina: Microprocessadores e Microcontroladores (MM) LISTA III Orientações: Esta lista de Exercícios deve ser entregue juntamente com a

Leia mais

Instruções de movimentação de dados

Instruções de movimentação de dados Instruções de movimentação de dados Instrução MOV O 8051 possui instruções que permitem copiar o conteúdo de um registrador ou localidade para outro registrador ou localidade de memória. Nas seções anteriores

Leia mais

Microcontrolador Assembly UTFPR / DAELN Microcontroladores 1 Prof. Gabriel Kovalhuk

Microcontrolador Assembly UTFPR / DAELN Microcontroladores 1 Prof. Gabriel Kovalhuk Assembly 8051 Num sistema microprocessado, geralmente, não existe um sistema operacional; O programa desenvolvido pelo programador deve cuidar tanto da lógica do programa, bem como da configuração e acesso

Leia mais

Aplicações: Conversão de Códigos e Motor de Passo. Prof. Adilson Gonzaga

Aplicações: Conversão de Códigos e Motor de Passo. Prof. Adilson Gonzaga Aplicações: Conversão de Códigos e Motor de Passo Aplicação 1 Conversão de Código ASCII para Hexadecimal Alguns periféricos, tais como Teclados Alfa-numéricos, Monitores de Vídeo, Displays de Cristal Líquido,

Leia mais

8051 PROGRAMAÇÃO EM C

8051 PROGRAMAÇÃO EM C 1 8051 PROGRAMAÇÃO EM C C E ASSEMBLY for-loop em C int z; for (z=255; z>0; z--) P1=z; loop em Assembly MOV R1,#255 ABC: MOV P1,R1 DJNZ R1,ABC 2 TIPOS DE DADOS (DATA TYPES) E ATRASOS (TIME DELAY) EM C DO

Leia mais

CEFET-SP. Microcontroladores Família MCS-51 Conceitos, Aplicações e Projetos versão 6.0 2004 Wilson Ruiz. Wilson Ruiz

CEFET-SP. Microcontroladores Família MCS-51 Conceitos, Aplicações e Projetos versão 6.0 2004 Wilson Ruiz. Wilson Ruiz CEFET-SP Microcontroladores Família MCS-51 Conceitos, Aplicações e Projetos versão 6.0 2004 Wilson Ruiz Harpia harpyja Harpia ou Águia Real Brasil 1 CAPÍTULO 1: HARDWARE DOS MICROCONTROLADORES DA FAMÍLIA

Leia mais

MICROCONTROLADOR 8051

MICROCONTROLADOR 8051 Sumário 1 Introdução aos Microcontroladores... 1 1.1 O Microcontrolador - História e Aplicação... 1 1.2 Motivação para o Estudo de um Microcontrolador... 1 1.2.1 O 8051... 2 1.3 Sistemas Microprocessados...

Leia mais

EXERCÍCIOS DE PROGRAMAÇÃO

EXERCÍCIOS DE PROGRAMAÇÃO EXERCÍCIOS DE PROGRAMAÇÃO A seguir são apresentados exercícios de programação que podem ser testados nas placas de laboratório de processadores que utilizam o MSC1211. São propostos vários exercícios.

Leia mais

EPAC Microcontroladores Organização do curso 30/8/2007

EPAC Microcontroladores Organização do curso 30/8/2007 EPAC 2007 Microcontroladores 8051 Thiago B. Ló Guilherme Galante Organização do curso 1. Parte I Introdução Visão Geral da família 8051 O circuito básico Atividades Práticas 2. Parte II Interrupções Contadores

Leia mais

Parte II O microcontrolador Intel 8051

Parte II O microcontrolador Intel 8051 Parte II O microcontrolador Intel 8051 1 Comentários sobre microcontroladores Um microcontrolador é um componente que tem, num único chip, além de uma CPU, elementos tais como memórias ROM e RAM, temporizadores,

Leia mais

EEC2104 Microprocessadores

EEC2104 Microprocessadores EEC2104 Microprocessadores Edição 2005/2006 Contadores / Temporizadores Contadores/temporizadores em geral... Hardware para contagem de impulsos Externos Internos (derivados do relógio interno) Contagem

Leia mais

DISPLAY LCD. Ilton L. Barbacena Claudio Afonso Fleury

DISPLAY LCD. Ilton L. Barbacena Claudio Afonso Fleury DISPLAY LCD Ilton L. Barbacena Claudio Afonso Fleury Outubro - 1996 01. INTRODUÇÃO Os módulos LCD são interfaces de saída muito útil em sistemas microprocessados. Estes módulos podem ser gráficos e a caracter.

Leia mais

Acetatos de apoio às aulas teóricas

Acetatos de apoio às aulas teóricas Microprocessadores e Aplicações Acetatos de apoio às aulas teóricas Ana Cristina Lopes Dep. Engenharia Electrotécnica http://orion.ipt.pt anacris@ipt.pt Ana Cristina Lopes, 20 de Outubro de 2005 Microprocessadores

Leia mais

PROJETO CONTROLE DE ACESSO Á AMBIENTES BASEADO EM I-BUTTON

PROJETO CONTROLE DE ACESSO Á AMBIENTES BASEADO EM I-BUTTON UnicenP Centro Universitário Positivo Núcleo de Ciências Exatas e Tecnológicas Curso de Engenharia da Computação PROJETO CONTROLE DE ACESSO Á AMBIENTES BASEADO EM I-BUTTON Autor: Fernando Bomfim Boszczowski

Leia mais

Projeto de TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO TÉCNICO EM Automação industrial. Catraca Automática

Projeto de TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO TÉCNICO EM Automação industrial. Catraca Automática Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Etec JORGE STREET Projeto de TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO TÉCNICO EM Automação industrial Catraca Automática Bruno Alves

Leia mais

Comunicação Serial. Comunicação Serial

Comunicação Serial. Comunicação Serial RECEPÇÃO TRANSMISSÃO D7 D6 D5 D4 D3 D2 D1 D0 DESLOCAMENTO DESLOCAMENTO D7 D6 D5 D4 D3 D2 D1 D0 D0 D0 D7 D6 D5 D4 D3 D2 D1 D1 D0 D1 D7 D6 D5 D4 D3 D2 D2 D0 D1 D2 D7 D6 D5 D4 D3 D3 D0 D1 D2 D3 D7 D6 D5 D4

Leia mais

Instruções Assembly x Código de máquina Microprocessador Didático

Instruções Assembly x Código de máquina Microprocessador Didático Instruções Assembly x Código de máquina Microprocessador Didático Professor Afonso Ferreira Miguel (afmiguel@rla01.pucpr.br) Disciplina de Projetos Lógicos e Microprocessadores Curitiba, 1 de junho de

Leia mais

UNICEUB CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA FATECS - FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO

UNICEUB CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA FATECS - FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO UNICEUB CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA FATECS - FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO JOÃO HENRIQUE FONSECA MORETTI Sensor de presença para o acionamento

Leia mais

CPU. CPU Unidade Central de Processamento. Função: leitura, escrita e processamento de dados

CPU. CPU Unidade Central de Processamento. Função: leitura, escrita e processamento de dados CPU CPU Unidade Central de Processamento Função: leitura, escrita e processamento de dados Constituída por: dispositivos que gerem a entrada (leitura) e saída (escrita) de dados; registos (memórias auxiliares)

Leia mais

No. de bits. O primeiro IBM PC foi construído com o 8088 (versão de 8 bits do 8086).

No. de bits. O primeiro IBM PC foi construído com o 8088 (versão de 8 bits do 8086). Cap2.1 2. Arquitetura do microprocessador 8086 2.1 A família Intel iapx86 (ou 80X86) Processador Co-proc. Ano de introdução No. de bits No. de transistores Velocidade (MHz) 4004-1971 4 2.205-8008 - 1972

Leia mais

Sistemas Embarcados:

Sistemas Embarcados: Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia de Computação e Automação Sistemas Embarcados: Temporizadores e Contadores DCA0119 Sistemas Digitais Heitor Medeiros Florencio Temporizadores

Leia mais

Estrutura do programa e programação Assembly com 8051. O que entende por linguagem assembly?

Estrutura do programa e programação Assembly com 8051. O que entende por linguagem assembly? O que entende por linguagem assembly? i. Apresenta um nível de abstração intermédia entre os dois extremos: linguagem máquina e linguagem alto-nível ii. Facilita a programação pela substituição do código

Leia mais

KIT S51 Kit didático para microcontrolador AT89S51/52

KIT S51 Kit didático para microcontrolador AT89S51/52 2008 KIT S51 Kit didático para microcontrolador AT89S51/52 Requisitos - Placa de circuito impresso KIT S51 V1.1. - Componentes para montagem da placa. - Cabo para gravação. - Fonte DC. - Aplicativo RIDE

Leia mais

MICROCONTROLADORES FAMÍLIA 8031/8051

MICROCONTROLADORES FAMÍLIA 8031/8051 MANUAL MICROCONTROLADORES FAMÍLIA 8031/8051 PROF. EDSON PEDRO FERLIN CURITIBA, PR ABRIL 2004 Sumário CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO... 3 CAPÍTULO 2 VISÃO GERAL... 4 1.1) Características de Hardware... 6 1.1) Pinagem

Leia mais

Lista de Exercícios 2

Lista de Exercícios 2 Lista de Exercícios 2 Conceitos envolvidos, além dos desenvolvidos na Lista 1: a) Interface com Teclado Matricial b) Interface com Displays de 7 segmentos c) Interface com LCD d) Interface com Conversores

Leia mais

Versão Especial - Contador de tempo com pré-determinador (BANDAG).

Versão Especial - Contador de tempo com pré-determinador (BANDAG). Versão Especial - Contador de tempo com pré-determinador (BANDAG). Solicitante Responsável: Depto.: As informações contidas nesta folha têm prioridade sobre aquelas do manual técnico do instrumento. COMPORTAMENTO:

Leia mais

DISPLAY LCD. Ilton L. Barbacena Claudio Afonso Fleury

DISPLAY LCD. Ilton L. Barbacena Claudio Afonso Fleury DIPLAY LCD Ilton L. Barbacena Claudio Afonso Fleury Outubro - 1996 01. INTRODUÇÃO Os módulos LCD são interfaces de saída muito útil em sistemas microprocessados. Estes módulos podem ser gráficos e a caracter.

Leia mais

EXPERIÊNCIA 5: IMPLEMENTAÇÃO DE RELÓGIO DIGITAL COM INTERRUPÇÃO

EXPERIÊNCIA 5: IMPLEMENTAÇÃO DE RELÓGIO DIGITAL COM INTERRUPÇÃO EXPERIÊNCIA 5: IMPLEMENTAÇÃO DE RELÓGIO DIGITAL COM INTERRUPÇÃO Autores: Prof. Dr. Marco Túlio Carvalho de Andrade, Prof. Dr. Carlos Eduardo Cugnasca, Prof. Dr. André Riyuiti Hirakawa Colaborador: Prof.

Leia mais

CONTROLE EM MALHA FECHADA DA VELOCIDADE DE UM MOTOR DC UTILIZANDO UM MICROCONTROLADOR 8051

CONTROLE EM MALHA FECHADA DA VELOCIDADE DE UM MOTOR DC UTILIZANDO UM MICROCONTROLADOR 8051 CONTROLE EM MALHA FECHADA DA VELOCIDADE DE UM MOTOR DC UTILIZANDO UM MICROCONTROLADOR 8051 Raphael Rocha Coelho Acadêmico, Cleiton Moya de Almeida Acadêmico, Vinícius Berndsen Peccin Acadêmico Departamento

Leia mais

Símbolos e abreviaturas utilizadas na descrição das instruções

Símbolos e abreviaturas utilizadas na descrição das instruções Símbolos e abreviaturas utilizadas na descrição das instruções acumulador registo A addr endereço de 16 bits data quantidade de 8 bits data 16 quantidade de 16 bits byte 2 segundo byte da instrução byte

Leia mais

CAPÍTULO 4 CONJUNTO DE INSTRUÇÕES

CAPÍTULO 4 CONJUNTO DE INSTRUÇÕES CAPÍTULO 4 CONJUNTO DE INSTRUÇÕES 4.1. INTRODUÇÃO Todos os membros da família MCS-51 executam o mesmo conjunto de instruções. As instruções são otimizadas para aplicações de controle de 8 bits. Elas permitem

Leia mais

Microprocessadores e Microcontroladores Parte 3. Expansão de Memória Mapeamento de Memória

Microprocessadores e Microcontroladores Parte 3. Expansão de Memória Mapeamento de Memória Microprocessadores e Microcontroladores Parte 3 Expansão de Memória José Wilson Lima Nerys www.eee.ufg.br/ jwilson 2013 Um microcontrolador padrão da família 8051 possui normalmente uma memória de programa

Leia mais

A família de microcontroladores 8051

A família de microcontroladores 8051 EEL7030 A família de microcontroladores 8051 1 Comentários sobre microcontroladores Um microcontrolador é um componente que tem, num único chip, além de uma CPU, elementos tais como memórias ROM e RAM,

Leia mais

CEFET-PR / Pato Branco MICROCONTROLADORES. Pós-graduação em Automação Industrial. Prof. Msc.. Rogério Malta Branco

CEFET-PR / Pato Branco MICROCONTROLADORES. Pós-graduação em Automação Industrial. Prof. Msc.. Rogério Malta Branco CEFET-PR / Pato Branco MICROCONTROLADORES Pós-graduação em Automação Industrial Prof. Msc.. Rogério Malta Branco Microcontroladores Parte I Definições gerais básicas Parte II Microcontrolador 8051 Parte

Leia mais

Exercícios de Programação CLP

Exercícios de Programação CLP Exercícios de Programação CLP 1 - Monte um esquema para acionar um contator, utilizando uma chave liga/desliga (knob) de duas posições. 2 - Monte um esquema para acionar um contator, utilizando push-bottoms,

Leia mais

EPUSP PCS2355 Laboratório Digital MICROPROCESSADORES

EPUSP PCS2355 Laboratório Digital MICROPROCESSADORES MICROPROCESSADORES M.M. / 2001 (revisão) L.M.S. e P.S.C. / 2001 (revisão) E.T.M./2004 (revisão) E.T.M./2005 (revisão) Resumo Nesta experiência serão estudados os conceitos básicos de microprocessadores

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ARDUINO DUE, CANAL DIGITAL, FUNÇÃO DELAY

INTRODUÇÃO AO ARDUINO DUE, CANAL DIGITAL, FUNÇÃO DELAY INTRODUÇÃO AO ARDUINO DUE, CANAL DIGITAL, FUNÇÃO DELAY INTRODUÇÃO A Plataforma Arduino é considerada plataforma aberta, ou seja, qualquer pessoa pode efetuar uma melhoria em um código, biblioteca e disponibilizá-la

Leia mais

Contador crescente e decrescente...

Contador crescente e decrescente... Contador crescente e decrescente... Hardware Quatro LEDS (P1.7 a P1.4) Um interruptor (P1.0) LEDS e interruptor activos a zero f x = 12MHz P1 VCC Problema Visualizar nos LEDs uma contagem cíclica entre

Leia mais

Conversor Analógico Digital do MSP430G2553

Conversor Analógico Digital do MSP430G2553 UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETRÔNICA CURSO TÉCNICO INTEGRADO DE NÍVEL MÉDIO - ELETRÔNICA MICROCONTROLADORES 2 Conversor Analógico Digital do MSP430G2553 O MSP430G2553

Leia mais

Arquitectura de Computadores

Arquitectura de Computadores Arquitectura de Computadores Ano Lectivo de 2008/2009 2 o Semestre 1 o Teste 20 de Abril de 2009 Duração: 1h30+0h30 - O teste é sem consulta, apenas tem disponível o anexo que lhe deverá ter sido entregue

Leia mais

MINI-CURSO DE MICROCONTROLADOR

MINI-CURSO DE MICROCONTROLADOR MINI-CURSO DE MICROCONTROLADOR José Edson dos Santos Marinho Ednaldo dos Santos Marinho INTRODUÇÃO Com o avanço da tecnologia e a utilização da eletrônica digital por grande parte das empresas, o emprego

Leia mais

ALARME RESIDENCIAL UTILIZANDO MICROCONTROLADOR

ALARME RESIDENCIAL UTILIZANDO MICROCONTROLADOR Centro Universitário de Brasília - UniCEUB Faculdade de Tecnologia e Ciências Sociais Aplicadas - FATECS Curso de Engenharia de Computação Projeto Final ALARME RESIDENCIAL UTILIZANDO MICROCONTROLADOR 8051

Leia mais

Microcontroladores Família MCS51

Microcontroladores Família MCS51 Microcontroladores Família MCS51 Colégio Técnico de Campinas COTUCA Disciplina TDM II- Departamento Eletroeletrônica 1- Conceitos Básicos Um sistema computador é constituído por três blocos de base ligados

Leia mais

PROJETO DE DIPLOMAÇÃO

PROJETO DE DIPLOMAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LEANDRO SILVEIRA QUINTÃO PROJETO DE DIPLOMAÇÃO INDUTÍMETRO DIGITAL Porto Alegre (2011) UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

Prof. Adilson Gonzaga. Interface com Displays

Prof. Adilson Gonzaga. Interface com Displays Prof. Adilson Gonzaga Interface com Displays Interface com Displays de 7 Segmentos 2 Um Display de 7 segmentos é formado por 7 LED s (a,b,c,d,e,f,g) que são previamente encapsulados e conectados de duas

Leia mais

LINGUAGEM C PARA O 8051

LINGUAGEM C PARA O 8051 LINGUAGEM C PARA O 8051 Disciplina de Microcontroladores Prof. Rubão VARIÁVEIS E TIPOS DE DADOS SIMPLES Char 8 bits Short e int 16 bits Long 32 bits Float 32 bits Unsigned int 16 bits Unsigned long 32

Leia mais

22:43. MIC29004 Microprocessadores. Microcontroladores. Microcontroladores. Microcontroladores. Microcontroladores

22:43. MIC29004 Microprocessadores. Microcontroladores. Microcontroladores. Microcontroladores. Microcontroladores Instituto Federal de Santa Catarina Área de Telecomunicações Prof. Roberto de Matos Aviso de direitos Autorais: Transparências baseadas no trabalho do Prof. Eduardo Augusto Bezerra roberto.matos@ifsc.edu.br

Leia mais

ORGANIZAÇÃO BÁSICA DE COMPUTADORES E LINGUAGEM DE MONTAGEM

ORGANIZAÇÃO BÁSICA DE COMPUTADORES E LINGUAGEM DE MONTAGEM PROGRAMAÇÃO DE VIDEO MODO TEXTO MONITOR DE VÍDEO MONOCROMÁTICO E COLORIDO ADAPTADORES DE VÍDEO CONTROLADORES + MEMÓRIA DE VÍDEO MODOS DE VÍDEO MODO GRÁFICO (PIXELS) E TEXTO (80 COLUNAS x 25 LINHAS) MODO

Leia mais

EXPERIÊNCIA N O 1 ACINAMENTO DE UMA LÂMPADA POR UMA CHAVE

EXPERIÊNCIA N O 1 ACINAMENTO DE UMA LÂMPADA POR UMA CHAVE I EXPERIÊNCIA N O 1 ACINAMENTO DE UMA LÂMPADA POR UMA CHAVE Ligar e desligar uma lâmpada através de uma única chave pulsante. Toda vez que a chave for pressionada a lâmpada deve mudar de estado, mantendo

Leia mais

Memória de dados interna

Memória de dados interna Memória de dados interna A MD interna na família 51 proporciona 128 bytes ou 256 bytes de MD interna (conforme a versão do componente) Os endereços 0 a 7FH incluem os bancos de registos R0 a R7, posições

Leia mais

Programação de Microcontroladores I

Programação de Microcontroladores I Programação de Microcontroladores I M.M. / 2001 (revisão) L.M.S. e P.S.C. / 2001 (revisão) E.T.M./2004 (revisão) E.T.M./2005 (revisão) E.T.M./2010 (revisão) E.T.M./2011 (revisão da parte experimental)

Leia mais

Microcontroladores. Prof. Nivaldo T. Schiefler Jr. M.Eng Homepage: www.joinville.ifsc.edu.br/~nivaldo Email: nivaldo@ifsc.edu.br

Microcontroladores. Prof. Nivaldo T. Schiefler Jr. M.Eng Homepage: www.joinville.ifsc.edu.br/~nivaldo Email: nivaldo@ifsc.edu.br Prof. Nivaldo T. Schiefler Jr. M.Eng Homepage: www.joinville.ifsc.edu.br/~nivaldo Email: nivaldo@ifsc.edu.br Conceito final será constituído de duas avaliações: 1ª Conceito avaliação teórica 2ª Conceito

Leia mais

Mapeamento de memória e conexões do Controlador CP-WSMIO2DI2DO

Mapeamento de memória e conexões do Controlador CP-WSMIO2DI2DO Comércio e Manutenção de Produtos Eletrônicos Manual CP-WS1 Mapeamento de memória e conexões do Controlador CP-WSMIO2DI2DO PROXSYS Versão 1.3 Abril -2015 Controlador Industrial CP-WS1 1- Configurações

Leia mais

Portas de entrada e saída; Interrupções; Interrupções externas; Temporizadores Contadores; Interface Serial

Portas de entrada e saída; Interrupções; Interrupções externas; Temporizadores Contadores; Interface Serial Periféricos Integrados do 8051 Portas de entrada e saída; Interrupções; Interrupções externas; Temporizadores Contadores; Interface Serial Periféricos Integrados do 8051 Portas de entrada e saída O 8051

Leia mais

µcontroladores da Família 51

µcontroladores da Família 51 DEPARTAMENTO DE ELECTROTECNIA Sistemas Digitais µcontroladores da Família 51 João Paulo Baptista Índice 1 Família de Micro Controladores 8051 1 2 Arquitectura Base 1 3 PinOut do µcontrolador 2 4 Sistema

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica. ELE Microprocessadores II. Prof. Carlos Antonio Alves Sala 59 Fone

Departamento de Engenharia Elétrica. ELE Microprocessadores II. Prof. Carlos Antonio Alves Sala 59 Fone Departamento de Engenharia Elétrica ELE 1084 - Microprocessadores II Prof. Carlos Antonio Alves Sala 59 Fone 3743-1224 caa@dee.feis.unesp.br 1 ELE 1084 Microprocessadores II P R O G R A M A D E E N S I

Leia mais

Processador. Processador

Processador. Processador Departamento de Ciência da Computação - UFF Processador Processador Prof. Prof.Marcos MarcosGuerine Guerine mguerine@ic.uff.br mguerine@ic.uff.br 1 Processador Organização básica de um computador: 2 Processador

Leia mais

Hardware. 5- Faça o fluxograma para efectuar o debounced de uma tecla por temporização(20ms). Implemente uma rotina para a leitura da tecla.

Hardware. 5- Faça o fluxograma para efectuar o debounced de uma tecla por temporização(20ms). Implemente uma rotina para a leitura da tecla. 1- Na ligação de Microprocessadores a periféricos são utilizados, básicamente dois métodos, I/O-polling e I/O-interrupt. Quais as vantagens e desvantages de cada método, exemplifique. 2- Qual a diferença

Leia mais

Programação Básica em Arduino Aula 2

Programação Básica em Arduino Aula 2 Programação Básica em Arduino Aula 2 Execução: Laboratório de Automação e Robótica Móvel Site: http://oficinaderobotica.ufsc.br/ Canal: Oficina de Robótica UFSC https://www.youtube.com/channel/uc4oojsp2fhfkdrnj0wd7iag

Leia mais

Sistemas Embarcados:

Sistemas Embarcados: Sistemas Embarcados: Microcontroladores Prof. Protásio Laboratório de Microengenharia/DEE/CEAR/UFPB Programação Assembly 8051 Programação Assembly Ferramentas de simulação MCU 8051 IDE v1.4.7 An open source

Leia mais

14/3/2016. Prof. Evandro L. L. Rodrigues

14/3/2016. Prof. Evandro L. L. Rodrigues SEL 433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I SEL-433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I Prof. Evandro L. L. Rodrigues Tópicos do curso Conceitos básicos - Aplicações e utilizações dos microcontroladores

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CEFET/SC - Unidade de São José. Curso Técnico em Telecomunicações REGISTRADORES. Marcos Moecke. São José - SC,

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CEFET/SC - Unidade de São José. Curso Técnico em Telecomunicações REGISTRADORES. Marcos Moecke. São José - SC, MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - Unidade de São José Curso Técnico em Telecomunicações REGISTRADORES Marcos Moecke São José - SC, 24-2 SUMÁRIO 6. REGISTRADORES... 1 6.1 REGISTRADORES DO TIPO PORTA PARALELA...1

Leia mais

CEFET-PR / Pato Branco MICROCONTROLADORES. Pós-graduação em Automação Industrial. Prof. Msc. Rogério Malta Branco

CEFET-PR / Pato Branco MICROCONTROLADORES. Pós-graduação em Automação Industrial. Prof. Msc. Rogério Malta Branco CEFETPR / Pato Branco MICROCONTROLADORES Pósgraduação em Automação Industrial Prof. Msc. Rogério Malta Branco Microcontroladores Parte I Definições gerais básicas Parte II Microcontrolador 85 Parte III

Leia mais

Porta Série SÉRIE x PARALELO PORTA SÉRIE. Comunicação série SÉRIE PARALELA

Porta Série SÉRIE x PARALELO PORTA SÉRIE. Comunicação série SÉRIE PARALELA Porta Série 8051 Aplicações de Microprocessadores 2006/2007 SÉRIE x PARALELO SÉRIE EMISSOR RECEPTOR PARALELA EMISSOR RECEPTOR 2 2 PORTA SÉRIE Comunicação série Síncrona Existe um sinal de relógio entre

Leia mais

PCS-2529 Introdução aos Processadores. Prof. Dr. Paulo Sérgio Cugnasca

PCS-2529 Introdução aos Processadores. Prof. Dr. Paulo Sérgio Cugnasca PCS-2529 Introdução aos Processadores Prof. Dr. Paulo Sérgio Cugnasca 1 2 Existem 4 esquemas diferentes de E/S possíveis, cada um se aplicando em uma determinada situação. E/S Programada. E/S Acionada

Leia mais