Gestão de reclamações em instituições de saúde

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gestão de reclamações em instituições de saúde"

Transcrição

1 Gestão de reclamações em instituições de saúde Rosalvo Almeida neurologista e eletroencefalografista, aposentado membro do CNECV presidente da Comissão de Ética do ISPUP membro da conselho consultivo da APASD membro do conselho de administração da FSNS 1

2 perspetivas utentes profissionais administração deveres O respeito por direitos do utente não está diretamente dependente do seu cumprimento de deveres. Não há meios para punir incumprimento de deveres do utente no SNS. A divulgação dos deveres deve ser paralela à dos direitos. Carta dos direitos e deveres Dever de zelar pelo seu estado de saúde Dever de fornecer aos profissionais de saúde todas as informações necessárias Dever de respeitar os direitos dos outros Dever de colaborar com os profissionais de saúde Dever de respeitar as regras de funcionamento Dever de utilizar os serviços de saúde de forma apropriada 2

3 direitos Carta dos direitos e deveres ser tratado no respeito pela dignidade humana respeito pelas suas convicções culturais, filosóficas e religiosas receber os cuidados apropriados ao seu estado de saúde prestação de cuidados continuados ser informado acerca dos serviços de saúde ser informado sobre a sua situação de saúde direitos Carta dos direitos e deveres obter uma segunda opinião dar ou recusar o seu consentimento confidencialidade de toda a informação clínica acesso aos dados registados no seu processo clínico privacidade na prestação de todo e qualquer ato médico apresentar sugestões e reclamações 3

4 o cliente tem sempre razão? Motivação para reclamar Reconhecimento de um erro ou falha Evitar repetições Pressionar profissional /serviço visado Pedir ajuda Pedir reparação Necessidade de falar Litigância patológica Disparate 4

5 uma proposta da APASD Todos os prestadores de cuidados, sejam profissionais efetivos ou eventuais, sejam graduados ou estejam em formação, 5

6 1. Cumprir os respetivos objetivos funcionais com a maior competência e atualização de conhecimentos, integrando-se nas equipas com espírito de entreajuda. 2. Considerar como primordiais os seus deveres para com a pessoa doente, designadamente os deveres gerais de informação e de procura do consequente consentimento livre e esclarecido para todos os atos de saúde. 3. Estabelecer relações de cortesia natural com colegas e com utilizadores dos serviços, evitando paternalismos condescendentes ou discriminações inaceitáveis. 4. Demonstrar transparência de procedimentos, recusando qualquer tipo de ofertas ou apoios de quaisquer pessoas ou entidades, a menos que estejam oficialmente aprovadas pelos órgãos próprios do Hospital Escola, e mantendo as respetivas chefias informadas da existência de eventuais conflitos de interesse que possam surgir durante a sua atividade profissional. 6

7 5. Reconhecer o seu papel individual na manutenção da confidencialidade dos dados de saúde e no respeito pelo direito à privacidade das pessoas. 6. Concorrer para a valorização científica própria e dos seus colegas, promovendo a qualidade do trabalho, a segurança dos doentes e a melhor eficiência profissional. 7. Informar as chefias, e outros organismos adequados, dos acontecimentos adversos ou factos inesperados, ainda que sem culpa ou responsabilidades, nomeadamente colaborando na boa resposta às reclamações dos utentes. 8. Contribuir, globalmente, para o bom-nome e credibilidade do Hospital Escola, da Universidade Fernando Pessoa e dos seus profissionais. 7

8 9. Proceder com atenção aos custos individuais ou coletivos, procurando aperceber-se sempre das limitações de recursos. 10. Procurar ativamente o equilíbrio dos princípios bioéticos, respeitando a justiça no acesso aos recursos disponíveis e a autonomia da pessoa, no seu máximo benefício e com o mínimo de danos. Utente Dirigente Gabinete Atender & Clarificar Registo e Tipificação Audição Cooperação Resposta & Decisão Serviço ou profissional visado 8

9 integração Qualidade Comunicação Contencioso 9

- O doente tem direito a ser tratado no respeito pela dignidade humana;

- O doente tem direito a ser tratado no respeito pela dignidade humana; VI. Anexo 6.1. Anexo I Carta dos direitos e deveres dos doentes Direitos dos doentes - O doente tem direito a ser tratado no respeito pela dignidade humana; - O doente tem direito ao respeito pelas suas

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DO CENTRO HOSPITALAR DE LISBOA CENTRAL

CÓDIGO DE ÉTICA DO CENTRO HOSPITALAR DE LISBOA CENTRAL CÓDIGO DE ÉTICA DO CENTRO HOSPITALAR DE LISBOA CENTRAL 1. O presente Código de Ética contém os princípios de actuação dos gestores, demais dirigentes e trabalhadores do Centro Hospital de Lisboa Central,

Leia mais

Somos parceiros na conquista da sua autonomia

Somos parceiros na conquista da sua autonomia MANUAL DE ACOLHIMENTO UNIDADE DE CONVALESCENÇ A DE VILA POUC A DE AGUIAR Somos parceiros na conquista da sua autonomia Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro, E.P.E. Estrada Nacional nº2 5450-011

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA

CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA 1 Objetivos do Código de Ética A Câmara Municipal de Cascais está motivada em criar todas as condições necessárias para que os seus colaboradores desenvolvam as suas funções

Leia mais

UNIDADE DE CUIDADOS NA COMUNIDADE DE CASTELO BRANCO. Manual de Acolhimento do Utente

UNIDADE DE CUIDADOS NA COMUNIDADE DE CASTELO BRANCO. Manual de Acolhimento do Utente UNIDADE DE CUIDADOS NA COMUNIDADE DE CASTELO BRANCO Manual de Acolhimento do Utente 2 Conteúdo Estimado Utente... 3 1. Carteira de Serviços:... 3 Programas da carteira básica... 3 Programas da carteira

Leia mais

UNIDADE DE CUIDADOS NA COMUNIDADE DA SERTÃ. Guia de Acolhimento do Utente

UNIDADE DE CUIDADOS NA COMUNIDADE DA SERTÃ. Guia de Acolhimento do Utente UNIDADE DE CUIDADOS NA COMUNIDADE DA SERTÃ Guia de Acolhimento do Utente ÍNDICE 1. CONTATOS... 3 2. CARTEIRA DE SERVIÇOS... 4 3. HORÁRIO DA UCC DA SERTÃ E MARCAÇÕES... 5 4. PROFISSIONAIS DA UCC DA SERTÃ...

Leia mais

Código Deontológico. SECÇÃO I Do código deontológico do Terapeuta de Medicina natural. Artigo 1.º Princípios gerais

Código Deontológico. SECÇÃO I Do código deontológico do Terapeuta de Medicina natural. Artigo 1.º Princípios gerais Código Deontológico SECÇÃO I Do código deontológico do Terapeuta de Medicina natural Artigo 1.º Princípios gerais 1 - As intervenções de Medicina Natural são realizadas com a preocupação da defesa da liberdade

Leia mais

01 D/DQ 14/07/10 CARTA DOS DIREITOS E DEVERES. do CLIENTE / UTENTE

01 D/DQ 14/07/10 CARTA DOS DIREITOS E DEVERES. do CLIENTE / UTENTE 14 07 10 01 D/DQ 14/07/10 CARTA DOS DIREITOS E DEVERES do CLIENTE / UTENTE Preâmbulo Tendo como referência o Código de Ética, a Carta dos Direitos e Deveres do Cliente reforça o compromisso da APCC com

Leia mais

Santa Casa Misericórdia de Lousada Hospital RNCCI Unidade de Média Duração e Reabilitação

Santa Casa Misericórdia de Lousada Hospital RNCCI Unidade de Média Duração e Reabilitação Santa Casa Misericórdia de Lousada Hospital RNCCI Unidade de Média Duração e Reabilitação Av. Major Arrochela Lobo, 157, 4620-697 Lousada hospital@scmlousada.pt Tel.: 255 820 700. Fax: 255 820 765. 1 Informações

Leia mais

Carta de Direitos e Deveres do Cliente

Carta de Direitos e Deveres do Cliente Carta de Direitos e Deveres do Cliente CONTROLO DAS REVISÕES DO DOCUMENTO Versão Data Descrição Página(s) Próxima revisão 01 15.12.2009 Elaboração da 1ª versão do documento ----- Dezembro 2011 02 12.04.2010

Leia mais

Praceta Recarei de Cima, Leça do Balio, Matosinhos Telefone: ; Fax:

Praceta Recarei de Cima, Leça do Balio, Matosinhos Telefone: ; Fax: CARTAA DE QUALIDADE UNIDADE DE SAÚDE FAMILIAR PORTA DO SOL Praceta Recarei de Cima, 56 4465-339 Leça do Balio, Matosinhos Telefone: 220969178; Fax: 220969179 e-mail: usf.portadosol@ulsm.min-saude.pt Horário

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA NACIONAL PARA ESTUDANTES DE MEDICINA

CÓDIGO DE ÉTICA NACIONAL PARA ESTUDANTES DE MEDICINA CÓDIGO DE ÉTICA NACIONAL PARA ESTUDANTES DE MEDICINA PREÂMBULO Enquanto Estudantes de Medicina e, essencialmente, com o início da prática clínica, somos confrontados com a vida humana e obrigados a saber

Leia mais

Carta. de Direitos e Deveres. do Cliente

Carta. de Direitos e Deveres. do Cliente Carta de Direitos e Deveres do Cliente Índice 1 - PREÂMBULO 3 2 - ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3 3 - DIREITOS DAS CRIANÇAS 3 4 - DIREITOS DOS RESPONSÁVEIS PELAS CRIANÇAS 4 5 - DEVERES DAS CRIANÇAS 5 6 - DEVERES

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS. Creche

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS. Creche Entre CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Creche PRIMEIRO OUTORGANTE: Centro Social Rocha Barros, Instituição Particular de Solidariedade Social, pessoa colectiva n.º 501182560 com sede em Góis, devidamente

Leia mais

Unidade de Cuidados Continuados Integrados (UCCI) Guia de Acolhimento

Unidade de Cuidados Continuados Integrados (UCCI) Guia de Acolhimento Unidade de Cuidados Continuados Integrados (UCCI) Guia de Acolhimento Unidade de Cuidados Continuados Integrados (UCCI) A UCCI presta cuidados continuados integrados a pessoas portadoras de doenças raras

Leia mais

CARTA DA QUALIDADE. Morada Rua Bartolomeu Dias 316 Unidade de Saúde Soares dos Reis, piso Mafamude Vila Nova de Gaia

CARTA DA QUALIDADE. Morada Rua Bartolomeu Dias 316 Unidade de Saúde Soares dos Reis, piso Mafamude Vila Nova de Gaia CARTA DA QUALIDADE A Carta da Qualidade da USF Saúde no Futuro é uma declaração de compromisso dos profissionais desta Unidade com os cidadãos que nela estão inscritos. É para eles que a organização e

Leia mais

CARTA DE DIREITOS E DEVERES DO CLIENTE. O Direito à igualdade perante a lei e a proteção contra a discriminação constitui um Direito Universal

CARTA DE DIREITOS E DEVERES DO CLIENTE. O Direito à igualdade perante a lei e a proteção contra a discriminação constitui um Direito Universal O Direito à igualdade perante a lei e a proteção contra a discriminação constitui um Direito Universal (Declaração Universal dos Direitos do Homem) CARTA DE DIREITOS E DEVERES DO CLIENTE CARTA DE DIREITOS

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO QUE INSTITUI O CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA DA FPAS PREÂMBULO

REGULAMENTO INTERNO QUE INSTITUI O CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA DA FPAS PREÂMBULO REGULAMENTO INTERNO QUE INSTITUI O CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA DA FPAS PREÂMBULO As obrigações de transparência, de responsabilidade, de solidariedade e cooperação que recaem sobre a Federação Portuguesa

Leia mais

Unidade de Recursos Humanos

Unidade de Recursos Humanos 2016 1 CODIGO DE ÉTICA E CONDUTA 2016 INTRODUÇÃO O presente tem como objectivo, não só estar em consonância com a alínea a) do ponto 3 da Recomendação do Conselho de Prevenção da Corrupção de 7 de Novembro

Leia mais

REGULAMENTO PARA O TRANSPORTE DE DOENTES

REGULAMENTO PARA O TRANSPORTE DE DOENTES REGULAMENTO PARA O TRANSPORTE DE DOENTES 1 INTRODUÇÃO 2 MARCAÇÃO DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE DE DOENTES 3 RETORNOS E ALTAS HOSPITALARES 4 ATITUDE DOS ELEMENTOS DO CORPO DE BOMBEIROS 5 CONDUTA DOS UTENTES

Leia mais

Santa Casa da Misericórdia de Pombal

Santa Casa da Misericórdia de Pombal Manual de Políticas Santa Casa da Misericórdia de Pombal Índice 1. Política da Qualidade 2. Politica de Apoio Social 3. Politica de Recursos Humanos 4. Politica de Ética 5. Politica de Envolvimento Ativo

Leia mais

POLÍTICA DE TRATAMENTO DE CLIENTES E TERCEIROS

POLÍTICA DE TRATAMENTO DE CLIENTES E TERCEIROS 1/5 POLÍTICA DE TRATAMENTO DE CLIENTES E TERCEIROS ÍNDICE 1. OBJETIVO... 1 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 1 3. DEFINIÇÕES... 1 4. PRINCÍPIOS DE ATUAÇÃO... 2 4.1. PRINCÍPIO DA NÃO DISCRIMINAÇÃO... 2 4.2. CONFLITO

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA 1. MENSAGEM DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

CÓDIGO DE ÉTICA 1. MENSAGEM DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CÓDIGO DE ÉTICA 1. MENSAGEM DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO O ISQ sendo hoje uma grande organização, com larga implantação nacional e uma presença estabelecida internacionalmente, é fundamental que caracterizemos

Leia mais

Ficha técnica. Título: Código de Ética da Avaliação

Ficha técnica. Título: Código de Ética da Avaliação Ficha técnica Título: Código de Ética da Avaliação Edição: Gabinete de Avaliação e Auditoria Camões, Instituto da Cooperação e da Língua, I.P. Ministério dos Negócios Estrangeiros Data: Janeiro 2013 Contacto:

Leia mais

Carta de Direitos e Deveres do Cliente do Centro de Actividades Ocupacionais

Carta de Direitos e Deveres do Cliente do Centro de Actividades Ocupacionais Carta de Direitos e Deveres do Cliente do Centro de Actividades Ocupacionais APPACDM de Braga 2010 Tendo como pano de fundo a Convenção aprovada pelos Estados membros da ONU sobre os Direitos das Pessoas

Leia mais

Código de conduta. Aristóteles Ética a Nicómaco

Código de conduta. Aristóteles Ética a Nicómaco Código de conduta Toda a teoria da conduta tem de ser apenas um esquema, e não um sistema exacto ( ) os temas de conduta e comportamento não têm em si nada de fixo e invariável, tal como os temas de saúde.

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA Junho de 2015

CÓDIGO DE CONDUTA Junho de 2015 CÓDIGO DE CONDUTA Junho de 2015 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO...4 I. Âmbito de Aplicação e Princípios Gerais...5 Artigo 1.º Âmbito Pessoal...5 Artigo 2.º Princípios Gerais...5 Artigo 3.º Legalidade...5 Artigo 4.º

Leia mais

CENTRO DE INVESTIGAÇÃO DO CHL MAPA DE REVISÕES REGULAMENTO. Destinatários. Data Palavras-Chave: REGULAMENTO; INVESTIGAÇÃO

CENTRO DE INVESTIGAÇÃO DO CHL MAPA DE REVISÕES REGULAMENTO. Destinatários. Data Palavras-Chave: REGULAMENTO; INVESTIGAÇÃO Palavras-Chave: REGULAMENTO; INVESTIGAÇÃO Destinatários Todos Profissionais do CHL Elaboração Centro de Investigação do CHL Aprovação Conselho de Administração Assinatura (s) Responsável (eis) pela Aprovação

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA PROFISSIONAL DOS TRABALHADORES DA CÂMARA MUNICIPAL DE CHAVES

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA PROFISSIONAL DOS TRABALHADORES DA CÂMARA MUNICIPAL DE CHAVES CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA PROFISSIONAL DOS TRABALHADORES DA CÂMARA MUNICIPAL DE CHAVES Divisão de Recursos Humanos 1 Março de 2015 2 Índice 1 - Introdução... 3 2 - CAPITULO I Âmbito... 3 3 - Artigo 1.º

Leia mais

ENQUADRAMENTO CLIENTES

ENQUADRAMENTO CLIENTES ENQUADRAMENTO A promoção da integração na sociedade do cidadão com deficiência mental assim como a defesa dos seus direitos, são valores considerados como fundamentais pela APPACDM, no respeito pelos princípios

Leia mais

REGULAMENTO PARA A EMERGÊNCIA PRÉ-HOSPITALAR

REGULAMENTO PARA A EMERGÊNCIA PRÉ-HOSPITALAR REGULAMENTO PARA A EMERGÊNCIA PRÉ-HOSPITALAR 1 INTRODUÇÃO 2 PEDIDO DE SERVIÇOS 3 ATITUDE DOS ELEMENTOS DO CORPO DE BOMBEIROS 4 CONDUTA DAS VÍTIMAS E ACOMPANHANTES 5 DIREITOS DAS VÍTIMAS E ACOMPANHANTES

Leia mais

BOAS PRÁTICA EM GESTÃO DE ENFERMAGEM

BOAS PRÁTICA EM GESTÃO DE ENFERMAGEM BOAS PRÁTICA EM GESTÃO DE ENFERMAGEM 2º Congresso APEGEL - 2011 DESAFIO PARA O 3º CONGRESSO ESTRATÉGICO Competências Enfermeiro Gestor Normas e Indicadores TÁTICO Por nível OPERACIONAL ESTRATÉGICO PRÁTICA

Leia mais

UMDR de SABROSA: Avenida General Alves Pedrosa Sabrosa

UMDR de SABROSA: Avenida General Alves Pedrosa Sabrosa SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE SABROSA UNIDADE DE CUIDADOS CONTINUADOS DE MÉDIA DURAÇÃO E REABILITAÇÃO UMDR de SABROSA: Avenida General Alves Pedrosa 5060-303 Sabrosa Telefones: 259 931 120 / 118 ou 259

Leia mais

MANUAL DO PARTICIPANTE DE PESQUISA CLÍNICA

MANUAL DO PARTICIPANTE DE PESQUISA CLÍNICA Educação ao Paciente e Família MANUAL DO PARTICIPANTE DE PESQUISA CLÍNICA OBJETIVO Este manual tem como objetivo oferecer ao participante de pesquisas clínicas informações sobre os estudos desenvolvidos,

Leia mais

E NORMAS DE CONDUTA GABINETE DE AUDITORIA INTERNA (GAI)

E NORMAS DE CONDUTA GABINETE DE AUDITORIA INTERNA (GAI) CÓDIGO de ÉTICA E NORMAS DE CONDUTA GABINETE DE AUDITORIA INTERNA (GAI) «Para um serviço de excelência» 2015 INTRODUÇÃO O presente Código de Ética do Gabinete de Auditoria Interna (GAI) da Direção-Geral

Leia mais

Regulamento Interno do Voluntariado do Centro Social Paroquial de Pinhal Novo

Regulamento Interno do Voluntariado do Centro Social Paroquial de Pinhal Novo Regulamento Interno do Voluntariado do Centro Social Paroquial de Pinhal Novo Preâmbulo O Centro Social Paroquial de Pinhal Novo é uma Instituição Particular de Solidariedade Social que tem por objetivos

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA. 1ª Versão, aprovada em

CÓDIGO DE CONDUTA. 1ª Versão, aprovada em CÓDIGO DE CONDUTA DA 1ª Versão, aprovada em 25.03.2014 PREÂMBULO A Fundação Pão de Açúcar Auchan é uma instituição particular de solidariedade social e de utilidade pública, constituída em 1993 pelos quadros

Leia mais

Acesso à Informação em Saúde NORMA CA.04. OBJETIVO: Definir as normas e procedimentos de acesso à informação em saúde

Acesso à Informação em Saúde NORMA CA.04. OBJETIVO: Definir as normas e procedimentos de acesso à informação em saúde OBJETIVO: Definir as normas e procedimentos de acesso à informação em saúde DESTINATÁRIOS: Profissionais de saúde e utentes DIPLOMAS LEGAIS QUE SUPORTAM A NORMA: Lei nº 46/2007 de 24 de agosto Lei nº 67/98

Leia mais

Código de Ética Janeiro de 2013

Código de Ética Janeiro de 2013 Janeiro de 2013 Índice 1 PREÂMBULO... 3 2 ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 3 3 OBJECTIVOS... 3 4 PRINCÍPIOS... 4 5 NORMAS DE CONDUTA... 4 6 CONFLITOS DE INTERESSES... 6 7 DISPOSIÇÕES FINAIS... 7 2013 espap Entidade

Leia mais

2015 P. 1 de 6. Procedimento para a Comunicação de Irregularidades Linha de ética

2015 P. 1 de 6. Procedimento para a Comunicação de Irregularidades Linha de ética P. 1 de 6 Procedimento para a Aprovado em reunião do Conselho Fiscal de 3.12. P. 2 de 6 1. INTRODUÇÃO A Galp Energia, SGPS, S.A. (doravante Galp ) baseia o exercício da sua atividade em princípios de lealdade,

Leia mais

Maiêutica Cooperativa de Ensino Superior, C.R.L. Regulamento Geral das Unidades Curriculares De Estágio

Maiêutica Cooperativa de Ensino Superior, C.R.L. Regulamento Geral das Unidades Curriculares De Estágio Maiêutica Cooperativa de Ensino Superior, C.R.L. Regulamento Geral das Unidades Curriculares De Estágio PREÂMBULO ( ) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º (Âmbito de Aplicação) O presente regulamento

Leia mais

CENTRO DE CONVÍVIO REGULAMENTO INTERNO

CENTRO DE CONVÍVIO REGULAMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO NUN ÁLVARES DE CAMPANHÃ INSTITUIÇÃO PARTICULAR DE SOLIDARIEDADE SOCIAL CENTRO DE CONVÍVIO REGULAMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO NUN ÁLVARES DE CAMPANHÃ RUA DO FALCÃO, 555 4300-182 PORTO TRAVESSA CORUJEIRA

Leia mais

Celpa. serviços. Código de ética do prestador de serviços da Celpa

Celpa. serviços. Código de ética do prestador de serviços da Celpa Código de ética do prestador de da Índice Apresentação... 04 Missão, visão e valores... 04 Bom senso... 06 Abrangência... 06 Definição de Prestador de Serviços... 06 1. Conflito de interesses 1.1. Recursos

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA IGSJ

CÓDIGO DE ÉTICA DA IGSJ CÓDIGO DE ÉTICA DA IGSJ Índice Índice... 3 Apresentação... 4 O que representa um código de ética... 4 Conteúdo de um código de ética... 4 Vantagens e desvantagens... 5 Introdução... 6 Código de Ética

Leia mais

GUIA DO UTENTE. Hospital José Joaquim Fernandes - Beja

GUIA DO UTENTE. Hospital José Joaquim Fernandes - Beja GUIA DO UTENTE Hospital José Joaquim Fernandes - Beja GUIA DO UTENTE AOS NOSSOS UTENTES Uma Instituição de saúde centrada nos seus utentes tem que ser claramente pró-activa no acolhimento destes, facilitando

Leia mais

CIRURGIA GERAL. Guia de Acolhimento do Utente. Telf Fax:

CIRURGIA GERAL. Guia de Acolhimento do Utente. Telf Fax: CIRURGIA GERAL Guia de Acolhimento do Utente Telf. 266 740 100 Fax: 266 740 126 www.hevora.min-saude.pt geral@hevora.min-saude.pt Cirurgia Geral Este Guia tem como objetivo fornecer informações simples

Leia mais

ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO

ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO Considerando: O relevo formativo, social, cultural e cívico do voluntariado e o papel importante que a Universidade de Aveiro (UA) pode desempenhar

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DO GRUPO EDF

CÓDIGO DE ÉTICA DO GRUPO EDF CÓDIGO DE ÉTICA DO GRUPO EDF A energia elétrica não é uma mercadoria como outra qualquer. É por isso que sua geração, transmissão, distribuição e comercialização são assuntos do interesse de todos. Desde

Leia mais

GABINETE DO CIDADÃO R E G U L A M E N T O I N T E R N O

GABINETE DO CIDADÃO R E G U L A M E N T O I N T E R N O R E G U L A M E N T O I N T E R N O NOVEMBRO 2009 Regulamento Interno Í N D I C E CAPÍTULO I----------------------------------------------------------------------------------------------- 1 DISPOSIÇÕES

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA Sumário Introdução Regras de Conduta da MIP Gestão do Código de Ética e Conduta da MIP Glossário Termo de Compromisso 03 05 10 12 15 2 Introdução A missão da MIP Engenharia S.A.

Leia mais

Obrigações de controlo de fornecedor externo. Reclamações de clientes

Obrigações de controlo de fornecedor externo. Reclamações de clientes Obrigações de controlo de fornecedor externo Reclamações de clientes Nota importante: No caso de fornecedores regulamentados, o fornecedor tem de cumprir todos os requisitos específicos definidos pelo

Leia mais

Carta. de Direitos e Deveres. do Cliente

Carta. de Direitos e Deveres. do Cliente Carta de Direitos e Deveres do Cliente Índice 1 - PREÂMBULO 3 2 - ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3 3 - DIREITOS DOS IDOSOS 3 4 - DIREITOS DOS FAMILIARES 4 5 - DEVERES DOS IDOSOS 5 6 - DEVERES DOS FAMILIARES 6 7 -

Leia mais

CARTA DE DIREITOS DOS CLIENTES

CARTA DE DIREITOS DOS CLIENTES CARTA DE DIREITOS DOS CLIENTES Capítulo 1º Objecto e âmbito A Carta de direitos e deveres dos clientes materializa o compromisso da APPACDM de Soure relativamente aos serviços e programas que envolvem

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA 1/7

CÓDIGO DE CONDUTA 1/7 CÓDIGO DE CONDUTA 1/7 ÍNDICE Página A Missão da Fundação AEP 3 Visão 3 Valores 3 Objetivos 3 Objeto, Âmbito e Aplicação 4 Transparência na Atuação e Publicitação das Contas 4 Impedimentos ou Incompatibilidades

Leia mais

Subtítulo do Trabalho Código de Ética

Subtítulo do Trabalho Código de Ética Versão: 002 Elaborado por: Diretor Aprovado por: Conselho de Administração Em: 09.11.25 Disseminação: Resp.: GAT Meio.: Intranet Destin.: Todos Em: 09.11.25 Ent. em vigor: 09.12.04 Próx. revisão: Até 12.11.30

Leia mais

Código de Ética Empresarial da Metro do Porto

Código de Ética Empresarial da Metro do Porto Código de Ética Empresarial da Metro do Porto MP-848057/09 V1.0 Índice A. A EMPRESA Enquadramento Missão Visão Valores B. CÓDIGO Âmbito de Aplicação Acompanhamento C. PRINCÍPIOS ORIENTADORES DO RELACIONAMENTO

Leia mais

GRUPO FIDELIDADE Código de Conduta Ética e Profissional. Referência Este documento só pode ser reproduzido na íntegra. 1/7

GRUPO FIDELIDADE Código de Conduta Ética e Profissional. Referência Este documento só pode ser reproduzido na íntegra. 1/7 GRUPO FIDELIDADE Código de Conduta Ética e Profissional Referência Este documento só pode ser reproduzido na íntegra. 1/7 CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA E PROFISSIONAL As regras de Conduta Ética e Profissional

Leia mais

Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais

Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais A. ENQUADRAMENTO GERAL 1. O CRL foi criado, no seguimento de acordos de concertação social, para apoio técnico à negociação coletiva. É um organismo

Leia mais

Aula 14 Ética e Deontologia

Aula 14 Ética e Deontologia Portfolio MEEC 1 Aula 14 Ética e Deontologia Objectivos Introdução à Ética e Deontologia dos alunos e profissionais de Engenharia Portfolio MEEC 2 Ètica e Deontologia Ética (ethos do Grego carácter): Conjunto

Leia mais

GABINETE DE INFORMAÇÃO E APOIO AO ALUNO (GIAA)

GABINETE DE INFORMAÇÃO E APOIO AO ALUNO (GIAA) Unidade Local de Saúde do Alto Minho, EPE Centro de Saúde de Ponte da Barca Unidade de Cuidados na Comunidade de Ponte da Barca Saúde Escolar Agrupamento de Escolas de Ponte da Barca Escola Básica e Secundária

Leia mais

A dimensão ética do tratamento

A dimensão ética do tratamento SOCIEDADE PORTUGUESA DE CARDIOLOGIA A dimensão ética do tratamento filipe almeida ÉTICA: Reflexão Agir humano Agir humano: eu) Comigo mesmo (eu tu) Com os outros (tu universo) Com a biosfera (universo

Leia mais

Código de Conduta Ética

Código de Conduta Ética Código de Conduta Ética Dezembro 2015 2015 Delta Economics & Finance Índice 1 Introdução 1 2 Visão, Missão e Valores 1 3 Conduta Esperada dos Funcionários 2 4 Conflito de Interesse 2 5 Informações Sigilosas

Leia mais

FUNDAÇÃO AGA KHAN PORTUGAL CÓDIGO DE CONDUTA

FUNDAÇÃO AGA KHAN PORTUGAL CÓDIGO DE CONDUTA FUNDAÇÃO AGA KHAN PORTUGAL CÓDIGO DE CONDUTA ÍNDICE 1. Introdução... 3 2. Missão... 3 3. Principais objetivos... 3 4. Legalidade... 4 5. Governação... 4 6. Principais regras de conduta... 4 7. Transparência...

Leia mais

Normas de Funcionamento - ATL 1º Ciclo BRINCAR A APRENDER

Normas de Funcionamento - ATL 1º Ciclo BRINCAR A APRENDER Normas de Funcionamento - ATL 1º Ciclo BRINCAR A APRENDER 1. Objetivos Específicos a) Organizar e promover atividades destinadas a crianças que frequentam o 1.º ciclo do ensino básico, com a finalidade

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Entre PRIMEIRO OUTORGANTE:.., portador/a do C/C nº 13423892, contribuinte nº, residente em.., na qualidade de Encarregado de / Educação representante de.. SEGUNDO OUTORGANTE:

Leia mais

Direito. Lições. Professora Catedrática da Faculdade de Direito de Lisboa e da Faculdade de Direito da Univ. Católica Portuguesa

Direito. Lições. Professora Catedrática da Faculdade de Direito de Lisboa e da Faculdade de Direito da Univ. Católica Portuguesa MARIA JOÃO ESTORNINHO Professora Catedrática da Faculdade de Direito de Lisboa e da Faculdade de Direito da Univ. Católica Portuguesa TIAGO MACIEIRINHA Assistente da Escola de Lisboa da Faculdade de Direito

Leia mais

Normas do Programa Municipal de Férias e Tempos Livres para Crianças e Jovens do Concelho de Aljustrel

Normas do Programa Municipal de Férias e Tempos Livres para Crianças e Jovens do Concelho de Aljustrel MUNICÍPIO DE ALJUSTREL CÂMARA MUNICIPAL Normas do Programa Municipal de Férias e Tempos Livres para Crianças e Jovens do Concelho de Aljustrel 1- Definição a) O Programa Municipal de Férias e Tempos livres

Leia mais

Protecção de Dados na Informação de Saúde

Protecção de Dados na Informação de Saúde Protecção de Dados na Informação de Saúde Proteção de Dados um Direito Fundamental Evolução na Europa Linhas Directrizes da OCDE(1973) Convenção 108 do Conselho da Europa (1981); Diretiva 95/46/CE Carta

Leia mais

REGISTO DE ALTERAÇÕES

REGISTO DE ALTERAÇÕES Versão Nº REGISTO DE ALTERAÇÕES Data de elaboração Data de divulgação 1 2008.07.23 2008.08.01 2 2012.02.15 2012.06.01 Elaborado por António Gomes, Celeste Mendes, Carlos Falcão, Ganda Cêncio, Herculana

Leia mais

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS REGULAMENTO CENTRO DE DIA

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS REGULAMENTO CENTRO DE DIA CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS REGULAMENTO CENTRO DE DIA Artigo 1º Definição 1. O Centro Social Paroquial de Oeiras com sede na Igreja Matriz de Oeiras, é uma Instituição Particular de Solidariedade

Leia mais

Código de Ética da CASSI

Código de Ética da CASSI Código de Ética da CASSI APRESENTAÇÃO O Código de Ética da Caixa de Assistência dos Funcionários do Banco do Brasil (CASSI) reflete a identidade cultural da Instituição e os compromissos a serem assumidos

Leia mais

Cabe a todos os integrantes e colaboradores diretos ou indiretos fazer valer, respeitar e cumprir todos os itens abordados neste código de ética.

Cabe a todos os integrantes e colaboradores diretos ou indiretos fazer valer, respeitar e cumprir todos os itens abordados neste código de ética. CÓDIGO CORPORATIVO DE CONDUTA ÉTICA Introdução A Alta Engenharia de Consultoria Ltda tem como seu objetivo principal, a transparência e a ética de conduta em seus negócios orientados por um conjunto de

Leia mais

REGULAMENTO DO COMITÉ DE ÉTICA

REGULAMENTO DO COMITÉ DE ÉTICA REGULAMENTO DO COMITÉ DE ÉTICA índice Páginas 5 1. OBJETO E ÂMBITO DO REGULAMENTO 2. COMPOSIÇÃO DO COMITÉ DE ÉTICA 6 7 8 3. COMPETÊNCIAS DO COMITÉ DE ÉTICA 4. FUNCIONAMENTO DO COMITÉ DE ÉTICA 5. SUPERVISÃO

Leia mais

Código de Conduta. Aplicável em matéria de contratos celebrados à distância, vendas ao domicílio e equiparados

Código de Conduta. Aplicável em matéria de contratos celebrados à distância, vendas ao domicílio e equiparados Código de Conduta da EDP Comercial Aplicável em matéria de contratos celebrados à distância, vendas ao domicílio e equiparados Código de Conduta da EDP Comercial Mensagem do Presidente O novo Código de

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DOS TRABALHADORES DA CMVM. Capítulo I Disposições gerais

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DOS TRABALHADORES DA CMVM. Capítulo I Disposições gerais CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DOS TRABALHADORES DA CMVM Capítulo I Disposições gerais Artigo 1.º Objecto No exercício das suas funções, em particular nas relações com os restantes trabalhadores e com a CMVM,

Leia mais

CARTA DOS DIREITOS E DEVERES COMUNIDADE EDUCATIVA

CARTA DOS DIREITOS E DEVERES COMUNIDADE EDUCATIVA MMA CARTA DOS DIREITOS E DEVERES CENTRO SOCIAL NOSSA SENHORA DO AMPARO Aprovado em Reunião de Direção a 07 /01 /2014 INTRODUÇÃO O CSNSA focaliza todo o seu trabalho no cliente, individualizando e personalizando

Leia mais

Código de Conduta do Comercializador de Último Recurso de Gás Natural

Código de Conduta do Comercializador de Último Recurso de Gás Natural Código de Conduta do Comercializador de Último Recurso de Gás Natural A EDP Gás Serviço Universal, na observância dos Valores do Grupo EDP, designadamente de Transparência, Rigor, Integridade, Ética, Confiança,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO 1 de 10 REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO 2 de 10 Índice 1. Enquadramento... 3 2. Definição... 3 3. Princípios... 4 4. Objetivos... 4 5. Direitos... 5 6. Deveres... 5 7. Inscrição... 7

Leia mais

I - Competências do Diretor de Departamento

I - Competências do Diretor de Departamento COMPETÊNCIAS DO DIRETOR DE DEPARTAMENTO E DA COMISSÃO DE COORDENAÇÃO OU COORDENADOR DE CURSO DO ISCE As competências e atribuições dos Diretores de Departamento e das Comissões de Coordenação ou Coordenadores

Leia mais

ROSÁRIO. Regulamento Interno CAPÍTULO III DOS EDUCADORES. Colégio de Nossa Senhora do Rosário Porto

ROSÁRIO. Regulamento Interno CAPÍTULO III DOS EDUCADORES. Colégio de Nossa Senhora do Rosário Porto ROSÁRIO Colégio de Nossa Senhora do Rosário Porto Regulamento Interno CAPÍTULO III DOS EDUCADORES Edição: maio 2016 Capítulo III Dos Educadores Edição maio de 2016 Índice do Capítulo III Secção I Docentes

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE APOIO À GESTÃO DESPORTIVA

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE APOIO À GESTÃO DESPORTIVA PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE APOIO À GESTÃO DESPORTIVA Publicado no Despacho n.º13456/2008, de 14 de Maio, que aprova a versão inicial do Catálogo Nacional de Qualificações. Publicação e atualizações

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DAS EMPRESAS DO GRUPO VINIPLAN

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DAS EMPRESAS DO GRUPO VINIPLAN CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DAS EMPRESAS DO GRUPO VINIPLAN Viniplan Eficácia em Planejamento de Projetos Ltda. Viniplan Tecnologias para Gerenciar Projetos Ltda. 1 INTRODUÇÃO Para o GRUPO VINIPLAN, agir

Leia mais

E DA BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. ARTIGO PRIMEIRO OBJECTO. O presente Regulamento completa o disposto na lei geral e no contrato de Sociedade do BES

E DA BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. ARTIGO PRIMEIRO OBJECTO. O presente Regulamento completa o disposto na lei geral e no contrato de Sociedade do BES REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO E DA COMISSÃO EXECUTIVA DO BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. («BES») ARTIGO PRIMEIRO OBJECTO O presente Regulamento completa o disposto na lei geral e no contrato de

Leia mais

PRINCÍPIOS PIOS E DIRETRIZES DAS

PRINCÍPIOS PIOS E DIRETRIZES DAS PRINCÍPIOS PIOS E DIRETRIZES DAS BOAS PRÁTICAS CLÍNICAS Dra. Márcia M Pahl Roche ÉTICA E PESQUISA CLÍNICA Ética Bioética Grandes Avanços Tecnológicos Dilemas Éticos PRINCÍPIOS ÉTICOS 1. Autonomia 2. Beneficência

Leia mais

COMBATE À POBREZA E EXCLUSÃO SOCIAL

COMBATE À POBREZA E EXCLUSÃO SOCIAL COMBATE À POBREZA E EXCLUSÃO SOCIAL Na última década, o número de pessoas em situação de pobreza e exclusão social em Portugal tem vindo a aumentar significativamente. A este facto preocupante, acresce

Leia mais

PISCINAS MUNICIPAIS DE MORA CADERNO DE ENCARGOS

PISCINAS MUNICIPAIS DE MORA CADERNO DE ENCARGOS PISCINAS MUNICIPAIS DE MORA CADERNO DE ENCARGOS 1º Do estabelecimento O estabelecimento, designado por Bar das Piscinas Municipais de Mora, é constituído pelo conjunto que foi construído e equipado pela

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO ESCOLA DE MUSICA

REGULAMENTO INTERNO ESCOLA DE MUSICA REGULAMENTO INTERNO DA ESCOLA DE MUSICA Artigo 1º Objecto A Associação Cultural Musimax é uma Escola do Ensino Artístico Especializado em Música, e tem como principal objecto o ensino da música. Artigo

Leia mais

INSTITUTO MARQUÊS DE VALLE FLÔR

INSTITUTO MARQUÊS DE VALLE FLÔR INSTITUTO MARQUÊS DE VALLE FLÔR CÓDIGO DE CONDUTA CAPÍTULO PRIMEIRO ÂMBITO DE APLICAÇÃO ARTIGO PRIMEIRO (ÂMBITO) 1. O presente Código de Conduta, doravante apenas designado por Código, é aplicável a todos

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA BANCO DE PORTUGAL

CÓDIGO DE CONDUTA BANCO DE PORTUGAL CÓDIGO DE CONDUTA DO BANCO DE PORTUGAL INDÍCE 1. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 2. PRINCÍPIOS GERAIS 2.1. Igualdade de tratamento e não discriminação 2.2. Diligência, eficiência e responsabilidade 3. RELACIONAMENTO

Leia mais

(Certificado NP 4427 nº 2012/GRH.009, desde 19/01/2012) CÓDIGO DE ÉTICA

(Certificado NP 4427 nº 2012/GRH.009, desde 19/01/2012) CÓDIGO DE ÉTICA CÓDIGO DE ÉTICA ENQUADRAMENTO Na sociedade contemporânea, melhor preparada e informada, o reconhecimento público de uma organização não se confina ao campo estrito do seu desempenho económico. A responsabilidade

Leia mais

Código de Ética e Conduta Profissional. Município da Lousã

Código de Ética e Conduta Profissional. Município da Lousã Código de Ética e Conduta Profissional Município da Lousã ÍNDICE Introdução...03 Visão...03 Objeto......04 Âmbito de Aplicação......04 Princípios Gerais......05 Relacionamento com o Exterior...07 Relacionamento

Leia mais

REGULAMENTO DE VISITAS do Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa, EPE

REGULAMENTO DE VISITAS do Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa, EPE REGULAMENTO DE VISITAS do Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa, EPE Capítulo I Artigo 1º Objeto O presente regulamento estabelece as normas e os procedimentos que regem as visitas ao Centro Hospitalar do

Leia mais

1 CÓDIGO DE CONDUTA PARA JOVENS ATLETAS Os clubes desportivos devem oferecer a possibilidade de experiências positivas aos jovens atletas, caracterizando-se por serem espaços seguros, que fomentam novas

Leia mais

POLÍTICA DE VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE E NÃO DISCRIMINAÇÃO

POLÍTICA DE VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE E NÃO DISCRIMINAÇÃO POLÍTICA DE VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE E NÃO DISCRIMINAÇÃO A Petrol Industrial S/A está entre aquelas empresas que estão preocupadas com as questões trabalhistas, procurando adotar os Princípios de Direito

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA CERTIEL

CÓDIGO DE CONDUTA DA CERTIEL MENSAGEM DO PRESIDENTE São nossos objectivos garantir que as nossas formas de estar e de comunicar sejam, em cada momento, sinónimo da transparência e da idoneidade com que actuamos na concretização das

Leia mais

Programa de monitorização do respeito pelos Direitos Humanos no Grupo EDP Quadro Ruggie

Programa de monitorização do respeito pelos Direitos Humanos no Grupo EDP Quadro Ruggie Programa de monitorização do respeito pelos Direitos Humanos no Grupo EDP Quadro Ruggie Guia de monitorização de impactos Nº Direitos Humanos Guia de monitorização de impactos Aplicá vel à EDP Temas incluídos

Leia mais

AUTORIZAÇÃO N.º ICP ANACOM - 2/ SP

AUTORIZAÇÃO N.º ICP ANACOM - 2/ SP AUTORIZAÇÃO N.º ICP ANACOM - 2/2012 - SP O Vice-Presidente do Conselho de Administração do ICP-Autoridade Nacional de Comunicações (ICP-ANACOM), decide, nos termos do artigo 5.º do Decreto-Lei n.º 150/2001,

Leia mais

Código de Ética e Conduta Profissional da CCDR LVT

Código de Ética e Conduta Profissional da CCDR LVT Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo Código de Ética e Conduta Profissional Elaborado em agosto 2009. Revisão agosto 2015. Código de Ética e Conduta Profissional

Leia mais

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA REGULAMENTO INSTITUCIONAL

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA REGULAMENTO INSTITUCIONAL UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA REGULAMENTO INSTITUCIONAL OUVIDORIA São Paulo 2010 CAPÍTULO I DA OUVIDORIA Art. 1º A Ouvidoria da Unidade de Ensino, é um elo entre a comunidade

Leia mais

Manual do Voluntário

Manual do Voluntário Manual do Voluntário Nota de boas vindas Bem-vindo à Habitat for Humanity Portugal (HFHP), a filial portuguesa de uma organização destinada a ajudar famílias de baixos recursos económicos a terem um lar.

Leia mais