O Impacto do Sistema de Excitação dos Geradores Síncronos nos Relés e Sistemas de Proteção

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Impacto do Sistema de Excitação dos Geradores Síncronos nos Relés e Sistemas de Proteção"

Transcrição

1 O Impac Sistma xcitaçã s Grars Síncrns ns Rlés Sistmas Prtçã Gabril Bnmuyal, Schwitzr nginring Labraris, Inc. Rsum Os grars síncrns pssum is tips limits pracinais: térmic stabilia. sss limits sã nrmalmnt finis n plan P-Q; m cnsüência, pn praçã um grar nã v star lcaliza além ualur um sss limits. Funçõs cnhcias cm limitars vitam u grar ultrapass sss limits, ntran nas znas pribias; ssas funçõs sã nrmalmnt incrpraas n Rgular Aumátic Tnsã ( Aumatic Vltag Rgular AVR grar. A cmbinaçã sss limitars a naturza própri AVR trã impac m algumas funçõs prtçã grar, tais cm a prtçã pra sincrnism ( uf-stp u pra xcitaçã ( lss-f-fil LOF. O bjtiv st artig nã é rvr s princípis prtçã s grars, pis iss já fi amplamnt ftua m utrs trabalhs, mas sim rlmbrar s princípis básics física ngnharia u stã pr trás a intraçã ntr AVR um grar síncrn sus limitars asscias, além algumas funçõs prtçã grars. Srá aprsntaa a anális a tcnlgia s limitars incrpras n AVR um grar. Ns stus crnaçã a LOF, limit stabilia m rgim ( stay-stat stability limit SSSL usa mais früntmnt tm si traicinalmnt basa num sistma graçã cm xcitaçã através uma tnsã cnstant (u SSSL manual. st trabalh iscut impac sistma xcitaçã cm um AVR u um stabilizar sistma ptência ( pwr systm stabilizr PSS ns limits stabilia grar. Uma nva técnica numérica é intruzia para trminar s limits stabilia um sistma graçã m u a xcitaçã p sr rgulaa usan um AVR u um AVR cmplmnta pr um PSS. I. LIMITS D STABILIDAD DO GRADOR: RGIM TÉRMICO xistm três tips limits térmics ([] [4] grar: limit a crrnt a armaura u stá irtamnt rlacina à ptência nminal grar, limit a crrnt camp limit núcl frr fim star. O limit a stabilia m rgim é uma cnsüência irta a uaçã transfrência ptência ntr um grar sistma u msm stá alimntan. sss ifrnts limits sã analisas na próxima sçã. O limit núcl frr fim star é cnsüência flux isprsã nas spiras xistnt na rgiã final grar. ss flux ntra sai prpnicularmnt à strutura laminaa star. As crrnts parasitas vã, ntã, circular na laminaçã, causan aucimn lcaliza na rgiã final. N m sbrxcitaçã, a crrnt camp é alta; m cnsüência, anl rtnçã vai saturar tal frma u flux isprsã na rgiã final srá pun. N m subxcitaçã, a crrnt camp srá ruzia flux causa pla crrnt na armaura srá sma a flux pruzi pla crrnt camp. Iss vai agravar aucimn na rgiã final, limitan svramnt a saía grar. O limit núcl fim star pn a gmtria cnstruçã a turbina. A limitaçã p sr particularmnt svra para as turbinas a gás, mas p nã xistir nas unias hirlétricas, cm mstra na Fig. ; as unias a vapr pssum uma caractrística limitara situaa ntr a turbina a gás a hirlétrica []. Os limits as crrnts camp a armaura pnm a tnsã grar. Ts s três limits sã pnnts sistma rsfriamn grar. Para s grars rfrigras a hirgêni, limit mais lrant vai crrr à prssã máxima líui rfrigrant (vr Fig.. Q(p.u. + Opraçã Sbrxcita Limit Camp Capabilia Tórica Máxima Grar Limit Crrnt a Armaura + P(p.u. A. Limits Térmics Opracinais Grar Na Fig., stã rprsntas s três tips limits térmics ncntras m um grar. Assumin u a ptência é mia m valrs pr-unia (p. u., a mta um círcul cm rai unitári rprsnta a capabilia máxima tórica grar ( gnrar thrtical maximum capability. ss limit s v às pras ôhmicas a crrnt a armaura crrspn simplsmnt a valr nminal m MVA grar. Limit Núcl Final star Opraçã Subxcita Unia cm Turbina a Gás Unia a Vapr Unia Hiráulica Fig.. Limits térmics pracinais grar

2 Q (MVAR Prssã H 3. kg/cm. kg/cm Far Ptência Atrasa Far Ptência Aianta s P sin δ + s sin δ + ( + ( + ( Nsta uaçã, ângul δ é ângul ntr a tnsã intrna grar,, a tnsã na barra infinita, s. Um princípi já bm stablci é fa u limit stabilia grar é alcança uan a rivaa a ptência ativa P m rlaçã a ângul δ s rna igual a zr. δp s csδ + s cs δ ( δt + ( + ( + A tntativa sluçã ( vai grar uaçõs nãlinars, nã xistin uma uaçã algébrica para SSSL. ntrtan, prblma p sr simplifica, cnsiran uma máuina cm rr cilínric n é igual à igual à ratância síncrna s ; lg, a uaçã transfrência ptência s rna: s P δ + sin (3 s Nss cas, limit stabilia é alcança uan ângul δ ating valr 9. Um círcul cm cntr rai, cnfrm mstra na Fig. 4, frnc limit stabilia sb praçã manual n plan P-Q []. P(MW Fig.. Curva capabilia um grar cm turbina a vapr, rfrigra a hirgêni, tnsã nminal, 3 MW, 347 MVA, kv, FP.9, 36 rpm, 6 Hz B. Limit stabilia m Rgim Traicinal Grar cm Rr Cilínric O limit stabilia m rgim um grar trmina a rgiã n plan P-Q n a praçã grar vai sr stávl n m nrmal praçã. O m nrmal praçã é aui fini cm uma cniçã m u smnt crrm puns istúrbis n sistma, ifrnts grans prturbaçõs cm faltas, aiçã significativa cargas u pra graçã. O limit stabilia m rgim é usa pls ngnhirs sistmas prtçã m alguns stus crnaçã n ajust a funçã limitar subxcitaçã ( unr-xcitatin limitr UL AVR [, 5]. Q (p. u. t Cntr j t Rai + P (p. u., Fig. 3. Diagrama lmntar um sistma graçã O SSSL manual é bti a partir um sistma graçã crrspnnt a a Fig. 3, n grar alimnta uma carga cnctaa a uma barra infinita através uma linha cm impância. A xcitaçã grar é assumia cm sn alimntaa pr uma tnsã cnstant. A uaçã transfrência ptência para uma máuina póls salints é frncia m rgim pla fórmula cnvncinal: t s Fig. 4. Curva SSSL manual um grar cm xcitaçã cnstant O plan P-Q m p.u. a Fig. 5 frnc um xmpl mais aua s aspcs prátics asscias a SSSL manual. Um mi-círcul rai igual a cntr (, fi snha rprsnta já fini limit. O pn praçã grar vai star nrmalmnt ntr círcul u na sua circunfrência, ntr a rgiã prmitia, frma u a praçã grar nã ultrapass as caractrísticas nminais msm. Assumin a tnsã ns trminais grar, t, cm sn. p.u., a intrsçã a curva SSSL manual cm ix imaginári é igual a /. Iss inica u para um grar cm mair u um, SSSL manual vai aumaticamnt invair círcul grar vai s rnar

3 3 instávl uan stivr mui subxcita. A intrsçã cm ix ral é n pn / ( + ; lg, à mia u valr a impância xtrna a linha,, aumnta, SSSL manual s rna mais próxim a curva. Cm ambs sn igual a um, SSSL círcul cincim. xistm valrs lvas para s uais grar nã p frncr sua ptência nminal sm s rnar instávl: SSSL manual infring s limits. Q m PU t..5 t Q m PU Fig P m PU Impac a saliência n SSSL manual P m PU.8. Fig. 5. SSSL manual m rlaçã a círcul Impac a Saliência n SSSL Manual Cnfrm já bsrva, nã xist uma uaçã algébrica ispnívl para pltar a curva SSSL manual s a saliência stivr sn lvaa m cnsiraçã. Prvavlmnt, st é mtiv pl ual a saliência nunca é cnsiraa. Cntu, SSSL um grar póls salints p sr trmina numricamnt pr mi a sluçã numérica (. Há um prgrama snvlvi para rslvr numricamnt ( (. A Fig. 6 mstra SSSL ambs s grars cm rr póls salints rr cilínric, inican as rspctivas caractrísticas. P sr bsrva u a ifrnça ntr as uas curvas stá apnas na ára próxima a ix imaginári, n pn intrsçã stá n pn / para grar cm rr póls salints a invés / para grar cm rr cilínric. Prtan, a ifrnça ntr as uas curvas SSSL v sr cnsiraa cm sn sprzívl para fis prátics. II. O SISTMA D CITAÇÃO DO GRADOR SÍNCRONO A. A Naturza a xcitaçã Grar A funçã primária sistma xcitaçã um grar síncrn é rgular a tnsã na saía grar. Numa máuina síncrna, camp magnétic rtaçã ncssári para inuzir tnsã ns nrlamns star é pruzi pla crrnt DC u circula n nrlamn camp u rr. A tnsã xcitaçã grar síncrn é a tnsã mia ns trminais grar uan a crrnt carga fr igual a zr. Su valr RMS é prprcinal à crrnt u circula n nrlamn rr: ωlaf if f (4 ssa crrnt DC u circula n nrlamn rr é pruzia pl sistma xcitaçã. m rgim, la é igual à tnsã xcitaçã DC, frncia para nrlamn rr, iviia pla rsistência nrlamn: f i f (5 rf O nrlamn camp pssui uma au-inutância L ff. Uma caractrística funamntal grar síncrn é a cnstant tmp transitória ix ir cm circui camp abr, T, u é a rlaçã ntr a au-inutância camp a rsistência DC: L ff T (6 rf sta cnstant tmp, cuj valr é alguns sguns, inica tipicamnt u a tnsã ns trminais grar síncrn nã p variar instantanamnt; m utras palavras, a crrnt nrlamn camp varia acr cm a cnstant tmp cm circui camp abr.

4 4 B. O Rgular Aumátic Tnsã st artig fca ns sistmas atuais xcitaçã stática, cnfrm mstra na Fig. 7. Nsss sistmas, a ptência ntraa a xcitatriz stática é nrmalmnt rivaa s trminais a máuina. Um transfrmar abaixar (transfrmar xcitaçã alimnta uma pnt rtificara trifásica cntrlaa u cnvrt tnsã AC m tnsã DC. A saía DC é cnctaa a nrlamn camp a máuina através scvas anéis clrs. N m aumátic, pn ajust a tnsã ( stpint é intruzi n pn smatória AVR. st stpint a tnsã é cmpara à miçã a tnsã saía grar; ssa cmparaçã gra um sinal rr u ajusta tmp ispar s rtificars cntrlas silíci até u a tnsã saía s rn igual a stpint a tnsã. m rgim, a tnsã saía grar é igual a stpint a tnsã. N m manual, tan nívl a tnsã saía grar uan nívl a crrnt camp (cnfrm mstra na Fig. 7 stã sb cntrl manual prar. mbra aina sja aplica m algumas máuinas antigas, cntrl manual s sistmas xcitaçã nã é rcmna pr agências cm a nrt-amricana NRC, vi às falhas svantagns assciaas a st m praçã. circui UL fr mair u sinal rr n pn sma, a priria é aa a sinal UL para cntrl lp AVR. A saía AVR é a tnsã frncia para circui camp. ssa tnsã é limitaa é gran imprtância. A máxima tnsã frncia para sistma xcitaçã é nrmalmnt chamaa t AVR. Na anális puns sinais, cnfrm scri pstrirmnt, um AVR státic p simplsmnt sr rprsnta pr um ganh cm uma cnstant tmp, cm mstra na Fig. 9. Vrf VS V C VUL V F V IMA VIMIN V I V*UL Prta AT ( + stc ( + stc ( + st ( + st B B F + st V*UL, V*OL: ntraas altrnativas F VA Prta + st AT V AMIN Fig. 8. Sistma xcitaçã I tip STA Vrf V AMA +st VS * V*UL LR V OL Prta BT (t VRMA -C IFD ILR FD t VRMIN I FD FD Pnt SCR Circui Camp TR xc. Tnsã n Trminal Vc Fig. 9. Rprsntaçã simplificaa um sistma xcitaçã stática Rgular Manual Rgular Aumátic + + Stpint I f Stpint t Fig. 7. Princípi AVR cm grar au-xcitaçã A Fig. 8 rprsnta ml gnéric um sistma xcitaçã stática, ual é frnci, ntr utrs, pr []. Tais mls têm prpósi srvir cm irtrizs para s stus stabilia. V rf é ajust a tnsã, V c é a miçã a tnsã ns trminais grar. A ifrnça ntr ssas uas granzas cnstitui sinal rr básic. Sã fitas prvisõs para sinais rrs aicinais n pn smatória AVR. V s é sinal rr um PSS. V UL é sinal rr um limitar subxcitaçã, ual srá scri pstrirmnt. N sistma xcitaçã a Fig. 8, uma isputa stá crrn ntr alguns sinais; m utras palavras, uma prta AT vai slcinar sinal ntraa u tm nívl mais al nuan uma prta BT slcina sinal u tm nívl mais baix. Quan usaa, ssa açã isputa prmit u alguns sinais cntrlm lp AVR. Cm xmpl, n pn sma AVR, s sinal rr TP III. LIMITADORS D PROTÇÃO INCORPORADOS NO AVR As funçõs prtçã térmica grar sã incrpraas n AVR pr mi limitars. A funçã s limitars nã é a ar trip n grar, mas vitar u msm pr fra s limits inicas na Fig.. Usualmnt, xistm três limitars u pm sr implmntas n AVR: limitar subxcitaçã (u mínima (UL u ML, limitar sbrxcitaçã ( vrxcitatin limitr OL limitar vlt/hrtz ( vlt/hrtz limitr VHL. O UL vita u grar pr abaix s limits núcl frr final star, cnfrm mstra na Fig.. P também, pnn u fr mais rstritiv, vitar u grar pr abaix SSSL. O OL vita u grar pr acima limit camp a Fig.. O VHL vita u grar pr acima valr limit vlt/hrtz máxim. A sçã sguint aprsnta xmpls mis implmntaçã sss ifrnts limitars. A. Implmntaçã Limitar Subxcitaçã Cntrl a Ptência Rativa Grar Cnsir sistma a Fig. rprsntan um grar cncta a uma barra infinita através uma impância Z. Assuma u a barra infinita tm tnsã unitária, a impância é 5% a tnsã grar usa s três valrs.95,..5 p. u. O iagrama circular a Fig. rprsnta a rlaçã ntr a ptência ativa rativa grar para s s três cass. Para caa cas, círcul tm as sguints crnaas para cntr para valr rai próxim:

5 5 Gr Cntr (, / Z t Rai Z s t t Z s Fig.. Grar alimntan uma barra infinita Analisan a Fig., p sr bsrva u uan a tnsã grar stá acima a tnsã sistma, grar pruz VARs psitivs. Quan a tnsã grar é igual à tnsã sistma, grar tm um far ptência próxim a unia (l nã pruz ualur VAR. Finalmnt, uan a tnsã grar stá abaix a tnsã sistma, grar vai absrvr VARs. sta bsrvaçã inica u uan um grar s rna subxcita a tal pn u s VARs ngativs pssam star abaix limit capabilia grar, a sluçã é aumntar a tnsã saía grar até u s VARs absrvis suprm limit. Iss é xatamnt u um UL vai fazr, pruzin um sinal rr psitiv u srá frnci para pn sma AVR uan fr slicita u AVR grar aumnt a tnsã saía. (7 k k k P t UP t UV Q t UQ (8 xprssan Q cm uma funçã P, btms: UP (k+ k UV Q P t (9 UQ UQ A uaçã (9 é a uaçã uma linha rta, cnfrm mstra na Fig. 3, rprsnta a caractrística UL n plan P-Q. S pn praçã grar stivr abaix sgmn a linha, UL vai pruzir um rr psitiv u srá frnci para pn smatória AVR. ss rr psitiv trá cm fi, pr sua vz, aumn ajust a tnsã u rfrência tnsã AVR, frma u a tnsã ns trminais grar vai também aumntar até u pn praçã grar stja acima a caractrística linha rta limit UL. Pstrirmnt, srá mstra cm xpnt (k + k prmit u sja ftuaa a crnaçã cm a funçã LOF n plan P-Q, sm u sja aftaa pla tnsã grar. Q t P F ( t k QxF F k F ( t PxF UQ + st UQ UV + st UV UP + st UP VUL para Pn Smatória AVR 8 t.5 C7.35, R7 Fig.. xmpl um limitar subxcitaçã tip UL, linha rta Q 6 t. C6.66, R6.66 t.95 C6.7, R6.33 UV UP P Q m PU 4 UV ( k + t UQ k UP slp UQ Fig.. saía P m PU Cntrl a ptência rativa grar através sua tnsã Limitar Subxcitaçã Incrpra n AVR Cnsir ml UL (tip UL mstra na Fig.. Nss ml, k, k, UP, UV UQ sã ajusts intruzis pl usuári. T UV, T UQ T UP sã as cnstants tmp circui u trminam sua inâmica. st circui vm mls rcmnas m [8]. As caractrísticas m rgim stática UL pm sr trminaas ajustan prar laplacian s m zr bsrvan a cniçã m u sinal rr circui UL vai sr zr []. ssa cniçã é frncia pr: Fig. 3. Caractrística linha rta tip UL A rfrência [8] scrv uas caractrísticas aicinais UL, uma circular (tip UL uma linha rta cm sgmns múltipls (tip UL3, pran acr cm s msms princípis tip UL. B. Implmntaçã Limitar Sbrxcitaçã O bjtiv OL é ssncialmnt limitar valr a crrnt camp frma u pn praçã grar nã ultrapass limit a crrnt camp a Fig.. A Fig. 4 mstra um xmpl [8] um OL frncn um sinal rr para pn sma AVR. S a crrnt camp, I f, stivr abaix um trmina valr pickup, aui mstra cm sn.5 vzs a crrnt camp a plna carga, um sinal ngativ através caminh a vai acinar intgrar (/s até su valr mais baix A iss vai frncr um sinal rr nul para pn sma AVR.

6 6 S a crrnt camp stivr acima valr pickup, um sinal psitiv através caminh b srá frnci para intgrar, frma u um rr ngativ sja frnci para pn sma AVR. ss sinal rr ngativ vai ruzir a tnsã camp, f, até u a crrnt camp stja abaix valr pickup. Para um aumn grau crrnt acima pickup, [8] frnc tmp partia a crrnt camp para u pssa sr um limitar: A t G G3 ( I ( f.5 I f n min al A uaçã ( é a uaçã uma curva invrsa. Os parâmtrs pm sr ajustas frma u a caractrística invrsa pssa sr crnaa cm a capacia camp grar, u é finia plas nrmas cm uma curva crrnt tmp-invrs [9]. uma nva técnica para btnçã limit stabilia basa m puns sinais stabilizants para um sistma graçã cm um AVR u uma cmbinaçã AVR-PSS. Ants aprsntar a nva técnica, intruzirms nçõs básicas a anális puns sinais ( small signal analysis SSA stabilia basaa m puns sinais ( small signal stability SSS. A. Nçõs Funamntais a stabilia Grar Basaa m Puns Sinais stabilizants Usan Ml Clássic Grar A rprsntaçã mais simpls ( aprximaa um grar é cnhcia cm ml clássic [], cnsistin uma fnt tnsã cnstant atrás a ratância transitória ix ir grar, cnfrm mstra na Fig. 6. t If Vc. +A.5 If + G + G 3 s + nminal A Vrf Pn Smatória AVR δ T s G Fig. 4. xmpl ml um OL C. Implmntaçã Limitar Vlt/Hrtz A Fig. 5 rprsnta um xmpl ml um VHL [] u vai frncr um sinal rr para pn sma AVR. st xmpl assum u uma miçã a tnsã ns trminais grar, t, a früência fr sã ispnibilizaas para circui. S a rlaçã a tnsã saía grar iviia pla früência stivr acima limit máxim vlt/hrtz aui mstra cm.7 p. u., a ifrnça é intgraa um sinal ngativ é nvia para pn sma AVR. O sinal ngativ ruz a tnsã saía grar até u a rlaçã a tnsã pla früência stja abaix limit. Quan a ifrnça s rna ngativa, intgrar é rsta para zr frma u sinal rr s rn nul. Prtan, um VHL vai variar a tnsã saía grar mas nã trá fi na früência grar. fr Fig. 5. t t /fr VZLM.7 z. Rst s ngativ s Rst z.7 xmpl ml um limitar vlt/hrtz Vc Vrf Pn Smatória AVR IV. O IMPACTO DO AVR NO LIMIT D STABILIDAD M RGIM DO GRADOR Até agra, a única fórmula simpls ispnívl para s ngnhirs prtçã ftuarm a pltagm SSSL um sistma graçã é a u s rfr a cas um grar cm xcitaçã cnstant. ss tip limit fi assumi cm sn cnsrvar suficint para u pssa sr aplica sm ualur rstriçã ns sistmas graçã cm AVR u PSS [5]. Ns próxims parágrafs, srá intruzia Fig. 6. grar Diagrama ptência lmntar cm rprsntaçã clássica N sistma p.u., cm a vlcia rr é igual a um, a ptência P é uivalnt a ru létric ambs sã frncis pla uaçã clássica transfrência ptência: T s P sin δ ( T Um pun incrmn ru létric m rn pn praçã stávl (rgim p sr xprss cm: T s T δ csδ ( δ ( δ T D utra frma, a uaçã ( p sr xprssa cm: cm igual a: sync T δ (3 δ (4 s cs T Cm m (3 a variaçã ru létric é prprcinal à variaçã ângul intrn grar, δ; st tip ru létric é nmina ru síncrn ( synchrnus ru. Smnt ru síncrn é aparnt cm ml clássic simplifica um grar síncrn. Na vra, xist utr ru létric na máuina u é prprcinal à variaçã a vlcia a máuina. st ru létric é cnhci cm ru amrtcr ( amping ru p sr xprss cm: T ω (5 amp O ru létric tal pruzi pla máuina síncrna é a sma s rus síncrn amrtcr, é igual a: D

7 7 T T + T δ + ω (6 sync amp A uaçã inâmica rr a máuina crrspn à li aclraçã s crps girants p sr xprssa cm: s ω ( Tm Tsync Tamp (7 M s δ ω ω (8 Nas uas uaçõs antrirs, tms: T m : variaçã a ntraa ptência mcânica para grar m pu H: cnstant inércia, sguns M: cficint inércia H, sguns ω : vlcia létrica m raians pr sgun (377 ra/s na bas rr Cnsiran as uaçõs (3, (5, (7 (8, próxim iagrama blcs, mstra na Fig. 8, rprsnta a inâmica sistma ptência lmntar a Fig. 6. D D ω s + s + ( M M Através a intificaçã cm s parâmtrs clássics um sistma sguna rm frnci cm: s + ζ ω s + ω (3 n A früência natural nã-amrtcia, ω n, a rlaçã amrtcimn, ζ, sã rprsntaas pr: ω ω n ra / s (4 M D ζ (5 Mω As uas raízs a uaçã caractrística u sistma sã pltaas na Fig. 8. n T sync ru síncrn T m (p. u. Ms ω 377 s δ ω n θ jωn ζ T amp ru amrtcr Fig. 7. Rprsntaçã mais simpls pssívl um sistma ptência lmntar Usan ω δ cm variávis sta, pms mlar a inâmica sistma ptência lmntar usan a rprsntaçã n spaç stas através a sguint uaçã matricial, acr cm as mrnas rias cntrl []: t δ ω M D ω δ D + Tm M ω M (9 sta uaçã matricial sistma n spaç stas crrspn à frma gral: x A x + Bu ( n x é vr sta, A é a matriz sta, B é a matriz ntraa u cntrl, u é vr cntrl u ntraa. Para prpósi stablcr vr saía sistma, y, uas matrizs aicinais, C D, sã nrmalmnt finias. las sã: y C x + Du ( Na (, C é finia cm a matriz saía D é finia cm a matriz cficint. Para avaliar a stabilia sistma basaa m puns sinais, iscutirms smnt a matriz sta A. A uaçã caractrística a matriz sta A é xprssa pr: Fig. 8. ζω n ζ ω csθ n ω n jω n ζ Rprsntaçã as raízs a uaçã caractrística As raízs a uaçã caractrística sã iênticas as auvalrs ( ignvalus a matriz sta A. Para sistma sr stávl, ambas as raízs a uaçã caractrística vm star lcalizaas n la sur plan cmplx, cnfrm mstra na Fig. 8. Iss implica u a früência natural nã-amrtcia, ω n, far amrtcimn, ζ, têm sr psitivs. Iss, pr sua vz, implica u s valrs s rus síncrn amrtcr vm sr psitivs. S um s is rus létrics s rnar ngativ, sistma ficará instávl. sta situaçã stá ilustraa na Tabla I, u xib a variaçã ângul intrn δ m funçã sinal D sgu a variaçã impuls 5% ru mcânic T m.

8 Tim (s Tim (s Tim (s Tim (s 8 TABLA I RSPOSTA DO ÂNGULO INTRNO AO IMPULSO D 5% DA POTÊNCIA MCÂNICA TM D > D < ω δ > Variatin f th Rr Angl Variatin f th Rr Angl < Variatin f th Rr Angl Variatin f th Rr Angl B. stabilia um Grar Basaa ns Puns Sinais cm Tnsã xcitaçã Cnstant Ml Grar Avança O ml clássic grars pssui limitaçõs óbvias pru l assum u flux cncatna ntr grar é cnstant. Usarms ml mais avança fini pr Dmll Cncria m [3] para stuar impac um sistma mrn xcitaçã m sta sóli na stabilia um grar síncrn póls salints cncta a uma barra infinita através uma ratância. O ml é basa na rprsntaçã um grar cm is ixs, cnfrm rprsnta na Fig. 9. Os parâmtrs sã iêntics àuls usas m [3] stã finis n Apênic A. A muança óbvia m rlaçã a ml clássic cnsist n fa u ru amrtcr é agra pruzi pla física grar. As variávis aicinais m rlaçã a ml clássic sã: t : variaçã a tnsã ns trminais grar m pu f : variaçã a tnsã xcitaçã camp m pu : variaçã flux n ix ir T : cnstant tmp grar cm circui camp abr Fig. 9. Ml linariza um grar cm sistma xcitaçã cnstant O ml iagrama blcs grar a Fig. 9 p sr rprsnta n spaç stas usan três variávis sta, δ, ω, cnfrm stá xprss na sguint uaçã matricial: t δ ω / M 3 4 / 3 T 377 δ / M / M ω + T / 3 T m (6 C. Limit stabilia Basaa ns Puns Sinais U- san s Limits s Trus Síncrn Amrtcr N ml a Fig. 9, a sma s rus é finia cm ru létric m psiçã a ru mcânic. Basans na Fig. 9, iss p sr xprss cm: 3 4 T ( δ(s (7 + s3 T Após algumas manipulaçõs, (7 p sr xprssa cm: T T ( δ(s + ( s δ(s (8 s 3 T s 3 T Obviamnt, ru létric cntém um cmpnnt síncrn prprcinal a svi angular um cmpnnt amrtcr prprcinal à rivaa svi angular u vlcia. Após s rcbr valr jω, s is cmpnnts pm sr xprsss cm: 3 4 T _ sync (9 + ω 3 T 3 4 T T _ amp jω (3 + ω 3 T m [], limit stabilia basa ns puns sinais sistma a Fig. 9 é trmina pla cniçã m u ambs s rus síncrn amrtcr s rnam iguais a zr. O limit a stabilia basaa ns puns sinais é ntã trmina n plan P-Q através a pltagm as uas curvas: uan s is rus síncrn amrtcr sã iguais a zr;, m sguia, trminan a ára n ambs s rus sã psitivs. Na msma rfrência, limit

9 9 ru síncrn é trmina pla sluçã a sguint uaçã uan ω : (3 T _ sync 3 4 ω O limit ru amrtcr é trmina pla sluçã a sguint uaçã uan ω é igual à früência nãamrtcia crrspnnt à (4: T _ amp ω 3 4 T 377 jω M + ω 3 T 377 ω M (3 A uaçã ru amrtcr crrspnnt à (3 nã tm uma sluçã, pis ru amrtcr é smpr psitiv. Lg, a stabilia sistma é trminaa pl limit ru síncrn crrspnnt apnas à sluçã (3. Nv Mé para Dtrminaçã s Limits stabilia Basas ns Puns Sinais stabilizants, Usan Sinal a Part Ral s Auvalrs ( ignvalus Para uma finiçã mais simpls limit stabilia ml a Fig. 9 u mé s limits s is rus létrics, cnsir u sistma graçã é stávl s s auvalrs ( ignvalus a matriz A tivrm as as parts rais ngativas. O nv mé, nmina limit basa ns auvalrs, cnsist ntã m trminar para caa valr a ptência ral, Pi, n plan cmplx, valr crrspnnt a ptência imaginária, Qi, para ual as as parts rais s auvalrs a matriz A chaviam para ngativ (Fig.. Lmbr-s u para caa par pns (P,Q, xistm valrs ifrnts para s parâmtrs, prtan, ifrnts auvalrs para a matriz A. Após ftuarms a varrura um cnjun valrs P ntr um intrval sclhi, cnjun crrspnnt valrs Q, cnfrm fini prviamnt, cnstitui limit a stabilia basaa ns puns sinais stabilizants. uivalência ntr SSSL Manual Limit a stabilia Basaa ns Puns Sinais stabilizants, Usan Auvalrs Até aui, fram scris três més para trminaçã limit stabilia sistma graçã a Fig. 9, cm xcitaçã cnstant:. O SSSL manual crrspnn a um círcul cm caractrísticas frncias na Fig. 4.. O limit ru síncrn (cnsiran u ru amrtcr é smpr psitiv, cuja uaçã é frncia pr (3. 3. O limit basa ns auvalrs ( ignvalus rcntmnt fini. Na Fig., s três limits stabilia btis através s três més stã pltas para sistma cm xcitaçã cnstant, mstran s parâmtrs. Ts s três limits sã praticamnt iêntics. Iss mnstra u mé SSA m cnjun cm limit basa ns auvalrs sã viávis para trminaçã limit stabilia um sistma graçã. Ptência Rativa Q (pu T.5 H3 T6 Circunfrência SSSL Clássic Limit s Auvalrs Q(p.u. - Limit Tru Síncrn - * 3 * 4 Qi Os auvalrs a matriz A pssum as as parts rais ngativas Pi P(p.u. Limit stabilia Os auvalrs a matriz A pssum pl mns uma part ral psitiva u zr Fig.. Princípis trminaçã limit basa ns auvalrs ( ignvalus.5.5 Ptência Ativa P (pu Fig.. Tri limits stabilia para um sistma graçã cm xcitaçã cnstant D. Limit stabilia Basa ns Puns Sinais um Grar cm Rgular Aumátic Tnsã Ml Grar cm Rgular Aumátic Tnsã Tas as análiss antrirs fram ftuaas para um grar pran cm tnsã camp cnstant. Quan um AVR é aicina a sistma, uma funçã transfrência aicinal tm sr aicinaa a sistma, cnfrm mstra na Fig.. Nss pn, é assumi u um grar auxcita cm um sistma simpls xcitaçã stática stá sn usa cm funçã transfrência:

10 f (33 t + st Nsta última uaçã, é ganh a xcitatriz T é a cnstant tmp a xcitatriz. 5 ω δ Ptência Rativa Q (pu.5 5 SSSL Manual u t T.5 H3 T Fig.. Diagrama blcs sistma ptência lmntar cm sistma xcitaçã rgula m sta sóli A uaçã matricial sguint frnc a rprsntaçã sistma graçã a Fig. n míni spaç/stas: t δ 377 ω / M / M 4 / T /( f ( 5 / T ( 3 T 6 / T / T / T δ / M ω + T f m (34 Limits stabilia Usan Mé s Auvalrs Usan mé limit basa ns auvalrs, a Fig. 3 mstra s limits stabilia sistma ptência lmntar uan grar pssui um AVR uan ganh AVR varia zr a valrs mairs. Nã é uma surprsa u s ganh AVR fr zr, limit stabilia crrspn a SSSL manual. À mia u ganh aumnta, p sr bsrva u xist um limit a sr frnci para ganh ants a stabilia infringir s limits círcul. Um princípi já bm stablci cnsist n fa u ganh AVR tm sr limita para vitar u grar s rn instávl vi à falta ru amrtcr [, 3]. Basa na Fig. 3, ganh AVR vria sr mnr u 5. Obsrv u SSSL manual nã s rna cas limit à mia u ganh aumnta. Para valrs lvas ganh AVR, limit stabilia basa ns puns sinais ficará acima SSSL manual vai cmçar a invair s limits círcul. O Apênic B lista prgrama numéric na linguagm MATLAB [9] usa para pltar s limits stabilia basa ns puns sinais a Fig. 3, ual p sr usa para pltagm utras aplicaçõs. Fig Ptência Ativa P (pu Impac ganh AVR n limit stabilia grar. Limit stabilia Basa ns Puns Sinais um Sistma Graçã cm AVR PSS Ml Grar cm PSS Cnfrm mstra n parágraf antrir, ganh AVR v sr limita para mantr ru amrtcr m um valr acitávl. Aumntar a stabilia transitória grar xig u ganh AVR sja mais al pssívl frma a pruzir a tnsã xcitaçã mais alta pssívl após uma prturbaçã gran prt. A stabilia transitória é finia aui cm a capacia grar mantr sincrnism uan submti a um istúrbi transitóri svr, tal cm uma falta m uma linha transmissã ajacnt. Para atnr a ss ruisi, s ngnhirs sistmas ptência snvlvram xcitatrizs alta vlcia uipaas cm stabilizars sistma ptência ( pwr systm stabilizrs PSS. Basicamnt, um PSS riva um sinal rr basa na vlcia a máuina injta ss sinal rr n pn smatória AVR. O fi PSS é aumntar substancialmnt ru amrtcr grar, u, pr sua vz, prpicia um aumn ganh. O iagrama blcs sistma graçã cm aiçã PSS stá mstra na Fig. 4. A funçã transfrência PSS cnsist um ganh, um filtr passa-altas um filtr cmpnsaçã fass. Na vra, um PSS p rurr circuis mais cmplxs nã ncssariamnt mir a vlcia irtamnt [].

11 T m (p. u s 3T + f Ms 4 ω STAB 377 s 6 stw + st + stw + st Ganh Passa-Alta Cmpnsaçã Fas δ v t +s T v s t rf Fig. 4. Sistma ptência lmntar linariza cm AVR PSS A rprsntaçã PSS n míni spaç/stas impõ a aiçã uas variávis sta, V s V, cnfrm mstra m (35. Limit stabilia um Grar cm um PSS Usan Mé Basa ns Auvalrs A crrçã limit stabilia basa ns puns sinais através a aiçã um PSS tm si stuaa usan mé limit basa ns auvalrs. A Fig. 5 mnstra a mlhria xprssiva limit stabilia sistma basa ns puns sinais m funçã PSS. Sm PSS cm um ganh AVR 5, limit stabilia stá invain círcul, cnfrm mstra na Fig. 5. Cm um ganh ( 5 aiçã PSS, limit stabilia slcu nrmmnt para a sura a curva bm abaix SSSL manual. Para cas cnsira, ganh AVR p sr fini m até mair sm cmprmtr a praçã nrmal grar. Cnfrm anális antrir ftuaa smnt cm AVR, cm a aiçã um PSS SSSL manual nã parc cnstituir um cas-limit : à mia u ganh ( aumnta, limit stabilia basa ns puns sinais vai cmçar a infringir caa vz mais s limits círcul. t δ 377 ω / M / M 4 / T /(3 T / T f ( 5 / T (6 / T / T / T V s T / T stab /(M T T stab /(M T V stab / M stab / M δ / M ω + Tm f / T T /(T Tw V s / T w / Tw V T stab / T M (35 A Fig. 6 mstra impac aumn a impância xtrna na stabilia basaa ns puns sinais. Cnsiran um ganh ( 5, à mia u aumnta.4 até.8 p. u., p sr bsrva u limit stabilia basa ns puns sinais rcua para la sur vai, vntualmnt, vilar s limits círcul para valrs mairs. O msm fnômn fi bsrva cm SSSL manual a Fig. 5. Os aumns s sguints fars cntribum para rcu limit stabilia basa ns puns sinais: ganh AVR,, a impância xtrna,, u a cnstant tmp AVR, T. A ruçã s fars sguints vai lvar a msm rsulta: a tnsã grar, t, a cnstant tmp cm circui camp abr, T, u a inércia a máuina, M. Cnfrm já bsrva, p havr uma cmbinaçã fars u lvm limit stabilia basa ns puns sinais a infringir prfunamnt s limits círcul. O únic pn cmum ntr s is tips limits stabilia (SSSL manual limit stabilia basa ns puns sinais é u ambs parcm star partin n ix vrtical n pn (, /. Fig. 5. Ptência Rativa Q (pu t T.5 H3 T6 stab5 Tw.45 T.4 T.33 SSSL Manual u 5 sm PSS.5.5 Ptência Ativa P (pu cm PSS 5 cm PSS Impac PSS n Limit stabilia Grar

12 Fig. 6. Ptência Rativa Q (pu Ptência Ativa P (pu t T.5 H3 T6 stab5 Tw.45 T.4 T.33.8 SSSL Manual_.4 SSSL Manual_.8 Impac n limit stabilia grar cm um PSS V. O IMPACTO DO SISTMA D CITAÇÃO NA PROTÇÃO A. Aspcs s Limits stabilia Traicinalmnt, s ngnhirs sistmas prtçã usavam SSSL manual ns stus crnaçã s grars pr sr cnsira suficintmnt cnsrvar msm uan um AVR u uma cmbinaçã AVR-PSS fss aicinaa a sistma. A praçã manual fi aina é cnsiraa cm um sistma backup para uma falha n AVR. Além iss, tm si únic limit simpls (n snti matmátic ispnívl para s ngnhirs prtçã. m alguns cass, SSSL manual fi aprsnta cm mui cnsrvar cntraprutiv para uma prtçã auaa [3]. m alguns prjs mrns, backup para uma falha AVR p sr utr AVR nã a praçã manual. Nssa situaçã, a praçã manual p nunca crrr us SSSL traicinal pr sua justificativa. Nas sçõs antrirs, uma nva técnica fi tstaa para trminar limit stabilia basa ns puns sinais para um grar sm u cm um AVR u cm uma cmbinaçã AVR-PSS. A partir a simulaçã aprsntaa, p-s uzir u SSSL manual bti, para um grar cm sistma xcitaçã cm tnsã cnstant, nã cnstitui aumaticamnt cas-limit a sr rfri uan frm cnsiras um AVR u um PSS. Para valrs razávis ganh AVR sistmas frts (impância xtrna puna, SSSL manual é prvavlmnt um prj cnsrvar. Cntu, ssa cnsiraçã nã é mais vraira s alguns fars frm cmbinas para rstringir limit stabilia basa ns puns sinais (ganh lva AVR, sistma frac cm impância xtrna lvaa, tc.. Basan-s nssas cnsiraçõs, crtamnt xist um ruisi ral para técnicas simpls finiçã limit stabilia grar sm cnsirar m praçã sistma xcitaçã. B. Aspcs Limit Basa m Vlt/Hrtz Cnfrm scri antrirmnt, um VHL é nrmalmnt implmnta n sistma xcitaçã. Quan limit máxim a rlaçã vlt/hrtz é ultrapassa, ss limitar basa m vlt/hrtz vai nviar um sinal rr ngativ para pn sma AVR até u a tnsã ns trminais grar sja ruzia, vltan para um nívl tnsã acitávl. O VHL nã substitui a implmntaçã a prtçã vlt/hrtz grar transfrmar lvar. A cntrári, ssa prtçã backup é sjávl rcmnaa [5]. Tnha m mnt u sinal rr rigina n VHL p ntrar m cnfli cm sinal rr UL m algumas situaçõs spcíficas. Cm xmpl, numa cniçã ilhamn u urant cniçõs carga lv cm lva nívl a crrnt carrgamn, grar p sr lva a um sta subxcitaçã; nss cas, UL vai nviar um sinal rr psitiv para pn sma AVR. st sinal vai aumntar a tnsã saía grar até u grar s afast a zna pribia subxcitaçã. Sn assim, a tnsã p atingir um nívl lva suficint para u limit vlt/hrtz sja ultrapassa VHL vai iniciar nvi um sinal rr ngativ para ruzir a tnsã. O rsulta ssa situaçã cnfli p sr uma scilaçã instávl na tnsã saía grar. C. Aspcs a Sbrtnsã A principal cntribuiçã um AVR é mantr cnstant a tnsã saía grar sb cniçõs nrmais praçã. Cntu, p crrr sbrtnsã transitória urant prturbaçõs n sistma. Na früência nminal, a prtçã vlt-hrtz cnstitui uma prtçã sbrtnsã; prvavlmnt, ssa é a razã pla ual a prtçã sbrtnsã grar nã é amplamnt usaa na América Nrt. Uma situaçã clássica é cas m u a sbrtnsã é snvlvia sm sr acmpanhaa sbrflux: ilhamn uma unia hirlétrica u a rjiçã suas cargas é nrmalmnt sguia pr uma lvaçã tnsã juntamnt cm a aclraçã a máuina. Lg, a única prtçã cntra strss ilétric a máuina é uma prtçã sbrtnsã tmp-invrs u uma tmprizaçã cnvncinal tmpfini. D. Aspcs a Prtçã Pra xcitaçã O principal bjtiv a prtçã pra xcitaçã ( lss-f-fil LOF cnsist m assgurar u uan grar ntrar na rgiã subxcitaçã nã crra uma invasã a caractrística LOF, cm a prvávl cnsüência abrtura grar. Dis tips crnaçã vm sr aui cnsiras: crnaçã stática (u rgim inâmica. A crnaçã m rgim crrspn à situaçã m u nã xistm prturbaçõs n sistma. A crnaçã inâmica crrspn à situaçã m u xist uma prturbaçã uan circui UL p prmitir u pn praçã grar infrinja s limits a rgiã pribia subxcitaçã numa bas transitória u tmprária.

13 3 Crnaçã m Rgim Iss é ftua através a crnaçã as caractrísticas LOF cm UL. Nst xmpl, assumims u SSSL manual é mais rstritiv u limit núcl frr fim star, cm crrria cm uma unia hirlétrica. Iss cnstitui pir cnári para a prtçã LOF. Limitarms a anális a rlé cnvncinal cm uas znas, ffst mh, rprsnta na Fig. 7. A crnaçã srá finia n plan P-Q. N xmpl,.6,.3.8. N plan R-, pn mais imprtant m rlaçã à crnaçã é pn a a Fig. 7, pis l srá mapa para a psiçã suprir n plan P-Q. Lmbrar u um pn n plan R- vai sr mapa m um pn n plan P-Q acr cm a sguint transfrmaçã: t r t x R(r,x PQ(, (36 r + x r + x Inicialmnt, assuma u a tnsã grar é t.. O pn a cm as crnaas (, - - / n plan R- crrspn a sguint pn A n plan P-Q: t R(, PQ(, PQ(,.568 (37 + A intrsçã SSSL manual cm ix vrtical é: PQ(, t PQ(,.65 (38 Cnfrm mstra na Fig. 8, a intrsçã a curva SSSL cm ix vrtical vai aumaticamnt sr mnr u pn A. Assumin u UL é implmnta através uma linha rta, a rspctiva uaçã é frncia pr (9 cm s ajusts mstras abaix, cnsiran u k k fram ajustas, caa ual, m : UP UV Q P t.95 P.483 t (39 UQ UQ A intrsçã sgmn UL cm ix vrtical é sclhia para sr 5% mair u pn A. A intrsçã sgmn UL cm ix hrizntal é sclhia arbitrariamnt m.. A Fig. 8 aprsnta a crnaçã glbal. As Figuras 9 3 mstram u frma a crnaçã é mantia uan a tnsã ns trminais grar é submtia a uma variaçã máxima 5% m rlaçã a su valr nminal. A caractrística UL mvn-s cm a tnsã t grar prmit mantr a crnaçã cm a caractrística LOF mapaa n plan P-Q u também s mv a msma frma cm a variaçã a tnsã. (pu Ohms / LOF- LOF a R (pu Ohms Fig. 7. Caractrísticas LOF para um rlé cnvncinal, ffst-mh, uas znas Q m PU.5 t..6.3 UL A SSSL - LOF P m PU Fig. 8. Crnaçã LOF UL para t. Q m PU.5 t UL SSSL A - LOF P m PU Fig. 9. Crnaçã LOF UL para t.95 Q m PU t UL A SSSL - LOF P m PU Fig. 3. Crnaçã LOF UL para t.5 Crnaçã Dinâmica Cnfrm scri n parágraf antrir, a crnaçã stática nã garant u UL vit u pn praçã

14 4 infrinja tmprariamnt as caractrísticas LOF urant uma prturbaçã n sistma. Tal vilaçã p lvar à abrtura a unia. Iss p crrr cm UL açã lnta, cujas cnstants tmp sã mui grans. A única frma vrificar a crnaçã inâmica auaa é através simulaçõs [3], [7].. Aspcs a Prtçã Pra Sincrnism A prtçã pra sincrnism grar rspn às prturbaçõs rsultants vns gran prt cm uma falta na linha u pra graçã. st tip prtçã v rcnhcr s uma scilaçã ptência subsünt é stávl. Nrmalmnt, a unia vai sr sligaa após a tcçã uma scilaçã instávl. Sistmas xcitaçã stática alta vlcia mlhram substancialmnt a stabilia transitória um sistma ptência, m muis cass, cntribum para a stabilia sistma, uan cmparas as sistmas xcitaçã cm tnsã cnstant u mns avanças. Prtan, principal impac sistma xcitaçã grar é na rspsta inâmica grar urant uma prturbaçã n sistma, cnsüntmnt, nas trajtórias as scilaçõs ptência. ssas trajtórias pm, pr sua vz, aftar s ajusts s rlés pra sincrnism. Tn m vista ssas cnsiraçõs, pms rurr u a mlagm sistma xcitaçã sja cmplta prcisa ants ftuar simulaçõs pra sincrnism usan prgramas cm MTP u Prgramas stabilia Transitória ( Transint Stability Prgrams. VI. CONCLUSÕS. Os limitars incrpras n AVR grar nã ã trip na unia, mas vitam u grar pr nas znas trmicamnt prigsas para a máuina.. Um limitar subxcitaçã é nrmalmnt incrpra n AVR grar; ss limitar vita u grar pr na rgiã pribia subxcitaçã, nvian um sinal rr para AVR. st sinal rr, pr sua vz, aumnta a rfrência tnsã AVR frma u a tnsã saía grar sja aumntaa. Prtan, a cnsüência a açã UL é aumntar a tnsã saía grar. 3. Um limitar vlt/hrtz p sr incrpra n AVR grar. Quan slicita, l nrmalmnt nvia um sinal rr para AVR; cm cnsüência, a rfrência tnsã AVR é ruzia. Iss ruz a tnsã saía grar para trazr vlta a rlaçã vlt/hrtz a limit prmiti. O limitar vlt/hrtz nã mifica valr a früência u vlcia grar. 4. Um UL um limitar vlt/hrtz s põm. Um tm a tnência aumntar a tnsã saía grar, utr trabalha para ruzir ssa tnsã. Pm crrr situaçõs m u AVR nvia sinais rrs pss, rsultan m scilaçõs na tnsã saía grar. 5. Os limitars nrmalmnt incrpras n AVR nã funcinam n m manual praçã sistma xcitaçã grar. A prtçã crrspnnt srá rmvia a nã sr u xista um sistma rtaguara inpnnt AVR. O UL stará inprant n m manual pis l nrmalmnt nã tm um backup. 6. A ftuar a crnaçã a caractrística pra xcitaçã cm UL, lmbr-s u a crnaçã m rgim u stática nã garant uma crnaçã inâmica auaa. Um UL açã lnta p lvar à vilaçã a caractrística LOF urant uma prturbaçã n sistma. 7. Cniçõs pm sr graas m u s limits stabilia um grar cm um AVR pssam sr pirs u SSSL manual. m algumas situaçõs, a praçã manual p nunca crrr. O us SSSL manual ns stus prtçã v sr rvis ravalia. Técnicas simpls para btnçã s limits stabilia s sistmas graçã sã ncssárias vm sr snvlvias plas agências finiçã nrmas. VII. APÊNDIC A: PRINCÍPIOS D CÁLCULO DAS CONSTANTS O ml grar usa nst artig é msm a rfrência [3]. Assumin a sguint simplificaçã: sm nrlamns amrtcrs (u nrmalmnt aumnta fi amrtcimn, rsistência a armaura sprzaa, sm s trms ψ/t" nas uaçõs grar sm saturaçã, grar síncrn p sr mla usan as sguints - uaçõs: I +,, f t Fig. A. Sistma ptência lmntar I δ j I t I I j (- I j I Fig. A. Diagrama vrial circui ptência lmntar j I

15 5 i i ( csδ r ( csδ r T t + ψ T ψ i i + ( i T ( + + ( + r + ( + ( m a I f / t i sin δ r + sin δ r ( i f T M (s a I [ δ / t] f r + ( + ( + + ( + Para punas variaçõs as três variávis t, δ, as sguints rlaçõs pm sr rivaas: t δ s f 3 T T δ δ + s T Para pn praçã fini pr, P Q, as granzas rgim,,,, i i pm sr calculaas cm: P I p csδ csδ Q I 3 ( + I (Ip + i ( I (Ip + i sin δ Ip ( + [ I ( ] [ I ( ] I p I ( p + I + I ( I + I I p (I (I p p + I + I ( + I i As sis cnstants a 6 as três uaçõs antrirs u aparcm n ml sã finias cm [3]: T δ 3 4 T δ 5 3 t δ + + δ t 6 δ Rlaçã a variaçã ru létric pla variaçã ângul rr uan flux cncatna n ix fr cnstant Rlaçã a variaçã ru létric pla variaçã flux cncatna ix uan ângul rr fr cnstant Far impância. Fórmula mstraa uan a impância xtrna é uma ratância pura fi smagntizaçã a variaçã ângul rr Rlaçã a variaçã a tnsã ns trminais pla variaçã ângul rr cm cnstant, a tnsã prprcinal a flux cncatna ix ir Rlaçã a variaçã a tnsã ns trminais pla variaçã para ângul rr cnstant As sis cnstants, a 6, pm sr cmputaas matmaticamnt cm: + i sin δ 3 + sin δ + + csδ 4 i sin + δ csδ + 5 csδ sin VIII. APÊNDIC B: ROTINA PARA GRAR O LIMIT D STABILIDAD D UM GRADOR RGULADO USANDO A LINGUAGM MATLAB A listagm mstraa a sguir na linguagm MATLAB prmit a pltagm limit stabilia um grar cm um AVR usan mé aur basa na part ral s auvalrs a matriz A s rnan ngativa. A sr prcssaa a listagm, a rtina vai pltar limit stabilia u aparc na Fig. 3 cm um ganh AVR igual a. A aaptaçã a rtina para cas PSS é irta. δ

16 6 M3;T6;;T.5;.6;.55;p.3;.4;r;t.; m;k.;q-.;forw; whil (FORW ((FORW & (k >.; whil ((Q < 3 & (FORW ((k >. & (FORW PP(mk; PPP(m; if FORW Q-.; ls Q3; n Tst; whil ((Tst & (Q < 3 & (FORW ((Tst & (k >. & (FORW if FORW QQ+.; ls QQ-.; n tabs(t; IpP/t; IQ/t; srt((t+i*^+(ip*^; srt((t-ip*r-i*^+(ip*- I*r^; sin(t*ip*(+-r**(ip^+i^- t*i*r/(*; cs(/(**(t*(t+i*(-- Ip*r-**((Ip^+(I^; i(/*(ip*(t+i*-i*ip*; i(/*((ip^*+i*(t+i*; t*((t+i*/; i*; A(r^+(+p*(+; (*/A*(r*sin+(+p*cs+(i*/ A*((-p*(+*sin-r*(-p*cs; (r*/a+i*(+(+*(-p/a; 3/(+(+*(-p/A; 4(*(-p/A*((+*sin- r*cs; 5(/t*(/A*(r**sin+(+p**cs +(/t*(p/a*(r**cs- (+**sin; 6(/t*(- p*(+/a+(/t**(r/a; A3[ 377 ;-/M -/M ;-4/T - /(3*T /(T; -(*5/T -*6/T -/T]; H3ig(A3; xral(h3(,; xral(h3(,; x3ral(h3(3,; x4ral(h3(4,; Tst (x < & (x < & (x3 < & (x4 < ; n if FORW & Q >.8 mm-; kk-.; ls QQ(mQ; n mm+; if FORW kk+.; ls kk-.; n n FORW; n plt(pp,qq gri I. RFRÊNCIAS [] D. Rimrt, Prtctiv Rlaying fr Pwr Gnratin Systms, Bca Ran: CRC Prss, 6. [] P. unur, Pwr Systm Stability an Cntrl, Nw Yrk: McGraw- Hill, 994. [3] J. R. Ribr, Minimum xcitatin Limitr ffcts n Gnrar Rspns Systm Disturbancs, I Transactins n nrgy Cnvrsin, Vl. 6, N., març 99. [4] S. S. Chy an. M. ia, Unr xcitatin limitr an its rl in prvnting xcssiv synchrnus gnrar star n-cr hating, I Trans. Pwr Syst., vl. 5, n., pp. 95, fvrir. [5] Wrking Grup J5 f Pwr Systm Rlaying Cmmitt, Charls J. Mzina, Chairman, Crinatin f Gnrar Prtctin with Gnrar xcitatin Cntrl an Gnrar Capability, I PS Gnral Mting, Jun 7, Tampa, Fl. [6] S. B. Farnham an R. W. Swarthut, Fil xcitatin in rlatin machin an systm pratin, AI Trans., vl. 7, pt. III, n. 9, pp. 5 3, zmbr 953. [7] I Pwr nginring Scity, I Turial n th Prtctin f Synchrnus Gnrars, 95 TP. [8] Gui fr AC Gnrar Prtctin, I Stanar C37./D7, abril 6. [9] Ruirmnts fr Cylinrical Rr Synchrnus Gnrars, 989. ANSI St. C

17 7 [] Stanar fr Ruirmnts fr Salint-Pl Synchrnus Gnrars an Gnrar/Mrs fr Hyraulic Turbin Applicatins, 98. ANSI St. C [] I Rcmmn Practic fr xcitatin Systm Mls fr Pwr systm Stability Stuis, I stanar [] I Task Frc n xcitatin Limitrs, Unrxcitatin Limitr Ml fr Pwr Systm Stability stuis, I Trans. On nrgy Cnvrsin, Vl., N. 3, stmbr 995. [3] F. P. DMll an C. Cncria, Cncpts f synchrnus machin stability as affct by xcitatin cntrl, I Trans. Pwr App. Syst., vl. PAS 88, N. 4, pp , abril 969. [4] C.. Stharaman, S. P. Vrma, an A. M. l-srafi, Opratin f synchrnus gnrars in th asynchrnus m, I Trans. Pwr App. Syst., vl. PAS 93, pp , 974. [5] C. R. Masn, A nw lss f xcitatin rlay fr synchrnus gnrars, AI Trans., vl. 68, pt. II, pp. 4 45, 949. [6] J. Bry, Lss-f xcitatin prtctin fr mrn synchrnus gnrars, Gnral lctric C. Dcumnt GR-383. [7] R. Sanval, A. Guzmán, H. J. Altuv, Dynamic simulatins hlp imprv gnrar prtctin, 33r Annual Wstrn Prtctiv Rlay Cnfrnc, Spkan, WA, 7-9 utubr, 6. [8] Carsn W. Taylr, Pwr Systm Vltag Stability, McGraw Hill Intrnatinal itins 994. [9] Th MathWrks, MATLAB Th languag f Tchnical Cmputing, Using MATLB, Vrsin 6, nvmbr.. BIOGRAFIA Gabril Bnmuyal, P.., rcbu su B.A.Sc. m ngnharia létrica su M.A.Sc m ngnharia Cntrl pla cl Plytchniu, Univrsité Mntrál, Canaá, m , rspctivamnt. m 969, l cmçu a trabalhar na Hyr-Québc cm spcialista m Instrumntaçã Cntrl. Trabalhu m ifrnts prjs na ára sistmas cntrl substaçã cntrs spach. m 978, fi para a IRQ, n sua principal ára trabalh fi a aplicaçã técnicas igitais micrprcssars para sistmas prtçã cntrl substaçõs transmissã graçã. m 997, l ingrssu na Schwitzr nginring Labraris, Inc. na psiçã ngnhir Psuisas. É ngnhir prfissinal cm rgistr na Prvíncia Québc, é mmbr sênir I atn a Pwr Systm Rlaying Cmmitt s mai 989. l tém mais sis patnts é aur c-aur ivrss artigs técnics na ára prtçã cntrl sistmas ptência prcssamn sinais. 7 by Schwitzr nginring Labraris, Inc. Ts s iris rsrvas. 79 TP68-

Lista de Exercícios 4 Cálculo I

Lista de Exercícios 4 Cálculo I Lista d Ercícis 4 Cálcul I Ercíci 5 página : Dtrmin as assínttas vrticais hrizntais (s istirm) intrprt s rsultads ncntrads rlacinand-s cm cmprtamnt da funçã: + a) f ( ) = Ants d cmçar a calcular s its

Leia mais

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE Lógica Matmática Computacional - Sistma d Ponto Flutuant SISTEM DE PONTO FLUTUNTE s máquinas utilizam a sguint normalização para rprsntação dos númros: 1d dn * B ± 0d L ond 0 di (B 1), para i = 1,,, n,

Leia mais

Como se tornar fluente em Inglês em todas as áreas

Como se tornar fluente em Inglês em todas as áreas Cm s trnar flunt m Inglês m tdas as áras Tds s dias rcbms muits -mails pssas rm sabr pm fazr aprnr a falar ingls bm A fórmula xist sim funcina! Qur prvar iss dand minha própria xpriência cm aprndizad da

Leia mais

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T.

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T. Pêndulo Simpls Um corpo suspnso por um fio, afastado da posição d quilíbrio sobr a linha vrtical qu passa plo ponto d suspnsão, abandonado, oscila. O corpo o fio formam o objto qu chamamos d pêndulo. Vamos

Leia mais

3 Proposição de fórmula

3 Proposição de fórmula 3 Proposição fórmula A substituição os inos plos juros sobr capital próprio po sr um important instrumnto planjamnto tributário, sno uma rução lgal a tributação sobr o lucro. Nos últimos anos, a utilização

Leia mais

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem PSI-2432: Projto Implmntação d Filtros Digitais Projto Proposto: Convrsor d taxas d amostragm Migul Arjona Ramírz 3 d novmbro d 2005 Est projto consist m implmntar no MATLAB um sistma para troca d taxa

Leia mais

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita:

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita: Máquinas Térmicas Para qu um dado sistma raliz um procsso cíclico no qual rtira crta quantidad d nrgia, por calor, d um rsrvatório térmico cd, por trabalho, outra quantidad d nrgia à vizinhança, são ncssários

Leia mais

4.1 Método das Aproximações Sucessivas ou Método de Iteração Linear (MIL)

4.1 Método das Aproximações Sucessivas ou Método de Iteração Linear (MIL) 4. Método das Aproimaçõs Sucssivas ou Método d Itração Linar MIL O método da itração linar é um procsso itrativo qu aprsnta vantagns dsvantagns m rlação ao método da bisscção. Sja uma função f contínua

Leia mais

Dinâmica Longitudinal do Veículo

Dinâmica Longitudinal do Veículo Dinâmica Longitudinal do Vículo 1. Introdução A dinâmica longitudinal do vículo aborda a aclração frnagm do vículo, movndo-s m linha rta. Srão aqui usados os sistmas d coordnadas indicados na figura 1.

Leia mais

ASSUNTO Nº 4 POLARIDADE INSTANTÂNEA DE TRANSFORMADORES

ASSUNTO Nº 4 POLARIDADE INSTANTÂNEA DE TRANSFORMADORES ASSUNTO Nº 4 POLARIDADE INSTANTÂNEA DE TRANSFORMADORES 17 As associaçõs d pilhas ou batrias m séri ou parallo xigm o domínio d suas rspctivas polaridads, tnsõs corrnts. ALGUMAS SITUAÇÕES CLÁSSICAS (pilhas

Leia mais

AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE. azevedoglauco@unifei.edu.br

AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE. azevedoglauco@unifei.edu.br AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE Glauco José Rodrigus d Azvdo 1, João Zangrandi Filho 1 Univrsidad Fdral d Itajubá/Mcânica, Av. BPS, 1303 Itajubá-MG,

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA Sgurança Saúd do Trabalho ao su alcanc! NR-35 TRABALHO EM ALTURA PREVENÇÃO Esta é a palavra do dia. TODOS OS DIAS! PRECAUÇÃO: Ato ou fito d prvnir ou d s prvnir; A ação d vitar ou diminuir os riscos através

Leia mais

Desta maneira um relacionamento é mostrado em forma de um diagrama vetorial na Figura 1 (b). Ou poderia ser escrito matematicamente como:

Desta maneira um relacionamento é mostrado em forma de um diagrama vetorial na Figura 1 (b). Ou poderia ser escrito matematicamente como: ASSOCIAÇÃO EDUCACIONA DOM BOSCO FACUDADE DE ENGENHAIA DE ESENDE ENGENHAIA EÉICA EEÔNICA Disciplina: aboratório d Circuitos Elétricos Circuitos m Corrnt Altrnada EXPEIMENO 9 IMPEDÂNCIA DE CICUIOS SÉIE E

Leia mais

Definição de Termos Técnicos

Definição de Termos Técnicos Dfinição d Trmos Técnicos Eng. Adriano Luiz pada Attack do Brasil - THD - (Total Harmonic Distortion Distorção Harmônica Total) É a rlação ntr a potência da frqüência fundamntal mdida na saída d um sistma

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE SEÇÕES RETANGULARES DE CONCRETO ARMADO À FLEXÃO COMPOSTA NORMAL

DIMENSIONAMENTO DE SEÇÕES RETANGULARES DE CONCRETO ARMADO À FLEXÃO COMPOSTA NORMAL UNIVERSIDADE FEDERAL D RI GRANDE D SUL ESCLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENT DE ENGENHARIA CIVIL DIMENSINAMENT DE SEÇÕES RETANGULARES DE CNCRET ARMAD À FLEXÃ CMPSTA NRMAL AMÉRIC CAMPS FILH 014 SUMÁRI 1 AS SLICITAÇÕES

Leia mais

CONTINUIDADE A idéia de uma Função Contínua

CONTINUIDADE A idéia de uma Função Contínua CONTINUIDADE A idéia d uma Função Contínua Grosso modo, uma função contínua é uma função qu não aprsnta intrrupção ou sja, uma função qu tm um gráfico qu pod sr dsnhado sm tirar o lápis do papl. Assim,

Leia mais

INEC ESPECIALIZAÇÃO EM : GERÊNCIA CONTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITORIA TURMA III. Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 de Outubro.

INEC ESPECIALIZAÇÃO EM : GERÊNCIA CONTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITORIA TURMA III. Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 de Outubro. INEC AUDITRIA Prof. CLAUDECIR PATN ESPECIALIZAÇÃ EM : GERÊNCIA CNTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITRIA TURMA III 1 Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 utubro. CNTRLE - Concitos; - Auditoria Control Intrno; - Importância

Leia mais

9 Codificação de Canal: Códigos de Bloco Lineares

9 Codificação de Canal: Códigos de Bloco Lineares 9 Cfcaçã Canal: Cógs Blc Lnars Em capítuls antrrs stuáms cm alguma prfuna s s prlmas mas mprtants asscas a snh sstmas cmuncaçõs: prlma a cfcaçã fnt, prlma a transmssã nfrmaçã através canas russ. O prmr

Leia mais

Módulo II Resistores, Capacitores e Circuitos

Módulo II Resistores, Capacitores e Circuitos Módulo laudia gina ampos d arvalho Módulo sistors, apacitors ircuitos sistência Elétrica () sistors: sistor é o condutor qu transforma nrgia létrica m calor. omo o rsistor é um condutor d létrons, xistm

Leia mais

A prova tem como referência o Programa de PRÁTICAS DE CONTABILIDADE E GESTÃO do 12º Ano de Escolaridade.

A prova tem como referência o Programa de PRÁTICAS DE CONTABILIDADE E GESTÃO do 12º Ano de Escolaridade. Informação - Prova Equivalência à Frquência Práticas Contabilida Gstão Prova Equivalência à Frquência Práticas Contabilida Gstão Duração da prova: 120 minutos / 24.06.2013 12º Ano Escolarida Curso Tcnológico

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PONTIFÍI UNIERSIDDE TÓLI DE GOIÁS DEPRTMENTO DE MTEMÁTI E FÍSI Prfessres: Edsn az e Renat Medeirs EXERÍIOS NOT DE UL II Giânia - 014 E X E R Í I OS: NOTS DE UL 1. Na figura abaix, quand um elétrn se deslca

Leia mais

EC1 - LAB - CIRCÚITOS INTEGRADORES E DIFERENCIADORES

EC1 - LAB - CIRCÚITOS INTEGRADORES E DIFERENCIADORES - - EC - LB - CIRCÚIO INEGRDORE E DIFERENCIDORE Prof: MIMO RGENO CONIDERÇÕE EÓRIC INICII: Imaginmos um circuito composto por uma séri R-C, alimntado por uma tnsão do tipo:. H(t), ainda considrmos qu no

Leia mais

MÓDULO 4 4.8.1 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE ÁGUA, ESGOTO E OUTROS LÍQUIDOS

MÓDULO 4 4.8.1 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE ÁGUA, ESGOTO E OUTROS LÍQUIDOS MÓDULO 4 4.8.1 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE ÁGUA, ESGOTO E OUTROS LÍQUIDOS Normas Aplicávis - NBR 15.950 Sistmas para Distribuição d Água Esgoto sob prssão Tubos d politilno

Leia mais

V300 Séries. Excelente controle de temperatura para caminhões pequenos e furgões

V300 Séries. Excelente controle de temperatura para caminhões pequenos e furgões V300 Séris Exclnt control caminhõs pqus furgõs A obtr Exclnt smpnho Alta confiabili Manutnção fácil Montagm frontal ou tto Construção pacta séri ofrc ofrc xclnt xclnt AAAséri séri ofrc xclnt A séri ofrc

Leia mais

Coordenadas polares. a = d2 r dt 2. Em coordenadas cartesianas, o vetor posição é simplesmente escrito como

Coordenadas polares. a = d2 r dt 2. Em coordenadas cartesianas, o vetor posição é simplesmente escrito como Coordnadas polars Sja o vtor posição d uma partícula d massa m rprsntado por r. S a partícula s mov, ntão su vtor posição dpnd do tmpo, isto é, r = r t), ond rprsntamos a coordnada tmporal pla variávl

Leia mais

Propagação de sinais senoidais em um cabo coaxial

Propagação de sinais senoidais em um cabo coaxial Disipina: Ondas Prpaaçã Prf.: Dr. Airtn Rams Univrsidad d Estad d Santa Catarina Cntr d Ciênias Tnóias CCT Dpartamnt d Ennharia Eétria Labratóri d Etrmantism E-3 Prpaaçã d sinais snidais m um ab axia O

Leia mais

TIPOS DE GERADORES DE CC

TIPOS DE GERADORES DE CC ANOTAÇÕS D MÁQUINAS LÉTRICAS 17 TIPOS D GRADORS D CC S dfnm m função dos tpos d bobnas dos pólos. ssas bobnas, atravssadas pla corrnt d xctação, produzm a força magntomotrz qu produz o fluxo magnétco ndutor.

Leia mais

Como o voltímetro e o amperímetro são ideais, a resistência de terra no eletrodo de teste é calculada por:

Como o voltímetro e o amperímetro são ideais, a resistência de terra no eletrodo de teste é calculada por: Qustã nº a) Cm vltímtr amprímtr sã idais, a rsistência d trra n ltrd d tst é calculada pr: R x V/ I (valr: 8, pnts) b) Para rduzir a rsistência d trra, dvrã sr citadas duas ntr as sguints pssívis sluçõs:

Leia mais

Alteração da seqüência de execução de instruções

Alteração da seqüência de execução de instruções Iníci Busc d próxim Excut Prd Cicl busc Cicl xcuçã Prgrm Sqüênci instruçõs m mmóri Trdutr : Cmpilr X Intrprtr / Linkditr Cnvrt prgrm-fnt m prgrm bjt (lingugm máqui) Prgrm cmpil = mis rápi Prgrm Intrprt

Leia mais

SISTEMA NEBULOSO DE ARQUITETURA SIMPLIFICADA PARA CONTROLE DE TRAJETÓRIA E VELOCIDADE DE ROBÔS MÓVEIS

SISTEMA NEBULOSO DE ARQUITETURA SIMPLIFICADA PARA CONTROLE DE TRAJETÓRIA E VELOCIDADE DE ROBÔS MÓVEIS 8 a stmbro SISTEMA NEBULOSO DE ARQUITETURA SIMPLIFICADA PARA CONTROLE DE TRAJETÓRIA E VELOCIDADE DE ROBÔS MÓVEIS MÁRIO EDUARDO BORDON, MARCELO NICOLETTI FRANCHIN, JOSÉ EDUARDO COGO CASTANHO Dpartamnto

Leia mais

MÁQUINAS SÍNCRONAS PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO DAS MÁQUINAS ELÉTRICAS. Princípio de Funcionamento Aplicado ao Motor Elétrico

MÁQUINAS SÍNCRONAS PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO DAS MÁQUINAS ELÉTRICAS. Princípio de Funcionamento Aplicado ao Motor Elétrico PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO DAS MÁQUINAS ELÉTRICAS MÁQUINAS SÍNCRONAS Princípio d indução aplicado ao grador d tnsão Princípio d Funcionamnto Aplicado ao Motor Elétrico Princípio d Funcionamnto Aplicado

Leia mais

03-05-2015. Sumário. Campo e potencial elétrico. Energia potencial elétrica

03-05-2015. Sumário. Campo e potencial elétrico. Energia potencial elétrica Sumáio Unidad II Elticidad Magntismo 1- - Engia potncial lética. - Potncial lético. - Supfícis quipotnciais. Movimnto d cagas léticas num campo lético unifom. PS 22 Engia potncial lética potncial lético.

Leia mais

Prefácio. Gianfranco Vissani

Prefácio. Gianfranco Vissani Prfáci C zinhar é crtamnt criativia técnica, ma é também, brtu, cnvívi. Trata- uma cnvivência muit pcial, qu vai além a ma, qu acmpanha m ta a fa prparaçã, a clha inrint quan vai à cmpra u rv a hrta à

Leia mais

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom.

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom. 4 CONCLUSÕES Os Indicadors d Rndimnto avaliados nst studo, têm como objctivo a mdição d parâmtros numa situação d acsso a uma qualqur ára na Intrnt. A anális dsts indicadors, nomadamnt Vlocidads d Download

Leia mais

No N r o m r a m s a?

No N r o m r a m s a? Normas? EM ALGUMA CERÂMICA... NORMAS? O qu tnho a vr com isso? VENDAS NORMAS??? O qu é isso?...um clint dixou d fchar o pdido porqu o bloco não stava dntro das NORMAS... Grnt Produção...Uma carga d Blocos

Leia mais

Numeração. Classificação. Doenças Assunto. Seguro Público para Assistência Médica Tema. "Kenko Hoken" Seguro de Saúde. 1 Exemplos de Situações

Numeração. Classificação. Doenças Assunto. Seguro Público para Assistência Médica Tema. Kenko Hoken Seguro de Saúde. 1 Exemplos de Situações Numraçã 8-4-2 Nívl d cnsulta 3 Classificaçã Dnças Assunt Sgur Públic para Assistência Médica Tma "Knk Hkn" Sgur d Saúd 1 Exmpls d Situaçõs Estu trabalhand m uma mprsa japnsa. Dsj sabr s há algum sgur para

Leia mais

NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES

NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES HÉLIO BERNARDO LOPES Rsumo. Em domínios divrsos da Matmática, como por igual nas suas aplicaçõs, surgm com alguma frquência indtrminaçõs, d tipos divrsos, no cálculo d its, sja

Leia mais

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado.

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado. PSICROMETRIA 1 1. O QUE É? É a quantificação do vapor d água no ar d um ambint, abrto ou fchado. 2. PARA QUE SERVE? A importância da quantificação da umidad atmosférica pod sr prcbida quando s qur, dntr

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6 QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Discipli: Qualida Softwar Profa. : Kátia Lops Silva Slis adpatados do Prof. Ricardo Almida Falbo Tópicos Espciais Qualida Softwar 007/ Dpartamnto

Leia mais

, onde F n é uma força de tracção e d o alongamento correspondente. F n [N] -1000 -2000

, onde F n é uma força de tracção e d o alongamento correspondente. F n [N] -1000 -2000 º Tst d CONTROLO DE SISTEMS (TP E PRO) Licciatura m Eg.ª Mcâica Prof. Rsposávl: Pdro Maul Goçalvs Lourti d bril d 00 º Smstr Duração: hora miutos. Tst com cosulta. Rsolução. Cosidr o sistma rprstado a

Leia mais

Resolução. Admitindo x = x. I) Ax = b

Resolução. Admitindo x = x. I) Ax = b Considr uma população d igual númro d homns mulhrs, m qu sjam daltônicos % dos homns 0,% das mulhrs. Indiqu a probabilidad d qu sja mulhr uma pssoa daltônica slcionada ao acaso nssa população. a) b) c)

Leia mais

Melhoria contínua da qualidade do ensino

Melhoria contínua da qualidade do ensino 1. OBJETIVO Est procdimnto visa normalizar as ativis snvolvis no âmbito mlhoria contínua quali do nsino dos cursos ministrados na Escola Naval (EN). 2. CAMPO DE APLICAÇÃO O prsnt procdimnto é aplicávl

Leia mais

Origem dos Jogos Olímpicos

Origem dos Jogos Olímpicos Natal, RN / /04 ALUNO: Nº SÉRIE/ANO: TURMA: TURNO: DISCIPLINA: TIPO DE ATIVIDADE: Profssor: TESTE º Trimstr º M INSTRUÇÕES: Vrifiqu s sua avaliação contém 6 qustõs ( objtivas 04 discursivas). Caso haja

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE DE VALORES EXTREMOS DA PRECIPITAÇÃO MÁXIMA DE 24 HORAS DE BELÉM DO PARÁ

DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE DE VALORES EXTREMOS DA PRECIPITAÇÃO MÁXIMA DE 24 HORAS DE BELÉM DO PARÁ DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE DE VALORES ETREMOS DA MÁIMA DE 24 HORAS DE BELÉM DO PARÁ Mauro Mndonça da Silva Mstrando UFAL Mació - AL -mail: mmds@ccn.ufal.br Ant Rika Tshima Gonçalvs UFPA Blém-PA -mail:

Leia mais

Modelo de Oferta e Demanda Agregada (OA-DA)

Modelo de Oferta e Demanda Agregada (OA-DA) Modlo d Ofrta Dmanda Agrgada (OA-DA) Lops Vasconcllos (2008), capítulo 7 Dornbusch, Fischr Startz (2008), capítulos 5 6 Blanchard (2004), capítulo 7 O modlo OA-DA xamina as condiçõs d quilíbrio dos mrcados

Leia mais

66 (5,99%) 103 (9,35%) Análise Combinatória 35 (3,18%)

66 (5,99%) 103 (9,35%) Análise Combinatória 35 (3,18%) Distribuição das 0 Qustõs do I T A 9 (8,6%) 66 (,99%) Equaçõs Irracionais 09 (0,8%) Equaçõs Exponnciais (,09%) Conjuntos 9 (,6%) Binômio d Nwton (,9%) 0 (9,%) Anális Combinatória (,8%) Go. Analítica Funçõs

Leia mais

Edital de seleção de candidatos para o Doutorado em Matemática para o Período 2015.2

Edital de seleção de candidatos para o Doutorado em Matemática para o Período 2015.2 ] Univrsidad Fdral da Paraíba Cntro d Ciências Exatas da Naturza Dpartamnto d Matmática Univrsidad Fdral d Campina Grand Cntro d Ciências Tcnologia Unidad Acadêmica d Matmática Programa Associado d Pós-Graduação

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos N N s U 11.033, npu U 10.865, U 9.779, U U Prsidência Rpública Casa Civil Subchfia para ssunts Jurídics HULEI NU DE 21 DE DEZEMBR DE 2004.UH ltra a tributaçã d mrcad financir capitais; institui Rgim Tributári

Leia mais

PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE ILUMINÂNCIA DE EXTERIORES

PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE ILUMINÂNCIA DE EXTERIORES PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE ILUMINÂNCIA DE EXTERIORES Rodrigo Sousa Frrira 1, João Paulo Viira Bonifácio 1, Daian Rznd Carrijo 1, Marcos Frnando Mnzs Villa 1, Clarissa Valadars Machado 1, Sbastião Camargo

Leia mais

03/04/2014. Força central. 3 O problema das forças centrais TÓPICOS FUNDAMENTAIS DE FÍSICA. Redução a problema de um corpo. A importância do problema

03/04/2014. Força central. 3 O problema das forças centrais TÓPICOS FUNDAMENTAIS DE FÍSICA. Redução a problema de um corpo. A importância do problema Força cntral 3 O problma das forças cntrais TÓPICOS FUNDAMENTAIS DE FÍSICA Uma força cntralé uma força (atrativa ou rpulsiva) cuja magnitud dpnd somnt da distância rdo objto à origm é dirigida ao longo

Leia mais

Instruções para uma impressora conectada localmente no Windows

Instruções para uma impressora conectada localmente no Windows Página 1 6 Guia Conxão Instruçõs para uma imprssora ontaa loalmnt no Winows Nota: Ao instalar uma imprssora ontaa loalmnt, s o sistma opraional não for suportao plo CD Softwar Doumntação, o Assistnt para

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia

PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Profa. Maria Antônia C. Gouvia 1. A Editora Progrsso dcidiu promovr o lançamnto do livro Dscobrindo o Pantanal m uma Fira Intrnacional

Leia mais

Série V300. Excelente controle de temperatura para caminhões pequenos e furgões

Série V300. Excelente controle de temperatura para caminhões pequenos e furgões Séri V300 Exclnt control para caminhõs pqunos furgõs A solução para obtr Exclnt smpnho Alta confiabilida Fácil manutnção Montagm frontal ou no tto Construção compacta AEssa sérilinha V-300 ofrc uma xclnt

Leia mais

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO 8 Expriência n 1 Lvantamnto da Curva Caractrística da Bomba Cntrífuga Radial HERO 1. Objtivo: A prsnt xpriência tm por objtivo a familiarização do aluno com o lvantamnto d uma CCB (Curva Caractrística

Leia mais

Aula 03 Circuitos CA

Aula 03 Circuitos CA Campus I Jã Pessa Disciplina: Análise de Circuits Curs Técnic Integrad em Eletrônica Prfª: Rafaelle Felician 1. Elements de Circuits n dmíni de Fasres Intrduçã Para cmpreender a respsta de dispsitivs básics

Leia mais

Transformadores. Transformadores 1.1- INTRODUÇÃO 1.2- PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO

Transformadores. Transformadores 1.1- INTRODUÇÃO 1.2- PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO Transfrmadres 1.1- INTRODUÇÃO N estud da crrente alternada bservams algumas vantagens da CA em relaçã a CC. A mair vantagem da CA está relacinada cm a facilidade de se elevar u abaixar a tensã em um circuit,

Leia mais

NESS-A TOUCH SCREEN 7" C/ MODEM

NESS-A TOUCH SCREEN 7 C/ MODEM 6 7 8 9 0 QUIPMNTOS ONTROLOS OMPRSSOR LTRNTIVO // LTRÇÃO LYOUT-IM MUTI PR SOPOST OTÃO MRÊNI LLN9 0 07/0/ LTRÇÃO O MOM O LYOUT LOUV 7 0 06// INLUSÃO O ORINTTIVO O LÇO OMUNIÇÃO IO V. 00 8/0/ INIIL TOS R.

Leia mais

Escola Básica e Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva

Escola Básica e Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva Escla Básica Scdária Dr. Âgl Agst da Silva Tst d MATEMÁTIA A º A Draçã: 9 mits Març/ 3 Nm Nº T: lassificaçã O Prf. (Lís Abr) ª PARTE Para cada ma das sgits qstõs d sclha múltipla, slci a rspsta crrta d

Leia mais

A DERIVADA DE UM INTEGRAL

A DERIVADA DE UM INTEGRAL A DERIVADA DE UM INTEGRAL HÉLIO BERNARDO LOPES Rsumo. O cálculo o valor a rivaa um ingral ocorr com cra frquência na via profissional físicos, químicos, ngnhiros, conomisas ou biólogos. É frqun, conuo,

Leia mais

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis.

Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis. 18/05/12 Anvisa - Lgislação - Portarias Lgislação Para vrificar a atualização dsta norma, como rvogaçõs ou altraçõs, acss o Visalgis. Portaria n º 27, d 13 d janiro d 1998 A Scrtária d Vigilância Sanitária,

Leia mais

Estudo da Transmissão de Sinal em um Cabo co-axial

Estudo da Transmissão de Sinal em um Cabo co-axial Rlatório final d Instrumntação d Ensino F-809 /11/00 Wllington Akira Iwamoto Orintador: Richard Landrs Instituto d Física Glb Wataghin, Unicamp Estudo da Transmissão d Sinal m um Cabo co-axial OBJETIVO

Leia mais

OFICINA 9-2ºSementre / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Professores: Edu Vicente / Gabriela / Ulício

OFICINA 9-2ºSementre / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Professores: Edu Vicente / Gabriela / Ulício OFICINA 9-2ºSmntr / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Profssors: Edu Vicnt / Gabrila / Ulício 1. (Enm 2012) As curvas d ofrta d dmanda d um produto rprsntam, rspctivamnt, as quantidads qu vnddors

Leia mais

Física Geral I F -128. Aula 6 Força e movimento II

Física Geral I F -128. Aula 6 Força e movimento II Física Gral I F -18 Aula 6 Força movimnto II Forças Fundamntais da Naturza Gravitacional Matéria ( 1/r ) Eltromagné7ca ( 1/r ) Cargas Elétricas, átomos, sólidos Nuclar Fraca Dcaimnto Radioa7vo bta Nuclar

Leia mais

ELETRICIDADE E MAGNETISMO

ELETRICIDADE E MAGNETISMO PONIFÍCIA UNIVERSIDADE CAÓLICA DE GOIÁS DEPARAMENO DE MAEMÁICA E FÍSICA Prfessres: Edsn Vaz e Renat Medeirs ELERICIDADE E MAGNEISMO NOA DE AULA II Giânia 2014 1 ENERGIA POENCIAL ELÉRICA E POENCIAL ELÉRICO

Leia mais

Planejamento de capacidade

Planejamento de capacidade Administração da Produção Opraçõs II Planjamnto d capacidad Planjamnto d capacidad Planjamnto d capacidad é uma atividad crítica dsnvolvida parallamnt ao planjamnto d matriais a) Capacidad insuficint lva

Leia mais

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa D. alternativa B. Dados: calor específico do gelo (água no estado sólido)...

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa D. alternativa B. Dados: calor específico do gelo (água no estado sólido)... Questã 46 A partir de um bjet real de altura H, dispst verticalmente diante de um instrument óptic, um artista plástic necessita bter uma imagemcnjugadadealturaigualah.nesse cas, dependend das cndições

Leia mais

Vedação. Climatécnica CONJUNTOS DE GRELHA E FILTRO LINHA PFA 10.000 - IV GERAÇÃO. em poliuretano

Vedação. Climatécnica CONJUNTOS DE GRELHA E FILTRO LINHA PFA 10.000 - IV GERAÇÃO. em poliuretano Climatécnica CONJUNTOS DE GRELHA E FILTRO LINHA PFA 10.000 - IV GERAÇÃO SISTEMA DE PROTEÇÃO INSTALAÇÃO RÁPIDA INSTALAÇÃO SEM USAR FERRAMENTA Corpo injtado m trmoplástico auto-xtinguívl (UL94V0). progrssivo

Leia mais

Criando Valor para o Negócio com a Solução SAP para Gestão de Capital Humano

Criando Valor para o Negócio com a Solução SAP para Gestão de Capital Humano Crian Valor o Ngócio a SAP Gstão Capital Hno Grans Grans Dsafi Dsafi na na Gstão Gstão Rcurs Rcurs Hn Hn Gstão Talnt Gstão Talnt Atrair rtr o talnto quan o mrca é Atrair Atrair Atrair rtr rtr rtr talnto

Leia mais

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6. Moda, Prços Taxa d Câmbio no Longo Prazo 6. Moda, Prços Taxa d Câmbio no Longo Prazo 6.1. Introdução 6.3. Taxas d Câmbio ominais Rais 6.4. O Princípio da Paridad dos Podrs d Compra Burda & Wyplosz,

Leia mais

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 3: Gerador síncrono. Exercícios

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 3: Gerador síncrono. Exercícios ET720 Sistemas de Energia Elétrica I Capítulo 3: Gerador síncrono Exercícios 3.1 Dois geradores síncronos estão montados no mesmo eixo e devem fornecer tensões em 60 Hz e 50 Hz, respectivamente. Determinar

Leia mais

S is tem a de G es tã o da Qua lida de. S egura n ça do T ra ba lho

S is tem a de G es tã o da Qua lida de. S egura n ça do T ra ba lho S is tm a d G s tã o da Qua lida d S gura n ça do T ra ba lho G s tã o da Qua lida d I n t r n a ti o n a l O r g a n i za ti o n fo r S ta n d a r d i za ti o n (I S O ) Organização Normalização. Intrnacional

Leia mais

Encontro na casa de Dona Altina

Encontro na casa de Dona Altina Ano 1 Lagdo, Domingo, 29 d junho d 2014 N o 2 Encontro na casa d Dona Altina Na última visita dos studants da UFMG não foi possívl fazr a runião sobr a água. Houv um ncontro com a Associação Quilombola,

Leia mais

======================== Œ œ»» Œ C7 ˆ_ ««G 7

======================== Œ œ»» Œ C7 ˆ_ ««G 7 1) É tã bnit n tr (ntrd) cminh cm Jesus (Miss d Temp mum cm crinçs) & 2 4 m œ É tã b ni t n_ tr me s s gr d, & œ t h brn c, ve ce s. & _ Mis s vi c me çr n ns s_i gre j; _u & j im c ris ti cm e gri, v

Leia mais

ANEXO V SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

ANEXO V SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AEXO V SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPEHO 1. ÍDICES DE AVALIAÇÃO O Sistma d Avaliação d Dsmpnho stá struturado para a avaliação das prmissionárias, d acordo com os sguints índics grais spcíficos constants

Leia mais

A ferramenta de planeamento multi

A ferramenta de planeamento multi A frramnta d planamnto multi mdia PLANVIEW TELEVISÃO Brv Aprsntação Softwar d planamnto qu s basia nas audiências d um príodo passado para prvr asaudiências d um príodo futuro Avrsatilidad afacilidad d

Leia mais

MAN 66-10 (cód. 0108.353.004) 1.363, 00. Armário frigorífico de conservação. MAB 66-10 (cód. 0106.353.005) 1.589, 00

MAN 66-10 (cód. 0108.353.004) 1.363, 00. Armário frigorífico de conservação. MAB 66-10 (cód. 0106.353.005) 1.589, 00 Armáris Armáris d cnsrvaçã Intrir xtrir m aç inxidávl; islamnt m pliurtan injctad a alta prssã, sm CFC s; sistma d vntilaçã cm vapradr instalad nas cstas; frmas xtrirs cants intrirs arrdndads; juntas magnéticas

Leia mais

CAPÍTULO 2 RETIFICADORES A DIODO 2.1 - RETIFICADOR MONOFÁSICO DE MEIA ONDA A DIODO

CAPÍTULO 2 RETIFICADORES A DIODO 2.1 - RETIFICADOR MONOFÁSICO DE MEIA ONDA A DIODO Cap. etificadres a Did 7 CAPÍTUO ETFCADOES A DODO. ETFCADO MONOFÁSCO DE MEA ONDA A DODO a) Carga esistia Pura (Figura.) () D D Fig.. etificadr mnfásic de meia nda cm carga resistia. Onde: ( ) sen( ) sen(

Leia mais

CAPÍTULO 06 ESTUDOS DE FILAS EM INTERSEÇÕES NÃO SEMAFORIZADAS

CAPÍTULO 06 ESTUDOS DE FILAS EM INTERSEÇÕES NÃO SEMAFORIZADAS APÍTULO 06 ESTUDOS DE FILAS EM INTERSEÇÕES NÃO SEMAFORIZADAS As filas m intrsçõs não smaforizadas ocorrm dvido aos movimntos não prioritários. O tmpo ncssário para ralização da manobra dpnd d inúmros fators,

Leia mais

Capitulo 4 Resolução de Exercícios

Capitulo 4 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO i Taxa Proporcioal ou quivalt (juros simpls) i k Taxas Equivalts (juros compostos) 3 i i i i i i i 4 6 360 a s q t b m d Taxa Eftiva Nomial k i i p ao príodo d capitalização ; i k Taxa Ral Taxa

Leia mais

A distribuição Beta apresenta

A distribuição Beta apresenta Prof. Lorí Viali, Dr. viali@pucrs.br http://www.pucrs.br/famat/viali/ Bta Cauchy Erlang Exponncial F (Sndkor) Gama Gumbl Laplac Logística Lognormal Normal Parto Qui-quadrado - χ Studnt - t Uniform Wibull

Leia mais

Classificação Periódica dos Elementos

Classificação Periódica dos Elementos Classificação Periódica dos Elementos 1 2 3 1 Massa atômica relativa. A incerteza no último dígito é 1, exceto quando indicado entre parênteses. Os valores com * referemse Número Atômico 18 ao isótopo

Leia mais

Apenas 5% dos Brasileiros sabem falar Inglês

Apenas 5% dos Brasileiros sabem falar Inglês Apns 5% ds Brsilirs sb flr Inglês D crd cm um lvntmnt fit pl British Cncil pns 5% d ppulçã sb fl r Dvs lbrr stms épcs pré-vnts sprtivs s lhs d mund td cmçm s vltr cd vz mis pr Brsil pr iss nã bst dminr

Leia mais

Proposta de Resolução do Exame Nacional de Física e Química A 11.º ano, 2011, 1.ª fase, versão 1

Proposta de Resolução do Exame Nacional de Física e Química A 11.º ano, 2011, 1.ª fase, versão 1 Proposta d Rsolução do Exam Nacional d ísica Química A 11.º ano, 011, 1.ª fas, vrsão 1 Socidad Portugusa d ísica, Divisão d Educação, 8 d Junho d 011, http://d.spf.pt/moodl/ 1. Movimnto rctilíno uniform

Leia mais

FASE - ESCOLA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO

FASE - ESCOLA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO FASE - ESCOLA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO CRONOGRAMA ÍNDICE FASES DATAS APURAMENTOS LOCAL 4 alunos por scola 1. Introdução...2 1ª fas Escolas 2ª fas Distrital Até 11 d Janiro 1 ou 2 d Fvriro 2 do sxo fminino

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina

Universidade Estadual de Londrina Univrsidad Estadual d Londrina RODRIGO AUGUSTO MODESTO MÉTODO DE COMPENSAÇÃO ATIVA DE POTÊNCIA APLICADO A UM FILTRO ATIVO PARALELO MONOFÁSICO LONDRINA 2007 RODRIGO AUGUSTO MODESTO MÉTODO DE COMPENSAÇÃO

Leia mais

turismo corporate negócio noronha roma seul garopaba brasília são lu gramado brasília são paulo recife natal tóquio lisboa rio de janeiro capadócia

turismo corporate negócio noronha roma seul garopaba brasília são lu gramado brasília são paulo recife natal tóquio lisboa rio de janeiro capadócia brlim sã l brlim santg rcif curi sul punta dl st rma sul nrnha r rcif rcif garpabacapa nrnha mntvidéu r barilch punta dl st mació sã paul mació sul capadóc r mnt SUPER sã l ngóci gramad turism FÉRIAS crprat

Leia mais

Os antigos gregos acreditavam que quanto maior fosse a massa de um corpo, menos tempo ele gastaria na queda. Será que os gregos estavam certos?

Os antigos gregos acreditavam que quanto maior fosse a massa de um corpo, menos tempo ele gastaria na queda. Será que os gregos estavam certos? Lançament vertical e queda livre Se sltarms a mesm temp e da mesma altura duas esferas de chumb, uma pesand 1 kg e utra kg, qual delas chegará primeir a chã? Os antigs gregs acreditavam que quant mair

Leia mais

INSTRUÇÕES. Os formadores deverão reunir pelo menos um dos seguintes requisitos:

INSTRUÇÕES. Os formadores deverão reunir pelo menos um dos seguintes requisitos: INSTRUÇÕES Estas instruçõs srvm d orintação para o trino das atividads planadas no projto Europu Uptak_ICT2lifcycl: digital litracy and inclusion to larnrs with disadvantagd background. Dvrão sr usadas

Leia mais

Augusto Massashi Horiguti. Doutor em Ciências pelo IFUSP Professor do CEFET-SP. Palavras-chave: Período; pêndulo simples; ângulos pequenos.

Augusto Massashi Horiguti. Doutor em Ciências pelo IFUSP Professor do CEFET-SP. Palavras-chave: Período; pêndulo simples; ângulos pequenos. DETERMNAÇÃO DA EQUAÇÃO GERAL DO PERÍODO DO PÊNDULO SMPLES Doutor m Ciências plo FUSP Profssor do CEFET-SP Est trabalho aprsnta uma rvisão do problma do pêndulo simpls com a dmonstração da quação do príodo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE ENGENHARIA ELÉTRICA E DE COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE ENGENHARIA ELÉTRICA E DE COMPUTAÇÃO UNVERSDADE FEDERAL DE GOÁS ESCOLA DE ENGENHARA ELÉTRCA E DE COMPUTAÇÃO Cálculo d potências aparnt, ativa, não ativa indicadors d distorção dsbalanço, fator d potência sgundo Buchholz-Goodhu EEE Standard

Leia mais

01. A equação de Clapeyron, válida para os gases ideais ou perfeitos, é dada pela expressão . Utilizando a análise dimensional,

01. A equação de Clapeyron, válida para os gases ideais ou perfeitos, é dada pela expressão . Utilizando a análise dimensional, FÍSCA 0. A quaçã d Clapyn, válida paa s ass idais u pfits, é dada pla xpssã pv nrt. Utilizand a anális dimnsinal, a dimnsã da cnstant univsal ds ass pfits R é A) ML TNθ -. ) MLT - N - θ -. D) ML T - N

Leia mais

Daniela Monteiro Braga. Planejamento e análise de estudos de bioequivalência: comparação de delineamentos do tipo cross-over

Daniela Monteiro Braga. Planejamento e análise de estudos de bioequivalência: comparação de delineamentos do tipo cross-over Danila Montiro Braga Planjamnto anális stuos bioquivalência: comparação linamntos o tipo cross-ovr Blo Horizont MG Stmbro/008 Danila Montiro Braga Planjamnto anális stuos bioquivalência: comparação linamntos

Leia mais

Politiska riktlinjer, avsnitt 2 En stنndigt f rنnderlig vنrld

Politiska riktlinjer, avsnitt 2 En stنndigt f rنnderlig vنrld Politiska riktlinjer, avsnitt 2 En stنndigt f rنnderlig vنrld i~éé هê pلا o~ا cêëن~ضëëي نن~êة aلëيêلâي vêâ~هاة cêةاê~ض~هاةë êâ~هاة M m~êيلëي êةنëةه _لر~ننيلننâ~éليةنOلêلâينلهàةêه~ T OT _لر~نن _لر~نن نêا~ضOEâ~éليةنOFKاçإ

Leia mais

O que são dados categóricos?

O que são dados categóricos? Objtivos: Dscrição d dados catgóricos por tablas gráficos Tst qui-quadrado d adrência Tst qui-quadrado d indpndência Tst qui-quadrado d homognidad O qu são dados catgóricos? São dados dcorrnts da obsrvação

Leia mais

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Física e Química A Prova Escrita

Leia mais

Questão 48. Questão 46. Questão 47. Questão 49. alternativa A. alternativa B. alternativa C

Questão 48. Questão 46. Questão 47. Questão 49. alternativa A. alternativa B. alternativa C Questã 46 O ceficiente de atrit e índice de refraçã sã grandezas adimensinais, u seja, sã valres numérics sem unidade. Iss acntece prque a) sã definids pela razã entre grandezas de mesma dimensã. b) nã

Leia mais

Tabela 1 - Índice de volume de vendas no comércio varejista (Número índice)

Tabela 1 - Índice de volume de vendas no comércio varejista (Número índice) PESQUISA MENSAL DO COMÉRCIO JULHO DE 2012 A psquisa mnsal do comércio, ralizada plo IBGE, rgistrou um crscimnto positivo d 1,36% no comparativo com o mês d julho d 2012 para o volum d vndas varjista. Podmos

Leia mais

Ganchos Haste Crosby

Ganchos Haste Crosby Hks.fm Page 26 Wednesday, August 1, 2007 4:03 PM Ganchs Haste Crsby S-319 / S319N www.thecrsbygrup.cm Os ganchs sã incrpras cm marcações frjadas n prdut e duas (2) características QUIC-CHECK. Indicares

Leia mais

CURSO NOVA NBR 5419 Proteção contra Descargas Atmosféricas

CURSO NOVA NBR 5419 Proteção contra Descargas Atmosféricas CURSO NOVA NBR 5419 Prteçã cntra Descargas Atmsféricas Públic alv: Engenheirs eletricistas e eletrônics, técnics em eletricidade, prje6stas de sistemas elétrics, eletrônics, de telecmunicações e de cntrle

Leia mais