Pesquisa Conjuntural. Comércio Varejista do Distrito Federal

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pesquisa Conjuntural. Comércio Varejista do Distrito Federal"

Transcrição

1 Pesquisa Conjuntural Comércio Varejista do Distrito Federal Outubro 2010 Aderente a Metodologia Nacional CNC/IBGE SCS Qd. 06 Ed. Jessé Freire, 6º Andar CEP: Brasília-DF - Fone: (61) Fax: (61)

2 Índice Resumo dos Indicadores 2 Identificação 3 Objetivo 3 Considerações 3 Metodologia 3 Resultados 5 Periodicidade da pesquisa 5 Desempenho de Vendas 6 Evolução do Emprego 9 Opções de Pagamento 12 Metodologia - Desempenho de Vendas 14 Metodologia - Evolução do emprego 15 Metodologia - Opções de pagamento 16 Expediente 17 1

3 Resumo dos Indicadores Em 2010, o mês de outubro apresentou aumento de 4,38% nas vendas do comércio varejista do Distrito Federal, isto quando a comparação é feita com o mês anterior, setembro de Na comparação com o mesmo período do ano anterior, o indicador Out10 x Out09, ocorreu aumento, medido em 15,52%. Os segmentos de vestuário e revendedoras de veículos apresentaram os maiores aumentos, e ambos medidos em 11,69%, na comparação com o mês anterior. Segmento Variação das Vendas entre Out/10 e Set/10. Acumulado de Vendas em 2010 Variação do Emprego entre Out/10 e Set/10. Comércio em Geral 4,38% 8,75% 3,52% Em Out/10 o índice que mede a mão-de-obra empregada no setor de comércio apresentou variação positiva em relação a Set/10, medido em 3,52%. Nível de Emprego ago/10 set/10 out/10 x x x jul/10 ago/10 set/10 Comércio em Geral 0,88% 1,06% 3,52% Nesta pesquisa, o indicador para representatividade das formas de pagamento, iniciou em Jan2010 uma nova série histórica, com a atualização dos itens questionados ao lojista, destaque para pagamento com cartões que representaram 49,07% das vendas realizadas (excluindo revenda de veículos) neste mês de Outubro. out/10 set/10 ago/10 jul/10 jun/10 mai/10 Distribuição percentual do faturamento entre as formas de pagamento Excluindo revenda de veículos Outros 3,72% A prazo 14,49% Avista 32,72% Cartões 49,07% Outros 3,42% A prazo 13,34% Avista 33,14% Cartões 50,10% Outros 3,80% A prazo 14,05% Avista 32,94% Cartões 49,20% Outros 3,98% A prazo 14,66% Avista 33,70% Cartões 47,66% Outros 4,75% A prazo 13,79% Cartões 45,08% Avista 36,38% Outros 3,50% A prazo 14,73% Cartões 45,35% Avista 36,42% 0,00% 10,00% 20,00% 30,00% 40,00% 50,00% 60,00% 2

4 Identificação Pesquisa Conjuntural do Comércio Varejista do Distrito Federal Metodologia Nacional CNC/IBGE. Objetivo O projeto tem como objeto a avaliação conjuntural das flutuações ocorridas no desempenho de vendas, nível de emprego e formas de pagamento no Distrito Federal. Estes três indicadores, considerando dados históricos, têm a capacidade de aferir as principais mudanças ocorridas por forças de influências macro econômico, de legislação e efeitos sazonais. Considerações A importância do setor comércio no desenvolvimento econômico regional e a identificação dos segmentos de melhor e pior desempenho no comércio varejista é de fundamental importância para explicar e facilitar o entendimento das relações existentes entre o desempenho dos vários segmentos comerciais e as diferentes influências e seus níveis de intensidade atinge cada atividade. Os indicadores aferidos no Distrito Federal são compatibilizados com os de outras Federações do Comércio nos vários Estados e passam a integrar os indicadores consolidados em nível nacional da Confederação Nacional do Comércio CNC, que em parceria com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE, ajuda a compor os índices nacionais de desempenho do comércio varejista. Metodologia A Pesquisa Conjuntural do Comércio Varejista adota o levantamento de informações por meio de amostragem probabilística, estratificada, que permite a adesão de um painel de empresas, cujos índices obtidos são acompanhados por um período mínimo de um ano. Estas empresas são as fontes de informações para a elaboração dos indicadores de desempenho do comércio. 3

5 Todos os dados financeiros coletados são deflacionados pelo IPCA nacional, que é também a medida utilizada na metodologia nacional compatibilizada, e que comporão os números na formação de indicadores de variação abordados na pesquisa. Todos os dados coletados sofrem uma crítica de consistência de 100% e o resultado obtido por cada entrevistador é checada na proporção de no mínimo 20% para garantir a confiabilidade dos dados. As entrevistas são distribuídas pelos segmentos pesquisados conforme quadro abaixo. Segmento Qtd. Empresa Autopeças e Acessórios 33 Calçados 27 Cine-Foto-Som 15 Combustíveis e Lubrificantes 26 Farmácias e Perfumarias 30 Informática 23 Instrum. Musicais, CDs e Fitas 7 Livrararias e Papelarias 26 Lojas de Utilidades Domésticas 18 Materiais de Construção 33 Móveis e Decorações 35 Óticas 26 Revendedoras de Veículos 25 Supermercados 17 Tecidos 26 Vestuário 33 Total 400 O método de obtenção e consolidação das informações da Pesquisa Conjuntural do Comércio Varejista do DF está alinhado com a consagrada metodologia de acompanhamento conjuntural da CNC, que integra as mensurações periódicas do IBGE sobre o mesmo tema. Com esta padronização, os resultados da pesquisa realizada no Distrito Federal, podem ser comparados diretamente com as realizadas em outros grandes centros do país. Os dados coletados em campo são gerenciados e analisados no software PASW Statistics. 4

6 Resultados O Relatório Final produzido apresenta as tabelas segundo os segmentos pesquisados e as análises de desempenho do comércio varejista do DF com os indicadores de variação das vendas no período e o nível de emprego nos segmentos pesquisados. Periodicidade da pesquisa A coleta de dados é realizada entre os dias 06 e 10 de cada mês e o período de abrangência de execução da pesquisa é de 12 (doze) meses, renováveis anualmente. A pesquisa e os indicadores obtidos são produzidos a 13 anos pelo Instituto Fecomércio, isto é desde

7 Desempenho de Vendas O desempenho das vendas é mensurado em duas visões, na comparação com o mesmo período do ano anterior, as vendas de Out10 foram 15,52% maiores que as ocorridas em Out/09. Na comparação entre os dois últimos meses, Out/10 x Set/10, foi mensurado aumento médio de 4,38%, no faturamento do comércio varejista. O desempenho acumulado de vendas em 2010 (período: Jan10-Out10) acumula 8,75% de aumento. T abela 1 - Desempenho de Vendas no Varejo - Distrito Federal. Variação entre os meses subseqüêntes Deflacionado pelo IPCA Nacional. Item Atividade CNC out/09 mai/10 jun/10 jul/10 ago/10 set/10 out/10 x x x x x x x set/09 abr/10 mai/10 jun/10 jul/10 ago/10 set/10 1. Bens Duráveis 7,73% 8,55% -2,27% 2,61% 3,49% 0,15% -2,54% Móveis e Utilidades 1.2 Domésticas 11,18% 11,92% -4,97% 4,45% 5,10% -0,58% -2,77% Móveis e Decorações 16,53% 17,41% -4,62% 5,57% 7,05% -0,65% -0,38% Lojas de Utilidades Domésticas / Lojas de departamento 5,08% 6,37% -5,37% 3,20% 2,86% -0,49% -5,63% Cine-Foto-Som e Óticas, Info, 1.3 Cds e Fitas 1,55% 0,93% 4,50% -1,60% -0,41% 2,03% -1,97% Cine-Foto-Som // óticas 5,49% 12,02% -12,48% -1,36% -1,38% 10,86% 0,58% Informática -0,25% -5,70% 11,81% -1,76% 0,17% -0,27% -3,61% Instrum. Musicais, CDs e Fitas 1,87% 13,23% 14,92% -1,27% -1,40% -5,97% 1,06% 2. Bens Semiduráveis -6,84% 9,14% 6,56% 0,42% 0,97% -3,68% 7,14% 2.1 Vestuário -15,22% 12,86% 13,44% -2,61% 1,88% -2,93% 11,69% 2.2 Tecidos 7,68% 11,36% -1,99% -4,51% -5,16% -4,71% 5,78% 2.3 Calçados 1,69% 6,08% -0,50% -2,41% 7,84% -6,70% 2,17% 2.4 Livrarias e Papelarias 5,56% -1,62% -6,81% 21,35% -5,55% -2,37% -1,97% 3. Bens Não Duráveis 0,81% 9,18% 2,80% -4,37% 1,27% -0,70% 2,72% 3.1 Supermercados / Minimercados -1,28% 10,72% 6,57% -4,78% -1,57% -0,96% 3,07% 3.2 Farmácias e Perfumarias 8,90% 0,52% -2,09% 6,78% 1,87% -5,33% 1,71% 3.3 Combus tíveis e Lubrificantes -0,09% 12,42% -0,33% -10,16% 5,99% 2,80% 2,79% 4. Comércio Automotivo -6,27% 2,39% -3,12% -3,67% 9,00% -2,84% 7,45% 4.1 Revendedoras de Veículos -7,69% 3,58% -3,45% -9,21% 14,29% -1,15% 11,69% 4.2 Autopeças e Acess órios -2,50% -0,23% -2,34% 8,91% -1,02% -6,54% 2,63% 5.0 Materiais de Construção 1,00% -16,92% 23,27% 9,57% -4,22% 0,38% 8,58% COMÉRCIO EM GERAL -1,45% 5,30% 3,02% -0,90% 2,48% -1,50% 4,38% Fonte: IFPD - Instituto Fecomércio de Pesquisa e Desenvolvimento / Fecomércio-DF. 6

8 Esta evolução gráfica apresenta os 13 últimos meses de série histórica dos números índices do desempenho de vendas do comércio varejista, com base em Janeiro de 2005, período de comparação determinado por metodologia desta pesquisa. Desempenho de Vendas -Número Indice com Base fixa Jan/05 = 100. Evolução Mensal Número Índice ,4 114,8 138,6 112,3 109,1 116,8 110,7 116,6 120,1 119,0 118,8 124,4 129, out-09 nov-09 dez-09 jan-10 fev-10 mar-10 abr-10 mai-10 jun-10 jul-10 ago-10 set-10 out-10 Bens Duráveis Bens Semiduráveis Bens Não Duráveis Comércio Automotivo Materiais de Construção COMÉRCIO EM GERAL Evolução gráfica do desempenho de vendas em comparação com o mês anterior. 7

9 50% Desempenho de Vendas no Comércio Varejista do DF Variação Percentual entre os meses. 40% 30% Variação Percentual 20% 10% 0% -10% -1,45% 2,13% 20,75% 7,05% 5,30% 3,02% 2,48% 4,38% -2,85% -0,90% -1,50% -5,23% -20% -18,96% -30% -40% out-09 nov-09 dez-09 jan-10 fev-10 mar-10 abr-10 mai-10 jun-10 jul-10 ago-10 set-10 out-10 Bens Duráveis Bens Semiduráveis Bens Não Duráveis Comércio Automotivo Materiais de Construção COMÉRCIO EM GERAL 8

10 Evolução do Emprego A mão-de-obra ocupada no setor de comércio varejista em Out10 foi 12,15% maior do que o mesmo período do ano anterior (Out/09). Na comparação com o mês anterior, Out/10 x Set/10, o indicador foi medido em +3,52%. O índice acumulado em 2010 (período: Jan10-Out10) acumula +6,15%. Em 2009 a comparação da mão-de-obra ocupada no comércio varejista do Distrito Federal no período Out09xSet09 foi de +2,38%. T abela 2 - Variação percentual do nível de emprego no Varejo. Variação entre os meses subseqüêntes Item Atividade CNC out/09 mai/10 jun/10 jul/10 ago/10 set/10 out/10 x x x x x x x set/09 abr/10 mai/10 jun/10 jul/10 ago/10 set/10 1. Bens Duráveis 6,89% 5,58% -6,06% 2,39% 3,33% 3,14% -0,48% 1.2 Móveis e Utilidades Domésticas 7,59% 8,32% -9,24% 2,80% 5,20% 4,83% -2,26% Móveis e Decorações 8,10% -2,55% -0,49% 5,08% 4,80% -0,48% -0,52% Lojas de Utilidades Domésticas / Lojas de departamento 6,90% 22,11% -18,10% 0,00% 5,71% 11,63% -4,26% 1.3 Cine-Foto-Som e Óticas, Info, Cds e Fitas 5,19% -1,23% 2,63% 1,39% -1,23% -1,25% 4,43% Cine-Foto-Som // óticas 10,29% -4,23% 3,71% 0,00% -3,42% 1,30% 3,60% Informática 1,79% -2,90% 2,52% 1,67% 0,00% -3,28% 5,08% Instrum. Musicais, CDs e Fitas 4,95% 17,56% 0,00% 4,35% 0,00% 0,00% 4,17% 2. Bens Semiduráveis 3,82% 1,80% 0,02% 12,92% 2,40% -7,59% 3,96% 2.1 Ves tuário 6,43% 3,72% -1,40% 21,49% 5,56% -12,67% 5,55% 2.2 Tecidos 0,63% -1,86% 6,06% -2,46% -0,50% 0,00% 1,52% 2.3 Calçados 0,02% -2,37% 3,17% 0,71% -3,55% 2,21% 6,47% 2.4 Livrararias e Papelarias 1,35% 1,18% -1,16% 2,63% -3,85% 2,67% -3,90% 3. Bens Não Duráveis 0,76% 3,29% 1,45% -2,67% -0,57% -0,15% 6,95% 3.1 Supermercados / Minimercados 0,83% 5,17% 1,91% -4,56% -1,40% -0,57% 9,45% 3.2 Farmácias e Perfumarias 4,09% 0,03% 3,53% -0,98% -0,99% 1,50% 2,96% 3.3 Combustíveis e Lubrificantes -2,25% 1,51% -1,49% 0,76% 1,88% -0,55% 4,44% 4. Comércio Automotivo 0,93% 0,60% -0,26% 1,79% 0,54% 14,89% 1,50% 4.1 Revendedoras de Veículos 0,27% -0,21% -0,09% 2,37% 0,84% -0,96% 1,87% 4.2 Autopeças e Aces s órios 2,20% 2,09% -0,55% 0,75% 0,00% 44,03% 1,04% 5.0 Materiais de Construção 1,99% 1,23% -1,49% 2,11% -0,42% 2,09% -0,98% COMÉRCIO EM GERAL 2,38% 2,70% -0,54% 2,51% 0,88% 1,06% 3,52% Fonte: IFPD - Instituto Fecomércio de Pesquisa e Desenvolvimento / Fecomércio-DF. 9

11 A evolução gráfica abaixo apresenta os seis últimos meses de série histórica dos números índices de mão-de-obra ocupada no comércio varejista, com base em Janeiro de 2005, período de comparação determinado por metodologia desta pesquisa. 150 Mão-de-Obra Ocupada no Comércio Varejista do Distrito Federal Número Indice com Base fixa Jan/05 = Número Índice ,2 111,6 111,1 109,5 106,3 110,1 107,8 110,7 110,1 112,9 113,9 115,1 119, out-09 nov-09 dez-09 jan-10 fev-10 mar-10 abr-10 mai-10 jun-10 jul-10 ago-10 set-10 out-10 Bens Duráveis Bens Semiduráveis Bens Não Duráveis Comércio Automotivo Materiais de Construção COMÉRCIO EM GERAL Evolução gráfica da mão-de-obra ocupada em comparação com o mês anterior. 10

12 Mão-de-Obra ocupada no comércio varejista (emprego) Variação Percentual entre os meses. 25,00% 20,00% 15,00% 10,00% 5,00% 2,38% 5,04% 3,62% 2,70% 2,51% 0,88% 1,06% 3,52% 0,00% -0,38% -1,52%-2,90% -2,12% -0,54% -5,00% -10,00% out-09 nov-09 dez-09 jan-10 fev-10 mar-10 abr-10 mai-10 jun-10 jul-10 ago-10 set-10 out-10 Bens Duráveis Bens Semiduráveis Comércio Automotivo Materiais de Construção COMÉRCIO EM GERAL 11

13 Opções de Pagamento O indicador que monitora a utilização das diferentes formas de pagamento no comércio varejista do Distrito Federal foi atualizado, compondo a partir do mês (Jan2010) uma nova série histórica. A mudança foi baseada em uma reclassificação dos itens pesquisados, de forma a representar quatro grupos essenciais (Avista, Cartões, A prazo e Outros), com detalhamento por tipo utilizado. A recomendação técnica é a leitura do indicador excluindo o segmento de concessionárias (revenda de veículos) que movimenta grande valor financeiro e distorce o índice geral. Na medida em que a séria histórica for composta, outras comparações serão incluídas neste documento. Tabela Distribuição percentual do faturamento entre as formas de pagamento. Forma escolhida Excluí revenda de veículos(% ) Todos os segmentos considerados. mai/10 jun/10 jul/10 ago/10 set/10 out/10 mai/10 jun/10 jul/10 ago/10 set/10 out/10 Avista 36,42% 36,38% 33,70% 32,94% 33,14% 32,72% 61,89% 65,01% 61,51% 57,97% 64,28% 58,84% Dinheiro 33,35% 33,57% 31,24% 30,26% 30,65% 30,18% 58,26% 62,01% 58,23% 54,75% 60,53% 55,73% Cheque 3,07% 2,81% 2,46% 2,68% 2,49% 2,54% 3,63% 3,00% 3,28% 3,22% 3,75% 3,11% Cartões 45,35% 45,08% 47,66% 49,20% 50,10% 49,07% 18,91% 18,81% 18,67% 19,67% 20,17% 18,97% Crédito 28,75% 27,68% 30,45% 29,64% 31,18% 30,10% 12,04% 11,76% 11,89% 12,16% 12,09% 11,85% Débito 16,60% 17,40% 17,21% 19,56% 18,92% 18,97% 6,87% 7,05% 6,78% 7,52% 8,08% 7,12% A prazo 14,73% 13,79% 14,66% 14,05% 13,34% 14,49% 18,34% 14,98% 18,89% 21,45% 14,72% 21,23% Cheque pré datado 6,90% 6,61% 6,12% 6,51% 5,42% 5,15% 4,81% 5,16% 4,43% 5,53% 4,02% 4,72% Carnês/boletos 7,83% 7,18% 8,55% 7,54% 7,93% 9,34% 13,53% 9,81% 14,46% 15,92% 10,70% 16,51% Outros 3,50% 4,75% 3,98% 3,80% 3,42% 3,72% 0,85% 1,20% 0,93% 0,91% 0,83% 0,96% Convênios 3,49% 4,74% 3,97% 3,78% 3,41% 3,71% 0,85% 1,18% 0,93% 0,90% 0,83% 0,84% Emprenhos 0,02% 0,01% 0,01% 0,02% 0,01% 0,01% 0,00% 0,02% 0,00% 0,01% 0,00% 0,12% Total 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% Obs: revenda de veículos novos e usados possuem características próprias nas formas de pagamento, desta forma recomenda-se a leitura do indicador sem dados deste segmento. 12

14 Distribuição percentual do faturamento entre as formas de pagamento Excluindo revenda de veículos out/10 set/10 ago/10 jul/10 jun/10 mai/10 Outros 3,72% Outros 3,42% Outros 3,80% Outros 3,98% Outros 4,75% Outros 3,50% A prazo 14,49% A prazo 13,34% A prazo 14,05% A prazo 14,66% A prazo 13,79% A prazo 14,73% Avista 32,72% Avista 33,14% Avista 32,94% Avista 33,70% Avista 36,38% Avista 36,42% Cartões 49,07% Cartões 50,10% Cartões 49,20% Cartões 47,66% Cartões 45,08% Cartões 45,35% 0,00% 10,00% 20,00% 30,00% 40,00% 50,00% 60,00% 13

15 Apêndice Técnico Metodologia - Desempenho de Vendas 1. ÍNDICE DE BASE FIXA MENSAL: disponível neste documento na página 7, o indicador compara a receita bruta mensal de revenda do mês de referência do índice com a receita bruta mensal obtida no mês base de referência, que nesta pesquisa é janeiro de As receitas utilizadas já são compatibilizadas, por meio de deflacionamento. O IPCA nacional, medido pelo IBGE, é o índice de preço adotado. Representação matemática = A/B * 100. A = receita deflacionada do mês de referência B = receita deflacionada do mês base de referência. 2. ÍNDICE MENSAL: disponível neste documento na página 9, o indicador compara a receita bruta mensal de revenda do mês de referência do índice com a receita bruta mensal obtida no mês anterior ao de referência, de forma a mensurar as variações entre os meses subseqüentes. As receitas utilizadas já são compatibilizadas, por meio de deflacionamento. O IPCA nacional, medido pelo IBGE, é o índice de preços adotado. Representação matemática = A/B * 100. A = receita deflacionada do mês de referência B = receita deflacionada do mês anterior ao de referência. As comparações trimestrais adotam o mesmo critério dos índices acima, onde a receita é a soma dos valores deflacionados no período considerado. 14

16 Metodologia - Evolução do emprego 1. VARIAÇÕES DA MÃO-DE-OBRA EMPREGADA NO COMÉRCIO VAREJISTA - ÍNDICE DE BASE FIXA MENSAL: disponível neste documento na página 14, o indicador compara a quantidade de empregados diretos do mês de referência do índice com a quantidade de empregados diretos observados no mês base de referência, que nesta pesquisa é janeiro de Representação matemática = A/B * 100. A = quantidade de empregados diretos do mês de referência. B = quantidade de empregados diretos do mês base de referência. 2. VARIAÇÕES DA MÃO-DE-OBRA EMPREGADA NO COMÉRCIO VAREJISTA - ÍNDICE MENSAL: disponível neste documento na página 15, a quantidade de empregados diretos do mês de referência do índice com a quantidade de empregados diretos observados no mês anterior ao de referência, de forma a mensurar as variações entre os meses subseqüentes.. Representação matemática = A/B * 100. A = quantidade de empregados diretos do mês de referência. B = quantidade de empregados diretos do mês anterior ao de referência. As comparações trimestrais adotam o mesmo critério dos índices acima, onde a quantidade de empregados diretos é a soma dos valores no período considerado. 15

17 Metodologia - Opções de pagamento 1. VARIAÇÕES DAS OPÇÕES DE PAGAMENTO NO COMÉRCIO VAREJISTA - ÍNDICE DE BASE FIXA MENSAL: Disponível neste documento na página 19, o indicador compara a receita bruta mensal de revenda do mês de referência do índice, por tipo de pagamento adotado, com a receita bruta mensal obtida no mês base de referência, que nesta pesquisa é janeiro de 2005, no mesmo tipo de pagamento adotado. As receitas utilizadas já são compatibilizadas, por meio de deflacionamento. O IPCA nacional, medido pelo IBGE, é o índice de preço adotado. Representação matemática = A/B * 100. A = receita deflacionada do mês de referência B = receita deflacionada do mês base de referência. 2. VARIAÇÕES DAS OPÇÕES DE PAGAMENTO NO COMÉRCIO - ÍNDICE MENSAL: disponível neste documento na página 19, o indicador compara a receita bruta mensal de revenda do mês de referência do índice, por tipo de pagamento adotado, com a receita bruta mensal obtida no mês anterior ao de referência, no mesmo tipo de pagamento adotado, de forma a mensurar as variações entre os meses subseqüentes. As receitas utilizadas já são compatibilizadas, por meio de deflacionamento. O IPCA nacional, medido pelo IBGE, é o índice de preços adotado. Representação matemática = A/B * 100. A = receita deflacionada do mês de referência B = receita deflacionada do mês anterior ao de referência. 2. REPRESENTATIVIDADE POR OPÇÃO DE PAGAMENTO - ÍNDICE MENSAL: disponível neste documento na página 20, o indicador mensura a representatividade que cada opção de pagamento alcançou no mês de referência. Com base nas receitas (bruta mensal) individuais, calcula-se a distribuição percentual de receita obtida por cada opção de pagamento. Representação matemática = Ai/B * 100. Ai = receita do mês de referência, obtida por cada opção de pagamento. B = Total de receita do mês de referência. 16

18 INSTITUTO FECOMÉRCIO Conselho Consultivo Presidente Adelmir Araújo Santana Conselho Deliberativo Efetivos: Adelmir Araújo Santana Presidente Equipe da Pesquisa: Estatístico Responsável: Radakian Maurity Sousa Lino Supervisora de Campo: Márcia Mudado Suassuna Expediente SEBRAE/DF Antônio Rocha da Silva. Presidente do Conselho Técnico Informática: José Carlos Moreira De Luca - Diretor Superintendente Júlio César Araújo de Avila Rodrigo de Oliveira Sá - Diretor Maria Eulalia Franco Diretora Diretor Operacional: Carlos Augusto G. Baião 17

e-flation Índice de Inflação na Internet

e-flation Índice de Inflação na Internet e-flation Índice de Inflação na Internet 2013 TODOS OS DIREITOS RESERVADOS À FELISONI CONSULTORES ASSOCIADOS E AO PROVAR - Programa de Administração de Varejo da FIA - Fundação Instituto de Administração.

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

Anexo III Metas Fiscais III.8 Avaliação da Situação Financeira e Atuarial dos Benefícios Assistenciais da Lei Orgânica de Assistência Social LOAS

Anexo III Metas Fiscais III.8 Avaliação da Situação Financeira e Atuarial dos Benefícios Assistenciais da Lei Orgânica de Assistência Social LOAS Anexo III Metas Fiscais III.8 Avaliação da Situação Financeira e Atuarial dos Benefícios Assistenciais da Lei Orgânica de Assistência Social LOAS (Art. 4 o, 2 o, inciso IV, da Lei Complementar n o 101,

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

PESQUISA DO MERCADO IMOBILIÁRIO EM BELO HORIZONTE: ALUGUÉIS

PESQUISA DO MERCADO IMOBILIÁRIO EM BELO HORIZONTE: ALUGUÉIS PESQUISA DO MERCADO IMOBILIÁRIO EM BELO HORIZONTE: ALUGUÉIS Março de 2015 APRESENTAÇÃO DA PESQUISA Esta pesquisa é realizada pela Fundação IPEAD/UFMG com o apoio da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte

Leia mais

ANUÁRIO ESTATÍSTICO DA TAXA DE OCUPAÇÃO HOTELEIRA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

ANUÁRIO ESTATÍSTICO DA TAXA DE OCUPAÇÃO HOTELEIRA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO 2012 ABIH-RJ FECOMÉRCIO-RJ ANUÁRIO ESTATÍSTICO DA TAXA DE OCUPAÇÃO HOTELEIRA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Pesquisa mensal da ABIH-RJ que visa acompanhar a taxa de ocupação nas unidades de hospedagem da

Leia mais

Indicador Trimestral de PIB do Espírito Santo

Indicador Trimestral de PIB do Espírito Santo SUMÁRIO EXECUTIVO O Produto Interno Bruto (PIB) do estado do Espírito Santo é calculado anualmente pelo Instituto Jones dos Santos Neves (IJSN) em parceria com o Instituto eiro de Geografia e Estatística

Leia mais

Venda de tecidos tem destaque em setembro

Venda de tecidos tem destaque em setembro Venda de tecidos tem destaque em setembro setembro / 2009 Temos avaliado, mês a mês, um ritmo favorável nas vendas e no faturamento do comércio que, em alguns segmentos, assume patamares pré-crise. Neste

Leia mais

EXPEDIENTE INSTITUTO FECOMÉRCIO/DF

EXPEDIENTE INSTITUTO FECOMÉRCIO/DF EXPEDIENTE INSTITUTO FECOMÉRCIO/DF Presidente Adelmir Araújo Santana Diretor Financeiro Paolo Orlando Piacesi Diretora Executiva Elizabet Garcia Campos Equipe de Pesquisa: Coordenação e Consultoria em

Leia mais

PESQUISA MENSAL DO COMERCIO VAREJISTA DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA (CE) - MARÇO 2016 -

PESQUISA MENSAL DO COMERCIO VAREJISTA DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA (CE) - MARÇO 2016 - PESQUISA MENSAL DO COMERCIO VAREJISTA DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA (CE) - MARÇO 2016 - Elaboração: Francisco Estevam Martins de Oliveira, Estatístico Coordenação de Campo: Roberto Guerra SUMÁRIO

Leia mais

Tabela 1 Taxa de Crescimento do Produto Interno Bruto no Brasil e em Goiás: 2011 2013 (%)

Tabela 1 Taxa de Crescimento do Produto Interno Bruto no Brasil e em Goiás: 2011 2013 (%) 1 PANORAMA ATUAL DA ECONOMIA GOIANA A Tabela 1 mostra o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil e de Goiás no período compreendido entre 211 e 213. Nota-se que, percentualmente, o PIB goiano cresce relativamente

Leia mais

3 Metodologia de pesquisa

3 Metodologia de pesquisa 3 Metodologia de pesquisa Esta pesquisa foi concebida com o intuito de identificar como a interação entre o gerenciamento de projetos e o planejamento estratégico estava ocorrendo nas empresas do grupo

Leia mais

PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO

PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO FORTALEZA Dezembro 2009 Apresentação 3 Delineamento da Amostra 5 Quadros Estatísticos 7 Tabela 2 - Faturamento - Variação Frente a Igual Período do Ano Anterior 9 Tabela

Leia mais

www.ccee.org.br Nº 009 Setembro/2014 0800 10 00 08

www.ccee.org.br Nº 009 Setembro/2014 0800 10 00 08 www.cceorg.br Nº 009 Setembro/2014 0800 10 00 08 Introdução O Boletim de Operação das Usinas é uma publicação mensal que apresenta os principais resultados consolidados de capacidade, garantia física e

Leia mais

PROPOSTAS PARA IMPLANTAÇÃO DO PISO SALARIAL DO MAGISTÉRIO E REESTRUTURAÇÃO DAS CARREIRAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA 17 DE ABRIL DE 2015

PROPOSTAS PARA IMPLANTAÇÃO DO PISO SALARIAL DO MAGISTÉRIO E REESTRUTURAÇÃO DAS CARREIRAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA 17 DE ABRIL DE 2015 PROPOSTAS PARA IMPLANTAÇÃO DO PISO SALARIAL DO MAGISTÉRIO E REESTRUTURAÇÃO DAS CARREIRAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA 17 DE ABRIL DE 2015 POLÍTICA REMUNERATÓRIA 1. PISO DO MAGISTÉRIO 1.1. Reajuste de 31,78% no vencimento

Leia mais

PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO SETEMBRO DE 2014.

PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO SETEMBRO DE 2014. PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO SETEMBRO DE 2014. Os aluguéis de casas e apartamentos na capital paulista ficaram praticamente estabilizados em setembro de 2014, relativamente

Leia mais

Maio 2004. Belo Horizonte. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

Maio 2004. Belo Horizonte. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Maio 2004 Região Metropolitana de Belo Horizonte Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 1 PESQUISA MENSAL DE EMPREGO ESTIMATIVAS PARA O MÊS DE MAIO DE 2004 REGIÃO

Leia mais

COMENTÁRIOS Comércio Varejista Comércio Varejista Ampliado

COMENTÁRIOS Comércio Varejista Comércio Varejista Ampliado COMENTÁRIOS Em fevereiro de 2015, o Comércio Varejista do País registrou variação de -0,1%, para o volume de vendas e de 0,7% para a receita nominal, ambas as variações com relação ao mês anterior, ajustadas

Leia mais

PESQUISA ANUAL DE COMÉRCIO

PESQUISA ANUAL DE COMÉRCIO MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA IBGE PESQUISA ANUAL DE COMÉRCIO NOTAS METODOLÓGICAS Notas Metodológicas A Pesquisa Anual de Comércio - PAC

Leia mais

Instituto Fecomércio/DF

Instituto Fecomércio/DF Instituto Fecomércio/DF Dia das Mães 2013 Expectativa de Vendas do Comércio Varejista do Distrito Federal Maio de 2013 Brasília/DF Sumário 1 - Apresentação... 3 Tabela 1 Amostra por segmento no comércio

Leia mais

Hóspedes, dormidas e proveitos mantêm crescimento significativo

Hóspedes, dormidas e proveitos mantêm crescimento significativo Atividade Turística Julho de 20 15 de setembro de 20 Hóspedes, dormidas e proveitos mantêm crescimento significativo A hotelaria registou 5,8 milhões de dormidas em julho de 20, valor correspondente a

Leia mais

Contratação de mão-de-obra temporária

Contratação de mão-de-obra temporária Contratação de mão-de-obra temporária Comércio Varejista-DF-Natal 2010 Brasília, Setembro de 2010. 1. ÍNDICE Apresentação...4 A Amostra...5 Tabela 1 Distribuição das Amostras...5 Tabela 2 Na sua empresa

Leia mais

Bancos financiam crescentemente a produção

Bancos financiam crescentemente a produção Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nota do dia 25 de julho de 2007 Fontes: Bacen, IBGE e CNI Elaboração: Febraban Bancos financiam crescentemente a produção Pessoa Jurídica O crédito destinado

Leia mais

Monitoramento da Implementação da Lei de Conflito de Interesses

Monitoramento da Implementação da Lei de Conflito de Interesses Monitoramento da Implementação da Lei de Conflito de Interesses AGOSTO/2015 Plano de Monitoramento 246 Órgãos e entidades do Poder Executivo Federal acompanhados Indicadores (periodicidade mensal, quadrimestral

Leia mais

Centro de Promoção do Desenvolvimento Sustentável. BOLETIM ESTÁTISTICO DE VIÇOSA (Atualizado em julho de 2013)

Centro de Promoção do Desenvolvimento Sustentável. BOLETIM ESTÁTISTICO DE VIÇOSA (Atualizado em julho de 2013) Centro de Promoção do Desenvolvimento Sustentável BOLETIM ESTÁTISTICO DE VIÇOSA (Atualizado em julho de 2013) Viçosa Minas Gerais Junho de 2013 1 DEMOGRAFIA BOLETIM ESTÁTISTICO DE VIÇOSA TABELA 1 Evolução

Leia mais

Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) JOINVILLE

Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) JOINVILLE Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) JOINVILLE Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) JOINVILLE FECOMÉRCIO SC SUMÁRIO Endividamento em Joinville 7 Considerações

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCOS BANCO ABN AMRO S.A. Setembro de 2013

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCOS BANCO ABN AMRO S.A. Setembro de 2013 RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCOS BANCO ABN AMRO S.A. Setembro de 2013 SP Rua Leopoldo Couto de Magalhães Júnior, 700, 4º andar Itaim Bibi São Paulo SP CEP: 04542000 Tel: (11) 30737400 Fax: (11) 30737404

Leia mais

MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO APSUS - 2012

MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO APSUS - 2012 MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO APSUS - 2012 REFLEXÃO INICIAL "Não é possível gerir o que não se pode medir...e, se não se pode gerir, não se poderá melhorar " (William Hewlett) Se você não mede, você não gerencia!

Leia mais

ABIH-RJ FECOMÉRCIO- RJ

ABIH-RJ FECOMÉRCIO- RJ 2014 ABIH-RJ FECOMÉRCIO- RJ ANUÁRIO ESTATÍSTICO DA TAXA DE OCUPAÇÃO HOTELEIRA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Pesquisa mensal da ABIH-RJ que visa acompanhar a taxa de ocupação nas unidades de hospedagem da

Leia mais

Análise Mensal do Comércio Varejista de Belo Horizonte

Análise Mensal do Comércio Varejista de Belo Horizonte Março/15 A mostra o desempenho dos negócios do comércio no mês de Fevereiro/2015 e identifica a percepção dos empresários para o mês de Março/2015. Neste mês, 20,8% dos empresários conseguiram aumentar

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTO PEIXE PILOTO PARA CLUBES DE INVESTIMENTOS 2009-2011. Vitória, 26 de agosto de 2009.

POLÍTICA DE INVESTIMENTO PEIXE PILOTO PARA CLUBES DE INVESTIMENTOS 2009-2011. Vitória, 26 de agosto de 2009. POLÍTICA DE INVESTIMENTO PEIXE PILOTO PARA CLUBES DE INVESTIMENTOS 2009-2011 Vitória, 26 de agosto de 2009. ÍNDICE 1. OBJETIVO.... 3 2. ORIENTAÇÃO DA GESTÃO DOS INVESTIMENTOS E PRÁTICAS DE GOVERNANÇA....

Leia mais

PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLE NCIA DO CONSUMIDOR - PEIC

PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLE NCIA DO CONSUMIDOR - PEIC PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLE NCIA DO CONSUMIDOR - PEIC CAMPO GRANDE - MS MARÇO/2016 SUMÁRIO Histórico da PEIC... 3 Tabela 1 - Nível de endividamento... 4 Tabela 2 - Tipo de dívida... 5 Tabela

Leia mais

Ferramentas de Gestão

Ferramentas de Gestão Ferramentas de Gestão Cenário Encontrado Sistemas Criados com objetivo de solucionar problemas isolados Adaptados conforme a necessidade da informação Foco na operacionalização Muitos controles paralelos

Leia mais

DECRETO nº 2.303/2012

DECRETO nº 2.303/2012 Prefeitura Municipal de Fontoura Xavier RS. Município criado em 09.07.1965 Lei Federal nº 4974/65 CNPJ nº 87612768/0001-02 Fone Fax (0xx)54.389.1511 e (0xx)54.389.1122 Av. 25 de Abril, 920 Fontoura Xavier

Leia mais

Imposto de renda pessoa física: propostas para uma tributação mais justa

Imposto de renda pessoa física: propostas para uma tributação mais justa Março de 2016 Número 156 Imposto de renda pessoa física: propostas para uma tributação mais justa (Atualização das NTs 131, de novembro de 2013 e 144, de Fevereiro de 2015) 1 Imposto de Renda Pessoa Física:

Leia mais

EXPEDIENTE INSTITUTO FECOMÉRCIO/DF

EXPEDIENTE INSTITUTO FECOMÉRCIO/DF EXPEDIENTE INSTITUTO FECOMÉRCIO/DF Presidente Adelmir Araújo Santana Diretor Financeiro Paolo Orlando Piacesi Diretora Executiva Elizabet Garcia Campos Equipe de Pesquisa: Analista de Mercado e Consultora

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO E AUDITORIA. PLANO DE AUDITORIA DE LONGO PRAZO - 2014 a 2017

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO E AUDITORIA. PLANO DE AUDITORIA DE LONGO PRAZO - 2014 a 2017 PLANO DE AUDITORIA DE LONGO PRAZO - 2014 a 2017 COORDENADORIA DE AUDITORIA Em conformidade com o art. 9º da Resolução CNJ n. 171/2013, elaborou-se este Plano de Auditoria de Longo Prazo PALP, que tem por

Leia mais

Sondagem do Setor de Serviços

Sondagem do Setor de Serviços Sondagem do Setor de Serviços % Setor 2004 2005 2006 2007 2008 2009 Agropecuária 5,9 4,9 4,7 4,8 5,0 5,2 Indústria 25,8 25,1 24,7 23,9 23,3 21,8 Serviços 54,1 55,8 56,5 57,3 56,8 58,9 Impostos líquidos

Leia mais

OBJETIVOS DESTE ENCONTRO

OBJETIVOS DESTE ENCONTRO OBJETIVOS DESTE ENCONTRO Apresentar e facilitar o entendimento dos Critérios da Modalidade Processo. Entender como demonstrar resultados requeridos nesta modalidade. 2 1 CRONOGRAMA 2010 ATIVIDADE MAR ABR

Leia mais

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+ CALENDÁRIO, 2015 7 A JAN. 0 QUARTA -1-0.0018 7022.5 3750.3 1 QUINTA 0 +0.0009 7023.5 3751.3 2 SEXTA 1 +0.0037 7024.5 3752.3 3 SÁBADO 2 +0.0064 7025.5 3753.3 4 DOMINGO 3 +0.0091 7026.5 3754.3 5 SEGUNDA

Leia mais

Métricas de Software

Métricas de Software Métricas de Software Plácido Antônio de Souza Neto 1 1 Gerência Educacional de Tecnologia da Informação Centro Federal de Educação Tecnologia do Rio Grande do Norte 2006.1 - Planejamento e Gerência de

Leia mais

IMPE Indicadores das micro e pequenas empresas do Estado do Rio de Janeiro. Resultados de Novembro de 2006

IMPE Indicadores das micro e pequenas empresas do Estado do Rio de Janeiro. Resultados de Novembro de 2006 IMPE Indicadores das micro e pequenas empresas do Estado do Rio de Janeiro Resultados de Novembro de 2006 IMPEs Destaques dos resultados Novembro de 2006 Pagamento da primeira parcela do 13 o salário contribui

Leia mais

RESULTADOS GLOBAIS PRELIMINARES Milhões de Euros

RESULTADOS GLOBAIS PRELIMINARES Milhões de Euros 00 99 DDEE FF EEVVEERREEI IIRROO DDEE 22000099 Estatísticas do Comércio Internacional Novembro de 2008 Comércio Internacional I Saídas diminuem 5,9 e Entradas 1,5 No trimestre terminado em Novembro de

Leia mais

Crise da construção acentua-se, embora com quebras menos pronunciadas

Crise da construção acentua-se, embora com quebras menos pronunciadas Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Conjuntura da Construção n.º 70 Julho

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA: 3º sem. Danieli Rodrigues Ximenes Pavão EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA: 3º sem. Danieli Rodrigues Ximenes Pavão EMENTA EIXO TECNOLÓGICO: Gestão em Negócios Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: FORMA/GRAU:( )integrado ()subsequente ( ) concomitante ( x ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE: ( x ) Presencial

Leia mais

OUVIDORIA GERAL EXTERNA

OUVIDORIA GERAL EXTERNA OUVIDORIA GERAL EXTERNA Plano de trabalho de Janeiro de 2012 a Julho de 2012 Principais Atividades JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL 1) Apresentação Plano de trabalho para Defensora Pública Geral X 2) Aprovação

Leia mais

A visão empresarial da nova institucionalidade

A visão empresarial da nova institucionalidade Inovação Tecnológica e Segurança Jurídica A visão empresarial da nova institucionalidade José Ricardo Roriz Coelho Diretor Titular Departamento de Competitividade e Tecnologia DECOMTEC Presidente Suzano

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ASSISTÊNCIA A PROGRAMAS ESPECIAIS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ASSISTÊNCIA A PROGRAMAS ESPECIAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ASSISTÊNCIA A PROGRAMAS ESPECIAIS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO TOR/FNDE/DTI/MEC

Leia mais

Institui, na forma do art. 43 da Constituição Federal, a Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia SUDAM, estabelece a sua composição, natureza

Institui, na forma do art. 43 da Constituição Federal, a Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia SUDAM, estabelece a sua composição, natureza Institui, na forma do art. 43 da Constituição Federal, a Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia SUDAM, estabelece a sua composição, natureza jurídica, objetivos, área de competência e instrumentos

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 12/2014

ESTUDO TÉCNICO N.º 12/2014 ESTUDO TÉCNICO N.º 12/2014 Principais resultados da PNAD 2013 potencialmente relacionados às ações e programas do MDS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA DE AVALIAÇÃO E GESTÃO

Leia mais

Na atividade de têxtil e confecção ocorreu o maior volume de contratações no ano (3.907 postos).

Na atividade de têxtil e confecção ocorreu o maior volume de contratações no ano (3.907 postos). Sumário Executivo MAR/2016 No mês de março de 2016, o saldo de empregos em Santa Catarina recuou em relação a fevereiro (-3.803 postos e variação de -0,2%). A indústria de transformação teve desempenho

Leia mais

Comércio em Números. Brasil. meses.

Comércio em Números. Brasil. meses. Belo Horizonte MG Abril de 2015 O Comércio em Números é um acompanhamento sistemático das estatísticas econômicas. Trata-se de um estudo que busca acompanhar o comportamento das variáveis de desempenho

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO Fevereiro de 2014

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO Fevereiro de 2014 PRODUTIVIDADE DO TRABALHO Fevereiro de 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO A produtividade do trabalho da indústria catarinense variou 2% em fevereiro em relação ao mesmo mês do ano anterior. No primeiro bimestre de

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRZ4012 EDITAL Nº 005/2010 1. Perfil: TR 007/2010-CGS - CIÊNCIAS SOCIAIS APLICÁVEIS 3. Qualificação educacional: Graduação na área de CIÊNCIAS SOCIAIS

Leia mais

Relatório da Pesquisa Conjuntural

Relatório da Pesquisa Conjuntural -12,3% -13, -13,5% -13,1% -12,7% -12,4% -12,7% -7,9% -9,3% -6,9% -2,7% -0,2% I Resultado Nacional Os dados divulgados no Relatório da Pesquisa Conjuntural, elaborados com base nas informações das empresas

Leia mais

Veracel Celulose S/A Programa de Monitoramento Hidrológico em Microbacias Período: 2006 a 2009 RESUMO EXECUTIVO

Veracel Celulose S/A Programa de Monitoramento Hidrológico em Microbacias Período: 2006 a 2009 RESUMO EXECUTIVO Veracel Celulose S/A Programa de Monitoramento Hidrológico em Microbacias Período: 2006 a 2009 RESUMO EXECUTIVO Alcançar e manter índices ótimos de produtividade florestal é o objetivo principal do manejo

Leia mais

Hotelaria com aumentos nas dormidas e proveitos

Hotelaria com aumentos nas dormidas e proveitos Atividade Turística Junho 2013 14 de agosto de 2013 Hotelaria com aumentos nas dormidas e proveitos A hotelaria registou 4,4 milhões de dormidas em junho de 2013, mais 8,6% do que em junho de 2012. Para

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO Não existem regras ou leis para gestão; Não existem países pobres ou ricos, mas simplesmente países mal e bem administrados, que sabem extrair o máximo dos recursos

Leia mais

Manual de preenchimento da planilha de cálculo do índice de nacionalização

Manual de preenchimento da planilha de cálculo do índice de nacionalização Manual de preenchimento da planilha de cálculo do índice de nacionalização Atualizado em 02/07/15 Pág.: 1/9 SUMÁRIO Introdução... 3 1. Índice de nacionalização... 3 2. Objetivo da planilha... 4 3. O preenchimento

Leia mais

DIA DOS PAIS 2013 EXPECTATIVA DE COMPRAS NO COMÉRCIO VAREJISTA DO DISTRITO FEDERAL VISÃO DOS CONSUMIDORES

DIA DOS PAIS 2013 EXPECTATIVA DE COMPRAS NO COMÉRCIO VAREJISTA DO DISTRITO FEDERAL VISÃO DOS CONSUMIDORES DIA DOS PAIS 2013 EXPECTATIVA DE COMPRAS NO COMÉRCIO VAREJISTA DO DISTRITO FEDERAL VISÃO DOS CONSUMIDORES Brasília/DF Julho de 2013 1 SUMÁRIO EXPEDIENTE...3 APRESENTAÇÃO...4 1. PERFIL DO CONSUMIDOR...5

Leia mais

A EVOLUÇÃO. 1. Se não faltar Água Tudo Bem. 2. Pesquisa de Vazamentos e Macromedição. 3. Controle de Pressão

A EVOLUÇÃO. 1. Se não faltar Água Tudo Bem. 2. Pesquisa de Vazamentos e Macromedição. 3. Controle de Pressão REDUÇÃO DE PERDAS: Resultados práticos na redução de perdas reais e aparentes, suas correlações com a recuperação de receita e utilização de geoprocessamento neste processo A EVOLUÇÃO 1. Se não faltar

Leia mais

Tema: Fachadas Ativas. Palestrante: Thomaz Assumpção

Tema: Fachadas Ativas. Palestrante: Thomaz Assumpção Tema: Fachadas Ativas Palestrante: Thomaz Assumpção A Lei Novo Plano Diretor Estratégico de São Paulo Eixos de Estruturação da Transformação Urbana Função de orientar o desenvolvimento urbano ao longo

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO JULIANA LEME MOURÃO ORIENTADOR: PAULO GUILHERMETI

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO JULIANA LEME MOURÃO ORIENTADOR: PAULO GUILHERMETI UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO JULIANA LEME MOURÃO ORIENTADOR: PAULO GUILHERMETI SIMULADORES VIRTUAIS ALIADOS AO ENSINO DE FÍSICA GOIOERÊ

Leia mais

ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA FEV/2015

ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA FEV/2015 ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA FEV/015 O COMÉRCIO VAREJISTA NO BRASIL APRESENTA RETRAÇÃO NAS VENDAS EM FEVEREIRO A Pesquisa Mensal de Comércio (PMC) realizada pelo Instituto Brasileiro

Leia mais

Plano de Manejo Parque Natural Municipal Doutor Tancredo de Almeida Neves. Encarte 6 MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO. IVB-2012 Página 1

Plano de Manejo Parque Natural Municipal Doutor Tancredo de Almeida Neves. Encarte 6 MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO. IVB-2012 Página 1 Encarte 6 MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO IVB-2012 Página 1 CONTEÚDO 6 MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO 6.1 Monitoramento e avaliação anual da implementação do Plano 6.2 Monitoramento e avaliação da efetividade do

Leia mais

IMPACTO DA ATIVIDADE FISCALIZATÓRIA SOBRE A MELHORIA DA QUALIDADE NA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO PÚBLICO DE DRENAGEM URBANA NO DISTRITO FEDERAL

IMPACTO DA ATIVIDADE FISCALIZATÓRIA SOBRE A MELHORIA DA QUALIDADE NA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO PÚBLICO DE DRENAGEM URBANA NO DISTRITO FEDERAL IMPACTO DA ATIVIDADE FISCALIZATÓRIA SOBRE A MELHORIA DA QUALIDADE NA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO PÚBLICO DE DRENAGEM URBANA NO DISTRITO FEDERAL Carolinne Isabella Dias Gomes (1) Possui Bacharelado e Licenciatura

Leia mais

mercado de cartões de crédito, envolvendo um histórico desde o surgimento do produto, os agentes envolvidos e a forma de operação do produto, a

mercado de cartões de crédito, envolvendo um histórico desde o surgimento do produto, os agentes envolvidos e a forma de operação do produto, a 16 1 Introdução Este trabalho visa apresentar o serviço oferecido pelas administradoras de cartões de crédito relacionado ao produto; propor um produto cartão de crédito calcado na definição, classificação

Leia mais

Lei nº 9.991 de 24 de julho de 2000.

Lei nº 9.991 de 24 de julho de 2000. Lei nº 9.991 de 24 de julho de 2000. Estabelece que as concessionárias de Serviços públicos de Distribuição, Transmissão ou Geração de energia elétrica, devem aplicar, anualmente, um percentual mínimo

Leia mais

EXPEDIENTE. 2 1. IDENTIFICAÇÃO DA PESQUISA. 3 2. APRESENTAÇÃO. 4 3. AMOSTRA. 4 3.1 5 4. RESUMO DOS INDICADORES. 7 4.1 4.2 4.3 5.

EXPEDIENTE. 2 1. IDENTIFICAÇÃO DA PESQUISA. 3 2. APRESENTAÇÃO. 4 3. AMOSTRA. 4 3.1 5 4. RESUMO DOS INDICADORES. 7 4.1 4.2 4.3 5. SUMÁRIO EXPEDIENTE... 2 1. IDENTIFICAÇÃO DA PESQUISA... 3 2. APRESENTAÇÃO... 4 3. AMOSTRA... 4 3.1 Distribuição amostral por setor e segmento... 5 4. RESUMO DOS INDICADORES... 7 4.1 Resumo dos Indicadores

Leia mais

PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA PMCMV Fundo de Arrendamento Residencial - FAR PROJETO BÁSICO

PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA PMCMV Fundo de Arrendamento Residencial - FAR PROJETO BÁSICO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA PMCMV Fundo de Arrendamento Residencial - FAR PROJETO BÁSICO CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA EXECUÇÃO DO PROJETO DE TRABALHO TÉCNICO SOCIAL EMPREENDIMENTO RESIDENCIAL: ALPHA.

Leia mais

Experiência: Gestão Estratégica de compras: otimização do Pregão Presencial

Experiência: Gestão Estratégica de compras: otimização do Pregão Presencial Experiência: Gestão Estratégica de compras: otimização do Pregão Presencial Hospital de Clínicas de Porto Alegre Responsável: Sérgio Carlos Eduardo Pinto Machado, Presidente Endereço: Ramiro Barcelos,

Leia mais

DESIGUALDADE DE RENDA NAS REGIÕES NAS REGIÕES DO ESTADO DE SÃO PAULO

DESIGUALDADE DE RENDA NAS REGIÕES NAS REGIÕES DO ESTADO DE SÃO PAULO 535 DESIGUALDADE DE RENDA NAS REGIÕES NAS REGIÕES DO ESTADO DE SÃO PAULO Rosycler Cristina Santos Simão (USP) 1. INTRODUÇÃO É de conhecimento geral que o Brasil destaca-se no cenário mundial como um dos

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O CNPJ: Informações referentes a Outubro de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o As informações completas sobre esse fundo podem ser

Leia mais

Ministério da Cultura Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) Dados das organizações:

Ministério da Cultura Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) Dados das organizações: 1 Ministério da Cultura Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) Dados das organizações: Data de elaboração da ficha: Ago 2007 Nome: Ministério da Cultura (MinC) Endereço: Esplanada dos Ministérios,

Leia mais

MANUAL DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

MANUAL DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA MANUAL DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Prof. Dr. Ari Melo Mariano Prof. a Dr. a Fernanda Vinhaes de Lima Prof. a Dr. a Mara Lúcia Castilho Olívia Laquis de Moraes Clara Coelho Paranhos

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 26 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 26-21/07/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software Métricas para software

Leia mais

RELATÓRIO DE RESULTADOS MARÇO/15 INDICADORES DO COMÉRCIO VAREJISTA DO DISTRITO FEDERAL PANORAMA E PERSPECTIVAS

RELATÓRIO DE RESULTADOS MARÇO/15 INDICADORES DO COMÉRCIO VAREJISTA DO DISTRITO FEDERAL PANORAMA E PERSPECTIVAS RELATÓRIO DE RESULTADOS MARÇO/15 INDICADORES DO COMÉRCIO VAREJISTA DO DISTRITO FEDERAL PANORAMA E PERSPECTIVAS 1. Resultados consolidados para todas as categorias associadas ao Sindivarejista 2. Resultados

Leia mais

SONDAGEM ESPECIAL. Exportações ganham importância para indústria brasileira. Comércio Exterior. Opinião CNI

SONDAGEM ESPECIAL. Exportações ganham importância para indústria brasileira. Comércio Exterior. Opinião CNI Indicadores CNI SONDAGEM ESPECIAL 64 Comércio Exterior Exportações ganham importância para indústria brasileira A queda na demanda doméstica e a desvalorização da moeda estão estimulando o aumento das

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISA - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000

DIRETORIA DE PESQUISA - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000 DIRETORIA DE PESQUISA - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000 Nota metodológica nº 21 Margem de Transporte e Comércio (versão para informação e

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE ASSUNTOS POLÍTICOS/ ADMINISTRATIVOS

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE ASSUNTOS POLÍTICOS/ ADMINISTRATIVOS PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE ASSUNTOS POLÍTICOS/ ADMINISTRATIVOS NOVEMBRO/ DEZEMBRO DE 2013 JOB2726-13 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA PESQUISA OBJETIVO LOCAL Trata-se de uma pesquisa de acompanhamento

Leia mais

O QUE ORIENTA O PROGRAMA

O QUE ORIENTA O PROGRAMA O QUE ORIENTA O PROGRAMA A Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres estabeleceu um diálogo permanente com as mulheres brasileiras por meio de conferências nacionais que constituíram um marco na

Leia mais

Modelagem De Sistemas

Modelagem De Sistemas Modelagem De Sistemas UNIP Tatuapé - SP Aplicações em Linguagem de Programação Prof.Marcelo Nogueira Uma empresa de software de sucesso é aquela que consistentemente produz software de qualidade que vai

Leia mais

GOVERNADOR DO ESTADO DO AMAZONAS JOSÉ MELO DE OLIVEIRA SECRETÁRIO DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO AIRTON ÂNGELO CLAUDINO

GOVERNADOR DO ESTADO DO AMAZONAS JOSÉ MELO DE OLIVEIRA SECRETÁRIO DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO AIRTON ÂNGELO CLAUDINO GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN Produto Interno Bruto Trimestral do Estado do Amazonas 4º Trimestre de 2014 Março de 2015 GOVERNADOR

Leia mais

Estimativas de Arrecadação de Impostos Próprios Estaduais e Municipais, Transferências Constitucionais e os 25% Constitucionais da Educação

Estimativas de Arrecadação de Impostos Próprios Estaduais e Municipais, Transferências Constitucionais e os 25% Constitucionais da Educação 1 Estimativas de Arrecadação de Impostos Próprios Estaduais e Municipais, Transferências Constitucionais e os 25% Constitucionais da Educação Resumo O presente estudo objetivou levantar dados sobre o total

Leia mais

PACTO NACIONAL PELO FORTALECIMENTO DO ENSINO MÉDIO

PACTO NACIONAL PELO FORTALECIMENTO DO ENSINO MÉDIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PACTO NACIONAL PELO FORTALECIMENTO DO ENSINO MÉDIO Secretaria de Educação Básica Diretoria de Apoio à Gestão 1 Educacional Objetivo do Pacto do Ensino

Leia mais

CNC - Divisão Econômica Rio de Janeiro

CNC - Divisão Econômica Rio de Janeiro CNC - Divisão Econômica Rio de Janeiro Março de 2015 PEIC Síntese dos Resultados Síntese dos Resultados Total de Endividados Dívidas ou Contas em Atrasos Não Terão Condições de Pagar mar/14 61,0% 20,8%

Leia mais

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016 Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado do Paraná Safra 2016/2017 Mar/16 0,6048 0,6048 0,6048 66,04 73,77 Abr 0,6232 0,6232 0,5927 64,72 72,29 Mai 0,5585 0,5878 0,5868

Leia mais

PRODUÇÃO E VENDAS DO SETOR EDITORIAL BRASILEIRO

PRODUÇÃO E VENDAS DO SETOR EDITORIAL BRASILEIRO PRODUÇÃO E VENDAS DO SETOR EDITORIAL BRASILEIRO Ano Base 2010 O QUE É A PESQUISA PRODUÇÃO E VENDAS DO SETOR EDITORIAL BRASILEIRO? - É UMA ESTIMATIVA, ELABORADA A PARTIR DOS DADOS DE UMA AMOSTRA DE EDITORAS,

Leia mais

LIXO ELETRÔNICO: origens e reaproveitamento

LIXO ELETRÔNICO: origens e reaproveitamento LIXO ELETRÔNICO: origens e reaproveitamento Marcos Felipe Friske dos Santos 1 ; José Henrique Blenke de Almeida Lucena 2 ; Angelo Augusto Frozza 3 INTRODUÇÃO Segundo (MIGUEZ, 200-), "Lixo Eletrônico é

Leia mais

Balanço do Crédito do Comércio Varejista

Balanço do Crédito do Comércio Varejista Receitas de Vendas A vista (cartão de débito, dinheiro e cheque) Vendas a Prazo (cartão de crédito, cheque pré-datado, etc.) Total Formas de vendas a prazo que a empresa aceita Cheque Cartão de Crédito

Leia mais

Diretoria de Pesquisas Coordenação de Serviços e Comércio - COSEC PESQUISA MENSAL DE SERVIÇOS PMS

Diretoria de Pesquisas Coordenação de Serviços e Comércio - COSEC PESQUISA MENSAL DE SERVIÇOS PMS Diretoria de Pesquisas Coordenação de Serviços e Comércio - COSEC PESQUISA MENSAL DE SERVIÇOS PMS 18/07/2013 OBJETIVO Acompanhar o desempenho conjuntural do setor de serviços, através de indicadores mensais,

Leia mais

Implantação de um serviço de limpeza terminal a vapor em salas operatórias

Implantação de um serviço de limpeza terminal a vapor em salas operatórias Implantação de um serviço de limpeza terminal a vapor em salas operatórias Sandra Terumi Yoshino 1 1. Enfermeira graduada pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) e pós graduada em Enfermagem em

Leia mais

Imovelweb index. Cidade de São Paulo Relatório mensal Abril 2016

Imovelweb index. Cidade de São Paulo Relatório mensal Abril 2016 Imovelweb index Cidade de São Paulo Relatório mensal Objetivos, características, metodologia OBJETIVO: oferecer estatísticas abrangentes e confiáveis que acompanhem a evolução dos preços de venda e aluguel

Leia mais

BAIXA IMEDIATA DE PAGAMENTOS. Técnica em Contabilidade: Beatriz Noleto Fernandes

BAIXA IMEDIATA DE PAGAMENTOS. Técnica em Contabilidade: Beatriz Noleto Fernandes BAIXA IMEDIATA DE PAGAMENTOS Técnica em Contabilidade: Beatriz Noleto Fernandes Curriculum Autora: Beatriz Noleto Fernandes Técnica em Contabilidade, foi gerente comercial da SANEAGO na cidade de Guarai

Leia mais

Estudo aponta influência do código de barras e da tecnologia na decisão de compra do consumidor e na estratégia do varejo

Estudo aponta influência do código de barras e da tecnologia na decisão de compra do consumidor e na estratégia do varejo Estudo aponta influência do código de barras e da tecnologia na decisão de compra do consumidor e na estratégia do varejo Associação Brasileira de Automação-GS1 Brasil revela resultado da terceira edição

Leia mais

CIBERESPAÇO E O ENSINO: ANÁLISE DAS REDES SOCIAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL II NA ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR VIANA

CIBERESPAÇO E O ENSINO: ANÁLISE DAS REDES SOCIAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL II NA ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR VIANA 203 CIBERESPAÇO E O ENSINO: ANÁLISE DAS REDES SOCIAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL II NA ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR VIANA INTRODUÇÃO ¹ Elias Barbosa de Lima filho ² Dr. Flamarion Dutra Alves ¹ eliasbarbosalima141@gmail.com

Leia mais

18º CENSO DO MERCADO IMOBILIÁRIO DE PORTO ALEGRE IMÓVEIS NOVOS

18º CENSO DO MERCADO IMOBILIÁRIO DE PORTO ALEGRE IMÓVEIS NOVOS 18º CENSO DO MERCADO IMOBILIÁRIO DE PORTO ALEGRE IMÓVEIS NOVOS 1 INTRODUÇÃO EDIÇÃO 2015 A Comissão da Indústria Imobiliária (CII/SINDUSCON-RS) vem desenvolvendo desde 1998, através do Departamento de Economia

Leia mais

Carta Mensal Novembro 2015

Carta Mensal Novembro 2015 Canvas Classic FIC FIM (nova razão social do Peninsula Hedge FIC FIM) Ao longo de novembro, a divergência na direção da política monetária conduzida pelos dois mais relevantes bancos centrais do mundo

Leia mais

PESQUISA COM EMPRESÁRIOS

PESQUISA COM EMPRESÁRIOS PESQUISA COM EMPRESÁRIOS OBJETIVO DA PESQUISA AVALIAR A EXPECTATIVA DE VENDAS DOS EMPRESÁRIOS DO COMÉRCIO VAREJISTA DE BELO HORIZONTE PARA O NATAL DE 2015 INFORMAÇÕES METODOLÓGICAS Coleta de dados de 26/10

Leia mais