Redes de Computadores

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Redes de Computadores"

Transcrição

1 Redes de Computadores por

2 Redes de Computadores Nível de Rede Algoritmos de Roteamento - Link State Protocolo OSPF Redes de Computadores 2

3 Algoritmos de Roteamento - Link State Redes de Computadores 3

4 Nível de Rede na Internet - Roteamento Link-state Algoritmo de Link State desenvolvido para resolver problemas do Vetor de Distâncias em 1988 o Core System passou a operar com Link-State (protocolo SPREAD - não documentado na literatura) e processadores Butterfly vários protocolos posteriores usam tecnologia Link-State (também chamada SPF - Shortest Path First) IS-IS da OSI OSPF da IETF (considerado substituto do RIP) Redes de Computadores 4

5 Nível de Rede na Internet - Roteamento Algoritmo de Vetor de Distâncias: positivos simples somente duas mensagens e uma tabela aceitável se topologia simples com falhas raras negativos não tem boa escalabilidade mensagens grandes mensagens proporcionais ao nro total de redes todos roteadores tem que participar: quantidade de mensagens alta em alguns casos as rotas são computadas vagarosamente devido a contagem ao infinito neste tempo, a rede pode estar em um estado transiente onde loops podem ocorrer e causando eventual congestionamento temporário Redes de Computadores 5

6 Nível de Rede na Internet - Roteamento Link-state Algoritmo de Link State cada roteador participante mantém uma mapa da rede (informação sobre topologia) - o qual é atualizado conforme as modificações que a rede exibir cada roteador testa o estado de seus vizinhos periodicamente propaga mensagens de atualização do estado de seus links (linkstate), caso tenha mudado, para roteadores no mapa a cada mensagem recebida o roteador atualiza seu mapa com links up/down - ou acrescenta link se estado muda o roteador recalcula as rotas mais curtas dele até outros roteadores algoritmo de Dijkstra (Shortest Path) Redes de Computadores 6

7 Nível de Rede na Internet - Roteamento Link-state Vantagens: tamanho e freqüência das mensagens não depende de toda a rede mas das mudanças no estado dos links mais fácil de depurar problemas pois mensagem trafega sem modificação rotas tão precisas quanto calculadas centralmente, mas calculo é distribuído Redes de Computadores 7

8 Nível de Rede na Internet - Roteamento Link-state Dijkstra - menor caminho 1. Inicialize o conjunto E contendo somente o nodo fonte S, e R contendo todos os outros nodos. Inicialize a lista de caminhos O contendo os caminhos de 1 segmento que partem de S. Cada segmento tem custo igual ao valor da métrica. Ordene O em em forma crescente. 2. Se a lista O está vazia, ou se o primeiro path tem métrica infinita, marque todos os nodos em R como inalcançáveis e termine o algoritmo. 3. Examine P, o menor caminho de O. Remova P de O. Atribua a V o último nodo em P. Se V já está em E, volte ao passo 2. Senão P é menor caminho para V, retire V de R e adicione em E. 4. Construa um conjunto de caminhos candidatos concatenando P e e cada um dos enlaces iniciando em V. O custo destes caminhos é o resultado da soma do custo de P e a métrica do enlace adicionado. Insira-os em O em ordem crescente. Volte ao passo 2. Redes de Computadores 8

9 Protocolo OSPF - Open Shortest Path First Redes de Computadores 9

10 Nível de Rede na Internet - Roteamento OSPF Informações e procedimentos de cada roteador: base de links tabela de roteamento roteadores testam links (e vizinhança) periodicamente (OSPF - Hello Protocol) quando roteadores estabelecem comunicação, eles devem sincronizar suas bases de links (OSPF - exchange protocol) e manter as bases de links atualizadas (OSPF - flooding protocol) Redes de Computadores 10

11 Nível de Rede na Internet - Roteamento OSPF A Exemplo de mapa 3 4 D B E obs: somente ligações ponto a ponto 5 C De Para Enlace Métrica A B 1 1 A D 3 1 B A 1 1 B C 2 1 B E 4 1 C B 2 1 C E 5 1 D A 3 1 D E 6 1 E C 5 1 E B 4 1 E D 6 1 Redes de Computadores 11

12 Nível de Rede na Internet - Roteamento OSPF Presença de falhas em caso de rede seccionada partes separadas evoluem independentemente novos nodos, redes, etc. retorno de conectividade: não basta passar informação de que o link está novamente ativo necessidade de ressincronizar bases de dados (tabelas de links) ressincronização em duas fases: roteadores trocam descrições de suas bases de dados comparam números de seqüência e novos links roteadores pedem cópia completa dos registros dos links (OSPF exchange protocol: link state request, link state update) Redes de Computadores 12

13 Nível de Rede na Internet - Roteamento OSPF Segurança procedimento de flooding (espalhamento de updates) usa confirmação passo a passo pacotes transferidos de forma segura (correção de erros) mensagens autenticadas informação de links é retransmitida de tempos em tempos: para cada registro de link é mantido um timer, o registro é retirado da base de dados se a informação não for reconfirmada ( soft-states ) originalmente o protocolo foi projetado para operar sem esta proteção, entretanto em em 1983 (Radia Perlman) foi demonstrada a necessidade de proteção da base de dados contra corrupção devido a fatores como: falhas durante procedimentos de sincronização, erros de memória, introdução má intencionada de informações freqüência: 30 minutos Redes de Computadores 13

14 Nível de Rede na Internet - Roteamento OSPF Multiplas métricas diferentes mídias, diferentes necessidades métricas para: vazão atraso custo confiabilidade manter diferentes métricas para cada link mesmo grafo - base de links computar tabelas de roteamento diferentes para cada métrica roteamento: considerar o tipo de serviço do pacote de dado e escolher a métrica apropriada -> isto é: escolher a tabela de roteamento para a métrica apropriada Redes de Computadores 14

15 Nível de Rede na Internet - Roteamento OSPF Multiple-path caminhos múltiplos para um mesmo destino está provado matematicamente que dividir tráfego em vários caminhos é mais eficiente atraso médio é menor variações no atraso são menores tolerância a falhas leva a desordenação de pacotes extensões ao SPF são relativamente simples calcular a fração de tráfego que pode passar em cada caminho pode ser complexo Redes de Computadores 15

16 Nível de Rede na Internet - Roteamento OSPF Áreas Redução do tamanho da base (mapa) Tempo de processamento das rotas Redução do volume de mensagens de atualização Roteamento hierárquico: divide a rede em um conjunto de partes independentes interligadas por um área de backbone. Os mapas de área incluem somente o estado do enlaces da área Flooding ocorre somente até os limites da área Rotas são calculadas somente para os enlaces da área gateway externo exporta e importa informações de rotas rotas importadas são publicadas via summary records summary records não mantém informações de links e nodos (expandindo o grafo da rede) mas apenas redes alcançáveis pelo roteador de borda e suas distâncias Redes de Computadores 16

17 Nível de Rede na Internet - Roteamento OSPF Áreas - OSPF (cont) versão mais recente: stub area permite definir roteador default escalabilidade rotas externas não precisam ser registradas - usa sempre roteador default Redes de Computadores 17

18 Nível de Rede na Internet - Roteamento OSPF Áreas Roteadores da Área de Backbone Area Border Routers Eles mantém uma mapa para cada área Emitem mensagens contendo summary links Roteadores de Borda Exterior External Border Routers Redes de Computadores 18

19 Nível de Rede na Internet - Roteamento OSPF Áreas e Sistema Autônomo: roteador interno roteador com todas as redes diretamente conectadas pertencendo à mesma área roteador de borda de área roteador acoplado a múltiplas áreas rodam uma cópia do algoritmo básico para cada área e uma adicional para a área backbone condensam informação topológica das áreas e repassam sumários para as mesmas roteadores do backbone um roteador de borda com interface para o backbone. Roteadores com todas interfaces conectadas ao backbone são roteadores internos publicam à área backbone - área backbone publica para outras áreas roteadores de borda de Sistema Autônomo roteador que troca informações de rotas com outros sistemas autônomos tem rotas externas ao AS que são publicadas aos roteadores do AS classificação independente das demais: qualquer roteador pode ser AS boundary router - não necessariamente roteador do backbone. Redes de Computadores 19

20 Representa rede de acesso múltiplo como nodo do grafo Alcance de RotBA para RotBSA Alcance de RotBA para redes do SA Alcance de RotBSA para redes externas Redes de Computadores 20

21 Summary links sobre destinos da Área 1 Alcance de RotBSA para redes externas Summary links sobre destinos da Área 3 - só tem uma entrada - custo indiferente Summary links sobre destinos da Área 2 Redes de Computadores 21

22 Qual a base de links da area 2? Redes de Computadores 22

23 RT5 RT7 RT8 RT10 RT11 N6 N8 RT5??? RT7?? 0 RT8 0 RT RT11 0 N N7 4 N8 3 2 N1??? N2??? N3??? N4??? Ia,Ib??? N9-N11,H1??? N12?? N13? N14? N15? Qual a base de links da area 2? Redes de Computadores 23

24 RT5 RT7 RT8 RT10 RT11 N6 N8 RT RT7 17(?) 19(?) 0 RT8 0 RT RT11 0 N N7 4 N8 3 2 N1??? N2??? N3??? N4??? Ia,Ib??? N9-N11,H1 24(?) 4 1 N N13 8 N14 8 N15 9 Para cada um de N1..N4: usa RT4 ou RT7? Ver tab do backbone Qual a base de links da area 2? Redes de Computadores 24

25 B) N0 2 5 A) E se a topologia fosse modificada da seguinte maneira, o que mudaria nas bases de links das áreas? A) adição da ligação na área 1 B) adição de rede na área 1 Como estas mudanças nas bases de links acontecem? (através de que procedimentos?) Redes de Computadores 25

26 Nível de Rede na Internet - Roteamento OSPF Base de Informações nodos representam roteadores arcos representam conectividade redes de acesso múltiplo também são representadas por nodos G1 G2 Rede N Conexão gateway-rede G1 N G2 Representação interna na base OSPF Redes de Computadores 26

27 Nível de Rede na Internet - Roteamento OSPF Área: qual o conteúdo da tabela de roteamento de RT 3? Redes de Computadores 27

28 Nível de Rede na Internet - Roteamento OSPF Área: conhece topologia interna da área sabe todas as redes do SA e o roteador de saída da área para cada rede sabe distâncias até roteadores de borda de SA sabe destinos alcançáveis de cada roteador de borda Redes de Computadores 28

29 Nível de Rede na Internet - Roteamento OSPF Backbone - Área: funciona como uma área tem roteadores de borda entre áreas e área-backbone áreas trocam rotas resumidas com a área-backbone e vice versa área backbone tem função de conectar áreas e passar informação das outras áreas para cada área área-backbone tem que ser contígua ou ter um virtual-link estabelecido entre roteadores virtual link serve para passar o tráfego OSPF Redes de Computadores 29

30 Nível de Rede na Internet - Roteamento OSPF Stub-Área: é uma área que tem somente um roteador de saída não é necessário repassar informações de roteamento externo para os roteadores internos da área todo destino é roteado pela mesma saída Redes de Computadores 30

31 Nível de Rede na Internet - Roteamento OSPF network Autonomous System Boudary Router Redes de Computadores 31

32 Nível de Rede na Internet - Roteamento OSPF Composto de 3 subprotocolos: HELLO, EXCHANGE, FLOODING Redes de Computadores 32

33 Nível de Rede na Internet - Roteamento OSPF Subprotocolos funcionam dentro das áreas roteadores de área (area border routers) participam de mais de uma área publicam informação entre as áreas Redes de Computadores 33

34 Nível de Rede na Internet - Roteamento OSPF Protocolo Hello Usado para: verificar se links estão operacionais conhecer roteadores vizinhos estabelecer nova relação de visinhança administrar situações de redes de acesso múltiplo Redes de Computadores 34

35 Nível de Rede na Internet - Roteamento OSPF Protocolo Exchange Quando dois roteadores estabelecem uma conexão devem sincronizar suas bases de dados. A sincronização inicial é feita pelo protocolo exchange. Roteadores com bases sincronizadas usam flooding para informar novos links / estados de links Redes de Computadores 35

36 Nível de Rede na Internet - Roteamento OSPF Presença de falhas em caso de rede seccionada partes separadas evoluem independentemente novos nodos, redes, etc. retorno de conectividade: não basta passar informação de que o link está novamente ativo necessidade de ressincronizar bases de dados (tabelas de links) ressincronização em duas fases: roteadores trocam descrições de suas bases de dados comparam números de seqüência e novos links roteadores pedem cópia completa dos registros dos links (OSPF exchange protocol: link state request, link state update) Redes de Computadores 36

37 Nível de Rede na Internet - Roteamento OSPF - Presença de falhas A 1 2 B C Falha de comunicação 3 4 D Duas versões do mapa Mapa 1 - AD E A B 1 inf 2 B A 1 inf 2 D E 1 inf 2 5 Mapa 1 -BCE A B 1 inf 2 B A 1 inf 2 E D 1 inf 2 Redes de Computadores 37

38 Nível de Rede na Internet - Roteamento OSPF - Presença de falhas A 1 2 B C Falha de comunicação 3 4 D E 5 Mapa BCE sofrerá atualizações que não serão refletidas no AD Mapa 1 -BCE A B 1 inf 2 B A 1 inf 2 B C 2 inf 2 C B 2 inf 2 E D 1 inf 2 Redes de Computadores 38

39 Nível de Rede na Internet - Roteamento OSPF - Presença de falhas Ao restabelecer a comunicação entre AD e BCE é necessário que ocorra um processo de sincronização Protocolo Exchange Sincronização - data base description packets 1.ª fase: nodo distribui o seu mapa 2.ª fase: solicita aos vizinhos os registros interessantes 3.ª fase: retorno ao processo normal de flooding Redes de Computadores 39

40 Nível de Rede na Internet - Roteamento OSPF Protocolo Flooding Quando link modifica seu estado, o roteador responsável pelo link deve emitir uma nova versão do estado do link Sincroniza as bases de dados entre roteadores OSPF Redes de Computadores 40

41 Protocolo Hello O protocolo envia mensagem hello em cada link periodicamente para estabelecer e testar alcance de vizinhos vizinho novo -> dispara processo de exchange Redes de Computadores 41

42 Protocolo Hello E redes de acesso múltiplo? Roteador entra na rede e encontra vários vizinhos com quem sincronizar? como fica a base de links? N x (N-1) adjacências (ou Nx(N-1)/2 se bidirecionais) E redes de acesso múltiplo sem broadcast? Ex.: X.25 Tráfego entre todos? Redes de Computadores 42

43 Protocolo Hello Roteador mestre que é responsável por notificações de roteamento a todos os outros roteadores da rede e, receber informação do estado dos links de todos os roteadores adjacentes Necessidade de roteador mestre como eleger? e se ele falhar? Redes de Computadores 43

44 Protocolo Hello Eleição do mestre cada mensagem Hello contém a prioridade do roteador (pré-estabelecida) em cada rede, roteadores se candidatam a roteador mestre e roteador backup todos roteadores da rede calculam o mestre e o backup com base nos mesmo critérios fluxo e cálculo contínuos: se mestre falha é recalculado distribuidamente. Redes de Computadores 44

45 Protocolo Hello Eleição 1) Se um ou vários vizinhos se propõe a ser roteadores backup, o roteador de maior prioridade é selecionado como roteador backup. Em caso de empate o roteador com maior IP é selecionado 2) Se nenhum vizinho se propõe a ser roteador backup, o vizinho com maior prioridade é selecionado, ou em caso de empate o roteador com maior IP é selecionado Redes de Computadores 45

46 Protocolo Hello Eleição 3) Se um ou vários vizinhos se propõe a ser o roteador mestre, o roteador com maior prioridade é selecionado como o roteador mestre. Em caso de empate o roteador com maior IP é selecionado 4) Se nenhum vizinho se propõe como roteador mestre, o backup é promovido (e passos 1 e 2 tem que acontecer para achar um novo backup) Redes de Computadores 46

47 Protocolo Hello Eleição do mestre Um roteador não pode propor-se como ambos roteador mestre e backup. Assim, se necessitamos executar o passo 4, devemos reexecutar novamente os passos 1 e 2 para encontrar o novo roteador backup Algoritmo executado permanentemente, e roteadores backup e mestre reavaliados depois da recepção de qualquer pacote hello Redes de Computadores 47

48 Protocolo Hello Formato das mensagens hello OSPF packet header, type = 1(hello) Network mask Hello Int. Options Priority Dead Interval Designated router Backup designated router IP Neighbor 1... IP Neighbor n Redes de Computadores 48

49 Protocolo Exchange Quando dois roteadores estabelecem uma conexão, devem sincronizar suas bases de dados. A sincronização inicial é feita pelo protocolo exchange. Em seguida, o protocolo flooding é utilizado para manter a sincronização entre as duas base de dados roteadores que sincronizaram suas bases de links mandam links modificados (na sincronização) via flooding para outros roteadores Redes de Computadores 49

50 Protocolo Exchange Estabelecimento de mestre - escravo Mestre manda pacotes de descrição de sua base de links Escravo verifica quais links necessita informação completa Escravo faz request destes links Mudança de papéis Redes de Computadores 50

51 Protocolo Exchange Características Assimétrico: primeiro passo do protocolo é selecionar o master e o slave Após acordo entre estas regras, os dois roteadores trocam a descrição das suas bases de dados. Assim, cada um listará os registros a serem solicitados em um estágio posterior O protocolo exchange utiliza o database description packet para troca de informações nas sincronizações Redes de Computadores 51

52 Protocolo Exchange OSPF packet header, type = 2 (dd) 0 0 Options 0 IMMs DD sequence number Link State type Link State ID Advertising router Link state sequence number Link state checksum Link State age Redes de Computadores 52

53 Protocolo Exchange Data base description packet Primeira palavra de 32 bits, após cabeçalho, é totalmente nula, com exceção do octeto options e do IMMs (Initialize, More, Master-Slave) Conteúdo deste pacote é um conjunto descrições de registros de estado dos enlaces (link state), tais como: ID, advertising router, sequence number, checksum e age Redes de Computadores 53

54 Protocolo Exchange O roteador que deseja o procedimento de troca realiza os seguintes passos: envia um pacote vazio, com inicialização, bits master-slave setados para 1 e DD sequence number com valor arbitrário not previously seen by the other router o outro roteador concorda em ser slave enviando um pacote ack, com I e M setados em 1 e MS setado para 0 (slave) Redes de Computadores 54

55 Protocolo Exchange Exceções... Perda de pacotes: time-out Tentativa simultanea de estabelecer troca: algoritmo tie-breaking Se um roteador está esperando um ACK e recebe uma requisição, tal como um pacote DD vazio com os 3 bits de controle (I, M, MS) setados, este comparará o endereço recebido com o seu se o endereço recebido é maior que o seu, este aceita a regra slave e manda um ACK, caso contrário somente ignora o pacote recebido Uma vez que os papéis foram distribuídos, a troca assimétrica inicia Redes de Computadores 55

56 Protocolo Exchange O master envia a descrição dos registros em sua base de dados em uma seqüência de pacotes DD, o bit I setado para 0, e o M e MS setados para 1, exceto o último pacote Pacotes são numerados seqüencialmente e devem ser enviados um por vez Redes de Computadores 56

57 Protocolo Exchange Após cada pacote enviado, o slave envia um ACK (pacote DD com mesmos números seqüenciais, mas com bit MS setado para 0 Se o ACK não é recebido no intervalo de retransmissão, o master repete seu pacote Redes de Computadores 57

58 Protocolo Exchange Se o slave recebe um pacote com os mesmos números seqüenciais, deve repetir o ACK Quando o master transmite sua última descrição de registros, o bit M é setado para 0. Se o slave ainda possui registros para transmitir, envia um ACK com o bit M setado em 1 Redes de Computadores 58

59 Protocolo Exchange O master continua enviando pacotes com descrição vazia com bit M setado em 0 e aceitando os ACK, até receber um ACK com o bit M setado em 0. Neste ponto, a troca está completa. ACKs também carregam descrições de links Durante uma troca, o master e o slave processam os registros de descrição link state encontrados nos pacotes e nos ACK Redes de Computadores 59

60 Protocolo Exchange Eles checam primeiro se existe um registro com o mesmo type, advertising router e link state ID na sua base e se este registro tem um maior ou igual seqüência de números. Se a condição é falsa, a descrição do registro é colocada em uma lista de registros a serem requeridos Redes de Computadores 60

61 Protocolo Exchange Após a troca ser completada, eles solicitam registros através dos link state request packets Redes de Computadores 61

62 Protocolo Exchange link state request packets OSPF packet header, type = 3 (rq) Link State type Link State ID Advertising router Redes de Computadores 62

63 Protocolo Exchange Link state request packets Estes pacotes contêm um conjunto de identificadores do registro de estado dos enlaces (link state) Cada registro é descrito por palavras de 32 bits: tipo do registro, identificador do registro e identificador do advertising router Redes de Computadores 63

64 Protocolo Exchange Link state request packets Na recepção desta requisição, um roteador envia com conjunto atualizado de link state, usando o mesmo procedimento de flooding para novos valores no registro Cada vez que uma atualização é recebida, a identificação do registro é removida da lista de requisições de registros Redes de Computadores 64

65 Protocolo Exchange Link state request packets A lista não deve ser muito longa para poder ser transmitida em um requisição simples, caso seja muito longa o roteador envia somente o início da lista no pacote de requisição Deve ser feita um requisição por vez, se os registros solicitados não são atualizados no intervalo de retransmissão, devem ser novamente solicitados Redes de Computadores 65

66 Protocolo Exchange Quando link modifica seu estado, o roteador responsável pelo link deve emitir uma nova versão do estado do link Sincroniza as bases de dados entre roteadores OSPF Redes de Computadores 66

67 Link State - Flooding A 1 2 B C Falha de comunicação 3 4 D 6 E A e B detectam a falha A e B alteram os registros na base de dados pelos quais são responsáveis A gera atualização para D e B para C e E C, D e E irão desencadear novas atualizações 5 Redes de Computadores 67

68 Flooding D enviará para E, C enviará para E e E enviará para C e B Loop? Algoritmo Prevenção do loop é feita pela utilização de um número de seqüência no pacote de atualização Recebe mensagem Seleciona registro na base se o registro não está presente então adiciona e envia uma mensagem em broadcast para os vizinhos, exceto pelo enlace pelo qual foi recebida Redes de Computadores 68

69 Flooding senão se o número de seqüência da entrada na base < o número de seqüência da mensagem então atualiza e gera broadcast senão se número da base > o número de seqüência da mensagem então senão gera uma nova divulgação atualiza o número de seqüência da mensagem envia a mensagem para interface pela qual foi recebida se os números de seqüência são iguais não faz nada. Redes de Computadores 69

Packet Tracer 4.0: Overview Session. Conceitos e práticas

Packet Tracer 4.0: Overview Session. Conceitos e práticas Packet Tracer 4.0: Overview Session Conceitos e práticas Processo de Flooding ou Inundação envia informações por todas as portas, exceto aquela em que as informações foram recebidas; Cada roteador link-state

Leia mais

Protocolo OSPF. O p e n S h o r t e s t P at h F i r s t. E s pec i a li s ta

Protocolo OSPF. O p e n S h o r t e s t P at h F i r s t. E s pec i a li s ta Ebook Exclusivo Protocolo OSPF O p e n S h o r t e s t P at h F i r s t E s pec i a li s ta em S e rv i ços G e r e n c i a do s Segurança de de Perímetro Sumário Introdução P.3 Ententendendo o Protocolo

Leia mais

OSPF - Open Shortest Path First. Redes de Comunicação de Dados

OSPF - Open Shortest Path First. Redes de Comunicação de Dados OSPF - Open Shortest Path First Redes de Comunicação de Dados Bibliografia RFC 2328 - OSPF Version 2 http://www.rfc-editor.org/rfc/rfc2328.txt OSPF Design Guide, Cisco Systems http://www.cisco.com/en/us/tech/tk365/technologies_white_paper0

Leia mais

Protocolos de Roteamento RIP e OSPF

Protocolos de Roteamento RIP e OSPF Protocolos de Roteamento RIP e OSPF Alexandre Urtado de Assis aua@cbpf.br Nilton Alves Jr. naj@cbpf.br http://mesonpi.cat.cbpf.br/naj Resumo Este trabalho aborda alguns protocolos de roteamento, especificamente

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Rede Roteamento IP RIP OSPF e BGP Slide 1 Roteamento Determinar o melhor caminho a ser tomado da origem até o destino. Se utiliza do endereço de destino para determinar

Leia mais

Redes de Computadores I Conceitos Básicos

Redes de Computadores I Conceitos Básicos Redes de Computadores I Conceitos Básicos (11 a. Semana de Aula) Prof. Luís Rodrigo lrodrigo@lncc.br http://lrodrigo.lncc.br 2011.02 v1 2011.11.03 (baseado no material de Jim Kurose e outros) Algoritmos

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II Prof. Celio Trois portal.redes.ufsm.br/~trois/redes2 OSPF Open Shortest Path First - OSPF Protocolo aberto e padronizado pelo IETF (RFC 2328), o que permite que diversas plataformas

Leia mais

Módulo 8. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados

Módulo 8. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados Módulo 8 Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados 1 Roteamento IP (Internet Protocol) 2 Roteamento IP 3 Roteamento IP Tarefa executada pelo protocolo

Leia mais

O Protocolo OSPF. 1. Introdução

O Protocolo OSPF. 1. Introdução O Protocolo OSPF Jailton Santos das Neves, Waldeck Ribeiro Torres Departamento de Engenharia de Telecomunicações Universidade Federal Fluminense UFF Niterói RJ Brasil jaineves@ig.com.br, waldeck@spymac.com

Leia mais

Arquitectura de Redes

Arquitectura de Redes Arquitectura de Redes Routing Dinâmico Link State OSPF 1 Algoritmos de encaminhamento estado das ligações (link state) 2 Os protocolos do tipo Link State mantêm uma tabela de informação topológica muito

Leia mais

BC-0506: Comunicação e Redes Aula 04: Roteamento

BC-0506: Comunicação e Redes Aula 04: Roteamento BC-0506: Comunicação e Redes Aula 04: Roteamento Santo André, Q011 1 Roteamento Princípios de Roteamento O que é... Sistemas Autônomos Roteamento Interno e Externo Principais Tipos de Algoritmos Distance-Vector

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes (Continuação) 2 Camada de Rede 3 NAT: Network Address Translation restante da Internet 138.76.29.7 10.0.0.4 rede local (ex.: rede doméstica) 10.0.0/24

Leia mais

PROJETO INTEGRADO GTI2012M-04. Administração de Redes III

PROJETO INTEGRADO GTI2012M-04. Administração de Redes III Trabalho: PROJETO INTEGRADO GTI2012M-04 Cadeira: Administração de Redes III Data: 23/03/2013 Aluno: Revisões: 1.2 Impresso em 22/04/2013 Página 1 de 22 RESUMO Este documento faz uma análise técnica das

Leia mais

Encaminhamento interior OSPF

Encaminhamento interior OSPF Encaminhamento interior OSPF (terceiro trabalho laboratorial) FEUP/DEEC Redes de Banda Larga MIEEC 2009/10 José Ruela Bancada de trabalho Topologia genérica (OSPF e BGP) Objectivo e descrição sumária Os

Leia mais

Protocolo OSPF UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br

Protocolo OSPF UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br UNIP rffelix70@yahoo.com.br Introdução Protocolo OSPF O protocolo OSPF é um protocolo de roteamento link-state (estado de enlace). A idéia por trás de roteamento link-state é simples e pode ser apresentada

Leia mais

Visão geral sobre encaminhamento

Visão geral sobre encaminhamento Encaminhamento IP Resumo Algoritmos Escalabilidade 1 Visão geral sobre encaminhamento Forwarding vs Routing forwarding: processo de seleccionar uma porta de saída baseado no endereço de destino e na tabela

Leia mais

Tabela de roteamento

Tabela de roteamento Existem duas atividades que são básicas a um roteador. São elas: A determinação das melhores rotas Determinar a melhor rota é definir por qual enlace uma determinada mensagem deve ser enviada para chegar

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DE ROTEADORES CISCO. Prof. Dr. Kelvin Lopes Dias Msc. Eng. Diego dos Passos Silva

CONFIGURAÇÃO DE ROTEADORES CISCO. Prof. Dr. Kelvin Lopes Dias Msc. Eng. Diego dos Passos Silva CONFIGURAÇÃO DE ROTEADORES CISCO Prof. Dr. Kelvin Lopes Dias Msc. Eng. Diego dos Passos Silva ROTEADOR Roteador CISCO 2600: INTERFACES DE UM ROTEADOR - Interface p/ WAN - Interface p/ LAN - Interface p/

Leia mais

Aula 21: Roteamento em Redes de Dados

Aula 21: Roteamento em Redes de Dados Aula : Roteamento em Redes de Dados Slide Redes de Pacotes Comutados Mensagens dividas em Pacotes que são roteados ao seu destino PC PC PC Rede de Pacotes PC PC PC PC Buffer Pacote Comutado Slide Roteamento

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores por fldotti@inf.pucrs.br Redes de Computadores Nível de Rede Evolução de Técnicas de Roteamento Redes de Computadores 2 1 Experimentos iniciais instalação e manutenção a mão Crescimento

Leia mais

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes 1 Protocolos Roteáveis e Roteados Protocolo roteado: permite que o roteador encaminhe dados entre nós de diferentes redes. Endereço de rede:

Leia mais

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015)

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Encaminhamento IPv4 Encaminhamento estático e encaminhamento dinâmico. Protocolos de encaminhamento: RIP, RIPv2, EIGRP e OSPF. Sistemas autónomos e redistribuição

Leia mais

Consulte a exposição. Qual declaração descreve corretamente como R1 irá determinar o melhor caminho para R2?

Consulte a exposição. Qual declaração descreve corretamente como R1 irá determinar o melhor caminho para R2? 1. Que duas declarações descrevem corretamente os conceitos de distância administrativa e métrica? (Escolha duas.) a) Distância administrativa refere-se a confiabilidade de uma determinada rota. b) Um

Leia mais

Redes de Computadores. Mauro Henrique Mulati

Redes de Computadores. Mauro Henrique Mulati Redes de Computadores Mauro Henrique Mulati Roteiro Roteamento na Internet OSPF BGP IPv6 Revisão MPLS Roteamento na Internet IGP: Interior Gateway Protocol (Protocolo de Gateway Interior) Algoritmo de

Leia mais

Roteamento na Internet

Roteamento na Internet Roteamento na Internet IntraAS RIP OSPF InterAS BGP RIP Protocolo de informação de roteamento (Routing Information Protocol) Definido nas RFCs 1058 (versão 1) e 2453 (versão 2) RIPng IPv6 Protocolo de

Leia mais

Aula 20. Roteamento em Redes de Dados. Eytan Modiano MIT

Aula 20. Roteamento em Redes de Dados. Eytan Modiano MIT Aula 20 Roteamento em Redes de Dados Eytan Modiano MIT 1 Roteamento Deve escolher rotas para vários pares origem, destino (pares O/D) ou para várias sessões. Roteamento datagrama: a rota é escolhida para

Leia mais

Protocolos de roteamento RIP e OSPF

Protocolos de roteamento RIP e OSPF Roberto Néia Amaral et al. 75 Roberto Néia Amaral (Mestre) Curso de Ciência da Computação - Universidade Tuiuti do Paraná Ciro de Barros Barbosa (Doutor) Curso de Ciência da Computação - Universidade Tuiuti

Leia mais

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador Redes de computadores e a Internet Capitulo Capítulo A camada de rede.1 Introdução.2 O que há dentro de um roteador.3 IP: Protocolo da Internet Endereçamento IPv. Roteamento.5 Roteamento na Internet (Algoritmos

Leia mais

Sumário. Protocolos em Redes de Dados- Aula 05 -OSPF, IS-IS, IGRP e EIGRP p.4. Sub-redes to tipo NBMA NBMA

Sumário. Protocolos em Redes de Dados- Aula 05 -OSPF, IS-IS, IGRP e EIGRP p.4. Sub-redes to tipo NBMA NBMA Sumário Protocolos em Redes de Dados - Aula 05 - OSPF, IS-IS, IGRP e EIGRP Luís Rodrigues ler@di.fc.ul.pt OSPF. Suporte para diferentes tipos de redes. Encaminhamento hierárquico no OSPF. IS-IS. IGRP.

Leia mais

Comunicação de Dados

Comunicação de Dados Comunicação de Dados Roteamento Prof. André Bessa Faculade Lourenço Filho 22 de Novembro de 2012 Prof. André Bessa (FLF) Comunicação de Dados 22 de Novembro de 2012 1 / 26 1 Introdução 2 Roteamento na

Leia mais

Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA. III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia

Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA. III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia Sumário Fundamentos Arquitetura OSI e TCP/IP Virtual LAN: Dispositivos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio REDES DE COMPUTADORES Camada de Rede Prof.: Agostinho S. Riofrio Agenda 1. Introdução 2. Funções 3. Serviços oferecidos às Camadas superiores 4. Redes de Datagramas 5. Redes de Circuitos Virtuais 6. Comparação

Leia mais

CST em Redes de Computadores

CST em Redes de Computadores CST em Redes de Computadores Dispositivos de Rede I AULA 07 Roteamento Dinâmico / Protocolo RIP Prof: Jéferson Mendonça de Limas Protocolos de Roteamento Dinâmico Em 1969 a ARPANET utilizava-se de algoritmos

Leia mais

Ao escolher os protocolos nesta fase do projeto, você terá subsídio para listar as características funcionais dos dispositivos a ser adquiridos

Ao escolher os protocolos nesta fase do projeto, você terá subsídio para listar as características funcionais dos dispositivos a ser adquiridos Seleção de Protocolos de Switching e Roteamento Protocolos de switching/roteamento diferem quanto a: Características de tráfego gerado Uso de CPU, memória e banda passante O número máximo de roteadores

Leia mais

Protocolos de Roteamento

Protocolos de Roteamento Protocolos de Roteamento Em um sistema de troca de mensagens (comutação de mensagens), roteamento é o processo de escolha do caminho pelo qual iremos enviar os datagramas. Pode ser dividido em: Roteamento

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Rede de Computadores II Slide 1 Roteamento Determinar o melhor caminho a ser tomado da origem até o destino. Se utiliza do endereço de destino para determinar a melhor rota. Roteador default, é o roteador

Leia mais

Alan Menk Santos. Redes de Computadores e Telecomunicações. Camada de Rede 21/05/2013. alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.

Alan Menk Santos. Redes de Computadores e Telecomunicações. Camada de Rede 21/05/2013. alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com. Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Redes de Computadores e Telecomunicações. Camada de Rede Modelo de Referência OSI 1 Camada de Rede: O que veremos. Entender os princípios

Leia mais

Tolerância a Falhas em Encaminhamento IP

Tolerância a Falhas em Encaminhamento IP Tolerância a Falhas em Sistemas Distribuídos e Tolerância a Falhas Hugo Veiga João Caldeira Vasco Soares hveiga@ubi.pt jcaldeira@est.ipcb.pt vasco_g_soares@est.ipcb.pt Hugo Veiga, João Caldeira, Vasco

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Roteamento www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Roteamento Roteamento é a técnica que define por meio de um conjunto de regras como os dados originados em

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Características Roteamento

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Características Roteamento Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Características Roteamento Professor Rene - UNIP 1 Roteamento Dinâmico Perspectiva e histórico Os protocolos de roteamento dinâmico são usados

Leia mais

CAMADA DE REDES. Fabrício de Sousa Pinto

CAMADA DE REDES. Fabrício de Sousa Pinto CAMADA DE REDES Fabrício de Sousa Pinto Introdução 2 Está relacionada a transferência de pacotes da origem para o destino. Pode passar por vários roteadores ao longo do percurso Transmissão fim a fim Para

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 4.5 Algoritmos de Roteamento Capítulo 4.6 Roteamento na Internet Prof. Jó Ueyama Abril/2011 SSC0641-2011 1 Rede Roteador default? saltos? rotas? SSC0641-2011 2 Roteamento

Leia mais

Redes de Computadores I. Gabarito da Lista de Exercícios 2 B C. Tabela de B B C

Redes de Computadores I. Gabarito da Lista de Exercícios 2 B C. Tabela de B B C Redes de omputadores I Gabarito da Lista de xercícios ) Na topologia abaixo, considere que: o protocolo de roteamento utilizado é baseado em istance Vector usando a técnica Split Horizon com poison reverse,

Leia mais

PROTOCOLOS DE ROTEAMENTO RIP e OSPF

PROTOCOLOS DE ROTEAMENTO RIP e OSPF PROTOCOLOS DE ROTEAMENTO RIP e OSPF Monografia apresentada na disciplina Laboratório de Redes II no Mestrado de Redes de Computadores da UNIFACS. Alunos : Manoel Carvalho Marques Neto manoel.netom@unifacs.br

Leia mais

Interconexão de Redes Parte 3. Prof. Dr. S. Motoyama

Interconexão de Redes Parte 3. Prof. Dr. S. Motoyama Interconexão de Redes Parte 3 Prof. Dr. S. Motoyama Protocolo de configuração dinâmica de host - DHCP DHCP proporciona uma estrutura para passar informação de configuração aos hosts (de maneira dinâmica

Leia mais

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva Prof. Marcel Santos Silva Embora os roteadores possam ser usados para segmentar os dispositivos de LAN, seu principal uso é como dispositivos de WAN. Os roteadores têm interfaces de LAN e WAN. As tecnologias

Leia mais

Aula-17 Interconexão de Redes IP (Internet Protocol) Prof. Dr. S. Motoyama

Aula-17 Interconexão de Redes IP (Internet Protocol) Prof. Dr. S. Motoyama Aula-7 Interconexão de Redes IP (Internet Protocol) Prof. Dr. S. Motoyama Encaminhamento IP Exemplo de tabela de roteamento de R: Rede/Sub-rede Mácara de sub-rede Próximo salto 28.96.34.0 255.255.255.28

Leia mais

TUDO SOBRE ENDEREÇOS IP

TUDO SOBRE ENDEREÇOS IP TUDO SOBRE ENDEREÇOS IP Revisão: Endereços IP são números de 32 bits, geralmente representados em notação decimal (xxx.xxx.xxx.xxx). Cada número decimal (xxx) representa oito bits em binário, e por isso,

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II Prof. Celio Trois portal.redes.ufsm.br/~trois/redes2 Roteamento Dinâmico Os protocolos de roteamento utilizados em redes pertencem a duas categorias: IGP (Interior Gateway Protocol)

Leia mais

unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA

unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Administração de Redes TCP/IP Roteamento: Sistemas Autônomos e EGP Prof. Dr. Adriano Mauro Cansian adriano@ieee.org UNESP - IBILCE - São José do Rio Preto 2001 1. Introdução

Leia mais

Redes de Computadores II INF-3A

Redes de Computadores II INF-3A Redes de Computadores II INF-3A 1 ROTEAMENTO 2 Papel do roteador em uma rede de computadores O Roteador é o responsável por encontrar um caminho entre a rede onde está o computador que enviou os dados

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II Prof. Celio Trois portal.redes.ufsm.br/~trois/redes2 Roteamento Dinâmico As principais vantagens do roteamento dinâmico são: Simplifica o gerenciamento da rede. Viável em grandes

Leia mais

Curso de extensão em Administração de Redes

Curso de extensão em Administração de Redes Curso de extensão em Administração de Redes Italo Valcy da Silva Brito1,2 1 Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia 2 Ponto de Presença

Leia mais

Camada de Rede - Roteamento. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Rede - Roteamento. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Rede - Roteamento Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Algoritmos de Roteamento: Roteamento de estado de enlace (link-state LS) Roteamento de Vetor de Distância (distancevector

Leia mais

Comunicação de Dados IV. Gabarito da Lista de Exercícios 2

Comunicação de Dados IV. Gabarito da Lista de Exercícios 2 omunicação de Dados IV Gabarito da Lista de Exercícios ) Na topologia abaixo, considerando que as redes estão interligadas através de pontes transparentes, indique as informações armazenadas em cache nas

Leia mais

» O roteador em uma rede geograficamente distribuída é um dos principais dispositivos responsáveis pelo sucesso do ambiente.

» O roteador em uma rede geograficamente distribuída é um dos principais dispositivos responsáveis pelo sucesso do ambiente. PROTOCOLOS DE ROTEAMENTO» O roteador em uma rede geograficamente distribuída é um dos principais dispositivos responsáveis pelo sucesso do ambiente.» Roteadores são os dispositivos responsáveis pelo recebimento

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Roteamento IP Redes de Computadores Objetivo Conhecer o modelo de roteamento da arquitetura TCP/IP Entender os conceitos básicos de algoritmo, métrica, tabela e protocolos de roteamento

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

Configuração de Roteadores e Switches CISCO

Configuração de Roteadores e Switches CISCO Configuração de Roteadores e Switches CISCO Introdução ao CISCO IOS Protocolos de Roteamento Módulo - V Professor do Curso de CISCO Prof. Robson Vaamonde, consultor de Infraestrutura de Redes de Computadores

Leia mais

Arquitectura de Redes

Arquitectura de Redes Arquitectura de Redes Routing Dinâmico BGP Arq. de Redes - Pedro Brandão - 2004 1 BGP (Border Gateway Protocol) Os protocolos de encaminhamento exteriores foram criados para controlar o crescimento das

Leia mais

Protocolos de Roteamento t Dinâmico i I RIP

Protocolos de Roteamento t Dinâmico i I RIP Redes de Computadores Protocolos de Roteamento t Dinâmico i I RIP Reinaldo Gomes reinaldo@cefet-al.br 1 Roteamento Relembrando: O roteamento IP consiste em duas fases: 1. Como repassar um pacote de uma

Leia mais

Roteamento em Redes de Computadores

Roteamento em Redes de Computadores Roteamento em Redes de Computadores José Marcos Câmara Brito INATEL - Instituto Nacional de Telecomunicações INATEL - Instituto Nacional de Telecomunicações 01/08/00 1 Introdução Objetivo Tipos de rede

Leia mais

Uma tabela de roteamento contém as informações necessárias para que um pacote IP seja encaminhado para o destino certo.

Uma tabela de roteamento contém as informações necessárias para que um pacote IP seja encaminhado para o destino certo. RIP (Protocolo de Informação de Rotemento) como o próprio nome diz é um protocolo de roteamento: isso significa que ele é responsável por manter as tabelas de roteamento entre os roteadores da mesma rede

Leia mais

CISCO Networking Academy. copyright Thiago MacAllister, 2006 C C N A. versão 3.1. Aulas. 3º Semestre Capítulo 1. Introdução ao Roteamento Classless

CISCO Networking Academy. copyright Thiago MacAllister, 2006 C C N A. versão 3.1. Aulas. 3º Semestre Capítulo 1. Introdução ao Roteamento Classless CISCO Networking Academy 3º Semestre C C N A versão 3.1 2006 Índice 1.1 VLSM 1.1.1 O que é VLSM e por que ele é usado 1.1.2 Desperdício de endereços 1.1.3 Quando usar VLSM 1.1.4 Cálculo de sub-redes com

Leia mais

Roteamento Unicast e Multicast. Profa. Priscila Solís Barreto

Roteamento Unicast e Multicast. Profa. Priscila Solís Barreto Roteamento Unicast e Multicast Profa. Priscila Solís Barreto Entrega A camada de rede supervisiona a manipulação dos pacotes nas redes física subjacente. Essa manipulação é definida como a entrega de um

Leia mais

Módulo 10 Fundamentos de Routing e de Sub-redes

Módulo 10 Fundamentos de Routing e de Sub-redes CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 10 Fundamentos de Routing e de Sub-redes Protocolos Roteados (Routed Protocols) 2 Protocolos Roteáveis e Roteados Routable and Routed Protocols Um protocolo roteado

Leia mais

A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações.

A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações. Topologia em estrela A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações. Como esta estação tem a responsabilidade de controlar

Leia mais

Formação IPv6 Maputo Moçambique 26 Agosto 29 Agosto 08

Formação IPv6 Maputo Moçambique 26 Agosto 29 Agosto 08 Formação IPv6 Maputo Moçambique 26 Agosto 29 Agosto 08 Pedro Lorga (lorga@fccn.pt) Carlos Friaças (cfriacas@fccn.pt) Exercício Prático: Objectivos Neste exercício deve conseguir completar as seguintes

Leia mais

Rot. #1. Metro Eth. Rot. #3 Rede. IP over SDH. GigaEth. Rot. #2. Rot. #4 LAN Eth. LAN Eth. Sw1 LAN. GigaEth INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES

Rot. #1. Metro Eth. Rot. #3 Rede. IP over SDH. GigaEth. Rot. #2. Rot. #4 LAN Eth. LAN Eth. Sw1 LAN. GigaEth INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES INTERCONEXÃO DE REDES LOCAIS COM ROTEADORES POR QUE NÃO SÓ PONTES? LANs podem ser conectadas entre si com pontes (bridges) Por que não usar sempre pontes para construir redes grandes? Pontes não fazem

Leia mais

M3 Redes de computadores avançado (36 horas - 48 TL)

M3 Redes de computadores avançado (36 horas - 48 TL) M3 Redes de computadores avançado (36 horas - 48 TL) Redes de Comunicação Ano lectivo 2013/2014 Camada de rede do modelo OSI Routers e portos de interface de routers (I) 2 Nesta camada imperam os routers.

Leia mais

Serviço de datagrama não confiável Endereçamento hierárquico. Facilidade de fragmentação e remontagem de pacotes

Serviço de datagrama não confiável Endereçamento hierárquico. Facilidade de fragmentação e remontagem de pacotes IP Os endereços IP são números com 32 bits, normalmente escritos como quatro octetos (em decimal), por exemplo 128.6.4.7. A primeira parte do endereço identifica uma rede especifica na interrede, a segunda

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Na Figura a seguir apresento um exemplo de uma "mini-tabela" de roteamento:

Na Figura a seguir apresento um exemplo de uma mini-tabela de roteamento: Tutorial de TCP/IP - Parte 6 - Tabelas de Roteamento Por Júlio Cesar Fabris Battisti Introdução Esta é a sexta parte do Tutorial de TCP/IP. Na Parte 1 tratei dos aspectos básicos do protocolo TCP/IP. Na

Leia mais

Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5

Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5 Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5 Prof. Celso Rabelo Centro Universitário da Cidade 1 Objetivo 2 3 4 IGPxEGP Vetor de Distância Estado de Enlace Objetivo Objetivo Apresentar o conceito de. Conceito

Leia mais

RESUMO: MANET EXTENSION OF OSPF USING CDS FLOODING

RESUMO: MANET EXTENSION OF OSPF USING CDS FLOODING UFRJ - UNIVERSIDADE FEDERAL DE RIO DE JANEIRO COPPE - COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ENGENHARIA PEE - PROGRAMA DE ENGENHARIA ELÉTRICA GTA - GRUPO DE TELE-INFORMATICA E AUTOMAÇÃO CPE 825 - ROTEAMENTO

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

A Camada de Rede. A Camada de Rede

A Camada de Rede. A Camada de Rede Revisão Parte 5 2011 Modelo de Referência TCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte Camada de Rede Camada de Enlace de Dados Camada de Física Funções Principais 1. Prestar serviços à Camada de Transporte.

Leia mais

Mobile Communications. RedesAd-hoc

Mobile Communications. RedesAd-hoc Ad-hoc 1 Mobile Communications RedesAd-hoc Manuel P. Ricardo Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Ad-hoc 2 Redes Ad-Hoc (Nível 3) Rede autoconfigurável Ligações sem fios Nós móveis topologia

Leia mais

Equipamentos de Redes. Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways

Equipamentos de Redes. Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways Equipamentos de Redes Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways Placas de Rede Placas de Rede Preparação dos quadros para que possam ser enviados pelos cabos. A placa de

Leia mais

Este documento é propriedade intelectual 2013 do Núcleo de Educação a distância da NRsystem e distribuído sob os seguintes termos:

Este documento é propriedade intelectual 2013 do Núcleo de Educação a distância da NRsystem e distribuído sob os seguintes termos: NRSYSTEM SOLUÇÕES Fundamentos de Design de Interfaces para Internet Este documento é propriedade intelectual 2013 do Núcleo de Educação a distância da NRsystem e distribuído sob os seguintes termos: 1.

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

Arquitetura de Rede de Computadores

Arquitetura de Rede de Computadores TCP/IP Roteamento Arquitetura de Rede de Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Ementa da Disciplina 4. Roteamento i. Máscara de Rede ii. Sub-Redes iii. Números Binários e Máscara de Sub-Rede iv. O Roteador

Leia mais

MPLS. Multi Protocol Label Switching

MPLS. Multi Protocol Label Switching MPLS Multi Protocol Label Switching Nome: Edson X. Veloso Júnior Engenheiro em Eletrônica Provedor de Internet desde 2002 Integrante da equipe de instrutores da MikrotikBrasil desde 2007 Certificado Mikrotik:

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Aula 6:, roteamento broadcast e multicast, protocolos IPv6 e ICMP Prof. Silvana Rossetto 5 de maio de 2010 1 Roteamento intra-as na Internet (RIP) Roteamento intra-as na Internet

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Camada de Transporte Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Março de 2011 1 / 59 Camada de Transporte Os protocolos dessa camada supervisionam o fluxo de

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores 1 Elmano R. Cavalcanti Redes de Computadores Camada de Rede elmano@gmail.com facisa-redes@googlegroups.com http://sites.google.com/site/elmano Esta apresentação contém slides fornecidos pela Editora Pearson

Leia mais

Teleprocessamento e Redes (MAB-510) Gabarito da Segunda Lista de Exercícios 01/2010

Teleprocessamento e Redes (MAB-510) Gabarito da Segunda Lista de Exercícios 01/2010 Teleprocessamento e Redes (MAB-510) Gabarito da Segunda Lista de Exercícios 01/2010 Prof. Silvana Rossetto (DCC/IM/UFRJ) 1 13 de julho de 2010 Questões 1. Qual é a diferença fundamental entre um roteador

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Redes de Computadores Nível de Rede Redes de Computadores 2 1 Nível de Rede Internet Nível de Rede na Internet O ambiente inter-redes: hosts conectados a redes redes interligam-se

Leia mais

ARP. Tabela ARP construída automaticamente. Contém endereço IP, endereço MAC e TTL

ARP. Tabela ARP construída automaticamente. Contém endereço IP, endereço MAC e TTL ARP Protocolo de resolução de endereços (Address Resolution Protocol) Descrito na RFC 826 Faz a tradução de endereços IP para endereços MAC da maioria das redes IEEE 802 Executado dentro da sub-rede Cada

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores s de Computadores s de Computadores s de Computadores 2 1 Roteamento como visto cada gateway / host roteia mensagens não há coordenação com outras máquinas Funciona bem para sistemas estáveis e sem erros

Leia mais

CURSO AVANÇADO DE BGP DESIGN COM ROTEADORES CISCO

CURSO AVANÇADO DE BGP DESIGN COM ROTEADORES CISCO CURSO AVANÇADO DE BGP DESIGN COM ROTEADORES CISCO Instrutor: Rinaldo Vaz Analista de Redes Responsável técnico pelo AS 28135 Versão do material: 1.0 1.1 INTRODUÇÃO autor: Rinaldo Vaz rinaldopvaz@gmail.com

Leia mais

Exercícios de Fixação TCP/IP

Exercícios de Fixação TCP/IP Capítulo 2 Endereço de Rede Exercícios de Fixação TCP/IP a) (V) Os pacotes IP são datagramas não-confiáveis b) (F) Os endereços do tipo 127.x.x.x são utilizados em redes do tipo Intranet c) (F) Os endereços

Leia mais

Fornecer serviços independentes da tecnologia da subrede; Esconder do nível de transporte o número, tipo e a topologia das subredes existentes;

Fornecer serviços independentes da tecnologia da subrede; Esconder do nível de transporte o número, tipo e a topologia das subredes existentes; 2.3 A CAMADA DE REDE! Fornece serviços para o nível de transporte, sendo, freqüentemente, a interface entre a rede do cliente e a empresa de transporte de dados (p.ex. Embratel).! Sua principal função

Leia mais

Camada de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Rede Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Internet Protocol IP; Fragmentação do Datagrama IP; Endereço IP; Sub-Redes; CIDR Classes Interdomain Routing NAT Network Address Translation

Leia mais

Modelo de Camadas OSI

Modelo de Camadas OSI Modelo de Camadas OSI 1 Histórico Antes da década de 80 -> Surgimento das primeiras rede de dados e problemas de incompatibilidade de comunicação. Década de 80, ISO, juntamente com representantes de diversos

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha Parte 3 www.marcelomachado.com

Prof. Marcelo Machado Cunha Parte 3 www.marcelomachado.com Prof. Marcelo Machado Cunha Parte 3 www.marcelomachado.com Protocolo é a linguagem usada pelos dispositivos de uma rede de modo que eles consigam se comunicar Objetivo Transmitir dados em uma rede A transmissão

Leia mais

Equipamentos de rede. Repetidores. Repetidores. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br

Equipamentos de rede. Repetidores. Repetidores. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br 1 Equipamentos de rede Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Repetidores É o dispositivo responsável por ampliar o tamanho máximo do cabeamento de rede; Como o nome sugere, ele repete as informações

Leia mais

Introdução. 128.10 Ligação direta 128.15 Ligação direta 129.7 128.15.1.3 Default 128.15.1.1

Introdução. 128.10 Ligação direta 128.15 Ligação direta 129.7 128.15.1.3 Default 128.15.1.1 Introdução Roteamento é a movimentação de informações da origem até o seu destino, sendo que essa informação deve passar por pelo menos um modo intermediário, ou seja, a origem e o destino não estão ligadas

Leia mais