Mortalidade em idosos: desenvolvimento e aplicação de uma metodologia para a recuperação da informação sobre a causa básica* 1

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mortalidade em idosos: desenvolvimento e aplicação de uma metodologia para a recuperação da informação sobre a causa básica* 1"

Transcrição

1 Mortalidade em idosos: desenvolvimento e aplicação de uma metodologia para a recuperação da informação sobre a causa básica* 1 Angela Maria Cascão (1 ) e Pauline Lorena Kale (2) RESUMO Introdução: Os idosos constituem o segmento populacional que concentra a maior parcela dos óbitos da população e também a maior proporção de causas de morte mal definidas. Objetivo: Desenvolver uma metodologia de recuperação de causas de morte naturais mal definidas em idosos (³60 anos) a partir do relacionamento das bases de dados do Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM) e do Sistema de Informações Hospitalares do Sistema Único de Saúde (SIH-SUS) e avaliar a sua efetividade na qualificação da certificação de causa básica de morte. Métodos: As fontes de dados foram o SIM e o SIH para, respectivamente, óbitos e internações ocorridos no Estado do Rio de Janeiro, Foram analisados os pares concordantes de causas naturais (capítulo da Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde CID10a Revisão) definidas segundo causa básica (CB) e diagnóstico principal (DP) da internação. O grau de concordância percentual foi classificado considerando-se os seguintes intervalos: < 25% = ruim; 25% - 49% = regular; 50% - 74% = bom e 75% = muito bom. Resultados: Foram selecionados óbitos de idosos cuja morte ocorreu durante a internação em hospitais do SUS. Houve diferença estaticamente significante (p valor<0,001) entre as médias de idade segundo sexo (mulheres: 77,2 e homens: 74,1 anos). Os quatro primeiros postos de maior freqüência de CB foram doenças do aparelho circulatório (DAC:34,6%), neoplasias (NEO:18,4%), doenças do aparelho respiratório (DAR:15,3%) e doenças endócrinas, nutricionais e metabólicas (DENM:10,5%) e de DP: DAC (29,7%), DAR (22,0%), NEO (10,3%) e doenças infecciosas e parasitárias (DIP:9,9%). O total de concordância foi cerca de 48%. A concordância entre as principais CB e DP foi considerada boa para DAC (60,7%), DAR (55,2%), NEO (51,3%) e regular para DENM (26,8%). Dentre as internações com diagnóstico principal DIP, cerca de 19% e 18% tiveram como a causa básica DAR e DAC, respectivamente. Apenas 4,8% dos óbitos por CB mal definidas não tiveram um diagnóstico de internação em outro capítulo da CID. Conclusões: Com a aplicação da metodologia simples proposta, é possível melhorar a informação sobre mortalidade a partir do diagnóstico principal de internação. Padrões de concordância segundo a localização de sua informação (partes I ou II do atestado médico) e o tipo de diagnóstico (principal ou secundário) deverão ser investigados visando maior acurácia do método e confiabilidade das estatísticas de mortalidade visando subsidiar ações de saúde específicas para o idoso e para a população em geral. Palavras-chave: mortalidade; internação; causa de morte; diagnóstico principal; diagnóstico secundário. 1 *Trabalho apresentado no XVIII Encontro Nacional de Estudos Populacionais, ABEP, realizado em Águas de Lindóia/SP Brasil, de 19 a 23 de novembro de (1) Doutoranda Instituto de Estudos em Saúde Coletiva (IESC/UFRJ) e Servidora da Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro (SES/RJ). (2) Professora Associada de Epidemiologia do Instituto de Estudos em Saúde Coletiva (IESC/UFRJ) 1

2 Mortalidade em idosos: desenvolvimento e aplicação de uma metodologia para recuperação da informação sobre causa básica Introdução Angela Maria Cascão e Pauline Lorena Kale O envelhecimento populacional no Brasil teve seu início na década de sessenta do século XX tendo a redução da taxa de fecundidade um papel importante na alteração da estrutura etária (CHAIMOWICZ, 1997). A partir de então, o estrato populacional dos idosos vem crescendo de forma gradual e contínua e em número superior aos demais estratos etários. Em quase trinta anos (1980 a 2009) a população de idosos no Brasil que representava 6,1% da população passou a representar 10,2%, portanto aumentando em torno de 4,0%, no Estado do Rio de Janeiro este aumento foi maior passando de 7,2% para 12,6% respectivamente. (DATASUS, 2010). Em números absolutos, o Brasil já em 1998 era a sexta população mais idosa do mundo. (OMS, 1998) As mudanças demográficas da população ocorrem em conjunto com mudanças nos padrões morbidade, invalidez e morte. As doenças transmissíveis são substituídas, entre as primeiras causas de morte, por doenças não transmissíveis e causas externas e a maior carga de morbi-mortalidade se desloca dos segmentos populacionais mais jovens para os idosos. (CHAIMOWICZ, 1997) Observa-se uma alteração no perfil de mortalidade da população com um aumento expressivo na ocorrência de doenças cardiovasculares, neoplasias e doenças respiratórias. (MELLO JORGE et al,2008). Em 2005, no Brasil, as principais causas de morte em idosos foram doenças do aparelho circulatório (36,5%), neoplasias (16%), doenças do aparelho respiratório (12,6%) e causas mal definidas (11,9%) (MELLO JORGE et al, 2008). Nesse estudo, entre 1996 e 2007, cerca de 77% dos óbitos em idosos ocorreram no domicílio. Os autores apresentam sugestões visando à redução das causas mal definidas como o relacionamento entre bancos de dados (SIM SIH/SUS), contato com o médico que assinou a Declaração de Óbito, análise do prontuário hospitalar e investigação com visita domiciliar e análise de prontuários dos serviços onde o falecido foi atendido. Abreu e colaboradores (2010) avaliaram que entre as capitais brasileiras estudadas, a do o Rio de Janeiro ocupou o maior posto entre as mortes por causas mal definidas (4º lugar) em idosos, independentemente do sexo, situação que não se alterou 2

3 entre 1996 e O aumento da proporção de óbitos por causas mal-definidas com o aumento da idade pode ser explicado, entre outros motivos, pela dificuldade de identificação da causa básica que iniciou o processo mórbido, haja vista o complexo encadeamento de causas em pessoas idosas (VASCONCELOS, 1996) e a alta freqüência de co-morbidades nesse estrato etário. (MARTIN et al, 2005). Considerando-se que os idosos constituem o segmento populacional que concentra a maior parcela dos óbitos da população e também a maior proporção de causas de morte mal definidas torna-se imprescindível o desenvolvimento e aplicação de metodologias efetivas e eficientes que visem assegurar maior confiabilidade das estatísticas de mortalidade permitindo o subsídio de ações de saúde específicas para o idoso e para a população em geral. Diversos estudos vêm sendo desenvolvidos objetivando a avaliação da qualidade das informações do Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM). O Sistema de Internações Hospitalares do Sistema Único de Saúde (SIH-SUS) tem sido uma importante fonte de informação para qualificação do SIM, principalmente em relação à causa básica de morte (CASCÃO et al, 2012; TEIXEIRA et al, 2006; MELO et al, 2004). No estudo de Cascão e colaboradores (2012) foi avaliada a qualidade da certificação das causas múltiplas de morte de 2000 a 2003 em uma coorte especial de indivíduos que sofreram amputação de membros inferiores consequentes ao diabetes mellitus SIH-SUS em 2000 no Estado do Rio de Janeiro. Segundo os autores, a combinação de metodologias de qualificação como o relacionamento de bases de dados e o uso de causas múltiplas de morte por diabetes numa coorte de especial mostrou-se efetiva e eficiente. Melo e colaboradores (2004) analisaram a confiabilidade e validade das informações em relação aos óbitos por infarto agudo do miocárdio (IAM) obtidos pelos sistemas de informações (SIH-SUS e SIM) e por leitura de prontuários hospitalares. Os principais problemas relatados pelos autores foram ausência de emissão da AIH, diagnóstico diferente de IAM no campo diagnóstico principal na AIH e subnotificação da ocorrência de óbito. O objetivo deste trabalho foi desenvolver uma metodologia de recuperação de causas de morte naturais mal definidas em idosos ( 60 anos) a partir do 3

4 relacionamento das bases de dados do Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM) e do Sistema de Informações Hospitalares do Sistema Único de Saúde (SIH-SUS) e avaliar a sua efetividade na qualificação da certificação de causa básica de morte. Metodologia Este estudo é um subprojeto do estudo denominado Informações em Saúde, desenvolvido pela Faculdade de Saúde Pública da USP com participação de técnicos da Secretaria Estadual de Saúde do Rio de Janeiro. A fonte de dados de mortalidade foi o SIM e de internações hospitalares, o SIH-SUS para óbitos de indivíduos com mais de 60 anos ocorridos no Estado do Rio de Janeiro em O banco de dados do presente estudo é resultante do relacionamento das bases de dados de mortalidade e de internações de idosos (óbito). Os pares foram formados a partir da utilização do software RecLink II, que executa o relacionamento probabilístico com rotinas para padronização dos campos comuns a serem empregados no relacionamento. (CAMARGO JR. et al, 2000). A figura 1 apresenta o diagrama do relacionamento das bases de dados e a população de estudo, composta por óbitos de maiores de sessenta aos de idade ocorridos durante a internação hospitalar no Sistema Único de Saúde no Estado do Rio de Janeiro em 200 (óbitos pareados, n=15807). O banco de dados do SIM foi disponibilizado pela Assessoria de Informações em Saúde SVS/SES e da SIH, pelo DATASUS, tendo sido cumpridas todas as exigências quanto ao sigilo das informações de identificação. 4

5 SIM TOTAL (não fetal) SIH/SUS TOTAL (ERJ) SIM 60 e + anos SIH/SUS 60 e + anos SIM Óbitos SUS Saída/Óbito Saída/Curado Transferido Pareados SIM/SIH-SUS Figura 1: Diagrama do relacionamento das bases de dados (SIM com SIH-SUS) e a composição da população de estudo (óbitos pareados). As distribuições dos óbitos e internações foram descritas segundo sexo e idade (60 a 69, 70 a 79 e maior ou igual a 80 anos de idade). Foram testadas as diferenças estatísticas entre as médias de idade segundo sexo ao nível de significância de 5%. A mortalidade proporcional e a distribuição das internações segundo diagnóstico principal e diagnóstico secundário por sexo foram analisadas segundo capítulo e grupos de causas da Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde, 10ª Revisão (CID 10) e classificadas segundo o posto de frequência em ordem decrescente. Foram analisados os pares concordantes, entre a causa básica natural (SIM) e o tipo de diagnóstico da internação que resultou em morte (SIH-SUS), segundo 5

6 capítulo da CID 10. Inicialmente foi avaliada a concordância entre a causa básica e o diagnóstico principal. Os registros de morte não concordantes na etapa anterior serão analisados quanto à concordância com o diagnóstico secundário. O grau de concordância percentual será classificado considerando-se os seguintes intervalos de concordância: a) < 25% = ruim; b) de 25% a 49% = regular; c) de 50% a 74% = bom e d) 75% = muito bom (MELLO JORGE, 2010). Quanto às questões éticas do projeto foram seguidas as orientações da Resolução nº 196, norteadora das recomendações do Ministério da Saúde para desenvolvimento de pesquisas em seres humanos (BRASIL, 2003). Ressaltam-se alguns aspectos descritos a seguir: 1- o banco de dados do SIM foi disponibilizado pela Assessoria de Informações CGVS/SVS/SES e da SIH, pelo DATASUS, após solicitação formal à Secretaria de Atenção à Saúde (SAS) do Ministério da Saúde tendo sido cumpridas todas as exigências quanto ao sigilo das informações identificadas. 2 o autor se compromete junto a SES/RJ e DATASUS, que a utilização das bases identificadas se deu somente para o relacionamento das bases. 3 - após o pareamento dos registros a identificação foi desprezada. Sendo assim, as bases de dados que estão sendo analisadas não contem a identificação do falecido e as análises estão sendo realizadas em computadores da instituição, sendo para uso exclusivo do estudo. Resultados A população de estudo é composta por óbitos de idosos cuja morte ocorreu durante a internação em hospitais do SUS. Predominaram óbitos na faixa etária de 70 a 79 anos de idade, cerca de 37% (Tabela 1). 6

7 Tabela 1 Diatribuição dos óbitos maiores de 60 anos relacionados, segundo faixa etária e sexo Estado do Rio de Janeiro Faixa Etaria Total Sexo Feminino Masculino Total ,9% 59,1% 100% (28,8%) ,2% 52,8% 100% (37,3%) ,3% 39,7% 100% (34,0%) ,8% 50,2% 100,0% (%) Total na faixa etária em relação ao total de óbitos FONTE: Base de óbitos relacionadas (SIM/SIH) 2006 A razão de masculinidade dos óbitos foi cerca de um, entretanto, ao considerar-se as faixas etárias, observou-se uma maior freqüência de óbitos do sexo masculino nas faixas etárias de 60 a 69 e 70 a 79 anos, e do sexo feminino entre os óbitos com 80 anos ou mais (razão de masculinidade: 1,4 e 1,1 e 0,65 respectivamente). As diferenças entre as médias de idade segundo sexo (mulheres: 77,2 e homens: 74,1 anos) foram estaticamente significantes (p valor<0,001). Na análise da mortalidade proporcional por causa básica (Capítulos da Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas relacionados à Saúde - Décima Revisão CID 10), independentemente do sexo, destacaram-se nos quatro primeiros postos de maior freqüência Doenças do Aparelho Circulatório (cap. IX), Neoplasias (cap. II), Doenças do Aparelho Respiratório (cap. X) e Doenças Endócrinas, Nutricionais e Metabólicas (cap. IV). As demais causas por capítulo da CID apresentaram individualmente percentuais inferiores a 6% sendo (Tabela 2). 7

8 Tabela 2 Frequencia absoluta (nº), percentual (%) e posto de óbitos relacionados segundo Causa Básica (Capítulos da CID 10ª) e sexo - Estado do Rio de Janeiro Capítulos Masculino Posto Feminino Posto Total Posto nº % nº % nº % I - Algumas Doenças Infecciosas e Parasitárias 349 4,4 6º 349 4,4 6º 698 4,4 6º II - Neoplasias ,1 2º ,6 2º ,4 2º III - D.do Sangue e dos Órgãos Hematop.e Alguns Transt.Imunitários 60 0,8 10º 86 1,1 10º 146 0,9 10º IV - Doenças Endócrinas, Nutricionais e Metabólicas 730 9,2 4º ,8 4º ,5 4º V - Transtornos Mentais e Comportamentais 55 0,7 11º 29 0,4 13º 84 0,5 12º VI - Doenças do Sistema Nervoso 112 1,4 9º 120 1,5 9º 232 1,5 9º VIII - Doenças do Ouvido e da Apófise Mastóide 1 0,0 16º 1 0,0 15º 2 0,0 16º IX - Doenças do Aparelho Circulatório ,3 1º ,9 1º ,6 1º X - Doenças do Aparelho Respiratório ,2 3º ,4 3º ,3 3º XI - Doenças do Aparelho Digestivo 431 5,4 5º 362 4,6 5º 793 5,0 5º XII - Doenças da Pele e do Tecido Subcutâneo 37 0,5 12º 72 0,9 11º 109 0,7 11º XIII - Doenças do Sistema Osteomuscular e do Tecido Conjuntivo 19 0,2 14º 24 0,3 14º 43 0,3 14º XIV - Doenças do Aparelho Geniturinário 318 4,0 7º 316 4,0 7º 634 4,0 7º XVII - Malformações Congênitas, Deformidades e Anomalias Congênitas 5 0,1 15º 0 0,0 16º 5 0,0 15º XVIII - Sintomas, Sinais e Achados Anor.de Exames Clín.e de Lab.NCOP 31 0,4 13º 34 0,4 12º 65 0,4 13º XX - Causas Externas 257 3,2 8º 283 3,6 8º 540 3,4 8º TOTAL , , ,0 FONTE: Base de Dados Relacionados (SIM / SIH) Em relação ao Diagnóstico Principal de internação, independentemente do sexo, os quatro primeiros postos de maior frequência são as Doenças do Aparelho Circulatório (cap. IX), Doenças do Aparelho Respiratório (cap. X), as Neoplasias (cap. II), e Algumas Doenças Infecciosas e Parasitárias (cap. I), a única exceção foi em relação ao sexo feminino no 3º posto que é ocupado por Algumas Doenças Infecciosas e Parasitárias (cap. I) e o 4º pelas Neoplasias (cap. II) Tabela 1). Do 5º ao 9º posto tanto para o sexo masculino quanto para o feminino o posicionamento das causas foi idêntico. As demais causas por capítulo da CID apresentaram individualmente percentuais inferiores a 3% sendo (Tabela 3). 8

9 Tabela 3 Frequencia absoluta (nº), percentual (%) e posto de óbitos relacionados segundo Diagnóstico Principal (Capítulos da CID 10ª) e sexo - Estado do Rio de Janeiro Capítulos Masculino Posto Feminino Posto Total Posto nº % nº % nº % I - Algumas Doenças Infecciosas e Parasitárias 759 9,6 4º ,3 3º ,9 4º II - Neoplasias ,8 3º 772 9,8 4º ,3 3º III - D.do Sangue e dos Órgãos Hematop.e Alguns Transt.Imunitários 78 1,0 11º 93 1,2 11º 171 1,1 11º IV - Doenças Endócrinas, Nutricionais e Metabólicas 634 8,0 5º 674 8,6 5º ,3 5º V - Transtornos Mentais e Comportamentais 53 0,7 12º 38 0,5 14º 91 0,6 12º VI - Doenças do Sistema Nervoso 187 2,4 10º 205 2,6 9º 392 2,5 10º VII - Doenças do Olho e Anexos 0 0,0 17º 1 0,0 17º 1 0,0 17º IX - Doenças do Aparelho Circulatório ,8 1º ,5 1º ,7 1º X - Doenças do Aparelho Respiratório ,0 2º ,0 2º ,0 2º XI - Doenças do Aparelho Digestivo 477 6,0 6º 438 5,6 6º 915 5,8 6º XII - Doenças da Pele e do Tecido Subcutâneo 42 0,5 13º 45 0,6 12º 87 0,6 13º XIII - Doenças do Sistema Osteomuscular e do Tecido Conjuntivo 22 0,3 14º 44 0,6 13º 66 0,4 14º XIV - Doenças do Aparelho Geniturinário 270 3,4 7º 245 3,1 7º 515 3,3 7º XVII - Malformações Congênitas, Deformidades e Anomalias Congênitas 7 0,1 15º 10 0,1 15º 17 0,1 15º XVIII - Sintomas, Sinais e Achados Anor.de Exames Clín.e de Lab.NCOP 199 2,5 9º 203 2,6 10º 402 2,5 9º XIX - Lesões, Envenen.e Alg.Outras Conseq.de Causas Externas 223 2,8 8º 220 2,8 8º 443 2,8 8º XX - Causas Externas 0 0,0 18º 1 0,0 18º 1 0,0 18º XXI - Fatores que Influen.o Est.de Saúde e o Contato com Serv.de Saúde 4 0,1 16º 10 0,1 16º 14 0,1 16º TOTAL , , ,0 FONTE: Base de Dados Relacionados (SIM / SIH) Retirados 6 registro com causa no Cap. XV (Gravidez, Parto e Puerpério) Em relação ao Diagnóstico Secundário, observou-se que não houve registro de informação em 76,0% dos óbitos (Tabela 4). Quanto aos óbitos que tiveram o diagnóstico secundário informado (24,0%) as doenças do aparelho circulatório (4,9%), as doenças do aparelho respiratório (4,6%) e as causas externas (2,9%) e as doenças endócrinas, nutricionais e metabólicas (2,9%) foram os grupos de causas com os maiores percentuais, entretanto é importante ressaltar que em relação as causas externas estas sempre deverão ser como diagnóstico secundário, e as lesões (cap.ix) provocadas pelos acidentes ou violências devem ser informados no campo do diagnóstico secundário. 9

10 Tabela 4 Frequencia absoluta (nº), percentual (%) e posto de óbitos relacionados segundo Diagnóstico Secundário (Capítulos da CID 10ª) e sexo - Estado do Rio de Janeiro Capítulos Masculino Feminino Total Posto Posto nº % nº % nº % Posto I - Algumas Doenças Infecciosas e Parasitárias 80 1,0 8º 72 0,9 8º 152 1,0 8º II - Neoplasias 162 2,0 5º 116 1,5 7º 278 1,8 6º III - D.do Sangue e dos Órgãos Hematop.e Alguns 52 0,7 10º 62 0,8 10º 114 0,7 10º IV - Doenças Endócrinas, Nutricionais e Metabólicas 196 2,5 4º 255 3,2 3º 451 2,9 4º V - Transtornos Mentais e Comportamentais 10 0,1 14º 5 0,1 14º 15 0,1 14º VI - Doenças do Sistema Nervoso 28 0,4 11º 34 0,4 11º 62 0,4 11º VIII - Doenças do Ouvido e da Apófise Mastóide 0 0,0 18º 1 0,0 17º 1 0,0 17º IX - Doenças do Aparelho Circulatório 333 4,2 2º 446 5,7 1º 779 4,9 1º X - Doenças do Aparelho Respiratório 377 4,8 1º 358 4,5 2º 735 4,6 2º XI - Doenças do Aparelho Digestivo 71 0,9 9º 63 0,8 9º 134 0,8 9º XII - Doenças da Pele e do Tecido Subcutâneo 18 0,2 12º 20 0,3 12º 38 0,2 12º XIII - Doenças do Sistema Osteomuscular e do Tecido Conjuntivo 10 0,1 15º 4 0,1 15º 14 0,1 15º XIV - Doenças do Aparelho Geniturinário 132 1,7 7º 122 1,5 6º 254 1,6 7º XVII - Malformações Congênitas, Deformidades e Anomalias 1 0,0 17º 0 0,0 18º 1 0,0 18º CXVIII êi - Sintomas, Sinais e Achados Anor.de Exames Clín.e de 148 1,9 6º 132 1,7 5º 280 1,8 5º XIX - Lesões, Envenen.e Alg.Outras Conseq.de Causas Externas 11 0,1 13º 10 0,1 13º 21 0,1 13º XX - Causas Externas 231 2,9 3º 225 2,9 4º 456 2,9 3º XXI - Fatores que Influen.o Est.de Saúde e o Contato com 2 0,0 16º 3 0,0 16º 5 0,0 16º S d S úd Não Preenchido , , ,0 TOTAL , , ,0 FONTE: Base de Dados Relacionados (SIM / SIH) Os agrupamentos que mais contribuíram para os principais grupos de causas quando observada a causa básica informada no SIM, verificamos 50,0% dos óbitos por Neoplasias se dividem entre os agrupamentos das neoplasias dos Órgãos Digestivos (34,4%) e o dos Órgãos Respiratórios e Intratorácicos (15,5%). Dos óbitos devido a Doenças Endócrinas, Nutricionais e Metabólicas mais de 85,0% destes óbitos foram por Diabetes Mellitus (73,9%) e Desnutrição (15,2%). Os óbitos por Doenças do Aparelho Circulatório concentram-se em dois agrupamentos (63,5%), sendo que as Outras formas de Doença do Coração contribuem com 19,4% e as Doenças Cerebrovasculares com 44,1%. Em relação aos óbitos por Doenças do Aparelho Respiratório, destacam-se os agrupamentos: Influenza e Pneumonia (42,9%) e Doenças Crônicas das vias inferiores (34,6%). (Tabela 5) 10

11 Tabela 5 Frequencia absoluta (nº) e Percentual (%) de óbitos relacionados segundo Principais Causas informadas como Causa Básica (Capítulos / Agrupamento da CID 10ª) Estado do Rio de Janeiro CAUSA/CAPÍTULO nº % Cap. II Neoplasias ,4 ** Neoplasia Maligna dos Órgãos Digestivos ,4 * Neoplasia Maligna dos Órgãos Respiratórios e Intratorácicos ,5 * Demais ,0 * Cap. IV - Doenças Endócrinas, Nutricionais e Metabólicas ,5 ** Diabetes Mellitus ,9 * Denutrição ,2 * Demais ,8 * Cap. IX - Doenças do Aparelho Circulatório ,6 ** Outras formas de Doença do Coração ,4 * Doenças Cerebrovasculares ,1 * Demais ,5 * Cap. X - Doenças do Aparelho Respiratório ,3 ** Influenza e Pneumonia ,9 * Doenças crônicas das vias aéreas inferiores ,6 * Demais ,6 * TOTAL FONTE: Base de Dados Relacionados (SIM / SIH) (*) Percentual em relação ao Total do Capítulo (**) Percentual em relação ao Total Relacionado Quando observamos os principais grupos de causas informados no SIH como Diagnóstico Principal, para Neoplasias, Doenças do Aparelho Circulatório e Respiratório, apresentam como principais agrupamentos os mesmos observados no SIM (Tabela 6). O agrupamento das doenças bacterianas (88,2%) é o principal dentro do grupo das doenças Infecciosas. 11

12 Tabela 6 Frequencia absoluta (nº) e Percentual (%) de óbitos relacionados segundo Principais Causas informadas como Diagnóstico Principal (Capítulos / Agrupamento da CID 10ª) Estado do Rio de Janeiro CAUSA/CAPÍTULO nº % Cap. I - Algumas Doenças Infecciosas e Parasitárias ,9 ** Doenças Infecciosas Intestinais 53 3,4 * Outras Doenças Bacterianas ,2 * Demais 132 8,4 * Cap. II Neoplasias ,3 ** Neoplasia Maligna dos Órgãos Digestivos ,5 * Neoplasia Maligna dos Órgãos Respiratórios e Intratorácicos ,9 * Demais ,6 * Cap. IX - Doenças do Aparelho Circulatório ,7 ** Outras formas de Doença do Coração ,5 * Doenças Cerebrovasculares ,4 * Demais ,1 * Cap. X - Doenças do Aparelho Respiratório ,0 ** Influenza e Pneumonia ,2 * Outras Doenças do Aparelho Respiratório ,7 * Demais ,1 * TOTAL FONTE: Base de Dados Relacionados (SIM / SIH) Retirados 6 registros do Total com causa no Cap. XV (Gravidez, Parto e Puerpério) (*) Percentual em relação ao Total do Capítulo (**) Percentual em relação ao Total Relacionado Entre as causas informadas como Diagnóstico Secundário, o Capítulo IX (Doenças do aparelho circulatório) tem como principal agrupamento as doenças hipertensivas (47,5%); a principal causa informada entre as doenças respiratórias (Capítulo X) encontra-se o agrupamento da influenza/pneumonia que contribui com o maior percentual de casos (48,0%) e no Capítulo XX (Causas Externas) os acidentes apresentam o maior percentual (63,2%) (Tabela 7). 12

13 Tabela 7 Frequencia absoluta (nº) e Percentual (%) de óbitos relacionados segundo Principais Causas informadas como Diagnóstico Secundário (Capítulos / Agrupamento da CID 10ª) Estado do Rio de Janeiro CAUSA/CAPÍTULO nº Cap. IV - Doenças Endócrinas, Nutricionais e Metabólicas ,9 ** Diabetes Mellitus ,1 * Disturbios Metabólicos ,2 * Demais 98 21,7 * Cap. IX - Doenças do Aparelho Circulatório ,6 ** Doenças Hipertensivas ,5 * Doenças Cerebrovasculares ,4 * Demais ,1 * Cap. X - Doenças do Aparelho Respiratório ,4 ** Influenza e Pneumonia ,0 * Outras Doenças do Aparelho Respiratório ,7 * Demais ,3 * Cap. XX Causas Externas ,0 ** Acidentes de Transporte ,3 * Outras Causas Esternas de Lesões acidentais ,2 * Demais 48 10,5 * NÃO PREENCHIDO ,0 *** TOTAL % FONTE: Base de Dados Relacionados (SIM / SIH) (*) Percentual em relação ao Total do Capítulo (**) Percentual em relação ao Total de Diagnósticos preenchidos no SIH N= 3790 (População de Estudo) (***) Percentual em relação ao Total Relacionado Entre a Causa Básica (SIM) e o Diagnóstico Principal (SIH) foi encontrada uma concordância regular de 47,9% a nível de Capítulos da CID (Tabela 8), já em relação ao Diagnóstico Secundário a concordância ruim, 11,0% (Tabela 9). 13

14 Tabela 8 Número de óbitos segundo Capítulos no SIM (CausaBásica) e SIH (Diagnósito Principal) Estado do Rio de Janeiro Causa Básica (SIM) Diagnóstico Principal (SIH) I II III IV IX V VI VII X XI XII XIII XIV XIX XVII XVIII XX XXI Total I II III IV IX V VI VIII X XI XII XIII XIV XVII XVIII XX Total FONTE: Base de Dados Relacionados (SIM / SIH) Retirados 6 registros do Total com causa no Cap. XV (Gravidez, Parto e Puerpério) CID: Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde. Capítulos da CID: I. D.Infecciosas e parasitárias; II. Neoplasias; III. D.Sangue e transtornos imunitários; IV. D.Endócrinas nutricionais e metabólicas; V. Transtornos mentais; VI. D.Sistema nervoso; VII. Doenças do olho; VIII. Doenças do ouvido; IX. D. aparelho circulatório; X. D.Aparelho respiratório; XI. Doenças do aparelho digestivo; XII. D.Pele tecido subcutâneo; XIII.D. Sistema osteomuscular e tecido conjuntivo; XIV. D. Aparelho geniturinário; XVII. Malformação congênita; XVIII. Mal Definidas; XX. Causas externas e XXI. Contato com Serviços de Saúde 14

15 Tabela 9 Número de óbitos por Capítulos da CID (Causa Básica - SIM) discordantes do Diagnóstico Principal (SIH), segundo Diagnósito Secundário (SIH)* Estado do Rio de Janeiro Causa Básica (SIM) Diagnóstico Secundário (SIH) I II III IV IX V VI VIII X XI XII XIII XIV XIX XVIII XX XXI I II III IV IX V VI VIII X XI XII XIII XIV XVII XVIII XX Total Total FONTE: Base de Dados Relacionados (SIM / SIH) (*) Somente óbitos em que o Diagnóstico Secundário foi preenchido CID: Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde. Capítulos da CID: I. D.Infecciosas e parasitárias; II. Neoplasias; III. D.Sangue e transtornos imunitários; IV. D.Endócrinas nutricionais e metabólicas; V. Transtornos mentais; VI. D.Sistema nervoso; VIII. Doenças do ouvido; IX. D. aparelho circulatório; X. D.Aparelho respiratório; XI. Doenças do aparelho digestivo; XII. D.Pele tecido subcutâneo; XIII.D. Sistema osteomuscular e tecido conjuntivo; XIV. D. Aparelho geniturinário; XVII. Malformação congênita; XVIII. Mal Definidas; XX. Causas externas e XXI. Contato com Serviços de Saúde Discussão A mortalidade em idosos internados em estabelecimentos do SUS no estado do Rio de Janeiro em 2006 apresentou maior frequência entre os homens e com idade inferior quando comparados às mulheres, em concordância com os resultados do estudo em Porto Alegre entre 1999 e 2004 (FREITAS, 2008). O perfil de mortalidade por causas em idosos no presente estudo se assemelhou ao encontrado em outros estudos de mortalidade de base populacional (MELLO JORGE, 2008, LIMA - COSTA et al, 2000). Fazem-se exceções as causas Mal Definidas que em nosso estudo ocuparam a 13 0 posição na frequência decrescente de óbitos ocorridos durante a internação e o quarto lugar no total de óbitos da base populacional do estado em 15

16 2007 (ABREU et al, 2010) podendo estar refletindo uma melhor certificação da causa de morte entre os óbitos hospitalares de idosos quando comparados aos da base populacional. Os resultados obtidos na população de estudo, mostraram que as três principais Causas Básicas de morte (SIM) e os três principais Diagnósticos Principais das internações que evoluíram para óbito (SIH), a nível de capítulo da CID-10, foram os mesmos, sendo o primeiro posto ocupado pelo Capítulo das Doenças do Aparelho Circulatório. Observou-se, entretanto, uma troca de postos referentes aos Capítulos das Neoplasias e das Doenças do Aparelho Respiratório: segundo e terceiro postos de causas de morte e o contrário como diagnóstico principal. Freitas (2008) apontou a presença de concordância entre as duas principais causas de morte e de diagnóstico principal, Doenças do Aparelho Circulatório e Neoplasias, em idosos de Porto Alegre. Quando se comparam os principais grupos (agrupamentos da CID10ª Revisão) dos três Capítulos de maior frequência de causa de morte e internação do presente estudo, observou-se que não existiam diferenças, para o Capítulo das Doenças do Aparelho Circulatório e as Neoplasias e para as Doenças do Aparelho Respiratório a Influenza e a Pneumonia tem a mesma importância. As concordâncias entre Causa Básica e Diagnóstico Principal e entre Causa Básica e Diagnóstico Secundário foram consideradas regular e ruim, respectivamente. A presença do Diagnóstico Secundário, apenas 24% neste estudo torna-se relevante para aplicação da metodologia proposta na qual para os casos de não concordância entre a Causa Básica de morte e o Diagnóstico Principal, buscar-se-á a concordância com o Diagnóstico Secundário. No estudo de Texeira et al (2006) a partir do relacionamento probabilístico dos bancos do SIM e de internações de uma amostra contemplando não restrita aos idosos, foi possível resgatar uma causa definida, a nível de capítulo da CID 10, entre 16,3% dos óbitos originalmente certificados como causas Mal Definidas. Para o estabelecimento de uma rotina para recuperar a Causa Básica de morte definida entre aqueles óbitos que tiveram certificado originalmente Causas Mal Definidas a partir dos diagnósticos de internação novas análises deverão ser realizadas. Uma etapa 16

17 subsequente necessária é a avaliação da concordância segundo capítulo da CID 10 e por grupamento de causas. Conclusão Considerando-se o aumento de idosos na população e a frequência de óbitos nessa faixa etária, a qualificação da cerificação das causas de morte na população idosa, torna-se imprescindível para maior confiabilidade das estatísticas de mortalidade e para subsidiar ações de saúde específicas para esse seguimento populacional. Para alcançar uma melhor qualidade das informações sobre mortalidade, principalmente em relação às causas de morte, ainda hoje, é preciso um maior investimento na formação médica no que diz respeito a certificação do óbito, desde a graduação do profissional no sentido de que ao conhecer a importância das informações contidas na Declaração de Óbito possam, também, se identificar como o elo inicial de todos os profissionais que atuam na elaboração das estatísticas de mortalidade. O desenvolvimento de métodos para recuperação das verdadeiras causas de morte, em geral são de alto custo e muito trabalhosos, o método aqui utilizado mostrou-se potencialmente efetivo e eficiente para os serviços onde são processados os dados de mortalidade, possibilitando a qualificação das informações e consequentemente indicadores de mortalidade mais fidedignos. 17

18 Referências Bibliográficas 1. ABREU, D.M.X; SAKURAI, E; CAMPOS L.N. A evolução da mortalidade por causas mal definidas na população idosa em quatro capitais brasileiras, R. Bras. Est. Pop., Rio de Janeiro, v. 27, n. 1, p , jan./jun CAMARGO JR, K; COELI C.M. RecLink: aplicativo para relacionamento de banco de dados implementando o método probabilístico record linkage. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 16, n. 2, p CASCAO, A.M; COSTA, A.J.L; KALE, P.L. Qualidade da informação sobre mortalidade numa coorte de diabéticos - Estado do Rio de Janeiro, 2000 a Rev. Bras. Epidemiol., São Paulo, v. 15, n. 1, Mar CHAIMOWICZ, F. A saúde dos idosos brasileiros às vésperas do século XXI: problemas, projeções e alternativas. Revista de Saúde Pública, 31(2): , São Paulo, FREITAS, CN. Internações hospitalares de idosos pelo SUS em Porto Alegre. Monografia. Especialização em Saúde Pública, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, LIMA E COSTA, MF. GUERRA, HL, BARRETO, SM, GUIMARÃES, RM.Diagnóstico da Situação de Saúde da População Idosa Brasileira: um Estudo da Mortalidade e das Internações Hospitalares Públicas Informe Epidemiológico do SUS; 9(1) : 23-41, MARTIN, G.B; CARDINI JUNIOR, L; BASTOS, Y.G.L. Aspectos demográficos do processo de envelhecimento populacional em cidade do sul do Brasil. Epidemiologia Serviço Saúde, 14(3): , MELO, E.C.P; TRAVASSOS, C; CARVALHO, M.S. Qualidade dos dados sobre óbitos por infarto agudo do miocárdio, Rio de Janeiro. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v 38, n 3, p MELLO JORGE, M.H.P; LAURENTI, R; LIMA-COSTA, M.F; GOTLIEB, S.L.D; CHIAVEGATTO FILHO, A.D.P. A mortalidade em idosos no Brasil: a questão das causas mal definidas. Epidemiologia Serviços Saúde, 17(4): ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. (OMS). Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde 10ª Revisão. São Paulo: Centro Colaborador da OMS para a Classificação de Doenças em Português/MS/USP/OPAS; 5ª ed.; Editora da Universidade de São Paulo. São Paulo, v I, II e III. 18

19 11. TEIXEIRA, C.L.S; BLOCK, K.V; PINHEIRO, R.S; KLEIN, C.H. Concordância entre as causas de óbito nas declarações de óbito e diagnósticos nas autorizações de internação hospitalar em regiões do Estado do Rio de Janeiro, em 1998, usando relacionamento probabilístico. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v 15, n 2, p VASCONCELOS, A.M.N. Estatísticas de mortalidade por causas: uma avaliação da qualidade da informação. In: Anais do X Encontro Nacional de Estudos Populacionais [CD-ROM] 1996, Caxambú, Brasil. Caxambu: ABEP; v.1, p

2000 2003 Porto Alegre

2000 2003 Porto Alegre 2000 2003 Porto Alegre 1 Tabela 1- Série histórica do número de óbitos e Coeficientes de Mortalidade Geral (CMG) no Brasil, Rio Grande do Sul e Porto Alegre, 1980-2003 Brasil RS Porto Alegre Ano óbitos

Leia mais

Introdução. Métodos Resultados

Introdução. Métodos Resultados GASTO MÉDIO PER CAPITA DO MINISTÉRIO DA SAÚDE COM MEDICAMENTOS EXCEPCIONAIS Cristina Mariano Ruas Brandão Iola Gurgel Andrade, Mariângela Leal Cherchiglia, Grazielle Dias da Silva, Augusto Afonso Guerra

Leia mais

CAUSAS DE MORBIDADE HOSPITALAR POR DOENÇAS DE INTERNAÇÃO EVITÁVEL EM CRIANÇAS DE 1 A 4 ANOS

CAUSAS DE MORBIDADE HOSPITALAR POR DOENÇAS DE INTERNAÇÃO EVITÁVEL EM CRIANÇAS DE 1 A 4 ANOS CAUSAS DE MORBIDADE HOSPITALAR POR DOENÇAS DE INTERNAÇÃO EVITÁVEL EM CRIANÇAS DE 1 A 4 ANOS Scaleti Vanessa Brisch 1 Beatriz Rosana Gonçalves de Oliveira Toso RESUMO: Estudo sobre as causas de internações

Leia mais

Boletim Epidemiológico

Boletim Epidemiológico ISSN 1806-0463 Secretaria da Saúde v. 14 Suplemento 1 12 Boletim Epidemiológico Análise da Mortalidade por Doenças Crônicas Não Transmissíveis no Rio Grande Luciana Sehn 1 1 Estatística do Centro Estadual

Leia mais

Mortalidade e morbidade por câncer de mama feminino na região Sudeste do Brasil (segundo UF s): uma análise para 1998 e 2003 *

Mortalidade e morbidade por câncer de mama feminino na região Sudeste do Brasil (segundo UF s): uma análise para 1998 e 2003 * Mortalidade e morbidade por câncer de mama feminino na região Sudeste do Brasil (segundo UF s): uma análise para 1998 e 2003 * Maria Elizete Gonçalves Alexandar de Brito Barbosa Palavras-chave: mortalidade;

Leia mais

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 *

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * Andréa Branco Simão UFMG/Cedeplar Luiza de Marilac de Souza UFMG/Cedeplar Palavras Chave:

Leia mais

Causas de morte 2013

Causas de morte 2013 Causas de morte 2013 26 de maio de 2015 Causas de morte 2013 Os tumores malignos e as doenças do aparelho circulatório estiveram na origem de mais de metade dos óbitos ocorridos no país em 2013, representando

Leia mais

PORTO ALEGRE. Mortalidade por Gerencia Distrital, 2010

PORTO ALEGRE. Mortalidade por Gerencia Distrital, 2010 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Secretaria Municipal de Saúde/SMS Coordenadoria Geral de Vigilância da Saúde/CGVS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos Não Transmissíveis PORTO

Leia mais

Risco de Morrer em 2012

Risco de Morrer em 2012 Risco de morrer 2012 23 de maio de 2014 Risco de Morrer em 2012 As duas principais causas de morte em 2012 foram as doenças do aparelho circulatório, com 30,4% dos óbitos registados no país, e os tumores

Leia mais

MORTALIDADE POR TRÊS GRANDES GRUPOS DE CAUSA NO BRASIL

MORTALIDADE POR TRÊS GRANDES GRUPOS DE CAUSA NO BRASIL MORTALIDADE POR TRÊS GRANDES GRUPOS DE CAUSA NO BRASIL Roberto Passos Nogueira 1 Introdução Os estudos sobre mortalidade comumente têm por base a Classificação Internacional das Doenças (CID), que é elaborada

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Brasil Novo

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Brasil Novo SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Brasil Novo DEMOGRAFIA População Total 15.690 População por Gênero Masculino 8.314 Participação % 52,99 Feminino 7.376

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Breves

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Breves SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Breves DEMOGRAFIA População Total 92.860 População por Gênero Masculino 47.788 Participação % 51,46 Feminino 45.072 Participação

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Palestina do Pará

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Palestina do Pará SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Palestina do Pará DEMOGRAFIA População Total 7.475 População por Gênero Masculino 3.879 Participação % 51,89 Feminino

Leia mais

EDUCAÇÃO. SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Salvaterra

EDUCAÇÃO. SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Salvaterra SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Salvaterra DEMOGRAFIA População Total 20.183 População por Gênero Masculino 10.292 Participação % 50,99 Feminino 9.891

Leia mais

Rendimento Médio Populacional (R$) Total 311,58 Urbana 347,47 Rural 168,26

Rendimento Médio Populacional (R$) Total 311,58 Urbana 347,47 Rural 168,26 SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Marabá DEMOGRAFIA População Total 233.669 População por Gênero Masculino 118.196 Participação % 50,58 Feminino 115.473

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Itaituba

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Itaituba SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Itaituba DEMOGRAFIA População Total 97.493 População por Gênero Masculino 49.681 Participação % 50,96 Feminino 47.812

Leia mais

Em 2013 perderam-se 4 683 anos potenciais de vida devido à diabetes mellitus

Em 2013 perderam-se 4 683 anos potenciais de vida devido à diabetes mellitus Dia Mundial da diabetes 14 de novembro 1983-2013 EMBARGO ATTÉ 13 DE NOVEMBRO DE 2014,, ÀS 11 HORAS Em 2013 perderam-se 4 683 anos potenciais de vida devido à diabetes mellitus Em 2013, as doenças endócrinas,

Leia mais

Saúde Brasil 2007. Uma Análise da Situação de Saúde. Perfil de Mortalidade do Brasileiro

Saúde Brasil 2007. Uma Análise da Situação de Saúde. Perfil de Mortalidade do Brasileiro Saúde Brasil 2007 Uma Análise da Situação de Saúde Perfil de Mortalidade do Brasileiro Brasília, 6 de novembro de 2008 Editor-Geral Gerson Oliveira Penna Secretário de Vigilância em Saúde/MS Editor-Executivo

Leia mais

ID:1772 MORBIMORTALIDADE HOSPITALAR POR DIABETES MELLITUS EM UM MUNICÍPIO DO INTERIOR DA BAHIA, BRASIL

ID:1772 MORBIMORTALIDADE HOSPITALAR POR DIABETES MELLITUS EM UM MUNICÍPIO DO INTERIOR DA BAHIA, BRASIL Memorias Convención Internacional de Salud. Cuba Salud 15 ISBN 78-5-1-63-4 ID:177 MORBIMORTALIDADE HOSPITALAR POR DIABETES MELLITUS EM UM MUNICÍPIO DO INTERIOR DA BAHIA, BRASIL Andrade Rios, Marcela; Rodrigues

Leia mais

SIM - Sistema de Informação sobre Mortalidade. PORTO ALEGRE - Relatório 2007

SIM - Sistema de Informação sobre Mortalidade. PORTO ALEGRE - Relatório 2007 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Secretaria Municipal de Saúde/SMS Coordenadoria Geral de Vigilância da Saúde/CGVS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos Não Transmissíveis SIM -

Leia mais

Bases de Dados em Saúde

Bases de Dados em Saúde Pesquisas e Fontes de Dados Administrativos para o Ciclo de políticas públicas ANIPES Dezembro - 2010 Bases de Dados em Saúde Denise Porto SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE MINISTÉRIO DA SAÚDE Transição

Leia mais

Impacto do envelhecimento da população brasileira frente à saúde pública

Impacto do envelhecimento da população brasileira frente à saúde pública Impacto do envelhecimento da população brasileira frente à saúde pública Ricardo de Lima Santos Aluno do Curso de Graduação em Enfermagem. Hogla Cardozo Murai Docente do Curso de Graduação em Enfermagem.

Leia mais

SIM Sistema de Informação sobre Mortalidade

SIM Sistema de Informação sobre Mortalidade SIM Sistema de Informação sobre Mortalidade Porto Alegre RELATÓRIO 2006 1 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Prefeito José Fogaça Secretaria Municipal da Saúde Secretário Eliseu Santos Coordenadoria

Leia mais

CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO

CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO Morrem mais brancos por causa naturais e negros por motivos externos. A s estatísticas de morbidade e mortalidade têm sido utilizadas por epidemiologistas, demógrafos

Leia mais

Tendência da mortalidade da população paulista por neoplasias malignas

Tendência da mortalidade da população paulista por neoplasias malignas Resenha de Estatísticas Vitais do Ano 8 nº 3 Novembro 2007 Tendência da mortalidade da população paulista por neoplasias malignas O século XX se caracterizou, sob o ponto de vista da saúde, pela transição

Leia mais

ACES Vale Sousa Sul. Perfil Local de Saúde 2009. Aspectos a destacar

ACES Vale Sousa Sul. Perfil Local de Saúde 2009. Aspectos a destacar Perfil Local de Saúde 2009 Índice Aspectos a destacar Ligações Este Perfil Local de Saúde proporciona-lhe um olhar rápido mas integrador, sobre a saúde da população da área geográfica de influência do

Leia mais

Rede de Teleassistência de Minas Gerais. Antonio Ribeiro Hospital das Clínicas da UFMG

Rede de Teleassistência de Minas Gerais. Antonio Ribeiro Hospital das Clínicas da UFMG Rede de Teleassistência de Minas Gerais Antonio Ribeiro Hospital das Clínicas da UFMG Outubro de 2014 até Setembro/2014 Número de akvidades 50.000 45.000 ECGs (821 pontos) e Teleconsultorias online e

Leia mais

QUALIDADE DA INFORMAÇÃO DA CAUSA BÁSICA DE MORTE PARA A POPULAÇÃO IDOSA NO BRASIL

QUALIDADE DA INFORMAÇÃO DA CAUSA BÁSICA DE MORTE PARA A POPULAÇÃO IDOSA NO BRASIL QUALIDADE DA INFORMAÇÃO DA CAUSA BÁSICA DE MORTE PARA A POPULAÇÃO IDOSA NO BRASIL Solange Kanso Dalia Romero Iuri da Costa Leite Edgar Nunes de Moraes Palavras-chave: qualidade da informação, causa básica

Leia mais

Poluição do Ar e a Saúde Respiratória no Município de Duque de Caxias

Poluição do Ar e a Saúde Respiratória no Município de Duque de Caxias Poluição do Ar e a Saúde Respiratória no Município de Duque de Caxias Felipe Sodré felipe.b4rros@gmail.com ( PUC-Rio) Felipe Fraifeld felipefrai@gmail.com (PUC-Rio) Leonardo Novaes - Objetivo geral: O

Leia mais

Evolução da Mortalidade no Rio Grande do Sul *

Evolução da Mortalidade no Rio Grande do Sul * Evolução da Mortalidade no Rio Grande do Sul * Marilene Dias Bandeira UFRGS - Fundação de Economia e Estatística Palavras-chave: mortalidade; causas de morte; tendências da mortalidade. O objetivo deste

Leia mais

Tendência da Mortalidade em Idosos na Cidade do Rio de Janeiro 1979 a 2003

Tendência da Mortalidade em Idosos na Cidade do Rio de Janeiro 1979 a 2003 Tendência da Mortalidade em Idosos na Cidade do Rio de Janeiro 1979 a 23 Alcides Carneiro Rosanna Iozzi da Silva Palavras-chave: mortalidade; saúde do idoso; epidemiologia do envelhecimento. Resumo Este

Leia mais

Políticas de saúde: o Programa de Saúde da Família na Baixada Fluminense *

Políticas de saúde: o Programa de Saúde da Família na Baixada Fluminense * Políticas de saúde: o Programa de Saúde da Família na Baixada Fluminense * ALINE DE MOURA SOUZA 1 SUZANA MARTA CAVENAGHI 2 Introdução Este trabalho tem por objetivo apresentar informações referentes à

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS SENADO FEDERAL BRASÍLIA, 16 DE MAIO DE 2013 Criação de um novo departamento dentro da SAS: DAET- Departamento de Atenção

Leia mais

Rendimento Médio Populacional (R$) Total 288,39 Urbana 309,57 Rural 167,10

Rendimento Médio Populacional (R$) Total 288,39 Urbana 309,57 Rural 167,10 SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Jacundá DEMOGRAFIA População Total 51.360 População por Gênero Masculino 25.769 Participação % 50,17 Feminino 25.591

Leia mais

Indicadores hospitalares

Indicadores hospitalares Indicadores hospitalares Núcleo de Informação em Saúde de- NIS Hospital das Clínicas - FMUSP Departamento de Medicina Preventiva Faculdade de Medicina USP Hospital das Clinicas - FMUSP Complexo hospitalar

Leia mais

EDUCAÇÃO Total de Escolas no Município Ensino Fundamental Ensino Médio Número de Matrículas Educação Infantil Creche 237

EDUCAÇÃO Total de Escolas no Município Ensino Fundamental Ensino Médio Número de Matrículas Educação Infantil Creche 237 SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Água Azul do Norte DEMOGRAFIA População Total 25.057 População por Gênero Masculino 13.618 Participação % 54,35 Feminino

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Ananindeua DEMOGRAFIA População Total 471.

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Ananindeua DEMOGRAFIA População Total 471. SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Ananindeua DEMOGRAFIA População Total 471.980 População por Gênero Masculino 226.635 Participação % 48,02 Feminino 245.345

Leia mais

(Coeficiente de mortalidade infantil)

(Coeficiente de mortalidade infantil) C Taxa de mortalidade infantil C.1............................ 108 Taxa de mortalidade neonatal precoce C.1.1..................... 110 Taxa de mortalidade neonatal tardia C.1.2...................... 112

Leia mais

BH- VIVA CRIANÇA AGENDA DE COMPROMISSO COM A SAÚDE INTEGRAL DA CRIANÇA E ADOLESCENTE. Coordenação de Atenção à Criança SMSA-BH 2003

BH- VIVA CRIANÇA AGENDA DE COMPROMISSO COM A SAÚDE INTEGRAL DA CRIANÇA E ADOLESCENTE. Coordenação de Atenção à Criança SMSA-BH 2003 BH- VIVA CRIANÇA AGENDA DE COMPROMISSO COM A SAÚDE INTEGRAL DA CRIANÇA E ADOLESCENTE Coordenação de Atenção à Criança SMSA-BH 2003 Percentual de NV filhos de mães adolescentes. Belo Horizonte, 1996-2002.

Leia mais

Idosos do Município do Recife, Estado de Pernambuco, Brasil: uma análise da morbimortalidade hospitalar

Idosos do Município do Recife, Estado de Pernambuco, Brasil: uma análise da morbimortalidade hospitalar Artigo original Idosos do Município do Recife, Estado de Pernambuco, Brasil: uma análise da morbimortalidade hospitalar Elderly People of the Municipality of Recife, State of Pernambuco, Brasil: An Analysis

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

Mortalidade por transtornos mentais e comportamentais e a reforma psiquiátrica no Brasil contemporâneo

Mortalidade por transtornos mentais e comportamentais e a reforma psiquiátrica no Brasil contemporâneo R E V I S T A LATINOAMERICANA DE PSICOPATOLOGIA F U N D A M E N T A L Mortalidade por transtornos mentais e comportamentais e a reforma psiquiátrica no Brasil contemporâneo Fernando Portela Câmara 278

Leia mais

Seminário de Políticas para o trânsito Seguro de Motos Saúde, Processo de Habilitação e Questões Socioeducativas

Seminário de Políticas para o trânsito Seguro de Motos Saúde, Processo de Habilitação e Questões Socioeducativas Seminário de Políticas para o trânsito Seguro de Motos Saúde, Processo de Habilitação e Questões Socioeducativas Marta Maria Alves da Silva CGDANT/DASIS/SVS/MS Brasília/DF, 13 de setembro de 2012 2009:

Leia mais

Journal of Public Health

Journal of Public Health Universidade de São Paulo Faculdade de Saúde Pública VOLUME 34 NÚMERO 1 FEVEREIRO 2000 p. 21-28 Revista de Saúde Pública Journal of Public Health Equivalência entre revisões da Classificação Internacional

Leia mais

Memória de cálculo dos indicadores do Pacto de Atenção Básica 2004

Memória de cálculo dos indicadores do Pacto de Atenção Básica 2004 Memória de cálculo dos indicadores do Pacto de Atenção Básica 2004 Fontes de informação: A. População Todos os dados de população foram obtidos a partir do existente no site do Datasus www.datasus.gov.br/cgi/ibge/popmap.htm.

Leia mais

Anuário Estatístico do Município de Belém 2010 C A P Í T U L O 02 CARACTERÍSTICAS DEMOGRÁFICAS E SÓCIO-ECONÔMICAS DA POPULAÇÃO

Anuário Estatístico do Município de Belém 2010 C A P Í T U L O 02 CARACTERÍSTICAS DEMOGRÁFICAS E SÓCIO-ECONÔMICAS DA POPULAÇÃO Anuário Estatístico do Município de Belém 2010 57 C A P Í T U L O 02 CARACTERÍSTICAS DEMOGRÁFICAS E SÓCIO-ECONÔMICAS DA POPULAÇÃO 58 Anuário Estatístico do Município de Belém 2010 Anuário Estatístico do

Leia mais

Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006

Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006 Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006 José Cechin Superintendente Executivo Francine Leite Carina Burri Martins Esse texto compara as morbidades referidas

Leia mais

Vigilância Epidemiológica da aids e mortalidade

Vigilância Epidemiológica da aids e mortalidade Vigilância Epidemiológica da aids e mortalidade Seminário: Estudos e Pesquisas em DST/HIV/Aids determinantes epidemiológicos e sóciocomportamentais Porto Alegre 14-16/12/09 Ângela Tayra Divisão de Vigilância

Leia mais

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Epidemiologia e Informação - CEInfo Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet Mortalidade Taxa ou Coeficiente

Leia mais

RESPOSTA AOS RECURSOS PROVA - BIÓLOGO, CIRURGIÃO DENTISTA, ENFERMEIRO, FISIOTERAPEUTA,

RESPOSTA AOS RECURSOS PROVA - BIÓLOGO, CIRURGIÃO DENTISTA, ENFERMEIRO, FISIOTERAPEUTA, Questão contestada: 05 Resposta Publicada: B O RECURSO impetrado foi: ( X ) DEFERIDO ( ) INDEFERIDO Existem duas respostas incorretas nesta questão (B e E). - Alternativa B, onde se lê: As propostas desta

Leia mais

DIABETES MELLITUS NO BRASIL

DIABETES MELLITUS NO BRASIL DIABETES MELLITUS NO BRASIL 17º Congresso Brasileiro Multidisciplinar em Diabetes PATRÍCIA SAMPAIO CHUEIRI Coordenadora d Geral de Áreas Técnicas DAB/MS Julho, 2012 DIABETES MELITTUS Diabetes é considerado

Leia mais

A EVITABILIDADE DE MORTES POR DOENÇAS CRÔNICAS E AS POLÍTICAS PÚBLICAS VOLTADAS AOS IDOSOS

A EVITABILIDADE DE MORTES POR DOENÇAS CRÔNICAS E AS POLÍTICAS PÚBLICAS VOLTADAS AOS IDOSOS A EVITABILIDADE DE MORTES POR DOENÇAS CRÔNICAS E AS POLÍTICAS PÚBLICAS VOLTADAS AOS IDOSOS Niedja Maria Coelho Alves* nimacoal@hotmail.com Isabelle Carolline Veríssimo de Farias* belleverissimo@hotmail.com

Leia mais

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos não Transmissíveis Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Secretaria Municipal da Saúde da Prefeitura Municipal de Porto Alegre PORTO ALEGRE

Leia mais

Óbitos de menores de um ano 2000 2003 Porto Alegre

Óbitos de menores de um ano 2000 2003 Porto Alegre Óbitos de menores de um ano 2000 2003 Porto Alegre Tabela 1 - Distribuição dos óbitos infantis, segundo a classificação de evitabilidade, Porto Alegre, 1996/1999 ANOS ÓBITOS EVITÁVEIS 1996 1997 1998 1999

Leia mais

Atlas de Mortalidade por Câncer em Alagoas 1996 a 2013

Atlas de Mortalidade por Câncer em Alagoas 1996 a 2013 Governo de Alagoas Secretaria de Estado da Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Diretoria de Análise da Situação de Saúde Atlas de Mortalidade por Câncer em Alagoas 1996 a 2013 Maceió AL 2014

Leia mais

Mortalidade por Aids no Estado: redução contínua desde 1996

Mortalidade por Aids no Estado: redução contínua desde 1996 Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo Ano 5 nº 13 Novembro 2004 Mortalidade por Aids no Estado: redução contínua desde 1996 A quantificação dos óbitos por Aids revela que, no Estado de

Leia mais

A notificação da violência doméstica e sexual na Bahia

A notificação da violência doméstica e sexual na Bahia Secretaria da Saúde do Estado da Bahia- SESAB Diretoria de Vigilância Epidemiológica- DIVEP Coordenação de Doenças e Agravos Não Transmissíveis- DANT A notificação da violência doméstica e sexual na Bahia

Leia mais

XXVII Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS RUE

XXVII Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS RUE XXVII Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS RUE Marcos Calvo Secretário de Saúde de Santos A organização da Rede de Atenção às Urgências

Leia mais

Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ

Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ O que é um registro de câncer? -Centro de coleta, armazenamento, processamento e análise - de forma sistemática e contínua - de informações (dados) sobre pacientes

Leia mais

18/06/2012 COMPERJ. 6 mil maracanãs de área. US$ 8 bilhões em investimentos. População em 2010 (221.322) para 600 mil em 10 anos

18/06/2012 COMPERJ. 6 mil maracanãs de área. US$ 8 bilhões em investimentos. População em 2010 (221.322) para 600 mil em 10 anos Mestrado Internacional em Saúde Pública/Peru ModúloDisciplinar: Vigilância em Saúde : Vigilância Ambiental e à Saúde do Trabalhador Aplicabilidade de Conceitos de Vigilância em Saúde: O monitoramento de

Leia mais

Acidentes de transportes passam a ser a principal causa de morte não natural do Estado de São Paulo

Acidentes de transportes passam a ser a principal causa de morte não natural do Estado de São Paulo Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo Ano 10 nº 2 Março 2010 Acidentes de transportes passam a ser a principal causa de morte não natural do Estado de São Paulo Hoje, os acidentes de transporte

Leia mais

ULS Alto Minho. Perfil Local de Saúde 2009. Aspectos a destacar

ULS Alto Minho. Perfil Local de Saúde 2009. Aspectos a destacar Perfil Local de Saúde 2009 Índice Aspectos a destacar Ligações Este Perfil Local de Saúde proporciona-lhe um olhar rápido mas integrador, sobre a saúde da população da área geográfica de influência da

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais

CONDIÇÕES CRÔNICAS DE SAÚDE EM IDOSOS SERVIDORES DE UMA UNIVERSIDADE DE NATAL/RN

CONDIÇÕES CRÔNICAS DE SAÚDE EM IDOSOS SERVIDORES DE UMA UNIVERSIDADE DE NATAL/RN CONDIÇÕES CRÔNICAS DE SAÚDE EM IDOSOS SERVIDORES DE UMA UNIVERSIDADE DE NATAL/RN Maria Cléia de Oliveira Viana; Universidade Federal do Rio Grande do Norte; mcleiaviana@ufrnet.br/ Luciana Eduardo Fernandes

Leia mais

MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO

MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO Edmilson Cursino dos Santos Junior (1); Renato Filipe de Andrade (2); Bianca Alves Vieira Bianco (3). 1Fisioterapeuta. Residente em Saúde

Leia mais

1. OUTROS INDICADORES DEMOGRÁFICOS E DE SAÚDE

1. OUTROS INDICADORES DEMOGRÁFICOS E DE SAÚDE 1. OUTROS INDICADORES DEMOGRÁFICOS E DE SAÚDE INDICADORES DE DESNUTRIÇÃO Peso e altura são duas das principais características antropométricas sensíveis às condições de vida e nutrição de crianças e adolescentes

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES CADASTRADOS NO SISTEMA HIPERDIA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA, RS

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES CADASTRADOS NO SISTEMA HIPERDIA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA, RS PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES CADASTRADOS NO SISTEMA HIPERDIA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA, RS Michele Muller 1 Gabriele Bester Hermes 2 Liziane Maahs Flores 3 1 Apresentadora, Acadêmica do Curso

Leia mais

26/4/2012. Inquéritos Populacionais Informações em Saúde. Dados de Inquéritos Populacionais. Principais Características. Principais Características

26/4/2012. Inquéritos Populacionais Informações em Saúde. Dados de Inquéritos Populacionais. Principais Características. Principais Características Inquéritos Populacionais Informações em Saúde Dados de Inquéritos Populacionais Zilda Pereira da Silva Estudos de corte transversal, únicos ou periódicos, onde são coletadas informações das pessoas que

Leia mais

VULNERABILIDADE PARA A MORTE POR HOMICÍDIOS E PRESENÇA DE DROGAS NA OCASIÃO DA OCORRÊNCIA DO ÓBITO 2001 A 2006

VULNERABILIDADE PARA A MORTE POR HOMICÍDIOS E PRESENÇA DE DROGAS NA OCASIÃO DA OCORRÊNCIA DO ÓBITO 2001 A 2006 VULNERABILIDADE PARA A MORTE POR HOMICÍDIOS E PRESENÇA DE DROGAS NA OCASIÃO DA OCORRÊNCIA DO ÓBITO 2001 A 2006 BETIM/MG Márcia Dayrell Secretaria Municipal de Saúde de Betim (MG) Serviço de Vigilância

Leia mais

Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia ISSN: 1809-9823 revistabgg@gmail.com. Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia ISSN: 1809-9823 revistabgg@gmail.com. Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia ISSN: 1809-9823 revistabgg@gmail.com Universidade do Estado do Rio de Janeiro Brasil Virtuoso, Janeisa Franck; Pereira Balbé, Giovane; Zarpellon Mazo, Giovana;

Leia mais

c Taxas por milhão, ajustadas pela população padrão mundial, 1966 146 Câncer na Criança e no Adolescente no Brasil

c Taxas por milhão, ajustadas pela população padrão mundial, 1966 146 Câncer na Criança e no Adolescente no Brasil As taxas médias de incidência de câncer por 1.000.000 de crianças e adolescentes (0 a 18 anos), segundo sexo, faixa etária e período disponível das informações para os 20 RCBP brasileiros, são apresentadas

Leia mais

As principais causas de morte em Portugal de 1990-1999

As principais causas de morte em Portugal de 1990-1999 As principais causas de morte em Portugal de 199-1999 Observatório Nacional de Saúde. Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge Lisboa 3 1 Ficha Técnica Portugal. Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo

Leia mais

Anuário Estatístico do Município de Belém -2012 DEMOGRAFIA 1 C A P Í T U L O 02 CARACTERÍSTICAS DEMOGRÁFICAS E SÓCIO ECONÔMICAS DA POPULAÇÃO

Anuário Estatístico do Município de Belém -2012 DEMOGRAFIA 1 C A P Í T U L O 02 CARACTERÍSTICAS DEMOGRÁFICAS E SÓCIO ECONÔMICAS DA POPULAÇÃO Anuário Estatístico do Município de Belém -2012 DEMOGRAFIA 1 C A P Í T U L O 02 CARACTERÍSTICAS DEMOGRÁFICAS E SÓCIO ECONÔMICAS DA POPULAÇÃO 2 DEMOGRAFIA Anuário Estatístico do Município de Belém- 2012

Leia mais

2º CONGRESSO PERNAMBUCANO DE MUNICÍPIOS O PACTO DE GESTÃO DO SUS E OS MUNICÍPIOS

2º CONGRESSO PERNAMBUCANO DE MUNICÍPIOS O PACTO DE GESTÃO DO SUS E OS MUNICÍPIOS 2º CONGRESSO PERNAMBUCANO DE MUNICÍPIOS O PACTO DE GESTÃO DO SUS E OS MUNICÍPIOS José Iran Costa Júnior Secretário Estadual de Saúde 24/03/2015 Faixa Etária (anos) CARACTERIZAÇÃO SÓCIODEMOGRÁFICA DE PERNAMBUCO

Leia mais

4 Indicadores Sociais

4 Indicadores Sociais 4 Indicadores Sociais 4.1 Indicadores de Saúde 4.1.1 Taxa mortalidade infantil (por mil nascidos vivos) e mortalidade por ano (por mil habitantes) - 1997 a 2013 Ano Mortalidade infantil Mortalidade por

Leia mais

A SAÚDE DOS PORTUGUESES

A SAÚDE DOS PORTUGUESES A SAÚDE DOS PORTUGUESES A Saúde dos Portugueses A propósito do DIA DO DOENTE, a Direção-Geral da Saúde publica dados sumários sobre a SAÚDE DOS PORTUGUESES. Em termos de evolução 2008-2014 1, o quadro

Leia mais

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR 8 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR Secretaria de Vigilância em Saúde/MS 435 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA/COR MORTALIDADE POR CAUSAS EXTERNAS Evolução da mortalidade por causas externas

Leia mais

A situação do câncer no Brasil 1

A situação do câncer no Brasil 1 A situação do câncer no Brasil 1 Fisiopatologia do câncer 23 Introdução O câncer é responsável por cerca de 13% de todas as causas de óbito no mundo: mais de 7 milhões de pessoas morrem anualmente da

Leia mais

aula 6: quantificação de eventos em saúde

aula 6: quantificação de eventos em saúde ACH-1043 Epidemiologia e Microbiologia aula 6: quantificação de eventos em saúde Helene Mariko Ueno papoula@usp.br Como quantificar eventos relacionados à saúde? O que medir? Como medir? Quando medir?

Leia mais

Anuário Estatístico do Município de Belém 2011 DEMOGRAFIA 1 C A P Í T U L O 02 CARACTERÍSTICAS DEMOGRÁFICAS E SÓCIO ECONÔMICAS DA POPULAÇÃO

Anuário Estatístico do Município de Belém 2011 DEMOGRAFIA 1 C A P Í T U L O 02 CARACTERÍSTICAS DEMOGRÁFICAS E SÓCIO ECONÔMICAS DA POPULAÇÃO Anuário Estatístico do Município de Belém 2011 DEMOGRAFIA 1 C A P Í T U L O 02 CARACTERÍSTICAS DEMOGRÁFICAS E SÓCIO ECONÔMICAS DA POPULAÇÃO 2 DEMOGRAFIA Anuário Estatístico do Município de Belém 2011 Anuário

Leia mais

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Em 2012, ocorreram 2.767 óbitos por Aids no Estado de São Paulo, o que representa importante queda em relação ao pico observado em 1995 (7.739). A

Leia mais

Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos Não Transmissíveis Perfil epidemiológico de mortalidade por

Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos Não Transmissíveis Perfil epidemiológico de mortalidade por Perfil epidemiológico de mortalidade por NEOPLASIAS Porto Alegre 1996-2006 1 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Prefeito José Fogaça Secretaria Municipal da Saúde Secretário Eliseu Santos Coordenadoria

Leia mais

c Taxas por milhão, ajustadas pela população padrão mundial, 1966 146 Câncer na Criança e no Adolescente no Brasil

c Taxas por milhão, ajustadas pela população padrão mundial, 1966 146 Câncer na Criança e no Adolescente no Brasil As taxas médias de incidência de câncer por 1.000.000 de crianças e adolescentes (0 a 18 anos), segundo sexo, faixa etária e período disponível das informações para os 20 RCBP brasileiros, são apresentadas

Leia mais

INDICADORES SOCIAIS E CLÍNICOS DE IDOSOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO

INDICADORES SOCIAIS E CLÍNICOS DE IDOSOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO INDICADORES SOCIAIS E CLÍNICOS DE IDOSOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO Rosângela Alves Almeida Bastos - Universidade Federal da Paraíba- email: rosalvesalmeida2008@hotmail.com Maria das Graças Melo Fernandes

Leia mais

VII REUNIÃO. Data: 28/08/2015 COGESP/SEPOG/PMF

VII REUNIÃO. Data: 28/08/2015 COGESP/SEPOG/PMF VII REUNIÃO Data: 28/08/2015 COGESP/SEPOG/PMF Organograma SEPOG COGESP/SEPOG/PMF Organograma COGESP Ângela Márcia e Noeme Milfont Samarkandra Bandeira Lena Neiva Tania Beserra Izabel Sizina Fabricio Torres

Leia mais

Redução de Homicídios no Brasil

Redução de Homicídios no Brasil Ministério da Saúde MS Secretaria de Vigilância em Saúde - SVS Redução de Homicídios no Brasil SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 1 METODOLOGIA DE ANÁLISE... 1 RESULTADOS... 2 Homicídios no Brasil... 2 Óbitos por Arma

Leia mais

Título: Autores: Unidade Acadêmica: INTRODUÇÃO

Título: Autores: Unidade Acadêmica: INTRODUÇÃO Título: AVALIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA EM SAÚDE AO IDOSO NO MUNÍCIPIO DE ANÁPOLIS-EFETIVIDADE E RESOLUTIVIDADE Autores: Júlia Maria Rodrigues de OLIVEIRA, Marta Rovery de SOUZA. Unidade Acadêmica:

Leia mais