EPIDEMIOLOGIA E SERVIÇOS DE SAÚDE: USO DE INQUÉRITOS DE BASE POPULACIONAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EPIDEMIOLOGIA E SERVIÇOS DE SAÚDE: USO DE INQUÉRITOS DE BASE POPULACIONAL"

Transcrição

1 EPIDEMIOLOGIA E SERVIÇOS DE SAÚDE: USO DE INQUÉRITOS DE BASE POPULACIONAL Chester Luiz Galvão Cesar Departamento de Epidemiologia Faculdade de Saúde Pública - USP

2 A ESTRATÉGIA DA EPIDEMIOLOGIA E OS SERVIÇOS DE SAÚDE - DIAGNÓSTICO DE SAÚDE POPULACIONAL ANÁLISE DA SITUAÇÃO DE SAÚDE - MODELOS EXPLICATIVOS DA SITUAÇÃO DE SAÚDE ANÁLISE DOS FATORES DETERMINANTES - PROGRAMAS DE INTERVENÇÃO AÇÕES DE PREVENÇÃO E CONTROLE (ESTUDOS DE INTERVENÇÃO)

3 ANÁLISE DA SITUAÇÃO DE SAÚDE. INDICADORES DE MORTALIDADE. INDICADORES DE PRESENÇA OU AUSÊNCIA DE DOENÇA - MORBIDADE. INDICADORES DE QUALIDADE DE VIDA EM SAÚDE HABILIDADES (ATIVIDADES DA VIDA DIÁRIA) POSITIVOS DE BEM ESTAR SOCIAL, PSÍQUICO E EMOCIONAL (MCDOWELL E NEWELL) - COMO DIAGNÓSTICO DA SAÚDE POPULACIONAL - COMO AVALIAÇÃO DE INTERVENÇÕES

4 ANÁLISE DOS DETERMINANTES DA SITUAÇÃO DE SAÚDE - CONDIÇÕES DE VIDA AMBIENTE FÍSICO, SOCIAL E ECONÔMICO - ESTILO DE VIDA HÁBITOS, ATIVIDADES E CONSUMOS - USOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE PREVENÇÃO, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO - BIOLÓGICOS CARACTERÍSTICAS BIOLÓGICAS E GENÉTICAS (MODELO CANADENSE)

5 FONTES DE DADOS PARA OS INDICADORES - DADOS SECUNDÁRIOS - REGISTRADOS MORTALIDADE MORBIDADE REGISTRADA NOS SERVIÇOS - DADOS PRIMÁRIOS - INQUÉRITOS DE SAÚDE MORBIDADES REFERIDAS INCAPACIDADES E LIMITAÇÕES AUTOAVALIAÇÃO EM SAÚDE IMPACTOS DOS AGRAVOS NA VIDA DIÁRIA USOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MEDIDAS BIOLÓGICAS CONDIÇÕES DE VIDA

6 INQUÉRITOS DE SAÚDE DE BASE POPULACIONAL ESTUDOS DE CORTE TRANSVERSAL, ÚNICOS OU PERIÓDICOS, ONDE SÃO COLETADAS INFORMAÇÕES DAS PESSOAS QUE COMPÕEM UMA DETERMINADA POPULAÇÃO ALVO

7 HISTÓRICO ORIGEM E DESENVOLVIMENTO EEUU E INGLATERRA, CHADWICK (1842) INQUÉRITOS PERIÓDICOS VARIOS PAÍSES (CANADÁ - QUEBEC) AMÉRICA LATINA BRASIL NACIONAL - PNADs, PNSN, PNS REGIONAL OU LOCAL ESTADO DE SÃO PAULO ESTADUAL (FSEADE) REGIONAL OU LOCAL (ACADÊMICOS)

8 ETAPAS NA REALIZAÇÃO DE INQUÉRITOS DE SAÚDE DEFINIÇÃO DE OBJETIVOS QUANDO, PORQUE E QUAL? FINANCIAMENTO CUSTOS E FINANCIAMENTO REVISÃO DE QUESTÕES TEÓRICAS E METODOLÓGICAS MORBIDADE REFERIDA TIPOLOGIA DOS SERVIÇOS DE SAÚDE USO DE INSTRUMENTOS VALIDADOS ELABORAÇÃO DO QUESTIONÁRIO CONSIDERAÇÕES GERAIS VALIDADE DAS QUESTÕES

9 ETAPAS NA REALIZAÇÃO DE INQUÉRITOS DE SAÚDE SELEÇÃO E TREINAMENTO DOS ENTREVISTADORES PERFIL DO ENTREVISTADOR SIMULAÇÕES NO TREINAMENTO AVALIAÇÃO PELOS ENTREVISTADOS ESTUDO PILOTO ANÁLISE E REFORMULAÇÕES PREVALÊNCIAS PARA AMOSTRAGEM COLETA DE DADOS GERÊNCIA DO TRABALHO DE CAMPO CONTROLE DE QUALIDADE

10 ETAPAS NA REALIZAÇÃO DE INQUÉRITOS DE SAÚDE CODIFICAÇÃO CODIFICAÇÃO GERAL ESPECÍFICAS: MORBIDADE, MEDICAMENTOS, NUTRIÇÃO DIGITAÇÃO MÁSCARA E REDIGITAÇÃO DIGITALIZAÇÃO CRIAÇÃO DO BANCO DE DADOS ESTRUTURA E LIGAÇÃO DOS BLOCOS ANÁLISES ANÁLISES DE CONSISTÊNCIA PROGRAMAS (EPINFO, SPSS, STATA) DIVULGAÇÃO E UTILIZAÇÃO DOS DADOS

11 CARACTERÍSTICAS DOS INQUÉRITOS DE SAÚDE DE BASE POPULACIONAL

12 PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS AMOSTRAS DA POPULAÇÃO TOTAL COLETA DOS DADOS ENTREVISTAS POR TELEFONE QUESTIONÁRIOS AUTO- RESPONDIDOS ENTREVISTAS FACE A FACE INFORMAÇÕES SOBRE A TOTALIDADE DOS PROBLEMAS DE SAÚDE PERCEBIDOS E REFERIDOS, QUEM NÃO PROCUROU SERVIÇO DE SAÚDE QUEM PROCUROU E NÃO FOI ATENDIDO QUEM PROCUROU E FOI ATENDIDO

13 PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS - INFORMAÇÕES SOBRE A TOTALIDADE DOS SERVIÇOS DE SAÚDE UTILIZADOS, POR UMA POPULAÇÃO ESPECÍFICA, INCLUINDO: DIFERENTES TIPOS DE SERVIÇOS LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA RESOLUTIVIDADE VARIÁVEIS DETERMINANTES DO ACESSO PÚBLICOS E PRIVADOS FORMAS DE PAGAMENTO

14 PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS - PREVALÊNCIA DE FATORES DE RISCO PREDITORES DE MORBI- MORTALIDADE ACOMPANHAMENTO DE CAMPANHAS - INFORMAÇÕES COMPATÍVEIS DO NUMERADOR E DO DENOMINADOR PREVALÊNCIAS SEGUNDO CARACTERÍSTICAS DEMOGRÁFICAS E SOCIOECONÔMICAS - DESIGUALDADE EM SAÚDE -

15 PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS - FLEXIBILIDADE PARA A INCLUSÃO DE QUESTÕES -INFORMAÇÕES PARA AVALIAÇÃO DE TENDÊNCIAS E DE IMPACTOS QUANDO REALIZADOS PERIODICAMENTE ( MARCO ZERO ) - QUESTÕES ÉTICAS NA REALIZAÇÃO DE INQUÉRITOS

16 ANÁLISE INTEGRADA DE INFORMAÇÕES REFERENTES A MESMOS INDIVÍDUOS CONDIÇÕES E ESTILOS DE VIDA SITUAÇÃO DE SAÚDE USO DE SERVIÇOS DE SAÚDE

17 CONSIDERAÇÕES FINAIS - MODELO DE ESTUDO MAIS ADEQUADO POLÍTICAS PÚBLICAS GESTÃO DE SERVIÇOS - DIVULGAÇÃO PUBLICAÇÕES COM EDITORAÇÃO ADEQUADA ACESSO AOS BANCOS DE DADOS DIVULGAÇÃO PARA AS COMUNIDADES ESTUDADAS

18 INQUÉRITOS DE SAÚDE DE BASE POPULACIONAL EM SÃO PAULO

19 ALGUNS INQUÉRITOS DE SAÚDE DE BASE POPULACIONAL EM SÃO PAULO HISTÓRICO PROJETOS ISA ISA-SP (22) ISA-CAPITAL 23 ISA-CAPITAL 28 ISA-CAMP (28)

20 - PARTICIPANTES: USP, UNESP, UNICAMP E SES - FINANCIAMENTO: FAPESP, SES E UNIVERSIDADES - ÁREAS DO ESTUDO: INTERIOR: MUNICÍPIO DE BOTUCATU MUNICÍPIO DE CAMPINAS GRANDE SÃO PAULO: DISTRITO DO BUTANTÃ NA CAPITAL MUNICÍPIOS DE TABOÃO, EMBU E ITAPECERICA

21 ÁREAS TEMÁTICAS CONDIÇÕES E ESTILOS DE VIDA (DETERMINANTES DA SITUAÇÃO DE SAÚDE) SITUAÇÃO DE SAÚDE (CONSEQUÊNCIA DAS CONDIÇÕES E ESTILOS DE VIDA E DO USO DE SERVIÇOS DE SAÚDE) USO DE SERVIÇOS DE SAÚDE (CONSEQÜÊNCIA E DETERMINANTE DA SITUAÇÃO DE SAÚDE)

22 CONDIÇÕES E ESTILOS DE VIDA - MORADIA - BENS DE CONSUMO DURÁVEIS - CONDIÇÃO SOCIOECONÔMICA - HÁBITOS ALIMENTARES - ATIVIDADE FÍSICA - FUMO E ÁLCOOL

23 SITUAÇÃO DE SAÚDE - MORBIDADE REFERIDA - PREVALÊNCIA DE DOENÇAS CRÔNICAS - PREVALÊNCIA DE DEFICIÊNCIAS FÍSICAS - ACIDENTES E VIOLÊNCIAS - AUTO- AVALIAÇÃO EM SAÚDE (SF-36) - SAÚDE MENTAL (SQR-2)

24 USO DE SERVIÇOS DE SAÚDE - A PARTIR DAS MORBIDADES - POR DOENÇA CRÔNICA OU DEFICIÊNCIA FÍSICA - POR OUTROS MOTIVOS - PARA PREVENÇÃO E DIAGNÓSTICO PRECOCE - PARA VACINAÇÃO - HOSPITALIZAÇÃO - CONSUMO DE MEDICAMENTOS - GASTOS COM SAÚDE NO MÊS

25 QUESTÕES ESPECIAIS INCORPORADAS - AVALIAÇÃO DAS ATIVIDADES FÍSICAS PROGRAMA AGITA SÃO PAULO - AVALIAÇÃO DA COBERTURA VACINAL CALENDÁRIO BÁSICO GRIPE E PNEUMONIA VACINAÇÃO DOS DIABÉTICOS VACINAÇÃO EM HOSPITALIZAÇÕES HISTÓRICO VACINAL DOS ADOLESCENTES - CONHECIMENTO SOBRE A DENGUE - MEDICAMENTO GENÉRICO:CONHECIMENTO E USO

26 ESCOLARIDADE DO CHEFE DE FAMÍLIA COMO INDICADOR DE CONDIÇÕES DE VIDA

27 Naturalidade do Chefe de Família segundo a Escolaridade. ISA- SP % Até 3 anos 4 a 7 8 a ou mais escolaridade em anos (p<,1) Município de residência Estado de São Paulo Outros (1)

28 Participação do Chefe de Família na força de trabalho segundo escolaridade. ISA-SP 22 % Até 3 anos 4 a 7 8 a ou mais escolaridade em anos (p<,1) sim, em atividade não, aposentado ou pensionista não, desempregado não, dona de casa

29 Domicílio e entorno da moradia adequados segundo escolaridade do chefe de família. ISA-SP 22 % a 3 4 a 7 8 a ou mais escolaridade em anos Domicílio (p<,1) Entorno (p<,1)

30 Renda familiar per capita em salário mínimo segundo escolaridade do chefe da família. ISA-SP % <=,5 >,5 a 1 >1 a 2 >2,5 renda em salários mínimos (p<,1) Até 3 anos 4 a 7 8 a ou mais (escolaridade do chefe)

31 Consumo de bens duráveis das famílias segundo escolaridade do Chefe de Família. ISA-SP 22 Até 3 anos De 3 a 7 anos % 6 4 % I II III IV V VI VII VIII IX X XI XII XIII XIV I II III IV V VI VII VIII IX X XI XII XIII XIV De 8 a 11 anos Com 12 anos ou mais % 6 4 % I II III IV V VI VII VIII IX X XI XII XIII XIV I II III IV V VI VII VIII IX X XI XII XIII XIV I - Geladeira II - Televisão III - Ap. Som IV - Tel. Fixo V - Lav. Roupa VI - Vídeo VII - V. Automotor VIII - Microondas IX - Celular X - Freezer XI - Aspirador XII - Computador XIII - Lav. Louça XIV - Condic. Ar

32 Alguns resultados: - Desigualdades na prevalência de doenças e de comportamentos relacionados à saúde - Concomitância de comportamentos nocivos à saúde em subgrupos da população. - Cobertura diferenciada do SUS segundo procedimentos - Indicadores de promoção da eqüidade em saúde pelo SUS.

33 Escolaridade Prevalência de fumantes (2-49 anos) % Obesidade (18 e +) Homens Mulheres <4 4 a 7 8 a e + Masc p=,3 Fem p=,8 25 Cage positivo (18 anos e mais) 2 15 % % <4 4 a 7 8 a e + Masc.: p =,7221 Fem. p =,24 5 <4 4 a 7 8 a e + Masc p=,37 Fem p=,277

34 Situação conjugal Prevalência de fumantes (18 anos ou mais) % 1 5 Prevalência de obesidade casado unido solteiro separado viúvo Masc.: p =,19 Fem. p =,227 Prevalência de CAGE positivo % 2 15 % 1 1 casado unido solteiro separado viúvo Masculino Feminino Masc p=,5 Fem p=, 5 casado unido solteiro separado viúvo Masc p=,192 Fem p=,784

35 Religião % 1 5 Obesidade católica evangélica outra Masc p =,986 Fem p =,218 Prevalência de fumantes (18 anos ou mais) Consome álcool ao menos 1 vez/semana % 2 % católica evangélica outra Masculino Feminino Masc p=,16 Fem p=, 2 1 católica evangélica outra Masc p=,16 Fem p=,

36 % Adolescentes 35 3 Ingestão semanal de bebida alcoólica Prevalência de fumantes a idade (anos) 12 % 1 8 Masculino Feminino a a a a 19 idade (anos)

37 Idade de início do hábito de fumar entre os fumantes atuais de 18 anos ou mais. ISA-SP % 5 a 9 1 a a 19 2 a a 29 3 a a 39 4 a 49 Idade 5 e + 36,2% antes dos 15 83,4% antes dos 2

38 por mil por mil Prevalência de doenças crônicas (2 anos e mais) segundo escolaridade do chefe de família. ISA- SP, Hipertensão Doença de Coluna Artrite Doença Coração Diabetes D. Pulmão <4 4 a 7 8 a e + 5 Alergia Enxaqueca Depressão Doença digestiva D. pele

39 Prevalência de CAGE positivo (18 anos e mais) segundo sexo e escolaridade. ISA-SP % 1 5 <4 4 a 7 8 a e + escolaridade (anos) Homens Mulheres Masc p=,37 Fem p=,277

40 Porcentagem de entrevistados que declararam uso de medicamentos nos 3 dias anteriores à entrevista, segundo grupo etário e sexo < 1 ano 1 a 11 anos 12 a 19 anos 2 a 29 anos 3 a 39 anos 4 a 49 anos 5 a 59 anos 6 a 69 anos 7 anos ou mais Crianças Homens Mulheres

41 Porcentagem de entrevistados que declararam ter utilizado medicamentos sob a forma de automedicação, segundo faixas etárias e sexo < 1 ano 1 a 11 anos 12 a 19 anos 2 a 29 anos 3 a 39 anos 4 a 49 anos 5 a 59 anos 6 a 69 anos 7 anos ou mais Crianças Homens Mulheres

42 Procura de ajuda, pelos entrevistados que referiram morbidade de 15 dias, segundo área de residência. ISA-SP 22

43 Cobertura de ações de saúde pelo SUS. ISA-SP, 22. % ,7 69,7 65,5 62,4 55,2 49, 47,4 38,9 33, Parto Hospitalar Puericultura Pré-natal Problemas de saùde Hospitalização Tratam. Odontológico Papanicolau Mamografia Exame de próstata

44 Uso de serviços de saúde segundo escolaridade do chefe de família, ISA-SP, 22. % Parto Hospitalar Pré-Natal Vacinação <5anos 1 % Vacinação gripe 6 anos e Uso de serviço 15 dias % Escolaridade <4 4 a 7 8 a e + Exame Próstata Cons.Odonto Mamografia Papanicolau

45 Uso de serviços de saúde segundo escolaridade do chefe de família, ISA-Capital 28. % Parto Hospitalar Pré-Natal Uso de serviço 15 dias % Escolaridade <4 4 a 7 8 a e + 2 Exame Próstata Cons.Odonto Mamografia Papanicolaou

46 Consultas de pré-natal por local do serviço de saúde utilizado, segundo fonte pagadora e ano. Região Sudoeste da Grande São Paulo, 199 e ,3 86,1 78,3 64,4 % ,9 35, ,8 13,9,1 18,7 2,9, Setor Público Setor Não Público Município de SP Mun. Resid. ou Região Outros Wladithe Organ de Carvalho

47 Partos hospitalares por local do serviço de saúde utilizado, segundo fonte pagadora e ano. Região Sudoeste da Grande São Paulo, 199 e 22. % ,3 86,7 77,4 72, 18,4 21, 9,6 13,3, 4,4 4,3 1, Setor Público Setor Não Público Município de SP Mun. Resid. ou Região Outros Wladithe Organ de Carvalho

48

49 SITE DOS INQUÉRITOS DE SAÚDE EM SÂO PAULO PROJETOS ISA

26/4/2012. Inquéritos Populacionais Informações em Saúde. Dados de Inquéritos Populacionais. Principais Características. Principais Características

26/4/2012. Inquéritos Populacionais Informações em Saúde. Dados de Inquéritos Populacionais. Principais Características. Principais Características Inquéritos Populacionais Informações em Saúde Dados de Inquéritos Populacionais Zilda Pereira da Silva Estudos de corte transversal, únicos ou periódicos, onde são coletadas informações das pessoas que

Leia mais

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Capítulo 3 Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Maria Inês Monteiro Mestre em Educação UNICAMP; Doutora em Enfermagem USP Professora Associada Depto. de Enfermagem

Leia mais

Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP

Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP (1 a 3 de dezembro de 2010) Objetivos da Pesquisa: 1) Gerais: Conhecer mais profundamente a saúde e condições de trabalho

Leia mais

Uso de serviços de saúde segundo motivo de procura/procedimento realizado, tipo de serviço, fonte de financiamento e escolaridade.

Uso de serviços de saúde segundo motivo de procura/procedimento realizado, tipo de serviço, fonte de financiamento e escolaridade. PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENAÇÃO DE EPIDEMIOLOGIA E INFORMAÇÃO CEInfo Boletim CEInfo ISA-Capital nº 1 Julho / 2005 ISA-Capital INQUÉRITO DE SAÚDE NO MUNICÍPIO

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM - PNAISH

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM - PNAISH POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM - PNAISH Brasília, outubro de 2015 População Masculina 99 milhões (48.7%) População alvo: 20 a 59 anos População Total do Brasil 202,7 milhões de

Leia mais

O desafio na produção de conhecimento a partir de inquérito de saúde de base populacional: a experiência da cidade de São Paulo

O desafio na produção de conhecimento a partir de inquérito de saúde de base populacional: a experiência da cidade de São Paulo O desafio na produção de conhecimento a partir de inquérito de saúde de base populacional: a experiência Katia Cristina Bassichetto Assessora técnica Coordenação de Epidemiologia e Informação CEInfo Função

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Rio de Janeiro, 21/09/2012 1 Abrangência nacional Temas investigados: Características Características gerais dos moradores Educação Migração Trabalho

Leia mais

Vacinação contra a gripe em idosos não institucionalizados: estudo de base populacional

Vacinação contra a gripe em idosos não institucionalizados: estudo de base populacional Vacinação contra a gripe em idosos não institucionalizados: estudo de base populacional Renata Maciulis Dip Prof. Dr. Marcos A. Sarria Cabrera Maíra O. Furlan Sara L. Rodrigues UNIVERSIDADE ESTADUAL DE

Leia mais

Informações em Saúde. Dados de Inquéritos. Zilda Pereira da Silva

Informações em Saúde. Dados de Inquéritos. Zilda Pereira da Silva Informações em Saúde Dados de Inquéritos Populacionais Zilda Pereira da Silva Inquéritos Populacionais Estudos de corte transversal, únicos ou periódicos, onde são coletadas informações das pessoas que

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS SENADO FEDERAL BRASÍLIA, 16 DE MAIO DE 2013 Criação de um novo departamento dentro da SAS: DAET- Departamento de Atenção

Leia mais

Comentários. Programa saúde da família

Comentários. Programa saúde da família Comentários levantamento suplementar de saúde da Pesquisa Nacional por O Amostra de Domicílios PNAD 2008 trouxe informações detalhadas sobre a saúde da população residente em domicílios particulares no

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

Censo Demográfico 2010. Características Gerais da População, Religião e Pessoas com Deficiência

Censo Demográfico 2010. Características Gerais da População, Religião e Pessoas com Deficiência Censo Demográfico 2010 Características Gerais da População, Religião e Pessoas com Deficiência Rio de Janeiro, 29 de junho de 2012 A presente publicação dá continuidade à divulgação dos resultados do Censo

Leia mais

Consultando a população de sete capitais sobre meio ambiente e qualidade de vida Realização:

Consultando a população de sete capitais sobre meio ambiente e qualidade de vida Realização: Consultando a população de sete capitais sobre meio ambiente e qualidade de vida Realização: PRINCIPAL OBJETIVO PESQUISA QUANTITATIVA Fornecer informações sobre o conhecimento acerca do GREENPEACE e suas

Leia mais

Indicadores da Saúde no Ceará 2008

Indicadores da Saúde no Ceará 2008 Indicadores da Saúde no Ceará 2008 Fortaleza - 2010 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E COORDENAÇÃO (SEPLAG) Desirée Mota Secretária INSTITUTO DE PESQUISA

Leia mais

UM OLHAR PARA O HOMEM IDOSO. Fabio Garani 17 Regional de Saude

UM OLHAR PARA O HOMEM IDOSO. Fabio Garani 17 Regional de Saude UM OLHAR PARA O HOMEM IDOSO Fabio Garani 17 Regional de Saude 1 ESPERANÇA DE VIDA AO NASCER : 7,4anos

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA

RELATÓRIO DE PESQUISA 2011 14 RELATÓRIO DE PESQUISA Relatório da Pesquisa de Satisfação dos Usuários do SUS quanto aos aspectos de acesso e qualidade percebida na atenção à saúde, mediante inquérito amostral. Ministério da

Leia mais

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Epidemiologia e Informação - CEInfo Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet Mortalidade Taxa ou Coeficiente

Leia mais

VIGITEL 2014 Periodicidade Parceria: População monitorada 40.853 entrevistas

VIGITEL 2014 Periodicidade Parceria: População monitorada 40.853 entrevistas Ministério da Saúde Abril de 2014 VIGITEL 2014 Medir a prevalência de fatores de risco e proteção para doenças não transmissíveis na população brasileira Subsidiar ações de promoção da saúde e prevenção

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde

Pesquisa Nacional de Saúde Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento Pesquisa Nacional de Saúde 21/08/15 Histórico INVESTIGAÇÃO DO TEMA SAÚDE... 1998 2003 2008 2013 PNAD Características da PNS Pesquisa Domiciliar

Leia mais

ANEXO I. Tabelas com indicadores de saúde para países da América do Sul. Tabela 1. Indicadores socio-econômicos de países da América do Sul

ANEXO I. Tabelas com indicadores de saúde para países da América do Sul. Tabela 1. Indicadores socio-econômicos de países da América do Sul ANEXO I. Tabelas com indicadores de saúde para países da América do Sul. Tabela 1. Indicadores socio-econômicos de países da América do Sul Taxa de alfabetização 97,2 86,7 88,6 95,7 92,8 91,0 93,2 87,9

Leia mais

Construção do diagnóstico sobre a situação da mulher no mercado de trabalho de Natal

Construção do diagnóstico sobre a situação da mulher no mercado de trabalho de Natal Construção do diagnóstico sobre a situação da mulher no mercado de trabalho de Natal SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS MULHERES (SEMUL) Objetivo Efetuar um diagnóstico situacional das

Leia mais

Perfil dos Beneficiários de Planos e SUS e o Acesso a Serviços de Saúde PNAD 2003 e 2008

Perfil dos Beneficiários de Planos e SUS e o Acesso a Serviços de Saúde PNAD 2003 e 2008 Perfil dos Beneficiários de Planos e SUS e o Acesso a Serviços de Saúde PNAD 2003 e 2008 Marcos Novais Carina Burri Martins José Cechin Superintendente Executivo APRESENTAÇÃO O objetivo deste trabalho

Leia mais

Plano Nacional de Saúde 2012-2016

Plano Nacional de Saúde 2012-2016 Plano Nacional de Saúde 2012-2016 Índice de Figuras, Quadros e Tabelas (Janeiro 2012) Plano Nacional de Saúde 2012-2016 ÍNDICE DE FIGURAS, QUADROS E TABELAS 1. Enquadramento do Plano Nacional de Saúde

Leia mais

Utilização de Grandes Bases de Informação na Avaliação do Consumo Alimentar. Regina Mara Fisberg Profª Associada Depto de Nutrição - USP

Utilização de Grandes Bases de Informação na Avaliação do Consumo Alimentar. Regina Mara Fisberg Profª Associada Depto de Nutrição - USP Utilização de Grandes Bases de Informação na Avaliação do Consumo Alimentar Regina Mara Fisberg Profª Associada Depto de Nutrição - USP Agenda 1. Métodos de inquéritos 2. Inquérito de Saúde de São Paulo

Leia mais

Prof. MS. Ellen H. Magedanz

Prof. MS. Ellen H. Magedanz Prof. MS. Ellen H. Magedanz As transformações nos padrões de saúde/doença constituíram-se em uma das características do último século, estão associadas às mudanças na estrutura etária populacional. América

Leia mais

Questionário de Avaliação Socioeconômica Residência Estudantil

Questionário de Avaliação Socioeconômica Residência Estudantil Questionário de Avaliação Socioeconômica Residência Estudantil I.Identificação Aluno: Matrícula / Data de Nascimento: / / Idade: Sexo ( ) Masculino ( ) Feminino Nacionalidade: Naturalidade: UF Identidade

Leia mais

ANEXO I QUESTIONARIO SÓCIO-ECONÔMICO

ANEXO I QUESTIONARIO SÓCIO-ECONÔMICO PROJETO DE LEI DE ASSISTENCIA ESTUDANTIL AO TRANSPORTE DE ALUNOS UNIVERSITÁRIOS DE DOM EXPEDITO LOPES-PI À PICOS-PI EXERCÍCIO DE 2015 1- DADOS PESSOAIS Nome: Instituição de Ensino: ANEXO I QUESTIONARIO

Leia mais

O QUE ESTÃO FAZENDO OS JOVENS QUE NÃO ESTUDAM, NÃO TRABALHAM E NÃO PROCURAM TRABALHO?

O QUE ESTÃO FAZENDO OS JOVENS QUE NÃO ESTUDAM, NÃO TRABALHAM E NÃO PROCURAM TRABALHO? O QUE ESTÃO FAZENDO OS JOVENS QUE NÃO ESTUDAM, NÃO TRABALHAM E NÃO PROCURAM TRABALHO? Ana Amélia Camarano* Solange Kanso** 1 INTRODUÇÃO As fases da vida são marcadas tanto por eventos biológicos, como

Leia mais

Saúde do Idoso Hipertensão Arterial na Cidade do Rio de Janeiro

Saúde do Idoso Hipertensão Arterial na Cidade do Rio de Janeiro Saúde do Idoso Hipertensão Arterial na Cidade do Rio de Janeiro Silvana Costa Caetano Rosanna Iozzi Alcides Carneiro Palavras-chave: Hipertensão Arterial, Idoso Resumo Introdução: A prevalência de Hipertensão

Leia mais

Os Desafios Assistenciais na Saúde Suplementar Martha Oliveira Gerente Geral de Regulação Assistencial- ANS

Os Desafios Assistenciais na Saúde Suplementar Martha Oliveira Gerente Geral de Regulação Assistencial- ANS Os Desafios Assistenciais na Saúde Suplementar Martha Oliveira Gerente Geral de Regulação Assistencial- ANS O Envelhecimento Populacional é um fenômeno Mundial Fonte: United Nations Department of Economic

Leia mais

PERFIL DO CONSUMO DE ÀLCOOL EM MULHERES DE UM NÚCLEO DE SAÚDE DA FAMÍLIA

PERFIL DO CONSUMO DE ÀLCOOL EM MULHERES DE UM NÚCLEO DE SAÚDE DA FAMÍLIA PERFIL DO CONSUMO DE ÀLCOOL EM MULHERES DE UM NÚCLEO DE SAÚDE DA FAMÍLIA AGNES MERI YASUDA; Juliana Maria Marques Megale, Quitéria de Lourdes Lourosa; Aldaísa Cassanho Forster; Clarissa Lin Yasuda HOSPITAL

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES CNHD Supervisão

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES MELLITUS MORBIDADE AUTO REFERIDA

Leia mais

SAÚDE PERCEBIDA E A ATIVIDADE FÍSICA NO PROCESSO DE ENVELHECIMENTO

SAÚDE PERCEBIDA E A ATIVIDADE FÍSICA NO PROCESSO DE ENVELHECIMENTO SAÚDE PERCEBIDA E A ATIVIDADE FÍSICA NO PROCESSO DE ENVELHECIMENTO Profª Drª Maria do Carmo Eulálio (Orientadora) Kalina de Lima Santos* Renata Alessandra Oliveira Neves* Daniella Oliveira Pinheiro* Tarsila

Leia mais

Censo Demográfico 2010. Resultados gerais da amostra

Censo Demográfico 2010. Resultados gerais da amostra Censo Demográfico 2010 Resultados gerais da amostra Rio de Janeiro, 27 de abril de 2012 População e distribuição relativa População e distribuição relativa (%) para o Brasil e as Grandes Regiões 2000/2010

Leia mais

Pessoas com Deficiência nos Censos Demográficos Brasileiros

Pessoas com Deficiência nos Censos Demográficos Brasileiros Pessoas com Deficiência nos Censos Demográficos Brasileiros Alicia Bercovich IBGE VI Fórum Senado Debate Brasil Convenção da ONU sobre os direitos das pessoas com deficiência Painel 2: Quem são, onde estão,

Leia mais

Incidência e mortalidade por tuberculose e fatores sócios. cio-econômicos em grandes centros urbanos com altas cargas da doença Brasil, 2001-2003

Incidência e mortalidade por tuberculose e fatores sócios. cio-econômicos em grandes centros urbanos com altas cargas da doença Brasil, 2001-2003 Programa Nacional de Controle da Tuberculose/ SVS/ MS Instituto de Estudos em Saúde Coletiva/ UFRJ Incidência e mortalidade por tuberculose e fatores sócios cio-econômicos em grandes centros urbanos com

Leia mais

Características Em 2013, foram visitados 149 mil domicílios e entrevistadas 363 mil pessoas.

Características Em 2013, foram visitados 149 mil domicílios e entrevistadas 363 mil pessoas. Rio de Janeiro, 18/09/2014 1 Abrangência nacional Temas investigados: Características Características gerais dos moradores Educação Migração Trabalho e rendimento Trabalho infantil Fecundidade Características

Leia mais

3. Metodologia. Desenho do estudo. População alvo. Amostragem. Desenvolvimento dos instrumentos de coleta a. Estudo transversal de base populacional.

3. Metodologia. Desenho do estudo. População alvo. Amostragem. Desenvolvimento dos instrumentos de coleta a. Estudo transversal de base populacional. 3. Metodologia Desenho do estudo Estudo transversal de base populacional. População alvo A população alvo da pesquisa foi representada por indivíduos com idade igual ou superior a 15 anos no momento da

Leia mais

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres 2 Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres Ana Paula Bueno de Moraes Oliveira Graduada em Serviço Social Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC Campinas Especialista

Leia mais

Prevalência e fatores associados ao tabagismo em jovens e adolescentes de Belo Horizonte

Prevalência e fatores associados ao tabagismo em jovens e adolescentes de Belo Horizonte Prevalência e fatores associados ao tabagismo em jovens e adolescentes de Belo Horizonte Charles Ferreira de Souza 1, Mery Natali Silva Abreu 1, Cibele Comini César 1, Deborah Carvalho Malta 2, Valeska

Leia mais

FICHA DE INSCRIÇÃO (Leia com bastante atenção toda a ficha, antes de responder)

FICHA DE INSCRIÇÃO (Leia com bastante atenção toda a ficha, antes de responder) Nome do Aluno: FICHA DE INSCRIÇÃO (Leia com bastante atenção toda a ficha, antes de responder) O Programa Bom Aluno tem como alvo bons alunos, que querem estudar e progredir academicamente e pessoalmente.

Leia mais

CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS OU REGIONAIS INSTRUMENTAL PARA GRUPO DE TRABALHO SAÚDE

CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS OU REGIONAIS INSTRUMENTAL PARA GRUPO DE TRABALHO SAÚDE CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS OU REGIONAIS INSTRUMENTAL PARA GRUPO DE TRABALHO SAÚDE II CONFERÊNCIA DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL Instrumental de Trabalho baseado nas Propostas Aprovadas na I Conferencia Estadual

Leia mais

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht Page 1 of 7 Comunicação Social 17 de setembro de 2010 Síntese de Indicadores Sociais 2010 SIS 2010: Mulheres mais escolarizadas são mães mais tarde e têm menos filhos Embora abaixo do nível de reposição

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE DISCIPLINA. Enfermagem em Saúde Coletiva da Criança e do Adolescente (1º Semestre / 2013)

PROGRAMAÇÃO DE DISCIPLINA. Enfermagem em Saúde Coletiva da Criança e do Adolescente (1º Semestre / 2013) PROGRAMAÇÃO DE DISCIPLINA Enfermagem em Saúde Coletiva da Criança e do Adolescente (1º Semestre / 2013) Coordenador: Prof ª Aurea Tamami Minagawa Toriyama Carga horária total: 60 horas 30 horas práticas

Leia mais

CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL

CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL Ocilma Barros de Quental. Faculdade de Medicina do ABC(ocilmaquental2011@hotmail.com) Sheylla Nadjane Batista Lacerda.

Leia mais

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013)

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) CHAMADA MCTI-CNPq/MDS-SAGI Nº 24/2013 DESENVOLVIMENTO SOCIAL Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) TEMA 4: SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL

Leia mais

A construção dos Indicadores Básicos para a Saúde (IDB)

A construção dos Indicadores Básicos para a Saúde (IDB) A construção dos Indicadores Básicos para a Saúde (IDB) Jacques Levin Departamento de Informática do SUS Secretaria Executiva/Ministério da Saúde Porto Alegre, 23 de setembro de 2008 Roteiro Origem Processo

Leia mais

PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO)

PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO) PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO) Mês e Ano de elaboração MODELO PARA ELABORAÇÃO DA PAS 2014: Gerência de Programação em Saúde- DEPLAN/SUSAM 1 SUMÁRIO IDENTIFICAÇÃO DO MUNICÍPIO...3 ELABORAÇÃO...4

Leia mais

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO?

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO? HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO? Enelúzia Lavynnya Corsino de Paiva China (1); Lucila Corsino de Paiva (2); Karolina de Moura Manso da Rocha (3); Francisco

Leia mais

Memória de cálculo dos indicadores do Pacto de Atenção Básica 2004

Memória de cálculo dos indicadores do Pacto de Atenção Básica 2004 Memória de cálculo dos indicadores do Pacto de Atenção Básica 2004 Fontes de informação: A. População Todos os dados de população foram obtidos a partir do existente no site do Datasus www.datasus.gov.br/cgi/ibge/popmap.htm.

Leia mais

Opinião da População Sobre a Cobrança das Sacolas Plásticas Reutilizáveis. Agosto de 2015

Opinião da População Sobre a Cobrança das Sacolas Plásticas Reutilizáveis. Agosto de 2015 Opinião da População Sobre a Cobrança das Sacolas Plásticas Reutilizáveis Agosto de 2015 2 A Lei nº 15.374 de 2011 proíbe a disponibilização de sacolas plásticas descartáveis nos estabelecimentos comerciais

Leia mais

PNAD 2011. Acesso à Internet e Posse de Telefone Móvel Celular para Uso Pessoal

PNAD 2011. Acesso à Internet e Posse de Telefone Móvel Celular para Uso Pessoal PNAD 2011 Acesso à Internet e Posse de Telefone Móvel Celular para Uso Pessoal Rio de Janeiro, 16/05/2013 1 Características Em 2011 foram visitados 146 mil domicílios e entrevistadas 359 mil pessoas. 2

Leia mais

PROGRAMA DE ISENÇÃO DE TAXA DE INSCRIÇÃO PARA

PROGRAMA DE ISENÇÃO DE TAXA DE INSCRIÇÃO PARA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE MINAS GERAIS IFMG- FORMULÁRIO SOCIOECONÔMICO PROGRAMA DE ISENÇÃO DE TAXA DE INSCRIÇÃO PARA VESTIBULAR FAVOR PREENCHER TODO FORMULÁRIO EM LETRA DE FORMA. 1 2

Leia mais

Campanhas, Atividades Semanais, Comemorações, Avanços e Desafios. Para o ano de 2015

Campanhas, Atividades Semanais, Comemorações, Avanços e Desafios. Para o ano de 2015 Campanhas, Atividades Semanais, Comemorações, Avanços e Desafios Para o ano de 2015 O Plano Anual de Saúde de 2015 guarda uma característica própria: é o espelho da programação do PMS 2014/2017 aplicado

Leia mais

Especificações Técnicas - Pesquisa Quantitativa -

Especificações Técnicas - Pesquisa Quantitativa - Especificações Técnicas - Pesquisa Quantitativa - A pesquisa foi realizada através do BUS do IBOPE Inteligência pesquisa omnibus multiclientes, com periodicidade mensal e representatividade nacional. O

Leia mais

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98 IX ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA DA SAÚDE DA ABRES Utilização de Serviços em uma Operadora de Plano de Saúde que Desenvolve Programas de Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças Cardiovasculares Danielle

Leia mais

Atitudes pela Educação Novembro de 2014

Atitudes pela Educação Novembro de 2014 Atitudes pela Educação Novembro de 2014 Realização: Instituto Paulo Montenegro IBOPE Inteligência Parceiros da pesquisa: Todos Pela Educação Fundação Itaú Social Fundação Maria Cecília Souto Vidigal Fundação

Leia mais

Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES. Co-Autor(es) MARCIA ALVES DE MATOS MARIANA RODRIGUES UBICES. Orientador(es) ANGELA MARCIA FOSSA. 1.

Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES. Co-Autor(es) MARCIA ALVES DE MATOS MARIANA RODRIGUES UBICES. Orientador(es) ANGELA MARCIA FOSSA. 1. 7º Simpósio de Ensino de Graduação AVALIAÇÃO DO RISCO PARA MORTALIDADE PÓS-NEONATAL EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DE PIRACICABA, INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES Co-Autor(es)

Leia mais

PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS

PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS Renata Lívia Silva F. M. de Medeiros (UFPB) Zirleide Carlos Felix (UFPB) Mariana de Medeiros Nóbrega (UFPB) E-mail: renaliviamoreira@hotmail.com

Leia mais

Doenças Crônicas. uma nova transição. Paulo A. Lotufo. FMUSP Coordenador do Centro de Pesquisa Clínica e Epidemiológica da USP

Doenças Crônicas. uma nova transição. Paulo A. Lotufo. FMUSP Coordenador do Centro de Pesquisa Clínica e Epidemiológica da USP Doenças Crônicas uma nova transição Paulo A. Lotufo Professor Titular de Clínica Médica FMUSP Coordenador do Centro de Pesquisa Clínica e Epidemiológica da USP esclarecimentos O termo doença crônica pode

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO SOBRE A REDE PARTICULAR DE ENSINO FEDERAÇÃO NACIONAL DAS ESCOLAS PARTICULARES DEZEMBRO - 2005 DIVULGAÇÃO JANEIRO

PESQUISA DE OPINIÃO SOBRE A REDE PARTICULAR DE ENSINO FEDERAÇÃO NACIONAL DAS ESCOLAS PARTICULARES DEZEMBRO - 2005 DIVULGAÇÃO JANEIRO IBOPE PESQUISA DE OPINIÃO SOBRE A REDE PARTICULAR DE ENSINO FEDERAÇÃO NACIONAL DAS ESCOLAS PARTICULARES DEZEMBRO - 2005 DIVULGAÇÃO JANEIRO - 2006 Proibida reprodução total ou parcial sem autorização expressa

Leia mais

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial Eliane Maria Monteiro da Fonte DCS / PPGS UFPE Recife PE - Brasil Pesquisa realizada pelo NUCEM,

Leia mais

IFMG FORMULÁRIO SOCIOECONÔMICO PROGRAMA ISENÇÃO DE TAXA DE INSCRIÇÃO O DO IFMG/2010 2º PROCESSO SELETIVO SELETIV

IFMG FORMULÁRIO SOCIOECONÔMICO PROGRAMA ISENÇÃO DE TAXA DE INSCRIÇÃO O DO IFMG/2010 2º PROCESSO SELETIVO SELETIV MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE MINAS GERAIS IFMG FORMULÁRIO SOCIOECONÔMICO PROGRAMA ISENÇÃO DE TAXA DE INSCRIÇÃO 2º PROCESSO SELETIVO SELETIV O DO IFMG/2010 FAVOR PREENCHER TODO FORMULÁRIO

Leia mais

PROGRAMA SOCIOASSISTENCIAL ESTUDANTIL

PROGRAMA SOCIOASSISTENCIAL ESTUDANTIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS CAMPUS MANAUS CENTRO PROGRAMA SOCIOASSISTENCIAL ESTUDANTIL CADASTRO

Leia mais

"Retrato social" de Portugal na década de 90

Retrato social de Portugal na década de 90 "Retrato social" de Portugal na década de 9 Apresentam-se alguns tópicos da informação contida em cada um dos capítulos da publicação Portugal Social 1991-21, editada pelo INE em Setembro de 23. Capítulo

Leia mais

ANS Longevidade - Custo ou Oportunidade. Modelos de Cuidados à Saúde do Idoso Rio de Janeiro/RJ 25/09/2014

ANS Longevidade - Custo ou Oportunidade. Modelos de Cuidados à Saúde do Idoso Rio de Janeiro/RJ 25/09/2014 ANS Longevidade - Custo ou Oportunidade. Modelos de Cuidados à Saúde do Idoso Rio de Janeiro/RJ 25/09/2014 Cenário 1) Nas últimas décadas, os países da América Latina e Caribe vêm enfrentando uma mudança

Leia mais

Problematização. Processo

Problematização. Processo Determinantes socioambientais em saúde bucal e estratégias de Promoção da Saúde 1 Problematização Serviços de saúde [e sua expressão humana, ou seja, os profissionais de saúde] não são potentes o suficiente

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO UFMA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO UFMA CADASTRO SOCIOECONÔMICO DO ESTUDANTE PARA SOLICITAÇÃO DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL. ANO 1. DADOS DO ESTUDANTE Nome: Curso: Código/ Matrícula: Campus: Ano de ingresso: Período: Turno: ( ) Matutino ( ) Vespertino

Leia mais

OBJETIVOS: GERAL: Determinar a prevalência do alcoolismo em Policiais Militares do Estado do Amazonas.

OBJETIVOS: GERAL: Determinar a prevalência do alcoolismo em Policiais Militares do Estado do Amazonas. TÍTULO: ALCOOLISMO NA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DO AMAZONAS. Autores: Fernando de Lima Ferreira; Aristóteles Alencar; Manoel Galvão; Giselle Oliveira da Costa; Márcia Maria Leão de Araújo; Roberta Kelly

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

Estratégia: Articulação interinstitucional

Estratégia: Articulação interinstitucional CGDIS/DATASUS/SE/MS Antecedentes Sistemas, bases de dados e fontes de informação (saúde e outros setores) Disponibilidade na Internet Limitações: cobertura, qualidade, integração e comparabilidade Uso

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA:

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

Diretoria de Pesquisas. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009. crianças, adolescentes e adultos no Brasil

Diretoria de Pesquisas. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009. crianças, adolescentes e adultos no Brasil Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento Gerência da Pesquisa de Orçamentos Familiares Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009 Antropometria e estado nutricional de crianças, adolescentes

Leia mais

ROTEIRO ESTRUTURADO PARA PESQUISA DO TRABALHO PRÁTICO

ROTEIRO ESTRUTURADO PARA PESQUISA DO TRABALHO PRÁTICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MEDICINA PREVENTIVA DISCIPLINA DE EPIDEMIOLOGIA ROTEIRO ESTRUTURADO PARA PESQUISA DO TRABALHO PRÁTICO

Leia mais

Lista de documentos para comprovação das ações pela equipe

Lista de documentos para comprovação das ações pela equipe Lista de documentos para comprovação das ações pela equipe Tabela 1: Documento para comprovação das ações das equipes de AB Módulo Módulo Documento Documento que conste o CNES da UBS, o código de área

Leia mais

PADRÃO DE USO DE ÁLCOOL ENTRE HOMENS E MULHERES NA GRANDE SÃO PAULO

PADRÃO DE USO DE ÁLCOOL ENTRE HOMENS E MULHERES NA GRANDE SÃO PAULO PADRÃO DE USO DE ÁLCOOL ENTRE HOMENS E MULHERES NA GRANDE SÃO PAULO Material organizado por Florence Kerr-Corrêa INEBRIA, 8/10/2008 Ribeirão Preto, SP Departamento de Neurologia, Psicologia e Psiquiatria

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. NOTA TÉCNICA Indicador de Nível Socioeconômico (Inse) das escolas do Enem 2013

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. NOTA TÉCNICA Indicador de Nível Socioeconômico (Inse) das escolas do Enem 2013 NOTA TÉCNICA Indicador de Nível Socioeconômico (Inse) das escolas do Enem 2013 1. APRESENTAÇÃO O Inep, nessa edição do Enem por Escola 2013, da mesma maneira que fez com as avaliações da educação básica,

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil CONSELHO DE CLASSE A visão dos professores sobre educação no Brasil INTRODUÇÃO Especificações Técnicas Data do Campo 19/06 a 14/10 de 2014 Metodologia Técnica de coleta de dados Abrangência geográfica

Leia mais

DCNT no Brasil. Tendência de mortalidade, Brasil 1996-2007

DCNT no Brasil. Tendência de mortalidade, Brasil 1996-2007 DCNT no Brasil Tendência de mortalidade, Brasil 1996-2007 DCNT 72% dos óbitos 20% redução DCNT 31% redução DCV Fonte: Schmidt MI, Duncan BB, Silva GA, Menezes AM, Monteiro CA, Barreto SM, Chor D, Menezes

Leia mais

Consumo de álcool por adolescentes e gênero. Tatiane Vilela Coelho Raínne Costa Sousa

Consumo de álcool por adolescentes e gênero. Tatiane Vilela Coelho Raínne Costa Sousa Consumo de álcool por adolescentes e gênero Tatiane Vilela Coelho Raínne Costa Sousa Área de pesquisa Saúde pública Importância do fenômeno Álcool Droga psicotrópica atua no sistema nervoso central Possui

Leia mais

NOTA TÉCNICA. INDICADOR DE NÍVEL SOCIOECONÔMICO (Inse) DAS ESCOLAS

NOTA TÉCNICA. INDICADOR DE NÍVEL SOCIOECONÔMICO (Inse) DAS ESCOLAS NOTA TÉCNICA INDICADOR DE NÍVEL SOCIOECONÔMICO (Inse) DAS ESCOLAS 1. APRESENTAÇÃO A partir de 2014, o Inep, nas avaliações da educação básica, optou por contextualizar as medidas de aprendizado apresentando

Leia mais

Características Em 2013, foram visitados 149 mil domicílios e entrevistadas 363 mil pessoas.

Características Em 2013, foram visitados 149 mil domicílios e entrevistadas 363 mil pessoas. Rio de Janeiro, 18/09/2014 1 Abrangência nacional Temas investigados: Características Características gerais dos moradores Educação Migração Trabalho e rendimento Trabalho infantil Fecundidade Características

Leia mais

Metodologia Atividades Desenvolvidas em Saúde da criança

Metodologia Atividades Desenvolvidas em Saúde da criança A ATUAÇÃO DE PROFISSIONAIS DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NA ATENÇÃO BÁSICA PRESTADA À SAÚDE DA CRIANÇA Maisa de Oliveira Sanday Sônia Regina Leite de Almeida Prado 1 Introdução Apesar dos avanços na

Leia mais

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004.

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Artigo comentado por: Dr. Carlos Alberto Machado Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Kwok Leung Ong, Bernard M. Y. Cheung, Yu Bun

Leia mais

Promoção da saúde dos trabalhadores

Promoção da saúde dos trabalhadores Promoção da saúde dos trabalhadores Ana Claudia Camaro Gonçalves da Silva Médica colaboradora da disciplina saúde ocupacional Médica do CPS HCFMUSP Vice Presidente da ABPS Doutoranda em Educação em Promoção

Leia mais

ACT, FIOCRUZ E UFF LANÇAM ESTUDO SOBRE POLÍTICAS DE CONTROLE DO TABAGISMO E A RELAÇÃO COM A POBREZA

ACT, FIOCRUZ E UFF LANÇAM ESTUDO SOBRE POLÍTICAS DE CONTROLE DO TABAGISMO E A RELAÇÃO COM A POBREZA ACT, FIOCRUZ E UFF LANÇAM ESTUDO SOBRE POLÍTICAS DE CONTROLE DO TABAGISMO E A RELAÇÃO COM A POBREZA A Aliança de Controle do Tabagismo ACT, o Centro de Estudos sobre Tabaco e Saúde da Escola Nacional de

Leia mais

FUNDAÇÃO FÉ E ALEGRIA DO BRASIL EDITAL DE INSCRIÇÃO E SELEÇÃO PARA JOVENS APRENDIZES PROJETO AMIGOS DO SABER 2015

FUNDAÇÃO FÉ E ALEGRIA DO BRASIL EDITAL DE INSCRIÇÃO E SELEÇÃO PARA JOVENS APRENDIZES PROJETO AMIGOS DO SABER 2015 FUNDAÇÃO FÉ E ALEGRIA DO BRASIL EDITAL DE INSCRIÇÃO E SELEÇÃO PARA JOVENS APRENDIZES PROJETO AMIGOS DO SABER 2015 A Fundação Fé e Alegria do Brasil Unidade Pernambuco, no uso de suas atribuições resolve

Leia mais

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima Saúde mais próxima. Por causa de quem mais precisa. Saúde mais Próxima é um programa da

Leia mais

FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETO DE PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS

FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETO DE PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS Universidade Bandeirante de São Paulo Comitê de Pós-Graduação e Pesquisa COMISSÃO DE ÉTICA (Resolução CONSEPE-UNIBAN nº 17/06 de 11/02/2006) FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETO DE PESQUISA ENVOLVENDO

Leia mais

RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO DO PROJETO PILOTO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NAS ESCOLAS*

RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO DO PROJETO PILOTO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NAS ESCOLAS* RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO DO PROJETO PILOTO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NAS ESCOLAS* * Release elaborado pela BM&FBOVESPA baseado nos dados informados pelo Banco Mundial para o 2º Workshop de Divulgação

Leia mais

O comportamento social pode levar a doenças hepáticas Rute Eduviges Godinho Cecília Polidoro Mamer

O comportamento social pode levar a doenças hepáticas Rute Eduviges Godinho Cecília Polidoro Mamer O comportamento social pode levar a doenças hepáticas Rute Eduviges Godinho Cecília Polidoro Mamer Os estudos sobre mortalidade com freqüência enfatizam a importância das causas relacionadas às doenças

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A PNAISH

CONSIDERAÇÕES SOBRE A PNAISH CONSIDERAÇÕES SOBRE A PNAISH Criada para facilitar e ampliar o acesso da população masculina aos serviços de saúde. Enfatiza a necessidade de mudanças de paradigmas no que se refere à percepção dos homens

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE Equipe LENAD: Ronaldo Laranjeira Clarice Sandi Madruga IlanaPinsky Maria Carmen Viana Divulgação: Maio de 2014. 1. Porque esse estudo é relevante? Segundo a Subsecretaria

Leia mais

Shamyr S de Castro Universidade Federal do Triângulo Mineiro UFTM. Acessibilidade de pessoas com deficiência aos serviços de saúde

Shamyr S de Castro Universidade Federal do Triângulo Mineiro UFTM. Acessibilidade de pessoas com deficiência aos serviços de saúde Shamyr S de Castro Universidade Federal do Triângulo Mineiro UFTM Acessibilidade de pessoas com deficiência aos serviços de saúde Origens Financiamento Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e

Leia mais