Alternativas para a Sustentabilidade de Sistemas de Geração de Energia com Fontes Renováveis em Comunidades Isoladas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Alternativas para a Sustentabilidade de Sistemas de Geração de Energia com Fontes Renováveis em Comunidades Isoladas"

Transcrição

1 Alternativas para a Sustentabilidade de Sistemas de Geração de Energia com Fontes Renováveis em Comunidades Isoladas Luis Carlos Macedo Blasques (1) e Silvio Bispo do Vale (2) (1) Coordenação de Eletrotécnica, IFPA, Brasil. (2) Faculdade de Ciências Exatas e Tecnologia - Abaetetuba, UFPA, Brasil. Resumo: O presente trabalho apresenta alternativas que visam garantir a sustentabilidade de sistemas de geração de energia com fontes renováveis em comunidades isoladas, com base em estratégias de gestão que minimizem os problemas típicos que usualmente levam os sistemas ao colapso. A contextualização do trabalho encontra-se na experiência dos autores na implantação, operação e gestão de sistemas com fontes renováveis na Região Amazônica, mais precisamente no Estado do Pará. O trabalho aborda inicialmente as principais características de sistemas de geração com fontes renováveis de energias, quer sejam isolados ou em minirredes, autônomos ou híbridos, em comunidades isoladas, os quais utilizam fontes renováveis (solar fotovoltaica, eólica, biomassa, dentre outras) e a diesel (backup - não renovável). A análise apresenta uma vista geral de três sistemas instalados no estado do Pará, utilizando-os como base para analisar casos de sucessos e insucessos, estratégias de operação utilizadas, impactos positivos e negativos e experiências adquiridas com a gestão e a sustentabilidade destes sistemas na Amazônia. Dentre os resultados iniciais, verifica-se que os diferentes tipos de sistemas apresentam características de gestão inadequadas que contribuem para sua insustentabilidade. O presente trabalho visa, como principal contribuição, a apresentação de alternativas, técnicas e de gestão, que têm como objetivo geral a garantia da sustentabilidade de sistemas de geração de energia com fontes renováveis em comunidades isoladas. Palavras-chave: Sustentabilidade, Energias renováveis, Comunidades isoladas, Geração de energia elétrica. Abstract: This paper presents alternatives that aim to ensure the sustainability of electricity generation systems with renewable sources in isolated communities, based on management strategies that minimize the typical problems that usually lead to systems collapse. The contextualization of the work lies in the authors' experience in project, installation, operation and management of systems with renewable sources in the Amazon region, mainly in Pará State. The work initially addresses the main characteristics of generation systems with renewable energy sources, either individual systems or supplying micro grids, autonomous or hybrid in isolated communities, which use renewable sources (solar photovoltaic, wind, biomass and otihers) and diesel (backup - not renewable). The analysis presents an overview of three systems installed in Pará state, using them to investigate cases of successes and failures, operational strategies used, positive and negative experiences with the management and sustainability of these systems in the Amazon Region. Among the initial results, it appears that the three different types of systems have inadequate management characteristics that contribute to the failure on achieving the sustainability. The present work aims, as its main contribution, the presentation of technical and management alternatives which generally aim to ensure the sustainability of electricity generation systems with renewable sources in isolated communities. Key-words: Sustainability, Renewable energies; Isolated communities, Electricity generation. 1. INTRODUÇÃO Sistemas de geração de eletricidade com fontes renováveis de energia já são, atualmente, realidade no mundo inteiro e também no Brasil. Tecnologicamente as fontes atingiram maturidade e as questões técnicas são cada vez mais simples de serem solucionadas. Nos grandes centros, os sistemas interligados à rede elétrica, de pequeno, médio e grande portes, apresentam elevada confiabilidade e estão amplamente disseminados no mundo inteiro.

2 Entretanto, um aspecto ainda suscita muitas discussões a respeito da aplicabilidade de sistemas de geração de eletricidade com fontes renováveis: a sustentabilidade destes sistemas quando inseridos em comunidades isoladas, distantes dos grandes centros. Como exemplo da discrepância entre os sistemas conectados à rede e os sistemas isolados instalados ao redor do mundo, o gráfico da Figura 1 apresenta a potência instalada de sistemas de energia solar fotovoltaica (FV), entre 1992 e 2009, em 21 países com elevada representatividade, dividida em sistemas isolados e conectados à rede (IEA, 2010). Potência Instalada (MWp) Sistemas Isolados Sistemas Conectados à Rede FIGURA 1 - Potência FV instalada em 21 países, dividida em sistemas isolados e conectados à rede. Fonte: IEA (2010). Uma conclusão óbvia obtida a partir da análise do gráfico da Figura 1 é a participação cada vez mais crescente dos sistemas conectados à rede, em comparação com os isolados. No ano 2000 a potência instalada em sistemas conectados à rede superou a de sistemas isolados, crescendo de forma exponencial até os dias atuais, sendo, em 2009, responsável por praticamente 96% de toda a potência FV instalada nos países participantes da pesquisa. Estima-se que uma pesquisa de mesma natureza com sistemas eólicos apresentaria dados ainda mais discrepantes, com a participação de sistemas conectados à rede ainda maior. Isto deve-se ao fato combinado da maturidade tecnológica atingida pelas fontes e da problemática da instalação de sistemas renováveis em locais remotos, normalmente associada à gestão ineficiente destes sistemas. Apesar da enorme contribuição proporcionada pela inserção das fontes renováveis nas matrizes energéticas de todos os países do mundo, representada pela expansão dos sistemas conectados à rede, o atendimento de comunidades isoladas deve ser também priorizado e, em muitos casos, as únicas opções disponíveis são as fontes renováveis. O processo de universalização do acesso ao serviço público de energia elétrica no Brasil, estabelecido pela Lei n o de 2002 (Brasil, 2002), encontra-se em amplo desenvolvimento, tendo sido priorizados pelas concessionárias os atendimentos efetuados a partir de extensão de rede. A concessionária de energia elétrica do estado da Bahia, COELBA, destaca-se como uma, e talvez única, que tem adotado sistemas com fontes renováveis para o atendimento de consumidores isolados, tendo instalado mais de 15 mil sistemas individuais de geração com fonte intermitente, neste caso a solar FV, no âmbito da Resolução ANEEL n o 83 de 2003 (Silva Filho, 2010). No intuito de contribuir para a disseminação dos sistemas com fontes renováveis, mais especificamente a solar e a eólica, em locais remotos e distantes da rede elétrica convencional, o presente trabalho relata experiências com relação à instalação, operação e gestão de sistemas com fontes renováveis em comunidade isoladas no estado do Pará e apresenta, como principal contribuição, estratégias de gestão que visam garantir a continuidade no fornecimento de energia elétrica e a sustentabilidade dos sistemas, com o objetivo a longo prazo de que a participação das fontes solar e eólica em sistemas isolados seja cada vez mais representativa. Ano

3 2. SISTEMAS COM FONTES RENOVÁVEIS INSTALADOS NO PARÁ Com o objetivo de contextualizar os problemas de gestão atualmente verificados em sistemas isolados com fontes renováveis, os próximos subitens apresentam aspectos gerais de três sistemas instalados no estado do Pará para, a partir desta perspectiva, apresentar contribuições no sentido de solucionar os problemas encontrados e garantir a sustentabilidade dos sistemas Sistema híbrido eólico-diesel de Praia Grande A comunidade de Praia Grande situa-se às margens da Baía de Marajó, nas coordenadas geográficas de 10 o S e 48 o O. Distante de sua sede municipal, Ponta de Pedras, cerca de nove quilômetros e aproximadamente quarenta e quatro quilômetros da capital do Pará, Belém, é acessada por meio de avião de pequeno porte ou barco. A comunidade é organizada em uma associação de moradores, representada por um líder comunitário, possui um sistema de abastecimento de água potável, utilizando um cata-vento para o bombeamento e módulos fotovoltaicos para o tratamento da água por meio de eletrólise. As construções são distribuídas quase que uniformemente ao longo de uma estrada de aproximadamente metros, margeando a Baía de Marajó, e o sistema híbrido de geração com as fontes eólica e diesel, instalado em 1998, situa-se a 700 metros do início da comunidade. Devido à fábrica de beneficiamento da fibra do coco localizada na sede municipal, os moradores da comunidade conseguem ter uma renda básica de sustentação, somada ao dividendos resultantes de atividades agrícolas. Aqueles que possuem pequenos comércios conseguem aumentar sua renda familiar. Dados levantados na comunidade à época da instalação sistema indicavam que 65% das pessoas ativas economicamente possuíam renda familiar entre um e dois salários mínimos. (Vale, 2000) O sistema híbrido de Praia Grande, que atende em torno de 25 residências, possui 7,5 kw de geração eólica, com um aerogerador instalado em torre de 20 m de altura, e 12 kw de geração dieselétrica, distribuída em dois grupos geradores de 7,5 kva (6 kw) cada, além de demais componentes de condicionamento de potência (inversores) e armazenamento de energia (baterias). (Pinho et al., 2008) Quanto à operação do sistema, a geração eólica entrega energia à rede e ao banco de baterias sendo o atendimento totalmente realizado por esta fonte, quando da disponibilidade de vento e/ou de energia armazenada no banco de baterias. Na insuficiência de ambas, um operador realizada de forma manual o chaveamento para o sistema dieselétrico. Com relação à gestão, a cobrança pela energia elétrica consumida na comunidade é realizada através da aplicação de taxas fixas, proporcionais à quantidade de equipamentos presentes em cada residência, sendo recolhidas mensalmente pelos próprios moradores. A ausência de uma estratégia de operação mais eficaz, que dependesse menos da intervenção humana, e a ausência de fundos financeiros para sustentação do sistema, uma vez que as taxas cobradas muitas vezes não condizem com o real consumo dos moradores e as situações de inadimplência são recorrentes, foram fatores preponderantes para que o sistema viesse a falhar. A boa organização comunitária, representada pela associação de moradores, é fator positivo. Inclusive, na primeira necessidade de aporte econômico em maior escala, quando da substituição do banco de baterias que havia chegado ao fim de sua vida útil, a atuação da associação foi determinante para obtenção do recurso junto à prefeitura local. Somente a boa organização comunitária, entretanto, é ineficaz em um contexto geral Sistema híbrido fotovoltaico-eólico-diesel de Tamaruteua A comunidade de Tamaruteua, situada sob as coordenadas geográficas 0 o S e 47 o O, está localizada no litoral do Município de Marapanim, na embocadura do Rio Cajutuba sobre o Oceano Atlântico, integrante da região do chamado Nordeste Paraense. O acesso à comunidade se faz pelo Rio Cajutuba, com o tempo de percurso variando entre 1 hora e 40 minutos e 2 horas de viagem, em embarcação motorizada, típica da região, partindo da sede municipal. A população residente na comunidade de Tamaruteua depende da pesca. A agricultura, pela natureza do solo arenoso da comunidade local, não gera expectativa ou estimulo para qualquer experiência de cultivo agrícola.

4 De acordo com os dados econômicos da comunidade observa-se que 53% das pessoas ativas economicamente possuem renda familiar entre um e dois salários mínimos. Contudo, grande parte das famílias demonstra um aumento na renda em períodos em que a safra do pescado está em alta. A comunidade não possui organização formal, ou seja, não dispõe de associação de moradores. O sistema híbrido de Tamaruteua foi originalmente instalado em 1999 e se manteve em plena operação até 2002, quando problemas associados à operação e manutenção impediram sua continuidade. O sistema foi, então, revitalizado no ano de A revitalização ampliou a capacidade do sistema solar fotovoltaico e substituiu o banco de baterias e o sistema de condicionamento de potência, resultando em uma potência total instalada de 3,8 kwp do sistema FV, 15 kw do sistema eólico e 40 kva do sistema dieselétrico, que atende cerca de 65 residências. Além da revitalização do sistema de geração, o sistema de cobrança pela energia consumida também foi otimizado. Antes baseado na cobrança de taxas fixas, a revitalização implantou sistema de pré-pagamento de energia, com cada residência possuindo um medidor próprio e pagando exatamente pela energia que consome. (Blasques et al., 2009) Antes da revitalização, o sistema era operado manualmente, com a atuação do grupo gerador em situações de ausência de geração renovável, e a cobrança pela energia elétrica consumida na comunidade era realizada através da aplicação de taxas fixas, como em Praia Grande. Após a revitalização, o sistema passou a operar de forma automática e o sistema de pré-pagamento de energia elétrica foi adotado. As condições que levaram o sistema ao colapso e à consequente revitalização, repetem-se em partes na atual conjuntura. A automatização do sistema e a inserção dos medidores pré-pagos trouxeram uma maior confiabilidade ao sistema. Atualmente, a receita financeira obtida com a venda dos cartões pré-pagos de energia é suficiente para a realização de pequenas manutenções, além de reduzir a dependência da comunidade para com a prefeitura local, com relação à aquisição de combustível para o grupo gerador. Entretanto, a falta de uma organização comunitária e a consequente falta de um plano de gestão que preveja recursos a longo prazo para intervenções de maior valor, tendem a levar o sistema ao colapso Sistema híbrido fotovoltaico-eólico-diesel de São Tomé A comunidade de São Tomé está localizada ao norte do município de Maracanã, às margens da baía de Maracanã, sob as coordenadas geográficas 0º44 24 S e 47º28 59 O. Dista cerca de 3 km da sede municipal e aproximadamente 170 km de Belém. O acesso à comunidade é feito via fluvial ou rodoviária. A comunidade tem sua base econômica fundamentada nos recursos naturais locais, principalmente a atividade pesqueira para consumo próprio e comercialização do produto excedente para a sede municipal. De acordo com informações coletadas localmente, estima-se uma produção anual de 10 toneladas de pescado, comercializada no próprio município. Alguns poucos comércios existentes na comunidade complementam os setores produtivos. De acordo com os levantamentos realizados, observa-se que a maioria (57,5%) das residências analisadas possui uma renda mensal menor que um salário mínimo, o que demonstra o precário nível de vida da população. Em geral a renda familiar depende basicamente da venda do pescado que, em função da escassez do produto em certas épocas do ano, pode representar fortes flutuações de renda. O sistema híbrido de São Tomé possui 7,5 kw de geração eólica, com um aerogerador instalado em torre de 30 m de altura, 3,2 kwp de geração fotovoltaica e 16 kw de geração dieselétrica, em um grupo gerador de 20 kva (16 kw), além de demais componentes de condicionamento de potência e armazenamento de energia, visando o atendimento de cerca de 65 residências. (Pinho et al., 2008). A operação em São Tomé é manual, com alternância entre o atendimento via fontes renováveis e via grupo gerador, seguindo a mesma filosofia de Praia Grande. Também foi instalado em São Tomé, assim como na revitalização em Tamaruteua, um sistema de pré-pagamento de energia, no intuito de otimizar a cobrança pela energia elétrica consumida pelos moradores locais. A ausência de uma associação comunitária e a pouca participação da prefeitura local no suporte ao sistema contribuíram fortemente para situações de insucesso. O sistema de pré-pagamento, nacional e à época ainda em fase de testes, apresentou inúmeras falhas e também foi fator negativo.

5 2.4. Aspectos gerais dos sistemas Impactos sócio-econômicos Desde o início da implantação dos projetos nas comunidades de São Tomé, Praia Grande e Tamaruteua, nota-se uma significativa mudança na vida dos moradores das localidades. Uma das principais mudanças ocorridas nessas comunidades foi a substituição das fontes de energia utilizadas antes da implantação do sistema pela energia elétrica. Após a implantação dos sistemas, quase toda a forma de energia requerida pelas populações locais é a energia elétrica. Antes, eram utilizadas as mais variadas fontes, como pilhas, baterias recarregáveis, óleo diesel, querosene, carvão, lenha e gás. Estas três últimas continuam sendo utilizadas apenas para fins de cocção de alimentos. De forma geral, o fornecimento de energia elétrica às comunidades atingiu seu objetivo maior, que é o atendimento das necessidades básicas de energia para o crescimento de cada uma delas, o que pôde ser comprovado pelo crescimento populacional, de renda e na satisfação geral dos usuários. Como pontos marcantes nas implantações de projetos com fontes renováveis de energia, pode-se observar diversos impactos nas comunidades, dentre os quais pode-se citar: Atividades econômicas de impacto potencial dos projetos: preparação e conservação do pescado, produção e distribuição de energia elétrica. Impacto ambiental: Redução do uso de energéticos como lenha, querosene, óleo diesel, e outros. Impacto tecnológico e científico: Estudo e desenvolvimento de sistemas híbridos com fontes renováveis para geração de eletricidade, disponibilização dos projetos como experiências a serem replicadas, desenvolvimento de técnicas de engenharia para projeto, implantação e comissionamento de sistemas similares. Impacto Sócio-Econômico: Melhoria na educação e no atendimento de saúde, melhoria da auto-estima dos moradores locais, fixação dos habitantes, aumento das atividades produtivas, em especial o comércio, conservação do pescado e alimentos em geral, aumento de atividades de âmbito turístico Comportamento social Observa-se que as comunidades de Praia Grande, São Tomé e Tamaruteua sofreram mudanças consideráveis advindas da instalação do sistema de eletrificação, modificações estas que trouxeram, em geral, progresso às comunidades. Dentre elas podem-se destacar o aumento do número de famílias, de comércios em geral, melhoria dos índices organizacionais e as constantes visitas de pessoas e grupos nacionais e estrangeiros interessados em aprender, divulgar e disseminar esta experiência regional Dificuldades A Região Amazônica, por possuir área muito ampla e locais de acesso bastante difícil, possui um número enorme de comunidades isoladas e totalmente desassistidas, não somente de energia elétrica, mas de muito outros bens de subsistência básica. Em função disso, são constatadas algumas dificuldades nos projetos implantados, que podem ser abordadas de maneira mais direta, objetivando-se a solução de possíveis problemas e o desaparecimento de riscos em sistemas futuros. Além das dificuldades de acesso às localidades isoladas da Região Amazônica, uma das dificuldades geralmente verificadas em sistemas desta natureza, também verificada em São Tomé, Praia Grande e Tamaruteua, diz respeito aos aspetos de operação e manutenção do sistema, principalmente após o período de dois anos que são relacionados ao tempo de execução de projeto e financiados pelos órgãos de fomento à pesquisa. Quando o modelo de gestão praticado é ineficiente ou simplesmente não é verificado, o sistema tende a apresentar problemas no decorrer de sua operação, principalmente relacionados à falta de recursos para investimentos em manutenção básica, operação e substituição de equipamentos.

6 3. PROPOSTAS VISANDO À GARANTIA DA SUSTENTABILIDADE DE SISTEMAS ISOLADOS Com base na experiência dos autores em projetos de energias renováveis, como os apresentados na seção anterior, julga-se de fundamental importância a implantação de mecanismos que visem à sustentabilidade dos sistemas, uma vez que os indicativos apontam para a ausência de uma gestão eficiente como o principal fator que contribui para o colapso dos sistemas. Aspectos relacionados a projetos com fontes renováveis de energias, tais como gestão e sustentabilidade, devem ser analisados criteriosamente antes, durante e após a implantação dos sistemas. Caso não sejam levados em consideração podem acarretar sérios problemas quanto à sustentabilidade destes sistemas, podendo ocasionar seu insucesso. Em geral, a grande maioria das localidades distantes dos grandes centros possui sistemas de geração convencionais, geridos com base nos formatos administrativos moldados pela própria concessionária local, de forma bastante semelhante à verificada em grandes centros. Em sistemas com fontes renováveis, ainda não adotados pelas concessionárias, os modelos são baseados na administração realizada pela própria comunidade, através de uma organização ou associação comunitária e em parceria com as prefeituras municipais. Dada a condição de extremo isolamento comum às comunidades atendidas por sistemas com fontes renováveis, os modelos de gestão (leitura, faturamento e entrega de contas de energia) e técnico (manutenção através de equipes de plantão que se deslocam ao local da falha) adotados pelas concessionárias são falhos. Manter equipes permanentes em locais com sistemas que, muitas vezes, atendem um número muito reduzido de consumidores, é inviável. A administração do sistema, portanto, deve ter mínima intervenção humana possível. Partindo do pressuposto que há disponibilidade de recurso energético primário na localidade, solar e/ou eólico, por exemplo, deve-se elaborar um criterioso planejamento para que o sistema torne-se autosustentável. Baseado em experiências anteriores nas etapas de projeto, instalação, operação e gestão de sistemas de geração utilizando fontes renováveis em comunidades isoladas, os autores apontam a adoção de eficientes estratégias de gestão como a alternativa ideal, e por vezes única, que possa minimizar os problemas ainda hoje verificados em sistemas alternativos. Duas são as principais vertentes: a aplicação de sistemas pré-pagos de tarifação de energia e a monitoração remota dos sistemas. O primeiro é apontado como o maior indicativo da sustentabilidade de projetos, já que prevê um modelo de gestão de arrecadação de fundos para gastos futuros com a operação e manutenção do sistema. Estes fundos podem, e na maioria dos casos devem ser complementados com incentivos da administração superior (prefeituras, governo estadual e/ou federal). O segundo pode se configurar em uma valiosa ferramenta para a avaliação do desempenho dos sistemas e possível detecção e correção de falhas, de forma mais rápida e otimizada. Os subitens seguintes apresentam as duas alternativas com maior detalhamento Sistemas pré-pagos de tarifação O sistema de pré-pagamento de energia elétrica constitui-se em um novo marco de modelo de comercialização de energia elétrica, eliminando possíveis problemas relacionados aos sistemas pós-pagos como, por exemplo, emissão e envio de faturas e inadimplência. Outro ponto positivo a destacar no sistema pré-pago é a facilidade no controle do consumo por parte do usuário, pois permite a compra de crédito em quantidades determinadas de energia elétrica, de forma mais conveniente ao consumidor. Sob aspectos gerais, o sistema proporciona segurança, praticidade e comodidade. O modelo de pré-pagamento de energia deve inserir, dentre outras vantagens, valores de tarifação adequados com a real situação econômica da comunidade, adequação de gastos com energia de acordo com o período de sazonalidade, inexistência de situações de inadimplência, além de evitar constrangimento de cortes de energia. O sistema de pré-pagamento de energia elétrica engloba as principais vantagens e elimina as desvantagens das opções anteriores de faturamento, pagamentos de taxas fixas e a medição convencional. A Figura 2 apresenta uma configuração típica de um sistema de pré-pagamento de energia, modelo instalado no sistema de Tamaruteua, e a Tabela 1 apresenta um quadro com vantagens e desvantagens destes tipos de sistemas de tarifação.

7 FIGURA 2 - Modelo do sistema de pré-pagamento de energia instalado em Tamaruteua. Fonte: Blasques (2007). TABELA 1 - Vantagens e desvantagens de sistemas de tarifação pré-pagos. Vantagens Desvantagens Fonte: Blasques (2007). Similaridade ao sistema de pagamento verificado anteriormente à energização da comunidade, quando os moradores pagavam antecipadamente pelos energéticos, como pilhas, velas, óleo diesel, etc. Adequado à sazonalidade de renda dos moradores locais Possibilidade de controle do consumo, através de verificação dos dados em tempo real no próprio medidor Possibilidade de utilização de créditos emergenciais limitados, que são descontados após a inserção de novos créditos Redução de custos operacionais, uma vez que o corte é realizado automaticamente pelo medidor, sendo o consumidor religado com a simples inserção de novo cartão, que pode ser vendido localmente por um próprio morador Eliminação da inadimplência Custo de investimento inicial ainda elevado Relativa dependência do mercado internacional Possibilidade maior de falhas devido ao caráter ainda experimental dos sistemas Ausência de regulamentação específica Dada a condição social da maioria dos moradores de comunidades isoladas, a aplicação de tarifas sociais, bastante reduzidas, tende a inviabilizar a manutenção dos sistemas. Portanto, o sistema de pré-pagamento, apesar de inserir todas as vantagens apresentadas, por si só não garante a sustentabilidade dos sistemas. Deve haver suporte financeiro aos sistemas, e até mesmo controle da carga consumida pelas unidades consumidoras, uma vez que, dada a característica de intermitência das fontes solar e eólica, o consumo exagerado de energia também contribui para o insucesso dos sistemas.

8 3.2. Sistemas de monitoração remota Outra opção que pode contribuir para a sustentabilidade de sistemas com fontes renováveis, minimizando possíveis problemas de gestão, é a utilização de sistemas de monitoração remota, que proporcionam um panorama geral da operação do sistema, através da medição de suas principais grandezas de interesse. A monitoração remota é fundamental devido à característica de isolamento dos sistemas, sendo necessária cobertura celular no local, o que gera menores custos, ou comunicação via satélite no caso de ausência de cobertura celular, gerando maiores custos, porém, com elevada confiabilidade. O sistema de monitoração apresenta informações aos operadores que, devido à natural distância entre as localidades atendidas por sistemas isolados e os grandes centros, agiliza a solução de falhas ou mesmo impede que elas ocorram. Os instrumentos típicos de sistemas de monitoração remota são transdutores de tensão e corrente, para medições de parâmetros elétricos dos sistemas de geração, armazenamento e condicionamento de potência; instrumentos de monitoração ambiental, como medidores de radiação, velocidade de vento e temperatura; registradores de dados, para armazenamento das grandezas medidas pelos instrumentos; e modem conectado ao registrador de dados, para envio remoto dos dados coletados até o local de análise. A Figura 3 apresenta um diagrama de sistema de aquisição de dados instalado em um sistema híbrido, com destaque para os pontos de medição de grandezas elétricas, além de fotos de instrumentos como registradores de dados, transdutores e modems. Os sensores, em vermelho no diagrama, são conectados ao registrador de dados que, conectado a um modem, pode enviar os dados registrados de forma remota ao operador do sistema. De posse dos dados em tempo real do sistema, a central de operação pode avaliar o desempenho do sistema, predizer possíveis falhas e corrigi-las de forma mais ágil, reduzindo os tempos de interrupção e otimizando a operação. FIGURA 3 - Diagrama de sistema de aquisição de dados e instrumentos que compõem o sistema. Fonte: Blasques (2007).

9 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS A importância de sistemas com fontes renováveis para a eletrificação de comunidades isoladas é fato indiscutível. Locais distantes, de difícil acesso, com elevada dispersão populacional não apresentam viabilidade no atendimento convencional, através da extensão de redes elétricas. No entanto, os moradores destas comunidades devem dispor dos inúmeros benefícios trazidos pela energia elétrica, diretos e indiretos, com impactos na educação, saúde, cultura, lazer e bem estar geral. De fato, legalmente este acesso à energia elétrica está assegurado a todos pela Lei n o A alternativa mais viável economicamente e atualmente tecnologicamente consolidada é a utilização de fontes renováveis. A opção por esta forma de atendimento ainda é preterida por praticamente todas as concessionárias de energia do Brasil, empresas responsáveis por garantir o acesso à energia elétrica a todos os habitantes de suas áreas de concessão. A razão para isto está na falta de conhecimento técnico e de gestão que as concessionárias possuem em sistemas renováveis, e o risco de perda de receita decorrente das possíveis falhas que os sistemas apresentarão caso não sejam projetados, operados e geridos de forma eficiente. Muitas são as ações que podem contribuir para a sustentabilidade de sistemas com fontes renováveis em comunidades isoladas. O reforço tecnológico, principalmente com o amadurecimento da indústria nacional de equipamentos deste setor, é fundamental e já vem sendo conduzido. A responsabilidade na etapa de projeto, com o objetivo de se adequar de forma mais precisa possível o sistema de geração às necessidades locais, também é importante. Entretanto, nota-se, a partir da análise de experiências recentes em sistemas com fontes renováveis, que o problema principal está, no momento, relacionado à gestão dos sistemas. O presente trabalho aponta, como solução integrada, a aplicação de sistemas pré-pagos de tarifação, com valores de tarifa justos aos consumidores e que, somados a subsídios da administração superior, garantam recursos para a correta operação e manutenção do sistema; e sistemas de monitoração que apresentem um panorama real do sistema para que as intervenções técnicas possam ser agilizadas e otimizadas, de forma a garantir continuidade no suprimento. As medidas sugeridas, apesar de representarem um aumento do investimento inicial do sistema, não só podem garantir redução de custos de operação, como são imprescindíveis para o seu bom funcionamento. Em outras palavras, as opções menos onerosas no projeto inicial podem representar em custos, diretos e indiretos, altíssimos ao longo da vida útil do sistema e, por isso, deve-se atuar, neste momento, no sentido de estabelecer metodologias eficientes e que de fato garantam a sustentabilidade dos sistemas, mesmo que o custo inicial seja razoavelmente mais elevado. O propósito é, em paralelo à consolidação destas medidas, fortalecer a indústria nacional e obter custos bem mais reduzidos no futuro. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BLASQUES, L.C.M. Configurações Ótimas de Sistemas Híbridos para Geração de Eletricidade Utilizando Fontes Renováveis: Contribuições ao Processo de Universalização do Acesso e Uso da Energia Elétrica. Proposta de Qualificação ao Doutorado. PPGEE/UFPA, BLASQUES, L.C.M.; PEREIRA, E.J.S e PINHO, J.T. PV-Wind-Diesel Hybrid System of Tamaruteua: Acquired Experiences, Comparisons with Similar Systems and Contributions for Future Development. Symposium Small PV-Applications - Rural Electrification and Comercial Use, Ulm, BRASIL. Lei n o , de 26 de abril de IEA International Energy Agency. IEA PVPS Task 1, 2010: Trends in photovoltaic applications: Survey report of selected IEA countries between 1992 and 2009, Report IEA-PVPS T PINHO, J.T.; BARBOSA, C.F.O.; PEREIRA, E.J.S.; SOUZA, H.M.S.; BLASQUES, L.C.M.; GALHARDO, M.A.B. e MACÊDO, W.N. Sistemas Híbridos: Soluções Energéticas para a Amazônia. 1 a Edição, Brasília, Ministério de Minas e Energia, 2008.

SITUAÇÃO DA GERAÇÃO ELÉTRICA ATRAVÉS DE SISTEMAS HÍBRIDOS NO ESTADO DO PARÁ E PERSPECTIVAS FRENTE À UNIVERSALIZAÇÃO DA ENERGIA ELÉTRICA

SITUAÇÃO DA GERAÇÃO ELÉTRICA ATRAVÉS DE SISTEMAS HÍBRIDOS NO ESTADO DO PARÁ E PERSPECTIVAS FRENTE À UNIVERSALIZAÇÃO DA ENERGIA ELÉTRICA SITUAÇÃO DA GERAÇÃO ELÉTRICA ATRAVÉS DE SISTEMAS HÍBRIDOS NO ESTADO DO PARÁ E PERSPECTIVAS FRENTE À UNIVERSALIZAÇÃO DA ENERGIA ELÉTRICA CLAUDOMIRO FÁBIO DE OLIVEIRA BARBOSA JOÃO TAVARES PINHO EDINALDO

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO X GRUPO DE ESTUDOS DE DESEMPENHO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GDS

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO X GRUPO DE ESTUDOS DE DESEMPENHO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GDS XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO X GRUPO DE ESTUDOS DE DESEMPENHO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GDS ANÁLISE

Leia mais

Conceito Geral. Produção de eletricidade em pequena escala por intermédio de instalações de pequena potência.

Conceito Geral. Produção de eletricidade em pequena escala por intermédio de instalações de pequena potência. Microgeração Conceito Geral Produção de eletricidade em pequena escala por intermédio de instalações de pequena potência. Meio para produção de energia através de instalações de pequena escala, utilizando

Leia mais

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A visão corrente de que o Brasil possui um dos maiores parques de energia hidrelétrica do mundo, nos afasta de uma realidade um pouco distante disto.

Leia mais

PRINCÍPIOS E UTILIZAÇÃO DA ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA

PRINCÍPIOS E UTILIZAÇÃO DA ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA PRINCÍPIOS E UTILIZAÇÃO DA ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE ELETROTÉCNICA E ENERGIA LABORATÓRIO DE SISTEMAS FOTOVOLTAICOS Roberto Zilles Conversão da energia solar Célula

Leia mais

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA COMO FONTE DE GERAÇÃO DE ENERGIA COMPLEMENTAR NA INDÚSTRIA PARAIBANA: UM ESTUDO DE CASO

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA COMO FONTE DE GERAÇÃO DE ENERGIA COMPLEMENTAR NA INDÚSTRIA PARAIBANA: UM ESTUDO DE CASO ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA COMO FONTE DE GERAÇÃO DE ENERGIA COMPLEMENTAR NA INDÚSTRIA PARAIBANA: UM ESTUDO DE CASO DA COSTA 1, Cinthya Borges Lopes DA SILVA 2, Michele Gomes FERREIRA 3, João Marcelo Dias

Leia mais

Armazenamento de Energia Renovável

Armazenamento de Energia Renovável Solar Eólico Armazenamento de Energia Renovável Biomassa Eficiência Energética Comercial Parques Público Rural Industrial Residencial MICRO E MINIGERAÇÃO DE ENERGIA A ANEEL permitiu aos consumidores através

Leia mais

Projeto Megawatt Solar Usina Solar Fotovoltaica no Edifício Sede da ELETROSUL

Projeto Megawatt Solar Usina Solar Fotovoltaica no Edifício Sede da ELETROSUL Projeto Megawatt Solar Usina Solar Fotovoltaica no Edifício Sede da ELETROSUL Luis Felipe Pozzatti Chefe do Setor de Estudos de Novos Potenciais luis.pozzatti@eletrosul.gov.br Eletrosul Segmentos: transmissão

Leia mais

Como faço para ter eletricidade solar em minha casa?

Como faço para ter eletricidade solar em minha casa? Como faço para ter eletricidade solar em minha casa? Guia de microgeradores fotovoltaicos EXPEDIENTE ÍNDICE Projeto Editorial e Conteúdo Revisão Textual Paula Scheidt Revisão técnica Giovanni Secco Projeto

Leia mais

Perspectivas para a Energia Solar Fotovoltaica no Brasil. Câmara de Tecnologia FIESC 29 de agosto de 2013 Paula Scheidt Manoel

Perspectivas para a Energia Solar Fotovoltaica no Brasil. Câmara de Tecnologia FIESC 29 de agosto de 2013 Paula Scheidt Manoel Perspectivas para a Energia Solar Fotovoltaica no Brasil Câmara de Tecnologia FIESC 29 de agosto de 2013 Paula Scheidt Manoel Instituto Ideal Criado em fevereiro de 2007, com sede em Florianópolis tem

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 3 Geração, transmissão e distribuição da energia elétrica.

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 3 Geração, transmissão e distribuição da energia elétrica. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 3 Geração, transmissão e distribuição da energia elétrica.

Leia mais

II Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil INOVA FV

II Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil INOVA FV II Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil INOVA FV Análise Financeira de Sistemas Fotovoltaicos em Regiões Remotas no Âmbito da Universalização 14 de

Leia mais

Energia solar Fotovoltaica e as iniciativas para uma nova indústria nacional

Energia solar Fotovoltaica e as iniciativas para uma nova indústria nacional Workshop Embaixada Verde - Uma contribuição original ao debate sobre energias renováveis no Brasil Brasília 09/02/2011 Energia solar Fotovoltaica e as iniciativas para uma nova indústria nacional Prof.

Leia mais

1.2. Estado da arte.

1.2. Estado da arte. 1. Introdução A história recente do Sistema Elétrico Brasileiro é interessante. Depois de um longo período de monopólio estatal, o setor passou por profundas mudanças legais para tentar aumentar a eficiência

Leia mais

Programa de Racionalização do Uso de Energia PRUEN

Programa de Racionalização do Uso de Energia PRUEN Proponente: Fundação de Amparo à Pesquisa e Extensão Universitária - FAPEU Executor: Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Financiamento: Financiadora de Estudos e Projetos - FINEP Coordenação:

Leia mais

Energia Eólica. História

Energia Eólica. História Energia Eólica História Com o avanço da agricultura, o homem necessitava cada vez mais de ferramentas que o auxiliassem nas diversas etapas do trabalho. Isso levou ao desenvolvimento de uma forma primitiva

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA Anexo II.6 Especificações do Sistema de Bilhetagem Eletrônica PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA ÍNDICE 1 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 2 CONCEPÇÃO DO SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA... 2 2.1 Processos

Leia mais

Simulador de Custos de Contratação de Energia para Grandes Consumidores

Simulador de Custos de Contratação de Energia para Grandes Consumidores Simulador de Custos de Contratação de Energia para Grandes Consumidores Aluno: Bruna dos Guaranys Martins Orientador: Delberis Araújo Lima Projeto: 1011 Introdução No Brasil, existem diferentes tipos de

Leia mais

Energia Solar no Brasil. 12/04/2012 Rio de Janeiro - RJ

Energia Solar no Brasil. 12/04/2012 Rio de Janeiro - RJ Fórum Canalenergia/Cogen Potencial e Perspectivas da Energia Solar no Brasil O Processo da Regulação da Geração Distribuída Edvaldo Alves de Santana 12/04/2012 Rio de Janeiro - RJ Objetivos e princípio

Leia mais

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA Fundamentos e Aplicações Parte 2

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA Fundamentos e Aplicações Parte 2 ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA Fundamentos e Aplicações Parte 2 Prof. Dr. Trajano Viana trajanoviana@gmail.com CEFET/RJ Março - 2014 5 - SISTEMAS FOTOVOLTAICOS Conjunto de elementos necessários para realizar

Leia mais

Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura

Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura Termo de Referência para Contratação de Consultoria - TR Modalidade Pessoa Física Vaga Código TR/PF/IICA-005/2010 PCT BRA/09/001 - Acesso e uso da energia elétrica como fator de desenvolvimento de comunidades

Leia mais

Energia e Desenvolvimento na Amazônia

Energia e Desenvolvimento na Amazônia UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS CENTRO DE DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO AMAZÔNICO V FEIRA INTERNACIONAL DA AMAZÔNIA Energia e Desenvolvimento na Amazônia Prof. Dr. Rubem Cesar Rodrigues Souza CONQUISTAS

Leia mais

Inserção da Geração Solar na Matriz Elétrica Brasileira. Palestrante: Eng. Marcelo Vinicius

Inserção da Geração Solar na Matriz Elétrica Brasileira. Palestrante: Eng. Marcelo Vinicius Inserção da Geração Solar na Matriz Elétrica Brasileira Palestrante: Eng. Marcelo Vinicius Temas a serem abordados: 1. Matriz de energia elétrica 2. Distintas tecnologias 3. Combustível solar 4. Motivação

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DO FÓRUM DAS ASSOCIAÇÕES EMPRESARIAIS PRÓ- DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE GÁS NATURAL CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 005/2014

CONTRIBUIÇÃO DO FÓRUM DAS ASSOCIAÇÕES EMPRESARIAIS PRÓ- DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE GÁS NATURAL CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 005/2014 CONTRIBUIÇÃO DO FÓRUM DAS ASSOCIAÇÕES EMPRESARIAIS PRÓ- DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE GÁS NATURAL CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 005/2014 Descrição: Obter subsídios para identificar a necessidade de criação

Leia mais

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com. 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.br RESUMO A tele-medição de

Leia mais

COGERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E REGULATÓRIOS

COGERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E REGULATÓRIOS COGERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E REGULATÓRIOS Compreenda a regulamentação referente à cogeração de energia e discuta possíveis mudanças as no setor Gabriel Barja São Paulo, outubro de 2006 Viabilidade Viabilidade

Leia mais

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Anexo III da Resolução n o 1 da CIMGC Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução A atividade de projeto do Projeto de MDL das Usinas Eólicas Seabra, Novo Horizonte

Leia mais

Sistema de Medição de Faturamento

Sistema de Medição de Faturamento Sistema de Medição de Faturamento Direitos e Deveres dos Consumidores Livres André Luiz Preite Cruz Especialista de mercado Agenda A ABRACE Atribuições da ABRACE O SMF O Mercado e o SMF Os Consumidores

Leia mais

ENERGIA EÓLICA : Potencial / oportunidades para aplicação turbinas eólicas de pequeno porte

ENERGIA EÓLICA : Potencial / oportunidades para aplicação turbinas eólicas de pequeno porte ENERGIA EÓLICA : Potencial / oportunidades para aplicação turbinas eólicas de pequeno porte Palestrante: Profa Dra Eliane Amaral Fadigas Instituição: USP - Universidade de São Paulo Escola Politécnica

Leia mais

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética Copel Distribuição S.A Vlademir Daleffe 25/03/2015 1 VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH 1. Composição tarifária

Leia mais

Seja dono. da sua ENERGIA

Seja dono. da sua ENERGIA Seja dono AV Afonso Vaz De melo 677 Sala 301 CEP: 30.640-070 Belo Horizonte (MG) Tel. +55 31 3689-7452 info@solarfast.it www.solarfast.it da sua ENERGIA Energia solar Fontes renováveis, economia de energia,

Leia mais

ANAEEL SOFTWARE PARA DIAGNÓSTICO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM AGROINDÚSTRIAS 1 RESUMO

ANAEEL SOFTWARE PARA DIAGNÓSTICO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM AGROINDÚSTRIAS 1 RESUMO ANAEEL SOFTWARE PARA DIAGNÓSTICO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM AGROINDÚSTRIAS 1 RESUMO FÉLIX ABRAO NETO 2 ODIVALDO JOSÉ SERAPHIM 3 JAIR ANTONIO CRUZ SIQUEIRA 4 FERNANDO DE LIMA CANEPPELE 5 JAIR DE JESUS

Leia mais

Doutor em planejamento de sistemas energéticos e Professor do Curso de Engenharia Agrícola do CEULP-ULBRA 3

Doutor em planejamento de sistemas energéticos e Professor do Curso de Engenharia Agrícola do CEULP-ULBRA 3 SUSTENTABILIDADE COMO PROPOSTA PARA IMPLANTAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM COMUNIDADES ISOLADAS E QUILOMBOLAS NO JALAPÃO-TO 1 JOEL CARLOS ZUKOWSKI JR 2 WEDER FERREIRA DOS SANTOS 3 ROGÉRIO OLAVO MARÇON 4 SILVESTRE

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA ENSINO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS: DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS EÓLICOS E FOTOVOLTAICOS

DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA ENSINO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS: DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS EÓLICOS E FOTOVOLTAICOS DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA ENSINO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS: DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS EÓLICOS E FOTOVOLTAICOS Jorge A. Villar Alé (1) ; Vicente André Paludo (2) Pedro André Marozzin

Leia mais

A 1ª Cidade Inteligente da América Latina

A 1ª Cidade Inteligente da América Latina A 1ª Cidade Inteligente da América Latina Imagine... gerar somente a energia que precisamos em nossas casas através de fontes renováveis... saber o consumo de energia de cada aparelho elétrico conectado

Leia mais

Smart Grid e Net Metering no Brasil

Smart Grid e Net Metering no Brasil Smart Grid e Net Metering no Brasil Daniel Vieira Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição SRD/ANEEL Cidade do México 30/01/2013 Sistema de Distribuição 63 concessionárias de distribuição

Leia mais

www.tese.org.pt www.facebook.com/tese.ongd www.linkedin.com/in/teseongd

www.tese.org.pt www.facebook.com/tese.ongd www.linkedin.com/in/teseongd www.tese.org.pt www.facebook.com/tese.ongd www.linkedin.com/in/teseongd Energias Renováveis e o Desenvolvimento Social 1. Apresentação da Instituição 2. Projectos da Área das Energias Renováveis e Impactes

Leia mais

Desafios Técnicos e Socioeconômicos da Oferta de Energia

Desafios Técnicos e Socioeconômicos da Oferta de Energia Desafios Técnicos e Socioeconômicos da Oferta de Energia Nelson Leite Presidente da ABRADEE 1 Porto Alegre, 18 de junho de 2015 1 Agenda 1 - Panorama do setor de distribuição de E. Elétrica 2 - Perspectivas

Leia mais

Prof. Dr. Luiz Antonio Rossi UNICAMP - Brasil. GEFES Grupo de Estudos em Fontes Eólica e Solar. São Carlos, 22 de Maio de 2015.

Prof. Dr. Luiz Antonio Rossi UNICAMP - Brasil. GEFES Grupo de Estudos em Fontes Eólica e Solar. São Carlos, 22 de Maio de 2015. Geração de Energia Elétrica por Meio de Fonte Eólica: Simulação do desempenho de dois aerogeradores de pequeno porte com perfis aerodinâmicos diferentes Prof. Dr. Luiz Antonio Rossi UNICAMP - Brasil São

Leia mais

GERAÇÃO DISTRIBUÍDA: VANTAGENS E DESVANTAGENS

GERAÇÃO DISTRIBUÍDA: VANTAGENS E DESVANTAGENS GERAÇÃO DISTRIBUÍDA: VANTAGENS E DESVANTAGENS Wilson Pereira BARBOSA Filho 1 (wilson.filho@meioambiente.mg.gov.br) Abílio César Soares de AZEVEDO 2 1 Mestre em Gestão Ambiental. Fundação Estadual do meio

Leia mais

Eficiência Energética

Eficiência Energética www.siemens.com.br/eficiencia-energetica Siemens Ltda. Av. Mutinga, 3800 05110-902 Pirituba São Paulo - SP Eficiência Energética www.siemens.com.br/eficiencia-energetica Sustentabilidade e Eficiência Energética

Leia mais

AS ENERGIAS RENOVÁVEIS EM ANGOLA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

AS ENERGIAS RENOVÁVEIS EM ANGOLA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES AS ENERGIAS RENOVÁVEIS EM ANGOLA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES Engª Sandra Cristóvão Directora Nacional de Energias Renováveis Ministério da Energia e Águas Luanda, 24 a 27 de Setembro de 2013 CONFERÊNCIA

Leia mais

SIMHIBRIDO - PROGRAMA COMPUTACIONAL DE SIMULAÇÃO DE SISTEMAS HÍBRIDOS PARA ENERGIZAÇÃO RURAL

SIMHIBRIDO - PROGRAMA COMPUTACIONAL DE SIMULAÇÃO DE SISTEMAS HÍBRIDOS PARA ENERGIZAÇÃO RURAL SIMHIBRIDO - PROGRAMA COMPUTACIONAL DE SIMULAÇÃO DE SISTEMAS HÍBRIDOS PARA ENERGIZAÇÃO RURAL ODIVALDO J. SERAPHIM 1 JAIR A. C. SIQUEIRA 2 FERNANDO DE L. CANEPPELE 3 ARISTÓTELES T. GIACOMINI 4 RESUMO O

Leia mais

Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida

Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida Secretário de Infraestrutura Energia Renovável em Pernambuco Desenvolvimento Técnico,

Leia mais

APLICAÇÕES DA ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA

APLICAÇÕES DA ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA APLICAÇÕES DA ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA Eletrificação rural Bombeamento de água Geração distribuída Roberto Zilles zilles@iee.usp.br INSTITUTO DE ELETROTÉCNICA E ENERGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Eletrificação

Leia mais

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica Apresentação CEI Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica A CEI é produtora independente de energia em MG, com 9 usinas em operação, 15 empreendimentos hidrelétricos em desenvolvimento (130MW) e

Leia mais

PORTIFÓLIO. Lista de atestados Nº Cliente Potência Local 1. Kagoshima Mega Solar Power 70 MWp Corporation. Kagoshima Japão

PORTIFÓLIO. Lista de atestados Nº Cliente Potência Local 1. Kagoshima Mega Solar Power 70 MWp Corporation. Kagoshima Japão PORTIFÓLIO Apresentamos abaixo uma lista dos principais projetos fornecidos e instalados pela KYOCERA com suas principais características e uma breve descrição de cada um. Lista de atestados Nº Cliente

Leia mais

ETENE. Energias Renováveis

ETENE. Energias Renováveis Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste ETENE Fonte: http://www.noticiasagronegocios.com.br/portal/outros/1390-america-latina-reforca-lideranca-mundial-em-energias-renovaveis- 1. Conceito

Leia mais

Energia Solar Fotovoltaica: Oportunidades e Desafios

Energia Solar Fotovoltaica: Oportunidades e Desafios Energia Solar Fotovoltaica: Oportunidades e Desafios Prof. Dr. Luciano Schuch Schuch.prof@gmail.com Sumário Potencial energético Previsões Sistemas fotovoltaicos Cenário Nacional Legislação ANEEL Projeto

Leia mais

Eficiência Energética

Eficiência Energética Eficiência Energética Smart Grid - Redes Inteligentes Anderson D. Carvalho, Helionay F. Rocha, Jeiza P. Bittencourt, Jéssica M. Ribeiro, Luiz F. Rocha, Wellerson C. Leite, Vinicius M. Pacheco. Centro Universitário

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL GE Distributed Power Jose Renato Bruzadin Sales Manager Brazil T +55 11 2504-8829 M+55 11 99196-4809 Jose.bruzadini@ge.com São Paulo, 11 de Julho de 2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: GE Distributed Power AGÊNCIA

Leia mais

Seminário Energia + Limpa: conhecimento, sustentabilidade e integração. Linhas de financiamento para empresas e consumidores

Seminário Energia + Limpa: conhecimento, sustentabilidade e integração. Linhas de financiamento para empresas e consumidores Seminário Energia + Limpa: conhecimento, sustentabilidade e integração Linhas de financiamento para empresas e consumidores A CAIXA IF Credenciada Agente Operador BNDES Linhas de Crédito Comercial PF e

Leia mais

Minigeração e Microgeração Distribuída no Contexto das Redes Elétricas Inteligentes. Djalma M. Falcão

Minigeração e Microgeração Distribuída no Contexto das Redes Elétricas Inteligentes. Djalma M. Falcão Smart Grid Trends & Best Practices 17 e 18 de Outubro de 2013 Salvador-BA Minigeração e Microgeração Distribuída no Contexto das Redes Elétricas Inteligentes Djalma M. Falcão Redes Elétricas Inteligentes

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Fabio Faria)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Fabio Faria) PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Fabio Faria) Institui o Programa de Incentivo à Geração Distribuída de Energia Elétrica a partir de Fonte Solar - PIGDES e altera a Lei nº 10.438, de 26 de abril de 2002.

Leia mais

Seja um Profissional em Energia Solar

Seja um Profissional em Energia Solar Seja um Profissional em Energia Solar Nós, da Blue Sol, acreditamos no empoderamento de todos os consumidores de energia elétrica no Brasil através da possibilidade de geração própria da energia consumida.

Leia mais

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA SUPERINTENDÊNCIA DE PROJETOS DE GERAÇÃO (SPG) CHESF 1 TEMAS ABORDADOS PERFIL DA CHESF MATRIZ ENERGÉTICA FONTES DE ENERGIA RENOVÁVEIS & NUCLEAR ASPECTOS ECONÔMICOS

Leia mais

4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER

4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER 4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER Painel II BIOMASSA: Disponibilidade Energética para uma Civilização Sustentável Departamento de Desenvolvimento Energético

Leia mais

Porque a COELBA escolheu a medição eletrônica. Jorge Manuel F. Dias

Porque a COELBA escolheu a medição eletrônica. Jorge Manuel F. Dias Porque a COELBA escolheu a medição eletrônica Jorge Manuel F. Dias Agenda 1. Apresentação 2. Objetivos / Visão Genérica do Sistema 3. Abrangência e Estrutura Analítica Projeto EAP 4. Resultados previstos

Leia mais

Águas de Minas e Energia a Contribuição de Minas para o Sistema Elétrico Importância dos Reservatórios de Cabeceira.

Águas de Minas e Energia a Contribuição de Minas para o Sistema Elétrico Importância dos Reservatórios de Cabeceira. Águas de Minas e Energia a Contribuição de Minas para o Sistema Elétrico Importância dos Reservatórios de Cabeceira. 1 Sumário Produção de Energia Elétrica no Brasil e o no Mundo Características de Usinas

Leia mais

Monitoramento da Qualidade do Serviço no Brasil Visão do Órgão Regulador

Monitoramento da Qualidade do Serviço no Brasil Visão do Órgão Regulador Monitoramento da Qualidade do Serviço no Brasil Visão do Órgão Regulador 4º Congreso Internacional de Supervisión del Servicio Eléctrico Romeu Donizete Rufino Diretor-Geral da ANEEL 27 de novembro de 2014

Leia mais

III Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil. Nelson Fonseca Leite Presidente 06/03/2013

III Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil. Nelson Fonseca Leite Presidente 06/03/2013 III Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil Nelson Fonseca Leite Presidente 06/03/2013 PRINCIPAIS INDICADORES DO SETOR DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

Leia mais

Avaliação dos resultados da Resolução Normativa nº 482/2012 na visão do Regulador

Avaliação dos resultados da Resolução Normativa nº 482/2012 na visão do Regulador Avaliação dos resultados da Resolução Normativa nº 482/2012 na visão do Regulador Marco Aurélio Lenzi Castro Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição SRD/ANEEL Florianópolis SC 13/05/2014

Leia mais

Projeto Smart Energy Paraná e a sua Plataforma Tecnológica

Projeto Smart Energy Paraná e a sua Plataforma Tecnológica Semana da Engenharia 2014 Projeto Smart Energy Paraná e a sua Plataforma Tecnológica Celso Fabricio de Melo Junior IEP Dez/2014 Projeto Smart Energy Paraná e a sua Plataforma Tecnológica O PSE Paraná Conceito

Leia mais

O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída

O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída Fórum sobre Eficiência Energética e Geração Distribuída O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa

Leia mais

ANEXO III ESPECIFICAÇÃO REQUERIDA DO SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA.

ANEXO III ESPECIFICAÇÃO REQUERIDA DO SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA. EDITAL CONCORRÊNCIA 01/2015 ANEXO III ESPECIFICAÇÃO REQUERIDA DO SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA. Este Anexo apresenta as especificações requeridas para o Sistema de Bilhetagem Eletrônica SBE a ser implantado

Leia mais

ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO

ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO 1. APRESENTAÇÃO O Grupo Genergia, em total sinergia com o pensamento mundial, aliando

Leia mais

XVII ENERJ. A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios

XVII ENERJ. A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios XVII ENERJ A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios 27 de novembro de 2015 1 Considerações Iniciais Cenário

Leia mais

Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Engenharia Civil

Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Engenharia Civil Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Engenharia Civil O Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Infraestrutura do ITA (PG-EIA) é um dos pioneiros do país em sua área e lançou as bases para

Leia mais

ENERGIA SOLAR NAS CIDADES. Isabel Salamoni, Arquiteta e Urbanista, Dra. Eng.

ENERGIA SOLAR NAS CIDADES. Isabel Salamoni, Arquiteta e Urbanista, Dra. Eng. ENERGIA SOLAR NAS CIDADES Isabel Salamoni, Arquiteta e Urbanista, Dra. Eng. 1 Matriz energética mundial FONTES DE PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA BRASIL 4,60% 2,70% 1,40% 0,10% 8,40% Hidráulica Nuclear 3,20%

Leia mais

Energias Alternativas e as atividades do Ideal. Mauro Passos Sustentabilidade Palmas Solar

Energias Alternativas e as atividades do Ideal. Mauro Passos Sustentabilidade Palmas Solar Energias Alternativas e as atividades do Ideal Mauro Passos Sustentabilidade Palmas Solar Contexto Internacional Crescimento de investimento em renovável no mundo (Frankfurt School- UNEP Centre/BNEF) 17%

Leia mais

Universidade Eduardo Mondlane FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engª Mecânica

Universidade Eduardo Mondlane FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engª Mecânica Universidade Eduardo Mondlane FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engª Mecânica Tema: Dimensionamento de uma instalação combinada de energia solar e eólica Autor: Quintino, Bernardo Supervisor: Dr.

Leia mais

FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO ADMINISTRADOS PELA ELETROBRÁS 2009

FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO ADMINISTRADOS PELA ELETROBRÁS 2009 4.7 - FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO A Centrais Elétricas Brasileiras S.A. - Eletrobrás é a responsável pela gestão de recursos setoriais que atendem às diversas áreas do Setor Elétrico, representados pelos

Leia mais

WEG Depto Negócios em Energia Solar. Eng. Casiano Rodrigo Lehmert (47) 3276 4707 casianorl@weg.net

WEG Depto Negócios em Energia Solar. Eng. Casiano Rodrigo Lehmert (47) 3276 4707 casianorl@weg.net WEG Depto Negócios em Energia Solar Eng. Casiano Rodrigo Lehmert (47) 3276 4707 casianorl@weg.net Autoprodução Solar: Vale a pena? Visão mundial Visão Brasil Evolução Mercado Energia Solar Europa Potencial

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012

Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012 Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012 Este documento tem caráter apenas orientativo e não tem força normativa. 1 O que é o Sistema de Compensação de Energia Elétrica?...

Leia mais

O que pode fornecer um sistema FV?

O que pode fornecer um sistema FV? O que pode fornecer um sistema FV? Eletricidade (CA/CC) Sistema de Iluminação Casa Solar, West Bengal, India mas também Fiabilidade Simplicidade Modularidade Imagem Silêncio Componentes dos Sistemas FV

Leia mais

USO DE PAINÉIS SOLARES PARA BOMBEAMENTO DE ÁGUA NO ASSENTAMENTO ELDORADO II EM SIDROLÂNDIA MS

USO DE PAINÉIS SOLARES PARA BOMBEAMENTO DE ÁGUA NO ASSENTAMENTO ELDORADO II EM SIDROLÂNDIA MS USO DE PAINÉIS SOLARES PARA BOMBEAMENTO DE ÁGUA NO ASSENTAMENTO ELDORADO II EM SIDROLÂNDIA MS Orlando Moreira Júnior 1, Bruna Insfran Jorcuvich 2, Gabriela Pinheiro Telles 2, Tatiane Machado Barbosa 2

Leia mais

AP 388 - Conservação e Uso de Eletricidade no Meio Rural FONTES LIMPAS DE ENERGIA ELÉTRICA - SISTEMAS FOTOVOLTAICOS E EÓLICOS DE PEQUENO PORTE

AP 388 - Conservação e Uso de Eletricidade no Meio Rural FONTES LIMPAS DE ENERGIA ELÉTRICA - SISTEMAS FOTOVOLTAICOS E EÓLICOS DE PEQUENO PORTE UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA AGRICOLA AP 388 - Conservação e Uso de Eletricidade no Meio Rural FONTES LIMPAS DE ENERGIA ELÉTRICA - SISTEMAS FOTOVOLTAICOS E EÓLICOS DE PEQUENO

Leia mais

Neste trabalho, apresenta-se uma metodologia de avaliação do problema de

Neste trabalho, apresenta-se uma metodologia de avaliação do problema de METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO DO PROBLEMA DE SUPRIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM COMUNIDADES NÃO ATENDIDAS: O CASO DA COMUNIDADE DE MARUJÁ Wilson Negrão Macedo (Msc.) *, Luís Guilherme Monteiro Oliveira (Grad.)

Leia mais

SISTEMA FOTOVOLTAICO DIESEL DE ARARAS RO ANEEL / UFSC / GUASCOR. Prof. Ricardo Rüther Universidade Federal de Santa Catarina

SISTEMA FOTOVOLTAICO DIESEL DE ARARAS RO ANEEL / UFSC / GUASCOR. Prof. Ricardo Rüther Universidade Federal de Santa Catarina SISTEMA FOTOVOLTAICO DIESEL DE ARARAS RO ANEEL / UFSC / GUASCOR Prof. Ricardo Rüther Universidade Federal de Santa Catarina Atlas de Irradiação Solar do Brasil Média anual da irradiação na Região Norte

Leia mais

Energias do Brasil-EDP

Energias do Brasil-EDP Prezados Senhores Energias do Brasil-EDP Atendendo orientação dos procedimentos da Consulta Pública em assunto, estamos encaminhando abaixo as contribuições do Grupo EDP - Energias do Brasil, a propósito

Leia mais

Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional

Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional Fimai/Simai/ Câmara Ítalo - Brasileira Elaborada por: Eng. Marcio Takata Novembro/ 2010 Contexto Fonte: Apresentação Solvis Energia - Tendências

Leia mais

Otimização da geração de energias alternativas e renováveis para energização rural utilizando lógica fuzzy

Otimização da geração de energias alternativas e renováveis para energização rural utilizando lógica fuzzy Otimização da geração de energias alternativas e renováveis para energização rural utilizando lógica fuzzy Fernando de L. Caneppele 1, Marianna C. Peccinelli 1, Odivaldo J. Seraphim 2, Luís R. A. Gabriel

Leia mais

CONCEITOS INICIAIS PARA DIMENSIONAMENTO SISTEMA FOTOVOLTAICO EM RESIDÊNCIAS

CONCEITOS INICIAIS PARA DIMENSIONAMENTO SISTEMA FOTOVOLTAICO EM RESIDÊNCIAS CONCEITOS INICIAIS PARA DIMENSIONAMENTO SISTEMA FOTOVOLTAICO EM RESIDÊNCIAS Introdução a Engenharia Professores: Márcio Zamboti Fortes e Vitor Hugo Ferreira (UFF) Bruno Henriques Dias e Flávio Gomes (UFJF)

Leia mais

Manual do Integrador. Programa de Formação

Manual do Integrador. Programa de Formação Manual do Integrador Programa de Formação Introdução As oportunidades de iniciação de frentes de negócios na indústria fotovoltaica brasileira são diversas e estão abertas a todos aqueles que desejam começar

Leia mais

AGRENER GD 2008 FORTALEZA (CE) 25/09/08

AGRENER GD 2008 FORTALEZA (CE) 25/09/08 AGRENER GD 2008 FORTALEZA (CE) 25/09/08 SISTEMAS FOTOVOLTAICOS CONECTADOS À REDE ELÉTRICA (SFCR) COMO GERADORES DISTRIBUÍDOS: A SITUAÇÃO RECENTE NO PVPS-IEA E NO CENÁRIO BRASILEIRO Renato Brito Quaglia

Leia mais

Seminário ABRAEX/UDF 2015. Sustentabilidade: Novos desafios e oportunidades Experiências japonesas e o contexto brasileiro

Seminário ABRAEX/UDF 2015. Sustentabilidade: Novos desafios e oportunidades Experiências japonesas e o contexto brasileiro Seminário ABRAEX/UDF 2015 Sustentabilidade: Novos desafios e oportunidades Experiências japonesas e o contexto brasileiro Apoio Evento oficial dos 120 Anos de Amizade Japão-Brasil Seminário ABRAEX/UDF

Leia mais

Projetos em Implementação no PEE 2015

Projetos em Implementação no PEE 2015 Tipo: Poder público Nome do Projeto: Eficientização do Porto Digital O Projeto constituiu na substituição do sistema de refrigeração, composto por chillers, refrigerados, ar splits distribuídos por alguns

Leia mais

O conceito de eficiência energética está ligado à minimização de perdas na conversão de energia primária em energia útil.

O conceito de eficiência energética está ligado à minimização de perdas na conversão de energia primária em energia útil. Eficiência Energética e a Nova Regulamentação do PEE ANEEL O conceito de eficiência energética está ligado à minimização de perdas na conversão de energia primária em energia útil. EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Brasil: vento, energia e investimento São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 Energia: importância e impactos A energia é um dos principais insumos da indústria

Leia mais

A Regulação para o Estabelecimento do Mercado de Energia Fotovoltaica no Brasil - O Papel da ANEEL -

A Regulação para o Estabelecimento do Mercado de Energia Fotovoltaica no Brasil - O Papel da ANEEL - Inova FV Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil A Regulação para o Estabelecimento do Mercado de Energia Fotovoltaica no Brasil - O Papel da ANEEL - Armando

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012

Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012 Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012 Este documento é apenas explicativo e não tem força normativa. 1 O que é o Sistema de Compensação de Energia Elétrica?...1 2 Quanto

Leia mais

Experiências em Redes Inteligentes Institutos Lactec e UFPR. Por Rodrigo Jardim Riella riella@lactec.org.br

Experiências em Redes Inteligentes Institutos Lactec e UFPR. Por Rodrigo Jardim Riella riella@lactec.org.br Experiências em Redes Inteligentes Institutos Lactec e UFPR Por Rodrigo Jardim Riella riella@lactec.org.br Agenda Os Institutos Lactec Projetos nas áreas de Smart Grids Piloto Programa Smart Grid Light

Leia mais

SISTEMA HÍBRIDO FOTOVOLTAICO-CÉLULA A COMBUSTÍVEL: ESTUDO DE CASO NO CENTRO DE PESQUISAS CANGUÇU, TOCANTINS, BRASIL

SISTEMA HÍBRIDO FOTOVOLTAICO-CÉLULA A COMBUSTÍVEL: ESTUDO DE CASO NO CENTRO DE PESQUISAS CANGUÇU, TOCANTINS, BRASIL XIV Congreso Ibérico y 811 IX Congreso Iberoamericano de Energía Solar Vigo, Galicia, España, 17-21 junio 2008 2008 M. Vázquez y J. M. Santos (Editores) SISTEMA HÍBRIDO FOTOVOLTAICO-CÉLULA A COMBUSTÍVEL:

Leia mais

Rexroth 4EE Rexroth para Eficiência Energética

Rexroth 4EE Rexroth para Eficiência Energética Rexroth 4EE Rexroth para Eficiência Energética Procurando reduzir gastos com energia? Por que não aumentar a produtividade ao mesmo tempo? Reduzir os custos operacionais usando a energia com eficiência

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO II GRUPO DE ESTUDO DE PRODUÇÃO TÉRMICA E FONTES NÃO CONVENCIONAIS (GPT)

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO II GRUPO DE ESTUDO DE PRODUÇÃO TÉRMICA E FONTES NÃO CONVENCIONAIS (GPT) SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPT 27 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO II GRUPO DE ESTUDO DE PRODUÇÃO TÉRMICA E FONTES NÃO CONVENCIONAIS (GPT)

Leia mais

PROJETO DE SISTEMAS FOTOVOLTAICOS PARA OFERTA DE ENERGIA ELÉTRICA A COMUNIDADES RURAIS

PROJETO DE SISTEMAS FOTOVOLTAICOS PARA OFERTA DE ENERGIA ELÉTRICA A COMUNIDADES RURAIS PROJETO DE SISTEMAS FOTOVOLTAICOS PARA OFERTA DE ENERGIA ELÉTRICA A COMUNIDADES RURAIS JOSÉ ADRIANO MARINI e LUIZ ANTONIO ROSSI Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Agrícola Departamento

Leia mais

INOVA ENERGIA. Plano Conjunto de Apoio à Inovação Propostas para atuação ANEEL BNDES FINEP

INOVA ENERGIA. Plano Conjunto de Apoio à Inovação Propostas para atuação ANEEL BNDES FINEP INOVA ENERGIA Plano Conjunto de Apoio à Inovação Propostas para atuação ANEEL BNDES FINEP Elementos de Articulação INOVA ENERGIA: Elementos da Proposta Fontes de Recursos Linhas Temáticas Subvenção, Crédito

Leia mais

APLICAÇÃO DE ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO AMAZÔNICA

APLICAÇÃO DE ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO AMAZÔNICA APLICAÇÃO DE ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO AMAZÔNICA Hélio de Souza Morais Junior heliomorais@ufpa.br Renato Luz Cavalcante renatolc@ufpa.br Marcos André Barros Galhardo galhardo@ufpa.br

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE UNIDADES DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA NO PROJETO CIDADE INTELIGENTE BÚZIOS: UM ESTUDO DE CASO

IMPLANTAÇÃO DE UNIDADES DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA NO PROJETO CIDADE INTELIGENTE BÚZIOS: UM ESTUDO DE CASO IMPLANTAÇÃO DE UNIDADES DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA NO PROJETO CIDADE INTELIGENTE BÚZIOS: UM ESTUDO DE CASO IMPLEMENTATION OF DISTRIBUTED GENERATION UNITS IN THE INTELLIGENT DESIGN OF BÚZIOS CITY: A CASE STUDY

Leia mais

PREFEITURA DE CURURUPU

PREFEITURA DE CURURUPU PREFEITURA DE CURURUPU S O Sistema de Geração Híbrido Eólico Solar da Ilha de Lençóis entrou em operação plena no dia 19 de julho de 2008. Desde então, a comunidade desta Ilha tem energia elétrica 24 horas

Leia mais