Análise das Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público. Luiz Carlos Wisintainer

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise das Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público. Luiz Carlos Wisintainer"

Transcrição

1 Análise das Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público Luiz Carlos Wisintainer

2 Sistemas da Contabilidade Pública SUBSISTEMAS DE CONTAS ORÇAMENTÁRIO PATRIMONIAL CUSTOS COMPENSAÇÃO Fonte: MCASP

3 Subsistema de Informações Orçamentárias Registra, processa e evidencia os atos e os fatos relacionados ao planejamento e à execução orçamentária, tais como: I) Orçamento; II) Programação e execução orçamentária; III) Alterações orçamentárias; e IV) Resultado orçamentário. Proporciona a comparação entre a receita e a despesa: Receita prevista X realizada; Despesa fixada X realizada; (Registra as demais fases da despesa: execução = empenho e liquidação).

4 Subsistema de Informações Patrimonial Registra, processa e evidencia os fatos financeiros e não financeiros relacionados com as variações do patrimônio público, subsidiando a administração com informações tais como: I) Alterações nos elementos patrimoniais; II) Resultado econômico; e III) Resultado nominal.

5 Subsistema de Compensação Registra, processa e evidencia os atos de gestão cujos efeitos possam produzir modificações no patrimônio da entidade do setor público, bem como aqueles com funções específicas de controle, subsidiando a administração com informações tais como: I) Alterações potenciais nos elementos patrimoniais; e II) Acordos, garantias e responsabilidades.

6 Subsistema de Custos Registra, processa e evidencia os custos da gestão dos recursos e do patrimônio públicos, subsidiando a administração com informações tais como: I) Custos dos programas, dos projetos e das atividades desenvolvidas; II) Bom uso dos recursos públicos; e III) Custos das unidades contábeis.

7 Quanto ao impacto na situação líquida patrimonial: Receita Orçamentária Efetiva aquela que, no momento do seu reconhecimento, aumenta a situação líquida patrimonial da entidade. Constitui fato contábil modificativo aumentativo. Receita Orçamentária Não-Efetiva aquela que não altera a situação líquida patrimonial no momento do seu reconhecimento, constituindo fato contábil permutativo. Despesa Orçamentária Efetiva - aquela que, no momento de sua realização, reduz a situação líquida patrimonial da entidade. Constitui fato contábil modificativo diminutivo. Despesa Orçamentária Não-Efetiva aquela que, no momento da sua realização, não reduz a situação líquida patrimonial da entidade e constitui fato contábil permutativo. Neste caso, além da despesa orçamentária, registra-se concomitantemente conta de variação aumentativa para anular o efeito dessa despesa sobre o patrimônio líquido da entidade.

8 ESTRUTURA PELA LEI Nº 4.320/64 Artigo 105:... I o Ativo Financeiro; II o Ativo Permanente; III o Passivo Financeiro; IV o Passivo Permanente; V o Saldo Patrimonial; VI as Contas de Compensação.

9 ATIVO ATIVO FINANCEIRO PASSIVO PASSIVO FINANCEIRO SF Contas Patrimoniais e de Resultado ATIVO PERMANENTE PASSIVO PERMANENTE SP Contas Patrimoniais e de Resultado SALDO PATRIMONIAL SALDO PATRIMONIAL SF SP ATIVO COMPENSAÇÃO PASSIVO COMPENSAÇÃO SC TOTAL DO ATIVO TOTAL DO PASSIVO

10 PATRIMÔNIO PÚBLICO 1 Ativo 1.1- Ativo Circulante 1.2 Ativo Não Circulante 2 - Passivo 2.1 Passivo Circulante 2.2 Passivo Não Circulante Patrimônio Líquido 3 Variação Patrimonial Diminutiva Pessoal e Encargos 3.2 Benefícios Previdenciários e Assistenciais Outras Variações Patrimoniais Diminutivas 5 Controles da Aprovação do Planejamento e Orçamento 5.1 Planejamento Aprovado 5.2 Orçamento Aprovado 5.3 Inscrição de Restos a Pagar 4 Variação Patrimonial Aumentativa 4.1 Impostos, Taxas e Contribuições de Melhoria Contribuições Outras Variações Patrimoniais Aumentativas 6 Controles da Execução do Planejamento e Orçamento 6.1 Execução do Planejamento 6.2 Execução do Orçamento 6.3 Execução de Restos a Pagar 7 Controles Devedores 7.1 Atos Potenciais 7.2 Administração Financeira 7.3 Dívida Ativa 7.4 Riscos Fiscais 7.8 Custos 7.9 Outros Controles 8 Controles Credores 8.1 Execução dos Atos Potenciais 8.2 Execução da Administração Financeira 8.3 Execução da Dívida Ativa 8.4 Execução dos Riscos Fiscais 8.8 Apuração de Custos 8.9 Outros Controles Fonte: STN

11 IMPORTANTE PARA ANÁLISE Os atributos da conta contábil podem ser definidos como um conjunto de informações que distinguem uma conta da outra, e a sua importância reside na possibilidade de identificar se a conta está sendo utilizada de acordo com as restrições legais, fiscais e normativas. Título; Função; Funcionamento (quando se debita e quando se credita); Natureza do Saldo; Código; Encerramento; Indicador para o cálculo do Superávit Financeiro utilizado para informar se as contas do Ativo e Passivo são classificadas com Ativo/Passivo Financeiro ou Ativo/Passivo Permanente, conforme definições do art. 105 da Lei n.º 4.320/64. As contas contábeis em que são registrados os ativos e passivos financeiros e permanentes são identificadas no PCASP pelos atributos F (Financeiro) e P (Permanente).

12 CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS X.X.X.X X.X.X.X X.X.X.X X.X.X.X X.X.X.X CONSOLIDAÇÃO EX: FORNECEDORES, CONSÓRCIOS INTRA OFSS EX: RPPS, SAMAE INTER-OFSS UNIÃO EX: INSS INTER-OFSS ESTADO EX: IMPRENSA OFICIAL INTER-OFSS MUNICÍPIO EX: SAMU

13 SUPERÁVIT (IX) - - TOTAL (X) = (VII + IX) BALANÇO ORÇAMENTÁRIO <ENTE DA FEDERAÇÃO> BALANÇO ORÇAMENTÁRIO EXERCÍCIO: PERÍODO: MÊS DATA DE EMISSÃO: PÁGINA: PREVISÃO PREVISÃO RECEITAS SALDO RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS INICIAL ATUALIZADA REALIZADAS (a) (b) c = (b-a) RECEITAS CORRENTES RECEITAS DE CAPITAL SUBTOTAL DAS RECEITAS (I) REFINANCIAMENTO (II) Operações de Crédito Internas Operações de Crédito Externas SUBTOTAL COM REFINANCIAMENTO (III) = (I + II) DÉFICIT (IV) TOTAL (V) = (III + IV) SALDOS DE EXERCÍCIOS ANTERIORES (UTILIZADOS PARA CRÉDITOS ADICIONAIS) Superávit Financeiro Reabertura de créditos adicionais DESPESAS ORÇAMENTÁRIAS DESPESAS CORRENTES DESPESAS DE CAPITAL RESERVA DE CONTINGÊNCIA RESERVA DO RPPS SUBTOTAL DAS DESPESAS (VI) AMORTIZAÇÃO DA DÍVIDA/ REFINANCIAMENTO (VII) SUBTOTAL COM REFINANCIAMENTO (VIII) = (VI + VII) DOTAÇÃO INICIAL DOTAÇÃO ATUALIZADA DESPESAS EMPENHADAS DESPESAS LIQUIDADAS DESPESAS PAGAS SALDO DA DOTAÇÃO (d) (e) (f) (g) (h) (i)=(e-f)

14 BALANÇO FINANCEIRO <ENTE DA FEDERAÇÃO> BALANÇO FINANCEIRO EXERCÍCIO: PERÍODO (MÊS) : DATA DE EMISSÃO: PÁGINA: INGRESSOS DISPÊNDIOS ESPECIFICAÇÃO Atual Anterior ESPECIFICAÇÃO Atual Anterior Receita Orçamentária (I) Ordinária Vinculada Convênios Alienação de bens Operações de Crédito (...) Despesa Orçamentária (VI) Ordinária Vinculada Convênios Alienação de bens Operações de Crédito (...) (-) Deduções da Receita Orçamentária Transferências Financeiras Recebidas (II) Transferências Financeiras Concedidas (VII) Recebimentos Extraorçamentários (III) Pagamentos (VIII) Extraorçamentários Saldo em Espécie do Anterior (IV) TOTAL (V) = (I+II+III+IV) Saldo em Espécie para o Seguinte (IX) TOTAL (X) = (VI+VII+VIII+IX)

15 BALANÇO PATRIMONIAL <ENTE DA FEDERAÇÃO> BALANÇO PATRIMONIAL EXERCÍCIO: PERÍODO: MÊS DATA EMISSÃO: PÁGINA: ATIVO PASSIVO ESPECIFICAÇÃO Atual Anterior ESPECIFICAÇÃO Atual Anterior ATIVO CIRCULANTE Caixa e Equivalentes de Caixa Créditos a Curto Prazo Demais Créditos e Valores A Curto Prazo Investimentos Temporários Estoques VPD Pagas Antecipadamente ATIVO NAO-CIRCULANTE Ativo Realizável a Longo Prazo Créditos a Longo Prazo Demais Créditos e Valores a Longo Prazo Investimentos Temporários a Longo Prazo Estoques VPD Pagas Antecipadamente Investimentos Participações Permanentes Demais Investimentos Permanentes (-) Redução ao Valor Recuperável Imobilizado Bens Moveis Bens Imóveis (-) Depreciação, Exaustão e Amortização Acumuladas (-) Redução ao Valor Recuperável Intangível Softwares Marcas, Direitos e Patentes Industriais Direito de Uso De Imóveis (-) Amortização Acumulada (-) Redução ao Valor Recuperável PASSIVO CIRCULANTE Obrigações Trabalhistas, Previdenciárias e Assistenciais a Pagar a Curto Prazo Emprést. e Financiamentos a Curto Prazo Fornecedores e Contas a Pagar a Curto Prazo Obrigações Fiscais a Curto Prazo Demais Obrigações a Curto Prazo Provisões a Curto Prazo PASSIVO NAO-CIRCULANTE Obrigações Trabalhistas, Previdenciárias e Assistenciais a Pagar A Longo Prazo Emprést. e Financiamentos a Longo Prazo Fornecedores a Longo Prazo Obrigações Fiscais a Longo Prazo Demais Obrigações a Longo Prazo Provisões a Longo Prazo Resultado Diferido TOTAL DO PASSIVO ESPECIFICAÇÃO Patrimônio Social e Capital Social Adiant. Para Futuro Aumento de Capital Reservas de Capital Ajustes de Avaliação Patrimonial Reservas de Lucros Demais Reservas Resultados Acumulados (-) Ações / Cotas em Tesouraria PATRIMÔNIO LÍQUIDO Atual Anterior TOTAL TOTAL DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO TOTAL

16 BALANÇO PATRIMONIAL Visão Lei 4320/64 ATIVO FINANCEIRO PASSIVO FINANCEIRO ATIVO PERMANENTE PASSIVO PERMANENTE SALDO PATRIMONIAL ESPECIFICAÇÃO Saldo dos Atos Potenciais do Ativo Atual Anterior ESPECIFICAÇÃO Saldo dos Atos Potenciais do Passivo Atual Anterior TOTAL TOTAL

17 DEMONSTRAÇÃO DAS VARIAÇÕES PATRIMONIAIS <ENTE DA FEDERAÇÃO> DEMONSTRAÇÃO DAS VARIAÇÕES PATRIMONIAIS EXERCÍCIO: PERÍODO (MÊS): DATA EMISSÃO: PÁGINA: VARIAÇÕES PATRIMONIAIS QUANTITATIVAS VARIAÇÕES PATRIMONIAIS AUMENTATIVAS Impostos, Taxas e Contribuições De Melhoria Impostos, Taxas, Contribuições de Melhoria Contribuições Contribuições Sociais, Contribuições de Intervenção no Domínio Econômico, Contribuição de Iluminação Publica, Contribuições de Interesse das Categorias Profissionais Exploração e Venda de Bens, Serviços e Direitos Venda de Mercadorias, Venda de Produtos, Exploração de Bens e Direitos e Prestação De Serviços Variações Patrimoniais Aumentativas Financeiras Juros e Encargos de Empréstimos e Financiamentos Concedidos, Juros e Encargos de Mora, Variações Monetárias e Cambiais, Descontos Financeiros Obtidos, Remuneração de Depósitos Bancários e Aplicações Financeiras, Outras Variações Patrimoniais Aumentativas Financeiras Transferências Recebidas Transferências Intra Governamentais, Transferências Inter Governamentais, Transferências das Instituições Privadas, Transferências das Instituições Multigovernamentais, Transferências de Consórcios Públicos, Transferências do Exterior, Transferências de Pessoas Físicas Valorização e Ganhos Com Ativos Reavaliação de Ativos, Ganhos com Alienação, Ganhos com Incorporação de Ativos por Descobertas e Nascimentos Outras Variações Patrimoniais Aumentativas Resultado Positivo de Participações,Diversas Variações Patrimoniais Aumentativas Atual Anterior

18 DEMONSTRAÇÃO DAS VARIAÇÕES PATRIMONIAIS VARIAÇÕES PATRIMONIAIS DIMINUTIVAS Pessoal e Encargos Remuneração a Pessoal, Encargos Patronais, Benefícios a Pessoal, Outras Variações Patrimoniais Diminutivas - Pessoal e Encargos Benefícios Previdenciários Aposentadorias e Reformas, Pensões, Outros Benefícios Previdenciários Benefícios Assistenciais Benefícios de Prestação Continuada, Benefícios Eventuais, Políticas Publicas de Transferência de Renda, Outros Benefícios Assistenciais Uso de Bens, Serviços e Consumo de Capital Fixo Uso De Material de Consumo, Serviços, Depreciação, Amortização, Exaustão Variações Patrimoniais Diminutivas Financeiras Juros e Encargos de Empréstimos e Financiamentos Obtidos, Juros e Encargos de Mora, Variações Monetárias e Cambiais, Descontos Financeiros Concedidos, Outras Variações Patrimoniais Diminutivas Financeiras Transferências Concedidas Transferências Intra Governamentais, Transferências Inter Governamentais, Transferências a Instituições Privadas, Transferências a Instituições Multigovernamentais, Transferências a Consórcios Públicos, Transferências ao Exterior Desvalorização e Perda de Ativos Redução a Valor Recuperável e Provisão para Perdas, Perdas com Alienação, Perdas Involuntárias Tributarias Impostos, Taxas e Contribuições de Melhoria, Contribuições Outras Variações Patrimoniais Diminutivas Premiações, Resultado Negativo de Participações, Variações Patrimoniais Diminutivas de Instituições Financeiras, Equalizações de Preços e Taxas, Participações E Contribuições, Diversas Variações Patrimoniais Diminutivas

19 DEMONSTRAÇÃO DAS VARIAÇÕES PATRIMONIAIS Incorporação de ativo VARIAÇÕES PATRIMONIAIS QUALITATIVAS (decorrentes da execução orçamentária) Atual Anterior Desincorporação de passivo Incorporação de passivo Desincorporação de ativo

20 QUOCIENTE DE EXECUÇÃO DA RECEITA Receita Executada Receita Prevista Verificação do EXCESSO DE ARRECADAÇÃO ou INSUFICIÊNCIA DE ARRECADAÇÃO QUOCIENTE DO EQUILÍBRIO ORÇAMENTÁRIO Despesa Fixada Receita Prevista Resultado de Previsão do Orçamento DÉFICIT OU EQUILÍBRIO DE PREVISÃO SUPERÁVIT,

21 QUOCIENTE DE EXECUÇÃO DA DESPESA Despesa Executada Despesa Fixada Verifica-se a economia orçamentária e/ou economia de despesa QUOCIENTE DO RESULTADO ORÇAMENTÁRIO Receita Executada Despesa Executada Verificação do Resultado de Execução Orçamentária SUPERAVIT, DÉFICIT ou NULO

22 QUOCIENTE DA SITUAÇÃO FINANCEIRA SALDO PATRIMONIAL FINANCEIRO Ativo Financeiro Passivo Financeiro Será calculado, pois a estrutura atual (PCASP) apresenta ATIVO CIRCULANTE e PASSIVO CIRCULANTE, ao passo que a Lei 4.320/64 estrutura o Patrimônio Público em ATIVO FINANCEIRO e PASSIVO FINANCEIRO. Da Relação teremos SUPERÁVIT ou DÉFICIT FINANCEIRO. Recurso utilizado para Abertura de Créditos Adicionais.

23 QUOCIENTE DO RESULTADO DA EXECUÇÃO FINANCEIRA Receita (Orçamentária + Extra-orçamentária) Despesa (Orçamentária + Extra-orçamentária) QUOCIENTE DO RESULTADO DAS VARIAÇÕES PATRIMONIAIS Total das Variações Patrimoniais Aumentativas Total das Variações Patrimoniais Diminutivas

24 QUOCIENTE DOS LIMITES DE ENDIVIDAMENTO Dívida Consolidada Receita Corrente Líquida Estados 2 vezes a RCL Municípios 1,2 vezes a RCL Soma das Operações de Crédito Receita Corrente Líquida 16% da RCL Soma da Amortização + Encargos + Juros Receita Corrente Líquida 11,5% da RCL

7.7 - Demonstrações contábeis exigidas pela Lei 4.320/64 e notas explicativas

7.7 - Demonstrações contábeis exigidas pela Lei 4.320/64 e notas explicativas 7.7 - Demonstrações contábeis exigidas pela Lei 4.320/64 e notas explicativas MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL TITULO BALANÇO FINANCEIRO - TODOS OS ORÇAMENTOS SUBTITULO 70013 - TRIBUNAL

Leia mais

A IMPORTANCIA DO PLANO DE CONTAS PARA AS ENTIDADES PÚBLICAS

A IMPORTANCIA DO PLANO DE CONTAS PARA AS ENTIDADES PÚBLICAS A IMPORTANCIA DO PLANO DE CONTAS PARA AS ENTIDADES PÚBLICAS O Plano de Contas utilizado pelas entidades públicas é denominado PCASP. Ele traz todas as contas para que a Contabilidade do órgão público possa

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária

Administração Financeira e Orçamentária Administração Financeira e Orçamentária Professor Fábio Furtado www.acasadoconcurseiro.com.br Administração Financeira e Orçamentária BALANÇO PATRIMONIAL Segundo a Lei nº 4.320/64 O demonstrará: o Ativo

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL BALANÇO FINANCEIRO - TODOS OS ORÇAMENTOS 1 INGRESSOS DISPÊNDIOS ESPECIFICAÇÃO 2014 ESPECIFICAÇÃO 2014 Receitas Orçamentárias - - Despesas Orçamentárias 7.583.637,48 - Ordinárias - - Ordinárias 2.011.924,00

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL - ANEXO 14

BALANÇO PATRIMONIAL - ANEXO 14 ATIVO Exercício Atual PASSIVO Exercício Atual ATIVO CIRCULANTE 652.201,35 PASSIVO CIRCULANTE 236.288,68 Caixa e Equivalentes de Caixa 652.201,35 Obrigações Trabalhistas, Previdenciárias e Assistenciais

Leia mais

RECEITAS ORCAMENTARIAS PREVISAO INCIAL PREVISAO ATUALIZADA RECEITAS REALIZADAS SALDO (a) (b) c=(b-a)

RECEITAS ORCAMENTARIAS PREVISAO INCIAL PREVISAO ATUALIZADA RECEITAS REALIZADAS SALDO (a) (b) c=(b-a) GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ BALANÇO ORÇAMENTÁRIO Exercício 2015 RECEITAS ORCAMENTARIAS PREVISAO INCIAL PREVISAO ATUALIZADA RECEITAS REALIZADAS SALDO (a) (b) c=(b-a) RECEITAS CORRENTES 458.960,46 458.960,46

Leia mais

Diário Oficial. Índice do diário Outros. Prefeitura Municipal de Ribeira do Amparo. Outros - BALANÇO ANUAL Páginas:

Diário Oficial. Índice do diário Outros. Prefeitura Municipal de Ribeira do Amparo. Outros - BALANÇO ANUAL Páginas: Páginas: 48 Índice do diário Outros Outros - BALANÇO ANUAL 2015 Página 1 Outros Outros BALANÇO ANUAL 2015 - BA (Poder Executivo) DCA-Anexo I-AB Balanço Patrimonial - Ativo e Passivo Padrao Balanço Patrimonial

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Plano de Contas 01 a 30 de Abril de 2016 Folha: 1 Prefeitura Municipal Demonstracao. Unidade Gestora: CONSÓRCIO - CISGA

Estado do Rio Grande do Sul Plano de Contas 01 a 30 de Abril de 2016 Folha: 1 Prefeitura Municipal Demonstracao. Unidade Gestora: CONSÓRCIO - CISGA Estado do Rio Grande do Sul Plano de Contas 01 a 30 de Abril de 2016 Folha: 1 1.0.0.0.0.00.00.00.00.00 ATIVO 994.183,15 D 181.380,01 162.761,34 1.012.801,82 D 1.1.0.0.0.00.00.00.00.00 ATIVO CIRCULANTE

Leia mais

Novo Plano de Contas e os Novos Demonstrativos Contábeis

Novo Plano de Contas e os Novos Demonstrativos Contábeis Novo Plano de Contas e os Novos Demonstrativos Contábeis Coordenação Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação STN/CCONF Última Atualização: 16/06/2010 O Brasil a Caminho dos Padrões Internacionais

Leia mais

Variações Patrimoniais Quantitativas

Variações Patrimoniais Quantitativas : 2015 Quantitativas VARIAÇÃO PATRIMONIAL AUMENTATIVA 254.357.617,98 IMPOSTOS, TAXAS E CONTRIBUIÇÕES DE MELHORIA 7.926.292,10 IMPOSTOS 7.769.372,44 IMPOSTOS SOBRE PATRIMÔNIO E A RENDA 3.809.542,30 IMPOSTOS

Leia mais

3.0 DOS BALANÇOS 3.1. BALANÇO ORÇAMENTÁRIO

3.0 DOS BALANÇOS 3.1. BALANÇO ORÇAMENTÁRIO 3.0 DOS BALANÇOS 3.1. BALANÇO ORÇAMENTÁRIO O Balanço Orçamentário é a Demonstração sintética do confronto entre a Receita Prevista, a Despesa Fixada e o que foi realizado no exercício, tanto em receitas

Leia mais

SANTA CATARINA CAMARA DE VEREADORES DO MUNICIPIO DE NOVA ERECHIM Balancete de Verificação

SANTA CATARINA CAMARA DE VEREADORES DO MUNICIPIO DE NOVA ERECHIM Balancete de Verificação Página: 1/9 1 ATIVO 972.584,70D 71.90 62.591,11 1.1 ATIVO CIRCULANTE 46.803,13D 71.90 62.036,57 1.1.1 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 46.803,13D 71.90 62.036,57 1.1.1.1 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA EM MOEDA

Leia mais

BALANCETE MÊS JANEIRO

BALANCETE MÊS JANEIRO FUNDO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE APIACÁS MT. CNPJ: 03.094.874/0001-43 BALANCETE MÊS JANEIRO 2015 ESTADO DE MATO GROSSO - FUNDO MUNICIPAL DE PREV. DOS SERV. MUN. APIACAS ANEXO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE TANGARA DA SERRA

PREFEITURA MUNICIPAL DE TANGARA DA SERRA Página: 1 de 9 000001 1 0 0 0 0 00 00 00 ATIVO 69.855.136,11 D 18.737.242,74 20.259.144,48 000002 1 1 0 0 0 00 00 00 ATIVO CIRCULANTE 57.737.284,92 D 18.734.365,74 20.259.144,48 000003 1 1 1 0 0 00 00

Leia mais

Capítulo 2. Capítulo 3

Capítulo 2. Capítulo 3 1 Manual Completo de Contabilidade Pública Deusvaldo Carvalho e Marcio Ceccato Capítulo 2 Página 97 Conteúdo excluído: Novidade! Até a 2 a edição do Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público MASCP

Leia mais

FIP Balancete Mensal de Verificação

FIP Balancete Mensal de Verificação 1.0.0.0.0.00.00.00 ATIVO 1.005.472,68 D 1.160.936,76 1.191.738,90 974.670,54 D 1.1.0.0.0.00.00.00 ATIVO CIRCULANTE 325.323,28 D 1.160.936,76 1.191.738,90 294.521,14 D 1.1.1.0.0.00.00.00 CAIXA E EQUIVALENTES

Leia mais

PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS EM FINAL DE MANDATO. Lucy Fátima de Assis Freitas 2016

PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS EM FINAL DE MANDATO. Lucy Fátima de Assis Freitas 2016 PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS EM FINAL DE MANDATO Lucy Fátima de Assis Freitas 2016 ENCERRAMENTO DO MANDATO EXERCÍCIO DE 2016 RESTRIÇÕES DA LRF LC 101/2000 CRISE FINANCEIRA RESTRIÇÕES ELEITORAIS Lei 9504/97

Leia mais

RECEITAS ORCAMENTARIAS PREVISAO INCIAL PREVISAO ATUALIZADA RECEITAS REALIZADAS SALDO (a) (b) c=(b-a)

RECEITAS ORCAMENTARIAS PREVISAO INCIAL PREVISAO ATUALIZADA RECEITAS REALIZADAS SALDO (a) (b) c=(b-a) GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ BALANÇO ORÇAMENTÁRIO Exercício 2015 RECEITAS ORCAMENTARIAS PREVISAO INCIAL PREVISAO ATUALIZADA RECEITAS REALIZADAS SALDO (a) (b) c=(b-a) RECEITAS CORRENTES 379.541,46 379.541,46

Leia mais

DATA 29/05/2014 Pagina 2 2.1.3.1.1.00.00.00 FORNECEDORES E CONTAS A PAGAR NACIONAIS A CURTO PR S C 0,00 582,25 3.432,21 2.849,96 C 2.1.3.1.1.01.00.00

DATA 29/05/2014 Pagina 2 2.1.3.1.1.00.00.00 FORNECEDORES E CONTAS A PAGAR NACIONAIS A CURTO PR S C 0,00 582,25 3.432,21 2.849,96 C 2.1.3.1.1.01.00.00 DATA 29/05/2014 Pagina 1 1.0.0.0.0.00.00.00 ATIVO S D 26.200,85 197.350,24 153.749,66 69.801,43 D 1.1.0.0.0.00.00.00 ATIVO CIRCULANTE S D 15.643,04 197.350,24 153.614,51 59.378,77 D 1.1.1.0.0.00.00.00

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE - PARANA Sistema de Contabilidade BALANCETE DE VERIFICAÇÃO - PATRIMONIAL ATIVO Novembro / 2016.

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE - PARANA Sistema de Contabilidade BALANCETE DE VERIFICAÇÃO - PATRIMONIAL ATIVO Novembro / 2016. ATIVO Pág. : 1 Anterior... Débito...... Crédito... 1 ATIVO 43.958.761,78 1.844.249,50 2.782.292,85 43.020.718,43 D 1.1 ATIVO CIRCULANTE 19.160.546,58 1.449.176,24 2.354.991,47 18.254.731,35 D 1.1.1 CAIXA

Leia mais

FUNDO MUNICIPAL DE INVESTIMENTOS SOCIAIS

FUNDO MUNICIPAL DE INVESTIMENTOS SOCIAIS a. Quadro Principal DEMONSTRAÇÃO DAS VARIAÇÕES PATRIMONIAIS : 2015 QUADRO - VARIAÇÕES PATRIMONIAIS QUANTITATIVAS Nota Impostos, Taxas e Contribuições de Melhoria Contribuições Exploração e Venda de Bens,

Leia mais

Dersa Desenvolvimento Rodoviário S.A. Balanços patrimoniais

Dersa Desenvolvimento Rodoviário S.A. Balanços patrimoniais Balanços patrimoniais em 31 de dezembro de 2014 e 2013 Ativo Nota 2014 2013 Passivo Nota 2014 2013 (Ajustado) (Ajustado) Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 5 48.650 835 Fornecedores 10

Leia mais

Sumário. Prefácio à Décima Quinta Edição, xv. Prefácio à Décima Quarta Edição, xvi. Prefácio à Décima Terceira Edição, xvii

Sumário. Prefácio à Décima Quinta Edição, xv. Prefácio à Décima Quarta Edição, xvi. Prefácio à Décima Terceira Edição, xvii Sumário Prefácio à Décima Quinta Edição, xv Prefácio à Décima Quarta Edição, xvi Prefácio à Décima Terceira Edição, xvii Prefácio à Décima Segunda Edição, xviii Prefácio à Décima Primeira Edição, xix Prefácio

Leia mais

CODIGO D E S C R I C A O SALDO ANTERIOR DEBITO CREDITO SALDO ATUAL

CODIGO D E S C R I C A O SALDO ANTERIOR DEBITO CREDITO SALDO ATUAL Cons. Reg. de Contabilidade do Estado SP Pagina: 1 BALANCETE DE VERIFICAÇÃO - PATRIMONIAL 01/11/13 ATE 30/11/13 EM REAIS Hora...: 16:46:07 Emissao: 12/12/13 1 ATIVO 161.632.576,60 D 14.175.223,11 17.694.405,96

Leia mais

RECEITA ORÇAMENTÁRIA

RECEITA ORÇAMENTÁRIA RECEITA ORÇAMENTÁRIA Receita Orçamentária Efetiva é aquela que, no momento do reconhecimento do crédito, aumenta a situação líquida patrimonial da entidade. Constitui fato contábil modificativo aumentativo.

Leia mais

Sumário. Capítulo 2. Conceitos Básicos...1. Patrimônio Contabilidade_Geral_Resumida_cap_00.indd 9 14/10/ :44:34

Sumário. Capítulo 2. Conceitos Básicos...1. Patrimônio Contabilidade_Geral_Resumida_cap_00.indd 9 14/10/ :44:34 Sumário Capítulo 1 Conceitos Básicos...1 1. Contabilidade: Conceitos, Objeto, Objetivo, Finalidade e Campo de Aplicação...1 2. Usuários da Informação Contábil...2 3. Principais Tipos de Sociedades Existentes

Leia mais

Prova de Contabilidade Pública Comentada Analista Judiciário Administrativa TRT-11 (2017)

Prova de Contabilidade Pública Comentada Analista Judiciário Administrativa TRT-11 (2017) Prova de Contabilidade Pública Comentada Analista Judiciário Administrativa TRT-11 (2017) Pessoal, a seguir comentamos as questões de Contabilidade Pública aplicadas no concurso para Analista Judiciário

Leia mais

CREA/SC Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Santa Catarina CNPJ: /

CREA/SC Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Santa Catarina CNPJ: / CREA/SC Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Santa Catarina CNPJ: 82.511.643/0001-64 Período: 01/01/2013 à 31/12/2013 ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA CRÉDITOS A CURTO

Leia mais

Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"

Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS PREVISÃO INICIAL PREVISÃO ATUALIZADA RECEITAS REALIZADAS RECEITAS CORRENTES (I) 1.919.900,00 1.919.900,00 10.802.689,50 8.882.789,50 RECEITA TRIBUTÁRIA 0,00 0,00 0,00 0,00 RECEITA

Leia mais

Balanço Patrimonial e Demonstração das Variações Patrimoniais

Balanço Patrimonial e Demonstração das Variações Patrimoniais Balanço Patrimonial e Demonstração das Variações Patrimoniais Leitura Básica MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO MCASP 6ª EDIÇÃO (Válido a partir do exercício de 2015) PARTE V Demonstrações

Leia mais

MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO

MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO PARTE V DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO Aplicado à União, Estados, Distrito Federal

Leia mais

BALANCETE DE VERIFICAÇÃO - SINTÉTICO PELO GRAU 5

BALANCETE DE VERIFICAÇÃO - SINTÉTICO PELO GRAU 5 Pág.: 1/ 1 ATIVO 477.187.977,21 1.1 ATIVO CIRCULANTE 18.143.351,30 1.1.1 DISPONÍVEL 12.187.30,15 1.1.1.1 DISPONIBILIDADES EFETIVAS 125.825.254,25 1.1.1.1.1 Caixa 75.133,09 1.1.1.1.2 Bancos - C/Movimento

Leia mais

1 - O GRUPO DE TRABALHO INICIALMENTE ESTUDARAM AS NORMAS E CONVERGIRAM O NOVO PLANO DE CONTAS

1 - O GRUPO DE TRABALHO INICIALMENTE ESTUDARAM AS NORMAS E CONVERGIRAM O NOVO PLANO DE CONTAS 1 - O GRUPO DE TRABALHO INICIALMENTE ESTUDARAM AS NORMAS E CONVERGIRAM O NOVO PLANO DE CONTAS 2 ASSOCIAÇÃO DE CONTAS E TESTES SIMULANDO BALANCETES NO NOVO PADRÃO. 3 DESENVOLVIMENTO DE TODOS OS EVENTOS

Leia mais

Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo

Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. MÓDULO DE QUESTÕES DE CONTABILIDADE

Leia mais

TRT-MG Analista Especialidade Contabilidade

TRT-MG Analista Especialidade Contabilidade TRT-MG Analista Especialidade Contabilidade Pessoal, vou comentar as questões da prova. 29. Dentre outras, são entidades que aplicam integralmente a contabilidade aplicada ao setor público: (A) os órgãos

Leia mais

A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO de transparência

A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO de transparência A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO de transparência Prof. Ms. Valmir Leôncio da Silva Conselheiro do CRCSP Coordenador Técnico da Escola de Contas do TCMSP O livro: A Arte da Guerra A) Desconheça o inimigo

Leia mais

CODIGO D E S C R I C A O SALDO ANTERIOR DEBITO CREDITO SALDO ATUAL

CODIGO D E S C R I C A O SALDO ANTERIOR DEBITO CREDITO SALDO ATUAL BALANCETE DE VERIFICAÇÃO - PATRIMONIAL 01/04/12 ATE 30/04/12 EM REAIS Hora...: 09:29:59 Emissao: 25/05/12 1 ATIVO 133.912.120,12 D 19.633.256,52 22.785.639,08 130.759.737,56 D 1.1 ATIVO CIRCULANTE 52.720.618,36

Leia mais

Contabilidade ESTRUTURA PATRIMONIAL SITUAÇÃO LÍQUIDA (PATRIMÔNIO LÍQUIDO) FLUXO DE RECURSOS. Fluxo dos recursos SÍNTESE DO FUNCIONAMENTO DAS CONTAS

Contabilidade ESTRUTURA PATRIMONIAL SITUAÇÃO LÍQUIDA (PATRIMÔNIO LÍQUIDO) FLUXO DE RECURSOS. Fluxo dos recursos SÍNTESE DO FUNCIONAMENTO DAS CONTAS ESTRUTURA PATRIMONIAL Patrimônio = Bens + Direitos ( ) Obrigações SITUAÇÃO LÍQUIDA (PATRIMÔNIO LÍQUIDO) Ativo ( ) Passivo = Situação Líquida (Patrimônio Líquido) FLUXO DE RECURSOS ATIVO Aplicação dos Recursos

Leia mais

CAMARA MUNICIPAL DE CACOAL Estado de Rondônia BALANÇO ORÇAMENTÁRIO

CAMARA MUNICIPAL DE CACOAL Estado de Rondônia BALANÇO ORÇAMENTÁRIO PÁGINA:1 RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS PREVISÃO INICIAL PREVISÃO ATUALIZADA (a) RECEITAS REALIZADAS (b) SALDO c=(ba) RECEITAS CORRENTES RECEITA TRIBUTÁRIA Impostos Taxas Contribuição de Melhoria RECEITA DE CONTRIBUIÇÕES

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO CEARÁ

CAPACITAÇÃO EM CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO CEARÁ Pacote I Área Nº Disciplinas Horas / Aula 03 Procedimentos Contábeis Orçamentários I PCO I Procedimentos Contábeis Orçamentários II PCO II 05 Procedimentos Contábeis Patrimoniais I PCP I Fundamentos 06

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 (Valores expressos em reais)

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 (Valores expressos em reais) BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 ATIVO Explicativa n o 31/12/2011 31/12/2010 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO Explicativa n o 31/12/2011 31/12/2010 CIRCULANTE CIRCULANTE Disponibilidades

Leia mais

CODIGO D E S C R I C A O SALDO ANTERIOR DEBITO CREDITO SALDO ATUAL

CODIGO D E S C R I C A O SALDO ANTERIOR DEBITO CREDITO SALDO ATUAL BALANCETE DE VERIFICAÇÃO - PATRIMONIAL 01/03/12 ATE 31/03/12 EM REAIS Hora...: 10:34:28 Emissao: 23/04/12 1 ATIVO 136.701.117,16 D 20.137.899,83 22.926.896,87 133.912.120,12 D 1.1 ATIVO CIRCULANTE 55.578.077,43

Leia mais

CODIGO D E S C R I C A O SALDO ANTERIOR DEBITO CREDITO SALDO ATUAL

CODIGO D E S C R I C A O SALDO ANTERIOR DEBITO CREDITO SALDO ATUAL BALANCETE DE VERIFICAÇÃO - PATRIMONIAL 01/02/12 ATE 29/02/12 EM REAIS Hora...: 11:20:34 Emissao: 15/03/12 1 ATIVO 140.055.311,86 D 39.647.561,77 43.001.756,47 136.701.117,16 D 1.1 ATIVO CIRCULANTE 59.008.702,07

Leia mais

Rio de Janeiro CAMARA MUNICIPAL PATY DO ALFERES Balancete de Verificação

Rio de Janeiro CAMARA MUNICIPAL PATY DO ALFERES Balancete de Verificação Página: 1/9 1 ATIVO 118.646,81D 247.794,00 237.065,53 1.1 ATIVO CIRCULANTE 117.046,81D 245.608,00 237.065,53 1.1.1 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 108.870,96D 244.908,00 237.065,53 1.1.1.1 CAIXA E EQUIVALENTES

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ AMBEV S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ AMBEV S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 5 Demonstração do Resultado 8 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

TJ-BA Analista Área Administrativa

TJ-BA Analista Área Administrativa TJ-BA Analista Área Administrativa Pessoal, vou comentar as questões da prova da área administrativa. Conhecimentos Específicos 41 Em um determinado ente da Federação, foi implantado um sistema de controle

Leia mais

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A.

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo e patrimônio líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 6) 25.888 67.330 Fornecedores 4.797 8.340 Aplicações financeiras 3.341

Leia mais

Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público - DCASP

Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público - DCASP Secretaria de Estado da Fazenda Coordenação da Administração Financeira do Estado Divisão de Contabilidade Geral Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público - DCASP III. a) Balanço Orçamentário

Leia mais

Súmario APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO SINOPSES PARA CARREIRAS FISCAIS EDITAL SISTEMATIZADO APRESENTAÇÃO... 21

Súmario APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO SINOPSES PARA CARREIRAS FISCAIS EDITAL SISTEMATIZADO APRESENTAÇÃO... 21 Súmario APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO SINOPSES PARA CARREIRAS FISCAIS... 13 EDITAL SISTEMATIZADO... 15 APRESENTAÇÃO... 21 CAPÍTULO I NOÇÕES DE CONTABILIDADE... 23 1. Noções de contabilidade...23 1.1. Conceitos,

Leia mais

CORE/CE Conselho Regional dos Representantes Comerciais do Ceara CNPJ: /

CORE/CE Conselho Regional dos Representantes Comerciais do Ceara CNPJ: / Conselho Regional dos Representantes Comerciais do Ceara CNPJ: 07.340.847/0001-64 Balanço Patrimonial ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA CRÉDITOS A CURTO DEMAIS CRÉDITOS E VALORES

Leia mais

PCASP. Ricardo José da Silva TCE/SC

PCASP. Ricardo José da Silva TCE/SC PCASP Consórcios; Fonte de Recursos; Regras de Integridade; Consistência de Registros e Saldos de Contas; Eventos Contábeis Específicos. Ricardo José da Silva TCE/SC 71 Transferências a Consórcios Públicos

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 (Valores expressos em reais)

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 (Valores expressos em reais) BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 ATIVO NE 31/12/2013 31/12/2012 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO NE 31/12/2013 31/12/2012 CIRCULANTE CIRCULANTE Disponibilidades 4 85.142.911 86.881.544

Leia mais

RECEITAS CORRENTES DESPESAS CORRENTES ,47 PESSOAL E ENCARGOS SOCIAIS JUROS E ENCARGOS DA DIVIDA

RECEITAS CORRENTES DESPESAS CORRENTES ,47 PESSOAL E ENCARGOS SOCIAIS JUROS E ENCARGOS DA DIVIDA ANEXO 1 da Lei nº 4.320, de 17 de março de 1964 DEMONSTRAÇÃO DA RECEITA E DESPESA SEGUNDO AS CATEGORIAS ECONÔMICAS Outubro / 2011 Orçamento Fiscal, da Seguridade Social e de Investimentos. Adendo II à

Leia mais

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Convergência -Institucionalização: Portaria MF 184/08 e Decreto 6.976/09 2 1 REGISTRO CONTÁBIL DVP Nova estrutura DEMONSTRAÇÃO DAS VARIAÇÕES

Leia mais

ATIVO Nota PASSIVO Nota

ATIVO Nota PASSIVO Nota Balanços patrimoniais ATIVO Nota 2016 2015 PASSIVO Nota 2016 2015 CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes de caixa 165 528 Recursos a serem aplicados em projetos 7 23.836 23.413 Caixa e equivalentes

Leia mais

ELETROBRÁS TERMONUCLEAR S.A. ELETRONUCLEAR CNPJ: / DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31/09/2005

ELETROBRÁS TERMONUCLEAR S.A. ELETRONUCLEAR CNPJ: / DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31/09/2005 ELETROBRÁS TERMONUCLEAR S.A. CNPJ: 42.540.2 11/000 1-6 7 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31/09/2005 BALANÇO PATRIMONIAL EM 30 DE SETEMBRO A T I V O 2005 2004 CIRCULANTE Numerário disponível 805 12.378 Aplicações

Leia mais

Características. P A S S I V O Origem dos recursos aplicados no Ativo

Características. P A S S I V O Origem dos recursos aplicados no Ativo Balanço Patrimonial conteúdo - características aplicação de recursos - Ativo origem de recursos - Passivo estrutura geral estrutura do Ativo estrutura do Passivo Características Principal demonstrativo

Leia mais

TOTAL DO ATIVO TOTAL DO PASSIVO

TOTAL DO ATIVO TOTAL DO PASSIVO CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2016 CNPJ 47.902.648/0001-17 ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE Caixa e Equivalentes de Caixa 7.061 Fornecedores 33.947 Contas a Receber 41.832

Leia mais

Sumário. Introdução. Patrimônio

Sumário. Introdução. Patrimônio Sumário Sumário Introdução 2 Objeto 3 Finalidade ou objetivo 4 Pessoas interessadas nas informações contábeis 5 Funções 6 Identificação dos aspectos patrimoniais 7 Campo de aplicação 8 Áreas ou ramos 9

Leia mais

Contabilidade Aplicada ao Setor Público Receitas e Despesas Públicas. Profa.: Patrícia Siqueira Varela

Contabilidade Aplicada ao Setor Público Receitas e Despesas Públicas. Profa.: Patrícia Siqueira Varela Contabilidade Aplicada ao Setor Público Receitas e Despesas Públicas Profa.: Patrícia Siqueira Varela Receita Pública Conceito: todo e qualquer recolhimento feito aos cofres públicos. Receita Orçamentária:

Leia mais

DFC DEMONSTRAÇÃO DE FLUXO DE CAIXA

DFC DEMONSTRAÇÃO DE FLUXO DE CAIXA DFC DEMONSTRAÇÃO DE FLUXO DE CAIXA Base Legal CPC 03 e Seção 07 da NBC TG 1.000 O presente auto estudo embasará os conceitos e procedimentos técnicos contemplados no CPC 03 (IFRS Integral) e na Seção 07

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 (Em Reais)

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 (Em Reais) NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 (Em Reais) 1. CONTEXTO OPERACIONAL O Conselho Regional de Odontologia de São Paulo, Autarquia Federal nos termos da Lei n 4.324/64

Leia mais

Sumário EDITAL SISTEMATIZADO CONTABILIDADE APRESENTAÇÃO DO LIVRO... 23

Sumário EDITAL SISTEMATIZADO CONTABILIDADE APRESENTAÇÃO DO LIVRO... 23 EDITAL SISTEMATIZADO CONTABILIDADE... 19 APRESENTAÇÃO DO LIVRO... 23 PARTE I CONTABILIDADE GERAL CAPÍTULO I NOÇÕES DE CONTABILIDADE... 27 1. Noções de Contabilidade... 27 1.1. Conceitos, objetivos, campo

Leia mais

Única (PU), Mensal (PM) Periódico(PP) Valores das contribuições. Provisões para desembolsos futuros

Única (PU), Mensal (PM) Periódico(PP) Valores das contribuições. Provisões para desembolsos futuros FEA- USP-EAC Curso de Graduação em Ciências Contábeis Disciplina: EAC0551 - Contabilidade e Análise de Balanços de Instituições Previdenciárias TEMA 02.01. Contabilidade Capitalização Valores das contribuições

Leia mais

CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 28 DE FEVEREIRO DE 2011 (Em R$ Mil)

CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 28 DE FEVEREIRO DE 2011 (Em R$ Mil) CNPJ 47.902.648/0001-17 CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 28 DE FEVEREIRO DE 2011 ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE Caixa e Bancos 46 Fornecedores 41.785 Aplicações Financeiras 5.541 Provisão

Leia mais

4. Apure o valor da depreciação acumulada em 31/12/20015, sendo dados:

4. Apure o valor da depreciação acumulada em 31/12/20015, sendo dados: 1. Classifique os itens abaixo em: bens, direitos ou obrigações item bens direito obrigação Empréstimos a receber Dinheiro em caixa Dinheiro depositado no banco veículos biblioteca Salários a pagar estoques

Leia mais

PM DE ALEGRIA ORGÃO Nº: CNPJ: /01/2016 a 31/12/2016

PM DE ALEGRIA ORGÃO Nº: CNPJ: /01/2016 a 31/12/2016 a. Quadro Principal - Receitas e Despesas RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS PREVISÃO INICIAL (a) PREVISÃO ATUALIZADA (b) RECEITAS REALIZADAS (c) SALDO (d = c - b) RECEITAS CORRENTES (I) 17.166.500,00 17.166.500,00

Leia mais

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE SERGIPE - DESO CNPJ / BALANÇO PATRIMONIAL - EM R$. 1,00

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE SERGIPE - DESO CNPJ / BALANÇO PATRIMONIAL - EM R$. 1,00 COMPANHIA DE SANEAMENTO DE SERGIPE DESO CNPJ. 13.018.171/000190 BALANÇO PATRIMONIAL EM R$. 1,00 A T I V O 31.12.2007 31.12.2006 ATIVO CIRCULANTE 138.417.550 134.143.301 Caixa e Bancos 1.286.238 3.838.555

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 E 2014 (Valores expressos em reais)

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 E 2014 (Valores expressos em reais) BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 E 2014 ATIVO NE 31/12/2015 31/12/2014 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO NE 31/12/2015 31/12/2014 CIRCULANTE CIRCULANTE Disponibilidades 4 90.705.601 82.095.096

Leia mais

Comentários: Questão legal e muito difícil! Com certeza, uma das questões mais difíceis da prova.

Comentários: Questão legal e muito difícil! Com certeza, uma das questões mais difíceis da prova. (Questão 68) Considere hipoteticamente que os lançamentos a seguir são referentes a uma operação entre entidades pertencentes a Orçamento Fiscal e da Seguridade Social (OFSS) distintos. Entidade 1 D 3.X.X.X.4.XX.XX

Leia mais

Contabilidade Governamental p/ CNMP Analista Apoio Técnico Especializado: Contabilidade Prof. M. Sc. Giovanni Pacelli Aula 18

Contabilidade Governamental p/ CNMP Analista Apoio Técnico Especializado: Contabilidade Prof. M. Sc. Giovanni Pacelli Aula 18 CNMP Pessoal, vou comentar as questões da prova. 34. Determinado ente público arrecadou, no mês de fevereiro de 2015, receita de impostos no valor de R$ 180.000,00, concomitante ao fato gerador. Considere

Leia mais

Conceito É a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, a posição patrimonial e financeira

Conceito É a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, a posição patrimonial e financeira Demonstrações Contábeis Balanço Patrimonial e Demonstração do Resultado do Exercício (DRE) Balanço Patrimonial Conceito É a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente,

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ AES TIETE ENERGIA S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ AES TIETE ENERGIA S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 5 Demonstração do Resultado 7 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

PROCEDIMENTOS BÁSICOS PARA A CONFERÊNCIA DO BALANCETE CONTÁBIL

PROCEDIMENTOS BÁSICOS PARA A CONFERÊNCIA DO BALANCETE CONTÁBIL PROCEDIMENTOS BÁSICOS PARA A CONFERÊNCIA DO BALANCETE CONTÁBIL A cada fechamento mensal, para a conferência dos saldos contábeis das contas (principalmente as da execução orçamentária e financeira), podem

Leia mais

Tribunal de Contas do Mato Grosso

Tribunal de Contas do Mato Grosso Tribunal de Contas do Mato Grosso Plano de Contas e Demonstrações Contábeis Aplicados ao Setor Público: Procedimentos para migração da escrituração contábil Antonio Firmino Neto MSc. Professor/Contador

Leia mais

OFICIO N. 1986/2012 Franca, em 23 de Julho de NOVA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO Estudos Iniciais

OFICIO N. 1986/2012 Franca, em 23 de Julho de NOVA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO Estudos Iniciais OFICIO N. 1986/2012 Franca, em 23 de Julho de 2012 NOVA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO Estudos Iniciais Parte I - Registro do Orçamento 1. Previsão da Receita Orçamentária O Orçamento para o exercício

Leia mais

2

2 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 Controladora Consolidado ATIVO Jun 2009 Set 2009 Jun 2009 Set 2009 Circulante Disponibilidades 23,0 37,4 56,1 92,1 Contas a receber de clientes 62,8 72,8 114,2 125,9 Estoques

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS (DOAR)

DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS (DOAR) Page 1 of 6 DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS (DOAR) Até 31.12.2007, a Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (DOAR) era obrigatória para as companhias abertas e para as companhias

Leia mais

ENCERRAMENTO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 17/01/2013 LUCIANO PERRONE

ENCERRAMENTO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 17/01/2013 LUCIANO PERRONE ENCERRAMENTO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 17/01/2013 LUCIANO PERRONE Introdução Enquadramento conforme as Novas Normas Contábeis IFRS. SOCIEDADES ANÔNIMAS DE CAPITAL ABERTO SOCIEDADES DE GRANDE PORTE

Leia mais

Gas Brasiliano Distribuidora S.A.

Gas Brasiliano Distribuidora S.A. Balanço patrimonial em 31 de março (não auditado) Ativo 2016 2015 Passivo e patrimônio líquido 2016 2015 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 78.050 132.536 Fornecedores 23.096 19.064 Contas

Leia mais

Estado de Alagoas FUNPREV - Fundo de Previdência Social do Município de Mar Vermelho Balancete Financeiro Exercício : 01/2016

Estado de Alagoas FUNPREV - Fundo de Previdência Social do Município de Mar Vermelho Balancete Financeiro Exercício : 01/2016 Pág. 1 Balancete Financeiro R E C E I T A D E S P E S A Conta Descrição Valor Conta Descrição Valor R E C E I T A S O R Ç A M E N T Á R I A S 97.490,76 D E S P E S A S O R Ç A M E N T Á R I A S 27.765,63

Leia mais

Subsecretaria de Contabilidade Pública SUCON Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicada à Federação CCONF Equações Contábeis

Subsecretaria de Contabilidade Pública SUCON Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicada à Federação CCONF Equações Contábeis Subsecretaria de Contabilidade Pública SUCON Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicada à Federação CCONF 1º GTCON 2015 Equações Contábeis MAI/2015 Agenda 1 Contexto 2 3 Objetivos e Tipos de

Leia mais

Concurso Público Técnico-Administrativo 2014/UFGD - Prova Tipo A 7

Concurso Público Técnico-Administrativo 2014/UFGD - Prova Tipo A 7 Contador ==Questão 26==================== A Resolução CFC nº 1.282/2010 atualiza e consolida os Princípios da Contabilidade, considerando que o Princípio do Registro pelo Valor Original determina que:

Leia mais

IV Seminário Interno da CGM

IV Seminário Interno da CGM IV Seminário Interno da CGM 24 de novembro de 206 O PCASP e os Controles Contábeis, sob o enfoque Patrimonial Fases do projeto -Planejamento (Etapas foram desenvolvidas ao longo do projeto, composição

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL GRUPO E SUBGRUPOS

BALANÇO PATRIMONIAL GRUPO E SUBGRUPOS U N I V E R S I D A D E E S T A D U A L D E G O I Á S (Criada pela Lei n.º 13.456 de 16 de abril de 1999, publicada no DOE - GO de 20 de abril de 1999) UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS

Leia mais

ATIVO

ATIVO BALANÇO PATRIMONIAL DOS SEMESTRES FINDOS EM 30 DE JUNHO CONTROLADORA CONSOLIDADO ATIVO CIRCULANTE Numerário disponível 5.803 1.361 17.311 8.292 Aplicações no mercado aberto 1.216.028 665.948 1.216.530

Leia mais

Sumário Capítulo 1 Escrituração contábil

Sumário Capítulo 1 Escrituração contábil Sumário Capítulo 1 Escrituração contábil 01 1.1 Conceito 01 1.2 Métodos de escrituração 01 1.2.1 Método das partidas dobradas 02 1.2.1.1 Funcionamento das contas nas partidas dobradas 04 1.3 Normas legais

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO CNPJ / DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DOS EXERCÍCIOS DE 2014 E 2013

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO CNPJ / DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DOS EXERCÍCIOS DE 2014 E 2013 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DOS EXERCÍCIOS DE 2014 E 2013 , DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DOS EXERCÍCIOS DE 2014 E 2013 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013 (VALORES

Leia mais

Capítulo Planejamento Orçamentário DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO DE ORÇAMENTO. Aspectos preliminares importantes. Planejamento orçamentário

Capítulo Planejamento Orçamentário DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO DE ORÇAMENTO. Aspectos preliminares importantes. Planejamento orçamentário Capítulo 16 DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO DE ORÇAMENTO 16.1 Planejamento Orçamentário 16.1 Planejamento orçamentário 16.2 Elaboração de quadros orçamentários 16.3 Projeções de resultados Administração Financeira:

Leia mais

CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO RIO DE JANEIRO - CAU / RJ BALANCETE DE JANEIRO DE 2013

CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO RIO DE JANEIRO - CAU / RJ BALANCETE DE JANEIRO DE 2013 BALANCETE DE JANEIRO DE 2013 ATIVO 9.854.457,63 ATIVO CIRCULANTE 9.658.703,72 Disponível Vinculado C/C Bancária 4.989.235,75 Créditos a Receber do Exercício 4.635.067,97 Demais Créditos e Valores a Curto

Leia mais

Pertencem ao exercício financeiro: I as receitas nele arrecadadas II as despesas nele legalmente empenhadas

Pertencem ao exercício financeiro: I as receitas nele arrecadadas II as despesas nele legalmente empenhadas TRT 4ª REGIÃO ANALI STA JUDI CIÁRIO ÁREA CONTABI LIDADE AGOSTO 2006 P ROVA 1 P rof. Alexandre Vasconcelos w w w.editoraferreira.com.br 39) Contabilidade orçamentária no momento do empenho é fato que denota

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PARATINGA

PREFEITURA MUNICIPAL DE PARATINGA RREO - ANEXO 1 (LRF, Art 52, inciso I, alíneas "a" e "b" do inciso II e 1º) RECEITAS RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA BALANÇO ORÇAMENTÁRIO ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL JANEIRO A

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE URBANO SANTOS BALANCO ORCAMENTARIO CNPJ: 05.505.839/0001-03 AV MANOEL INACIO S/N

PREFEITURA MUNICIPAL DE URBANO SANTOS BALANCO ORCAMENTARIO CNPJ: 05.505.839/0001-03 AV MANOEL INACIO S/N BALANCO ORCAMENTARIO PERIODO DE: Janeiro a Dezembro Exercicio de: 2013 Pagina: 01 *===========================================================================================================================*

Leia mais

Poder Executivo Caderno II

Poder Executivo Caderno II . Ano XVII, Edição 3858 - R$ 1,00 Poder Executivo Caderno II BALANÇOS GABINETE DO VICE-PREFEITO Administração Financeira Integrada a. Quadro Principal Dados até Dezembro de 2015 Unidade Gestora: 120101

Leia mais

Sumário. Serviço Público e Administração Pública

Sumário. Serviço Público e Administração Pública Sumário Capítulo 1 Contabilidade Pública 1.1 Conceito 1.2 Objeto 1.3 Objetivo 1.4 Campo de Aplicação 1.5 Exercício Financeiro 1.6 Regime Orçamentário e Regime Contábil 1.6.1 Regime de Caixa 1.6.2 Regime

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE CFC. Exame de Suficiência Edição nº 1/2016. Contabilidade Aplicada ao Setor Público

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE CFC. Exame de Suficiência Edição nº 1/2016. Contabilidade Aplicada ao Setor Público CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE CFC Exame de Suficiência Edição nº 1/2016 Contabilidade Aplicada ao Setor Público Aula 06 Prof. Marcio José Assumpção 1 Despesa pública: conceito, etapas, estágios e categorias

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL

BALANÇO PATRIMONIAL 1 de 6 31/01/2015 14:44 BALANÇO PATRIMONIAL Balanço Patrimonial é a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, a posição patrimonial e financeira

Leia mais

Valores expressos em reais BALANÇO PATRIMONIAL

Valores expressos em reais BALANÇO PATRIMONIAL CNPJ 63.002.141/0001-63 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS RELATIVAS AO EXERCÍCIO SOCIAL ENCERRADO EM 31/12/2016 Valores expressos em reais BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO 2016 2015 PASSIVO 2016 2015 CIRCULANTE 42.727.858,25

Leia mais

PREFEITURA MUNIC MONTE APRAZÍVEL Praça São João, nº /

PREFEITURA MUNIC MONTE APRAZÍVEL Praça São João, nº / PREFEITURA MUNIC MONTE APRAZÍVEL Balanço Orçamentário LRF, Art. 52, inciso I, alíneas "a" e "b" - Anexo I Receitas Previsão p/ o Exercício Receitas Realizadas até RECEITAS CORRENTES 36.336,00 31.631,99

Leia mais

CONTROLE DE CONTEÚDO - TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE SÃO PAULO ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA: CONTABILIDADE (TRE-SP AJAC)

CONTROLE DE CONTEÚDO - TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE SÃO PAULO ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA: CONTABILIDADE (TRE-SP AJAC) CONTROLE DE CONTEÚDO - TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE SÃO PAULO ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA: CONTABILIDADE (TRE-SP AJAC) 1 Ortografia oficial. GRAMÁTICA E INTERPRETAÇÃO DE TEXTO DA LÍNGUA PORTUGUESA CONTEÚDO

Leia mais