Saúde do Idoso 1ª Pesquisa sobre a Saúde e Condições de Vida do Idoso na Cidade do Rio de Janeiro. Ano

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Saúde do Idoso 1ª Pesquisa sobre a Saúde e Condições de Vida do Idoso na Cidade do Rio de Janeiro. Ano 2006 1"

Transcrição

1 Saúde do Idoso 1ª Pesquisa sobre a Saúde e Condições de Vida do Idoso na Cidade do Rio de Janeiro. Ano Alcides Carneiro 2 Lucia Santos 3 Palavras Chaves: Metodologia científica; análise estatística; Idoso Introdução Monitorar as condições de saúde da população idosa carioca e fatores de risco para a organização da atenção à saúde deste grupo. Obetivo Geral: Aproveitar Campanha de Vacinação contra Gripe no ano de 2006, para pesquisar a população com 60 anos ou mais residente na Cidade do Rio de Janeiro. Obetivos Específicos: construir instrumento de coleta de dados e estratégia operacional para realização do trabalho de campo. Metodologia/Resultados Em 2004/2005, definidos os obetivos da pesquisa e questionário abordando: Capacidade Funcional; Morbidades Referidas; Percepção da Saúde; Redes de Apoio; Atividade Física; Condições de Saúde Bucal; satisfação com a vacina contra gripe e condição sócio-econômica. Em proeto piloto. Em 2006, pesquisa em cinco dias alternados durante a Campanha, nos postos de vacinação (PV). Amostra em 3 estágios:1º - estratificada por 10 Áreas de Planeamento da Cidade; 2º sistemática nos 49 PV sorteados; 3º - sistemática na seleção dos idosos para entrevista. 67 entrevistas/dia/pv, realizadas por 170 estudantes universitários. Tempo médio de duração das entrevistas - 8 minutos; equipes de entrevistadores - 2 a 9 por PV; dinâmica da campanha de vacinação determinou alterações dos padrões de salto estabelecidos para seleção dos idosos entrevistados; o ritmo da campanha dita alterações no trabalho de campo por problemas de infraestrutura ou pela dinâmica da participação da população. Conclusões: ações de monitoramento da saúde dos idosos devem ser sistemáticas para avaliação na mudança de perfis. Identificação de condições marcadoras capacidade funcional, morbidade referida e percepção. A realização da pesquisa durante a campanha de vacinação contra gripe permite alcançar grande número de idosos com custos reduzidos. 1 1 Trabalho apresentado no XVI Encontro Nacional de Estudos Populacionais, ABEP, realizado em Caxambú- MG Brasil, de 29 de setembro a 03 de outubro de (IPP DIG/PCRJ) 3 (IPP DIG/PCRJ)

2 Saúde do Idoso 1ª Pesquisa sobre a Saúde e Condições de Vida do Idoso na Cidade do Rio de Janeiro. Ano 2006 Para a execução desta pesquisa foi necessária a elaboração de algumas etapas que permitiriam o desenvolver da análise científica sobre o tema proposto, a saber: o Trabalho de Campo; a determinação do tamanho da amostra e o Cálculo dos fatores de expansão da amostra e Cálculo das estimativas sobre a expansão da amostra. A elaboração cuidadosa de cada uma destas etapas foi o que permitiu o desenvolvimento do trabalho completo com as mais diversas análises das mais diversas áreas que compõe o processo saúde-doença da população idosa. Trabalho de Campo 4 Levantamento de uma amostra representativa da população idosa (60 anos ou mais). A pesquisa foi feita durante a campanha de vacinação contra gripe no ano de A equipe trabalhou em dias alternados entre 24/04/06 e 05/05/06, nos postos de vacinação da rede municipal de saúde, captando aproximadamente 77% da população idosa da cidade. A amostra foi determinada em dois estágios de seleção e desmembrada para as 10 Áreas de Planeamento em Saúde (AP), que foram consideradas como Unidade Primária de Seleção - UPA: 1º Estágio: foi selecionada uma amostra sistemática sem reposição com probabilidade proporcional ao tamanho (ppt) de população da UPA correspondente, definindo como Unidade Secundária de Seleção - USA as 49 unidades de saúde representadas pelos postos de vacinação (PV), distribuídas de forma a garantir a desagregação pelas UPA; 2º Estágio: amostra sistemática, considerando-se como Unidade Terciária de Seleção - UTA os idosos selecionados para entrevista em cada PV. Neste estágio o padrão de salto obedeceu à freqüência de vacinação verificada no PV em Durante os cinco dias alternados do trabalho de campo foram realizadas 67 entrevistas por PV, totalizando entrevistas, anteriormente se estabeleceu para o tamanho da amostra um total de entrevistas. Do total de entrevistas realizadas foram validadas, as eliminações ocorreram por inconsistências de preenchimento, principalmente relacionadas à idade fora do grupo alvo e a não residência na Cidade do Rio de Janeiro. Alguns PV foram sorteados mais de uma vez por centralizarem um grande número de idosos vacinados, garantindo a distribuição de PV em cada UPA, resultando em um total de 60 locais de coleta distribuídos em 49 PV. Em face de problemas operacionais, não foi possível realizar a coleta de dados em dois PV. Para evitar desequilíbrio na distribuição amostral, suas entrevistas foram redirecionadas para outras unidades da mesma UPA e foi também estabelecido um dia extra de trabalho de campo (04/05) para compensar entrevistas não realizadas. Outra alteração ocorreu no padrão de salto pré-estabelecido, em algumas unidades teve que ser ampliado ou reduzido, em função de diferenças do ritmo de vacinação entre 205 e 2006, da duração da entrevista e da variação na freqüência dos idosos aos postos entre os turnos. 4 Questionário utilizado na pesquisa em anexo.

3 Software Utilizados Para a elaboração do questionário e implementação de entrada de dados, foi utilizado o software EPINFO-2002 revisão 2, de aneiro de Para o processamento dos dados, elaboração e apresentação dos resultados na forma de relatórios, tabelas, gráficos e mapas foram utilizados os software, SAS 9.1, SPSS v13, ARC GIS 9.2 da ESRI e o Excel. Imagem 1 Imagem Arcview Imagem 2 Imagem SAS

4 Imagem3 Imagem SPSS

5 Determinação do Tamanho da Amostra e Cálculo de sua Expansão Em inquéritos realizados com desenhos amostrais complexos, faz-se necessário uso do fator de expansão com suas inferências. A utilização de fatores de expansão não apenas corrige possíveis distorções propositalmente provocadas pelo desenho de amostragem empregado em um ou mais estágios do plano amostral, como também serve para atualizar as inferências com relação a mudanças nos perfis populacionais. Dependendo do desenho amostral idealizado, resultados obtidos a partir do uso dos fatores de expansão podem ser razoavelmente diferentes dos resultados obtidos sem aplicar algum sistema de ponderação, portanto o uso da ponderação de acordo com os fatores de expansão é de suma importância. Notação Utilizada A notação adotada nas fórmulas relacionadas à determinação da amostra e cálculo do fator de expansão é: S = número de áreas de planeamento (Unidade Primária) AP, no caso S = 10; M = número de postos de vacinação na população (Unidade Secundária) PV; N = número de idosos na população (Unidade Terciária); Os tamanhos de amostra serão denotados da seguinte maneira. n = tamanho da amostra de sueitos; m = tamanho da amostra de postos de vacinação; De acordo com o plano amostral proposto inicialmente para este inquérito, o tamanho ideal da amostra seria n= Ainda de acordo com tal plano amostral, m=60. Em seguida o restante da notação é definido. N = número de idosos vacinados no -ésimo posto de vacinação visitado da amostra, de acordo com a penúltima campanha de vacinação (=1,2,,...,m); N = número real de idosos vacinados no -ésimo posto de vacinação visitado da amostra, de acordo com a campanha de vacinação (=1,2,...,m); n = tamanho da amostra de idosos no -ésimo posto de vacinação (=1,2,...,m); De acordo com o plano amostral elaborado para este inquérito, n = n = 67 (=1,2,...,m), ou sea no 2º estágio de amostragem o mesmo número de idosos foi sorteado para responder o questionário, em cada posto de vacinação selecionado para compor a amostra do 1º estágio. O desenvolvimento das fórmulas a seguir considera que a relação é relativamente n = m n mais simples do que a do número de unidades secundárias sorteadas no 2º estágio, considerando em cada UPA sorteada no 1º estágio suas especificidades. Permitindo ao desenho amostral não sofrer influências negativas por perda de entrevistas.

6 Cálculo do Peso para a Expansão da Amostra Em cada estágio do plano amostral, define-se como peso da unidade da amostra no estágio o inverso da probabilidade de extração daquela unidade da população, considerando o processo de seleção aleatória adotado. Em suma, o peso reflete o número de unidades populacionais representadas por aquela unidade amostral naquele estágio do desenho amostral. Tendo a amostra deste inquérito sido realizado em dois estágios de seleção, em cada um a probabilidade de uma unidade correspondente àquele estágio pode ser facilmente calculado a partir do respectivo método de seleção aleatório adotado e previamente idealizado no desenho amostral. Os pesos nos dois estágios são usados posteriormente para calcular os fatores de expansão das unidades amostrais. Neste desenho amostral o tamanho do posto de vacinação foi aferido em termos do número de vacinas aplicadas em Portanto, o peso correspondente ao posto de vacinação selecionado neste estágio de amostragem será dado aproximadamente pela seguinte expressão: p 1 N = m N ( = 1,2,..., m) No 2º estágio de amostragem um número fixo de unidades, 67 indivíduos, foi sorteado por amostragem aleatória sistemática sem reposição e com probabilidade igual de seleção. Assim o peso correspondente a cada idoso sorteado no 2º estágio será o mesmo. Este peso é determinado pela expressão abaixo. p N 2 i = ( = 1,2,..., m; i = 1,2,..., n) n Finalmente, o fator de expansão é calculado multiplicando-se os pesos de todos os estágios da amostragem. Este cálculo é feito a seguir. Fator de Expansão Os fatores de expansão relativos aos indivíduos são dados a seguir. Fator de expansão N N ω = ( = 1,2,..., m) i n Tal resultado é obtido, multiplicando os pesos N dos respectivos estágios, a saber: O próximo passo na construção do sistema de ponderação da amostra consiste em obter uma expressão para a soma dos fatores de expansão correntes. N = m N Soma dos fatores de expansão: p 1 p N ou 2i Nˆ = N m m = 1 N N N n N = m n Estes resultados são obtidos da seguinte maneira. N N = N n N N

7 Se não ocorrerem mudanças nos números de vacinas aplicadas nos postos de vacinação sorteados na amostra desde a penúltima campanha, a soma total de fatores de expansão será igual ao número de vacinas aplicadas na população por ocasião da penúltima campanha, como está mostrado a seguir. N m N N = m = N m N =1 m Por outro lado, no caso de pelo menos um posto de vacinação sorteado na amostra ter aumentado ou diminuído em número de vacinas desde a realização da penúltima campanha, a razão entre os números de vacinas aplicadas por ocasião da campanha corrente e da penúltima campanha serve como fator de correção o tamanho daquele posto de vacinação, e consequentemente para o tamanho da população de sueitos como um todo. Neste caso, a soma dos fatores de expansão relativos aos sueitos será igual ao número estimado (corrente) de sueitos na população, i.e. N m M = 1 N N = Nˆ Assim, as somas dos fatores de expansão são iguais aos respectivos números estimados de unidades populacionais: no primeiro caso, o número exato de sueitos na população: e no segundo caso o número estimado (corrente) de sueitos na população. Estimativas do Coeficiente de Variação A pesquisa é baseada em amostragem probabilística, assim cada unidade primária de amostragem (UPA) selecionada, além de representar a si própria, representa também outras unidades que não foram selecionadas, tal fato ocorre porque a cada unidade se associa um fator de expansão denominado peso, permitindo assim generalizar os resultados da pesquisa para a população alvo. Em uma amostra probabilística, se torna imprescindível uma avaliação na precisão das estimativas e todas conclusões a serem obtidas da amostra expandida, por todos estes motivos além de ser uma medida relativa e permitir a comparabilidade entre diferentes variáveis, adotou-se o (CV) Coeficiente de Variação, sendo tal estimativa calculada em função das proporções. Onde σ p Erro padrão da proporção a pa ( 1 p a) σ p a = n p a Proporção amostral p número. de. sucessos p a = = n tamanho. da. amostra σ pa CV = p a 100 p = representa a proporção de indivíduos com determinada característica; (1-p) = representa a proporção de indivíduos pertencentes à população que não possuem determinada característica; n = tamanho de indivíduos da amostra com determinada característica;

8 Procedimento utilizado principalmente para análise descritiva de variáveis categóricas Tais procedimentos solicitam informações que caracterizem a amostra, como com ou sem reposição, qual o tipo de distribuição utilizado qual variável representa o cluster, os estratos e o peso. Através de métodos estatísticos permitidos em procedimentos do software SAS, utilizado na pesquisa, realizou-se cálculos de freqüências expandidas, ou sea, onde foram utilizados pesos amostrais na geração de tabelas com cruzamentos de duas duas ou mais variáveis, tabela n x m onde n representa o número de variáveis nas linhas e m o número de variáveis nas colunas da tabela. A seguir, no Quadro 4, destacamos as classes de variação para a precisão das estimativas produzidas nesta pesquisa. Quadro 1: Classificação das estimativas quanto à precisão Intervalo de Variação Nível de Precisão Precisão das Estimativas Até 5% a Ótima Mais de 5% a 15% b Boa Mais de 15% a 30% c Razoável Mais de 30% a 50% d Pouco Precisa Mais de 50% e Imprecisa Considerações Finais Os resultados finais da pesquisa só foram possíveis graças à elaboração e desenvolvimento adequados de cada uma das etapas que forneceram os métodos para coleta, organização, descrição e análise de dados. Com ênfase para o real obetivo da pesquisa, orientar a gestão dos recursos existentes na área de saúde e assistência á pessoa idosa, ou sea, trata-se de confeccionar as ferramentas necessárias para a extração dos insumos cuo potencial é o de facilitar a tomada de decisões no âmbito da Política do Idoso. Referências Bibliográficas Cochran, W G. Técnicas de amostragem, 1965 Silva, N N. Amostragem Probabilística, 1998 Murray R. S. Coleção Schawn, 1967

9 Anexo

10

11

12

13

14

15

Saúde do Idoso Hipertensão Arterial na Cidade do Rio de Janeiro

Saúde do Idoso Hipertensão Arterial na Cidade do Rio de Janeiro Saúde do Idoso Hipertensão Arterial na Cidade do Rio de Janeiro Silvana Costa Caetano Rosanna Iozzi Alcides Carneiro Palavras-chave: Hipertensão Arterial, Idoso Resumo Introdução: A prevalência de Hipertensão

Leia mais

O que é a estatística?

O que é a estatística? Elementos de Estatística Prof. Dr. Clécio da Silva Ferreira Departamento de Estatística - UFJF O que é a estatística? Para muitos, a estatística não passa de conjuntos de tabelas de dados numéricos. Os

Leia mais

Notas técnicas. População de estudo

Notas técnicas. População de estudo Notas técnicas População de estudo A população-alvo da pesquisa foi formada por escolares do 9 º ano do ensino fundamental (antiga 8ª série) de escolas públicas ou privadas das capitais dos estados brasileiros

Leia mais

Estatística: Conceitos e Organização de Dados. Introdução Conceitos Método Estatístico Dados Estatísticos Tabulação de Dados Gráficos

Estatística: Conceitos e Organização de Dados. Introdução Conceitos Método Estatístico Dados Estatísticos Tabulação de Dados Gráficos Estatística: Conceitos e Organização de Dados Introdução Conceitos Método Estatístico Dados Estatísticos Tabulação de Dados Gráficos Introdução O que é Estatística? É a parte da matemática aplicada que

Leia mais

Técnicas e Instrumentos Utilizados na Pesquisa Científica Cavalcanti

Técnicas e Instrumentos Utilizados na Pesquisa Científica Cavalcanti Técnicas e Instrumentos Utilizados na Pesquisa Científica Técnicas de Pesquisa Técnica: Conjunto de preceitos ou processos de que se serve uma ciência. Toda ciência utiliza inúmeras técnicas na obtenção

Leia mais

26/4/2012. Inquéritos Populacionais Informações em Saúde. Dados de Inquéritos Populacionais. Principais Características. Principais Características

26/4/2012. Inquéritos Populacionais Informações em Saúde. Dados de Inquéritos Populacionais. Principais Características. Principais Características Inquéritos Populacionais Informações em Saúde Dados de Inquéritos Populacionais Zilda Pereira da Silva Estudos de corte transversal, únicos ou periódicos, onde são coletadas informações das pessoas que

Leia mais

Após essa disciplina você vai ficar convencido que a estatística tem enorme aplicação em diversas áreas.

Após essa disciplina você vai ficar convencido que a estatística tem enorme aplicação em diversas áreas. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA INTRODUÇÃO Departamento de Estatística Luiz Medeiros http://www.de.ufpb.br/~luiz/ CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE ESTATÍSTICA O que a Estatística significa para você? Pesquisas

Leia mais

Desenvolvimento e utilização do Painel de Auditoria Contínua Agências pela Auditoria Interna do Banco do Brasil

Desenvolvimento e utilização do Painel de Auditoria Contínua Agências pela Auditoria Interna do Banco do Brasil PRÁTICA 1) TÍTULO Desenvolvimento e utilização do Painel de Auditoria Contínua Agências pela Auditoria Interna do Banco do Brasil 2) DESCRIÇÃO DA PRÁTICA - limite de 8 (oito) páginas: A Auditoria Interna

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE NA LINGUAGEM R PARA CÁLCULO DE TAMANHOS DE AMOSTRAS NA ÁREA DE SAÚDE

DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE NA LINGUAGEM R PARA CÁLCULO DE TAMANHOS DE AMOSTRAS NA ÁREA DE SAÚDE DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE NA LINGUAGEM R PARA CÁLCULO DE TAMANHOS DE AMOSTRAS NA ÁREA DE SAÚDE Mariane Alves Gomes da Silva Eliana Zandonade 1. INTRODUÇÃO Um aspecto fundamental de um levantamento

Leia mais

AULAS 22, 23 E 24 A lógica da amostragem do survey

AULAS 22, 23 E 24 A lógica da amostragem do survey 1 AULAS 22, 23 E 24 A lógica da amostragem do survey Ernesto F. L. Amaral 03, 09 e 10 de junho de 2011 Metodologia (DCP 033) Fonte: Babbie, Earl. 1999. Métodos de Pesquisas de Survey. Belo Horizonte: Editora

Leia mais

METOLOGIA. 1. Histórico

METOLOGIA. 1. Histórico METOLOGIA O Índice de Confiança do Empresário Industrial do Rio Grande do Sul (ICEI/RS) é um indicador antecedente utilizado para identificar mudanças na tendência da produção industrial gaúcha. O ICEI

Leia mais

Noções de Pesquisa e Amostragem. André C. R. Martins

Noções de Pesquisa e Amostragem. André C. R. Martins Noções de Pesquisa e Amostragem André C. R. Martins 1 Bibliografia Silva, N. N., Amostragem probabilística, EDUSP. Freedman, D., Pisani, R. e Purves, R., Statistics, Norton. Tamhane, A. C., Dunlop, D.

Leia mais

ALEXANDRE WILLIAM BARBOSA DUARTE

ALEXANDRE WILLIAM BARBOSA DUARTE SURVEY Método de pesquisa amplamente utilizado em pesquisas de opinião pública, de mercado e, atualmente, em pesquisas sociais que, objetivamente, visam descrever, explicar e/ou explorar características

Leia mais

PERFIL DO PROCURADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO

PERFIL DO PROCURADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO PROCURADORIA GERAL 8% 8% 8% CORREGEDORIA SECRETARIA GERAL 4% CENTRO DE ESTUDOS 12% PROCURADORIA DE APOIO PROCURADORIA CONSULTIVA 23% PROCURADORIA CONTENCIOSO 37% PROCURADORIA DA FAZENDA PROCURADORIA REGIONAL

Leia mais

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas O que é qualidade? Qualidade é a adequação ao uso. É a conformidade às exigências. (ISO International

Leia mais

1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3.

1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3. 1 1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3. Modelo de Resultados Potenciais e Aleatorização (Cap. 2 e 3

Leia mais

Aula 1 Estatística e Probabilidade

Aula 1 Estatística e Probabilidade Aula 1 Estatística e Probabilidade Anamaria Teodora Coelho Rios da Silva O QUE É ESTATÍSTICA? No nosso cotidiano, precisamos tomar decisões, muitas vezes decisões rápidas. A Estatística fornece métodos

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R INTRODUÇÃO A pesquisa é um procedimento reflexivo e crítico de busca de respostas para problemas ainda não solucionados. O

Leia mais

AULAS 04 E 05 Estatísticas Descritivas

AULAS 04 E 05 Estatísticas Descritivas 1 AULAS 04 E 05 Estatísticas Descritivas Ernesto F. L. Amaral 19 e 28 de agosto de 2010 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Triola, Mario F. 2008. Introdução à estatística. 10 ª ed. Rio de Janeiro:

Leia mais

Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes

Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes O processo de decisão de compra é feito através da percepção de que os consumidores têm um problema. Então, se movem em direção à resolução. Disto

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

PESQUISA INDUSTRIAL ANUAL DE EMPRESA (PIA-Empresa) FONTE DE DADOS O cadastro básico de seleção da PIA-Empresa é obtido a partir do Cadastro Central

PESQUISA INDUSTRIAL ANUAL DE EMPRESA (PIA-Empresa) FONTE DE DADOS O cadastro básico de seleção da PIA-Empresa é obtido a partir do Cadastro Central PESQUISA INDUSTRIAL ANUAL DE EMPRESA (PIA-Empresa) FONTE DE DADOS O cadastro básico de seleção da PIA-Empresa é obtido a partir do Cadastro Central de Empresas - CEMPRE, cuja gestão está sob a responsabilidade

Leia mais

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 11 de maio de 2011 Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 1 ANÁLISE DOS RESULTADOS DO SPAECE-ALFA E DAS AVALIAÇÕES DO PRÊMIO ESCOLA NOTA DEZ _ 2ª Etapa 1. INTRODUÇÃO Em 1990, o Sistema de Avaliação

Leia mais

MÉTODOS QUANTITATIVOS EM MARKETING. Prof.: Otávio Figueiredo e-mail: otavio@ufrj.br

MÉTODOS QUANTITATIVOS EM MARKETING. Prof.: Otávio Figueiredo e-mail: otavio@ufrj.br MÉTODOS QUANTITATIVOS EM MARKETING Prof.: Otávio Figueiredo e-mail: otavio@ufrj.br ESTATÍSTICA População e Amostra População Amostra Idéia Principal Resumir para entender!!! Algumas Técnicas Pesquisa de

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE AVIAÇÃO AGOSTO DE 2007 OPP141 IBOPE/ MQI ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA PESQUISA OBJETIVO LOCAL - Levantar informações sobre aviação. - Brasil. PERÍODO DE CAMPO - De 07 a

Leia mais

MODELAGEM E SIMULAÇÃO

MODELAGEM E SIMULAÇÃO MODELAGEM E SIMULAÇÃO Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Como Funciona a Simulação Introdução Assim como qualquer programa de computador,

Leia mais

AVALIAÇÃO DE IMPACTO NA PRÁTICA GLOSSÁRIO

AVALIAÇÃO DE IMPACTO NA PRÁTICA GLOSSÁRIO 1 AVALIAÇÃO DE IMPACTO NA PRÁTICA GLOSSÁRIO Amostra aleatória. Também conhecida como amostra probabilística. A melhor maneira de evitar uma amostra enviesada ou não-representativa é selecionar uma amostra

Leia mais

Amostragem. Prof. Joel Oliveira Gomes. Capítulo 9. Desenvolvimento

Amostragem. Prof. Joel Oliveira Gomes. Capítulo 9. Desenvolvimento Capítulo 9 Amostragem Desenvolvimento 9.1 Introdução 9.2 Censo versus Amostra 9.3 Processo de planejamento de uma amostragem 9.4 Técnicas Amostrais 9.5 Amostragem Não-probabilística 9.6 Amostragem Probabilística

Leia mais

Tópicos Abordados. Pesquisa de Mercado. Aula 1. Contextualização

Tópicos Abordados. Pesquisa de Mercado. Aula 1. Contextualização Pesquisa de Mercado Aula 1 Prof. Me. Ricieri Garbelini Tópicos Abordados 1. Identificação do problema ou situação 2. Construção de hipóteses ou determinação dos objetivos 3. Tipos de pesquisa 4. Métodos

Leia mais

O QUE É E COMO FUNCIONA O CREDIT SCORING PARTE I

O QUE É E COMO FUNCIONA O CREDIT SCORING PARTE I O QUE É E COMO FUNCIONA O CREDIT SCORING PARTE I! A utilização de escores na avaliação de crédito! Como montar um plano de amostragem para o credit scoring?! Como escolher as variáveis no modelo de credit

Leia mais

Probabilidade. Renata Souza. Introdução. Tabelas Estatísticas. População, Amostra e Variáveis. Gráficos e Distribuição de Freqüências

Probabilidade. Renata Souza. Introdução. Tabelas Estatísticas. População, Amostra e Variáveis. Gráficos e Distribuição de Freqüências Probabilidade Introdução Tabelas Estatísticas População, Amostra e Variáveis Gráficos e Distribuição de Freqüências Renata Souza Conceitos Antigos de Estatística stica a) Simples contagem aritmética Ex.:

Leia mais

Áurea Sousa /Deptº. Matemática U.A. Áurea Sousa /Deptº. Matemática U.A.

Áurea Sousa /Deptº. Matemática U.A. Áurea Sousa /Deptº. Matemática U.A. Métodos Estatísticos Mestrado em Gestão (MBA) Objectivos O que é a estatística? Como pode a estatística ajudar? Compreender o método de análise estatística; Reconhecer problemas que podem ser resolvidos

Leia mais

Estatística Aplicada ao Serviço Social Módulo 1:

Estatística Aplicada ao Serviço Social Módulo 1: Estatística Aplicada ao Serviço Social Módulo 1: Introdução à Estatística Importância da Estatística Fases do Método Estatístico Variáveis estatísticas. Formas Iniciais de Tratamento dos Dados Séries Estatísticas.

Leia mais

Auditoria e Segurança de Sistemas Aula 02 Auditoria. Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com

Auditoria e Segurança de Sistemas Aula 02 Auditoria. Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com Auditoria e Segurança de Sistemas Aula 02 Auditoria Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com Evolução / Necessidade Empresas com Capital Fechado Aumento da concorrência Investimento em

Leia mais

Exercícios Resolvidos sobre Amostragem

Exercícios Resolvidos sobre Amostragem Exercícios Resolvidos sobre Amostragem Observe agora, nestes Exercícios Resolvidos, como alguns parâmetros estatísticos devem ser construídos para formar amostras fidedignas de certas populações ou fenômenos

Leia mais

TÉCNICAS DE COLETA E ANÁLISE DE DADOS EM ARQUITETURA. Prof. MSc. Francisco Zacaron Werneck

TÉCNICAS DE COLETA E ANÁLISE DE DADOS EM ARQUITETURA. Prof. MSc. Francisco Zacaron Werneck TÉCNICAS DE COLETA E ANÁLISE DE DADOS EM ARQUITETURA Prof. MSc. Francisco Zacaron Werneck INTRODUÇÃO A escolha das técnicas está condicionada ao Problema de Pesquisa. Três perguntas básicas devem ser respondidas

Leia mais

Avaliação da Qualidade Percecionada, da Satisfação e da Lealdade do Cliente

Avaliação da Qualidade Percecionada, da Satisfação e da Lealdade do Cliente O Serviço: Avaliação da Qualidade Percecionada, da Satisfação e da Lealdade do Cliente 1- Enquadramento Avaliar a Qualidade Percecionada dos produtos e serviços e a Satisfação dos Clientes da organização

Leia mais

MODIFICAÇÃO DO TESTE DE NORMALIDADE DE SHAPIRO-WILK MULTIVARIADO DO SOFTWARE ESTATÍSTICO R

MODIFICAÇÃO DO TESTE DE NORMALIDADE DE SHAPIRO-WILK MULTIVARIADO DO SOFTWARE ESTATÍSTICO R MODIFICAÇÃO DO TESTE DE NORMALIDADE DE SHAPIRO-WILK MULTIVARIADO DO SOFTWARE ESTATÍSTICO R Roberta Bessa Veloso 1, Daniel Furtado Ferreira 2, Eric Batista Ferreira 3 INTRODUÇÃO A inferência estatística

Leia mais

CÁLCULO DO TAMANHO DA AMOSTRA PARA UMA PESQUISA ELEITORAL. Raquel Oliveira dos Santos, Luis Felipe Dias Lopes

CÁLCULO DO TAMANHO DA AMOSTRA PARA UMA PESQUISA ELEITORAL. Raquel Oliveira dos Santos, Luis Felipe Dias Lopes CÁLCULO DO TAMANHO DA AMOSTRA PARA UMA PESQUISA ELEITORAL Raquel Oliveira dos Santos, Luis Felipe Dias Lopes Programa de Pós-Graduação em Estatística e Modelagem Quantitativa CCNE UFSM, Santa Maria RS

Leia mais

O CENSO 2010: BREVE APRESENTAÇÃO E RELEVÂNCIA PARA A GEOGRAFIA

O CENSO 2010: BREVE APRESENTAÇÃO E RELEVÂNCIA PARA A GEOGRAFIA O CENSO 2010: BREVE APRESENTAÇÃO E RELEVÂNCIA PARA A GEOGRAFIA BRUNO DE OLIVEIRA SOUZA 1 e RÚBIA GOMES MORATO 2 brunooliveira_souza@hotmail.com, rubiagm@gmail.com 1 Aluno do curso de Geografia Unifal-MG

Leia mais

ESTATÍSTICA. Professor: Ricardo Vojta

ESTATÍSTICA. Professor: Ricardo Vojta ESTATÍSTICA Ciências Contábeis Professor: Ricardo Vojta RAMOS DA ESTATÍSTICA A estatística dedutiva (também conhecida como Estatística Descritiva) se encarrega de descrever o conjunto de dado desde a elaboração

Leia mais

Percepção do Estado de Saúde do Idoso na Cidade do Rio de Janeiro - 2006

Percepção do Estado de Saúde do Idoso na Cidade do Rio de Janeiro - 2006 Percepção do Estado de Saúde do Idoso na Cidade do Rio de Janeiro - 2006 Silvana Costa Caetano Rosanna Iozzi Alcides Carneiro Palavras-chave: Perpepção, Estado de Saúde, Idoso Resumo Introdução: A saúde

Leia mais

Cálculo de amostra para monitoria de qualidade em Call Center

Cálculo de amostra para monitoria de qualidade em Call Center Cálculo de amostra para monitoria de qualidade em Call Center Esta metodologia tem como objetivo definir o tamanho mínimo ideal da amostra, garantindo a representatividade da população de chamadas em um

Leia mais

Inferência Estatística-Macs11ºano

Inferência Estatística-Macs11ºano INFERÊNCIA ESTATÍSTICA Inferência Estatística-Macs11ºano Estatística Descritiva: conjunto de métodos para sintetizar e representar de forma compreensível a informação contida num conjunto de dados. Usam-se,

Leia mais

TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES

TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES [Observação: O template a seguir é utilizado como roteiro para projeto de sistemas orientado

Leia mais

PLANIFICAÇÃO OPERACIONAL DA PESQUISA

PLANIFICAÇÃO OPERACIONAL DA PESQUISA Laboratório de Psicologia Experimental Departamento de Psicologia UFSJ Disciplina: Método de Pesquisa Quantitativa TEXTO 8: PLANIFICAÇÃO OPERACIONAL DA PESQUISA Autora: Prof. Marina Bandeira,Ph.D. 1. POPULAÇÃO-

Leia mais

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo 5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo Este estudo teve como objetivo contribuir para a compreensão do uso das mídias sociais, como principal ferramenta de marketing da Casar é Fácil, desde o momento da sua

Leia mais

9ª PESQUISA ELEITORAL REGISTRADA - 2º TURNO

9ª PESQUISA ELEITORAL REGISTRADA - 2º TURNO ESPECIFICAÇÕES DA PESQUISA METODOLOGIA E PERÍODO DE REALIZAÇÃO DA PESQUISA PLANO AMOSTRAL PÚBLICO PESQUISADO PESQUISA A SER FEITA COM METODOLOGIA PROBABILÍSTICA E ALEATÓRIA EM CLUSTERS (CONGLOMERADOS).

Leia mais

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Esta norma considera de forma inovadora: problemas de compatibilidade com outras normas dificuldades de pequenas organizações tendências

Leia mais

O processo de decisão de compra é feito através da percepção de que os consumidores têm um problema. Então, se movem em direção à resolução.

O processo de decisão de compra é feito através da percepção de que os consumidores têm um problema. Então, se movem em direção à resolução. Pesquisa de Mercado O processo de decisão de compra é feito através da percepção de que os consumidores têm um problema. Então, se movem em direção à resolução. Disto decorre um modelo genérico de decisão,

Leia mais

Revisão de Estatística Básica:

Revisão de Estatística Básica: Revisão de Estatística Básica: Estatística: Um número é denominado uma estatística (singular). Ex.: As vendas de uma empresa no mês constituem uma estatística. Estatísticas: Uma coleção de números ou fatos

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA

RELATÓRIO DE PESQUISA 2011 14 RELATÓRIO DE PESQUISA Relatório da Pesquisa de Satisfação dos Usuários do SUS quanto aos aspectos de acesso e qualidade percebida na atenção à saúde, mediante inquérito amostral. Ministério da

Leia mais

Econometria de Avaliação de Políticas Públicas

Econometria de Avaliação de Políticas Públicas Econometria de Avaliação de Políticas Públicas Dados microeconômicos Prof. Cristine Xavier, Flavia Chein e Mônica Viegas CEDEPLAR/UFMG 2/2009 CEDEPLAR/UFMG (Institute) Avaliação de Politicas Públicas 2/2009

Leia mais

Pesquisa Aplicada à Estatística

Pesquisa Aplicada à Estatística Pesquisa Aplicada à Estatística Tatiene Correia de Souza / UFPB tatiene@de.ufpb.br September 14, 2014 Souza () Pesquisa Aplicada à Estatística September 14, 2014 1 / 23 Estatística: ideias gerais O que

Leia mais

Inferência Estatística. Amostragem Estatística. Características das Amostragens Estatísticas. Tipos de Amostragens Estatísticas

Inferência Estatística. Amostragem Estatística. Características das Amostragens Estatísticas. Tipos de Amostragens Estatísticas Fenômenos Estatísticos Classificam-se em: Fenômenos Coletivos ou de Massa - Não podem ser definidos por uma simples observação (natalidade, mortalidade, preço médio de veículos usados em Curitiba, etc.).

Leia mais

15/03/2010. Análise por pontos de função. Análise por Pontos de Função. Componentes dos Pontos de Função. Componentes dos Pontos de Função

15/03/2010. Análise por pontos de função. Análise por Pontos de Função. Componentes dos Pontos de Função. Componentes dos Pontos de Função Análise por pontos de função Análise por Pontos de Função Referência: Manual de práticas de contagem IFPUG Versão 4.2.1 Técnica que permite medir a funcionalidade de um software ou aplicativo, sob a visão

Leia mais

6 Construção de Cenários

6 Construção de Cenários 6 Construção de Cenários Neste capítulo será mostrada a metodologia utilizada para mensuração dos parâmetros estocásticos (ou incertos) e construção dos cenários com respectivas probabilidades de ocorrência.

Leia mais

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais G O V E R N O F E D E R A L P A Í S R

Leia mais

CCEE - Metodologia de Gestão de Risco. InfoPLD ao vivo 28/4/2014

CCEE - Metodologia de Gestão de Risco. InfoPLD ao vivo 28/4/2014 CCEE - Metodologia de Gestão de Risco InfoPLD ao vivo 28/4/2014 Definição de Gestão de Risco Gestão de risco é a abordagem sistemática de identificar, analisar e controlar os riscos que são específicos

Leia mais

O QUE É E COMO FUNCIONA O CREDIT SCORING PARTE II

O QUE É E COMO FUNCIONA O CREDIT SCORING PARTE II O QUE É E COMO FUNCIONA O CREDIT SCORING PARTE II! Como implementar o escore de crédito?! Como avaliar o escore de crédito?! Como calcular a função discriminante usando o Excel?! Como aplicar a função

Leia mais

CAPÍTULO 9 Exercícios Resolvidos

CAPÍTULO 9 Exercícios Resolvidos CAPÍTULO 9 Exercícios Resolvidos R9.1) Diâmetro de esferas de rolamento Os dados a seguir correspondem ao diâmetro, em mm, de 30 esferas de rolamento produzidas por uma máquina. 137 154 159 155 167 159

Leia mais

Apresentação... 19 Prefácio da primeira edição... 21 Prefácio da segunda edição... 27 Introdução... 33

Apresentação... 19 Prefácio da primeira edição... 21 Prefácio da segunda edição... 27 Introdução... 33 Sumário Apresentação... 19 Prefácio da primeira edição... 21 Prefácio da segunda edição... 27 Introdução... 33 Capítulo I CIÊNCIA, CONHECIMENTOS E PESQUISA CIENTÍFICA... 37 1. Conceito de ciência e tipos

Leia mais

Métodos e técnicas de pesquisa. Alessandra Martins Coelho

Métodos e técnicas de pesquisa. Alessandra Martins Coelho Métodos e técnicas de pesquisa Alessandra Martins Coelho Método de Pesquisa Metodologia é o estudo dos métodos. O método consiste na seqüência de passos necessários para demonstrar que o objetivo proposto

Leia mais

Pesquisa qualitativa. Periodicidade trimestral

Pesquisa qualitativa. Periodicidade trimestral Pesquisa qualitativa Periodicidade trimestral Realizada pela e por 19 Federações das Indústrias AC, AL, AM, BA, CE, ES, GO, MG, MS, MT, PA, PB, PE, PR, RJ, RN, RS, SC e SP Recentemente foram incorporados

Leia mais

Projeto Supervisionado

Projeto Supervisionado Projeto Supervisionado Caio Almasan de Moura ra: 095620 Indice 1. Introdução 2. Principal Projeto: Modelo de Score 2.1. Objetivo... pg 3 2.2. Agentes Envolvidos... pg 3 2.3. Contextualização... pg 3 2.4.

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE TRANSPORTE DE CARGAS EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO ENFOQUE LOGÍSTICO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE TRANSPORTE DE CARGAS EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO ENFOQUE LOGÍSTICO AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE TRANSPORTE DE CARGAS EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO ENFOQUE LOGÍSTICO Pré-logística: gestão voltada para o custo do transporte (redução do frete de frotas contratadas ou redução dos custos

Leia mais

Estudos de Imagem e Notoriedade

Estudos de Imagem e Notoriedade Estudos de Imagem e Notoriedade 1- Enquadramento O Serviço: Relatórios Avaliação da Imagem e Notoriedade das organizações, bem como da força de marca e posicionamento face à concorrência. Para que Serve:

Leia mais

Estatística Aplicada ao Serviço Social

Estatística Aplicada ao Serviço Social Estatística Aplicada ao Serviço Social Prof a. Juliana Freitas Pires Departamento de Estatística Universidade Federal da Paraíba - UFPB juliana@de.ufpb.br Introdução O que é Estatística? Coleção de métodos

Leia mais

Metodologia. Método de recolha de dados

Metodologia. Método de recolha de dados Amigas dos Idosos Entidade Promotora/co-financiadora Entidades Co-Financiadoras Metodologia Método de recolha de dados O processo de recolha de dados que foi desenvolvido no âmbito do projeto cidades envolveu

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO EXTERNA DO PROJETO EDUCANDO COM A HORTA ESCOLAR 1. Breve Histórico do Projeto de Cooperação Técnica

Leia mais

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I I PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA BIBLIOGRAFIA: MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de

Leia mais

Pesquisa por Amostragem: Política de Divulgação de Estimativas com Baixa Precisão Amostral

Pesquisa por Amostragem: Política de Divulgação de Estimativas com Baixa Precisão Amostral Pesquisa por Amostragem: Política de Divulgação de Estimativas com Baixa Precisão Amostral Nádia Pinheiro Dini 1 Resumo: Nesse artigo, apresentam-se vários fatores que podem ser considerados ao se divulgar

Leia mais

AT = X MÁX - X MÍN. Σ F i =n

AT = X MÁX - X MÍN. Σ F i =n UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIA Departamento de Estatística Luiz Medeiros http://www.de.ufpb.br/~luiz/ DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIA Quando se estuda uma massa de dados é de frequente

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA CONSTRUÇÃO DE PROJETOS CIENTÍFICOS

PROCEDIMENTOS PARA CONSTRUÇÃO DE PROJETOS CIENTÍFICOS PROCEDIMENTOS PARA CONSTRUÇÃO DE PROJETOS CIENTÍFICOS Procedimentos para utilização na disciplina de Prática Profissional I Este documento é parte integrante das Normas Técnicas para Elaboração de Trabalhos

Leia mais

Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística. Aula 4 Conceitos básicos de estatística

Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística. Aula 4 Conceitos básicos de estatística Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística Aula 4 Conceitos básicos de estatística A Estatística é a ciência de aprendizagem a partir de dados. Trata-se de uma disciplina estratégica, que coleta, analisa

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

TV VITÓRIA/FLEXCONSULT

TV VITÓRIA/FLEXCONSULT CERTIFICADA PELA ABEP/ESOMAR* PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA ESTADUAL TV VITÓRIA/FLEXCONSULT IMAGEM DO GOVERNADOR RENATO CASAGRANDE Junho-Julho de 2012 * O Certificado de Qualidade da ABEP/ESOMAR (Associação

Leia mais

ESTATÍSTICA. aula 1. Insper Ibmec São Paulo. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano

ESTATÍSTICA. aula 1. Insper Ibmec São Paulo. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano ESTATÍSTICA aula 1 Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano Insper Ibmec São Paulo ESTATÍSTICA COISAS DO ESTADO ESTATÍSTICA: - Apresentação e Análise de dados - Tomadas de Decisões baseadas em análises -

Leia mais

Capítulo 3. Sumário do Capítulo. Sumário do Capítulo. Desenho da Pesquisa

Capítulo 3. Sumário do Capítulo. Sumário do Capítulo. Desenho da Pesquisa Capítulo 3 Desenho da Pesquisa 3-1 Sumário do Capítulo 1) Introdução 2) Desenho da Pesquisa: Definição 3) Desenho da Pesquisa: Classificação 4) Pesquisa Exploratória 5) Pesquisa Descritiva i. Desenho Secção

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção I

Planejamento e Controle da Produção I Planejamento e Controle da Produção I Sequenciamento e Emissão de Ordens Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 2012 Gustavo S. C. Meireles 1 Introdução Programação da produção: define quanto e quando comprar, fabricar

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES CELG DISTRIBUIÇÃO S.A EDITAL N. 1/2014 CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE GESTÃO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES O Centro de Seleção da Universidade Federal de Goiás

Leia mais

3 Metodologia. 3.1. Introdução

3 Metodologia. 3.1. Introdução 3 Metodologia 3.1. Introdução Este capítulo é dedicado à forma de desenvolvimento da pesquisa. Visa permitir, através da exposição detalhada dos passos seguidos quando da formulação e desenvolvimento do

Leia mais

Análise e Modelagem Longitudinal dos Dados da Pesquisa de Avaliação de Impacto do Programa Bolsa Família (Primeira e Segunda Rodadas)

Análise e Modelagem Longitudinal dos Dados da Pesquisa de Avaliação de Impacto do Programa Bolsa Família (Primeira e Segunda Rodadas) OficinaTécnica CNPqe MDS -Edital CNPq nº 24/2013 T7 - Análise de Dados Secundários das Bases Sociais Disponíveis no MDS Análise e Modelagem Longitudinal dos Dados da Pesquisa de Avaliação de Impacto do

Leia mais

Etapa 01 Proposta Metodológica

Etapa 01 Proposta Metodológica SP Etapa 01 Proposta Metodológica ConsultGEL - Rua: : José Tognoli, 238, Pres., 238, Pres. Prudente, SP Consultores Responsáveis, SP Élcia Ferreira da Silva Fone: : (18) 3222 1575/(18) 9772 5705 João Dehon

Leia mais

Decidir como medir cada característica. Definir as características de qualidade. Estabelecer padrões de qualidade

Decidir como medir cada característica. Definir as características de qualidade. Estabelecer padrões de qualidade Escola de Engenharia de Lorena - EEL Controle Estatístico de Processos CEP Prof. MSc. Fabrício Maciel Gomes Objetivo de um Processo Produzir um produto que satisfaça totalmente ao cliente. Conceito de

Leia mais

NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO E OS PRAZOS DE ROTAÇÃO Samuel Leite Castelo Universidade Estadual do Ceará - UECE

NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO E OS PRAZOS DE ROTAÇÃO Samuel Leite Castelo Universidade Estadual do Ceará - UECE Resumo: NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO E OS PRAZOS DE ROTAÇÃO Samuel Leite Castelo Universidade Estadual do Ceará - UECE O artigo trata sobre a estratégia financeira de curto prazo (a necessidade de capital

Leia mais

Universidade Federal de Pernambuco Mestrado em Estatística

Universidade Federal de Pernambuco Mestrado em Estatística Universidade Federal de Pernambuco Mestrado em Estatística Lista 4 de Exercícios de Amostragem Prof. Cristiano Ferraz 1. Em relação ao plano amostral de Bernoulli: a) Explique como retirar uma amostra

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: Existe uma grande variedade de denominações das formas de atuação da manutenção, isto provoca certa confusão em relação aos

Leia mais

Pesquisa em Marketing

Pesquisa em Marketing Pesquisa em Marketing Aula 4 1. Identificar o tamanho da amostral ideal 2. Saber calcular a amostra O Processo de Amostragem TIPOS DE AMOSTRAGEM Amostra não-probabilística Amostra por Conveniência Amostra

Leia mais

Estimativa do Número de Visitantes no Município de Ouro Preto

Estimativa do Número de Visitantes no Município de Ouro Preto Estimativa do Número de Visitantes no Município de Ouro Preto Sumário 1. Apresentação e Justificativa... 3 2. Método de Monitoramento nas Entradas da Cidade... 3 3. Método Misto de Ocupação Hoteleira e

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

ADERÊNCIA DE TÁBUAS DE MORTALIDADE GERAL PARA AVALIAÇÕES ATUARIAIS. * Ricardo Frischtak * Paulo Pereira

ADERÊNCIA DE TÁBUAS DE MORTALIDADE GERAL PARA AVALIAÇÕES ATUARIAIS. * Ricardo Frischtak * Paulo Pereira ADERÊNCIA DE TÁBUAS DE MORTALIDADE GERAL PARA AVALIAÇÕES ATUARIAIS * Ricardo Frischtak * Paulo Pereira Mortalidade Geral q x *Como testar a adequação de tábuas de mortalidade geral? *Metodologias já vistas:

Leia mais

Avaliação do grau de implementação do programa de controle de transmissão vertical do HIV em maternidades do Projeto Nascer

Avaliação do grau de implementação do programa de controle de transmissão vertical do HIV em maternidades do Projeto Nascer Avaliação do grau de implementação do programa de controle de transmissão vertical do HIV em maternidades do Projeto Nascer 1 CRÉDITOS Elaboração do relatório Elizabeth Moreira dos Santos (ENSP/FIOCRUZ)

Leia mais

4 Avaliação Econômica

4 Avaliação Econômica 4 Avaliação Econômica Este capítulo tem o objetivo de descrever a segunda etapa da metodologia, correspondente a avaliação econômica das entidades de reservas. A avaliação econômica é realizada a partir

Leia mais

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES?

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? Os indicadores permitem avaliação do desempenho da instituição, segundo três aspectos relevantes: controle, comunicação e melhoria. (MARTINS & MARINI, 2010,

Leia mais

Técnicas de coleta de dados e instrumentos de pesquisa

Técnicas de coleta de dados e instrumentos de pesquisa Técnicas de coleta de dados e instrumentos de pesquisa O que é técnica? O que é instrumento? Tipos de técnicas e instrumentos de pesquisa Entrevista Questionários Observação 1. ENTREVISTA Encontro entre

Leia mais

ESTATÍSTICA BÁSICA COM ANÁLISE E TRATAMENTO ESTATÍSTICO DE DADOS EM SPSS

ESTATÍSTICA BÁSICA COM ANÁLISE E TRATAMENTO ESTATÍSTICO DE DADOS EM SPSS ESTATÍSTICA BÁSICA COM ANÁLISE E TRATAMENTO ESTATÍSTICO DE DADOS EM SPSS Escola de Enfermagem UFRGS Julho/2007 Juscelino Zemiacki Estatístico Programa Básico: AULA 1 Noções Básicas de Estatística AULA

Leia mais

T- 072 FERRAMENTAS PARA DETERMINAÇÃO DO PADRÃO DE CONSUMO RESIDENCIAL DE ÁGUA

T- 072 FERRAMENTAS PARA DETERMINAÇÃO DO PADRÃO DE CONSUMO RESIDENCIAL DE ÁGUA T- 072 FERRAMENTAS PARA DETERMINAÇÃO DO PADRÃO DE CONSUMO RESIDENCIAL DE ÁGUA FERRAMENTAS PARA DETERMINAÇÃO DO PADRÃO DE CONSUMO RESIDENCIAL DE ÁGUA Tema I: Abastecimento de Água Autores: Jennifer Conceição

Leia mais

ASPECTOS METODOLÓGICOS DA PESQUISA GEM SÃO PAULO MARÇO 2008

ASPECTOS METODOLÓGICOS DA PESQUISA GEM SÃO PAULO MARÇO 2008 ASPECTOS METODOLÓGICOS DA PESQUISA GEM V EGEPE SÃO PAULO MARÇO 2008 Missão Contribuir para o desenvolvimento sustentável do País através da melhoria constante da produtividade, da qualidade e da inovação

Leia mais