GEM SÃO PAULO 2016 GLOBAL ENTREPRENEURSHIP MONITOR

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GEM SÃO PAULO 2016 GLOBAL ENTREPRENEURSHIP MONITOR"

Transcrição

1 GEM SÃO PAULO 2016 GLOBAL ENTREPRENEURSHIP MONITOR Agosto/2017

2 A Pesquisa em 2016 Objetivo: Empreendedorismo (criação de negócios) como propulsor do crescimento Estudo da atividade empreendedora no âmbito mundial Metodologia: Estudo em65 países (cobrindo 69% da população global e 84% do PIB mundial) Entrevistas com a população de 18 a 64 anos Entrevistas com especialistas no tema (24 em São Paulo, 93 no Brasil) Cálculo de Taxas gerais e específicas Principais características dos empreendedores e empreendimentos em cada país Recomendações Fonte: GEM 2016 (SEBRAE-SP e IBQP)

3 TEA Iniciais TEE Estabelecidos A Pesquisa em 2016 CONCEITOS BÁSICOS DA PESQUISA Tipos de Empreendedores Nascentes: Nos últimos 12 meses realizou alguma ação visando ter um negócio próprio ou tem negócio próprio com até 3 meses de operação Novos: com 3 meses a 42 meses (3,5 anos) de operação Estabelecidos: com mais de 42 meses (3,5 anos) de operação São Paulo 2016 Brasil 2016 TAXAS estimativas TAXAS estimativas 3,2% ,2% ,8% ,0% ,6% ,9% Nota: A soma das categorias pode superar a estimativa total do ano porque há casos em que o empreendedor já possui um negócio estabelecido e está iniciando outro. Fonte: GEM São Paulo 2016 (SEBRAE-SP e IBQP)

4 Os Empreendedores em São Paulo em ,2% Os Empreendedores em em 2016 Isso significa que, em São Paulo, 9 milhões de pessoas de 18 a 64 anos têm um negócio próprio ou está envolvido na criação de um negócio. Fonte: GEM São Paulo 2016 (SEBRAE-SP e IBQP)

5 Classificação dos países participantes segundo seus tipos de economias A classificação de países foi estabelecida pelo Fórum Econômico Mundial - WEF (Global Competitiveness Report) Esta classificação utiliza indicadores sobre o tamanho do PIB, renda per capita e quota de exportação de produtos primários. A combinação dessa gama de indicadores classifica os países em três grupos, cujas características são: Países impulsionados por fatores são caracterizados pela predominância de atividades com forte dependência dos fatores trabalho e recursos naturais; Países impulsionados pela eficiência são caracterizados pelo avanço da industrialização e ganhos em escala, com predominância de organizações intensivas em capital; Países impulsionados pela inovação são caracterizados por empreendimentos intensivos em conhecimento e pela expansão e modernização do setor de serviços.

6 Taxas de empreendedorismo em estágio inicial (TEA) dos países participantes do GEM impulsionados por fatores¹ (2016) 40,0 35,0 33,5 30,0 27,6 25,0 20,0 15,0 10,0 12,8 10,6 10,2 6,3 5,0 0,0 Burkina Faso Camarões Irã Índia Cazaquistão Rússia Impulsionados por fatores Fonte: GEM 2016 (SEBRAE e IBQP) ¹ Essa classificação é baseada no relatório de Competitividade Global (Global Competitiveness Report) - Publicação do Fórum Econômico, considerando o PIB per capita e a parcela relativa aos bens primários nas exportações.

7 40,0 35,0 30,0 25,0 20,0 15,0 Taxas de empreendedorismo em estágio inicial (TEA) em São Paulo e no Brasil comparadas com os países participantes do GEM impulsionados por eficiência¹ (2016) 31,8 28,8 27,4 25,1 24,2 21,2 20,1 19,6 17,7 17,2 16,1 14,5 14,3 14,3 14,2 14,1 14,1 13,2 11,4 10,7 10,3 9,9 9,6 9,5 8,6 8,4 8,2 7,9 10,0 6,9 6,5 5,6 4,8 4,7 5,0 0,0 Equador Belize Colômbia Peru Chile Líbano Guatemala Brasil São Paulo Tailândia Turquia Argentina Egito El Salvador Letônia Uruguai Indonésia Panamá Arábia Saudita Polônia China Jamaica México Eslováquia Georgia Croácia Jordânia Hungria África do Sul Macedónia Marrocos Bulgária Malásia Impulsionados por eficiência Fonte: GEM 2016 (SEBRAE e IBQP) ¹ Essa classificação é baseada no relatório de Competitividade Global (Global Competitiveness Report) - Publicação do Fórum Econômico, considerando o PIB per capita e a parcela relativa aos bens primários nas exportações.

8 Taxas de empreendedorismo em estágio inicial (TEA) dos países participantes do GEM impulsionados por inovação¹ (2016) 40,0 35,0 30,0 25,0 20,0 16,7 16,2 14,6 12,6 12,0 11,3 11,0 10,9 10,3 9,6 9,4 9,2 8,8 8,2 8,2 8,2 8,0 7,9 7,6 6,7 6,7 5,7 5,7 5,3 5,2 4,6 4,4 15,0 10,0 5,0 0,0 Canadá Estônia Austrália Estados Unidos Chipre Israel Holanda Irlanda Porto Rico Áustria Hong Kong Luxemburgo Reino Unido Taiwan Suíça Portugal Eslovenia Catar Suécia Finlândia Coréia Grécia Emirados Árabes Unidos França Espanha Alemanha Itália Impulsionados por inovação Fonte: GEM 2016 (SEBRAE e IBQP) ¹ Essa classificação é baseada no relatório de Competitividade Global (Global Competitiveness Report) - Publicação do Fórum Econômico, considerando o PIB per capita e a parcela relativa aos bens primários nas exportações.

9 Taxas de empreendedorismo em estágio estabelecido (TEE) dos países participantes do GEM impulsionados por fatores¹ (2016) 40,0 35,0 30,0 28,0 25,0 20,0 15,0 15,2 11,6 10,0 5,0 5,3 4,6 2,4 0,0 Burkina Faso Camarões Irã Rússia Índia Cazaquistão Impulsionados por fatores Fonte: GEM 2016 (SEBRAE e IBQP) ¹ Essa classificação é baseada no relatório de Competitividade Global (Global Competitiveness Report) - Publicação do Fórum Econômico, considerando o PIB per capita e a parcela relativa aos bens primários nas exportações.

10 16,9 15,3 14,3 13,6 40,0 35,0 Taxas de empreendedorismo em estágio estabelecido (TEE) em São Paulo e no Brasil comparadas com os países participantes do GEM impulsionados por eficiência¹ (2016) 30,0 27,5 25,0 20,0 20,1 15,0 11,5 9,6 9,4 9,1 8,9 8,6 8,2 8,0 7,9 7,5 7,5 7,5 7,4 7,2 7,1 10,0 5,0 6,2 6,1 6,1 6,1 5,5 5,3 4,7 4,4 4,2 2,7 2,5 2,3 0,0 Tailândia Líbano Brasil Indonésia Equador São Paulo El Salvador Letônia Turquia Guatemala Colômbia Georgia Jamaica Chile Argentina México Marrocos China Uruguai Macedónia Polônia Bulgária Egito Eslováquia Peru Hungria Belize Malásia Panamá Croácia Jordânia África do Sul Arábia Saudita Impulsionados por eficiência Fonte: GEM 2016 (SEBRAE e IBQP) ¹ Essa classificação é baseada no relatório de Competitividade Global (Global Competitiveness Report) - Publicação do Fórum Econômico, considerando o PIB per capita e a parcela relativa aos bens primários nas exportações.

11 Taxas de empreendedorismo em estágio estabelecido (TEE) dos países participantes do GEM impulsionados por inovação¹ ,0 35,0 30,0 25,0 20,0 15,0 10,0 5,0 0,0 14,1 11,3 11,1 10,2 9,2 8,8 8,2 7,8 7,7 7,3 7,1 7,0 6,8 6,8 6,6 6,2 6,1 6,1 5,3 4,5 4,4 4,3 4,0 3,2 3,0 1,9 1,7 Grécia Austrália Suíça Holanda Estados Unidos Áustria Chipre Estônia Taiwan Finlândia Portugal Alemanha Canadá Eslovenia Coréia Espanha Hong Kong Reino Unido Itália Suécia Irlanda França Israel Luxemburgo Catar Emirados Árabes Unidos Porto Rico Impulsionados por inovação Fonte: GEM 2016 (SEBRAE e IBQP) ¹ Essa classificação é baseada no relatório de Competitividade Global (Global Competitiveness Report) - Publicação do Fórum Econômico, considerando o PIB per capita e a parcela relativa aos bens primários nas exportações.

12 Sonho da população adulta de São Paulo (2016) Comprar a casa própria 50,8 Viajar pelo Brasil 46,4 Comprar um automóvel 32,6 Viajar para o exterior Ter seu próprio negócio Ter um diploma de ensino superior Ter plano de saúde 26,3 26,3 25,3 24,7 Fazer carreira numa empresa 18,8 Casar ou constituir uma nova família 12,5 Comprar um computador/tablet/smartphone Nenhum Outro 7,3 7,2 7, Fonte: GEM São Paulo 2016 (SEBRAE-SP e IBQP)

13 Perfil dos Empreendedores Iniciais (TEA) Fazem parte da TEA os seguintes empreendedores Nascentes: Nos últimos 12 meses realizou alguma ação visando ter um negócio próprio ou tem negócio próprio com até 3 meses de operação Novos: com 3 meses a 42 meses (3,5 anos) de operação

14 70,0 68,0 66,0 64,0 Motivação Taxas de oportunidade como % TEA dos países participantes do GEM impulsionados por fatores¹ (2016) 68,9 68,8 66,3 63,5 62,0 60,0 60,9 60,5 58,0 56,0 Cazaquistão Burkina Faso Rússia Irã Índia Camarões Impulsionados por fatores Fonte: GEM 2016 (SEBRAE e IBQP) ¹ Essa classificação é baseada no relatório de Competitividade Global (Global Competitiveness Report) - Publicação do Fórum Econômico, considerando o PIB per capita e a parcela relativa aos bens primários nas exportações.

15 Taxas de oportunidade como % TEA em São Paulo e no Brasil comparadas com os países participantes do GEM impulsionados por eficiência¹ (2016) 100,0 90,0 92,3 88,1 86,0 83,0 82,9 82,9 82,7 81,8 79,1 77,9 77,4 75,8 74,7 74,4 72,7 71,1 70,9 70,7 80,0 70,0 60,0 50,0 68,8 68,0 66,8 66,3 65,4 63,8 63,8 61,2 61,1 57,4 57,3 55,3 55,0 48,9 46,7 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 Arábia Saudita Belize Colômbia Malásia Indonésia Letônia Panamá Peru México Tailândia Hungria Chile Turquia África do Sul Marrocos Polônia Uruguai China Jordânia Bulgária Argentina Croácia Equador El Salvador São Paulo Egito Guatemala Brasil Líbano Macedónia Eslováquia Georgia Jamaica Impulsionados por eficiência Fonte: GEM 2016 (SEBRAE e IBQP) ¹ Essa classificação é baseada no relatório de Competitividade Global (Global Competitiveness Report) - Publicação do Fórum Econômico, considerando o PIB per capita e a parcela relativa aos bens primários nas exportações.

16 Taxas de oportunidade como % TEA dos países participantes do GEM impulsionados por inovação¹ Fonte: GEM 2016 (SEBRAE e IBQP) ¹ Essa classificação é baseada no relatório de Competitividade Global (Global Competitiveness Report) - Publicação do Fórum Econômico, considerando o PIB per capita e a parcela relativa aos bens primários nas exportações. 100,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 89,0 87,5 86,3 85,7 85,5 84,3 83,2 82,7 82,6 82,6 81,7 80,2 80,0 79,9 79,6 79,4 77,7 77,6 76,0 75,7 75,7 75,4 73,5 70,2 66,6 65,2 61,8 Suécia Estados Unidos Finlândia Itália França Luxemburgo Reino Unido Catar Irlanda Suíça Hong Kong Austrália Israel Canadá Estônia Áustria Portugal Holanda Taiwan Eslovenia Alemanha Coréia Chipre Espanha Porto Rico Grécia Emirados Árabes Unidos Impulsionados por inovação

17 Razões apresentadas pelos empreendedores iniciais para abertura do novo negócio segundo a motivação 90,0 80,0 81,5 70,0 60,0 50,0 46,7 40,0 30,0 26,8 24,7 20,0 10,0 0,0 Oportunidade¹ 3,1 0,9 0,8 0,9 0,0 14,6 Necessidade² ( ) % de empreendedores iniciais ( ) Estava desempregado(a) e não arrumava emprego Aumento da renda pessoal Exigência da empresa onde trabalhava em se tornar terceirizado Ter uma renda pessoal Exigência dos clientes para emitir nota fiscal ¹ Percentual do número de respostas dos empreendedores por oportunidade. ² Percentual do número de respostas dos empreendedores por necessidade. * Os números entre parênteses, abaixo das variáveis, representam a estimativa do total de pessoas nessa categoria. Fonte: GEM 2016 (SEBRAE-SP e IBQP)

18 Gênero Taxa dos empreendedores segundo gênero São Paulo e Brasil ,1 17,4 19,9 19,2 19, ,0 12,2 14, TEA TEE TEA TEE São Paulo Brasil Masculino Feminino Fonte: GEM 2016 (SEBRAE e IBQP)

19 Gênero Empreendedores segundo gênero e estágio do empreendimento São Paulo e Brasil Estimativas Gênero São Paulo Brasil TEA TEE TEA TEE Ma s cul i no Feminino * Os números na tabela representam a estimativa do total de pessoas em cada categoria. Fonte: GEM 2016 (SEBRAE e IBQP)

20 Faixa Etária 30 Taxa dos empreendedores segundo faixa etária São Paulo e Brasil ,4 23,8 20,1 14,6 16,8 19,3 21,9 20,1 22,9 19,7 17,5 15,0 11,7 22,4 24,2 23,9 10 8,9 6,1 5,5 5 2,5 0 TEA TEE TEA TEE São Paulo Brasil 18 a 24 anos 25 a 34 anos 35 a 44 anos 45 a 54 anos 55 a 64 anos Fonte: GEM 2016 (SEBRAE e IBQP)

21 Faixa Etária Empreendedores segundo faixa etária e estágio do empreendimento São Paulo e Brasil Idade Estimativas São Paulo Brasil TEA TEE TEA TEE 18 a 24 anos a 34 anos a 44 anos a 54 anos a 64 anos * Os números na tabela representam a estimativa do total de pessoas em cada categoria. Fonte: GEM 2016 (SEBRAE e IBQP)

22 Busca por órgãos de apoio O percentual do total de empreendedores (TTE) que procurou algum órgão de apoio em São Paulo e no Brasil foi de 34,3% e 13,4%, respectivamente.

23 Órgãos de Apoio Percentual do total de empreendedores (TTE) segundo a busca de órgãos de apoio - São Paulo e Brasil Procurou algum órgão de apoio 85,9 68,1 São Paulo 34,3% Brasil 13,4% ( ) ( ) 36,6 40,0 32,8 19,0 14,9 12,3 SEBRAE SENAC SENAI Outros² ( ) ( ) ¹ A soma dessas opções pode não totalizar 100% pelo fato de ocorrerem respostas múltiplas. ² Nessa classificação se enquadram: Associações comerciais, ENDEAVOR, SENAR, SENAT, Sindicatos, etc. * Os números entre parênteses, abaixo das variáveis, representam a estimativa do total de pessoas nessa categoria. Fonte: GEM São Paulo 2016 (SEBRAE-SP e IBQP)

24 Estudo sobre Microempresas e Microempreendedores Individuais

25 Tipos de registros, licenças ou certificados obtidos para os empreendimentos 25,0 22,4 20,0 17,3 17,5 15,0 10,0 10,5 5,0 5,3 5,2 3,9 4,1 0,0 0,6 0,4 % de empreendedores São Paulo % de empreendedores Brasil ( ) ( ) CNPJ Inscrição municipal (na prefeitura) Licença sanitária Certificado de vistoria do Corpo de Bombeiros Licença ambiental Fonte: GEM São Paulo 2016 (SEBRAE-SP e IBQP) * Os números entre parênteses, abaixo das variáveis, representam a estimativa do total de pessoas nessa categoria.

26 Tipos de registros, licenças ou certificados obtidos para os empreendimentos em São Paulo 30,0 27,4 25,0 23,0 20,0 18,9 15,0 13,3 10,0 7,9 7,4 5,0 0,0 3,4 3,9 0,3 % de empreendedores iniciais % de empreendedores estabelecidos ( ) ( ) 1,1 CNPJ Inscrição municipal (na prefeitura) Certificado de vistoria do Corpo de Bombeiros Licença sanitária Licença ambiental Fonte: GEM São Paulo 2016 (SEBRAE-SP e IBQP) * Os números entre parênteses, abaixo das variáveis, representam a estimativa do total de pessoas nessa categoria.

27 Tipos de registros, licenças ou certificados obtidos para os empreendimentos em São Paulo 25,0 21,5 20,0 16,8 16,3 15,0 11,9 10,0 5,0 4,0 3,3 5,3 5,0 0,0 0,2 0,5 % dos potenciais MEI % das potenciais microempresas ( ) ( ) CNPJ Inscrição municipal (na prefeitura) Licença sanitária Licença ambiental Certificado de vistoria do Corpo de Bombeiros Fonte: GEM São Paulo 2016 (SEBRAE-SP e IBQP) * Os números entre parênteses, abaixo das variáveis, representam a estimativa do total de pessoas nessa categoria.

28 Enquadramento real das prováveis Microempresas 80,0 70,0 64,9 60,0 50,0 40,0 30,0 29,7 20,0 10,0 0,0 Microempreendedor individual Microempresa Média empresa Pequena empresa 3,1 0,8 % das micro com CNPJ ( ) Fonte: GEM São Paulo 2016 (SEBRAE-SP e IBQP) * Os números entre parênteses, abaixo das variáveis, representam a estimativa do total de pessoas nessa categoria.

29 80,0 70,0 72,5 Enquadramento real dos prováveis MEI 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 24,1 10,0 0,0 Microempreendedor individual 1,1 0,0 Microempresa Pequena empresa Média empresa % das MEI com CNPJ ( ) Fonte: GEM São Paulo 2016 (SEBRAE-SP e IBQP) * Os números entre parênteses, abaixo das variáveis, representam a estimativa do total de pessoas nessa categoria.

30 Empreendedores que afirmaram conhecer o MEI Ouviu falar do MEI 58,4 41,6 Fonte: GEM São Paulo 2016 (SEBRAE-SP e IBQP) * Os números entre parênteses, abaixo das variáveis, representam a estimativa do total de pessoas nessa categoria. Sim Não ( ) ( )

31 Razões dos empreendedores para não se formalizarem como MEI , ,1 20,1 15,9 22,4 17, ,9 3,9 0 Com CNPJ¹ (não MEI) 11,7 11,2 3,1 Sem CNPJ² 8,9 ( ) % de empreendedores ( ) Minha atividade não pode ser registrada como MEI Não conheço a vantagem de ser MEI com relação a impostos Não sei se vou continuar como empreendedor Não sabe Preciso de mais de um empregado Não conheço a vantagem de ser MEI com relação à aposentadoria Outro motivo Fonte: GEM São Paulo 2016 (SEBRAE-SP e IBQP) Obs: A soma dessas opções pode não totalizar 100% pelo fato de ocorrerem respostas múltiplas. ¹ Percentual do número de respostas dos empreendedores que possuem CNPJ mas não estão enquadrados como MEI. ² Percentual do número de respostas dos empreendedores que não possuem CNPJ. * Os números entre parênteses, abaixo das variáveis, representam a estimativa do total de pessoas nessa categoria.

32 Planos dos empreendedores para o futuro 60,0 50,0 47,7 40,0 38,3 33,4 34,4 30,0 20,0 10,0 0,0 10,8 9,7 4,4 12,0 Expandir o negócio Manter como está Não tenho planos Vender o negócio e ir ao mercado de trabalho 3,0 Vender este negócio e abrir outro % de empreendedores com CNPJ % de empreendedores sem CNPJ ( ) ( ) 1,9 0,7 1,3 0,0 Outro motivo 2,5 Não sabe Fonte: GEM São Paulo 2016 (SEBRAE-SP e IBQP) * Os números entre parênteses, abaixo das variáveis, representam a estimativa do total de pessoas nessa categoria.

33 Mentalidade da população com relação ao Empreendedorismo (perfil da população de 18 a 64 anos)

34 Mentalidade Empreendedora 70,0 60,0 57,1 53,6 59,4 57,6 50,0 40,0 41,3 40,2 32,1 30,0 24,6 20,0 10,0 0,0 Afirmam conhecer pessoalmente alguém que começou um novo negócio nos últimos 2 anos Afirmam perceber, para os próximos seis meses, boas oportunidades para se começar um novo negócio nas proximidades onde vivem Afirmam ter o conhecimento, a habilidade e a experiência necessários para iniciar um novo negócio Afirmam que o medo de fracassar não impediria que começassem um novo negócio São Paulo Brasil Fonte: GEM 2016 (SEBRAE-SP e IBQP)

35 Recomendações de Especialistas As recomendações para 2016 estão concentradas nos seguintes tópicos: Políticas governamentais (58,3%) Desenvolvimento de uma efetiva política pública para o empreendedorismo. Esta política deve contemplar avanços no sistema de créditos para novos negócios e para empresas que busquem crescimento e ampliações. Redução da burocracia, agilidade no processo de abertura, mudanças e fechamentos de empresas. Deve contemplar informações de deveres e direitos para que não aconteça fatores surpresas e desconhecimentos sobre o processo requerido. Educação e capacitação (41,7%) Melhorar o nível educacional dos empreendedores, seja por meio do ensino superior, ou pelo incentivo a mais iniciativas privadas, com cursos de formação em conceitos de negócios e cursos relacionados com o desenvolvimento de competências empreendedoras. Fonte: GEM São Paulo 2016 (SEBRAE-SP e IBQP)

36 Nota técnica Objetivo: análise do indivíduo empreendedor. Na pesquisa GEM, o empreendedorismo consiste em qualquer tentativa de criação de um novo empreendimento, por exemplo, uma atividade autônoma, uma nova empresa ou a expansão de um empreendimento existente. Metodologia:. Pesquisa com a população adulta (18 a 64 anos), para conhecer as atitudes, atividades e aspirações da população adulta com relação ao empreendedorismo. Foi realizada uma pesquisa por amostragem domiciliar com uma amostra de pessoas, entre abril e junho de A pesquisa possui uma margem de erro a priori de dois pontos percentuais, para um nível de confiança de 95%.. Pesquisa sobre o ambiente para iniciar novos negócios no país. A pesquisa aborda os fatores favoráveis e limitantes ao empreendedorismo, sendo respondida por especialistas, selecionados por meio de amostragem intencional. Foram entrevistados 23 especialistas, definidos como pessoas diretamente envolvidas em aspectos que interferem na atividade empreendedora. Os especialistas podem ser políticos, acadêmicos, empresários ou agentesdo governo. A pesquisa foi realizadaentre abril e maio de Observação: As estimativas referentes às diversas categorias da população do estado de São Paulo e do Brasil foram realizadas a partir dos resultados obtidos na pesquisa com a população adulta e por meio de estatísticas oficiais referentesà população brasileira. Considerando que as estimativas foram realizadas com os percentuais obtidos na pesquisa de campo e os dados impressos são, muitas vezes, arredondados, ao tentar reproduzir os dados, é possível chegar a números absolutos de mesma ordem de grandeza, mas com valores ligeiramente diferentes. Assim, para as estimativas entre parênteses, abaixo das gráficos, entenda-se que esses números devem ser lidos com o símbolo (aproximadamente) antes do número.

37 Entidades Parceiras Execução Parceiro Master Apoio Instituições internacionais Global Entrepreneurship Monitor

JUROS E RISCO BRASIL

JUROS E RISCO BRASIL JUROS E RISCO BRASIL META DA TAXA SELIC FONTE: BANCO CENTRAL 13.75% 12.75% 11.25% 10.25% 8.75% 9.50% 10.25% 10.75% 11.25% 12.50% 11.00% 10.50% 9.75% 9.00% 8.50% 8.00% 7.25% 8.50% 9.00% 10.00% 10.50% 11.00%

Leia mais

JUROS E RISCO BRASIL

JUROS E RISCO BRASIL JUROS E RISCO BRASIL META DA TAXA SELIC FONTE: BANCO CENTRAL 11.75% 13.00% 13.75% 12.75% 11.25% 10.25% 8.75% 9.50% 10.25% 10.75% 11.25% 12.50% 11.00% 10.50% 9.75% 9.00% 8.50% 8.00% 7.25% 8.00% 8.50% 9.00%

Leia mais

EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DO CAPÍTULO 71 DA NCM. Por Principais Países de Destino. Janeiro - Dezembro. Bijuterias

EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DO CAPÍTULO 71 DA NCM. Por Principais Países de Destino. Janeiro - Dezembro. Bijuterias Bijuterias Principais Países 2010 2011 2012 2013 2014 US$ mil 2014/ 2013 Estados Unidos 5.667 3.828 2.668 3.491 5.006 43 Colômbia 407 800 748 1.112 993-11 França 1.085 931 910 998 969-3 Argentina 2.112

Leia mais

META DA TAXA SELIC 14,5% 13,75% 14,25% 13,75% 13,5% 13,25% 12,75% 13,00% 12,75% 12,50% 12,00% 12,25% 11,75% 12,5% 11,25% 11,00% 10,50% 11,25% 11,5%

META DA TAXA SELIC 14,5% 13,75% 14,25% 13,75% 13,5% 13,25% 12,75% 13,00% 12,75% 12,50% 12,00% 12,25% 11,75% 12,5% 11,25% 11,00% 10,50% 11,25% 11,5% abr-08 ago-08 dez-08 abr-09 ago-09 dez-09 abr-10 ago-10 dez-10 abr-11 ago-11 dez-11 abr-12 ago-12 dez-12 abr-13 ago-13 dez-13 abr-14 ago-14 dez-14 abr-15 ago-15 dez-15 META DA TAXA SELIC Cenário básico

Leia mais

COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO

COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO 11/09/12 11/10/12 11/11/12 11/12/12 11/01/13 11/02/13 11/03/13 11/04/13 11/05/13 11/06/13 11/07/13 11/08/13 11/09/13 11/10/13 11/11/13 11/12/13 11/01/14 11/02/14 11/03/14

Leia mais

META DA TAXA SELIC 14,5% 13,75% 14,25% 13,75% 13,5% 13,25% 12,75% 13,00% 12,75% 12,50% 12,00% 12,25% 11,75% 12,5% 11,25% 11,00% 10,50% 11,25% 11,25%

META DA TAXA SELIC 14,5% 13,75% 14,25% 13,75% 13,5% 13,25% 12,75% 13,00% 12,75% 12,50% 12,00% 12,25% 11,75% 12,5% 11,25% 11,00% 10,50% 11,25% 11,25% mar-08 jul-08 nov-08 mar-09 jul-09 nov-09 mar-10 jul-10 nov-10 mar-11 jul-11 nov-11 mar-12 jul-12 nov-12 mar-13 jul-13 nov-13 mar-14 jul-14 nov-14 mar-15 jul-15 nov-15 META DA TAXA SELIC Cenário básico

Leia mais

Membros da MIGA. Agência Multilateral de Garantia de Investimentos. Data de afiliação

Membros da MIGA. Agência Multilateral de Garantia de Investimentos. Data de afiliação Membros da MIGA Agência Multilateral de Garantia de Investimentos Membro Data de afiliação África do Sul 10 de março de 1994 Albânia 15 de outubro de 1991 Alemanha 12 de abril de 1988 Angola 19 de setembro

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Econômica GLOBAL ENTREPRENEURSHIP MONITOR (GEM) Antonio Everton Junior Economista

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Econômica GLOBAL ENTREPRENEURSHIP MONITOR (GEM) Antonio Everton Junior Economista TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Econômica GLOBAL ENTREPRENEURSHIP MONITOR (GEM) 2010 Antonio Everton Junior Economista Um trabalho espetacular. Assim pode ser julgado o relatório que o Global Entrepreneurship

Leia mais

A necessidade de uma Lei de Responsabilidade Educacional

A necessidade de uma Lei de Responsabilidade Educacional A necessidade de uma Lei de Responsabilidade Educacional 1 Um diagnóstico da educação pública no Brasil 2 Um diagnóstico da educação pública no Brasil Avanços inquestionáveis: 1. Ampliação da oferta de

Leia mais

Estatística e Probabilidades

Estatística e Probabilidades Estatística e Probabilidades Nesse resumo vamos mostrar como a análise crítica de séries estatísticas podem contribuir para uma compreensão mais precisa da realidade. Todos os dias ouvimos falar sobre

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ÍNDICE FEVEREIRO 2015 FRANCA Página População...... 2 Piso salarial do sapateiro... 2 Número de funcionários na indústria de calçados...... 2 Admissões e demissões do

Leia mais

Tabelas Anexas Capítulo 1

Tabelas Anexas Capítulo 1 Tabelas Anexas Capítulo 1 Tabela anexa 1.1 População, segundo grandes regiões Brasil e Estado de São Paulo 1980-2007 1-3 Tabela anexa 1.2 Analfabetos e total de pessoas na população de 15 anos ou mais,

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ÍNDICE AGOSTO 2012 FRANCA 01) População 02) Piso salarial do sapateiro 03) Número de funcionários na indústria de calçados 04) Admissões e demissões do setor calçadista

Leia mais

Portas Automáticas. Resistentes ao Fogo

Portas Automáticas. Resistentes ao Fogo Portas Automáticas Resistentes ao Fogo 1 Criada em 1966, a Manusa é uma empresa líder no mercado das portas automáticas graças ao desenvolvimento de uma tecnologia própria e a uma equipa de profissionais

Leia mais

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL Março/2014 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Mundial 05. População

Leia mais

mensário estatístico - exportação Janeiro 2011 CAFÉ EM GRÃOS

mensário estatístico - exportação Janeiro 2011 CAFÉ EM GRÃOS mensário estatístico - CAFÉ EM GRÃOS CONDIÇÕES Este relatório foi preparado pela Linus Galena Consultoria Econômica exclusivamente para uso de seus clientes e não poderá ser circulado, reproduzido, distribuído

Leia mais

A FORMAÇÃO DOS BLOCOS ECONÔMICOS

A FORMAÇÃO DOS BLOCOS ECONÔMICOS A FORMAÇÃO DOS BLOCOS ECONÔMICOS PROF. DE GEOGRAFIA: BIANCA 1º TRIM - GEOGRAFIA 2016 INTRODUÇÃO Para a formação dos blocos econômicos, os países firmam acordos comerciais, estabelecendo medidas que visam

Leia mais

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Tratados de Dupla Tributação Documento disponível em: www.ibc-madeira.com Convenções Celebradas por Portugal para Evitar a Dupla Tributação Europa

Leia mais

AVANÇOS EM TECNOLOGIA: - Investimentos crescentes em P&D - Aumento da capacidade não-letal e maior precisão das armas - Custos crescentes dos equipamentos - Automação e robotização - Atuação em rede x

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 23/09/11 21/10/11 18/11/11 16/12/11 13/01/12 10/02/12 09/03/12 06/04/12 04/05/12 01/06/12 29/06/12 27/07/12 24/08/12 21/09/12 19/10/12 16/11/12 14/12/12

Leia mais

MPE INDICADORES Pequenos Negócios

MPE INDICADORES Pequenos Negócios MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil Categorias de pequenos negócios no Brasil MPE Indicadores MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Receita bruta anual de até R$ 60 mil MICROEMPRESA Receita bruta

Leia mais

2015 ÍNDICE DE PROGRESSO SOCIAL

2015 ÍNDICE DE PROGRESSO SOCIAL 2015 ÍNDICE DE PROGRESSO SOCIAL O QUE É O ÍNDICE DE PROGRESSO SOCIAL? Substituir pela versão em português 2 POR QUE USAR O ÍNDICE DE PROGRESSO SOCIAL? Substituir pela versão em português 3 DEFINIÇÃO DE

Leia mais

Embaixadas do Brasil no Mundo - Alemanha

Embaixadas do Brasil no Mundo - Alemanha 1. edestinos.com.br 2. Dicas de viagem Última atualização: 30.09.2016 Passagens aéreas Bagagem Check-in e serviço de bordo Como reservar passagens aéreas Saúde durante a viagem FAQ Passageiras grávidas

Leia mais

Estrutura Demográfica e Despesa com Previdência: Comparação do Brasil com o Cenário Internacional

Estrutura Demográfica e Despesa com Previdência: Comparação do Brasil com o Cenário Internacional temas de economia aplicada 11 Estrutura Demográfica e Despesa com Previdência: Comparação do Brasil com o Cenário Internacional Rogério Nagamine Costanzi (*) Trata-se de fato amplamente conhecido que existe

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 14/06/11 12/07/11 09/08/11 06/09/11 04/10/11 01/11/11 29/11/11 27/12/11 24/01/12 21/02/12 20/03/12 17/04/12 15/05/12 12/06/12 10/07/12 07/08/12 04/09/12

Leia mais

NOMES DE PAÌSES EM PORTUGUÊS. Lista da ONU

NOMES DE PAÌSES EM PORTUGUÊS. Lista da ONU NOMES DE PAÌSES EM PORTUGUÊS Lista da ONU Países-membros das Nações Unidas Segue-se a lista dos 192 países-membros das Nações Unidas, de acordo com a ordem alfabética de seus nomes em português, com as

Leia mais

PLC 116/10. Eduardo Levy

PLC 116/10. Eduardo Levy PLC 116/10 Senado Federal Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania Comissão de Assuntos Econômicos Comissão de Educação, Cultura

Leia mais

Educação e competitividade no mundo do trabalho: desafios e oportunidades

Educação e competitividade no mundo do trabalho: desafios e oportunidades Educação e competitividade no mundo do trabalho: desafios e oportunidades 7ª Economia 79º IDH 57º Competitividade 61º Inovação 35º Educação 12 indicadores Ranking de Competitividade Global Requisitos

Leia mais

POLIONU LISTA DE PAÍSES

POLIONU LISTA DE PAÍSES AGH Bolívia 2 Brasil 2 Chile 2 China 2 Colômbia 2 Cuba 2 Equador 2 Espanha 2 Estados Unidos da América 2 França 2 Honduras 2 Israel 2 Itália 2 México 2 Nigéria 2 Panamá 2 Peru 2 Reino Unido 2 Senegal 2

Leia mais

PERIGOS DA PERCEPÇÃO 2015 ESTUDO REALIZADO EM 33 PAÍSES

PERIGOS DA PERCEPÇÃO 2015 ESTUDO REALIZADO EM 33 PAÍSES PERIGOS DA PERCEPÇÃO 2015 ESTUDO REALIZADO EM 33 PAÍSES 1 Estas são as recentes descobertas da Ipsos com a pesquisa Perigos da Percepção. Os resultados destacam o quão equivocado o público de 33 países

Leia mais

ISSN Versão Eletrônica Outubro, Documentos. ANUÁRIO ESTATÍSTICO - AVICULTURA Central de Inteligencia da Embrapa Suínos e Aves

ISSN Versão Eletrônica Outubro, Documentos. ANUÁRIO ESTATÍSTICO - AVICULTURA Central de Inteligencia da Embrapa Suínos e Aves ISSN 0101-6245 Versão Eletrônica Outubro, 2011 Documentos 147 ANUÁRIO ESTATÍSTICO - AVICULTURA Central de Inteligencia da Embrapa Suínos e Aves ISSN 0101-6245 Versão Eletrônica Outubro, 2011 Empresa Brasileira

Leia mais

ANEXO B. DADOS MUNDIAIS DE ENERGIA

ANEXO B. DADOS MUNDIAIS DE ENERGIA ANEXO B. DADOS MUNDIAIS DE ENERGIA 1. OFERTA MUNDIAL DE ENERGIA GRÁFICO B.1: OFERTA MUNDIAL DE ENERGIA POR FONTE GRÁFICO B.2: OFERTA MUNDIAL DE ENERGIA POR REGIÃO (*) (*) Excluindo bunkers marítimos internacionais

Leia mais

JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS, MOEDAS E COMMODITIES

JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS, MOEDAS E COMMODITIES JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS, MOEDAS E COMMODITIES JUROS TAXA DE JUROS DO TÍTULO DE 10 ANOS DO TESOURO AMERICANO 2006-2013. Fonte: Bloomberg ESTADOS UNIDOS: TAXAS DE JUROS DE 10 ANOS (% a.a.) 03/04/14

Leia mais

DADOS DAS EXPORTAÇÕES DE MEL

DADOS DAS EXPORTAÇÕES DE MEL DADOS DAS EXPORTAÇÕES DE MEL EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DE MEL 2009 a 2014 (NCM 04.09.00.00) ANO 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Meses US$ KG Valor Kg US$ KG Valor Kg US$ KG Valor Kg US$ KG Valor Kg US$ KG Valor

Leia mais

A pesquisa foi realizada em 65 países. Foram entrevistas, representando mais de 75% da população adulta global.

A pesquisa foi realizada em 65 países. Foram entrevistas, representando mais de 75% da população adulta global. A WIN é uma associação que reúne as maiores empresas independentes de Pesquisa de Mercado do mundo. É uma plataforma global para intercâmbio de negócios internacionais entre mais de 70 países, presentes

Leia mais

Es t i m a t i v a s

Es t i m a t i v a s Brasileiros no Mundo Es t i m a t i v a s Ministério das Relações Exteriores - MRE Subsecretaria Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior - SGEB Departamento Consular e de Brasileiros no Exterior

Leia mais

Modernização na Secretaria de Estado das Comunidades Portuguesas

Modernização na Secretaria de Estado das Comunidades Portuguesas Administração Pública e Saúde Modernização na Secretaria de Estado das Comunidades Ministério dos Negócios Estrangeiros Os casos de estudo Consulado Virtual e Sistema de Localização de Portugueses como

Leia mais

JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS, MOEDAS E COMMODITIES

JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS, MOEDAS E COMMODITIES JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS, MOEDAS E COMMODITIES JUROS 21/02/14 14/03/14 04/04/14 25/04/14 16/05/14 06/06/14 27/06/14 18/07/14 08/08/14 29/08/14 19/09/14 10/10/14 31/10/14 21/11/14 12/12/14 02/01/15

Leia mais

A INDÚSTRIA GLOBAL DOS FUNDOS DE PENSÃO. Marc Saluzzi

A INDÚSTRIA GLOBAL DOS FUNDOS DE PENSÃO. Marc Saluzzi A INDÚSTRIA GLOBAL DOS FUNDOS DE PENSÃO Marc Saluzzi AGENDA Alocação de ativos de fundos de pensão Os investimentos estrangeiros e sua lógica Como investir no exterior A ALOCAÇÃO DE ATIVOS DE FUNDOS DE

Leia mais

Programa de Desenvolvimento de Lideranças do Sistema Sebrae. Pio Cortizo Unidade de Gestão Estratégica Sebrae Nacional Milão, 15 de julho de 2013

Programa de Desenvolvimento de Lideranças do Sistema Sebrae. Pio Cortizo Unidade de Gestão Estratégica Sebrae Nacional Milão, 15 de julho de 2013 Programa de Desenvolvimento de Lideranças do Sistema Sebrae SEBRAE 2022 Pio Cortizo Unidade de Gestão Estratégica Sebrae Nacional Milão, 15 de julho de 2013 Programa de Desenvolvimento de Lideranças do

Leia mais

Mais informações com Ana Luiza Fleck Saibro Fone

Mais informações com Ana Luiza Fleck Saibro Fone Rua Francisco Leitão 339 cj 122 05414-025 São Paulo SP Brasil Tel: 55 11 30623436 e-mail: tbrasil@transparencia.org.br www.transparência.org.br Presidente: Eduardo Ribeiro Capobianco Vice-presidente: Neissan

Leia mais

AMEAÇAS E OPORTUNIDADES PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

AMEAÇAS E OPORTUNIDADES PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO AMEAÇAS E OPORTUNIDADES PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Junho/2008 Três Pontas/MG Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento DIMENSÃO DEMOGRÁFICO DIMENSÃO SOCIOECONÔMICA DIMENSÃO SEGURANÇA

Leia mais

Relatório Mundial de Saúde 2006

Relatório Mundial de Saúde 2006 170 Relatório Mundial de Saúde 2006 Anexo Tabela 1 Indicadores básicos para todos os Estados-Membros Números computados pela OMS para assegurar comparabilidade a ; não são necessariamente estatísticas

Leia mais

CIP sensores Clean in place. Segurança alimentar com máxima eficiência.

CIP sensores Clean in place. Segurança alimentar com máxima eficiência. CIP sensores Clean in place Segurança alimentar com máxima eficiência. Panorama de vantagens. Reduzir os custos operacionais de CIP Utilização eficiente de recursos e materiais Maior produtividade Segurança

Leia mais

TABELA DE FRETES MÉDIO PRATICADOS PARA ANGOLA REFERENTE AO MÊS DE JANEIRO Moeda: USD

TABELA DE FRETES MÉDIO PRATICADOS PARA ANGOLA REFERENTE AO MÊS DE JANEIRO Moeda: USD REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES BOLSA NACIONAL DE FRETE Sede: Palácio de Vidro, 5º andar; CX Postal 2223; Telefone +(244) 222-311339/40/41; Fax 222-310555- Luanda, Angola. TABELA DE FRETES

Leia mais

AVISO DO PRODUTO Aviso sobre um possível problema com o produto

AVISO DO PRODUTO Aviso sobre um possível problema com o produto Grupo de segurança de produto 1201 South Second Street Milwaukee, WI EUA 53204 productsafety@ra.rockwell.com AVISO DO PRODUTO Aviso sobre um possível problema com o produto Cód. cat. 20A, inversor CA PowerFlex

Leia mais

Reunião do Fórum de Debates sobre Políticas de Emprego, Trabalho e Renda e de Previdência Social. Brasília, 17 de Fevereiro de 2016

Reunião do Fórum de Debates sobre Políticas de Emprego, Trabalho e Renda e de Previdência Social. Brasília, 17 de Fevereiro de 2016 Reunião do Fórum de Debates sobre Políticas de Emprego, Trabalho e Renda e de Previdência Social Brasília, 17 de Fevereiro de 2016 1 A taxa de fecundidade caiu 57,7% entre 1980 e 2015, passando de 4,1

Leia mais

O quadro estanque de referência

O quadro estanque de referência PASSION FOR POWER. O quadro estanque de referência Quadros de distribuição eléctrica KV de 3 a 54 módulos Descrição Geral da Gama Quadros estanques KV Os quadros de distribuição eléctrica do tipo KV são

Leia mais

Uma visão geral do processo de reforma da previdência. Manoel Pires SPE/MF

Uma visão geral do processo de reforma da previdência. Manoel Pires SPE/MF Uma visão geral do processo de reforma da previdência Manoel Pires SPE/MF 1 Estrutura Temas em debate no Fórum da Previdência Impactos Econômicos do realinhamento da política previdenciária 2 Temas do

Leia mais

Uma visão geral do processo de reforma da previdência. Manoel Pires SPE/MF

Uma visão geral do processo de reforma da previdência. Manoel Pires SPE/MF Uma visão geral do processo de reforma da previdência Manoel Pires SPE/MF 1 Estrutura Temas em debate no Fórum da Previdência Impactos Econômicos do realinhamento da política previdenciária 2 Temas do

Leia mais

QUALIDADE DAS INSTITUIÇÕES E CRESCIMENTO ECONÔMICO

QUALIDADE DAS INSTITUIÇÕES E CRESCIMENTO ECONÔMICO QUALIDADE DAS INSTITUIÇÕES E CRESCIMENTO ECONÔMICO Adolfo Sachsida* 1 INTRODUÇÃO O objetivo deste artigo é mostrar a importância da qualidade das instituições sobre o desenvolvimento e o crescimento econômico.

Leia mais

MADEIRA 2016 O Brasil e as negociações internacionais de comércio. Camila Sande Especialista em Negociações CNA

MADEIRA 2016 O Brasil e as negociações internacionais de comércio. Camila Sande Especialista em Negociações CNA MADEIRA 2016 O Brasil e as negociações internacionais de comércio Camila Sande Especialista em Negociações CNA 16 de junho de 2016 Agronegócio consumo doméstico e exportação Exportação Consumo Doméstico

Leia mais

REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO JOÃO CRUZ REIS FILHO SECRETÁRIO DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Brasília/DF JULHO DE 2015 22 CENÁRIO POPULACIONAL

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 07/12/2016) Legenda

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 07/12/2016) Legenda Ministério das Relações Exteriores Subsecretaria-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior Departamento de Imigração e Assuntos Jurídicos Divisão de Imigração Quadro Geral de Regime de Vistos para

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 08/04/2016) Legenda

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 08/04/2016) Legenda Ministério das Relações Exteriores Subsecretaria-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior Departamento de Imigração e Assuntos Jurídicos Divisão de Imigração Quadro Geral de Regime de Vistos para

Leia mais

4. Líderes em Sustentabilidade 2017

4. Líderes em Sustentabilidade 2017 . Líderes em Sustentabilidade 207 The Sustainability Yearbook 207 RobecoSAM 33 Anualmente, mais de 3.00 das maiores empresas do mundo são convidadas a participar da Avaliação de Sustentabilidade Corporativa

Leia mais

A D U P L A T R I B U T A Ç Ã O I N T E R N A C I O N A L E M P O R T U G A L - A C T U A L I Z A Ç Ã O ( J A N E I R O D E )

A D U P L A T R I B U T A Ç Ã O I N T E R N A C I O N A L E M P O R T U G A L - A C T U A L I Z A Ç Ã O ( J A N E I R O D E ) i N º 7 / 1 5 A D U P L A T R I B U T A Ç Ã O I N T E R N A C I O N A L E M P O R T U G A L - A C T U A L I Z A Ç Ã O ( J A N E I R O D E 2 0 1 5 ) Em 12 de Janeiro de 2015 foi publicado o Decreto do Presidente

Leia mais

Detalhamento do Plano

Detalhamento do Plano Plano Básico de Serviço Local A. Empresa: BLUE TELECOMUNICAÇÕES B. Nome do Plano: Plano Básico de Serviço Local BLUE C. Identificação para a Anatel: Plano Básico de Serviço Local BLUE 01/2015 D. Modalidade

Leia mais

Perspectivas para 2012

Perspectivas para 2012 Abiplast Perspectivas para 2012 Antonio Delfim Netto 2 de Dezembro de 2011 São Paulo, SP 1 I.Mundo: Década de 80 e 2010 (% do PIB) 30% 23% 31% 24% 37% 22% 3,7% 3,3% 8% 7% 4,2% 4,0% 1,5% 1,2% Fonte: FMI,

Leia mais

ALGODÃO TENDÊNCIAS PARA O MERCADO

ALGODÃO TENDÊNCIAS PARA O MERCADO ALGODÃO TENDÊNCIAS PARA O MERCADO Analista de Mercado Élcio A. Bento elcio@safras.com.br ALGODÃO CIF SÃO PAULO R$/@ Preço Mínimo R$ 44,6/@ ALGODÃO CIF SÃO PAULO R$/2 Jul A FORMAÇÃO DE PREÇOS NO MERCADO

Leia mais

Ciclo do Projeto MDL Validação

Ciclo do Projeto MDL Validação Brasil e o MDL MDL Baseado na proposta brasileira de 1997 de estabelecimento de um Fundo de Desenvolvimento Limpo, adotada pelo G77 e China e, modificada como mecanismo, adotada em Quioto Brasil foi o

Leia mais

Idade média das mulheres ao nascimento dos filhos e envelhecimento da população feminina em idade fértil,

Idade média das mulheres ao nascimento dos filhos e envelhecimento da população feminina em idade fértil, «Idade média das mulheres ao nascimento dos filhos e envelhecimento da população feminina em idade fértil, Departamento de Estatísticas Demográficas e Sociais Serviço de Estatísticas Demográficas 07/10/2016

Leia mais

Conheça as embaixadas estrangeiras com representações no Brasil:

Conheça as embaixadas estrangeiras com representações no Brasil: Conheça as embaixadas estrangeiras com representações no Brasil: ÁFRICA DO SUL www.africadosulemb.org.br SES - Av. das Nações, quadra 801, lote 6 CEP: 70406-900 Brasília DF Telefone(s): (061) 312-9500

Leia mais

Brasil está quase na lanterna do ranking mundial de crescimento do PIB País ocupa a 31ª posição da lista de 34 nações, que é liderada pela China

Brasil está quase na lanterna do ranking mundial de crescimento do PIB País ocupa a 31ª posição da lista de 34 nações, que é liderada pela China Brasil está quase na lanterna do ranking mundial de crescimento do PIB País ocupa a 31ª posição da lista de 34 nações, que é liderada pela China Matéria publicada em 29 de Novembro de 2014 SÃO PAULO -

Leia mais

mensário estatístico - exportação Fevereiro 2011 ALCOOL ETILICO

mensário estatístico - exportação Fevereiro 2011 ALCOOL ETILICO mensário estatístico - ALCOOL ETILICO CONDIÇÕES Este relatório foi preparado pela Linus Galena Consultoria Econômica exclusivamente para uso de seus clientes e não poderá ser circulado, reproduzido, distribuído

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA. O CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA, no uso das

CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA. O CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA, no uso das Resolução nº 1.818, de 19 de setembro de 2009. Altera o valor das diárias definidos pela Resolução nº 1.745, de 26 de janeiro de 2005, e dispõe sobre demais assuntos. O CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA, no

Leia mais

O ESTADO DE SÃO PAULO

O ESTADO DE SÃO PAULO O ESTADO DE SÃO PAULO Ator fundamental na recuperação da economia brasileira Primeiro estado em população e economia Crise econômica: São Paulo sofre as maiores perdas de postos de trabalho em termos absolutos

Leia mais

Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa

Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa Publicação anual Outubro 2016 Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa Comunidade em gráficos Área terrestre Milhares de km 2 População Milhões de habitantes, PIB EUR, mil milhões, preços

Leia mais

Módulo de Saída CC (Cód. Cat OB)

Módulo de Saída CC (Cód. Cat OB) Informações do Produto Considerações de Pré-instalação O 1771-OB pode controlar os seguintes dispositivos de saída: acionadores de motor CC indicadores solenóides Alimentação Requerida O circuito lógico

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Brasil Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Brasil Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Brasil Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Atualmente, no Brasil, há pelo menos três definições utilizadas para limitar o que

Leia mais

Crescimento do empreendedorismo no Brasil.

Crescimento do empreendedorismo no Brasil. Professora Cíntia Crescimento do empreendedorismo no Brasil. Professora Cíntia 1 Conceito Empreendedorismo é o estudo voltado para o desenvolvimento de competências e habilidades relacionadas à criação

Leia mais

Voltagens e Configurações de Tomadas

Voltagens e Configurações de Tomadas Afeganistão C, D, F 240 V África Central C, E 220 V África do Sul C, M, 230 V Albânia C, F, L 230 V Alemanha C, F 230 V American Samoa A, B, F, I 120 V Andorra C, F 230 V Angola C 220 V Anguilla A, B 110

Leia mais

Preçário. REALTRANSFER Instituição de Pagamento, S.A. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 02-mar-2016

Preçário. REALTRANSFER Instituição de Pagamento, S.A. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 02-mar-2016 Preçário REALTRANSFER Instituição de Pagamento, S.A. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de O Preçário completo da REALTRANSFER, Instituição de Pagamento, S.A., contém o Folheto de Comissões

Leia mais

Cozinhar: atitudes e tempo dedicado à tarefa

Cozinhar: atitudes e tempo dedicado à tarefa Cozinhar: atitudes e tempo dedicado à tarefa Pesquisa global GfK março 2015 1 Pesquisa global GfK: Cozinhar: atitudes e tempo dedicado à tarefa 1. Metodologia 2. Resultado global 3. Resultado do Brasil

Leia mais

PORTUGAL UMA NOVA CENTRALIDADE LOGÍSTICA. Dia Regional Norte do Engenheiro 2012

PORTUGAL UMA NOVA CENTRALIDADE LOGÍSTICA. Dia Regional Norte do Engenheiro 2012 Dia Regional Norte do Engenheiro 2012 Bragança, 29 de setembro de 2012 José António de Barros Presidente de AEP 1 Gráfico I 2 Tabela I 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Exportações Globais (Bens e Serviços),

Leia mais

Estado e políticas sociais na América Latina. Aula 8 Política social em situações de fragilidade econômica e estatal. Prof.

Estado e políticas sociais na América Latina. Aula 8 Política social em situações de fragilidade econômica e estatal. Prof. Estado e políticas sociais na América Latina Aula 8 Política social em situações de fragilidade econômica e estatal Prof.: Rodrigo Cantu Crise do Estado de Bem-Estar nos países ricos? Manutenção (ou aumento)

Leia mais

Animais de estimação. Pesquisa global GfK. Maio 2016 GfK 2016 Animais de estimação

Animais de estimação. Pesquisa global GfK. Maio 2016 GfK 2016 Animais de estimação Animais de estimação Pesquisa global GfK Maio 2016 1 Pesquisa global GfK: Animais de estimação 1 Metodologia 2 3 Resultado global Resultado do Brasil 2 Metodologia 3 Abrangência, metodologia e amostra

Leia mais

Valores ambientais e compra ética

Valores ambientais e compra ética Valores ambientais e compra ética Pesquisa global GfK Abril 2015 1 Pesquisa global GfK: Valores ambientais e compra ética 1. Metodologia 2. Resultado global 3. Resultado do Brasil 2 Metodologia 3 Abrangência,

Leia mais

Divisão do InterManagement Group focada na prestação de Serviços EB-5 para investidores (imigrantes), empresas e empreendedores (estrangeiros ou

Divisão do InterManagement Group focada na prestação de Serviços EB-5 para investidores (imigrantes), empresas e empreendedores (estrangeiros ou Experts em EB-5 Divisão do InterManagement Group focada na prestação de Serviços EB-5 para investidores (imigrantes), empresas e empreendedores (estrangeiros ou americanos) Especializada no desenvolvimento

Leia mais

Análise econômica e suporte para as decisões empresariais

Análise econômica e suporte para as decisões empresariais Cenário Moveleiro Análise econômica e suporte para as decisões empresariais Número 08/2007 Cenário Moveleiro Número 08/2007 1 Cenário Moveleiro Análise econômica e suporte para as decisões empresariais

Leia mais

Brasil e o MDL. Situação Atual do MDL no Brasil e no Mundo. Britcham. São Paulo 30 de setembro de 2008

Brasil e o MDL. Situação Atual do MDL no Brasil e no Mundo. Britcham. São Paulo 30 de setembro de 2008 Brasil e o MDL Situação Atual do MDL no Brasil e no Mundo Britcham São Paulo 30 de setembro de 2008 Gustavo Mozzer Ministério da Ciência e Tecnologia Assessor Técnico da Secretária Executiva da Comissão

Leia mais

Apoio à Participação em Eventos para Discentes

Apoio à Participação em Eventos para Discentes Apoio à Participação em Eventos para Discentes O PPGEdu/UFRGS oferece aos estudantes regularmente matriculados nos Cursos de Mestrado e Doutorado do Programa e vinculados a projeto de pesquisa em desenvolvimento,

Leia mais

PERIGOS DA PERCEPÇÃO PERILS OF PERCEPTION ESTUDO REALIZADO EM 40 PAÍSES PERILS OF PERCEPTION

PERIGOS DA PERCEPÇÃO PERILS OF PERCEPTION ESTUDO REALIZADO EM 40 PAÍSES PERILS OF PERCEPTION PERIGOS DA PERCEPÇÃO 2016 PERILS OF PERCEPTION ESTUDO REALIZADO EM 40 PAÍSES PERILS OF PERCEPTION 2016 1 ESTES SÃO OS RESULTADOS DA NOVA EDIÇÃO DA PESQUISA PERIGOS DA PERCEPÇÃO DA IPSOS. OS RESULTADOS

Leia mais

o BRASIL E O COMÉRCIO MUNDIAL DE CARNE BOVINA INTRODUÇÃ

o BRASIL E O COMÉRCIO MUNDIAL DE CARNE BOVINA INTRODUÇÃ - o BRASIL E O COMÉRCIO MUNDIAL DE CARNE BOVINA Oscar Tupy1 INTRODUÇÃ O Este trabalho tem por objetivo mostrar de forma compacta as tendências mundiais de consumo, produção e comércio de carne bovina.

Leia mais

OPORTUNIDADES PARA INOVAÇÃO NO BRASIL

OPORTUNIDADES PARA INOVAÇÃO NO BRASIL OPORTUNIDADES PARA INOVAÇÃO NO BRASIL Alvaro T. Prata Universidade Federal de Santa Catarina CONFERÊNCIA DE ABERTURA Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação para Agricultura: Academia e Indústria Florianópolis,

Leia mais

Brasil FedEx International Priority. FedEx International Economy 3

Brasil FedEx International Priority. FedEx International Economy 3 SERVIÇOS E TARIFAS Soluções FedEx para o seu negócio Caso você tenha necessidade de enviar documentos urgentes, economizar em remessas regulares ou enviar cargas pesadas, a FedEx tem uma solução de transporte

Leia mais

AVISO DO PRODUTO. Anomalia na pré-carga de inversores CA PowerFlex 753 e 755

AVISO DO PRODUTO. Anomalia na pré-carga de inversores CA PowerFlex 753 e 755 Product Safety Group 1201 South Second Street Milwaukee, WI EUA 53204 productsafety@ra.rockwell.com AVISO DO PRODUTO Aviso sobre possível problema com o produto A Rockwell Automation emite um Aviso do

Leia mais

Exportações de Carnes agronegócio Janeiro a Dezembro de Exportações de carnes BRASIL

Exportações de Carnes agronegócio Janeiro a Dezembro de Exportações de carnes BRASIL Exportações de Carnes agronegócio Janeiro a Dezembro de 2014 1. Exportações de carnes BRASIL Ao longo dos últimos dez anos as exportações de carne no Brasil aumentaram. Para a carne de frango o aumento

Leia mais

Calendarização, por países, da obrigatoriedade da formação contínua para obtenção do CAM/CQM (prazos limite para frequência do primeiro curso)

Calendarização, por países, da obrigatoriedade da formação contínua para obtenção do CAM/CQM (prazos limite para frequência do primeiro curso) Calendarização, por países, da obrigatoriedade da formação contínua para obtenção do CAM/CQM (prazos limite para frequência do primeiro curso) Áustria Bélgica Carta de condução da categoria D: 2015 Carta

Leia mais

Anuário Estatístico do Turismo de Bonito

Anuário Estatístico do Turismo de Bonito Anuário Estatístico do Turismo de Bonito Ano Base - 2016 Realização: Apoio: ANUÁRIO ESTATÍSTICO DO TURISMO DE BONITO ANO BASE 2016 O Anuário Estatístico do Turismo é a compilação dos dados coletados pelo

Leia mais

Câmara de Comércio e Indústria Árabe- Portuguesa

Câmara de Comércio e Indústria Árabe- Portuguesa Câmara de Comércio e Indústria Árabe- Portuguesa Empresa Portuguesa Criamos Fabricamos Exportamos História Inicio de atividade em 2012; Foco no mercado privado; Internacionalização 2015; Plano de fabrico/exportação

Leia mais

Níveis de Desenvolvimento Global (Extremos da Distribuição dos Países - 10/10)

Níveis de Desenvolvimento Global (Extremos da Distribuição dos Países - 10/10) Níveis de Desenvolvimento Global (Extremos da Distribuição dos Países - 10/10) IDH País Pontuação Esperança de vida (anos) Média de anos de Anos de esperados RNBpc PPC em USD 2008 Posição no RNBpc menos

Leia mais

IGF: ENTRE JUSTIÇA E EFICIÊNCIA. CHARLES WILLIAM McNAUGHTON

IGF: ENTRE JUSTIÇA E EFICIÊNCIA. CHARLES WILLIAM McNAUGHTON IGF: ENTRE JUSTIÇA E EFICIÊNCIA CHARLES WILLIAM McNAUGHTON IGF E PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS PRINCÍPIO DA ISONOMIA X PRINCÍPIO DA EFICIÊNCIA IGUALDADE Justiça Social Art. 3º Constituem objetivos fundamentais

Leia mais

IX-5 Lista de Consulado Geral e Embaixadas em Kansai

IX-5 Lista de Consulado Geral e Embaixadas em Kansai IX-5 Lista de Consulado Geral e s em Kansai 1. Consulado Geral, e consulado em Kansai Consulado Geral Endereço Telefone Australia Ed. Twin 21 MID Tower 16º andar, 06-6941-9271 Consulado Geral da Austrália

Leia mais

AVISO DO PRODUTO. Inversores CA PowerFlex 753 e 755 Anomalia de sobreposição de parâmetro com seu padrão

AVISO DO PRODUTO. Inversores CA PowerFlex 753 e 755 Anomalia de sobreposição de parâmetro com seu padrão Product Safety Group 1201 South Second Street Milwaukee, WI EUA 53204 productsafety@ra.rockwell.com AVISO DO PRODUTO Aviso sobre possível problema com o produto A Rockwell Automation emite um Aviso do

Leia mais

Tarifário 2016 Em vigor a partir de 5/9/2016

Tarifário 2016 Em vigor a partir de 5/9/2016 Uzo Original Destino Preço por Minuto/SMS/MMS Voz Todas as redes nacionais 0,193 Voz (tarifa reduzida) Todas as redes nacionais 0,145 SMS Todas as redes nacionais 0,098 SMS (tarifa reduzida) Todas as redes

Leia mais

AVISO DE SEGURANÇA DO PRODUTO Aviso sobre possível condição insegura. Chaves de acionamento por cabo GuardMaster Lifeline 4

AVISO DE SEGURANÇA DO PRODUTO Aviso sobre possível condição insegura. Chaves de acionamento por cabo GuardMaster Lifeline 4 Product Safety Group 1201 South Second Street Milwaukee, WI EUA 53204 productsafety@ra.rockwell.com AVISO DE SEGURANÇA DO PRODUTO Aviso sobre possível condição insegura Referência: 2010-05-001 Revisão:

Leia mais

IMOPLATAFORMA. Introdução

IMOPLATAFORMA. Introdução Introdução A Imoplataforma é uma ferramenta totalmente online onde pode gerir a sua carteira de imóveis e maximizar o investimento feito no Imovirtual. Não tem qualquer custo acrescido e permitelhe usufruir

Leia mais

Relatório sobre o Desenvolvimento Humano 2002

Relatório sobre o Desenvolvimento Humano 2002 a Página da Educação www.apagina.pt Relatório sobre o Desenvolvimento Humano 2002 O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) acaba de publicar o seu Relatório sobre o Desenvolvimento Humano

Leia mais

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO 1 PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) 1984-2014 2 2 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO DESAFIOS DA ECONOMIA BRASILEIRA: DEMOGRAFIA, MERCADO DE TRABALHO E AMBIENTE EXTERNO 3 3 O BAIXO DESEMPREGO NO

Leia mais