Visualização Integrada de Múltiplas Métricas de Redes Sociais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Visualização Integrada de Múltiplas Métricas de Redes Sociais"

Transcrição

1 Visualização Integrada de Múltiplas Métricas de Redes Sociais Samuel F. de Sousa Junior, Cleidson R. B. de Souza Instituto de Informática Universidade Federal do Pará (UFPa) Belém PA Brasil Abstract. This paper describes a multiple social network metric visualization tool based on StarPlot visualization. The tool, called Sargas, displays multiple social network metrics at the same time allowing a multi-relational analysis of multiple social networks. Each social network can be analyzed according to a specific metric and the comparison between different social networks is possible through score normalization using the statistical method z-score. Thus, it is possible to compare social network actors behavior through the visualizations provided by Sargas. Resumo. Este artigo descreve uma ferramenta de visualização de múltiplas redes sociais baseada na visualização StarPlot. A ferramenta Sargas permite a visualização de múltiplas métricas de redes sociais, onde cada rede social pode ser analisada de acordo com uma métrica específica e a comparação entre as diferentes redes é feita através da normalização dos valores utilizando o método estatístico Z-score. Desta forma, é possível comparar o comportamento de atores de redes sociais através da visualização proposta por Sargas. 1. Introdução Redes sociais podem ser representadas de diversas maneiras. Por exemplo, a representação matricial (sociomatrix) é comumente utilizada para cálculos em uma rede social, i.e., a análise da rede social. Desta forma, operações com matrizes podem ser usadas para estudar caminhos e a alcançabilidade de nodos (em inglês, reachability) [Wasserman e Faust 1997]. Uma outra representação das redes sociais é baseada em grafos, neste caso visando a visualização de redes sociais. De fato, existem diversos frameworks e ferramentas para a visualização de redes sociais (e grafos) como o JUNG (2008), o Prefuse (2008) e a ferramenta UCINet (2008). De uma maneira geral, a análise de redes sociais (SNA) é feita com base em métricas calculadas a partir da rede. Estas métricas podem ser calculadas tanto para a rede como um todo, quanto para cada um dos atores da rede. Um exemplo de métrica é a centralidade de um ator que pode ser entendida como a posição de um ator em relação aos outros atores na rede. Calcular a centralidade, então, permite entender o comportamento de um ator em relação aos outros em uma determinada rede. Os frameworks citados anteriormente também permitem o cálculo de diferentes métricas de redes sociais e a visualização destas métricas. 60

2 Este artigo apresenta uma proposta de visualização integrada de múltiplas métricas de redes sociais através da ferramenta Sargas. A ferramenta foi criada visando permitir a identificação de papéis desempenhados por colaboradores em projetos de software livre [Sousa Júnior et al, 2009]. Isto é, enquanto as pesquisas anteriores enfocaram na análise de redes sociais extraídas de s [Gloor et. al 2006], de commits em sistema de controle de versões [Lopez et. al 2004] e a partir de código fonte [de Souza et al, 2005], a ferramenta Sargas permite considerar todas estas redes ao mesmo tempo através de um método de visualização baseado no StarPlot [Chambers et. Al 1983]. Sargas foi construída porque o enfoque dos frameworks para redes sociais está na visualização de redes sociais em apenas uma dimensão. O restante deste artigo está organizado como segue. A próxima seção apresenta a motivação para a construção da ferramenta Sargas. Em seguida, a visualização StarPlot será abordada na seção 3. Posteriormente, a ferramenta Sargas será apresentada juntamente com o método estatístico (z-score) utilizado na ferramenta. Na seção 5, os resultados parciais serão apresentados. Finalmente, na seção 6 são apresentadas as conclusões e trabalhos futuros. 2. Motivação Devido ao sucesso dos projetos de software livre, vários aspectos destes projetos têm sido estudados, desde as motivações que levam aos desenvolvedores a participar de um projeto, até o estudo do processo de auto-organização de comunidades na web [Madey et al 2002] assim como as ferramentas utilizadas nestes projetos. Além disso, pesquisadores estudam comunidades de software livre através de diferentes tipos de redes sociais como: análises de commits em sistema de controle de versões [Lopez et. al 2004], redes extraídas a partir de s [Gloor et. al 2006] e redes geradas a partir de código fonte [de Souza et. al 2005]. De um modo geral, a maioria das propostas de redes sociais é baseada na análise de uma única rede social, por exemplo, a partir de listas de , ou fóruns de discussão, ou discussões sobre bugs, ou chats e até mesmo a partir de análise do código fonte. Alguns estudos têm sido aplicados na identificação de possíveis intermediadores (brokers) em uma comunidade [Sowe et al 2006]. O ambiente OSSNetwork [Balieiro et. al 2008] é um ambiente criado para coleta de dados (informações de listas de discussão, listas de s, informações de bugtracking, chats, etc.) de diferentes repositórios de software livre para a construção e análise de redes sociais. No momento, os repositórios implementados são o SourceForge, o RubyForge, o repositório da Apache Foundation e o Codeplex. Através dos dados coletados, é possível analisar comunidades de software livre utilizando métricas de redes sociais (por exemplo, centralidades). O OSSNetwork extrai, analisa e visualiza cada rede social individualmente, possibilitando calcular diferentes centralidades para cada uma das redes geradas. Entretanto, para uma melhor compreensão do comportamento dos atores presentes em redes sociais é necessário, muitas vezes, analisar redes em um contexto multidimensional. Por exemplo, em projetos de software livre, existem atores que colaboram no desenvolvimento do software, outros colaboram com submissão de bugs, outros com a identificação de requisitos e assim por diante [Crowston et al 2003]. 61

3 Apesar do potencial oferecido pela análise de múltiplas redes sociais, até o momento, não existem estudos focando na análise combinada dessas redes sociais. Apenas para citar um exemplo, através da análise de múltiplas redes sociais é possível estender papéis identificados em projetos de software livre [Sousa Júnior et al, 2009]. Visando facilitar a análise e visualização de métricas de diversas redes sociais ao mesmo tempo, a ferramenta Sargas baseada na técnica de visualização StarPlot que é descrita a seguir. 3. StarPlot A visualização StarPlot [Chambers et. al 1983] têm sido utilizada em diversos contextos para representação múltipla de dados, como em [Pinzger et al 2005] que visualiza métricas de entidades de código fonte. [Elmqvist et al 2007] propõe a criação interativa de queries através da seleção e filtro em dados multidimensionais usando, também, a visualização StarPlot. Assim, esta visualização apresenta-se favorável para representação de dados em múltiplas dimensões. A visualização StarPlot implementada na ferramenta Sargas basicamente divide um círculo (360 ) em n partes, uma para cada valor representado na visualização. Em outras palavras, nesta visualização o número de faces das estrelas pode variar: o grau entre as faces é calculado dinamicamente com base em 360 / n. Por exemplo, para três valores, o grau entre elas será 120, para quatro será 90 e assim sucessivamente. Assim, cada estrela irá possuir um conjunto de valores S = {s 1, s 2,..., s n } de acordo com o número de informações analisadas ao mesmo tempo. Cada valor será desenhado como um eixo partindo do centro para a periferia da estrela, isto é cada valor representará uma face da estrela. A Figura 1 ilustra um exemplo de visualização StarPlot. Na figura, três entidades são representadas pelos rótulos phi, beta e sigma. O ângulo entre valores não está dividido em partes iguais, entretanto, para abordagem implementada no projeto, estes foram divididos uniformemente, como pode ser visualizado na Figura Sargas Figura 1: Exemplo de uma visualização StarPlot 4.1. Z-scores A comparação entre diferentes redes sociais é um aspecto que deve ser tratado com cuidado durante a visualização dos dados. Uma rede social gerada, por exemplo, a partir de uma lista de discussão pode ser diferente de uma outra rede social gerada a partir de surveys ou questionários. Por exemplo, se um ator possui um grau com valor 120 em uma rede de chat, mas possui um valor 20 em uma rede de código fonte, não é apropriado comparar esses valores devido ao fato de estarem baseados em medidas, potencialmente, diferentes de redes sociais diferentes. Em outras palavras, não é 62

4 possível comparar diretamente duas redes cujos dados de entrada, número de atores, média e desvios padrões sejam diferentes. Visando solucionar este problema, Sargas utiliza um método estatístico, o Z-score, para comparar distribuições diferentes. Um z-score é um valor calculado para cada medida de um ator em uma rede social. Esses valores são calculados baseados na média e no desvio padrão de cada distribuição (ou seja, de cada rede social), tal que, através da utilização do z-score é possível referenciar um valor pelo número de desvios padrões que ele está acima ou abaixo da média de uma determinada rede social. Através da utilização deste método, torna-se possível comparar valores de diferentes redes sociais através da transformação destes em novos valores que refletem o quão longe os valores originais estão da média calculada para cada rede. A fórmula utilizada para a normalização encontra-se na Equação 1. O valor Z representa centralidade normalizada, o valor X representa o valor da métrica inicial, édia e desvio padrão da rede social respectivamente Ferramenta Z= X µ Equação 1: Normalização através do z-score Sargas é uma ferramenta de visualização de múltiplas métricas de redes sociais desenvolvida em Java. O framework JUNG foi utilizado para calcular os valores das centralidades de redes sociais. O método de visualização construído é baseado na visualização StarPlot. Neste modelo, uma estrela é gerada para cada ator da rede social de forma que cada face da estrela apresenta uma informação, o valor de uma métrica, acerca de uma rede social específica. Concomitantemente, medidas de centralidade são utilizadas [Wasserman e Faust 1997] em cada face de cada estrela, assim é possível representar múltiplas métricas, uma para cada rede social, de um mesmo ator em uma única representação. A partir desta visualização, é possível identificar se um ator com alta centralidade em uma rede social (por exemplo, de código fonte) também possui uma centralidade alta em outra rede social (de comunicação) através da simples inspeção visual das duas faces da estrela correspondentes às redes de código e de comunicação do referido ator. Posteriormente, quando atores diferentes, e suas respectivas estrelas, estão alinhados, é possível comparar facilmente a contribuição de vários atores em diferentes redes sociais ao mesmo tempo. A Figura 2 abaixo apresenta um exemplo da visualização gerada pela Sargas. Utilizando a normalização, as médias das diferentes métricas podem ser representadas através de um círculo, tal que o círculo branco ao redor de cada estrela indica o valor em que as redes são equivalentes à média. Assim, é possível observar que o ator orutherfurd possui uma medida de centralidade abaixo da média na rede social representada pela face amarela. Em contraste, o ator spestov possui um valor de centralidade acima da média para a mesma rede social. Pode-se concluir facilmente que spestov é mais central do que orutherfurd na rede social representada pela face amarela de cada estrela. De maneira análoga, é possível notar que o ator copy_paste não possui representação nesta mesma rede social. Entretanto, a sua centralidade nas outras redes 63

5 excede ao valor médio em cada uma das diferentes redes sociais e distribuições de valores. Informações como estas servem para ilustrar o comportamento de um determinado grupo de atores, e também gerar questionamentos acerca deste comportamento que precisarão ser investigados em um passo posterior. Figura 2: Um exemplo de uma visualização usando Sargas. O funcionamento do Sargas se dá da seguinte forma. As entradas são redes sociais que podem ser encontradas em arquivos nos formatos dl ou csv. Para cada rede social, uma medida de centralidade (degree, betweenness ou information) pode ser selecionada. Uma rede gerada por discussão acerca de bugs ou chat pode ser analisada, por exemplo, usando a centralidade betweeness, de forma a identificar quem possui controle na comunicação entre dois atores não adjacentes [Wasserman e Faust 1997]. Em outro aspecto, em uma rede social extraída dos relacionamentos encontrados no código fonte, é possível calcular o grau de cada desenvolvedor de software para entender quão influente ele é na estrutura do código. Em resumo, Sargas permite a utilização de métricas diferentes para cada rede social analisada. Objetivando facilitar a interação do usuário com a visualização, alguns controles foram implementados na ferramenta Sargas. Para ser mais específico, atualmente, Sargas possui os controles de zoom, seleção e drag dos componentes na tela. É possível, também, selecionar um conjunto de atores. Após a seleção, eles estarão destacados com um círculo branco com 25% de opacidade ao redor da estrela, assim como um retângulo arredondado sobre o nome do ator. A Figura 3 ilustra a seleção de atores. 5. Resultados Iniciais Figura 3: Seleção dos atores na visualização Como resultados iniciais, os projetos PMD [PMD 2008], ZK [ZK 2008] e Megamek [Megamek 2008] foram analisados em detalhes em [Sousa Júnior et al 2009]. A análise visual dos dados sugere a existência de grupos e papéis bem definidos em uma comunidade de software livre. Basicamente, alguns atores que apresentaram 64

6 participação significativa em todas as redes foram definidos como brokers, segundo a terminologia de redes sociais [Wasserman e Faust 1997]. Os brokers para o projeto ZK, no período entre as releases RC e RC, podem ser visualizados na Figura 4 onde as redes sociais analisadas e suas cores são as seguintes: Cor branca: Rede social gerada a partir da lista de discussão e submissão de bugs (Bugs); Cor vermelha: Rede social gerada a partir da lista de discussão dos desenvolvedores (Developers); Cor amarela: Rede social gerada a partir da lista de discussão aberta (Open Discussion); e Cor rosa: Rede social gerada a partir do código fonte (Source). Figura 4: Brokers identificados do projeto ZK Um segundo grupo identificado representa os atores que estão presentes nas redes de submissão de bugs e discussão aberta. Uma possível interpretação para estes dados seria que estes atores são responsáveis por traduzir possíveis problemas encontrados pelos os atores da lista de discussão aberta para as detecções de bugs que serão discutidas no fórum de submissão de bugs. Os atores responsáveis por detecção e submissão de bugs para o projeto Megamek entre as releases a podem ser visualizados na Figura 5. Figura 5: Grupo de submissão de bugs para projeto Megamek Cor branca: Rede social gerada a partir da lista de discussão e submissão de bugs (Bugs). Cor amarela: Rede social gerada a partir da lista de discussão aberta (Open Discussion). Outros padrões de comportamento de atores de redes sociais analisados através da Sargas foram identificados (user proxies, development assistances, dentre outros) e são detalhados em [Sousa Júnior et al, 2009]. 65

7 6. Conclusões e Trabalhos Futuros Ferramentas de visualização facilitam na análise de informações visto que diminuem a carga cognitiva do usuário ao representar visualmente as informações. Através da ferramenta Sargas, torna-se possível visualizar o comportamento de atores de redes sociais através da visualização de múltiplas métricas destas redes. Para isso, foi criada uma representação gráfica baseada em StarPlot de métricas de redes sociais. Cada ator apresenta o comportamento (medida de uma métrica) em cada rede social que participa, e assim, esse comportamento pode ser comparado entre as diferentes redes através da utilização do z-score. Na visualização, o valor representando a média de cada rede social é tornada explícita através de um círculo pontilhado. Como trabalho futuro, pretende-se implementar funcionalidades extras, a saber: Uma nova visualização (temporal) será estendida para modelar dados através do tempo. Uma representação das mesmas redes em momentos diferentes do tempo poderá produzir potenciais resultados para a análise além da visualização pontual (atual formato da visualização, apenas em um dado momento do tempo); Outra forma de visualizar dados em StarPlot seria a utilização de um polígono. No método atual, os valores de cada face são desenhados partindo centro até o valor especificado, quanto maior o valor, maior será a face da estrela. Entretanto, os dados podem ser visualizados através de um polígono, onde todos os pontos de todas as faces serão interligados formando um polígono com o mesmo número de faces que a estrela. Entretanto, a visualização em formato de estrela será perdida; Uma visualização híbrida será criada integrando a visualização em estrela com a visualização em polígono; Filtros serão adicionados para permitir ao usuário remover (tornar invisível) uma determinada rede social. Por exemplo, dada as redes A, B, C, o usuário poderá escolher visualizar A, ou B ou C, ou ainda, A e B ou A e C ou B e C, bem como o modelo atual que apresenta todas as redes criadas; e Um modelo híbrido da visualização pontual de uma rede (apenas um momento do tempo) juntamente com a versão temporal (redes em diferentes momentos integradas) será criado culminando em um recurso de animação entre os diferentes estados das redes. Agradecimentos Este trabalho foi financiado pela Microsoft, pelo CNPq através do Edital Universal (projeto /2006-6) e pela Universidade Federal do Pará através do programa PIBIC. 66

8 7. Referências Balieiro, M. A.; Sousa Júnior, S. F.; de Souza, C. R. B. Facilitating Social Network Studies of FLOSS using the OSSNetwork. In: International Conference on Open Source Systems, 2008, Milan. Proceedings of International Conference on Open Source Systems, Chambers, Cleveland, Kleiner, and Tukey, Wadsworth. Graphical Methods for Data Analysis, Crowston, K. and Howison, J. The Social Structure of Open Source Software Development Teams. Seattle, WA : s.n., International Conference on Information Systems, de Souza, C., Froehlich, J. and Dourish, P. Seeking the Source: Software Source Code as a Social and Technical Artifact. Sanibel Island, FL, ACM Conference on Supporting Group Work, Elmqvist, N.; Stasko, J. ; Tsigas, P. DataMeadow: A Visual Canvas for Analysis of Large-Scale Multivariate Data. IEEE Symposium on Visual Analytics Science and Technology 2007, Sacramento, USA, Gloor, P. Swarm Creativity Competitive Advantage through Collaborative Innovation Networks. Oxford University Press, New York, January JUNG. Java Universal Framework Graph. Disponível em: Acesso em 30/06/2008 Lopez-Fernandez, Luiz, Robles, Gregorio, Gonzalez-Barahona, Jesus M. Applying Social Network Analysis to the Information in CVS Repositories. GSyC, Universidad Rey Juan Carlos, Madey, G., Freeh, V., and Tynan, R. (2002). Agent-Based Modeling of Open Source using Swarm. Paper presented at the Americas Conference on Information Systems (AMCIS2002), Dallas, TX. Megamek. Disponivel em Acesso em 09/07/2008. Pinzger, M.; Gall, H.; Fischer, M.; and Lanza, L. Visualizing multiple evolution metrics. St. Louis, Missouri, ACM Press, PMD. Disponivel em Acesso em 09/07/2008. Prefuse. Interactive Information Visualization Toolkit. Disponível em Acesso em 30/06/2008. Sousa Júnior, S. F.; Balieiro, M. A.; Costa, J. M. dos R.; de Souza, C. R. B. Multiple Social Networks Study using Sargas. In: Hawaii International Conference on System Sciences (HICSS-42), Waikoloa, Big Island, Hawaii, Sowe, S.K., Angelis, L., Stamelos, I. Identifying Knowledge Brokers that Yield Software Engineering Knowledge in OSS Projects, Information and Software Technology, Vol. 48, UCINet. Software for Social Network Analysis. Disponível em Acesso em 30/06/

9 Wasserman, S. and Faust, K. Social Network Analysis: Methods and Applications. Cambridge, UK and New York : Cambridge University Press, ZK. Disponível em Acesso em 09/07/

OSSNetwork: Um Ambiente para Estudo de Comunidades de Software Livre usando Redes Sociais

OSSNetwork: Um Ambiente para Estudo de Comunidades de Software Livre usando Redes Sociais OSSNetwork: Um Ambiente para Estudo de Comunidades de Software Livre usando Redes Sociais Marco Antonio Balieiro, Samuel de Sousa Júnior, Leandro Pantoja Pereira, Cleidson R. B. de Souza Faculdade de Computação

Leia mais

MinerAll: Uma ferramenta para extração e mineração de dados de repositórios de software livre

MinerAll: Uma ferramenta para extração e mineração de dados de repositórios de software livre MinerAll: Uma ferramenta para extração e mineração de dados de repositórios de software livre José Teodoro da Silva 1, Igor S. Wiese 1, Igor Steinmacher 1, Marco Aurélio Gerosa 2 1 Coordenação de Informática

Leia mais

Requisitos para ferramentas de registro de defeitos de software

Requisitos para ferramentas de registro de defeitos de software Requisitos para ferramentas de registro de defeitos de software Alessandro Liebmam Departamento de Ciência da Computação Instituto de Ciências Exatas Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) CEP: 31270-010

Leia mais

Identificando a Formação de Ilhas de Conhecimento em Projetos de Software

Identificando a Formação de Ilhas de Conhecimento em Projetos de Software Identificando a Formação de Ilhas de Conhecimento em Projetos de Software Francisco Vanderson de Moura Alves 1, Pedro de Alcântara dos Santos Neto 1, Werney Ayala Luz Lira 1, Ricardo de Andrade Lira Rabêlo

Leia mais

Redes Sociais. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Exemplos. Tópicos Especiais: CSCW e Groupware

Redes Sociais. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Exemplos. Tópicos Especiais: CSCW e Groupware 2 Conceitos Básicos Redes Sociais Tópicos Especiais: CSCW e Groupware Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br 1 Uma rede social consiste de um conjunto finito de atores e a(s) relação(ões) definidas entre eles

Leia mais

Groupware. Protocolos e Artefatos de Coordenação em CSCW Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br. Exemplos. Protocolos e Artefatos de Coordenação

Groupware. Protocolos e Artefatos de Coordenação em CSCW Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br. Exemplos. Protocolos e Artefatos de Coordenação Groupware Protocolos e Artefatos de Coordenação em CSCW Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br Tecnologia computacional para auxiliar o trabalho cooperativo Mas Como o trabalho cooperativo é executado? Como

Leia mais

Groupware. Protocolos e Artefatos de Coordenação. Mecanismo de Coordenação. Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br. Artefatos.

Groupware. Protocolos e Artefatos de Coordenação. Mecanismo de Coordenação. Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br. Artefatos. Groupware Tecnologia computacional para auxiliar o trabalho cooperativo Mas Como o trabalho cooperativo é executado? Como as pessoas trabalham em conjunto? Como a tecnologia existente facilita (ou dificulta)

Leia mais

MARACATU. A component search tool. Especificação, Projeto e Implementação de uma Arquitetura para um Engenho de Busca de Componentes

MARACATU. A component search tool. Especificação, Projeto e Implementação de uma Arquitetura para um Engenho de Busca de Componentes MARACATU A component search tool Especificação, Projeto e Implementação de uma Arquitetura para um Engenho de Busca de Componentes Vinicius Cardoso Garcia July 29, 2005 Agenda Introdução Especificação

Leia mais

Scrum-Half: Uma Ferramenta Web de Apoio ao Scrum

Scrum-Half: Uma Ferramenta Web de Apoio ao Scrum Scrum-Half: Uma Ferramenta Web de Apoio ao Scrum Diego R. Marins 1,2, José A. Rodrigues Nt. 1, Geraldo B. Xexéo 2, Jano M. de Sousa 1 1 Programa de Engenharia de Sistemas e Computação - COPPE/UFRJ 2 Departamento

Leia mais

Redes Sociais. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Exemplos

Redes Sociais. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Exemplos 2 Conceitos Básicos Redes Sociais Cleidson de Souza DI - UFPA cdesouza@ufpa.br 1 Uma rede social consiste de um conjunto finito de atores e a(s) relação(ões) definidas entre eles (Wasserman and Faust 1994,

Leia mais

Seminário - Two Case Studies of Open Source Software Development: Apache and Mozilla

Seminário - Two Case Studies of Open Source Software Development: Apache and Mozilla Seminário - Two Case Studies of Open Source Software Development: Setembro de 2014 vagnercs@dcc.ufmg.br Departamento de Ciência da Computação ICEX/UFMG Agenda Sobre os autores 2 Audris Mockus: Professor

Leia mais

Padrões de Socialização de Novatos em Projetos de Software Livre

Padrões de Socialização de Novatos em Projetos de Software Livre Padrões de Socialização de Novatos em Projetos de Software Livre Ana Claudia Maciel 1, Igor Steinmacher 2, Marco Aurélio Graciotto Silva 2 1 Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) Universidade

Leia mais

WebAPSEE: Um Ambiente Livre e Flexível Para Gerência de Processos de Software 1

WebAPSEE: Um Ambiente Livre e Flexível Para Gerência de Processos de Software 1 WebAPSEE: Um Ambiente Livre e Flexível Para Gerência de Processos de Software 1 Adailton Lima #, Breno França #, Heribert Schlebbe * Marcelo Silva #, Rodrigo Quites Reis #, Carla Lima Reis # # Laboratório

Leia mais

APRENDENDO LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO VIA WEB

APRENDENDO LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO VIA WEB APRENDENDO LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO VIA WEB Romero Tori Universidade de São Paulo Escola Politécnica INTERLAB Laboratório de Tecnologias Interativas-USP Instituto Sumaré de Educação Superior rometori@usp.br

Leia mais

Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software

Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software Ricardo Terra 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Campus da Pampulha 31.270-010

Leia mais

WebUML: Uma Ferramenta Colaborativa de Apoio ao Projeto e Análise de Sistemas Descritos em Classes UML

WebUML: Uma Ferramenta Colaborativa de Apoio ao Projeto e Análise de Sistemas Descritos em Classes UML Carlos Henrique Pereira WebUML: Uma Ferramenta Colaborativa de Apoio ao Projeto e Análise de Sistemas Descritos em Classes UML Florianópolis - SC 2007 / 2 Resumo O objetivo deste trabalho é especificar

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET ANA CLAUDIA MACIEL

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET ANA CLAUDIA MACIEL UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET ANA CLAUDIA MACIEL PADRÕES DE SOCIALIZAÇÃO DE NOVATOS EM PROJETOS DE SOFTWARE LIVRE TRABALHO DE CONCLUSÃO

Leia mais

JSCity Visualização de Sistemas JavaScript em 3D

JSCity Visualização de Sistemas JavaScript em 3D JSCity Visualização de Sistemas JavaScript em 3D Marcos Viana, Estevão Moraes, Guilherme Barbosa, André Hora, Marco Tulio Valente {longuinho,estevaoma,barbosa,hora,mtov}@dcc.ufmg.br 1 Departamento de Ciência

Leia mais

A Influência da Rede de Coautoria no Nível das Bolsas de Produtividade da Área de Engenharia de Produção

A Influência da Rede de Coautoria no Nível das Bolsas de Produtividade da Área de Engenharia de Produção A Influência da Rede de Coautoria no Nível das Bolsas de Produtividade da Área de Engenharia de Produção Ricardo Lopes de Andrade 1, Leandro Chaves Rêgo 1,2 Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) Recife

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS RESUMO Este artigo apresenta a especificação de um sistema gerenciador de workflow, o ExPSEE, de acordo com a abordagem de desenvolvimento baseado

Leia mais

Análise da Produtividade da Rede Social de Computação do Brasil

Análise da Produtividade da Rede Social de Computação do Brasil Análise da Produtividade da Rede Social de Computação do Brasil Jonice O. Sampaio¹, Fabrício F. Faria¹, Ruben A. Perorazio¹, Evelyn C. de Aquino², ¹Programa de Pós-Graduação em Informática (PPGI) Universidade

Leia mais

Especificação de um Sistema Gerenciador de Workflow de Acordo com a Abordagem de Desenvolvimento Baseado em Componentes

Especificação de um Sistema Gerenciador de Workflow de Acordo com a Abordagem de Desenvolvimento Baseado em Componentes Especificação de um Sistema Gerenciador de Workflow de Acordo com a Abordagem de Desenvolvimento Baseado em Componentes Edson Alves de Oliveira Junior 1, Itana Maria de Souza Gimenes 1 1 Departamento de

Leia mais

Proposta de Actividade para desenvolvimento do Trabalho Final: Análise de uma Rede Social

Proposta de Actividade para desenvolvimento do Trabalho Final: Análise de uma Rede Social UNIVERSIDADE DE LISBOA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO Proposta de Actividade para desenvolvimento do Trabalho Final: Análise de uma Rede Social Autor Fernando Miranda MESTRADO EM EDUCAÇÃO TIC E EDUCAÇÃO Análise

Leia mais

O papel da Economia Digital na Dinamização do Interior. Carlos J. Costa carlos.costa@iscte.pt http://carlosjcosta.wordpress.com

O papel da Economia Digital na Dinamização do Interior. Carlos J. Costa carlos.costa@iscte.pt http://carlosjcosta.wordpress.com O papel da Economia Digital na Dinamização do Interior Carlos J. Costa carlos.costa@iscte.pt http://carlosjcosta.wordpress.com Índice Economia Digital Economia Digital Impactos Economia Open Source - Impactos

Leia mais

USO DOS CONCEITOS DE INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR NO DESENVOLVIMENTO WEB PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

USO DOS CONCEITOS DE INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR NO DESENVOLVIMENTO WEB PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Discutindo a visibilidade da EaD Pública no Brasil USO DOS CONCEITOS DE INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR NO DESENVOLVIMENTO WEB PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Priscilla Márcia Scarpelli Bastos 1, Diogo Marcos de

Leia mais

Exploração visual multidimensional de redes sociais

Exploração visual multidimensional de redes sociais Exploração visual multidimensional de redes sociais G. F. Andery, A. A. Lopes, and R. Minghim Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação - ICMC-USP {gfandery,alneu,rminghim}@icmc.usp.br Resumo Redes

Leia mais

Rede de Pesquisadores Brasileiros em Ontologia: Uma Análise de Rede Social

Rede de Pesquisadores Brasileiros em Ontologia: Uma Análise de Rede Social Rede de Pesquisadores Brasileiros em Ontologia: Uma Análise de Rede Social Andréa S. Bordin 1, Alexandre Leopoldo Gonçalves 1 1 Departamento de Engenharia e Gestão do Conhecimento Universidade Federal

Leia mais

Uma Ontologia Genérica para a Análise de Domínio e Usuário na Engenharia de Domínio Multiagente

Uma Ontologia Genérica para a Análise de Domínio e Usuário na Engenharia de Domínio Multiagente Uma Ontologia Genérica para a Análise de Domínio e Usuário na Engenharia de Domínio Multiagente Carla Gomes de Faria1, Ismênia Ribeiro de Oliveira1, Rosario Girardi1 1Universidade Federal do Maranhão (UFMA)

Leia mais

ABCTool - Uma Ferramenta para Cooperação Baseada na Arquitetura do Sistema

ABCTool - Uma Ferramenta para Cooperação Baseada na Arquitetura do Sistema ABCTool - Uma Ferramenta para Cooperação Baseada na Arquitetura do Sistema Cynthia Maria Silva de Barros Mestranda do PPGEE-PUC-Minas* cmsbarros@zipmail.com.br Carlos Alberto Marques Pietrobon Professor-Orientador

Leia mais

Table 1. Dados do trabalho

Table 1. Dados do trabalho Título: Desenvolvimento de geradores de aplicação configuráveis por linguagens de padrões Aluno: Edison Kicho Shimabukuro Junior Orientador: Prof. Dr. Paulo Cesar Masiero Co-Orientadora: Prof a. Dr. Rosana

Leia mais

8 Bibliografia. ACEAUME, E. et al. On The Formal Specification of Group Membership Services. INRIA, 1995, 15 p. Relatório Técnico TR95-1534.

8 Bibliografia. ACEAUME, E. et al. On The Formal Specification of Group Membership Services. INRIA, 1995, 15 p. Relatório Técnico TR95-1534. Bibliografia 88 8 Bibliografia ACEAUME, E. et al. On The Formal Specification of Group Membership Services. INRIA, 1995, 15 p. Relatório Técnico TR95-1534. AMBRIOLA, V.; TORTORA, G. Advances in Software

Leia mais

15 16-17 Setembro - Módulo 1 - Introdução à análise de redes sociais. Docentes:

15 16-17 Setembro - Módulo 1 - Introdução à análise de redes sociais. Docentes: VI Escola de Verão de Análise de Redes Sociais 15 16-17 Setembro - Módulo 1 - Introdução à análise de redes sociais Docentes: Marta Varanda (marta@iseg.ulisboa.pt ), Filipa Carvalho (filipadc@iseg.utl.pt

Leia mais

ÀREA DE DESENVOLVIMENTO

ÀREA DE DESENVOLVIMENTO ÀREA DE DESENVOLVIMENTO Sumário O que é o Cardio? O que é o Telos? Ambiente de Desenvolvimento Ambiente Visual Studio Team System Projeto de Refatoração O que é Cardio? Tamanho atual do aplicativo: ü Arquivos.cs

Leia mais

Instituto de Computação, Universidade Federal do Amazonas (UFAM) Manaus-AM, Brasil

Instituto de Computação, Universidade Federal do Amazonas (UFAM) Manaus-AM, Brasil Elicitação de Requisitos a partir de Modelos de Processos de Negócio e Modelos Organizacionais: Uma pesquisa para definição de técnicas baseadas em heurísticas Marcos A. B. de Oliveira 1, Sérgio R. C.

Leia mais

3 Estudo de Ferramentas

3 Estudo de Ferramentas 3 Estudo de Ferramentas Existem diferentes abordagens para automatizar um processo de desenvolvimento. Um conjunto de ferramentas pode ser utilizado para aperfeiçoar o trabalho, mantendo os desenvolvedores

Leia mais

O que é modularidade? Sérgio Soares scbs@cin.ufpe.br

O que é modularidade? Sérgio Soares scbs@cin.ufpe.br O que é modularidade? Sérgio Soares scbs@cin.ufpe.br AOSD Aspectos tem como objetivo aumentar a modularidade dos sistemas...... mas 2 O que é modularidade??? 3 Parnas, 1972 modularization is a mechanism

Leia mais

Análise de Dados Qualitativos

Análise de Dados Qualitativos 2 Objetivo Análise de Dados Qualitativos Uma breve Introdução a Grounded Theory cleidson de souza cdesouza@ufpa.br! Você já está há 1 mês coletando documentos, fazendo observações, conduzindo entrevistas

Leia mais

Introdução a INGENIAS:

Introdução a INGENIAS: Universidade do Estado do Rio Grande do Norte UERN Universidade Federal Rural do Semi-Árido UFERSA Mestrado em Ciência da Computação MCC Disciplina: Engenharia de Software Orientada a Agentes Professores:

Leia mais

Avaliação de qualidade de vídeo sobre uma rede IP usando métricas objetivas

Avaliação de qualidade de vídeo sobre uma rede IP usando métricas objetivas Avaliação de qualidade de vídeo sobre uma rede IP usando métricas objetivas Dante COAQUIRA BEGAZO Departamento de Engenharia de Sistemas Eletrônicos, Universidade de São Paulo (USP) São Paulo, São Paulo

Leia mais

Análise de redes de palavras baseada em títulos extraídos de um sistema de atendimento

Análise de redes de palavras baseada em títulos extraídos de um sistema de atendimento Análise de redes de palavras baseada em títulos extraídos de um sistema de atendimento Jansen Souza¹, Daniel Lyra 1, Julianne Cavalcanti, Rivaldo Simão, Zenildo Cézar,, Alexandre N. Duarte 1, Alisson V.

Leia mais

UM COMPOSITOR MUSICAL TANGÍVEL USANDO O ARTOOLKIT

UM COMPOSITOR MUSICAL TANGÍVEL USANDO O ARTOOLKIT UM COMPOSITOR MUSICAL TANGÍVEL USANDO O ARTOOLKIT Marcelo Fernandes França (Bolsista PIBIC/CNPq) Felipe Afonso de Almeida (Orientador) Davi D Andréa Baccan (Co-orientador) Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Leia mais

Em Busca de uma Arquitetura de Referência para Frameworks de Aplicação Dirigidos por Modelos para Sistemas de Informação

Em Busca de uma Arquitetura de Referência para Frameworks de Aplicação Dirigidos por Modelos para Sistemas de Informação Em Busca de uma Arquitetura de Referência para Frameworks de Aplicação Dirigidos por Modelos para Sistemas de Informação Valdemar Vicente GRACIANO NETO 1 ; Juliano Lopes DE OLIVEIRA 1 1 Instituto de Informática

Leia mais

Uma Análise da História do VEM, WBVS e WMSWM

Uma Análise da História do VEM, WBVS e WMSWM VEM Uma Análise da História do VEM, WBVS e WMSWM Renato Novais, Thiago S. Mendes, Fernando Teles Instituto Federal da Bahia (IFBA) Salvador Bahia Brasil {renato,thiagosouto,fernandoteles}@ifba.edu.br Abstract.

Leia mais

Test-Module: uma ferramenta para gerenciamento de testes de software integrada ao FireScrum

Test-Module: uma ferramenta para gerenciamento de testes de software integrada ao FireScrum Test-Module: uma ferramenta para gerenciamento de testes de software integrada ao FireScrum Audrey B. Vasconcelos, Iuri Santos Souza, Ivonei F. da Silva, Keldjan Alves Centro de Informática Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE INFORMÁTICA APLICADA CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE INFORMÁTICA APLICADA CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE INFORMÁTICA APLICADA CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO VISUALIZAÇÃO DE REDES SOCIAIS EM DISCUSSÕES Autor: Rafael Lage Tavares Orientadora:

Leia mais

Visual Library: Uma Biblioteca para Criação de Ferramentas de Modelagem Gráfica

Visual Library: Uma Biblioteca para Criação de Ferramentas de Modelagem Gráfica Visual Library: Uma Biblioteca para Criação de Ferramentas de Modelagem Gráfica Tiago A. Gameleira 1, Raimundo Santos Moura 2, Luiz Affonso Guedes 1 1 Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)

Leia mais

Sistema de Reputação e Ranqueamento para Redes Sociais Aplicado ao Participatório

Sistema de Reputação e Ranqueamento para Redes Sociais Aplicado ao Participatório Sistema de Reputação e Ranqueamento para Redes Sociais Aplicado ao Participatório Daniel Gomes 1, Diego Pasqualin 1, Fabiano Silva 1, Luis C. E. de Bona 1, Mateus Strey 1 1 Departamento de Informática

Leia mais

ANÁLISE DE REDES SOCIAIS APLICADA AO GERENCIAMENTO DE EQUIPES

ANÁLISE DE REDES SOCIAIS APLICADA AO GERENCIAMENTO DE EQUIPES ANÁLISE DE REDES SOCIAIS APLICADA AO GERENCIAMENTO DE EQUIPES Jessica Cascareja Savaro (CEFET/RJ) jessica.cascareja@hotmail.com Marcela Viana Bittar Coppio (CEFET/RJ) viana.marcela@yahoo.com.br Rafael

Leia mais

Análise de Redes Sociais

Análise de Redes Sociais UFRJ COPPE PESC Universidade Federal do Rio de Janeiro Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia Programa de Engenharia de Sistemas e Computação Projeto de Pesquisa: Análise

Leia mais

Cálculo de volume de objetos utilizando câmeras RGB-D

Cálculo de volume de objetos utilizando câmeras RGB-D Cálculo de volume de objetos utilizando câmeras RGB-D Servílio Souza de ASSIS 1,3,4 ; Izadora Aparecida RAMOS 1,3,4 ; Bruno Alberto Soares OLIVEIRA 1,3 ; Marlon MARCON 2,3 1 Estudante de Engenharia de

Leia mais

ESTUDO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA PARA CONTROLE DE VERSÕES

ESTUDO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA PARA CONTROLE DE VERSÕES ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 ESTUDO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA PARA CONTROLE DE VERSÕES Vilson Raphael Vello de Andrade 1 ;

Leia mais

Tese / Thesis Work Análise de desempenho de sistemas distribuídos de grande porte na plataforma Java

Tese / Thesis Work Análise de desempenho de sistemas distribuídos de grande porte na plataforma Java Licenciatura em Engenharia Informática Degree in Computer Science Engineering Análise de desempenho de sistemas distribuídos de grande porte na plataforma Java Performance analysis of large distributed

Leia mais

Uso da mineração de texto para detecção de usuários influentes no Facebook

Uso da mineração de texto para detecção de usuários influentes no Facebook Uso da mineração de texto para detecção de usuários influentes no Facebook Gustavo Scaloni Vendramini 1, Sylvio Barbon Júnior 1 1 Departamento de Computação Universidade Estadual de Londrina (UEL) Caixa

Leia mais

Modelagem e Projeto de Bancos de Dados Geográficos com Características Temporais

Modelagem e Projeto de Bancos de Dados Geográficos com Características Temporais Modelagem e Projeto de Bancos de Dados Geográficos com Características Temporais Gustavo Breder Sampaio, Alexandre Gazola, Jugurta Lisboa Filho Departamento de Informática Universidade Federal de Viçosa

Leia mais

Integrando Requisitos Ágeis com Modelos i*

Integrando Requisitos Ágeis com Modelos i* Integrando Requisitos Ágeis com Modelos i* Aline Jaqueira, Bernardo Gurgel, Márcia Lucena Departamento de Informática e Matemática Aplicada UFRN alinejaqueira@ppgsc.ufrn.br, bernardogfilho@gmail.com, marciaj@dimap.ufrn.br

Leia mais

Geração do Portal CPCX - UFMS pelo UNION: Um Estudo de Caso

Geração do Portal CPCX - UFMS pelo UNION: Um Estudo de Caso Geração do Portal CPCX - UFMS pelo UNION: Um Estudo de Caso Lourival dos Santos Pires Júnior, Tony Carlos Bignardi dos Santos, Amaury Antônio de Castro Junior, Carlos Alberto da Silva, Leila Lisiane Rossi

Leia mais

Uma Ferramenta para Auxílio na Avaliação de Usabilidade de APIs

Uma Ferramenta para Auxílio na Avaliação de Usabilidade de APIs Uma Ferramenta para Auxílio na Avaliação de Usabilidade de APIs David L. M. Bentolila, Cleidson R. B. de Souza Faculdade de Computação Universidade Federal do Pará (UFPA) Belém PA Brasil davidbentolila@gmail.com,

Leia mais

Laboratório de Mídias Sociais

Laboratório de Mídias Sociais Laboratório de Mídias Sociais Aula 04 Análise de Rede de Mídias Sociais parte I Prof. Dalton Martins dmartins@gmail.com Gestão da Informação Universidade Federal de Goiás O que é análise de rede de mídias

Leia mais

Evitando Relatos de CRs duplicadas em Projetos Open Source de Software

Evitando Relatos de CRs duplicadas em Projetos Open Source de Software Evitando Relatos de CRs duplicadas em Projetos Open Source de Software Yguaratã C. Cavalcanti 1,2, Alexandre C. Martins 1,2, Eduardo S. Almeida 2, Silvio L. Meira 1,2 1 Centro de Informática Universidade

Leia mais

Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software

Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software Gustavo Zanini Kantorski, Marcelo Lopes Kroth Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) 97100-000 Santa Maria

Leia mais

Engenharia Reversa para Recuperação de Modelos de Sistemas Desenvolvidos em PL/SQL

Engenharia Reversa para Recuperação de Modelos de Sistemas Desenvolvidos em PL/SQL Engenharia Reversa para Recuperação de Modelos de Sistemas Desenvolvidos em PL/SQL Rodnei Couto 1, Luana Lachtermacher 1, Soeli Fiorini 1, Akeo Tanabe 1, Gustavo Carvalho 1, Arndt von Staa 1, Ricardo Choren

Leia mais

Metodologia para a Adaptação de Processos de Software baseada no Modelo SSE-CMM

Metodologia para a Adaptação de Processos de Software baseada no Modelo SSE-CMM Metodologia para a Adaptação de Processos de Software baseada no Modelo SSE-CMM Rosana Wagner, Lisandra Manzoni Fontoura Programa de Pós-Graduação em Informática (PPGI) Centro de Tecnologia Universidade

Leia mais

Um Grande Tour sobre Métodos Empíricos Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br

Um Grande Tour sobre Métodos Empíricos Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br Um Grande Tour sobre Métodos Empíricos Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br Tópicos Especiais em Engenharia de Software Departamento de Informática Universidade Federal do Pará Agenda Introdução Empiricismo

Leia mais

For-All - Uma Plataforma para Sistemas Pervasivos Orientados a Serviço

For-All - Uma Plataforma para Sistemas Pervasivos Orientados a Serviço For-All - Uma Plataforma para Sistemas Pervasivos Orientados a Serviço Elenilson Vieira da S. Filho 1, Ângelo L. Vidal de Negreiros 1, Alisson V. Brito 2 1 Departamento de Informática Universidade Federal

Leia mais

Representação e Visualização de dados estatísticos: os desafios dos dados abertos ligados

Representação e Visualização de dados estatísticos: os desafios dos dados abertos ligados Representação e Visualização de dados estatísticos: os desafios dos dados abertos ligados Alan Tygel 1 1 Programa de Pós-Graduação em Informática Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Caixa Postal

Leia mais

Mediadores de Interação na Web: Acessibilidade Baseada em Gente

Mediadores de Interação na Web: Acessibilidade Baseada em Gente 1 Mediadores de Interação na Web: Acessibilidade Baseada em Gente Clarisse Sieckenius de Souza SERG - Semiotic Engineering Research Group Departamento de Informática, PUC-Rio clarisse@inf.puc-rio.br http://www.serg.inf.puc-rio.br

Leia mais

Desenvolvimento de uma Plataforma Gráfica para a Descrição de Modelos de Sistemas Ambientais

Desenvolvimento de uma Plataforma Gráfica para a Descrição de Modelos de Sistemas Ambientais Desenvolvimento de uma Plataforma Gráfica para a Descrição de Modelos de Sistemas Ambientais Tiago F. M. Lima 1,2, Tiago G. S. Carneiro 2, Sérgio D. Faria 3 1 Programa de Pós-Graduação em Análise e Modelagem

Leia mais

2.0. Uma Nova Geração de Ferramentas para Gestão de Processos de Software. Coordenação Carla Alessandra Lima Reis Rodrigo Quites Reis

2.0. Uma Nova Geração de Ferramentas para Gestão de Processos de Software. Coordenação Carla Alessandra Lima Reis Rodrigo Quites Reis 2.0 Uma Nova Geração de Ferramentas para Gestão de Processos de Software Coordenação Carla Alessandra Lima Reis Rodrigo Quites Reis U n iv e r s id a d e F e d e r a l d o P a r á Q R C o n s u lto r ia

Leia mais

Instruções do Jogo INSTRUÇÕES DO JOGO

Instruções do Jogo INSTRUÇÕES DO JOGO INSTRUÇÕES DO JOGO Introdução Objetivo do jogo: concluir um projeto de software Número de jogadores (primeira versão): recomenda-se de 2 a 3 jogadores, mas poderia ser jogado individualmente. Composição

Leia mais

Um mapeamento sistemático sobre a Análise de Redes Sociais aplicada à colaboração em projetos de software

Um mapeamento sistemático sobre a Análise de Redes Sociais aplicada à colaboração em projetos de software Um mapeamento sistemático sobre a Análise de Redes Sociais aplicada à colaboração em projetos de software Emanoel Carlos Gomes Ferraz Silva 1, José Claudemir Pacheco Júnior 1, Vitor de Barros Costa 1,

Leia mais

Universidade do Estado de Santa Catarina/Centro de Ciências Tecnológicas UDESC/CCT

Universidade do Estado de Santa Catarina/Centro de Ciências Tecnológicas UDESC/CCT Universidade do Estado de Santa Catarina/Centro de Ciências Tecnológicas UDESC/CCT DCC - Departamento de Ciência da Computação Curso: BCC Bacharelado em Ciência da Computação Disciplina: OSRC001 Segurança

Leia mais

Requisitos de Ferramentas de Apoio aos Processos de Medição de Software. Marco Aurélio Vilaça de Melo

Requisitos de Ferramentas de Apoio aos Processos de Medição de Software. Marco Aurélio Vilaça de Melo Requisitos de Ferramentas de Apoio aos Processos de Medição de Software Marco Aurélio Vilaça de Melo Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Belo Horizonte MG

Leia mais

REDE COLABORATIVA DOS PESQUISADORES DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA NO BRASIL

REDE COLABORATIVA DOS PESQUISADORES DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA NO BRASIL PÔSTER REDE COLABORATIVA DOS PESQUISADORES DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA NO BRASIL Jane Coelho Danuello, Jesús Pascual Mena-Chalco, Ely Francina Tannuri Oliveira Resumo: Esta pesquisa

Leia mais

Julio Cezar Fialho Freire de Carvalho 1, Aline Maria Malachini Miotto Amaral 2 1 INTRODUÇÃO

Julio Cezar Fialho Freire de Carvalho 1, Aline Maria Malachini Miotto Amaral 2 1 INTRODUÇÃO 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 ESTUDO E DEFINIÇÃO DA APLICAÇÃO PARA CONTROLE DE VERSÕES DOS ARTEFATOS GERENCIADOS PELA FERRAMENTA S.A.Do.M (SOFTWARE ARTIFACTS DOCUMENTATION AND MANAGEMENT)

Leia mais

Computação Afetiva: Uma ferramenta para avaliar aspectos afetivos em aplicações computacionais.

Computação Afetiva: Uma ferramenta para avaliar aspectos afetivos em aplicações computacionais. 286 Computação Afetiva: Uma ferramenta para avaliar aspectos afetivos em aplicações computacionais. Saulo William S. Costa, Ailton Lopes de Sousa, Yomara Pires Laboratório de Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

Controle de métricas no processo de desenvolvimento de software através de uma ferramenta de workflow

Controle de métricas no processo de desenvolvimento de software através de uma ferramenta de workflow Controle de métricas no processo de desenvolvimento de software através de uma ferramenta de workflow Gustavo Zanini Kantorski, Marcelo Lopes Kroth Centro de Processamento de Dados Universidade Federal

Leia mais

Engenharia de Software no Curso de Ciência da Computação

Engenharia de Software no Curso de Ciência da Computação Engenharia de Software no Curso de Ciência da Vera Maria B. Werneck; Rosa Maria E. M. da Costa; Maria Clicia Stelling de Castro; Alexandre Sztajnberg; Paulo Eustáquio D. Pinto; Roseli S.Wedemann Departamento

Leia mais

Definição de Critérios para Análise Comparativa de Modelos de Referência para Desenvolvimento Global de Software

Definição de Critérios para Análise Comparativa de Modelos de Referência para Desenvolvimento Global de Software Definição de Critérios para Análise Comparativa de Modelos de Referência para Desenvolvimento Global de Software Leonardo Pilatti, Jorge Luis Nicolas Audy Faculdade de Informática Programa de Pós Graduação

Leia mais

Um Mapeamento Sistemático da Pesquisa sobre a Influência da Personalidade na Engenharia de Software

Um Mapeamento Sistemático da Pesquisa sobre a Influência da Personalidade na Engenharia de Software 1 1 2 Um Mapeamento Sistemático da Pesquisa sobre a Influência da Personalidade na Engenharia de Software Shirley Jacinto (ssj@cin.ufpe.br) Orientador: Fabio Q. B. da Silva (fabio@cin.ufpe.br) Questões

Leia mais

Normalização Espacial de Imagens Frontais de Face

Normalização Espacial de Imagens Frontais de Face Normalização Espacial de Imagens Frontais de Face Vagner do Amaral 1 e Carlos Eduardo Thomaz 2 Relatório Técnico: 2008/01 1 Coordenadoria Geral de Informática Centro Universitário da FEI São Bernardo do

Leia mais

Spider-PM: Uma Ferramenta de Apoio à Modelagem de Processos de Software

Spider-PM: Uma Ferramenta de Apoio à Modelagem de Processos de Software Spider-PM: Uma Ferramenta de Apoio à Modelagem de Processos de Software Renan Sales Barros 1, Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira 1 1 Faculdade de Computação Instituto de Ciências Exatas e Naturais (ICEN)

Leia mais

Influência do Encaminhamento de Mensagens na Topologia de Redes Sociais

Influência do Encaminhamento de Mensagens na Topologia de Redes Sociais Influência do Encaminhamento de Mensagens na Topologia de Redes Sociais Samuel da Costa Alves Basilio, Gabriel de Oliveira Machado 1 Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais - CEFET MG, Unidade

Leia mais

Transformação de um Modelo de Empresa em Requisitos de Software

Transformação de um Modelo de Empresa em Requisitos de Software Transformação de um Modelo de Empresa em Requisitos de Software Fábio Levy Siqueira 1 and Paulo Sérgio Muniz Silva 2 1 Programa de Educação Continuada da Poli-USP, São Paulo, Brazil 2 Escola Politécnica

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Tecnologia. Aysy Anne Andrade Duarte Willian Alves Barboza. Gerenciamento de Projetos Open Source

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Tecnologia. Aysy Anne Andrade Duarte Willian Alves Barboza. Gerenciamento de Projetos Open Source Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Tecnologia Aysy Anne Andrade Duarte Willian Alves Barboza Gerenciamento de Projetos Open Source Limeira, 2010 Universidade Estadual de Campinas Faculdade

Leia mais

Um Arcabouço open source em Python para DBC com

Um Arcabouço open source em Python para DBC com Um Arcabouço open source em Python para DBC com Suporte à Evolução Dinâmica não Antecipada Yguaratã C. Cavacanti 1, Hyggo Oliveira de Almeida 1, Evandro Costa 2 1 Instituto de Computação Universidade Federal

Leia mais

2. Sistemas Multi-Agentes (Multi-Agent System - MAS)

2. Sistemas Multi-Agentes (Multi-Agent System - MAS) AORML uma linguagem para modelagem de uma aplicação Multiagentes: Uma Aplicação no Sistema Expertcop. Hebert de Aquino Nery, Daniel Gonçalves de Oliveira e Vasco Furtado. Universidade de Fortaleza UNIFOR

Leia mais

Extensão do WEKA para Métodos de Agrupamento com Restrição de Contigüidade

Extensão do WEKA para Métodos de Agrupamento com Restrição de Contigüidade Extensão do WEKA para Métodos de Agrupamento com Restrição de Contigüidade Carlos Eduardo R. de Mello, Geraldo Zimbrão da Silva, Jano M. de Souza Programa de Engenharia de Sistemas e Computação Universidade

Leia mais

Prof. Júlio Cesar Nievola Data Mining PPGIa PUCPR

Prof. Júlio Cesar Nievola Data Mining PPGIa PUCPR Uma exploração preliminar dos dados para compreender melhor suas características. Motivações-chave da exploração de dados incluem Ajudar na seleção da técnica correta para pré-processamento ou análise

Leia mais

Notas de Leitura: Modelos e Métodos para Análise de Redes Sociais

Notas de Leitura: Modelos e Métodos para Análise de Redes Sociais Notas de Leitura: Modelos e Métodos para Análise de Redes Sociais Social networks are fundamental influences on human behavior and conduits for the diffusion of ideas and practices, yet their roles are

Leia mais

Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow

Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow Itana M. S. Gimenes 1 itana@din.uem.br Fabrício R. Lazilha 2 fabricio@cesumar.br Edson A. O. Junior

Leia mais

Um modelo para o gerenciamento de múltiplos projetos de software aderente ao CMMI

Um modelo para o gerenciamento de múltiplos projetos de software aderente ao CMMI Universidade Federal de Pernambuco Graduação em Ciência da Computação Centro de Informática Um modelo para o gerenciamento de múltiplos projetos de software aderente ao CMMI PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO

Leia mais

Engenharia de Software e Software Livre

Engenharia de Software e Software Livre Tudo a Ver! terceiro@dcc.ufba.br Abril de 2008 fisl9.0 Agenda O que é Engenharia de Software 1 O que é Engenharia de Software 2 3 4 5 Agenda O que é Engenharia de Software 1 O que é Engenharia de Software

Leia mais

Critérios para Apoiar a Decisão Sobre o Momento de Parada dos Testes de Software

Critérios para Apoiar a Decisão Sobre o Momento de Parada dos Testes de Software Critérios para Apoiar a Decisão Sobre o Momento de Parada dos Testes de Software Victor Vidigal Ribeiro Guilherme Horta Travassos {vidigal, ght}@cos.ufrj.br Agenda Introdução Resultados da revisão Corpo

Leia mais

Sistema de gestão do conhecimento: etapas iniciais

Sistema de gestão do conhecimento: etapas iniciais Sistema de gestão do conhecimento: etapas iniciais Willians Santos de Oliveira 1, Claudia Pinto Pereira Sena 1, 2, Diego Freire da Silva 1, Ricardo Sena Carvalho 1, 2 1 Curso de Sistemas de Informação

Leia mais

Similaridade entre Objetos Localizados em Fontes de Dados Heterogêneas

Similaridade entre Objetos Localizados em Fontes de Dados Heterogêneas Similaridade entre Objetos Localizados em Fontes de Dados Heterogêneas Rubens Guimarães 1, Gustavo Zanini Kantorski 1 1 Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus Santa

Leia mais

ECOSSISTEMAS DE SOFTWARE

ECOSSISTEMAS DE SOFTWARE ECOSSISTEMAS DE SOFTWARE MODELOS E REUTILIZAÇÃO EM ECOSSISTEMAS DE SOFTWARE Alunos: Felyppe Rodrigues da Silva (Mestrado) Gabriella Castro Barbosa Costa (Doutorado) Professor: Toacy Cavalcante de Oliveira

Leia mais

Uma proposta de Solução de Mineração de Dados aplicada à

Uma proposta de Solução de Mineração de Dados aplicada à Uma proposta de Solução de Mineração de Dados aplicada à Segurança Pública Fernando José Braz 1, Walter Silvestre Coan 2, Andrei Rosseti 2 1 Instituto Federal Catarinense (IFC) Rodovia SC 303, Campus Experimental

Leia mais

Sistema Gerenciador de Conteúdo OpenCms: um caso de sucesso no CEFET-MG

Sistema Gerenciador de Conteúdo OpenCms: um caso de sucesso no CEFET-MG Sistema Gerenciador de Conteúdo OpenCms: um caso de sucesso no CEFET-MG Marco T. A. Rodrigues*, Paulo E. M. de Almeida* *Departamento de Recursos em Informática Centro Federal de Educação Tecnológica de

Leia mais

Palavras Chave: Rede social, Grafo, Digrafo, Relação de amizade, Caminho 1 INTRODUÇÃO

Palavras Chave: Rede social, Grafo, Digrafo, Relação de amizade, Caminho 1 INTRODUÇÃO USANDO O FACEBOOK E APRENDENDO SOBRE GRAFOS Vinicius Schmidt Monego - viniciussm@rocketmail.com Monique Rubenich Nascimento - moniquee.rn@gmail.com Alice de Jesus Kozakevicius - alicek@ufsm.br Resumo.

Leia mais

Descoberta de Domínio Conceitual de Páginas Web

Descoberta de Domínio Conceitual de Páginas Web paper:25 Descoberta de Domínio Conceitual de Páginas Web Aluno: Gleidson Antônio Cardoso da Silva gleidson.silva@posgrad.ufsc.br Orientadora: Carina Friedrich Dorneles dorneles@inf.ufsc.br Nível: Mestrado

Leia mais