first premier primeiro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "first premier primeiro"

Transcrição

1 2010 first premier primeiro

2 INDICE ESTRUTURA DO GRUPO 2 A HISTÓRIA DA GLOBAL ALLIANCE 3 INFORMAÇÃO SOBRE A COMPANHIA 3 ACONTECIMENTOS EM NOTAÇÕES DE RISCO 5 PRODUTOS 6 CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO 7 ANGOLA 8 MOÇAMBIQUE 15 ÁFRICA DO SUL 24 COMPANHIAS DE APOIO 25 OS SEUS INTERESSES PRIMEIRO 1

3 ESTRUTURA DO GRUPO Gestão de Activos Tecnologia de Informação Sobre Seguros Seguros Resseguros Propriedade Reino Unido África Do Sul 100% 50% 70% 100% 100% África do Sul Reino Unido Angola 50% 100% 100% 100% Moçambique 100% África do Sul 100% 2

4 HISTORIA DA GLOBAL ALLIANCE É fundada a Correctora de Resseguros Baronscourt Re-Insurance Brokers no Reino Unido e África do Sul A CGSM Insurance Company Limited, companhia de seguros combinados registada em Moçambique, e a Baronscourt tornam-se subsidiárias sob o controlo da companhia holding, rebaptizada com o nome de Global Alliance Holdings Global Alliance iniciou o pedido para obter uma licença no Gana A Global Alliance foi autorizada a iniciar a sua actividade em Angola com uma licença composta A CGSM muda o seu nome para Global Alliance Seguros A Global Alliance Moçambique recebe o Prémio Presidencial de melhor empresa dos últimos 10 anos em todos os sectores A Global Alliance Gana é vendida ao Grupo Activa A Global Alliance Moçambique lança a divisão de Seguros de Vida e Pensões A Global Alliance Moçambique realiza a construção do edifício da sua sede em Maputo A Global Alliance Moçambique lança a divisão Alo Seguros A Global Alliance Moçambique mantém a sua notação de risco de A A GA Angola Seguros mantém a notação de risco de A A atribuição de crédito positivo da GA Angola Seguros deverá subir de classificação em A GA Angola Seguros inaugura filiais no Lobito, Lubango, Talatona e Cabinda. INFORMACAO SOBRE A COMPANHIA A Global Alliance Holdings foi constituída como sociedade de responsabilidade limitada ao abrigo da Lei das Sociedades Comerciais da Ilha de Man em A Global Alliance é uma importante prestadora de seguros e resseguros a firmas industriais, comerciais, de exploração mineira e de prestação de serviços profissionais. A sua base de clientes compreende, na sua maioria, empresas cotadas nas Bolsas S+P 500, FTSE 350, S+C 500, Hang Seng, ALSI 40, CAC, Deutsche Bourse, Nikkei e Xangai. As subsidiárias do grupo têm acordos de agência com as maiores correctoras de seguros e com mediadores de seguros locais cuidadosamente escolhidos. A companhia seleccionou um painel de resseguradoras em conformidade com as qualidades exigidas pela base de clientes do grupo, incluindo a Munich Re, Swiss Re, Africa Re, Scor e outras resseguradoras de renome. A companhia alargou o seu leque de produtos de forma a incluir seguros pessoais directos em Angola e ainda Pensões e Seguros de Vida em Moçambique. A Kindle Insurance Technologies, sua subsidiária a 50%, oferece soluções de TI a seguradoras e outras empresas envolvidas no sector de seguros em todo o mundo e o seu software vocacionado para a gestão de resseguros, banca/seguros e seguros constitui uma das plataformas de seguros mais avançadas e fáceis de utilizar do mundo. 3

5 ACONTECIMENTOS EM 2009 GA ANGOLA SEGUROS Destaques: Volume de negócios excede $ 48 milhões. Acréscimo de 344% nos lucros. Filiais inauguradas no Lobito, Lubango, Talatona, Cabinda. A notação de risco foi mantida em A- com perspectiva positiva. Continua como única seguradora avaliada de Angola. Grandes passos foram dados em matéria de crescimento de níveis de serviços e desenvolvimento de sistemas de TI. GLOBAL ALLIANCE MOÇAMBIQUE Destaques: 2009 revelou ser um ano espectacular para a Global Alliance em Moçambique. O volume de negócios da companhia aumentou de $15,341, para $21,096, Foram realizadas as obras de construção da nova sede, que irá agora albergar a companhia. A companhia manteve a sua notação de risco de A, demonstrando assim que possui uma elevada capacidade de pagamento de sinistros. A Global Alliance é a única companhia em Moçambique a quem foi atribuída uma notação de risco. A Divisão de Vida está completamente operacional, visando ter lucros no início de

6 NOTACOES DE RISCO A capacidade da companhia de subscrever actividades empresariais está dependente da qualidade das suas classificações de pagamento de sinistros e de solvibilidade financeira, atribuídas por agências de notação de risco independentes. Angola Em 2008, a Global Credit Ratings alterou a classificação da solvibilidade financeira da subsidiária operacional de bens imobiliários e sinistros em Angola, de BBB+ para A-, confirmando que a companhia tinha uma elevada capacidade de pagamento de sinistros. Esta classificação foi reconfirmada em 2010 com uma perspectiva positiva. Moçambique Em 2010, a Global Credit Ratings reavaliou a classificação da solvibilidade financeira da subsidiária em Moçambique, a qual viu reconfirmada a sua classificação de A, definida como elevada capacidade de pagamento de sinistros. 5

7 PRODUTOS As Apólices da Global Alliance estão disponíveis em inglês e nas línguas oficiais de cada país. Bens Contra Todos Os Riscos Uma apólice concebida especificamente para as necessidades específicas das grandes contas de seguro. Todos os Riscos de Empreitada/Engenharia Uma apólice concebida para cobrir as necessidades específicas de empreitadas e projectos de engenharia. Mineração Uma apólice concebida para cobrir as necessidades da indústria mineira. Energia Uma apólice concebida para cobrir os riscos dos seguros nas indústrias petrolífera e energética. Acidentes de Trabalho Seguro obrigatório na maioria dos países onde a Global Alliance actua. Aviação Uma apólice concebida para todos os sectores do mercado de aviação. Seguro Automóvel Uma apólice automóvel autónoma baseada na apólice Multimark e seguro obrigatório contra terceiros. Seguro de Vida Para Prémios Uma apólice que visa liquidar as dívidas não saldadas nos contratos de financiamento de activos em caso de morte ou doença. Benefícios Funerários Uma apólice que oferece cobertura para o custo de funeral no caso do segurado ou do beneficiário falecer. Seguro de Viagem Uma apólice que oferece cobertura médica e de bens em todo o mundo, com uma linha de atendimento de emergência de 24 horas. Seguro Marítimo Uma apólice concebida para todos os aspectos do mercado marítimo. Distúrbios Políticos E Terrorismo Uma apólice específica da região que oferece paz de espírito aos investidores. Seguro Obrigatório de Responsabilidade Civil Automóvel - Moçambique Uma apólice que oferece seguro obrigatório de responsabilidade civil automóvel. 6

8 CONSELHO DE ADMINISTRACAO MICHAEL LEWIS Presidente Não Executivo Hosken Insurance Brokers Director Geral da Incorporated General Insurance Company Ltd, posteriormente Administrador Geral e depois Presidente da empresa Presidente da Hosken Consolidated Investments, cotada na Bolsa de Valores de Joanesburgo Presidente da Associação Sul Africana de Seguros Fundador e director do Banco Investec durante vinte anos, sendo seu Presidente durante seis anos Actualmente é Presidente da Global Alliance Holdings ANDREW LEWIS Administrador Geral IGI Insurance Company CII College of Insurance, obtendo o grau ACII Mercado de Londres, primeiro como subscritor no mercado de Londres e depois como director de uma firma de corretagem da Lloyds Fundou o Grupo Baronscourt Fundou o Grupo Global Alliance Actualmente é Administrador Geral da Global Alliance Moçambique ROBERT LEWIS Administrador Executivo Irish and Company Stock Brokers Sócio da Irish Menell Rosenburg Membro da Bolsa de Valores de Joanesburgo Fundou a U-Trade, empresa de correctores online Formou o Grupo Global Alliance Actualmente é Administrador Geral da GA Angola Seguros IAN TOFIELD Administrador Não Executivo Companhia Legal and General Assurance em Londres, no Gana e na Nigéria Escritório regional na África Ocidental da resseguradora Munich Re, na Costa do Marfim Sede da resseguradora Munich Re Destacado para a resseguradora Munich Re em África Actualmente é Administrador Não Executivo do Conselho de Administração da Global Alliance 7

9 ANGOLA PONTOS MARCANTES DE 2009 CANOAGEM E REMO EM ANGOLA Com o seu magnífico litoral e abundância de água é natural que os desportos aquáticos constituam uma actividade importante em Angola. A GA Angola Seguros patrocina a equipa de canoagem de Angola em vários eventos pelo mundo e pelo continente. A GA gostaria de felicitar os vários membros da equipa pelos seus grandes êxitos ao longo do ano.... os desportos aquáticos constituem uma actividade importante em Angola. 8

10 PONTOS MARCANTES DE 2009 O LUANDA SAILFISH CLASSIC Um dos destaques da temporada de pesca é o Luanda Sailfish Classic quando os barcos da frota de pesca de agulhão têm a oportunidade de pescar e competir uns contra os outros. O evento encontra-se entre os mais bem organizados do mundo e a GA Angola Seguros orgulha-se de ser um dos patrocinadores. VELA EM ANGOLA O Clube Naval de Luanda tem um programa de vela que ensina a crianças economicamente desfavorecidas a arte de navegar à vela e a mentalidade associada a este desporto. A GA foi uma orgulhosa co-patrocinadora da equipa que participou nos Campeonatos Mundiais na ilha Maurícia, onde teve uma boa exibição dentro e fora da água. 9

11 ESCRITORIOS EM ANGOLA Talatona Sede: Edificio Malange, 6º Andar. Belas Business Park1, Talatona, Luanda Sul Tel: /20/21/22/23/ /43/44/ /56/57/58 Fax: /6 Escritório de Luanda: Avenida 4 de Fevereiro 79, Luanda, Angola Tel: / Fax: Talatona: Edificio Malange 6 andar, Belas Business Park 1, Talatona, Luanda Sul/Angola Tel: /43/44/45 Fax: Lobito: Zona Comercial Avenida 15 de Agosto Loja 3º Lobito Benguela, Angola Tel: / /95/96 Fax: Lubango: Praça João Paulo II, L48 Centro Comercial Millennium, Lubango, Angola Tel: Fax: Auditores: Advogados: BDO & Co. Angola Tel: Miranda Correia Network/Fátima Freitas Tel: ADMINISTRADORES I.M.A. Lewis Presidente Não Executivo R.W.A. Lewis Administrador Geral I.A.O.C. Lewis Administrador Executivo D. Lisboa Administrador Executivo K. Neto de Carvalho Administrador Não Executivo L. Neto de Carvalho Administrador Não Executivo M. Neto de Carvalho Administrador Não Executivo I.A. Tofield Administrador Não Executivo DIRECÇÃO Robert Lewis Director Geral Executivo Telemóvel: Sean Cumming Director de Banca/Seguros Telemóvel: Roelof Vorster Director de Sinistros Telemóvel: Donald Lisboa Director Financeiro Telemóvel: Sila Santiago Gerente de Controlo de Crédito Telemóvel: Liudmila Esteves Relação com Clientes Corporativos Telemóvel: Dr a Neusa Quinto Assessora de Sinistros Telemóvel: Lidia Estevão Recursos Humanos Telemóvel: Anchris Joubert Director de TI Angola Telemóvel: Shawn Kriedemann Director de subscrições Telemóvel:

12 MAPA DO BALANCO ACTIVO ACTIVO KZ USD KZ USD Imobilizado Corpóreo 55,835, ,164 35,899, ,059 Amortização acumulada 22,246, ,677 12,324, ,083 33,589, ,487 23,575, ,976 Imobilizado Incorpóreo 189,194,889 2,131, ,324,239 2,121,561 Amortização acumulada 156,792,829 1,766, ,450,725 1,342,491 32,402, ,110 58,873, ,070 Investimento financeiro 943,696,737 10,633, ,767,500 7,500,000 Provisões Técnicas de Resseguro Provisão para sinistros 2,986,081,831 33,647, ,567,590 7,841,411 Activo corrente Prémios a receber 829,834,322 9,350, ,901,073 5,159,537 Caixa e Bancos 419,848,748 4,730, ,610,147 1,940,083 Adiantamentos de Impostos da Companhia 0 0 4,678,141 61,906 Outros Devedores 660,210,276 7,439, ,142,319 3,283,652 Pagamentos Antecipados 16,758, ,842 21,259, ,325 Activo Corrente Total 1,926,652,276 21,709,737 1,403,158,718 18,567,914 ACTIVO TOTAL 5,922,422,109 66,734,524 2,052,375,434 27,158,960 Uma transcrição completa dos Resultados Financeiros da Companhia e também da Classificação de Risco de Crédito estão disponíveis no portal: 11

13 MAPA DO BALANCO CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO KZ USD KZ USD CAPITAL PRÓPRIO Capital social ordinário 543,000,000 6,000, ,000,000 6,000,000 Diferença de conversão 31,290, ,916,701 0 Rendimentos/Prejuízos Retidos 60,185,572 1,149,345-9,175, ,499 Lucros líquidos do exercício 188,100,084 2,119,533 69,360, ,846 Total de Capital Próprio 822,575,830 9,268, ,268,871 7,149,345 PASSIVO Provisões Técnicas Provisão para prémios não adquiridos 523,240,545 5,895, ,057,998 2,567,958 Provisão para sinistros 2,654,092,293 29,906, ,720,545 8,928,536 Provisão para IBNR 100,239,702 1,129,512 49,771, ,626 Provisão para comissões 128,739,313 1,450,649 35,561, ,580 Total de Provisões Técnicas 3,406,311,854 38,382, ,111,510 12,625,700 OUTRAS PROVISÕES Para devedores duvidosos 39,048, ,000 22,672, ,024 Total de outras provisões 39,048, ,000 22,672, ,024 EXIGÍVEL A CURTO PRAZO Devido às Resseguradoras 966,024,516 10,885, ,114,352 5,453,484 Impostos e Taxas 187,559,407 2,113,441 98,006,428 1,296,913 Outros Credores 318,658,736 3,590, ,120 11,779 Acréscimos 182,243,527 2,053,541 24,311, ,715 Total do Exigível a Curto Prazo 1,654,486,185 18,642, ,322,566 7,083,891 PASSIVO TOTAL 5,099,846,279 57,465,646 1,512,106,563 20,009,614 Capital Próprio e Passivo Total 5,922,422,109 66,734,524 2,052,375,435 27,158,959 Uma transcrição completa dos Resultados Financeiros da Companhia e também da Classificação de Risco de Crédito estão disponíveis no portal: 12

14 DEMONSTRACAO DE RESULTADOS Relativa ao exercício findo em 31 de Dezembro de Descrição KZ USD KZ USD Prémios Brutos 4,115,332,506 46,372,034 1,745,309,450 23,095,574 Menos: Prémios de resseguros 1,923,558,938 21,674, ,122,182 10,071,884 Prémios Líquidos 2,191,773,568 24,697, ,187,268 13,023,691 Menos: Contribuição de Financiamento(libertação) 306,406,043 3,452, ,022,466 1,323,591 Prémios adquiridos 1,885,367,524 21,244, ,164,802 11,700,099 Sinistros Sinistros brutos incorridos 3,087,308,840 34,788, ,236,778 12,005,409 Menos: Parte dos Sinistros das Resseguradoras 2,391,440,749 26,947, ,281,458 7,811,159 Menos: Recuperação de salvados 12,328, , IBNR 44,887, , ,927,587 1,494,364 Sinistros Líquidos 728,427,625 8,208, ,882,906 5,688,614 Prémios líquidos adquiridos 1,156,939,900 13,036, ,281,936 6,011,485 Comissões líquidas recebidas/ (pagas) -35,553, ,620 13,001, ,045 Comissões recebidas de resseguradores 216,591,509 2,440, ,607,802 1,860,655 Menos: Comissões de corretores pagas 252,144,989 2,841, ,606,528 1,688,609 Despesas operacionais líquidas 767,861,187 8,652, ,229,990 5,402,083 Impostos sobre os prémios 173,405,602 1,953,954 80,789,382 1,069,081 Excedente das subscrições antes dos rendimentos de investimentos 180,119, 633 2,029,610 59,053, ,448 Rendimento de investimentos 109,264,767 1,231,208 25,834, ,870 Resultados antes de impostos 289,384,401 3,260,819 84,888,026 1,123,318 Impostos 101,284,656 1,141,287 15,527, ,472 Resultados depois de impostos 188,099,745 2,119,532 69,360, ,846 Rendimentos retidos no inicio do exercício 60,185,572 1,149,345-9,175, ,499 Resultados retidos no fim do exercício 248,285,317 3,268,877 60,185,581 1,149,345 Uma transcrição completa dos Resultados Financeiros da Companhia e também da Classificação de Risco de Crédito estão disponíveis no portal: 13

15 GA Angola Seguros S.A. Análise dos Seguros em Angola Março de 2010 Classe de segurança Escala de avaliação Moeda Avaliação Monitorização da avaliação Válida até Capacidade de Nacional Kwanza A- Positivo 03/2011 pagamento de sinistros Informação financeira: Análise racional da avaliação GLOBAL CREDIT RATING CO. (US$m Comparação) 31/12/08 31/12/09 KZ/US$ (média) KZ/US$ (fecho) Total de activos Total de capital Caixa e equiparados GPI Resultado de subscrições NPAT Fluxo de caixa operacional n.a. n.a. Capit. do mercado n.a. Quota do mercado* 18% * Com base na estimativa para o mercado de seguros não petrolífero a 31 de Dezembro de Princípios Fundamentais: A GA Angola Seguros S.A. (GA Angola) é detida a 49.9% pela companhia holding de investimentos internacionais, a Global Alliance Holdings, e quatro investidores angolanos locais. A companhia iniciou a sua actividade em Angola em meados de 2005, subscrevendo principalmente riscos comerciais. A sua sede está situada em Luanda, com algumas filiais espalhadas por regiões importantes do país. A GA tem plenas capacidades operacionais e conta ainda com o apoio dos conhecimentos técnicos do grupo. Pessoa a Contactar na GCR: Marc Joffe Website: A avaliação baseia-se nos seguintes factores-chave: A GA Angola tem crescido rapidamente, tendo-se tornado uma das principais seguradoras no mercado angolano, apoiada por altos níveis de serviço, forte marca comercial, e um alto nível de apoio ao cliente (que incluí algumas das principais companhias angolanas) e aceitação de corretor. No entanto, reconhecem-se os riscos associados a este crescimento, particularmente o impacto negativo na solvência, o que tem consistentemente diminuido desde o seu pico em F07. As medidas de retenção de liquidez são consideradas satisfatórias, embora se espere a sua diminuição a médio prazo em consonância com uma correcção da estratégia de investimento, a inclui propriedade. Não obstante os lucros de subscrição desde F07, os padrões de sinistros evidenciaram uma tendência bastante volátil desde o início da empresa, havendo um impacto na precisão de previsão (embora melhorando). Além disso, os custos relativos à gestão são considerados altos. Foi tomado conhecimento da concentração do livro de negócios da GA, caracterizado pela dependência significativa do ramo automóvel e, em menor grau, do seguro de acidentes de trabalho. Solvência e liquidez O total das participações minoritárias dos accionistas aumentou em 64%, totalizando KZ790m no F09. Após um crescimento comparativamente mais forte dos prémios líquidos (106%), porém, a margem de solvência internacional desceu ao seu nível mais baixo em trê anos, 36%, dos 45% alcançados em F08. De igual modo, o quociente da base financeira registou o valor mais baixo de 60% em F09 (F08: 63%). O programa de resseguros de excedentes de sinistros limita a retenção líquida máxima da seguradora, tanto com base no risco como com base no evento, a US$ (cerca de 3% do capital base do FYE09). As disponibilidades líquidas e os depósitos a curto prazo registaram um crescimento significativo de 91%, para KZ1.4bn em F09. Este facto levou a uma grande melhoria nos indicadores chave de liquidez, com a cobertura de sinistros em numerário aumentando de 20 para 23 meses em F09. A maior parte das disponibilidades líquidas é mantida em US$, pois as apólices e os sinistros são na maioria apresentadas em US$. Este documento é confidencial e foi publicado apenas para informação dos clientes. Está sujeito a direitos de autor e não pode ser reproduzido na íntegra ou parcialmente sem a autorização por escrito da Global Credit Rating Co. (Pty.) Ltd ( CGR ). As avaliações de crédito e outras opiniões constantes neste documento são, e devem ser, interpretadas puramente como afirmações de opinião e não afirmações factuais ou recomendações para comprar, vender ou reter quaisquer títulos. Nenhuma garantia, seja ela expressa ou implícita, sobre a precisão, oportunidade, integralidade, comercialização ou aptidão para qualquer fim específico de qualquer avaliação deste tipo ou outras opiniões ou informações será dada ou feita pela GCR sob qualquer forma ou maneira, seja ela qual for. 14

16 MOCAMBIQUE PONTOS MARCANTES DE 2009 CORRIDA DE DHOWS DE MOÇAMBIQUE Há 18 anos que a Global Alliance foi registada em Moçambique e tem uma forte presença no país. Em consonância com o seu programa de responsabilidade social, a Global Alliance iniciou a Corrida Anual de Dhows da Global Alliance. Realizando-se há já quatro anos, a corrida tornou-se um acontecimento marcante do calendário social moçambicano. Os dirigentes políticos, empresariais e comunitários, assim como a população de Maputo, desfrutam de um dia de concorrência saudável e participam nas festividades. A corrida realizou-se no primeiro trimestre de 2010 para coincidir com a inauguração do novo prédio. As regras ditam que os participantes têm de ser moçambicanos e que as embarcações de corrida devem ser impulsionadas pelo vento e ter a configuração de um dhow à vela tradicional. Pescadores de Maputo e de outras cidades e províncias costeiras entram na corrida com o objectivo de conquistar o primeiro prémio, no valor de $10.000, sendo os segundo e terceiro prémios $2.500 e $1.000, respectivamente. A concorrência é intensa à medida que os concorrentes navegam um itinerário traçado previamente na baía de Maputo. No entanto, ninguém vai para casa de mãos a abanar: cada participante tem o direito de guardar o vestuário com que participou na corrida e recebe um cesto com comida e refrescos. Apesar da corrida ter sido difícil devido ao tempo, as outras actividades incluíram muita acção e o dia foi preenchido com fogo de artifício, música ao vivo e comida deliciosa. Esta foi de longe a melhor corrida de Dhows e será difícil superá-la no próximo ano. 15

17 PONTOS MARCANTES DE 2009 SEDE EM MOÇAMBIQUE A Global Alliance concluíu a construção de um prédio com diversos andares e arrendatários que inclui um piso térreo e quatro andares de escritórios. Situado na Rua Marginal, próximo do Hotel Southern Sun e do complexo residencial de Polana Village, perto do gabinete presidencial, e possuindo vista directa para o mar, esta constitui a localização ideal. A propriedade está completamente arrendada e é vista como um ponto de referência em Maputo. O prédio foi inaugurado oficialmente no dia 12 de Março de 2010 por Sua Excelência, Sr. David Simango, Presidente do Conselho Municipal de Maputo. 16 O prédio foi inaugurado oficialmente no dia 12 de Março de 2010.

18 PONTOS MARCANTES DE 2009 GOLFE EM MOÇAMBIQUE O golfe é um das actividades desportivas mais populares do mundo. A Global Alliance presta assistência na reabilitação do Campo de Golfe de Maputo e actualmente patrocina com orgulho o tee do 13º buraco. COMPETIÇÃO DE JET SKI DO GUINJATA LODGE Moçambique é conhecido pelas excelentes oportunidades de pesca que oferece. O Guinjata Lodge é uma das mais prestigiosas pousadas em Moçambique, famosa pelas magníficas oportunidades de pesca. Há muita concorrência entre pescadores de caiaque e de jet ski e o Guinjata Lodge criou uma competição que permite que esta contenda seja posta à prova máxima. A Global Alliance tornou-se um dos mais importantes patrocinadores da competição de Pesca de Caiaque e de Jet Ski do Guinjata Lodge. A competição foi um grande sucesso, com enorme assistência, ampla cobertura televisiva em Moçambique e na África do Sul, e forte concorrência, acabando os concorrente em caiaque por ganhar a competição em A Global Alliance tornouse um dos mais importantes patrocinadores... 17

19 PONTOS MARCANTES DE 2009 EQUIPA DE BASQUETEBOL DE MOÇAMBIQUE O basquetebol constitui uma das actividades desportivas mais populares em Moçambique. Actualmente, a Global Alliance patrocina com orgulho o torneio de basquetebol de veteranos, que tem um magnífico legado e conta com o apoio do público moçambicano. A equipa da Global Alliance é composta por muitas antigas estrelas de basquetebol que conseguiram desenvolver as suas competências empresariais, e os membros da equipa incluem presidentes e directores de diversas empresas importantes, bancos e ONGs em Moçambique uma das actividades desportivas mais populares em Moçambique..

20 ESCRITORIOS EM MOcAMBIQUE Maputo Sede: Avenida Marginal, parcela 141/C, Maputo, Mozambique Tel: /1/2/3/4/5/6/7 Fax: /119 Maputo: 183 Rua Da Imprensa, Maputo, Mozambique Tel: /1/2/3/4/5/6/7/8/9 Fax: Beira: Rua Major Serpa Pinto No 102 R/C, Complexo Bulha Shopping, Loja No 10 Tel: Fax: Auditores: Advogados: KPMG Tel: Liliana Costa - Advocacia e Consultoria Tel: ADMINISTRADORES I.M.A. Lewis Presidente I.A.O.C. Lewis Administrador Geral R.W.A. Lewis Administrador Executivo R. Paruque Administrador Não Executivo I.A. Tofield Administrador Não Executivo DIRECÇÃO Andrew Lewis Director Geral Telemóvel: Hilton Ossmane Director de Controlo de Crédito da Divisão de Corretores de Seguros Telemóvel: Imran Akuji Director Financeiro da Empresa Telemóvel: Penelopè Cilliers Directora Administrativa da Divisão de Corretores de Seguros Telemóvel: Louis Kahts Director Geral da Divisão de Corretores de Seguros Telemóvel: Diane Smith Directora de Sinistros da Divisão de Corretores de Seguros Telemóvel: Ruan Kotze Director Geral da Alo Seguros Telemóvel: e Anton Nortje Director de TI Telemóvel: Allister Langford Director Geral Vida Telemóvel: Ricardo Vasco Director Administrativo da Alo Seguros Telemóvel: Nilze Cuambe Directora Financeira Vida Telemóvel: Marcio Fumo Director Financeiro da Alo Seguros Telemóvel:

21 MAPA DO BALANcO ACTIVO ACTIVO 2009 MZN 2009 USD 2008 MZN 2008 USD Imobilizações Incorpóreas Investimentos Edifícios Outros investimentos financeiros Depósitos em instituições bancárias Trabalho em curso Provisões técnicas para resseguro cedido Devedores Por operações de seguro directo Por operações de resseguro Por outras operações Outros elementos do activo Imobilizações corpóreas e existências Deposito bancário e dinheiro em caixa ACTIVO TOTAL Uma transcrição completa dos Resultados Financeiros da Companhia e também da Classificação de Risco de Crédito estão disponíveis no portal: 20

22 MAPA DO BALANcO CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 2009 MZN 2009 USD 2008 MZN 2008 USD Capital Próprio Capital social Prémio de emissão Reserva legal Reserva de reavaliação Resultados acumulados de exercícios anteriores ( ) ( ) ( ) ( ) Resultado do exercício Reserva de conversão cambial - ( ) - ( ) Capital Próprio Total Provisões técnicas para seguro directo e resseguro Provisões para outros riscos e encargos Credores Empréstimo bancário Por operações de seguro directo e resseguro cedido Por operações de resseguro cedido Estado e outras entidades públicas Credores diversos Aumentos e acréscimos Passivo Total CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO TOTAL Uma transcrição completa dos Resultados Financeiros da Companhia e também da Classificação de Risco de Crédito estão disponíveis no portal: 21

23 DEMONSTRACAO DE RESULTADOS Relativa ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2009 Descrição 2009 MZN 2009 USD 2008 MZN 2008 USD Prémios brutos emitidos Prémios de resseguros ( ) ( ) ( ) ( ) Provisão para prémios não adquiridos ( ) ( ) ( ) ( ) Provisão para prémios não adquiridos - Resseguro Prémios líquidos emitidos Outras receitas de investimento Outras receitas técnicas Total dos Lucros e Ganhos Sinistros Ocorridos Valor Bruto ( ) ( ) ( ) ( ) Parte das Resseguradoras Provisão para Sinistros (variação) Partes das Resseguradoras ( ) ( ) ( ) ( ) Provisão para IBNR ( ) ( ) ( ) (80 800) Provisão para riscos em curso ( ) ( ) Provisão para desvios de sinistralidades - - ( ) (5 217) Custos operacionais líquidos Custos de aquisição ( ) ( ) ( ) ( ) Custos de aquisição diferidos ( ) ( ) ( ) (89 289) Custos administrativos ( ) ( ) ( ) ( ) Comissões de resseguro Outros custos não técnicos (48 216) Participação nos resultados ( ) (6 363) - - Lucro Operacional Total Ajustamento dos lucros do exercício anterior Lucro antes de rubricas extraordinárias Ganhos extraordinários Perdas extraordinárias (33 949) (1 230) - - Lucros antes de impostos Provisão para impostos ( ) ( ) ( ) ( ) LUCRO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO Uma transcrição completa dos Resultados Financeiros da Companhia e também da Classificação de Risco de Crédito estão disponíveis no portal:

A Year in Review 8:00 am 2010-2011

A Year in Review 8:00 am 2010-2011 A Year in Review 8:00 am 2010-2011 Group Life Insurance Aviation CAR/Engineering Assets All Risks Energy Workman s Compensation Industrial Risks Motor Marine Insurance Travel Insurance Fire Mining Liability

Leia mais

Global Alliance Angola Seguros S.A.

Global Alliance Angola Seguros S.A. Global Alliance Angola Seguros S.A. Jackie Swan swanj@globalratings.net Análise dos Seguros em Angola Classe de segurança Capacidade de pagamento de reclamações Escala de classificação Moeda Avaliação

Leia mais

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A.

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A. Balanço Em 31 de Dezembro de 2006 ACTIVO Notas Caixa e disponibilidades no Banco Central 5 204 460 2 547 Disponibilidades sobre instituições de crédito 6 2 847 256 35 474 Créditos sobre clientes 7 75 154

Leia mais

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações Objectivo No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições")

Leia mais

Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006.

Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006. Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006. São Paulo, 28 de fevereiro de 2007 - A Porto Seguro S.A. (Bovespa: PSSA3) anuncia seu resultado

Leia mais

Release de Resultado 3T08

Release de Resultado 3T08 PORTO SEGURO ANUNCIA LUCRO LÍQUIDO DE R$75,0 MILHÕES OU R$0,33 POR AÇÃO NO E R$211,6 MILHÕES OU R$0,92 POR AÇÃO NO 9M08. São Paulo, 7 de Novembro de 2008 Porto Seguro S.A. (BOVESPA: PSSA3), anuncia os

Leia mais

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CONTAS ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE PARAQUEDISMO RUA DA UNIDADE, 9 7000-719

Leia mais

Release de Resultados do 1T10

Release de Resultados do 1T10 Release de Resultados do 1T10 Fale com R.I Relações com Investidores Tel: (11) 3366-5323 / 3366-5378 www.portoseguro.com.br, gri@portoseguro.com.br Porto Seguro S.A. Alameda Ribeiro da Silva, 275 1º andar

Leia mais

Estatísticas de Seguros

Estatísticas de Seguros Estatísticas de Seguros 2009 Autoridade de Supervisão da Actividade Seguradora e de Fundos de Pensões Autorité de Contrôle des Assurances et des Fonds de Pensions du Portugal Portuguese Insurance and Pension

Leia mais

COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015

COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015 COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015 Sociedade Comercial Orey Antunes, S.A. Sociedade Aberta Rua Carlos Alberto da Mota Pinto, nº 17 6A, 1070-313 Lisboa Portugal Capital

Leia mais

Informação Financeira

Informação Financeira Informação Financeira Balanço Polis Litoral Ria Aveiro das ACTIVO BALANÇO ANALÍTICO Dezembro 09 Dezembro 08 ACTIVO BRUTO AMORT. E AJUST. ACTIVO LIQUIDO ACTIVO LIQUIDO IMOBILIZADO Imobilizações Incorpóreas

Leia mais

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas)

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas) COMUNICADO 9M 2015 (Contas não auditadas) 30 novembro 2015 1 1. EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS 1.1. ÁREA FINANCEIRA A Área Financeira do Grupo concentra as atividades financeiras, incluindo a Orey Financial e as

Leia mais

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO De acordo com as disposições legais e estatuárias venho submeter á apreciação dos senhores accionistas o Relatório de Gestão e as

Leia mais

INFORMAÇÕES FINANCEIRAS SINTETIZADAS BALANÇO SINTETIZADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 Activos intangíveis 355.229

INFORMAÇÕES FINANCEIRAS SINTETIZADAS BALANÇO SINTETIZADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 Activos intangíveis 355.229 Relatório do Auditor Independent sobre informações financeiras resumidas Para: Acionistas da Companhia Ônix SEGUROS SA Relatório sobre as informações financeiras resumidas Informações financeiras resumo

Leia mais

COMUNICADO 1S 2015. COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas)

COMUNICADO 1S 2015. COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas) COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas) 31 agosto 2015 1. EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS 1.1. ÁREA FINANCEIRA A Área Financeira do Grupo concentra as atividades financeiras, incluindo a Orey Financial, e as suas

Leia mais

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES Crescimento de volume de negócios: + 5.1% a valores e taxas

Leia mais

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA 31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA A demonstração de fluxos de caixa é um mapa de fluxos que releva a entradas e as saídas de caixa, durante um exercício. A Demonstração de fluxos de caixa é estruturada

Leia mais

Folha de cálculo para Plano de Negócios. 7 de Novembro 2009

Folha de cálculo para Plano de Negócios. 7 de Novembro 2009 Folha de cálculo para Plano de Negócios 7 de Novembro 2009 9 de Novembro de 2009 Modelo 9 de Novembro de 2009 2 Objectivos ferramenta Disponibilizar uma ferramenta que possibilite a um empreendedor efectuar

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 I. BALANÇA DE PAGAMENTOS A estatística da Balança de Pagamentos regista as transacções económicas ocorridas, durante

Leia mais

RELATÓRIO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Banco de Cabo Verde

RELATÓRIO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Banco de Cabo Verde RELATÓRIO DA ACTIVIDADE SEGURADORA 2012 Banco de Cabo Verde Índice 1. Introdução... 4 2. Os seguros e a sociedade... 6 3. O Resseguro Cedido... 8 4. Sinistralidade Global... 10 5. Quota de mercado e comparação

Leia mais

Em 31 de Dezembro do ano de 2011 e 31 de Dezembro de 2012, estas rubricas tinham a seguinte composição:

Em 31 de Dezembro do ano de 2011 e 31 de Dezembro de 2012, estas rubricas tinham a seguinte composição: 8.2 Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados As demonstrações financeiras relativas ao exercício de 2012, foram preparadas de acordo com os princípios contabilístico fundamentais previstos no POCAL

Leia mais

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Brito Amoedo Imobiliária S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

26 de Junho de 2015 DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA FINANCEIRO

26 de Junho de 2015 DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA FINANCEIRO Apresentação ao mercado do modelo de adopção plena das IAS/IFRS e outras matérias inerentes ao processo de adopção plena das IAS/IFRS no sector bancário nacional DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO E ORGANIZAÇÃO

Leia mais

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande NIPC :501971327 NISS :20007555241 NOTAS PERÍODOS 31-12-2014 31-12- ACTIVO Activo não corrente

Leia mais

BECAUSE TECHNOLOGY RUNS PERFECTLY

BECAUSE TECHNOLOGY RUNS PERFECTLY BECAUSE TECHNOLOGY RUNS PERFECTLY i2s Thinks, Creates and Provides DÊ UMA NOVA VIDA AO SEU NEGÓCIO, FAÇA A ESCOLHA CERTA Na i2s trabalhamos com afinco para sermos o seu parceiro na solução da sua companhia.

Leia mais

PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 BALANÇO ANALÍTICO. Exercícios ACTIVO AB AA AL AL. Imobilizado:

PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 BALANÇO ANALÍTICO. Exercícios ACTIVO AB AA AL AL. Imobilizado: PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 Imobilizado: ACTIVO AB AA AL AL Imobilizações incorpóreas: Despesas de Instalação... 770,64 770,64 Despesas de investigação e de desenvolvimento... Propriedade industrial

Leia mais

Resultados 1T07 10 de maio de 2007

Resultados 1T07 10 de maio de 2007 PUBLICIDADE CAIXA CRESCEU 102% BASE DE ASSINANTES BANDA LARGA CRESCEU 32% São Paulo, O UOL (BOVESPA: UOLL4) anuncia hoje os resultados do 1T07. As demonstrações financeiras da Companhia são elaboradas

Leia mais

BOLETIM ANUAL DA ACTIVIDADE SEGURADORA

BOLETIM ANUAL DA ACTIVIDADE SEGURADORA BOLETIM ANUAL DA ACTIVIDADE SEGURADORA 2010 Banco de Cabo Verde 2 INDICE 1. Introdução... 3 2. Caracterização do Sector 3 3 Índice de penetração e indicador de densidade dos seguros. 4 4 Comparação internacional.

Leia mais

Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra. Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira

Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra. Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira 18 de Maio de 2011 1 Modelo de análise económico-financeira 2 Modelo de análise económico-financeira

Leia mais

João Mata Moçambique

João Mata Moçambique 2 Apresentação João Mata Moçambique Corretores e Consultores Seguros Lda, é um novo projecto profissional que se afirma na actividade seguradora Moçambicana, associando a experiência e especialização da

Leia mais

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC CÓDIGO DE CONTAS DO SNC 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros 141 Derivados 1411 Potencialmente favoráveis 1412 Potencialmente

Leia mais

Emitente: Descrição do Emitente: Oferta: Vencimento:

Emitente: Descrição do Emitente: Oferta: Vencimento: RESUMO DA OFERTA Este resumo tem de ser visto como uma introdução a este Prospecto. Qualquer decisão de investimento em quaisquer Acções Preferenciais deve basear-se numa avaliação deste Prospecto como

Leia mais

I B 1:) CERTIFICAÇÃO LEGAL DAS CONTAS. Introdução

I B 1:) CERTIFICAÇÃO LEGAL DAS CONTAS. Introdução Relatório e Contas do Exercício de 2013 10, I B 1:) Te[: +351 217 990 420 Av. da República, 50-1Q Fax: +351 217990439 1069-211 Lisboa www. bdo. pt CERTIFICAÇÃO LEGAL DAS CONTAS Introdução 1. Examinámos

Leia mais

ACE BUSINESS CLASS PLUS SEGURO DE VIAGEM CORPORATE INTERNACIONAL

ACE BUSINESS CLASS PLUS SEGURO DE VIAGEM CORPORATE INTERNACIONAL ACE BUSINESS CLASS PLUS SEGURO DE VIAGEM CORPORATE INTERNACIONAL Apesar das sequelas da crise financeira global e da ressaca de uma recessão em vários países, os analistas esperam que a procura de viagens

Leia mais

Informação Financeira

Informação Financeira Informação Financeira Balanço Código das contas POCMS Imobilizado ACTIVO Exercícios AB AP AL AL Bens de domínio público: 451 Terrenos e Recursos naturais 452 Edifícios 453 Outras construções e infra-estruturas

Leia mais

BESA PATRIMÓNIO FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO PROSPECTO. A Identificação

BESA PATRIMÓNIO FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO PROSPECTO. A Identificação BESA PATRIMÓNIO FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO PROSPECTO A Identificação Denominação: BESA Património Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Tipo de Fundo e Duração: Fundo de investimento

Leia mais

TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas)

TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas) TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas) Para maiores informações, contatar: Daniel de Andrade Gomes TELEFÔNICA

Leia mais

8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Nota Introdutória A Manuel Rodrigues Gouveia, S.A. ( MRG ou Empresa ) tem sede em Seia, foi constituída em 1977 e tem como actividade principal a Construção Civil

Leia mais

João Carvalho das Neves

João Carvalho das Neves ANÁLISE FINANCEIRA João Carvalho das Neves Professor Associado e Director do MBA - ISEG Sócio ROC Neves, Azevedo Rodrigues e Batalha, SROC 1 Análise dos fluxos de caixa 52 1 Análise dos fluxos de caixa

Leia mais

BECAUSE TECHNOLOGY RUNS PERFECTLY. i2s Thinks, Creates and Provides

BECAUSE TECHNOLOGY RUNS PERFECTLY. i2s Thinks, Creates and Provides BECAUSE TECHNOLOGY RUNS PERFECTLY i2s Thinks, Creates and Provides DÊ UMA NOVA VIDA AO SEU NEGÓCIO, FAÇA A ESCOLHA CERTA Na i2s trabalhamos com afinco para sermos o seu parceiro na solução da sua companhia.

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS As Demonstrações Financeiras anexas foram elaboradas de acordo com os princípios contabilísticos definidos pelo Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias

Leia mais

PORTO SEGURO ANUNCIA LUCRO LÍQUIDO DE R$110,9 MILHÕES OU R$0,48

PORTO SEGURO ANUNCIA LUCRO LÍQUIDO DE R$110,9 MILHÕES OU R$0,48 PORTO SEGURO ANUNCIA LUCRO LÍQUIDO DE R$110,9 MILHÕES OU R$0,48 POR AÇÃO ATÉ MAIO DE 2008. São Paulo, 02 de julho de 2008 Porto Seguro S.A. (BOVESPA: PSSA3), anuncia os resultados dos 5M08. As informações

Leia mais

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Niterói Administradora de Imóveis S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

Análise Financeira 2º semestre

Análise Financeira 2º semestre ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO Análise Financeira 2º semestre Caderno de exercícios CAP II Luís Fernandes Rodrigues António Manuel F Almeida CAPITULO II 2011 2012 Página

Leia mais

Relatório do Mercado de Seguros de 2013

Relatório do Mercado de Seguros de 2013 II Seminário Anual Sobre Legislação do Sector de Seguros Relatório do Mercado de Seguros de 2013 Por Francelina Nhamona Directora dos Serviços de Estudos e Estatística Maputo, 02 de Dezembro de 2014 1

Leia mais

ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS. Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis

ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS. Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis Introdução As empresas de seguros são estruturas que apresentam características próprias. Podem se revestir

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008. (Em milhares de reais)

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008. (Em milhares de reais) NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008 (Em milhares de reais) NOTA 1 - CONTEXTO OPERACIONAL A Seguradora está autorizada a operar em seguros do

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS A Penafiel Verde, E.M. é uma empresa municipal, com sede em Penafiel, constituída em Maio de 2006 e que tem como actividades principais a gestão e exploração

Leia mais

. Reação e Antecipação. Espírito de Equipa e Estabilidade. Consistência e Coerência das Prestações oferecidas

. Reação e Antecipação. Espírito de Equipa e Estabilidade. Consistência e Coerência das Prestações oferecidas 2 Apresentação JOÃO MATA, Angola - Corretores e Consultores de Seguros, é um novo projeto profissional que se afirma na atividade seguradora Angolana, associando a experiência e especialização da sua casa

Leia mais

GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2007 ECONOMIA PORTUGUESA A economia portuguesa tem observado fracos crescimentos do Produto Interno Bruto, embora em 2007 tenha

Leia mais

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Exercício de 2011 Notas às Demonstrações Financeiras 31 De Dezembro de 2011 e 2010 1. Identificação da entidade Accendo, Lda, inscrita na conservatória

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 8.2 - NOTAS AO BALANÇO E A DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 Indicação e justificação das disposições do POCAL que, em casos excecionais, devidamente fundamentados e sem

Leia mais

NEXPONOR. 30/06/2014 Relatório de gestão 1º semestre 2014

NEXPONOR. 30/06/2014 Relatório de gestão 1º semestre 2014 NEXPONOR 30/06/2014 Relatório de gestão 1º semestre 2014 A NEXPONOR Sociedade Especial de Investimento Imobiliário de Capital Fixo SICAFI, S.A. foi constituída em Maio de 2013 centrando-se a sua atividade

Leia mais

ACP MOBILIDADE - Sociedade de Seguros de Assistência S.A. RELATÓRIO E CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2009

ACP MOBILIDADE - Sociedade de Seguros de Assistência S.A. RELATÓRIO E CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2009 ACP MOBILIDADE - Sociedade de Seguros de Assistência S.A. RELATÓRIO E CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2009 ACP MOBILIDADE Sociedade de Seguros de Assistência S.A. RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2009 1. Enquadramento

Leia mais

ABRIL 2012. Reforma Fiscal Angolana. Decreto Legislativo Presidencial n.º 5/11 Revisão ao Código do Imposto sobre a Aplicação de Capitais

ABRIL 2012. Reforma Fiscal Angolana. Decreto Legislativo Presidencial n.º 5/11 Revisão ao Código do Imposto sobre a Aplicação de Capitais 1 /5 Reforma Fiscal Angolana Foram publicados no início de Março, como suplemento ao Diário da República datado de dia 30 de Dezembro de 2011, os Decretos Legislativos Presidenciais n.º 5/11, n.º 6/11

Leia mais

Embratel Participações S.A. (Embratel Participações ou Embrapar ) detém 99,0 porcento da Empresa Brasileira de Telecomunicações S.A. ( Embratel ).

Embratel Participações S.A. (Embratel Participações ou Embrapar ) detém 99,0 porcento da Empresa Brasileira de Telecomunicações S.A. ( Embratel ). Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 25 de Outubro de 2005. Embratel Participações S.A. (Embratel Participações ou Embrapar ) detém 99,0 porcento da Empresa Brasileira de Telecomunicações S.A. ( Embratel ). (Os

Leia mais

ACTIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Ano de 2006 CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO

ACTIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Ano de 2006 CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Imobilizado ACTIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Ano de 2006 CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Capital Próprio Imobilizações Incorpóreas 0,00 Capital 49.879,79 49.879,79 0,00 Imobilizações

Leia mais

Brasil Brokers divulga seus resultados do 2º Trimestre de 2010

Brasil Brokers divulga seus resultados do 2º Trimestre de 2010 Brasil Brokers divulga seus resultados do 2º Trimestre de 2010 Rio de Janeiro, 16 de agosto de 2010. A Brasil Brokers Participações S.A. (BM&FBovespa: BBRK3) uma empresa com foco e atuação no mercado de

Leia mais

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1 ATIVO 1 11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1113 BANCOS CONTA DEPÓSITOS 11131 BANCOS CONTA DEPÓSITOS - MOVIMENTO

Leia mais

Enquadramento Página 1

Enquadramento Página 1 No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições") neste processo

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

CARES - Companhia de Seguros, S.A.

CARES - Companhia de Seguros, S.A. CARES - Companhia de Seguros, S.A. Relatório e Contas 2007 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas CARES 2007 Índice 2 Índice 3 4 8 14 49 58 Órgãos Sociais Relatório do Conselho de Administração

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 5 Balanço Patrimonial Passivo 9 Demonstração do Resultado 12 Demonstração do Resultado

Leia mais

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ ------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ Fluxos empresariais: Tipos de fluxos Perspectiva Quadros demonstrativos contabilísticos Externos: Despesas Receitas

Leia mais

Divulgação de resultados 3T13

Divulgação de resultados 3T13 Brasil Brokers divulga seus resultados do 3º Trimestre do ano de 2013 Rio de Janeiro, 13 de novembro de 2013. A Brasil Brokers Participações S.A. (BM&FBovespa: BBRK3) uma empresa com foco e atuação no

Leia mais

Manual de Instrução. Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE INVESTIMENTO DIRETO

Manual de Instrução. Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE INVESTIMENTO DIRETO Manual de Instrução Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE INVESTIMENTO DIRETO Direcção de Estatísticas Económicas e Financeiras DEEF 1.Introdução O Manual

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 - Princípios Contabilísticos Na contabilidade autarca é necessário cumprir um conjunto de princípios contabilísticos, de modo a obter uma imagem

Leia mais

Divulgação de Resultados 2T08

Divulgação de Resultados 2T08 Divulgação de Resultados 2T08 Rio de Janeiro, 14 de agosto de 2008 A Sul América S.A. (Bovespa: SULA11) anuncia hoje os resultados do segundo trimestre de 2008 (2T08). As informações operacionais e financeiras

Leia mais

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 ÍNDICE Relatório de Gestão 2 Balanço 5 Demonstração de Resultados por Naturezas 7 Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 Relatório e Parecer do Conselho Fiscal 20 Certificação Legal das Contas

Leia mais

HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes

HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2009 e 2008 HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS

Leia mais

FUNÇÃO FINANCEIRA DAS SEGURADORAS 3.1. A Gestão da Tesouraria. Autor: Prof. Doutor Carlos Pereira da Silva. Ano Lectivo 2007/2008

FUNÇÃO FINANCEIRA DAS SEGURADORAS 3.1. A Gestão da Tesouraria. Autor: Prof. Doutor Carlos Pereira da Silva. Ano Lectivo 2007/2008 Mestrado em Ciências Actuarias FUNÇÃO FINANCEIRA DAS SEGURADORAS 3.1. A Gestão da Tesouraria Autor: Prof. Doutor Carlos Pereira da Silva Ano Lectivo 2007/2008 1 3. A FUNÇÃO FINANCEIRA DAS SEGURADORAS 3.1.

Leia mais

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS.

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS. CATEGORIA E RENDIMENTOS DE CAPITAIS Definem-se rendimentos de capitais, todos os frutos e demais vantagens económicas, qualquer que seja a sua natureza ou denominação, pecuniários ou em espécie, procedentes,

Leia mais

EMPRESA MOÇAMBICANA DE SEGUROS

EMPRESA MOÇAMBICANA DE SEGUROS EMPRESA MOÇAMBICANA DE SEGUROS ACCIONISTAS EMOSE ESTADO IGEPE GETCOOP VARIOS 31% 39% 20% 10% 2 LOCALIZAÇAO SEDE Av. 25 de Setembro nº. 1383 Maputo - Moçambique DEPENDÊNCIAS, BALCŌES E FRONTEIRAS OBJECTO

Leia mais

PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS

PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS Índice 1. Introdução 2. Considerações sobre as opções tomadas 3. Disposições gerais 4. Quadro de contas 5. Lista e âmbito das contas 6. Tabelas 7. Contas individuais

Leia mais

THE POWER OF A GLOBAL SOLUTION

THE POWER OF A GLOBAL SOLUTION THE POWER OF A GLOBAL SOLUTION i2s Thinks, Creates and Provides i2s Thinks, Creates and Provides DÊ UMA NOVA VIDA AO SEU NEGÓCIO, FAÇA A ESCOLHA CERTA Na i2s trabalhamos com afinco para sermos o seu parceiro

Leia mais

Setembro 2013 LEGAL FLASH I ANGOLA SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES CAMBIAIS DE INVISÍVEIS CORRENTES

Setembro 2013 LEGAL FLASH I ANGOLA SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES CAMBIAIS DE INVISÍVEIS CORRENTES LEGAL FLASH I ANGOLA Setembro 2013 LEGAL FLASH I ANGOLA SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES CAMBIAIS DE INVISÍVEIS CORRENTES 2 LEGISLAÇÃO EM DESTAQUE 5 SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS

Leia mais

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 ÍNDICE Relatório de Gestão 2 Balanço 5 Demonstração de Resultados por Naturezas 7 Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 Relatório e Parecer do Conselho Fiscal 20 Certificação Legal das Contas

Leia mais

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades.

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades. A Protteja Seguros surge da vontade de contribuir para o crescimento do mercado segurador nacional, através da inovação, da melhoria da qualidade de serviço e de uma política de crescimento sustentável.

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 Demonstrações de

Leia mais

Situação Económico-Financeira Balanço e Contas

Situação Económico-Financeira Balanço e Contas II Situação Económico-Financeira Balanço e Contas Esta parte do Relatório respeita à situação económico-financeira da Instituição, através da publicação dos respectivos Balanço e Contas e do Relatório

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2006 ECONOMIA PORTUGUESA Após o fraco crescimento da economia observado em 2005 (0.4 por cento) estima-se que o Produto Interno

Leia mais

Imobiliário: estudo conclui que é preciso apostar em novos segmentos

Imobiliário: estudo conclui que é preciso apostar em novos segmentos Re-Search Angola Imobiliário: estudo conclui que é preciso apostar em novos segmentos Está a emergir em Angola uma classe média, com maior poder de compra e interesse em adquirir casa própria. Esta é uma

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS 31-12-2014. Promofundo - Fundo Especial de Investimento Imobiliário Fechado. Promofundo F. E. I. I. F.

RELATÓRIO E CONTAS 31-12-2014. Promofundo - Fundo Especial de Investimento Imobiliário Fechado. Promofundo F. E. I. I. F. RELATÓRIO E CONTAS Promofundo - Fundo Especial de Investimento Imobiliário Fechado 31-12-2014 Promofundo F. E. I. I. F. 1. DESCRIÇÃO DO FUNDO O PROMOFUNDO Fundo Especial de Investimento Imobiliário Fechado

Leia mais

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação Fundo Especial de Investimento Aberto CAIXA FUNDO RENDIMENTO FIXO IV (em liquidação) RELATÓRIO & CONTAS Liquidação RELATÓRIO DE GESTÃO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RELATÓRIO DO AUDITOR EXTERNO CAIXAGEST Técnicas

Leia mais

a) Débito: Dividendos e Bonificações em Dinheiro a Receber Crédito: Rendas de Ajuste em Investimento em Coligadas e Controladas

a) Débito: Dividendos e Bonificações em Dinheiro a Receber Crédito: Rendas de Ajuste em Investimento em Coligadas e Controladas Olá, pessoal! Desta vez, trago para vocês uma coletânea de questões resolvidas da Fundação Carlos Chagas (FCC). Achei apropriado inserir esta aula neste momento em razão da proximidade da prova de Fiscal

Leia mais

INSTRUTIVO N.º 07/2015 de 28 de Maio

INSTRUTIVO N.º 07/2015 de 28 de Maio INSTRUTIVO N.º 07/2015 de 28 de Maio ASSUNTO: CASAS DE CÂMBIO - Regras Operacionais Considerando a necessidade de se adequar as regras operacionais das casas de câmbio, ao efectivo monitoramento do fluxo

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEFIR ANGOLA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEFIR ANGOLA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANO : 2012 1 - Actividade 1.1 Breve descrição das actividades da empresa ÍNDICE 2 - Bases de preparação das demonstrações financeiras e derrogações 2.1 Bases de apresentação

Leia mais

O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE

O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE 64 CAPA ENTREVISTA AMÍLCAR SILVA, PRESIDENTE, E NÍRIA ORAMALU, COORDENADORA DO NÚCLEO DE ESTUDOS E ESTATÍSTICAS DA ABANC O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE Na sede da Associação Angolana

Leia mais

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014 Exercício 2014 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 6 Demonstração dos Fluxos de Caixa Individuais em...7

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros Danos d. Automóvel II PROVISÕES TÉCNICAS E ATIVOS REPRESENTATIVOS

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

SIMULA Re APLICAÇÃO DE SIMULADOR PARA AVALIAÇÃO DE IMPLANTAÇÃO DE UMA RESSEGURADORA LOCAL

SIMULA Re APLICAÇÃO DE SIMULADOR PARA AVALIAÇÃO DE IMPLANTAÇÃO DE UMA RESSEGURADORA LOCAL SIMULA Re APLICAÇÃO DE SIMULADOR PARA AVALIAÇÃO DE IMPLANTAÇÃO DE UMA RESSEGURADORA LOCAL Simulação para avaliação da viabilidade econômica e retorno do capital investido para a implantação de Resseguradora

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02112-1 SUL AMERICA S.A. 29.978.814/0001-87. Rua Beatriz Larragoiti Lucas,121 - parte

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02112-1 SUL AMERICA S.A. 29.978.814/0001-87. Rua Beatriz Larragoiti Lucas,121 - parte ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/6/29 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Reapresentação Espontânea O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. TODOS OS INVESTIMENTOS TÊM RISCO

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. Exercício 2010

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. Exercício 2010 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Exercício 2010 NOTA INTRODUTÓRIA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO é uma instituição de utilidade pública, sem fins lucrativos, com sede em Lisboa na Rua Luís Derouet

Leia mais