O Sistema Financeiro e o Consumidor

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Sistema Financeiro e o Consumidor"

Transcrição

1

2 O Sistema Financeiro e o Consumidor Segundo os princípios estabelecidos pelo Plano Nacional de Formação Financeira definidos pelo Conselho Nacional de Supervisores Financeiros, de Abril de 2012 (*) 2 de Maio de 2013, por José Manuel Quelhas, (*) Com o apoio do Fundo para a Promoção dos Direitos dos Consumidores

3 A evolução do sistema financeiro Após a crise de 1929, os sistemas financeiros ocidentais foram construídos com base em dois princípios fundamentais: A especificidade das instituições financeiras; A especialização das instituições financeiras.

4 Especificidade Por especificidade das instituições financeiras entendia-se o tratamento particular que as instituições financeiras mereciam dentro dos vários sectores de actividade económica; não se encarava o sector financeiro do mesmo modo que se encaravam os sectores comercial e industrial. A salvaguarda das especificidades da moeda e a manutenção da confiança dos agentes económicos, fortemente abalada durante a depressão de 1929, originou um tratamento especial por parte das autoridades em relação ao sector financeiro; Daí o movimento legislativo que se estendeu a todos os países ocidentais e que se traduziu em minuciosas regulamentações e na imposição de rígidas regras prudenciais.

5 Especialização Por especialização das instituições financeiras entendia-se uma separação rígida de funções entre os vários tipos dessas instituições. Tradicionalmente, distinguem-se 4 funções dos intermediários financeiros: A função de financiamento e de transformação dos activos; A função de gestão dos meios de pagamento; A função de mutualização e de transformação dos riscos individuais; A função de corretagem dos intermediários financeiros.

6 Antes e após a «Revolução financeira» Antes da «revolução financeira»: cada uma das funções deveria ser atribuída a diferentes tipos de instituições, procurando-se uma separação clara entre a moeda e outros activos financeiros, bem como entre as diversas actividades financeiras. Desta forma, conseguir-se-ia um melhor controlo monetário e evitarse-iam os riscos de contágio de eventuais crises que viessem a afectar um determinado tipo de instituições financeiras. Após a «revolução financeira»: as fronteiras entre as quatro funções apontadas tendem a esbater-se graças à desregulamentação que quebrou os impedimentos legais e à desintermediação que provocou a entrada em cena de novos agentes financeiros.

7 A função de financiamento e de transformação dos activos A função de financiamento, tradicionalmente reservada aos bancos, servindo de intermediários entre os agentes excedentários em liquidez e os agentes carenciados de liquidez, dá progressivamente lugar ao financiamento directo, colocando frente a frente os referidos agentes. Esta desintermediação bancária assume várias formas, desde o financiamento entre empresas, ao financiamento dentro do mesmo grupo empresarial, ao acesso acrescido ao mercado de capitais e à utilização de «papel comercial»

8 A função de financiamento e de transformação dos activos Desbancarização da actividade financeira: a banca abandona a sua função primordial de financiamento e de transformação de activos para se afirmar como prestadora de serviços, pelos quais cobra comissões Tal implica uma profunda alteração da estrutura contabilística dos bancos, onde os créditos sobre terceiros dão sucessivamente lugar às comissões por serviços prestados

9 A função de financiamento e de transformação dos activos Quer o recurso ao financiamento bolsista e a sua globalização, quer a emissão de «papel comercial», conduzem a uma alteração da estrutura das taxas de financiamento, aproximando as taxas activas das taxas passivas e reduzindo, consequentemente, as taxas de intermediação. Os empréstimos obrigacionistas e o «papel comercial» abolem a diferença aritmética e a própria distinção teórica entre taxas activas e taxas passivas.

10 A função de financiamento e de transformação dos activos Quando uma empresa se financia junto de uma instituição bancária, paga a uma taxa activa superior às taxas passivas com que a instituição bancária remunera o aforro do público; Quando uma empresa se financia directamente no mercado pagará, em regra, a uma taxa inferior à taxa activa da banca, mas superior à respectiva taxa passiva.

11 A função de financiamento e de transformação dos activos Facilmente se compreende o funcionamento deste mecanismo pois: se as taxas de colocação dos títulos no mercado fossem superiores às taxas activas da banca as empresas recorreriam à banca, evitando custos com a montagem e colocação das operações; se as taxas de colocação fossem inferiores às taxas passivas da banca, o público canalizaria a sua poupança para o tradicional deposito bancário. Desta forma, as empresas conseguem financiamentos a custos mais baixos e os aforradores obtêm uma melhor remuneração das suas poupanças, havendo vantagens recíprocas.

12 A função de gestão dos meios de pagamento A função de gestão dos meios de pagamento deixou de ser um monopólio dos bancos. Assistimos a uma proliferação de novos meios de pagamento, dos cartões de débito e de crédito, do vulgarmente chamado «dinheiro de plástico». Embora não seja uma novidade, em termos temporais, já a sua banalização é uma verdadeira revolução; de produtos reservados a segmentos seleccionados da clientela, passaram a produtos de atribuição e utilização generalizadas.

13 A função de gestão dos meios de pagamento Tal democratização não teria sido possível sem o desenvolvimento electrónico e informático que permitiu a instalação de uma imensidade de caixas de atendimento automático (ATM) e de terminais de pagamento automático (POS) Assistimos à proliferação de sociedades emissoras de cartões e gestoras de redes de pagamentos, quer ligadas a bancos, quer independentes destes, em concorrência directa com os bancos

14 A função de gestão dos meios de pagamento Outra fonte de desintermediação bancária é a assunção de funções financeiras por parte de entidades, em princípio, não vocacionadas para a actividade financeira. É o caso das facilidades de pagamento e da concessão directa de crédito por parte de determinados produtores e distribuidores dos mais diversos produtos; criam-se, inclusive, cartões de crédito específicos de determinadas empresas, destinados exclusivamente aos seus serviços e produtos. Estas técnicas são, simultaneamente, formas de contornar regulamentações legais, como as que impedem ou oneram o crédito directo ao consumo, e processos de estimular a fidelidade da clientela.

15 Mutualização e transformação de riscos individuais A função de mutualização e de transformação dos riscos individuais é também banalizada pela intervenção crescente de uma multiplicidade de nova instituições financeiras que intervêm nos mercados monetário, financeiro e cambial Assistimos à intervenção crescente de novos intermediários financeiros, como as sociedades de investimento, as sociedades de locação financeira, as sociedades de factoring, as sociedades de financiamento para aquisições a crédito, as sociedades financeiras de corretagem,

16 Mutualização e transformação de riscos individuais as sociedades de capital de risco, as sociedades de fomento empresarial, as sociedades gestoras de participações sociais, as sociedades corretoras, as sociedades de gestão de patrimónios, as sociedades mediadoras do mercado monetário e do mercado de câmbios, as sociedades gestoras de fundos de investimentos, as sociedades gestoras de investimentos imobiliários, paralelamente a outras entidades que extravasam o seu âmbito inicial, como as companhias de seguros e as sociedades gestoras de fundos de pensões.

17 Mutualização e transformação de riscos individuais A proliferação da malha institucional do sistema financeiro só foi possível devido à desregulamentação e abertura crescente do mercado, com o fim do controlo monetário directo, com o desmantelamento dos controlos cambiais e a progressiva globalização dos mercados.

18 Mutualização e transformação de riscos individuais Uma das preocupações das autoridades monetárias, após a grande depressão de 29, foi a busca de uma especialização das instituições financeiras, através de uma separação rígida de funções. Uma visão superficial da nova malha institucional criada nos últimos anos poderá sugerir uma acentuação desta tendência: só que actualmente não se trata de uma separação de funções, mas sim de uma diferenciação de entidades com funções interligadas, por vezes sobrepostas, sugerindo uma verdadeira miscelânea de tarefas e uma concorrência acrescida pelo seu desempenho.

19 Mutualização e transformação de riscos individuais Deve-se realçar o papel dos fundos de investimento colectivo e dos fundos de tesouraria, geridos por sociedades especializadas, que permitem o acesso do público em geral a investimentos accionistas, a subscrições obrigacionistas, à compra de títulos de dívida pública e a complexos produtos de «engenharia financeira», por intermédio de especialistas que estudam o comportamento dos mercados, sondam as melhores oportunidades e buscam a maior valorização Desta forma, dá-se uma democratização do investimento em novos produtos, um abrir do leque das possibilidades de aplicação da poupança por parte dos particulares e da aplicação dos excedente de liquidez por parte da empresas.

20 Mutualização e transformação de riscos individuais O sector bancário, habituado a uma captação fácil e barata dos recursos, devido à falta de concorrência e à não remuneração ou baixa remuneração dos depósitos a ordem, teve de habituar-se a ao novo clima de competitividade, lutar pela captação dos recursos e oferecer taxas aliciantes, capazes de atrair os aforradores e investidores. O clima de desbancarização conduz à reconsideração dos objectivos e das estratégias do sector bancário no mundo financeiro. A banalização da intermediação financeira e a consequente desintermediação bancária alteram os hábitos dos investidores, dos empresários e dos aforradores. A tradicional relação de confiança que ligava, por longos anos, as empresas e os particulares aos respectivos bancos, é substituída pela forte concorrência e pela tentativa de maximização dos lucros financeiros.

21 Função de corretagem dos intermediários financeiros A partir do anos 80, o princípio da especialização é posto em causa por uma série de medidas desregulamentadoras da actividade financeira. Uma das mais famosas, que serviu de estandarte à nova era, foi a ocorrida em Londres, na City, no dia 27 de Outubro de 1986, e que se traduziu na abolição da distinção entre brokers e jobbers, ou seja, na abolição da distinção entre corretores e intermediários. Até essa data, somente os intermediários (jobbers) podiam negociar títulos em bolsa, comprando e vendendo aos corretores (brokers) e não directamente ao publico.

22 Função de corretagem dos intermediários financeiros Os bancos começaram a prestar serviços até então não associados à actividade bancária. A banca deixou de ser apenas o local de encontro entre os agentes económicos excedentários de liquidez e os carenciados de liquidez, jogando com as respectivas taxas passivas e activas e com os seus diferenciais, deixou de se limitar a receber as ordens de bolsa dos sues clientes e a negociar em moeda estrangeira, para passar a prestar serviços de aconselhamento financeiro, para montar complicadas operações de captação e aplicação de fundos para empresas suas clientes, para funcionar como agente de arbitragem entre os vários mercados, nacionais e estrangeiros.

23 Consequências da «revolução financeira» A revolução não se restringe ao âmbito da captação de recursos, mas igualmente à concessão de créditos. Ao lado dos tradicionais empréstimos e descontos de «efeitos comerciais», internos e externos, surge toda uma nova gama de potencialidades de financiamento, recorrendo a complicadas manobras de «engenharia financeira». Estes novos «produtos financeiros» não são um exclusivo dos bancos, melhor ainda, em muitos casos não são criação dos bancos, mas sim de toda uma série de novas instituições do mercado financeiro.

24 Consequências da «revolução financeira» Um problema com que os criadores financeiros se deparam é o da inexistência de patentes de «produtos financeiros». Um novo «produto» não fica salvaguardado por qualquer tipo de proibição de imitação, nem existe qualquer sanção para os imitadores. Tal situação leva a que um «produto» bem sucedido seja imediatamente copiado, senão mesmo melhorado pela concorrência; daí que haja uma tendência para a uniformização da oferta financeira para os vários segmentos da clientela.

25 Consequências da «revolução financeira» Um outro factor de mudança é a lógica de distribuição dos serviços financeiros: a própria expressão «distribuição de serviços financeiros» é sintomática da vulgarização da actividade financeira. Estabelecem-se campanhas de distribuição e promoção de «produtos financeiros» da mesma forma que se traçam campanhas de distribuição e promoção de qualquer outro produtos de grande consumo. Tornou-se vulgar, em alguns países, a venda de «produtos financeiros» por correspondência, por telefone e a venda em grandes superfícies comerciais, como supermercados.

26 Consequências da «revolução financeira» Uma reflexão apressada poderá conduzir a resultados contraditórios: por um lado, fala-se de vulgarização e banalização dos serviços financeiros; por outro, referem-se complexas operações de «engenharia financeira», produzidas por técnicos altamente qualificados, destinadas a segmentos muito específicos da clientela. Esta contradição é apenas aparente: na realidade, trata-se de duas faces da mesma moeda, de dois aspectos da «revolução financeira». Esta foi de tal forma profunda que afectou todos os agentes económicos, alterando os hábitos dos investidores e aforradores, privados e institucionais.

27 Consequências da «revolução financeira» Ao lado das complexas operações de fixação de câmbios a prazo, de contratos de futuros, de opções, surge-nos a massificação dos cartões de crédito e de débito e a multiplicação de fundos de investimentos imobiliários, mobiliários, de acções, de obrigações, mistos, ao dispor da população em geral. É este um dos motivos porque se pode falar de uma verdadeira «revolução financeira», modificadora do comportamento da generalidade dos operadores económicos, com importantes reflexos nas políticas monetária e financeiras, criando novos problemas ás autoridades monetárias e novos desafios aos investigadores desta problemática.

28 Consequências da «revolução financeira» Um dos principais aspectos da «revolução financeira» consistiu na banalização da intermediação financeira, na multiplicação dos sósias no domínio financeiro Este fenómeno resulta da conjugação de três movimentos: A mercadização dos intermediários financeiros; A bancarização dos intermediários financeiros não bancários; A financeirização dos agentes não financeiros

29 Mercadização dos intermediários financeiros Por mercadização entende-se a influência crescente do mercado no mundo financeiro. Os limites aos montantes de crédito, a fixação das taxas de juro e das taxas de câmbio, impostos administrativamente, são substituídos pela negociação entre os vários agentes económicos intervenientes no mercado como factores de formação dos preços O fenómeno da mercadização manifesta-se, ainda, nas diferentes formas de titularização e na proliferação de «operações fora do balanço» dos bancos.

30 Mercadização dos intermediários financeiros Actualmente, muitas das operações bancárias não se inscrevem nem no activo, nem no passivo dos bancos, ficando à margem dos respectivos balanços, constituindo as chamadas «operações fora do balanço». O processo de titularização acrescentou esta tendência, ao substituir o empréstimo bancário pela dívida titulada.

31 Mercadização dos intermediários financeiros Os bancos perdem a função de financiadores directos e ganham o papel de organizadores de operações de «engenharia financeira», de colocadores e distribuidores de títulos, muitas vezes com a responsabilidade acrescida de oferecerem linhas de crédito, que servem simultaneamente como garantia da liquidez para o mercado, em caso de insucesso na colocação da operação por falta de subscritores ou no caso de dificuldades em os emitentes honrarem os seus compromissos.

32 Mercadização dos intermediários financeiros O lucro bancário deixa de se centrar no diferencial entre taxas activas e passivas para se transferir para a cobrança de taxas pelos serviços prestados. Acontece, porém, que parte dos novos serviços, nomeadamente as «operações fora do balanço» acarretam graves riscos para a liquidez das instituições bancárias e para a própria segurança geral do sistema financeiro. A actividade de controlo das autoridades monetárias, nomeadamente dos bancos centrais, é fortemente dificultada pela falta de informação quanto à dimensão dos compromissos assumidos por cada instituição interveniente no sistema financeiro.

33 Mercadização dos intermediários financeiros Individualmente, cada banco pode ser chamado a honrar, simultaneamente, compromissos assumidos com diferentes clientes, criando graves problemas de liquidez. Colectivamente, sobretudo em situações de crise económica interna ou externa, as situações de dificuldade poderão generalizar-se à globalidade dos bancos, pondo em causa a segurança geral do sistema financeiro

34 Bancarização dos intermediários financeiros não bancários Tradicionalmente, distinguia-se entre as instituições bancárias capazes de criar moeda e as instituições financeiras capazes de transformá-la e transmiti-la, mas incapazes de a criar. Enquanto as primeiras afectavam directamente a massa monetária, as segundas limitavam-se a influenciar a velocidade de circulação da moeda. Com a bancarização dos intermediários financeiros não bancários, a diferenciação entre as diversas instituições financeiras tornou-se uma tarefa difícil, quer do ponto de vista teórico, quer do ponto de vista legal.

35 Bancarização dos intermediários financeiros não bancários As autoridades monetárias deparam com dificuldades acrescidas na sua actividade de supervisão das instituições financeiras e de controlo da massa monetária. As soluções tradicionais, fundamentadas numa separação rígida entre os diversos intervenientes no mercado financeiro e monetário, são incapazes de responder à complexidade crescente do mercado financeiro.

36 Financeirização dos agentes não financeiros Assistimos aqui a um certo contra-senso; partimos de uma desintermediação financeira, com a afirmação da mercadização dos intermediários financeiros e a consequente desregulamentação, para chegarmos à bancarização dos intermediários não bancários e à financeirização dos agentes não financeiros. Se, por um lado, a banca perde importância como centro da actividade financeira, por outro, assistimos à banalização da intermediação financeira. Esta banalização da intermediação financeira e a consequente multiplicação dos sósias no domínio financeiro é a melhor forma de afirmar o culminar do processo de desintermediação.

37 Financeirização dos agentes não financeiros A banalização da intermediação financeira provoca a banalização dos riscos financeiros e cria dificuldades acrescidas para as autoridades de controlo monetário. Apesar da banalização da intermediação financeira, o controlo da política monetária continua a ser uma tarefa fundamental, uma vez que a especificidade da moeda e a confiança no sistema financeiro são bens colectivos que devem ser defendidos pelas autoridades.

38 Financeirização dos agentes não financeiros A falência de uma instituição financeira, sobretudo de um banco, acarretaria uma grave perda de confiança na generalidade do sistema financeiro, desencadeando-se um perigoso efeito de contágio, não apenas no espaço nacional, mas provavelmente a nível internacional, dada a internacionalização e a interdependência crescentes das economias dos vários países.

39 Financeirização dos agentes não financeiros Um problema, cuja análise surge com grande acuidade, é o da conjugação de duas forças contraditórias: uma, orientada pela desintermediação, pela desregulamentação e pela liberalização; outra, frisando a necessidade de um controlo monetário, da salvaguarda dos interesses colectivos da confiança e da segurança financeiras, tendo implícita uma ideia de (re)intermediação, de (re)regulamentação e de liberalização moderada, senão mesmo de (re)intervenção monetária.

40 Consequências da «revolução financeira» A globalização é o contrário da técnica de construção dos navios. Os navios constroem-se com compartimentos estanques, de modo a que, se um rebenta, o resto assegura a flutuação. O mercado financeiro global é um mercado que, em princípio, não contém compartimentos estanques e, portanto, não contém elementos de salvaguarda para uma rápida propagação das crises In Rui Vilar, A globalização dos mercados financeiros

41 Consequências da «revolução financeira» Aumenta a interdependência entre as várias economias mundiais, levando a uma melhor afectação internacional dos recursos, mas conduzindo, também, à interligação dos vários problemas económicos nacionais e à universalização de eventuais crises. A probabilidade do efeito de contágio cresce à medida que se interpenetram os vários sistemas monetários e financeiros internacionais; esta interpenetração é facilitada pelo desenvolvimentos de meios informáticos que conectam, «em tempo real», as várias praças financeiras mundiais.

42 Consequências da «revolução financeira» Esta problemática levanta graves problemas às autoridades monetárias internas, que vêem fugir a sua soberania para instituições internacionais que não controlam; por outro lado, estão impossibilitadas de agir com eficácia num mercado aberto, aleatório, fortemente dependente da criação de expectativas, orientadas mais por factores de ordem psicológica do que elaboradas análises económicas.

43 Novos «produtos financeiros» A expressão «novos produtos financeiros, vulgarizada pela gíria financeira, encerra uma contradição conceptual; com efeito, os novos «produtos financeiros» não são produtos ou «bens materiais», mas sim serviços ou «bens imateriais». Daí que seja conceptualmente mais correcta a utilização da expressão «novos serviços financeiros». No quadro das estratégias de marketing das instituições financeiras, a designação de «novos produtos financeiros» facilita a promoção dos novos serviços financeiros e visa criar nos consumidores uma referência materializada, que permita estimular a fidelidade dos clientes e justifique os preços a pagar pela sua utilização.

44 Novos «produtos financeiros» Esta tendência assume um relevo especial nos serviços financeiros que possibilitam a realização de manobras especulativas, desligadas de qualquer transacção real; A tentativa de materialização destes serviços contrabalança a abstracção intrínseca às manobras especulativas e legitima os ganhos ou ganhos ou perdas que lhes estão associados.

45 Exemplos de novos «produtos financeiros» As opções Opções de compra Opções de venda Os futuros Futuros sobre divisas Futuros sobre títulos Futuros sobre índices bolsistas Os forwards FRA (contratos de fixação de taxas de juro a prazo) FXA (contratos de fixação de taxas de câmbio a prazo)

46 Exemplos de novos «produtos financeiros» Os swaps Swaps de taxa de juro Coupon swap (swap de taxa de juro fixa versus variável) Basis swap (swap de taxa de juro variável versus variável) Swaps de taxa de câmbio Swaps simples Swaps de taxa de câmbio / taxa de juro Swaps de taxa de câmbio / taxa de juro fixa versus fixa Swaps de taxa de câmbio / taxa de juro fixa versus variável Swaps de taxa de câmbio / taxa de juro variável versus vaiável

47 Bibliografia QUELHAS, José Manuel, Sobre a Evolução Recente do Sistema Financeiro (Novos Produtos Financeiros), Coimbra, Almedina, 1996, ISBN QUELHAS, José Manuel, Sobre as Crises Financeiras, o Risco Sistémico e a Incerteza Sistemática, Coimbra, Almedina, 2012, ISBN

Organização do Mercado de Capitais Português

Organização do Mercado de Capitais Português Instituto Superior de Economia e Gestão Organização do Mercado de Capitais Português Docente: Discentes : Prof. Dra. Raquel Gaspar Inês Santos João Encarnação Raquel Dias Ricardo Andrade Temas a abordar

Leia mais

GESTÃO BANCÁRIA (NOTAS DAS AULAS)

GESTÃO BANCÁRIA (NOTAS DAS AULAS) GESTÃO BANCÁRIA (NOTAS DAS AULAS) ANEXO 3 E S DAS SOCIEDADES FINANCEIRAS Fernando Félix Cardoso Ano Lectivo 2004-05 SOCIEDADES CORRETORAS E FINANCEIRAS DE CORRETAGEM Compra e venda de valores mobiliários

Leia mais

* * * T R A N S P A R Ê N C I A S * * *

* * * T R A N S P A R Ê N C I A S * * * Escola Profissional de Agentes de Serviço e Apoio Social Curso de Animador Social/Assistente Familiar Área Científica - ECONOMIA * * * T R A N S P A R Ê N C I A S * * * Módulo 4: MOEDA E MERCADO FINANCEIRO

Leia mais

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um Sr. Vice-Governador do BNA; Srs. Membros do Conselho de Administração do BNA; Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Sr Representante das Casas de Câmbios Srs. Directores e responsáveis

Leia mais

INVESTIMENTO EM MOÇAMBIQUE SUMÁRIO

INVESTIMENTO EM MOÇAMBIQUE SUMÁRIO INVESTIMENTO EM MOÇAMBIQUE 1 SUMÁRIO 1. O sistema financeiro em geral 2. O sistema financeiro de Moçambique 2.1 Termo comparativo (Moçambique/Portugal) 3. Os Fundos de Investimento em geral 3.1 Esboço

Leia mais

MERCADOS, INSTRUMENTOS E INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS ENQUADRAMENTO DO MERCADO DE TÍTULOS ESPAÇO O FINANCEIRO EUROPEU

MERCADOS, INSTRUMENTOS E INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS ENQUADRAMENTO DO MERCADO DE TÍTULOS ESPAÇO O FINANCEIRO EUROPEU MERCADOS, INSTRUMENTOS E INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS ENQUADRAMENTO DO MERCADO DE TÍTULOS ANÁLISE INSTITUCIONAL DO MERCADO DE TÍTULOS 1 ENQUADRAMENTO DO MERCADO DE TÍTULOS 2 ESPAÇO O FINANCEIRO EUROPEU CEE

Leia mais

A REGULAMENTAÇÃO E SUPERVISÃO BANCÁRIA EM PORTUGAL

A REGULAMENTAÇÃO E SUPERVISÃO BANCÁRIA EM PORTUGAL A REGULAMENTAÇÃO E SUPERVISÃO BANCÁRIA EM PORTUGAL I. Os Objectivos da Regulamentação e Supervisão Prudenciais II. O Modelo Institucional da Supervisão em Portugal III. A Evolução da Regulamentação Bancária

Leia mais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Exmo Senhor Presidente da Associação Angolana de Bancos Sr. Amílcar Silva Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Estimados Bancários Minhas Senhoras

Leia mais

Finanças Internacionais

Finanças Internacionais Universidade dos Açores Departamento de Economia e Gestão Mestrado em Ciências Empresariais Finanças Internacionais Ponta Delgada, Abril de 2009 Fernando José Rangel da Silva Melo Sumário 1 Gestão Financeira

Leia mais

Índice PARTE A ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE FINANCEIRA NOTA PRÉVIA À 2ª EDIÇÃO 19 PREFÁCIO 21 INTRODUÇÃO 23

Índice PARTE A ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE FINANCEIRA NOTA PRÉVIA À 2ª EDIÇÃO 19 PREFÁCIO 21 INTRODUÇÃO 23 introdução 7 Índice NOTA PRÉVIA À 2ª EDIÇÃO 19 PREFÁCIO 21 INTRODUÇÃO 23 PARTE A ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE FINANCEIRA Capítulo 1 INTRODUÇÃO À ACTIVIDADE FINANCEIRA 1. Evolução da actividade bancária

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 Obs.: Para aprofundar os conhecimentos no Sistema Financeiro Nacional, consultar o livro: ASSAF NETO, Alexandre.

Leia mais

DE QUE FORMA OS CONHECIMENTOS

DE QUE FORMA OS CONHECIMENTOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE QUE FORMA OS CONHECIMENTOS E A EXPERIÊNCIA DOS INVESTIDORES DETERMINAM O MODO COMO SÃO TRATADOS PELOS INTERMEDIÁRIOS

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA Conceito e Características. O mercado de capitais pode ser definido como um conjunto de instituições e de instrumentos que negociam com títulos e valores mobiliários, objetivando

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Outubro de 2013 RESULTADOS PARA PORTUGAL

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Outubro de 2013 RESULTADOS PARA PORTUGAL INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Outubro de 3 RESULTADOS PARA PORTUGAL I. Apreciação Geral De um modo geral, os critérios de concessão de crédito e as condições aplicadas aos empréstimos

Leia mais

AUDITORIA GERAL DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS 2. VALORES MOBILIÁRIOS

AUDITORIA GERAL DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS 2. VALORES MOBILIÁRIOS AUDITORIA GERAL DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS 2. VALORES MOBILIÁRIOS Banco de Cabo Verde O QUE SÃO VALORES MOBILIÁRIOS? Valores mobiliários são documentos emitidos por empresas ou outras entidades,

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2014 RESULTADOS PARA PORTUGAL

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2014 RESULTADOS PARA PORTUGAL INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Janeiro de 4 RESULTADOS PARA PORTUGAL I. Apreciação Geral De um modo geral, no último trimestre de 3, os critérios e condições de aprovação de crédito a

Leia mais

Acções. Amortização. Autofinanciamento. Bens

Acções. Amortização. Autofinanciamento. Bens Palavra Acções Significado Títulos que representam uma parte ou fracção de uma sociedade anónima e que dão ao seu proprietário o direito à parcela correspondente de votos, lucros líquidos e activos da

Leia mais

Intermediários financeiros, agentes excedentários e deficitários

Intermediários financeiros, agentes excedentários e deficitários Intermediários financeiros, agentes excedentários e deficitários Nas economias capitalistas os intermediários financeiros desempenham um papel importante na afectação dos recursos permitindo um crescimento

Leia mais

. FUNDOS DE INVESTIMENTO

. FUNDOS DE INVESTIMENTO . FUNDOS 7.. F DE INVESTIMENTO 7. Fundos de Investimento O QUE É UM FUNDO DE INVESTIMENTO? Um fundo de investimento é um património que pertence a várias pessoas, destinado ao investimento em determinados

Leia mais

IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício.

IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício. Anexo à Instrução nº 4/96 IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício. 80 - JUROS E PROVEITOS EQUIPARADOS Proveitos

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Sistema Financeiro Nacional Dinâmica do Mercado Mercado Bancário Conteúdo 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composta

Leia mais

Mercados Financeiros. i ve seen, learnt and done things i can t forget. Definição e Classificação. Ricardo Diz

Mercados Financeiros. i ve seen, learnt and done things i can t forget. Definição e Classificação. Ricardo Diz Mercados Financeiros Definição e Classificação Ricardo Diz i ve seen, learnt and done things i can t forget Conteúdo Mercado Financeiro Classificação do Mercado Financeiro 2 Mercado Financeiro O Mercado

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2009. Resultados para Portugal

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2009. Resultados para Portugal INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Janeiro de 2009 Resultados para Portugal I. Apreciação Geral De acordo com os resultados do inquérito realizado em Janeiro de 2009, os cinco grupos bancários

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

Escola Secundária de Paços de Ferreira. Curso Profissional Técnicas de Secretariado. Ano Lectivo: 2009/10. Disciplina: Técnicas de Secretariado

Escola Secundária de Paços de Ferreira. Curso Profissional Técnicas de Secretariado. Ano Lectivo: 2009/10. Disciplina: Técnicas de Secretariado Ano Lectivo: 2009/10 Disciplina: Técnicas de Secretariado Professora: Adelina Silva Novembro de 2009 Trabalho realizado por: Sara Gonçalves n.º16 12ºS. Meios de Pagamento utilizados no Comércio Internacional

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I

Administração Financeira e Orçamentária I Administração Financeira e Orçamentária I Sistema Financeiro Brasileiro AFO 1 Conteúdo Instituições e Mercados Financeiros Principais Mercados Financeiros Sistema Financeiro Nacional Ações e Debêntures

Leia mais

PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS

PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS Índice 1. Introdução 2. Considerações sobre as opções tomadas 3. Disposições gerais 4. Quadro de contas 5. Lista e âmbito das contas 6. Tabelas 7. Contas individuais

Leia mais

ASPECTOS PRÁTICOS DO EURO

ASPECTOS PRÁTICOS DO EURO MÓDULO III ASPECTOS PRÁTICOS DO EURO Notas e Moedas em Euros Vantagens e Desvantagens do Euro Implicações do Euro para a Administração Pública O Euro e o sector bancário O impacto do Euro no mercado de

Leia mais

V JORNADAS DE CONTABILIDADE

V JORNADAS DE CONTABILIDADE V JORNADAS DE CONTABILIDADE Título da Comunicação: 1 AS RELAÇÕES ACCIONISTAS-GESTORES SEGUNDO OS TIPOS DE ORGANIZAÇÃO Autora: MARIA HÉLDER MARTINS COELHO (Mestre em Economia (FEP); Professora do ISCAP)

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Índice Pg. Sistema Financeiro Nacional... 02 Dinâmica do Mercado... 05 Mercado Bancário... 09 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro

Leia mais

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

O investimento em instrumentos financeiros tem sempre associado uma rendibilidade potencial e um risco implícito.

O investimento em instrumentos financeiros tem sempre associado uma rendibilidade potencial e um risco implícito. INFORMAÇÕES GERAIS. O investimento em instrumentos financeiros tem sempre associado uma rendibilidade potencial e um risco implícito. A rendibilidade é a taxa de rendimento gerado pelo investimento durante

Leia mais

Open Course: Techniques of Financial Engineering

Open Course: Techniques of Financial Engineering Open Course: Techniques of Financial Engineering Objectivos a atingir Delimitar os domínios da Gestão financeira a curto prazo da Gestão financeira a médio m e a longo prazo; Realçar ar a importância da

Leia mais

Os valores mobiliários que fazem parte de uma mesma emissão conferem aos seus titulares os mesmos direitos e deveres.

Os valores mobiliários que fazem parte de uma mesma emissão conferem aos seus titulares os mesmos direitos e deveres. VALORES MOBILIÁRIOS O QUE SÃO VALORES MOBILIÁRIOS? Valores mobiliários são documentos emitidos por empresas ou outras entidades, em grande quantidade, que representam direitos e deveres, podendo ser comprados

Leia mais

A IBCO é uma Sociedade Gestora de Patrimónios que iniciou a sua actividade em Julho de 1999.

A IBCO é uma Sociedade Gestora de Patrimónios que iniciou a sua actividade em Julho de 1999. 1. A Instituição IBCO Gestão de Patrimónios, S.A. A IBCO é uma Sociedade Gestora de Patrimónios que iniciou a sua actividade em Julho de 1999. A IBCO dirige-se a clientes Particulares e a clientes Institucionais,

Leia mais

. INFORMAÇÃO E EMITENTES MOBILIÁRIOS

. INFORMAÇÃO E EMITENTES MOBILIÁRIOS . INFORMAÇÃO 4.. I E EMITENTES DE VALORES MOBILIÁRIOS 4. Informação e Emitentes de Valores Mobiliários O QUE É PRECISO SABER PARA INVESTIR EM VALORES MOBILIÁRIOS? A informação desempenha um papel fundamental

Leia mais

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Unidade III 6 O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O sistema financeiro nacional é o conjunto de instituições e instrumentos financeiros que possibilita a transferência de recursos

Leia mais

GUIA PARA INVESTIR. Rentabilizar os Investimentos

GUIA PARA INVESTIR. Rentabilizar os Investimentos www.facebook.com/santandertotta.pt http://twitter.com/santandertotta Onde deve investir? A escolha deve ter em conta diversos factores, tais como: quando é que pretende utilizar o montante que investiu?

Leia mais

O Mercado de Capitais em Angola

O Mercado de Capitais em Angola O Mercado de Capitais em Angola Introdução e desenvolvimentos 16 de Julho de 2015 Objectivos Objectivos Gerais Transmitir aos colaboradores da TPA as ferramentas básicas para compreender e analisar os

Leia mais

Focus on Mozambique. Antonio Pinto de Abreu Bank of Mozambique

Focus on Mozambique. Antonio Pinto de Abreu Bank of Mozambique Focus on Mozambique Antonio Pinto de Abreu Bank of Mozambique CORPORATE GOVERNANCE NA GESTÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS Enfrentando a Crise Financeira Internacional: O Papel da Boa Governação Corporativa

Leia mais

Enquadramento da atividade bancária

Enquadramento da atividade bancária Enquadramento da atividade bancária Miguel Matias E.S.T.G. Instituto Politécnico de Leiria CET TECNICAS GESTAO E COM INTERNACIONAL EDIÇÃO 2015/16 PROGRAMA 1. Enquadramento da atividade bancária 2. Conta

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. Designação: VICTORIA PPR Acções

Leia mais

O Sistema Financeiro Nacional

O Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional 1 O Sistema Financeiro Nacional Foi constituído com base nas leis: 4595 de 31-12-64 Estrutura o Sistema Financeiro Nacional 4728 de 14-7- 65 Lei do Mercado de Capitais O Sistema

Leia mais

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços...

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... BANCOS MÚLTIPLOS LISTA DE TABELAS Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... RESUMO Neste trabalho serão apresentadas as principais características e serviços disponibilizados pelos

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO

FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO Pós Graduação em Análise Financeira Instituições, Regulação e Ética Fernando Teixeira dos Santos 12-Nov-04 Pós Graduação em Análise Financeira Institutições, Regulação e

Leia mais

NºAULAS PONTO PROGRAMA Cap. 35 1 1 INTRODUÇÃO 1

NºAULAS PONTO PROGRAMA Cap. 35 1 1 INTRODUÇÃO 1 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA CURSO de ECONOMIA 2004-2005 NºAULAS PONTO PROGRAMA Cap. 35 1 1 INTRODUÇÃO 1 Porquê estudar mercados financeiros? Porquê estudar os bancos e as outras instituições financeiras?

Leia mais

Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos.

Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos. GLOSSÁRIO Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos. Assembleia geral: órgão das sociedades anónimas em que

Leia mais

PORQUE E COMO ABRIR O CAPITAL DE UMA EMPRESA

PORQUE E COMO ABRIR O CAPITAL DE UMA EMPRESA PORQUE E COMO ABRIR O CAPITAL DE UMA EMPRESA! Os custos! As vantagens! Os obstáculos! Os procedimentos Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante & Associados, empresa

Leia mais

Mercados Estruturados em Moçambique

Mercados Estruturados em Moçambique : A importância da Bolsa de Valores de oçambique no acesso a financiamento F I N A N T I A F i n a n c i a l A d v i s o r y S e r v i c e s o-autoria de: Finantia onsulting (André Nogueira, Henrique Bettencourt)

Leia mais

FUNÇÃO FINANCEIRA DAS SEGURADORAS 3.1. A Gestão da Tesouraria. Autor: Prof. Doutor Carlos Pereira da Silva. Ano Lectivo 2007/2008

FUNÇÃO FINANCEIRA DAS SEGURADORAS 3.1. A Gestão da Tesouraria. Autor: Prof. Doutor Carlos Pereira da Silva. Ano Lectivo 2007/2008 Mestrado em Ciências Actuarias FUNÇÃO FINANCEIRA DAS SEGURADORAS 3.1. A Gestão da Tesouraria Autor: Prof. Doutor Carlos Pereira da Silva Ano Lectivo 2007/2008 1 3. A FUNÇÃO FINANCEIRA DAS SEGURADORAS 3.1.

Leia mais

Guia dos Emitentes. Departamento de Supervisão de Emitentes e Auditoria. Data: 17/12/2015

Guia dos Emitentes. Departamento de Supervisão de Emitentes e Auditoria. Data: 17/12/2015 Guia dos Emitentes Departamento de Supervisão de Emitentes e Auditoria Data: 17/12/2015 Agenda Objectivos do Guia dos Emitentes Admissão de Valores Mobiliários nos Mercados Regulamentados Alternativas

Leia mais

Importância Económica e Social do Mercado de Valores Mobiliários (MVM)

Importância Económica e Social do Mercado de Valores Mobiliários (MVM) Intervenção do Secretário de Estado do Tesouro e das Finanças A Retoma do Mercado de Capitais (O Problema das Privatizações) em encontro organizado pela Associação Portuguesa de Economistas Porto, 10 de

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011 Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 211 Banco de Portugal divulga Contas Nacionais Financeiras para 21 O Banco de Portugal divulga hoje no Boletim Estatístico e no BPstat Estatísticas

Leia mais

Mestrado EM bolsa e mercados financeiros

Mestrado EM bolsa e mercados financeiros Mestrado EM bolsa e mercados financeiros FORMEDIA Instituto Europeu de Empresários e Gestores FORMEDIA e INSTITUTO EUROPEO DE POSGRADO FORMEDIA - Instituto Europeu de Empresários e Gestores A FORMEDIA

Leia mais

1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: 2 - Sistema de Seguros Privados e Previdência Complementar:

1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: 2 - Sistema de Seguros Privados e Previdência Complementar: EDITAL 2012 1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: Conselho Monetário Nacional; Banco Central do Brasil; Comissão de Valores Mobiliários; Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional; bancos

Leia mais

Cálculo Financeiro. . Casos Reais Resolvidos e Explicados (2008) ISBN 978-972-592-234-7 Escolar Editora

Cálculo Financeiro. . Casos Reais Resolvidos e Explicados (2008) ISBN 978-972-592-234-7 Escolar Editora . Teoria e Prática 1ª edição (2004) ISBN 978-972-592-176-3 2ª edição (2007) ISBN 978-972-592-210-1 3ª edição (2009) ISBN 978-972-592-243-9. Exercícios Resolvidos e Explicados (2008) ISBN 978-972-592-233-0.

Leia mais

INFORMAÇÃO SOBRE INSTRUMENTOS FINANCEIROS OFERECIDOS PELO BANCO POPULAR PORTUGAL, S.A.

INFORMAÇÃO SOBRE INSTRUMENTOS FINANCEIROS OFERECIDOS PELO BANCO POPULAR PORTUGAL, S.A. INFORMAÇÃO SOBRE INSTRUMENTOS FINANCEIROS OFERECIDOS PELO BANCO POPULAR PORTUGAL, S.A. Versão: 1.0 Data inicial: 2010/08/20 Última alteração: 2010/09/10 Mod. 853P/2010 Banco Popular Portugal, S.A. 2/8

Leia mais

Sistema Financeiro Nacional-Aula 22.10.14 22/10/2014. Ciências Contábeis. Sistema Financeiro Nacional. Sistema Financeiro Nacional. Prof.

Sistema Financeiro Nacional-Aula 22.10.14 22/10/2014. Ciências Contábeis. Sistema Financeiro Nacional. Sistema Financeiro Nacional. Prof. -Aula 22.10.14 22/10/2014 UNIVERSIDADE COMUNITARIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ Ciências Contábeis Conceitos e Estrutura Professor : Johnny Luiz Grando Johnny@unochapeco.edu.br Surgimento e Finalidade: Cronograma

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: MERCADO DE CAPITAIS Código: CTB 000 Pré-requisito: ------- Período Letivo: 2014.2 Professor:

Leia mais

Portaria n.º 913-I/2003 de 30 de Agosto

Portaria n.º 913-I/2003 de 30 de Agosto Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República. Portaria n.º 913-I/2003 de 30 de Agosto (com as alterações introduzidas pela Portaria nº 1018/2004 (2ª Série), de 17 de Setembro e pela

Leia mais

GLOSSÁRIO. Auditoria Geral do Mercado de Valores Mobiliários 39

GLOSSÁRIO. Auditoria Geral do Mercado de Valores Mobiliários 39 GLOSSÁRIO Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos. Assembleia geral: órgão das sociedades anónimas em que

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS BREVE INTRODUÇÃO AOS MERCADOS FINANCEIROS

INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS BREVE INTRODUÇÃO AOS MERCADOS FINANCEIROS INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS BREVE INTRODUÇÃO AOS MERCADOS FINANCEIROS 2006. António Gomes Mota, Clementina Barroso, Helena Soares e Luís Laureano. 1. INTRODUÇÃO As pessoas e as empresas contactam diariamente,

Leia mais

SEMINÁRIO: EMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS A CRISE DO SISTEMA BANCÁRIO E OS NOVOS DESENVOLVIMENTOS EM CABO VERDE; OS ANTEPROJETOS DE LEI DE BASES DO

SEMINÁRIO: EMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS A CRISE DO SISTEMA BANCÁRIO E OS NOVOS DESENVOLVIMENTOS EM CABO VERDE; OS ANTEPROJETOS DE LEI DE BASES DO SEMINÁRIO: EMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS E OFERTAS PÚBLICAS EM TEMPOS DE CRISE A CRISE DO SISTEMA BANCÁRIO E OS NOVOS DESENVOLVIMENTOS EM CABO VERDE; OS ANTEPROJETOS DE LEI DE BASES DO SISTEMA FINANCEIRO

Leia mais

Financiamento das PME. Evolução fiscal e regulatória. Carlos Loureiro. 28 de Novembro de 2014. 2014 Deloitte

Financiamento das PME. Evolução fiscal e regulatória. Carlos Loureiro. 28 de Novembro de 2014. 2014 Deloitte Financiamento das PME Evolução fiscal e regulatória Carlos Loureiro 28 de Novembro de 2014 1 Temas a discutir Abordagem da temática Financiamento bancário: Panaceia ou factor de restrição? As alternativas

Leia mais

PLANO DE CONTAS EMPRESAS DE SEGUROS PARA AS. Aprovado pela Norma Regulamentar n.º 4/2007-R, de 27 de Abril

PLANO DE CONTAS EMPRESAS DE SEGUROS PARA AS. Aprovado pela Norma Regulamentar n.º 4/2007-R, de 27 de Abril PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS Aprovado pela Norma Regulamentar n.º 4/2007-R, de 27 de Abril Índice 1. Introdução 2. Considerações sobre as opções tomadas 3. Disposições gerais 4. Quadro de

Leia mais

A ADEQUAÇÃO DO INSTRUMENTO FINANCEIRO AO PERFIL DO INVESTIDOR

A ADEQUAÇÃO DO INSTRUMENTO FINANCEIRO AO PERFIL DO INVESTIDOR A ADEQUAÇÃO DO INSTRUMENTO FINANCEIRO AO PERFIL DO INVESTIDOR CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012 1 A adequação do Instrumento Financeiro ao Perfil do Investidor nota Os intermediários

Leia mais

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31 Índice LISTA DE SÍMBOLOS 17 PREFÁCIO 23 INTRODUÇÃO 25 Capítulo 1 O processo de criação de moeda 1. Conceitos básicos 31 1.1. Moeda e outros activos de uma economia 31 1.2. Sector monetário de uma economia

Leia mais

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 Jaime Andrez Presidente do CD do IAPMEI 10 de Maio de 2006 Minhas Senhoras e meus Senhores, 1. Em nome do Senhor Secretário de Estado Adjunto, da Indústria

Leia mais

Excelência Sr. Presidente da Associação Angolana de Bancos, Distintos Membros dos Conselhos de Administração dos Bancos

Excelência Sr. Presidente da Associação Angolana de Bancos, Distintos Membros dos Conselhos de Administração dos Bancos Excelência Sr. Presidente da Associação Angolana de Bancos, Distintos Membros dos Conselhos de Administração dos Bancos Comerciais, Caros Convidados, Minhas senhoras e meus senhores. O evento que hoje

Leia mais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais Relações Internacionais Finanças Internacionais Prof. Dr. Eduardo Senra Coutinho Tópico 1: Sistema Financeiro Nacional ASSAF NETO, A. Mercado financeiro. 8ª. Ed. São Paulo: Atlas, 2008. Capítulo 3 (até

Leia mais

CONDIÇÕES PARA OS MEMBROS - PROFISSIONAIS LIBERAIS E ENIs

CONDIÇÕES PARA OS MEMBROS - PROFISSIONAIS LIBERAIS E ENIs PROTOCOLO ORDENS PROFISSIONAIS CONDIÇÕES PARA OS MEMBROS - PROFISSIONAIS LIBERAIS E ENIs Para aderir a este Protocolo e beneficiar das respectivas condições, abra a sua Conta Gestão Tesouraria ou Conta

Leia mais

Conceitos básicos de negociação em CFDs

Conceitos básicos de negociação em CFDs Conceitos básicos de negociação em CFDs N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Advertências Específicas ao Investidor: Pode implicar a perda

Leia mais

Mercado Cambial. i ve seen, learnt and done things i can t forget. Características e Produtos. Ricardo Diz

Mercado Cambial. i ve seen, learnt and done things i can t forget. Características e Produtos. Ricardo Diz Mercado Cambial Características e Produtos Ricardo Diz i ve seen, learnt and done things i can t forget Conteúdo Mercado Cambial Operações Cambiais Tipos de Operações Cambiais Produtos Cambiais 2 Mercado

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Resultados para Portugal Outubro de 2015

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Resultados para Portugal Outubro de 2015 INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Resultados para Portugal Outubro de 2015 I. Apreciação Geral De acordo com os resultados obtidos no inquérito realizado em outubro aos cinco grupos bancários

Leia mais

O SISTEMA FINANCEIRO PORTUGUÊS E A EVOLUÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA. Relator: João Costa Pinto

O SISTEMA FINANCEIRO PORTUGUÊS E A EVOLUÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA. Relator: João Costa Pinto O SISTEMA FINANCEIRO PORTUGUÊS E A EVOLUÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA Relator: João Costa Pinto Dia da Competitividade em Portugal 31 Outubro 2007 I. O PAPEL DO SISTEMA FINANCEIRO PORTUGUÊS NO MOVIMENTO DE

Leia mais

O investidor deve assumir um papel activo na recolha de informação que lhe permita tomar decisões de investimento fundamentadas.

O investidor deve assumir um papel activo na recolha de informação que lhe permita tomar decisões de investimento fundamentadas. O presente documento visa fornecer-lhe informações simples e práticas sobre como deve investir de forma responsável. Independentemente da protecção conferida pela legislação aos investidores não profissionais,

Leia mais

Objectivos do Capítulo

Objectivos do Capítulo Objectivos do Capítulo Descrever a função de finanças da Multinacional e mostrar como se enquadra na estrutura organizacional das MNE s Mostrar como as empresas adquirem fundos externos para operações

Leia mais

V - LISTA DE CONTAS PARAMETRIZADA CLASSE 7 - CUSTOS POR NATUREZA

V - LISTA DE CONTAS PARAMETRIZADA CLASSE 7 - CUSTOS POR NATUREZA Anexo à Instrução nº 4/96 V - LISTA DE CONTAS PARAMETRIZADA CLASSE 7 - CUSTOS POR NATUREZA TABELAS 70 - JUROS E CUSTOS EQUIPARADOS 703 - Juros de recursos alheios 7030 - De instituições de crédito no País

Leia mais

TRATAMENTO CONTABILÍSTICO DE CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS 1

TRATAMENTO CONTABILÍSTICO DE CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS 1 TRATAMENTO CONTABILÍSTICO DE CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS 1 Os procedimentos contabilísticos a adoptar nas operações de concentração de actividades empresariais são definidos nas seguintes

Leia mais

BB BNDES. Instituições Financeiras Bancárias. Instituições Financeiras. não Bancárias. Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo

BB BNDES. Instituições Financeiras Bancárias. Instituições Financeiras. não Bancárias. Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo Conselho Monetário Nacional - CMN Comissões consultivas Subsistema Normativo Banco Central do Brasil Comissão de valores mobiliários CVM Instituições Especiais Sistema financeiro brasileiro BB BNDES CEF

Leia mais

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO Prof.Nelson Guerra Ano 2012 www.concursocec.com.br INTRODUÇÃO Trata-se da política utilizada pelo Governo para obter desenvolvimento

Leia mais

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade III Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Lembrando da aula anterior Conceitos e Funções da Moeda Política Monetária Política Fiscal Política Cambial

Leia mais

Produto Financeiro Complexo Documento Informativo BPI CHINA 2012-2015 ISIN: PTBBUFOM0021

Produto Financeiro Complexo Documento Informativo BPI CHINA 2012-2015 ISIN: PTBBUFOM0021 Produto Financeiro Complexo Documento Informativo BPI CHINA 2012-2015 ISIN: PTBBUFOM0021 Emissão de Obrigações ao abrigo do Euro Medium Term Note Programme de 10,000,000,000 do Banco BPI para a emissão

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES. Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES. Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA JUROS PAGOS PELOS TOMADORES - REMUNERAÇÃO PAGA AOS POUPADORES SPREAD

Leia mais

Faculdade de Direito da Universidade de Macau Ano Lectivo 2011-2012

Faculdade de Direito da Universidade de Macau Ano Lectivo 2011-2012 Parte I Introdução 1 Economia: conceito, objecto e método 2 Organização da actividade económica 3 Breve história da economia e dos sistemas económicos Parte II Microeconomia 4 O comportamento dos consumidores

Leia mais

Como funciona o Sistema Financeiro Nacional. José Reynaldo de Almeida Furlani Junho de 2013

Como funciona o Sistema Financeiro Nacional. José Reynaldo de Almeida Furlani Junho de 2013 José Reynaldo de Almeida Furlani Junho de 2013 Segmentação do Mercado MERCADO MONETÁRIO MERCADO DE CRÉDITO MERCADO FINANCEIRO MERCADO DE CAPITAIS MERCADO CAMBIAL Conceito de Sistema Financeiro Conjunto

Leia mais

PROPOSTA DE VALOR PARA MEMBROS DA ORDEM DOS ADVOGADOS CONDIÇÕES

PROPOSTA DE VALOR PARA MEMBROS DA ORDEM DOS ADVOGADOS CONDIÇÕES PROPOSTA DE VALOR PARA MEMBROS DA ORDEM DOS ADVOGADOS CONDIÇÕES Cartão Ordem dos Advogados Um cartão de crédito PERSONALIZADO E DIFERENCIADOR com vantagens únicas para a classe profissional COMPRE AGORA

Leia mais

Sistema Financeiro Nacional 3. Sistema Financeiro Nacional 3.1 Conceito 3.2 Subsistema de Supervisão 3.3 Subsistema Operativo 6/7/2006 2 3.1 - Conceito de Sistema Financeiro Conjunto de instituições financeiras

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS DO MERCADO FINANCEIRO

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS DO MERCADO FINANCEIRO GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS DO MERCADO FINANCEIRO Neste pequeno glossário, a ABBC apresenta alguns conceitos fundamentais de economia e de finanças para auxiliar o dia a dia dos profissionais de jornalismo

Leia mais

Evolução do SFN. 1. Primeiro Período: 1808-1914 MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS. 3. Terceiro Período: 1945-1965. 2. Segundo Período: 1914-1945

Evolução do SFN. 1. Primeiro Período: 1808-1914 MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS. 3. Terceiro Período: 1945-1965. 2. Segundo Período: 1914-1945 Evolução do SFN MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Profa. Dra. Andréa Paula Segatto-Mendes apsm@ufpr.br 1. Primeiro Período: 1808-1914 Abertura dos portos - acordos comerciais diretos Criação do Banco do

Leia mais

Ética e Responsabilidade Empresarial contextualizadas

Ética e Responsabilidade Empresarial contextualizadas Ética e Responsabilidade Empresarial contextualizadas A empresa moderna constitui-se em torno do Capital. O seu contexto resulta do processo social que transforma os bens em capital O capital, tal como

Leia mais

Encontro Técnico Pegaso Painel Temático: Gestão Económica da Cultura. A Rentabilização Económica e Financeira dos Recursos Culturais.

Encontro Técnico Pegaso Painel Temático: Gestão Económica da Cultura. A Rentabilização Económica e Financeira dos Recursos Culturais. Painel Temático: Gestão Económica da Cultura A Rentabilização Económica e Financeira dos Recursos Culturais. Pedro Frouco Marques Golegã, 27.07.2007 Objectivos Fomentar apetências e habilidades, que permitam

Leia mais

A INDÚSTRIA DA GESTÃO DE ACTIVOS 2002

A INDÚSTRIA DA GESTÃO DE ACTIVOS 2002 A INDÚSTRIA DA GESTÃO DE ACTIVOS 2002 ÍNDICE 1. Caracterização da Indústria de Gestão de Activos...pág. 01 2. Evolução da Indústria de Gestão de Activos...pág. 04 2.1 A Gestão Colectiva de Activos...pág.

Leia mais

Introdução: Mercado Financeiro

Introdução: Mercado Financeiro Introdução: Mercado Financeiro Prof. Nilton TÓPICOS Sistema Financeiro Nacional Ativos Financeiros Mercado de Ações 1 Sistema Financeiro Brasileiro Intervém e distribui recursos no mercado Advindos de

Leia mais

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO CVGARANTE SOCIEDADE DE GARANTIA MÚTUA PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO 14 de Outubro de 2010 O que é a Garantia Mútua? É um sistema privado e de cariz mutualista de apoio às empresas,

Leia mais

CLASSE 9 CONTAS EXTRAPATRIMONIAIS

CLASSE 9 CONTAS EXTRAPATRIMONIAIS Anexo à Instrução nº 4/96 CLASSE 9 CONTAS EXTRAPATRIMONIAIS As contas desta classe registam as responsabilidades ou compromissos assumidos pela instituição ou por terceiros perante esta e que não estão

Leia mais

A ADESÃO DE PORTUGAL E AS IMPLICAÇÕES NO SECTOR FINANCEIRO

A ADESÃO DE PORTUGAL E AS IMPLICAÇÕES NO SECTOR FINANCEIRO A ADESÃO DE PORTUGAL E AS IMPLICAÇÕES NO SECTOR FINANCEIRO 1. Breve panorama da evolução histórica Em 1 de Janeiro de 1986, quando Portugal entra na então Comunidade Económica Europeia (CEE), o sector

Leia mais

Avisos do Banco de Portugal. Aviso nº 8/2005

Avisos do Banco de Portugal. Aviso nº 8/2005 Avisos do Banco de Portugal Aviso nº 8/2005 Considerando a Directiva nº 98/31/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 22 de Junho, que alterou a Directiva nº 93/6/CE, de 15 de Março, relativa à adequação

Leia mais

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários;

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários; O QUE É A CVM? A CVM - Comissão de Valores Mobiliários é uma entidade autárquica em regime especial, vinculada ao Ministério da Fazenda, com personalidade jurídica e patrimônio próprios, dotada de autoridade

Leia mais