CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO PARANÁ CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA DE INTERIORES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO PARANÁ CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA DE INTERIORES"

Transcrição

1 CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO PARANÁ CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA DE INTERIORES A Câmara Técnica de Arquitetura de Interiores do CAU/PR Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Paraná, terá como foco inicial de trabalho o esclarecimento e orientação dos profissionais de Arquitetura e Urbanismo em relação a duas normas técnicas que entraram em vigor recentemente, a Norma Brasileira ABNT NBR 15575:2013 Edificações Habitacionais - Desempenho, e a Norma Brasileira ABNT NBR : Reforma em edificações Sistema de gestão de reformas Requisitos. Tais normas têm atraído grande atenção por parte de arquitetos entretanto seu conhecimento bem como o atendimento aos requisitos impostos não ocorre no exercício da atividade pela maioria dos profissionais do estado, apesar de já estarem em vigor. Através dos agentes distribuídos por todo o estado do Paraná em torno dos escritórios regionais do CAU/PR a Câmara Técnica de Arquitetura e Interiores priorizará a sensibilização, esclarecimento e orientação dos arquitetos sobre as implicações das normas, bem como buscará soluções de forma a viabilizar sua aplicação nas atividades profissionais. Objetivos Os objetivos da Câmara de Arquitetura de Interiores serão de: Compreender os requisitos, implicações técnicas e legais, e abrangência de ambas as normas brasileiras nas atividades profissionais e projetos de Arquitetura e Interiores; Sensibilizar e orientar os profissionais das responsabilidades lhes atribuída pelas normas; Discutir alternativas para o atendimento às normas e outros encaminhamentos necessários para viabilizar o cumprimento das condições impostas; Propor instrumentos que auxiliem na verificação das condições de atendimento às normas como por exemplo check-lists de verificação de memoriais descritivos e projetos executivos; Estabelecer diretrizes para o envolvimento de fornecedores, clientes, projetistas, construtoras e usuários atribuindo e demandando as responsabilidades de cada interveniente. Metodologia de trabalho Para a discussão e desenvolvimento das atividades da câmara, propõe-se que sejam formados grupos de trabalho (GTs) em cada escritório regional do CAU/PR, organizados e conduzidos

2 pelos agentes, titular e suplente, que foram nomeados pela regional para a Câmara de Arquitetura de Interiores. Tais grupos de trabalho seguirão cronograma de discussões sobre aspectos importantes das normas, que seguirão via agente regional para reuniões regulares da Câmara para a discussão entre os demais agentes regionais e coordenador da Câmara. 1. NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 15575:2013 Edificações Habitacionais Desempenho A Norma NBR 15575, também chamada de Norma de Desempenho trata-se de um conjunto de normas técnicas que abrangem os principais itens da construção civil de uma edificação habitacional. Após anos de elaboração e estudos, e a suspensão do inicio de sua vigência entre novembro de 2010 e fevereiro de 2013, a partir de julho de 2013 passou a vigorar para todos os projetos de novas construções residenciais, ou seja, não se aplica a reformas. Desta forma aplica-se a edificações habitacionais unifamiliares e multifamiliares, e não se aplica a: Obras já concluídas Obras em andamento na data do início da vigência da norma Projetos protocolados nas prefeituras antes do início de vigência da norma Obras de reforma Obras de retrofit de edificações Edificações provisórias A norma segue modelos internacionais de normalização de desempenho, constando dos requisitos de desempenho, critérios de desempenho e respectivos métodos de avaliação. As partes constituintes da norma foram divididos em elementos da construção, tendo que atender a uma série de exigências em relação à: Segurança o Desempenho mecânico o Segurança contra incêndio o Segurança no uso e operação Habitabilidade o Estanqueidade o Desempenho térmico e acústico

3 o o o o Desempenho lumínico Saúde, higiene e qualidade do ar, Funcionalidade e acessibilidade Conforto tátil Sustentabilidade o Durabilidade o Manutenibilidade o Adequação ambiental A NBR trata-se de uma norma abrangente cujo atendimento e compreensão requer também o conhecimento de todas as outras normas específicas dos materiais, componentes e sistemas de uma obra de construção civil. Estabelece também critérios para a indicação de Vida Útil do Projeto (VUP), termos de garantia e gestão da manutenção predial requeridos para a referida edificação. A respeito da VUP, a norma descreve como: período de tempo em que um edifício e/ou seus sistemas prestam às atividades para as quais foram projetados e construídos, com atendimento dos níveis de desempenho previstos nesta Norma, considerando a periodicidade e a correta execução dos processos de manutenção especificados no respectivo manual de uso, operação e manutenção. As seis partes que constituem a Norma de Desempenho são (resumos segundo o Guia Orientativo para atendimento à Norma ABNT NBR 15575/2013): Parte 1: Requisitos gerais Parte 2: Requisitos para os sistemas estruturais Parte 3: Requisitos para os sistemas de pisos Parte 4: Requisitos para os sistemas de vedações verticais internas e externas Parte 5: Requisitos para os sistemas de cobertura Parte 6: Requisitos para os sistemas hidrossanitários Aos projetistas, em especial aos arquitetos será necessário o conhecimento do desempenho dos materiais, sistemas e componentes especificados em seus projetos, tendo eles a estarem de acordo com o desempenho mínimo requerido conforma a NBR Além disso, a indicação das VUPs no projeto executivo será obrigatória bem como a indicação das atividades e processos de manutenção, uso e operação do edifício e seus sistemas que forem propostos em projeto para atingirem a VUP indicada.

4 Em caso de desconhecimento das características técnicas, vida útil, condições de operação e manutenção será necessária a solicitação da empresa fornecedora do material, componente ou sistema proposto de forma a assegurar o cumprimento da norma na especificação em projeto. Plano de Trabalho O atendimento aos requisitos impostos pela NBR Norma de Desempenho aos arquitetos é tarefa complexa e desafiadora, tanto pela profundidade técnica necessária para as especificações de projeto quanto como a quantidade de itens que compõem as especificações em projeto. O conhecimento da Norma de Desempenho como um todo é parte da solução necessário para tal atendimento, entretanto como a NBR remete a outras normas específicas será necessário no mínimo o conhecimento de quais são estas normas e quem deve conhecê-las para pleno atendimento, como arquitetos, outros projetistas, fornecedores, construtoras e clientes. Como a Norma já está em vigência, propõe-se uma discussão em torno de grupos de trabalho, cada um focado em determinada parte da norma, para que o conteúdo e exigências requeridas sejam mais rapidamente compreendidas e seu atendimento seja mais prontamente proposto através de ações e instrumentos que facilitem tais especificações. Propõe-se, desta forma, que as seguintes etapas sejam seguidas para o melhor e mais ágil atendimento em projeto da Norma de Desempenho: Formação de Grupos de Trabalho (GTs) em torno das partes da Norma, organizadas nos escritórios regionais do CAU, sendo os trabalhos conduzidos pelo(s) agente(s) da Câmara de Arquitetura e Urbanismo designados e seu(s) suplente(s) Compreensão dos requisitos, implicações técnicas e legais, e abrangência da Norma de Desempenho nas atividades profissionais e projetos de Arquitetura e Interiores; Sensibilização e orientação dos profissionais das responsabilidades lhes atribuída pelas normas; Discussão de alternativas para o atendimento às normas e outros encaminhamentos necessários para viabilizar o cumprimento das condições impostas como ações, processos, cursos, etc. Proposição de instrumentos que auxiliem na verificação das condições de atendimento às normas como por exemplo check-lists de verificação de memoriais descritivos e projetos executivos; Elaboração de Manual Orientativo para arquitetos pertencentes ao CAU/PR;

5 Divulgação do Manual Orientativo a todos os arquitetos através de palestras nas regionais do CAU/PR; Estabelecimento de diretrizes para o envolvimento de fornecedores, clientes, projetistas, construtoras e usuários atribuindo e demandando as responsabilidades de cada interveniente; Estabelecimento de parcerias estratégicas com empresas, associações e entidades, públicas e privadas que possam auxiliar no esclarecimento e obtenção das informações técnicas, como Senai, Sebrae, Sinduscon, Associações de fabricantes de materiais de construção civil. Como modelo proposto para a condução dos grupos de trabalho (GTs) da Câmara de Arquitetura e Interiores do CAU/PR, sugere-se que cada uma das seis partes da NBR seja estudada por um grupo, este referente a uma regional do CAU/PR. Envolvendo os profissionais da regional, o(s) agente(s) e suplente(s) conduzirão a análise dos requisitos demandados na parte lhes cabida, entendendo os requisitos necessários aplicáveis de forma a possibilitar a proposição de diretrizes de projeto e de memorial descritivo, bem como de ações necessárias para a execução das diretrizes propostas, conforme tabela sugerida abaixo. Após o prazo determinado para que tais reuniões nas regionais ocorram, serão propostas reuniões com a participação dos agentes das regionais bem como convidados conforme interesse do CAU/PR para participarem da validação dos encaminhamentos propostos pelos agentes, que sirva de base para a elaboração de um Manual que sirva de guia e referencia para a confecção de projetos de arquitetura. Desta forma, além do conhecimento mais ágil e aprofundado da norma, da sensibilização e envolvimento dos profissionais nas regionais sobre o tema, e colaboração de profissionais e agentes de todo o estado, será obtido um documento útil e de uso prático para ser disponibilizado aos arquitetos, como contribuição do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Paraná. Além disso, pontos relevantes e muitas vezes distante do alcance de pequenos escritórios e profissionais autônomos, como acesso a informações técnicas, laudos e ensaios podem ser viabilizados pelo CAU através do levantamento de quais são estas informações e especificações, por vezes desconhecidas pelos próprios fabricantes e até mesmo talvez que não tenham sido testados e ensaiados.

6 CAU-PR CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA DE INTERIORES ABNT NBR NORMA DE DESEMPENHO Diretrizes para Projeto e Memorial Descritivo Desempenho estrutural Segurança contra incêndio Segurança no uso e operação Funcionalidade e acessibilidade Conforto tátil e antropodinâmico Desempenho térmico Desempenho acústico Desempenho lumínico Estanqueidade à água Durabilidade Manutenibilidade / gestão da manutenção predial GT-CAI-01 1 Requisitos Gerais 2 Requisitos para os Sistemas Estruturais GT-CAI-02 1 Requisitos Gerais 3 Requisitos para os Sistemas de Pisos GT-CAI-03 1 Requisitos Gerais 4 Requisitos para os Sistemas de Vedações verticais internas e externas GT-CAI-04 1 Requisitos Gerais 5 Requisitos para os Sistemas de Cobertura GT-CAI-05 1 Requisitos Gerais 6 Requisitos para os Sitemas Hidrossanitários Grupos de trabalho tabela sugerida para tema Norma de Desempenho 2. NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 16280:2014 Reforma em edificações Sistema de gestão de reformas Requisitos A Norma NBR que vem sendo chamada de Norma de Reforma entrou em vigor em 18 de abril de 2014 e estabelece as condições para as atividades técnicas de reformas em edificações.

7 Entendendo que as edificações construídas sofrem com a ação do tempo perdendo função ou qualidade, estas podem necessitar renovação, mudança de uso ou função, ajustes, adequações e recuperação de suas propriedades técnicas, sendo que as intervenções técnicas devem seguir processos orientados pelo fator Segurança, que é uma das maiores preocupações desta norma. Mudanças econômicas e culturais trazem necessidades que podem levar a processos de alteração das construções. Contudo, estas transformações devem preservar a segurança das edificações, seus usuários e o entorno por ela impactados. Obviamente, em toda atividade existe a presença do elemento risco que, nas análises de gestão, deve ser tratado adequadamente (ABNT NBR 16280:2014, Introdução) A norma estabelece que qualquer alteração nos sistemas, materiais ou componentes da edificação, seja em sua área privativa ou área comum, deverá ser analisada por equipe técnica e autorizada pelo responsável legal pela edificação, com o conhecimento e anuência do proprietário da unidade a ser reformada. No website do CAU/BR foram esclarecidos os objetivos da norma bem como sua aplicação: A norma estabelece que toda reforma de imóvel que altere ou comprometa a segurança da edificação ou de seu entorno precisará ser submetida à análise da construtora/incorporadora e do projetista, dentro do prazo decadencial (a partir do qual vence a garantia). Após este prazo, exigirá laudo técnico assinado por engenheiro ou arquiteto. E o síndico ou a administradora, com base em parecer de especialista, poderão autorizar, autorizar com ressalvas ou proibir a reforma, caso entendam que ela irá colocar em risco a edificação. A NBR incorporou meios para prevenção de perda de desempenho incluindo métodos para: planejamento, projetos e análises técnicas e implicações de reformas nas edificações; alteração das características originais da edificação ou de suas funções; descrição das características da execução das obras de reforma; segurança da edificação do entorno e dos usuários; Registro documental da situação da edificação, antes da reforma, dos procedimentos utilizados e do pós-obra de reforma e supervisão técnica dos processos e das obras. (CAU/PR, ABNT%20%20norma%20das%20reformas%20entra%20em%20vigor%20dia%2018%20de%20 abril%20%20%20cau%20br.htm)

8 Escopo O escopo abrangido pela norma aplica-se exclusivamente às reformas de edificações, e estabelece os requisitos para os sistemas de gestão de controle de processos, projetos, execução e segurança, e meios para: a) Prevenções de perda de desempenho decorrente das ações de intervenções gerais ou pontuais nos sistemas, elementos ou componentes da edificação; b) Planejamento, projetos e análises técnicas de implicações da reforma na edificação; c) Alteração das características originais da edificação ou de suas funções; d) Descrição das características da execução das obras de reforma; e) Segurança da edificação, do entorno e de seus usuários; f) Registro documental da situação da edificação, antes da reforma, dos procedimentos utilizados e do pós-obra de reforma; g) Registro documental da situação da edificação, antes da reforma, dos procedimentos utilizados e do pós-obra de reforma h) Supervisão técnica dos processos e das obras (fonte: ABNT NBR 16280:2014, Item 1 Escopo) Requisitos para a gestão da reforma - Organização das diretrizes A NBR define que os serviços de reforma devem estar apresentados em um plano de reforma, que garanta a preservação dos sistemas de segurança da edificação e que não afete os serviços de manutenção após o término da obra. Obriga a apresentação de toda e qualquer modificação que altere ou comprometa a segurança da edificação ou seu entorno para a análise da construtora e do projetista, e que sejam previstos os meios que protegerão os usuários da edificação e vizinhança de eventuais danos ou prejuízos decorrentes dos serviços de reforma. Neste plano de diretrizes deverão ainda ser descritos todos os processos para a realização da obra da reforma bem como a forma de comunicação com o responsável pela edificação, além de informar responsáveis e atribuições em todas as fases da obra. Os registros de aprovações necessárias para a realização da obra, e a previsão dos recursos materiais, técnicos, financeiros e humanos também deverão constar deste plano de reforma. Requisitos para realização da reforma O plano de reforma deve ser elaborado por profissional habilitado por apresentar a descrição de impactos nos sistemas, subsistemas e afins da edificação, e por encaminhar o plano ao responsável legal da edificação em comunicado formal para análise do início da obra

9 de reforma (ABNT NBR 16280:2014, Item 5 Requisitos para realização de reformas em edificações) Este plano deverá contemplar os seguintes itens, considerando as áreas privativas e áreas sociais impactadas: Atendimento às legislações e normas técnicas Garantia da segurança da edificação e dos usuários, durante e após a obra; Autorização para circulação dentro da edificação dos insumos e funcionários nos horários permitidos; Apresentação de projetos, memoriais, desenhos e referências técnicas; Escopo dos serviços; Identificação das atividades que gerem ruídos com a previsão dos níveis de pressão sonora máxima; Identificação de materiais tóxicos, combustíveis e inflamáveis; Localização e implicações no entorno da reforma; Cronograma da reforma; Dados das empresas, profissionais e funcionários envolvidos com a reforma; Responsabilidade técnica pelo projeto, execução e supervisão apresentada de forma legal; Planejamento de descarte de resíduos gerados; Estabelecimento de local de armazenagem de insumos e resíduos gerados; Implicações sobre o manual de uso, operação e manutenção de edificações (NBR 14037) e gestão da manutenção (NBR 5674). Incumbências ou encargos A NBR define as atribuições e obrigações para as fases de antes do início da obra, durante as obras e após a reforma para os intervenientes responsáveis pela edificação, que são o Responsável legal da edificação e o Proprietário da unidade autônoma (em caso de condomínio). Requisitos para a documentação das obras de reforma A norma obriga o arquivamento de toda a documentação referente à obra de reforma como parte integrante do manual de uso, operação e manutenção da edificação, sob guarda do responsável pela edificação, bem como todos os registros gerados durante a execução da reforma.

10 Plano de Trabalho Para a Norma de Reforma os trabalhos a serem desenvolvidos pela Câmara envolverão não somente os arquitetos e construtores, mas também os clientes e administradores de condomínio. Desta forma as etapas a serem seguidas pelos agentes da Câmara de Arquitetura de Interiores envolverão: Compreensão dos requisitos e implicações da Norma NBR 16280; Discussão nas regionais dos impactos, bem como dos documentos e processos necessários para o atendimento da norma; Elaboração de Manual Orientativo para arquitetos pertencentes ao CAU/PR Elaboração de Manual para clientes e administradores de condomínios ou similares esclarecendo principais aspectos e implicações técnicas e legais da norma. Divulgação do Manual Orientativo a todos os arquitetos através de palestras nas regionais do CAU-Pr. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS - Norma Brasileira ABNT NBR 15575:2013 Edificações Habitacionais - Desempenho. Associação Brasileira de Normas Técnicas. Rio de Janeiro Norma Brasileira ABNT NBR 16280:2014 Reforma em edificações Sistema de gestão de reformas Requisitos. Associação Brasileira de Normas Técnicas. Rio de Janeiro Desempenho de edificações habitacionais: guia orientativo para atendimento à norma ABNT NBR 15575/2013. Câmara Brasileira da Indústria da Construção CBIC. Brasília AÇÕES DA CÂMARA TÉCNICA - Divulgação da Norma de Desempenho e da Norma da Reforma. - Promoção de cursos/treinamentos sobre as Normas.

NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 16280. Reforma em edificações - Sistema de gestão de reformas - Requisitos PRIMEIRA EDIÇÃO 18/03/2014

NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 16280. Reforma em edificações - Sistema de gestão de reformas - Requisitos PRIMEIRA EDIÇÃO 18/03/2014 NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 16280 PRIMEIRA EDIÇÃO 18/03/2014 VÁLIDA A PARTIR DE 18/04/2014 Reforma em edificações - Sistema de gestão de reformas - Requisitos Prefácio Introdução 1 Escopo 2 Referências 3

Leia mais

FOCO NO PROCESSO QUALIDADE. Cliente. Desenvolvimento do produto e projeto. Uso e operação. Gerenciamento e Execução de. Lançamento e vendas.

FOCO NO PROCESSO QUALIDADE. Cliente. Desenvolvimento do produto e projeto. Uso e operação. Gerenciamento e Execução de. Lançamento e vendas. QUALIDADE Cliente Uso e operação Desenvolvimento do produto e projeto FOCO NO Gerenciamento e Execução de obras PROCESSO Lançamento e vendas Suprimentos Planejamento e orçamento de obras Padronização dos

Leia mais

Manutenção e Reforma. Saiba as ações necessárias para atendimento às novas normas de modo a não implicar em suas garantias. Ricardo Santaliestra Pina

Manutenção e Reforma. Saiba as ações necessárias para atendimento às novas normas de modo a não implicar em suas garantias. Ricardo Santaliestra Pina Manutenção e Reforma Saiba as ações necessárias para atendimento às novas normas de modo a não implicar em suas garantias Ricardo Santaliestra Pina Norma ABNT NBR 5674 Manutenção Edificações Requisitos

Leia mais

PROCEDIMENTOS TÉCNICOS DE OBRAS. Eng o Civil Octavio Galvão Neto

PROCEDIMENTOS TÉCNICOS DE OBRAS. Eng o Civil Octavio Galvão Neto PROCEDIMENTOS TÉCNICOS DE ENTREGA E RECEBIMENTO DE OBRAS Eng o Civil Octavio Galvão Neto HelyLopes Meirelles O Direito de Construir 1961 A responsabilidade pela perfeição da obra é o primeiro dever legal

Leia mais

NBR 15.575 - UMA NOVA FERRAMENTA PARA A QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES.

NBR 15.575 - UMA NOVA FERRAMENTA PARA A QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES. NBR 15.575 - UMA NOVA FERRAMENTA PARA A QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES. Arq. Cândida Maciel Síntese Arquitetura 61-34685613 candida@sintesearquitetura.com.br NBR 15575- EDIFÍCIOS HABITACIONAIS DE ATÉ

Leia mais

NBR 16.280 - OBRAS NAS UNIDADES AUTÔNOMAS

NBR 16.280 - OBRAS NAS UNIDADES AUTÔNOMAS NBR 16.280 - OBRAS NAS UNIDADES AUTÔNOMAS Com a vigência da NBR 16.280, norma elaborada pela ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas, e cujo escopo foi tratado na Circular AABIC de 11/04/2014, os

Leia mais

INSPEÇÃO PREDIAL. Eng. Civil Flávia Zoéga Andreatta Pujadas archeo@uol.com.br

INSPEÇÃO PREDIAL. Eng. Civil Flávia Zoéga Andreatta Pujadas archeo@uol.com.br INSPEÇÃO PREDIAL Eng. Civil Flávia Zoéga Andreatta Pujadas archeo@uol.com.br INSPEÇÃO PREDIAL e sua EVOLUÇÃO 1º Inspeção Predial: Vistoria técnica da edificação para constatação das anomalias existentes

Leia mais

UFAL- Universidade Federal de Alagoas DEHA- Mestrado em Dinâmicas do Espaço Habitado Disciplina: DEH 204 -Acústica Arquitetônica

UFAL- Universidade Federal de Alagoas DEHA- Mestrado em Dinâmicas do Espaço Habitado Disciplina: DEH 204 -Acústica Arquitetônica UFAL- Universidade Federal de Alagoas DEHA- Mestrado em Dinâmicas do Espaço Habitado Disciplina: DEH 204 -Acústica Arquitetônica NBR 15575:2013 Desempenho de edificações habitacionais Professora Dra. Maria

Leia mais

manual DE uso, OPERAÇÃO E manutenção DAS EDIFICAÇõES Orientações para Construtoras e Incorporadoras

manual DE uso, OPERAÇÃO E manutenção DAS EDIFICAÇõES Orientações para Construtoras e Incorporadoras manual DE uso, OPERAÇÃO E manutenção DAS EDIFICAÇõES Orientações para Construtoras e Incorporadoras O U T U B R O/2013 CENÁRIO fotografi a: Erivelton Viana A Câmara Brasileira da Indústria da Construção

Leia mais

Reforma e Manutenção de Edificações ou Condomínios. Marcos Velletri

Reforma e Manutenção de Edificações ou Condomínios. Marcos Velletri Reforma e Manutenção de Edificações ou Condomínios Marcos Velletri Reforma e Manutenção de Edificações ou Condomínios É de extrema importância a conscientização de proprietários e síndicos quanto à responsabilidade

Leia mais

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR 15.575

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR 15.575 EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO ACÚSTICO EXECUÇÃO PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR 15.575 EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO ACÚSTICO EXECUÇÃO

Leia mais

Evento ASBEA. Mauricio Linn Bianchi Eng. Civil Diretor da BKO CTQ Sinduscon SP

Evento ASBEA. Mauricio Linn Bianchi Eng. Civil Diretor da BKO CTQ Sinduscon SP Evento ASBEA Mauricio Linn Bianchi Eng. Civil Diretor da BKO CTQ Sinduscon SP Evento ASBEA - Norma de Desempenho Perfil Empresarial em números 3 Prêmios Máster Imobiliário 1 24 Anos de experiência Prêmio

Leia mais

DIRETRIZES TÉCNICAS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO EM EDIFICAÇÕES 05/2015 DT 007/15 DTPC

DIRETRIZES TÉCNICAS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO EM EDIFICAÇÕES 05/2015 DT 007/15 DTPC DIRETRIZES TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO EM EDIFICAÇÕES 05/2015 DT 007/15 DTPC 1 DIRETRIZES TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO EM EDIFICAÇÕES Presidente: Camil Eid. Vice Presidente Técnica: Miriana

Leia mais

Analise das normas: 1) ABNT NBR 5674 - Gestão da manutenção 2) ABNT NBR 12680 - Gestão das reformas. Ronaldo Sá Oliveira

Analise das normas: 1) ABNT NBR 5674 - Gestão da manutenção 2) ABNT NBR 12680 - Gestão das reformas. Ronaldo Sá Oliveira Analise das normas: 1) ABNT NBR 5674 - Gestão da manutenção 2) ABNT NBR 12680 - Gestão das reformas Ronaldo Sá Oliveira ABNT NBR 15575:2013 NORMA DE DESEMPENHO CE-02:140.02 INSPEÇÃO PREDIAL ABNT NBR 14037:2011

Leia mais

ABNT NBR 15.575 NORMA DE DESEMPENHO

ABNT NBR 15.575 NORMA DE DESEMPENHO ABNT NBR 15.575 NORMA DE DESEMPENHO O que é uma Norma Técnica? O que é uma Norma Técnica? Documento estabelecido por consenso e aprovado por um organismo reconhecido, que fornece, para uso repetitivo,

Leia mais

VIDA ÚTIL DE PROJETO COMO PREMISSA PARA O DESEMPENHO DE EDIFICAÇÕES HABITACIONAIS ABNT NBR 15575/2013 EDIFICAÇÕES HABITACIONAIS - DESEMPENHO

VIDA ÚTIL DE PROJETO COMO PREMISSA PARA O DESEMPENHO DE EDIFICAÇÕES HABITACIONAIS ABNT NBR 15575/2013 EDIFICAÇÕES HABITACIONAIS - DESEMPENHO VIDA ÚTIL DE PROJETO COMO PREMISSA PARA O DESEMPENHO DE EDIFICAÇÕES HABITACIONAIS ABNT NBR 15575/2013 EDIFICAÇÕES HABITACIONAIS - DESEMPENHO VIDA ÚTIL DE PROJETO COMO PREMISSA PARA O DESEMPENHO DE EDIFICAÇÕES

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano 2014 CONCEITOS GERAIS DOS SERVIÇOS E Lei nº 3401/06 ( Plano Diretor), Lei nº 3420/07 (Código

Leia mais

1 Introdução. antes de mudar

1 Introdução. antes de mudar Introdução 1 Introdução antes de mudar Recebendo as chaves do imóvel, o proprietário deverá providenciar junto as concessionárias, as ligações de alguns serviços indispensáveis ao funcionamento de sua

Leia mais

Papel do construtor e do incorporador para atendimento às garantias. Eng. Karina Haddad

Papel do construtor e do incorporador para atendimento às garantias. Eng. Karina Haddad Papel do construtor e do incorporador para atendimento às garantias Eng. Karina Haddad Normas ABNT e manuais do setor Normas ABNT ABNT NBR 15575 Norma de Desempenho (válida para os projetos aprovados a

Leia mais

CE-02:124.17 Reforma em edificações Requisitos para o sistema de gestão de reformas

CE-02:124.17 Reforma em edificações Requisitos para o sistema de gestão de reformas de gestão de reformas APRESENTAÇÃO Representante Secovi-SP Participante Ronaldo Sá Oliveira NÃO TEM VALOR NORMATIVO CE-02:124.17 COMISSÃO DE ESTUDO DE REFORMAS EM EDIFICAÇÕES Reforma em edificações Requisitos

Leia mais

NORMAS DE DESEMPENHO: Alinhamento da Arquitetura Brasileira aos Padrões Mundiais de Projeto

NORMAS DE DESEMPENHO: Alinhamento da Arquitetura Brasileira aos Padrões Mundiais de Projeto 38 a. ASSEMBLEIA & 1º FORUM ANUAL 21 de Maio de 2010 NORMAS DE DESEMPENHO: Alinhamento da Arquitetura Brasileira aos Padrões Mundiais de Projeto Arquiteta Ana Maria de Biazzi Dias de Oliveira anabiazzi@uol.com.br

Leia mais

DECRETO Nº 37426 DE 11 DE JULHO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, e

DECRETO Nº 37426 DE 11 DE JULHO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, e DECRETO Nº 37426 DE 11 DE JULHO DE 2013 Regulamenta a aplicação da Lei Complementar nº 126/13 e da Lei nº 6400/13, que instituem, por AUTOVISTORIA, a obrigatoriedade de realização de vistorias técnicas

Leia mais

Sistema Construtivo em PAREDES DE CONCRETO. Um sistema com bom desempenho MITOS E VERDADES

Sistema Construtivo em PAREDES DE CONCRETO. Um sistema com bom desempenho MITOS E VERDADES Seminário: Sistema Construtivo em PAREDES DE CONCRETO Um sistema com bom desempenho MITOS E VERDADES Arnoldo Wendler Sistema Construtivo Estudo de viabilidade Anteprojeto arquitetônico Comercialização

Leia mais

Gestão do Processo de Projeto e Desempenho das Edificações: uma proposta SEBRAE / FIEMG / UFMG Prof. Dr. White José dos Santos- UFMG

Gestão do Processo de Projeto e Desempenho das Edificações: uma proposta SEBRAE / FIEMG / UFMG Prof. Dr. White José dos Santos- UFMG Seminário - Juiz de Fora SINDUSCON - SEBRAE Gestão do Processo de Projeto e Desempenho das Edificações: uma proposta SEBRAE / FIEMG / UFMG Prof. Dr. White José dos Santos- UFMG Gestão do Processo de Projeto

Leia mais

AS LEIS ESTÃO PARA OS ADVOGADOS ASSIM COMO AS NORMAS TÉCNICAS ESTÃO PARA ENGENHEIROS E ARQUITETOS

AS LEIS ESTÃO PARA OS ADVOGADOS ASSIM COMO AS NORMAS TÉCNICAS ESTÃO PARA ENGENHEIROS E ARQUITETOS PAINEL 2 As perícias Judiciais em edificações e a ABNT NBR15575:2010 Edifícios Habitacionais de até 5 pavimentos - Desempenho Apresentação PAULO GRANDISKI Eng. Civil IBAPE/SP 1 AS LEIS ESTÃO PARA OS ADVOGADOS

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DA CONSTRUTORA TARJAB NA ADOÇÃO DA NORMA DE DESEMPENHO OUTUBRO 2014

A EXPERIÊNCIA DA CONSTRUTORA TARJAB NA ADOÇÃO DA NORMA DE DESEMPENHO OUTUBRO 2014 A EXPERIÊNCIA DA CONSTRUTORA TARJAB NA ADOÇÃO DA NORMA DE DESEMPENHO OUTUBRO Apresentação dos trabalhos Porque devemos atender à Norma de Desempenho? O Contexto da normalização no Brasil A experiência

Leia mais

PREFEITURA DE SÃO LUIS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO SEMURH

PREFEITURA DE SÃO LUIS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO SEMURH Projeto de Lei nº, de de de Institui o primeiro plano municipal de incentivo à construção civil, e dá outras providências. O PREFEITO DE SÃO LUÍS, Capital do Estado do Maranhão Faço saber a todos os seus

Leia mais

DIRETRIZES TÉCNICAS CONSULTORIA TÉCNICA EM EDIFICAÇÕES DT XXX/XX DTPC

DIRETRIZES TÉCNICAS CONSULTORIA TÉCNICA EM EDIFICAÇÕES DT XXX/XX DTPC DIRETRIZES TÉCNICAS DE CONSULTORIA TÉCNICA EM EDIFICAÇÕES 07/07/2015 DT XXX/XX DTPC 1 INSTITUTO DE ENGENHARIA Presidente: Camil Eid Vice Presidente Técnica: Miriana Marques Pereira Diretor de Engenharia

Leia mais

Concurso Público: Prêmio Caneleiro de Arquitetura Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA

Concurso Público: Prêmio Caneleiro de Arquitetura Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA Concurso Público: Prêmio Caneleiro de Arquitetura Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA Junho 2014 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO Pg. 03 2. OBJETO Pg. 03 3. ESCOPO DOS PRODUTOS E SERVIÇOS Pg. 03 4. DIRETRIZES PARA

Leia mais

Rio de Janeiro: Decreto Regulamentador de Autovistoria

Rio de Janeiro: Decreto Regulamentador de Autovistoria Rio de Janeiro: Decreto Regulamentador de Autovistoria Regulamenta a aplicação da Lei Complementar 126 de 26 de março de 2013 e da Lei 6400 de 05 de março de 2013, que instituem a obrigatoriedade de realização

Leia mais

Reformas e manutenção. Engº Marcos Velletri Engº Ricardo Gonçalves. Realização:

Reformas e manutenção. Engº Marcos Velletri Engº Ricardo Gonçalves. Realização: Reformas e manutenção Engº Marcos Velletri Engº Ricardo Gonçalves Atualização da normalização nacional ABNT NBR 15575 DESEMPENHO DE EDIFICAÇÕES Eng. Ricardo S. F. Gonçalves ABNT NBR 15575:2013 NORMA DE

Leia mais

ABNT NBR 15575 Edifícios habitacionais de até 5 (cinco) pavimentos Norma de Desempenho. Perícias judiciais

ABNT NBR 15575 Edifícios habitacionais de até 5 (cinco) pavimentos Norma de Desempenho. Perícias judiciais ABNT NBR 15575 Edifícios habitacionais de até 5 (cinco) pavimentos Norma de Desempenho Perícias judiciais IBAPE SP - AGOSTO 2011 1 NORMAS TÉCNICAS Zona de fronteira Direito Engenharia 2 Norma de Desempenho

Leia mais

Regulamento da Categoria 1: Ação Social: Cuidado com o Meio Ambiente e Bem-Estar

Regulamento da Categoria 1: Ação Social: Cuidado com o Meio Ambiente e Bem-Estar Regulamento da Categoria 1: Ação Social: Cuidado com o Meio Ambiente e Bem-Estar PARTICIPANTES Empresas ou organizações não-governamentais (ONGs) legalmente constituídas no Brasil. PRÉ-REQUISITOS Poderão

Leia mais

ASPECTOS JURÍDICOS DA NORMA 15.575 APLICADOS À INDÚSTRIA DE ESQUADRIAS

ASPECTOS JURÍDICOS DA NORMA 15.575 APLICADOS À INDÚSTRIA DE ESQUADRIAS ASPECTOS JURÍDICOS DA NORMA 15.575 APLICADOS À INDÚSTRIA DE ESQUADRIAS Esta apresentação foi preparada pelo Departamento Jurídico da AFEAL, sob orientação do Advogado Marcos Armani As normas oficiais brasileiras

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA 1/10 INFORMAÇÕES SOBRE A EMPRESA... 2 ABRANGÊNCIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 1. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE:... 4 - MANUAL DA QUALIDADE... 4 Escopo do SGQ e definição dos clientes... 4 Política

Leia mais

O impacto da Norma de Desempenho NBR 15575 na Indústria de materiais e componentes visando o atendimento do desempenho acústico

O impacto da Norma de Desempenho NBR 15575 na Indústria de materiais e componentes visando o atendimento do desempenho acústico O impacto da Norma de Desempenho NBR 15575 na Indústria de materiais e componentes visando o atendimento do desempenho acústico Vera Fernandes Hachich Sócia-gerente da PBQP-H INMETRO Programas Setoriais

Leia mais

CICLO DE PALESTRAS OBRAS EM CONDOMÍNIOS: PRECAUÇÕES E RESPONSABILIDADES

CICLO DE PALESTRAS OBRAS EM CONDOMÍNIOS: PRECAUÇÕES E RESPONSABILIDADES CICLO DE PALESTRAS OBRAS EM CONDOMÍNIOS: PRECAUÇÕES E RESPONSABILIDADES INSPEÇÃO PREDIAL CHECK UP E PREVENÇÃO DE ACIDENTES IBAPE/SP Instituto Brasileiro de Avaliações e Perícias de Engenharia de São Paulo

Leia mais

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. PROJETO DE LEI N o 6.125, DE 2013 I - RELATÓRIO

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. PROJETO DE LEI N o 6.125, DE 2013 I - RELATÓRIO COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR PROJETO DE LEI N o 6.125, DE 2013 Dispõe sobre a obrigatoriedade de conservação e manutenção de elevadores elétricos, esteiras e escadas rolantes instalados em edifícios

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DA CONSTRUÇÃO CIVIL. Iniciativa: SINDUSCON GOIÁS E FIEG

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DA CONSTRUÇÃO CIVIL. Iniciativa: SINDUSCON GOIÁS E FIEG 1 ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DA CONSTRUÇÃO CIVIL Iniciativa: SINDUSCON GOIÁS E FIEG Breve Histórico Segundo semestre de 2011 CEF procurou o Sinduscon- Goiás para tratar de problemas detectados nas obras M.C.M.V.

Leia mais

Painel Inspeção Predial e Inspeção em Manutenção. Engº Civil MARCELO SUAREZ SALDANHA Esp.

Painel Inspeção Predial e Inspeção em Manutenção. Engº Civil MARCELO SUAREZ SALDANHA Esp. Painel Inspeção Predial e Inspeção em Manutenção Engº Civil MARCELO SUAREZ SALDANHA Esp. INSPEÇÃO PREDIAL - Legislações e Normas as leis da inspeção predial são destinadas a verificar as condições de segurança

Leia mais

Norma da ABNT vai regulamentar reformas

Norma da ABNT vai regulamentar reformas Norma da ABNT vai regulamentar reformas 3 de maio de 2014 6 0 11 Acidentes acontecem quando menos se espera, e muitas vezes causados pelos motivos mais ingênuos que se possa imaginar. Em condomínios a

Leia mais

Norma de Desempenho. Conceitos e Histórico NBR 15575:2013

Norma de Desempenho. Conceitos e Histórico NBR 15575:2013 NBR 15575:2013 Eng Roberto Gonçalves Dias Conceitos e Histórico Conceito de : Origem na exigências de segurança estrutural na Segunda Guerra Mundial Evolução nos Congressos da Construção Civil em 1962

Leia mais

Manual de Garantias dos Produtos NS BRAZIL

Manual de Garantias dos Produtos NS BRAZIL Manual de Garantias dos Produtos NS BRAZIL Introdução: A ideia do lançamento do Manual de Garantias da NS Brazil, que ora apresentamos, veio da constatação de uma incômoda contradição: A inobservância

Leia mais

AMBIENTE EFICIENTE Consultoria

AMBIENTE EFICIENTE Consultoria AMBIENTE EFICIENTE Consultoria ESCOPO DOS SERVIÇOS CERTIFICAÇÃO LEED A certificação LEED pode ser aplicada no Brasil em oito tipologias: Novas Construções (New Construction) Edifícios Existentes Operação

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO OPERACIONAL PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO

PROGRAMA DE APOIO OPERACIONAL PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO Superintendência de Urbanismo e Produção Habitacional Coordenação de Projetos PROGRAMA DE APOIO OPERACIONAL PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA,

Leia mais

MONITORAMENTO DE NORMALIZAÇÃO MAIO

MONITORAMENTO DE NORMALIZAÇÃO MAIO ABNT/CB 02 COMITÊ BRASILEIRO DA CONSTRUÇÃO CIVIL ABNT NBR 5476 Requisitos para o sistema de gestão de manutenção. Reunião 25 de maio Representante Ronaldo Sá O Texto está em fase final e haverá em junho

Leia mais

ARQUITETURA E DESEMPENHO: Desafios e Oportunidades. Arq. Barbara Kelch Monteiro Arq. Miriam Addor

ARQUITETURA E DESEMPENHO: Desafios e Oportunidades. Arq. Barbara Kelch Monteiro Arq. Miriam Addor ARQUITETURA E DESEMPENHO: Desafios e Oportunidades Arq. Barbara Kelch Monteiro Arq. Miriam Addor Norma de Desempenho ABNT NBR 15.575 Objetivos desta apresentação: * Legislação / ABNT * Leis e Normas pertinentes

Leia mais

CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO:

CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO: EMPREENDIMENTOS CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO: Localizado em Novo Hamburgo RS; 18000 m² de área construída; 72 Unidades 3 e 2 dormitórios; 26 Pavimentos; Tratamento e reutilização

Leia mais

II SEMINÁRIO DE ENGENHARIA DIAGNÓSTICA EM EDIFICAÇÕES

II SEMINÁRIO DE ENGENHARIA DIAGNÓSTICA EM EDIFICAÇÕES Painel 2 VISTORIAS E INSPEÇÕES PREDIAIS SEGURANÇA DAS ESTRUTURAS DAS EDIFICAÇÕES 01 1. RAZÕES PARA AS VISTORIA 1. DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHOS TÉCNICOS DE INSPEÇÕES 3. PROCEDIMENTOS PREVENTIVOS

Leia mais

OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA

OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA Prof. ENEDIR GHISI UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Departamento

Leia mais

REGULAMENTO DE OBRAS ANEXO I. Cuidados ao iniciar a obra: Horário de funcionamento do prédio:

REGULAMENTO DE OBRAS ANEXO I. Cuidados ao iniciar a obra: Horário de funcionamento do prédio: ANEXO I REGULAMENTO DE OBRAS Cuidados ao iniciar a obra: Toda obra ou reforma na unidade deve ser comunicada ao síndico, com antecedência mínima de 10 dias, através da apresentação de respectivo croqui

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES PERGUNTAS MAIS FREQUENTES REGIME JURÍDICO DA (RJ-SCIE) (Decreto-Lei n.º 220/2008, de 12 de Novembro) REGULAMENTO TÉCNICO DE SCIE (RT-SCIE) (Portaria n.º 1532/2008, de 29 de Dezembro) E LEGISLAÇÃO/DOCUMENTOS

Leia mais

DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DE NORMAS ABNT NA CONSTRUÇÃO CIVIL, DENTRE ELAS A DE DESEMPENHO. Ronaldo Sá Oliveira

DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DE NORMAS ABNT NA CONSTRUÇÃO CIVIL, DENTRE ELAS A DE DESEMPENHO. Ronaldo Sá Oliveira DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DE NORMAS ABNT NA CONSTRUÇÃO CIVIL, DENTRE ELAS A DE DESEMPENHO Ronaldo Sá Oliveira QUEM SOMOS Membro de uma centena de comissões de Normalização ABNT dentre elas normas sobre:

Leia mais

NBR 15575. Requisitos. a) Segurança 1. Desempenho estrutural 2. Segurança contra incêndio 3. Segurança no uso e operação

NBR 15575. Requisitos. a) Segurança 1. Desempenho estrutural 2. Segurança contra incêndio 3. Segurança no uso e operação NBR 15575 Requisitos b) Habitabilidade 1. Estanqueidade 2. Desempenho térmico 3. Desempenho acústico 4. Desempenho lumínico 5. Saúde, higiene e qualidade do ar 6. Funcionalidade e acessibilidade 7. Conforto

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES

IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES Necessidade da impermeabilização Introdução a Impermeabilização Projeto de impermeabilização Execução de impermeabilização 1 - A NECESSIDADE DA IMPERMEABILIZAÇÃO Problemas

Leia mais

ASSUNTO: Autorização de obras, benfeitorias, acessos, mudanças, uso de elevadores e áreas comuns

ASSUNTO: Autorização de obras, benfeitorias, acessos, mudanças, uso de elevadores e áreas comuns CIRCULAR 001/2014 DATA: 02 de Agosto de 2014 ASSUNTO: Autorização de obras, benfeitorias, acessos, mudanças, uso de elevadores e áreas comuns Senhores Condôminos, Como Síndica do Condomínio Le Jardin,

Leia mais

Coordenação técnica: 1

Coordenação técnica: 1 Coordenação técnica: 1 Objetivos do Programa Viabilizar que as leis que tornam obrigatórias as inspeções em edificações sejam aplicadas por meio de procedimentos adequados do ponto de vista técnico e por

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO CONSTRUÇÃO NOVA: PRAÇA SETOR GUARUJÁ EXPANSÃO - MUNICÍPIO DE ÁGUA BOA MT

MEMORIAL DESCRITIVO CONSTRUÇÃO NOVA: PRAÇA SETOR GUARUJÁ EXPANSÃO - MUNICÍPIO DE ÁGUA BOA MT MEMORIAL DESCRITIVO CONSTRUÇÃO NOVA: PRAÇA SETOR GUARUJÁ EXPANSÃO - MUNICÍPIO DE ÁGUA BOA MT Página 1 de 8 ÍNDICE 1 SERVIÇOS GERAIS 3 1.1 SERVIÇOS TÉCNICOS 4 1.2 MÁQUINAS E FERRAMENTAS 4 1.3 LIMPEZA PERMANENTE

Leia mais

REFORMAS EM EDIFICAÇÕES

REFORMAS EM EDIFICAÇÕES Manual Prático REFORMAS EM EDIFICAÇÕES De acordo com a NBR ABNT 16280 Versão 1/2014 Manual Prático REFORMAS EM EDIFICAÇÕES De acordo com a NBR ABNT 16280 Versão 1/2014 Proibida a reprodução total ou parcial

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA 1. INTRODUÇÃO Este Termo de Referência tem por objetivo estabelecer as exigências técnicas e a metodologia para a contratação de serviços técnicos

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS

ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS 3.2 - COMPONENTES ESPECÍFICOS 3.2.1 - Plano de Intervenção

Leia mais

PANTHEON - ROMA. Construído em 118 128 d.c. (1887 anos atrás) Cúpula de 5.000 toneladas Altura e o diâmetro do interior do Óculo é de 43,3 metros.

PANTHEON - ROMA. Construído em 118 128 d.c. (1887 anos atrás) Cúpula de 5.000 toneladas Altura e o diâmetro do interior do Óculo é de 43,3 metros. EMPREENDIMENTOS PANTHEON - ROMA Construído em 118 128 d.c. (1887 anos atrás) Cúpula de 5.000 toneladas Altura e o diâmetro do interior do Óculo é de 43,3 metros. CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO

Leia mais

Impacto da Norma de Desempenho na Contratação de Projeto de Arquitetura

Impacto da Norma de Desempenho na Contratação de Projeto de Arquitetura Impacto da Norma de Desempenho na Contratação de Projeto de Arquitetura Ricardo Reis Meira Arquiteto e urbanista, formado pela FAU/UnB Conselheiro suplente do CAU/DF Professor do curso de Arquitetura e

Leia mais

Norma de Desempenho e Inovações PANORAMA NA CAIXA

Norma de Desempenho e Inovações PANORAMA NA CAIXA Norma de Desempenho e Inovações PANORAMA NA CAIXA Bloco 1: NORMAS INDUZEM EVOLUÇÃO NA HABITAÇÃO POPULAR INDUTORES DA EVOLUÇÃO - Produção acadêmica - Regulamentos do governo - Regulamentos da sociedade

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS 1 Política de segurança da informação 1.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COGEM, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção de políticas

Leia mais

ISOLAMENTO ACÚSTICO DAS VEDAÇÕES VERTICAIS EXTERNAS. Como escolher a esquadria da sua obra e atender a NBR 15.575

ISOLAMENTO ACÚSTICO DAS VEDAÇÕES VERTICAIS EXTERNAS. Como escolher a esquadria da sua obra e atender a NBR 15.575 ISOLAMENTO ACÚSTICO DAS VEDAÇÕES VERTICAIS EXTERNAS Como escolher a esquadria da sua obra e atender a NBR 15.575 Em julho de 2013 entrou definitivamente em vigor a NBR 15.575, a norma de desempenho de

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 038 /2012 INSTITUI OBRIGAÇÕES RELATIVAS À AUTOVISITA E AS INFORMAÇÕES ACERCA DE OBRAS E REFORMAS REALIZADAS NOS PRÉDIOS.

PROJETO DE LEI Nº 038 /2012 INSTITUI OBRIGAÇÕES RELATIVAS À AUTOVISITA E AS INFORMAÇÕES ACERCA DE OBRAS E REFORMAS REALIZADAS NOS PRÉDIOS. PROJETO DE LEI Nº 038 /2012 INSTITUI OBRIGAÇÕES RELATIVAS À AUTOVISITA E AS INFORMAÇÕES ACERCA DE OBRAS E REFORMAS REALIZADAS NOS PRÉDIOS. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETA:

Leia mais

270 mil. Edificações no Rio de Janeiro. Total de edificações na cidade 875 mil. Edificações sujeitas à autovistoria:

270 mil. Edificações no Rio de Janeiro. Total de edificações na cidade 875 mil. Edificações sujeitas à autovistoria: Edificações no Rio de Janeiro Total de edificações na cidade 875 mil * Edificações sujeitas à autovistoria: 270 mil ** * Fonte: IBGE ** Estimativa com base nas informações do IBGE Riscos das Edificações

Leia mais

ANEXO I - DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA INGRESSO DO PROCESSO DE ALVARÁ PROVISÓRIO

ANEXO I - DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA INGRESSO DO PROCESSO DE ALVARÁ PROVISÓRIO ANEXOS AO DECRETO Nº 25.023 DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009 ANEXO I - DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA INGRESSO DO PROCESSO DE ALVARÁ PROVISÓRIO 2.Cópia do contrato de locação do imóvel onde funcionará a atividade,

Leia mais

PROC. 02 CONTROLE DE DOCUMENTOS

PROC. 02 CONTROLE DE DOCUMENTOS 1 de 15 msgq CONTROLE DE DOCUMENTOS MACROPROCESSO GESTÃO DE PROCESSOS PROCESSO CONTROLE DE DOCUMENTOS CONTROLE DE DOCUMENTOS 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 2 3. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 2 4. PROCEDIMENTOS...

Leia mais

Registro de Preços para Construção de Escolas do ProInfância B e C

Registro de Preços para Construção de Escolas do ProInfância B e C Construção Escolas ProInfância Registro de Preços para Construção de Escolas do ProInfância B e C Construção Escolas ProInfância Desafio: Melhorar a eficiência do processo, e garantir: 1. Edifícios com

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS 8 - Política de segurança da informação 8.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COOPERFEMSA, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção

Leia mais

II Workshop de Desempenho

II Workshop de Desempenho II Workshop de Desempenho Alterações no Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras SiAC para Inclusão das Exigências da Norma de Desempenho ABNT NBR 15575 Marcos Galindo 26.06.2015

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Página 1 de 6 PREFEITURA MUNICIPAL DE ÁGUA BOA SECRETARIA MUNICIPAL DE INFRAESTRUTURA

MEMORIAL DESCRITIVO. Página 1 de 6 PREFEITURA MUNICIPAL DE ÁGUA BOA SECRETARIA MUNICIPAL DE INFRAESTRUTURA MEMORIAL DESCRITIVO REQUALIFICAÇÃO DO CALÇAMENTO NO CANTEIRO CENTRAL DA AVENIDA PLANNALTO INCLUINDO AS ROTATÓRIAS DA JÚIO CAMPOS E NORBERTO SCHWANTES, CENTRO DE ÁGUA BOA MT Página 1 de 6 ÍNDICE 1 SERVIÇOS

Leia mais

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica.

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica. Classificação: RESOLUÇÃO Código: RP.2007.077 Data de Emissão: 01/08/2007 O DIRETOR PRESIDENTE da Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia - PRODEB, no uso de suas atribuições e considerando

Leia mais

COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 172084. Sistemas construtivos inovadores X avaliação técnica com abordagem de desempenho X SINAT

COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 172084. Sistemas construtivos inovadores X avaliação técnica com abordagem de desempenho X SINAT COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 172084 Sistemas construtivos inovadores X avaliação técnica com abordagem de desempenho X SINAT Luciana Alves de Oliveira Palestra apresentada no SIMPÓSIO ALAGOANO DE ENGENHARIA

Leia mais

Equipamentos Públicos

Equipamentos Públicos Equipamentos Públicos 1 Como fiscalizar Conheça o método de fiscalização das obras dos Fóruns da Bahia Vistoria dos Fóruns de Itabuna e Vitória da Conquista envolve compatibilização dos projetos por meio

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA 1. INTRODUÇÃO 1.1. O objetivo deste Termo de Referência é disponibilizar aos interessados em atender a solicitação de propostas da PPP ESPLANADA SUSTENTÁVEL

Leia mais

CONCESSÃO DE VIABILIDADE TÉCNICA PARA NOVOS EMPREENDIMENTOS ENG.006.03.2015

CONCESSÃO DE VIABILIDADE TÉCNICA PARA NOVOS EMPREENDIMENTOS ENG.006.03.2015 CONCESSÃO DE VIABILIDADE TÉCNICA PARA NOVOS EMPREENDIMENTOS ENG.006.03.2015 OBJETIVO Estabelecer as regras e procedimentos para concessão de viabilidade técnica, aprovação de projetos e acompanhamento

Leia mais

NORMA PARA PROCEDIMENTOS TÉCNICOS DE ENTREGA E RECEBIMENTO DE OBRAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL

NORMA PARA PROCEDIMENTOS TÉCNICOS DE ENTREGA E RECEBIMENTO DE OBRAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL NORMA PARA PROCEDIMENTOS TÉCNICOS DE ENTREGA E RECEBIMENTO DE OBRAS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NORMA PARA PROCEDIMENTOS TÉCNICOS DE ENTREGA E RECEBIMENTO DE OBRAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL COORDENAÇÃO: Octavio Galvão

Leia mais

Informativo. dezembro/2013. Prezados cooperados,

Informativo. dezembro/2013. Prezados cooperados, Informativo Prezados cooperados, dezembro/ Rapidamente chegamos ao fim de. Um ano de muito trabalho e de grandes conquistas, de muitas entregas e muitas ações realizadas alinhadas à nossa visão de envidar

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO, BACHARELADO CURRÍCULO 1620 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS ARQUITETÔNICOS

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS ARQUITETÔNICOS LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS ARQUITETÔNICOS PROJETOS ARQUITETÔNICOS 01 NOSSOS SERVIÇOS Após 35 anos de experiência na área de edificações para o mercado imobiliário gaúcho,

Leia mais

Texto base: XXXXXXXXXXXXXXXXX

Texto base: XXXXXXXXXXXXXXXXX revisão e unificação da NBR 5626 e NBR 7198 Sistemas prediais de água fria e água quente Procedimento PRINCIPAIS INOVAÇÕES NO PROJETO DE NORMA Engº MSc Sérgio Frederico Gnipper Secretário da Comissão de

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DOS PROCESSOS DE AUDITORIA AMBIENTAL TIPOS DE AUDITORIA

CARACTERÍSTICAS DOS PROCESSOS DE AUDITORIA AMBIENTAL TIPOS DE AUDITORIA CARACTERÍSTICAS DOS PROCESSOS DE AUDITORIA AMBIENTAL A auditoria ambiental pode ser restrita a um determinado campo de trabalho ou pode ser ampla, inclusive, abrangendo aspectos operacionais, de decisão

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE Rev. Data. Modificações 01 14/09/2007 Manual Inicial 02 12/06/2009 Revisão Geral do Sistema de Gestão da Qualidade 03 22/10/2009 Inclusão de documento de referência no item 8. Satisfação de cliente, Alteração

Leia mais

2. INFORMAÇÕES E SIGILO

2. INFORMAÇÕES E SIGILO TERMO DE ADESÃO Para melhor comunicação e transparência ao cliente Plantafácil, disponibilizamos abaixo o termo de adesão de nossos produtos e serviços disponibilizados no site, de protocolo cartorial,

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

MONITORAMENTO DE NORMALIZAÇÃO FEVEREIRO

MONITORAMENTO DE NORMALIZAÇÃO FEVEREIRO 1) ABNT/CB-02 - COMITÊ BRASILEIRO DA CONSTRUÇÃO CIVIL ABNT NBR 5476 - Requisitos para o sistema de gestão de manutenção. Reunião 17 de fevereiro Houve uma mudança no escopo onde se define a necessidade

Leia mais

CAMINHOS PARA A COMPETITIVIDADE DA CONSTRUÇÃO E A IMPORTÂNCIA DA INDUSTRIALIZAÇÃO. Roberto de Souza Presidente do CTE

CAMINHOS PARA A COMPETITIVIDADE DA CONSTRUÇÃO E A IMPORTÂNCIA DA INDUSTRIALIZAÇÃO. Roberto de Souza Presidente do CTE CAMINHOS PARA A COMPETITIVIDADE DA CONSTRUÇÃO E A IMPORTÂNCIA DA INDUSTRIALIZAÇÃO Roberto de Souza Presidente do CTE RESULTADOS O CTE atua desde 1990 na cadeia produtiva da construção. Hoje contamos

Leia mais

Política da Segurança da Informação

Política da Segurança da Informação Política da Segurança da Informação POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DA BM&FBOVESPA 1. INTRODUÇÃO A informação é um ativo que possui grande valor para a BM&FBOVESPA, devendo ser adequadamente utilizada

Leia mais

Carta de Apresentação. Tudo o que você precisa saber sobre nós!

Carta de Apresentação. Tudo o que você precisa saber sobre nós! Carta de Apresentação Tudo o que você precisa saber sobre nós! 1 Sobre nós Fundada desde 2006, o Grupo Reviza adquiriu ao longo de todos esses anos, uma vasta experiência na área de prestação de serviços

Leia mais

LEGISLAÇÃO DO MUNICÍPIO DE SALVADOR QUE DETERMINA "OBRIGATÓRIA" REALIZAÇÃO DE INSPEÇÃO PREDIAL POR PROFISSIONAL HABILITADO NO CREA

LEGISLAÇÃO DO MUNICÍPIO DE SALVADOR QUE DETERMINA OBRIGATÓRIA REALIZAÇÃO DE INSPEÇÃO PREDIAL POR PROFISSIONAL HABILITADO NO CREA LEGISLAÇÃO DO MUNICÍPIO DE SALVADOR QUE DETERMINA "OBRIGATÓRIA" REALIZAÇÃO DE INSPEÇÃO PREDIAL POR PROFISSIONAL HABILITADO NO CREA Diário Oficial do Município ATOS DO PODER LEGISLATIVO LEI Nº 5.907/2001

Leia mais

Diretrizes de desempenho para produtos de impermeabilização

Diretrizes de desempenho para produtos de impermeabilização Diretrizes de desempenho para produtos de impermeabilização Primeiro autor (Maria Amélia Silveira); Segundo autor (José Eduardo Granato). (1) Viapol, amelia@vqs.com.br (2) Viapol, granato@viapol.com.br

Leia mais

SELO CASA AZUL CAIXA. Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010

SELO CASA AZUL CAIXA. Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010 Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010 SELO CASA AZUL CAIXA Sandra Cristina Bertoni Serna Quinto Arquiteta Gerência Nacional de Meio Ambiente SELO CASA AZUL CAIXA CATEGORIAS E CRITÉRIOS SELO

Leia mais

Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil

Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil Texto Preliminar Completo - Agosto 2011 INTRODUÇÃO Começam a existir no Brasil um bom número de edifícios com

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFÊRENCIA PARA ELABORACÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE DEDETIZADORAS, LIMPA FOSSA E EMPRESAS QUE PRESTA SERVIÇO DE LIMPEZA. Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO AMBIENTAL

Leia mais

Autores: Deputado SAMUEL MALAFAIA, Deputado LUIZ PAULO A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RESOLVE:

Autores: Deputado SAMUEL MALAFAIA, Deputado LUIZ PAULO A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RESOLVE: PROJETO DE LEI Nº 2584/2013 EMENTA: DETERMINA QUE SEGUROS IMOBILIÁRIOS DE CONDOMÍNIOS, PRÉDIOS RESIDENCIAIS, COMERCIAIS E PÚBLICOS SOMENTE SEJAM EMITIDOS MEDIANTE O CUMPRIMENTO DA LEI Nº6400, DE 05 DE

Leia mais

Laudo Técnico referente à aplicação do Item 9.4.1 da Lei municipal 11228/92 da Prefeitura da Cidade de São Paulo para a operação com Gruas.

Laudo Técnico referente à aplicação do Item 9.4.1 da Lei municipal 11228/92 da Prefeitura da Cidade de São Paulo para a operação com Gruas. Laudo Técnico referente à aplicação do Item 9.4.1 da Lei municipal 11228/92 da Prefeitura da Cidade de São Paulo para a operação com Gruas. ELABORADO PELO GRUPO FORMADO PELO SINDUSCON, SECOVI, CBIC, LOCADORES,

Leia mais

NBR 15575 Norma de Desempenho Impactos para as construtoras Carlos Alberto de Moraes Borges carlos.borges@tarjab.com.br. 15 de agosto de 2013

NBR 15575 Norma de Desempenho Impactos para as construtoras Carlos Alberto de Moraes Borges carlos.borges@tarjab.com.br. 15 de agosto de 2013 NBR 15575 Norma de Desempenho Impactos para as construtoras Carlos Alberto de Moraes Borges carlos.borges@tarjab.com.br 15 de agosto de 2013 Normalização e a norma de desempenho Porque a norma de desempenho?

Leia mais