REGULAMENTO GERAL Programas Executivos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO GERAL Programas Executivos"

Transcrição

1 REGULAMENTO GERAL Programas Executivos

2 Brasília, março de Prezado (a) aluno (a), É com satisfação que lhe entregamos o regulamento dos Programas Executivos. Nele você encontrará orientações sobre todos os processos ligados ao seu curso, além de informações normalmente muito demandadas. Estamos certos de que o conhecimento deste regulamento dará a você uma visão mais clara de todas as regras que coordenam os Programas Executivos, bem como permitirá que tenha um acesso mais fácil a todos os serviços e oportunidades que oferecemos. Atenciosamente, Richard Barros Coordenador Acadêmico

3 T Í T UL O I - DAS FINALIDADES Art. 1º - O Programa Executivo é atividade acadêmica do Ibmec Brasília dirigido à formação e aperfeiçoamento do participante, com o objetivo de prepará-lo para as funções nas áreas de foco descritas no documento que contém o programa específico do MBA/CBA, assim denominados: a) Programa dos Cursos Art. 2º - Os Programas Executivos do Ibmec atendem plenamente a regulamentação do MEC. T Í T ULO II - DAS INSCRIÇÕES E DA SELEÇÃO Art. 3º - Os Programas Executivos do Ibmec são destinados aos candidatos que atendam aos seguintes requisitos: a) Sejam portadores de diploma de graduação. b) Tenham experiência profissional comprovada e compatível com o programa. c) Tenham habilidade de leitura fluente em língua inglesa. d) Declarem adesão ao Código de Ética da Instituição. Art. 4º - Os pedidos de admissão devem incluir os seguintes documentos: a) Formulário de inscrição, devidamente preenchido e assinado. b) Cópia do Histórico Escolar de graduação. c) Curriculum vitae. Art. 5º - A seleção dos candidatos será feita pelo Comitê de Admissão designado pela Diretoria do Ibmec. Parágrafo Primeiro - O Comitê de Admissão utilizará como critérios para aprovação, a formação acadêmica, o desempenho do candidato em entrevista analítica, a habilidade de relacionamento, o histórico profissional e perfil gerencial do candidato. Parágrafo Segundo - A instituição poderá, a seu critério, solicitar ao candidato a realização de teste de proficiência em leitura e compreensão de textos técnicos em inglês; e/ou conceitos e técnicas considerados pré-requisitos básicos aos alunos dos cursos. T Í T UL O I I I - DA ESTRUTURA DO CURSO Art. 6º - Os Programas Executivos estão descritos em documentos específicos, citados no Artigo 1º, considerados integrantes deste regulamento. Parágrafo 1º - Todos os alunos matriculados deverão cursar todas as disciplinas, podendo ser dispensados de uma ou mais disciplinas mediante realização de avaliação que comprove proficiência (no mínimo 70% de aproveitamento).

4 Parágrafo 2º - A coordenação oferecerá nos cursos cujo currículo inclua a oferta de disciplinas, em caráter eletivo, um conjunto de disciplinas que deverão ser votadas pela turma, levando-se em consideração a demanda manifesta pela maior parte dos alunos. As disciplinas eletivas poderão ser oferecidas, a critério da coordenação, em dias diferentes daqueles estabelecidos no calendário regular do curso. Parágrafo 3º - O aluno poderá, a seu critério, cursar disciplinas adicionais além do número previsto no programa do seu curso, mediante pagamento específico para cada disciplina cursada. Parágrafo 4º - Transferências entre Programas Executivos do Ibmec serão analisadas pela Coordenação, levando-se em conta os requisitos estabelecidos para a admissão em cada programa. T Í T ULO IV - DA MATRÍCULA NO CURSO Art. 7º - Terão direito à matrícula no Programa Executivos do Ibmec, no qual fizeram inscrição, os candidatos que forem aprovados no Processo de Seleção, conforme Art. 5º. Parágrafo Único - A matrícula dos candidatos aprovados na seleção deverá ser efetuada dentro do período de inscrição fixado pelo Ibmec, estando sujeito à disponibilidade de vagas. Art. 8º - No ato da matrícula o candidato deverá apresentar: a) Contrato referente ao Programa Executivo do Ibmec no qual está se matriculando, assinado pelo aluno e/ou empresa responsável. b) Cópia do diploma de graduação. c) Um retrato 3x4 de data recente. d) Cópia reprográfica da carteira de identidade ou documento equivalente e CPF. Art. 9º - Ao efetuar sua matrícula, o aluno concordará explicitamente com todos os dispositivos do presente Regulamento Geral do Programa Executivo. Parágrafo 1º - A Coordenação dos Programas Executivos tem a exclusiva prerrogativa - a qualquer tempo - de alterar o Regulamento Geral do Programa Executivo quanto à sua forma e conteúdo. Parágrafo 2º - As alterações do Regulamento Geral do Programa Executivo deverão ser notificadas aos alunos pelo Ibmec. Art. 10º - O Ibmec, a cada período letivo do Programa Executivo, definirá os calendários de cada disciplina, que serão disponibilizados na intranet acadêmica. Parágrafo Único - O aluno que não estiver em dia com a Tesouraria do Ibmec terá sua matrícula, na disciplina em andamento, suspensa até regularização de sua situação. A não regularização até decorridos, no máximo, 25% da carga horária da disciplina implicará em reprovação por freqüência. O mesmo terá seu nome retirado da lista de presença e deverá comparecer à tesouraria para a resolução de suas pendências, podendo seu contrato ser rescindido, segundo o que dispuser a legislação em vigor podendo inclusive o(s) responsável(eis) financeiro(s) pelo

5 pagamento do curso, ser cadastrado nos órgãos de proteção ao crédito conforme contrato. T Í T U L O V - DO ABANDONO DA DISCIPLINA Art. 11º - O aluno que deixar de freqüentar o curso sem formalizar o seu pedido de trancamento ou cancelamento, será considerado como tendo abandonado a disciplina, devendo neste caso, pagar integralmente o valor da disciplina, em conformidade com o Artigo 14º e 15º. T Í T UL O VI - DO TEMPO DE INT E G R AL I Z A Ç Ã O D O ALUNO Art. 12º - O aluno que não concluir o Programa MBA no prazo máximo de (03) três anos, considerando o período em que o curso permanecer trancado, a pedido do aluno, será jubilado, deixará de receber o certificado de conclusão do curso. O aluno também poderá ser jubilado caso seja reprovado mais de (03) três vezes em uma mesma disciplina, ou se for reprovado em mais do que (05) cinco disciplinas ao longo de todo o curso. Art. 13º - O aluno que não concluir o Programa CBA no prazo máximo de (02) dois anos, considerando o período em que o curso permanecer trancado, a pedido do aluno, será jubilado, deixará de receber o certificado de conclusão do curso. O aluno também poderá ser jubilado caso seja reprovado mais de (03) três vezes em uma mesma disciplina, ou se for reprovado em mais do que (05) cinco disciplinas ao longo de todo o curso. T Í T UL O V II - DO TRANCAMENT O D E M AT R Í C U L A Art. 14º - O aluno que tiver formalmente solicitado, na secretaria, o trancamento do curso, antes de iniciada qualquer disciplina, terá seu pedido autorizado sem ônus. Pedidos de trancamento do curso após o início das disciplinas, serão aceitos pela Secretaria, porém implicará em pagamento integral da(s) disciplina(s) iniciada(s). Parágrafo 1º - O aluno poderá solicitar o trancamento do programa, por um período total máximo de 1 (um) ano, contado em períodos ininterruptos. Findo este período, o aluno deverá solicitar, formalmente, à secretaria a sua rematrícula. Parágrafo 2º - Caso a matrícula seja trancada, ao voltar, o aluno deverá providenciar a inscrição nas disciplinas correspondentes, respeitada a disponibilidade de vagas nas turmas subseqüentes do Programa Executivo e cumprimento de pré-requisito. Parágrafo 3º - É vedada a solicitação de trancamento fora dos prazos estabelecidos. O abandono da disciplina nesta situação resultará em reprovação por freqüência e por nota e cobrança integral da disciplina. Disciplinas iniciadas serão cobradas integralmente. Parágrafo 4º - O trancamento regulado neste artigo é meramente acadêmico, não suspendendo o contrato existente entre as partes, razão pela qual o pagamento das parcelas não sofrerá qualquer suspensão ou interrupção.

6 T Í T UL O VIII - DO CANCELAMENTO DE CU R S O Art. 15º - Em caso de cancelamento de curso, o aluno deverá solicitar formalmente à Secretaria apuração da sua posição de créditos ou débitos junto ao Ibmec. Parágrafo Único - Para os fins da contagem a qual se refere este artigo, as disciplinas já iniciadas serão consideradas como cursadas. O cancelamento implica em multa de 10% sobre os créditos que ainda serão cursados. T Í T UL O IX - DO VALOR DO CURSO Art. 16º - O valor dos Programas Executivos será estabelecido pelo Ibmec no início de cada período letivo, constando de contrato ao qual se refere o artigo 8º. Parágrafo 1º - Os custos de impressão ou reprodução por quaisquer meios de qualquer material publicado pelo professor na intranet acadêmica do Ibmec não estão incluídos no valor do curso, sendo de inteira responsabilidade do aluno. Art. 17º - O valor estabelecido para o curso e pago pelo aluno inclui o oferecimento de todas as disciplinas especificadas no respectivo Programa Executivo até a carga horária total do curso. Caso o aluno necessite ou deseje cursar disciplina isolada, deverá pagar integralmente o valor adicional. Art. 18º - Em caso de cancelamento do curso ou abandono, o aluno deverá solicitar à Secretaria apuração da sua posição de créditos ou débitos junto ao Ibmec. Parágrafo 1º - O aluno deverá pagar o valor integral da disciplina que desejar cursar fora da grade curricular de seu curso, assim considerada como disciplina isolada. O pagamento do valor integral se aplica também às disciplinas em que o aluno tendo sido reprovado ou a tendo trancado, necessitará cursá-la novamente. Parágrafo Único - Para os fins da contagem a qual se refere este artigo, as disciplinas já iniciadas e/ou reprovadas serão consideradas como cursadas, o que implicará em ônus para o aluno. T Í T UL O X - D A D U RAÇÃO E HORÁRIOS DOS CURSOS Art. 19º - Os Programas Executivos do Ibmec têm sua carga horária definida em horasaula. A duração total do programa consta do respectivo currículo específico, sendo que a duração de cada hora-aula é de 60 (sessenta) minutos. Cada dia de aula terá a duração de 3h com dois tempos de 1h30. A freqüência às aulas é obrigatória. Art. 20º - O prazo máximo de conclusão do Programa MBA do Ibmec é de (03) três anos, considerando o período em que o aluno permanecer trancado. Parágrafo Único - O Ibmec se reserva o direito de alterar, a qualquer tempo, o período de duração do Programa.

7 Art. 21º - O prazo máximo de conclusão do Programa CBA do Ibmec é de (02) dois anos, considerando o período em que o aluno permanecer trancado. Parágrafo Único - O Ibmec se reserva o direito de alterar, a qualquer tempo, o período de duração do Programa. Art. 22º - Os horários das aulas das disciplinas oferecidas em cada período letivo serão disponibilizados na Intranet Acadêmica e/ou enviados por . Parágrafo Único - Em casos excepcionais poderá haver alterações do horário previamente estabelecido e em caso fortuito e de força maior poderá haver alteração dos horários previamente estabelecidos e reposição de aulas. Reposições de aulas poderão ocorrer em dias diferentes do calendário regular conforme disponibilidade de salas de aula. T Í T ULO XI - DA FREQ Ü Ê N C I A Art.23 - Art.24- O Aluno que não obtiver freqüência igual ou superior a 75%, será automaticamente reprovado por freqüência nessa disciplina independentemente da nota obtida. Não será concedido abono de faltas, salvo na hipótese prevista no Decreto- Lei nº715/69 que dispõe sobre o Serviço Militar. T Í T UL O XII - DA REALIZAÇÃO DE PROVA SUBSTITUTIVA Art. 25º - Os alunos que não comparecerem às aulas nas quais sejam realizadas provas de desempenho ou, no final da disciplina obtiverem aproveitamento superior a 40% e inferior a 70% poderão solicitar através do sistema de REQUERIMENTOS ON-LINE, em até 5 dias úteis após o término da disciplina, a aplicação de uma prova substitutiva por ausência ou média, respectivamente. Parágrafo 1º - Uma disciplina pode ter prova parcial e prova final ou ainda prova única. A prova substitutiva por média substituirá a nota final da disciplina desde que esta seja superior a 40 e inferior a 70. O aluno obtendo um aproveitamento maior ou igual a 70% será considerado aprovado na disciplina com nota final 70. Parágrafo 2º - Uma disciplina pode ter prova parcial e prova final ou ainda prova única. A prova substitutiva por ausência substituirá uma destas avaliações e terá como valor o da prova que substituir. Haverá custo referente à realização desta prova. Parágrafo 3º - Para alunos que não comparecerem em dias de provas agendados pela coordenação, por motivo de força maior, implicará em reprovação. Parágrafo 4º - O aluno terá direito a fazer somente uma prova substitutiva por disciplina, seja por ausência ou por média tendo o aluno feito todas as avaliações e obtendo média superior a 40% e inferior a 70%.

8 Art. 26º - A data deverá ser apresentada pela Coordenação no calendário. O não comparecimento na data selecionada para aplicação da prova implicará em reprovação na disciplina caso o aluno não obtenha aproveitamento igual ou superior a 70%. Parágrafo 1º - Todas as provas substitutivas serão realizadas individualmente, sem consulta ao material didático, e contemplando todo o conteúdo da disciplina. Art. 27º - A inscrição para a prova substitutiva será confirmada mediante pagamento de taxa conforme tabela vigente. A taxa deverá ser paga na secretaria conforme definido no parágrafo 1º no art. 23º. T Í T UL O XII I - DO REG I M E A C ADÊMICO Art. 28º - O aluno do Programa Executivo terá seus estudos acompanhados pela Diretoria do Ibmec através da Coordenação Acadêmica, que será responsável pela orientação dos aspectos acadêmicos relacionados ao Programa. Parágrafo Único - O aluno poderá a qualquer momento solicitar, por meio de agendamento prévio, à Secretaria do Ibmec, encontro com a Coordenação do Curso para discutir temas de seu interesse relacionados ao Programa Executivo. T Í T ULO XIV - DO SISTEMA DE AVALIAÇÃO Art. 29º - A avaliação de desempenho do aluno se fará através de provas e testes individuais presenciais, participação em classe realizada no horário das aulas, além de trabalhos e exercícios que podem ser realizados fora do horário das aulas, individualmente ou em grupo. Parágrafo Único - O sistema de avaliação de desempenho, os pesos relativos de cada elemento da avaliação, os horários de provas e testes, bem como os prazos de entrega de trabalhos e exercícios, serão apresentados pelo professor na primeira aula da disciplina e constarão no plano de aula. Art. 30º - O aluno terá acesso às provas, aos testes, exercícios e trabalhos corrigidos pelo professor, através da Secretaria, que disponibilizará pelo tempo máximo de (03) três meses. Após este prazo todo o material será descartado. Art. 31º - Caso o aluno pretenda solicitar revisão de notas atribuídas aos testes, provas ou outro, deverá fazê-lo por requerimento em formulário próprio, através do sistema de requerimentos on-line, dentro do prazo máximo de (05) cinco dias úteis após a divulgação oficial dos resultados. Parágrafo 1º - A revisão de prova será realizada pelo professor da disciplina. Parágrafo 2º - Do pedido de revisão deverão constar a(s) questão (ões) a ser (em) revista(s), com a justificativa objetiva do motivo de discordância do grau dado pelo professor. Solicitações genéricas não serão atendidas pelo professor.

9 Art. 32º - Os alunos que utilizarem subterfúgios ou métodos ilícitos nas provas, testes, trabalhos ou outros elementos de avaliação, receberão nota 0 (zero), estando passíveis de desligamento em casos graves ou reincidências, de acordo com o Código de Ética. T Í T UL O XV - DO CRITÉRIO DE APROVAÇÃO Art. 33º - O aproveitamento em cada disciplina será expresso mediante os seguintes conceitos: Aproveitamento (%) de 90,0 a 100,0 de 80,0 a 89,0 de 70,0 a 79,0 Abaixo de 70,0 Conceito A= Excelente B = Bom C = Regular D = Insuficiente Parágrafo 1º - Será considerado aprovado na disciplina o aluno que obtiver os conceitos "A" (Excelente) ou "B" (Bom) ou "C" (Regular). Porém a obtenção do certificado deve atender ao Artigo 36. Parágrafo 2º - O aluno que obtiver conceito "D" (Insuficiente) deverá cursar novamente a disciplina, respeitado o limite especificado no Artigo 32. Parágrafo 3º - A todas as avaliações componentes do plano da disciplina deverão ser atribuídas notas e a conversão ao sistema de conceitos deverá ser efetuada apenas para efeito de conceito final na disciplina. Art. 34º - Além dos casos em que tiver obtido conceito D (Insuficiente) ou ter sido reprovado por freqüência, o aluno deverá cursar novamente a mesma disciplina, mediante pagamento do valor adicional. Parágrafo 1º - No caso de reprovação por nota, o aluno não poderá exceder o limite de (05) cinco disciplinas cursadas adicionalmente. Parágrafo 2º - O aluno reprovado por nota pela terceira vez numa mesma disciplina do curso será automaticamente excluído do Programa Executivo. Art. 35º - A indicação de Equivalência será atribuída às disciplinas correspondentes aos créditos a que se refere o Artigo 36º. T Í T ULO XVI - DA CONCESSÃO DE EQUIVALÊNCIA DE DISCIPLINAS E T R A N S F ERÊNCIA DE CRÉDITOS Art. 36º - Disciplinas cursadas em um Programa Executivo do Ibmec poderão ser aceitas em outro Programa Executivo do Ibmec para efeito de equivalência de disciplinas, de acordo com a grade de equivalência determinada pela Coordenação.

10 Parágrafo 1º - É facultada, ao aluno, a obtenção de um novo MBA, mediante complementação acadêmica. A fim de obtê-lo, o aluno deverá ter concluído o MBA em outra ênfase, tendo sido aprovado em todas as suas disciplinas. Para a complementação acadêmica, além das disciplinas indicadas pela coordenação, o aluno deverá elaborar outro Trabalho de Conclusão de Curso (TCC). Parágrafo 2º - É facultada, ao aluno, a obtenção de um MBA, mediante ascensão acadêmica. A fim de obtê-lo, o aluno deverá ter concluído o CBA, tendo sido aprovado em todas as suas disciplinas. Para a ascensão acadêmica, além das disciplinas indicadas pela coordenação, o aluno deverá elaborar outro Trabalho de conclusão de Curso (TCC). Parágrafo 3º - A Coordenação dos Programas Executivos analisará e decidirá sobre a equivalência das disciplinas que tenham denominação e conteúdo não idênticos cursadas em outras instituições Ibmec, valendo a regra de 75% da cargahorária e conteúdo programático. Disciplinas transferidas implicam em dispensa acadêmica, podendo o aluno juntamente com a coordenação eleger uma disciplina eletiva alternativa. Não haverá redução do valor do curso em função de dispensa de disciplina. Parágrafo 4º - Disciplinas cursadas em programas de pós-graduação (stricto sensu) em outras instituições reconhecidas pelo MEC poderão ser aceitas pelo Ibmec, a critério da Coordenação e com exame de proficiência, até o limite máximo de 1/3 (um terço) do curso, para efeito de equivalência de disciplinas. Estas disciplinas constarão do histórico escolar do aluno, dando direito a crédito, não entrando, porém, no cômputo do coeficiente de rendimento. Parágrafo 5º - Nenhuma disciplina de currículo de graduação, extensão ou assemelhados pode ser usada para referendar a transferência de créditos. Parágrafo 6º - Junto com o pedido de transferência de crédito, o aluno deverá apresentar, além da prova em que obteve conceito igual ou superior a C (70%), a ementa da disciplina, o nome e a titulação do professor, a sua carga horária e outras informações que a Coordenação dos Programas Executivos do Ibmec julgarem necessárias. Art. 37º - Os alunos que conseguirem dispensa de disciplinas nas condições do Artigo 36º não terão direito a redução do valor no curso em proporção das horas das disciplinas dispensadas. O crédito será concedido em disciplinas eletivas alternativas orientadas pela coordenação. Parágrafo 1º - Somente haverá dispensa financeira de disciplinas equivalentes cursadas nos programas abertos do Ibmec. T Í T ULO XVII - DA CONCESSÃO DO CERTIFICADO Art. 38º - O Certificado do Programa Executivo do Ibmec será concedido ao aluno que obtiver aproveitamento mínimo de 70% e freqüência mínima a 75% em cada disciplina, incluindo aproveitamento mínimo de 70% para o TCC.

11 Parágrafo Único - O aluno que não conseguir obter as condições estipuladas no Artigo 38º para obtenção do Certificado, somente terá direito a uma declaração de participação. T Í T UL O XVIII - TRANSFERÊNCIAS DEFINITIVAS DE CIDADE OU PAÍS Art. 39º - O Ibmec não se responsabiliza pela conclusão de curso do aluno que, por motivos pessoais ou profissionais, decida mudar para outra localidade. T Í T UL O XIX - DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 40º - Será excluído automaticamente do Programa Executivo do Ibmec o aluno que apresentar declaração ou documentos que não sejam a expressão da verdade e aqueles que não se enquadram no Artigo 3º. Art. 41º - Será excluído do Programa o aluno que apresentar comportamento que não corresponda aos padrões de conduta, disciplina ou civilidade esperados para o aluno do Ibmec e especificados no Código de Ética. Art. 42º - O cumprimento de disciplinas reprovadas estará sujeito à disponibilidade de vaga, ao regulamento vigente na turma de destino e tabela de preços vigente. Art. 43º - Os casos omissos a este Regulamento Geral serão decididos pela Coordenação dos Cursos em conjunto com a Diretoria do Ibmec.

12 CÓDIGO DE ÉTICA O Ibmec, comprometido com os mais elevados padrões de conduta, tem a honestidade, a integridade e a ética como valores fundamentais para seus alunos, funcionários, professores, coordenadores e diretores. Com base nestes princípios compromete-se a fornecer um ensino de alta qualidade e oferecer um ambiente agradável e motivador, que contribua efetivamente para o pleno desenvolvimento do potencial de seus alunos e para a construção do conhecimento. Em vista disso, o intuito deste código é estabelecer de forma explícita os padrões que devem direcionar o comportamento dos alunos que fazem parte dos programas executivos. São princípios a serem seguidos pelos alunos da escola: Diversidade. É fundamental o respeito pela diversidade, ou seja, não serão admitidas discriminações por raça, religião, cor ou status social. Transparência. Espera-se de todos total adesão aos padrões de honestidade pessoal, franqueza e transparência. Honestidade Intelectual. Entende-se que provas e trabalhos individuais devam ser realizados pelo próprio aluno, sendo, obviamente, plágios e colas condutas inadmissíveis. Toda documentação referente a certificados apresentados sob solicitação, declaração de conhecimentos e outras situações devem obedecer a este princípio. Comprometimento. Espera-se que todos envidem esforços na direção de fixar e consolidar os conteúdos das disciplinas de seus programas. O mínimo necessário de dedicação extra-aula foi estimado pelo Ibmec em 5 horas por semana / disciplina. Respeito. A instituição espera que todos se dirijam e tratem com a devida consideração e respeito à diretoria/autoridades, os coordenadores, os professores, os outros estudantes, o pessoal administrativo e os pesquisadores da instituição. Este item abrange tanto os contatos diretos quanto avaliações, solicitações e outras comunicações escritas. Logicamente, a instituição e todos seus integrantes deverão dispensar igual tratamento aos alunos. Atitude Construtiva. Espera-se dos alunos atitudes que promovam a solução dos problemas e harmonia entre os integrantes do grupo, evitando atos de incitação à indisciplina coletiva. Preservação do Patrimônio da Escola. Devem os alunos zelar pela conservação das instalações e dependências, dos materiais, dos móveis e utensílios, dos equipamentos e de todo o material de uso individual e coletivo. Conduta em sala de aula. O Ibmec espera uma conduta que contribua positivamente ao aprendizado. Conversas paralelas, alimentação em sala de aula, atendimento de celulares/pagers e outras condutas perturbadoras devem ser evitadas. Imagem. Contribuir com atos e atitudes para manter o prestígio e bom conceito da instituição e do curso, dentro e fora da Escola. Observância a Normas e Regulamentos. Uma instituição de ensino precisa de normas e regulamentos para permitir uma convivência adequada. Nesse sentido o Ibmec espera que todos os estudantes adiram firmemente a seus regulamentos. Indumentária. Os alunos do Ibmec deverão trajar uma indumentária condizente com uma instituição de ensino pautada por altos padrões, formal ou business casual. O descumprimento dos princípios e condutas aqui estabelecidos implicará sanções que poderão chegar até ao desligamento do aluno. Nome completo Assinatura Data / / O candidato deverá entregar este documento assinado no ato da matrícula.

13 CURSO PROGRAMAS EXECUTIVOS D E C L A R A Ç Ã O EU, aluno matriculado no CURSO PROGRAMAS EXECUTIVOS declaro estar ciente e de acordo com o REGULAMENTO GERAL DO CURSO. Brasília, de de. Assinatura do Aluno Rubrica do Aluno Turma de Origem Obs.: A assinatura e rubrica depositadas nesta declaração servirão como base para a identificação do aluno nos documentos que serão assinados por ele ao longo do curso.

Regulamento Geral. Programas Executivos IBMEC MG. REGULAMENTO GERAL PROGRAMAS EXECUTIVOS IBMEC BELO HORIZONTE Reprodução Proibida

Regulamento Geral. Programas Executivos IBMEC MG. REGULAMENTO GERAL PROGRAMAS EXECUTIVOS IBMEC BELO HORIZONTE Reprodução Proibida Regulamento Geral Programas Executivos IBMEC MG 0 TÍTULO I - DAS FINALIDADES Art. 1º - Os Programas CBA, MBA e LL.M. são atividades docentes do Ibmec MG, dirigidos à formação e aperfeiçoamento dos participantes,

Leia mais

ESAMC. MBA Executivo. Unidades: Sorocaba. Itapetininga

ESAMC. MBA Executivo. Unidades: Sorocaba. Itapetininga ESAMC MBA Executivo Unidades: Sorocaba Itu Itapetininga REGULAMENTO INTERNO DA INSTITUIÇÃO ÚLTIMA REVISÃO: NOVEMBRO/2009 SUMÁRIO ii 1) DO REGIME ESCOLAR... 1 1.1) CRITÉRIO DE CONTAGEM DE CRÉDITOS... 1

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO UNIDADE SÃO PAULO. Ingressantes 2010. Junho/2010 Página 1 de 14

REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO UNIDADE SÃO PAULO. Ingressantes 2010. Junho/2010 Página 1 de 14 REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO UNIDADE SÃO PAULO Ingressantes 2010 Página 1 de 14 SUMÁRIO 1. OBJETIVO DO CURSO 2. ESTRUTURA DO CURSO 2.1) Visão geral 2.2) Pré-requisitos 2.3) Critérios de contagem

Leia mais

REGULAMENTO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS ESUDA. Capítulo I Das Disposições Preliminares

REGULAMENTO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS ESUDA. Capítulo I Das Disposições Preliminares Capítulo I Das Disposições Preliminares Art. 1º Os cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Faculdade de Ciências Humanas ESUDA orientam-se pelas normas especificadas neste Regulamento e estão sujeitos ao

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE CURSOS MBA EXECUTIVO - IBMEC ONLINE TÍTULO I DAS FINALIDADES

REGULAMENTO GERAL DE CURSOS MBA EXECUTIVO - IBMEC ONLINE TÍTULO I DAS FINALIDADES REGULAMENTO GERAL DE CURSOS MBA EXECUTIVO - IBMEC ONLINE TÍTULO I DAS FINALIDADES Art.1º - Os Cursos de MBA Executivo são atividades docentes do Grupo Ibmec S.A., doravante denominada Ibmec Online, que

Leia mais

Portaria nº 69, de 30/06/2005

Portaria nº 69, de 30/06/2005 Câmara dos Deputados Centro de Documentação e Informação - Legislação Informatizada Portaria nº 69, de 30/06/2005 O PRIMEIRO-SECRETÁRIO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS, no uso das atribuições que lhe confere o

Leia mais

FACULDADE PROCESSUS REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

FACULDADE PROCESSUS REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE PROCESSUS REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 0 ÍNDICE NATUREZA E FINALIDADE 2 COORDENAÇÃO DOS CURSOS 2 COORDENAÇÃO DIDÁTICA 2 COORDENADOR DE CURSO 2 ADMISSÃO AOS CURSOS 3 NÚMERO

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA UNIVERSIDADE BRAZ CUBAS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA UNIVERSIDADE BRAZ CUBAS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA UNIVERSIDADE BRAZ CUBAS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Os Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Universidade Braz Cubas oferecidos nas

Leia mais

TÍTULO I - DOS OBJETIVOS

TÍTULO I - DOS OBJETIVOS 1 TÍTULO I - DOS OBJETIVOS Art. 1º - Esse regulamento destina-se a estabelecer as regras e critérios para o funcionamento dos cursos de pós-graduação lato sensu nas modalidades presencial e a distância

Leia mais

Programa de Mestrado em Informática 1

Programa de Mestrado em Informática 1 Programa de Mestrado em Informática 1 REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM INFORMÁTICA DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS I - OBJETIVOS DO CURSO ART. 1º - O Curso de

Leia mais

Regulamento de Pós-Graduação

Regulamento de Pós-Graduação REGULAMENTO DE PÓS GRADUAÇÃO GRUPO IBMEC TÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º - Esse regulamento destina-se a estabelecer as regras e critérios para o funcionamento dos cursos de pós-graduação lato sensu nas

Leia mais

INSTITUTO DE QUÍMICA REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO E CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

INSTITUTO DE QUÍMICA REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO E CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU INSTITUTO DE QUÍMICA REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO E CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Título I / Das Finalidades Artigo 1 o O Instituto de Química da UFRJ oferece Programas de Pós-Graduação

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Em conformidade com a Resolução CNE/CES n 1, de 08 de Junho de 2007 e o Regimento da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (Aprovado pelo Parecer CONSEPE

Leia mais

RESOLUÇÃO FAMES 09/2010

RESOLUÇÃO FAMES 09/2010 Dispõe sobre as formas de ingresso e sobre o Processo Seletivo para admissão de alunos nos cursos de graduação, na Faculdade de Música do Espírito Santo Maurício de Oliveira. RESOLUÇÃO FAMES 09/2010 O

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Fica aprovado, em anexo, o Regulamento dos Programas de Pós-Graduação Lato Sensu da FAE Centro Universitário.

R E S O L U Ç Ã O. Fica aprovado, em anexo, o Regulamento dos Programas de Pós-Graduação Lato Sensu da FAE Centro Universitário. RESOLUÇÃO CONSEPE 09/2009 APROVA O REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA FAE CENTRO UNIVERSITÁRIO. O Presidente do Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão CONSEPE, no uso das

Leia mais

FGV LAW PROGRAM Regulamento dos Cursos do Programa de Inglês Jurídico Rio de Janeiro

FGV LAW PROGRAM Regulamento dos Cursos do Programa de Inglês Jurídico Rio de Janeiro FGV LAW PROGRAM Regulamento dos Cursos do Programa de Inglês Jurídico Rio de Janeiro 1.0 DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO CONTINUADA Art. 1º O FGV Law Program da Escola de Direito do Rio de Janeiro da Fundação Getulio

Leia mais

FGV LAW PROGRAM Regulamento dos Cursos do Programa de Inglês Jurídico Rio de Janeiro

FGV LAW PROGRAM Regulamento dos Cursos do Programa de Inglês Jurídico Rio de Janeiro FGV LAW PROGRAM Regulamento dos Cursos do Programa de Inglês Jurídico Rio de Janeiro 1.0 DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO CONTINUADA Art. 1º O FGV Law Program da Escola de Direito do Rio de Janeiro da Fundação Getulio

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL DA UFV CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS CAPÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO GERAL

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL DA UFV CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS CAPÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO GERAL REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL DA UFV CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1 0 O Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil oferecido pelo Departamento de Engenharia Civil

Leia mais

PORTARIA Nº. 14/REITORIA/10, de 5 de julho de 2010 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

PORTARIA Nº. 14/REITORIA/10, de 5 de julho de 2010 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO PORTARIA Nº. 14/REITORIA/10, de 5 de julho de 2010 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Institui e estabelece critérios para o Aproveitamento de Estudos e Verificação de Proficiência para fins de certificação

Leia mais

1. Objetivo. 2. Elegíveis

1. Objetivo. 2. Elegíveis 1. Objetivo Estabelecer diretrizes, critérios e condições para a concessão de bolsa integral das mensalidades para cursar 1 (um) semestre, por meio de intercâmbio em uma das instituições de Ensino Superior

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Rio de Janeiro, 2003 CAPÍTULO I DOS CURSOS: MODALIDADES E OBJETIVOS Art. 1º. Em conformidade com o Regimento Geral de nos termos da Lei de Diretrizes e Bases da

Leia mais

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO Sumário TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 CAPÍTULO I Da Caracterização do Curso... 3 CAPÍTULO

Leia mais

BEM-VINDO AO IBMEC. Prezado(a) aluno(a), Seja bem-vindo (a) à pós-graduação do Ibmec! É com satisfação que lhe apresentamos o Manual do Aluno.

BEM-VINDO AO IBMEC. Prezado(a) aluno(a), Seja bem-vindo (a) à pós-graduação do Ibmec! É com satisfação que lhe apresentamos o Manual do Aluno. 1 BEM-VINDO AO IBMEC Prezado(a) aluno(a), É com satisfação que lhe apresentamos o Manual do Aluno. Este material é complementar ao Regulamento de Pós-Graduação, também entregue a você. Aqui você encontra

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE SÃO GOTARDO ltda. Avenida Francisco Resende Filho, 35 - São Gotardo/MG CEP 38800-000

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE SÃO GOTARDO ltda. Avenida Francisco Resende Filho, 35 - São Gotardo/MG CEP 38800-000 PORTARIA Nº 21, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2005 Dispõe sobre a regulamentação dos Programas de Pósgraduação Lato Sensu no âmbito do Centro de Ensino Superior de São Gotardo CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Leia mais

Regulamento da Pós-Graduação Lato Sensu

Regulamento da Pós-Graduação Lato Sensu Regulamento da Pós-Graduação Lato Sensu CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Os cursos de pós-graduação lato sensu da FACULDADE UNIDA são regidos pela Resolução n. º 01, de 8 de junho de 2007,

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA ANIMAL - PPGBA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA ANIMAL - PPGBA 1 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA ANIMAL - PPGBA I - Objetivos Art. 1º - O Programa de Pós-Graduação em Biologia Animal (PPGBA) destina-se a proporcionar aos candidatos portadores

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 30, DE 28 DE ABRIL DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 30, DE 28 DE ABRIL DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 30, DE 28 DE ABRIL DE 2011 Dispõe sobre as normas para a pós-graduação na modalidade lato sensu ofertada pela Universidade Federal do Pampa. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Os Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da UNINOVA destinam-se a portadores de diploma de nível superior,

Leia mais

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO NEW BRANDING INNOVATION MBA 1º Semestre de 2016

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO NEW BRANDING INNOVATION MBA 1º Semestre de 2016 EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO NEW BRANDING INNOVATION MBA 1º Semestre de 2016 As FACULDADES INTEGRADAS RIO BRANCO, na forma regimental torna público o presente Edital, estabelecendo as normas para inscrição

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS

NORMAS E PROCEDIMENTOS NORMAS E PROCEDIMENTOS PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2014 CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: NORMAS E PROCEDIMENTOS I Das Condições Específicas De acordo com a Resolução CNE/CES no. 1 de 8 de Julho de 2007,

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DEZEMBRO 1967

REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DEZEMBRO 1967 Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getulio Vargas REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DEZEMBRO 1967 Art. 1 O CPG Curso de Pós-Graduação, da Escola de Administração de Empresas

Leia mais

Regulamento de Matrícula

Regulamento de Matrícula Regulamento de Matrícula A Coordenadora do Curso de Direito da Faculdade Processus, juntamente com a Diretora do Curso, no exercício de suas atribuições, com o intuito de normatizar a efetividade e dinâmica

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS DE ADMISSÃO COMO ALUNO ESPECIAL PÓS-GRADUAÇÃO

INSTRUÇÕES GERAIS DE ADMISSÃO COMO ALUNO ESPECIAL PÓS-GRADUAÇÃO Universidade de Brasília - UnB Diretoria de Administração Acadêmica - DAA 1. Definição INSTRUÇÕES GERAIS DE ADMISSÃO COMO ALUNO ESPECIAL PÓS-GRADUAÇÃO Forma pela qual a UnB admite o ingresso de aluno interessado

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 05 - CONSU 13 DE JUNHO DE 2007

RESOLUÇÃO Nº. 05 - CONSU 13 DE JUNHO DE 2007 Rua Governador Luiz Cavalcante, S/N, TELEFAX (82) 3530-3382 CEP: 57312-270 Arapiraca-Alagoas RESOLUÇÃO Nº. 05 - CONSU 13 DE JUNHO DE 2007 Dispõe sobre normas e procedimentos para os Cursos de Especialização

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS DO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO (ênfase em Finanças)

PROCESSO SELETIVO PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS DO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO (ênfase em Finanças) PROCESSO SELETIVO PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS DO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO (ênfase em Finanças) - PERÍODO LETIVO 1º SEMESTRE DE 2016 - E D I T A L O, mantido pela Fundação Escola

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO Art. 1º O colegiado de curso é órgão consultivo da Coordenação de Curso, destinado a subsidiar a

Leia mais

MESTRADO PROFISSIONAL EM ECONOMIA. Regulamento do Curso

MESTRADO PROFISSIONAL EM ECONOMIA. Regulamento do Curso MESTRADO PROFISSIONAL EM ECONOMIA Regulamento do Curso CAPÍTULO I DAS FINALIDADES DO PROGRAMA Artigo 1º - O Programa de Mestrado Profissional em Economia (MPE) tem os seguintes objetivos: I. formar recursos

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Tecnologia de Materiais

Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Tecnologia de Materiais Faculdade de Engenharia Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Tecnologia de Materiais Regulamento Capítulo I Da Atribuição e Organização Geral Art. 1 - O Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Tecnologia

Leia mais

REGULAMENTO MBA EM GESTÃO DE CRÉDITO DESTE REGULAMENTO

REGULAMENTO MBA EM GESTÃO DE CRÉDITO DESTE REGULAMENTO REGULAMENTO MBA EM GESTÃO DE CRÉDITO DESTE REGULAMENTO O Regulamento de Pós-Graduação da Fundação Getulio Vargas é um instrumento normativo, destinado ao corpo discente, que descreve os padrões de qualidade

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DINÂMICA REGIONAL E ALTERNATIVAS DE SUSTENTABILIDADE. CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DO PROGRAMA

Leia mais

MESTRADO 2010/2. As aulas do Mestrado são realizadas no Campus Liberdade, já as matrículas na área de Relacionamento.

MESTRADO 2010/2. As aulas do Mestrado são realizadas no Campus Liberdade, já as matrículas na área de Relacionamento. MESTRADO 2010/2 GERAL 1. Onde são realizadas as aulas do Mestrado? E as matrículas? As aulas do Mestrado são realizadas no Campus Liberdade, já as matrículas na área de Relacionamento. 2. Qual a diferença

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria da Administração e dos Recursos Humanos

Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria da Administração e dos Recursos Humanos SECRETARIA DE ESTADO DA ADMINISTRAÇÃO E DOS RECURSOS HUMANOS ESCOLA DE GOVERNO EDITAL Nº001/2010 Regulamenta o Processo Seletivo para ingresso no Curso de Pós-Graduação lato sensu em Educação a Distância

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Institui o Regulamento dos cursos de Pós-graduação lato sensu em da Escola de Direito de Brasília EDB, mantida pelo Instituto Brasiliense de Direito

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC 2014 ÍNDICE CAPÍTULO I... 3 Da Constituição, Natureza, Finalidade e Objetivos dos Cursos... 3 CAPÍTULO II... 3 Da Implantação dos Cursos...

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação

Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação Faculdade de Informática Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação Regulamento Capítulo I Da Atribuição e Organização Geral Art. 1 - O Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação (PPGCC),

Leia mais

MANUAL BOLSISTA. Núcleo de Atenção Solidária NAS

MANUAL BOLSISTA. Núcleo de Atenção Solidária NAS MANUAL DO BOLSISTA Núcleo de Atenção Solidária NAS Sumário 1 - Bolsa de Estudo... 2 2 - Tipos de Bolsas de Estudo... 2 - ProUni... 2 Eventuais Programas de Bolsas de Estudo:... 2 - Vestibular Social....

Leia mais

DOS CURSOS E SEUS OBJETIVOS

DOS CURSOS E SEUS OBJETIVOS REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DAS FACULDADES INTEGRADAS DE VITÓRIA DOS CURSOS E SEUS OBJETIVOS Disciplina os Cursos de Pós- Graduação Lato Sensu nas modalidades Acadêmica e Profissionalizante

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE ANIMAL Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária (FEPAGRO)

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE ANIMAL Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária (FEPAGRO) REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE ANIMAL Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária (FEPAGRO) Portaria FEPAGRO nº 154/2013. O Diretor-Presidente da Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU, DE CURTA DURAÇÃO E DE EDUCAÇÃO CONTINUADA

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU, DE CURTA DURAÇÃO E DE EDUCAÇÃO CONTINUADA REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU, DE CURTA DURAÇÃO E DE EDUCAÇÃO CONTINUADA Dispõe sobre o regulamento dos cursos de pósgraduação lato sensu, de curta duração e de educação continuada

Leia mais

Mestrado Profissional em Administração Centro Universitário Álvares Penteado

Mestrado Profissional em Administração Centro Universitário Álvares Penteado PROCESSO SELETIVO PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS DO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO (ênfase em Finanças) - PERÍODO LETIVO 2º SEMESTRE DE 2015 - E D I T A L O Centro Universitário FECAP, mantido

Leia mais

NORMAS DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA/QUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC

NORMAS DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA/QUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC NORMAS DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA/QUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC O curso de Pós-Graduação em Ciência e Tecnologia/Química da Universidade Federal do ABC (UFABC) está

Leia mais

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA EM GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1º Semestre de 2016

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA EM GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1º Semestre de 2016 EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA EM GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1º Semestre de 2016 As FACULDADES INTEGRADAS RIO BRANCO, na forma regimental torna público o presente Edital, estabelecendo as

Leia mais

INTRODUÇÃO O QUE É MONITORIA

INTRODUÇÃO O QUE É MONITORIA MANUAL DE MONITORIA Maceió Alagoas 1 INTRODUÇÃO A Facima oferece ao aluno a oportunidade de iniciar-se na função docente através do exercício de Monitorias. Apenas será considerado monitor o aluno que

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA - PPGEM

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA - PPGEM PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA - PPGEM Regimento Interno do Curso de Mestrado Acadêmico em Engenharia Mecânica do Programa de Pós Graduação em Engenharia Mecânica Este programa de Pós-Graduação

Leia mais

REGIMENTO DO SETOR REGISTROS ACADÊMICOS

REGIMENTO DO SETOR REGISTROS ACADÊMICOS REGIMENTO DO SETOR REGISTROS ACADÊMICOS CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES INICIAIS DAS COMPETÊNCIAS Art. 1º O Setor de Registros Acadêmicos - SRA é o órgão que operacionaliza todas as atividades ligadas à vida

Leia mais

Empresa / Turma: Curso: Aluno (a): Declaro ter recebido, estar ciente e concordar com as normas estabelecidas pela documentação abaixo citada.

Empresa / Turma: Curso: Aluno (a): Declaro ter recebido, estar ciente e concordar com as normas estabelecidas pela documentação abaixo citada. Empresa / Turma: Curso: Aluno (a): Declaro ter recebido, estar ciente e concordar com as normas estabelecidas pela documentação abaixo citada. Regulamento Acadêmico dos cursos do FGV in company Código

Leia mais

3o 4o 5o 6o Art. 8o Art. 9o

3o 4o 5o 6o Art. 8o Art. 9o REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU TÍTULO I GENERALIDADES Art. 1 o A Fundação Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Mandaguari FAFIMAN - poderá oferecer cursos de pós-graduação lato

Leia mais

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu RESOLUÇÃO N o 04 de 16/04/2010 - CONSEPE Dispõe sobre as normas das atividades acadêmicas dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu da Universidade Positivo. O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão,

Leia mais

INSTITUTO DE ENGENHARIA NUCLEAR PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA NUCLEARES

INSTITUTO DE ENGENHARIA NUCLEAR PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA NUCLEARES INSTITUTO DE ENGENHARIA NUCLEAR PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA NUCLEARES REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO ACADÊMICO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA NUCLEARES Atualização de 30 de outubro de

Leia mais

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA EM COMUNICAÇÃO CORPORATIVA INTEGRADA 1º Semestre de 2016

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA EM COMUNICAÇÃO CORPORATIVA INTEGRADA 1º Semestre de 2016 EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA EM COMUNICAÇÃO CORPORATIVA INTEGRADA 1º Semestre de 2016 As FACULDADES INTEGRADAS RIO BRANCO, na forma regimental torna público o presente Edital, estabelecendo as

Leia mais

ANEXO 1 75ª Reunião do Conselho de Pós-Graduação Stricto Sensu

ANEXO 1 75ª Reunião do Conselho de Pós-Graduação Stricto Sensu REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ADMINISTRAÇÃO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI TÍTULO I DAS CARACTERÍSTICAS DO PROGRAMA E SEUS OBJETIVOS Art. 1º - Este Regulamento complementa as

Leia mais

Regulamento do Curso

Regulamento do Curso Regulamento do Curso Mestrado Profissional em Administração CAPÍTULO I DAS FINALIDADES DO PROGRAMA Artigo 1º - O Programa de Mestrado Profissional em Administração (MPA) tem os seguintes objetivos: I.

Leia mais

MODELO DE REGULAMENTO PARA CURSO DE APERFEIÇOAMENTO

MODELO DE REGULAMENTO PARA CURSO DE APERFEIÇOAMENTO MODELO DE REGULAMENTO PARA CURSO DE APERFEIÇOAMENTO Este modelo deve orientar a elaboração do Regulamento dos Cursos de Aperfeiçoamento, obedecendo às Normas para Aprovação e Acompanhamento de Cursos de

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO IMOBILIÁRIO

REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO IMOBILIÁRIO REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO IMOBILIÁRIO Cabedelo - PB Página 1 de 9 FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DA PARAÍBA - FESP, PESQUISA E EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO JORNALISMO ESPORTIVO E NEGÓCIOS DO ESPORTE 1º Semestre de 2016

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO JORNALISMO ESPORTIVO E NEGÓCIOS DO ESPORTE 1º Semestre de 2016 EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO JORNALISMO ESPORTIVO E NEGÓCIOS DO ESPORTE 1º Semestre de 2016 As FACULDADES INTEGRADAS RIO BRANCO, na forma regimental torna público o presente Edital, estabelecendo as

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003

RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003 RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003 Aprova Regimento do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Letras Teoria Literária e Crítica da Cultura da UFSJ O PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO SUPERIOR

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 38 de 30/12/2011 - CAS

RESOLUÇÃO N o 38 de 30/12/2011 - CAS RESOLUÇÃO N o 38 de 30/12/2011 - CAS O Conselho Acadêmico Superior (CAS), no uso de suas atribuições conferidas pelo Estatuto da Universidade Positivo (UP), dispõe sobre as normas acadêmicas dos cursos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 263. Pôr em vigência, a partir da presente data, o REGIMENTO. DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU, que

RESOLUÇÃO Nº 263. Pôr em vigência, a partir da presente data, o REGIMENTO. DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU, que RESOLUÇÃO Nº 263 PÕE EM VIGÊNCIA O REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS- GRADUAÇÃO LATO SENSU O Reitor da Universidade Católica de Pelotas, no uso de suas atribuições, considerando os termos da proposta encaminhada

Leia mais

Regulamento do Núcleo de Pós- Graduação Lato Sensu - Especialização

Regulamento do Núcleo de Pós- Graduação Lato Sensu - Especialização Regulamento do Núcleo de Pós- Graduação Lato Sensu - Especialização Juiz de Fora-MG Regulamento do Núcleo de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Os Cursos

Leia mais

Matrículas 1º semestre letivo de 2014

Matrículas 1º semestre letivo de 2014 EDITAL 17/2013 PRÓ-REITORIA ACADÊMICA Matrículas 1º semestre letivo de 2014 O UDF - Centro Universitário torna público o Edital de Matrícula dos Cursos de Graduação para o 1º semestre letivo de 2014, a

Leia mais

MANUAL DE MONITORIA. Agosto de 2010

MANUAL DE MONITORIA. Agosto de 2010 MANUAL DE MONITORIA Agosto de 2010 1 A Faculdade São Francisco de Assis - UNIFIN oferece ao aluno a oportunidade de iniciar-se na função docente através do exercício de monitorias. Apenas será considerado

Leia mais

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA EM GESTÃO DE MARKETING 1º Semestre de 2016

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA EM GESTÃO DE MARKETING 1º Semestre de 2016 EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA EM GESTÃO DE MARKETING 1º Semestre de 2016 As FACULDADES INTEGRADAS RIO BRANCO, na forma regimental torna público o presente Edital, estabelecendo as normas para inscrição

Leia mais

Lato Sensu - Especialização

Lato Sensu - Especialização Regulamento Geral do Núcleo de Pós- Graduação Lato Sensu - Especialização CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Os Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu - Especialização da Fundação Educacional de Além

Leia mais

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DIREITO PENAL 1º Semestre de 2016

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DIREITO PENAL 1º Semestre de 2016 EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DIREITO PENAL 1º Semestre de 2016 As FACULDADES INTEGRADAS RIO BRANCO, na forma regimental torna público o presente Edital, estabelecendo as normas para inscrição e matrícula

Leia mais

REGULAMENTOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO

REGULAMENTOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO REGULAMENTOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO 1. Admissão aos Cursos 2. Matrícula Inicial 3. Matrícula em Disciplinas 4. Alteração de Matrícula em Disciplinas 5. Progressão nas Séries 6. Coeficiente de Rendimento

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE TÍTULO I

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE TÍTULO I 1 REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE TÍTULO I DO OBJETIVO E DA ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1.º - Este regimento estabelece as normas

Leia mais

Regimento de Pós-Graduação do Mestrado Profissionalizante em Instrumentação Científica

Regimento de Pós-Graduação do Mestrado Profissionalizante em Instrumentação Científica Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas CBPF/CNPq http://www.cbpf.br Rua Dr. Xavier Sigaud 150, Urca - Rio de Janeiro - RJ Cep: 22290-180 Tel: (021) 5867100 Fax: (021) 5867400 Regimento de Pós-Graduação

Leia mais

REGULAMENTO DA SECRETARIA GERAL

REGULAMENTO DA SECRETARIA GERAL FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DO BAIXO SÃO FRANCISCO DR. RAIMUNDO MARINHO FACULDADE RAIMUNDO MARINHO REGULAMENTO DA SECRETARIA GERAL A Secretaria Geral é o órgão que operacionaliza todas as atividades ligadas à

Leia mais

Faculdade de Ciências da Saúde Archimedes Theodoro. Fundação Educacional de Além Paraíba

Faculdade de Ciências da Saúde Archimedes Theodoro. Fundação Educacional de Além Paraíba Faculdade de Ciências da Saúde Archimedes Theodoro Fundação Educacional de Além Paraíba Regulamento de Monitoria Art. 1º A Faculdade de Ciências da Saúde Archimedes Theodoro admitirá, sem vínculo empregatício,

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI ÍTALO BOLOGNA CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI ÍTALO BOLOGNA CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EDITAL No. 03/2013 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI ÍTALO BOLOGNA CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Seleção de candidatos às vagas nos cursos de Pós- Graduação lato sensu Gestão da Manutenção Industrial

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR

FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR CAPÍTULO I DO ESTÁGIO CURRICULAR Art. 1º O presente Regimento trata do Estágio Curricular dos cursos de graduação da Faculdade

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO TÍTULO I DOS OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO TÍTULO I DOS OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO TÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º - O presente Regimento Interno regulamenta a organização e o funcionamento do

Leia mais

R E G I M E N T O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM TEORIA LITERÁRIA DOS OBJETIVOS

R E G I M E N T O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM TEORIA LITERÁRIA DOS OBJETIVOS R E G I M E N T O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM TEORIA LITERÁRIA DOS OBJETIVOS Artigo 1º - O Programa de Pós-Graduação em Letras tem por objetivo a formação de docentes destinados

Leia mais

PLENÁRIO DOÍS CONSELHOS SUPERIORES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS ABRAHAM MOYSES COHEN, em Manaus, 28 de agosto de 2014.

PLENÁRIO DOÍS CONSELHOS SUPERIORES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS ABRAHAM MOYSES COHEN, em Manaus, 28 de agosto de 2014. a " *_ Universidade Federal do Amazonas RESOLUÇÃO N 024/2014 Regulamenta o ingresso e o regime acadêmico do discente de Pós-graduação Stricto Sensu da Universidade Federal do Amazonas. A REITORA DA UNIVERSIDADE

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA POLÍTICA E RELAÇÕES INTERNACIONAIS CURSO DE DOUTORADO TURMA 2013 EDITAL Nº

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA POLÍTICA E RELAÇÕES INTERNACIONAIS CURSO DE DOUTORADO TURMA 2013 EDITAL Nº PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA POLÍTICA E RELAÇÕES INTERNACIONAIS CURSO DE DOUTORADO TURMA 2013 EDITAL Nº 24/12 O Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro (Iuperj) da Universidade Candido

Leia mais

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA INSTITUCIONAL 1º Semestre de 2016

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA INSTITUCIONAL 1º Semestre de 2016 EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA INSTITUCIONAL 1º Semestre de 2016 As FACULDADES INTEGRADAS RIO BRANCO, na forma regimental torna público o presente Edital, estabelecendo as normas para

Leia mais

REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM MODELAGEM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS

REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM MODELAGEM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM MODELAGEM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS Art. 1º. O Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Modelagem Matemática da UNIJUÍ Universidade

Leia mais

FACULDADE DA REGIÃO DOS LAGOS REGULAMENTO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

FACULDADE DA REGIÃO DOS LAGOS REGULAMENTO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DA REGIÃO DOS LAGOS REGULAMENTO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Capítulo I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Os cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da FERLAGOS orientam-se pelas normas

Leia mais

RESOLUÇÃO FADISA N.º 005/2008 CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE DIREITO SANTO AGOSTINHO FADISA

RESOLUÇÃO FADISA N.º 005/2008 CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE DIREITO SANTO AGOSTINHO FADISA RESOLUÇÃO FADISA N.º 005/2008 CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE DIREITO SANTO AGOSTINHO FADISA O Presidente do CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE DIREITO SANTO AGOSTINHO - FADISA, Professor Ms. ANTÔNIO

Leia mais

REGIMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO " LATO SENSU"

REGIMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO  LATO SENSU UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS PRÓ REITORIA ACADÊMICA ASSESSORIA DE PÓS GRADUAÇÃO E PESQUISA REGIMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO " LATO SENSU" CAPÍTULO I DOS CURSOS E SEUS OBJETIVOS Art. 1º A

Leia mais

UFMG / PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO / SETOR DE BOLSAS PMG PROGRAMA DE MONITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETRIZES GERAIS

UFMG / PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO / SETOR DE BOLSAS PMG PROGRAMA DE MONITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETRIZES GERAIS UFMG / PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO / SETOR DE BOLSAS PMG PROGRAMA DE MONITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETRIZES GERAIS 2015 1) DOS OBJETIVOS O Programa de Monitoria de Graduação visa dar suporte às atividades acadêmicas

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO Nº 004/06 AUTORIZA A REFORMULAÇÃO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM LÍNGUA ITALIANA-TRADUÇÃO O CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA e EXTENSÃO, no uso

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Conceituação e Objetivos

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Conceituação e Objetivos 1 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Conceituação e Objetivos O Programa de Bolsas de Iniciação Científica da FIAR é um programa centrado na iniciação científica de novos talentos entre alunos

Leia mais

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO TÍTULO I - APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA... 1 TÍTULO II - DOS OBJETIVOS...

Leia mais

Regulamento do Programa de Estudos Pós-Graduados em EDUCAÇÃO: PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO.

Regulamento do Programa de Estudos Pós-Graduados em EDUCAÇÃO: PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO. Regulamento do Programa de Estudos Pós-Graduados em EDUCAÇÃO: PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO. 1- Objetivos do Programa Artigo 1º - São objetivos do Programa: I - capacitar pessoal em nível de Mestrado Acadêmico,

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O Programa de Pós-graduação lato sensu da FAZU - Faculdades Associadas de Uberaba, tem por objetivo

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MARANHÃO REITORIA ASSESSORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MARANHÃO REITORIA ASSESSORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MARANHÃO REITORIA ASSESSORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS EDITAL Nº 06, DE 18 DE AGOSTO DE 2014. PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS

Leia mais

E D I T A L. 1º Para os casos de transferência externa serão aceitas, apenas, as inscrições para áreas afins.

E D I T A L. 1º Para os casos de transferência externa serão aceitas, apenas, as inscrições para áreas afins. EDITAL NRCA-SJP N.º 09/2015 DISPÕE SOBRE OS PROCESSOS DE INGRESSO POR TRANSFERÊNCIA EXTERNA E PORTADOR DE DIPLOMA AOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE FAE SÃO JOSÉ DOS PINHAIS. O Coordenador do Núcleo

Leia mais

GUIA DO ALUNO 2014 1

GUIA DO ALUNO 2014 1 GUIA DO ALUNO 2014 1 GUI A DO ALUNO 1. Matrícula Para efetuar sua matrícula em Cursos PECE o candidato deverá comparecer no prazo estipulado, portando todos os documentos que são exigidos para a matrícula

Leia mais

3. Do Curso, Local, Tempo de Duração e Número de Vagas. As vagas disponíveis e a duração do curso estão listadas na tabela a seguir:

3. Do Curso, Local, Tempo de Duração e Número de Vagas. As vagas disponíveis e a duração do curso estão listadas na tabela a seguir: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS OURO PRETO Rua Pandiá Calógeras, 898 Bairro Bauxita Ouro

Leia mais