O pacto federativo na saúde e a Política Nacional de Atenção Básica: significados e implicações das mudanças propostas

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O pacto federativo na saúde e a Política Nacional de Atenção Básica: significados e implicações das mudanças propostas"

Transcrição

1 O pacto federativo na saúde e a Política Nacional de Atenção Básica: significados e implicações das mudanças propostas 61ª Reunião Extraordinária do Conselho Nacional de Saúde Seminário sobre a Política Nacional de Atenção Básica (PNAB) Mesa1-Os caminhos da Atenção Básica à Saúde e a construção dos sistemas universais Luciana Dias de Lima (Daps/Ensp/Fiocruz) Rio de Janeiro, 9 de agosto de

2 Quatro questões 1. Que lições podemos extrair do pacto federativo estabelecido no SUS e na política de atenção básica? 2. Quais os significados e possíveis repercussões das mudanças propostas na PNAB para o pacto federativo na saúde? 3. De que modo o contexto de austeridade fiscal e contenção das despesas públicas influencia as mudanças propostas na PNAB? 4. Quais as alternativas para o avanço da atenção básica frente a necessidade de consolidação do SUS? 2

3 Federalismo e SUS: desafios Sistema de caráter nacional e universal de implantação descentralizada, em uma federação trina, diversa e desigual, composta por um número expressivo de entes governamentais com limitadas condições político-institucionais e financeiras. A descentralização preconizada no SUS é do tipo político-administrativa, envolvendo a transferência de funções governamentais principalmente para os municípios. Desafios federativos relacionados à coordenação, à uniformidade e à autonomia 3

4 Distribuição proporcional da população e dos municípios segundo grupos de tamanho populacional dos municípios. Brasil, 2015 Fonte: Estimativas das populações residentes nos municípios brasileiros com data de referência em 1º de julho de IBGE,

5 Federalismo e SUS: desafios Fonte: Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil, Pnud, IPEA e Fundação João Pinheiro. 5

6 Federalismo e SUS: desafios Descentralização X Padrão nacional Como garantir a implantação de princípios e diretrizes nacionais considerando a diversidade regional e a autonomia dos entes subnacionais? Descentralização X Desigualdades Como garantir a descentralização fortalecendo a capacidade de atuação dos entes subnacionais e superando as situações de iniquidade existentes? Descentralização X Sistema Como integrar políticas, ações e serviços de saúde no território sem o risco da fragmentação político-administrativa? 6

7 O pacto federativo na saúde Procurou responder as tensões entre o federalismo brasileiro e a ampliação das responsabilidades governamentais na saúde, em contextos não necessariamente favoráveis à consolidação do SUS. Principais características: forte poder coordenador (regulador e indutor) da União (normas, modalidades de transferência federal de recursos e incentivos financeiros) com ampla adesão de estados e municípios; diversidade de acordos envolvendo estados e municípios e adaptação das regras nacionais às realidades loco-regionais por meio das Comissões Intergestores Bipartites (CIB); fragilidade do papel coordenador dos estados; compartilhamento de funções, com aumento da importância dos municípios na prestação e no financiamento do SUS. 7

8 Distribuição proporcional do gasto com ações e serviços púbicos de saúde por esfera de governo. Brasil, 2000 a ,0 90,0 21,7 23,2 25,7 25,9 25,2 27,2 28,0 28,3 30,4 28,8 29,4 29,6 80,0 70,0 60,0 18,5 20,7 21, ,6 23,1 23,5 24,2 25,4 25,4 26,5 25,7 50,0 40,0 30,0 20,0 59,8 56,1 52,8 51,1 50,2 49,7 48,4 47,5 44,2 45,8 44,1 44,7 10,0 0, Federal Estadual Municipal Fonte: Adaptado de Piola et al.,

9 Estados e municípios: aplicação com recursos próprios (em %). Brasil, 2004 a 2015 Fonte: Funcia, Adaptado de Ministério da Saúde/SIOPS (disponível em 9

10 O pacto federativo na saúde A PNAB teve um papel fundamental na conformação do pacto federativo na saúde. Avanços capilaridade da política no território nacional (expansão da ESF e desconcentração de serviços); consolidação de um modelo nacional para a AB no SUS; redistribuição não desprezível de recursos financeiros (privilegiamento de regiões mais carentes). Limitações persistência de desigualdades regionais; fragmentação e dificuldades de integração regional de políticas, ações e serviços (conformação de redes de atenção à saúde); restrição da autonomia financeira dos estados e municípios (parcelamento do PAB variável e perda gradativa de importância do PAB fixo; baixa importância relativa da AB em relação à MAC). 10

11 Participação percentual das transferências de Atenção Básica (AB) e de Média e Alta Complexidade (MAC) no orçamento do Ministério da Saúde. Brasil, 2002 a ,00 60,00 50,00 40,00 30,00 20,00 10,00 0, %MAC 23,89 30,76 38,58 40,02 38,17 45,67 40,52 39,33 40,75 39,76 45,20 43,35 40,03 43,35 40,39 %AB 12,77 13,28 13,59 14,69 14,81 17,55 15,77 14,25 15,58 15,09 18,64 16,75 15,08 16,24 16,67 %AB %MAC Fonte: Barros, Machado e Lima, no prelo. SIGA - Orçamento do Ministério da Saúde (valores pagos); SAGE - Transferências de AB e de MAC. 11

12 Evolução das transferências federais para a Atenção Básica e Média e Alta Complexidade, em valores totais ajustados pela inflação. Brasil, 2002 a , , , ,00 R$ Dez de , , , , , , Transferências AB Transferências MAC Fonte: Barros, Machado e Lima, no prelo. SAGE - Transferências de AB e MAC. 12

13 Evolução das transferências federais para a Atenção Básica e Média e Alta Complexidade, em valores per capita ajustados pela inflação. Brasil, 2002 a Ano AB MAC ,03 84, ,06 99, ,39 137, ,81 141, ,45 150, ,30 169, ,62 176, ,82 187, ,31 194, ,04 205, ,58 217, ,49 208, ,98 220, ,20 216, ,20 196,70 Fonte: Barros, Machado e Lima, no prelo. SAGE - Transferências de AB e MAC. 13

14 % Evolução da composição percentual do Bloco de Financiamento Federal para a Atenção Básica. Brasil, 2002 a ,00 90,00 80,00 70,00 60,00 50,00 40,00 30,00 20,00 10,00 0, PAB variavel 43,98 46,98 51,98 54,03 58,04 59,97 60,48 62,70 64,26 64,94 65,43 65,15 64,29 67,08 65,85 PAB fixo 56,02 53,02 48,02 45,97 41,96 40,03 39,52 37,30 35,74 35,06 34,57 34,85 35,71 32,92 34,15 Fonte: Barros, Machado e Lima, no prelo. SAGE - Transferências de AB e MAC. 14

15 nº de incentivos Número de incentivos relacionados ao PAB varável. Brasil, 2002 a Anos Fonte: Barros, Machado e Lima, no prelo. SAGE - Transferências de AB e MAC. 15

16 Evolução da proporção da subfunção Atenção Básica nas despesas estaduais e municipais com saúde. Brasil, 2005 a ,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0, Estados 10,7 7,9 10,8 10,1 9,3 9,8 9,7 4,6 5,0 4,1 5,4 Municípios 38,0 39,5 39,1 39,1 37,8 39,3 38,5 38,8 38,8 36,5 35,9 Estados Municípios Fonte: Barros, Machado e Lima, no prelo. SIOPS. 16

17 As mudanças propostas na PNAB Flexibilização do modelo de atenção (relativização da cobertura e reposicionamento da ESF; reconfiguração das equipes; especificação de serviços essenciais e estratégicos de AB) e do uso dos recursos transferidos por meio do PAB variável: por que substituir o certo pelo duvidoso? Perda do poder coordenador do Ministério da Saúde e manutenção da fragilidade dos estados na regulação da implantação da atenção básica: qual ente se responsabilizará pela coordenação da PNAB em nível supra e intermunicipal? As mudanças estão sendo propostas e serão implementadas em um contexto de ameaças aos direitos sociais, forte restrição fiscal e orçamentária com agravamento da situação de subfinanciamento do SUS: por que e o que se pode esperar dessas mudanças nesse contexto? 17

18 A Emenda Constitucional n.95 de 2016 (EC 95/16) Limitação das despesas primárias da União a um teto definido pelo montante gasto do ano anterior reajustados pela inflação acumulada, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Algumas implicações: congelamento real das despesas federais, com redução do gasto público relativamente ao Produto Interno Bruto (PIB) e ao número de habitantes (os gastos públicos não vão acompanhar o crescimento da renda e da população); desvinculação das despesas com saúde e educação; perda real da saúde e da educação frente a outras despesas obrigatórias das União (ex: Previdência Social). 18

19 A Emenda Constitucional n.95 de 2016 (EC 95/16) Ruptura do pacto federativo, ameaças aos avanços relacionados à descentralização e fortes impactos nas receitas dos estados e municípios: condicionamento das escolhas políticas em âmbito municipal e estadual, com dificuldades de manutenção de políticas prioritárias para o SUS, como a atenção básica e a ESF; estados e municípios serão os principais responsáveis pelos cortes na prestação, pela piora progressiva na qualidade das ações e serviços do SUS e dos indicadores sanitários; comprometimento ainda maior da base de apoio ao SUS e aumento da influência do setor privado nas decisões alocativas do setor. 19

20 Alternativas Ampliar a discussão democrática e aprofundada para o pleno desenvolvimento da AB e aperfeiçoamento do SUS. Criar frente em defesa do financiamento público para as políticas sociais, o SUS e a AB, com revogação dos dispositivos da EC 95/2016. Diminuir a fragmentação do PAB variável (mantendo o caráter indutor ao modelo previsto na ESF) e recompor o PAB fixo, ampliando a autonomia dos gestores no uso desses recursos. Ampliar os mecanismos de redistribuição e alocação equitativa dos recursos da AB, considerando a capacidade diferenciada de autofinanciamento dos gestores municipais e as especificidades regionais. Reforçar o papel dos estados no planejamento regional e na regulação da rede de atenção à saúde, possibilitando a integração da AB com outros níveis de atenção. 20

21 Muito obrigada! 21

Pressupostos. Variações na composição orçamentária municipal refletem: relações intergovernamentais predominantes;

Pressupostos. Variações na composição orçamentária municipal refletem: relações intergovernamentais predominantes; IX ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA DA SAÚDE DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ECONOMIA DA SAÚDE 20 Anos de ABRES, do SUS e a Reafirmação da Proteção Universal Condições de financiamento em saúde nos grandes municípios

Leia mais

FINANCIAMNETO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS. Salvador - Fevereiro 2017

FINANCIAMNETO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS. Salvador - Fevereiro 2017 FINANCIAMNETO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS Salvador - Fevereiro 2017 Moldura Jurídica do Sistema Público de Saúde Brasileiro Constituição Federal de 1988: criação do SUS Lei 8.080/1990: regulamentação do

Leia mais

Noções sobre o financiamento e alocação de recursos em saúde

Noções sobre o financiamento e alocação de recursos em saúde Noções sobre o financiamento e alocação de recursos em saúde Demandas e custos em saúde são crescentes tendência mundial Mudanças no perfil demográfico (envelhecimento da população e diminuição das taxas

Leia mais

SEMINÁRIO Integração da Gestão da Saúde

SEMINÁRIO Integração da Gestão da Saúde SEMINÁRIO Integração da Gestão da Saúde FINANCIAMENTO DO SUS SALVADOR, 9 DE FEVEREIRO DE 2017 CONSTITUIÇÃO FEDERAL / 1988 SAÚDE: RESPONSABILIDADE TRIPARTITE CF88,art.198, 1º... as ações e serviços de saúde

Leia mais

QUAIS SÃO E COMO FAZER A GESTÃO DOS RECURSOS FINANCEIROS DO SUS? FINANCIAMENTO ESTADUAL

QUAIS SÃO E COMO FAZER A GESTÃO DOS RECURSOS FINANCEIROS DO SUS? FINANCIAMENTO ESTADUAL QUAIS SÃO E COMO FAZER A GESTÃO DOS RECURSOS FINANCEIROS DO SUS? FINANCIAMENTO ESTADUAL Financiamento Estadual Constituição de 1988: Garantia de direito à saúde; Obrigou ao Estado realizar políticas sociais

Leia mais

Antigamente... problema crônico de financiamento Elaboração da Emenda Constitucional nº 29 (EC 29) - alterou a Constituição Federal em 13 de setembro

Antigamente... problema crônico de financiamento Elaboração da Emenda Constitucional nº 29 (EC 29) - alterou a Constituição Federal em 13 de setembro FINANCIAMENTO Modelo descentralizado de gestão do SUS: a União é a responsável por distribuir a maior parte dos recursos financeiros para Estados, Municípios e Distrito Federal; Transferência fundo a fundo:

Leia mais

Luis Correia - PI 05 set 18. Mauro Guimarães Junqueira Presidente - Conasems

Luis Correia - PI 05 set 18. Mauro Guimarães Junqueira Presidente - Conasems Luis Correia - PI 05 set 18 Mauro Guimarães Junqueira Presidente - Conasems PANORAMA SUS - SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE REFORMA SANITÁRIA HISTÓRIA DA SAÚDE NOS 30 ANOS DE SUS 8ª CONFERENCIA NACIONAL DE SAÚDE

Leia mais

DESAFIOS PARA O SUS NO CONTEXTO DO CAPITALISMO CONTEMPORÂNEO E SUA CRISE

DESAFIOS PARA O SUS NO CONTEXTO DO CAPITALISMO CONTEMPORÂNEO E SUA CRISE DESAFIOS PARA O SUS NO CONTEXTO DO CAPITALISMO CONTEMPORÂNEO E SUA CRISE Áquilas Mendes Prof. Dr. Livre-Docente de Economia da Saúde da Faculdade de Saúde Pública da USP e do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Financiamento dos níveis de atenção à saúde: alocação eqüitativa de recursos para os níveis de atenção à saúde

Financiamento dos níveis de atenção à saúde: alocação eqüitativa de recursos para os níveis de atenção à saúde Financiamento dos níveis de atenção à saúde: alocação eqüitativa de recursos para os níveis de atenção à saúde Sérgio Francisco Piola - IPEA V Jornada de Economia da Saúde Recife- PE, 15 a 17 setembro

Leia mais

O SUBFINANCIAMENTO DA SAÚDE PÚBLICA BRASILEIRA NO CONTEXTO DO CAPITALISMO CONTEMPORÂNEO EM CRISE: DILEMAS E PERSPECTIVAS

O SUBFINANCIAMENTO DA SAÚDE PÚBLICA BRASILEIRA NO CONTEXTO DO CAPITALISMO CONTEMPORÂNEO EM CRISE: DILEMAS E PERSPECTIVAS O SUBFINANCIAMENTO DA SAÚDE PÚBLICA BRASILEIRA NO CONTEXTO DO CAPITALISMO CONTEMPORÂNEO EM CRISE: DILEMAS E PERSPECTIVAS INTRODUÇÃO: Financiamento tema mais debatido e problemático Problemas: Insuficiência

Leia mais

AUTONOMIA FISCAL DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS E A CAPACIDADE DE GESTÃO DO SISTEMA DE SAÚDE

AUTONOMIA FISCAL DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS E A CAPACIDADE DE GESTÃO DO SISTEMA DE SAÚDE AUTONOMIA FISCAL DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS E A CAPACIDADE DE GESTÃO DO SISTEMA DE SAÚDE Daniela Savi Geremia 1 Fátima Teresinha Scarparo Cunha 2 Liliana Angel Vargas 2 INTRODUÇÃO A política de saúde constitui

Leia mais

A União do Setor Saúde para Sobreviver à Crise. Agosto/2017

A União do Setor Saúde para Sobreviver à Crise. Agosto/2017 A União do Setor Saúde para Sobreviver à Crise Agosto/2017 DESDE A CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 OS MUNICÍPIOS VEM ASSUMINDO NOVAS RESPONSABILIDADES SEM O DEVIDO ACOMPANHAMENTO DE RECEITAS DIMENSÕES DO

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DA ATENÇÃO BÁSICA: Carlos Leonardo Cunha

POLÍTICA NACIONAL DA ATENÇÃO BÁSICA: Carlos Leonardo Cunha POLÍTICA NACIONAL DA ATENÇÃO BÁSICA: PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO Carlos Leonardo Cunha POLÍTICA NACIONAL DA ATENÇÃO BÁSICA (PNAB)-PORTARIA/GM Nº 648 DE 28/03/06 Definição expressa do MS de revitalizar a

Leia mais

O Sistema Único de Saúde (SUS): princípios e lógica organizativa; avanços e desafios

O Sistema Único de Saúde (SUS): princípios e lógica organizativa; avanços e desafios Fundação Oswaldo Cruz Escola Nacional de Saúde Pública P Sergio Arouca Especialização em Gestão de Sistemas e Serviços de Saúde O Sistema Único de Saúde (SUS): princípios e lógica organizativa; avanços

Leia mais

EC 95/16 Análise dos Gastos da Saúde

EC 95/16 Análise dos Gastos da Saúde EC 95/16 Análise dos Gastos da Saúde 3º FÓRUM DE DEBATES - CONASEMS NOVO REGIME FISCAL: EFEITOS NA SAÚDE 4/12/2018 Carlos Ocké (Ipea) EC 95 - Política fiscal que visa controlar o gasto social e estabilizar

Leia mais

Os efeitos da PEC 55 na Saúde / SUS

Os efeitos da PEC 55 na Saúde / SUS Os efeitos da PEC 55 na Saúde / SUS Grazielle David Mestre em Saúde Coletiva/Economia da Saúde Assessora Política do INESC - Instituto de Estudos Socioeconômicos Diretora do CEBES Centro Brasileiro de

Leia mais

Desafios da Federação Brasileira Fortalecimento dos Municípios

Desafios da Federação Brasileira Fortalecimento dos Municípios Desafios da Federação Brasileira Fortalecimento dos Municípios 2015 PACTO CONSTITUINTE DE 1988: UMA FEDERAÇÃO EM CONSTRUÇÃO DITADURA ESTADO CENTRAL X DEMOCRATIZAÇÃO DESCENTRALIZAÇÃO CONTROLE PÚBLICO FEDERAÇÃO

Leia mais

Política Nacional de Atenção Básica provimento de profissionais em AB: trajetória de Campo Grande Maio 2014

Política Nacional de Atenção Básica provimento de profissionais em AB: trajetória de Campo Grande Maio 2014 Oficina regional Provab e Mais médicos CENTRO OESTE Política Nacional de Atenção Básica provimento de profissionais em AB: trajetória de 2011-2014 Campo Grande Maio 2014 ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA A Política

Leia mais

OPERACIONALIZAÇÃO E FINANCIAMENTO

OPERACIONALIZAÇÃO E FINANCIAMENTO Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências de Saúde Departamento de Saúde Comunitária Disciplina: Saúde Pública I Professor: Walfrido Kühl Svoboda SUS Sistema Único de Saúde OPERACIONALIZAÇÃO E FINANCIAMENTO

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE LIRCE LAMOUNIER

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE LIRCE LAMOUNIER SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE ESTADO DE GOIÁS ORGANIZAÇÃO DO SUS LIRCE LAMOUNIER DISCIPLINA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA, GESTÃO PESSOAL E MULTIPROFISSIONAL (ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NO SUS) FACULDADE DE FARMÁCIA

Leia mais

Financiamento da saúde no Brasil hoje e suas perspectivas para o futuro Sérgio Francisco Piola Médico Sanitarista Consultor do Ipea Iº Ciclo de

Financiamento da saúde no Brasil hoje e suas perspectivas para o futuro Sérgio Francisco Piola Médico Sanitarista Consultor do Ipea Iº Ciclo de Financiamento da saúde no Brasil hoje e suas perspectivas para o futuro Sérgio Francisco Piola Médico Sanitarista Consultor do Ipea Iº Ciclo de Simpósios sobre Saúde Pública Mesa 4 Financiamento e Sustentabilidade

Leia mais

Gestão em Saúde Gestão do SUS Financiamento. Prof. Arruda Bastos (85)

Gestão em Saúde Gestão do SUS Financiamento. Prof. Arruda Bastos (85) Gestão em Saúde Gestão do SUS Financiamento Prof. Arruda Bastos arrudabastos@gmail.com (85) 99925.1122 Gestão em Saúde 1. Apresentação da Disciplina / Plano de Aula / Apresentação Discente e Docente; 2.

Leia mais

FINANCIAMENTO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE. Blenda Pereira Assessora Tecnica Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde

FINANCIAMENTO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE. Blenda Pereira Assessora Tecnica Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde FINANCIAMENTO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE Blenda Pereira Assessora Tecnica Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde CONSTITUIÇÃO FEDERAL CAPÍTULO DA SEGURIDADE SOCIAL Art. 194. A seguridade social

Leia mais

Seminário Estadual de Atenção Básica

Seminário Estadual de Atenção Básica Seminário Estadual de Atenção Básica Marta Campagnoni 07/12 Diretrizes e estratégias para estruturação da Política Estadual de Atenção Básica do Estado de São Paulo Aprovado em Comissão Bipartite de março/2012

Leia mais

Painel 1: Financiamento dos Níveis de Atenção à Saúde - A alocação equitativa de recursos entre os níveis de atenção à saúde

Painel 1: Financiamento dos Níveis de Atenção à Saúde - A alocação equitativa de recursos entre os níveis de atenção à saúde ABRES - Associação Brasileira de Economia da Saúde V Jornada Nacional de Economia da Saúde II Jornada de Avaliação de Tecnologias em Saúde do IMIP Painel 1: Financiamento dos Níveis de Atenção à Saúde

Leia mais

VII CONGRESSO BRASILEIRO E VIII CONGRESSO PAULISTA DE POLITICA MEDICA FINANCIAMENTO DO SUS. São Paulo, 21 de março de 2014.

VII CONGRESSO BRASILEIRO E VIII CONGRESSO PAULISTA DE POLITICA MEDICA FINANCIAMENTO DO SUS. São Paulo, 21 de março de 2014. VII CONGRESSO BRASILEIRO E VIII CONGRESSO PAULISTA DE POLITICA MEDICA FINANCIAMENTO DO SUS São Paulo, 21 de março de 2014. BASE LEGAL Constituição Federal Lei 8080 / 8142 Lei Complementar n. 141 (Regulamentação

Leia mais

Financiamento da atenção básica no SUS

Financiamento da atenção básica no SUS TEXTO PREPARATÓRIO PARA O ABRASCÃO 2018 Financiamento da atenção básica no SUS Ana Luisa Barros de Castro 1 Luciana Dias de Lima 2 Cristiani Vieira Machado 2 Introdução A criação do Sistema Único de Saúde

Leia mais

Carta do Rio de Janeiro

Carta do Rio de Janeiro Carta do Rio de Janeiro Os Secretários Municipais de Saúde, reunidos no III Congresso Estadual de Secretarias Municipais de Saúde do Rio de Janeiro, nos dias 17 e 18 de junho de 2011, na cidade do Rio

Leia mais

O MODELO DE SAÚDE CATALÃO Uma experiência de reforma Principais conceitos e instrumentos. CHC - Consorci Hospitalari de Catalunya Setembro 2011

O MODELO DE SAÚDE CATALÃO Uma experiência de reforma Principais conceitos e instrumentos. CHC - Consorci Hospitalari de Catalunya Setembro 2011 O MODELO DE SAÚDE CATALÃO Uma experiência de reforma Principais conceitos e instrumentos CHC - Consorci Hospitalari de Catalunya Setembro 2011 O SNS Espanhol Evolução 1975-2009 Da segmentação na coordenação

Leia mais

RECURSOS PARA A ÁREA DA SAÚDE

RECURSOS PARA A ÁREA DA SAÚDE RECURSOS PARA A ÁREA DA SAÚDE François E. J. de Bremaeker Rio de Janeiro, fevereiro de 2017 RECURSOS PARA A ÁREA DA SAÚDE François E. J. de Bremaeker Bacharel em economia e bacharel e licenciado em geografia

Leia mais

Federação desigual. Assimetrias regionais. Região PIB População Território Região Sudeste 55,41% 42% 10,60% Região Norte 5,40% 8% 45,20%

Federação desigual. Assimetrias regionais. Região PIB População Território Região Sudeste 55,41% 42% 10,60% Região Norte 5,40% 8% 45,20% Federação desigual Assimetrias regionais Região PIB População Território Região Sudeste 55,41% 42% 10,60% Região Norte 5,40% 8% 45,20% Região Centro-oeste 9,57% 7% 18,90% Região Nordeste 13,40% 28% 18,20%

Leia mais

Análise dos gastos em saúde nas capitais brasileiras e sua adequação à Emenda Constitucional 29/2000

Análise dos gastos em saúde nas capitais brasileiras e sua adequação à Emenda Constitucional 29/2000 Análise dos gastos em saúde nas capitais brasileiras e sua adequação à Emenda Constitucional 29/2000 Marcelo Gurgel Carlos da Silva; Sílvia Morgana Araújo de Oliveira; Juliana Lucena de Miranda Cavalcante

Leia mais

Financiamento do Sistema Único de Saúde (SUS)

Financiamento do Sistema Único de Saúde (SUS) Financiamento do Sistema Único de Saúde (SUS) Financiamento do Sistema Único de Saúde (SUS) O Sistema Único de Saúde (Constituição Federal, 1988) consolidou à saúde um direito de todo cidadão. Compromisso

Leia mais

Qualificação da Gestão

Qualificação da Gestão Qualificação da Gestão O que é o SUS Instituído pela Constituição de 1988, o Sistema Único de Saúde SUS é formado pelo conjunto das ações e serviços de saúde sob gestão pública Com direção única em cada

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE SÃO PAULO AUDIÊNCIA PÚBLICA 18/04/2017

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE SÃO PAULO AUDIÊNCIA PÚBLICA 18/04/2017 ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE SÃO PAULO AUDIÊNCIA PÚBLICA 18/04/2017 A restrição da saúde como direito diante da deterioração do quadro de subfinanciamento do SUS no contexto da EC 95/2016 e do ajuste

Leia mais

Desigualdades e federalismo em contexto de crise:

Desigualdades e federalismo em contexto de crise: III Congresso Brasileiro de Política, Planejamento e Gestão em Saúde Desigualdades e federalismo em contexto de crise: desafios para a atuação do Estado no planejamento e na gestão territorial da política

Leia mais

Programa Mais médicos E Provab NORTE. Oficina Regional

Programa Mais médicos E Provab NORTE. Oficina Regional Programa Mais médicos E Provab NORTE Oficina Regional Belém PA Junho 2014 Política Nacional de Atenção Básica Construção Tripartite Federal Estadual Municipal Atenção Básica: trajetória de 2011-2014 Atenção

Leia mais

Reforma Tributária. Bernard Appy Março de 2018

Reforma Tributária. Bernard Appy Março de 2018 Reforma Tributária Bernard Appy Março de 2018 Introdução: Desafios para o Crescimento do Brasil Introdução Desafios para o crescimento do Brasil O Brasil está saindo de uma das maiores recessões de sua

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA CONSTITUCIONAL O DESMANCHE DO SUS

PROPOSTA DE EMENDA CONSTITUCIONAL O DESMANCHE DO SUS PROPOSTA DE EMENDA CONSTITUCIONAL 241 - O DESMANCHE DO SUS Proposta de Emenda Constitucional - PEC 241 A PROPOSTA OBJETIVO Alterar a Constituição Federal instituindo um novo Regime Fiscal para os Poderes

Leia mais

Legislação do SUS. SEGURIDADE SOCIAL E SAÚDE Prof.ª Andrea Paula

Legislação do SUS. SEGURIDADE SOCIAL E SAÚDE Prof.ª Andrea Paula Legislação do SUS Tema: CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988 SEGURIDADE SOCIAL E SAÚDE Prof.ª Andrea Paula Art. 194. A seguridade social compreende um conjunto integrado de ações de iniciativa...

Leia mais

Mauro Guimarães Junqueira Presidente - Conasems

Mauro Guimarães Junqueira Presidente - Conasems Mauro Guimarães Junqueira Presidente - Conasems CONTEXTO Conasems - Conselho Nacional de Secretarias municipais de Saúde Representante ins7tucional das 5.570 secretarias municipais de saúde nos órgãos

Leia mais

Orçamento Público e Financiamento da Saúde. Sérgio Francisco Piola Ipea

Orçamento Público e Financiamento da Saúde. Sérgio Francisco Piola Ipea Orçamento Público e Financiamento da Saúde Sérgio Francisco Piola Ipea São Paulo, 7 de junho de 2010 Cinco pontos importantes 1. Insuficiência de recursos para a saúde pública não é recente; 2. Gastos

Leia mais

APLICAÇÃO DA METODOLOGIA DE CUSTOS DO SIC:

APLICAÇÃO DA METODOLOGIA DE CUSTOS DO SIC: APLICAÇÃO DA METODOLOGIA DE CUSTOS DO SIC: ANÁLISE DO SISTEMA DE SAÚDE DOS MUNICÍPIOS DO RIO GRANDE DO SUL Angelo Pagot Zortea 11/10/2013 1 Introdução Aplicação dos conceitos da metodologia utilizada no

Leia mais

Financiamento do SUS na ótica municipalista

Financiamento do SUS na ótica municipalista A política de financiamento do SUS na ótica municipalista PAULO ZIULKOSKI Presidente da CNM Brasília/DF - 2009 Constituição Federal Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante

Leia mais

ENFERMAGEM LEGISLAÇÃO EM SAÚDE

ENFERMAGEM LEGISLAÇÃO EM SAÚDE ENFERMAGEM LEGISLAÇÃO EM SAÚDE Sistema Único de Saúde - SUS: Constituição Federal, Lei Orgânica da Saúde - Lei nº 8.080 de 1990 e outras normas Parte 19 Profª. Tatianeda Silva Campos Pacto de Gestão do

Leia mais

clientelismo, o que dificulta a continuidade das políticas públicas de saúde; 3- Defender a necessidade de readequação do modelo de financiamento que

clientelismo, o que dificulta a continuidade das políticas públicas de saúde; 3- Defender a necessidade de readequação do modelo de financiamento que CARTA DE IGUATU Os Secretários Municipais de Saúde do Ceará estiveram reunidos no Campus Multi Institucional Humberto Teixeira, em Iguatu, para o XVII Congresso das Secretarias Municipais de Saúde do Ceará,

Leia mais

Saúde Coletiva - Pactos Pela Vida, em Defesa do SUS e de Gestão.

Saúde Coletiva - Pactos Pela Vida, em Defesa do SUS e de Gestão. Saúde Coletiva - Pactos Pela Vida, em Defesa do SUS e de Gestão. PROFESSOR EDUARDO ARRUDA A OMS: Estatística com mais de 100 indicadores nos 193 estados-membros; O relatório (2011): doenças crônicas (diabetes,

Leia mais

026/2016 DOMINGUEIRA DE 04/09/ /2016 DOMINGUEIRA DE 20/11/2016

026/2016 DOMINGUEIRA DE 04/09/ /2016 DOMINGUEIRA DE 20/11/2016 AS PEGADINHAS DA PEC 55 (ANTIGA PEC 241) QUE ESCONDEM OS PREJUÍZOS PARA O SUS Francisco R. Funcia Uma característica marcante do processo de tramitação tanto da PEC 241 na Câmara dos Deputados, como da

Leia mais

REFORMA TRIBUTÁRIA QUE O ESTADO DO CEARÁ QUER. Maio de 2018

REFORMA TRIBUTÁRIA QUE O ESTADO DO CEARÁ QUER. Maio de 2018 MAIO DE 2018 1 REFORMA QUE O ESTADO DO CEARÁ QUER Maio de 2018 2 PROPOSTA DE REFORMA DO SINDICATO DOS FAZENDÁRIOS DO CEARÁ-SINTAF 3 1- ALTERAÇÃO DO PACTO FEDERATIVO Sobre este ponto, o SINTAF defende o

Leia mais

Financiamento do Programa de Arboviroses desafios e possibilidades

Financiamento do Programa de Arboviroses desafios e possibilidades Financiamento do Programa de Arboviroses desafios e possibilidades BRIGINA KEMP C U R S O : V I G I L Â N C I A E M S A Ú D E - P L A N E J A M E N T O E O R G A N I Z A Ç Ã O D A G E S TÃ O M U N I C

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 141/2012

LEI COMPLEMENTAR Nº 141/2012 LEI COMPLEMENTAR Nº 141/2012 Regulamenta o 3 o do art. 198 da Constituição Federal para dispor sobre os valores mínimos a serem aplicados anualmente pela União, estados, Distrito Federal e municípios em

Leia mais

Linhas gerais e desafios da Política Nacional da Atenção Básica. Setembro, 2012

Linhas gerais e desafios da Política Nacional da Atenção Básica. Setembro, 2012 Linhas gerais e desafios da Política Nacional da Atenção Básica Portaria 2488 Setembro, 2012 Política Nacional de Atenção Básica Portaria n. 2488, de 21 de outubro de 2011. AAtençãoBásica é oprimeiropontodeatençãoàsaúde

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE FERRAMENTAS DE GESTÃO MUNIICPAL E O PAPEL DO DEPARTAMENTO REGIONAL DE SAÚDE Adriana Ruzene Departamento Regional de Saúde de Franca/SP email: drs8@saude.sp.gov.br SECRETARIA

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua O Financiamento do SUS: CF-88 art. 198: O SUS é financiado por recursos do Orçamento da Seguridade Social da União, dos estados, do Distrito

Leia mais

Estratégias de Fortalecimento da Atenção Básica no Estado de Mato Grosso Leda Maria de Souza Villaça Secretária Municipal de Saúde de Juína

Estratégias de Fortalecimento da Atenção Básica no Estado de Mato Grosso Leda Maria de Souza Villaça Secretária Municipal de Saúde de Juína Encontro Estadual para Fortalecimento da Atenção Básica Estratégias de Fortalecimento da Atenção Básica no Estado de Mato Grosso Leda Maria de Souza Villaça Secretária Municipal de Saúde de Juína Juína

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO, FEDERALISMO E REGIME DE COLABORAÇÃO

SISTEMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO, FEDERALISMO E REGIME DE COLABORAÇÃO SISTEMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO, FEDERALISMO E REGIME DE COLABORAÇÃO Mariza Abreu Consultora Legislativa da Câmara dos Deputados Audiência Pública da Comissão de Educação, Cultura e Esporte Senado Federal,

Leia mais

ECONOMIA E SAÚDE. Marcio Pochmann Presidente do Ipea. Brasília, 09 de março/2012

ECONOMIA E SAÚDE. Marcio Pochmann Presidente do Ipea. Brasília, 09 de março/2012 ECONOMIA E SAÚDE Colaboradores: Diretoria de Estudos e Políticas Sociais do Ipea: -Jorge Abrahão Castro -Luciana Mendes Servo Marcio Pochmann Presidente do Ipea Assessoria Técnica da Presidência do Ipea:

Leia mais

Financiamento da Saúde. Fortaleza, 15 de maio de 2015.

Financiamento da Saúde. Fortaleza, 15 de maio de 2015. Financiamento da Saúde Fortaleza, 15 de maio de 2015. BASE LEGAL Constituição Federal Lei 8080 / 8142 Lei Complementar n. 141 (Regulamentação EC 29) EC 86 Linha do tempo do financiamento do SUS EC Nº 29

Leia mais

Associação Brasileira de Economia da Saúde - ABrES

Associação Brasileira de Economia da Saúde - ABrES Funcia Associação Brasileira de Economia da Saúde - ABrES SEMINÁRIO POLÍTICA ECONÔMICA E FINANCIAMENTO DA SAÚDE PÚBLICA PAINEL 2 O SUS FRENTE AO AJUSTE FISCAL: IMPACTO E PROPOSTAS Ajuste fiscal e os impactos

Leia mais

O SUS NA PERSPECTIVA DO CONASEMS. I FÓRUM NACIONAL PRÓ SUS 03 e 04 de outubro de 2016 Brasília / DF

O SUS NA PERSPECTIVA DO CONASEMS. I FÓRUM NACIONAL PRÓ SUS 03 e 04 de outubro de 2016 Brasília / DF O SUS NA PERSPECTIVA DO CONASEMS I FÓRUM NACIONAL PRÓ SUS 03 e 04 de outubro de 2016 Brasília / DF DIMENSÕES DO SUS 200 Milhões de cidadãos 4,1 Bilhões de procedimentos ambulatoriais 1,4 Bilhão de consultas

Leia mais

Financiamento para Equipes de Atenção Básica

Financiamento para Equipes de Atenção Básica Financiamento para Equipes de Atenção Básica Reunião do GT de Atenção da CIT Brasília-DF Março 2018 Implantação de Equipe de Atenção Básica Equipe da Atenção Básica (eab): esta modalidade deve atender

Leia mais

TETO DO GASTO E SAÚDE PÚBLICA

TETO DO GASTO E SAÚDE PÚBLICA TETO DO GASTO E SAÚDE PÚBLICA Introdução O objetivo do presente estudo é analisar os possíveis impactos aos gastos com saúde decorrentes da aplicação da Emenda Constitucional nº 95 de 2016 que institui

Leia mais

CUIABÁ MT DEZEMBRO 2016

CUIABÁ MT DEZEMBRO 2016 CUIABÁ MT DEZEMBRO 2016 DEBATE SOBRE CONJUNTURA Desafio dos trabalhadores e a Conjuntura econômica Nível de Atividade PIB x PIB per capita: Brasil 1950-2010 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE ORÇAMENTO

PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE ORÇAMENTO PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE ORÇAMENTO ORÇAMENTO O orçamento é uma ferramenta de planejamento (aprovado por lei) contendo a previsão de receitas e estimativa de despesas

Leia mais

PORTARIA Nº 3.863, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2017

PORTARIA Nº 3.863, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2017 PORTARIA Nº 3.863, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2017 Habilita Estados, Municípios e Distrito Federal, a receberem, em parcela única, recursos fundo a fundo destinados à aquisição de Unidade Móvel SAMU 192. O MINISTRO

Leia mais

SUPERAR OS FALSOS DILEMAS E ENFRENTAR OS VERDADEIROS DESAFIOS JANUARIO MONTONE

SUPERAR OS FALSOS DILEMAS E ENFRENTAR OS VERDADEIROS DESAFIOS JANUARIO MONTONE SUPERAR OS FALSOS DILEMAS E ENFRENTAR OS VERDADEIROS DESAFIOS JANUARIO MONTONE 15 anos de Regulação Limites estruturais do sistema de saúde Superar os falsos dilemas e enfrentar os verdadeiros desafios

Leia mais

SEMINÁRIO SOBRE FINANCIAMENTO E GASTO PÚBLICO NO ESTADO DE SÃO PAULO. Auditório José Ademar - Secretaria Estadual da Saúde São Paulo 04/07/2016

SEMINÁRIO SOBRE FINANCIAMENTO E GASTO PÚBLICO NO ESTADO DE SÃO PAULO. Auditório José Ademar - Secretaria Estadual da Saúde São Paulo 04/07/2016 SEMINÁRIO SOBRE FINANCIAMENTO E GASTO PÚBLICO NO ESTADO DE SÃO PAULO Auditório José Ademar - Secretaria Estadual da Saúde São Paulo 04/07/2016 Lei Orçamentária Anual União LOA União - Total, Seguridade

Leia mais

APPGG - SÃO PAULO - CRONOGRAMA GESTÃO GOVERNAMENTAL

APPGG - SÃO PAULO - CRONOGRAMA GESTÃO GOVERNAMENTAL ANEXO GESTÃO GOVERNAMENTAL Professor 1. Avaliação e monitoramento de políticas públicas. Maria das Graças Rua 30/09 13. Serviços públicos no município, qualidade no serviço público, modalidades de execução:

Leia mais

ENFERMAGEM LEGISLAÇÃO EM SAÚDE

ENFERMAGEM LEGISLAÇÃO EM SAÚDE ENFERMAGEM LEGISLAÇÃO EM SAÚDE Sistema Único de Saúde - SUS: Constituição Federal, Lei Orgânica da Saúde - Lei nº 8.080 de 1990 e outras normas Parte 16 Profª. Tatiane da Silva Campos Outras normas complementares

Leia mais

Política Regional e Desenvolvimento Nacional. Pedro Cavalcante Secretaria de Desenvolvimento Regional

Política Regional e Desenvolvimento Nacional. Pedro Cavalcante Secretaria de Desenvolvimento Regional Política Regional e Desenvolvimento Nacional Pedro Cavalcante Secretaria de Desenvolvimento Regional Porque uma nova PNDR? 1. Apesar dos avanços recentes ainda somos um dos países mais desiguais do mundo

Leia mais

RECURSOS PARA A ÁREA DA SAÚDE

RECURSOS PARA A ÁREA DA SAÚDE RECURSOS PARA A ÁREA DA SAÚDE François E. J. de Bremaeker Rio de Janeiro, fevereiro de 2017 NOTA EXPLICATIVA Esta nova edição do estudo apresenta novos dados relativos aos repasses federais na área da

Leia mais

PEC 15/2015. O novo Fundeb como contribuição para a construção do custo aluno qualidade (CAQ) Nelson Cardoso Amaral Universidade Federal de Goiás

PEC 15/2015. O novo Fundeb como contribuição para a construção do custo aluno qualidade (CAQ) Nelson Cardoso Amaral Universidade Federal de Goiás PEC 15/2015 O novo Fundeb como contribuição para a construção do custo aluno qualidade (CAQ) Nelson Cardoso Amaral Universidade Federal de Goiás Há uma inter-relação entre o PNE, o CAQ e o Fundeb Meta

Leia mais

PEC n 241. o novo regime fiscal e seus possíveis impactos SINDPD - RJ

PEC n 241. o novo regime fiscal e seus possíveis impactos SINDPD - RJ PEC n 241 o novo regime fiscal e seus possíveis impactos SINDPD - RJ 19 de Outubro de 2016 Contexto Estabelece o Novo Regime Fiscal ; Obedece as iniciativas de ajuste fiscal de curto prazo propostas pelo,

Leia mais

Objetivos. Representação dos municípios brasileiros, sobretudo pequenos e médios. Aprimoramento do pacto federativo

Objetivos. Representação dos municípios brasileiros, sobretudo pequenos e médios. Aprimoramento do pacto federativo 69 anos de história Fundada em 15 de março de 1946, no Rio de Janeiro Entidade Municipalista mais antiga do Brasil e da América Latina Atua em um regime de íntima cooperação com as municipalidades, instituições

Leia mais

PEC 01/2015, 04/2015, 143/2015 e 241/2016 e seus efeitos sobre o financiamento do SUS

PEC 01/2015, 04/2015, 143/2015 e 241/2016 e seus efeitos sobre o financiamento do SUS ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL AUDIÊNCIA PÚBLICA FINANCIAMENTO DO SUS AVANÇOS E DESAFIOS 29 de junho de 2016 PEC 01/2015, 04/2015, 143/2015 e 241/2016 e seus efeitos sobre o financiamento

Leia mais

Pacto de Gestão do SUS. Pacto pela Vida. Pacto em Defesa do SUS

Pacto de Gestão do SUS. Pacto pela Vida. Pacto em Defesa do SUS Pacto de Gestão do SUS Pacto pela Vida Pacto em Defesa do SUS PACTO PELA SAÚDE Conjunto de reformas institucionais do SUS. Pacto entre União, Estados e Municípios. Objetivo - promover inovações nos processos

Leia mais

O SUS EM SÃO PAULO E OS MUNICÍPIOS

O SUS EM SÃO PAULO E OS MUNICÍPIOS O SUS EM SÃO PAULO E OS MUNICÍPIOS Audiência Pública ALESP 20/10/2015 1) FINANCIAMENTO 2) AS ATRIBUIÇÕES DOS MUNICIPIOS 3) RELAÇÕES INTERFEDERATIVAS Audiência Pública ALESP 20/10/2015 Regra de Aplicação

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO E NORMAS DE COOPERAÇÃO

SISTEMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO E NORMAS DE COOPERAÇÃO SISTEMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO E NORMAS DE COOPERAÇÃO Audiência Pública em 14/6/16 Na Comissão de Educação da Câmara dos Deputados Adão Francisco de Oliveira Secretário de Estado da Educação do Tocantins

Leia mais

CURSO: Desafios da Implantação dos Dispositivos do Decreto 7.508

CURSO: Desafios da Implantação dos Dispositivos do Decreto 7.508 XXVIII Congresso de Secretários Municipais de do Estado de São Paulo CURSO: Desafios da Implantação dos Dispositivos do Decreto 7.508 CRS Coordenadoria de Regiões de da Secretaria de Estado da de São Paulo

Leia mais

Wilames Freire Bezerra COSEMS-Ce

Wilames Freire Bezerra COSEMS-Ce Wilames Freire Bezerra COSEMS-Ce IGUALDADE E EQUIDADE Constituição: Preâmbulo...instituir um Estado Democrático, destinado a assegurar o exercício dos direitos sociais e individuais, a liberdade, a segurança,

Leia mais

Contextualização. Desmonte das iniciativas conduzidas pelos governos federal e estadual no financiamento de programas urbanos

Contextualização. Desmonte das iniciativas conduzidas pelos governos federal e estadual no financiamento de programas urbanos Financiamento Municipal e Urbano no Brasil: Uma abordagem analítica Maria Cristina Mac Dowell Diretora de Educação Escola de Administração Fazendária ESAF/MF Urban Research Symposium Brasília, 05 de abril

Leia mais

Regionalização e Planejamento Regional Integrado

Regionalização e Planejamento Regional Integrado Regionalização e Planejamento Regional Integrado SUS LEGAL Processo de Planejamento ascendente Rateio dos recursos, conforme LC 141/2012 Modelo de atenção Consolidação das normas do SUS Regionalização

Leia mais

Tendências e Perspectivas do Financiamento da Saúde no Brasil

Tendências e Perspectivas do Financiamento da Saúde no Brasil Tendências e Perspectivas do Financiamento da Saúde no Brasil Sérgio Francisco Piola Taller - Aspectos institucionais do Sistema Único de Saúde brasileiro: relação público-privada, relações federativas

Leia mais

Apresentação de Fernando Varella Economista e Diretor da Protec

Apresentação de Fernando Varella Economista e Diretor da Protec Comprometimento dos Recursos Financeiros do Governo com os Juros da Dívida Pública X Insuficientes Recursos para Inovação e Desenvolvimento Tecnológico Apresentação de Fernando Varella Economista e Diretor

Leia mais

PLANEJAMENTO ORÇAMENTÁRIO E FINANCEIRO À

PLANEJAMENTO ORÇAMENTÁRIO E FINANCEIRO À PLANEJAMENTO ORÇAMENTÁRIO E FINANCEIRO À LUZ DAS PRIORIDADES DA ATENÇÃO À SAÚDE CONGRESSO COSEMS/SP - 2016 Áquilas Mendes Prof. Dr. Livre-Docente de Economia da Saúde da Faculdade de Saúde Pública da USP

Leia mais

1. Legislação federal referente à cultura no Brasil

1. Legislação federal referente à cultura no Brasil 1. Legislação federal referente à cultura no Brasil Emenda Constitucional 48/2005: cria o Plano Nacional de Cultura LEI Nº 12.343/2010- Aprova o Plano Nacional de Cultura e estabelece o Sistema Nacional

Leia mais

Business Conference As Regiões de Saúde e os Recursos Financeiros: Santa Catarina,

Business Conference As Regiões de Saúde e os Recursos Financeiros: Santa Catarina, As Regiões de Saúde e os Recursos Financeiros: Santa Catarina, 2008-2011 Luís Fernando Kranz Mestre em Administração pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS); Roger dos Santos Rosa Doutor

Leia mais

Fabiola Sulpino Vieira Coordenadora-Geral de Economia da Saúde Departamento de Economia da Saúde, Investimentos e Desenvolvimento Secretaria

Fabiola Sulpino Vieira Coordenadora-Geral de Economia da Saúde Departamento de Economia da Saúde, Investimentos e Desenvolvimento Secretaria Financiamento e Gasto em Saúde no Brasil Fabiola Sulpino Vieira Coordenadora-Geral de Economia da Saúde Departamento de Economia da Saúde, Investimentos e Desenvolvimento Secretaria Executiva Ministério

Leia mais

Monitoramento e Avaliação do Plano Plurianual. Brasília, 16 de novembro de 2005

Monitoramento e Avaliação do Plano Plurianual. Brasília, 16 de novembro de 2005 Monitoramento e Avaliação do Plano Plurianual Brasília, 16 de novembro de 2005 1 Monitoramento e Avaliação do PPA Objetivos Proporcionar maior transparência às ações de governo; Auxiliar a tomada de decisão;

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua MDS responsável por coordenar a PNAS competências (art. 19 e outros): coordenar e articular as ações no campo da assistência social; propor

Leia mais

PORTARIA Nº 3.378, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2017

PORTARIA Nº 3.378, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2017 PORTARIA Nº 3.378, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2017 Habilita o Estado, Município ou Distrito Federal a receber recursos referentes ao incremento temporário do Limite Financeiro da Assistência de Média e Alta

Leia mais

Regionalização e Rede de Atenção à Saúde: CONCEITOS E DESAFIOS. Jorge Harada

Regionalização e Rede de Atenção à Saúde: CONCEITOS E DESAFIOS. Jorge Harada Regionalização e Rede de Atenção à Saúde: CONCEITOS E DESAFIOS Jorge Harada Voltando no tempo... Estado autoritário, controlador, centralizador Sistema de Saúde Fragmentado Restrição de acesso Sem participação

Leia mais

Desafios da Política Fiscal

Desafios da Política Fiscal Desafios da Política Fiscal II Fórum: A Mudança do Papel do Estado - Estratégias para o Crescimento Vilma da Conceição Pinto 07 de dezembro de 2017 Mensagens Alta dos gastos primários não é recente, porém

Leia mais

PORTARIA Nº 3.380, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2017

PORTARIA Nº 3.380, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2017 PORTARIA Nº 3.380, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2017 Habilita Municípios a receberem recursos referentes ao incremento temporário do Piso da Atenção Básica (PAB). O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições

Leia mais

Programação Orçamentária 2012

Programação Orçamentária 2012 Programação Orçamentária 2012 Ministério da Fazenda Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Fevereiro de 2012 1 2 3 Bens 4 Serviços 5 6 Desenvolvimento Sustentável Ampliação dos investimentos Fortalecimento

Leia mais

Proteção social e novos desafios para a descentralização fiscal: o caso brasileiro

Proteção social e novos desafios para a descentralização fiscal: o caso brasileiro 18º Seminário Regional de Política Fiscal - CEPAL/ILPES Proteção social e novos desafios para a descentralização fiscal: o caso brasileiro Sesión Gobiernos sub-nacionales y políticas sociales CEPAL - Santiago,

Leia mais

Plano Decenal da Assistência Social: Desafios para os Entes Federados

Plano Decenal da Assistência Social: Desafios para os Entes Federados Plano Decenal da Assistência Social: Desafios para os Entes Federados Proteção Social para todos/as os/as brasileiros/as II Plano Decenal - 2016/2026 CARACTERÍSTICAS DOS PLANOS São técnicos e políticos;

Leia mais

O que é o PROESF? O Projeto de Expansão e. Consolidação do Saúde da Família - PROESF é uma iniciativa do Ministério da

O que é o PROESF? O Projeto de Expansão e. Consolidação do Saúde da Família - PROESF é uma iniciativa do Ministério da O que é o PROESF? O Projeto de Expansão e Consolidação do Saúde da Família - PROESF é uma iniciativa do Ministério da Saúde, apoiada pelo Banco Mundial - BIRD, voltada para a organização e o fortalecimento

Leia mais

Financiamento da Saúde

Financiamento da Saúde Financiamento da Saúde Eduany W. S. Callegaro Res. Gestão Hospitalar HU/UFJF E-mail: residecoadm.hu@ufjf.edu.br FINANCIAMENTO DA SAÚDE Garantir a universalidade e integralidade diante de um cenário de

Leia mais

Financiamento do SUS. Financiamento da ESF

Financiamento do SUS. Financiamento da ESF Financiamento do SUS Financiamento da ESF FINANCIAMENTO DO SUS SITE DE ACESSO: http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/o-ministerio/principal/siops/mais-sobresiops/5976-financiamento-do-sus FINANCIAMENTO

Leia mais