3.1- INTERMEDIÁRIOS DO COMÉRCIO INTERNACIONAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "3.1- INTERMEDIÁRIOS DO COMÉRCIO INTERNACIONAL"

Transcrição

1 3. AGENTES DO COMÉRCIO INTERNACIONAL E CONTRATOS 3.1- INTERMEDIÁRIOS DO COMÉRCIO INTERNACIONAL 3.2- MODOS DE TRANSPORTE 3.3- INCOTERMS ou TERMOS COMERCIAIS e CRÈDITOS DOCUMENTÁRIOS 3.4- ESTRATÉGIAS DE MARKETING INTERNACIONAL 3.1- INTERMEDIÁRIOS DO COMÉRCIO INTERNACIONAL

2 3.1- INTERMEDIÁRIOS DO COMÉRCIO INTERNACIONAL Intermediários na operação comercial 1) Transportadores Marítimos Por mar Fluviais Terrestres Rodoviários Ferroviários Aéreos 2) Agentes e operadores -- Transitários -- Agentes de navegação Operadores portuários Entidades alfandegárias Autoridades marítimas e portuárias Despachantes Seguradoras Entidades financeiras

3 Tipos de venda Vende-se mercadoria na fábrica Vende-se mercadoria com responsabilidade de a colocar em casa do cliente

4 a) TRANSITÁRIOS A tendência das empresas vai cada vez mais no sentido de se recentrarem no seu core business. Os serviços de transporte e outras actividades tornam-se acessórias para a empresa, pelo que recorrem a profissionais para a prestação desses serviços Transitário Agente da operação de transporte especializado que assegura em condições normais a colocação de mercadorias no ponto de destino. Para isso, arquitecta a melhor solução de transporte, razão porque se identifica como operador de serviço combinado (OTC) OTC Operador de Transporte Combinado ou transitário O Transitário -- Não é dono das plataformas logísticas -- Não é dono dos modos de transporte -- É um broker que procura, contrata e coordena os operadores de transporte e de logística Transitários são agentes que fundamentalmente -- lidam com a informação sobre procura e oferta de transportes -- tratam da carga e condições de acondicionamento -- organizam, controlam e efectivam o transporte da carga -- estabelecem relações internacionais

5 Os transitários são especialistas de transporte, quaisquer que sejam: - transporte aéreo - transporte rodoviário - transporte ferroviário - transporte marítimo, neste caso dada a sua complexidade tem de acorrer aos serviços de um operador especializado, o AGENTE DE NAVEGAÇÃO, também, porque para entrar no porto e lidar com o armador são necessárias licenças especiais A vocação dos transitários pode orientar-se em função: -da região dependente da necessidade de conhecer a rede de distribuição, por exemplo, há transitários especialistas na actividade rodoviária centrada na Inglaterra, Norte da Europa ou para o mediterrâneo -da actividade -da região e actividade Os transitários relacionam-se com todos os operadores e são especialistas em regras do comércio externo Quem arquitecta a solução de transporte? O transitário

6 Missão do transitário: arquitectar soluções de transporte Ao transitário incumbe: -- Planeamento -- Controlo -- Coordenação -- Direcção Operações necessárias para cumprir as formalidades e trâmites exigidos na expedição, recepção e circulação de mercadorias, visando obter economias de custos, celeridade de meios e qualidade das operações

7 b) AGENTE DE NAVEGAÇÃO Entidade autorizada a operar o navio e cargas no porto. Entidade que realiza as actividades directamente relacionadas com a carga e o navio ou outras actividades associadas e a encontrar soluções de transporte para os carregadores ou donos de carga Carregadores, referem-se aos agentes com a responsabilidade de dispor de cargas, não tendo que ser os seus donos ou proprietários. Por exemplo, um transitário pode ser um carregador, assim como o dono da fábrica pode ser um carregador desde que seja ele a tratar directamente com o transportador Operações essenciais do agente de navegação a) Linha regular, refere-se a serviço prestado, para o transporte de carga ou mercadoria, por navio que regularmente escala determinados portos num certo tempo pré-estabelecido b) Tramping, refere-se a serviço prestado por navio que navega ou se mantém em certa zona marítima ou num porto e que se contrata para transportar com rapidez certa carga ou mercadoria de um porto para outro c) NVOCC, refere-se ao serviço prestado por navio para o transporte de carga ou mercadoria aproveitando espaço disponível num navio já contratado por outra entidade e que se sujeita à prioridade estabelecida pelo anterior contratante. Ou seja, serviço adicional prestado por determinado navio já contratado, ainda com espaço livre e disponível vendido a preço muito baixo. O navio não garante prazos ficando dependente do tempo que demora a chegar ao destino

8 Principais actividades de uma agência de navegação -- Representação do armador -- Desenvolvimento de linhas regulares -- Operações de tramping -- Operações de NVOCC -- Operações de rebocagem de navios O agente de navegação representante do armador num porto tem por função a assistência ao navio e à tripulação e pode assegurar funções de: Agenciamento geral Agenciamento ocasional Sub-agenciamento O porto é um local de fronteira, logo o contacto com o navio acostado no porto tem de ser autorizado a uma entidade, neste caso o agente de navegação que, por sua vez, tem certificado um seu funcionário que se denomina caixeiro do mar, pessoa que trata dos serviços que necessitam do contacto com o navio e tripulação

9 Características dos serviços especializados realizados pelos transportes marítimos a) NVOCC Cotação baixa Rota indiferente Rapidez é pouco relevante b) Tramping Rapidez é determinante Cotação elevada c) Linhas regulares Funções do caixeiro do mar -- Prestar assistência ao navio, ao capitão e à tripulação -- Prestar apoio administrativo ao navio -- Elemento de ligação entre a agência, o navio e o armador -- Recolher dados e informações para o preenchimento dos documentos do navio

10 c) OPERADORES PORTUÁRIOS São organizações que asseguram nos portos, através da utilização de equipamentos adequados, a carga e descarga de mercadorias ou cargas de navios fundeados ou ancorados no porto, bem como as operações do seu manuseamento no cais e dentro do navio Actividades principais do operador portuário: -- Carga e descarga de navios -- Manuseamento e acondicionamento da carga dentro do navio -- Manuseamento e acondicionamento da carga no porto -- Gestão do espaço de acondicionamento e gestão no cais da carga Clientes do porto são os agentes de navegação, os armadores e os recebedores ou exportadores das cargas O operador portuário trata da carga que carrega, descarrega e manuseia no cais e no navio As operações portuárias dizem respeito a todas as tarefas efectuadas numa zona portuária entre o cais e o navio ou no cais e no navio e que se relacionam com a movimentação da carga e/ou mercadoria A inoperacionalidade dos portos reflecte-se em custos de operação da carga mais elevados ou custos de ineficiência, o que se reflecte na economia em geral

11 OPERADOR PORTUÁRIO Como o porto é zona de fronteira só se pode operar no cais com autorização, razão porque os operadores portuários têm de ser licenciados

12 3.2- MODOS DE TRANSPORTE a) TRANSPORTE MARÍTIMO Tipos de navio -- Pesca -- Pesquisa -- Manutenção/apoio -- Transporte Passageiros Ferries Hovercrafts Jetfoil Hidrofoil Carga geral Convencional Unitizada (ex. contentor) RO/RO (roll-on roll-off) Porta contentores Porta-barcaças

13 (continua) -- Carga a granel Carga líquida e gás Petroleiros (ex. tankeers) Gasómetros Outros Carga sólida Graneleiros Multi-purpose Outros Outras especializadas Heavy-liffs Reefers Outros -- Mistos Carga combinada O/O (Ore/Oil) O/B/O (Ore/Bulk/Oil)

14 O porto é um centro logístico Navio Porto Camião Comboio Intermodalidade Fluxos materiais Fluxos de informação Subsistema rodo-ferroviário Apoio logístico de 2ª linha Subsistema rodo-ferroviário Origem Porto Porto Destino Subsistema marítimo

15 Caracterização dos portos Principais (ex: porto de Roterdão) Secundários (ex: porto de Lisboa) Regionais Tipologia de serviços com base no tipo de porto e dimensão dos navios Transhipment e/ou porta-contentores Feeders ou transporte de distribuição Cabotagem ou transporte de pequena escala entre portos próximos e navegação próximo da costa

16 O contentor A introdução do contentor nos anos 60/70 revolucionou os modos de transporte e os centros de carga ou plataformas logísticas TEU Da unidade de mercadoria passou-se para a unidade de carga Ao trabalho de juntar mercadorias para colocar no contentor chama-se grupagem ou consolidação

17 Armador, quem explora comercialmente o navio Fretador, quem dá o navio para exploração comercial Afretador, quem toma o navio para exploração comercial Modalidades de fretamento marítimo -- Fretamento por viagem (voyage charter) -- Fretamento a tempo (time charter) [responsabilidade de gestão comercial] -- Fretamento em casco nu (bare boat charter) [entregam o navio para preparar e realizar a gestão náutica e a gestão comercial] A gestão do navio distingue-se em dois tipos: a) Gestão náutica manutenção navegação segurança do navio contratação da tripulação b) Gestão comercial Aprovisionamentos Despesas portuárias Despesas de escala

18 b) TRANSPORTE FERROVIÁRIO Tipos de serviço que uma companhia de caminhos-de-ferro pode fornecer: -- Grupagem (pegar nas cargas que vão para o mesmo destino e colocá-las no mesmo contentor) -- Serviços expresso -- Serviços de vagão completo -- Serviços de comboio completo Serviços por especialidade -- Serviços de frio (transporte de produtos perecíveis) -- Serviços de contentores -- Serviços diversos ou multi-serviços O transporte ferroviário é um serviço rígido fortemente delimitado pelas infra-estruturas (os carris, as estações e os terminais)

19 A operacionalidade do transporte ferroviário baseia-se em plataformas logísticas ou centros logísticos ou nó logísticos Intermodalidade (mesma entidade responsável por tudo) ou multi-modalidade, isto é, ligam-se diversos processos Serviço ou transporte multi-modal Serviço intermodal Tem a ver com processos (há vários responsáveis) Inclui sempre o transporte Tem a ver com o sistema (há um responsável)

20 c) TRANSPORTE AÉREO Regulado pela Convenção de Varsóvia com base no Protocolo de Haia e Protocolo de Montreal Tipo de contratos a) Fretamento ou charter Alugo um avião (diz respeito ao equipamento) Contrato de fretamento b) Mercadoria ou carga Diz respeito à mercadoria; tenho um contrato para o transporte aéreo de uma mercadoria Contrato denominado Air way bill ou Carta de porte A principal característica do transporte aéreo é a velocidade Há contentores especiais para o transporte das mercadorias adoptados para os aviões Preço do frete aéreo é da ordem de +10/15 vezes do preço do frete marítimo por unidade de carga

21 Vantagens do transporte aéreo -- Redução de stocks -- Prazos menores para o transporte -- Custos acessórios menores -- Custos de embalagem menores -- Custos de seguros menores -- Não custos de bloqueio (o transporte aéreo não tem bloqueios de infra-estruturas ) Tipo de serviços -- Aluguer do avião (charter) -- Transporte de mercadorias e/ou carga -- Serviço courier (serviço de transporte rápido) Assenta num sistema de informação muito complexo A mercadoria tem menos de 40 kg por unidade

22 d) TRANSPORTE RODOVIÁRIO Regulado pela Convenção de Génova, também conhecida pela convenção CMR Tipos de serviços -- Camião completo -- Serviços de grupagem Tipos de equipamento -- Convencional -- Frigorífico -- Camião tanque -- Camiões cisterna -- Camião de dependurados (ex., no caso da indústria têxtil a mercadoria é pendurada) -- Transporte especial (transporte de grandes equipamentos, ex. gruas) -- Contentorizado Contentor Semi-reboque Tractor

23 Vantagens do transporte rodoviário -- Único que faz transporte a casa do cliente -- Grande flexibilidade -- Baixos custos acessórios -- Rapidez em pequenas e médias distâncias Desvantagens do transporte rodoviário -- Transporta pouca carga por unidade de transporte -- Poluente -- Contribui em elevado grau para o congestionamento EXPRESSÕES TÉCNICAS Transporte combinado: conjugação de diferentes meios de transporte Transporte modal: recurso a um meio de transporte indistintamente Transporte intermodal: dois ou mais meios de transporte coordenados por uma entidade Transporte multimodal: utilização de diferentes meios de transporte coordenados por diferentes entidades Serviço modal: serviço prestado com recurso a um meio de transporte incluindo todos os serviços necessários à operação Serviço multimodal: serviço prestado com recurso a diferentes meios de transporte incluindo todos os serviços necessários à operação

24 3.3- INCOTERMS ou TERMOS COMERCIAIS e CRÉDITOS DOCUMENTÁRIOS QUESTÃO: Qual o interesse de um industrial ao produzir e vender a mercadoria para um cliente estrangeiro, deve vender na fábrica, cabendo ao comprador a responsabilidade administrativa e de transporte desde a fábrica até ao destino, ou, ao invés, o industrial deve vender a mercadoria com o compromisso de a colocar em casa do cliente? HIPÓTESES: No primeiro caso, vende a mercadoria sujeita ao termo comercial EXW (ex-work) No segundo caso, vende a mercadoria sujeita ao termo comercial DDP (Delivered Duty Paid) RESPOSTA: Tratando-se de um industrial organizado com domínio do negócio, também no perspectiva do país, é de interesse vender DDP (Delivered Duty Paid), embora tenha de atender-se a especificidades de cada negócio. Este ponto de vista tem por base argumentos objectivos a desenvolver O responsável de marketing ao realizar o contrato deve estabelecer as condições de responsabilidade administrativas e de transporte seguro, onde é colocada a mercadoria, modos de transporte envolvidos, etc. Os INCOTERMS visam simplificar as condições contratuais pela simples enumeração do termo comercial no contrato, uma vez que ficam claramente definidas as responsabilidades das partes contratantes. Desta forma simplificam-se as relações comerciais internacionais e facilita-se o comércio, por abarcarem condições e práticas comummente utilizadas.

25 São treze os incoterms ou termos comerciais adoptados pela Câmara de Comércio Internacional -- EXW - Ex-works (Mercadoria embalada e colocada na fábrica ou no armazém do produtor) -- FCA - Free carrier (Mercadoria colocada no transporte e local acordado) -- FAS - Free along side (Mercadoria no cais ao lado do navio, no porto de origem) -- FOB - Free on board (Mercadoria dentro do navio, no porto de origem) -- CFR - Cost and freigth (Mercadoria no cais do porto de destino, sem responsabilidade do seguro) -- CIF - Cost, insurance and freigth (Mercadoria no cais do porto de destino) -- CPT - Carriage paid to (Transporte pago até local combinado) -- CIP - Carriage and insurance paid to (Transporte e seguro pagos até destino combinado) -- DAF - Delivered at frontier (Entregue na fronteira no local combinado) -- DES - Delivered ex-ship (Entregue a bordo no porto de destino) -- DEQ - Delivered ex-quay (Entregue no cais do porto de destino) -- DDU - Delivered duty unpaid (Entregue sem direitos pagos no porto de destino) -- DDP - Delivered duty paid (Entregue com direitos pagos no destino)

26 QUESTÃO: Quando um industrial vende uma mercadoria para um cliente estrangeiro ou, ao invés, um qualquer cliente adquire uma mercadoria em país estrangeiro, como se garante que a mercadoria corresponde ao que foi contratado e é liquidada nas condições acordadas? O industrial ou produtor bem como o cliente são de países diferentes e distantes HIPÓTESES: Primeira: O fabricante produz a mercadoria e envia-a para o cliente que se compromete a realizar o pagamento após receber a mercadoria (mas não concretiza o pagamento e o industrial perde a mercadoria) Segunda: O cliente realiza parte do pagamento para sinalizar a encomenda e no final liquida o restante (mas o industrial não fabrica a mercadoria ou fabrica diferente do contratado) Terceira: O fabricante produz a mercadoria e o cliente liquida na fábrica a mercadoria da qual toma posse (neste caso o cliente tem de deslocar-se à fábrica após a produção para levantar a mercadoria) SOLUÇÃO: A operação contratada é realizada com segurança para ambas as partes recorrendo ao serviço de uma terceira entidade bancária, estabelecendo um CRÉDITO DOCUMENTÁRIO (irrevogável)

27 Impasse Internacional Esquema simplificado de uma operação de crédito documentário

28 Legenda: 1) Contrato entre comprador e vendedor 2) Comprador obtém crédito documentário 3) Banco do comprador tratar com banco da praça/país do vendedor 4) Garantia de pagamento ao vendedor 5) Vendedor obtém empréstimo para financiar a sua produção garantido pelo crédito documentário 6) Banco, em geral, concede até cerca de 80% do crédito documentário e restante para cobrir juros 7) Vendedor envia a mercadoria depois de declarar na alfândega 8) Vendedor entrega ao banco notificante os documentos certificadores da expedição da mercadoria 9) Banco notificante faz o pagamento ao vendedor conforme contrato 10) Banco notificante apresentar documentos de expedição e de pagamento ao banco emissor 11) Banco emissor reembolsa o banco notificante e liquida taxas de intervenção 12) Banco emissor apresentar documentos de expedição e de pagamento ao comprador e cliente 13) Comprador e cliente paga o valor contratado mais comissões ao banco emissor 14) Comprador com documentos vai à alfândega e levanta a mercadoria 15) Comprador recebe a mercadoria remetida pelo vendedor

29 COUNTERTRADE As transacções realizadas no mercado internacional não envolvem apenas trocas de dinheiro por mercadorias. Muitas transacções realizam-se trocando mercadorias por mercadorias, uma parte de dinheiro e mercadorias por mercadorias e outras soluções. Estes processos são da maior importância para o comércio internacional e as soluções são encontradas das mais diversas. Estes processos de acordo contratual são abrangidos pelo que se conhece de transacções em COUNTERTRADE. Surgem sempre que as circunstâncias económicas estimulam descobrir as melhores soluções em cada momento Condições que justificam encontrar soluções de countertrade Falta de dinheiro Falta de valor ou credibilidade no dinheiro Recusa de aceitação da moeda como meio de troca Maior facilidade de transacção usando mercadorias Assegurar condições de negócio por períodos longos

30 Razão que estão na base das transacções em countertrade Elevado risco das operações financeiras face às situações de crise mundial Dar cobertura a reduções nos preços foras dos contratos das convenções internacionais Muitos países estão a aderir às noções de bilateralismos e, neste caso, preferem trocar mercadorias com os países que são os seus maiores parceiros de negócios Por entender-se ser um excelente mecanismo para entrar em novos mercados Para países pobres pode ser um bom processo para atrair os compradores que desta forma ganham vantagem em relação aos concorrentes Por poder fornecer estabilidade na venda a longo prazo Countertrade é uma filosofia de negócio baseada na troca directa de bens por dinheiro total ou parcial

31 O countertrade, entre outras, pode assumir as seguintes formas: Barter: duas empresas negoceiam bens e/ou serviços sem qualquer troca de moeda Compensação: a troca entre as partes tem a participação de terceiros e os pagamentos são feitos sem transferência de divisas Offset: o vendedor compromete-se a adquirir produtos fabricados pelo comprador, de valor igual ou parcial ao da venda realizada. São feitos contratos separados das duas negociações Buyback: o fornecedor de equipamentos compromete-se a adquirir produtos derivados do próprio projecto de investimento Clearing: operação em que intervêm os bancos centrais. Paralelamente à troca comercial é estabelecido um acordo switch Counterpurchase: as partes assinam dois contratos separados que especificam as mercadorias e os serviços a serem trocados sem que para isso haja coincidência temporal na concretização. A troca com frequência não é rigorosamente do mesmo valor, envolvendo o uso de dinheiro Parallel Barter: caso particular de counterpurchase

32 As transacções envolvem compromissos recíprocos?

INCONTERMS 2010. Grupo E (Partida) EXW EX Works A partir do local de produção ( local designado: fábrica, armazém, etc.)

INCONTERMS 2010. Grupo E (Partida) EXW EX Works A partir do local de produção ( local designado: fábrica, armazém, etc.) Numa negociação internacional, é muito importante que o gestor comercial esclareça com o seu cliente quais serão as condições de entrega a praticar para a mercadoria que vai ser transacionada, ou seja,

Leia mais

Faculdade Salesiana Dom Bosco de Piracicaba

Faculdade Salesiana Dom Bosco de Piracicaba Faculdade Salesiana Dom Bosco de Piracicaba Ana Paula Haypas Olvera Gabriela Itália Sartori Lucas Selles Marina Feo Luís Henrique João Comércio Exterior Contrato de Compra e Venda Internacional Piracicaba

Leia mais

Termos Internacionais de Comércio EXW FCA FAS FOB CFR CIF CPT CIP DAP DAT DDP

Termos Internacionais de Comércio EXW FCA FAS FOB CFR CIF CPT CIP DAP DAT DDP Termos Internacionais de Comércio EXW FCA FAS FOB CFR CIF CPT CIP DAP DAT DDP Aspectos Gerais Cada vez mais as empresas recorrem às potencialidades do mercado global. Neste contexto é necessária a perfeita

Leia mais

MÓDULO 5 Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS)

MÓDULO 5 Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS) MÓDULO 5 Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS) Os INCOTERMS são regras criadas pela Câmara de Comércio Internacional (CCI) para administrar conflitos que possam existir através da interpretação

Leia mais

Glossário Alfandega. Apólice. Balança comercial. Cobrança documentaria

Glossário Alfandega. Apólice. Balança comercial. Cobrança documentaria Glossário Alfandega Alfândega (do árabe al-fundaq, "hospedaria", "estalagem") ou aduana (do árabe addīwān, "registro", "escritório") é uma repartição governamental oficial de controlo do movimento de entradas

Leia mais

Contratos Internacionais de Compra e Venda & Incoterms

Contratos Internacionais de Compra e Venda & Incoterms Contratos Internacionais de Compra e Venda & Incoterms O contrato internacional é formal, bilateral, consensual, oneroso e comutativo, o que pressupõe agentes autônomos, livre formação de suas vontades

Leia mais

SEMINÁRIO TEMÁTICO VII: COMÉRCIO EXTERIOR EXEMPLO 1 EXEMPLO 2 AULA 02: OS FLUXOS COMERCIAIS BRASILEIROS

SEMINÁRIO TEMÁTICO VII: COMÉRCIO EXTERIOR EXEMPLO 1 EXEMPLO 2 AULA 02: OS FLUXOS COMERCIAIS BRASILEIROS SEMINÁRIO TEMÁTICO VII: COMÉRCIO EXTERIOR AULA 02: OS FLUXOS COMERCIAIS BRASILEIROS TÓPICO 04: TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO No tópico anterior você teve a oportunidade de conhecer os órgãos responsáveis

Leia mais

Aula 11 TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO - (INTERNATIONAL COMMERCIAL TERMS - INCO- TERMS). MAIA (2007) apresenta a Convenção de Genebra

Aula 11 TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO - (INTERNATIONAL COMMERCIAL TERMS - INCO- TERMS). MAIA (2007) apresenta a Convenção de Genebra Aula 11 TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO - (INTERNATIONAL COMMERCIAL TERMS - INCO- TERMS). MAIA (2007) apresenta a Convenção de Genebra Em 1931, os países membros da Liga das Nações (Órgão, naquela época,

Leia mais

VISÃO GERAL - INCOTERMS COMÉRCIO INTERNACIONAL. Contratos e Termos Internacionais de Comércio: INCOTERMS 2000

VISÃO GERAL - INCOTERMS COMÉRCIO INTERNACIONAL. Contratos e Termos Internacionais de Comércio: INCOTERMS 2000 COMÉRCIO INTERNACIONAL VISÃO GERAL - INCOTERMS Contratos e Termos Internacionais de Comércio: INCOTERMS 2000 Prof.Nelson Guerra Concurso Receita Federal EXW Ex Works Tradução: Na Origem Exemplo: EXW-Curitiba

Leia mais

Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS 2010)

Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS 2010) PUCGO 2014 Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS 2010) Convenção das Nações Unidas sobre Contratos de Compra e Venda Internacional de Mercadorias (Convenção de Viena) Regras estándar internacionalmente

Leia mais

Agenciamento de Cargas Importação Marítima

Agenciamento de Cargas Importação Marítima Agenciamento de Cargas Importação Marítima Jailson de Souza Agenciamento de Cargas Definição Sistemática, como trabalha, intermediários, contratação de serviços Vantagens do Agenciamento de Cargas O que

Leia mais

SEGUROS E RISCOS EM TRANSPORTE INTERNACIONAL. Profª MSc Cristiana Rennó D Oliveira Andrade

SEGUROS E RISCOS EM TRANSPORTE INTERNACIONAL. Profª MSc Cristiana Rennó D Oliveira Andrade SEGUROS E RISCOS EM TRANSPORTE INTERNACIONAL Profª MSc Cristiana Rennó D Oliveira Andrade TRANSPORTE INTERNACIONAL Transporte Internacional: comercial e global progresso e desenvolvimento troca e circulação

Leia mais

9. INCOTERMS. CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio FONTES: Exterior. São Paulo: Aduaneiras, 2010.

9. INCOTERMS. CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio FONTES: Exterior. São Paulo: Aduaneiras, 2010. 9. INCOTERMS CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio FONTES: SILVA, Luiz Augusto Tagliacollo. Logística no Comércio Exterior. São Paulo: Aduaneiras, 2010. SOUZA, José Meireles de Sousa. Gestão do Comércio

Leia mais

Escola Secundária de Paços de Ferreira. Módulo 21 Comércio Internacional

Escola Secundária de Paços de Ferreira. Módulo 21 Comércio Internacional Escola Secundária de Paços de Ferreira Módulo 21 Comércio Internacional Trabalho realizado por: Mafalda Neves 12ºS 2009/2010 Importação É o processo comercial e fiscal que consiste em trazer um bem, que

Leia mais

O Uso dos Incoterms na Exportação

O Uso dos Incoterms na Exportação O Uso dos Incoterms na Exportação Por JOSÉ ELIAS ASBEG Auditor Fiscal da Receita Federal do Brasil Belém - Pará Nas exportações brasileiras, são aceitas quaisquer condições de venda praticadas no comércio

Leia mais

Unidade II LOGÍSTICA PARA. Prof. Márcio Antoni

Unidade II LOGÍSTICA PARA. Prof. Márcio Antoni Unidade II LOGÍSTICA PARA IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO Prof. Márcio Antoni Termos comerciais internacionais: Incoterms 2000 São regras que limitam os direitos e as obrigações de compradores e vendedores no

Leia mais

Exportar e Internacionalizar, Como?

Exportar e Internacionalizar, Como? Exportar e Internacionalizar, Como? WORKSHOP Ferramentas de Apoio à Internacionalização de Empresas 13 de Junho 2012 1 António Trigueiros de Aragão Uma moda? Uma tendência? Uma estratégia? Um novo mundo?

Leia mais

GUIA PRÁTICO DE APOIO ÀS EXPORTAÇÕES

GUIA PRÁTICO DE APOIO ÀS EXPORTAÇÕES GUIA PRÁTICO DE APOIO ÀS EXPORTAÇÕES 1. Aspectos operacionais 1.1 Roteiro para exportação 1º Passo Efetuar o registro de exportador na Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento,

Leia mais

GRUPO C Transporte principal pago pelo exportador (riscos do importador)

GRUPO C Transporte principal pago pelo exportador (riscos do importador) Na última aula, estudamos os INCOTERMS dos grupos E e F. Agora, discutiremos os INCOTERMS dos grupos C e D. Claro que nosso objetivo é identificar quais despesas (custos) e quais riscos (responsabilidade

Leia mais

Desembarque no local de entrega no destino Marco da transferência de risco da mercadoria negociada

Desembarque no local de entrega no destino Marco da transferência de risco da mercadoria negociada INCOTERMS Definições para interpretar as fórmulas contratuais Elaboradas pelas Câmara de Comércio Internacional (CCI) São termos facilitadores na redação do contrato de compra e venda, mas não são obrigatórios

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Incoterms 2000 PROF. NORBERTO RODRIGUES

COMÉRCIO EXTERIOR. Incoterms 2000 PROF. NORBERTO RODRIGUES COMÉRCIO EXTERIOR Incoterms 2000 PROF. NORBERTO RODRIGUES Histórico 1936 - Câmara de Comércio Internacional - CCI, publicou série de normas para interpretação dos mais importantes termos utilizados no

Leia mais

INCOTERMS 2000-2010. samir keedi. samir@aduaneiras.com.br

INCOTERMS 2000-2010. samir keedi. samir@aduaneiras.com.br INCOTERMS 2000-2010 samir keedi samir@aduaneiras.com.br INCOTERMS 2000-2010 PUBLICAÇÃO Nº 560 / 715E VIGOR A PARTIR DE 01.01.2000 / 2011 CÂMARA DE COMÉRCIO INTERNACIONAL CCI - PARIS O QUE É E O OBJETIVO

Leia mais

International Commercial Terms. Incoterms e Procedimentos Para o Comércio Exterior Conceitos Básicos. Eduardo Leoni Machado Junho/2012

International Commercial Terms. Incoterms e Procedimentos Para o Comércio Exterior Conceitos Básicos. Eduardo Leoni Machado Junho/2012 International Commercial Terms Incoterms e Procedimentos Para o Comércio Exterior Conceitos Básicos Eduardo Leoni Machado Junho/2012 Incoterms Definição e Conceito International Commercial Terms (Termos

Leia mais

Escola Secundária de Paços de Ferreira

Escola Secundária de Paços de Ferreira Cândida Raquel Brandão Carneiro Nº4 12ºS 11-11-2009 1 Importação e Exportação Importação é o processo comercial e fiscal que consiste em trazer um bem, que pode ser um produto ou um serviço, do exterior

Leia mais

Luanda, 30.Março.2015. SEMINÁRIO Frete Marítimo e Seguro de Importação de Mercadoria Francisco Agostinho Itembo 1

Luanda, 30.Março.2015. SEMINÁRIO Frete Marítimo e Seguro de Importação de Mercadoria Francisco Agostinho Itembo 1 Luanda, 30.Março.2015 SEMINÁRIO Frete Marítimo e Seguro de Importação de Mercadoria Francisco Agostinho Itembo 1 EXW DTA FAS FOB CFR CIF VANTAGENS NA IMPORTAÇÃO DA MODALIDADE FOB 2 ÍNDICE 1. Introdução

Leia mais

Seguros de Mercadorias Transportadas

Seguros de Mercadorias Transportadas Seguros de Mercadorias Transportadas Via Marítima, Aérea ou Terrestre Índice Introdução Parte 1 - Breve Resumo Histórico Parte 2 - O Seguro de Mercadorias O Tráfego de Mercadorias O Seguro de Mercadorias

Leia mais

www.commex.com.br cursos@commex.com.br

www.commex.com.br cursos@commex.com.br CURSO DE INICIAÇÃO À EXPORTAÇÃO Módulo I www.commex.com.br cursos@commex.com.br 1 SUMÁRIO 1 DRAWBACK... 03 1.1 Formas de Classificação... 03 1.2 Mercadorias Admitidas no Regime... 04 1.3 Modalidades de

Leia mais

INCOTERMS A importância da ferramenta no comércio internacional (revisão de 2010)

INCOTERMS A importância da ferramenta no comércio internacional (revisão de 2010) Universidade Tuiuti do Paraná Artigo de conclusão de curso MBA em Relações internacionais, negociação e comércio exterior INCOTERMS A importância da ferramenta no comércio internacional (revisão de 2010)

Leia mais

Serviços em Comércio Exterior

Serviços em Comércio Exterior INCOTERMS Os Incoterms (International Commercial Terms / Termos Internacionais de Comércio) foram instituídos em 1936 pela Câmara Internacional do Comércio com o intuito de fornecer regras internacionais

Leia mais

CHAVES CONTRATUAIS DA EXPORTAÇÃO

CHAVES CONTRATUAIS DA EXPORTAÇÃO CHAVES CONTRATUAIS DA EXPORTAÇÃO AIMINHO - CHAVES CONTRATUAIS DA EXPORTAÇÃO I.- Contratos de compra e venda II.- Contratos de agência e distribuição III.- Factuar para cobrar 2 I.- CONTRATOS DE COMPRA

Leia mais

Glossário. Alfândega (do árabe al-fundaq, "hospedaria", "estalagem") ou aduana (do

Glossário. Alfândega (do árabe al-fundaq, hospedaria, estalagem) ou aduana (do Glossário Alfandega Alfândega (do árabe al-fundaq, "hospedaria", "estalagem") ou aduana (do árabe ad-dīwān, "registro", "escritório") é uma repartição governamental oficial de controle do movimento de

Leia mais

REDES DE DISTRIBUIÇÃO

REDES DE DISTRIBUIÇÃO REDES DE DISTRIBUIÇÃO De uma maneira geral, as redes de distribuição são constituídas por: 1. Um conjunto de instalações que fazem a recepção, armazenagem e expedição de materiais; 2. Um conjunto de rotas

Leia mais

AQUILES VIEIRA. Teoria e Prática Cambial. Exportação e importação. 2ª edição. Editora Lex

AQUILES VIEIRA. Teoria e Prática Cambial. Exportação e importação. 2ª edição. Editora Lex AQUILES VIEIRA Teoria e Prática Cambial Exportação e importação 2ª edição Editora Lex São Paulo 2005 Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Vieira,

Leia mais

Aula Nº 15 Contratos Mercantis

Aula Nº 15 Contratos Mercantis Aula Nº 15 Contratos Mercantis Objetivos da aula: Nesta aula, vamos conhecer os contratos mercantis mais usuais, suas características e as normas que os disciplinam. 1. NOÇÕES GERAIS Contrato é um negócio

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO : COMPETITIVIDADE PERENIDADE SOBREVIVÊNCIA EVOLUÇÃO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO : COMPETITIVIDADE PERENIDADE SOBREVIVÊNCIA EVOLUÇÃO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO : COMPETITIVIDADE PERENIDADE SOBREVIVÊNCIA EVOLUÇÃO orienta na implantação e desenvolvimento do seu negócio de forma estratégica e inovadora O QUE SÃO PALESTRAS

Leia mais

Módulo 21 Comércio Internacional

Módulo 21 Comércio Internacional Escola Secundária de Paços de Ferreira 2009/2010 Módulo 21 Comércio Internacional Exportação e Importação Trabalho realizado por: Tânia Leão n.º19 12.ºS Importação e Exportação A Exportação é a saída de

Leia mais

Termos de entrega, Incoterms 2000, compra e venda internacional de mercadorias, termos marítimos, termos de uso geral

Termos de entrega, Incoterms 2000, compra e venda internacional de mercadorias, termos marítimos, termos de uso geral DECISÃO D SOBRE OS TERMOS DE ENTREGA DAS MERCADORIAS NAS TRANSAÇÕES INTERNACIONAIS SEGUNDO AS REGRAS DOS INCOTERMS 2000 DA CÂMARA DE COMÉRCIO INTERNACIONAL Wagner Botelho Godinho Victor Aurélio Antunes

Leia mais

CURSOS ON-LINE COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO REGULAR PROFESSORES: RODRIGO LUZ E MISSAGIA AULA 09 INCOTERMS (INTERNATIONAL COMMERCIAL TERMS)

CURSOS ON-LINE COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO REGULAR PROFESSORES: RODRIGO LUZ E MISSAGIA AULA 09 INCOTERMS (INTERNATIONAL COMMERCIAL TERMS) AULA 09 INCOTERMS (INTERNATIONAL COMMERCIAL TERMS) Olá pessoal. Hoje falaremos sobre o tema Incoterms, que tanto cai nas provas. É a nossa última aula. As próximas serão ministradas pelo professor Rodrigo

Leia mais

Exportação de mercadorias do país de origem para países terceiros e/ou importação pelo país de mercadorias com origem em países terceiros.

Exportação de mercadorias do país de origem para países terceiros e/ou importação pelo país de mercadorias com origem em países terceiros. ÁREA TEMÁTICA DESIGNAÇÃO CONTEÚDO COMÉRCIO ESPECIAL Sistema de comércio que inclui nas entradas, as chegadas, as importações em regime normal e as mercadorias importadas para aperfeiçoamento activo e após

Leia mais

Cargas unitárias cargas contidas em recipientes que permitem a manipulação. Embalagem para transporte de produtos em processo ou acabados

Cargas unitárias cargas contidas em recipientes que permitem a manipulação. Embalagem para transporte de produtos em processo ou acabados Logística Movimentação de materiais na cadeia de suprimentos Para que a matéria-prima possa transformar-se ou ser beneficiada, pelo menos um dos três elementos básicos de produção, homem, máquina ou material,

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade II GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade II GERENCIAMENTO DE TRANSPORTES Prof. Altair da Silva Formas e modais de transportes As formas como nossos produtos são distribuídos em nosso país, depende de vários fatores. Em um país como o

Leia mais

Informações INCOTERMS 2010 - versão 1.0-19/08/2015 1/7. Informa

Informações INCOTERMS 2010 - versão 1.0-19/08/2015 1/7. Informa Informações INCOTERMS 2010 - versão 1.0-19/08/2015 1/7 Informa INCOTERMS 2010 Tendo em vista a publicação do Incoterms 2010 pela Câmara de Comércio Internacional (International Chamber of Commerce - ICC)

Leia mais

Unidade IV GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade IV GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade IV GESTÃO DE SUPRIMENTO E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Logística na cadeia de suprimentos Logística Parte do processo da cadeia de suprimentos, que, para atingir o nível de serviço desejado pelo

Leia mais

LOGÍSTICA, TRANSPORTE E SEGURO INTERNACIONAL. Professor: Ms. Adm. Antônio Maria E-mail: antoniomaria@outlook.com.br

LOGÍSTICA, TRANSPORTE E SEGURO INTERNACIONAL. Professor: Ms. Adm. Antônio Maria E-mail: antoniomaria@outlook.com.br LOGÍSTICA, TRANSPORTE E SEGURO INTERNACIONAL Professor: Ms. Adm. Antônio Maria E-mail: antoniomaria@outlook.com.br EMENTA Introdução ao transporte internacional. INCOTERM s. Transporte marítimo, aéreo,

Leia mais

- Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC

- Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC FORMAÇÃO Analista de Logística em Comércio Exterior - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC Objetivo: Habilitar o participante para trabalhar com as rotinas da logística

Leia mais

Curso Gestão de Importação

Curso Gestão de Importação Curso Gestão de Importação Curso Presencial em Belo Horizonte Leia até o final da página todas as informações deste curso Objetivo: Ensina o aluno a planejar e a gerenciar as etapas do processo de importação.

Leia mais

EXERCÍCIOS DE ECONOMIA INTERNACIONAL E COMEX. 1 - Ao se eleger um Incoterm para uma operação comercial, as partes definem

EXERCÍCIOS DE ECONOMIA INTERNACIONAL E COMEX. 1 - Ao se eleger um Incoterm para uma operação comercial, as partes definem EXERCÍCIOS DE ECONOMIA INTERNACIONAL E COMEX 1 - Ao se eleger um Incoterm para uma operação comercial, as partes definem a) a modalidade de transporte e a forma de contratação e liquidação de câmbio b)

Leia mais

104 Introdução ao e-learning

104 Introdução ao e-learning 104 Introdução ao e-learning Ficha Técnica Título: Comércio Internacional Autor: Alfredo Motty Editor: Companhia Própria Formação e Consultoria Lda. Edifício World Trade Center, Avenida do Brasil, n.º

Leia mais

Kühne + Nagel Portugal

Kühne + Nagel Portugal Kühne + Nagel Portugal IV Seminário - Plataformas Logísticas Ibéricas O Papel dos Portos na Nova Organização Logística 10 de Novembro 2009 11-11-2009 p. 1 The Global Logistics Network - A Kühne + Nagel

Leia mais

MARINHA MERCANTE COMO UM DOS FACTORES IMPULSIONADORES DE DESENVOLVIMENTO

MARINHA MERCANTE COMO UM DOS FACTORES IMPULSIONADORES DE DESENVOLVIMENTO MARINHA MERCANTE COMO UM DOS FACTORES IMPULSIONADORES DE DESENVOLVIMENTO Arlindo Zandamela Instituto Nacional das Comunicações de Moçambique (INCM) Lisboa, Portugal Zandamela.arlindo@gmail.com Sumário

Leia mais

Comércio Exterior no Brasil

Comércio Exterior no Brasil Comércio Exterior no Brasil Comércio Exterior Fluxograma para empresa brasileira exportar Fonte: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, http://www.mdic.gov.br/sistemas_web/aprendex/default/index/conteudo/id/235

Leia mais

GUIA DE APOIO À INTERNACIONALIZAÇÃO

GUIA DE APOIO À INTERNACIONALIZAÇÃO GUIA DE APOIO À INTERNACIONALIZAÇÃO para mais informações: Responsável: 913232522 Indice: 244 850 430 Acsia: 262 598 449 1 ÍNDICE Enquadramento Com tantos mercados, quais é que eu vou escolher e como?

Leia mais

Escola Secundária de Paços de Ferreira. Curso Profissional Técnicas de Secretariado. Ano Lectivo: 2009/10. Disciplina: Técnicas de Secretariado

Escola Secundária de Paços de Ferreira. Curso Profissional Técnicas de Secretariado. Ano Lectivo: 2009/10. Disciplina: Técnicas de Secretariado Ano Lectivo: 2009/10 Disciplina: Técnicas de Secretariado Professora: Adelina Silva Novembro de 2009 Trabalho realizado por: Sara Gonçalves n.º16 12ºS. Meios de Pagamento utilizados no Comércio Internacional

Leia mais

TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DOCENTE: EDUARDO MANGABEIRA

TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DOCENTE: EDUARDO MANGABEIRA TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DOCENTE: EDUARDO MANGABEIRA TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO TRANSPORTE TRANSPORTE EM LOGÍSTICA É a movimentação de produtos entre regiões geográficas ou área de comércio, elevando o

Leia mais

CONTRATOS E INCOTERMS. Sobre contratos que regulamentam as importações e as exportações, é possível afirmar que

CONTRATOS E INCOTERMS. Sobre contratos que regulamentam as importações e as exportações, é possível afirmar que CONTRATOS E INCOTERMS 01 - (CODESP/2011) Um contrato internacional de compra e venda de mercadorias é um instrumento complexo, pois inclui não somente as condições de compra e venda, mas também acordos

Leia mais

Curso Analista de Comércio Exterior

Curso Analista de Comércio Exterior Curso Analista de Comércio Exterior Curso Presencial em Belo Horizonte Aviso: O curso presencial é bem mais completo do que o curso de analista à distância Objetivo: Capacitar o aluno para atuar como analista

Leia mais

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE MARÍTIMO E O SEU IMPACTO NA INFRA-ESTRUTURA PORTUÁRIA EXECUÇÃO 2013

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE MARÍTIMO E O SEU IMPACTO NA INFRA-ESTRUTURA PORTUÁRIA EXECUÇÃO 2013 1 2 3 EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE MARÍTIMO E O SEU IMPACTO NA INFRA-ESTRUTURA PORTUÁRIA EXECUÇÃO 2013 4 5 EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE MARÍTIMO O COMÉRCIO INDUZ A OPERAÇÃO DE TRANSPORTE Cabe ao Transporte Marítimo

Leia mais

FORMAÇÃO Gestão de Operações Portuárias - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC

FORMAÇÃO Gestão de Operações Portuárias - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC FORMAÇÃO Gestão de Operações Portuárias - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC Objetivo: Capacitar o participante para gerir as rotinas e operações logísticas em um porto

Leia mais

Gestão de Operações Portuárias com Pós Graduação

Gestão de Operações Portuárias com Pós Graduação Gestão de Operações Portuárias com Pós Graduação Objetivo: Capacitar o participante para gerir as rotinas e operações logísticas em um porto ou terminal portuário voltado para a movimentação interna, importação

Leia mais

O Concelho Nacional de Carregadores (CNC) tem por Missão:

O Concelho Nacional de Carregadores (CNC) tem por Missão: 1 O Concelho Nacional de Carregadores (CNC) tem por Missão: O CNC CONSELHO NACIONAL DE CARREGADORES é um Instituto Público que tem por Missão, a coordenação e o controlo das operações de comércio e transporte

Leia mais

Regulamento. de Funcionamento e Utilização do Terminal RO-RO. do Porto de Setúbal

Regulamento. de Funcionamento e Utilização do Terminal RO-RO. do Porto de Setúbal Regulamento de Funcionamento e Utilização do Terminal RO-RO do Porto de Setúbal Decorridos que estão mais de 2 anos desde o início da exploração, por concessionários, dos Terminais Multiusos, Zonas 1 e

Leia mais

Apenas para referência. Serviços de transporte marítimo CEPA. Sector ou. 11. Serviços de Transporte. Subsector. A. Serviços de transporte marítimo

Apenas para referência. Serviços de transporte marítimo CEPA. Sector ou. 11. Serviços de Transporte. Subsector. A. Serviços de transporte marítimo Serviços de transporte marítimo CEPA A. Serviços de transporte marítimo H. Serviços de apoio Transporte internacional (transporte de mercadorias e de passageiros) (CPC7211, 7212, excluindo serviços de

Leia mais

PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO

PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO AGENDA PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO O PROGRAMA PROGRAMA PARA DESENVOLVIMENTO DA CABOTAGEMNO BRASIL, COM A PARTICIPAÇÃO DOS ORGÃOS INTERVENIENTES, ATRAVÉS DE UM GRUPO

Leia mais

I CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MARÍTIMO E PORTUÁRIO

I CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MARÍTIMO E PORTUÁRIO Centro de Direito Marítimo e dos Transportes da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa Em Associação com o CIDP Centro de Investigação de Direito Privado da Faculdade de Direito da Universidade

Leia mais

Global forwarding: ao serviço da supply chain

Global forwarding: ao serviço da supply chain José Guilherme Tavares jgbtavares@hotmail.com .... Logística Global Logística Global Desenhar a rede Encontrar as respostas para as necessidades da Supply Chain: Qual a origem da mercadoria Condicionantes/natureza

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II Unidade II Nesta unidade, abordaremos a finalidade e a importância de alguns termos no comércio internacional, aprenderemos alguns aspectos do direito de navegação marítima e detalharemos o

Leia mais

Consultoria Empresarial

Consultoria Empresarial Consultoria Empresarial (Curso de consultoria empresarial em Belo Horizonte) Programa do curso: Planejamento Empresarial com Técnicas de Negociação 1. Perfil do gestor empresarial: Características do gestor

Leia mais

Intensivo de Comércio Exterior

Intensivo de Comércio Exterior Intensivo de Comércio Exterior Objetiva ministrar ensinamentos sobre os aspectos que envolvem a atividade de comércio exterior, de maneira compacta, trazendo aos participantes conhecimentos essenciais

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL

COMÉRCIO INTERNACIONAL Ano Lectivo: 2009/10 Disciplina: Técnicas de Secretariado Professora: Adelina Silva NOVEMBRO DE 2009 COMÉRCIO INTERNACIONAL Trabalho realizado por: Sara Gonçalves n.º16 12ºS Importação Importação é o processo

Leia mais

O MUNDO ESPERA PELA SUA EMPRESA

O MUNDO ESPERA PELA SUA EMPRESA O MUNDO ESPERA PELA SUA EMPRESA MILLENNIUM TRADE SOLUTIONS MILLENNIUM. É PARA AVANÇAR. MILLENNIUM TRADE SOLUTIONS CONQUISTE NOVOS MERCADOS PARA A SUA EMPRESA A Exportação e Importação, bem como a Internacionalização

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1.557 - ANTAQ, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2009.

RESOLUÇÃO Nº 1.557 - ANTAQ, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2009. RESOLUÇÃO Nº 1.557 - ANTAQ, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2009. APROVA A PROPOSTA DE NORMA PARA DISCIPLINAR O CRITÉRIO REGULATÓRIO PARA A COMPROVAÇÃO DA OPERAÇÃO COMERCIAL DE EMBARCAÇÕES PELA EMPRESA BRASILEIRA

Leia mais

RESUMO DA 3ª AVALIAÇÃO

RESUMO DA 3ª AVALIAÇÃO UNIPAC UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS, LETRAS E SAÚDE DE UBERLÂNDIA. RESUMO DA 3ª AVALIAÇÃO Prof. Esp. Romoaldo J S do Carmo Disciplina: Comércio Exterior 14 - FORMAS

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL

COMÉRCIO INTERNACIONAL COMÉRCIO INTERNACIONAL 01. Sobre regimes aduaneiros, marque a opção incorreta: a) Regimes Aduaneiros Atípicos são criados para atender a determinadas situações econômicas peculiares, de pólos regionais

Leia mais

DHL OCEAN DIRECT (FCL) A CONFIABILIDADE QUE VOCÊ EXIGE A FLEXIBILIDADE QUE VOCÊ PRECISA

DHL OCEAN DIRECT (FCL) A CONFIABILIDADE QUE VOCÊ EXIGE A FLEXIBILIDADE QUE VOCÊ PRECISA DHL OCEAN DIRECT (FCL) A CONFIABILIDADE QUE VOCÊ EXIGE A FLEXIBILIDADE QUE VOCÊ PRECISA POR QUE ESCOLHER O DHL OCEAN DIRECT (FCL) EXPERIÊNCIA EM LOGÍSTICA PARA NEGÓCIOS DE TODOS OS TAMANHOS Nossa experiência

Leia mais

Pesquisa. Os Problemas da Empresa Exportadora Brasileira 2008. Entraves e Prioridades

Pesquisa. Os Problemas da Empresa Exportadora Brasileira 2008. Entraves e Prioridades Pesquisa Os Problemas da Empresa Exportadora Brasileira 2008 Entraves e Prioridades Renato Fonseca Brasília, 1 de outubro de 2008 Apresentação 1. Amostra 2. Entraves à expansão das exportações 3. Tributação

Leia mais

Distribuição DISTRIBUIÇÃO E LOGISTICA. Tarefa indispensável a qualquer actividade produtora.

Distribuição DISTRIBUIÇÃO E LOGISTICA. Tarefa indispensável a qualquer actividade produtora. Distribuição Distribuição 1 Distribuição Introdução Tarefa indispensável a qualquer actividade produtora. Necessidade de mover objectos produzidos até ao cliente. É objectivo do produtor minimizar os custos

Leia mais

Curso Técnico em Logística com ênfase em Gestão Portuária

Curso Técnico em Logística com ênfase em Gestão Portuária Curso Técnico em Logística com ênfase em Gestão Portuária Sobre o Curso: O Curso Técnico com ênfase em Gestão Portuária tem como principal objetivo promover a qualificação profissional para atender às

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL E OS TRANSPORTES Rogério Alves Vieira

COMÉRCIO INTERNACIONAL E OS TRANSPORTES Rogério Alves Vieira COMÉRCIO INTERNACIONAL E OS TRANSPORTES Rogério Alves Vieira 1 INDICE TEMÁTICO 1. Contrato de compra e venda internacional e Incoterms 2. Especificidades dos modos de transporte rodoviário marítimo e aéreo

Leia mais

Problemática da Logística e interoperabilidade

Problemática da Logística e interoperabilidade Workshop Stakeholders Lisboa Problemática da Logística e interoperabilidade João Soares Lisboa, 9 de Maio de 2012 O Sistema Logístico e a sua permanente otimização Workshop Lisboa 2012.05.09 2 Objectivos

Leia mais

SMIT, SERVIÇOS MARÍTIMOS DE MOÇAMBIQUE, LIMITADA PARCEIRO MOÇAMBICANO DE SOLUÇÕES MARÍTIMAS

SMIT, SERVIÇOS MARÍTIMOS DE MOÇAMBIQUE, LIMITADA PARCEIRO MOÇAMBICANO DE SOLUÇÕES MARÍTIMAS SMIT, SERVIÇOS MARÍTIMOS DE MOÇAMBIQUE, LIMITADA PARCEIRO MOÇAMBICANO DE SOLUÇÕES MARÍTIMAS 2 QUEM SOMOS 3 UMA EMPRESA LOCAL QUE REÚNE REQUESITOS INTERNACIONAIS A Smit Serviços Marítimos de Moçambique

Leia mais

A Cidade Logística. Plataforma Logística do Poceirão

A Cidade Logística. Plataforma Logística do Poceirão A Cidade Logística Plataforma Logística do Poceirão Póvoa de Santa Iria, 03 de Dezembro 2009 1 1. Apresentação Integrado na rede de plataformas nacionais definida pelo Portugal Logístico será desenvolvido

Leia mais

Logística Globalizada

Logística Globalizada Logística Globalizada Logística Globalizada Objetivo Facilitar o engenheiro de logística a projetar e especificar os melhores meios de transporte para a logística internacional, bem como entender todas

Leia mais

TRANSPORTE INTERMODAL. Os diferentes modos de transporte deverão funcionar como peças de um puzzle, que se encaixam harmoniosamente

TRANSPORTE INTERMODAL. Os diferentes modos de transporte deverão funcionar como peças de um puzzle, que se encaixam harmoniosamente TRANSPORTE INTERMODAL Os diferentes modos de transporte deverão funcionar como peças de um puzzle, que se encaixam harmoniosamente Rui Rodrigues Site: www.maquinistas.org (Ver Opinião) Email rrodrigues.5@netcabo.pt

Leia mais

II CONGRESSO ÂNCORA (FEEM) 14 NOVEMBRO 2013 PORTOS E TRANSPORTES MARÍTIMOS TORNAR PORTUGAL NUM IMPORTANTE HUB DE TRANSPORTE MARÍTIMO

II CONGRESSO ÂNCORA (FEEM) 14 NOVEMBRO 2013 PORTOS E TRANSPORTES MARÍTIMOS TORNAR PORTUGAL NUM IMPORTANTE HUB DE TRANSPORTE MARÍTIMO II CONGRESSO ÂNCORA (FEEM) 14 NOVEMBRO 2013 PORTOS E TRANSPORTES MARÍTIMOS TORNAR PORTUGAL NUM IMPORTANTE HUB DE TRANSPORTE MARÍTIMO Miguel de Paiva Gomes (Transinsular Grupo ETE) GRUPO ETE - PORTFÓLIO

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SOROCABA PRÓ-REITORA DE GRADUAÇÃO CURSO DE GESTÃO FINANCEIRA

UNIVERSIDADE DE SOROCABA PRÓ-REITORA DE GRADUAÇÃO CURSO DE GESTÃO FINANCEIRA UNIVERSIDADE DE SOROCABA PRÓ-REITORA DE GRADUAÇÃO CURSO DE GESTÃO FINANCEIRA Roseli de Fátima Nogueira Tatiane Santiago Cerqueira Barbosa Jefferson da Silva Pinheiro Gonçalves Alex Couto Carlos Eduardo

Leia mais

O Projecto SEAROAD. O lançamento de um serviço de transporte RO-RO (Roll on; Roll off) entre: Portugal, Reino Unido e Benelux.

O Projecto SEAROAD. O lançamento de um serviço de transporte RO-RO (Roll on; Roll off) entre: Portugal, Reino Unido e Benelux. O Projecto SEAROAD O lançamento de um serviço de transporte RO-RO (Roll on; Roll off) entre: Portugal, Reino Unido e Benelux. O serviço Ro-Ro um serviço integrado door-to-door com base marítima e rodoviária

Leia mais

E XPORTAÇÃO. Dica: o dossiê com as informações sobre o produto deve ser preparado antes do contato com o importador.

E XPORTAÇÃO. Dica: o dossiê com as informações sobre o produto deve ser preparado antes do contato com o importador. EXPORTAÇÃO E XPORTAÇÃO Antes de fornecer o preço, é importante analisar os preços de produtos similares praticados no mercado onde está o potencial cliente, exigências técnicas, barreiras tarifárias e

Leia mais

LOGÍSTICA INTERNACIONAL

LOGÍSTICA INTERNACIONAL LOGÍSTICA INTERNACIONAL Maria Rita Pontes Assumpção Universidade Católica de Santos UniSantos Programa de Mestrado em Gestão de Negócios rita.assumpcao@unisantos.br rita@dep.ufscar.br Resenha do livro

Leia mais

$ $ $ $ $ ALTERNATIVAS DO EXPORTADOR PARA A DECISÃO DO TERMO COMERCIAL INTERNACIONAL SEGUNDO AS REGRAS DOS INCOTERMS Wagner B.

$ $ $ $ $ ALTERNATIVAS DO EXPORTADOR PARA A DECISÃO DO TERMO COMERCIAL INTERNACIONAL SEGUNDO AS REGRAS DOS INCOTERMS Wagner B. XXVIENANGRAD ALTERNATIVAS DO EXPORTADOR PARA A DECISÃO DO TERMO COMERCIAL INTERNACIONAL SEGUNDO AS REGRAS DOS INCOTERMS Wagner B. Godinho! FOZDOIGUAÇU,2015 GESTÃODEOPERAÇÕESELOGÍSTICA2GOL ALTERNATIVAS

Leia mais

Joana Nunes Coelho 19.11.2014

Joana Nunes Coelho 19.11.2014 Joana Nunes Coelho 19.11.2014 1 INDICE TEMÁTICO 1. Contrato de compra e venda internacional 2. Incoterms 2010 que diferenças? 3. Análise das regras Incoterms 2010 a. Para qualquer modo ou modos de transporte;

Leia mais

Transferência e distribuição

Transferência e distribuição Transferência e Distribuição Transferência e distribuição O sistema logístico inclui, na maioria dos casos, dois tipos de transporte de produtos: A transferência: envolve deslocamento maciços entre dois

Leia mais

REGULAMENTO DE GESTÃO DE RESÍDUOS NO PORTO DE AVEIRO. CAPÍTULO 1 Disposições gerais. Artigo 1.º Objectivo e Âmbito de aplicação

REGULAMENTO DE GESTÃO DE RESÍDUOS NO PORTO DE AVEIRO. CAPÍTULO 1 Disposições gerais. Artigo 1.º Objectivo e Âmbito de aplicação REGULAMENTO DE GESTÃO DE RESÍDUOS NO PORTO DE AVEIRO CAPÍTULO 1 Disposições gerais Artigo 1.º Objectivo e Âmbito de aplicação O presente Regulamento aplica-se a toda a área portuária e tem como objectivo

Leia mais

Unidade: Modais de Transporte sob o foco da Logística Internacional e do Comércio Exterior. Revisor Textual: Profa. Esp.

Unidade: Modais de Transporte sob o foco da Logística Internacional e do Comércio Exterior. Revisor Textual: Profa. Esp. Unidade: Modais de Transporte sob o foco da Logística Internacional e do Comércio Exterior Revisor Textual: Profa. Esp. Márcia Ota Papel dos Transportes Modais de Transporte sob o foco da Logística Internacional

Leia mais

Contratosde Transporte

Contratosde Transporte Setúbal, 27/09/2013 1 Contratosde Transporte Conhecimento Embarque Bill of Lading(B/L) Contrato de transporte de pequenas partidas a bordo de um navio Transporte Marítimo Bare Boat Charter Party B/B Demise

Leia mais

Gestão Financeira do Espaço Portuário: Visão Institucional AMADEU ROCHA

Gestão Financeira do Espaço Portuário: Visão Institucional AMADEU ROCHA Gestão Financeira do Espaço Portuário: Visão Institucional AMADEU ROCHA 1. Introdução 2. Modelo de Gestão dos Portos Portugueses 3. O Regime de Gestão Financeira dos Portos 4. Conclusão 2 1. Introdução

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE LOGÍSTICA DE EXPORTAÇÃO MARCELO CARNAVALE DE ALBUQUERQUE ORIENTADOR: PROFº

Leia mais

NEGÓCIOS INTERNACIONAIS

NEGÓCIOS INTERNACIONAIS NEGÓCIOS INTERNACIONAIS O docente: Prof. Doutor João Pedro Couto O discente: Hermenegildo Chilemo Raúl Pode haver oportunidades de comércio e ninguém capaz de fazê-lo. -PROVÉRBIO CHINÊS Objectivos do Capítulo

Leia mais

Manual de Exportação e Formação de Preço

Manual de Exportação e Formação de Preço Manual de e Formação de Preço. Sumário FASE 1ª 1 - Planejamento de 2 - Planejamento Estratégico 3 - Canais de Distribuição FASE 2ª 4 - Procedimentos Operacionais de FASE 3ª 5 - Formação de Preço O sumário

Leia mais

FORMAÇÃO Agente de Carga Internacional - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC

FORMAÇÃO Agente de Carga Internacional - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC FORMAÇÃO Agente de Carga Internacional - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC Objetivo: Habilitar os participantes para trabalhar com o Agenciamento de Cargas Internacionais,

Leia mais