de Setembro de n 483

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "de Setembro de n 483"

Transcrição

1 de Setembro de n 483 Veja também Produção Industrial em Julho de 2011: Perda de Ritmo2 de Setembro no site de 2011 do IEDI - nº Em julho, a produção física industrial brasileira cresceu 0,5% ante o mês anterior na série dessazonalizada, revertendo a queda de 1,2% (dado revisto) verificado no mês de junho. Esse resultado refletiu o aumento do nível de produção em 14 dos 27 ramos pesquisados, com destaque para edição e impressão (16,8%), veículos automotores (4,3%), alimentos (1,9%), bebidas (4,1%) e refino de petróleo e produção de álcool (1,9%). No corte por categoria de uso, descontados os efeitos sazonais, três dos quatro segmentos da indústria apresentaram crescimento na passagem de junho a julho, com destaque para o setor de bens de consumo semiduráveis e não duráveis (3,8%). Apenas o segmento produtor de bens intermediários registrou variação negativa (-0,7%) pelo segundo mês consecutivo nessa base de comparação. Na comparação com julho do ano passado, o setor industrial mostrou variação negativa de 0,3%, após dois meses consecutivos de expansão. Além do efeito calendário, esse resultado reflete decréscimo na produção em 15 das 27 atividades pesquisadas. Nas séries acumuladas, a indústria registrou variações positivas, mas prosseguiu em trajetória de desaceleração. Nos sete primeiros meses de 2011, houve aumento de 1,4% frente igual período do ano anterior (ante alta de 1,7% acumulada no primeiro semestre de 2011), enquanto em doze meses a expansão acumulada foi de 2,9% (3,7% em doze meses terminados em junho). Também na série mensal, três dos quatro segmentos da indústria por categoria de uso apresentaram crescimento em julho frente a igual mês do ano anterior. O setor produtor de bens de capital (3,8%) assinalou o crescimento mais elevado em julho de 2011, seguido pelos setores de consumo duráveis (1,3%) e semiduráveis e não duráveis (0,8%). Novamente, o segmento produtor de bens intermediários foi o único com variação negativa (-2,4%) nessa base de comparação. Esses resultados confirmam a situação difícil da indústria brasileira. Nos últimos meses, tem-se observado um movimento oscilatório, de altos e baixos, do nível de atividades da indústria. Mas, o sinal que está prevalecendo na evolução da produção industrial é de perda de ritmo, ou Indústria e Política Industrial no Brasil e em Outros Países Estudo que avalia a importância do setor industrial na promoção do desenvolvimento nos países desenvolvidos, nas economias emergentes e no Brasil. Contribuições para uma Agenda de Desenvolvimento do Brasil Trabalho em que o IEDI apresenta ao novo governo suas sugestões de política para ampliar o desenvolvimento do País. Os Padrões de Relação entre Crescimento e Saldo Comercial e a Política Industrial Diante do quadro extremamente negativo da balança comercial brasileira de produtos da indústria manufatureira, a política industrial ganha maior relevo enquanto um

2 ainda, uma tendência clara de desaceleração. Esse comportamento pode ser visto em todos os quatro grandes setores da indústria (bens de capital, intermediários, duráveis e semi e não duráveis) e em vinte dos vinte e seis segmentos industriais pesquisados pelo IBGE, deixando claro que o desempenho da indústria neste ano ficará muito aquém do aumento de 10,5% de Para completar esse cenário nada favorável da indústria, cabe destacar o desempenho do setor de bens intermediários neste ano de Como se sabe, além de ser o setor com maior peso na indústria, o de bens intermediários também pode ser considerado um termômetro da atividade industrial, na medida em que ele representa as compras realizadas internamente na indústria. E esse termômetro diz que a temperatura está baixa: no acumulado do ano até julho, o crescimento da produção de intermediários foi de somente 0,6%. Das sete variações registradas neste ano para o setor, cinco foram negativas. Esse desempenho do setor de bens intermediários, bem abaixo da média geral da indústria, está refletindo também outro problema (e mais grave) enfrentado pela indústria: o aumento da substituição do insumo nacional pelo importado. Em linha com a desaceleração verificada na produção fabril, em julho, o nível médio de utilização de capacidade instalada na indústria de transformação, com ajuste sazonal, apurado pela FGV, registrou diminuição, declinando para 84,1%. Frente ao mês anterior, houve recuo de 0,2 ponto percentual. Na comparação da indústria de transformação brasileira com os de economias periféricas com semelhante grau de desenvolvimento, observa-se que, com o recuo de 0,3% em julho frente igual mês do ano anterior, o desempenho da produção manufatureira brasileira só não foi pior do que o da indústria da Tailândia, que contraiu 1,1% na comparação com julho de Em contraste, na mesma base de comparação, as indústrias de transformação da Argentina e da Rússia registraram novamente forte crescimento em julho de 2011: 7,1% e 5,5%, respectivamente. conjunto de ações capaz de reverter tal quadro. Políticas para a Promoção da Economia Verde É apresentado um conjunto de sugestões com foco em energias renováveis e eficiência energética tendo em vista uma agenda de desenvolvimento sustentável para o Brasil. O Grande Desafio ao Novo Governo que Vem da Inovação Além da conhecida agenda de correção dos fatores sistêmicos que reduzem a competitividade da empresa brasileira, a inovação se coloca como a agenda central do futuro do Brasil. Nesse campo será decidido o papel que o País desempenhará no plano internacional nas próximas décadas.

3 Desempenho da Indústria. Na passagem de junho a julho de 2011, a produção física industrial brasileira cresceu 0,5% ante o mês anterior na série dessazonalizada. Essa modesta expansão refletiu o aumento do nível de produção em 14 dos 27 ramos pesquisados, com destaque para edição e impressão (16,8%), impulsionado, sobretudo, pela compra governamental de livros didáticos, veículos automotores (4,3%), alimentos (1,9%), bebidas (4,1%) e refino de petróleo e produção de álcool (1,9%). Embora tenha revertido parcialmente a queda de 1,2% (dado revisto) verificado no mês de junho, o patamar de produção industrial ficou 2,0% abaixo do nível recorde alcançado em março de Na comparação com julho de 2010, o setor industrial mostrou variação negativa de 0,3%, após dois meses consecutivos de expansão. Além do efeito calendário, dado que julho de 2011 teve um dia útil a menos que igual mês do ano anterior, esse resultado reflete decréscimo na produção em 15 das 27 atividades pesquisadas. Nas séries acumuladas, a indústria registrou variações positivas, mas prosseguiu em trajetória de desaceleração. Nos sete primeiros meses de 2011, houve aumento de 1,4% frente igual período do ano anterior (ante 1,7% nos primeiros seis meses), enquanto em doze meses a expansão acumulada foi de 2,9% ante 3,7% em doze meses terminados em junho. Em julho de 2011, as demais classes da indústria voltaram a apresentar resultados divergentes. Na série dessazonalizada, a indústria de transformação cresceu 0,7%, ante o mês de junho, enquanto a indústria extrativa mineral recuou 0,6% na mesma base de comparação. Já na série mensal, indústria de transformação registrou queda de 0,3% frente a julho de 2010, enquanto a indústria extrativa mineral avançou 1,0% na mesma base de comparação. Nas séries acumuladas, ambas as classes da indústria registraram variação positiva, porém em nítida perda de dinamismo. No período de janeiro a julho, a indústria extrativa mineral registrou alta de 2,7% (3,0% entre janeiro a junho) e de 6,0% em doze meses na comparação com igual período do ano anterior (6,8% em doze meses terminados em junho). Já a indústria de transformação registrou acréscimo de 1,3% no ano e 2,7% em doze meses (ante 1,6% e 3,5% verificados, respectivamente, no mês de junho). Os resultados do mês de julho confirmam a situação difícil da indústria brasileira. Nos últimos meses, tem-se observado um movimento oscilatório, de altos e baixos, do nível de atividades da indústria. Mas, o sinal que está prevalecendo na evolução da produção industrial é de perda de ritmo, ou ainda, uma tendência clara de desaceleração. Esse comportamento pode ser visto em todos os quatro grandes setores da indústria (bens de capital, intermediários, duráveis e semi e não duráveis) e em vinte dos vinte e seis segmentos industriais pesquisados pelo IBGE, deixando claro que o desempenho da indústria neste ano ficará muito aquém do aumento de 10,5% de Para completar esse cenário nada favorável da indústria, cabe destacar o desempenho do setor de bens intermediários neste ano de Como se sabe, além de ser o setor com maior peso na indústria, o de bens intermediários também pode ser considerado um termômetro da atividade industrial, na medida em que ele representa as compras realizadas internamente na indústria. E esse termômetro diz que a temperatura está baixa: no acumulado do ano até julho, o crescimento da produção de intermediários foi de somente 0,6%. Das sete variações registradas neste ano para o setor, cinco foram negativas. Esse desempenho do setor de bens intermediários, bem abaixo da média geral da indústria, está refletindo também outro problema (e mais grave) enfrentado pela indústria: o aumento da substituição do insumo nacional pelo importado.

4 Fonte: IBGE - Pesquisa Industrial Mensal. Elaboração Própria. Resultados por Categoria de Uso. No corte por categoria de uso, descontados os efeitos sazonais, três dos quatro segmentos da indústria apresentaram crescimento na passagem de junho a julho, com destaque para o setor de bens de consumo semiduráveis e não duráveis (3,8%), seguido por bens de consumo duráveis (2,9%) e pelo setor produtor de bens de capital (1,7%). Apenas o segmento produtor de bens intermediários, o de maior peso na estrutura industrial brasileira, registrou variação negativa (-0,7%), a segunda queda consecutiva nessa base de comparação. Na série mensal, três dos quatro segmentos da indústria por categoria de uso apresentaram crescimento em julho frente a igual mês do ano anterior. O setor produtor de bens de capital (3,8%) assinalou o crescimento

5 mais elevado em julho de 2011, seguido pelos setores de consumo duráveis (1,3%) e semiduráveis e não duráveis (0,8%). Novamente, o segmento produtor de bens intermediários foi o único com variação negativa (- 2,4%) nessa base de comparação, refletindo tanto a alta dos estoques como o aumento da substituição do insumo nacional pelo importado. No setor de bens de capital, a principal influência sobre o total dessa categoria de uso originou-se do subsetor produtor de bens de capital para equipamentos de transportes (11,5%), seguido por bens de capital para fins industriais (11,5%) e para construção (12,7%). Os demais subsetores mostraram queda na produção: bens de capital para uso misto (-8,5%), para energia elétrica (-7,6%) e agrícola (-14,6%). No segmento produtor de bens de consumo duráveis, as principais influências positivas vieram da maior fabricação de eletrodomésticos (15,0%), tanto os da "linha branca" (10,5%) como os da "linha marrom" (19,7%), de motocicletas (5,6%) e de artigos do mobiliário (21,6%). Em contraste, a principal influência negativa originou-se em automóveis que registraram recuo (-6,2%) na produção na comparação com julho de A produção de bens de consumo semi e não duráveis foi impulsionada pelo bom desempenho dos subsetores de outros não duráveis (6,3%) e de carburantes (1,7%), influenciados especialmente pela maior produção de livros e gasolina, respectivamente. Os subsetores de semiduráveis (-11,4%) e de alimentos e bebidas elaborados para consumo doméstico (-0,9%) exerceram os impactos negativos nessa categoria de uso, pressionados, segundo o IBGE, sobretudo pelos recuos na fabricação de roupas de banho de algodão e calçados de material sintético para uso feminino e de sucos concentrados de laranja e carnes de aves congeladas. Ainda na série mensal, único resultado negativo entre as categorias de uso no mês de julho, a queda no setor produtor de bens intermediários refletiu os recuos na produção dos produtos associados às atividades de refino de petróleo e produção de álcool (-9,6%), metalurgia básica (-6,5%), têxtil (-18,6%), outros produtos químicos (-4,3%), celulose e papel (-3,3%), alimentos (-1,5%) e borracha e plástico (-1,6%), enquanto as influências positivas foram registradas por veículos automotores (5,2%), minerais não metálicos (3,3%), produtos de metal (5,0%) e indústrias extrativas (1,0%). Nessa categoria de uso, mencione-se ainda a queda na produção do subsetor de embalagens (-1,5%), que interrompeu 21 meses de taxas positivas consecutivas, e o crescimento verificado nos insumos típicos para construção civil (3,9%). No ano (janeiro a julho), todos os quatro segmentos da indústria por categoria de uso registraram variações positivas frente igual período de O segmento produtor de bens de capital registrou a taxa de crescimento mais elevada (5,5%), impulsionado em grande parte pelos avanços nos subsetores de bens de capital para transporte, para construção e para fins industriais. Também com taxa de crescimento acima da média nacional (1,4%), o setor produtor de bens de consumo duráveis avançou 1,9%, enquanto os segmentos de bens intermediários (0,6%) e de bens de consumo semiduráveis e não duráveis (0,5%) registraram expansões mais modestas, abaixo da média global.

6

7 Por Dentro da Indústria de Transformação: Gêneros e Subsetores. Na série livre dos efeitos sazonais, a indústria geral e a indústria de transformação registram variação positiva na passagem de junho a junho: 0,5% e 0,7%, respectivamente. Para esse modesto crescimento da produção fabril contribuiu a elevação no nível de produção em 14 dos 27 ramos pesquisados, com destaque para edição e impressão (16,8%), impulsionado em grande parte pela maior produção de livros explicada, sobretudo, por encomendas governamentais, veículos automotores (4,3%), alimentos (1,9%), bebidas (4,1%) e refino de petróleo e produção de álcool (1,9%). Entre os doze ramos em queda, a principal influência negativa na formação da a média global foi observada na indústria farmacêutica (-9,0%), que acumula perda de 20,7% nos três últimos meses, seguida pelos setores de outros produtos químicos (-1,8%), têxtil (-4,9%), diversos (-12,9%) e máquinas e equipamentos (-1,3%). No confronto com julho de 2010, a indústria geral e a indústria de transformação retraíram 0,3%. Esse resultado refletiu a redução do nível de produção em 15 dos 27 setores pesquisados. Os impactos negativos de maior importância na formação do índice global vieram de têxtil (-20,9%), farmacêutica (-12,9%), refino de petróleo e produção de álcool (-5,6%), metalurgia básica (-6,5%), outros produtos químicos (-4,2%), vestuário (-13,9%) e alimentos (-1,0%). Nessas atividades, sobressaíram as quedas na fabricação dos itens: roupas de banho de algodão e tecidos e fios de algodão; medicamentos; óleo diesel e naftas para petroquímica; bobinas a frio de aços ao carbono e lingotes, blocos, tarugos ou placas de aços ao carbono; herbicidas para uso na agricultura; vestidos e camisas de malha; e sucos concentrados de laranja e carnes de aves congeladas. Entre os doze ramos que registraram avanço na produção, a principal influência sobre a média da indústria originou-se em edição e impressão (37,9%), impulsionado não só pela produção mais elevada de livros por conta de encomendas governamentais, mas também pela baixa base de comparação, já que em julho de 2010 o setor havia recuado 6,9%. Mencionem-se ainda as influências positivas verificadas em veículos automotores (2,9%), material eletrônico e equipamentos de comunicações (9,3%), máquinas e equipamentos (2,7%) e fumo (17,5%). Entre esses ramos, os itens de maior destaque foram, segundo o IBGE, veículos para transporte de mercadorias e caminhões; televisores; fornos microondas e centros de usinagem; e fumo processado. Na série mais desagregada, apenas 37 dos 76 subsetores pesquisados elevaram a produção na comparação com julho de Os aumentos mais expressivos foram registrados em tubos de ferro e aço (26,3%), eletrodomésticos da "linha marrom" (19,7%), beneficiamento de arroz (19,1%), outros eletrodomésticos (18,1%) e refino de óleos vegetais (16,3%). Em contraposição, dentre os 39 subsetores com redução da produção, as maiores variações negativas ocorreram em beneficiamento, fiação e tecelagem de fibras naturais (-25,6%), defensivos agrícolas (-24,7%), sucos e concentrados de frutas (-23,6%), conservas de frutas e legumes (-20,0%), outros artefatos têxteis (-19,3%), construção e montagem de vagões ferroviários (-14,8%) e álcool (-14,2%). No indicador acumulado nos primeiros sete meses do ano, a indústria geral registrou o crescimento de 1,4% frente a igual período do ano anterior, enquanto a indústria de transformação apresentou incremento de 1,3%. Esse resultado reflete o desempenho positivo de 16 dos 27 setores pesquisados. De acordo com o IBGE, o ramo de veículos automotores, com expansão de 5,6%, se manteve como o de maior influência positiva na formação do índice geral, impulsionado pelo crescimento na produção de aproximadamente 80% dos produtos pesquisados no setor, com destaque para a maior fabricação de caminhões, veículos para transporte de mercadorias e caminhão-trator para reboques. Outras contribuições positivas relevantes sobre o total nacional vieram de outros equipamentos de transporte (11,3%), farmacêutica (6,1%), edição e impressão (5,7%), equipamentos de instrumentação médico-hospitalares, ópticos e outros (17,5%), minerais não metálicos (4,6%), máquinas e equipamentos (2,2%), indústrias extrativas (2,7%) e material eletrônico e equipamentos de comunicações (5,5%). Em termos de produtos, os destaques nesses ramos foram: aviões e motocicletas; medicamentos; livros e revistas; relógios de pulso; ladrilhos e placas de cerâmica, cimentos "portland" e massa de concreto; aparelhos carregadoras-transportadoras e motoniveladores; minérios de ferro; e telefones celulares. Em contraposição, dentre os dez ramos com queda na produção, os recuos mais expressivos originaram-se em têxtil (-14,4%), outros produtos químicos (-2,7%), bebidas (-4,1%) e alimentos (-1,1%).

8 Nesses ramos, os itens que exerceram as maiores pressões negativas foram, respectivamente, roupas de banho de algodão e tecidos e fios de algodão; herbicidas para uso na agricultura; preparações em xarope e em pó para elaboração de bebidas; e açúcar cristal e sucos concentrados de laranja. Na série mais desagregada, 40 dos 76 subsetores registram aumento de produção. As variações positivas mais expressivas foram registrados na produção de tubos de ferro e aço (31,6%%), outros veículos e equipamentos de transporte (21,9%), beneficiamento de arroz (18,1%), máquinas e equipamentos para extração mineral e construção (18,1%), material eletrônico e de comunicação (16,9%), adubos e fertilizantes (15,2%), caminhões e ônibus (14,6%), embalagem e artefatos de madeira para carga (13,9%). Entre 36 subsetores em queda, as variações mais significativas ocorreram em sucos e concentrados de frutas (-30,6%), álcool (-24,9%), defensivos agrícolas (-21,4%), outros artefatos têxteis (-15,9%) e eletrodomésticos da linha "marrom" (- 15,2%). Fonte: IBGE - Pesquisa Industrial Mensal. Elaboração Própria.

9 Fonte: IBGE - Pesquisa Industrial Mensal. Elaboração Própria.

10 Fonte: IBGE - Pesquisa Industrial Mensal. Elaboração Própria.

11 Fonte: IBGE - Pesquisa Industrial Mensal. Elaboração Própria.

12 Fonte: IBGE - Pesquisa Industrial Mensal. Elaboração Própria.

13 Tabela: Produção Física - Subsetores Industriais Variação % em Relação ao Mesmo Mês do Ano Anterior (clique aqui)

14

15 Utilização de Capacidade. Em julho, o nível médio de utilização de capacidade instalada na indústria de transformação, com ajuste sazonal, apurado pela FGV, recuou pelo segundo mês consecutivo, declinando para 84,1%. Frente ao mês anterior, houve diminuição de 0,2 ponto percentual. Fonte: FGV. Sondagem da Indústria de Transformação. Elaboração própria.

16 Comparação Internacional: Brasil e Países Selecionados. O cotejo do resultado da indústria brasileira com a indústria dos países membros da OCDE e de economias periféricas com grau semelhante de desenvolvimento é, a despeito das diferenças metodológicas e defasagem, sempre muito ilustrativa. No confronto com o mês imediatamente anterior, descontados os efeitos sazonais, a indústria brasileira cresceu 0,5% em julho. Esse resultado superou o verificado em oito países da amostra, como Estados Unidos (0,2%), Rússia (-1,2%) e Polônia (-2,2%), todos na passagem de maio a junho na série livre das influências sazonais. Entre os sete países da amostra com desempenho do setor industrial superior ao brasileiro, o destaque foi a indústrias do Japão (3,7%) em junho frente ao mês de maio. Na comparação da indústria de transformação brasileira com os de economias periféricas com semelhante grau de desenvolvimento, observa-se que, com o recuo de 0,3% em julho frente igual mês do ano anterior, o desempenho da produção manufatureira brasileira só não foi pior do que o da indústria da Tailândia que contraiu 1,1% na comparação com julho de Em contraste, na mesma base de comparação, as indústrias de transformação da Argentina e da Rússia registraram novamente forte crescimento em julho de 2011: 7,1% e 5,5%, respectivamente.

17 Fonte: IBGE-PIM (Brasil) e OCDE - Main Economic Indicators. Elaboração Própria.

18 Fonte: IBGE e Órgãos Nacionais de Estatísticas. Elaboração Própria.

PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM ABRIL DE 2003: DEMANDA INTERNA DEPRIMIDA AFETA INDÚSTRIA

PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM ABRIL DE 2003: DEMANDA INTERNA DEPRIMIDA AFETA INDÚSTRIA PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM ABRIL DE 2003: DEMANDA INTERNA DEPRIMIDA AFETA INDÚSTRIA A produção industrial brasileira contraiu-se 4,2% em abril de 2003 em relação ao mesmo mês do ano anterior e com março caiu

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM AGOSTO DE 2003: FREIO NA RECESSÃO

PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM AGOSTO DE 2003: FREIO NA RECESSÃO PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM AGOSTO DE 2003: FREIO NA RECESSÃO De acordo com o IBGE, a produção industrial brasileira cresceu 1,5% em agosto na comparação com o mês de julho, na série com ajuste sazonal. Em

Leia mais

Conjuntura PRODUÇÃO INDUSTRIAL

Conjuntura PRODUÇÃO INDUSTRIAL Indicadores da Industria Mensal Jan-Mar/2017 ECONÔMICA Conjuntura NO PRIMEIRO QUADRIMESTRE DE 2018, PRODUÇÃO INDUSTRIAL AVANÇA 4,5, FATURAMENTO PRODUÇÃO INDUSTRIAL ATINGE 6,9% Em abril de 2018, a produção

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM ABRIL DE 2004: FÔLEGO CURTO

PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM ABRIL DE 2004: FÔLEGO CURTO PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM ABRIL DE 2004: FÔLEGO CURTO Segundo o IBGE, a produção física industrial brasileira permaneceu virtualmente estagnada, com variação positiva de 0,1% em abril na comparação com o

Leia mais

Produção Industrial Fevereiro de 2014

Produção Industrial Fevereiro de 2014 Produção Industrial Fevereiro de 2014 Produção Industrial mantém ritmo moderado de crescimento A produção industrial de Santa Catarina cresceu 1,8% em fevereiro, em relação ao mesmo mês do ano anterior.

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM MAIO DE 2003: O SETOR DE BENS DE CONSUMO DURÁVEIS TEM O PIOR DESEMPENHO

PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM MAIO DE 2003: O SETOR DE BENS DE CONSUMO DURÁVEIS TEM O PIOR DESEMPENHO PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM MAIO DE 2003: O SETOR DE BENS DE CONSUMO DURÁVEIS TEM O PIOR DESEMPENHO De acordo com o IBGE, em maio, a produção industrial brasileira manteve-se praticamente no mesmo patamar de

Leia mais

Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PIM-PF BRASIL. Resultados de Fevereiro de 2017

Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PIM-PF BRASIL. Resultados de Fevereiro de 2017 Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PIM-PF BRASIL Resultados de ereiro de 2017 Data: 04/04/2017 Resumo ereiro/2017 Variação (%) Grandes Categorias Econômicas Acumulado nos ereiro 2017/eiro

Leia mais

Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PIM-PF BRASIL. Resultados de Maio de 2017

Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PIM-PF BRASIL. Resultados de Maio de 2017 Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PIM-PF BRASIL Resultados de o de 2017 Data: 04/07/2017 Resumo o/2017 Variação (%) Grandes Categorias Econômicas Acumulado nos o 2017/il 2017* o 2017/o 2016

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM NOVEMBRO DE 2003:

PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM NOVEMBRO DE 2003: PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM NOVEMBRO DE 2003: CONDIÇÕES ADVERSAS DO MERCADO INTERNO LIMITAM A RECUPERAÇÃO INDUSTRIAL Segundo o IBGE, em novembro, a produção industrial cresceu 0,8% na comparação com o mês outubro,

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM JANEIRO DE 2004: AVANÇOS E RECUOS

PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM JANEIRO DE 2004: AVANÇOS E RECUOS PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM JANEIRO DE 2004: AVANÇOS E RECUOS Segundo o IBGE, a produção física industrial brasileira cresceu 0,8% em comparação com o mês de dezembro, descontadas as influências sazonais. Em

Leia mais

Índice de Preços ao Produtor

Índice de Preços ao Produtor Diretoria de Pesquisas COIND Índice de Preços ao Produtor Indústrias Extrativas e de Transformação Indústrias Extrativas e de Transformação Resultados Novembro de 2016 Principais Indicadores Indústria

Leia mais

Produção Industrial Maio de 2014

Produção Industrial Maio de 2014 Produção Industrial Maio de 214 PRODUÇÃO INDU S TRI AL DE SANTA C AT AR INA EM M AIO/14 A produção industrial de Santa Catarina ficou estável em maio (,%), em relação ao mesmo mês do ano anterior. Resultado

Leia mais

Resultados do 2º trimestre de 2012

Resultados do 2º trimestre de 2012 4º T 2007 1º T 2008 2º T 2008 3º T 2008 4º T 2008 1º T 2009 2º T 2009 3º T 2009 4º T 2009 1º T 2010 2º T 2010 3º T 2010 4º T 2010 1º T 2011 2º T 2011 3º T 2011 4º T 2011 1º T 2012 2º T 2012 4º Tri/2007=100

Leia mais

Resultados do 3º trimestre de 2012

Resultados do 3º trimestre de 2012 4º T 07 1º T 08 2º T 08 3º T 08 4º T 08 1º T 09 2º T 09 3º T 09 4º T 09 1º T 10 2º T 10 3º T 10 4º T 10 1º T 11 2º T 11 3º T 11 4º T 11 1º T 12 2º T 12 3º T 12 São Paulo, 12 de novembro de 2012 Resultados

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL Outubro de 2013

PRODUÇÃO INDUSTRIAL Outubro de 2013 PRODUÇÃO INDUSTRIAL Outubro de 2013 SUMÁRIO EXECUTIVO A produção industrial de cresceu 4,9% em outubro, em relação ao mesmo mês do ano anterior. É a quinta taxa positiva consecutiva neste tipo de comparação.

Leia mais

Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PIM-PF REGIONAL. Resultados de Janeiro de 2017

Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PIM-PF REGIONAL. Resultados de Janeiro de 2017 Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PIM-PF REGIONAL Resultados de Janeiro de 2017 Data: 14/03/2017 RESUMO (Janeiro/2017) Variação (%) Locais Acumulado nos Janeiro 2017/Dezembro 2016* Janeiro

Leia mais

DESEMPENHO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM JANEIRO DE 2003

DESEMPENHO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM JANEIRO DE 2003 DESEMPENHO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM JANEIRO DE 2003 De acordo com o IBGE, a produção industrial brasileira voltou a crescer em janeiro de 2003 ainda que a uma taxa modesta: 0,7% em relação ao mês anterior,

Leia mais

Índice de Preços ao Produtor

Índice de Preços ao Produtor Diretoria de Pesquisas COIND Índice de Preços ao Produtor Indústrias Extrativas e de Transformação Indústrias Extrativas e de Transformação Resultados Fevereiro de 2017 Principais Indicadores Indústria

Leia mais

COMENTÁRIOS. O emprego industrial, que ficou praticamente estável nos últimos três. meses, recuou 0,6% em novembro frente a outubro, na série livre de

COMENTÁRIOS. O emprego industrial, que ficou praticamente estável nos últimos três. meses, recuou 0,6% em novembro frente a outubro, na série livre de COMENTÁRIOS PESSOAL OCUPADO ASSALARIADO O emprego industrial, que ficou praticamente estável nos últimos três meses, recuou 0,6% em novembro frente a outubro, na série livre de influências sazonais. Esta

Leia mais

Produção Industrial Julho de 2014

Produção Industrial Julho de 2014 Produção Industrial Julho de 2014 PRODUÇÃO INDUSTRIAL DE SANTA CATARINA EM JULHO/14 A produção da indústria catarinense recuou 2,7% em julho, enquanto a produção brasileira teve queda de 3,6%, ambos sobre

Leia mais

Índice de Preços ao Produtor

Índice de Preços ao Produtor Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria Índice de Preços ao Produtor Indústrias Extrativas e de Transformação Índice de Preços ao Produtor Indústrias Extrativas e de Transformação Resultados Julho

Leia mais

Comentários. Na passagem de dezembro de 2011 para janeiro de 2012, os índices. regionais da produção industrial, descontados os efeitos sazonais,

Comentários. Na passagem de dezembro de 2011 para janeiro de 2012, os índices. regionais da produção industrial, descontados os efeitos sazonais, Comentários Na passagem de dezembro de 2011 para janeiro de 2012, os índices regionais da produção industrial, descontados os efeitos sazonais, mostraram queda em nove dos quatorze locais pesquisados.

Leia mais

Resultados do 1º trimestre de 2012

Resultados do 1º trimestre de 2012 Resultados do 1º trimestre de 2012 São Paulo, 14 de maio de 2012 Contextualização Após a forte contração de 1,6% da produção industrial no último trimestre de 2011 frente ao período imediatamente anterior

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL JANEIRO DE 2014 Janeiro de 2014 www.fiergs.org.br Atividade industrial volta crescer De acordo com o Índice de Desempenho Industrial do Rio Grande do Sul (IDI/RS),

Leia mais

Diretoria de Pesquisas. Coordenação de Indústria PIM-PF REGIONAL. Resultados de Julho de 2017

Diretoria de Pesquisas. Coordenação de Indústria PIM-PF REGIONAL. Resultados de Julho de 2017 Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PIM-PF REGIONAL Resultados de Julho de 2017 Resumo - Julho/2017 Variação (%) Locais Acumulado nos Julho 2017/Junho 2017* Julho 2017/Julho 2016 Acumulado

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Março Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Março Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Março 2014 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS NO TRIMESTRE Exportações A retração das vendas da indústria do Rio Grande do Sul estiveram concentradas

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM FEVEREIRO DE 2004: OUTRA VEZ EM RETRAÇÃO

PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM FEVEREIRO DE 2004: OUTRA VEZ EM RETRAÇÃO PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM FEVEREIRO DE 2004: OUTRA VEZ EM RETRAÇÃO A decisão do Banco Central em interromper a redução da taxa de juros básica em janeiro funcionou como balde de água-fria na expectativa dos

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2015 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JANEIRO Exportações Além da forte queda da indústria (-18,5%), ressalta-se o fato de que somente

Leia mais

DESEMPENHO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM 2002

DESEMPENHO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM 2002 DESEMPENHO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM 2002 De acordo com os dados da pesquisa industrial mensal do IBGE, a produção industrial brasileira terminou o ano de 2002 com um crescimento médio de 2,4%. Na comparação

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação

Coeficientes de Exportação e Importação Coeficientes de Exportação e Importação Divulgação dos Resultados da Indústria Geral e Setorial 1º Trimestre de 2011 Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior Maio de 2011 Objetivos Calcular

Leia mais

CONJUNTURA ECONÔMICA 06 de fevereiro de 2013 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA

CONJUNTURA ECONÔMICA 06 de fevereiro de 2013 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA CONJUNTURA ECONÔMICA SUMÁRIO EXECUTIVO Na série com ajustes sazonais, o crescimento da produção industrial de Santa Catarina, em dezembro, foi de 0,4% em relação ao mês anterior, terceira taxa positiva

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Fevereiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Fevereiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Fevereiro 2014 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM FEVEREIRO Exportações As exportações registraram queda, mesmo com o efeito favorável do

Leia mais

Diretoria de Pesquisas. Coordenação de Indústria PIM-PF REGIONAL. Resultados de Agosto de 2017

Diretoria de Pesquisas. Coordenação de Indústria PIM-PF REGIONAL. Resultados de Agosto de 2017 Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PIM-PF REGIONAL Resultados de Agosto de 2017 Resumo - Agosto/2017 Variação (%) Locais Acumulado nos Agosto 2017/Julho 2017* Agosto 2017/Agosto 2016 Acumulado

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Julho Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Julho Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Julho 2013 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JULHO Exportações O principal destaque ficou por conta do aumento das vendas de tratores e de

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Junho Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Junho Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Junho 2014 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JUNHO Exportações A forte redução no mês foi causada pela contabilização como exportação da

Leia mais

Produção Física - Subsetores Industriais Variação % em Relação ao Mesmo Mês do Ano Anterior

Produção Física - Subsetores Industriais Variação % em Relação ao Mesmo Mês do Ano Anterior Abate e fabricação de produtos de carne -3,7 4,3-3,7-7,1-3,8 0,5 2,0-0,9 4,9-11,8 2,4 5,0 Abate de reses, exceto suínos 0,1 1,1-9,2-9,2-10,0-7,3-6,0-4,3 4,9-19,6-1,8 6,9 Abate de suínos, aves e outros

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Setembro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Setembro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Setembro 2012 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM SETEMBRO Exportações A queda de 28% na comparação mensal pode ser explicada por: 1) Dois

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Outubro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Outubro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Outubro 2012 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM OUTUBRO Exportações A exportação de produtos básicos registrou queda de 87,3% ante outubro

Leia mais

ano I, n 5, setembro de 2011

ano I, n 5, setembro de 2011 ,, setembro de 2011 SÍNTESE AGOSTO DE 2011 (Em US$ milhões) Período Exportações Importações Saldo Agosto 26.159 22.285 3.874 Variação em relação a agosto de 2010 36,0 % 32,5 % + US$ 1.461 milhões Janeiro-Agosto

Leia mais

Produção Física - Subsetores Industriais Variação % em Relação ao Mesmo Mês do Ano Anterior

Produção Física - Subsetores Industriais Variação % em Relação ao Mesmo Mês do Ano Anterior Abate e fabricação de produtos de carne 4,3-3,7-7,1-3,8 0,5 2,0-0,9 4,9-11,8 2,4 4,5 5,2 Abate de reses, exceto suínos 1,1-9,2-9,2-10,0-7,3-6,0-4,3 4,9-19,6-1,8 5,7 10,0 Abate de suínos, aves e outros

Leia mais

Produção Física - Subsetores Industriais Variação % em Relação ao Mesmo Mês do Ano Anterior

Produção Física - Subsetores Industriais Variação % em Relação ao Mesmo Mês do Ano Anterior Abate e fabricação de produtos de carne 12,2-19,0-0,9-1,6 0,7-1,3 1,1-1,5-7,8 2,5 7,6-2,5 1,9 Abate de reses, exceto suínos 27,7-10,5 10,3 6,6 10,1 7,2 8,7 4,6-4,7 3,8 10,3-4,7-1,2 Abate de suínos, aves

Leia mais

Produção Física - Subsetores Industriais Variação % em Relação ao Mesmo Mês do Ano Anterior

Produção Física - Subsetores Industriais Variação % em Relação ao Mesmo Mês do Ano Anterior Abate e fabricação de produtos de carne -7,1-3,8 0,5 2,0-0,9 4,9-11,8 2,5 4,7 5,4 1,1 5,7 Abate de reses, exceto suínos -9,2-10,0-7,3-6,0-4,3 5,0-19,7-1,6 6,1 11,3 3,4 6,2 Abate de suínos, aves e outros

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Novembro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Novembro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Novembro 2014 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM NOVEMBRO Exportações A base de comparação está elevada pela contabilização como exportação

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2016 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JANEIRO Exportações O principal destaque negativo ficou por conta do impacto contracionista

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Fevereiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Fevereiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Fevereiro 2015 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM FEVEREIRO Exportações Em nível, as exportações da indústria gaúcha estão no pior patamar

Leia mais

Produção Física - Subsetores Industriais Variação % em Relação ao Mesmo Mês do Ano Anterior

Produção Física - Subsetores Industriais Variação % em Relação ao Mesmo Mês do Ano Anterior Abate e fabricação de produtos de carne 4,2 0,0 3,8-3,8-3,4 12,2-19,1 1,3-1,6 0,7-1,3 1,4-0,5 Abate de reses, exceto suínos 10,8 12,7 7,0-4,0 1,0 27,7-10,5 10,2 6,6 10,1 7,2 8,7 6,3 Abate de suínos, aves

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Março Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Março Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Março 2013 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM MARÇO Exportações As exportações ficaram praticamente estáveis em comparação com o mesmo mês

Leia mais

Nos últimos 12 meses, a retração da indústria de SC foi de 7,9% e a brasileira de 9%.

Nos últimos 12 meses, a retração da indústria de SC foi de 7,9% e a brasileira de 9%. ABRIL/2016 Sumário Executivo Produção Industrial - Fevereiro 2016 Variação percentual mensal (Base: mês anterior): A indústria catarinense diminuiu a produção em 3,3%, ante uma contração da indústria nacional

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL FEVEREIRO DE 2013 A atividade cresceu pelo terceiro mês seguido Fevereiro de 2013 www.fiergs.org.br A atividade da indústria gaúcha evoluiu positivamente em fevereiro,

Leia mais

Dezembro de Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL

Dezembro de Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional Dezembro de 2012 Em dezembro de 2012 a taxa anualizada da produção física da indústria de transformação da Bahia alcançou 4,5%, após ter registrado queda de

Leia mais

Agosto de Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional 1 SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL

Agosto de Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional 1 SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional 1 Agosto de 2015 Em agosto de 2015, a taxa anualizada da produção física da Indústria de Transformação da Bahia foi de -3,2%, contra um resultado registrado

Leia mais

Outubro de 2013 IGP-M registra variação de 0,86% em outubro Índice Geral de Preços Mercado (IGP-M) IGP-M IGP-M

Outubro de 2013 IGP-M registra variação de 0,86% em outubro Índice Geral de Preços Mercado (IGP-M) IGP-M IGP-M IGP-M registra variação de 0,86% em outubro O Índice Geral de Preços Mercado (IGP-M) variou 0,86%, em outubro. Em setembro, o índice variou 1,50%. Em outubro de 2012, a variação foi de 0,02%. A variação

Leia mais

Região Sul. Regional Abril 2015

Região Sul. Regional Abril 2015 Regional Abril 2015 O mapa mostra a divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Sul engloba a Fiemg Regional Sul. Região Sul GLOSSÁRIO Setores que fazem parte

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2011 Unidade de Estudos Econômicos PRINCIPAIS ESTADOS EXPORTADORES NO MÊS jan/10 Part(%) jan/11 Part(%) Var (%) SAO PAULO 3.127 27,7% 3.328 21,9% 6,4% 201

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Março Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Março Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Março 2015 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS NO 1º TRIMESTRE Exportações Das 24 categorias da indústria, apenas 4 apresentaram crescimento em

Leia mais

Março de Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional 1 SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL

Março de Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional 1 SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional 1 Março de 2016 A produção física da Indústria de Transformação da Bahia apresentou queda de 2,8%, na comparação dos últimos 12 meses, terminados em março, com

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Fevereiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Fevereiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Fevereiro 2013 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM FEVEREIRO Exportações Apesar da queda nos embarques para a Argentina (6%), trata-se do melhor

Leia mais

Novembro de Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL

Novembro de Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional Novembro de 2013 Em novembro de 2013 a taxa anualizada da produção física da indústria de transformação da Bahia alcançou 6,0%, abaixo da taxa registrada no

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL MARÇO DE 2014 Março de 2014 www.fiergs.org.br Indústria gaúcha encerrou primeiro trimestre em queda Após recuperar um pouco de fôlego nos dois primeiros meses

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Junho Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Junho Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Junho 2015 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS NO 2º TRIMESTRE Exportações As exportações da indústria de transformação tiveram o nível mais baixo

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL AGOSTO DE 2011 Novo crescimento não altera o quadro desfavorável Agosto de 2011 www.fiergs.org.br Os resultados dos Indicadores Industriais do RS referentes ao

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Setembro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Setembro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Setembro 2015 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM SETEMBRO Exportações Houve contabilização como exportação de uma plataforma de petróleo e

Leia mais

Dezembro de Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional 1 SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL

Dezembro de Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional 1 SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional 1 Dezembro de 2015 A produção física da Indústria de Transformação da Bahia encerrou o ano de 2015 com queda de 7%, apos resultado negativo registrado 2014 (-3,1%).

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL Dezembro de 2014-2,2 % - 0,9 % - 2,7 % - 0,04 % + 0,6 % + 0,7 % 114 112 Atividade industrial do RS em 2014 devolve os ganhos de 2013 A atividade industrial do

Leia mais

Atividade industrial acentua queda em dezembro

Atividade industrial acentua queda em dezembro Destaques 2 3 4 Faturamento real Efeito acomodação leva faturamento a crescer em dezembro no dado dessazonalizado Horas trabalhadas na produção Horas trabalhadas recuam fortemente, no indicador dessazonalizado,

Leia mais

Maio de Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL

Maio de Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional Maio de 2019 A produção física da Indústria de Transformação da Bahia registrou queda de 0,4% em março de 2019, no acumulado de 12 meses, ocupando a 7ª posição

Leia mais

Região Norte. Regional Maio 2015

Região Norte. Regional Maio 2015 Regional Maio 2015 O mapa mostra a divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Norte engloba a Fiemg Regional Norte, Vale do Jequitinhonha e Mucuri. Região Norte

Leia mais

Sem plataformas de petróleo parcela exportada da indústria cairia em 2013.

Sem plataformas de petróleo parcela exportada da indústria cairia em 2013. Informativo trimestral 4º trimestre de 2013 Para mais informações www.fiesp.com.br São Paulo, 19 de fevereiro de 2014 Sem plataformas de petróleo parcela exportada da indústria cairia em 2013. Coeficiente

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS

INDICADORES INDUSTRIAIS INDICADORES INDUSTRIAIS Informativo da Confederação Nacional da Indústria ISSN 1983-621X Ano 23 Número 9 Setembro de 2012 www.cni.org.br Indústria mantém ociosidade UCI - dessazonalizada Setembro/2012

Leia mais

Índice de Preços ao Produtor varia 0,31% em agosto 27/09/2017

Índice de Preços ao Produtor varia 0,31% em agosto 27/09/2017 Índice de Preços ao Produtor varia 0,31% em agosto 27/09/2017 Editoria: Estatísticas Econômicas Produto: Índice de Preços ao Produtor - Indústrias Extrativas e de Transformação Em agosto de 2017, o Índice

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Outubro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Outubro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Outubro 2015 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM OUTUBRO Exportações A separação por categoria de atividade econômica mostra que a indústria

Leia mais

O crescimento da produção industrial em maio não altera a perspectiva de fraco desempenho da indústria em 2011

O crescimento da produção industrial em maio não altera a perspectiva de fraco desempenho da indústria em 2011 O crescimento da produção industrial em maio não altera a perspectiva de fraco desempenho da indústria em 2011 Resumo * Em maio com relação a abril a produção industrial cresceu 1,3%, livre de efeitos

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2013 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JANEIRO Exportações A queda das exportações para a Argentina (43%) foi determinante para esse

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Novembro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Novembro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Novembro 2012 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM NOVEMBRO Exportações As retrações nos embarques para a China (produtos básicos e semimanfaturados)

Leia mais

Triângulo Mineiro. Regional Maio 2010

Triângulo Mineiro. Regional Maio 2010 Triângulo Mineiro O mapa mostra a Divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Triângulo engloba as Regionais Fiemg Pontal do Triângulo, Vale do Paranaíba e Vale

Leia mais

Setembro de Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL

Setembro de Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional Setembro de 2018 A produção física da Indústria de Transformação da Bahia registrou crescimento de 1,0% em julho de 2018, no acumulado de 12 meses (contra crescimento

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Agosto Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Agosto Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Agosto 2014 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM AGOSTO Exportações As retrações da Argentina (-32,8%) e dos Estados Unidos (-8,8%) explicam

Leia mais

Triângulo Mineiro. Regional Setembro 2010

Triângulo Mineiro. Regional Setembro 2010 Triângulo Mineiro O mapa mostra a Divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Triângulo engloba as Regionais Fiemg Pontal do Triângulo, Vale do Paranaíba e Vale

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação

Coeficientes de Exportação e Importação Coeficientes de Exportação e Importação Resultados de 2011 Roberto Giannetti da Fonseca Diretor Titular São Paulo, 07 de fevereiro de 2012 Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior -

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL Dezembro de 2017

PRODUÇÃO INDUSTRIAL Dezembro de 2017 Produção Industrial DEZEMBRO/2017 Produção Industrial Catarinense, volta a crescer em 2017 Santa Catarina, em 2017, iniciou a recuperação das perdas na produção industrial. Na comparação com novembro,

Leia mais

INDX registra aumento de 2,41% em julho

INDX registra aumento de 2,41% em julho INDX ANÁLISE MENSAL INDX registra aumento de 2,41% em julho Dados de Julho/13 Número 76 São Paulo O Índice do Setor Industrial (INDX), composto pelas ações mais representativas do segmento, encerrou o

Leia mais

CONJUNTURA ECONÔMICA PRODUÇÃO INDUSTRIAL - 14 DE SETEMBRO 2012 FIESC PRODUÇÃO INDUSTRIAL JULHO 14 DE SETEMBRO 2012

CONJUNTURA ECONÔMICA PRODUÇÃO INDUSTRIAL - 14 DE SETEMBRO 2012 FIESC PRODUÇÃO INDUSTRIAL JULHO 14 DE SETEMBRO 2012 CONJUNTURA ECONÔMICA PRODUÇÃO INDUSTRIAL JULHO 14 DE SETEMBRO 2012 SUMÁRIO EXECUTIVO - PRODUÇÃO INDUSTRIAL BRASIL Em julho, a produção física da indústria brasileira, descontadas as influências sazonais,

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL MAIO DE 2014 Apesar do crescimento, cenário segue desfavorável Maio de 2014 www.fiergs.org.br Após dois meses de queda, o Índice de Desempenho Industrial do Rio

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL NOVEMBRO DE Novembro de www.fiergs.org.br Após quatro meses de alta, atividade volta a cair Após quatro meses de crescimento, o conjunto dos Indicadores Industriais

Leia mais

Atividade industrial recua em outubro

Atividade industrial recua em outubro Ano 19 Número 10 outubro de 2008 www.cni.org.br Destaques 2 3 4 Faturamento real Crescimento do faturamento perde intensidade em outubro, frente ao mesmo mês de 2007 Horas trabalhadas na produção Maior

Leia mais

DEPECON Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos. Cenário Econômico e Desempenho Mensal da Indústria

DEPECON Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos. Cenário Econômico e Desempenho Mensal da Indústria DEPECON Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Cenário Econômico e Desempenho Mensal da Indústria Julho de 2017 Este relatório visa a fornecer informações econômicas sobre a Indústria de Transformação

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2012 Unidade de Estudos Econômicos PRINCIPAIS ESTADOS EXPORTADORES NO MÊS jan/11 Part(%) jan/12 Part(%) Var (%) SAO PAULO 3.328 21,9% 3.672 22,7% 10,3% 344

Leia mais

Comércio Internacional: Impactos no Emprego. Março 2009 DEREX / DEPECON / DECONTEC 1

Comércio Internacional: Impactos no Emprego. Março 2009 DEREX / DEPECON / DECONTEC 1 Comércio Internacional: Impactos no Emprego Março 2009 DEREX / DEPECON / DECONTEC 1 Ganhos do Comércio Internacional: Fonte geradora de empregos no Brasil. 1. Possibilita aumento da produção nacional,

Leia mais

Março de Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL

Março de Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional Março de 2013 Em março de 2013 a taxa anualizada da produção física da indústria de transformação da Bahia alcançou 2,9%, pouco acima da taxa registrada no mês

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Dezembro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Dezembro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Dezembro 2013 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM 2013 Exportações A contabilização como exportação de três plataformas de petróleo e gás somou

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. 4º Trimestre/2016

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. 4º Trimestre/2016 Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação 4º Trimestre/2016 Os Coeficientes de Exportação e de Importação tem como objetivo analisar de forma integrada a produção industrial

Leia mais

ano XV, n 9, setembro de 2011

ano XV, n 9, setembro de 2011 ,, EM FOCO O crescimento das exportações no mês de agosto foi, mais uma vez, determinado pelos ganhos de preços, com variação de 24,2%. O quantum teve aumento de 9,4% no período. O crescimento do quantum

Leia mais

Gráfico 3.3 Indicador de PIB Trimestral do Espírito Santo Variação (%) acumulada no 1º semestre de ,1-11,8. Espírito Santo

Gráfico 3.3 Indicador de PIB Trimestral do Espírito Santo Variação (%) acumulada no 1º semestre de ,1-11,8. Espírito Santo ECONOMIA CAPIXABA PIB O Produto Interno Bruto (PIB) do Espírito Santo alcançou crescimento de 1,1%, no acumulado no primeiro semestre de 2018, quinto resultado positivo consecutivo. Na comparação com o

Leia mais

Região Centro-Oeste. Regional Fevereiro 2015

Região Centro-Oeste. Regional Fevereiro 2015 O mapa mostra a divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Centro- Oeste engloba a Regional Fiemg Centro-Oeste. Região Centro-Oeste GLOSSÁRIO Setores que fazem

Leia mais

ano XV, n 10, outubro de 2011

ano XV, n 10, outubro de 2011 ,, EM FOCO Em setembro, o aumento das exportações baseou-se novamente na variação positiva dos preços, que tiveram alta de 21,2% em relação a setembro de 2010, acumulando no ano variação de 26,2%. O quantum

Leia mais

IGP-M registra variação de 0,51% em março

IGP-M registra variação de 0,51% em março Segundo Decêndio Março de 2014 IGP-M registra variação de 0,51% em março O Índice Geral de Preços Mercado (IGP-M) variou 0,51%, em março. Em fevereiro, o índice variou 1,29%. Em março de 2015, a variação

Leia mais

IGP-DI registra variação de 0,79% em fevereiro

IGP-DI registra variação de 0,79% em fevereiro Segundo Decêndio Março de 2014 Segundo Decêndio Março de 2014 IGP-DI registra variação de 0,79% em fevereiro O Índice Geral de Preços Disponibilidade Interna (IGP-DI) variou 0,79%, em fevereiro. A variação

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS. Ago.2016 REGIÃO CENTRO-OESTE. Regional Centro-Oeste Divinópolis ANÁLISE SETORIAL

INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS. Ago.2016 REGIÃO CENTRO-OESTE. Regional Centro-Oeste Divinópolis ANÁLISE SETORIAL #8 INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS Ago.2016 REGIÃO CENTRO-OESTE Regional Centro-Oeste Divinópolis INDICADORES ANÁLISE SETORIAL TABELAS I N D I CADORES IN DUST RIAIS D A RE GIÃO LESTE FIEMG INDEX.

Leia mais

Outubro de Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional 1 SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL

Outubro de Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional 1 SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional 1 Outubro de 2015 Em outubro de 2015, a taxa anualizada da produção física da Indústria de Transformação da Bahia foi de -5,6%, contra um resultado registrado

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. 3º Trimestre/2017

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. 3º Trimestre/2017 Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação 3º Trimestre/2017 Os Coeficientes de Exportação e de Importação tem como objetivo analisar de forma integrada a produção industrial

Leia mais