MANUAL INFORMATIVO CASA DE APOIO HOSPITAL INFANTIL WALDEMAR MONASTIER

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL INFORMATIVO CASA DE APOIO HOSPITAL INFANTIL WALDEMAR MONASTIER"

Transcrição

1 MANUAL INFORMATIVO CASA DE APOIO HOSPITAL INFANTIL WALDEMAR MONASTIER

2 PROJETO Casa Acolhedora Em um momento tão difícil, só um apoio de uma casa acolhedora para nos ajudar a suportar o tempo. APRESENTAÇÃO A idéia evoluiu logo após a implantação do Hospital Infantil e diante do interesse do Município em estimular a permanência dos pais junto às crianças sob cuidados hospitalares. Possibilitando e reforçando a importância da permanência dos responsáveis ao lado da criança, acrescido da necessidade de um espaço acolhedor e intermediário entre seu lar e o Hospital como uma alternativa digna e cidadã para todos. Este Projeto possibilitará o favorecimento das ações voltadas para o interesse da assistência, a redução de seu período de internação, o envolvimento das famílias no tratamento e a promoção da criação e do fortalecimento de redes de proteção social para todos, integrando assim o Município, o Estado e Instituição Hospitalar. A equipe técnica supervisionará o funcionamento da Casa, e irá desenvolver e coordenar atividades em parceria com a Pastoral da Criança junto a mães e pais. Ações que possibilitarão não apenas no tratamento de filhos, mas que irão colaborar para o fortalecimento da auto-estima: reuniões para discussão do cotidiano da casa, arte terapia, grupo de terapia ocupacional (bordados, crochês), grupo de orientação para a saúde higiene e cuidados pós- internamentos. A Casa disponibilizará hospedagem e alimentação. JUSTIFICATIVA A condição hospitalar traz a criança situações de desconforto, estresse, e até a depressão infantil, em decorrência de todo o quadro de debilitação física, do afastamento temporário de sua casa e de seus familiares. A proposta de termos a presença dos responsáveis, durante o período de internamento possibilita inúmeros benefícios ao infanto, desde uma melhor resposta ao tratamento a uma melhor adaptação às intervenções necessárias durante o internamento. Estes benefícios apontam para os resultados de melhoras no estado de saúde clinico e emocional do paciente. Garantindo assim seu direito, já consolidado no art. no. 12 do Estatuto da Criança e do e do Adolescente - ECA: os estabelecimentos de atendimento à saúde deverão proporcionar condições para

3 a permanência em tempo integral de um dos pais ou responsável, nos casos de internação de criança ou adolescente. OBJETIVO GERAL Acolher, orientar e assistir a família (mãe, pai ou responsável) das crianças internadas no Hospital Infantil em Campo Largo, de outros municípios e as que, antes ou após terem sido atendidas, ainda não podem voltar para casa nem ficar internadas. O Fluxograma: Pré internamento; Internamento; Pós Internamento; Suporte Técnico: O programa oferecerá o atendimento psicológico aos acompanhantes do paciente, pois entende ser este um momento de estresse e fragilidade emocional. Funcionamento da Casa: A casa atualmente conta com a ajuda de duas colaboradoras do programa acolher, 04 vigilantes com escala de 12 horas por 36 horas e um responsável pela limpeza de segunda a sexta meio período. Refeições: Todas as refeições são feitas no Hospital Infantil (café da manhã, almoço, café da tarde e jantar). Cômodos da Casa: * Copa / Cozinha * Despensa * Quartos com beliches (totalizando 10 camas e 2 berços) * Sala de estar e leitura * Banheiros com chuveiro feminino * Lavanderia

4 INFORMAÇÕES GERAIS E NORMAS DA CASA 1. Público-alvo: A quem a casa de destina? a) Acompanhantes da UTI Neonatal, UTI Pediátrica e Unidade de Cuidados Intermediários (UCI) para pernoite. b) Pacientes e acompanhantes residentes fora do município de Campo Largo e sem subsídios sócio-econômicos para a estadia durante o tratamento, cuja condição social e clínica demandem a permanência próxima ao hospital. 2. Encaminhamento O encaminhamento de acompanhantes para a casa de apoio será realizado mediante avaliação dos colaboradores do Programa Acolher. Na chegada do acompanhante ao Hospital Infantil, a recepção o encaminhará para a sala do setor Programa Acolher, onde será realizado o seu cadastro e encaminhamento à casa de apoio. Em situações especiais, o acompanhante deverá ser avaliado pelo coordenador do Programa Acolher, antes do encaminhamento. No caso de mães que desejem amamentar no período noturno, será avaliada a possibilidade de permanência da mãe no Hospital, no alojamento do Programa Acolher. Em se tratando de mãe menor de idade, serão esclarecidas as condições de permanência de dois acompanhantes (a mãe e o seu responsável). Outras situações serão avaliadas caso a caso. Para o encaminhamento do acompanhante ao seu lugar de pernoite, os profissionais responsáveis deverão verificar, por telefone, se há disponibilidade de vagas no alojamento do Programa Acolher ou na casa de apoio e se o paciente já não possui outro acompanhante no hospital, lembrando que recebemos somente um acompanhante por paciente (exceto em situações especiais). Para encaminhar o acompanhante a Casa de Apoio, o profissional responsável deve preencher a Ficha de Encaminhamento/Cadastro. O colaborador do Programa Acolher orienta o acompanhante do paciente que vai ficar na casa, as normas e o funcionamento da casa e do Hospital e o acompanha até á Casa de Apoio. 3. Admissão e Permanência na Casa de Apoio O responsável administrativo na casa receberá o acompanhante que deverá ter consigo o encaminhamento do Programa Acolher. Neste mesmo documento, deve ser preenchido o cadastro do acompanhante para então ser arquivado na recepção da casa até a saída. Deverá ser anexada ao cadastro a Declaração de Empréstimo de Materiais. Na ocasião da saída do acompanhante, o responsável na casa fará a baixa deste documento, após conferência da devolução dos referidos materiais.

5 O colaborador na casa deverá explicar as normas da casa, as quais são apresentadas nos itens 3.1, 3.2 e 3.3 deste documento: 3.1 Normas Gerais 1. A hospedagem na Casa de Apoio do Hospital Infantil é gratuita. 2. A Casa de Apoio é destinada para o pernoite. Durante o dia, o acompanhante deve permanecer junto à sua criança no hospital. 3. Objetos de valor são de total responsabilidade dos usuários da casa. Recomenda-se não levar objetos de valor para a casa de apoio. 4. Os usuários devem participar das rotinas de higiene e limpeza da casa, a qual funciona em sistema de escala de tarefas: Varrer a casa; tirar os lixos; limpar os banheiros, limpar a cozinha, varrer a calçada. Obs: Estas rotinas serão criadas pelo funcionário da administração da casa de apoio, conforme as possibilidades dos usuários da casa (número de pessoas, condições físicas, entre outras) e serão afixadas em locais visíveis e de grande acesso. 5. Não são permitidas a entrada de televisores, aparelhos de som ou quaisquer outros aparelhos que possam incomodar os demais usuários da casa. 6. Os televisores podem ser ligados a partir das 08h00 e devem ser desligados às 22h Alimentos, roupas de cama e banho, produtos de higiene e de limpeza são fornecidos pela Casa de Apoio, porém controlados. O desperdício de produtos implicará na falta destes para os usuários. 8. Não é permitido fumar e consumir bebidas alcoólicas nas dependências da casa. 9. Se sua criança estiver junto com você na casa de apoio, não a deixe sozinha. Não se responsabilize por cuidar de outras crianças. 10. Visitantes serão recebidos somente em casos especiais e mediante autorização na recepção da Casa de Apoio, pelo responsável administrativo na casa. 11. Não é permitida a entrada de visitantes aos quartos, cozinha, banheiro e demais cômodos. 12. Não é permitido circular pela casa em trajes íntimos, curtos, pijamas ou camisolas. 13. Ao sair dos cômodos, deve-se apagar todas as luzes. 14. O horário de uso da máquina de lavar é de Segunda à Sexta das 08h00 às 16h00, sendo o mínimo de 10 peças. 15. Caso algo caia no chão, a pessoa responsável pelo ato deve providenciar a limpeza. 16. Doações de roupas somente para as crianças internadas no Hospital Infantil e os acompanhantes das mesmas. 17. Os acompanhantes que chegarem ao Hospital após as 19h00, permanecerão no alojamento do Programa Acolher até a manhã seguinte, quando serão encaminhados conforme processo descrito no item 2 deste documento;

6 18. Não é permitida a entrada na Casa de Apoio entre as 22h00 e às 07h00, para a segurança do hospital e dos usuários da Casa, caso seja extremamente necessário sair neste período, é obrigatório assinar o livro de controle de entrada e saída. 19. O colaborador da Casa de Apoio registrará, em livro de ocorrência, as ocasiões nas quais o usuário não permanecer na casa durante a noite, sem prévia justificativa. Este fato deve ser comunicado ao usuário e ao coordenador do Programa Acolher. 3.2 Limpeza e organização A Casa de Apoio conta com o serviço de um funcionário para limpeza geral da casa (faxina), o qual comparecerá periodicamente. Obs: a definição desta periodicidade depende da disponibilidade de funcionários para esta função. Com a finalidade de manter a Casa de Apoio sempre limpa e organizada, a limpeza diária de rotina deve ser feita pelos usuários da casa, por meio da escala de tarefas organizada diariamente pelo responsável administrativo. Este verificará o cumprimento das tarefas. Se por algum motivo justificável o usuário não realizar sua tarefa, outro usuário o substituirá e no outro dia será feita a reposição. a) Cozinha A limpeza da cozinha (louça, fogão, pia, chão) deve ser feita imediatamente após o seu uso, pela pessoa que a utilizou. Ressalta-se que na Casa de Apoio só poderão ser feitas as refeições previamente determinadas pela equipe da Casa de Apoio. Cada usuário é responsável por alimentos particulares armazenados nos armários e geladeira. Antes de armazená-los, deve-se solicitar aos responsáveis da casa, as etiquetas para identificá-los. Nesta etiqueta, deve-se registrar o nome do responsável e a data de validade do produto, pois após esta data, se não consumido, o alimento será descartado pelos responsáveis da casa. As refeições (café da manhã, almoço e jantar) serão feitas no Hospital Infantil, conforme horários estipulados. Haverá comunicado do profissional da Casa de Apoio ao Hospital acerca do número diário de refeições aos acompanhantes. b) Banheiro O banheiro deve ser mantido limpo. O chão deve permanecer seco, pia e vaso sanitário em perfeitas condições de uso. Após o banho, deve-se retirar do banheiro todos os seus produtos de uso pessoal.

7 c) Quarto O usuário deve levantar-se até às 08h00 (em função do horário do café no Hospital e para a organização da Casa). Deve-se arrumar a cama diariamente, após levantar-se. Caso seja necessário trocar a roupa de cama, deve-se solicitar ao responsável administrativo da casa. As roupas e outros objetos de uso pessoal devem estar devidamente organizados e guardados nos armários. Obs: Sugere-se que os leitos e os armários tenham alguma numeração para identificar e organizar a hospedagem e a guarda dos pertences. Antes de deixar a Casa de Apoio, o usuário retirar a roupa de cama utilizada. d) Uso da lavanderia Caso seja necessário, o usuário deve agendar um horário com o responsável administrativo da casa para lavar suas roupas. Antes de usar a máquina de lavar, é obrigatório o preenchimento da ficha correspondente com a quantidade e descrição das roupas a serem lavadas, junto ao responsável administrativo. É de responsabilidade do usuário cuidar das roupas estendidas no varal. A Casa de Apoio não se responsabiliza por roupas furtadas e/ou não declaradas. Para a retirada das roupas do varal e da lavanderia, é preciso que o usuário, juntamente com o responsável da casa, confira peça a peça às roupas listadas na ficha. e) Almoxarifado Roupas de cama, banho, produtos de limpeza e higiene pessoal e alimentos serão estocados no local e controlados pelo responsável administrativo por meio de um livro próprio. Ao chegar na casa, o usuário receberá uma toalha de banho. Esta toalha será trocada conforme a necessidade, solicitando-se ao responsável administrativo da casa. Não serão feitas trocas de toalha mais de uma vez ao dia. Os usuários serão incentivados a providenciarem seus produtos de higiene e uso pessoal (sabonete, escova de dente, pasta de dentes). Caso o usuário não os possua, o responsável administrativo da casa de apoio os providenciará. O sabonete para banho deve ser solicitado a cada banho. A quantidade de comida, produtos de higiene e de limpeza fornecidos pela Casa de Apoio será controlada e limitada. Os recursos disponíveis e utilizados no mês serão relatados pelo responsável administrativo ao coordenador da Casa de Apoio no Hospital Infantil.

8 3.3 Manutenção do espaço físico Se algo for quebrado ou estragado, deve-se comunicar imediatamente ao responsável administrativo. Este deve providenciar o conserto via solicitação à prefeitura. Os usuários deverão ressarcir qualquer custo resultante de violação, dano ou mau uso das dependências, equipamentos e objetos da Casa de Apoio. Não é permitido realizar consertos ou benfeitorias por conta própria. Para realizar serviços de manutenção, os responsáveis da casa devem entrar em contato com o coordenador. Seu número de telefone será previamente divulgado. 4. Término da estadia na Casa de Apoio Quando o usuário não mais necessitar de estadia na Casa de Apoio, deverá comunicar ao responsável administrativo da casa que dará baixa no seu cadastro. Na ocasião, será dada baixa também na Declaração de Empréstimo de Materiais. Todos os documentos referentes à permanência do usuário na Casa de Apoio devem ser arquivados juntos no setor do Programa Acolher. O usuário deverá assinar sua saída da casa e retirar dela todos os seus pertences, antes de buscar sua criança no Hospital Infantil. A saída somente poderá ser assinada no período entre 07h00 e 19h00, junto ao responsável administrativo. O acompanhante somente poderá ser liberado do hospital mediante apresentação da liberação da Casa de Apoio. Após a saída do usuário da casa, o responsável deve comunicar o fato ao setor Programa Acolher no Hospital Infantil e encaminhar a documentação referente para arquivo. 5. Disposições Finais O desrespeito ao fluxo e às normas aqui descritas implicará na avaliação da permanência do usuário da Casa de Apoio. A Casa de Apoio visa favorecer o acompanhamento hospitalar e o tratamento da criança. Colabore para que a estadia de todos seja o mais agradável possível.

9 ATRIBUIÇÕES DOS COLABORADORES DO PROGRAMA ACOLHER QUANTO A CASA DE APOIO 1. Receber, orientar e cadastrar os usuários da Casa de Apoio. 2. Acompanhar o usuário recém chegado até a casa e orientá-lo. 3. Apresentar relatório semanal da quantidade de roupas lavadas. 4. Apresentar relatório mensal do número de usuários da casa. 5. Conferir diariamente o livro de ocorrências e comunicar ao gestor casos extracotidianos. ATRIBUIÇÕES DO SEGURANÇA DA CASA DE APOIO 1. Controle de funcionários através de crachá de identidade funcional; 2. Conferir diariamente os objetos patrimoniais da casa. Comunicar ao gerente da Casa de Apoio casos de irregularidade; 3. Conferir as etiquetas e prazos de validade dos alimentos armazenados pelos usuários da Casa; 4. Distribuir as tarefas diárias aos usuários; 5. Providenciar manutenção e consertos da casa; 6. Gerenciar os kits cama e banho dos usuários; 7. Gerenciar alimentos e produtos de limpeza da casa; 8. Gerenciar o uso da lavanderia; 9. Passar diariamente aos seguranças da guarita do Hospital a lista dos usuários que permanecem na casa (para controle da chave); 10. Registro de fatos extracotidianos através de Ocorrência Interna, para posteriores providências; 11. Abordagem e orientações às pessoas, em situações conflitantes dentro do ambiente da casa e adjacências; 12. Exercer vigilância constante em todo perímetro da casa: 13. Controlar para que todas as normas estabelecidas da casa sejam seguidas; 14. Controle de entrada e saída dos ocupantes da casa atendendo as normas de horários estabelecidas nesse manual; 15. Ser dedicado; 16. Ser prestativo dentro dos limites do regimento interno; 17. Ser enérgico na vigilância e cumprimento das normas e procedimentos pré-estabelecidos; 18. Ser ético, discreto e evitar comentários da vida particular dos ocupantes. 19. Em caso de assalto, seqüestro, brigas e outras ocorrências graves ligar para polícia ou para guarda municipal; 20. Em caso de incêndio acionar o Corpo de Bombeiros; 21. Qualquer tipo de ação sofrida pelo usuário da casa de apoio (assalto, agressão, etc.) cabe ao mesmo registrar o boletim de ocorrência.

10 Contatos no Hospital Infantil: Assistente Social: Sirlene Brito Silva - Ramal 8142 Administradora: Luciana Moreira Cogo Ramal 8159 Enfermaria I Ramal 8145 Enfermaria II Ramal 8129 Enfermaria III Ramal 8163 Recepção do Ambulatório Ramal 8115 Sala Programa Acolher Ramal 8160 UCI (Unidade de Cuidados Intermediários) Ramal 8162 UTI Neonatal Ramal 8139 UTI Pediátrica Ramal 8144 Telefones Úteis: Polícia ou Guarda Municipal: Corpo de Bombeiros: 193

REGIMENTO INTERNO HOME234

REGIMENTO INTERNO HOME234 REGIMENTO INTERNO HOME234 REGRAS PARA UMA BOA CONVIVÊNCIA E SEGURANÇA 01. Porta Principal: Os hóspedes não podem abrir a porta principal a pessoas que não conhecem, e a ninguém após as 22h00min e deverá

Leia mais

REGIMENTO DE FUNCIONAMENTO E USO DO HOTEL DE TRÂNSITO

REGIMENTO DE FUNCIONAMENTO E USO DO HOTEL DE TRÂNSITO REGIMENTO DE FUNCIONAMENTO E USO DO HOTEL DE TRÂNSITO Estabelece as normas de funcionamento e uso do Hotel de Trânsito do Sindicato dos Policiais Civis de Pernambuco (SINPOL/PE), tanto na Sede quanto na

Leia mais

NORMAS PARA PACIENTES, ACOMPANHANTES E VISITANTES

NORMAS PARA PACIENTES, ACOMPANHANTES E VISITANTES NORMAS PARA PACIENTES, ACOMPANHANTES E VISITANTES INFORMAÇÕES GERAIS Terão direito a um (01) acompanhante, pacientes com mais de 60 anos, menores de 18 anos, pessoas com deficiência ou que tenham dificuldade

Leia mais

COMPLEXO HOSPITALAR UNIVERSITÁRIO DA UFMA. Orientações PARA PACIENTES E ACOMPANHANTES

COMPLEXO HOSPITALAR UNIVERSITÁRIO DA UFMA. Orientações PARA PACIENTES E ACOMPANHANTES COMPLEXO HOSPITALAR UNIVERSITÁRIO DA UFMA Orientações PARA PACIENTES E ACOMPANHANTES Prezado usuário Esta cartilha foi desenvolvida na perspectiva de orientá-lo sobre as rotinas das clínicas de internação

Leia mais

SERVIÇO: ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL PARA PESSOAS ADULTAS

SERVIÇO: ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL PARA PESSOAS ADULTAS SERVIÇO: ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL PARA PESSOAS ADULTAS DESCRIÇÃO: Modalidade: Centro Dia para pessoa Idosa Serviço voltado para o atendimento, regime parcial, de pessoas idosas de 60 anos ou mais, de

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE HOSPITAL REGIONAL DA LAPA SÃO SEBASTIÃO

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE HOSPITAL REGIONAL DA LAPA SÃO SEBASTIÃO GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ A clínica de Tisiologia é constituída com pacientes que, para tratamento de sua patologia, necessitam de longa permanência no hospital. Assim, a fim de facilitar a convivência

Leia mais

Central de Atendimento: (11) 3292-6100

Central de Atendimento: (11) 3292-6100 Manual das Normas para uso da Colônia de Férias do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Artefatos de Borracha, Pneumáticos e Afins da Grande São Paulo e Região Uma publicação do Sindicato dos

Leia mais

Guia de Orientação ao Paciente

Guia de Orientação ao Paciente Guia de Orientação ao Paciente Esse guia foi desenvolvido especialmente para melhor atendê-lo durante a permanência no HSR. Aqui encontrará informações sobre nosso funcionamento, serviços e práticas que

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E DO ESPORTE CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E DO ESPORTE CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA REGIMENTO INTERNO No. 01/2011 DO CEFID/UDESC CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Artigo 1º O presente regimento interno normatiza as atividades na Clínica Escola de Fisioterapia do Centro de Ciências da

Leia mais

Condições Gerais de Hospedagem do Arraial do Conto Hotel e Lazer

Condições Gerais de Hospedagem do Arraial do Conto Hotel e Lazer Condições Gerais de Hospedagem do Arraial do Conto Hotel e Lazer A hospedagem no Arraial do Conto Hotel e Lazer é regida pelas seguintes condições: 1. Preenchimento da Ficha de Identificação: É obrigatório

Leia mais

Manual de Orientação ao Cliente

Manual de Orientação ao Cliente Manual de Orientação ao Cliente Prezado Cliente O Hospital IGESP reúne em um moderno complexo hospitalar, os mais avançados recursos tecnológicos e a excelência na qualidade do atendimento prestado por

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DA CENTRAL DE LABORATÓRIOS EM CIÊNCIA E TECNOLÓGIA AMBIENTAL

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DA CENTRAL DE LABORATÓRIOS EM CIÊNCIA E TECNOLÓGIA AMBIENTAL PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DA CENTRAL DE LABORATÓRIOS EM CIÊNCIA E TECNOLÓGIA AMBIENTAL BAURU APRESENTAÇÃO O complexo de laboratórios em Ciência e Tecnologia e Ambiental (CTA)

Leia mais

Guia do Paciente. Leia com atenção e tenha uma estadia mais agradável.

Guia do Paciente. Leia com atenção e tenha uma estadia mais agradável. Guia do Paciente Leia com atenção e tenha uma estadia mais agradável. Apresentação O Hospital São Francisco é referência em diversas especialidades médicas, oferecendo à comunidade alta tecnologia hospitalar,

Leia mais

Guia do paciente. Leia com atenção e tenha uma estadia mais agradável. Mais recursos para seu médico, mais segurança e conforto para você.

Guia do paciente. Leia com atenção e tenha uma estadia mais agradável. Mais recursos para seu médico, mais segurança e conforto para você. Guia do paciente Leia com atenção e tenha uma estadia mais agradável. Mais recursos para seu médico, mais segurança e conforto para você. Apresentação O Hospital São Francisco se tornou referência em

Leia mais

Centro POP Infraestrutura

Centro POP Infraestrutura CENTRO POP Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua Centro POP Infraestrutura Onde deve ser localizado o Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO LABORATÓRIO DE AUTOMAÇÃO EM PETRÓLEO LAUT

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO LABORATÓRIO DE AUTOMAÇÃO EM PETRÓLEO LAUT NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO LABORATÓRIO DE AUTOMAÇÃO EM PETRÓLEO LAUT 1- INTRODUÇÃO O Laboratório de Automação em Petróleo (LAUT) tem o propósito de abrigar pesquisas na área desenvolvidas pela UFRN em

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE ANATOMIA, BIOLOGIA, PARASITOLOGIA E EMBRIOLOGIA APLICADOS À NUTRIÇÃO CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE ANATOMIA, BIOLOGIA, PARASITOLOGIA E EMBRIOLOGIA APLICADOS À NUTRIÇÃO CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE ANATOMIA, BIOLOGIA, PARASITOLOGIA E EMBRIOLOGIA APLICADOS À NUTRIÇÃO CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO - BACHARELADO Autorizada pela Portaria MEC 2.626 de 25

Leia mais

ANEXO I Descrição dos Cargos

ANEXO I Descrição dos Cargos ANEXO I Descrição dos Cargos DESCRIÇÃO: 1. - Auxiliar de Enfermagem: Prestar cuidados diretos de enfermagem ao paciente, por delegação e sob a supervisão do enfermeiro e do médico. Administrar medicação

Leia mais

H O S P I T A L S ÃO P AULO RIBEIRÃO PRETO - SP

H O S P I T A L S ÃO P AULO RIBEIRÃO PRETO - SP H O S P I T A L S ÃO P AULO RIBEIRÃO PRETO - SP Localização dos Leitos Ala Pavimento Leito de 01 a 08 Câmara Hiperbárica Monoplace Leito de e 01 a 08 Leito de 01 a 02 Quarto 201 a 204 Quarto 205 a 207

Leia mais

2.2 - A entrada ou saída de pedestres nas dependências da ULIVING BELA VISTA dar-se-á, pela recepção principal Rua Barata Ribeiro, 61

2.2 - A entrada ou saída de pedestres nas dependências da ULIVING BELA VISTA dar-se-á, pela recepção principal Rua Barata Ribeiro, 61 O Regulamento Interno da ULIVING BELA VISTA, localizado na cidade de SÃO PAULO CAPITAL, à Rua Barata Ribeiro nº 61 estabelece as regras de convivência e as relações entre os usuários do empreendimento.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CAMPUS DE ALEGRE PORTARIA Nº. 358, DE 12 DE SETEMBRO DE 2014.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CAMPUS DE ALEGRE PORTARIA Nº. 358, DE 12 DE SETEMBRO DE 2014. CAMPUS DE ALEGRE PORTARIA Nº. 358, DE 12 DE SETEMBRO DE 2014. A DIRETORA-GERAL DO CAMPUS DE ALEGRE, no uso de suas atribuições legais e tendo em vista Processo nº 23149.001263/2014-61, resolve: Homologar

Leia mais

Padronizar fluxo de entrada de enxoval limpo e procedimentos de controle e distribuição das roupas

Padronizar fluxo de entrada de enxoval limpo e procedimentos de controle e distribuição das roupas 1/6 1. OBJETIVO Padronizar fluxo de entrada de enxoval limpo e procedimentos de controle e distribuição das roupas utilizadas no Hospital Santa Helena, com qualidade, e de forma diferenciada, para atender

Leia mais

O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE INTERNAÇÃO (11) 4414-6072. Horário de Funcionamento: De 2ª a 6ª: das 6h às 22h Sábados e feriados: das 7h às 19h

O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE INTERNAÇÃO (11) 4414-6072. Horário de Funcionamento: De 2ª a 6ª: das 6h às 22h Sábados e feriados: das 7h às 19h O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE INTERNAÇÃO Tel.: (11) 4414-6000 - Ramal: 6420 (11) 4414-6072 Horário de Funcionamento: De 2ª a 6ª: das 6h às 22h Sábados e feriados: das 7h às 19h Seja bem-vindo ao nosso

Leia mais

Regulamento Interno para Utilização Associação Veper

Regulamento Interno para Utilização Associação Veper Regulamento Interno para Utilização Associação Veper A Associação Veper Os dirigentes do Grupo Veper tinham o sonho de oferecer um benefício a mais aos seus colaboradores, um espaço que oferecesse lazer,

Leia mais

SERVIÇO-ESCOLA DE PSICOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA ESPAÇO 178 GUIA 2014. Para estagiários e supervisores

SERVIÇO-ESCOLA DE PSICOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA ESPAÇO 178 GUIA 2014. Para estagiários e supervisores SERVIÇO-ESCOLA DE PSICOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA ESPAÇO 178 GUIA 2014 Para estagiários e supervisores SUMÁRIO SUMÁRIO... 2 I. APRESENTAÇÃO... 3 II. EQUIPE DO SEP...

Leia mais

Manual de Orientação ao Paciente

Manual de Orientação ao Paciente Manual de Orientação ao Paciente Caros pacientes e familiares, O Hospital do Rio deseja um período o mais breve e tranquilo possível em nossas instalações. Desde já, agradecemos sua confiança e preferência.

Leia mais

Contamos com a compreensão e a colaboração de todos para manter uma interação marcada pela gentileza e o profissionalismo.

Contamos com a compreensão e a colaboração de todos para manter uma interação marcada pela gentileza e o profissionalismo. 1 Regulamento Interno Este regulamento define regras e procedimentos para o pleno entendimento entre Hóspedes e a Administração do Hotel, lembrando que o bom senso e o respeito mútuo constituem as melhores

Leia mais

GRUPO SCHEILLA REGIMENTO INTERNO Título: DESPENSA IRMÃO VICENTE Revisão: 1

GRUPO SCHEILLA REGIMENTO INTERNO Título: DESPENSA IRMÃO VICENTE Revisão: 1 1/5 Aprovação CAD: Data: 14-01-07 Aprovação CRA: Data: 11-03-2007 1. FINALIDADE DO REGIMENTO INTERNO Regulamentar o funcionamento dos trabalhos da Despensa Irmão Vicente do Grupo da Fraternidade Espírita

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 03, DE 10 DE MAIO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 03, DE 10 DE MAIO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 03, DE 10 DE MAIO DE 2011 Disciplina os procedimentos a serem adotados relativos à comercialização e utilização do Alojamento da ENAP. O PRESIDENTE DO CONSELHO DIRETOR DA FUNDAÇÃO NACIONAL

Leia mais

NORMAS PARA A UTILIZAÇÃO DO ALOJAMENTO

NORMAS PARA A UTILIZAÇÃO DO ALOJAMENTO NORMAS PARA A UTILIZAÇÃO DO ALOJAMENTO O XI COLÓQUIO NACIONAL DE GÊNERO E DE SEXUALIDADES disponibilizará alojamento com o valor de R$30,00 por pessoa para pagamento de despesas com limpeza e segurança,

Leia mais

Manual de orientação ao paciente para internação

Manual de orientação ao paciente para internação Manual de orientação ao paciente para internação Aos nossos clientes O Hospital São José agradece a sua preferência por nossos serviços. Esperamos que sua estada em nossas dependências seja rápida e tranqüila,

Leia mais

REGULAMENTO DA CENTRAL ANALÍTICA MULTIUSUÁRIO

REGULAMENTO DA CENTRAL ANALÍTICA MULTIUSUÁRIO CAPITULO I DA FINALIDADE E DA APLICAÇÃO Art. 1º A Central Analítica Multiusuária (CAM/PEQ-UNIOESTE) é um conjunto de laboratórios que contam com equipamentos modernos, em sua maioria de última geração,

Leia mais

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 80, DE 05 DE NOVEMBRO DE 2013.

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 80, DE 05 DE NOVEMBRO DE 2013. INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 80, DE 05 DE NOVEMBRO DE 2013. A DIRETORA EM EXERCÍCIO DO CÂMPUS DE PARANAÍBA da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, no uso de suas atribuições legais, resolve:

Leia mais

Página 1 ABRIGO PARA PESSOAS EM SITUAÇÃO DE RUA. Coordenadora: Priscila Laurindo de Carvalho. Email: abrigopmvadfa@hotmail.com

Página 1 ABRIGO PARA PESSOAS EM SITUAÇÃO DE RUA. Coordenadora: Priscila Laurindo de Carvalho. Email: abrigopmvadfa@hotmail.com ABRIGO PARA PESSOAS EM SITUAÇÃO DE RUA Coordenadora: Priscila Laurindo de Carvalho Email: abrigopmvadfa@hotmail.com Endereço: Rua Manoel Vivácqua, 295 Bairro: Jabour Telefone: (27) 3317-2171 Horário de

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DO PACIENTE AMBULATORIAL

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DO PACIENTE AMBULATORIAL 1 Identificação REGULAMENTO INSTITUCIONAL DO PACIENTE AMBULATORIAL 1.1 É obrigatória a identificação do paciente e de seu acompanhante na Recepção, nos dias de atendimento, mediante apresentação dos seguintes

Leia mais

Regulamento para inscrição na 10ª Semana da Música de Ouro Branco

Regulamento para inscrição na 10ª Semana da Música de Ouro Branco Regulamento para inscrição na 10ª Semana da Música de Ouro Branco 1. Inscrições e seleção 1.1 Para efetuar a inscrições para a 10ª Semana da Música de Ouro Branco, o candidato deverá acessar o site www.semanadamusica.com;

Leia mais

2 Desenvolvimento Humano

2 Desenvolvimento Humano 2 Desenvolvimento Humano A área de Desenvolvimento Humano realiza: recrutamento e seleção interna, ações de treinamento e desenvolvimento dos empregados, gestão do Pano de Cargos e Salários, programas

Leia mais

REGULAMENTO UNIDADE PAULISTA ATENÇÃO:

REGULAMENTO UNIDADE PAULISTA ATENÇÃO: REGULAMENTO UNIDADE PAULISTA ATENÇÃO: 1) Este regulamento SÓ se aplica aos contratos celebrados na unidade Paulista, por alunos matriculados nos cursos preparatórios para concursos públicos semestrais

Leia mais

Implantação do Serviço de Limpeza

Implantação do Serviço de Limpeza Implantação do Serviço de Limpeza Treinamento para Facilitadores 23 e 25 de agosto de 2010 Contrato 60/10 Cor Line Sistemas de Serviços Ltda. Inicio 30/08/2010 12 meses UNIDADES DO QUADRILATERO SAÚDE/DIREITO

Leia mais

Anexo Res. CONSU Nº 40/2011. REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS MORFOLÓGICAS E MULTIDISCIPLINAR CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Anexo Res. CONSU Nº 40/2011. REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS MORFOLÓGICAS E MULTIDISCIPLINAR CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Anexo Res. CONSU Nº 40/2011. REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS MORFOLÓGICAS E MULTIDISCIPLINAR CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. Este Regulamento dispõe sobre a estruturação, utilização e

Leia mais

Normas para reserva de equipamentos para eventos de interesse da UNILAB

Normas para reserva de equipamentos para eventos de interesse da UNILAB MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira UNILAB Coordenação de Logística Normas para reserva de equipamentos para eventos de interesse da UNILAB Divisão

Leia mais

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS:

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS: 1. CADASTRO Para atuar no Hospital São Luiz, todo médico tem de estar regularmente cadastrado. No momento da efetivação, o médico deve ser apresentado por um membro do corpo clínico, munido da seguinte

Leia mais

Manual de Orientação e Organização sobre a Educação Infantil em Porto Alegre

Manual de Orientação e Organização sobre a Educação Infantil em Porto Alegre Manual de Orientação e Organização sobre a Educação Infantil em Porto Alegre Secretaria Municipal de Educação Prefeitura de Porto Alegre Novembro de 2003 Recomendável para pais, diretores de escolas/instituições

Leia mais

Programa 5 S. A partir de agora, conheça o programa que mudará para melhor a sua vida no trabalho.

Programa 5 S. A partir de agora, conheça o programa que mudará para melhor a sua vida no trabalho. Programa 5 S A partir de agora, conheça o programa que mudará para melhor a sua vida no trabalho. Com este programa, a qualidade e a segurança será colocada em prática e seu ambiente vai ficar mais alegre

Leia mais

PROCESSO SELETIVO Edital 01/2015 Serviço de Inclusão Produtiva

PROCESSO SELETIVO Edital 01/2015 Serviço de Inclusão Produtiva PROCESSO SELETIVO Edital 01/2015 Serviço de Inclusão Produtiva A Casa de Acolhimento e Orientação à Crianças e Adolescentes (CAOCA), em parceria com a Secretaria de Assistência Social de Vitória (Semas),

Leia mais

PORTO DIAS. Família! A parceria que cuida do paciente com competência e carinho. Fonte: www.google.com.br/imagens

PORTO DIAS. Família! A parceria que cuida do paciente com competência e carinho. Fonte: www.google.com.br/imagens H O S P I TA L & Família! A parceria que cuida do paciente com competência e carinho. Fonte: www.google.com.br/imagens 1 Telefones Úteis (HPD) Call Center 9999 Nutrição 3106 (Bloco A) / 9652(Bloco D) Recepção

Leia mais

Responsabilidades/ Autoridades

Responsabilidades/ Autoridades 1/5 1. OBJETIVO Garantir o abastecimento dos materiais Consignados e OPME do Hospital. 2. DEFINIÇÃO E CONCEITO OPME - Órtese Prótese e Materiais Especiais; CAF - Central de Abastecimento Farmacêutico;

Leia mais

Ajuda On-line - Sistema de Portaria. Versão 4.8.J

Ajuda On-line - Sistema de Portaria. Versão 4.8.J Versão 4.8.J Sumário PORT - Módulo de Apoio Portaria 3 1 Manual... de Processos - Portaria 4 Fluxo - Portaria... 5 2 Configurações... 6 Unidades... de Internação 6 Setores Administrativos... 9 Configuração...

Leia mais

BIBLIOTECA MUNICIPAL DE NISA. - Normas de Funcionamento -

BIBLIOTECA MUNICIPAL DE NISA. - Normas de Funcionamento - BIBLIOTECA MUNICIPAL DE NISA - Normas de Funcionamento - 1º - Definição A Biblioteca Municipal de Nisa é um equipamento cultural da Câmara Municipal de Nisa, estando ao dispor de toda a população, sem

Leia mais

PROJETO PARCERIAS SAÚDE E SOCIEDADE

PROJETO PARCERIAS SAÚDE E SOCIEDADE PROJETO PARCERIAS SAÚDE E SOCIEDADE Sub-Projeto: Redes de Apoio aos Usuários e Familiares do HMIPV Introdução: O Hospital Materno Infantil Presidente Vargas é um hospital público Municipal que atende mulheres

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PROJETO PROEDUCAR MANUAL DE ORIENTAÇÃO 1 - O QUE É O PROJETO PROEDUCAR? O projeto PROEDUCAR leva o nome do Consórcio que ganhou a licitação para atualizar os equipamentos distribuídos por meio do programa

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROCEDIMENTO DE CONTROLE DE ACESSO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROCEDIMENTO DE CONTROLE DE ACESSO 25/03/203 PSP-0. INTRODUÇÃO O Procedimento de Controle de Acesso tem como objetivo orientar e padronizar o procedimento de acesso de pessoas as fábricas, garantindo que somente pessoas autorizadas possam

Leia mais

REGULAMENTO XVI CONJER

REGULAMENTO XVI CONJER REGULAMENTO XVI CONJER 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO FINALIDADES E DEFINIÇÕES 1.1. Evento: Décima sexta Confraternização das Juventudes Espíritas de Roraima - XVI CONJER 1.2. Promoção: Área de Infância e Juventude

Leia mais

MANUAL INTERNO DA BIBLIOTECA

MANUAL INTERNO DA BIBLIOTECA As Bibliotecas da Universidade Braz Cubas são destinadas ao Corpo Docente, Discente e aos funcionários administrativos. As Bibliotecas utilizam o sistema Informatizado Pergamum, onde o aluno tem a comodidade

Leia mais

Regulamento BEM VINDOS A POUSADA LA VILLA. Para sua maior tranquilidade e conforto apresentamos o manual do hospede.

Regulamento BEM VINDOS A POUSADA LA VILLA. Para sua maior tranquilidade e conforto apresentamos o manual do hospede. Regulamento BEM VINDOS A POUSADA LA VILLA Para sua maior tranquilidade e conforto apresentamos o manual do hospede. Recepção: HORÁRIOS DE FUNCIONAMENTO da recepção dás 8:00 às 12:00 e 13:00 às 18:00. DO

Leia mais

CADASTRO DE ADESÃO DAS ENTIDADES SOCIAIS

CADASTRO DE ADESÃO DAS ENTIDADES SOCIAIS Prezado Responsável Legal, CADASTRO DE ADESÃO Pedimos a gentileza de preencher e rubricar todas as páginas deste formulário e apresentar os seguintes documentos para conferência no Programa Mesa Brasil

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CLÍNICA ESCOLA De FISIOTERAPIA

REGIMENTO INTERNO CLÍNICA ESCOLA De FISIOTERAPIA REGIMENTO INTERNO CLÍNICA ESCOLA De FISIOTERAPIA Comissão de Elaboração: - Coordenação Pedagógica: Prof. Paloma Branco - Coordenação: Prof. Renata Brito Rocha Landeiro - Supervisão de Estágio: Prof. Rosana

Leia mais

Manual de Assistência 24 horas. Assistência 24 Horas AUTOCONTROLE

Manual de Assistência 24 horas. Assistência 24 Horas AUTOCONTROLE Manual de Assistência 24 horas Assistência 24 Horas AUTOCONTROLE I. Assistência 24 Horas 1. Descrição da Assistência 24 Horas Prestação de atendimento ao cliente/usuário através da administração de rede

Leia mais

Laboratórios de Informática Regulamento

Laboratórios de Informática Regulamento 1 Laboratórios de Informática Regulamento Pagina 1/10 Sumário DA CONSTITUIÇÃO...3 DA ADMINISTRAÇÃO...4 DA UTILIZAÇÃO...5 DISPOSIÇÕES GERAIS...10 Pagina 2/10 REGULAMENTO INTERNO DA CONTISTUIÇÃO Art. 1 -

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE CAMPOS DE FÉRIAS. Nota Justificativa

REGULAMENTO INTERNO DE CAMPOS DE FÉRIAS. Nota Justificativa REGULAMENTO INTERNO DE CAMPOS DE FÉRIAS Nota Justificativa A organização de campos de férias destinados a crianças e jovens é uma das actividades centrais da política do município da Moita na área da juventude

Leia mais

Guia Prático de Utilização do Plano

Guia Prático de Utilização do Plano Guia Prático de Utilização do Plano Aqui você tem o que há de melhor para a sua saúde. O QUE É A UNIMED APRESENTAÇÃO Sua finalidade é prestar assistência médica e hospitalar de alto padrão, dentro do sistema

Leia mais

Procedimentos Para Visita e/ou Entrada-Saída de Equipamentos ao Housing Intelig Telecom

Procedimentos Para Visita e/ou Entrada-Saída de Equipamentos ao Housing Intelig Telecom 1. OBJETIVO Este documento tem como objetivo descrever a metodologia para o Controle de Acesso, Entrada e Saída de Clientes Dentro ou Fora do Ambiente Housing., bem como a metodologia para o recebimento

Leia mais

FACULDADES ADAMANTINENSES INTEGRADAS NÚCLEO DE PSICOLOGIA

FACULDADES ADAMANTINENSES INTEGRADAS NÚCLEO DE PSICOLOGIA 1. Do Horário: O NUPFAI funciona de segunda a sexta- feira das 8h 00 às 19h00 e aos sábados das 8h00 às 12h00. O horário poderá ser revisto pela coordenação do curso quando justificada a necessidade e

Leia mais

Regulamento Interno da Biblioteca do Instituto Superior do Ministério Público RJ

Regulamento Interno da Biblioteca do Instituto Superior do Ministério Público RJ Regulamento Interno da Biblioteca do Instituto Superior do Ministério Público RJ CAPÍTULO I DO OBJETIVO Art. 1º Este regulamento tem como objetivo definir normas para prestação e utilização dos serviços

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DOS LABORATÓRIOS DO DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DOS LABORATÓRIOS DO DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL -UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DCM Campus Universitário - Viçosa, MG - 36570-000 - Telefone: (31) 2878 / 4502 - E-mail: dcm@ufv.br

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL CONTROLE DE VISITA HOSPITALAR / ACOMPANHANTES

NORMA PROCEDIMENTAL CONTROLE DE VISITA HOSPITALAR / ACOMPANHANTES 30.01.006 1/13 1. FINALIDADE Estabelecer procedimentos para controlar a entrada de visitas aos clientes internados e de seus respectivos acompanhantes. 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO Todos os colaboradores, clientes,

Leia mais

FISCO. Saúde. Atendimento. Hospitalar GUIA DE PROCEDIMENTOS ANS 41.766-1

FISCO. Saúde. Atendimento. Hospitalar GUIA DE PROCEDIMENTOS ANS 41.766-1 FISCO Saúde ANS 41.766-1 Atendimento Hospitalar GUIA DE PROCEDIMENTOS Prezados Associados, Pra facilitar a comunicação e dirimir as principais dúvidas sobre a utilização dos nossos serviços, o FISCO SAÚDE

Leia mais

ROUPARIA. Data Versão/Revisões Descrição Autor 20/01/2014 1.00 Proposta inicial CCA

ROUPARIA. Data Versão/Revisões Descrição Autor 20/01/2014 1.00 Proposta inicial CCA ROUPPOP01 1 de 16 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial CCA 1 Objetivo Distribuição do enxoval e itens de hotelaria em condições adequadas de higiene,

Leia mais

REGULAMENTO DA HOTELARIA

REGULAMENTO DA HOTELARIA REGULAMENTO DA HOTELARIA I DISPOSIÇÕES GERAIS. Art. 1º. O presente Regulamento, aprovado pela Diretoria Executiva, rege o uso dos serviços de hotelaria disponibilizados pela AMAM aos Associados e seus

Leia mais

ESPAÇO SOLIDÁRIO. Normas de Funcionamento. Preâmbulo. A Câmara Municipal de Sesimbra, enquanto agente promotor de políticas de

ESPAÇO SOLIDÁRIO. Normas de Funcionamento. Preâmbulo. A Câmara Municipal de Sesimbra, enquanto agente promotor de políticas de ESPAÇO SOLIDÁRIO Normas de Funcionamento Preâmbulo A Câmara Municipal de Sesimbra, enquanto agente promotor de políticas de protecção social, tem vindo a implementar um conjunto de medidas de apoio às

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA FAM

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA FAM Capítulo I NATUREZA E FINALIDADE Art.1º As Bibliotecas da Faculdade das Américas, Campus Augusta e Campus Paulista, são de Acesso livre, tem por finalidade oferecer suporte aos programas de ensino, pesquisa

Leia mais

Regulamento das comissões internas de prevenção de acidentes - CIPAs

Regulamento das comissões internas de prevenção de acidentes - CIPAs Pág.: 1/5 1 Objetivo 1.1 Esta Norma estabelece os procedimentos relativos ao funcionamento das Comissões Internas de Prevenção de Acidentes - CIPAs na COPASA MG. 1.2 Aplica-se a todos os empregados e Unidades

Leia mais

L E I. Art. 2º. Os demais artigos das leis permanecem inalterados. Art. 3º. Esta Lei entrará em vigor na data de sua Publicação.

L E I. Art. 2º. Os demais artigos das leis permanecem inalterados. Art. 3º. Esta Lei entrará em vigor na data de sua Publicação. LEI Nº 1362 de 21 de maio de 2010 Altera dispositivos das Leis: 536/95, 931/03, 935/03 e 1302/09, alterando as atribuições de cargos existentes, na estrutura do quadro de funcionários efetivos e dá outras

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL HOSPEDAGEM PARA RESIDENTES

NORMA PROCEDIMENTAL HOSPEDAGEM PARA RESIDENTES 30.01.004 1/06 1. FINALIDADE Disciplinar procedimentos para a utilização e o controle de alojamentos da UFTM oferecidos aos médicos residentes. 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO Divisão de Serviços Gerais DSG, Departamento

Leia mais

Portaria HGPV 022/2009 de 01 de junho de 2009

Portaria HGPV 022/2009 de 01 de junho de 2009 Portaria HGPV 022/2009 de 01 de junho de 2009 Normatiza acesso de Visitantes e Acompanhantes de pacientes do Hospital Geral Prado Valadares e dá outras providências. O DIRETOR do Hospital Geral Prado Valadares,

Leia mais

Rua Moreira e Costa, 531 Ipiranga CEP 04266 010 São Paulo SP Tel.: (11) 3013 0320 Fax: (11) 3013 0366 www.sanfra.g12.

Rua Moreira e Costa, 531 Ipiranga CEP 04266 010 São Paulo SP Tel.: (11) 3013 0320 Fax: (11) 3013 0366 www.sanfra.g12. Rua Moreira e Costa, 531 Ipiranga CEP 04266 010 São Paulo SP Tel.: (11) 3013 0320 Fax: (11) 3013 0366 www.sanfra.g12.br M I S S Ã O O Colégio São Francisco Xavier, da Rede Jesuíta de Educação, tem como

Leia mais

5. Existe critério para que uma pessoa seja atendida pelo CRAS NÃO

5. Existe critério para que uma pessoa seja atendida pelo CRAS NÃO 1. Quantidade de usuários cadastrados 4.518 famílias 2. Qual a média de pessoas atendidas por dia 25 a 30 famílias 3. Faixa etária de pessoas atendidas Todas as idades 4. Quantidade de usuários na lista

Leia mais

1/5 NORMA INTERNA Nº: DATA DA VIGÊNCIA: 26/2010 ASSUNTO: SISTEMA OPERACIONAL DO ALMOXARIFADO CENTRAL

1/5 NORMA INTERNA Nº: DATA DA VIGÊNCIA: 26/2010 ASSUNTO: SISTEMA OPERACIONAL DO ALMOXARIFADO CENTRAL 1/5 1) DOS OBJETIVOS: 1.1) Normatizar os procedimentos de entrada e saída de materiais adquiridos pelo Município; 1.2) Garantir recebimento dos materiais no que se refere a quantidade, qualidade e prazo

Leia mais

NORMA DE CONTROLE DE CIRCULAÇÃO INTERNA - NOR 204

NORMA DE CONTROLE DE CIRCULAÇÃO INTERNA - NOR 204 ASSUNTO: MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO, FINANÇAS E PESSOAS CONTROLE DE ACESSO E CIRCULAÇÃO INTERNA NAS DEPENDENCIAS DA EMPRESA APROVAÇÃO: Deliberação DIREX nº 77, de 08/06/2015 COD. 200 VIGÊNCIA: 08/06/2015

Leia mais

Norma Guarda volumes SIB UNP

Norma Guarda volumes SIB UNP Norma Guarda volumes SIB UNP Em 2010.2, o Sistema Integrado de Biblioteca SIB passou por reformulação na sua forma de acesso ao espaço físico visando agilizar a guarda de volumes. Abaixo segue critérios

Leia mais

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO 1/5 1) DOS OBJETIVOS: 1.1) Normatizar os procedimentos de entrada e saída de materiais adquiridos pelo Município; 1.2) Garantir recebimento dos materiais no que se refere a quantidade, qualidade e prazo

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Marco Tebaldi) Dispõe sobre o Programa de agendamento de consultas e entrega domiciliar de medicamentos de uso contínuo às pessoas portadoras de necessidades especiais

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS - EDUCAÇÃO INFANTIL HORÁRIOS:

ORIENTAÇÕES GERAIS - EDUCAÇÃO INFANTIL HORÁRIOS: ORIENTAÇÕES GERAIS - EDUCAÇÃO INFANTIL HORÁRIOS: Abertura do Portão Início das Atividades Fechamento do Portão Término das Atividades Abertura do portão para a saída Manhã 07h00 07h30 07h40 12h00 12h00

Leia mais

DECRETO Nº 2.374, DE 28 DE MAIO DE 2014. O Prefeito Municipal de Chapadão do Sul, Estado de Mato Grosso do Sul, no uso de suas atribuições legais,

DECRETO Nº 2.374, DE 28 DE MAIO DE 2014. O Prefeito Municipal de Chapadão do Sul, Estado de Mato Grosso do Sul, no uso de suas atribuições legais, DECRETO Nº 2.374, DE 28 DE MAIO DE 2014. Regulamenta atribuições para cargos e funções pertencentes Plano de Carreiras e Remuneração da Prefeitura Municipal de Chapadão do Sul e dá outras providências.

Leia mais

Regulamento dos Laboratórios do Departamento de Ciências Agrárias

Regulamento dos Laboratórios do Departamento de Ciências Agrárias Regulamento dos Laboratórios do Departamento de Ciências Agrárias Laboratório de Bromatologia e Nutrição Animal- ( LABNA ) Laboratório Multidisciplinar de Biologia- ( LAMUBI ) Laboratório de Análises Microbiológicas

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA DA FACULDADE ASCES

REGULAMENTO INTERNO DA CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA DA FACULDADE ASCES REGULAMENTO INTERNO DA CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA DA FACULDADE ASCES DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. A qualidade do atendimento e o assumir responsabilidade integram a forma de pensar e agir de profissionais,

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA Departamento: Tecnologia da Informação Faculdade Adventista da Bahia 1 P á g i n a Normas de Utilização dos Laboratórios de Informática Da Faculdade Adventista

Leia mais

Critérios de seleção. Tema do ano. Amor Infinito.

Critérios de seleção. Tema do ano. Amor Infinito. Edital para Oficinas 2014 Apresentação As oficinas devem ser oferecidas por uma dupla de estudantes ou profissionais e devem ter como foco artes e design. Estudantes de todas as universidades serão bem-vindos.

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº 29, DE 30 DE JUNHO DE 2011

RESOLUÇÃO - RDC Nº 29, DE 30 DE JUNHO DE 2011 RESOLUÇÃO - RDC Nº 29, DE 30 DE JUNHO DE 2011 Legislações - ANVISA Sex, 01 de Julho de 2011 00:00 RESOLUÇÃO - RDC Nº 29, DE 30 DE JUNHO DE 2011 Dispõe sobre os requisitos de segurança sanitária para o

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 01/2013 CONCECERES

RESOLUÇÃO Nº 01/2013 CONCECERES RESOLUÇÃO Nº 01/2013 CONCECERES Dispõe sobre o Regimento Interno do Laboratório de Cultivo e Biotecnologia de Algas LCBA, do Centro de Educação Superior da Região Sul - CERES. O Presidente do Conselho

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03, de 14 de abril de 2014.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03, de 14 de abril de 2014. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03, de 14 de abril de 2014. Regulamenta o Programa de Concessão de Bolsas para a Participação dos Estudantes do Câmpus Restinga em Atividades Curriculares Externas. O Diretor Geral

Leia mais

CODC - 2012. Administração de Abrigos Temporários. Cap BM PABLO

CODC - 2012. Administração de Abrigos Temporários. Cap BM PABLO CODC - 2012 Administração de Abrigos Temporários Cap BM PABLO O Administrador do Abrigo O seu papel é fundamental em situações de emergência, pois, cabe a ele onde investir e mobilizar recursos humanos,

Leia mais

Regulamento do Bloco Cirúrgico do Centro de Práticas Clínicas e Cirúrgicas (CPCC)

Regulamento do Bloco Cirúrgico do Centro de Práticas Clínicas e Cirúrgicas (CPCC) INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS CONCÓRDIA CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA CENTRO DE PRÁTICAS CLÍNICAS E CIRÚRGICAS Regulamento do Bloco Cirúrgico do Centro de Práticas Clínicas e Cirúrgicas (CPCC) Dispõe

Leia mais

O que é Canteiro de Obras?

O que é Canteiro de Obras? O que é Canteiro de Obras? Sistema complexo, com muitos riscos associados Análise prévia e criteriosa de sua implantação Qualidade Produtividade Segurança Cartão de visita da obra!!! O que é Canteiro

Leia mais

APRESENTAÇÃO CRITÉRIOS DE SELEÇÃO TEMA DO ANO. Amor Infinito.

APRESENTAÇÃO CRITÉRIOS DE SELEÇÃO TEMA DO ANO. Amor Infinito. Edital para monitoria 2014 APRESENTAÇÃO Os monitores fazem um trabalho único para que a estrutura do Ilha Design continue de pé. São os pontos de ligação entre membros da equipe, oficineiros e alunos.

Leia mais

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI REGULAMENTO DA CLÍNICA ESCOLA E SERVIÇOS DE PSICOLOGIA - CESP Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 11/15 de 08/04/15. CAPÍTULO I DO OBJETIVO DO REGULAMENTO Art. 1º A Clínica Escola de Psicologia é o ambiente

Leia mais

REGULAMENTO DIÁRIAS: RESERVAS:

REGULAMENTO DIÁRIAS: RESERVAS: REGULAMENTO DIÁRIAS: As diárias iniciam às 13:00 e terminam às 12:00 do dia seguinte, independente do horário em que foi realizado o check-in. Após às 12:00 será cobrada nova diária. Cada diária inclui

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE O ACOMPANHAMENTO DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL (PUERICULTURA)

ORIENTAÇÕES SOBRE O ACOMPANHAMENTO DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL (PUERICULTURA) ORIENTAÇÕES SOBRE O ACOMPANHAMENTO DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL (PUERICULTURA) I- Introdução O acompanhamento do crescimento e desenvolvimento, do nascimento até os 5 anos de idade, é de fundamental

Leia mais

União dos Escoteiros do Brasil Região Rio Grande do Sul Grupo Escoteiro João de Barro 172º RS

União dos Escoteiros do Brasil Região Rio Grande do Sul Grupo Escoteiro João de Barro 172º RS União dos Escoteiros do Brasil Região Rio Grande do Sul Grupo Escoteiro João de Barro 172º RS Capítulo 1 - Apresentação Artigo 1º - O Grupo de Escoteiros João de Barro (João de Barro) é uma associação

Leia mais

GERENCIAMENTO DO ENXOVAL:

GERENCIAMENTO DO ENXOVAL: GERENCIAMENTO DO ENXOVAL: Evolução do controle de evasão da rouparia Enfª Jaqueline Vieira Dellagustinho HOSPITAL UNIMED CAXIAS DO SUL UNIMED NORDESTE-RS RS HOSPITAL UNIMED CAXIAS DO SUL HOSPITAL UNIMED

Leia mais