Ensaios clínicos Ajudar os pacientes a lutar contra o cancro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ensaios clínicos Ajudar os pacientes a lutar contra o cancro"

Transcrição

1 Ensaios clínicos Ajudar os pacientes a lutar contra o cancro Os ensaios clínicos são estudos de investigação realizados em voluntários humanos para responder a questões científicas específicas. Especialmente na investigação de cancro, os ensaios clínicos empenham-se em responder a questões acerca das formas de prevenir, diagnosticar e desenvolver novas terapias de tratamento para diferentes tipos de cancro. Ao mesmo tempo, estes ensaios ajudam frequentemente os cientistas a obter conhecimentos valiosos acerca dos mecanismos biológicos da doença. Os ensaios clínicos são um dos últimos passos no longo processo de desenvolvimento de medicamentos contra o cancro. Este processo começa no laboratório, progride até aos testes préclínicos em animais, e depois, assim que o medicamento provar ser seguro e eficaz em animais, segue para a fase de ensaios clínicos. Uma etapa essencial no desenvolvimento de novas terapias, os ensaios clínicos permitem aos investigadores determinar dosagens e administrações adequadas de um novo medicamento, e representam uma forma de confirmar a eficácia de um novo medicamento em seres humanos e, ao mesmo tempo, identificar possíveis efeitos secundários. Além disso, as autoridades de saúde utilizam dados dos ensaios clínicos para encontrar provas em como as novas terapias são, pelo menos, tão seguras e eficazes, ou mais seguras e eficazes que as terapias existentes. A abordagem para a condução de ensaios clínicos é semelhante em países do mundo inteiro, particularmente quando esses estudos são ensaios internacionais e multicêntricos, como é o caso de muitos dos estudos actuais. Os pacientes com doenças potencialmente fatais, para as quais as opções de tratamento são limitadas, como é o caso de vários tipos de cancro, procuram frequentemente o tratamento mais eficaz disponível. A participação em ensaios clínicos dá ao paciente a possibilidade de ter acesso a novas terapias promissoras antes de estarem disponíveis no mercado. As pessoas decidem participar em ensaios clínicos por várias razões: algumas são pacientes que desejam uma atenção médica e científica mais profunda ao seu caso, outras procuram a oportunidade de receber as soluções de tratamento mais actuais, ou querem ter um papel mais activo nas decisões de tratamento que vão afectar as suas vidas. Enquanto não há garantia que a participação num ensaio clínico leve a um resultado positivo ou que o paciente receba a nova terapia que está a ser testada durante o ensaio clínico, os pacientes participantes estão a desempenhar um papel essencial para a melhoria dos tratamentos para pacientes futuros. Para que os ensaios clínicos sejam bem sucedidos, é necessário a dedicação e o compromisso dos médicos, do pessoal de investigação e igualmente dos pacientes. É por isso que é importante existir uma compreensão do processo dos ensaios clínicos, benefícios e riscos da participação nestes estudos, e dos recursos através dos quais pacientes e médicos podem encontrar ensaios clínicos nos quais querem participar como voluntários. As fases da investigação clínica para tratamentos de cancro Na investigação de tratamentos de cancro, existem quatro fases de investigação clínica. Cada uma está concebida de forma a responder a questões específicas acerca da segurança e eficácia de um medicamento. Em todas estas fases, os investigadores controlam com atenção as reacções dos pacientes ao medicamento para verificar a segurança. Os ensaios de cancro são um pouco diferentes da maioria dos outros tipos de ensaios clínicos. Devido à natureza da doença, para assegurar que os pacientes não deixam de ser tratados, a maioria dos ensaios de tratamento de cancro estão concebidos para comparar os novos tratamentos aos tratamentos standards já existentes (o melhor tratamento actual disponível), como determinado pelos resultados de investigações anteriores. As comparações de placebo (comprimido de açúcar) são normalmente apenas utilizadas em ensaios de tratamento de cancro quando não existem outras alternativas de tratamento disponíveis. Cada fase do ensaio clínico depende e tem por base os resultados de investigação de uma fase anterior, para que o tratamento a ser testado na fase I avance para a fase seguinte apenas quando for 1/9

2 provado que é pelo menos tão seguro como o tratamento standard actual. Estes dados são analisados e aprovados por comités de análise antes de começarem as fases mais avançadas de investigação. Nos ensaios fase I, os investigadores determinam a dosagem e administração mais adequada de um medicamento (comprimido, cápsula, líquido, injecção, etc.), normalmente num número reduzido de pacientes (por vezes apenas doze). Nesta fase, os investigadores determinam a tolerância do medicamento e controlam cuidadosamente qualquer efeito secundário. Embora possam ser recolhidos alguns dados de eficácia durante esta fase, a avaliação da eficácia não é um objectivo principal antes da fase II. 1 Os ensaios fase II continuam a estudar a segurança do medicamento, avaliando simultaneamente a sua eficácia. Durante esta fase, os investigadores avaliam o modo de funcionamento do medicamento e os efeitos no corpo. É dado aos pacientes a maior dose tolerável (a maior dose com o menor número de efeitos secundários, como determinado nos ensaios da fase I), e os investigadores procuram provas de que o tumor está a regredir ou que as células cancerígenas estão a diminuir ou desaparecer. Os estudos fase II podem incluir grupos de 25 a 100 pacientes. Geralmente, os grupos são agrupados em função de critérios como idade, sexo e estádio da doença. 2 Os ensaios fase III são iniciados para fornecer informações mais completas acerca da segurança e eficácia da droga em comparação com o tratamento standard existente e/ou um placebo. Nos ensaios de cancro fase III, contudo, raramente são utilizados placebos, excepto em casos em que não existe opção de tratamento standard ou se o medicamento está a ser testado em pacientes nos quais o tratamento standard não foi terminado nem bem sucedido (pacientes refractários) e não há outras opções existentes. 3 Os pacientes nestes ensaios são normalmente divididos aleatoriamente em pelo menos dois grupos: Grupo de intervenção Este grupo toma o novo medicamento experimental Grupo de controlo Este grupo ou toma o tratamento standard ou, se não existir outro tratamento, um placebo Os ensaios fase III podem ter centenas e até milhares de participantes, dependendo da doença estudada e do tipo de estudo. Os estudos da fase III necessitam de fornecer dados clínicos significativos para que o grupo avance para a próxima fase ou para que os dados sejam submetidos às autoridades de saúde mundiais para a aprovação da comercialização. Eles são normalmente conduzidos em mais que um local em simultâneo, muitas vezes a nível internacional, em consultórios médicos, clínicas e hospitais. Os ensaios da fase IV são conduzidos quando um fabricante ou um investigador independente quer testar a eficácia em condição médica e tipo de cancro diferentes daqueles pelos quais as autoridades de saúde aprovaram inicialmente o medicamento, numa formulação diferente ou para uma utilização diferente daquela originalmente estudada ou aprovada. Estes ensaios podem também ajudar investigadores a obter uma melhor compreensão da utilização do medicamento nas aplicações existentes. 4 Tipos de ensaios clínicos Antes de se iniciar qualquer estudo, um investigador principal, muitas vezes um médico, prepara um plano de acção de estudo, denominado protocolo. A finalidade do protocolo é descrever os objectivos ou propósitos do estudo, como este será conduzido e controlado, quantos pacientes participarão e por que é necessário efectuar investigação a todos os pontos definidos no protocolo. Qualquer médico que participe no estudo clínico tem que seguir o protocolo. 5 2/9

3 Critérios de elegibilidade para ensaios clínicos Os participantes têm que reunir determinadas condições do ensaio clínico antes de poderem entrar no estudo. Geralmente, os participantes de um estudo são semelhantes em aspectos fundamentais: Tipo e estádio do cancro Idade Sexo Tratamentos anteriores Resultados de determinados testes laboratoriais A existência de participantes com características semelhantes assegura que os resultados serão devidos ao tratamento sob estudo e não a outros factores. 6 Existem diferentes tipos de ensaios clínicos para cancro: Ensaios de tratamento estudam novas terapias promissoras em pacientes com cancro. Estudos de qualidade de vida estudam formas de melhorar o conforto e a qualidade de vida dos pacientes com cancro Ensaios de prevenção estudam formas de reduzir o risco ou a possibilidade de desenvolver cancro e são normalmente conduzidos com pessoas saudáveis que não têm cancro. Ensaios de rastreio estudam formas de detectar cancro e são muitas vezes conduzidos para determinar se o facto de descobrir o cancro antes de este demonstrar sintomas diminui a possibilidade de desenvolver sintomas ou morrer da doença. Ensaios diagnóstico estudam testes ou procedimentos que podiam ser utilizados na identificação mais precisa de cancro e num estádio mais precoce. 7 Terminologia comum para descrever ensaios clínicos Duplamente cego Um método utilizado para prevenir desvios num ensaio clínico. Nem os pacientes nem os investigadores sabem quais os participantes que estão a tomar o tratamento sob estudo versus o tratamento standard. Multicêntrico Estes são ensaios nos quais são utilizados protocolos de investigação idênticos em vários locais ou centros de ensaio. Multinacional Os ensaios são conduzidos em vários países. Aberto Um estudo no qual tanto o médico como o paciente sabem qual o tratamento que o paciente está a efectuar. Randomização Um método através do qual é atribuído aos participantes do estudo um grupo de tratamento de forma aleatória. Cego Ensaios nos quais os participantes não sabem em que grupo de tratamento estão inseridos até à conclusão do estudo, mas os médicos sabem. Participar em ensaios clínicos Os ensaios clínicos são normalmente patrocinados por organizações governamentais, sem fins lucrativos ou empresas farmacêuticas. A decisão de participar ou não em ensaios clínicos é muito importante. Talvez o benefício mais importante de participar é a hipótese de obter acesso em antemão 3/9

4 ao tratamento que pode não vir a ser comercializado num futuro próximo e que pode vir a provar-se ser mais seguro e mais eficaz que outras opções de tratamento já existentes. É claro que não há nenhuma garantia que o paciente receba a nova terapia mesmo participando no estudo. Dependendo muito do ensaio, há sempre a hipótese de o paciente receber placebo ou o tratamento padrão actual (o mesmo medicamento que é mais provável ser receitado a pacientes não participantes do ensaio). Mas é importante lembrar dois pontos. Primeiro, em ensaios de cancro, os medicamentos são raramente comparados a placebo. Segundo, a investigação na qual os pacientes estão a participar é essencial para o processo de produção de novos e melhores medicamentos para todos os pacientes com cancro. Sem pacientes voluntários não podem existir novas terapias. Outros possíveis benefícios da participação em ensaios clínicos incluem um melhor acesso a profissionais médicos que estão a supervisionar os seus cuidados e a monitorizar de perto os resultados e possíveis efeitos secundários do tratamento. Os pacientes que se inscrevem em ensaios clínicos são encorajados a fazer perguntas ou a expressar preocupações que possam ter em qualquer etapa. Os pacientes devem manter um diário e uma lista de perguntas que podem trazer para perguntar aos seus médicos em todas as visitas. Podem também trazer um amigo ou um familiar quando falarem com o médico acerca do seu caso para os ajudar a lembrar as perguntas e as respostas. Os participantes em ensaios clínicos têm o direito de abandonar o estudo a qualquer altura e podem também ser excluídos do estudo se os investigadores tomarem conhecimento que um agente os pode prejudicar. 8 É claro que todos os medicamentos experimentais têm alguns riscos e os pacientes devem discuti-los com os seus médicos antes de aderir a um ensaio clínico. Geralmente os riscos possíveis incluem efeitos secundários desconhecidos ou mais fortes do que havia sido detectado em ensaios anteriores; menor eficácia que o que teria sido previsto; e, num ensaio clínico randomizado, falta de escolha relativamente a que tratamento administrar a que paciente. 9 Para a segurança dos participantes Existem vários níveis de garantias aplicados para assegurar o bem-estar de todos os participantes do ensaio clínico. Consentimento informado: Este é um documento que proporciona aos pacientes factos importantes acerca do ensaio clínico. Como prática comum, os médicos devem analisar o conteúdo deste documento, com todos os pacientes inscritos em qualquer ensaio clínico. O documento explica o objectivo do ensaio, os benefícios esperados, os riscos conhecidos e as responsabilidades do paciente. É necessário que os pacientes assinem uma declaração de consentimento se aceitarem participar no ensaio clínico. 10 Todas as instituições que conduzem estudos têm comités que analisam minuciosamente todos os ensaios clínicos possíveis. Os comités de análise incluem: Institutional Review Board (Conselho Institucional de Análise) (IRB) O IRB é um grupo, normalmente constituído por médicos, outros cientistas e pessoal não médico (incluindo pessoas do clero e leigos), que é responsável pela protecção do bem-estar dos participantes do estudo e por assegurarem que o estudo está em conformidade com os códigos ético e legal em vigor nas práticas médicas nos Estados Unidos, Ásia e Europa. O IRB é responsável pela revisão do protocolo do estudo e por assegurar que o ensaio segue critérios/padrões éticos predefinidos, e que os possíveis benefícios do novo tratamento são maiores que quaisquer riscos. Na Europa, todas os ensaios clínicos têm que ser aprovados por um IRB denominado Ethical Review Committee (Conselho de Ética). Este comité analisa o protocolo do estudo e controla o estudo para garantir a protecção e segurança do paciente. A investigação clínica na Europa é conduzida de acordo 4/9

5 com os padrões de ética denominados Declaração de Helsínquia, manual para boa prática clínica que foi aprovada pela Conferência Internacional de Harmonização. Os ensaios clínicos na Ásia são controlados por IRBs específicos do local de ensaio. Se um ensaio clínico é conduzido num hospital, então o IRB do hospital analisa o protocolo e controla activamente o ensaio. Data Safety Monitoring Board (Comissão de controlo e protecção de dados) (DSMB) A DSMB é um grupo independente de médicos e cientistas (não envolvidos no ensaio de qualquer outra forma) que analisa as estatísticas do estudo, controla os ensaios clínicos em vários pontos de controlo predeterminados e pode recomendar que os investigadores parem ou modifiquem um estudo mais cedo. A DSMB pode fazer esta recomendação quando a investigação indica que o novo tratamento é significativamente mais eficaz que o placebo ou a terapia comparativa. De igual forma, se surgirem preocupações referentes à segurança (riscos do novo tratamento são maiores que os benefícios), a DSMB pode parar ou modificar um estudo de forma a garantir a segurança do paciente. A DSMB pode recomendar se o estudo deve continuar como planeado originalmente baseando-se nos dados que analisa. 11 Ensaios clínicos e crianças Para crianças com menos de 18 anos que querem participar num ensaio clínico, são necessárias considerações especiais. Médicos, pais e a criança ou jovem adulto irão tomar parte de um diálogo contínuo e interactivos, denominado processo de parecer favorável. Este é o processo no qual a criança ou jovem adulto tem a oportunidade de colocar questões acerca do estudo e pode, consequentemente, sentir-se com mais controlo e mais envolvido no ensaio. Os pais da criança ou os tutores desempenham um papel importante na decisão se a criança deve participar no ensaio clínico. Eles analisam toda a informação acerca do ensaio clínico para a criança, interagem com a equipa de investigação e aprendem como o estudo funcionará, quais os seus objectivos, os possíveis benefícios e riscos de participar e os direitos e responsabilidades da criança. Antes de o processo de parecer favorável poder começar, os pais ou tutores têm que dar a sua autorização para que as crianças possam participar, e de seguida, é dado à criança ou ao jovem adulto um formulário a explicar o objectivo da investigação, as expectativas dos participantes do estudo e os procedimentos a que vão ser submetidos. Existem directrizes rigorosas para pacientes com menos de 18 anos e o médico deve discutir todo o campo de acção do estudo, os direitos e o papel do paciente com o paciente e os pais durante este processo de consentimento. Os pais ou tutores estão envolvidos em todas as etapas do processo de parecer favorável e se a criança for demasiado nova para perceber as especificações do ensaio, os pais ou tutores tomam a decisão se a criança participa ou não no ensaio. 12 Como podem os pacientes encontrar ensaios clínicos? As informações relativas a ensaios clínicos em todo o mundo podem ter origem numa variedade de fontes. Os médicos podem sugerir um estudo específico ou os pacientes podem procurar na Internet ensaios clínicos a serem conduzidos. Para encontrar ensaios na Internet, os pacientes podem escrever palavras-chave ou expressões como ensaios clínicos de cancro ou ensaios clínicos. Podem também pesquisar ensaios no website metaregister, uma base de dados internacional e de pesquisa que contém uma lista dos ensaios clínicos randomizados e controlados. 13 Os pacientes podem também contactar associações nacionais ou internacionais de cancro e grupos de pacientes com cancro para pedir informações acerca de ensaios clínicos actuais ou planeados e para pedir informações acerca de material informativo como livros ou vídeos sobre a sua doença. 5/9

6 Encontrar ensaios clínicos Pacientes que queiram participar em ensaios cínicos podem pesquisar uma variedade de fontes. Médicos ou especialistas de cancro. Associações de cancro ou Sociedades de Cancro como a metaregister, ou a European Organisation for Research and Treatment of Cancer (Organização Europeia de Investigação e Tratamento de Cancro). A Internet Associações ou sociedades de cancro fornecem links de organizações que patrocinam ou conduzem ensaios clínicos. Grupos de pacientes Empresas farmacêuticas As grandes empresas farmacêuticas conduzem e patrocinam ensaios clínicos. Pode encontrar informações nos seus websites. Algumas empresas farmacêuticas têm bases de dados de ensaios clínicos aos quais pode aceder nos seus websites e patrocinam muitas vezes ensaios clínicos. 14 Patrocinar ensaios clínicos Os patrocinadores de ensaios clínicos normalmente são instituições ou pessoas individuais que estão à procura de um tratamento melhor para o cancro ou formas melhores de prevenir ou detectar cancro. Conclusão Os ensaios clínicos são um método essencial para encontrar soluções de tratamento de cancro inovadoras, mais seguras e eficazes no combate contra o cancro. A saúde e segurança do paciente são as considerações mais importantes durante os ensaios. Dado que a ciência proporciona novas perspectivas de possíveis formas de lutar contra os vários cancros que existem actualmente, os ensaios clínicos continuarão a proporcionar as melhores formas de ajudar as pessoas a encontrar soluções de tratamento que as ajudará a levar uma vida mais rica, mais longa e melhor. É importante realçar... Os ensaios clínicos são concebidos cuidadosamente considerando a segurança do paciente como a prioridade máxima Os participantes em ensaios clínicos são muitas vezes controlados com tanto cuidado que recebem cuidados mais frequentes que os pacientes não envolvidos na investigação clínica os efeitos secundários são localizados e controlados cuidadosamente, e tratados se garantidos Os participantes de ensaios clínicos que tomam o medicamento em estudo têm a vantagem de serem os primeiros a ter acesso a novas terapias importantes. Os participantes de ensaios clínicos têm a satisfação de saber que deram uma contribuição altruísta importante ao conhecimento médico e à comunidade do paciente ao contribuir com investigação para tratamentos futuros para outros pacientes. 15 6/9

7 Perguntas a fazer ao seu médico antes de se inscrever em ensaios clínicos de cancro Compreender ensaios clínicos Que ensaios clínicos existem que possam ser adequados para me inscrever? Qual destes estudos se adequaria melhor às minhas necessidades/doença/situação? Qual é o objectivo do estudo? Em que fase se encontra o ensaio? Porque é que os investigadores pensam que esta abordagem pode ser eficaz? Irei viver mais tempo/melhor se participar neste estudo? Quem abalizou e aprovou o protocolo de estudo? Quando tempo durará o estudo? De que forma estão a ser verificados os resultados do estudo e segurança dos participantes? Quem decide se tomo o novo ou o antigo medicamento? Quem patrocinará o estudo? Quais foram os resultados dos ensaios anteriores? Responsabilidade do paciente Quais serão as minhas responsabilidades caso participar? Terei que pagar pela medicação do estudo? Consultas no consultório? O meu seguro de saúde cobre os custos? Qualidade dos cuidados Quais são os possíveis efeitos secundários? Quem ficará responsável pelos meus cuidados? Continuarei a ver o meu médico habitual? Que acontece quando o estudo terminar poderei continuar a ter o medicamento? Onde receberei cuidados médicos? Terei que me deslocar para outra cidade? Qualidade de vida durante o estudo A que tipos de terapia, procedimentos e/ou testes serei submetido(a) durante o ensaio? Vão ser dolorosos, se sim quão, durante quanto tempo? Como é que os testes no estudo se comparam aos que teria fora do ensaio? Poderei tomar os meus medicamentos habituais durante o ensaio clínico? Como é que o facto de estar neste estudo pode afectar a minha qualidade de vida diária? Porque é que devo participar no estudo se existem outros medicamentos que posso tomar? Que acontece se quiser abandonar o estudo? Posso falar com outras pessoas no estudo? 16 7/9

8 Glossário Estudos de acção Estudos que se concentram em descobrir se as acções que as pessoas tomam (ou seja, deixar de fumar) pode prevenir o cancro. Estudos de agentes Estudos que se concentram em examinar se o facto de tomar determinados medicamentos, vitaminas, minerais ou suplementos alimentares pode prevenir o cancro Declaração de consentimento (também chamado consentimento) Um documento que fornece factos importantes acerca de um estudo de ensaio clínico (agente de estudo, qualquer teste que os pacientes possam ter que realizar e possíveis riscos e benefícios.) Todos os participantes nos estudos têm que assinar este documento. Grupo de controlo Este grupo ou toma o tratamento standard a ser comparado ao novo tratamento, ou um placebo (um comprimido que não contém compostos activos). Data Safety and Monitoring Board (Comissão de controlo e protecção de dados) Um grupo que proporciona vigilância a um ensaio clínico e analisa os resultados e verifica se são aceitáveis. Este grupo determina se um ensaio deve continuar ou terminar em vários pontos de controlo ao longo do estudo. Duplamente cego Um método utilizado para prevenir desvios num ensaio clínico. Nem os pacientes nem os investigadores sabem quais os participantes que estão a tomar o tratamento sob estudo versus o tratamento padrão. Consentimento Este é um documento que proporciona aos pacientes factos importantes acerca do ensaio clínico (medicamento em estudo, qualquer teste que os pacientes possam ter que realizar e possíveis riscos e benefícios.) Todos os participantes nos estudos têm que assinar este documento. Institutional Review Board (Conselho Institucional de Análise) Um grupo constituído por médicos, outros cientistas e pessoal não médico, responsável pela protecção do bem-estar dos participantes do estudo e pela verificação da conformidade do estudo com as leis federais e a ética. Grupo de intervenção Este grupo está a tomar o novo agente de tratamento a ser testado num estudo de ensaio clínico. Ensaio aberto Um ensaio clínico no qual investigadores e participantes sabem que medicamento ou vacina está a ser administrado. Protocolo O plano de acção para o estudo de ensaio clínico, que explica os pontos-chave do estudo incluindo: finalidade do estudo, quantas pessoas participarão e critérios de elegibilidade. Randomização As pessoas são determinadas ao acaso (muitas vezes por um computador) para receber o agente e tratamento standard ou o novo. 8/9

9 1 European Organisation for Research and Treatment of Cancer (Organização Europeia de Investigação e Tratamento de Cancro); American Cancer Society (Sociedade Americana de Cancro): e The National Cancer Institute (Instituto Nacional de Cancro): 5 The National Cancer Institute (Instituto Nacional de Cancro): 6 European Organisation for Research and Treatment of Cancer (Organização Europeia de Investigação e Tratamento de Cancro); 7 Emerging Med: American Cancer Society (Sociedade Americana de Cancro): e The National Cancer Institute (Instituto Nacional de Cancro): 10 The National Cancer Institute (Instituto Nacional de Cancro): 11 American Cancer Society (Sociedade Americana de Cancro): 12 The National Cancer Institute (Instituto Nacional de Cancro); 13 e 14 American Cancer Society (Sociedade Americana de Cancro): e The National Cancer Institute (Instituto Nacional de Cancro): The National Cancer Institute (Instituto Nacional de Cancro); 9/9

CONSENTIMENTO INFORMADO Versão #

CONSENTIMENTO INFORMADO Versão # FORMULÁRIO TIPO FOLHA DE INFORMAÇÃO AO PARTICIPANTE /FORMULÁRIO DE CONSENTIMENTO INFORMADO E AUTORIZAÇÃO PARA USO E DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÃO MÉDICA chilshflsdk. TÍTULO DO ENSAIO CLÍNICO: PROTOCOLO Nº.

Leia mais

BIOBANCO IMM PERGUNTAS FREQUENTES (FAQ)

BIOBANCO IMM PERGUNTAS FREQUENTES (FAQ) BIOBANCO IMM PERGUNTAS FREQUENTES (FAQ) Gostaria de doar sangue para apoiar a investigação médica. Como poderei fazer? Para doar uma amostra pode nos contactar (217999437 ou 965152588) ou visitar nos no

Leia mais

A Avaliação Ética da Investigação Científica de Novas Drogas:

A Avaliação Ética da Investigação Científica de Novas Drogas: Unidade de Pesquisa Clínica A Avaliação Ética da Investigação Científica de Novas Drogas: A importância da caracterização adequada das Fases da Pesquisa Rev. HCPA, 2007 José Roberto Goldim Apresentado

Leia mais

Ensaios Clínicos. Alexander R. Precioso

Ensaios Clínicos. Alexander R. Precioso Ensaios Clínicos Alexander R. Precioso Diretor da Divisão de Ensaios Clínicos e Farmacovigilância - Instituto Butantan Pesquisador do Instituto da Criança HC / FMUSP Introdução Os recentes desenvolvimentos

Leia mais

Será que doses elevadas de creatina "atrasam o início clínico" da doença de Huntington? Porquê a creatina?

Será que doses elevadas de creatina atrasam o início clínico da doença de Huntington? Porquê a creatina? Notícias científicas sobre a Doença de Huntington. Em linguagem simples. Escrito por cientistas. Para toda a comunidade Huntington. Será que doses elevadas de creatina "atrasam o início clínico" da doença

Leia mais

DECLARAÇÃO DE HELSINKI DA ASSOCIAÇÃO MÉDICA MUNDIAL. Princípios Éticos para Pesquisa Clínica Envolvendo Seres Humanos

DECLARAÇÃO DE HELSINKI DA ASSOCIAÇÃO MÉDICA MUNDIAL. Princípios Éticos para Pesquisa Clínica Envolvendo Seres Humanos DECLARAÇÃO DE HELSINKI DA ASSOCIAÇÃO MÉDICA MUNDIAL Princípios Éticos para Pesquisa Clínica Envolvendo Seres Humanos Adotado da 18ª Assembléia Médica Mundial Helsinki, Finlândia, Junho 1964 e emendas da

Leia mais

Declaração de Helsinque Associação Médica Mundial

Declaração de Helsinque Associação Médica Mundial A. Introdução Declaração de Helsinque Associação Médica Mundial Princípios éticos para as pesquisas médicas em seres humanos Adotado pela 18ª Assembléia Médica Mundial Helsinque, Finlândia, junho do 1964

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

Pesquisa Clínica. Orientações aos pacientes

Pesquisa Clínica. Orientações aos pacientes Pesquisa Clínica Orientações aos pacientes 2009 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que citada a fonte. Tiragem: 1000 exemplares Criação, Informação e Distribuição

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

2.1 Os projetos que demonstrarem resultados (quádrupla meta) serão compartilhados na Convenção Nacional.

2.1 Os projetos que demonstrarem resultados (quádrupla meta) serão compartilhados na Convenção Nacional. O Prêmio Inova+Saúde é uma iniciativa da SEGUROS UNIMED que visa reconhecer as estratégias de melhoria e da qualidade e segurança dos cuidados com a saúde dos pacientes e ao mesmo tempo contribua com a

Leia mais

Portuguese FAQs PRÓLOGO PROGRAMA CLÍNICO

Portuguese FAQs PRÓLOGO PROGRAMA CLÍNICO Portuguese FAQs PROGRAMA CLÍNICO PRÓLOGO Clementia Pharmaceuticals está iniciando o programa clínico de fase 2 para palovarotene em pacientes com fibrodisplasia ossificante progressiva (FOP). O Estudo

Leia mais

O QUE É? O NEUROBLASTOMA. Coluna Vertebral. Glândula supra-renal

O QUE É? O NEUROBLASTOMA. Coluna Vertebral. Glândula supra-renal O QUE É? O NEUROBLASTOMA Coluna Vertebral Glândula supra-renal O NEUROBLASTOMA O QUE SIGNIFICA ESTADIO? O QUE É O NEUROBLASTOMA? O neuroblastoma é um tumor sólido maligno, o mais frequente em Pediatria

Leia mais

Ensaios Clínicos. Introdução ao planeamento e análise

Ensaios Clínicos. Introdução ao planeamento e análise Ensaios Clínicos Introdução ao planeamento e análise Estudos Interventivos Experiência feita com um grupo de pacientes com características totalmente controladas pelo investigador. Estudos Comunitários

Leia mais

CÓDIGO INTERNACIONAL ICC/ESOMAR PARA A INVESTIGAÇÃO SOCIAL E DE MERCADO

CÓDIGO INTERNACIONAL ICC/ESOMAR PARA A INVESTIGAÇÃO SOCIAL E DE MERCADO CÓDIGO INTERNACIONAL ICC/ESOMAR PARA A INVESTIGAÇÃO SOCIAL E DE MERCADO INTRODUÇÃO O primeiro Código para a Prática de Investigação Social e de Mercado foi publicado pela ESOMAR em 1948. Depois deste foram

Leia mais

Código de Ética para Psicólogos de acordo com a FEAP

Código de Ética para Psicólogos de acordo com a FEAP Código de Ética para Psicólogos de acordo com a FEAP Federação Europeia de Associações de Psicólogos Código Geral de Ética Aceite pela Assembleia Geral, Atenas, 1 Julho 1995. 1. Preâmbulo. Os Psicólogos

Leia mais

ATUAÇÃO DO FARMACÊUTICO NA PESQUISA CLÍNICA

ATUAÇÃO DO FARMACÊUTICO NA PESQUISA CLÍNICA 2ª Jornada de Ciências Farmacêuticas Centro Universitário Estadual da Zona Oeste UEZO - 2012 ATUAÇÃO DO FARMACÊUTICO NA PESQUISA CLÍNICA Robson Leite de Souza Cruz Instituto de tecnologia em Imunobiológicos

Leia mais

Perguntas mais frequentes

Perguntas mais frequentes Estas informações, elaboradas conforme os documentos do Plano de Financiamento para Actividades Estudantis, servem de referência e como informações complementares. Para qualquer consulta, é favor contactar

Leia mais

O QUE É? O HEPATOBLASTOMA

O QUE É? O HEPATOBLASTOMA O QUE É? O HEPATOBLASTOMA Fígado O HEPATOBLASTOMA O QUE SIGNIFICA ESTADIO? O QUE É O HEPATOBLASTOMA? O hepatoblastoma é o tipo de tumor maligno do fígado mais frequente na criança; na maioria dos casos

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Adoptada pelos Ministros da Saúde e Ministros do Ambiente na Segunda Conferência Interministerial sobre Saúde e

Leia mais

* Substituir o animal vertebrado por um invertebrado ou outra forma de vida inferior, culturas de tecidos/células a simulações em computadores;

* Substituir o animal vertebrado por um invertebrado ou outra forma de vida inferior, culturas de tecidos/células a simulações em computadores; PESQUISAS COM ANIMAIS VERTEBRADOS As regras a seguir foram desenvolvidas baseadas em regulamentações internacionais para ajudar aos alunos pesquisadores a proteger o bem-estar de ambos, o animal pesquisado

Leia mais

DECLARAÇÕES EUROPEIAS DA FARMÁCIA HOSPITALAR

DECLARAÇÕES EUROPEIAS DA FARMÁCIA HOSPITALAR DECLARAÇÕES EUROPEIAS DA FARMÁCIA HOSPITALAR As páginas que se seguem constituem as Declarações Europeias da Farmácia Hospitalar. As declarações expressam os objetivos comuns definidos para cada sistema

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE Quem somos A nossa equipa apresenta um atendimento personalizado ao nível da Osteopatia através de uma abordagem multidisciplinar de qualidade, avaliação, diagnóstico e

Leia mais

Genéricos - Guia Básico. Autor: Cesar Roberto CRF-RJ: 7461

Genéricos - Guia Básico. Autor: Cesar Roberto CRF-RJ: 7461 Autor: Cesar Roberto CRF-RJ: 7461 Versão 3.00 2001 Introdução: Este guia visa a orientar o profissional farmacêutico sobre os genéricos, e como este deve proceder na hora de aviar uma receita nesta nova

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

DIRECÇÃO-GERAL DAS EMPRESAS E INDÚSTRIA

DIRECÇÃO-GERAL DAS EMPRESAS E INDÚSTRIA COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO-GERAL DAS EMPRESAS E INDÚSTRIA Bens de consumo Produtos farmacêuticos Bruxelas, 14 de Fevereiro de 2008 EudraLex Normas que Regulam os Medicamentos na União Europeia Volume 4

Leia mais

PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo)

PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo) PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo) Duração: 5 Sessões (45 minutos) Público-Alvo: 6 a 7 anos (1º Ano) Descrição: O programa A Família é constituído por uma série de cinco actividades. Identifica o

Leia mais

Num mundo sem doenças e sem sofrimento, a experimentação animal não seria necessária.

Num mundo sem doenças e sem sofrimento, a experimentação animal não seria necessária. Num mundo sem doenças e sem sofrimento, a experimentação animal não seria necessária. Todos os animais, domésticos, selvagens e de laboratório são beneficiados por substâncias testadas em animais. Graças

Leia mais

INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO

INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO FUNCIONALIDADES TÉCNICAS INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA OBJECTIVO Dispor de um sistema de informação, que articule

Leia mais

Uma globalização consciente

Uma globalização consciente Uma globalização consciente O apelo a uma globalização mais ética tornou se uma necessidade. Actores da globalização como as escolas, devem inspirar por estes valores às responsabilidades que lhes são

Leia mais

Informação para o paciente

Informação para o paciente Informação para o paciente Viramune - nevirapina 18355 BI Viramune brochure POR_V2.indd 1 14-12-11 14:19 Introdução Viramune é um medicamento para o tratamento do HIV. Este prospecto contém informação

Leia mais

Atividade. O que é Pesquisa sobre Saúde? Pesquisa é um método de adquirir novos conhecimentos

Atividade. O que é Pesquisa sobre Saúde? Pesquisa é um método de adquirir novos conhecimentos Currículo de Treinamento de Ética em Pesquisa para Representantes Comunitários 1 Atividade Introdução A população deve estar agradecida pela pesquisa chegar nas suas comunidades. Você: Concorda totalmente

Leia mais

Manual do Paciente sobre Terapias com Células-Tronco

Manual do Paciente sobre Terapias com Células-Tronco Sociedade Internacional para a Pesquisa com Células-Tronco Manual do Paciente sobre Terapias com Células-Tronco Apêndice I das Diretrizes para a Aplicação Clínica das Células-Tronco Tradução para o Português

Leia mais

Agência Europeia para a Segurança da Aviação

Agência Europeia para a Segurança da Aviação Apêndice ao Parecer n.º 05/2007 PreRIA 21.040 Agência Europeia para a Segurança da Aviação AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO IMPACTO REGULAMENTAR Documentação sobre ruído das aeronaves 1. Finalidade e efeito pretendido

Leia mais

Perguntas e Respostas: Protocolo HVTN 910

Perguntas e Respostas: Protocolo HVTN 910 Perguntas e Respostas: Protocolo HVTN 910 Versão 1- Atualizado em 18/Nov/2011 1. O que é o Protocolo HVTN 910? O Protocolo HVTN 910 é um estudo clínico que avaliará por quanto tempo vacinas experimentais

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO I. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para atuação privativa do Enfermeiro em Aconselhamento Genético, no âmbito da equipe

Leia mais

O QUE É? O TUMOR DE WILMS

O QUE É? O TUMOR DE WILMS O QUE É? O TUMOR DE WILMS Rim O TUMOR DE WILMS O QUE SIGNIFICA ESTADIO? O QUE É O TUMOR DE WILMS? O tumor de Wilms é o tipo de tumor renal mais frequente na criança. Desenvolve-se quando células imaturas

Leia mais

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes INTRODUÇÃO O direito à protecção da saúde está consagrado na Constituição da República Portuguesa, e assenta num conjunto de valores fundamentais como a dignidade

Leia mais

Diretrizes Éticas Internacionais para a Pesquisa Envolvendo Seres Humanos

Diretrizes Éticas Internacionais para a Pesquisa Envolvendo Seres Humanos Diretrizes Éticas Internacionais para a Pesquisa Envolvendo Seres Humanos Council for International Organizations of Medical Siences (CIOMS), em colaboração com a Organização Mundial da Saúde (OMS) Genebra,

Leia mais

Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000

Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000 Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000 Preâmbulo Os membros do Conselho da Europa signatários da presente Convenção, Considerando que o objectivo do Conselho da Europa é alcançar uma maior unidade

Leia mais

Lista de checagem do protocolo

Lista de checagem do protocolo MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA Comitê de Ética em Pesquisa Lista de checagem do protocolo A avaliação do projeto

Leia mais

Estudo PARTNER. Foi convidado a participar neste estudo porque tem uma relação em que é o parceiro VIH positivo.

Estudo PARTNER. Foi convidado a participar neste estudo porque tem uma relação em que é o parceiro VIH positivo. Informação ao participante e consentimento informado para o parceiro VIH positivo Estudo PARTNER O estudo PARTNER é um estudo levado a cabo com casais em que: (i) um parceiro é VIH positivo e o outro é

Leia mais

O QUE É? O LINFOMA DE HODGKIN

O QUE É? O LINFOMA DE HODGKIN O QUE É? O LINFOMA DE HODGKIN Gânglio Linfático O LINFOMA DE HODGKIN O QUE É O LINFOMA DE HODGKIN? O linfoma de Hodgkin é um cancro do sistema linfático, que surge quando as células linfáticas se alteram

Leia mais

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade:

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade: Evolução do conceito 2 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da :. evolução do conceito. gestão pela total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9000:2000 gestão pela total garantia da controlo

Leia mais

Estudo PARTNER. Foi convidado a participar neste estudo porque é um parceiro VIH positivo numa relação com um homem.

Estudo PARTNER. Foi convidado a participar neste estudo porque é um parceiro VIH positivo numa relação com um homem. Informação ao participante e consentimento informado para o parceiro VIH positivo Estudo PARTNER O estudo PARTNER é um estudo levado a cabo com casais em que: (i) um parceiro é VIH positivo e o outro é

Leia mais

O que esperar do SVE KIT INFORMATIVO PARTE 1 O QUE ESPERAR DO SVE. Programa Juventude em Acção

O que esperar do SVE KIT INFORMATIVO PARTE 1 O QUE ESPERAR DO SVE. Programa Juventude em Acção O QUE ESPERAR DO SVE Programa Juventude em Acção KIT INFORMATIVO Parte 1 Maio de 2011 Introdução Este documento destina-se a voluntários e promotores envolvidos no SVE. Fornece informações claras a voluntários

Leia mais

CARTA DOS DIREITOS E DEVERES. Tradução através de imagens elaborada pelo Grupo de Auto-Representação do CRM Assumar. Outubro de 2014, Assumar

CARTA DOS DIREITOS E DEVERES. Tradução através de imagens elaborada pelo Grupo de Auto-Representação do CRM Assumar. Outubro de 2014, Assumar CARTA DOS DIREITOS E DEVERES Tradução através de imagens elaborada pelo Grupo de Auto-Representação do CRM Assumar Outubro de 2014, Assumar Índice 1. Introdução Pág. 3 2. O que é um Direito? Pág. 4 2.1

Leia mais

2014/2015. 9º Ano Turma A. Orientação Escolar e Vocacional

2014/2015. 9º Ano Turma A. Orientação Escolar e Vocacional 2014/2015 9º Ano Turma A Orientação Escolar e Vocacional Programa de Orientação Escolar e Profissional 9.º Ano e agora??? Serviço de Apoios Educativos Ano Lectivo 2014/2015 Orientação Escolar e Profissional

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

APROVADO EM 01-10-2004 INFARMED

APROVADO EM 01-10-2004 INFARMED FOLHETO INFORMATIVO Antibiophilus, 250 mg, Cápsulas Lactobacillus casei variedade rhamnosus Este folheto contém informações importantes para si. Leia-o atentamente. Este medicamento pode ser adquirido

Leia mais

OCUPAÇÃO CIENTÍFICA DE JOVENS NAS FÉRIAS

OCUPAÇÃO CIENTÍFICA DE JOVENS NAS FÉRIAS OCUPAÇÃO CIENTÍFICA DE JOVENS NAS FÉRIAS 2015 REGULAMENTO Artigo 1º Âmbito e Enquadramento A Ciência Viva Agência Nacional para a Cultura Científica e Tecnológica promove o programa Ocupação Científica

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O(A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao

Leia mais

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro)

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) O sistema de avaliação e autorização de introdução no mercado de medicamentos, que tem vindo

Leia mais

O QUE É? A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA

O QUE É? A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA O QUE É? A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA O QUE É A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA? A Leucemia Mieloblástica Aguda (LMA) é o segundo tipo de leucemia mais frequente na criança.

Leia mais

Comissão Parlamentar de Saúde. Audição da Ordem dos Farmacêuticos

Comissão Parlamentar de Saúde. Audição da Ordem dos Farmacêuticos Comissão Parlamentar de Saúde Audição da Ordem dos Farmacêuticos Sessão de 17 de Janeiro de 2012 Intervenção inicial do Bastonário Carlos Maurício Barbosa Senhora Presidente da Comissão Parlamentar de

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

Convenção 187 Convenção sobre o Quadro Promocional para a Segurança e Saúde no Trabalho. A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho,

Convenção 187 Convenção sobre o Quadro Promocional para a Segurança e Saúde no Trabalho. A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho, Convenção 187 Convenção sobre o Quadro Promocional para a Segurança e Saúde no Trabalho A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho, Convocada em Genebra pelo Conselho de Administração

Leia mais

Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao Envolvimento de Crianças em Conflitos Armados

Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao Envolvimento de Crianças em Conflitos Armados Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao Envolvimento de Crianças em Conflitos Armados Os Estados Partes no presente Protocolo, Encorajados pelo apoio esmagador à Convenção

Leia mais

T&E Tendências & Estratégia

T&E Tendências & Estratégia FUTURE TRENDS T&E Tendências & Estratégia Newsletter número 1 Março 2003 TEMA deste número: Desenvolvimento e Gestão de Competências EDITORIAL A newsletter Tendências & Estratégia pretende ser um veículo

Leia mais

Controlo da Qualidade Aula 05

Controlo da Qualidade Aula 05 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da qualidade:. evolução do conceito. gestão pela qualidade total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9001:2000 Evolução do conceito 2 gestão pela qualidade

Leia mais

Sobre a linha de apoio de compliance do Grupo Generali (EthicsPoint)

Sobre a linha de apoio de compliance do Grupo Generali (EthicsPoint) Sobre a linha de apoio de compliance do Grupo Generali (EthicsPoint) Denúncias - Geral Segurança das denúncias Confidencialidade e proteção de dados Sobre a linha de apoio de compliance do Grupo Generali

Leia mais

O CHCB emprega mais de 1400 colaboradores;

O CHCB emprega mais de 1400 colaboradores; Inaugurado em 17 Janeiro de 2000, o CHCB foi construído segundo padrões de alta qualidade, sujeito às mais rigorosas exigências tecnológicas. É a maior e mais sofisticada Unidade de Saúde de toda a Região

Leia mais

Agrupamento Vertical de Escolas de Salir Biblioteca Escolar 2008/2009. Como fazer um trabalho

Agrupamento Vertical de Escolas de Salir Biblioteca Escolar 2008/2009. Como fazer um trabalho Agrupamento Vertical de Escolas de Salir Biblioteca Escolar 2008/2009 Como fazer um trabalho Etapas na elaboração de um trabalho 1ª Etapa Penso sobre o tema 2ª Etapa Onde vou encontrar a informação? 3ª

Leia mais

O que é câncer de mama?

O que é câncer de mama? Câncer de Mama O que é câncer de mama? O câncer de mama é a doença em que as células normais da mama começam a se modificar, multiplicando-se sem controle e deixando de morrer, formando uma massa de células

Leia mais

DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS

DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS N. o 032/B/2009-DBS/AMCM Data: 14/8/2009 DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS A Autoridade Monetária de Macau (AMCM), no exercício das competências que lhe foram atribuídas pelo Artigo 9. o

Leia mais

Tratado do Paris contra o câncer

Tratado do Paris contra o câncer Tratado do Paris contra o câncer portugais portuguese 71 72 Profundamente pertubados pelas repercussões importantes e universais do câncer sobre a vida humana, o sofrimento humano, e sobre a produtividade

Leia mais

Amway - Política de privacidade

Amway - Política de privacidade Amway - Política de privacidade Esta Política de Privacidade descreve como a Amway Brasil e determinadas filiadas, inclusive a Amway América Latina (conjuntamente Amway ) utilizam dados pessoais coletados

Leia mais

Inquérito aos Estabelecimentos de Ensino: TIC e Educação MANUAL DO COORDENADOR ESCOLAR

Inquérito aos Estabelecimentos de Ensino: TIC e Educação MANUAL DO COORDENADOR ESCOLAR Inquérito aos Estabelecimentos de Ensino: TIC e Educação MANUAL DO COORDENADOR ESCOLAR European Schoolnet Service d Approches Quantitatives des faits éducatifs Índice Introdução... 2 1. VISÃO GERAL DA

Leia mais

Capítulo 3. Sumário do Capítulo. Sumário do Capítulo. Desenho da Pesquisa

Capítulo 3. Sumário do Capítulo. Sumário do Capítulo. Desenho da Pesquisa Capítulo 3 Desenho da Pesquisa 3-1 Sumário do Capítulo 1) Introdução 2) Desenho da Pesquisa: Definição 3) Desenho da Pesquisa: Classificação 4) Pesquisa Exploratória 5) Pesquisa Descritiva i. Desenho Secção

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 3.8.2005 COM(2005) 361 final 2005/0147 (COD) Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que revoga a Directiva 90/544/CEE do Conselho relativa

Leia mais

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1.

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1. rota 3 CLIENTES Rota 3 Índice Enquadramento e benefícios 6 Percurso 1. Comunicação Ética 8 Percurso 2. Ética nos Negócios 11 Percurso 3. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13 responsabilidade

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 18.10.2007 COM(2007) 619 final 2007/0216 (COD) Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que altera o Regulamento (CE) n. 2252/2004 do Conselho

Leia mais

possibilidade de obter grande quantidade de informação a baixo custo por consumidor

possibilidade de obter grande quantidade de informação a baixo custo por consumidor 333 escolha do local para realizar teste local pode influenciar resultados localização amostragem percepção sensorial podem ocorrer diferenças para um mesmo produto, em diferentes locais, devido a: diferenças

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Ações Inclusivas de Sucesso Belo Horizonte 24 a 28 de maio de 2004 Realização: Pró-reitoria de Extensão

Leia mais

Comunicação para alterações sociais

Comunicação para alterações sociais + Orientação Técnica Informação Técnica Essencial para Formulação de Propostas Comunicação para alterações sociais A comunicação é um elemento essencial dos esforços de prevenção, tratamento e cuidados

Leia mais

GUIA PARA COMPRA ONLINE

GUIA PARA COMPRA ONLINE GUIA PARA COMPRA ONLINE www.tipsal.pt QUEM SOMOS A TIPSAL - Técnicas Industriais de Protecção e Segurança, Lda foi fundada em 1980. Somos uma empresa de capitais exclusivamente nacionais com sede social

Leia mais

L 68/44 Jornal Oficial da União Europeia 15.3.2005. (Actos adoptados em aplicação do título VI do Tratado da União Europeia)

L 68/44 Jornal Oficial da União Europeia 15.3.2005. (Actos adoptados em aplicação do título VI do Tratado da União Europeia) L 68/44 Jornal Oficial da União Europeia 15.3.2005 (Actos adoptados em aplicação do título VI do Tratado da União Europeia) DECISÃO 2005/211/JAI DO CONSELHO de 24 de Fevereiro de 2005 relativa à introdução

Leia mais

Derrotar o cancro do útero

Derrotar o cancro do útero Portuguese translation of Beating cervical cancer The HPV vaccine questions and answers for parents of girls in Year 9 Derrotar o cancro do útero A vacina HPV perguntas e respostas para os pais de jovens

Leia mais

Empreendedorismo De uma Boa Ideia a um Bom Negócio

Empreendedorismo De uma Boa Ideia a um Bom Negócio Empreendedorismo De uma Boa Ideia a um Bom Negócio 1. V Semana Internacional A Semana Internacional é o evento mais carismático e que tem maior visibilidade externa organizado pela AIESEC Porto FEP, sendo

Leia mais

Boas-vindas e Introdução

Boas-vindas e Introdução Ensaios clínicos ou tratamento padrão? Opções para leucemias Boas-vindas e Introdução Ensaios clínicos ou tratamento padrão? Opções para leucemias John P. Leonard, médico Reitor Associado de Pesquisa Clínica

Leia mais

As empresas farmacêuticas não se importam com a DH, certo?

As empresas farmacêuticas não se importam com a DH, certo? Notícias científicas sobre a Doença de Huntington. Em linguagem simples. Escrito por cientistas. Para toda a comunidade Huntington. Entrevista: Graeme Bilbe, chefe global de Neurociências na Novartis O

Leia mais

Voluntário em Pesquisa: informe-se para decidir! Qual documento garante que os meus direitos serão respeitados?

Voluntário em Pesquisa: informe-se para decidir! Qual documento garante que os meus direitos serão respeitados? Ministério da Saúde Conselho Nacional de Saúde Voluntário em Pesquisa: O que é uma pesquisa, afinal de contas? Eu, um sujeito de pesquisa? Qual documento garante que os meus direitos serão respeitados?

Leia mais

REDE TEMÁTICA DE ACTIVIDADE FÍSICA ADAPTADA

REDE TEMÁTICA DE ACTIVIDADE FÍSICA ADAPTADA REDE TEMÁTICA DE ACTIVIDADE FÍSICA ADAPTADA Patrocinada e reconhecida pela Comissão Europeia no âmbito dos programas Sócrates. Integração social e educacional de pessoas com deficiência através da actividade

Leia mais

Código de Conduta. Os nossos cinco princípios fundamentais: O benefício e a segurança do doente estão no centro de tudo o que fazemos

Código de Conduta. Os nossos cinco princípios fundamentais: O benefício e a segurança do doente estão no centro de tudo o que fazemos O nosso compromisso de cuidar e curar Código de Conduta Os nossos cinco princípios fundamentais: Doentes O benefício e a segurança do doente estão no centro de tudo o que fazemos Colaboradores Tratamos

Leia mais

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE 2008: Promulga o Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República da África do Sul no Campo da Cooperação Científica e Tecnológica,

Leia mais

Margarida Eiras. margarida.eiras@ensp.unl.pt

Margarida Eiras. margarida.eiras@ensp.unl.pt Qualidade, Gestão do Risco e Segurança do Doente na Prestação de Cuidados de Saúde Margarida Eiras margarida.eiras@ensp.unl.pt Beja, 25 de Março 2009 Índice Conceitos de Qualidade em Saúde da Qualidade

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR 1 1. Considerações Gerais A Lipor, Serviço Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto, com sede em Baguim do Monte, concelho de Gondomar,

Leia mais

DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004)

DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004) DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004) por Mónica Montenegro, Coordenadora da área de Recursos Humanos do MBA em Hotelaria e

Leia mais

Cefaleia crónica diária

Cefaleia crónica diária Cefaleia crónica diária Cefaleia crónica diária O que é a cefaleia crónica diária? Comecei a ter dores de cabeça que apareciam a meio da tarde. Conseguia continuar a trabalhar mas tinha dificuldade em

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho Câncer de Próstata Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho O que é próstata? A próstata é uma glândula que só o homem possui e que se localiza na parte baixa do abdômen. Ela é um órgão muito pequeno, tem

Leia mais

+ de 100 Estudos. O Estudo IHAMS

+ de 100 Estudos. O Estudo IHAMS + de 100 Estudos Mantemos um esforço de pesquisa e desenvolvimento ativo, com novos jogos, exercícios e novos estudos. Atualmente, existem mais de 60 artigos de periódicos publicados sobre os benefícios

Leia mais

Avaliando o Cenário Político para Advocacia

Avaliando o Cenário Político para Advocacia Avaliando o Cenário Político para Advocacia Tomando em consideração os limites de tempo e recursos dos implementadores, as ferramentas da série Straight to the Point (Directo ao Ponto), da Pathfinder International,

Leia mais

DIRECTIVA 2003/94/CE DA COMISSÃO

DIRECTIVA 2003/94/CE DA COMISSÃO L 262/22 DIRECTIVA 2003/94/CE DA COMISSÃO de 8 de Outubro de 2003 que estabelece princípios e directrizes das boas práticas de fabrico de medicamentos para uso humano e de medicamentos experimentais para

Leia mais

Convenção n.º 87 CONVENÇÃO SOBRE A LIBERDADE SINDICAL E A PROTECÇÃO DO DIREITO SINDICAL

Convenção n.º 87 CONVENÇÃO SOBRE A LIBERDADE SINDICAL E A PROTECÇÃO DO DIREITO SINDICAL Convenção n.º 87 CONVENÇÃO SOBRE A LIBERDADE SINDICAL E A PROTECÇÃO DO DIREITO SINDICAL A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho, convocada em S. Francisco pelo conselho de administração

Leia mais

Procedimento Específico. Gestão dos Dispositivos de Monitorização e Medição. Validado: Jaime Quendera Data: 2006-01-11. Responsável da Qualidade

Procedimento Específico. Gestão dos Dispositivos de Monitorização e Medição. Validado: Jaime Quendera Data: 2006-01-11. Responsável da Qualidade Elaborado: 2006-01-11 Validado: 2006-01-11 Pág. 1 de 5 Aprovado: 2006-01-11 Documento: Título: Código: Produzido por: Aprovado por: Descrição Sumária: Gestão dos Dispositivos PE-QL-14 (Data de Aprovação)

Leia mais

BIBLIOTECA ESCOLAR CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS COMO FAZER UM TRABALHO DE PESQUISA

BIBLIOTECA ESCOLAR CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS COMO FAZER UM TRABALHO DE PESQUISA BIBLIOTECA ESCOLAR CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS COMO FAZER UM TRABALHO DE PESQUISA Se pesquisares sobre os temas das aulas, serás um aluno de sucesso que saberá aprender e continuará a aprender pela vida

Leia mais

Documentos Necessários ao Protocolo de Pesquisa

Documentos Necessários ao Protocolo de Pesquisa Documentos Necessários ao Protocolo de Pesquisa 3. PROTOCOLO DE PESQUISA 3.1) Protocolo de pesquisa: é o conjunto de documentos, que pode ser variável a depender do tema, incluindo o projeto, e que apresenta

Leia mais