Prevalence of Dental Caries and Treatment Needs in Twelve-Year-Old Scholars from the Sixth Grade at Campos Dos Goytacazes CIEP 417.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Prevalence of Dental Caries and Treatment Needs in Twelve-Year-Old Scholars from the Sixth Grade at Campos Dos Goytacazes CIEP 417."

Transcrição

1 1 PREVALÊNCIA DA CÁRIE DENTAL E AVALIAÇÃO DAS NECESSIDADES DE TRATAMENTO EM ESCOLARES DE 12 ANOS DA SEXTA SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL NO CIEP 417 DE CAMPOS DOS GOYTACAZES. Prevalence of Dental Caries and Treatment Needs in Twelve-Year-Old Scholars from the Sixth Grade at Campos Dos Goytacazes CIEP 417. SALES, Luis André Henriques. RESUMO O desenvolvimento de ações de saúde bucal requer o conhecimento da situação epidemiológica dos diferentes grupos populacionais e o índice CPO-D é o ponto básico de referência para o diagnóstico das condições dentais dos mesmos. Esta pesquisa tem o objetivo de avaliar a prevalência de cárie dental e de expôr as necessidades de tratamento de criancas da sexta série do ensino fundamental do CIEP 417 (CIEP José do Patrocínio), localizado em Campos dos Goytacazes, no Parque São Jorge. A amostra consiste de 53 escolares da faixa etária de 12 anos, de ambos os sexos. O CPO-D obtido foi de 3,77 (dp=2,94) enquanto que os livres de cárie foram 18,9%. O componente cariado predominou sobre os demais. Quanto `as necessidades de tratamento, as restaurações compuseram a maior parte e os selantes e a remineralização, a menor. Apesar da prevalência de cárie dentária ser classificada como moderada, as metas propostas pela OMS para a idade de 12 anos em relação ao CPOD e livres de cárie não foram alcançadas. Esses escolares necessitam de uma atenção odontológica integral e resolutiva para melhorar suas condições de saúde bucal. É preciso que se estimule o diagnóstico precoce da cárie para que os planos de tratamentos sejam estabelecidos dentro do contexto de promoção da saúde. PALAVRAS-CHAVE Cárie dentária. Necessidades de tratamento. Epidemiologia. Escolares. INTRODUÇÃO A saúde bucal é parte integrante e essencial da saúde geral e sendo assim, é um fator determinante para a qualidade de vida. Os agravos à saúde bucal são problemas de saúde pública porque têm um impacto significante no indivíduo e na comunidade, possuem alta prevalência e podem ser efetivamente prevenidos e controlados pela ação conjunta da comunidade, profissionais e indivíduos. (MELLO; ANTUNES; WALDMAN, 2005).

2 2 O índice de ataque de cárie (CPO), originalmente formulado por Klein e Palmer em 1937, continua sendo o mais utilizado do mundo, mantendo-se como o ponto básico de referência para o diagnóstico das condições dentais e para a formulação e avaliação de programas de saúde bucal. Quando o dente é utilizado como unidade de medida, temos o índice CPO-D : dentes cariados, perdidos e obturados (PINTO, 2008). O objetivo desta pesquisa é a obtenção da prevalência de cárie e das necessidades de tratamento em escolares de 12 anos de idade, da sexta série do CIEP 417, em Campos dos Goytacazes. A identificação das condições bucais, quanto à cárie, nestas crianças, subsidiará a definição de prioridades no cuidado odontológico das mesmas. Os dados obtidos, futuramente, servirão também para a avaliação da eficácia de ações, no âmbito da saúde bucal, que venham a ser executadas. A realização desta pesquisa é justificada pela necessidade da obtenção destes dados, ainda não coletados, porém de suma importância, que levarão ao conhecimento da experiência de cárie da população estudada dos tratamentos dentários necessários `a mesma. O diagnóstico precoce das lesões iniciais de cárie, ainda em estágio reversível, e a avaliação de fatores determinantes auxiliam na avaliação de risco de cárie e tornam o tratamento mais simples, menos invasivo e de menor custo, envolvendo uso de flúor e mudanças de comportamento com relação à dieta e à higiene bucal. MATERIAL E MÉTODO Trata-se de uma pesquisa descritiva/observacional. A amostra consta de 53 escolares na faixa etária de doze anos, de ambos os sexos, matriculadas na sexta série do ensino fundamental no CIEP 417 (CIEP José do Patrocínio), no Paque São Jorge, em Campos dos Goytacazes. A coleta de dados foi realizada por apenas um cirurgião-dentista examinador, auxiliado por um anotador. O exame epidemiológico foi realizado sob luz natural, no pátio da escola, com o examinador e paciente sentados um em frente ao outro. Para os exames, utilizou-se espelho bucal plano e sonda exploradora odontológica com ponta romba. Os índices usados seguiram os códigos e critérios recomendados pela Organização Mundial de Saúde (OMS). A prevalência de cárie dentária foi avaliada através do índice CPO-D. Os códigos e critérios para a utilização dos mesmos constam no Quadro 1 (Apêndice A). O tratamento recomendado para cada elemento dentário em cada indivíduo avaliado consta no Quadro 2 (Apêndice B). O índice CPO foi proposto por Klein e Palmer em Ele expressa o número de dentes permanentes atacados por cárie. No indivíduo examinado ele é o resultado da soma do número de dentes permanentes cariados mais o número de dentes obturados e o número de dentes perdidos. Portanto, na dentição permanente, seus valores variam de zero até 32 (todos os dentes atacados por cárie). Em uma população, o índice CPO é

3 3 resultado da soma de todos os dentes atacados por cárie dividido pelo número de individuos examinados (PEREIRA, 2003). Quando a unidade de medida é o dente, temos o índice CPO-D, ou seja, dentes cariados, perdidos e obturados. Cáries radiculares não estão incluídas, pois o índice é específico para problemas verificados na região da coroa dentária (PINTO, 2008). No Brasil, o CPO costuma ser dividido em quatro componentes, acrescentando os dentes com extração indicada (Ei). Os fatores obturados (O) e extraídos (E), representam a história passada, enquantos os fatores cariado (C) e extração indicada (Ei), correspondem `as necessidades de tratamento. Quando forem considerados apenas os três componentes clássicos, como ocorrem nos estudos internacionais que empregam a metodologia da OMS, as extrações indicadas devem ser incluídas no componente cariado (C ). Dentes perdidos são sinônimo de dentes extraídos (PINTO, 2008). Como a cárie aumenta com a idade, é recomendado o cálculo do CPO em cada idade. A classificação do ataque de cárie dentária com base nos valores do CPO aos 12 anos de idade é a seguinte: Muito baixa (0,0 a 0,1); Baixa (1,2 a 2,6); Média (2,7 a 4,4); Alta (4,5 a 6,5) e Muito alta (maior ou igual a 6,6) (PEREIRA, 2003). O CPO-D das crianças será analisado de forma estatística, por frequência de ocorrência, em números absolutos e percentuais, e será confrontado com o índice obtido nos úlimo estudo nacional sobre a prevalência de cárie dental da população brasileira, realizado pelo Ministério da Saúde em Os tipos de tratamento recomendados para a os indivíduos estudados serão tabulados e expostos em números percentuais e absolutos. Será utilizado o software Microsoft Excel. RESULTADOS Foram realizados 53 exames clínicos nos escolares de 12 anos da sexta série do CIEP 417, em Campos dos Goytacazes. A distribuição da amostra, segundo índices de cárie (CPO-D) está na Tabela 1. TABELA 1: Distribuição dos escolares em relação ao CPO-D. IDADE GÊNERO ÍNDICE CPO-D TOTAL MÉDIA DP N % 12 FEM 4,03 3, ,6 12 MASC 3,43 2, ,4 12 TOTAL 3,77 2, Aos 12 anos o CPO-D foi 3,77 (dp=2,94) e 18,9% livres de cárie. Encontrou-se uma média de CPO-D igual a 3,43 (dp=2,79) para o sexo masculino (17,4% livres de

4 4 cárie) sendo que no sexo feminino o valor encontrado foi de 4,03 (dp=3,07), sendo que 20% estavam livres de cárie. A distribuição dos componentes do índice CPO-D encontrado está no gráfico 1. O componente preponderante foi o cariado. GRÁFICO 1 Distribuição percentual dos componentes do índice CPO-D ,5 16,5 Cariados Perdidos Obturados Dentre as necessidades de tratamento, as restaurações de uma superfície representaram 74,2% do total. As restaurações de duas ou mais superficies respondem por 23,2%, as extrações por 2,58%, os tratamentos endodônticos 0,64%, a remineralização 0,08% e os selantes 0% (Gráfico 2). GRÁFICO 2: Necessidades de tratamento da população estudada ,2 Restauração de 1 face 23,2 Restauração de 2 ou mais faces 2,58 0,64 0,08 0 Extração Endodontia Remineralização Selante Tratamentos Recomendados

5 5 DISCUSSÃO E CONCLUSÃO A cárie dental ainda é uma doença comum nas crianças brasileiras, porém seu declínio tem sido relatado mundialmente, assim como vem ocorrendo no Brasil. Algumas causas associadas a essa queda são: o uso do flúor, mais acesso aos serviços odontológicos, mudanças nos critérios de diagnóstico de cárie e ampliação das ações de promoção e educação em saúde bucal (PEREIRA, 2003). Em 1986, o Ministério da saúde realizou o primeiro levantamento epidemiológico de cárie dentária no Brasil, e o índice CPO-D aos 12 anos foi de 6,65, colocando o Brasil entre os países com as maiores prevalências de cárie no mundo (MEDEIROS, 1990; FERREIRA, 1998). Em 1996, o Ministério da Saúde realizou o segundo levantamento epidemiológico em saúde bucal, realizado em escolares de 6 a 12 anos de idade, o qual revelou um declínio de 53,9 % nos indices anteriormente observados. O CPO-D, que era 6,65, passou a ser 3,06, aos 12 anos de idade. Para a dentição permanente foi encontrada correlação direta entre aumento do índice e aumento da idade (FREIRE, 1997; FERREIRA, 1998). No levantamento mais recente, realizado em 2003, o índice CPO-D aos 12 anos foi de 2,73, mostrando uma redução de 58,3% em relação ao primeiro levantamento (Brasil, 2004). Os primeiros molares permanentes são os dentes mais acometidos por lesões cariosas, provavelmente por terem sua erupção concluída em torno dos 6 anos de idade; podem, portanto, ser confundidos com dentes decíduos e, erroneamente, acabam por merecer menor atenção quanto à higiene bucal. Sua anatomia oclusal, fortemente caracterizada pela presença de fóssulas e fissuras, aumenta sua susceptibilidade à cárie (PINE; PITTS; NUGENT, 1997). Em relação `a cárie dentária, a Organização Mundial de Saúde (OMS), e a Federação Dentária Internacional (FDI) recomendaram, para o ano de 2000, a adoção de várias metas (TABELA 2, APÊNDICE C). Durante o 4 o Congresso Mundial de Odontologia Preventiva, realizado na Suécia em 1993, as metas propostas para 2010 ficaram ainda mais ambiciosas (TABELA 3, APÊNDICE D). A existência de metas mundiais oferece referências para comparacões internacionais. Por outro lado é importante assinalar que as autoridades sanitárias responsáveis pelos sistemas de saúde tanto em âmbito local quanto regional, ou de cada país, devem estabelecer metas de saúde bucal coerentes `a sua realidade para orientar o planejamento e a avaliação de ações e dos serviços de saúde. A determinação de metas é um instrumento tanto para tomada de decisão em nível local como para justificar pressão por mais recursos para melhorar os níveis de saúde bucal em âmbito mais global. Pesquisadores também têm recomendado referências, `as vezes impropriamente denominadas parâmetros, para avaliar o estado de saúde bucal das populações. Novos objetivos devem ser traçados quando as metas são alcançadas (PEREIRA, 2003). O Declinio da cárie, por se tratar de média populacional, não é homogêneo em todas as regiões do país, nem em todas as classes sociais. É maior entre os segmentos de

6 6 melhor renda e escolaridade, e mais modesto, ou inexpressivo, em grupos de baixa renda e escolaridade (Narvais e Cols., 1999). Embora tenha havido uma melhora substancial na saúde bucal em vários locais e em todas as classes sociais, uma quantidade enorme de pessoas ainda sofre de problemas odontológicos. A maior parte das cáries se encontra agora, em uma minoria de crianças. Esse padrão de transição epidemiológica se chama polarização concentração da maior parte das doenças e das necessidades de tratamento em uma pequena parcela da população (Nadanovsky, 2000). A prevalência de cárie dentária encontrada aos 12 anos (CPO-D= 3,77) pode ser classificada como moderada tendo como referência a escala de severidade da OMS, estando próxima dos dados nacionais do levantamento realizado em 1996 (CPO-D de 3,06 aos 12 anos), no entanto, acima do valor encontrado nos escolares do último levantamento nacional realizado em 2003, cujo índice CPO-D foi de 2,78. O CPO-D encontrado nesta pesquisa também ficou acima das metas da OMS para o ano 2000, que seria menor ou igual a 3. Os possíveis motivos para os valores encontrados seriam deficiência da assistência odontológica prestada pela rede pública no município, o baixo nível sócio econômico da população, além da falta de ações de prevenção e promoção da saúde bucal. Aos 12 anos, a porcentagem de indivíduos livres de cárie foi de 18,9%, inferior aos resultados do Projeto SB Brasil 2003, a nível nacional (31,1%), que apresentou dados de escolas públicas e particulares, demonstrando assim as piores condições de saúde bucal na população estudada. Os dados obtidos sugerem que é necessário que seja dada uma maior atenção aos programas de prevenção e promoção da saúde afim de aumentar o percentual de crianças livres de cárie e consequentemente obter melhores padrões de saúde bucal. Apesar da prevalência de cárie dentária ser classificada como moderada, as metas propostas pela OMS não foram alcançadas, sendo que esses escolares necessitam de uma atenção odontológica integral e resolutiva para melhorar sua saúde bucal. Quanto às necessidades de tratamento, verificou-se que estas estavam concentradas no tratamento restaurador de uma superfície dentária. Despertou atenção a pequena demanda por tratamento remineralizador (medida de inativação de cáries em estágio inicial). Isso pode ter ocorrido pela dificuldade em identificar tais lesões iniciais (mancha branca ativa), em levantamentos epidemiológicos, já que a população apresentava elevada experiência de cárie. Pelo exposto acima, conclui-se que é importante sugerir que a cobertura odontológica do serviço público em Campos dos Goytacazes seja revista, a fim de que possa haver uma cobertura mais abrangente da população, implementação de programas de saúde bucal mais adequados, e realização mais efetiva do diagnóstico precoce da cárie dentária, para que assim possam ser estabelecidos planos de intervenção dentro do contexto da promoção da saúde.

7 7 ABSTRACT The development of oral health actions and programs requires knowledg of the different groups epidemiological s situation and the DEF rate is the basic reference point to diagnose one s dental conditions. This research aims to evaluate the caries prevalence and to expose the treatment needs in twelve-year-old students from the sixth grade at the CIEP 417, (CIEP José do Patrocínio) in Campos dos Goytacazes, in Parque Sao Jorge neigborhood. The sample consists of 53 twelve-year-old scholars, from both genders. The obtained DEF rate was 3,77 (E=2,94), while 18,9% of the individuals were free from Dental Caries. The decayed (D) component from the rate was prevalent over the others. About the treatment needs, the fillings were the most needed while sealers and remineralization were the least. Although caries prevalence can be classified as moderate, the proposed WHO goals were not reached. These scholars need complete and effective dental attention in order to improve their dental health. It is necessary to stimulate early caries diagnose to establish treatment plans according to health promotion parameters. KEYWORDS Dental caries. Epidemiology. Treatment needs. Scholars.

8 8 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Projeto SB Brasil 2003: Condições de Saúde Bucal da população brasileira : resultados principais. Brasília: Ministério da Saúde, p. FREIRE, M. C. M.; BATISTA, S. M. O. Prevalência de cárie e necessidade de tratamento em escolares de seis a doze anos da rede pública de ensino. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 33, n. 4, p , ago FREIRE, M. C. M.; BATISTA, S. M. O. Prevalência de cárie e necessidade de tratamento em escolares de seis a doze anos de idade, Goiânia, GO, Brasil, Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 31, n. 1, p. 1-5, fev FERREIRA, R. A. Em queda livre?. Rev. Assoc. Paul Cir. Dent., São Paulo, v. 52, n. 2, p , mar./abr MEDEIROS, U. V.; PARAIZO, C. A. Epidemiologia da cárie dentária em escolares no estado do Rio de Janeiro. Rev. Brasileira Odontol., Rio de Janeiro, v. 47, n. 6, p , nov./dez MELLO, Tatiana Ribeiro de Campos, ANTUNES, José Leopoldo Ferreira e WALDMAN, Eliseu Alves. Áreas rurais: pólos de concentração de agravos à saúde bucal?. Arq Med, jan. 2005, vol.19, no.1-2, p ISSN NARVAI, P.C,; FRAZÃO, P.; CASTELLANOS, R.A. Declínio na experiência de cárie em dentes permanentes de escolares brasileiros no final do século XX. Odontologia e Sociedade. V. 1, p. 25-9, NADANOVSKY, P.O declínio da cárie. In: PINTO V.G. Saúde bucal coletiva. São Paulo: Santos, PEREIRA, A.C. Odontologia em saúde coletiva: Planejando ações e promovendo saúde. Porto Alegre: Artmed, p. PINE, C. M.; PITTS, N. B.; NUGENT, Z. J. British Association for the Study of Community Dentistry (BASCD) guidance on sampling for surveys of child dental health. A BASCD coordinated dental epidemiology program quality standard. Commun Dent. Health. v. 14, p ,1997. PINTO, V. G. Saúde Bucal Coletiva. 5. Ed. São Paulo: Livraria Santos Editora, p.

9 9 APÊNDICE APÊNDICE A QUADRO 1 Critérios e códigos utilizados para o índice CPO. Condição dental Critério de diagnóstico Çódigo * Espaço vazio Dente não erupcionado 0 (0) Cariado Quando apresentar: a) evidência de esmalte socavado (há uma cavidade definida onde o explorador penetra); b) em sulcos e fissuras onde o explorador prende, desde que exista tecido cariado amolecido e/ou opacidade de 1(6) esmalte e manchas de cárie; c) em faces proximais se o explorador prende, ficando retido ao se fazer movimentos na direção cérvico-oclusal; d) em casos onde o explorador penetra entre o dente e a restauração; e) há uma restauracão mas estea presente um dos critérios acima. Obtutado(Restaurado) O dente estea perfeitamente restaurado com material definitivo como ouro, amálgama, etc. 2(7) Pode haver uma falha na restauracnao, mas nnao se consegue inserir o explorador entre o dente e ela. Extraído A perda se deu devido `a cárie dentária. Nnao 3 se aplica `a dentiçnao temporária. Extracão indicada Há lesão que atingiu a câmara pulpar 4(8) Hígido Inexiste cárie ou restauração 5 (9) Exclusões O dente foi extraído por outras razões que não a cárie dental, como fratura, correção X(X) ortodôntica, doena periodontal ou necessidade protética. Entre parêntesis consta o código para a dentição temporária. Códigos e critérios são válidos para os indices CPO-D, CPO-S, ceo-d, ceo-s. O índice é o resultado da soma dos códigos 1, 2, 3 e 4.

10 10 APÊNDICE B QUADRO 2 - Códigos para os respectivos tratamentos recomendados. Código Tratamento recomendado R Remineralização: medidas para inativação de cáries F Selante de fissuras e fóssulas 1 Restauração de uma superfície 2 Restauração de duas ou mais superfícies 3 Tratamento endodôntico 4 Extracão indicada APÊNDICE C TABELA 2: Objetivos da OMS e da FDI, em relação `a cárie dentária, para o ano GRUPO ETÁRIO OBJETIVO 5-6 anos 50% livres de cárie 12 anos CPO-D menor ou igual a 3 18 anos 85%, P* = anos 20 ou mais dentes : 75%. 65 a 74 anos 20 ou mais dentes: 50%. * P se refere ao número de dentes perdidos.

11 11 APÊNDICE D TABELA 3: Metas propostas para 2010 durante 4 o Congresso Mundial de Odontologia Preventiva, realizado na Suécia em GRUPO ETÁRIO OBJETIVO 5-6 anos 90% livres de cárie 12 anos CPO menor que 1 18 anos 100% P* = anos 20 ou mais dentes: 90%, até 2% desdentados 65 a 74 anos Até 5% desdentados * P se refere ao número de dentes perdidos.

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE SAÚDE DA MARINHA CENTRO MÉDICO ASSISTENCIAL DA MARINHA ODONTOCLÍNICA CENTRAL DA MARINHA

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE SAÚDE DA MARINHA CENTRO MÉDICO ASSISTENCIAL DA MARINHA ODONTOCLÍNICA CENTRAL DA MARINHA MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE SAÚDE DA MARINHA CENTRO MÉDICO ASSISTENCIAL DA MARINHA ODONTOCLÍNICA CENTRAL DA MARINHA PROGRAMA PARA A PREVENÇÃO DA CÁRIE DENTÁRIA E DA DOENÇA PERIODONTAL Serviço de Odontologia

Leia mais

BIOESTATÍSTICA x EPIDEMIOLOGIA EPIDEMIOLOGIA

BIOESTATÍSTICA x EPIDEMIOLOGIA EPIDEMIOLOGIA BIOESTATÍSTICA x EPIDEMIOLOGIA EPIDEMIOLOGIA Conceito: É o estudo da distribuição do estado ou eventos de saúde- doença e de seus determinantes em populações específicas, e a aplicação desse estudo para

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X) SAÚDE

Leia mais

Premissa. Códigos e rios

Premissa. Códigos e rios Índices epidemiológicos em saúde bucal 3/10/2011 Prof. Samuel Jorge Moysés, Ph.D. 1 Premissa A epidemiologia pode ser definida como o estudo da distribuição e dos determinantes de eventos ou estados relacionados

Leia mais

CONDIÇÃO DENTÁRIA E HÁBITOS DE HIGIENE BUCAL EM CRIANÇAS COM IDADE ESCOLAR

CONDIÇÃO DENTÁRIA E HÁBITOS DE HIGIENE BUCAL EM CRIANÇAS COM IDADE ESCOLAR CONDIÇÃO DENTÁRIA E HÁBITOS DE HIGIENE BUCAL EM CRIANÇAS COM IDADE ESCOLAR DENTAL CONDITION AND ORAL HYGIENE HABITS IN SCHOOL CHILDREN Juliana Sene Prado Davi Romeiro Aquino José Roberto Cortelli Sheila

Leia mais

5 50% ceo = zero 40% 12 CPO-D < 3,0 CPO-D = 2,78. 18 80 % com todos os dentes 55% 35-44 75% com 20 ou mais dentes 54%

5 50% ceo = zero 40% 12 CPO-D < 3,0 CPO-D = 2,78. 18 80 % com todos os dentes 55% 35-44 75% com 20 ou mais dentes 54% Saúde e sociedade: desafios para a epidemiologia em saúde bucal 3/10/2011 20:02 Prof. Samuel Jorge Moysés, Ph.D. 1 Metas da OMS para o ano 2000 e a situação brasileira IDADE META DA OMS PARA 2000 SB Brasil

Leia mais

Estudo da prevalência de cárie dentária na dentição permanente em crianças de 6 a 12 anos da rede pública de ensino no município de Joinville (SC)

Estudo da prevalência de cárie dentária na dentição permanente em crianças de 6 a 12 anos da rede pública de ensino no município de Joinville (SC) ISSN 1806-7727 Estudo da prevalência de cárie dentária na dentição permanente em crianças de 6 a 12 anos da rede pública de ensino no município de Joinville (SC) Evaluated the prevalence of dental caries

Leia mais

PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA NOS ALUNOS DA ESCOLA MUNICIPAL ADELMO SIMAS GENRO, SANTA MARIA, RS: UMA ANÁLISE DESCRITIVA PARCIAL 1

PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA NOS ALUNOS DA ESCOLA MUNICIPAL ADELMO SIMAS GENRO, SANTA MARIA, RS: UMA ANÁLISE DESCRITIVA PARCIAL 1 Disc. Scientia. Série: Ciências da Saúde, Santa Maria, v. 7, n. 1, p. 121-125, 2006. 121 ISSN 1982-2111 PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA NOS ALUNOS DA ESCOLA MUNICIPAL ADELMO SIMAS GENRO, SANTA MARIA, RS:

Leia mais

Condições de saúde bucal em escolares de Vassouras/RJ: uma pesquisa epidemiológica

Condições de saúde bucal em escolares de Vassouras/RJ: uma pesquisa epidemiológica Marcos Alex Mendes da Silva 1 Maria Cristina Almeida de Souza 2 Carlos Roberto Teixeira Rodrigues 3 Rachel Ferreira Bello 4 Conditions of oral health in school children from Vassouras/RJ: an epidemiological

Leia mais

AV. TAMBORIS ESQUINA COM RUA DAS PEROBAS, S/Nº - SETOR SÃO LOURENÇO CEP 76530-000 MUNDO NOVO GOIÁS FONES:

AV. TAMBORIS ESQUINA COM RUA DAS PEROBAS, S/Nº - SETOR SÃO LOURENÇO CEP 76530-000 MUNDO NOVO GOIÁS FONES: SAÚDE BUCAL INTRODUÇÃO A evolução da Odontologia enquanto ciência da saúde é uma realidade incontestável. Dentro deste contexto de mudanças de paradigma, no qual a Promoção de Saúde toma o lugar da prática

Leia mais

Declínio na Experiência de Cárie em Dentes Permanentes de Escolares Brasileiros no Final do Século XX

Declínio na Experiência de Cárie em Dentes Permanentes de Escolares Brasileiros no Final do Século XX Odontologia e Sociedade 1999 Vol. 1, No. 1/2, 25-29, 1999. Printed in Brazil. Artigo Declínio na Experiência de Cárie em Dentes Permanentes de Escolares Brasileiros no Final do Século XX Dental Caries

Leia mais

MANUAL INSTRUTIVO DOS CÓDIGOS ODONTOLÓGICOS DO SIA/SUS - TSB E ASB -

MANUAL INSTRUTIVO DOS CÓDIGOS ODONTOLÓGICOS DO SIA/SUS - TSB E ASB - 1 MANUAL INSTRUTIVO DOS CÓDIGOS ODONTOLÓGICOS DO SIA/SUS - TSB E ASB - Porto Alegre, 2014. 1 2 S ODONTOLÓGICOS PARA AUXILIARES E TÉCNICOS EM SAÚDE BUCAL Tabela 1: Tipos de Procedimentos Odontológicos para

Leia mais

Sorriso de criança... Questão de educação!

Sorriso de criança... Questão de educação! Cidade Sorridente Sorriso de criança... Questão de educação! Dados oficiais (Mesmo entre os cidadãos com renda mensal acima de 6 SM) O Brasil é campeão mundial de cárie 60% dos dentes cariados estão sem

Leia mais

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Desenvolvimento da Gestão Descentralizada ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL DIAGNÓSTICO PRECOCE E PREVENÇÃO DO CÂNCER BUCAL RELATÓRIO

Leia mais

http://www.itpac.br/revista

http://www.itpac.br/revista _ PREVALÊNCIA DE CÁRIE PELO ÍNDICE CPO-D EM ALUNOS DA APAE DE ARAGUAÍNA-TOCANTINS Ayla Caroline Eduardo Canedo de Aguiar (Graduada em Odontologia pela FAHESA/ITPAC) E-mail: nininha_nz@hotmail.com, Tauanny

Leia mais

Título: PROMOÇÃO DE SAÚDE BUCAL NA EMEB JOÃO MARIA GONZAGA DE LACERDA

Título: PROMOÇÃO DE SAÚDE BUCAL NA EMEB JOÃO MARIA GONZAGA DE LACERDA Título: PROMOÇÃO DE SAÚDE BUCAL NA EMEB JOÃO MARIA GONZAGA DE LACERDA Autores: Ana Cláudia Morandini Sanchez, CD Serviço de saúde: Unidade de Saúde da Família VILA ANA Palavras-chaves: cárie dentária,

Leia mais

Paulínia, São Paulo, Brasil: situação da cárie dentária com relação às metas OMS 2000 e 2010

Paulínia, São Paulo, Brasil: situação da cárie dentária com relação às metas OMS 2000 e 2010 866 NOTA RESEARCH NOTE Paulínia, São Paulo, Brasil: situação da cárie dentária com relação às metas OMS 2000 e 2010 Dental caries in Paulínia, São Paulo State, Brazil, and WHO goals for 2000 and 2010 Patrícia

Leia mais

MEDIDAS DE ADEQUAÇÃO DO MEIO BUCAL PARA CONTROLE DA CÁRIE DENTÁRIA EM ESCOLARES DO CASTELO BRANCO

MEDIDAS DE ADEQUAÇÃO DO MEIO BUCAL PARA CONTROLE DA CÁRIE DENTÁRIA EM ESCOLARES DO CASTELO BRANCO MEDIDAS DE ADEQUAÇÃO DO MEIO BUCAL PARA CONTROLE DA CÁRIE DENTÁRIA EM ESCOLARES DO CASTELO BRANCO BARROS, Ítala Santina Bulhões 1 LIMA, Maria Germana Galvão Correia 2 SILVA, Ariadne Estffany Máximo da

Leia mais

Indicador 24. Cobertura de primeira consulta odontológica programática

Indicador 24. Cobertura de primeira consulta odontológica programática Indicador 24 Cobertura de primeira consulta odontológica programática É o percentual de pessoas que receberam uma primeira consulta odontológica programática no Sistema Único de Saúde (SUS), A primeira

Leia mais

JULIANA SILVEIRA MACIEL PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA EM DENTES PERMANENTES NA FAIXA ETÁRIA DE 6 A 12 ANOS NO MUNICÍPIO DE NIOAQUE/MS.

JULIANA SILVEIRA MACIEL PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA EM DENTES PERMANENTES NA FAIXA ETÁRIA DE 6 A 12 ANOS NO MUNICÍPIO DE NIOAQUE/MS. JULIANA SILVEIRA MACIEL PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA EM DENTES PERMANENTES NA FAIXA ETÁRIA DE 6 A 12 ANOS NO MUNICÍPIO DE NIOAQUE/MS. CAMPO GRANDE 2011 1 JULIANA SILVEIRA MACIEL PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA

Leia mais

PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA EM ESCOLARES DE 12 ANOS DE IDADE EM 2002 E 2007 EM LAJEADO, RS

PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA EM ESCOLARES DE 12 ANOS DE IDADE EM 2002 E 2007 EM LAJEADO, RS OS IMPACTOS DAS MUDANÇAS NA ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO NOME SOBRE DO A SAÚDE... ARTIGO 25 PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA EM ESCOLARES DE 12 ANOS DE IDADE EM 2002 E 2007 EM LAJEADO, RS PREVALENCE OF DENTAL

Leia mais

MODELO PROJETO: PRÊMIO POR INOVAÇÃO E QUALIDADE

MODELO PROJETO: PRÊMIO POR INOVAÇÃO E QUALIDADE MODELO PROJETO: PRÊMIO POR INOVAÇÃO E QUALIDADE 1 Identificação Título Feira da Mata sorrindo para o futuro Área temática Estudos Epidemiológicos / Comunicação, Promoção e Educação em Saúde Lotação Feira

Leia mais

ERUPÇÃO DE MOLARES DECÍDUOS E PERMANENTES. RELAÇÃO COM A IDADE DE APLICAÇÃO DE SELANTE OCLUSAL

ERUPÇÃO DE MOLARES DECÍDUOS E PERMANENTES. RELAÇÃO COM A IDADE DE APLICAÇÃO DE SELANTE OCLUSAL ERUPÇÃO DE MOLARES DECÍDUOS E PERMANENTES. RELAÇÃO COM A IDADE DE APLICAÇÃO DE SELANTE OCLUSAL Joseleine CARVALHO* Valdemar VERTUAN** RESUMO: Foram examinadas 609 crianças de 3 a 6 anos para se verificarem

Leia mais

AUTOPERCEPÇÃO EM SAÚDE BUCAL: IDOSOS E FAMÍLIA

AUTOPERCEPÇÃO EM SAÚDE BUCAL: IDOSOS E FAMÍLIA III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA IV SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE ATENÇÃO PRIMÁRIA/SAÚDE DA FAMÍLIA III CONCURSO NACIONAL DE EXPERIÊNCIAS EM SAÚDE DA FAMÍLIA 05 A 08 DE AGOSTO DE 2008 -

Leia mais

Projeto SB Brasil 2003

Projeto SB Brasil 2003 Projeto SB Brasil 2003 MINISTÉRIO DA SAÚDE Condições de Saúde Bucal da População Brasileira 2002-2003 Resultados Principais Série C. Projetos, Programas e Relatórios Brasília DF 2004 2004 Ministério da

Leia mais

Título do Trabalho: Clínica Integrada: é possível promover saúde bucal numa clínica de ensino odontológico?

Título do Trabalho: Clínica Integrada: é possível promover saúde bucal numa clínica de ensino odontológico? PESQUISA 1º COLOCADO Título do Trabalho: Clínica Integrada: é possível promover saúde bucal numa clínica de ensino odontológico? Autor (a): Drª. Rossana Vanessa Dantas de Almeida Orientador (a): Prof.

Leia mais

RESUMO. DESCRITORES: Índice CPO - cárie dental - prevalência cárie SUMMARY

RESUMO. DESCRITORES: Índice CPO - cárie dental - prevalência cárie SUMMARY PREVALÊNCIA DA DOENÇA CÁRIE EM ESCOLARES DE 5 A 14 ANOS, NA CIDA- DE DE ALFENAS-MG * RESUMO 231 LUIZ ANTONIO SARTORI (**) O Presente estudo analisa a prevalência da doença cárie em escolares matriculados

Leia mais

Polarização da cárie em município sem água fluoretada. Polarization of dental caries in a Brazilian city without fluoridated water

Polarização da cárie em município sem água fluoretada. Polarization of dental caries in a Brazilian city without fluoridated water ARTIGO ARTICLE 7 Polarização da cárie em município sem água fluoretada Polarization of dental caries in a Brazilian city without fluoridated water Luciana Cardoso Cassiano Rösing Paulo Kramer Carolina

Leia mais

Prevalência de Cárie de Primeiro Molar em Crianças de 6 a 8 Anos do Projeto Guanabara

Prevalência de Cárie de Primeiro Molar em Crianças de 6 a 8 Anos do Projeto Guanabara Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Prevalência de Cárie de Primeiro Molar em Crianças de 6 a 8 Anos do Projeto Guanabara Área Temática

Leia mais

OCORRÊNCIA E ETIOLOGIA DO TRAUMATISMO DENTAL EM ALUNOS DO CURSO DE ODONTOLOGIA DA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL/RS

OCORRÊNCIA E ETIOLOGIA DO TRAUMATISMO DENTAL EM ALUNOS DO CURSO DE ODONTOLOGIA DA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL/RS Revista de Endodontia Pesquisa e Ensino On Line - Ano 4, Número 7, Janeiro/Junho, 2008. 1 OCORRÊNCIA E ETIOLOGIA DO TRAUMATISMO DENTAL EM ALUNOS DO CURSO DE ODONTOLOGIA DA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO

Leia mais

Diagnóstico da cárie dentária: comparação dos resultados de três levantamentos epidemiológicos numa mesma população

Diagnóstico da cárie dentária: comparação dos resultados de três levantamentos epidemiológicos numa mesma população Diagnóstico da cárie dentária: comparação dos resultados de três levantamentos epidemiológicos numa mesma população Diagnosis of dental caries: comparing results of three epidemiological surveys from the

Leia mais

SAÚDE BUCAL NOS IDOSOS DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA

SAÚDE BUCAL NOS IDOSOS DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA 1 SAÚDE BUCAL NOS IDOSOS DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA Elazi Gomes de Oliveira Chacar Lima 1 1 Cirurgiã-Dentista aluna do Curso de Pós-Graduação em Saúde da Família da Faculdade de Medicina de Campos RESUMO

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA:

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

PALAVRAS CHAVE: Promoção de saúde, paciente infantil, extensão

PALAVRAS CHAVE: Promoção de saúde, paciente infantil, extensão TÍTULO:PROGRAMA DE ATENÇÃO ODONTOLÓGICA À CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA AUTORES: Mesquita, M. F, Menezes, V. A*., Maciel, A. E.**, Barros, E.S INSTITUIÇÃO:Faculdade de Odontologia de Pernambuco. FOP/UPE

Leia mais

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA. Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Bucal no Programa Saúde na Escola

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA. Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Bucal no Programa Saúde na Escola PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Bucal no Programa Saúde na Escola A avaliação e promoção de saúde bucal é ação essencial que integra o Componente I do Programa Saúde

Leia mais

Linha 1: Resposta biológica nas terapias em Odontologia.

Linha 1: Resposta biológica nas terapias em Odontologia. Linha 1: Resposta biológica nas terapias em Odontologia. Descrição. O entendimento dos processos fisiológicos, celulares e moleculares associados com o uso de diversos materiais, medicamentos e demais

Leia mais

CONDIÇÃO BUCAL DO IDOSO E NUTRIÇÃO: REFLEXÕES DA EXPERIÊNCIA EXTENSIONISTA.

CONDIÇÃO BUCAL DO IDOSO E NUTRIÇÃO: REFLEXÕES DA EXPERIÊNCIA EXTENSIONISTA. CONDIÇÃO BUCAL DO IDOSO E NUTRIÇÃO: REFLEXÕES DA EXPERIÊNCIA EXTENSIONISTA. William Alves de Melo Júnior- UFCG-williamgeronto@gmail.com Ana Lígia Soares Amorim - UFCG - ligiamorim@globomail.com Augusto

Leia mais

Cárie Dental Conceitos Etiologia Profa Me. Gilcele Berber

Cárie Dental Conceitos Etiologia Profa Me. Gilcele Berber Cárie Dental Conceitos Etiologia Profa Me. Gilcele Berber Perda localizada dos tecidos calcificados dos dentes, decorrentes da fermentação de carboidratos da dieta por microrganismos do biofilme Princípios

Leia mais

KÁTIA LILIAM SILVA JUNHO

KÁTIA LILIAM SILVA JUNHO KÁTIA LILIAM SILVA JUNHO LEVANTAMENTO EPIDEMIOLÓGICO DA CÁRIE DENTÁRIA DE ESCOLARES DE 5 A 12 ANOS, RESIDENTES NA ZONA RURAL E URBANA DO MUNICÍPIO DE NATÉRCIA, MINAS GERAIS, BRASIL, 2010.. Campos Gerais

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego PME. Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada

Pesquisa Mensal de Emprego PME. Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada Pesquisa Mensal de Emprego PME Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Algumas das principais

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS DEPARTAMENTO DE MEDICINA SOCIAL MESTRADO PROFISSIONAL SAÚDE PÚBLICA BASEADA EM EVIDÊNCIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS DEPARTAMENTO DE MEDICINA SOCIAL MESTRADO PROFISSIONAL SAÚDE PÚBLICA BASEADA EM EVIDÊNCIAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS DEPARTAMENTO DE MEDICINA SOCIAL MESTRADO PROFISSIONAL SAÚDE PÚBLICA BASEADA EM EVIDÊNCIAS DISSERTAÇÃO DE MESTRADO AVALIAÇÃO DA EXPERIÊNCIA DE CÁRIE E UTILIZAÇÃO DO SERVIÇO

Leia mais

SAÚDE BUCAL COLETIVA (*)

SAÚDE BUCAL COLETIVA (*) 1. INTRODUÇÃO SAÚDE BUCAL COLETIVA (*) Adaptado e atualizado por Frias AC; Junqueira SR. As ações de saúde bucal, sejam de assistência odontológica às pessoas ou ações sobre o meio-ambiente que tenham

Leia mais

RESIDÊNCIA PEDIÁTRICA

RESIDÊNCIA PEDIÁTRICA Residência Pediátrica 2012;2(2):12-9. RESIDÊNCIA PEDIÁTRICA Use of fluoride toothpaste by preschoolers: what pediatricians should know? ; Ana Paula Pires dos Santos pré-escolar. Resumo Resultados e conclusões:

Leia mais

Condição de saúde bucal de idosos institucionalizados em Goiânia- GO, 2003

Condição de saúde bucal de idosos institucionalizados em Goiânia- GO, 2003 Condição de saúde bucal de idosos institucionalizados em Goiânia- GO, 2003 Oral health status of institutionalized elderly in Goiânia- GO, Brazil, 2003 Sandra Cristina Guimarães Bahia Reis 1* Maria Abadia

Leia mais

o PROGRAMA DE SAÚDE BUCAL PARA CRIANÇAS PRÉ-ESCOLARES EM ARARAQUARA - SP

o PROGRAMA DE SAÚDE BUCAL PARA CRIANÇAS PRÉ-ESCOLARES EM ARARAQUARA - SP ... _ Rev. Odont. UNESP, São Paulo, 17(112): 191-196,1988. o PROGRAMA DE SAÚDE BUCAL PARA CRIANÇAS PRÉ-ESCOLARES EM ARARAQUARA - SP Maria do Carmo Costa VASCONCELLOS" Cleide BARONETTO"" Edney Pereira LÉO"'"

Leia mais

PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTAL EM BARRETOS, SP, BRASIL, APÓS DEZESSEIS ANOS DE FLUORETAÇÃO DA ÁGUA DE ABASTECIMENTO PÚBLICO

PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTAL EM BARRETOS, SP, BRASIL, APÓS DEZESSEIS ANOS DE FLUORETAÇÃO DA ÁGUA DE ABASTECIMENTO PÚBLICO PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTAL EM BARRETOS, SP, BRASIL, APÓS DEZESSEIS ANOS DE FLUORETAÇÃO DA ÁGUA DE ABASTECIMENTO PÚBLICO Yvette Viegas* Alfredo Reis Viegas* VIEGAS, Y. & VIEGAS, A. R. Prevalência de cárie

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PLANOS MUNICIPAIS DE SAÚDE BUCAL

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PLANOS MUNICIPAIS DE SAÚDE BUCAL Atualizado por Danusa em Nov/2007 ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PLANOS MUNICIPAIS DE SAÚDE BUCAL Para organizar um serviço local de atenção à saúde é necessário que o administrador, coordenador, gerente

Leia mais

PROJETO VIGILANTES DO SORRISO

PROJETO VIGILANTES DO SORRISO PROJETO VIGILANTES DO SORRISO Juliana Santos Oliveira NOVAFAPI Cosme José Albergaria da Silva Filho NOVAFAPI Marissol Antunes Fernandes NOVAFAPI Adriana Oquendo Machado NOVAFAPI INTRODUÇÃO O PETI (Programa

Leia mais

CMR Clínica Médica de Cuidados Regulares Rua Raimundo Carvalho 110-4430-184 Vila Nova de Gaia (Desde Fevereiro de 2011 até à data actual)

CMR Clínica Médica de Cuidados Regulares Rua Raimundo Carvalho 110-4430-184 Vila Nova de Gaia (Desde Fevereiro de 2011 até à data actual) IDENTIFICAÇÃO Nome: Carina Raquel Lemos Coelho Data de nascimento: 27.03.1982 Nacionalidade: Portuguesa Estado Civil: Solteira Membro da Ordem dos Médicos Dentista n.º6391 HABILITAÇÕES ACADÉMICAS Junho

Leia mais

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL Analisando-se a imagem de um dente íntegro, todas as suas partes são facilmente identificáveis, pois já conhecemos sua escala de radiopacidade e posição

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº DE 2007 (Do Sr. José Eduardo Cardozo)

PROJETO DE LEI Nº DE 2007 (Do Sr. José Eduardo Cardozo) PROJETO DE LEI Nº DE 2007 (Do Sr. José Eduardo Cardozo) Institui a Semana Nacional de Educação, Conscientização e Orientação sobre a Fissura Lábio- Palatina, e dá outras providências. O Congresso Nacional

Leia mais

A ESPACIALIZAÇÃO DO RISCO DE PERDA DENTÁRIA EM IDOSOS NO BRASIL POR MEIO DE UM PROCESSO ANALÍTICO HIERÁRQUICO (AHP)

A ESPACIALIZAÇÃO DO RISCO DE PERDA DENTÁRIA EM IDOSOS NO BRASIL POR MEIO DE UM PROCESSO ANALÍTICO HIERÁRQUICO (AHP) A ESPACIALIZAÇÃO DO RISCO DE PERDA DENTÁRIA EM IDOSOS NO BRASIL POR MEIO DE UM PROCESSO ANALÍTICO HIERÁRQUICO (AHP) Rafael da Silveira Moreira Júlio César Rodrigues Pereira LigiaVizeu Barrozo Lucélia Silva

Leia mais

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 *

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * Andréa Branco Simão UFMG/Cedeplar Luiza de Marilac de Souza UFMG/Cedeplar Palavras Chave:

Leia mais

MÁ-OCLUSÃO. Ortodontista: Qualquer desvio de posição do dente em relação ao normal

MÁ-OCLUSÃO. Ortodontista: Qualquer desvio de posição do dente em relação ao normal MÁ-OCLUSÃO Ortodontista: Qualquer desvio de posição do dente em relação ao normal Sanitarista: Inconveniente estético ou funcional de grande magnitude que possa interferir no relacionamento do indivíduo

Leia mais

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS O presente levantamento mostra a situação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) nos municípios brasileiros. Para realizar a comparação de forma mais precisa,

Leia mais

OBJETIVOS. Objetivo Gerail

OBJETIVOS. Objetivo Gerail TÍTULO:PROJETO CUIDADOS ODONTOLÓGICOS AO PORTADOR DE DEFICIÊNCIA AUTORES: Profª. Gracia Maria Salles Maciel Koerich Ac. Janaína Masson Ac. Márcia Martins Pacheco T. A. Sérgio José Sena INSTITUIÇÃO:UNIVERSIDADE

Leia mais

Como obter resultados com a otimização dos consultórios com os TSB e ASB

Como obter resultados com a otimização dos consultórios com os TSB e ASB Como obter resultados com a otimização dos consultórios com os TSB e ASB 6º SINPLO Simpósio Internacional de Planos Odontológicos Fabiana Car Pernomiam 2011 Ergonomia racionalizar o trabalho, possibilitar

Leia mais

AÇÕES COLETIVAS E INDIVIDUAIS DE SAÚDE BUCAL EM ESCOLARES DO ENSINO FUNDAMENTAL

AÇÕES COLETIVAS E INDIVIDUAIS DE SAÚDE BUCAL EM ESCOLARES DO ENSINO FUNDAMENTAL AÇÕES COLETIVAS E INDIVIDUAIS DE SAÚDE BUCAL EM ESCOLARES DO ENSINO FUNDAMENTAL Autores: Cynthia de Freitas Real (Acadêmica do Curso de Odontologia da Universidade Federal de Pelotas Rio Grande do Sul,

Leia mais

ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DA DEMANDA DE TRATAMENTO ODONTOLÓGICO NO MUNICÍPIO DE EMBU DAS ARTES

ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DA DEMANDA DE TRATAMENTO ODONTOLÓGICO NO MUNICÍPIO DE EMBU DAS ARTES ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DA DEMANDA DE TRATAMENTO ODONTOLÓGICO NO MUNICÍPIO DE EMBU DAS ARTES Ligia de Jesus Martins de Oliveira 1 ; Luis Carlos Pires Baptista 2 Estudante do Curso de Odontologia; lih.odonto@gmail.com

Leia mais

INDICE ANTROPOMÉTRICO-NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE BAIXA RENDA INCLUSAS EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS

INDICE ANTROPOMÉTRICO-NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE BAIXA RENDA INCLUSAS EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS INDICE ANTROPOMÉTRICO-NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE BAIXA RENDA INCLUSAS EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS Carla Andréa Metzner 1 Ana Paula Falcão 2 RESUMO No presente trabalho coletou-se dados referente ao Indicador

Leia mais

DIAGNÓSTICO DE SAÚDE BUCAL EM ADOLESCENTES DA REDE DE ENSINO PÚBLICO DE UBERLÂNDIA

DIAGNÓSTICO DE SAÚDE BUCAL EM ADOLESCENTES DA REDE DE ENSINO PÚBLICO DE UBERLÂNDIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA 4ª Semana do Servidor e 5ª Semana Acadêmica 008 UFU 0 anos DIAGNÓSTICO DE SAÚDE BUCAL EM ADOLESCENTES DA REDE DE ENSINO PÚBLICO DE UBERLÂNDIA Janaína de Castro Vieira

Leia mais

SAÚDE BUCAL EM CRIANÇAS NA IDADE ESCOLAR EM NOVA XAVANTINA-MT 1

SAÚDE BUCAL EM CRIANÇAS NA IDADE ESCOLAR EM NOVA XAVANTINA-MT 1 SAÚDE BUCAL EM CRIANÇAS NA IDADE ESCOLAR EM NOVA XAVANTINA-MT Michele Novaes Ribeiro - ninepeixoto@yahoo.com.br Maria Eloíza Pereira Leite Ramos Karine da Silva Peixoto, Resumo Este estudo teve por objetivo

Leia mais

Saúde Bucal Coletiva. 1/9/2008 16:10 Prof. Samuel Jorge Moysés, Ph.D. 1

Saúde Bucal Coletiva. 1/9/2008 16:10 Prof. Samuel Jorge Moysés, Ph.D. 1 Promoção e Prevenção em Saúde Bucal Coletiva 1/9/2008 16:10 Prof. Samuel Jorge Moysés, Ph.D. 1 S 2 1 Programa Promoção de saúde bucal baseada em evidências científicas Estratégias comuns de prevenção de

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 1 ESTIMATIVA DA POPULAÇÃO CANINA E FELINA NOS ANOS 2010 E 2013 E PERCEPÇÃO DAS PESSOAS QUANTO A GUARDA RESPONSÁVEL NO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS PINHAIS - BAIRRO GUATUPÊ LUCAS GALDIOLI 1, RAFAELA FURIOSO

Leia mais

Planilha1. Controle de hemorragia com aplicação de agente hemostático em região buco-maxilo-facial

Planilha1. Controle de hemorragia com aplicação de agente hemostático em região buco-maxilo-facial 81000421 Radiografia periapical CIRURGIA Planilha1 DIAGNÓSTICO 81000065 Consulta odontológica inicial 81000111 Diagnóstico anatomopatológico em citologia esfoliativa na região buco-maxilo-facial 81000138

Leia mais

MANUAL DO ASSOCIADO. Plano Empresarial. A solução definitiva em odontologia

MANUAL DO ASSOCIADO. Plano Empresarial. A solução definitiva em odontologia MANUAL DO ASSOCIADO Plano Empresarial A solução definitiva em odontologia MISSÃO DA EMPRESA O nosso compromisso é atingir e superar as expectativas dos clientes, garantindo sua total satisfação, fazendo

Leia mais

Cobertura RN 338 Lei 9656/98:

Cobertura RN 338 Lei 9656/98: Cobertura RN 338 Lei 9656/98: CÓDIGO PROCEDIMENTO Flex 30% GRUPO 87000032 CONDICIONAMENTO EM ODONTOLOGIA PARA PACIENTES COM NECESSIDADES ESPECIAIS R$ 7,62 CONSULTAS 81000030 CONSULTA ODONTOLÓGICA R$ 10,58

Leia mais

Título: Autores: Unidade Acadêmica: INTRODUÇÃO

Título: Autores: Unidade Acadêmica: INTRODUÇÃO Título: AVALIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA EM SAÚDE AO IDOSO NO MUNÍCIPIO DE ANÁPOLIS-EFETIVIDADE E RESOLUTIVIDADE Autores: Júlia Maria Rodrigues de OLIVEIRA, Marta Rovery de SOUZA. Unidade Acadêmica:

Leia mais

IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL

IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL Em um dente íntegro, suas imagens são facilmente identificáveis, pois já conhecemos a escala de radiopacidade. Estudamos as imagens das estruturas anatômicas, suas

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DA ASSEFAZ. TISS TROCA DE INFORMAÇÕES EM SAÚDE SUPLEMENTAR Odontologia

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DA ASSEFAZ. TISS TROCA DE INFORMAÇÕES EM SAÚDE SUPLEMENTAR Odontologia MANUAL DE ORIENTAÇÃO DA ASSEFAZ TISS TROCA DE INFORMAÇÕES EM SAÚDE SUPLEMENTAR Odontologia Brasília/DF - 2007 1 1. Introdução A meta deste trabalho é estruturar e auxiliar no correto preenchimento das

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES CNHD Supervisão

Leia mais

PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA EM CRIANÇAS DE 6 E 12 ANOS DE IDADE DE ESCOLAS PÚBLICAS DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PR

PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA EM CRIANÇAS DE 6 E 12 ANOS DE IDADE DE ESCOLAS PÚBLICAS DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PR UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA MESTRADO ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM CLÍNICA INTEGRADA FLÁVIA TANAKA PREVALÊNCIA DE CÁRIE

Leia mais

MODELO PROJETO: PRÊMIO POR INOVAÇÃO E QUALIDADE

MODELO PROJETO: PRÊMIO POR INOVAÇÃO E QUALIDADE MODELO PROJETO: PRÊMIO POR INOVAÇÃO E QUALIDADE 1 Identificação Título Câncer de Colo de útero: a importância de diagnostico precoce. Área temática Comunicação, Promoção e Educação em Saúde Lotação Boninal

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES MELLITUS MORBIDADE AUTO REFERIDA

Leia mais

TÉCNICAS DE PROMOÇÃO E PREVENÇÃO DA CÁRIE DENTÁRIA EM CRIANÇAS

TÉCNICAS DE PROMOÇÃO E PREVENÇÃO DA CÁRIE DENTÁRIA EM CRIANÇAS TÉCNICAS DE PROMOÇÃO E PREVENÇÃO DA CÁRIE DENTÁRIA EM CRIANÇAS Kelin Angélica Zonin* Róger Reche* Leodinei Lodi** *Acadêmicos do curso de Odontologia da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai

Leia mais

COBERTURA DO SAÚDE DA FAMÍLIA E CITOPATOLÓGICO DE Avaliação da cobertura da Estratégia Saúde da Família nos municípios do Rio Grande do Sul sobre a Razão de Exames Citotopalógicos de Colo Uterino Paulo

Leia mais

Tabela de Procedimentos Odontológicos Página: 1 de 8 Especialidade: DENTÍSTICA RESTAURADORA

Tabela de Procedimentos Odontológicos Página: 1 de 8 Especialidade: DENTÍSTICA RESTAURADORA Tabela de Procedimentos Odontológicos Página: 1 de 8 Grupo: 100-Diagnose - As consultas deverão ser faturadas em Guias de Atendimento - GA, separadamente dos demais procedimentos, que serão faturados na

Leia mais

INFORMÁTICA ANS GUIA TISS CERTIFICADO DIGITAL TABELA TUSS TABELA DE ATOS ESPECIALIDADES

INFORMÁTICA ANS GUIA TISS CERTIFICADO DIGITAL TABELA TUSS TABELA DE ATOS ESPECIALIDADES INFORMÁTICA ANS GUIA TISS CERTIFICADO DIGITAL TABELA TUSS TABELA DE ATOS ESPECIALIDADES 21/06/2014 A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) é a agência reguladora vinculada ao Ministério da Saúde

Leia mais

EXAMES LABORATORIAIS DIAGNOSTICO ANATOMOPATOLOGICO EM MATERIAL DE BIOPSIA NA REGIAO BUCO-MAXILO- 81000138 FACIAL

EXAMES LABORATORIAIS DIAGNOSTICO ANATOMOPATOLOGICO EM MATERIAL DE BIOPSIA NA REGIAO BUCO-MAXILO- 81000138 FACIAL UNIODONTO PORTO ALEGRE Modalidade pré-pagamento sem coparticipação, ou seja, o contratante pagará apenas o valor da mensalidade e terá a sua disposição todos os beneficios previstos pela ANS. Atendimento

Leia mais

Condições de saúde bucal em pessoas de 60 anos ou mais no Município de São Paulo (Brasil)

Condições de saúde bucal em pessoas de 60 anos ou mais no Município de São Paulo (Brasil) Condições de saúde bucal em pessoas de 60 anos ou mais no Município de São Paulo (Brasil) Oral health condition of people of 60 years of age or above in S. Paulo city, Brazil Antonio Galvão Fortuna Rosa*,

Leia mais

PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA EM BRASÍLIA, BRASIL (1)

PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA EM BRASÍLIA, BRASIL (1) PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA EM BRASÍLIA, BRASIL (1) José Maria Pacheco de SOUZA (2) Eunice Pinho de Castro SILVA (2) Osdyr Brasileiro de MATTOS (3) SOUZA, J. M. P. de; SILVA, E. P. de C. & MATTOS, O.

Leia mais

Incisão e Drenagem extra-oral de abscesso, hematoma e/ou flegmão da região buco-maxilo-facial

Incisão e Drenagem extra-oral de abscesso, hematoma e/ou flegmão da região buco-maxilo-facial CÓDIGO 81000049 81000057 82000468 Diagnóstico, Urgência-Emergência: Noturna, Sábado, Domingo ou Feriado (procedimento abaixo) Consulta odontológica de Urgência (Horário normal das 08:00 horas às 18:00

Leia mais

MEDIDAS DE PROMOÇÃO E PREVENÇÃO DE CÁRIE EM ESCOLARES ADOLESCENTES DO CASTELO BRANCO

MEDIDAS DE PROMOÇÃO E PREVENÇÃO DE CÁRIE EM ESCOLARES ADOLESCENTES DO CASTELO BRANCO MEDIDAS DE PROMOÇÃO E PREVENÇÃO DE CÁRIE EM ESCOLARES ADOLESCENTES DO CASTELO BRANCO DIAS, Larissa Nadine Silva 1 FARIAS, Luciana Lombardi Pedrosa de 2 LIMA, Maria Germana Galvão Correia 3 RESUMO A adolescência

Leia mais

Câmpus de Araçatuba. Plano de Ensino. Docente(s) Suzely Adas Saliba Moimaz, Ronald Jefferson Martins, Renato Moreira Arcieri, Tânia Adas Saliba Rovida

Câmpus de Araçatuba. Plano de Ensino. Docente(s) Suzely Adas Saliba Moimaz, Ronald Jefferson Martins, Renato Moreira Arcieri, Tânia Adas Saliba Rovida Curso ODOI 8 - Odontologia Ênfase Identificação Disciplina SCOI9-I-T/P-A/B - Saúde Coletiva I Docente(s) Suzely Adas Saliba Moimaz, Ronald Jefferson Martins, Renato Moreira Arcieri, Tânia Adas Saliba Rovida

Leia mais

REGULAMENTO ODONTOLÓGICO

REGULAMENTO ODONTOLÓGICO REGULAMENTO ODONTOLÓGICO Regulamento Vigente REGULAMENTO ODONTOLÓGICO ARTIGO 1º - A Associação dos Agentes Fiscais de Rendas do Estado de São Paulo - AFRESP - prestará a seus associados inscritos na Administração

Leia mais

FACULDADE MERIDIONAL IMED CENTRO DE ESTUDOS ODONTOLÓGICO MERIDIONAL - CEOM CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DENTISTICA MÁRCIO OMIZOLLO

FACULDADE MERIDIONAL IMED CENTRO DE ESTUDOS ODONTOLÓGICO MERIDIONAL - CEOM CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DENTISTICA MÁRCIO OMIZOLLO 0 FACULDADE MERIDIONAL IMED CENTRO DE ESTUDOS ODONTOLÓGICO MERIDIONAL - CEOM CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DENTISTICA MÁRCIO OMIZOLLO LEVANTAMENTO CLÍNICO DOS PRIMEIROS MOLARES PERMANENTES EM CRIANÇAS DE

Leia mais

PREVALÊNCIA DE CÁRIE PRECOCE DA INFÂNCIA EM CRIANÇAS ATENDIDAS EM UM PROGRAMA DE ATENÇÃO MATERNO-INFANTIL

PREVALÊNCIA DE CÁRIE PRECOCE DA INFÂNCIA EM CRIANÇAS ATENDIDAS EM UM PROGRAMA DE ATENÇÃO MATERNO-INFANTIL PREVALÊNCIA DE CÁRIE PRECOCE DA INFÂNCIA EM CRIANÇAS ATENDIDAS EM UM PROGRAMA DE ATENÇÃO MATERNO-INFANTIL Zacarias Soares de Brito Neto (Bolsista do PIBIC/UFPI ICV); Lúcia de Fátima Almeida de Deus Moura

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 2.891, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2002

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 2.891, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2002 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 2.891, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2002 Define o currículo do Curso de Graduação em Odontologia. O REITOR

Leia mais

A EVITABILIDADE DE MORTES POR DOENÇAS CRÔNICAS E AS POLÍTICAS PÚBLICAS VOLTADAS AOS IDOSOS

A EVITABILIDADE DE MORTES POR DOENÇAS CRÔNICAS E AS POLÍTICAS PÚBLICAS VOLTADAS AOS IDOSOS A EVITABILIDADE DE MORTES POR DOENÇAS CRÔNICAS E AS POLÍTICAS PÚBLICAS VOLTADAS AOS IDOSOS Niedja Maria Coelho Alves* nimacoal@hotmail.com Isabelle Carolline Veríssimo de Farias* belleverissimo@hotmail.com

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 23

PROVA ESPECÍFICA Cargo 23 13 PROVA ESPECÍFICA Cargo 23 QUESTÃO 31 Com relação aos tecidos dentários, analise as afirmativas abaixo: 1) O esmalte é um tecido duro, que constitui a maior parte do dente, determinando a forma da coroa.

Leia mais

Cobertura dos Planos Odontológicos OdontoPrev

Cobertura dos Planos Odontológicos OdontoPrev Cobertura dos Planos Odontológicos OdontoPrev Plano Integral... TRATAMENTO AMBULATORIAL/DIAGNÓSTICO Consulta EMERGÊNCIA Colagem de fragmentos (consiste na recolocação de partes de dente que sofreu fratura,

Leia mais

Estado do Ceará PREFEITURA MUNICIPAL DE CEDRO CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

Estado do Ceará PREFEITURA MUNICIPAL DE CEDRO CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 1. O paciente João compareceu ao consultório odontológico uma semana depois de realizar uma exodontia do segundo molar inferior esquerdo. Qual das alternativas abaixo contém os

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Mortalidade Infantil. Epidemiologia dos Serviços de Saúde. Causas de Morte.

PALAVRAS-CHAVE: Mortalidade Infantil. Epidemiologia dos Serviços de Saúde. Causas de Morte. ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA Jessica Neves Pereira (latiifa@hotmail.com)

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE SUSTENTABILIDADE 2012 FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO. Categoria Franqueador Senior

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE SUSTENTABILIDADE 2012 FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO. Categoria Franqueador Senior PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE SUSTENTABILIDADE 2012 FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Categoria Franqueador Senior Dados da empresa Razão Social: Sorridents Franchising Ltda Nome Fantasia: Sorridents Clínicas Odontológicas

Leia mais

ATENÇÃO À SAÚDE DA CRIANÇA

ATENÇÃO À SAÚDE DA CRIANÇA ATENÇÃO À SAÚDE DA CRIANÇA Áreas temáticas: Educação e Saúde Coordenador: Profª Norma Suely Falcão De Oliveira Melo Equipe executora: Orientadoras: Profª Norma Suely Falcão De Oliveira Melo (coordenador);

Leia mais

Profª Márcia Rendeiro

Profª Márcia Rendeiro Profª Márcia Rendeiro CONHECIMENTO CIENTÍFICO TECNOLOGIAS PRÁTICA ODONTOLÓGICA AMBIENTES INSTRUMENTOS MATERIAIS RECURSOS HUMANOS O PROCESSO DE TRABALHO ODONTOLÓGICO VEM SOFRENDO TRANSFORMAÇÕES AO LONGO

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS NECESSIDADES DOS SERVIÇOS OFICIAIS DE SAÚDE PÚBLICA PARA O MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. A MÉDIO E LONGO PRAZO

AVALIAÇÃO DAS NECESSIDADES DOS SERVIÇOS OFICIAIS DE SAÚDE PÚBLICA PARA O MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. A MÉDIO E LONGO PRAZO AVALIAÇÃO DAS NECESSIDADES DOS SERVIÇOS OFICIAIS DE SAÚDE PÚBLICA PARA O MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. A MÉDIO E LONGO PRAZO João YUNES (1) Joaquim Francisco CARDOSO (2) Mário Laranjeira de MENDONÇA (2) YUNES,

Leia mais

CURSO DE ODONTOLOGIA. Vinícius Burille PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA E NECESSIDADE DE TRATAMENTO

CURSO DE ODONTOLOGIA. Vinícius Burille PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA E NECESSIDADE DE TRATAMENTO 0 CURSO DE ODONTOLOGIA Vinícius Burille PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA E NECESSIDADE DE TRATAMENTO EM ESCOLARES DE 06 E 12 ANOS DE IDADE EM ARVOREZINHA/RS Santa Cruz do Sul, novembro de 2009 1 Vinícius

Leia mais

Calibração de examinadores para estudos epidemiológicos de cárie dentária. Calibration of examiners for dental caries epidemiology studies

Calibração de examinadores para estudos epidemiológicos de cárie dentária. Calibration of examiners for dental caries epidemiology studies ARTIGO ARTICLE 153 Calibração de examinadores para estudos epidemiológicos de cárie dentária Calibration of examiners for dental caries epidemiology studies Marco Aurélio Peres 1 Jefferson Traebert 2 Wagner

Leia mais

Seminário de Atualização de ACS A AÇÃO DOS ACS NOS CUIDADOS DE SAÚDE NA COMUNIDADE

Seminário de Atualização de ACS A AÇÃO DOS ACS NOS CUIDADOS DE SAÚDE NA COMUNIDADE Seminário de Atualização de ACS A AÇÃO DOS ACS NOS CUIDADOS DE SAÚDE BUCAL DA FAMÍLIA: A BOCA E A SAÚDE NA COMUNIDADE Seminário de Atualização de ACS A AÇÃO DOS ACS NOS CUIDADOS DE SAÚDE BUCAL DA FAMÍLIA:

Leia mais