AJUSTE OCLUSAL POR DESGASTE SELETIVO NA TERAPIA ORTODÔNTICA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AJUSTE OCLUSAL POR DESGASTE SELETIVO NA TERAPIA ORTODÔNTICA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE UNIVALE FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACS. CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PRÓTESE DENTÁRIA Raquel Helena Ferreira AJUSTE OCLUSAL POR DESGASTE SELETIVO NA TERAPIA ORTODÔNTICA Governador Valadares 2009

2 1 RAQUEL HELENA FERREIRA AJUSTE OCLUSAL POR DESGASTE SELETIVO NA TERAPIA ORTODÔNTICA Monografia apresentada à Faculdade de Ciências da Saúde da Universidade Vale do Rio Doce em Governador Valadares como requisito para obtenção do grau de especialista em Prótese Odontológica. Orientador: Prof. Dr. Marcelo Marigo Governador Valadares 2009

3 2 AJUSTE OCLUSAL POR DESGASTE SELETIVO NA TERAPIA ORTODÔNTICA RAQUEL HELENA FERREIRA Monografia apresentada à Faculdade de Ciências da Saúde da Universidade Vale do Rio Doce em Governador Valadares como requisito para obtenção do grau de especialista em Prótese Odontológica, sendo a banca examinadora composta por: Prof. Dr. Marcelo Marigo - Orientador Professor Convidado Professor Convidado

4 3 Dedico este trabalho à minha família. Aos meus pais que sempre se esforçaram para oferecer aos seus filhos uma educação de qualidade, nos incentivando à eterna busca pelo aprendizado e aprimoramento de nossas capacidades. Ao meu marido, pela paciência e pelo apoio à minha dedicação aos estudos e, também por estar sempre presente, ajudando-me. Aos meus filhos, que serão sempre a razão do meu viver.

5 4 AGRADECIMENTOS A Deus, que me concedeu inteligência, aptidão, paciência e a oportunidade de nascer em um lar, cujos pais fossem preocupados em proporcionar aos filhos, carinho, educação e formação de caráter; Ao meu marido pelo apoio e força, sempre; Aos meus filhos que mesmo pequeninos, sabem a importância desse curso e entendem porque nos distanciamos fisicamente por tantas vezes; Aos meus amigos, que me ajudaram com incentivo e na busca de material para a apresentação deste trabalho. Ao Prof. Cândido como coordenador do curso. Pela sua dedicação, carinho, respeito, companheirismo e profissionalismo. Aos meus professores, em especial ao Rômulo Hissa, pela sua sabedoria, paciência, exigência, EXCELÊNCIA e bondade ao nos ensinar e transmitir sem omissão conteúdos que foram essenciais ao desenvolvimento de novas aptidões. Meu carinho, respeito e profunda admiração. Ao meu orientador Prof. Dr. Marcelo Marigo pelo carinho e atenção.

6 5 Louvor do Aprender Aprende o mais simples! Pra aqueles Cujo tempo chegou Nunca é tarde demais! Aprender o abc, não chega, mas Aprende-o! E não te enfades! Começa! Tens de saber tudo! Tens de tomar a chefia! Aprende, homem do asilo! Aprende, homem na prisão! Aprende, mulher na cozinha! Aprende, sexagenária! Tens de tomar a chefia! Frequenta a escola, homem sem casa! Arranja saber, homem com frio! Faminto, pega no livro: é uma arma. Tens de tomar a chefia. Não te acanhes de perguntar, companheiro! Não deixes que te metam patranhas na cabeça: Vê c'os teus próprios olhos! O que tu mesmo não sabes Não o sabes. Verifica a conta: És tu que a pagas. Põe o dedo em cada parcela, Pergunta: Como aparece isto aqui? Tens de tomar a chefia. Bertold Brecht

7 6 RESUMO Objetivou-se nesse trabalho de revisão de literatura, demonstrar que o ajuste oclusal por desgaste seletivo pode e deve ser utilizado como recurso complementar durante e/ou na finalização da terapia ortodôntica, para obtenção de uma relação de estabilidade oclusal, evitando recidivas de maloclusão, possível sintomatologia de dor e prevendo futuros problemas de ATM. Considerou-se fundamental o conhecimento técnico e científico do profissional que realizará esse procedimento, uma vez que seja um desgaste irreversível da estrutura dental saudável, e quando mal executado incorrerá na necessidade de acréscimos futuros seja pela dentística ou prótese para resgatar o então desejado equilíbrio oclusal. O prazo recomendado para esse refinamento da oclusão dentária, varia de 6 a 8 meses após a finalização do tratamento ortodôntico. Palavras-chave: Ajuste oclusal. Equilíbrio oclusal. Desgaste seletivo.

8 7 ABSTRACT The objective in this literature review work, is to show that an Occlusal Adjustment made by Selective waste can and needs to be used as a additional resource in Orthodontic Therapy during and/or in its finalization, to achievement in an Occlusal Stability relation, avoiding recurrence of a mallocclusion, possible symptons of pain and predicting future ATM problems. It was considered essential the technical and scientific knowledge of the professional who will conduct the procedure, once it is an irreversible waste of the healthy teeth structure, and poorly executed will incur the need of future additions done through Implant Dentistry and Prothesis to redeem the then desired Occlusal Balance. The recomended deadline to this refinement of the dental occlusion varies from 6 to 8 months after the orthodontic treatment. Key-words: Occlusal Adjustment. Occlusal Balance. Selective waste.

9 8 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO REVISÃO DA LITERATURA OCLUSÃO AJUSTE OCLUSAL AJUSTE OCLUSAL POR DESGASTE SELETIVO NA TERAPIA ORTODÔNTICA DISCUSSÃO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS... 24

10 9 1 INTRODUÇÃO O ajuste oclusal é a remodelação sistemática da anatomia oclusal dos dentes, a fim de minimizar todas as desarmonias oclusais nas posições oclusais mandibulares reflexas (MOYERS 1988). O ajuste oclusal, por desgaste seletivo ou coronoplastia, é um procedimento terapêutico muito efetivo, de enorme valor no tratamento da disfunção oclusal e de suas severas sequelas patológicas no sistema estomatognático. Atua como um mecanismo de compensação artificial do sistema para conservar a harmonia morfofuncional da oclusão dental. O ajuste oclusal também é uma modalidade terapêutica para a obtenção da estabilidade oclusal, em pacientes que foram submetidos a tratamentos ortodônticos e cirúrgicos ortognáticos. O objetivo fundamental do ajuste oclusal consiste em melhorar as relações funcionais das arcadas dentárias, de modo que dentes e periodonto recebam estímulos uniformes e possam realizar suas funções com a máxima eficiência. Atua como um mecanismo de compensação artificial do sistema estomatognático, e substituição ao mecanismo natural fracassado, em sua missão de conservar a harmonia morfo-funcional (BATAGLION, 2009). O ajuste oclusal é um procedimento efetivo quando realizado com correta indicação e a observância dos conhecimentos básicos da oclusão dental, estando associado à diminuição do tempo de tratamento (PINZAN et al., 2009). Segundo Bellini et al. (2008), por ser uma técnica que envolve desgaste dentário, ou seja, perda de estrutura dentária hígida, este tipo de ajuste oclusal se não for executado por profissional capacitado, pode ser fator iatrogênico determinante para um futuro problema que o paciente possa apresentar. Por esse motivo a utilização deste procedimento ainda gera opiniões diversas como uma técnica de tratamento preventivo em todos os pacientes pósortodônticos, principalmente os que não apresentam disfunção temporomandibular. Os autores ainda acreditam o ajuste oclusal seja uma ferramenta indispensável na clínica, em todas as especialidades e que, deve-se sempre levar em consideração o paciente como um todo, não somente o alinhamento de dentes. Na finalização ortodôntica, pela dificudade de se obter, em todos os casos, uma oclusão perfeita com os côndilos em relação

11 10 cêntrica, onde alguns dentes sofrem desgastes, muitos têm anatomia anormal e/ou restaurações. Para obter resultados excelentes é preciso ajustar complementando os casos com essa terapia. Desta forma, torna-se necessário conhecer a correta oclusão na estabilidade do caso e acompanhamento do mesmo. O ajuste oclusal por desgaste seletivo é a conduta terapêutica que propõe modificações nas superfícies dos dentes, restaurações ou próteses, buscando harmonizar os aspectos funcionais maxilomandibulares na oclusão em relação cêntrica e nos movimentos excêntricos (FERNANDES NETO et al., 2004). O objetivo é melhorar as relações funcionais da dentição para que, juntamente com o periodonto de sustentação recebam estímulos uniformes e funcionais, propiciando as condições necessárias para a saúde do sistema neuromuscular e das articulações temporomandibulares (JANSON et al., 1984). A ortodontia tem como objetivo a obtenção de uma estética agradável, equilíbrio e estabilidade oclusal ao longo do tempo, buscando a coincidência de relação cêntrica e máxima intercuspidação habitual. Devido o tratamento ortodôntico apresentar limites de resultados, podendo apresentar contatos prematuros, os quais precisam ser eliminados para um melhor relacionamento oclusal, a terapia de desgaste seletivo melhorará o relacionamento das estruturas dentárias, podendo contribuir na eliminação dos sintomas bucofaciais. Sendo assim, comprova-se a necessidade de se realizar ajustes oclusais como método de complementação do tratamento ortodôntico (MADEIRA e VANZELLI, 1999). Aubrey et al. (1978), analisando os objetos do tratamento ortodônticos quanto à oclusão, destacou a necessidade de ajuste oclusal no paciente pós-ortodôntico para evitar problemas na ATM. O ajuste oclusal pode ser indicado após o tratamento ortodôntico a fim de se obter uma estabilidade mandibular adequada, livre de interferências oclusais, que podem causar recidivas e problemas articulares. Porém, o ajuste oclusal por desgaste seletivo, deve ser feito com muito critério (BELLINI et al., 2008). Assim, este estudo tem como objetivo realizar uma revisão da literatura a respeito da necessidade do ajuste oclusal por desgaste seletivo como terapia complementar do tratamento ortodôntico, observando-se contatos interoclusais prematuros e possíveis interferências

12 11 oclusais provenientes da movimentação ortodôntica. Tal procedimento clínico tem como finalidade obter uma estabilidade mandibular, livre de prematuridades e interferências oclusais, através da eliminação por desgaste dos contatos indesejados.

13 12 2 REVISÃO DE LITERATURA Visando uma abordagem mais específica e um melhor entendimento dos assuntos levantados, elencamos esse capítulo em sub-itens. 2.1 OCLUSÃO O princípio básico da oclusão normal somente considerava a relação normal dos planos inclinados oclusais dos dentes com os arcos em oclusão como pré-requisito para a obtenção da chamada oclusão normal. Angle (1899) foi o pioneiro neste campo, pois, por meio de observações em uma coleção de crânios, reuniu as informações que considerou necessárias para formular seu conceito de oclusão normal. Enquanto sua forte influência prevaleceu, outras idéias eram rejeitadas. Somente após a sua morte, novos estudos tiveram seu valor reconhecido. Sicher (1953) preconizou o maior número possível de contatos dentários em trabalho, ou seja, a oclusão em grupo, estudando a respeito dos contatos dentários em movimentos laterais que variam segundo número e localização gerando técnicas diferentes de ajuste oclusal, adequados aos esquemas como guia canino, função de grupo ou função balanceada. Ramfjord e Ash (1971) abordaram dois conceitos principais de oclusão: um deles é o conceito protético de oclusão balanceada das dentaduras completas onde a eficiência e estabilidade funcional são aumentadas com contatos dentários bilaterais nas excursões de lateralidade e protrusão. O outro é orientado ortodonticamente sob o aspecto de que são salientadas as relações estáticas cúspidefossa aceitáveis; e assim, a oclusão não concordante com essa relação é designada como maloclusão. Andrews (1972) publicou um artigo intitulado As seis chaves para uma oclusão normal, no qual descreveu as características comuns encontradas no estudo de 120 casos portadores de oclusão normal, que nunca haviam se submetido a nenhum tipo de tratamento ortodôntico. O resultado desta pesquisa foram as seis chaves da oclusão normal que passaram então a ser consideradas como a meta ideal estática a ser obtida ao término dos tratamentos

14 13 ortodônticos. São elas: Relação de molares apropriada; angulação das coroas; inclinação (torque) apropriada das coroas; ausência de rotação; contatos interproximais justos e curva de Spee plana. O paradigma estético adiciona às necessidades e metas funcionais do paciente, outros aspectos como: a apresentação do sorriso e a estética da face (SARVER e ACKERMAN, 2005). As metas funcionais de oclusão (relação normal em molares e caninos, trespasse vertical e sobressaliência ideais) continuam a existir, mas são avaliadas dentro do contexto de uma análise dentofacial expandida. Um modelo de classificação de aparência e estética, onde se considera três áreas de tratamento estético, oferece estrutura para uma avaliação sistemática das necessidades de cada paciente. A macro-estética onde são analisados perfil, proporções verticais da face, volume dos lábios, projeção do mento, projeção do nariz e tamanho das orelhas; a mini-estética através da observação da exposição dos incisivos, simetria e arco do sorriso, apinhamento dental e exposição da vermelhidão do lábio e a micro-estética,onde se observa forma e contorno da gengiva, espaços triangulares, diastemas e coloração dentária (SARVER, 2007). 2.2 AJUSTE OCLUSAL Roth (1981), afirmou que um objetivo do tratamento ortodôntico seria o de produzir um resultado no qual a relação cêntrica e a máxima intercuspidação habitual coincidissem e em que, em relação cêntrica, todos os dentes opostos contactassem seus antagonistas simultaneamente, com a ausência de qualquer deslize mandibular, e, nas excursões excêntricas, os dentes anteriores, especialmente os caninos, desarticulassem os posteriores após um leve movimento. Além disto, acredita-se que quanto mais próximo desta relação, mais estável será o resultado do tratamento ortodôntico e menor o risco de trauma oclusal. Ramfjord e Ash (1984), afirmaram que é importante enfatizar, que o ajuste oclusal é um procedimento irreversível e que deve ser realizado somente quando houver absoluta certeza de que a oclusão existente está causando algum distúrbio ao sistema mastigatório.

15 14 Haydar et al. (1992), consideram a necessidade de prevenir uma disfunção dolorosa na articulação temporomandibular nos casos ortodônticos, por meio da eliminação de interferências oclusais com o uso do ajuste oclusal. Consideram o ajuste oclusal parte integrante do tratamento ortodôntico. Roth (2003) afirmou que o tratamento ortodôntico é uma forma de reabilitação bucal completa, obtida clinicamente em esmalte e, como tal, deve seguir as regras de oclusão exigidas para obter-se saúde bucal em longo prazo, tanto na odontologia restauradora quanto protética, se os ortodontistas pretendem prover um serviço de saúde verdadeiro. Afirma também a importância da relação entre a oclusão e a articulação temporomandibular, e, além disso, a oclusão, se alterada, deve ser modificada para estar em harmonia com a posição articular ótima no fechamento e nos movimentos bordejantes. A estabilidade não será obtida na ausência de uma articulação estável, em posição articular também estável, além de contatos interoclusais cêntricos apropriados, com desoclusão dos dentes posteriores quando em movimento. Bataglion e Nunes(2009) esclarece que para se realizar o ajuste oclusal algumas normas devem ser estabelecidas e seguidas, tais como: Eliminação de contatos prematuros e as interferências oclusais ; estabelecimento de ótimas relações oclusais funcionais ; estabilidade oclusal de maneira que, após o ajuste oclusal, tenha lugar apenas a disposição desejável ou inevitável dos dentes; distribuição das paradas cêntricas de maneira, que a força oclusal principal aplicada ao dente, seja em direção axial (em seu longo eixo) e domínio das posições fundamentais da mandíbula em todas as tentativas de um ajuste oclusal (posição mandibular de relação cêntrica (RC); posição mandibular em máxima intercuspidação habitual (MIH); posição mandibular de relação cêntrica de oclusão (ROC); Posição mandibular em lateralidade e protrusiva). Pinzan et al. (2009) esclarecem que uma avaliação e um planejamento pode auxiliar o profissional se for utilizada a regra das bandeirinhas, modificado de Okeson (1992) na hora de decidir qual o melhor procedimento quando se refere à identificação de interferências dentais. Um quadro mostra três possíveis contatos de oclusão. Na bandeira azul, onde a cúspide de suporte está próxima a sua fosseta, o ajuste por desgaste seletivo está indicado. Quando o contato ocorre na bandeira vermelha, o desajuste entre as cúspides de suporte é bem maior, e pode ser corrigido por meio da confecção de uma prótese unitária. Já quando ocorre na bandeira amarela, as cúspides estão se tocando ponta a ponta, notificando um desajuste

16 15 importante e severo, indicando invariavelmente uma movimentação ortodôntica para o ajuste da oclusão dentária. 2.3 AJUSTE OCLUSAL POR DESGASTE SELETIVO NA TERAPIA ORTODÔNTICA O efeito do movimento dentário para vestibular levando à recessão periodontal foi descrito por Zachrisson (1978) como um efeito iatrogênico que pode aparecer durante a Ortodontia ou se estabelecer de forma tardia após o tratamento finalizado. O alcance da normalidade oclusal em movimentos mandibulares é definido pelas características de anatomia e posição dos dentes. Ao finalizar o tratamento ortodôntico deve haver um trespasse vertical adequado, normalmente entre 2 e 3 mm. Os contatos nos dentes anteriores devem ser mais leves em relação aos contatos entre dentes posteriores, no entanto, precisam ser efetivos para que haja imediata desoclusão destes dentes quando do início do movimento mandibular. A falta de um trespasse vertical adequado com contatos fortes gera vetores de forças horizontais indesejáveis, vestibularizando os dentes que "fogem" do trauma oclusal. Esta migração dentária para vestibular torna-se patológica, pois comprime o periodonto, gerando, consequentemente, a perda de osso cortical e a migração apical da inserção gengival. Muitos pacientes, durante ou após o tratamento ortodôntico, podem desenvolver sinais e sintomas de disfunção temporomandibular (DTM), como descrito por Grenne em 1982 e Conclui nestes estudos que a sintomatologia dolorosa ou recidiva de maloclusão, póstratamento ortodôntico, ocorreu em pacientes não submetidos ao refinamento do equilíbrio oclusal. Okeson (1992) definiu o ajuste oclusal como um equilíbrio da oclusão por meio de desgastes seletivos e afirmou que o uso deste procedimento é limitado pelo fato de serem permanentes e irreversíveis. Desgastes seletivos estão indicados para eliminar uma desordem temporomandibular e como tratamento complementar, associados com mudanças oclusais ao tratamento ortodôntico, por exemplo. Afirmou também que ajustes oclusais por desgastes são a eliminação do deslize das posições de relação cêntrica para máxima intercuspidação. O deslize da mandíbula é causado pela instabilidade dos contatos entre vertentes de dentes opostos. Quando a ponta de cúspide contata uma superfície plana em relação cêntrica e uma força é aplicada pelos músculos elevadores da mandíbula, não ocorre deslize. Assim, para se

17 16 conseguirem contatos aceitáveis em relação cêntrica, deve-se alterar ou recontornar todas as vertentes em ponta de cúspide ou superfície plana. O desgaste de interferências durante os movimentos excêntricos tem como objetivo, complementar o aspecto funcional dos contatos dentários, que irão servir para guiar a mandíbula por meio destes movimentos. Em função, os dentes posteriores não são apropriados para receber forças geradas nos movimentos excêntricos e desgastes, sendo assim são realizados para que somente os dentes anteriores façam a desoclusão bilateral dos dentes posteriores. Santos Jr. (1995), afirmou que o ajuste oclusal, deve ter uma indicação específica para cada paciente. Não deve ser feito como um procedimento profilático na esperança de retardar algo ainda não existente no momento, mas talvez esperado para o futuro. Existem indicações e contra-indicações específicas para o ajuste oclusal. Descreveu também que a estabilidade dos resultados ortodônticos pode ser aumentada por meio do ajuste oclusal e que o melhor momento para o ajuste oclusal pós-ortodôntico parece ser depois que a manutenção tenha ocorrido por seis a oito meses. A instabilidade oclusal após o tratamento ortodôntico parece ser uma parte do fenômeno de retorno à condição anterior e os resultados podem ser melhorados com o ajuste oclusal. Relatou ainda os pré-requisitos para o ajuste oclusal, como condições prévias importantes que devem ser consideradas e se alguma delas não for encontrada, os resultados serão menores do que se espera ou piores do que antes do ajuste oclusal. Nenhum ajuste pode ser realizado, a menos que seja certa a facilidade de obtenção da posição de relação cêntrica, que também não deve causar desconforto para ser conseguida. Se causar dor, deve-se suspeitar de disfunção ou técnica inadequadas. Certos pacientes irão necessitar de terapia por placa, antes do ajuste oclusal, de forma a realizar este pré-requisito e por fim A realização da regra do teste dos terços é um pré-requisito anatômico que auxilia em assegurar que a remoção de estrutura dental seja economizada e que as forças de fechamento seriam mais próximas dos longos eixos dos dentes. Enquanto se examina o modelo montado em relação cêntrica ou se mantém a mandíbula no primeiro contato em relação cêntrica, notar a posição da cúspide vestibular dos pré-molares inferiores em relação à cúspide palatina dos pré-molares superiores. O ajuste diagnóstico nos modelos é vital antes de realizar a decisão final. Oliveira (2002), afirmou que a estabilidade da relação oclusal após a movimentação ortodôntica pode ser aprimorada pelo desgaste seletivo. Além de um resultado muito mais próximo da oclusão funcionalmente ideal, a estabilidade oclusal resultante do ajuste contribui

18 17 para a prevenção de eventuais recidivas. Como o objetivo é a obtenção de estabilidade, a realização do desgaste seletivo posterior ao tratamento ortodôntico independe da presença ou não da disfunção temporomandibular. Santos et al. (2005), descreveram o ajuste oclusal por desgaste seletivo como forma de eliminar as interferências oclusais durante os movimentos funcionais, promover a remissão dos sintomas de disfunção no sistema estomatognático e aumentar o número de contatos na oclusão de relação cêntrica, justificando sua utilização ao final do tratamento ortodôntico. Mello et al. (2006) realizaram um estudo com o objetivo de verificar a atividade eletromiográfica em 18 indivíduos de ambos os sexos submetidos a tratamento ortodôntico corretivo com a Mecânica de Edgewise, comparando um grupo controle constituído por 09 indivíduos, que ao término do tratamento ortodôntico, apresentaram uma máxima intercuspidação habitual (MIH) igual a relação cêntrica (RC), com 09 indivíduos que ao término do tratamento ortodôntico apresentaram a máxima intercuspidação habitual diferente da relação cêntrica e avaliá-los novamente após o ajuste oclusal. As análises eletromiográficas foram realizadas por meio de movimentos mastigatórios e manutenção de posições posturais, antes e após a terapia do ajuste oclusal. Notaram que houve uma tendência significativa para o aumento da atividade eletromiográfica no repouso, na relação cêntrica e na mastigação e uma diminuição da atividade na lateralidade e protrusão nos indivíduos submetidos à terapia de ajuste oclusal. Concluíram que a terapia de ajuste oclusal por desgaste seletivo promove alterações na ativação da musculatura mastigatória. Carneiro et al. (2007) apresentaram um trabalho com o objetivo salientar a importância do ajuste oclusal por desgaste seletivo como método de complementação do tratamento ortodôntico, visando melhorar as relações funcionais do sistema estomatológico. Paciente GBB, 28 anos, após seis meses de remoção do aparelho ortodôntico, foi encaminhado pelo ortodontista à clínica de Disfunção Temporomandibular, com queixa de dor nos músculos mastigatórios e cervicais, sintomatologia nas ATMs e cefaleia. Ao exame clínico foi detectado distância entre o RC e MIH de 2 mm, com interferência na crista longitudinal mesial do 1 pré-molar superior esquerdo, aumento da dimensão vertical de oclusão, sensibilidade e estalido nas ATMs e hiperatividade nos músculos masseter, temporais (feixes médios), pterigóides laterais superiores e inferiores e pterigóides mediais. O tratamento indicado foi o ajuste oclusal por desgaste seletivo, para corrigir a DVO e reduzir a diferença entre RC e MIH. Após dez sessões houve remissão da sintomatologia, com

19 18 acompanhamento da paciente por um período de 3 anos sem queixas. Conclui-se que a ausência de algumas características oclusais pode, eventualmente, levar a alterações com sérias consequências para o sistema estomatognático, como a presença de contatos prematuros que podem alterar a posição mandibular e condilar, causando contrações musculares isométricas. Nestes casos o ajuste oclusal por desgaste seletivo é o método de tratamento indicado. Curado et al. (2007) realizaram um estudo em uma paciente do sexo feminino, 22 anos, após término de tratamento ortodôntico apresentava mordida aberta anterior leve. Nesta situação, o ajuste oclusal é indicado para finalizar o tratamento ortodôntico. Os desgastes foram realizados nos dentes posteriores, já que um milímetro de desgaste nesta região, fecha aproximadamente três milímetros de mordida aberta anterior. Concluíram que, o ajuste oclusal é um tratamento eficaz e conservador no fechamento de mordida aberta anterior leve. Belini et al. (2008) realizaram um trabalho com o objetivo de fazer uma revisão da literatura a respeito da necessidade do ajuste oclusal por desgaste seletivo pós-tratamento ortodôntico em pacientes que não apresentavam disfunção temporomandibular, visto que é um procedimento clínico que tem como finalidade obter uma estabilidade mandibular, livre de prematuridades e interferências oclusais. Após revisar a literatura, desde 1899 até 2003, chegaram à conclusão que o ajuste oclusal pode ser indicado após o tratamento ortodôntico a fim de se obter uma estabilidade mandibular adequada, livre de interferências oclusais, que causam recidivas e problemas articulares. Porém, o ajuste oclusal por desgaste seletivo, deve ser feito com muito critério, pois qualquer falha em seu planejamento ou execução leva a danos irreversíveis para o paciente. Brandão e Brandão (2008) consideram aceitável que, ao final do tratamento ortodôntico, exista uma diferença de RC para MIH de até 3 mm, com desvio para anterior da mandíbula, desde que não gere forças horizontais excessivas sobre os dentes anteriores; trespasse vertical adequado, normalmente, entre 2 e 3 mm; na abertura e fechamento, os contatos nos dentes anteriores devem ser mais leves em relação aos posteriores, e os dentes anteriores devem promover imediata desoclusão dos dentes posteriores nos movimentos excursivos. A guia pelo canino é preferencial em relação à função em grupo nos movimentos laterais da mandíbula e não devem existir interferências dos dentes no lado de não trabalho. Durante a fase de finalização do tratamento ortodôntico, o profissional que busca excelência em seus resultados encontra, frequentemente, três problemas comuns ao fazer análise oclusal:

20 19 pequeno desvio de RC para MIH, que deve ser corrigido caso gere fortes contatos nos dentes anteriores; diferença de magnitude dos contatos oclusais bilaterais; ausência de alguns contatos oclusais necessários para o equilíbrio oclusal e estabilização mandibular. O ajuste oclusal pode promover a remoção desses fatores indesejáveis e encurtar o tempo do tratamento. Borges et al. (2008) realizaram um estudo com o objetivo de estabelecer melhorias nas relações funcionais do sistema estomatognático e estabilizar os resultados alcançados pelo tratamento ortodôntico, o ajuste oclusal por desgaste seletivo pode ser um coadjuvante importante nessa fase do tratamento. Este estudo avaliou dados clínicos relacionados à sintomatologia dolorosa muscular e desequilíbrio oclusal. Inicialmente 121 pacientes foram avaliados e desses, 36 (29,75%) foram selecionados e receberam o tratamento por meio de ajuste oclusal por desgaste seletivo. Dos 36 pacientes que receberam o ajuste oclusal por desgaste seletivo como tratamento, 32 (88,89%) responderam satisfatoriamente e não apresentaram a sintomatologia registrada no exame inicial. Os resultados obtidos sugerem que o desequilíbrio oclusal pode desencadear sintomatologia dolorosa em estruturas do sistema estomatogático, sendo que o ajuste oclusal por desgaste seletivo pode ser empregado como complementação do tratamento ortodôntico e que é significativo no tratamento de desordens temporomandibulares. Pinzan et al. (2009) esclarecem que preferencialmente, o ajuste oclusal por desgaste deve ser realizado após o tratamento ortodôntico. O que realmente pode-se executar, durante a terapia corretiva, é a eliminação de alguma interferência oclusal anormal, com a finalidade de restaurar a forma anatômica normal dos dentes. Os autores entendem que, somente devem ser efetuados ajustes oclusais para a eliminação de interferências mais intensas, uma vez que nos primeiros meses após a remoção dos aparelhos haveria uma tendência natural e fisiológica de reacomodação, buscando uma adaptação às forças funcionais geradas pela própria dinâmica do sistema estomatognático. Deste modo, após essa fase inicial de readaptação fisiológica, os ajustes oclusais mais detalhados poderão ser iniciados. Ao se registrar o número de contatos oclusais logo após o término do tratamento ortodôntico, o profissional irá aferir um número x de pontos de contatos. Esse número irá aumentar em torno de 50% após um ano da retirada do aparelho. A explicação para esse fato seria uma estabilização e uma acomodação dental. Assim, aconselha-se aguardar em torno de oito meses pós-tratamento ortodôntico para o refinamento da oclusão dentária. O periodonto, após a remoção do

21 20 aparelho ortodôntico, apresenta mobilidade, impossibilitando um ajuste oclusal preciso. O desgaste de contatos grosseiros pode ser necessário em situações de grande sobrecorreção ou quando for necessária a retirada precoce do aparelho, por solicitação do paciente.

22 21 3 DISCUSSÃO Angle (1899) foi pioneiro na conceituação de oclusão normal, considerando os planos oclusais dos dentes com os arcos em oclusão, trazendo grande influência para a odontologia, com maior reconhecimento após sua morte. Sicher (1953) estudou a respeito da oclusão em grupo preconizando maior número de contatos dentários em trabalho. Já Ramfjord e Ash (1971) abordaram conceitos de oclusão normal e balanceada em PT (próteses totais) e ortodontia. Porém, apenas em 1972, Andrews estabeleceu as seis chaves para uma oclusão normal como a meta ideal estática a ser obtida ao término dos tratamentos ortodônticos. Bennet e Mclaughlin (1994) avaliaram objetivos oclusais estáticos ideais no tratamento ortodôntico e Sarver e Ackerman (2005) adicionaram às necessidades e metas funcionais do paciente, outros aspectos como a apresentação do sorriso e a estética da face. Em relação ao ajuste oclusal após a remoção do aparelho ortodôntico, Roth (1981), acredita na importância da coincidência da RC e MIH, após a finalização da ortodontia, onde considera sempre importante o refinamento oclusal, enquanto Ramfjord e Ash (1984), consideram que sendo o ajuste oclusal um procedimento irreversível, deve ser realizado somente quando houver absoluta certeza que a oclusão existente esteja causando algum distúrbio ao sistema mastigatório. Alguns autores acreditam que caso não seja feito o ajuste oclusal por desgaste seletivo após o tratamento ortodôntico,podem surgir anomalidades. Zachrisson (1978) considera a recessão periodontal, um efeito iatrogênico que pode aparecer durante a Ortodontia ou se estabelecer de forma tardia após o tratamento finalizado, acreditando que o ajuste oclusal por desgaste seletivo seria importante para evitar tais situações concordando com Greene em 1982 e 1988, quando concluiu que a sintomatologia dolorosa ou recidiva de maloclusão, após o tratamento ortodôntico, ocorre em pacientes não submetidos ao refinamento do equilíbrio oclusal e também com Haydar et al. (1992) que acreditam no ajuste oclusal por desgaste seletivo como parte integrante do tratamento ortodôntico, prevenindo disfunção dolorosa da ATM.

23 22 Enquanto Pinzan et al. (2009) demonstram que uma avaliação e um planejamento são necessários para se verificar a real possibilidade de desgaste para se chegar a estabilidade de oclusão por desgaste seletivo, Bataglion (2009) estabelece regras para o ajuste oclusal, que devem ser conhecidas e rigorosamente seguidas.. Okeson (1992); Carneiro et al. (2007); Curado et al. (2007); Belini et al. (2008); Borges et al. (2008) e Pinzan et al. (2009) indicaram o ajuste oclusal por desgaste seletivo, como meio de promover a remoção de fatores indesejáveis e encurtar o tempo do tratamento na ortodontia enquanto Santos Jr. (1995), esclarecia que o ajuste oclusal deve ter uma indicação específica para cada paciente. Oliveira (2002) observa que a realização do desgaste seletivo posterior ao tratamento ortodôntico independe da presença ou não da disfunção temporomandibular, enquanto Mello et al. (2006), esclarecem que a terapia de ajuste oclusal por desgaste seletivo promove alterações na ativação da musculatura mastigatória. Quanto ao melhor momento para se efetuar o ajuste oclusal, Santos Jr. (1995) concorda com Pinzan et al. (2009) quando recomendam seis a oito meses pós-tratamento ortodôntico para o refinamento da oclusão dentária. Santos et al. (2005), concluíram que o ajuste oclusal por desgaste seletivo como forma de eliminar as interferências oclusais durante os movimentos funcionais, promover a remissão dos sintomas de disfunção no sistema estomatognático e aumentar o número de contatos na oclusão de relação cêntrica, justifica sua utilização ao final do tratamento ortodôntico da mesma forma que Curado et al. (2007), demonstram sua eficácia no fechamento de mordida anterior leve. Belini et al. (2008) chegaram à conclusão que o ajuste oclusal pode ser indicado após o tratamento ortodôntico, a fim de se obter uma estabilidade mandibular adequada, livre de interferências oclusais, que causam recidivas e problemas articulares, enquanto Brandão e Brandão (2008); Borges et al. (2008), concluíram que ajuste oclusal pode promover a remoção de fatores indesejáveis e encurtar o tempo do tratamento. Porém, o ajuste oclusal por desgaste seletivo, deve ser feito com muito critério, pois qualquer falha em seu planejamento ou execução leva a danos irreversíveis para o paciente.

24 23 4 CONCLUSÃO Após a revisão da literatura sobre a efetividade do ajuste oclusal por desgaste seletivo na terapia ortodôntica, concluiu-se que: a) O ajuste oclusal por desgaste seletivo, como terapia complementar da ortodontia vem sanar possíveis problemas associados com as mudanças oclusais do tratamento ortodôntico, proporcionando uma oclusão equilibrada; b) O ajuste oclusal por desgaste seletivo atua diminuindo a ocorrência de recidivas após o tratamento ortodôntico e prevenindo futuros problemas na articulação temporomandibular; devido a estabilidade oclusal que proporciona; c) O ajuste oclusal por desgaste seletivo pode ser realizado durante e/ou depois da terapia ortodôntica; d) O prazo recomendável para o refinamento da oclusão dentária é de 6 a 8 meses póstratamento ortodôntico; e) O ajuste oclusal por desgaste seletivo deve ser feito com muito critério, pois qualquer falha em seu planejamento ou execução leva a danos irreversíveis na estrutura dental saudável.

25 24 REFERÊNCIAS ANDREWS, L.F. The six keys to normal occlusion. Am J Orthod. v. 62, n.3, p ANGLE, E. H. Classification of malocclusion. Dent Cosmos. v. 41, n. 18, p AUBREY. R. B. - Occlusal objectives in orthodontic treatment. Am. J. Orthod., v. 74, n. 2, p , may BATAGLION C.; NUNES, L. J. Ajuste oclusal por desgaste seletivo-procedimentos laboratoriais e clínicos. São Paulo: Santos: BELLINI, L. P. et al. A necessidade do ajuste oclusal por desgaste seletivo pós-tratamento ortodôntico em pacientes que não apresentavam disfunção temporomandibular. Revista Espelho Clínico, v. 12, n. 68, p. 9-14, jun, Disponível em: < Acesso em: 25 out BENNETT, J.C.; McLAUGHLIN, R.P. Mecânicas do tratamento ortodôntico e o aparelho pré-ajustado. Trad. Hugo J. Trevisi. São Paulo: Artes Médicas, BORGES, R. N.; et al. Análise clínica do ajuste oclusal por desgaste seletivo pós tratamento ortodôntico. RCO - Rev. Curso Odont. Unievangélica, v. 10, n. 1, p. 1 6, BRANDÃO, R. C. B.; BRANDÃO, L. B. C. Ajuste oclusal na ortodontia: por que, quando e como? R Dental Press Ortodon Ortop Facial, Maringá, v. 13, n. 3, p mai./ jun CARNEIRO, P. C. et al. Ajuste oclusal por desgaste seletivo após tratamento ortodôntico. Relato de caso clínico.. In: XII Congresso Internacional de Odontologia do Distrito Federal (CIODF), 2007, Brasilia. Anais do XII Congresso Internacional de Odontologia do Distrito Federal (CIODF), CURADO, F.F. et al. Ajuste oclusal para diminuição de mordida aberta anterior. In: XII Congresso Internacional de Odontologia do Distrito Federal (CIODF), 2007, Brasilia. Anais do XII Congresso Internacional de Odontologia do Distrito Federal (CIODF), p

26 25 FERNANDES NETO, A. J. et al. Conduta terapêutica - ajuste oclusal por desgaste seletivo. p Uberlândia: Univ. Fed. Uberlândia, GREENE, C. S. Orthodontics and the temporomandibular disorders. Dental Clinics of North America, v. 32, n. 3, p , GREENE, C. S. Orthodontics and the temporomandibular joint. Angle Orthod, v. 52, n. 2, p , HAYDAR, B.; et al. Occlusal contact changes after the active phase of orthodontic treatment. Am J Orthod Dentofac Orthop. v. 102, p.22-8, JANSON, W. A. et al. Introdução à oclusão, ajuste oclusal. Faculdade Odontologia de Bauru, USP, MADEIRA, M. R.; VANZELLI, A.C. Ajustes oclusais como método de complementação do tratamento ortodôntico. Revista Paulista de Odontologia, São Paulo, ano XXI, n. 4, jul./ago. de MELLO, R. F. H. Análise eletromiográfica dos músculos temporal e masseter, antes e após ajuste oclusal, em pacientes tratados ortodonticamente. Dissertação (Biologia Bucal). Ribeirão Preto: Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto (FORP), Disponível em: < < Acesso em: 12 out MOYERS, R. E. Ortodontia. 4 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, NETO, F. J. J.; et al. Ajuste oclusal por desgaste seletivo após o tratamento ortodôntico. J Brás Ortop Facial v. 8, n. 46, p , OKESON, J. P. Fundamentos de oclusão e desordens têmporo-mandibulares. 2. ed. São Paulo: Artes Médicas, p , OLIVEIRA, W. Disfunções temporomandibulares. São Paulo: Artes Médicas, PINZAN, A.; et al. Ajuste oclusal na finalização do tratamento ortodôntico. Ortodontia SPO, v. 42, n.1, p. 74-9, 2009.

27 26 RAMFJORD, S. P. ASH, M. M. Occlusion. 3. ed, Philadelphia; WB Saunders CO; RAMFJORD, S. P., ASH, M. M. Oclusão. VIEIRA, D. F. Rio de Janeiro: Interamericana; ROTH, R.H. Temporomandibular pain dysfunction and occlusal relationship. Angle Orthod. v. 43, n.2, p , Functional occlusion for the orthodontist. Part I. J Clin Orthod v. 15, n. 1, p Functional occlusion for the orthodontist. Part III. J Clin Orthod. v.15, n. 3, p ROTH, R. H.; GORDON, W.W. Functional occlusion for the orthodontist. Part IV.J Clin Orthod. v.15, n.4, p Montagem de modelos ortodônticos em articuladores é necessário, em quais pacientes e por quê? Ortodontia; v.36, n. 3, SANTOS, R. L.; et al. Finalização ortodôntica e oclusão funcional ideal: sua relação com a ATM. Rev Serviço ATM, v. 5, n. 2, SANTOS, JR. J. Ajuste oclusal considerações preliminares oclusão clínica. Atlas colorido. São Paulo: Santos, p SARVER, D. M. Entrevista. Rev. Dent. Press Ortodon. Ortop. Facial, Maringá, v. 12, n. 3, june, SARVER, D. M.; ACKERMAN M. B. Dynamic smile visualization and quantification and its impact on orthodontic diagnosis and treatment planning in the art of smileintegrating Prosthodontics, Orthodontics Periodontics, Dental Technology and Plastic Surgery. Ed. R. Romano, Quintessence Publishing Co. Chicago, Il. p , SICHER, H. The biology of attrition.oral Surg Oral Med Oral Pathol. v. 6, n. 16, p ZACHRISSON, B. U. Iatrogenic damage in orthodontic treatment. Part II. J. Clin. Orthod., Boulder, v. 12, n. 3, p , mar

Exame do Sistema Estomatognático usando Análise Oclusal e Índice Epidemiológico para DCMs. Ana Carla Rios

Exame do Sistema Estomatognático usando Análise Oclusal e Índice Epidemiológico para DCMs. Ana Carla Rios Exame do Sistema Estomatognático usando Análise Oclusal e Índice Epidemiológico para DCMs Ana Carla Rios O Exame do Sistema Estomatognático utilizando a análise oclusal é parte importante do processo diagnóstico

Leia mais

OCLUSÃO! ! Posições mandibulares. ! Movimentos mandibulares. ! Equilíbrio de forças atuantes - vestibulolingual

OCLUSÃO! ! Posições mandibulares. ! Movimentos mandibulares. ! Equilíbrio de forças atuantes - vestibulolingual Universidade de Brasília Departamento de Odontologia OCLUSÃO! NOÇÕES DE OCLUSÃO! Estudo das relações estáticas e dinâmicas entre as estruturas do sistema mastigatório!! Movimentos mandibulares Disciplina

Leia mais

Princípios de OCLUSÃO

Princípios de OCLUSÃO Aperfeiçoamento em Prótese Convencional e sobre Implantes Bibliografia Recomendada HOBO, S. et al. Osseointegração e Reabilitação Oclusal. 1 ed. São Paulo: Quintessence, 1997. Princípios de OCLUSÃO Princípios

Leia mais

- ADITEME - Atendimento Especial de Pacientes com Disfunção da Articulação Temporomandibular. Conceitos Restauradores de Oclusão: - Relação Cêntrica;

- ADITEME - Atendimento Especial de Pacientes com Disfunção da Articulação Temporomandibular. Conceitos Restauradores de Oclusão: - Relação Cêntrica; Universidade Federal de Pelotas Faculdade de Odontologia Extensão Universitária - ADITEME - Atendimento Especial de Pacientes com Disfunção da Articulação Temporomandibular Conceitos Restauradores de Oclusão:

Leia mais

MOVIMENTOS MANDIBULARES

MOVIMENTOS MANDIBULARES MOVIMENTOS MANDIBULARES Alfredo Julio Fernandes Neto, et al. Univ. Fed. Uberlândia - 2006 Para o entendimento da dinâmica dos movimentos mandibulares, além dos quatro determinantes anatômicos do aparelho

Leia mais

FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA CETASE

FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA CETASE FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA CETASE CENTRO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DAS ALTERAÇÕES FUNCIONAIS DO SISTEMA ESTOMATOGNÁTICO Área de Prótese Fixa e Escultura Dental FICHA CLÍNICA 1 - Dados Pessoais

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO APARELHO DE PROTRAÇÃO MANDIBULAR COMO ANCORAGEM PARA MESIALIZAÇÃO DE MOLARES INFERIORES: RELATO DE CASO CLÍNICO RESUMO

UTILIZAÇÃO DO APARELHO DE PROTRAÇÃO MANDIBULAR COMO ANCORAGEM PARA MESIALIZAÇÃO DE MOLARES INFERIORES: RELATO DE CASO CLÍNICO RESUMO 474 UTILIZAÇÃO DO APARELHO DE PROTRAÇÃO MANDIBULAR COMO ANCORAGEM PARA MESIALIZAÇÃO DE MOLARES INFERIORES: RELATO DE CASO CLÍNICO Fábio André Werlang 1 Marcos Massaro Takemoto 2 Prof Elton Zeni 3 RESUMO

Leia mais

Uma vez estando estabelecidos os conceitos de oclusão normal, a etapa. subseqüente do processo de aprendizado passa a ser o estudo das variações

Uma vez estando estabelecidos os conceitos de oclusão normal, a etapa. subseqüente do processo de aprendizado passa a ser o estudo das variações 1 INTRODUÇÃO Uma vez estando estabelecidos os conceitos de oclusão normal, a etapa subseqüente do processo de aprendizado passa a ser o estudo das variações desse padrão. Vale a pena relembrarmos a definição

Leia mais

Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada?

Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada? Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada? A avaliação da estética facial, bem como sua relação com a comunicação e expressão da emoção, é parte importante no

Leia mais

Mordida Profunda Definição. Trespasse vertical

Mordida Profunda Definição. Trespasse vertical Mordida Profunda Definição Trespasse vertical Mordida Profunda Diagnóstico Os fatores que contribuem variam de acordo com a oclusão: u Em boas oclusões é determinda por fatores dentários: t Comprimento

Leia mais

IGC - Índice do Grau de Complexidade

IGC - Índice do Grau de Complexidade IGC - Índice do Grau de Complexidade Uma medida da complexidade do caso DI -American Board of Orthodontics Autorização American Board of Orthodon1cs- ABO Atualização: 13.05.2013 12. Outros Itens pontuados

Leia mais

Reginaldo César Zanelato

Reginaldo César Zanelato Reginaldo César Zanelato Nos pacientes portadores da má oclusão de Classe II dentária, além das opções tradicionais de tratamento, como as extrações de pré-molares superiores e a distalização dos primeiros

Leia mais

Breve Panorama Histórico

Breve Panorama Histórico Análise Facial Breve Panorama Histórico Norman Kingsley Kingsley (final do séc.xix): s a articulação dos dentes secundária à aparência facial. Breve Panorama Histórico Edward Angle (in (início séc. s XX)

Leia mais

Tratamento da má oclusão de Classe II divisão 1 a, através de recursos ortodônticos e ortopédicos faciais (funcionais e mecânicos): relato de caso

Tratamento da má oclusão de Classe II divisão 1 a, através de recursos ortodônticos e ortopédicos faciais (funcionais e mecânicos): relato de caso Caso Clínico Tratamento da má oclusão de Classe II divisão 1 a, através de recursos ortodônticos e ortopédicos faciais (funcionais e mecânicos): relato de caso José Euclides Nascimento* Luciano da Silva

Leia mais

ANEXO IV CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

ANEXO IV CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Curso de Especialização em: Disfunção Temporomandibular e Dor Orofacial Disciplina: Diagnóstico por Imagem da Articulação Temporomandibular. : I. Conceituar radiografias da ATM, explicando-as; II. Identificar

Leia mais

Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico. Luciana Brandelero

Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico. Luciana Brandelero 0 Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico Luciana Brandelero Ajuste oclusal na finalização do tratamento ortodôntico. CURITIBA 2013 1 Luciana Brandelero Ajuste oclusal na finalização

Leia mais

DISTÚRBIOS OCLUSAIS. Fig. 01 - Desenho esquematico da distribuição da força oclusal ao longo do dente.

DISTÚRBIOS OCLUSAIS. Fig. 01 - Desenho esquematico da distribuição da força oclusal ao longo do dente. DISTÚRBIOS OCLUSAIS Alfredo Julio Fernandes Neto, et al. Univ. Fed. Uberlândia - 2006 Em uma oclusão fisiológica ou orgânica, no final do fechamento mandibular, a ação dos músculos elevadores promove o

Leia mais

PUCPR - O.R.T.O.D.O.N.T.I.A - GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO F I C H A C L Í N I C A Nome do/a Paciente: Número: 1.0 IDENTIFICAÇÃO DO PACIENTE 1.1 Nome: 1.2 Data de Nascimento: Sexo: F M Idade: 1.3 Peso: Kg

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR FUNÇÃO: Recuperação / Reabilitação SUBFUNÇÃO OU COMPONENTE CURRICULAR:

Leia mais

INFORMÁTICA ANS GUIA TISS CERTIFICADO DIGITAL TABELA TUSS TABELA DE ATOS ESPECIALIDADES

INFORMÁTICA ANS GUIA TISS CERTIFICADO DIGITAL TABELA TUSS TABELA DE ATOS ESPECIALIDADES INFORMÁTICA ANS GUIA TISS CERTIFICADO DIGITAL TABELA TUSS TABELA DE ATOS ESPECIALIDADES 21/06/2014 A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) é a agência reguladora vinculada ao Ministério da Saúde

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu - Daniela Cristina dos Santos Alves O Uso do Spray de Fluorometano no Tratamento Prof. D. Sc.

Leia mais

A importância do ajuste oclusal pós-tratamento ortodôntico

A importância do ajuste oclusal pós-tratamento ortodôntico INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE - ICS FUNORTE- SOEBRAS Fernando Ferreira Pena Lopes A importância do ajuste oclusal pós-tratamento ortodôntico Contagem MG 2010 FERNANDO FERREIRA PENA LOPES A importância

Leia mais

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL Montagem das Pastas As pastas devem estar organizadas na seguinte ordem: I- Externo Página Título: colocar na capa frontal da pasta (a capa tem um envelope plástico para esta finalidade). BOARD BRASILEIRO

Leia mais

MÁ-OCLUSÃO. Ortodontista: Qualquer desvio de posição do dente em relação ao normal

MÁ-OCLUSÃO. Ortodontista: Qualquer desvio de posição do dente em relação ao normal MÁ-OCLUSÃO Ortodontista: Qualquer desvio de posição do dente em relação ao normal Sanitarista: Inconveniente estético ou funcional de grande magnitude que possa interferir no relacionamento do indivíduo

Leia mais

BRUXISMO EXCÊNTRICO COMO FATOR ETIOLÓGICO DE DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR

BRUXISMO EXCÊNTRICO COMO FATOR ETIOLÓGICO DE DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR BRUXISMO EXCÊNTRICO COMO FATOR ETIOLÓGICO DE DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR Gustavo Dias Gomes da Silva(1); Anna Kássia Tavares Alves Chaves Santiago Ana Isabella Arruda Meira Ribeiro (3); Alcione Barbosa

Leia mais

Diretoria de Saúde da Marinha Centro Médico Assistencial da Marinha Odontoclínica Central da Marinha

Diretoria de Saúde da Marinha Centro Médico Assistencial da Marinha Odontoclínica Central da Marinha Diretoria de Saúde da Marinha Centro Médico Assistencial da Marinha Odontoclínica Central da Marinha MANUAL DE DIREITOS E RESPONSABILIDADES DOS PACIENTES www.ocm.mar.mil.br MARINHA DA BRASIL ODONTOCLÍNICA

Leia mais

Extração Seriada, uma Alternativa

Extração Seriada, uma Alternativa Artigo de Divulgação Extração Seriada, uma Alternativa Serial Extraction, an Alternative Procedure Evandro Bronzi Resumo A extração seriada é um procedimento ortodôntico que visa harmonizar

Leia mais

manter um dente recém- período suficientemente prolongado correção ortodôntica que se conceito polêmico.

manter um dente recém- período suficientemente prolongado correção ortodôntica que se conceito polêmico. Introdução CONTENÇÕES EM ORTODONTIA em ortodontia é o procedimento para manter um dente recém- movimentado em posição por um período suficientemente prolongado para assegurar a manutenção da correção ortodôntica

Leia mais

INTERVENÇÃO FONOAUDIOLÓGICA NO SERVIÇO DE CONTROLE DA DOR OROFACIAL E DEFORMIDADES DENTOFACIAIS DO HULW/UFPB

INTERVENÇÃO FONOAUDIOLÓGICA NO SERVIÇO DE CONTROLE DA DOR OROFACIAL E DEFORMIDADES DENTOFACIAIS DO HULW/UFPB INTERVENÇÃO FONOAUDIOLÓGICA NO SERVIÇO DE CONTROLE DA DOR OROFACIAL E DEFORMIDADES DENTOFACIAIS DO HULW/UFPB ALVES, Giorvan Ânderson dos santos Alves LOPES SOBRINHO, Paulo Naati LUNA, Anibal Henrique Barbosa

Leia mais

ANÁLISE DISCIPLINA DE OCLUSÃO

ANÁLISE DISCIPLINA DE OCLUSÃO ANÁLISE OCLUSAL DISCIPLINA DE OCLUSÃO FACULDADE DE ODONTOLOGIA da UERJ 2000 Equipe da Disciplina: Ricardo Lessa Bastos Walzer Abrahão Poubel Florence M. Sekito Hilda M. R. Souza Paulo Roberto B. Fernandes

Leia mais

Ajuste oclusal na Ortodontia: por que, quando e como?

Ajuste oclusal na Ortodontia: por que, quando e como? T ÓPICO ESPECIAL Ajuste oclusal na Ortodontia: por que, quando e como? Roberto Carlos Bodart Brandão*, Larissa Bustamante Capucho Brandão** Resumo Introdução: o conhecimento sobre oclusão dentária deve

Leia mais

2. Quando o implante dental é indicado?

2. Quando o implante dental é indicado? Dúvidas sobre implantodontia: 1. O que são implantes? São cilindros metálicos (titânio) com rosca semelhante a um parafuso que são introduzidos no osso da mandíbula (arco inferior) ou da maxila (arco superior),

Leia mais

Borracha Natural - conservação amônia. vulcanizado. Sintéticos carvão,petróleo e álcoois vegetais TIPOS DE ELÁSTICOS

Borracha Natural - conservação amônia. vulcanizado. Sintéticos carvão,petróleo e álcoois vegetais TIPOS DE ELÁSTICOS Curso de Aperfeiçoamento em Ortodontia Elásticos TIPOS DE ELÁSTICOS Borracha Natural - conservação amônia sensível ao ozônio vulcanizado Sintéticos carvão,petróleo e álcoois vegetais Elasticidade é a propriedade

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA OCLUSÃO FUNCIONAL PARA A EXCELÊNCIA DO TRATAMENTO ORTODÔNTICO

A IMPORTÂNCIA DA OCLUSÃO FUNCIONAL PARA A EXCELÊNCIA DO TRATAMENTO ORTODÔNTICO FACULDADE DE PINDAMONHANGABA Suleila Rosa de Oliveira Araújo A IMPORTÂNCIA DA OCLUSÃO FUNCIONAL PARA A EXCELÊNCIA DO TRATAMENTO ORTODÔNTICO Pindamonhangaba-SP 2012 Suleila Rosa de Oliveira Araújo A IMPORTÂNCIA

Leia mais

CIRURGIAS ORTOGNÁTICAS

CIRURGIAS ORTOGNÁTICAS CIRURGIAS ORTOGNÁTICAS Informações ao paciente Contém: 1. Explicação geral sobre cirurgias ortognáticas, 2. Perguntas e respostas, A cirurgia ortognática, também chamada de ortodontia cirúrgica, é um tipo

Leia mais

AVALIAÇÃO DA OCLUSÃO DE PACIENTES TRATADOS ORTODONTICAMENTE COM APARELHO FIXO

AVALIAÇÃO DA OCLUSÃO DE PACIENTES TRATADOS ORTODONTICAMENTE COM APARELHO FIXO UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE ODONTOLOGIA THIAGO BERNARDES NUNES OBERDAM THIESEN FERREIRA AVALIAÇÃO DA OCLUSÃO DE PACIENTES TRATADOS ORTODONTICAMENTE COM APARELHO

Leia mais

Tratamento de Classe II, Divisão 1, com ausência congênita de incisivo lateral superior

Tratamento de Classe II, Divisão 1, com ausência congênita de incisivo lateral superior A RTIGO DE D IVULGA ÇÃO Tratamento de Classe II, Divisão 1, com ausência congênita de incisivo lateral superior Roberto M. A. LIMA FILHO*, Anna Carolina LIMA**, José H. G. de OLIVEIRA***, Antonio C. de

Leia mais

Para todos os casos! Implantes-ANKYLOS. Informação ao paciente. Degussa Dental

Para todos os casos! Implantes-ANKYLOS. Informação ao paciente. Degussa Dental Para todos os casos! Implantes-ANKYLOS Informação ao paciente Degussa Dental Fornecido pelo seu cirurgião-dentista: Prezado(a) paciente, Mais cedo ou mais tarde acontece com cada um de nós: os primeiros

Leia mais

DIAGNÓSTICO COLETA DE DADOS RACIOCÍNIO E DEDICAÇÃO

DIAGNÓSTICO COLETA DE DADOS RACIOCÍNIO E DEDICAÇÃO EXAME CLÍNICO DA DOENÇA PERIODONTAL DIAGNÓSTICO PERIODONTAL CONSISTE O DIAGNÓSTICO NA ANÁLISE DO PERIODONTAL HISTÓRICO DO CASO, NA AVALIAÇÃO DOS SINAIS CLÍNICOS E SINTOMAS, COMO TAMBÉM DOS RESULTADOS DE

Leia mais

Escrito por Administrator Ter, 02 de Fevereiro de 2010 09:14 - Última atualização Qua, 10 de Março de 2010 08:44

Escrito por Administrator Ter, 02 de Fevereiro de 2010 09:14 - Última atualização Qua, 10 de Março de 2010 08:44 Mitos e Verdades da Odontologia Mitos: Quanto maior e colorida for nossa escova dental, melhor! Mentira. A escova dental deve ser pequena ou média para permitir alcançar qualquer região da nossa boca.

Leia mais

Harmonia Oclusal para a Promoção de Saúde

Harmonia Oclusal para a Promoção de Saúde 17 Harmonia Oclusal para a Promoção de Saúde ALFREDO JÚLIO FERNANDES NETO FLÁVIO DOMINGUES NEVES Boa parte das ações do homem na sociedade, objetivam fazer a vida melhor para a humanidade, ou despertá-la

Leia mais

TRATAMENTO ORTODÔNTICO DA MORDIDA ABERTA ANTERIOR EM PACIENTES ADULTOS

TRATAMENTO ORTODÔNTICO DA MORDIDA ABERTA ANTERIOR EM PACIENTES ADULTOS TRATAMENTO ORTODÔNTICO DA MORDIDA ABERTA ANTERIOR EM PACIENTES ADULTOS Jorge Ferreira Rodrigues 1 Marcella Maria Ribeiro do Amaral Andrade 2 Ernesto Dutra Rodrigues 3 Resumo O tratamento ortodôntico da

Leia mais

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL. http://www.bbo.org.br [acesso em 15/02/2009, 07h30] Especificação dos Casos quanto às Categorias

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL. http://www.bbo.org.br [acesso em 15/02/2009, 07h30] Especificação dos Casos quanto às Categorias BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL http://www.bbo.org.br [acesso em 15/02/2009, 07h30] Especificação dos Casos quanto às Categorias A escolha dos casos a serem apresentados deverá seguir

Leia mais

MATERIAL E MÉTODOS. Objetivos:

MATERIAL E MÉTODOS. Objetivos: Rev. FOB V.9, n.3/4, p.139-144, jul./dez. 2001 ALTERAÇÕES OCLUSAIS E A SUA RELAÇÃO COM A DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR OCCLUSAL CHANGES AND THEIR RELATIONSHIP WITH TEMPOROMANDIBULAR DISORDERS Jefferson Ricardo

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE TRAUMA OCLUSAL E DOENÇAS PERIODONTAIS

RELAÇÃO ENTRE TRAUMA OCLUSAL E DOENÇAS PERIODONTAIS RELAÇÃO ENTRE TRAUMA OCLUSAL E DOENÇAS PERIODONTAIS Por Carlos Marcelo da Silva Figueredo, DDS, MDSc, PhD cmfigueredo@hotmail.com www.periodontiamedica.com Introdução A associação do trauma oclusal (TO)

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO APARELHO Componentes do aparelho extrabucal 3

APRESENTAÇÃO DO APARELHO Componentes do aparelho extrabucal 3 Série Aparelhos Ortodônticos EXTRABUCAL INTRODUÇÃO A ancoragem extrabucal ainda é um dos recursos mais utilizados e recomendados no tratamento da má oclusão de Classe II, primeira divisão, caracterizada

Leia mais

CURSO INTENSIVO CLINICO E LABORATORIAL PARA CIRURGÕES DENTISTAS

CURSO INTENSIVO CLINICO E LABORATORIAL PARA CIRURGÕES DENTISTAS CURSO INTENSIVO CLINICO E LABORATORIAL PARA CIRURGÕES Dr. Dario Adolfi Dr. Gustavo Javier Vernazza Dr. Oswaldo Scopin de Andrade Data: 20 a 24 de setembro de 2010 PROGRAMA DO CURSO PRIMERO DIA Dr. Gustavo

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE PLACAS MIORRELAXANTE NO TRATAMENTO DAS DISFUNÇÕES TEMPOROMANDIBULARES

A UTILIZAÇÃO DE PLACAS MIORRELAXANTE NO TRATAMENTO DAS DISFUNÇÕES TEMPOROMANDIBULARES 5 A UTILIZAÇÃO DE PLACAS MIORRELAXANTE NO TRATAMENTO DAS DISFUNÇÕES TEMPOROMANDIBULARES USE OF MYORELAXANT PLATES ON TREATMENT OF TEMPOROMANDIBULAR DISORDENS VIANA SILVA, Jéssika Pereira 1 ; MIGUITA, Fernanda

Leia mais

A gengivite é uma inflamação das gengivas provocada por acumulação de placa bacteriana e tártaro como consequência

A gengivite é uma inflamação das gengivas provocada por acumulação de placa bacteriana e tártaro como consequência Periodontologia É a disciplina da medicina dentária que se dedica à prevenção, diagnóstico e tratamento das doenças das gengivas e das estruturas de suporte dos dentes. A inflamação e o sangramento das

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR FUNÇÃO: Educação para Saúde SUBFUNÇÃO OU COMPONENTE CURRICULAR: ANATOMIA

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Segundo Bonachela, os polígonos importantes a serem avaliados na condição de estabilidade da PPR são:

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Segundo Bonachela, os polígonos importantes a serem avaliados na condição de estabilidade da PPR são: 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PROTESE DENTÁRIA 21. Segundo Bonachela, os polígonos importantes a serem avaliados na condição de estabilidade da PPR são: a) Polígonos de Roy e de Kent. b) Polígono

Leia mais

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários Nosso consultório odontológico está equipado para oferecer ao produtor rural todos os tratamentos odontológicos disponíveis na atualidade. Segue abaixo uma discriminação detalhada de cada tratamento oferecido

Leia mais

TRATAMENTO DE UMA CLASSE II COM IMPACTAÇÃO DE CANINO E DE PRÉ-MOLAR

TRATAMENTO DE UMA CLASSE II COM IMPACTAÇÃO DE CANINO E DE PRÉ-MOLAR Miguel da Nóbrega Médico Especialista em Estomatologia DUO Faculdade de Cirurgia Dentária Universidade Toulouse miguel.nobrega@ortofunchal.com TRATAMENTO DE UMA CLASSE II COM IMPACTAÇÃO DE CANINO E DE

Leia mais

MANTENEDORES DE ESPAÇO

MANTENEDORES DE ESPAÇO MANTENEDORES DE ESPAÇO Conceito São aparelhos ortodônticos usados para manter o espaço nas arcadas dentárias, por perda precoce de dentes decíduos. Classificação Quanto ao uso: fixos semifixos removíveis

Leia mais

CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado plea Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09

CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado plea Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado plea Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 Componente Curricular: ANATOMIA III: DESENHO E ESCULTURA DENTAL Código: ODO-016 Pré-requisito: Anatomia

Leia mais

ODONTO IDÉIAS Nº 07. As 100 Melhores Idéias da Odontologia CALIBRADORES DE ESPAÇO INTERPROXIMAL

ODONTO IDÉIAS Nº 07. As 100 Melhores Idéias da Odontologia CALIBRADORES DE ESPAÇO INTERPROXIMAL ODONTO IDÉIAS Nº 07 As 100 Melhores Idéias da Odontologia CALIBRADORES DE ESPAÇO INTERPROXIMAL Nossa intenção com esta coluna é reconhecer o espírito criativo do Cirurgião Dentista brasileiro, divulgando

Leia mais

Prótese Parcial Removível

Prótese Parcial Removível Prótese Parcial Removível Objetivo: Reabilitar arcos parcialmente desdentados, devolvendo as funções estética, fonética e mastigatória, podendo ser removida tanto pelo profissional como pelo paciente,

Leia mais

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE Quem somos A nossa equipa apresenta um atendimento personalizado ao nível da Osteopatia através de uma abordagem multidisciplinar de qualidade, avaliação, diagnóstico e

Leia mais

REABILITAÇÃO COMPLEXA FIXA Oclusão, Ortodontia, Endodontia, Implantologia e Prótese Fixa

REABILITAÇÃO COMPLEXA FIXA Oclusão, Ortodontia, Endodontia, Implantologia e Prótese Fixa REABILITAÇÃO COMPLEXA FIXA Oclusão, Ortodontia, Endodontia, Implantologia e Prótese Fixa FOTOGRAFIAS INICIAIS 1 Linha de sorriso média 2 - Projecção dos dentes no sentido vestibular 3 3 4 5 3, 4 e 5 os

Leia mais

Clínica de Preparo Bucal: Indispensável para o Tratamento de Pacientes Parcialmente Desdentados

Clínica de Preparo Bucal: Indispensável para o Tratamento de Pacientes Parcialmente Desdentados Clínica de Preparo Bucal: Indispensável para o Tratamento de Pacientes Parcialmente Desdentados Frederico dos Reis Goyatá 1 Universidade Severino Sombra, curso de Odontologia, Professor de Dentística,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CCS ODT - CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA P L A N O D E E N S I N O

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CCS ODT - CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA P L A N O D E E N S I N O UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CCS ODT - CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA P L A N O D E E N S I N O DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Semestre: 2011/2 Nome da disciplina Departamentos: ODT

Leia mais

Descrição de Técnica. Leopoldino Capelozza Filho*, José Antonio Zuega Capelozza** Palavras-chave: Diagrama. Straight-wire.

Descrição de Técnica. Leopoldino Capelozza Filho*, José Antonio Zuega Capelozza** Palavras-chave: Diagrama. Straight-wire. Descrição de Técnica DIAO: Diagrama individual anatômico objetivo. Uma proposta para escolha da forma dos arcos na técnica de Straight-Wire, baseada na individualidade anatômica e nos objetivos de tratamento

Leia mais

CRONOGRAMA CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM ORTODONTIA. APROVADO: MEC e CFO

CRONOGRAMA CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM ORTODONTIA. APROVADO: MEC e CFO CRONOGRAMA CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM ORTODONTIA APROVADO: MEC e CFO 1º. MÓDULO: 1º. DIA: Apresentação da Especialização / Aula teórica de Classificação das Más-oclusões 2º. DIA: Aula teórica de Etiologia

Leia mais

ODONTOLOGIA ESTÉTICA

ODONTOLOGIA ESTÉTICA ODONTOLOGIA ESTÉTICA O sorriso enaltece os dentes que podem assim como outros elementos da face denunciar a idade cronológica do ser humano por meio de desgastes ou mesmo pela alteração da cor. Nesse contexto,

Leia mais

F U L L S C I E N C E rótese Coluna de P

F U L L S C I E N C E rótese Coluna de P 41 Coluna de Prótese Utilização de prótese parcial acrílica overlay para diagnóstico da dvo prévia a reabilitação estética Gil Montenegro 1 Weider Oliveira Silva 2 Tarcísio Pinto 3 Rames Abraão Basilio

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso

Trabalho de Conclusão de Curso Trabalho de Conclusão de Curso Conhecimento dos cirurgiões-dentistas da Grande Florianópolis sobre a Disfunção Temporomandibular em crianças. Ana Carolina Teixeira Fonseca Ferreira Universidade Federal

Leia mais

ANÁLISE DA DENTIÇÃO MISTA

ANÁLISE DA DENTIÇÃO MISTA 1 ANÁLISE DA DENTIÇÃO MISTA INTRODUÇÃO O período da dentição mista inicia-se por volta dos 6 anos de idade com a erupção dos primeiros molares permanentes, e termina ao redor dos 12 anos de idade, com

Leia mais

I - Criação das especialidades: 1. ACUPUNTURA Aprovado. 2. HOMEOPATIA Aprovado. 3. HIPNOSE Aprovado. 4. TERAPIA FLORAL Aprovado

I - Criação das especialidades: 1. ACUPUNTURA Aprovado. 2. HOMEOPATIA Aprovado. 3. HIPNOSE Aprovado. 4. TERAPIA FLORAL Aprovado I - Criação das especialidades: 1. ACUPUNTURA Aprovado 2. HOMEOPATIA Aprovado 3. HIPNOSE Aprovado 4. TERAPIA FLORAL Aprovado 5. FITOTERAPIA Aprovado 6. ODONTOLOGIA DO ESPORTE Aprovado II - CRIAÇÃO DE PRÁTICAS

Leia mais

INFLUÊNCIA DA ANGULAÇÃO DOS DENTES ANTERIORES NO PERÍMETRO DO ARCO SUPERIOR

INFLUÊNCIA DA ANGULAÇÃO DOS DENTES ANTERIORES NO PERÍMETRO DO ARCO SUPERIOR INFLUÊNCIA DA ANGULAÇÃO DOS DENTES ANTERIORES NO PERÍMETRO DO ARCO SUPERIOR THE EFECT OF INCISORS AND CANINES TEETH ANGULATION ON SUPERIOR ARCH PERIMETER Capelozza,L.F e Cordeiro, A.S 1. Introdução: A

Leia mais

HIPERMOBILIDADE X DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR: CASO CLÍNICO

HIPERMOBILIDADE X DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR: CASO CLÍNICO HIPERMOBILIDADE X DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR: CASO CLÍNICO Gustavo Dias Gomes da Silva(1); Alieny Cristina Duarte Ferreira (2); Ana Isabella Arruda Meira Ribeiro (3); Alcione Barbosa Lira de Farias (4);

Leia mais

27/05/2014. Dentística I. Classe III. Classe I. Classe V. Terapêutica ou protética; Simples, composta ou complexa.

27/05/2014. Dentística I. Classe III. Classe I. Classe V. Terapêutica ou protética; Simples, composta ou complexa. Mauro A Dall Agnol UNOCHAPECÓ mauroccs@gmail.com Classe I Classe II Classe III Classe IV Classe V Classe I Classe II Classe III Classe IV Classe V Dentística I Terapêutica ou protética; Simples, composta

Leia mais

Aparelho Arco E-1886E. Partes do aparelho

Aparelho Arco E-1886E. Partes do aparelho BRÁQUETES Aparelho Arco E-1886E Partes do aparelho Aparelho Arco E -1886 APARELHO PINO E TUBO - 1912 Arco Cinta -1915 Aparelho Edgewise - 1925 Braquete original Os primeiros bráquetes eram.022 de uma liga

Leia mais

Anexo II da Resolução nº 146/2003-CEPE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO

Anexo II da Resolução nº 146/2003-CEPE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO Anexo II da Resolução nº 146/2003-CEPE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO - PERÍODO LETIVO/ANO: 2008 ANO DO CURSO: 3 Curso: Odontologia Modalidade: Profissionalizante

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Obrigações de meio e de resultado Publicado desde 8/8/2005 Érica Novas Da formação do contrato odontológico é que derivam obrigações para as partes contratantes. Todavia, apenas

Leia mais

incisivos inferiores 1,3,4,6. Há também um movimento do nariz para frente, tornando o perfil facial menos côncavo e, conseqüentemente,

incisivos inferiores 1,3,4,6. Há também um movimento do nariz para frente, tornando o perfil facial menos côncavo e, conseqüentemente, Série Aparelhos Ortodônticos MÁSCARA FACIAL INTRODUÇÃO Inúmeras formas de tratamento têm sido relatadas para a correção precoce da má oclusão de Classe III. No entanto, talvez por muitos casos necessitarem

Leia mais

Ciência e prática. Importância do tratamento ortodôntico como auxílio da reabilitação oral

Ciência e prática. Importância do tratamento ortodôntico como auxílio da reabilitação oral Importância do tratamento ortodôntico como auxílio da reabilitação oral 36 MAXILLARIS OUTUBRO 2015 Ciência e prática : Margarida Malta Médica dentista. Licenciada no Instituto Superior de Ciencias da Saúde

Leia mais

Caso clínico: DTM articular

Caso clínico: DTM articular Caso clínico: DTM articular Profa. Ana Cristina Lotaif. São Paulo, SP http://www.clinicaacl.com Descrição: Paciente BXM, sexo feminino, 25 anos, advogada, apresentou-se para exame com queixa de dificuldade

Leia mais

(VTO dentário) Resumo Este presente artigo teve por finalidade demonstrar, simplificadamente, o manejo

(VTO dentário) Resumo Este presente artigo teve por finalidade demonstrar, simplificadamente, o manejo iagnóstico Análise da Movimentação entária (VTO dentário) Adriano César Trevisi Zanelato*, Hugo José Trevisi**, Reginaldo César Trevisi Zanelato***, André César Trevisi Zanelato*, Renata Chicarelli Trevisi****

Leia mais

REVISTA GESTÃO & SAÚDE (ISSN 1984-8153) EXTRAÇÃO DE INCISIVO INFERIOR EM ORTODONTIA LOWER INCISOR EXTRACTION IN ORTHODONTICS

REVISTA GESTÃO & SAÚDE (ISSN 1984-8153) EXTRAÇÃO DE INCISIVO INFERIOR EM ORTODONTIA LOWER INCISOR EXTRACTION IN ORTHODONTICS 1 EXTRAÇÃO DE INCISIVO INFERIOR EM ORTODONTIA LOWER INCISOR EXTRACTION IN ORTHODONTICS Tatiana Leite Moroz LESSA 1 Elcy ARRUDA 2 Roberley Araújo ASSAD 3 Fabiano Sfier de MELLO 4 Andrea Malluf Dabul de

Leia mais

O aparelho de Herbst com Cantilever (CBJ) Passo a Passo

O aparelho de Herbst com Cantilever (CBJ) Passo a Passo O aparelho de Herbst com Cantilever (CBJ) Passo a Passo çã APARELHO DE HERBST COM CANTILEVER (CBJ) MAYES, 1994 Utiliza quatro coroas de açoa o nos primeiros molares e um cantilever,, a partir dos primeiros

Leia mais

TIP-EDGE e a TÉCNICA DIFERENCIAL DO ARCO RETO.

TIP-EDGE e a TÉCNICA DIFERENCIAL DO ARCO RETO. TIP-EDGE e a TÉCNICA DIFERENCIAL DO ARCO RETO....Tip-Edge é um braquete com um slot edgewise modificado, pré-ajustado, que permite inclinação da coroa em uma direção e ainda cria ancoragem através de movimento

Leia mais

RICHARD W. HUFFMAN, D.D.S. JOHN W. REGENOS, D.D.S, F.I.C.D.

RICHARD W. HUFFMAN, D.D.S. JOHN W. REGENOS, D.D.S, F.I.C.D. RICHARD W. HUFFMAN, D.D.S. JOHN W. REGENOS, D.D.S, F.I.C.D. INTRODUÇÃO À OCLUSÃO por Richard W. Huffman D.D.S. John W. Regenos D.D.S, F.I.C.D. I-A-1 Seção I Parte A INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA OCLUSÃO INTRODUÇÃO

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA DAS MÁS OCLUSÕES NA DENTADURA MISTA EM ESCOLARES DE TERESINA PI

EPIDEMIOLOGIA DAS MÁS OCLUSÕES NA DENTADURA MISTA EM ESCOLARES DE TERESINA PI EPIDEMIOLOGIA DAS MÁS OCLUSÕES NA DENTADURA MISTA EM ESCOLARES DE TERESINA PI Marcus Vinicius Neiva Nunes do Rego - NOVAFAPI Olívia de Freitas Mendes - NOVAFAPI Thaís Lima Rocha NOVAFAPI Núbia Queiroz

Leia mais

Extração atípica de incisivos centrais superiores: relato de caso clínico Atypical extraction of maxillary central incisors: case report

Extração atípica de incisivos centrais superiores: relato de caso clínico Atypical extraction of maxillary central incisors: case report RELATO DE CASO Extração atípica de incisivos centrais superiores: relato de caso clínico Atypical extraction of maxillary central incisors: case report MARCOS VALÉRIO FERRARI 1 JOSÉ RICARDO SCANAVINI 2

Leia mais

A individualização de torque para os caninos no aparelho pré-ajustado

A individualização de torque para os caninos no aparelho pré-ajustado Caso Clínico A individualização de torque para os caninos no aparelho pré-ajustado Reginaldo César Zanelato*, Ademir Tadeu Grossi**, Sáverio Mandetta***, Marco Antonio Scanavini**** Resumo A grande maioria

Leia mais

Técnicas radiográficas. Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia. Técnicas Radiográficas Intraorais. Técnicas Radiográficas

Técnicas radiográficas. Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia. Técnicas Radiográficas Intraorais. Técnicas Radiográficas Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia Técnicas radiográficas Divididas em dois grandes grupos: Técnicas Intraorais Profª Paula Christensen Técnicas Radiográficas Técnicas Extraorais Técnicas

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS AÇÕES DE SAÚDE BUCAL NA REDE DE SERVIÇOS DA SMSA DOCUMENTO AUXILIAR

DESENVOLVIMENTO DAS AÇÕES DE SAÚDE BUCAL NA REDE DE SERVIÇOS DA SMSA DOCUMENTO AUXILIAR PREFEITURA DE BELO HORIZONTE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA DESENVOLVIMENTO DAS AÇÕES DE SAÚDE BUCAL NA REDE DE SERVIÇOS DA SMSA DOCUMENTO AUXILIAR COORDENAÇÃO TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL

Leia mais

NESTE SITE SERÁ DISPONIBILIZADO PARTES DO TRABALHO ACIMA NOMINADO. Acesso à integra deverá ser solicitado ao autor.

NESTE SITE SERÁ DISPONIBILIZADO PARTES DO TRABALHO ACIMA NOMINADO. Acesso à integra deverá ser solicitado ao autor. 7 LEANDRO RAATZ BOTTURA EFEITOS DA DISFUNÇÃO DA ARTICULAÇÃO TEMPOROMANDIBULAR SOBRE O SISTEMA NERVOSO CENTRAL Monografia apresentada à Fundação para o Desenvolvimento Cientifico e Tecnológico da Odontologia

Leia mais

Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico. Rafaela Bassani

Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico. Rafaela Bassani Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico Rafaela Bassani Oclusão em pacientes com agenesia de incisivos laterais superiores permanentes tratados com fechamento ortodôntico de espaços

Leia mais

Caso Clínico. Flavia Caetano P. dos Santos* Weider de Oliveira Silva** Miquelle Carvalho***

Caso Clínico. Flavia Caetano P. dos Santos* Weider de Oliveira Silva** Miquelle Carvalho*** Caso Clínico Flavia Caetano P. dos Santos* Weider de Oliveira Silva** Miquelle Carvalho*** * Especialista em Dentística pela Associação Brasileira de Odontologia - ABO (Taguatinga DF). ** Especialista

Leia mais

Dentes Alemães Classic A Solução Perfeita 4x4

Dentes Alemães Classic A Solução Perfeita 4x4 Dentes Alemães Classic A Solução Perfeita 4x4 Carta Molde Informação de Produto Magister Dentes anteriores Classic Magister Dentes anteriores com 4 camadas Os dentes Magister apresentam estética semelhante

Leia mais

PLACAS OCLUSAIS. Alterando-se a relação de máxima intercuspidação habitual (posição mandibular. Fig. 01 Placa oclusal

PLACAS OCLUSAIS. Alterando-se a relação de máxima intercuspidação habitual (posição mandibular. Fig. 01 Placa oclusal PLACAS OCLUSAIS Alfredo Julio Fernandes Neto & Gustavo Augusto Seabra Barbosa. Univ. Fed. Uberlândia - 2006 As placas oclusais são dispositivos intrabucais, removíveis, confeccionados geralmente em resina

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO Orientador Empresarial Dentistas-Consolidação das Normas para Procedimentos nos Conselhos de Odontologia-Alteração RESOLUÇÃO

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PRÓTESE DENTÁRIA. Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PRÓTESE DENTÁRIA. Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PRÓTESE DENTÁRIA Universidade Estadual do Oeste do Paraná Reconhecido pelo Conselho Federal de Odontologia - Portaria CF0 447/2004-2004. Resolução 020/2004 CEPE COORDENADOR :

Leia mais

Relato de um Caso Clínico atendido no Projeto ATM

Relato de um Caso Clínico atendido no Projeto ATM Relato de um Caso Clínico atendido no Projeto ATM Paciente: J. B. L. Idade: 27anos Sexo: feminino Profissão: desempregada Tipo Facial : Braquifacial Classificação de Angle: classe I Leucoderma Queixa Principal

Leia mais

Importância do exame radiográfico

Importância do exame radiográfico Exames e Indicações Importância do exame radiográfico O exame radiográfico de rotina associado ao exame clínico é a maneira mais efetiva de se obter o índice diagnóstico de 100% de cárie (segundo Estevam

Leia mais

Aula 4: TÉCNICA RADIOGRÁFICA INTRA-ORAL

Aula 4: TÉCNICA RADIOGRÁFICA INTRA-ORAL Aula 4: TÉCNICA RADIOGRÁFICA INTRA-ORAL Técnicas Radiográficas Periapical Exame do dente e osso alveolar que o rodeia; Interproximal Diagnóstico de cáries proximais, excessos marginais de restaurações;

Leia mais

DISFUNÇÃO PERIODONTAL

DISFUNÇÃO PERIODONTAL DISFUNÇÃO PERIODONTAL Fernandes Neto, A.J., et al. Univ. Fed. Uberlândia - 2007 Na presença de distúrbios oclusais, os pacientes suscetíveis à desordem periodontal apresentam alterações do periodonto de

Leia mais

DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR: UMA ABORDAGEM FISIOTERAPEUTICA RESUMO

DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR: UMA ABORDAGEM FISIOTERAPEUTICA RESUMO DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR: UMA ABORDAGEM FISIOTERAPEUTICA ADRIELE FERNANDA BARBERA BASSI adrielebassi@hotmail.com REGIANE SAYURI MORIMOTO regiane_sayuri@hotmail.com RESUMO ANA CLÁUDIA DE SOUZA COSTA

Leia mais

Excelência estética obtida com diagnóstico, planejamento e tratamento integrados

Excelência estética obtida com diagnóstico, planejamento e tratamento integrados Caso Selecionado Excelência estética obtida com diagnóstico, planejamento e tratamento integrados Carlos Eduardo Francischone O caso clínico apresentado mostra resultados estéticos e funcionais excelentes,

Leia mais