O COMÉRCIO E A INDÚSTRIA AUTOMÓVEL EM PORTUGAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O COMÉRCIO E A INDÚSTRIA AUTOMÓVEL EM PORTUGAL"

Transcrição

1 ACAP ASSOCIAÇÃO AUTOMÓVEL DE PORTUGAL AUTO INFORMA COMERCIALIZAÇÃO DE ESTUDOS E PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS NO SECTOR AUTOMÓVEL, UNIPESSOAL, LDA. O COMÉRCIO E A INDÚSTRIA AUTOMÓVEL EM PORTUGAL Lisboa 2008 ACAP Avenida Torre de Belém, Lisboa Telefone: Telefax: Auto Informa Avenida Torre de Belém, Lisboa Telefone:

2 ÍNDICE 1 A indústria automóvel no mundo 3 2 O comércio automóvel no mundo 7 3 A produção automóvel em Portugal 16 4 A fiscalidade automóvel 20 5 O comércio automóvel em Portugal 30 6 O comércio de ciclomotores e motociclos 62 7 O comércio de máquinas agrícolas 66 8 O comércio de máquinas industriais 75 9 O comércio de caravanas O comércio de reboques e semi-reboques de carga 87 1

3 Indústria Automóvel no Mundo 1 A INDÚSTRIA AUTOMÓVEL NO MUNDO Os dados mais recentes publicados pela OICA sobre a produção automóvel registam, como se pode observar no quadro 1.1 e no gráfico 1.1, uma produção total de 73,101,695 veículos o que representa um acréscimo de 5.4 por cento, face ao ano anterior. (Milhões) % Var. 07/06 Veículos Ligeiros de Passageiros 53,042 49, % Quadro 1.1 Produção Automóvel no Mundo Veículos Comerciais 20,060 19, % Total Veículos Automóveis 73,102 69, % Fonte: VDA Deste total, 53,041,983 foram veículos ligeiros de passageiros e 20,059,712 foram veículos comerciais o que significa um aumento de 6.1 por cento e de 3.7 por cento, respectivamente Gráfico 1.1 Produção Automóvel no Mundo Milhões de veículos Passageiros Comerciais Fonte: OICA Relativamente à produção mundial por zonas geográficas, em 2007, como se pode observar no gráfico 1.2 e no quadro 1.2, a produção automóvel do conjunto da UE 27 (19,697 mil veículos automóveis) representou 26.9 por cento da produção mundial e cresceu 5.5 por cento, relativamente ao ano anterior. 3

4 Indústria Automóvel no Mundo 35,000,000 30,000,000 25,000, % 30,672, % 10.0% 8.0% 6.0% 4.0% Gráfico 1.2 Produção Automóvel no Mundo, em ,000,000 15,000,000 10,000,000 19,696,798 19,138, % 2.0% 0.0% -2.0% var. 07/06 5,000, % -4.0% -6.0% 0 536,783 EU 27 América Ásia-Oceania África -8.0% Fonte: OICA Por sua vez, a produção automóvel no conjunto dos países da Ásia e Oceânia (30.7 milhões de veículos) cresceu 8.5 por cento, sendo que a produção na China (cerca de 8,9 milhões de veículos) manteve a tendência de forte crescimento (22 por cento). Europa União Europeia (27) União Europeia (15) (Milhares) % Var. 07/06 22,754 19,697 16,702 21,396 18,676 16, % 5.5% 2.6% Quadro 1.2 Produção Automóvel no Mundo América 19,138 19, % Nafta América do Sul 15,454 3,684 15,909 3, % 15.5% Ásia-Oceania 30,672 28, % Da qual o Japão Da qual a Coreia do Sul Da qual a China Da qual a Índia 11,596 4,086 8,882 2,307 11,484 3,840 7,278 2,017 1% 6.4% 22% 14.4% África % Total da Produção Mundial 73,102 69, % Fonte: OICA Relativamente à produção automóvel do continente americano atingiu os 19,1 milhões de veículos o que significa um ligeiro acréscimo de 0.2 por cento, relativamente ao ano anterior. 4

5 Indústria Automóvel no Mundo Ainda relativamente à distribuição geográfica da produção automóvel pelo Mundo, como se pode observar nos gráficos 1.3 e 1.4, a produção asiática representou 42 por cento da produção mundial, a América representou 26.2 por cento e a Europa representou 31.1 por cento. Quanto à produção automóvel na Europa (a 27) representou 26.9 por cento do total da produção mundial. África 0.7% Europa 31.1% Gráfico 1.3 Produção Automóvel no Mundo, em 2007 Ásia-Oceania 42% América 26.2% Fonte: OICA Com a excepção de África cuja produção automóvel baixou 5.8%, relativamente ao ano anterior, a produção nas restantes regiões do Mundo teve acréscimos que variaram entre os 14.8 por cento (no resto da Europa) e os 0.2 por cento (na América) % 8.5% 20.0% 15.0% Gráfico 1.4 Produção de Veículos Ligeiros de Passageiros no Mundo, em % 10.0% Milhões de veículos % 5.0% 0.0% -5.0% var. 07/ % 5-5.8% -15.0% 0 UE-27 Resto da Europa América Ásia e Oceania África Var. % -20.0% Fonte: OICA 5

6 Indústria Automóvel no Mundo Quanto à produção de veículos comerciais por tipos, como se pode verificar no gráfico 1.5, em todos se verificaram acréscimos de produção, sendo que a produção de comerciais ligeiros aumentou 3.4 por cento, a de pesados de mercadorias +3.6 por cento e a de autocarros por cento. Pesados Passageiros 503, ,999 Gráfico 1.5 Produção de Veículos Comerciais no Mundo, em 2007 Pesados de Mercadorias 3,425,387 3,307,633 Comerciais Ligeiros 16,131,117 15,597, ,000,000 4,000,000 6,000,000 8,000,000 10,000,000 12,000,000 14,000,000 16,000,000 18,000, Fonte: OICA No que respeita o parque automóvel, segundo os dados da ACEA, na UE (15), em 2006, a maior fatia do parque de veículos ligeiros de passageiros é a do escalão etário mais baixo (36%) e cerca de 70 por cento do parque tem até 10 anos de idade, sendo que a idade média é de 8 anos, como se pode ver no gráfico % 36% Gráfico 1.6 Parque de Ligeiros de Passageiros na EU (15) por escalões de idade Idade Média: 8 anos < ou = 5 anos > 5 e < ou = 10 anos 32% > 10 anos Fonte: ACEA Os dados mais recentes divulgados pela ACEA referem que no final de 2006 nas estradas europeias andariam a circular mais de 250 milhões de veículos dos quais cerca de 10 por cento eram veículos novos. Por sua vez, a densidade automóvel por habitantes era de 508 veículos na Europa Ocidental e de 186 veículos nos novos Estados Membros. 6

7 Comércio Automóvel no Mundo 2 O COMÉRCIO AUTOMÓVEL NO MUNDO 2.1 Evolução da economia no mundo e na União Europeia em 2007 Segundo as projecções macroeconómicas da Comissão Europeia para o período , como se pode verificar no quadro 2.1, embora com uma desaceleração, a expansão da economia mundial terá continuado em A área de maior crescimento continua a ser a Ásia (com a excepção do Japão), sendo que a China deverá continuar a manter taxas de crescimento do PIB de dois dígitos. Para 2008, a economia dos EUA deverá abrandar, a do Japão deverá estabilizar e a da China deverá abrandar ligeiramente, embora continuando a registar um fortíssimo dinamismo. Nos próximos dois anos o abrandamento da economia dos EUA será devido à diminuição do investimento em habitação. Relativamente à União Europeia (a 27) a economia registou, em 2007, um crescimento de 2.9 por cento, prevendo-se a continuação de uma desaceleração em 2008 para 2.4 por cento e uma estabilização em PIB a preços constantes (variação anual em %) Países Alemanha Quadro 2.1 Taxa de crescimento do PIB França Itália Espanha Reino Unido Área do Euro EU (27) EUA Japão China Economia Mundial Fonte: CE, Previsões de Outono 2007 Relativamente à evolução da economia na Zona Euro, em 2007 cresceu 2.6 por cento prevendo-se uma desaceleração em 2008 (+2.2 por cento) e uma nova desaceleração em 2009 onde deverá crescer 2.1 por cento. Esta situação deve-se a perturbações ocorridas nos mercados financeiros que originaram uma maior incerteza e condições de financiamento mais restritivas. Quanto à actividade económica na União Europeia (a 27) em 2007, como se pode observar no quadro 2.2, os principais indicadores económicos indicam a referida desaceleração relativamente ao ano anterior, sendo que apesar 7

8 Comércio Automóvel no Mundo de tudo o crescimento previsto para o PIB (2.9 por cento) continua a ser um dos mais elevados dos últimos sete anos. Os principais contributos para esta evolução do PIB foram dados pelo consumo privado, que cresceu 2.3 por cento, e pelo investimento, que cresceu 5.6 por cento. No que respeita o mercado de trabalho, desde 2004 que a taxa de desemprego tem vindo a diminuir. Em 2007 foi de 7.1 por cento e prevê-se que continue a desacelerar nos dois próximos anos. Relativamente ao emprego, em 2007 deverá ter crescido 1.5 por cento na UE (27) e terão sido criados 3.6 milhões de postos de trabalho. Nos próximos dois anos as previsões apontam uma desaceleração do crescimento do emprego, no entanto, a CE estima que serão criados mais 4.5 milhões de postos de trabalho Consumo Privado Consumo Público Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) Quadro 2.2 Principais Indicadores Económicos da UE (27) Taxas de variação em volume Exportações Procura Global Importações PIB Défice Público (% PIB) Dívida das A P s (% PIB) Taxa de inflação (IHPC) Taxa de desemprego Emprego A P s Administrações Públicas Fonte: Previsões do Outono da CE 2.2 O mercado de veículos automóveis no mundo e na União Europeia em 2007 Segundo os últimos dados disponíveis da VDA (associação alemã dos construtores de automóveis), em 2007, as vendas mundiais de veículos automóveis terão ascendido a cerca de 62.8 milhões de veículos o que representa um crescimento de 3 por cento, relativamente ao ano anterior. 8

9 Comércio Automóvel no Mundo Índia 2.1% Outros 22.0% Europa (27) 28.2% Gráfico 2.1 Vendas de Veículos Automóveis no Mundo, em 2007 Repartição por regiões China 10.7% Japão 7.3% Argentina 0.6% Brasil 2.9% EUA 26.3% Fonte: VDA e ACEA Por regiões do mundo, as vendas de veículos ligeiros nos EUA ascenderam a 16.5 milhões de veículos o que representa uma quebra de 2.6 por cento, face ao ano anterior, e 26.3 por cento das vendas mundiais. No Japão foram vendidos 4.6 milhões de veículos, ou seja, uma quebra de 2 por cento face ao ano anterior. Por sua vez, no Brasil e na Argentina as vendas de veículos ligeiros ascenderam a 1.8 milhões e a 433 mil veículos, respectivamente, o que significa que registaram acréscimos de 13 e 15 por cento, respectivamente. Também, na China as vendas continuam a crescer fortemente (6.7 milhões de veículos e um acréscimo de mais de 26 por cento). Igualmente, na Índia o mercado de veículos ligeiros cresceu 15 por cento em 2007 (1.3 milhões de veículos). No que respeita o mercado europeu, em 2007, segundo os dados da ACEA, foram vendidos na EU (27) 17,7 milhões de veículos ligeiros o que representa, relativamente ao ano anterior, um acréscimo de 1.6 por cento e 28.2 por cento das vendas mundiais. O fraco crescimento deste mercado foi condicionado pelo arrefecimento da procura privada na maioria dos países que se deveu, essencialmente, aos acentuados aumentos do preço do petróleo, à perda de poder de compra e a alterações nos impostos. No conjunto da UE (15) com os países da EFTA o total das vendas de veículos ligeiros ascendeu a 16,8 milhões, ou seja, um ligeiro acréscimo de 0.8 por cento, face ao ano anterior. 9

10 Comércio Automóvel no Mundo Gráfico 2.2 Vendas de Veículos Ligeiros de Passageiros na UE (27) (*), em ,000,000 3,500,000 3,000,000 2,500,000 2,000,000 1,500, % 3.5% 1,000, % 500, % -11.7% 0 4.2% 5.1% -8.1% 6.5% 7.0% 4.3% 1.7% 8.9% -1.0% 39.9% 29.0% 21.9% 22.3% 24.6% 12.2% 2.6% -6.6% 21.7% 15.1% 6.0% 50.0% 40.0% 30.0% 20.0% 10.0% 0.0% -10.0% -20.0% var. 07/06 Eslovénia Eslováquia Roménia Polónia Lituânia Letónia Hungria Estónia Rep. Checa Bulgária Reino Unido Suécia Espanha Portugal Holanda Luxemburgo Itália Irlanda Grécia Alemanha França Finlândia Dinamarca Bélgica Austria (*) - Dados de Malta e Chipre, como habitualmente, não disponíveis. Fonte: ACEA/2005. No conjunto da UE, como se pode constatar no gráfico 2.2, verificou-se que dezanove países apresentaram um crescimento positivo do mercado que variou entre os 39.9 por cento (Lituânia) e os 1.1 por cento (Bélgica). Nos restantes países verificaram-se decréscimos que variaram entre os por cento (Finlândia) e os -0.5 por cento (Dinamarca). Relativamente à evolução das vendas nos maiores mercados da UE, temos que em Itália o mercado cresceu 7,5% devido, essencialmente, ao aumento dos incentivos governamentais à troca de carro e que na Alemanha baixou 8.1 por cento, em especial, devido à alteração do IVA. Gráfico 2.3 Peso dos comerciais ligeiros nas vendas de ligeiros, em % 25.0% 28% 27% 25% 20.0% 21% 19% 18% 17% 15.0% 16% 15% 14% 13% 13% 12% 12% 12% 11% 12% 10.0% 5.0% 10% 10% 10% 10% 9% 9% 8% 7% 6% 0.0% Total UE27 Luxemburgo Alemanha Grécia Itália Eslovénia Austria Letónia Roménia Rep. Checa Bélgica Hungria Finlândia Reino Unido Suécia Estónia Holanda Espanha Polónia Lituânia França Irlanda Bulgária Portugal Dinamarca Eslováquia Fonte: ACEA 10

11 Comércio Automóvel no Mundo Relativamente ao peso dos veículos comerciais ligeiros nas vendas de veículos ligeiros nos 27 países membros da UE (exceptuam-se Chipre e Malta que não têm dados disponíveis), conforme se pode ver no gráfico 2.3, a Eslováquia é o país em que essa percentagem é maior (28 por cento), seguindo-se-lhe a Dinamarca, com 27 por cento, e Portugal, com 25 por cento. Por sua vez, o Luxemburgo e a Alemanha são os países em que esta percentagem é menor, com 6 e 7 por cento, respectivamente. Relativamente ao mercado europeu de veículos ligeiros de passageiros em 2007, foram vendidos na EU (27) 15.6 milhões de veículos o que representa um acréscimo de 1 por cento, relativamente ao ano anterior. Conforme se pode observar no gráfico 2.4, verificaram-se acréscimos de vendas em dezanove países que variaram entre os 51.8 por cento (Lituânia) e os 1 por cento (Eslováquia e Luxemburgo). Gráfico 2.4 Vendas de Veículos Ligeiros de Passageiros na UE (27) (*), em ,500,000 3,000, % 60.0% 50.0% 2,500,000 2,000,000 1,500,000 1,000, , % 3.2% 3.2% -3.4% -13.7% 4.5% 4.5% -9.2% 7.2% 4.5% 3.7% 1.0% 8.5% -1.2% 26.4% 28.1% 21.9% 11.3% 2.5% -8.5% 23.1% 22.7% 15.3% 1.0% 40.0% 30.0% 20.0% 10.0% 0.0% -10.0% var. 07/ % Eslovénia Eslováquia Roménia Polónia Lituânia Letónia Hungria Estónia Rep. Checa Bulgária Reino Unido Suécia Espanha Portugal Holanda Luxemburgo Itália Irlanda Grécia Alemanha França Finlândia Dinamarca Bélgica Austria (*) - Dados de Malta e Chipre, como habitualmente, não disponíveis. Fonte: ACEA Nos restantes países verificaram-se decréscimos que variaram entre os por cento (Finlândia) e os -0.3 por cento (Bélgica). Relativamente à evolução das vendas de ligeiros de passageiros nos maiores mercados da UE, temos que em Itália o mercado cresceu 7,2% devido, essencialmente, ao aumento dos incentivos governamentais à troca de carro Nos restantes países verificaram-se decréscimos que variaram entre os por cento (Finlândia) e os -0.5 por cento (Dinamarca). Relativamente à evolução das vendas nos maiores mercados da UE, temos que em Itália o mercado cresceu 7,5% devido, essencialmente, ao aumento dos incentivos governamentais à troca de carro e que na Alemanha baixou 9.2 por cento. 11

12 Comércio Automóvel no Mundo Construtor 2005 % Mercado BMW 849, % DAIMLER 826, % Quadro 2.3 Vendas de ligeiros de passageiros por construtor FIAT 1,251, % FORD 1,708, % GM 1,635, % JAPAN 2,336, % KOREA 600, % MAN % MG ROVER % Grupo PSA 2,050, % RENAULT 1,382, % Grupo VW 3,170, % OUTROS 190, % TOTAL 16,003, % Fonte: ACEA Relativamente às vendas de veículos ligeiros de passageiros por fabricante, conforme se pode ver no quadro 2.3, em 2007 o grupo Volkswagen foi o que vendeu mais veículos tendo tido uma quota de mercado de 19.8 por cento. Seguiram-se-lhe os fabricantes japoneses, com 14.6 por cento de quota de mercado, e o grupo PSA, com 12.8 por cento. Relativamente à cilindrada média dos ligeiros de passageiros na Europa Ocidental em 2007, conforme se pode ver no gráfico 2.5, foi de 1,740 cm 3. Na UE (15) foi de 1,734 cm 3. Em Portugal, a cilindrada média foi de 1,559 cm 3 e só tem atrás de si a Itália, com 1,558 cm 3 e a Grécia, com 1,548 cm 3. A Suíça, o Luxemburgo e a Suécia são os países com a cilindrada média mais elevada, com 1,981 cm 3, 1,970cm 3 e 1,964 cm 3, respectivamente. Ainda, relativamente ao mercado na Europa ocidental de veículos ligeiros de passageiros por tipo de combustível, no gráfico 2.6 pode observar-se a proporção dos veículos diesel no total das vendas em O Luxemburgo é o país onde o peso dos diesel continua a ser o maior (77.2 por cento) e a Grécia é aquele em que este peso, também, continua a ser o menor (2.9 por cento). 12

13 Comércio Automóvel no Mundo Europa W UE (15) Grécia Itália 1,548 1,558 1,740 1,734 Gráfico 2.5 Cilindrada média na Europa Ocidental, em 2007 Veículos ligeiros de passageiros Portugal 1,559 Irlanda 1,637 Dinamarca 1,651 França 1,680 Holanda 1,703 Bélgica 1,723 Áustria 1,765 Reino Unido 1,777 Espanha 1,784 Noruega 1,818 Finlândia 1,851 Alemanha 1,863 Suécia Luxemburgo Suíça 1,964 1,970 1,981 1,400 1,500 1,600 1,700 1,800 1,900 2,000 2,100 Fonte: ACEA Europa W UE (15) Grécia Irlanda 2.9% 27.1% 53.3% 53.6% Gráfico 2.6 Proporção dos veículos ligeiros de passageiros diesel, em 2007, na Europa Ocidental Holanda 28.3% Finlândia 28.4% Suíça 32.1% Suécia 34.7% Dinamarca 38.4% Reino Unido 40.1% Alemanha 47.8% Itália Áustria 55.8% 59.0% Portugal Espanha França Noruega Bélgica Luxemburgo 69.3% 70.9% 73.9% 74.4% 77.0% 77.2% 0.0% 10.0% 20.0% 30.0% 40.0% 50.0% 60.0% 70.0% 80.0% 90.0% Fonte: ACEA 13

14 Comércio Automóvel no Mundo Portugal, com uma proporção de 69.3 por cento de veículos ligeiros de passageiros diesel, está acima da média de 53.6 por cento da UE (15) e da Europa Ocidental (53.3%). No que respeita o mercado de veículos comerciais ligeiros em 2007, conforme se pode ver no gráfico 2.7, os dados da ACEA referem que este mercado na UE (27) teve um crescimento de 6 por cento, relativamente ao ano anterior, atingindo um total de cerca de 2 milhões de veículos vendidos. Gráfico 2.7 Vendas de Veículos Comerciais Ligeiros na UE (27) (*) Ano de , , , , , , , , ,000 50, % 12.6% 5.7% -9.1% 12.3% 8.0% 4.8% 1.2% 26.0% 13.3% 11.6% 6.1% 0.2% 0.5% 7.4% 3.4% 25.0% 20.7% 9.3% 37.7% 0.4% 35.6% 10.6% 21.1% 12.5% 40.0% 30.0% 20.0% 10.0% 0.0% -10.0% % Eslovénia Eslováquia Roménia Polónia Lituânia Letónia Hungria Estónia Rep. Checa Bulgária Reino Unido Suécia Espanha Portugal Holanda Luxemburgo Itália Irlanda Grécia Alemanha França Finlândia Dinamarca Bélgica Àustria (*) - Dados de Malta e Chipre, como habitualmente, não disponíveis. Fonte: ACEA Gráfico 2.8 Vendas de Veículos Comerciais Pesados na UE (27) (*) Ano de , % 90.0% 80.0% 100,000 80,000 60,000 40,000 20, % 16.7% 13.2% -0.3% 7.0% 5.1% 17.4% -8.5% 14.5% -1.7% 6.4% -7.6% 60.9% 47.8% 21.3% 10.3% 14.8% 1.6% -8.5% 54.6% 30.2% 17.1% 70.0% 60.0% 50.0% 40.0% 30.0% 20.0% 10.0% 0.0% -10.0% -20.0% var. 07/06 Eslovénia Eslováquia Roménia Polónia Lituânia Letónia Estónia Rep. Checa Reino Unido Suécia Espanha Portugal Holanda Luxemburgo Itália Irlanda Grécia Alemanha França Finlândia Dinamarca Bélgica Áustria (*) - Dados de Malta e Chipre, como habitualmente, não disponíveis. Fonte: ACEA 14

15 Comércio Automóvel no Mundo Com a excepção da Dinamarca cujo mercado baixou 9.1 por cento, nos restantes países registaram-se crescimentos das vendas que variaram entre os 0.2 por cento (Itália) e os 37.7 por cento (Letónia). No que respeita as vendas de veículos pesados na UE (27), conforme se pode ver no gráfico 2.8, em 2007 elas cifraram-se num total de 467 mil veículos o que representa um crescimento 6.8 por cento, relativamente ao ano anterior. Verificaram-se decréscimos das vendas em cinco países e que variaram entre os -0.3 por cento em França e os -8.5 por cento na Irlanda e no Reino Unido. Nos restantes países o mercado apresentou variações positivas que variaram entre os 1.6 por cento na Suécia e os 77.2 por cento na Roménia. 15

16 Produção Automóvel em Portugal 3 A PRODUÇÃO AUTOMÓVEL EM PORTUGAL Em 2007, como se pode observar nos gráficos 3.1 e 3.2, foram produzidos em Portugal 176,242 veículos o que corresponde a um decréscimo de 22.5%, relativamente ao mesmo período do ano anterior. Por tipo de veículos, foram produzidos 134,047 veículos ligeiros de passageiros (-6.6% do que no ano anterior), 36,056 veículos comerciais ligeiros (-54.1%) e 6,139 veículos pesados (+14.2%). 200, , , , , , , , , , , , , , ,047 Gráfico 3.1 Produção de Veículos Automóveis em Portugal 100,000 80,000 60,000 40,000 85,243 60,826 63,690 59,466 65,095 71,323 73,218 79,079 78,472 36,056 20, ,399 4,468 4,525 2,896 3,164 2,462 2,729 4,379 5,375 6, Ligeiros de Passageiros Comerciais Ligeiros Pesados O decréscimo da produção automóvel no ano 2007 foi determinado pelo encerramento no final do ano 2006 da fábrica da GM Portugal. Se não entrarmos em linha de conta com a produção da GM no ano anterior, a produção das marcas remanescentes registou um acréscimo acumulado de 14.2%. Unidades 300, , , , , % -6.9% -2.2% -2.8% 4.6% -4.6% -5.3% -2.5% 2.8% 10.0% 5.0% 0.0% -5.0% -10.0% -15.0% Var. % Gráfico 3.2 Produção de Veículos Automóveis em Portugal 50, % -20.0% % 16

17 Produção Automóvel em Portugal Relativamente à produção por fábrica, como se pode ver no quadro 3.1 e no gráfico 3.3, em 2007 todas as linhas de produção registaram acréscimos compreendidos entre os 12 por cento (Peugeot Citroën) e os 43.1 por cento (V. N. Automóveis). Total Unidades 2007 % 2007/2006 Total-Geral 176, Exportação 171, Quadro 3.1 Produção de Veículos Automóveis em Portugal Por fábrica Mercado interno 5, Autoeuropa 93, Peugeot Citroën 64, Mitsubishi Fuso Truck Europe 10, Toyota Caetano 4, V. N. Automóveis 3, Com o encerramento da GM Portugal no final de 2007, durante o ano 2007, estiveram a operar em Portugal cinco fábricas de automóveis. A Autoeuropa, a produzir veículos ligeiros de passageiros das marcas VW, Ford e Seat. V. N. Automóveis Gráfico 3.3 Produção por Fábrica em 2007 Toyota Caetano Mitsubishi Fuso Truck Europe Peugeot Citroën Auto Europa Ligeiros de Passageiros Comerciais A Peugeot Citroën, a produzir veículos ligeiros de passageiros e comerciais ligeiros das marcas Peugeot e Citroën. A Mitsubishi Fuso Trucks Europe, a produzir veículos comerciais ligeiros e pesados da marca Mitsubishi. A Toyota Caetano a produzir veículos comerciais ligeiros e pesados da marca Toyota. E a V. N. Automóveis, a produzir veículos comerciais ligeiros e pesados da marca Isuzu. 17

18 Produção Automóvel em Portugal Quadro 3.2 Produção de veículos automóveis em Portugal, em Fábricas Produção 158, , , , , , , , , , , , ,242 Exportação 122, , , , , , , , , , , , ,023 Vendas 271, , , , , , , , , , , , ,606 Quadro 3.3 Produção de veículos automóveis em Portugal, em 2007 Fábricas Localização Ligeiros de Passageiros Comerciais Ligeiros Comerciais Pesados Marca Modelo Marca Modelo Marca Modelo 1. Autoeuropa 2. Peugeot Citroën Palmela Ford Galaxy Volkswagen Volkswagen Sharan Eos Seat Alhambra Mangualde Citroën Berlingo Citroën Berlingo Peugeot Partner Peugeot Partner 3. Toyota Caetano Ovar Toyota Dyna Toyota Hiace 4. V. N. Automóveis Vendas Isuzu Isuzu Dyna Coaster 5. Mitsubishi Fuso Truck Europe Tramagal Mitsubishi Canter Mitsubishi Canter Nos quadros 3.2 e 3.3 podem observar-se, igualmente, o enquadramento e a produção automóvel em Portugal por fábrica, respectiva localização e por tipo de veículo. Do total de veículos produzidos em Portugal em 2007, como se pode constatar no gráfico 3.4, destinaram-se ao mercado externo 97% dos veículos ( ), isto é, menos 22.1 por cento do que o número de unidades exportadas no ano anterior. 18

19 Produção Automóvel em Portugal Mercado interno 3% Gráfico 3.4 Produção de Veículos em Portugal em 2007 Por mercado Exportação 97% 19

20 Fiscalidade Automóvel 4 A FISCALIDADE AUTOMÓVEL 4.1 Resumo da Reforma Fiscal Em 1 de Julho de 2007 entrou em vigor a Lei que introduziu uma importante reforma global da tributação automóvel em Portugal, designadamente, o Código do Imposto sobre Veículos e o Código do Imposto Único de Circulação, sendo abolidos, em simultâneo, o Imposto Automóvel, o Imposto Municipal sobre Veículos, o Imposto de Circulação e o Imposto de Camionagem. Esta reforma, no que diz respeito ao imposto de matrícula, vem aprofundar uma alteração que já havia sido iniciada em 1 de Julho de 2006 e que consistiu na introdução de uma componente ambiental na tabela do Imposto Automóvel (IA). Com efeito, nessa data a receita gerada com a tabela incidente sobre as emissões de CO 2 passou a ter um peso de 10% no total da receita gerada em sede de IA. A reforma fiscal de 1 de Julho de 2007 apresentou as seguintes alterações relevantes: Aumento do peso das emissões de dióxido de carbono (CO 2 ) na base de tributação do Imposto Sobre Veículos (que substituiu o IA), para 30%, de 1 de Julho de 2007 a 31 de Dezembro de 2007, e para 60%, desde de 1 de Janeiro de Deslocação de uma parte da carga fiscal do imposto devido pela aquisição do automóvel para a fase da circulação, e que, teoricamente, deveria representar 10% da receita. A base de incidência do ISV passou a incluir igualmente os motociclos, triciclos e quadriciclos, bem como as autocaravanas, sujeitando pela primeira vez estes veículos a imposto de aquisição. Numa primeira fase, que decorrerá até 2009, existirão duas tabelas do ISV incidentes sobre veículos ligeiros: a tabela A, com taxas incidentes sobre a cilindrada e as emissões de CO 2, aplicável aos ligeiros de passageiros; e a tabela B, com taxas incidentes apenas sobre a cilindrada, a aplicar aos veículos ligeiros de mercadorias. Quando as homologações destes últimos passarem a integrar os valores das emissões de CO 2, também serão tributados com a componente ambiental, o que, segundo o Governo, será possível a partir de 1 de Janeiro de

21 Fiscalidade Automóvel Portugal Repartição da receita total de ISV: aumento da componente ambiental ou ? 1 Julho Julho Janeiro % 70% 40% 10% 30% 60% CO2 Cm3 3 Foi, ainda, atribuído um benefício fiscal de 500 euros para veículos a gasóleo com emissões de partículas abaixo de 0.005g/km. 21

22 Fiscalidade Automóvel Relativamente ao ISV, foram criadas três tabelas distintas quanto à incidência do imposto e que são ilustradas no gráfico abaixo. Tabelas de ISV Imposto sobre Veículos TABELA A TABELA B TABELA C IMPOSTO DE MATRÍCULA Automóveis ligeiros de passageiros e mistos Cilindrada 70% da receita Veículos ligeiros de mercadorias, mistos e autocaravanas Cilindrada 100% da receita Motociclos, triciclos e quadriciclos Cilindrada 100% da receita INCIDÊNCIA BASE TRIBUTÁVEL CO 2 30% da receita 12 Foi igualmente criado o Imposto Único de Circulação, que substituiu o Imposto Municipal sobre Veículos, o Imposto de Circulação e o Imposto de Camionagem. Este novo imposto passou a ser aplicável a veículos novos matriculados após 1 de Julho de Por outro lado, o IUC passou a ser aplicado a partir de Janeiro de 2008 ao parque em circulação referente a veículos matriculados antes de 1 de Julho de 2007, mas mantendo-se os níveis de tributação vigentes anteriormente. O facto gerador do IUC passou a ser a propriedade, pelo que os veículos matriculados em Portugal, mesmo que não circulem na via pública, passaram a pagar imposto anualmente, até serem abatidos num centro de destruição autorizado. 22

23 Fiscalidade Automóvel 4.2 Imposto Sobre Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros A reforma fiscal que entrou em vigor em Julho de 2007 não só aumentou o peso da componente ambiental na estrutura do imposto de matrícula, agora chamado ISV em vez de IA, como deslocou parte da carga fiscal deste imposto para o imposto de circulação (IUC). Como resultado deste duplo movimento, em média, o imposto baixou 8% em relação à situação anterior. Outro aspecto importante nesta reforma é que se procurou beneficiar os veículos a gasolina, em detrimento dos diesel, uma vez que, em média, o ISV dos automóveis movidos a gasolina diminuiu 20.8%, enquanto que o dos diesel apenas baixou 4.9%. Nos vários escalões de CO 2 definidos para cada uma das tabelas verificaram-se, em média, diminuições do imposto, excepto no escalão superior dos veículos diesel (acima de 180 g/km), em que se registou um forte acréscimo de 18.2%. Como implicações deste escalonamento, os veículos todo-o-terreno, a gasóleo, ficaram fortemente prejudicados com esta reforma fiscal. Por outro lado, alguns furgões de passageiros, com peso bruto elevado e, consequentemente, emissões elevadas de CO 2, também saíram prejudicados. Esta situação também pode ser vista no gráfico da página seguinte, em que se procede a uma análise por segmentos. Refira-se que, em geral, quanto mais elevado for o segmento dos veículos, mais elevadas são as respectivas emissões médias de CO 2, o que se deve não só ao facto da cilindrada média ser mais elevada mas, sobretudo, por a sua tara ser mais elevada. Esta associação também pode ser vista sob o prisma do consumo. Aliás, encontramos uma associação muito forte entre consumos e emissões de CO 2. 23

24 Fiscalidade Automóvel Variação da carga fiscal ISV vs. IA por segmento Automóveis Ligeiros de Passageiros 21.4% 4.9% 5.6% A B C D E F G H Total -3.5% -2.5% -8.0% -14.6% -30.5% -24.0% A Económico B Inferior C Médio Inferior D Médio Superior E Superior F Luxo G SUV H - Monovolume 27 24

25 Fiscalidade Automóvel Em termos de impacto nos preços médios de venda ao público da introdução do ISV em 1 de Julho de 2007,relativamente à situação anterior em que vigorava o IA, a situação é ilustrada pelo gráfico seguinte: ISV versus IA Ligeiros de passageiros - Impacto nos Preços de Venda ao Público -2.1% Total -1.3% Diesel -4.4% Gasolina Nota: Variação média mantendo invariáveis os restantes factores que intervêm na formação dos preços de venda ao público, designafdamente, os preços base e o mix de mercado Automóveis ligeiros de utilização mista com lotação igual a 9 lugares Foi aplicada uma taxa intermédia, correspondente a 50% do imposto resultante da aplicação da tabela A aos automóveis ligeiros de utilização mista com lotação igual a 9 lugares, incluindo o do condutor. Estes veículos passaram a estar sujeitos a uma taxa de 50% da tabela A, enquanto que anteriormente estavam sujeitos à tabela VI do IA, que representava 60% da antiga tabela I deste imposto, antes de esta incluir a componente ambiental. Recorda-se que a tabela VI do IA não possuía componente ambiental. Assim, em virtude da base tributável destes veículos passar a incluir as emissões de CO 2, combinado com um forte aumento da progressividade do imposto nos veículos diesel, teve como consequência um aumento da carga fiscal nesta categoria de veículos. 25

26 Fiscalidade Automóvel Tabela A do ISV Imposto sobre Veículos TABELA A Base Tributável: Cm 3 e CO 2 Taxa Normal 100% Taxa Intermédia 50% 1. Ligeiros de Passageiros 2. Mistos p.b. < kg ou lotação < 7 lugares ou lotação 4x4 1. Mistos p.b. > kg e lot. > 7 2. Veículos exclusiv. GPL ou GNC* 3. Híbridos * - Na componente ambiental aplicam-se as taxas correspondentes à tabela dos veículos a gasolina Monovolumes com 7 ou mais lugares Têm um enquadramento fiscal igual ao dos automóveis ligeiros de utilização mista com lotação igual a 9 lugares. No entanto, o facto de não possuírem níveis tão elevados de emissões de CO 2 quanto estes últimos, não os penalizou após a introdução da reforma fiscal Veículos ligeiros de mercadorias Os veículos de mercadorias não sofreram qualquer alteração em termos de base tributável, uma vez que a tabela B do ISV não possui componente ambiental. Verificaram-se, sim, ajustamentos em matéria de taxas que afectaram algumas categorias dentro do mercado. 26

27 Fiscalidade Automóvel Tabela B do ISV Imposto sobre Veículos TABELA B Base Tributável: Cm 3 Taxa Intermédia 50% Taxa Intermédia 30% Taxa Reduzida 10% 1. Ligeiros de mercadorias de caixa fechada c/ lotação < 3 lugares e altura caixa < 1,20 m. 2. Automóveis ligeiros de mercadorias de caixa fechada, lotação < 3 lugares e tracção 4x4. 1. Ligeiros de mercadorias, de caixa aberta ou sem caixa, lotação > 3 lugares, tracção 4x4 e p.b. < kg. 1. Ligeiros Mistos de p.b. > kg, com comprimento caixa de carga > 1,45 m e altura caixa > 1,30 m, com antepara inamovível e tracção 4x2. 2. Ligeiros de mercadorias, de caixa aberta ou sem caixa, lotação > 3 lugares, tracção 4x2 e p.b. < kg. 3. Autocaravanas Antigos Derivados Os automóveis ligeiros de mercadorias, de caixa fechada, com lotação máxima de 3 lugares, incluindo o do condutor, e altura interior da caixa de carga, inferior a 120 cm, também foram penalizados com a presente reforma fiscal, uma vez que passam a pagar 50% da tabela B, enquanto que antes pagavam o equivalente a 40%, tendo-se verificado um agravamento da carga fiscal de cerca de 25%. O facto dos modelos de passageiros de onde derivam terem, em grande número, baixado o ISV a pagar, tornou estes veículos menos atractivos para muitos consumidores o que teve um importante impacto negativo neste mercado. 27

28 Fiscalidade Automóvel Pick-up s e Chassis-cabinas Os chassis-cabinas e as pick-up s de lotação superior a três lugares e com peso bruto igual a 3,500 kg com tracção às quatro rodas passam a estar sujeitos a uma taxa de 30% (anteriormente estavam isentos). Uma possibilidade aberta na lei, permitia que os veículos de exactamente 3,500 kg de peso bruto com tracção 4x4 beneficiassem de uma isenção total de imposto, à semelhança da situação prevista para os veículos de lotação até três lugares Autocaravanas Até à reforma fiscal as autocaravanas estavam isentas de IA, tendo passado a ser tributadas com 10% da tabela B Veículos importados usados Uma alteração introduzida pela reforma fiscal foi a criação de mais um escalão na tabela de reduções do imposto em função dos anos de uso. Foi estabelecida uma redução do ISV para veículos com idades compreendidas entre 6 meses e 1 ano desde a data da sua primeira matrícula. ISV - Taxas Tabela D Reduções nos veículos importados usados : 70% 65% 60% 52% 43% 28% 35% 20% 10% 75% 80% Idade (anos) Novo escalão

29 Fiscalidade Automóvel Por outro lado, os veículos fabricados antes de 1970, independentemente da sua proveniência, passaram a ser tributados pela tabela B, considerando as reduções decorrentes dos anos de uso mencionadas na respectiva tabela (tabela D). 4.3 Imposto Único de Circulação O IUC extinguiu o IMV, o Impostos de Circulação e o Imposto de Camionagem. O facto gerador do novo imposto é constituído pela propriedade do veículo, tal como atestada pela matrícula ou registo em território nacional. São sujeitos passivos do IUC os proprietários dos veículos, considerando-se como tais as pessoas singulares ou colectivas, em nome dos quais os mesmos se encontrem registados. Neste novo enquadramento, o imposto é devido independentemente dos veículos se encontrarem a circular, bastando, para o efeito, existir um proprietário. Foram criadas diversas categorias de A a G, consoante o tipo de veículo. No entanto, a incidência é a mesma nas categorias A e B, sendo que a categoria A foi criada para manter os veículos matriculados até à entrada da nova reforma fiscal nos níveis tributários anteriores. Os veículos da categoria B, ou seja, os automóveis ligeiros de passageiros e mistos de peso bruto inferior a 2,500, à imagem do ISV, possuem uma tabela ambiental que complementa a tabela aplicável à cilindrada. Todavia, não existe diferenciação entre a tributação dos veículos a gasolina e a gasóleo. Os veículos da categoria B sofreram um acréscimo muito significativo em termos de carga fiscal. A ACAP estimou que a diminuição do ISV é compensada pelo aumento do IUC ao fim de apenas 5.5 anos de tributação. 29

30 Comércio Automóvel em Portugal 5 O COMÉRCIO AUTOMÓVEL EM PORTUGAL 5.1 Enquadramento económico Em 2007, segundo as últimas estimativas do Banco de Portugal registadas no quadro 5.1, a economia portuguesa terá crescido 1.9 por cento o que representa uma aceleração, relativamente ao ano anterior. Este crescimento foi caracterizado por uma melhoria do contributo da procura interna (+1.3% em 2007, face a +0.2% no ano anterior) determinada, essencialmente, pela aceleração do investimento (2.6% em 2007, face a -1.8% no ano anterior). Quanto ao contributo da procura externa, embora tenha sido positivo (+0.6%), desacelerou em relação ao ano anterior em consequência da significativa desaceleração das exportações que passaram de um crescimento de 9.1 por cento, em 2006, para 7 por cento, em Apesar da variação do PIB se manter pelo sexto ano consecutivo abaixo da média da área do euro, deverá verificar-se um estreitamento do diferencial em (*) 2008 (**) 2009 (**) Consumo privado Consumo público Investimento (FBCF) Procura Interna Exportações Importações PIB Balança corrente e de capital (% PIB) Contributo da Procura Interna (%) Contributo da Procura Externa Líquida (%) Taxa de inflação Quadro 5.1 Principais Indicadores Económicos Portugal Taxas de variação em volume Taxa de desemprego (*) Estimativa. (**) Previsão. Fonte: BP Banco de Portugal em Boletim Económico do Inverno Em termos do indicador de sentimento económico em 2007, os seus valores situaram-se acima dos registados no ano anterior, como se pode observar no gráfico

31 Comércio Automóvel em Portugal Gráfico 5.1 PIB e Sentimento Económico Por sectores de actividade, como se pode observar no gráfico 5.2, os indicadores de confiança dos empresários terminaram o ano de forma diferenciada: melhoraram no comércio e serviços, estabilizaram na indústria e pioraram na construção. Gráfico 5.2 Indicadores de Confiança No que respeita ao Consumo, o consumo público teve um crescimento nulo enquanto que o consumo privado, a componente com maior peso no PIB, cresceu 1.2 por cento, ou seja, uma taxa idêntica à que tinha registado no ano anterior. A variação do consumo privado terá sido inferior à do rendimento disponível real das famílias o que significa uma variação positiva da taxa de poupança e que poderá indiciar que a taxa de poupança tenha interrompido a 31

32 Comércio Automóvel em Portugal tendência decrescente que vinha a registar desde 2003, como se pode observar no gráfico 5.3. Gráfico 5.3 Consumo, Rendimento Disponível e Taxa de Poupança Taxa de variação em volume Fonte: Banco de Portugal A moderação das despesas de consumo das famílias está a ser determinada, fundamentalmente, pelo aumento da taxa de desemprego, pela subida gradual das taxas de juro (entre Dez.2005 e Jun.2007 as taxas de referência do BCE aumentaram 2 p.p.), que agravam os encargos da dívida num contexto em que o endividamento das famílias é elevado, pelo agravamento da carga fiscal, nomeadamente, dos impostos indirectos e, ainda, pela recente maior restrição nas condições de acesso ao crédito. Também a evolução do indicador de confiança dos consumidores é determinante do comportamento do consumo privado e, como se pode verificar no gráfico 5.4, este indicador degradou-se ao longo de todo o segundo semestre do ano. Gráfico 5.4 Indicador de Confiança dos Consumidores Oportunidade para Aquisição de Bens Duradouros 32

33 Comércio Automóvel em Portugal No gráfico 5.5 pode-se observar a evolução do consumo privado em Portugal e na zona Euro ao longo do ano 2007 e constatar que nos dois últimos anos o diferencial entre o nosso crescimento e o daquela zona foi negativo. A evolução do consumo privado em Portugal, em 2007, foi caracterizada por um significativo abrandamento do consumo de bens não duradouros e por um forte crescimento do consumo de bens duradouros. Este último, por sua vez, sofreu a influência da evolução das compras de veículos automóveis na sequência das alterações ocorridas em 2007 na fiscalidade automóvel e do programa de incentivos ao abate de veículos. Gráfico 5.5 Taxa de crescimento do consumo privado Fonte: Banco de Portugal Relativamente à despesa da administração pública continuou a estar restringida pela política de correcção do desequilíbrio orçamental consignada no PEC (Programa de Estabilidade e Crescimento) e, em 2007, o défice público deverá ter ficado próximo dos 3 por cento do PIB, portanto, abaixo da meta de 3.7 por cento anteriormente proposta pelo Governo. O défice global provisório do Estado, segundo a Direcção Geral do Orçamento, foi de 5,236 milhões de euros, menos 1,904 milhões de euros do que no ano anterior. Em termos da execução orçamental do Estado que contribuiu para esta melhoria é de salientar o aumento de 9.2 por cento da receita fiscal, que resultou dos aumentos de 17.2 por cento dos impostos directos e de 4.1 por cento dos impostos indirectos. 33

34 Comércio Automóvel em Portugal Gráfico 5.6 Decomposição da FBCF Contributos para a taxa de crescimento (em p.p.) Fonte: Banco de Portugal Relativamente ao investimento (FBCF) terá tido um crescimento de 2.6 por cento, relativamente ao ano anterior, o qual se deveu ao acréscimo do investimento do sector empresarial visto que o investimento da Administração Pública e o das famílias em habitação terão registado um crescimento nulo. No gráfico 5.6 pode-se observar a evolução dos contributos das componentes sectoriais para o crescimento do investimento. O crescimento do investimento em 2007, após as quedas verificadas nos últimos anos em que, entre 2002 e 2007, a queda acumulada do investimento se cifrou em 19 por cento, é uma consequência da forte aceleração da componente relativa a Máquinas e equipamentos e do contributo muito menos negativo do investimento em Construção, como se pode observar no gráfico DECOMPOSIÇÃO DA VARIAÇÃO REAL DA FBCF Contributos, em pontos percentuais Gráfico 5.7 Decomposição da variação real da FBCF Contributos, em pontos percentuais Em pontos percentuais Construção Máquinas e equipamentos Material de transporte Outros FBCF (taxa de variação real, em percentagem) Fontes: INE e Banco de Portugal. 34

35 Comércio Automóvel em Portugal No que respeita às Exportações, embora tenham desacelerado em 2007 ter-se-ão mantido como a componente mais dinâmica do PIB, com um crescimento de 7 por cento, relativamente ao ano anterior, e continuaram a crescer a um ritmo superior ao das importações. Esta taxa de crescimento registada em 2007 é, significativamente, superior à média dos últimos cinco anos (+4.6%) sendo que é esperado um ganho de quota nos mercados de destino dos nossos produtos, superior ao verificado em 2006 e que continua a contrariar, portanto, a perda de competitividade das exportações portuguesas no mercado internacional que ocorreu entre 2004 e 2005 onde tínhamos tido uma perda de quota de mercado superior a 9 pontos percentuais. Em termos de perfil das nossas exportações, em 2007, verificou-se um menor dinamismo das exportações de mercadorias e a manutenção de um crescimento elevado das exportações de turismo e serviços, nomeadamente, de transporte e técnico-profissionais. Por grupos de produtos, o que contribuiu mais significativamente para o crescimento do total das exportações foi o grupo Máquinas cujas exportações cresceram 13.5 por cento e deram um contributo de 27.3 por cento, seguido pelo grupo Minérios e Metais cujas exportações cresceram 15.5 por cento e deram um contributo de16.4 por cento, e pelo grupo Agroalimentares cujas exportações cresceram 14.6 por cento e deram um contributo de 13.3 por cento. O único grupo de produtos que teve uma variação negativa das suas exportações foi o Energéticos com um decréscimo de 9.9 por cento, face ao ano anterior. 35

36 Comércio Automóvel em Portugal Gráfico 5.8 Taxas de crescimento das exportações por mercados de destino e respectivos contributos para o aumento das exportações Janeiro a Outubro 2007 Fonte: GEE - Gabinete de Estratégia e Estudos do Ministério da Economia e Inovação Os países de destino onde as nossas exportações cresceram mais (na ordem dos dois dígitos) foram Angola (+41.1%), Rússia (+35.4%), Alemanha (+14.2%) e França (+10.5 por cento). Por sua vez, os mercados de destino com maior peso e que, portanto, mais contribuíram para o aumento das nossas exportações, como se pode verificar no gráfico 5.8, foram Espanha (+32.4%), Alemanha (18.8%), Angola (+14.4%) e França (+13.6%). Relativamente às Importações, deverão ter um acréscimo de 4.1 por cento o que significa uma desaceleração face ao ano anterior. Esta evolução resultou da desaceleração das importações de serviços visto que as importações de mercadorias se terão mantido estáveis. Cerca de 75 por cento das nossas importações são provenientes da UE-27, sendo a Espanha, a Alemanha, a França e a Itália os principais países fornecedores com, respectivamente, 30.7 por cento, 13.1 por cento e 8.4 por cento do total das importações. Os restantes 25 por cento são provenientes de países terceiros entre os quais, têm maior destaque, o Brasil, a China, os Estados Unidos e a Nigéria. 36

37 Comércio Automóvel em Portugal Por grupos de produtos, os que tiveram maior peso foram o grupo Máquinas (19.4 por cento do total), os Químicos (13.8 por cento) e os Energéticos (13.7 por cento). Os grupos de produtos que, no entanto, mais contribuíram para o crescimento das importações foram o dos Agro- Alimentares, o das Máquinas e o dos Minérios e Metais. Quanto ao saldo da Balança Corrente e de Capital, deverá ter ocorrido um desagravamento do défice que deverá ter passado de -8.6 por cento do PIB, em 2006, para -8.2 por cento, em Esta redução das necessidades de financiamento da economia portuguesa foi determinada pela melhoria do saldo da balança de bens e serviços que mais do que compensou o agravamento do défice da balança de rendimentos o qual, por sua vez, resultou do aumento das taxas de juro e da degradação da posição do investimento internacional da economia portuguesa. No que respeita à taxa de inflação, em 2007, deverá situar-se em 2.5% (3.1% em 2006) reflectindo, em grande parte, a desaceleração dos preços dos bens energéticos, bem como dos custos unitários do trabalho (devido essencialmente ao maior crescimento da produtividade) e dos preços de importação de bens de consumo. Relativamente ao Índice Harmonizado de Preços no Consumidor (utilizado em comparações internacionais), situou-se nos 2.4 por cento e, como se pode observar no gráfico 5.9, pela primeira vez desde Dezembro de 2005, temos que o diferencial da inflação homóloga de Portugal face à média da zona euro foi negativo, ou seja, Portugal está com valores inferiores aos da média daqueles países. Gráfico 5.9 Índice Harmonizado de Preços no Consumidor Variação homóloga, em percentagem Quanto ao mercado de trabalho em 2007, em média, a taxa de desemprego foi de 8 por cento o que representa um acréscimo de 0.3 pontos percentuais face ao ano anterior. A população desempregada cifrou-se em cerca de mil pessoas o que significa um acréscimo de 4.9 por cento em relação ao ano anterior. Por regiões do país, conforme se pode observar no quadro 5.2, o Norte é a região com uma taxa de desemprego média anual mais elevada (9.4%), seguida de Lisboa (8.9%) e do Alentejo (8.4%). 37

38 Comércio Automóvel em Portugal 4ºT ºT ºT Portugal Norte Quadro 5.2 Taxas de Desemprego por Região NUTS II (NUTS-2002) Centro Lisboa Alentejo Algarve R. A. Açores R. A. Madeira Fonte: INE, Estatísticas do Emprego 4º Trimestre de Quanto ao emprego, no último trimestre de 2007 a população empregada cifrava-se num total de cerca de 5,188 pessoas o que representa um acréscimo de 0.9 por cento relativamente ao trimestre homólogo do ano anterior. Em termos de média anual em 2007, a taxa de emprego situou-se em 57.6 por cento, ou seja, desceu 0.1 pontos percentuais face ao ano anterior o que representa um acréscimo. 5.2 O mercado automóvel em Portugal em A distribuição automóvel em Portugal A distribuição de veículos automóveis em Portugal é assegurada por vários tipos de empresas: Importadores com capital maioritária ou exclusivamente nacional Como por exemplo, a SIVA, o grupo Salvador Caetano, o grupo Entreposto, a Auto-Sueco, o grupo Santogal, etc. e Filiais de empresas multinacionais Como exemplo, a Renault Portugal, a General Motors Portugal, a Peugeot Portugal, a Automóveis Citroën, a Mercedes-Benz Portugal, Mitsubishi Motors Portugal, Seat Portugal, etc. Durante o ano 2007 encontravam-se a operar em Portugal 9 empresas distribuidoras, exclusivamente, de veículos ligeiros de passageiros, 7 empresas distribuidoras, exclusivamente, de veículos comerciais e 21 empresas distribuidoras de ambos os tipos de veículos o que perfaz um total de 37 empresas. Estas empresas operam através de uma rede de concessionários representantes legais de marca e de agentes, num total que estimamos superior a 1.200, que asseguram a distribuição de automóveis novos em Portugal. 38

Conferência. Reforma da Fiscalidade Automóvel. Lisboa, 6 de Junho de 2007

Conferência. Reforma da Fiscalidade Automóvel. Lisboa, 6 de Junho de 2007 Conferência Reforma da Fiscalidade Automóvel 1 Lisboa, 6 de Junho de 2007 2 Proposta de Directiva da União Europeia Aponta para a transferência global da carga fiscal, nos automóveis, do momento da compra

Leia mais

SALÃO AUTOMÓVEL AEP / GABINETE DE ESTUDOS

SALÃO AUTOMÓVEL AEP / GABINETE DE ESTUDOS SALÃO AUTOMÓVEL AEP / GABINETE DE ESTUDOS MARÇO DE 2009 1 MERCADO AUTOMÓVEL 1. Vendas de ligeiros de passageiros novos na Europa Tendo como fonte o Comunicado de 16 de Janeiro de 2009 divulgado pela ACAP,

Leia mais

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 11 Novembro Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

Espanha continuou a ser o país com maior peso nas transações comerciais de bens com o exterior (23,5% nas exportações e de 32,5% nas importações).

Espanha continuou a ser o país com maior peso nas transações comerciais de bens com o exterior (23,5% nas exportações e de 32,5% nas importações). Estatísticas do Comércio Internacional 214 7 de julho de 215 Resultados preliminares do Comércio Internacional em 214: em termos nominais, as exportações aumentaram 1,8% e as importações aumentaram 3,2%

Leia mais

Seminário. 12 novembro 2013. Iniciativa conjunta INE LNEC

Seminário. 12 novembro 2013. Iniciativa conjunta INE LNEC Seminário 12 novembro 2013 Iniciativa conjunta INE LNEC Casa própria ou arrendamento perfil da ocupação residencial emportugal Bárbara Veloso INE 12 novembro 2013 Iniciativa conjunta INE LNEC Sumário Aumentaram

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 9 setembro 211 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e do Emprego G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais

Leia mais

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico.

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico. Síntese APRESENTAÇÃO O Relatório da Competitividade é elaborado anualmente, com o objectivo de monitorizar a evolução de um conjunto de indicadores ( Carteira de Indicadores ) em Portugal e a sua comparação

Leia mais

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Enquadramento Enquadramento A importância da Internacionalização na vertente das exportações

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 22/01 Economia 25/01 Comércio Internacional 26/01 Taxas de Juro 29/01 Economia 31/01 Desemprego 31/01 Investimento Banco de Portugal divulgou Boletim Estatístico Janeiro 2007 http://epp.eurostat.ec.europa.eu/pls/portal/docs/page/pgp_prd_cat_prerel/pge_cat_prerel_year_2007/pge_

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 As projeções para a economia portuguesa em 2015-2017 apontam para uma recuperação gradual da atividade ao longo do horizonte de projeção. Após um crescimento

Leia mais

Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais

Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais Impostos e taxas com relevância ambiental 2013 31 de outubro de 2014 Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais O valor dos Impostos

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016

Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016 Projeções para a Economia Portuguesa: 2014-2016 1 Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016 As projeções para a economia portuguesa apontam para uma recuperação gradual da atividade ao longo do horizonte.

Leia mais

Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5%

Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5% Estatísticas do Comércio Internacional Fevereiro 2015 09 de abril de 2015 Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5% As exportações de bens aumentaram 2,1% e as

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 27/09 Turismo 27/09 Taxas de Juro 21/09 Energia 19/09 Taxas de Juro 15/09 Economia 12/09 Economia INE divulgou Viagens turísticas de residentes 2.º Trimestre de 2006 http://www.ine.pt/prodserv/destaque/2006/d060927/d060927.pdf

Leia mais

Portugal Leaping forward

Portugal Leaping forward Portugal Leaping forward Dr. Pedro Reis Presidente da AICEP Lisboa, 16 de Março 2012 Enquadramento internacional Fonte: EIU (Fev 2012) Nota: PIB a preços de mercado Variação (%) Enquadramento internacional

Leia mais

REFORMA DA FISCALIDADE AUTOMÓVEL Auditório da ACAP 6 de Junho 2007

REFORMA DA FISCALIDADE AUTOMÓVEL Auditório da ACAP 6 de Junho 2007 REFORMA DA FISCALIDADE AUTOMÓVEL Auditório da ACAP 6 de Junho 2007 lano Geral da Exposição 1. Aspectos estruturantes da reforma (Gonçalo Falcão) 2. Novo regime de tributação automóvel (Gonçalo Falcão)

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

RESUMO FISCALIDADE AUTOMÓVEL 2015

RESUMO FISCALIDADE AUTOMÓVEL 2015 RESUMO FISCALIDADE AUTOMÓVEL 2015 1 1 ISV tabelas A, B e C Aumento de 3%. 2 2 ISV redução nos veículos importados usados A tabela D mantém-se inalterada, apesar de ter existido uma proposta de alteração

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

CARROS A GASÓLEO JÁ REPRESENTAM MAIS DE 60% DO MERCADO PORTUGUÊS

CARROS A GASÓLEO JÁ REPRESENTAM MAIS DE 60% DO MERCADO PORTUGUÊS News Release DATA: 30 de Janeiro CARROS A GASÓLEO JÁ REPRESENTAM MAIS DE 60% DO MERCADO PORTUGUÊS As vendas dos carros novos a gasóleo na Europa continuam a aumentar à medida que os consumidores trocam

Leia mais

Portugal Forte crescimento no início do ano

Portugal Forte crescimento no início do ano 8 Abr ANÁLISE ECONÓMICA Portugal Forte crescimento no início do ano Miguel Jiménez / Agustín García / Diego Torres / Massimo Trento Nos primeiros meses do ano, a retoma do consumo privado teria impulsionado

Leia mais

Em 2007, por cada indivíduo nascido em Portugal, foram criadas 1,6 empresas

Em 2007, por cada indivíduo nascido em Portugal, foram criadas 1,6 empresas Em 2007, por cada indivíduo nascido em Portugal, foram criadas 1,6 empresas O Instituto Nacional de Estatística apresentou os primeiros resultados 1 sobre o empreendedorismo em Portugal para o período

Leia mais

Impostos sobre Veículos

Impostos sobre Veículos Impostos sobre Veículos Além dos encargos com a sua aquisição, os proprietários de veículos motores, sejam pessoas singulares ou coletivas, têm obrigações fiscais a cumprir anualmente. A aquisição de veículos

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 PORTUGAL Economic Outlook Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 Portugal: Adaptação a um novo ambiente económico global A economia portuguesa enfrenta o impacto de um ambiente externo difícil,

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011 Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 População a Milhares Hab. INE 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.636 10.643 2º Trimestre

Leia mais

METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA

METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA 1. Indicadores e Variáveis das Empresas A indústria metalomecânica engloba os sectores de fabricação de produtos metálicos, excepto máquinas e equipamento (CAE )

Leia mais

gabinete de estratégia e estudos

gabinete de estratégia e estudos Gabinete de Estratégia e Estudos Síntese Estatística gabinete de estratégia e estudos INVESTIMENTO DIRECTO Exterior em Portugal e Portugal no Exterior Agosto de 26 Índice Tratamento e análise dos dados

Leia mais

Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã. 26 de novembro de 2014

Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã. 26 de novembro de 2014 Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã 26 de novembro de 2014 1. Empresas Alemãs em Portugal 2. Investimento Direto Alemão em Portugal 3. Exportação / Importação 1. Empresas Alemãs em Portugal Perspetiva

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 I. BALANÇA DE PAGAMENTOS A estatística da Balança de Pagamentos regista as transacções económicas ocorridas, durante

Leia mais

A taxa de variação média do IPC foi -0,3% em 2014 e a taxa de variação homóloga situou-se em -0,4% em dezembro

A taxa de variação média do IPC foi -0,3% em 2014 e a taxa de variação homóloga situou-se em -0,4% em dezembro 13 de janeiro de 2015 ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR Dezembro de 2014 A taxa de variação média do IPC foi -0,3% em 2014 e a taxa de variação homóloga situou-se em -0,4% em dezembro Em 2014, o Índice de

Leia mais

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR nº 3 Novembro 29 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR O VINHO NOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR Índice 1. INTRODUÇÃO 2 2. PRODUÇÃO 3 3. EXPORTAÇÃO 5 4.

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas 30 11 2012 As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas Teodora Cardoso 1ª Conferência da Central de Balanços Porto, 13 Dezembro 2010 O Banco de Portugal e as Estatísticas O Banco de

Leia mais

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros .2 Situação patrimonial dos setores não financeiros No primeiro semestre de 203, prosseguiu o processo de ajustamento gradual dos desequilíbrios no balanço dos particulares 3 Nos primeiros seis meses de

Leia mais

Crédito ao sector privado não financeiro (taxas de variação homóloga)

Crédito ao sector privado não financeiro (taxas de variação homóloga) G1 Crédito ao sector privado não financeiro (taxas de variação homóloga) 35 3 25 Em percentagem 2 15 1 5 Jan-91 Jan-92 Jan-93 Jan-94 Jan-95 Jan-96 Jan-97Jan-98 Jan-99 Jan- Jan-1 Sociedades não Financeiras

Leia mais

CONTAS CONSOLIDADAS I.A.S. 1º Trimestre 2009

CONTAS CONSOLIDADAS I.A.S. 1º Trimestre 2009 CONTAS CONSOLIDADAS I.A.S. 1º Trimestre 2009 Av. Vasco da Gama, 1410 4431-956 Telefone 22-7867000 Fax 22-7867215 Registada na C.R.C. de sob o nº 500239037 Capital Social: Euro 35.000.000 Sociedade Aberta

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 05 Maio 2015 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

Carga fiscal passou de 32,4% do PIB em 2012 para 34,9% em 2013

Carga fiscal passou de 32,4% do PIB em 2012 para 34,9% em 2013 Estatísticas das Receitas Fiscais 1995-2013 15 de maio de 2014 Carga fiscal passou de 32,4% do PIB em 2012 para 34,9% em 2013 Em 2013, a carga fiscal aumentou 8,1%, após a diminuição observada em 2012,

Leia mais

Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000-2001

Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000-2001 Economia dos EUA e Comparação com os períodos de - e - Clara Synek* O actual período de abrandamento da economia dos EUA, iniciado em e previsto acentuar-se no decurso dos anos /9, resulta fundamentalmente

Leia mais

Em termos nominais, as exportações aumentaram 0,9% e as importações diminuíram 1,8%

Em termos nominais, as exportações aumentaram 0,9% e as importações diminuíram 1,8% Estatísticas do Comércio Internacional Janeiro 2015 12 de Março de 2015 Em termos nominais, as exportações aumentaram 0,9% e as importações diminuíram 1,8% As exportações de bens aumentaram 0,9% e as importações

Leia mais

Hotelaria mantém crescimento mas com desaceleração no número de hóspedes e de dormidas

Hotelaria mantém crescimento mas com desaceleração no número de hóspedes e de dormidas Atividade Turística Fevereiro de 20 15 de Abril de 20 Hotelaria mantém crescimento mas com desaceleração no número de hóspedes e de dormidas Os estabelecimentos hoteleiros registaram cerca de 2 milhões

Leia mais

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas Porto, 28 de Janeiro de 2014 Índice 1. Enquadramento 2. A aicep Portugal Global 3. Produtos e serviços AICEP Enquadramento Enquadramento

Leia mais

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Mudanças recentes na situação socioeconómica portuguesa A evolução recente da economia portuguesa têm-se caracterizado por um

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Dezembro de 2013 Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Relatório Gestão Sumário Executivo 2 Síntese Financeira O Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA apresenta em 31 de Dezembro de 2013, o valor de 402

Leia mais

Produto Interno Bruto 100.0 0.3 1.2 1.5 0.3 0.8 1.0

Produto Interno Bruto 100.0 0.3 1.2 1.5 0.3 0.8 1.0 Textos de Política e Situação Económica Verão 26 PERSPECTIVAS PARA A ECONOMIA PORTUGUESA: 26-27 1. INTRODUÇÃO Neste artigo apresenta-se o cenário macroeconómico para a economia portuguesa projectado pelo

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 03 março 2012 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e do Emprego G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais

Leia mais

Newsletter Informação Semanal 21-09 a 27-09-2015

Newsletter Informação Semanal 21-09 a 27-09-2015 EUR / Kg Peso Carcaça CONJUNTURA SEMANAL Newsletter Informação Semanal 21-09 a 27-09- As Newsletter do SIMA podem também ser consultadas no facebook em: https://www.facebook.com/sima.portugal Na semana

Leia mais

Conta Satélite da Saúde 2010-2012Pe

Conta Satélite da Saúde 2010-2012Pe Conta Satélite da Saúde 21-212Pe 21 de junho de 213 Em 212 a despesa corrente em saúde voltou a diminuir Em 212, a despesa corrente em saúde voltou a diminuir significativamente (-5,5), após ter registado

Leia mais

A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA E A COOPERAÇÃO COM OS PAÍSES LUSÓFONOS

A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA E A COOPERAÇÃO COM OS PAÍSES LUSÓFONOS PORTUGAL A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA E A COOPERAÇÃO COM OS PAÍSES LUSÓFONOS Maria Celeste Hagatong Comissão Executiva do Banco BPI Lisboa, 3 de Junho

Leia mais

Análise ao Comércio Externo de Equipamento Elétrico e Eletrónico

Análise ao Comércio Externo de Equipamento Elétrico e Eletrónico Análise ao Comércio Externo de Equipamento Elétrico e Eletrónico Janeiro Dezembro 2013 1. Análise global Setor Elétrico e Eletrónico Confirma-se uma tendência decrescente na evolução do comércio externo

Leia mais

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP PME em Números PME em Números 1 Nota introdutória De acordo com o disposto na definição europeia 1, são classificadas como PME as empresas com menos de 250 trabalhadores cujo volume de negócios anual não

Leia mais

Hotelaria com aumentos nos hóspedes, dormidas e proveitos

Hotelaria com aumentos nos hóspedes, dormidas e proveitos Atividade Turística Janeiro de 2014 19 de março de 2014 Hotelaria com aumentos nos hóspedes, dormidas e proveitos A hotelaria registou 1,7 milhões de dormidas em janeiro de 2014, valor que corresponde

Leia mais

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 NOTA METODOLÓGICA De acordo com a definição nacional, são pequenas e médias empresas aquelas que empregam menos de 500 trabalhadores, que apresentam um volume de

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro

Leia mais

Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas

Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas Atividade Turística Dezembro de 2012 14 de fevereiro de 2013 Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas As dormidas na hotelaria atingiram 1,7 milhões em dezembro 2012, mais 1,9%

Leia mais

Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico

Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico 2º Trimestre de 2015 Recuperação sustentada do crescimento 1. Conjuntura Sectorial Nota: Os índices que se seguem resultam da média aritmética das

Leia mais

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS REFORMAS FISCAIS A CIP lamenta que a dificuldade em reduzir sustentadamente a despesa pública tenha impedido que o Orçamento do Estado

Leia mais

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA http://www.anacom.pt/template12.jsp?categoryid=168982 INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA DO SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA 3º TRIMESTRE DE 2005 NOTA: O presente documento constitui

Leia mais

Em termos nominais, as exportações aumentaram 8,2% e as importações aumentaram 7,4%

Em termos nominais, as exportações aumentaram 8,2% e as importações aumentaram 7,4% Estatísticas do Comércio Internacional Abril 215 9 de junho de 215 Em termos nominais, as exportações aumentaram 8,2% e as importações aumentaram 7,4% As exportações de bens aumentaram 8,2% e as importações

Leia mais

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 11 Páginas Sem figuras nem imagens, Entrelinha

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas

Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas Fórum novo millenium Nuno Mangas Covilhã, 22 Setembro 2011 Índice 1 Contextualização 2 Os CET em Portugal 3 Considerações Finais 2 Contextualização

Leia mais

Comércio Internacional Saídas aumentam 15,1% e Entradas diminuem 3,6%

Comércio Internacional Saídas aumentam 15,1% e Entradas diminuem 3,6% 09 de janeiro de 2012 Estatísticas do Comércio Internacional Novembro de 2011 Comércio Internacional Saídas aumentam 15,1% e Entradas diminuem 3,6% No período de setembro a novembro de 2011, as saídas

Leia mais

Portugal será o 3º país da UE com tributação automóvel mais elevada

Portugal será o 3º país da UE com tributação automóvel mais elevada Portugal será o 3º país da UE com tributação automóvel mais elevada O Automóvel Club de Portugal propõe: Que não limite o incentivo ao abate na aquisição de carros novos que emitam mais 140 g/km. Que não

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros Danos d. Automóvel II PROVISÕES TÉCNICAS E ATIVOS REPRESENTATIVOS

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 11.º ou 12.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 11 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

Hotelaria manteve crescimento de dois dígitos mas com desaceleração particularmente no mercado interno

Hotelaria manteve crescimento de dois dígitos mas com desaceleração particularmente no mercado interno Atividade Turística Novembro de 2014 19 de janeiro de 2015 Hotelaria manteve crescimento de dois dígitos mas com desaceleração particularmente no mercado interno As dormidas na hotelaria fixaram-se em

Leia mais

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro.

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro. Abr-04 Abr-05 Abr-06 Abr-07 Abr-08 Abr-09 Abr-10 Abr-11 Abr-12 Análise de Conjuntura Maio 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos

Leia mais

Sociedade de Geografia de Lisboa

Sociedade de Geografia de Lisboa Sociedade de Geografia de Lisboa Tema A internacionalização das empresas portuguesas para os Países da Europa Central e Oriental (PECO) Autor Rui Paulo Almas Data Lisboa, 25 de Junho de 2012 1 A internacionalização

Leia mais

Por que a CPMF é um problema para o Brasil?

Por que a CPMF é um problema para o Brasil? Por que a CPMF é um problema para o Brasil? 1 A Carga Tributária Brasileira Muito pesada para um país que precisa crescer 2 A carga tributária brasileira vem apresentando crescimento 40% 30% 26,9% 27,8%

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

Leia mais

Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas. Algumas Medidas de Política Orçamental

Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas. Algumas Medidas de Política Orçamental Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas Algumas Medidas de Política Orçamental CENÁRIO O ano de 2015 marca um novo ciclo de crescimento económico para Portugal e a Europa. Ante tal cenário,

Leia mais

Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE

Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE Cenário de referência O estudo WETO apresenta um cenário de referência que descreve a futura situação energética

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 NATURTEJO EMPRESA DE TURISMO - EIM MARÇO, CASTELO BRANCO 2013 Nos termos legais e estatutários, vimos submeter a apreciação da assembleia Geral o Relatório de Gestão, as contas,

Leia mais

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos).

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos). Nov-02 Nov-03 Nov-04 Nov-05 Nov-06 Nov-07 Nov-08 Nov-09 Nov-10 Nov-12 Análise de Conjuntura Dezembro 2012 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer

Leia mais

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 Abrandamento da atividade económica mundial ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1.1. Evolução da conjuntura internacional A atividade económica mundial manteve o abrandamento

Leia mais

Portugal: Mantém-se o ritmo de recuperação débil, mas estável, em 4T14

Portugal: Mantém-se o ritmo de recuperação débil, mas estável, em 4T14 dez 1 ANÁLISE ECONÓMICA Portugal: Mantém-se o ritmo de recuperação débil, mas estável, em T1 Miguel Jiménez / Agustín García / Diego Torres / Massimo Trento / Ana María Almeida Claudino Neste último trimestre

Leia mais

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos 2012 1 2 Sobre a COSEC O que é o Seguro de Créditos

Leia mais

indicadores 1. Hóspedes 1.1. Número total de hóspedes 1.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 1.3. Hóspedes por país de origem

indicadores 1. Hóspedes 1.1. Número total de hóspedes 1.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 1.3. Hóspedes por país de origem boletim trimestral - n.º 2 - setembro 2013 algarve conjuntura turística indicadores 1. Hóspedes 1.1. Número total de hóspedes 1.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 1.3. Hóspedes por país de origem

Leia mais

Preçário dos Cartões Telefónicos PT

Preçário dos Cartões Telefónicos PT Preçário dos Cartões Telefónicos PT Cartão Telefónico PT 5 e (Continente)... 2 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma dos Açores)... 6 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma da Madeira)... 10 Cartão

Leia mais

Previsões do inverno de 2014: recuperação económica ganha terreno

Previsões do inverno de 2014: recuperação económica ganha terreno COMISSÃO EUROPEIA COMUNICADO DE IMPRENSA Bruxelas/Estrasburgo, 25 de fevereiro de 2014 Previsões do inverno de 2014: recuperação económica ganha terreno As previsões do inverno da Comissão Europeia preveem

Leia mais

Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro

Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro Clara Synek * Resumo O aumento da incerteza relativo às perspectivas económicas, do mercado de trabalho,

Leia mais

Transportes em Portugal

Transportes em Portugal Transportes em Portugal Transportes em Portugal 1 PROCURA CARGA MOVIMENTADA TRANSPORTE PROFISSIONAL RODOVIÁRIO DE MERCADORIAS Segmentos de 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Mercado 10 3 ton % 10 3 ton % 10

Leia mais

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer pelo conjunto

Leia mais

Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública

Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública N.º 7 Abril 2015 Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública Na edição de abril de 2015 do Boletim Estatístico são divulgadas as contas

Leia mais

Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional

Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional Encontro Econômico Brasil-Alemanha Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional Jackson Schneider Presidente Anfavea Blumenau, 19 de novembro de 2007 1 Conteúdo 2 1. Representatividade

Leia mais

Textos de política e situação económica

Textos de política e situação económica A ECONOMIA PORTUGUESA EM 1999 1. INTRODUÇÃO As previsões do Banco de Portugal apresentadas neste Boletim Económico apontam para uma desaceleração do Produto Interno Bruto (PIB) em 1999, que deverá crescer

Leia mais

EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL

EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL Ana Rita Ramos 1 Cristina Silva 2 1 Departamento de Análise de Riscos e Solvência do ISP 2 Departamento de Estatística e Controlo de Informação do ISP As opiniões

Leia mais

11. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (OUTROS CLIENTES) ( ÍNDICE)

11. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (OUTROS CLIENTES) ( ÍNDICE) 11.1. Cartões de crédito Designação do Redes onde o é 3. Substituição de 4. Inibição do 5. Comissão pela recuperação de valores em dívida 6. Não pagamento até à data limite Cartão Business 43,27 43,27

Leia mais

11. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (OUTROS CLIENTES) ( ÍNDICE)

11. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (OUTROS CLIENTES) ( ÍNDICE) 11.1. Cartões de crédito Designação do Redes onde o é 3. Substituição de 4. Inibição do 5. Comissão pela recuperação de valores em dívida 6. Não pagamento até à data limite Cartão Business Estrangeiro:

Leia mais

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO FEPICOP - FEDERAÇÃO PORTUGUESA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E OBRAS PÚBLICAS Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais

Leia mais

Associação Nacional das Empresas do Comércio e da Reparação Automóvel ANÁLISE SINTÉTICA DA SITUAÇÃO DO SETOR AUTOMÓVEL EM PORTUGAL 2012-2013

Associação Nacional das Empresas do Comércio e da Reparação Automóvel ANÁLISE SINTÉTICA DA SITUAÇÃO DO SETOR AUTOMÓVEL EM PORTUGAL 2012-2013 Associação Nacional das Empresas do Comércio e da Reparação Automóvel ANÁLISE SINTÉTICA DA SITUAÇÃO DO SETOR AUTOMÓVEL EM PORTUGAL 2012-2013 Abril 2013 1 MERCADO AUTOMÓVEL EM PORTUGAL EM 2012 De acordo

Leia mais

Economia Portuguesa. GPEARI - Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais (MFAP)

Economia Portuguesa. GPEARI - Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais (MFAP) Economia Portuguesa 2009 GPEARI - Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais (MFAP) MFAP GPEARI Unidade de Política Económica i i Ficha Técnica Título Economia Portuguesa

Leia mais

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer por uma competitiva

Leia mais

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1.

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1. Jan-04 Jan-05 Jan-06 Jan-07 Jan-08 Jan-09 Jan-10 Jan-11 Jan-12 Análise de Conjuntura Fevereiro 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9

Leia mais