A Urgência de Centros de Pesquisa Pré-Clínica e Clínica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Urgência de Centros de Pesquisa Pré-Clínica e Clínica"

Transcrição

1 Complexo Econômico-Industrial de Saúde Em Busca de Uma Articulação entre Inovação, Acesso e Desenvolvimento Industrial. Infra-Estrutura de Inovação no Brasil: A Urgência de Centros de Pesquisa Pré-Clínica e Clínica Odorico de Moraes, MD, MSc, PhD Universidade Federal do Ceará

2 Agradecimentos: - Luciano Coutinho - Pedro Palmeira - José Gomes Temporão - Reinaldo Guimarães

3

4 Quem não conhece o passado não entende o presente e não saberá planejar o futuro

5 Histórico da PD&I de Medicamentos IG FARBEN A implantação da Indústria Farmacêutica na Alemanha ocorreu nos meados do século s XIX nas indústrias de corantes. Os Liceus formaram técnicos t para a indústria. Os Centros de PD&I foram criados dentro das indústrias Alemanha: : Bayer, Hoechst,, Basf e AGFA (IG Farben) Merck, Boehringer e Knoll Schering

6 Histórico da PD&I de Medicamentos NIBR Centros de Pesquisa na Indústria Suíça: Ciba, Geigy, Sandoz e Hoffman - La Roche Ciba-Geigy e Sandoz Novartis (The Novartis Institute for BioMedical Research - NIBR)

7 Histórico da PD&I de Medicamentos A A implantação da Indústria Farmacêutica nos EUA ocorreu entre a primeira e a segunda Guerras Mundiais resultado da interação com os pesquisadores nas Universidades. Universidades pesquisam para indústria Parke Davis, Upjhon e Eli Lilly Centros de Pesquisa na Indústria associados a Agências Governamentais: Eli Lilly + NIH Bayh-Dole Act (1980)

8 Histórico da PD&I de Medicamentos Centros de Pesquisa na Indústria associados à Agências Governamentais e Institutos de Pesquisa Inglaterra: Medical Research Council (MRC) e Burroughs Wellcome MRC e Imperial Chemical Industries (ICI) França: a: Sociedade Rhône-Poulenc e Instituto Pasteur

9 Histórico da PD&I de Medicamentos A indústria farmacêutica surgiu no Brasil em decorrência do boicote alemão durante a Segunda Guerra Mundial com pequenas indústrias para copiar os medicamentos então existentes.

10 Modelos Brasileiros para PD&I de Medicamentos Gerenciamento de PD&I Associando a Universidade e a Indústria COINFAR (Biolab( Sanus,, Aché e União Química). PLANTARIUM Eurofarma, Aché e Cristália Agências governamentais financiam a PD&I de Medicamentos FIOCRUZ IM-INOFAR INOFAR Centros de PD&I de Medicamentos nas Universidades para interação com a indústria UNIFAC: Medicamentos Genéricos CPDM da UFC

11

12

13 Se sós fazemos o que sempre fizemos teremos sempre e só, s, o que sempre tivemos. Granny Donaldson

14 Precisamos Dominar Toda a Cadeia da PD&I de Medicamentos Pesquisa de moléculas, testes pré-clínicos e clínicos para a determinação da eficácia e segurança de novos medicamentos. 2 a 4 anos 8 a 10 anos Desenvolvimento Desenvolvimento Pesquisa Farmacotécnica Registro Pré-Clínico Clínico Pós-comercialização Síntese Prospecção Identificação de Alvos Testes Farmacológicos (Eficácia) Testes Toxicológicos (Segurança) Formulação Fase I Fase II Fase III Registro Fase IV Químicos Bioquímicos Farmacologistas Toxicologistas Bioestatísticos Farmacêutico Industrial Farmacologistas clínicos, médicos,dentistas, enfermeiros, farmacêuticos, bioestatísticos, químicos, fisioterapeutas,etc. Técnico de Registro Médicos

15 Política de Desenvolvimento Produtivo (PDP) Complexo Econômico - Industrial da Saúde (CIS) Um país que quer manter a sua soberania precisa ter uma indústria farmacêutica nacional como base de sua estratégia. Tony Blair

16 Indústrias Farmacêuticas no Território Brasileiro

17 Estado Atual da Indústria Farmacêutica no Brasil Medicamentos referência (inovadores); Medicamentos com patentes vencidas e comercializados com marca (similares); Medicamentos genéricos (muitos importados prontos); Medicamentos em acordo de licenciamento com empresas estrangeiras; Medicamentos fitoterápicos desenvolvidos em outros países.

18 Opções para Investimento no Setor Industrial de Medicamentos Fármacos radicais (novas entidades químicas) Sildenafil (Viagra) Fármacos incrementais (me too / me better) Vardenafil (Levitra); Tadalafil (Cialis) Fármacos antigos para novos alvos e formulações Genéricos Aspirina Patentes expiradas Fitomedicamentos Biodiversidade Produção de fármacos (matéria prima) Mercado brasileiro Exportação

19 Por Que Necessitamos de CPDMs Por Que Necessitamos de CPDMs A PD&I de medicamentos requer um conhecimento multidisciplinar que envolve setores da pesquisa básica e aplicada da química a clínica. Qualquer política que vise nortear o setor da PD&I de medicamentos, deverá buscar a integração governo, academia e indústria. Disponibilidade de Financiamento: novo PROFARMA. FUNTEC - BNDES. Empresas capitalizadas pelos genéricos procuram investir em inovação.

20 Por Que Necessitamos de CPDMs Por Que Necessitamos de CPDMs Somente poucas empresas internacionais detém m o conhecimento e a tecnologia da PD&I de medicamentos; Poucas indústrias dominam tecnologia farmacêutica; Desconhecimento das novas tecnologias utilizadas na formulação de medicamentos; Dependência de matéria prima importada; Deficiência de recursos humanos qualificados;

21 Capital Por Que Necessitamos de CPDMs Capital limitado nas indústrias nacionais para investimento em infra-estruturas para centros de PD&I de medicamentos; Inadequação das instalações nas indústrias estatais; Pouca interação com as universidades; Ausências de comitês científicos para auxiliar nas tomadas de decisão para investir na PD&I de medicamentos; Desconhecimento da tecnologia de transformação Desconhecimento da da produção laboratorial para produção industrial.

22

23

24 THE ROAD TO RECOVERY Brazil urgently needs to improve infrastructure for generating pharmaceuticals to alleviate the plight of its poor and marginalized populations C.M. Morel, J.R. Carvalheiro, C.N.P. Romero. E.A. Costa & P.M. Buss. NATURE, set 2007

25 Por Que o Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Medicamentos da UFC Base acadêmica sólida (64 doutores) Recursos humanos qualificados e competentes Técnicos, mestres e doutores na área de P&D de medicamentos Equipamentos iguais aos dos melhores institutos de pesquisa Experiência em prestação de serviços para a indústria

26 Experiência na P&D de Medicamentos Experiência na P&D de Medicamentos O grupo de pesquisa já realizou quase 3 centenas de ensaios clínicos: 152 estudos de bioequivalência de genéricos 29 estudos de eficácia e toxicologia de fitoterápicos 21 estudos de fase II e III de fármacos anticâncer 79 estudos clínicos diversos de fase II, III e IV 05 estudos de fase I

27 PARCERIAS DE PESQUISA Laboratório Nacional de Prospecção de Moléculas com Atividade Anticâncer: LOE Rede Brasileira de Pesquisa Clínica em Hospitais de Ensino: UNIFAC/HM/HSJ REQBIO Rede Brasileira de Centros Públicos de Equivalência e Bioequivalência Núcleo de Medicina Tropical Hospital São José de Doenças Infecciosas Hospital do Câncer do Ceará - ICC Centro Integrado de Hipertensão e Diabetes Centro de Referência Nacional em Dermatologia Sanitária D. Libânia

28 ICM UFPE USP-SC UCB UFMS UEG UFPA Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Medicamentos da UFC UFBA UFAL INPA NCI UVA UEL UFRGS UNESP UFG USP-RP Novos Colaboradores

29

30 Missão do CPDM Prover assistência tecnológica e inovação para indústrias farmacêuticas atuando nas diversas etapas da cadeia produtiva de medicamentos, contribuindo, dessa forma, para diminuir a dependência externa no setor e prover a sociedade com medicamentos de qualidade a um custo acessível à população de baixa renda, assegurando, assim, uma melhor assistência no setor de saúde.

31 Áreas de Atuação do CPDM PD&I de medicamentos Prospecção química e farmacológica Química medicinal Pesquisa Pré-clínica Pesquisa Clínica Farmacotécnica Controle de qualidade de medicamentos Produtos naturais como fonte de medicamentos Capacitação de recursos humanos

32 Ações do CPDM Bioprospecção de novas moléculas com atividade farmacológica. Síntese química de compostos com atividade farmacológica. Testes farmacológicos não clínicos. Testes toxicológicos pré-cl clínicos. Testes clínicos: fase I, II, III e IV. Estudos de biodisponibilidade/bioequivalência. Estudos de eficácia cia e segurança a com fitomedicamentos. Desenvolvimento de novas formulações. Capacitação de recursos humanos na área de P&D de medicamentos. Interação com indústrias farmacêuticas nacionais e transnacionais. Identificação e caracterização de novos alvos terapêuticos. Criação de bancos de extratos e moléculas. Registro de patentes. Incubadora de empresas. Assessoria a indústria farmacêutica.

33 Metas do CPDM Atender as estratégias do Complexo Industrial da Saúde. Reduzir os gargalos para a PD&I de medicamentos no País. Nuclear indústrias farmacêuticas que poderão se beneficiar da assessoria técnica e a prestação de serviços do CPDM para criar um pólo p industrial farmacêutico no Ceará. Atender a demanda de PD&I de medicamentos da indústria. Atender a demanda de PD&I de medicamentos do SUS. Pesquisar e desenvolver fármacos f e medicamentos inovadores. Estudar os medicamentos na busca de novas aplicações terapêuticas. Estimular o desenvolvimento da química farmacêutica. Pesquisar e desenvolver medicamentos para doenças negligenciadas. Contribuir para a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. Contribuir para o estudo da biodiversidade como fonte de medicamentos. Estimular a criação de incubadoras.

34 Produtos do CPDM Parque tecnológico químico mico-farmacêutico. Pólo industrial farmacêutico no Ceará. Ampliação do número n de empregos na indústria farmacêutica. Recursos Humanos: Técnicos, T mestres e doutores. Patentes de alvos terapêuticos, fármacos, f medicamentos. Medicamentos de qualidade acessíveis à população de baixa renda. Contribuir para a inclusão social ampliando o acesso aos medicamentos

35 Produtos do CPDM Medicamentos inovadores. Controle de Genéricos e Similares de qualidade. Fitoterápicos com eficácia cia e segurança a comprovadas. Novas aplicações terapêuticas para medicamentos jáj disponíveis. Novos alvos terapêuticos. Medicamentos para doenças negligenciadas. INTEGRAÇÃO ENTRE GOVERNO, ACADEMIA E INDÚSTRIA.

36 Vantagens de uma Integração entre a Indústria e o CPDM Agilidade e rapidez nos resultados (todas as etapas da cadeia produtiva de medicamentos em um mesmo lugar). Resultados fidedignos (Pesquisadores experientes e conhecedores da PD&I de medicamentos). Pesquisa de qualidade (obedecendo as GCP e GLP). Segurança dos resultados obtidos (confidencialidade). Autonomia administrativa (agilidade nos contratos). Laboratórios aparelhados e planejados para a atividade pretendida. Redução dos custos da pesquisa. O CPDM coordena uma rede de colaboradores em 17 instituições de pesquisa.

37 Impacto Econômico e Social Incremento da P&D de medicamentos na indústria farmacêutica nacional Diminuição da dependência externa no setor de fármacos e medicamentos Recursos humanos qualificados para atender a demanda da indústria farmacêutica Inclusão social

38

39 Em Breve o CPDM-UFC estará pronto para novos desafios e parcerias que possam contemplar os objetivos do Complexo Econômico Industrial da Saúde.

40 A Cadeia Multidisciplina do Desenvolvimento de Medicamentos Biólogos Químicos Bioquímicos Farmacêuticos Fontes de Novas Moléculas Química de Extração e Síntese Identificação de alvos terapêuticos Formulações Farmacologistas Indústria Farmacêutica. Farmácias e Hospitais INCUBADORA Farmacologistas Clínicos nicos, Médicos, Enfermeiros e Farmacêuticos. Experimentos Clínicos Experimentos Pré-Clínicos

41 O QUE DEVEREMOS OFERECER NO CPDM O QUE DEVEREMOS OFERECER NO CPDM UNIDADES: Farmacologia Clínica e Pesquisa Clínica Farmacologia e Toxicologia Pré-Clínica Prospecção de Novas Moléculas Química Medicinal Desenvolvimento de Formulações (Galênica) Analítica de Fármacos e Medicamentos Farmacogenética Cirurgia experimental BANCO DE EXTRATOS E DE MOLÉCULAS UNIDADE ADMINISTRATIVA BIOTÉRIO

42

43

44

45

46

47

48

49

50

51 Biotério

52 Há homens que vêem coisas que existem e perguntam: Por que existem? Sonho com coisas que jamais existiram e pergunto: Por que não?. John Kennedy

53 O desenvolvimento de novos medicamentos pode ser comparado a uma pescaria, que poderá não render um único peixe...

54 ... Mas, se você não for pescar, nunca pegará um! Tucunaré de 7,6 Kg Rio Sucunduri AM agosto de 2007

55

PANORAMA DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

PANORAMA DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS LABORATÓRIO DE TECNOLOGIA DOS MEDICAMENTOS PANORAMA DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA Prof. Pedro Rolim PANORAMA

Leia mais

Como se insere a Farmacologia?

Como se insere a Farmacologia? Seminário sobre Formação de RH para CT&I: A Formação em Farmácia - Perspectivas e necessidades na área de Medicamentos Novas Drogas e Patentes Como se insere a Farmacologia? Giles Alexander Rae (UFSC)

Leia mais

DA AGENDA CONSTRUÇÃO EMPRESA GOVERNO. Participação da sociedade ACADEMIA. Três Workshops. Consultores especializados

DA AGENDA CONSTRUÇÃO EMPRESA GOVERNO. Participação da sociedade ACADEMIA. Três Workshops. Consultores especializados Participação da sociedade CONSTRUÇÃO DA AGENDA Três Workshops Consultores especializados Colaboradores e revisores internos e externos Pesquisa de campo EMPRESA ACADEMIA GOVERNO AGENDA DE BIOECONOMIA:

Leia mais

PARCERIA COM FAPESP PARA CRIAÇÃO DO CAT-CEPID

PARCERIA COM FAPESP PARA CRIAÇÃO DO CAT-CEPID O QUE É O COINFAR? É uma ação coordenada entre as empresas Biolab Sanus, Biosintética (Aché) e União Química para investimentos em projetos tecnológicos, principalmente aqueles derivados das universidades

Leia mais

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos A formação em Farmácia Seminário do BNDES 7 de maio de 2003 Por que RH para Fármacos e Medicamentos? Fármacos e Medicamentos como campo estratégico

Leia mais

PARQUE TECNOLÓGICO DE RIBEIRÃO PRETO

PARQUE TECNOLÓGICO DE RIBEIRÃO PRETO PARQUE TECNOLÓGICO DE RIBEIRÃO PRETO SUMÁRIO EXECUTIVO O Parque Tecnológico de Ribeirão Preto é um empreendimento imobiliário e tecnológico com características especificamente projetadas, incluindo serviços

Leia mais

Hoje 10:00 às 11:30: Parceria entre Academia e Indústria para o Desenvolvimento de Novos Medicamentos no Brasil

Hoje 10:00 às 11:30: Parceria entre Academia e Indústria para o Desenvolvimento de Novos Medicamentos no Brasil Curso III Prof. Dr. Eduardo Pagani Médico (USP), Mestre (UNIFESP), Doutor (USP) Gerente de Pesquisa Clínica do Lab. Cristália Diretor de Educação da SOBRAFITO Hoje 10:00 às 11:30: Parceria entre Academia

Leia mais

Inovação em fármacos no Brasil. Alexander Triebnigg, Presidente do Conselho da Febrafarma São Paulo, 28 de maio de 2009

Inovação em fármacos no Brasil. Alexander Triebnigg, Presidente do Conselho da Febrafarma São Paulo, 28 de maio de 2009 Inovação em fármacos no Brasil Alexander Triebnigg, Presidente do Conselho da Febrafarma São Paulo, 28 de maio de 2009 Inovação é consenso no Brasil Indústria farmacêutica brasileira investe de forma crescente

Leia mais

5º WCTI - Workshop de Ciência, Tecnologia e Inovação, INOVAÇÃO, SAÚDE e UNIVERSIDADE 07 de novembro de 2013 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO DE JANEIRO,

5º WCTI - Workshop de Ciência, Tecnologia e Inovação, INOVAÇÃO, SAÚDE e UNIVERSIDADE 07 de novembro de 2013 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO DE JANEIRO, 5º WCTI - Workshop de Ciência, Tecnologia e Inovação, INOVAÇÃO, SAÚDE e UNIVERSIDADE 07 de novembro de 2013 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO DE JANEIRO, Marcio Falci Assessor da Presidencia Científica BIOLAB

Leia mais

XXXIV Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Farmacêutica

XXXIV Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Farmacêutica XXXIV Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Farmacêutica Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANVISA: Desafios e Metas para o Próximo Triênio INSTITUÍDA Anvisa Desafios e Metas para o Próximo

Leia mais

A inovação na perspectiva de uma. Thais Guaratini

A inovação na perspectiva de uma. Thais Guaratini A inovação na perspectiva de uma microempresa de base tecnológica Thais Guaratini Micro-empresa de base tecnológica, cuja missão é o desenvolvimento de produtos inovadores e de qualidade para a indústria

Leia mais

Inovação em Oncologia no Brasil. Jose Fernando Perez Diretor Presidente

Inovação em Oncologia no Brasil. Jose Fernando Perez Diretor Presidente Inovação em Oncologia no Brasil Jose Fernando Perez Diretor Presidente 1 Anticorpos Monoclonais e Peptídeos para Tratamento do Câncer Recepta Biopharma é uma empresa de biotecnologia dedicada a P&D para

Leia mais

MAIORES EMPRESAS AS CAMPEÃS DE 25 SETORES OS DESTAQUES DE CADA REGIÃO ESPECIAL ANÁLISE DOS BALANÇOS AS 250 MAIORES HOLDINGS OS 100 MAIORES BANCOS

MAIORES EMPRESAS AS CAMPEÃS DE 25 SETORES OS DESTAQUES DE CADA REGIÃO ESPECIAL ANÁLISE DOS BALANÇOS AS 250 MAIORES HOLDINGS OS 100 MAIORES BANCOS www.valoronline.com.br Agosto 2011 Ano 11 Número 11 R$ 20,00 VALOR ECONÔMICO AS 250 MAIORES HOLDINGS OS 100 MAIORES BANCOS edição 2011 MAIORES EMPRESAS AS CAMPEÃS DE 25 SETORES OS DESTAQUES DE CADA REGIÃO

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.813, DE 22 DE JUNHO DE 2006. Aprova a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos e dá outras providências.

Leia mais

Os desafios de empresas de P&D: o caso da biotecnologia para a saúde humana. José Fernando Perez Diretor Presidente

Os desafios de empresas de P&D: o caso da biotecnologia para a saúde humana. José Fernando Perez Diretor Presidente Os desafios de empresas de P&D: o caso da biotecnologia para a saúde humana José Fernando Perez Diretor Presidente 1 Por que no Brasil? (1) Alavancando vantagens locais Recursos humanos altamente qualificados:

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES 1 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL 1.1. Perfil Comum: Farmacêutico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva.

Leia mais

Biotecnologia como Geração de Conhecimentos e Benefícios Ampliados. Foco:- Redes Fito e a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos

Biotecnologia como Geração de Conhecimentos e Benefícios Ampliados. Foco:- Redes Fito e a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos Biotecnologia como Geração de Conhecimentos e Benefícios Ampliados Foco:- Redes Fito e a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos Wanderli Pedro Tadei tadei@inpa.gov.br CENÁRIOS ATUAIS DA

Leia mais

Laboratório de Desenvolvimento de Novas Formulações - LDNF Universidade Federal Fluminense

Laboratório de Desenvolvimento de Novas Formulações - LDNF Universidade Federal Fluminense Laboratório de Desenvolvimento de Novas Formulações - LDNF Universidade Federal Fluminense Spin-off especializada em otimização de processos industriais de obtenção de produtos naturais de origem vegetal

Leia mais

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação CONCEITOS DE INOVAÇÃO Título da Apresentação Novo Marco Legal para Fomento à P,D&I Lei de Inovação. Nº 10.973 (02.12.04) Apresenta um conjunto de medidas de incentivos à inovação científica e tecnológica,

Leia mais

Pesquisa Clínica Intercâmbio de Conhecimento e Fator Gerador de Riquezas. Dr. Mário Bochembuzio Merck Sharp Dohme

Pesquisa Clínica Intercâmbio de Conhecimento e Fator Gerador de Riquezas. Dr. Mário Bochembuzio Merck Sharp Dohme Pesquisa Clínica Intercâmbio de Conhecimento e Fator Gerador de Riquezas Dr. Mário Bochembuzio Merck Sharp Dohme Agenda Cadeia de valor e inovação em saúde Desafios e oportunidades Investimentos em P &

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ CENTRO DE PESQUISAS GONÇALO MONIZ

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ CENTRO DE PESQUISAS GONÇALO MONIZ SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ CENTRO DE PESQUISAS GONÇALO MONIZ RESOLUÇÃO Nº 08/2008 Institui e regulamenta as normas para o Funcionamento dos Serviços de Diagnóstico

Leia mais

Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior Construindo o Brasil do Futuro

Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior Construindo o Brasil do Futuro Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior Construindo o Brasil do Futuro Mario Sergio Salerno Diretor de Estudos Setoriais do IPEA 1 de julho de 2005 Uma nova trajetória de desenvolvimento

Leia mais

A Iniciativa de P&D da Empresa X

A Iniciativa de P&D da Empresa X Projetos 1. Eliezer Barreiro Fármacos antinflamatórios 2. Valdir Cechinel Filho Hiperplasia Benigna da Próstata- fitoterápico 3. Valdir Cechinel Filho Analgésico - fitoterápico 4. Sérgio T. Ferreira Doença

Leia mais

Resenha Histórica: O início do ensino farmacêutico na Universidade de Coimbra remonta aos finais do séc. XVI. Finais do séc. XVI: Curso prático de

Resenha Histórica: O início do ensino farmacêutico na Universidade de Coimbra remonta aos finais do séc. XVI. Finais do séc. XVI: Curso prático de Resenha Histórica: O início do ensino farmacêutico na Universidade de Coimbra remonta aos finais do séc. XVI. Finais do séc. XVI: Curso prático de boticários na Universidade de Coimbra. 1772: Reforma da

Leia mais

Agenda Regulatória Ciclo Quadrienal 2013-2016

Agenda Regulatória Ciclo Quadrienal 2013-2016 ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária Regulação Sanitária no Contexto da Política Tecnológica e de Inovação Agenda Regulatória Ciclo Quadrienal 2013-2016 Eixo 1: Complexo Produtivo e de Ciência,

Leia mais

Novos Negócios Farma

Novos Negócios Farma Novos Negócios Farma *Estudos Pré-Clínicos no Brasil: atual cenário e oportunidades *P&D de Novas Moléculas no Brasil *Parcerias ICTs & Empresas: barreiras e oportunidades *Oportunidades e desafios do

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS 2004

RELATÓRIO DE GESTÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS 2004 RELATÓRIO DE GESTÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS 2004 1. Apreciação Global A existência de um Contrato de Desenvolvimento para a Medicina, celebrado entre a UNL e o Governo, em Dezembro de 2001, permitiu

Leia mais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais Alexandre Sylvio Vieira da Costa 1 1.Engenheiro Agrônomo. Professor Universidade Vale do Rio Doce/Coordenador Adjunto da Câmara

Leia mais

Núcleo de Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas (NPGCF/ UFS) Coordenador: Prof. Dr. Divaldo Pereira de Lyra Junio E-mail: lyra_jr@hotmail.

Núcleo de Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas (NPGCF/ UFS) Coordenador: Prof. Dr. Divaldo Pereira de Lyra Junio E-mail: lyra_jr@hotmail. Núcleo de Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas (NPGCF/ UFS) Coordenador: Prof. Dr. Divaldo Pereira de Lyra Junio E-mail: lyra_jr@hotmail.com HISTÓRICO 2000 Criação do Curso de Graduação em Farmácia

Leia mais

para o Tratamento do Câncer

para o Tratamento do Câncer Terapias Direcionadas para o Tratamento do Câncer 1 Anticorpos Monoclonais e Peptídeos para Tratamento do Câncer Recepta Biopharma é uma empresa de biotecnologia dedicada a P&D para o desenvolvimento de

Leia mais

O caso da vacina de DNA contra o vírus da febre amarela

O caso da vacina de DNA contra o vírus da febre amarela O caso da vacina de DNA contra o vírus da febre amarela Introdução Importância da inovação q Geração de tecnologias eficazes para o combate às doenças da pobreza q Redução de desigualdades na saúde mundial

Leia mais

Programa Complexo Industrial da Saúde

Programa Complexo Industrial da Saúde Programa Complexo Industrial da Saúde Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Setembro/2009 Gestor: Reinaldo Guimarães Cargo: Secretário de Ciência, Tecnologia

Leia mais

PRESIDENTE DA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA- ANVISA) Bom-dia, Ministro Presidente do Supremo Tribunal

PRESIDENTE DA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA- ANVISA) Bom-dia, Ministro Presidente do Supremo Tribunal O SR. DIRCEU RAPOSO DE MELLO (DIRETOR PRESIDENTE DA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA- ANVISA) Bom-dia, Ministro Presidente do Supremo Tribunal Federal, Ministro Gilmar Mendes, em nome de quem eu

Leia mais

Workshop sobre Apoio a Empresas de Base Tecnológica em SP Secretaria de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Econômico FAPESP

Workshop sobre Apoio a Empresas de Base Tecnológica em SP Secretaria de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Econômico FAPESP Workshop sobre Apoio a Empresas de Base Tecnológica em SP Secretaria de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Econômico FAPESP Aluysio Asti Superintendente da Área de Planejamento- BNDES Abril/2006 Marcos

Leia mais

O Papel da ANVISA na Regulamentação da Inovação Farmacêutica

O Papel da ANVISA na Regulamentação da Inovação Farmacêutica O Papel da ANVISA na Regulamentação da Inovação Farmacêutica Renato Alencar Porto Diretor 22 de junho de 2015 Bases legais para o estabelecimento do sistema de regulação Competências na Legislação Federal

Leia mais

Brasil é reconhecido por...

Brasil é reconhecido por... Brasil é reconhecido por... Fonte: Pesquisa Industrial Anual (IBGE); Sistema Alice (MDIC); Elaboração própria Fonte: Pesquisa Industrial Anual (IBGE); Sistema Alice (MDIC); Elaboração própria Fonte: Pesquisa

Leia mais

ATUAÇÃO DO FARMACÊUTICO NA PESQUISA CLÍNICA

ATUAÇÃO DO FARMACÊUTICO NA PESQUISA CLÍNICA 2ª Jornada de Ciências Farmacêuticas Centro Universitário Estadual da Zona Oeste UEZO - 2012 ATUAÇÃO DO FARMACÊUTICO NA PESQUISA CLÍNICA Robson Leite de Souza Cruz Instituto de tecnologia em Imunobiológicos

Leia mais

e Indústria de classe mundial Plenária Políticas de fomento, uso do poder de compras, e encomendas: perspectivas diante do cenário econômico atual

e Indústria de classe mundial Plenária Políticas de fomento, uso do poder de compras, e encomendas: perspectivas diante do cenário econômico atual Estado e Indústria de classe mundial Plenária Políticas de fomento, uso do poder de compras, e encomendas: perspectivas diante do cenário econômico atual Desempenho Conjuntural da Indústria Participação

Leia mais

3 O mercado farmacêutico

3 O mercado farmacêutico 3 O mercado farmacêutico Este capítulo contempla os conceitos básicos do mercado farmacêutico, a estrutura da cadeia produtiva farmacêutica e o arcabouço legal e regulatório aplicado ao setor. Aborda,

Leia mais

Fomento à Produção Nacional. Painel de Debate 16/4/2013

Fomento à Produção Nacional. Painel de Debate 16/4/2013 Fomento à Produção Nacional Painel de Debate 16/4/2013 A FINEP A FINEP - Agência Brasileira da Inovação - é uma empresa pública vinculada ao MCTI (Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação) criada em

Leia mais

Tecnologia e Inovação

Tecnologia e Inovação Painel 1 Tecnologia e Inovação Tadeu Pissinati Sant Anna Rio de Janeiro, 24 de agosto de 2010 Sumário I. Conceitos de Tecnologia e Inovação II. A inovação tecnológica no Brasil I. Conceitos 1) Tecnologia

Leia mais

Conferência Regional de Ciência, Tecnologia e Inovação. O Sistema Estadual de CTI e as Contribuições do Estado do Acre

Conferência Regional de Ciência, Tecnologia e Inovação. O Sistema Estadual de CTI e as Contribuições do Estado do Acre Conferência Regional de Ciência, Tecnologia e Inovação O Sistema Estadual de CTI e as Contribuições do Estado do Acre Belém Pará, 18 e 19 de Março de 2010 Localização Geográfica Estratégica 686.652 habitantes

Leia mais

CURSO DE BACHARELADO EM FARMÁCIA-FORMAÇÃO FARMACÊUTICO GENERALISTA

CURSO DE BACHARELADO EM FARMÁCIA-FORMAÇÃO FARMACÊUTICO GENERALISTA CURSO DE BACHARELADO EM FARMÁCIA-FORMAÇÃO FARMACÊUTICO GENERALISTA Coordenaçăo: Profª. MS. Érika Guimarães Costa E-mail: farmacia@immes.com.br Telefone (96)3223-4244 ramal: 217 O Curso forma o profissional

Leia mais

PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS ENERGIA NUCLEAR

PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS ENERGIA NUCLEAR Programas mobilizadores em áreas estratégicas PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS ENERGIA NUCLEAR Legenda: branco = PDP original Amarelo = modificação posterior ao lançamento da PDP Vermelho

Leia mais

OS NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A PÓS- GRADUAÇÃO DO NORDESTE

OS NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A PÓS- GRADUAÇÃO DO NORDESTE OS NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A PÓS- GRADUAÇÃO DO NORDESTE Maria Rita de Morais Chaves Santos (UFPI) Coordenação Regional FORTEC NE Coordenação NIT UFPI REDE NIT - NE Mrita/ufpi/2008 PERFIL Maria

Leia mais

Inovação, Regulação e Certificação. I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde

Inovação, Regulação e Certificação. I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde Inovação, Regulação e Certificação I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde São Paulo 11/04/2012 ABDI Criada pelo Governo Federal em 2004 Objetivo Objetivos Desenvolver ações

Leia mais

INSTRUMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE INOVAÇÃO. I. Objetivos e Metas. Objetivo (o quê) Alcance (quanto) Prazo de realização (quando)

INSTRUMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE INOVAÇÃO. I. Objetivos e Metas. Objetivo (o quê) Alcance (quanto) Prazo de realização (quando) INSTRUMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE INOVAÇÃO I. Objetivos e Metas 1. Liste os 5 principais objetivos de inovação para o horizonte de cinco anos, identificando: Objetivo 1 Objetivo 2 Objetivo 3 Objetivo

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz Escola Nacional de Saúde Pública Escola de Governo em Saúde Programa de Educação à Distância IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Equipe da Coordenação

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO. Novembro 2009

SUMÁRIO EXECUTIVO. Novembro 2009 SUMÁRIO EXECUTIVO Novembro 2009 1 Introdução A Biomm se dedica ao desenvolvimento de processos de produção baseados na biotecnologia, área em que a sua equipe foi pioneira no Brasil desde os anos 1970.

Leia mais

Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I

Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I 1. Plano de Ação A seguir apresenta-se uma estrutura geral de Plano de Ação a ser adotado pelo Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

Núcleo de Capital Inovador. Estratégia de Inovação e Difusão Tecnológica

Núcleo de Capital Inovador. Estratégia de Inovação e Difusão Tecnológica Núcleo de Capital Inovador Estratégia de Inovação e Difusão Tecnológica Anápolis cenário atual Segunda maior cidade do estado, com mais de 335 mil habitantes; 4,7 bilhões de reais de produto interno bruto,

Leia mais

Ciências da Vida x MPE:

Ciências da Vida x MPE: Ciências da Vida x MPE: Oportunidades e desafios Fernando Kreutz, M.D./Ph.D. Diretor-Presidente FK-Biotec Professor Faculdade de Farmácia da PUCRS Pesquisador CNPq DT IB Conselheiro Anprotec Empreendedor

Leia mais

Sessão Técnica C 3 : Monitoramento, Prospecção Tecnológica e Inteligência Competitiva de Medicamentos

Sessão Técnica C 3 : Monitoramento, Prospecção Tecnológica e Inteligência Competitiva de Medicamentos Sessão Técnica C 3 : Monitoramento, Prospecção Tecnológica e Inteligência Competitiva de Medicamentos Aspectos sobre inteligência tecnológica no desenvolvimento de medicamentos 16 de setembro de 2009 Estratégias

Leia mais

Inserção Internacional dos NITs Brasileiros

Inserção Internacional dos NITs Brasileiros Inserção Internacional dos NITs Brasileiros Denise Gregory Diretora de Cooperação para o Desenvolvimento INPI Seminário ETT/PUC-RS: Um decênio da história na gestão de PI e Transferência de Tecnologia

Leia mais

Levantamento da Base. Industrial de Defesa. Levantamento da Base. Industrial de Defesa (BID) Reunião Plenária do COMDEFESA

Levantamento da Base. Industrial de Defesa. Levantamento da Base. Industrial de Defesa (BID) Reunião Plenária do COMDEFESA Levantamento da Base Industrial de Defesa (BID) Levantamento da Base Reunião Plenária do COMDEFESA Industrial de Defesa São Paulo, 05 de março de 2012 (BID) Reunião Ordinária ABIMDE São Bernardo do Campo,

Leia mais

Plano Brasil Maior 2011/2014

Plano Brasil Maior 2011/2014 Plano Brasil Maior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Agenda Tecnológica Setorial ATS 18 de junho de 2013 Sumário PBM e CIS Objetivo da ATS Focos das ATS Roteiro Metodologia para Seleção

Leia mais

A Mobilização Empresarial pela Inovação: 25/05/2011

A Mobilização Empresarial pela Inovação: 25/05/2011 A Mobilização Empresarial pela Inovação: Desafios da Inovação no Brasil Rafael Lucchesi Rafael Lucchesi 25/05/2011 CNI e vários líderes empresariais fizeram um balanço crítico da agenda empresarial em

Leia mais

FUNDAÇÃO PARA O REMÉDIO POPULAR FURP SETRM 2015 USP/GAESI

FUNDAÇÃO PARA O REMÉDIO POPULAR FURP SETRM 2015 USP/GAESI FUNDAÇÃO PARA O REMÉDIO POPULAR FURP SETRM 2015 USP/GAESI FLAVIO VORMITTAG Médico pediatra FMUSP Especialização Medicina Farmacêutica UNIFESP Mestrado em Administração de Empresas FEA USP FURP - Superintendente

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS 2003

RELATÓRIO DE GESTÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS 2003 RELATÓRIO DE GESTÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS 2003 A justificação da proposta de orçamento da Faculdade de Ciências Médicas para 2003 começava com uma nota introdutória na qual se reforçava de novo,

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

Matriz Curricular Bacharelado em Farmácia

Matriz Curricular Bacharelado em Farmácia Matriz Curricular Bacharelado em Farmácia Semestre 1 01 Introdução às Ciências Farmacêuticas 30 30-2 - 02 Anatomia 75 30 45 5-03 Biologia Celular e Molecular 60 30 30 4-04 Química Geral e Inorgânica 75

Leia mais

DECLARAÇÕES EUROPEIAS DA FARMÁCIA HOSPITALAR

DECLARAÇÕES EUROPEIAS DA FARMÁCIA HOSPITALAR DECLARAÇÕES EUROPEIAS DA FARMÁCIA HOSPITALAR As páginas que se seguem constituem as Declarações Europeias da Farmácia Hospitalar. As declarações expressam os objetivos comuns definidos para cada sistema

Leia mais

CURSO DE BACHARELADO EM NUTRIÇÃO-FORMAÇÃO NUTRICIONISTA

CURSO DE BACHARELADO EM NUTRIÇÃO-FORMAÇÃO NUTRICIONISTA CURSO DE BACHARELADO EM NUTRIÇÃO-FORMAÇÃO NUTRICIONISTA Coordenaçăo: Profª. MS. Mara Rosana dos Santos E-mail: nutricao@immes.com.br Telefone (96)3223-4244 ramal: 211 Ser Nutricionista É atuar em todas

Leia mais

Genéricos - Guia Básico. Autor: Cesar Roberto CRF-RJ: 7461

Genéricos - Guia Básico. Autor: Cesar Roberto CRF-RJ: 7461 Autor: Cesar Roberto CRF-RJ: 7461 Versão 3.00 2001 Introdução: Este guia visa a orientar o profissional farmacêutico sobre os genéricos, e como este deve proceder na hora de aviar uma receita nesta nova

Leia mais

Sistema Lifemed de Gestão da Inovação

Sistema Lifemed de Gestão da Inovação Sistema Lifemed de Gestão da Inovação A Lifemed é uma empresa brasileira com mais de 32 anos de existência, especializada em dispositivos médicos para o setor da saúde. Está presente em mais de 1.500 hospitais

Leia mais

XXXI CONGRESSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE MEDICINA FARMACÊUTICA. Mercado de Trabalho para Médicos na Indústria Farmacêutica. Visão do Executive Search

XXXI CONGRESSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE MEDICINA FARMACÊUTICA. Mercado de Trabalho para Médicos na Indústria Farmacêutica. Visão do Executive Search XXXI CONGRESSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE MEDICINA FARMACÊUTICA Mercado de Trabalho para Médicos na Indústria Farmacêutica Visão do Executive Search Rudolf Mayer-Singule Novembro de 2005 QUESTÕES PARA

Leia mais

Onde os Biomédicos atuam?

Onde os Biomédicos atuam? Onde os Biomédicos atuam? Os profissionais Biomédicos estão distribuídos por todas as esferas científicas públicas e privadas das universidades, faculdades, centros universitários, institutos de pesquisas,

Leia mais

BNDES renova o Profarma e amplia apoio à biotecnologia

BNDES renova o Profarma e amplia apoio à biotecnologia ESPECIAL BNDES renova o Profarma e amplia apoio à biotecnologia Além da renovação do BNDES Profarma, com orçamento de R$ 5 bilhões, foi lançado também o Inova Saúde - Equipamentos Médicos, com orçamento

Leia mais

GECIV - Grupo Executivo do Complexo Industrial das Ciências da Vida Do Estado do Rio de Janeiro

GECIV - Grupo Executivo do Complexo Industrial das Ciências da Vida Do Estado do Rio de Janeiro GECIV - Grupo Executivo do Complexo Industrial das Ciências da Vida Do Estado do Rio de Janeiro Augusto Raupp Subsecretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação Política para Desenvolvimento Biotecnológico

Leia mais

Inovação. no Estado de São Paulo. Políticas Públicas para a promoção da Ciência, Tecnologia e

Inovação. no Estado de São Paulo. Políticas Públicas para a promoção da Ciência, Tecnologia e Políticas Públicas para a promoção da Ciência, Tecnologia e no Estado de São Paulo Inovação Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia Subsecretaria de Ciência e Tecnologia Vantagens

Leia mais

Indústria Farmacêutica e Farmoquímica

Indústria Farmacêutica e Farmoquímica Capa Indústria Farmacêutica e Farmoquímica A indústria farmacêutica mundial é composta por mais de 10 mil empresas. A cadeia farmacêutica tem se destacado como uma das mais inovadoras entre os setores

Leia mais

Dagoberto C.Brandão PHC Pharma Consulting A PESQUISA CLÍNICA E REGISTRO DE MEDICAMENTOS

Dagoberto C.Brandão PHC Pharma Consulting A PESQUISA CLÍNICA E REGISTRO DE MEDICAMENTOS A PESQUISA CLÍNICA E REGISTRO DE MEDICAMENTOS REGISTRO DE MEDICAMENTO A ESTRUTURA DO DOSSIÊ LEGAIS DADOS DADOS ROTULAGEM PRODUÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE EFICÁCIA CIA E SEGURANÇA Registro de Medicamentos

Leia mais

Acordos e Protocolos sem Repasse - Vigentes

Acordos e Protocolos sem Repasse - Vigentes Página 1 de 5 19/7/2015 Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN 20/7/2010 Desenvolver trabalhos e de ações de capacitação no âmbito científico, acadêmico e técnico de interesse comum às suas

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária REGISTRO DE MEDICAMENTOS

Agência Nacional de Vigilância Sanitária REGISTRO DE MEDICAMENTOS REGISTRO DE MEDICAMENTOS GERÊNCIA GERAL DE MEDICAMENTOS - SETORES A Gerência Geral de Medicamentos está em fase de reestruturação, portanto as divisões setoriais são provisórias; Gerência de Pesquisas,

Leia mais

Unidade de Pesquisa Clínica do Hospital Universitário Antônio Pedro da UFF

Unidade de Pesquisa Clínica do Hospital Universitário Antônio Pedro da UFF Rio de Janeiro Unidade de Pesquisa Clínica do Hospital Universitário Antônio Pedro da UFF Para constituir uma estrutura capaz de fornecer suporte operacional e metodológico, seguindo os modernos conceitos

Leia mais

O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO SETOR NA CIDADE DE SÃO PAULO

O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO SETOR NA CIDADE DE SÃO PAULO O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO SETOR NA CIDADE DE SÃO PAULO Januário Montone II Congresso Consad de Gestão Pública Painel 23: Inovações gerenciais na saúde O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO

Leia mais

Instituição privada dedicada a promover negócios em ciências da vida no Brasil

Instituição privada dedicada a promover negócios em ciências da vida no Brasil Instituição privada dedicada a promover negócios em ciências da vida no Brasil Biominas Brasil tem 21 anos de experiência na criação e desenvolvimento de empresas de ciências da vida. A Biominas Brasil

Leia mais

Pesquisa Clínica. Orientações aos pacientes

Pesquisa Clínica. Orientações aos pacientes Pesquisa Clínica Orientações aos pacientes 2009 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que citada a fonte. Tiragem: 1000 exemplares Criação, Informação e Distribuição

Leia mais

PROPOSTAS PARA A ESTRUTURAÇÃO DA ÁREA FARMACÊUTICA EM PERNAMBUCO

PROPOSTAS PARA A ESTRUTURAÇÃO DA ÁREA FARMACÊUTICA EM PERNAMBUCO PROPOSTAS PARA A ESTRUTURAÇÃO DA ÁREA FARMACÊUTICA EM PERNAMBUCO Documento elaborado a partir das discussões do Fórum Pernambucano de Valorização da Profissão Farmacêutica RECIFE/PE, AGOSTO DE 2014 Propostas

Leia mais

INT VIDEO INSTITUCIONAL

INT VIDEO INSTITUCIONAL INT VIDEO INSTITUCIONAL Carlos Alberto Teixeira 16 de Fevereiro de 2011 Investimentos e Incentivos Fiscais - Projetos de Inovação em Ciência e Tecnologia Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha

Leia mais

Rede Nacional de Métodos Alternativos RENAMA. RENAMA: missão e desafios

Rede Nacional de Métodos Alternativos RENAMA. RENAMA: missão e desafios RENAMA: missão e desafios Sumário Primeiros Passos Visão e motivação para a criação da RENAMA Estrutura Institucional Governança Iniciativa de Ensaios Interlaboratoriais Iniciativas Recentes Chamadas Públicas

Leia mais

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Atores envolvidos Movimentos Sociais Agricultura Familiar Governos Universidades Comunidade Científica em Geral Parceiros Internacionais,

Leia mais

9º Encontro Nacional de Inovação em Fármacos e Medicamentos (ENIFarMed)

9º Encontro Nacional de Inovação em Fármacos e Medicamentos (ENIFarMed) 9º Encontro Nacional de Inovação em Fármacos e Medicamentos (ENIFarMed) 18 de agosto de 2015 PALESTRA: Internacionalização dos laboratórios farmacêuticos nacionais: acesso a novos mercados O Projeto A

Leia mais

Profa. Dra. Cristina Castro Lucas de Souza Depieri

Profa. Dra. Cristina Castro Lucas de Souza Depieri Inovação e Tecnológia na Gestão Pública Profa. Dra. Cristina Castro Lucas de Souza Depieri Doutorado em Administração (UnB) Mestrado em Contabilidade e Controladoria (UFMG) Graduação em Ciências Contábeis

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

4º Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família Ministério da Saúde: Pesquisa e inovação em APS no SUS

4º Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família Ministério da Saúde: Pesquisa e inovação em APS no SUS 4º Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família Ministério da Saúde: Pesquisa e inovação em APS no SUS Reinaldo Guimarães Secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos Brasília,

Leia mais

ANEXO I DEMOSTRATIVO DE VAGAS POR CARGO, ÁREA DE ATUAÇÃO, PERFIL, ESCOLARIDADE EXIGIDA E LOCALIZAÇÃO. N O. DE VAGAS POR PERFIL PERFIL

ANEXO I DEMOSTRATIVO DE VAGAS POR CARGO, ÁREA DE ATUAÇÃO, PERFIL, ESCOLARIDADE EXIGIDA E LOCALIZAÇÃO. N O. DE VAGAS POR PERFIL PERFIL ANEXO I DEMOSTRATIVO DE CARGO, ÁREA DE ATUAÇÃO,, ESCOLARIDADE EXIGIDA E LOCALIZAÇÃO. CARGO: TECNOLOGISTA JUNIOR Cód. ÁREA DE ATUAÇÃO N O DE ÁREA 32 Arquitetura 12 Conservação e restauração de conjuntos

Leia mais

Seminário Valor Econômico Complexo Industrial da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária Regulação em Saúde

Seminário Valor Econômico Complexo Industrial da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária Regulação em Saúde Seminário Valor Econômico Complexo Industrial da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária Regulação em Saúde Dirceu Raposo de Mello Diretor-Presidente São Paulo, 1º de março de 2010 Vigilância Sanitária

Leia mais

IV Simpósio de Plantas Medicinais do Vale do São Francisco Petrolina-PE, 18-21 de setembro de 2013

IV Simpósio de Plantas Medicinais do Vale do São Francisco Petrolina-PE, 18-21 de setembro de 2013 1 PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA Dia 18/09 (quarta-feira) CURSOS PRÉ-SIMPÓSIO - 08:00 12:00 Curso 1: Métodos de avaliação da atividade antimicrobiana de produtos naturais. Ministrante: Prof. Dr. Mateus Matiuzzi

Leia mais

Dia 04 de agosto de 2008 Segunda-feira. 04.08.2008 Segunda-feira. Abertura do Evento. (Auditório 2º Andar)

Dia 04 de agosto de 2008 Segunda-feira. 04.08.2008 Segunda-feira. Abertura do Evento. (Auditório 2º Andar) Dia 04 de agosto de 2008 Segunda-feira da Início: Duração 120 min 04.08.2008 Segunda-feira Abertura do Evento (Auditório 2º Andar) Almoço 12:30h Intervalo 14:00h - 90 min 15:50h 15:50h 17:20h - 20 min

Leia mais

EMPREENDEDORISMO TECNOLÓGICO

EMPREENDEDORISMO TECNOLÓGICO EMPREENDEDORISMO TECNOLÓGICO Prof. LIN CHIH CHENG, PhD. XXV ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃ ÇÃO Porto Alegre 01 de Novembro, 2005 Departamento EMPREENDE Engenharia / UFMG de Produçã ção 1 AGENDA

Leia mais

Ensaios Clínicos: A Perspectiva da Indústria Farmacêutica

Ensaios Clínicos: A Perspectiva da Indústria Farmacêutica Ensaios Clínicos: A Perspectiva da Indústria Farmacêutica Plataforma Nacional de Ensaios Clínicos Lançamento Oficial Lisboa, 20 de Março 2012 Paula Martins de Jesus Grupo de Trabalho de Investigação Clínica

Leia mais

ENTREVISTA COM DRA. MÔNICA MARIA HENRIQUE DOS SANTOS

ENTREVISTA COM DRA. MÔNICA MARIA HENRIQUE DOS SANTOS dos Santos, Coordenadora de Assistência Farmacêutica da Funasa, em Pernambuco, e do programa de assistência farmacêutica na saúde indígena. Pelo jornalista Aloísio Brandão, Editor desta revista. m programa

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

Pesquisa deve resultar em inovação tecnológica Projeto desenvolvido em instituição de pesquisa Contrapartida real da empresa parceira: entre 30% e

Pesquisa deve resultar em inovação tecnológica Projeto desenvolvido em instituição de pesquisa Contrapartida real da empresa parceira: entre 30% e ,129$d 2 3$5&(5,$61$ (&2120,$'2 &21+(&,0(172 3DUFHULDSDUD,QRYDomR7HFQROyJLFD 3,7(3DUFHULDSDUD,QRYDomR 7HFQROyJLFD 3,3(,QRYDomR7HFQROyJLFD HP3HTXHQDV(PSUHVDV &(3,'V &(3,'V&HQWURVGH3HVTXLVD,QRYDomRH'LIXVmR

Leia mais

CONCEITOS, POLÍTICAS, PRINCÍPIOS, DIRETRIZES E PRÁTICAS PARA PROMOÇÃO DA SEGURANÇA DO PACIENTE

CONCEITOS, POLÍTICAS, PRINCÍPIOS, DIRETRIZES E PRÁTICAS PARA PROMOÇÃO DA SEGURANÇA DO PACIENTE Seminário Nacional: redução do risco para a segurança do paciente e qualidade em serviços de saúde CONCEITOS, POLÍTICAS, PRINCÍPIOS, DIRETRIZES E PRÁTICAS PARA PROMOÇÃO DA SEGURANÇA DO PACIENTE Brasília,

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA 30-30 02

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA 30-30 02 MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA 1º SEMESTRE 1. Anatomia Humana 30 30 60 04-2. Bioestatística Geral 30-30 02-3. Bioética 30-30 02-4. Biofísica 60-60 04-5. Citologia, Histologia e Embriologia

Leia mais

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Elaborada pela Diretoria de Extensão e pela Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa

Leia mais

Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial

Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial Ronaldo Mota Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação Comissão Especial Pré-Sal / Fundo Social Câmara dos Deputados 6 de

Leia mais